SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO EM HIDROVIAS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO EM HIDROVIAS:"

Transcrição

1 PAULO CESAR MACHADO SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO EM HIDROVIAS: fator fundamental para o desenvolvimento da Região Amazônica Trabalho de Conclusão de Curso - Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia. Orientador: Economista Rui Fibiger. Rio de Janeiro 2014

2 C2014 ESG Este trabalho, nos termos de legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado propriedade da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (ESG). É permitido a transcrição parcial de textos do trabalho, ou mencioná-los, para comentários e citações, desde que sem propósitos comerciais e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do autor e não expressam qualquer orientação institucional da ESG Assinatura do autor Biblioteca General Cordeiro de Farias Cesar Machado, Paulo. Segurança da Navegação em Hidrovias: Fator fundamental para o desenvolvimento da região Amazônica / Paulo Cesar Machado - Rio de Janeiro: ESG, f.: il. Orientador: Economista Rui Fibiger. Trabalho de Conclusão de Curso Monografia apresentada ao Departamento de Estudos da Escola Superior de Guerra como requisito à obtenção do diploma do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE), Segurança da Navegação. 2. Hidrovias. 3. Região Amazônica. I.Título.

3 Aos meus pais, que foram os principais responsáveis por minha formação e educação. Às minhas amadas Soraya e Cecília, sou grato pela compreensão nos meus momentos de ausências e omissões, em dedicação às atividades da ESG, em especial aqueles que me permitiram a atenção à elaboração deste trabalho.

4 AGRADECIMENTOS Aos meus professores de todas as épocas por terem sido responsáveis por parte considerável da minha formação e do meu aprendizado. Aos estagiários da Turma ESG: 65 pensando o Brasil do CAEPE, pelo convívio harmonioso de todas as horas. Ao Corpo Permanente da ESG pelos ensinamentos e orientações que me fizeram refletir, cada vez mais, sobre a importância de se estudar o Brasil com a responsabilidade implícita de ter que melhorar.

5 O rio comanda a vida. Leandro Tocantins

6 RESUMO Esta monografia aborda a Segurança da Navegação em Hidrovias como fator fundamental para o desenvolvimento da região Amazônica e, por conseguinte, do país. O objetivo geral deste trabalho é analisar a Segurança da Navegação, em todos os aspectos e atores envolvidos, especialmente na Amazônia. A partir do estudo e da comparação com hidrovias que compõem o modal de países desenvolvidos, serão sugeridas ações e diretrizes que permitam melhorias em relação ao modelo atual, que se encontra deficiente. Inicialmente, será apresentado o conceito de hidrovia e um quadro demonstrativo das principais, por onde são feitos o transporte de cargas e pessoas a partir de, e para a região. Em seguida, serão apresentados dados atualizados sobre o transporte hidroviário, os custos envolvidos, dados comparativos em relação a outros modais, tipos de embarcações que trafegam na região e a situação da construção naval fluvial. Na seqüência, serão apresentados os atores envolvidos na manutenção, regulação e fiscalização do referido modal, tanto na estrutura das hidrovias, como nas embarcações e suas tripulações, além de entidades diretamente interessadas no assunto, como sindicatos e federações. Serão apresentadas as principais hidrovias dos EUA e Europa, suas características e seus modelos bem sucedidos de administração. Por fim, a partir de uma análise comparativa com estes modelos, serão sugeridas ações e diretrizes para melhorias em relação à situação atual das hidrovias da região Amazônica, que permita o seu desenvolvimento, considerando a sua elevada importância estratégica para o Brasil. Palavras chave: Hidrovias. Segurança da Navegação fluvial. Região Amazônica. Construção naval. Modal hidroviário.

7 ABSTRACT This monograph discusses the Safety of Navigation Waterways as fundamental factor to the development of the Amazon region and therefore the country. The general objective of this work is to analyze the Safety of Navigation in all aspects and actors involved, especially in the Amazon. From the study and comparison with waterways that make up the modal developed countries, actions and guidelines that allow improvements over the current model, which is deficient, will be suggested. Initially, it will be presented the concept of waterway and statement of the main frame, which are made for transporting people and cargo from and to the region. Then updated on waterborne transport costs involved, comparative data in relation to other modes, types of boats that travel in the region and the situation of the shipbuilding fluvial data will be presented. Next, the actors involved are presented in the maintenance, regulation and inspection of the modal stated, both the structure of the waterways, such as the vessels and their crews, and entities directly interested in the subject, such as unions and federations. The major waterways of the U.S. and Europe, their characteristics and their successful management models, will be presented. Finally, from a comparative analysis with these models, actions and guidelines for improvements over the current state of the waterways of the Amazon region, enabling their development, will be suggested, considering its high strategic importance to Brazil. Keywords: Waterways. Fluvial Navigation Safety. Amazon Region. Naval construction. Waterways modal.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Regiões Hidrográficas do Brasil...17 FIGURA 2 Hidrovias da Região Hidrográfica Amazônica...18 GRÁFICO 1 Densidade do Transporte Hidroviário...46 GRÁFICO 2 Investimentos da União em transporte por modal...60

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Participação relativa dos diferentes modais no sistema de transporte dos países... 47

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT AG AHIMOC AHIMOR AM ANA ANTAQ BNDES CFAOC CFS CFT CIABA CNRH CNT CPAOR CPAP CTFFAO DGN DHN DL DNIT DPC END FENAVEGA FMM GLP Km LBDN LC LESTA MB MD Associação Brasileira de Normas Técnicas Agência da Capitania dos Portos/ Capitania Fluvial Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental Autoridade Marítima Agência Nacional de Águas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental Capitania Fluvial de Santarém Capitania Fluvial de Tabatinga Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar Conselho Nacional de Recursos Hídricos Confederação Nacional do Transporte Capitania dos Portos da Amazônia Oriental Capitania dos Portos do Amapá Centro Técnico de Fluviários da Amazônia Ocidental Diretoria Geral de Navegação Diretoria de Hidrografia e Navegação Delegacia da Capitania dos Portos/ Capitania Fluvial Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes Diretoria de Portos e Costas Estratégia Nacional de Defesa Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária Fundo da Marinha Mercante Gás liquefeito de petróleo quilômetro Livro Branco de Defesa Nacional Lei Complementar Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário Marinha do Brasil Ministério da Defesa

11 NORMAM OM PACBA PAED PAEMB PND REMAN RLESTA SEP/PR SSN-4 SSN-9 SSTA TKU UEA UFAM Norma da Autoridade Marítima Organização Militar Plano de Atualização Cartográfica para a Bacia Amazônica Plano de Articulação e Equipamento de Defesa Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do Brasil Política Nacional de Defesa Refinaria de Manaus Regulamento de Segurança do Tráfego Aquaviário Secretaria de Portos da Presidência da República Serviço de Sinalização Náutica do Norte Serviço de Sinalização Náutica do Noroeste Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário Tonelada transportada por quilômetro útil Universidade do Estado do Amazonas Universidade Federal do Amazonas

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO HIDROVIAS CONCEITUAÇÃO RIOS NAVEGÁVEIS DA REGIÃO AMAZÔNICA PRINCIPAIS HIDROVIAS DA REGIÃO AMAZÔNICA DADOS ACERCA DO TRANSPORTE DE PESSOAS E CARGAS NA REGIÃO AMAZÔNICA PESSOAS E CARGAS TRANSPORTADAS PELOS RIOS DA AMAZÔNIA COMPARAÇÃO ENTRE OS MODAIS DE TRANSPORTES DADOS SOBRE EMBARCAÇÕES QUE TRAFEGAM NA REGIÃO AMAZÔNICA CONSTRUÇÃO NAVAL NA AMAZÔNIA ATUAÇÃO DOS ATORES ENVOLVIDOS MARINHA DO BRASIL Segurança do Tráfego Aquaviário (STA) Hidrografia e Navegação DNIT ANTAQ ANA SINDICATOS E FENAVEGA NAVEGABILIDADE E SEGURANÇA DAS HIDROVIAS DA AMAZÔNIA HIDROVIAS DE PAÍSES DESENVOLVIDOS POSSÍVEIS MELHORIAS E SOLUÇÕES ESTRUTURA E NAVEGABILIDADE DAS HIDROVIAS CONSTRUÇÃO NAVAL SEGURANÇA DE EMBARCAÇÕES ATORES ENVOLVIDOS INVESTIMENTOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO A EMBARCAÇÕES QUE NAVEGAM NA AMAZÔNIA ANEXO B ATORES QUE ATUAM EM VIAS NAVEGÁVEIS... 68

13 ANEXO C OM DO SSTA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL... 69

14 13 1 INTRODUÇÃO Na Amazônia existe um dito bastante popular: aqui, os rios são as estradas. Os rios são as veias e artérias por onde escoa tudo o que é essencial para a vida de seus habitantes. A floresta é intransponível. As populações são altamente dependentes daquelas vias de acesso. Sem elas, seria impossível transportar os meios necessários para manter as condições de vida dos ribeirinhos em suas comunidades e nas pequenas e médias cidades do interior. Grande parte dos municípios e comunidades da Amazônia brasileira são verdadeiras ilhas. As malhas rodoviárias e ferroviárias praticamente inexistem. É escassa a ligação por meio desses modais entre os municípios e entre eles e o resto do país. O modal aeroviário também é bastante limitado. Não somente pelas características deste meio de transporte, mas também pela precária infraestrutura aeroportuária na região. Somente as principais cidades possuem instalações aeroportuárias ou, minimamente, pistas de pouso adequadas. As próprias características físicas e geográficas dificultam o incremento desses modais, pela existência de floresta densa e fechada na maior parte da região. No entanto, a quantidade de rios navegáveis é muito extensa e cobre grande parte da Amazônia. Assim, estima-se que cerca de 80% do transporte de pessoas e cargas na região seja feito por meio do modal hidroviário (CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE, 2013, p. 53). Desta forma, consideramos que a segurança da navegação é um fator imprescindível para o desenvolvimento amazônico e, por conseguinte do país, haja vista sua relevância estratégica. Entretanto, apesar de fartamente cortada por essas vias naturais, rios navegáveis de grandes extensões, os problemas são muitos. Não existem estruturas que poderiam aumentar bastante a segurança da navegação, transformando essas vias naturais em hidrovias seguras e modernas. Obras como balizamento e dragagem, além dos serviços hidrográficos necessários, foram realizadas de forma precária. Os investimentos do Governo Federal são escassos. As embarcações que trafegam por essas vias são, em sua maioria, inseguras e construídas de forma artesanal, e muitas delas utilizam tripulantes sem qualificação ou experiência necessária. Além disso, em pesquisa preliminar sobre custos de transporte, é fácil verificar que, na comparação entre os diversos modais, o custo do transporte

15 14 hidroviário da tonelada por quilômetro é significativamente inferior aos demais, da ordem de 56% do custo do modal ferroviário e de 16% do custo do modal rodoviário (AFONSO, 2006, p. 89). Além disso, o modal hidroviário possui uma capacidade de transporte bastante superior se comparado aos demais. Como exemplo, podemos verificar que um comboio de empurrador com 20 balsas, típico da região amazônica, é capaz de transportar uma quantidade de carga equivalente ao que é transportado por caminhões. Estes fatos, por si só, representam uma vantagem logística incomparável. O atual estágio de precariedade da segurança da navegação na Amazônia é fruto de um longo período de desatenção e falta de investimentos do Governo Federal neste setor, especialmente nessa região, fato que vem prejudicando seu desenvolvimento. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo geral analisar a Segurança da Navegação, em todos os aspectos envolvidos, nas hidrovias da Amazônia. De forma mais específica, iremos analisar os principais rios navegáveis que ligam as cidades e localidades do interior da Amazônia e entre as mesmas e as demais regiões do país; a situação atual destas vias em termos de segurança da navegação; a formação de pessoal da categoria de fluviários; a comparação entre os custos envolvidos dos diversos modais; os tipos e situação quanto à segurança das embarcações e comboios regionais que navegam por essas vias; a atuação dos diversos atores envolvidos, Marinha do Brasil e Órgãos Governamentais ligados ao Ministério dos Transportes; e, por fim, as principais hidrovias em outros países (modelos), estabelecendo um paralelo em relação ao Brasil. A análise desses dados e a comparação com a estrutura de hidrovias de alto nível em outros países permitirá levantar dados e sugestões para a melhoria da segurança da navegação. A discussão dar-se-á no plano da análise comparativa entre as características das hidrovias da região amazônica e dos países desenvolvidos, como modelos do padrão desejado em termos de segurança. Dentro dessa ótica, não é possível apontar um marco teórico bem definido sobre o assunto a ser analisado, haja vista que as pesquisas preliminares indicam livros e sites da internet que não estabelecem um padrão, mas apenas expõem a situação atual, legislações aplicáveis e sugerem diretrizes para elevação do padrão de segurança. No entanto, com a finalidade de utilizar a metodologia, utilizaremos as legislações existentes sobre o assunto como marco teórico.

16 15 Será realizada pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo sobre as questões delimitadas nos objetivos específicos, com foco no objetivo principal acima apresentado. Serão analisados todos os subsídios disponíveis sobre o assunto, com a finalidade de montar um quadro claro sobre a situação atual, que nos permita realizar uma análise comparativa com hidrovias de países desenvolvidos, que alcançaram o estado da arte. Por fim, esta análise levará a conclusões sobre as possíveis ações para a melhoria da qualidade das hidrovias da região amazônica.

17 16 2 AS HIDROVIAS 2.1 CONCEITUAÇÃO A água é um recurso natural que sempre foi fundamental à vida humana, desde os primórdios de sua existência. Além de ser essencial à própria sobrevivência do homem, a água é um elemento básico e fator impulsionador de diversas atividades, entre elas a econômica, como, por exemplo, a geração de energia e o transporte. Tal a importância do uso deste recurso natural, que existe uma legislação específica para este fim, a Lei n o 9.433, de 8 de janeiro de 1997, que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, e cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, entre outras providências. Esta lei será analisada de forma mais minuciosa em outro capítulo deste trabalho. Uma das principais vias de transporte são os rios, que são fluxos naturais de água, que se deslocam sob influência da gravidade, passando por pontos sucessivamente mais baixos (COSTA, 2001, p. 16). Quando este fluxo de água possui um determinado trecho navegável é designado como uma hidrovia. No caso do estudo em questão, as da região amazônica são consideradas hidrovias interiores, por estarem localizadas em águas interiores, ao contrário daquelas localizadas em mar aberto ou, simplesmente, nos oceanos. Do ponto de vista econômico e comercial, a hidrovia não é vista apenas como uma via de navegação. Ela é classificada de acordo com sua capacidade de transporte de carga, ou seja, qual infraestrutura possui, natural ou colocada pela ação humana, que propicie as melhores condições de navegação com segurança para embarcações e comboios, de maior porte possível e, consequentemente, da maior quantidade de carga. 2.2 RIOS NAVEGÁVEIS DA REGIÃO AMAZÔNICA A região hidrográfica amazônica possui uma vasta quantidade de vias naturais navegáveis, que formam a maior rede hidroviária do Brasil e do mundo. É constituída pela bacia do rio Amazonas, situada no território nacional, e pelas bacias dos rios existentes na ilha de Marajó, além das bacias hidrográficas dos rios situados

18 17 no Estado do Amapá que deságuam no Atlântico Norte, totalizando km de extensão de vias navegáveis e 724 km de vias potencialmente navegáveis (Confederação Nacional do Transporte CNT, 2013, p. 50), o que representa cerca de 60% da rede hidroviária nacional (Agência Nacional de Águas ANA, 2005, p. 23). Em termos de extensão e de disponibilidade de água, a região hidrográfica Amazônica possui a maior área territorial, 45,3% do território nacional (3,9 milhões de km 2 ), e abrange áreas dos Estados do Acre (3,4%), Amapá (3,2%), Amazonas (35,0%), Mato Grosso (20,2%), Pará (27,9%), Rondônia (5,3%) e Roraima (5,0%). A Figura 1 mostra a divisão formal das regiões hidrográficas do Brasil, de acordo com Resolução do Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) Os principais rios que formam esta bacia hidrográfica são: rio Amazonas, rio Solimões, rio Madeira, rio Mamoré, rio Guaporé, rio Negro, rio Branco, rio Purus, rio Acre, rio Juruá, rio Tarauacá, rio Envira, rio Japurá, rio Javari, rio Içá, rio Tapajós, rio Trombetas, rio Jari, rio Marajó, e rio Xingu. Não foram citados outros rios navegáveis de menor porte. Figura 1 Regiões Hidrográficas do Brasil Fonte: Resolução CNRH n o 32, de 15 de outubro de 2003

19 PRINCIPAIS HIDROVIAS DA REGIÃO AMAZÔNICA Devido à extensão da Bacia Amazônica, costuma-se dividi-la em sub-bacias (COSTA, 2001, p. 58). Assim, podemos citar a seguinte rede hidroviária principal, efetivamente considerada pelo Ministério dos Transportes, qual seja: sub-bacia principal, formada pelos rios Amazonas e Solimões; sub-bacia do Negro, formada pelos rios Negro e Branco; sub-bacia do Madeira, formada pelos rios Madeira, Mamoré e Guaporé; sub-bacia do Juruá, formada pelos rios Juruá e Tarauacá; subbacia do Purus, formada pelos rios Purus e Acre; sub-bacia do rio Trombetas; subbacia do rio Tapajós, que futuramente formará uma hidrovia junto com o rio Teles Pires; e sub-bacia do rio Xingu. A figura 2 mostra a situação das hidrovias da região amazônica. Figura 2 - Hidrovias da Região Hidrográfica Amazônica Fonte: Agência Nacional de Águas (ANA)

20 19 3 DADOS ACERCA DO TRANSPORTE DE PESSOAS E CARGAS NA REGIÃO AMAZÔNICA 3.1 PESSOAS E CARGAS TRANSPORTADAS PELOS RIOS DA AMAZÔNIA Nos anos de 2011 e 2012, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), entidade vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP/PR), coletou dados acerca do transporte de passageiros na região da Amazônia, que resultou em um estudo, lançado em Além de trazer diversos dados que formam uma importante radiografia sobre esta atividade na região, o estudo realizou uma análise qualitativa sobre a precariedade no atendimento dos diversos terminais de passageiros. Com a finalidade de caracterizar a grandeza dos números envolvidos na citada atividade e desta forma, deixar patente a enorme dependência em relação a este modal de transporte, apresentamos a seguir alguns dados apresentados no estudo: - quantidade de linhas de transporte de passageiros: 317 (foram considerados os Estados do Amazonas, Pará, Amapá e Rondônia linhas estaduais, interestaduais e de travessia) - quantidade total de embarcações: quantidade de terminais analisados: quantidade de passageiros transportados/ano: quantidade de passageiros/ano projetada para 2022: A seguir, apresentaremos os tipos de cargas transportadas por hidrovia. Na categoria de carga geral, citamos os seguintes produtos: alimentos, bovinos e outros animais vivos, carnes bovina, de aves e suína, derivados de ferro, madeiras, materiais elétricos, produtos cerâmicos, equipamentos, laminados planos, longos e tubos de aço, têxteis e calçados. Na categoria de granéis sólidos, citamos os seguintes produtos: adubos, carvão mineral, cimento, minerais metálicos não ferrosos, minerais não metálicos, minério de ferro, produtos químicos inorgânicos, e sal. Na categoria de granéis sólidos agrícolas, citamos os seguintes produtos: açúcar, arroz, café em grão, cana-de-açúcar, milho em grão, soja em grão, trigo em grão e outros cereais.

21 20 Nos rios Amazonas, Solimões, Negro, Branco, e Xingu, os granéis sólidos são o principal produto transportado, seguido de carga geral e de granéis sólidos agrícolas. O rio Solimões é muito utilizado para o transporte de petróleo e seus derivados, advindos do campo de Urucu. Esse petróleo é transportado por meio de um oleoduto, do campo de produção, até a cidade de Coari e, em seguida, é escoado por navios petroleiros até a cidade de Manaus. Nos rios Negro e Branco podemos citar os derivados de petróleo, carga geral e gás (botijão), essenciais para o abastecimento da população ribeirinha. No rio Xingu, as principais cargas transportadas são combustíveis e carga geral. No rio Tapajós são transportados, principalmente, granéis sólidos, seguido de granéis sólidos agrícolas e, em menor escala, de carga geral. A hidrovia Tapajós Teles Pires, após sua implantação total, deverá se tornar a melhor rota para o escoamento de grãos do centro-norte do estado de Mato Grosso. O rio Madeira, atualmente, é a principal hidrovia da Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental (AHIMOC), entidade que será abordada com maior detalhe no próximo capítulo, sendo uma importante via de escoamento de cargas da região Centro-Oeste, principalmente de grãos como a soja e o milho, integrando a região aos grandes portos ao longo do rio Amazonas de onde essas cargas são exportadas por meio de navegação de longo curso. Além disso, é uma importante via de escoamento de carga geral, como meio de ligação com o modal rodoviário, na cidade de Porto Velho (RO), de onde é transportada para o resto do país. Também, é uma via de transporte de etanol, da Região Centro-Oeste, para abastecimento da Região Norte. O rio Trombetas, além do escoamento de cargas gerais, é uma importante via de transporte da produção de bauxita do estado do Pará. Além disso, pelos rios acima citados são transportados derivados de petróleo, especialmente diesel, para abastecimento de pequenas usinas termoelétricas e geradores da região. Os rios Purus, Juruá e Guaporé são utilizados principalmente para o transporte local de passageiros e de pequenas cargas, além de óleo diesel, como acima citado.

22 COMPARAÇÃO ENTRE OS MODAIS DE TRANSPORTE Diversos estudos sobre modais de transporte têm demonstrado, de forma clara e contundente, que o modal hidroviário possui grandes vantagens, em vários aspectos sobre os modais rodoviário, ferroviário e aeroviário. Nesta etapa, procuraremos demonstrar esta vantagem, por meio dos seguintes dados comparativos em relação a outros modais (AFONSO, 2006): a) Custo de transporte: o modal hidroviário de transporte de cargas possibilita uma redução de custos de 44% em relação ao ferroviário e de 84% em relação ao rodoviário, considerando tonelada por quilômetro transportado; b) Capacidade de transporte: para realizar o transporte de toneladas de carga, é necessário o uso de um comboio formado por um (1) empurrador e uma (1) balsa; ou de uma (1) locomotiva e cinqüenta (50) vagões; ou de cinqüenta (50) caminhões; c) Vida útil dos meios: a vida útil média de uma embarcação é de 50 anos; de um trem é de 30 anos; e de um caminhão é de 10 anos; d) Distância percorrida por quilômetro: para realizar o transporte de uma (1) tonelada, com um (1) litro de combustível, uma embarcação percorre, em média, 219 km; um trem percorre 86 km; e um caminhão percorre 25 km; e) Investimentos para transporte: para realizar o transporte de mil (1.000) toneladas de carga, são necessários os seguintes investimentos (em milhões de dólares americanos); 0,46 pelo modal hidroviário; 1,55 pelo modal ferroviário; e 1,86 pelo modal rodoviário; f) Meio ambiente: no modal hidroviário são emitidos 254 gramas (g) de monóxido de carbono a cada mil (1.000) TKU (tonelada útil transportada ou tonelada transportada por quilômetro útil); no modal ferroviário 831 gramas; e no modal rodoviário gramas (ANTAQ, Panorama Aquaviário, 2008, p. 8). Desta forma, está evidente que o modal hidroviário tem grandes vantagens em relação aos demais, não somente em relação ao seu custo, da capacidade de transporte de carga por tonelada, da vida útil dos meios que compõem cada modal, do gasto de combustível, da necessidade de investimentos, mas, também, pelo menor dano que infringe ao meio ambiente, por emitir uma quantidade bastante menor de monóxido de carbono. O modal aeroviário não foi considerado pelas grandes restrições que possui, especialmente em relação à capacidade de

23 22 transporte de carga e dos altos custos envolvidos. Entretanto, este tipo de modal pode ser necessário para transporte de alguns tipos de cargas específicas, em virtude de sua rapidez. Porque então o modal hidroviário não recebe do governo federal os investimentos e a atenção devida? De acordo com relatório divulgado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em novembro de 2013, somente 50% das vias navegáveis do Brasil são utilizadas para transporte. Os investimentos em infraestrutura hidroviária apresentam-se abaixo das necessidades do setor. Entre o início de 2002 e junho de 2013, o valor de investimentos autorizados pelo governo federal no setor foi de R$ 5,24 bilhões, mas somente R$ 2,42 foram efetivamente aplicados. O levantamento aponta que são necessários investimentos de cerca de R$ 50,2 bilhões em melhorias na infraestrutura das hidrovias no País, o que inclui abertura de canais, aumento de profundidade, ampliação e construção de terminais hidroviários, construção de eclusas 1, dragagem 2 e derrocamento 3 em canais de navegação e portos. De acordo com Lino, Carrasco e Costa (2008, p. 21), a rede de hidrovias brasileira é, atualmente, constituída de km de rios naturalmente navegáveis, dos quais apenas km encontram-se em uso comercial regular. Destes, km estão na região da Amazônia. Este quadro poderia ser alterado com investimentos em obras adequadas, aumentando a extensão da rede hidroviária nacional para km. Essa falta de investimentos se reflete diretamente no crescimento deste modal no Brasil. Prova disso são os números divulgados pela ANTAQ, em seu estudo sobre os indicadores do transporte de cargas nas hidrovias brasileiras (AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS, 2013, p. 8), que mostra uma considerável redução no crescimento do modal hidroviário, em relação a outros modais. Se no ano de 2011 o transporte em vias de navegação interior cresceu 5%, no ano de 2012 o crescimento foi de apenas 1,28%. Para efeito de comparação, 1 Eclusa é uma obra de engenharia hidráulica que permite que embarcações subam ou desçam os rios ou mares em locais onde há desníveis (barragem, quedas de água ou corredeiras). 2 Dragagem é o serviço de desassoreamento, alargamento, desobstrução, remoção, derrocamento ou escavação de material do fundo de rios, lagoas, mares, baías e canais de acesso a portos. O principal objetivo é realizar a manutenção ou aumentar a profundidade. 3 Derrocamento consiste em um processo de retirada ou destruição de pedras ou rochas submersas, que impedem a plena navegação

24 23 podemos citar que, no mesmo período, o modal ferroviário cresceu cerca de 8%. 3.3 DADOS SOBRE EMBARCAÇÕES QUE TRAFEGAM NA REGIÃO AMAZÔNICA São inúmeros os tipos de embarcações que trafegam nas hidrovias da Amazônia. Não apenas na diversidade de porte, categoria, tipos de carga e material da qual são construídas, mas também na grandiosidade dos números, proporcionais à imensidão de seus rios. Não existem estudos que coloquem a quantidade estimada de embarcações navegando na região. Pela experiência pessoal deste autor, podemos considerar que existem cerca de embarcações inscritas nas Capitanias dos Portos e suas Delegacias e Agências subordinadas, nas jurisdições da Amazônia Ocidental e Oriental, e mais que o dobro desta quantidade, ou seja, efetivamente em operação. Dentro dessa quantidade, podemos apresentar os seguintes tipos de embarcações que navegam na região amazônica. O anexo A apresenta fotografias de algumas destas embarcações: a) Navios Mercantes: - Transportadores de contêiner possuem limitação de tamanho e calado 4 em virtude das características da navegação fluvial. Transportam carga geral que abastece a região, principalmente a cidade de Manaus e imediações; - Gaseiros construídos especialmente para o transporte de GLP (gás liquefeito de petróleo). Realizam escoamento da produção do campo de Urucu, da Petrobras, localizado na bacia do rio Solimões, na região do município de Coari/AM, para a Refinaria de Manaus (REMAN); - Graneleiros podem transportar granéis sólidos ou líquidos. No caso dos granéis sólidos, realizam o escoamento da produção de grãos, especialmente da soja, produzida no norte do estado do Mato Grosso, a partir dos terminais existentes na cidade de Itacoatiara/AM. O escoamento é iniciado pelo modal rodoviário até a cidade de Porto Velho/RO, e a partir deste ponto, por meio de comboios de empurradores e balsas, que serão descritos adiante, em navegação no rio Madeira, 4 Distância vertical medida entre a linha d água de uma embarcação até a face inferior de sua quilha. Na prática, influencia diretamente na mínima profundidade necessária, em uma hidrovia, que possibilite a navegação de uma determinada embarcação.

25 24 até a cidade de Itacoatiara, onde são embarcados em navios graneleiros. No caso do transporte de granéis líquidos, realizam o escoamento da produção petrolífera do campo de Urucu até a REMAN. Também, realizam o transporte dos derivados de petróleo, a partir da referida refinaria, para outros estados e para o exterior; b) Comboios regionais - são as embarcações típicas de transporte nas hidrovias anteriores. São constituídos de um ou mais empurradores 5, que conduzem um conjunto de uma ou mais balsas, que navegam amarradas umas às outras. Na Amazônia são conhecidos como Rol-on-Rol-off caboclo ou, simplesmente, Ro-ro caboclo. Segundo Nogueira (1999, p. 81, apud MEDEIROS, 2012, p. 30), este tipo de embarcação foi criado como uma alternativa ao transporte rodo fluvial, como adaptação ao modelo internacional rol-on-rol-off : A alternativa rodo fluvial começa a ganhar dimensão a partir da década de 80. A adaptação do modelo internacional de roll-on roll-off, transporte de containeres em navios, carga unitizada, sem a necessidade de grande número de carregadores, como exige a carga solta, para a Amazônia com o nome de ro-ro caboclo constitui-se em colocar caminhões e carretas sobre um comboio de balsas impulsionadas por um barco potente, denominado empurrador. Como no início da exploração dessa modalidade de transportar, as balsas apresentavam dimensões reduzidas (aproximadamente 300 t, pois atendiam a outras necessidades), comportando em média 12 carretas, era comum ver navegar comboios de até 3 balsas articuladas. A evolução deste sistema, engrenado com produção industrial e o abastecimento crescente de Manaus, conduziu a uma constante procura da melhoria dos serviços prestados aos clientes, principalmente à indústria, que se traduz na redução do tempo de percurso entre Manaus e Belém ou Porto Velho. Pode-se dizer, também, que foi o melhor período para os estaleiros locais. - Comboios de carga geral são compostos por empurrador e uma ou mais balsas, que transportam a carga geral sobre o convés. Esta carga pode estar acondicionada no interior de carretas que são distribuídas sobre o convés, ou pode ser acondicionada diretamente sobre os conveses das balsas; - Comboios de transporte de granéis líquidos compostos por empurrador e uma ou mais balsas, que transportam a carga líquida no interior da mesma. Normalmente, são transportados derivados de petróleo ou etanol. As balsas utilizadas nesses comboios devem possuir acessórios e equipamentos especiais de segurança, de acordo com Norma da Autoridade Marítima (NORMAM) específica, por se tratar de carga perigosa; 5 Pequena embarcação ou navio de grande robustez e alta potência, dispondo de uma proa de forma e construção especiais, destinado a empurrar uma Barcaça ou conjunto de Barcaças, que formam um comboio.

26 25 - Comboios de transporte de granéis sólidos - compostos por empurrador e uma ou mais balsas, que transportam carga graneleira sólida no interior da mesma. Normalmente, são transportados grãos de soja ou milho ou de minério; c) Embarcações de passageiros: - Embarcações regionais de transporte de passageiros são os barcos típicos de transporte de passageiros da região amazônica. Também conhecidos como gaiolas, muitas vezes são construídos de forma artesanal, sem projeto ou acompanhamento de engenheiro naval. Os passageiros são transportados em redes ou em camarotes, normalmente com pouco conforto. São construídas em casco e estrutura de madeira. As mais novas geralmente são construídas utilizando aço naval. São embarcações que oferecem pouca segurança, pois são projetadas sem estanqueidade em seus compartimentos 6. Além disso, por não possuírem um projeto adequado, muitas delas não possuem as condições ideais de estabilidade 7 para mau tempo e tempestades, típicas da região. Geralmente, transportam carga geral em seu convés principal 8 ou em seus porões, normalmente para o abastecimento das pequenas cidades por onde fazem sua linha; - Embarcações de turismo geralmente, são barcos de porte médio 9, tipo iate, que oferecem maior conforto aos seus passageiros, dispondo de camarotes para sua acomodação. Formalmente, são classificadas, pelas Normas da Autoridade Marítima, como embarcações de transporte de passageiros, pois a classificação de barcos de turismo não existe; - Embarcações expressas trata-se de embarcações de pequeno e médio porte, com casco de alumínio, que desenvolvem alta velocidade, em média 30 nós 10, para transporte de passageiros, sentados em bancos ou poltronas, entre os diversos municípios da região. Pela velocidade que desenvolvem e pelas estruturas leves, 6 Compartimento estanque - compartimento interno em embarcação, isolado de outros por anteparas e portas estanques (com vedação à passagem de água), formando o conjunto um sistema que visa a impedir que, em caso de abalroamento, a água penetre livremente no interior da embarcação, podendo levá-la ao naufrágio. 7 É a capacidade de recuperação ou de endireitamento que uma embarcação possui para voltar à sua posição de equilíbrio depois de um caturro ou balanço motivado por forças externas. Caturro é o movimento de oscilação vertical no sentido proa-popa e balanço, o movimento de oscilação de um bordo para outro. 8 Em uma embarcação, o convés principal é a estrutura horizontal que forma o "tecto" do casco, o qual, por sua vez, reforça o mesmo e serve como superfície principal de trabalho. 9 De acordo com definição da NORMAM-02, embarcações de médio porte possuem comprimento inferior a 24 metros. 10 Medida de velocidade, utilizada para navegação, em milhas náuticas/hora. Uma milha náutica equivale a metros.

27 26 oferecem e estão sujeitas a vários riscos, entre eles o abalroamento 11 com outras embarcações, ou a colisão com troncos ou outros tipos de detritos, conhecidos como camalotes 12, ou o encalhe em bancos de areia, comuns nos rios da Amazônia. d) Pequenas embarcações são embarcações de pequeno porte e embarcações miúdas 13, existente em grande número na região. Normalmente, possuem casco de alumínio ou madeira, muitas vezes construída de forma artesanal pela população ribeirinha e propulsão com motor de popa. Muitas delas possuem propulsão com um tipo de motor de popa 14 bastante popular e de baixo custo, muito utilizado na região, composto por uma haste com uma pequena hélice na ponta, conhecido como rabeta. Estes tipos de embarcações são popularmente conhecidos como voadeiras, rabetinhas ou catraias, na região. São utilizadas para transporte de pequeno número de passageiros e/ou pequena quantidade de carga. Muitas vezes são utilizadas em proveito do proprietário. Equivalem aos veículos particulares ou os taxis das vias urbanas. Trafegam em grande número, a maioria conduzida por pilotos não habilitados pela Marinha do Brasil e, em muitas ocasiões oferecem grande risco, por não observarem as regras de segurança da navegação. 3.4 CONSTRUÇÃO NAVAL NA AMAZÔNIA De uma forma geral, podemos dizer que o setor de construção naval na Amazônia é precário e deficiente, principalmente se considerarmos a alta demanda existente. Há poucos estaleiros com boa estrutura industrial e mão de obra qualificada, laborando em condições trabalhistas dentro da legalidade. Faltam tecnólogos e engenheiros navais qualificados e em quantidade suficiente para atender a demanda. Este fato gera uma prática ilegal e altamente danosa para a qualidade e segurança da construção de embarcações, que é a assinatura de projetos por profissionais que não o conceberam e nem acompanharam a devida construção, para que o proprietário consiga realizar a sua inscrição junto à Capitania 11 Tipo de colisão que ocorre exclusivamente entre embarcações na área de navegação. 12 Espécie de ilha flutuante, de tamanhos variados, que desce os rios, geralmente formada por plantas, troncos e outros sedimentos 13 De acordo com a definição da NORMAM-02, embarcações miúdas possuem comprimento inferior a 5 metros ou, excepcionalmente inferior a 8 metros, sob condições específicas. 14 Motor com uma ou mais hélices, destinada a possibilitar o deslocamento de canoa ou bote, em determinado meio aquático, seja em lago, rio, mar, oceano. Caracteriza-se por ter independência do casco construído, sendo acoplado ou fixado independentemente, ou seja, depois de sua construção naval.

28 27 dos Portos. Entretanto, providências vêm sendo tomadas pelo governo federal e estadual, nos últimos anos, a fim de tentar reverter este quadro. Entre elas podemos citar a realização do projeto THECNA (Transporte Hidroviário e Construção Naval na Amazônia), estudo realizado nos anos de 2006 e 2007, conduzidos pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), com apoio técnico da Marinha do Brasil, na cidade de Manaus, por meio de pesquisas, que forneceram dados importantes, entre eles sobre a construção naval no estado. Outro passo importante foi dado pelo governo do Amazonas, com a implementação do curso de formação de tecnólogos navais na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), cuja primeira turma formou 40 novos profissionais no primeiro semestre de Além disso, foi iniciado, neste mesmo ano, na UEA, o primeiro curso de graduação de engenheiros navais no estado. O início das obras de um pólo de construção naval, pelo Governo do Estado do Amazonas, está previsto para início em Trata-se de um projeto antigo que, a despeito de dificuldades como financiamento, desapropriação de famílias de ribeirinhos e questões ambientais, será iniciado e representará um marco para o desenvolvimento da construção naval na região e, por conseguinte, da segurança da navegação. O empreendimento será construído na região conhecida como Puraquequara, às margens do rio Amazonas, à jusante 15 da cidade de Manaus, e tem sua conclusão prevista para Atualmente, o panorama da situação de estaleiros na região amazônica é extremamente precário, como dito anteriormente. A quantidade de irregularidades, de toda a ordem, é significativa. A informalidade impera neste setor. Estudo pioneiro sobre a construção naval na região, cujos resultados estão citados em MACHADO et al ([2011?]), apresentou as seguintes conclusões: - Foram elencados 72 estaleiros, distribuídos pelas seguintes cidades: 32 em Manaus, 2 em Belém, 2 em Iranduba, 5 em Itacoatiara, 10 em Manacapuru, 5 em Maués, 7 em Novo Airão, e 9 em Parintins. - A maior parte dos estaleiros foi criada a partir das décadas de 70 e 80. No entanto, o Estaleiro São João, o mais antigo de todos, foi criado em O 15 A jusante é um lugar de referência de um rio, e vem do latim jusum, que significa para o lado da foz. A jusante é uma referência através da visão da pessoa que está observando, é o lado para onde vai a corrente de água.

29 28 Estaleiro Rio Negro, conhecido como ERIN, é o que possui a maior produtividade e quantidade de pessoal contratado. Em Belém, o Estaleiro Maguari é o que possui a maior automação no processo produtivo e a maior quantidade de mão de obra especializada; e - Somente 17 estaleiros, dentre os acima citados, foram visitados e pesquisados pela equipe do projeto THECNA. Grande parte dos mesmos trabalha na informalidade. É importante ressaltar a reduzida disponibilidade atual de subsídios governamentais, em todos os níveis, para a construção naval na Amazônia. Um dos principais entraves ao desenvolvimento da navegação interior é o acesso ao crédito para financiamento de embarcações, conforme pesquisa da CNT em 2013, acima citada. O excesso de burocracia dos órgãos financiadores foi apontado como um problema muito grave, enfrentado pelo segmento de transporte fluvial, por 75% dos sindicatos pesquisados. No Brasil, a principal fonte de financiamento às empresas que atuam no segmento naval (marítimo e fluvial) é o Fundo da Marinha Mercante (FMM) por intermédio de seus agentes (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco da Amazônia e Banco do Nordeste). O FMM atua no financiamento a estaleiros brasileiros para realização de projetos de implantação, expansão, modernização, construção e reparo de navios. Os financiamentos com recursos do FMM obtêm taxas de juros reduzidas, isenção de alguns tributos, entre outros incentivos. Esta categoria de financiamento está regulamentada por meio da lei n o de 13 de julho de 2004, que dispõe sobre o Fundo da Marinha Mercante - FMM, e dá outras providências. Assim, apesar de algumas medidas tomadas pelo setor público, a fim de mitigar a gravidade da situação, o quadro atual resultante de todos os fatores acima apresentados é deplorável, contribuindo para a insegurança da navegação, haja vista a baixa qualidade e a informalidade, de uma forma geral, da construção naval e das embarcações produzidas, na região amazônica. No entanto, face às providências acima citadas, vislumbra-se um futuro um pouco mais promissor, mas que somente deverá mostrar resultados em médio prazo.

30 29 4 ATUAÇÃO DOS ATORES ENVOLVIDOS O anexo B apresenta uma tabela que resume os atores que atuam, direta ou indiretamente, no desenvolvimento do modal hidroviário. Neste capítulo iremos discorrer sobre a atuação de algumas dessas instituições. 4.1 MARINHA DO BRASIL Segurança do Tráfego Aquaviário (STA) A Lei Complementar n o 97, de 9 de junho de 1999, dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Sem o comprometimento da destinação constitucional, a referida lei lista várias atribuições subsidiárias para as Forças. Em seu artigo 17, está descrito que cabe à Marinha do Brasil (MB) a segurança da navegação aquaviária. Como atribuições subsidiárias particulares: I - orientar e controlar a Marinha Mercante e suas atividades correlatas, no que interessa à defesa nacional; II - prover a segurança da navegação aquaviária; III - contribuir para a formulação e condução de políticas nacionais que digam respeito ao mar; IV - implementar e fiscalizar o cumprimento de leis e regulamentos, no mar e nas águas interiores, em coordenação com outros órgãos do Poder Executivo, federal ou estadual, quando se fizer necessária, em razão de competências específicas. No mesmo artigo, está explicitado, em parágrafo único, que o Comandante da Marinha fica designado como Autoridade Marítima : Pela especificidade dessas atribuições, é da competência do Comandante da Marinha o trato dos assuntos dispostos neste artigo, ficando designado como "Autoridade Marítima", para esse fim. Para cumprimento dessas atribuições, a MB aplica a principal lei que rege a segurança do tráfego aquaviário: a Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (LESTA), Lei nº 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. Esta lei coloca, em seu artigo 3º, as três principais responsabilidades da MB, que formam o tripé da segurança da navegação: assegurar a salvaguarda da vida

31 30 humana, a segurança da navegação em mar aberto e hidrovias interiores e prevenir a poluição ambiental por parte de embarcações, plataformas ou suas instalações de apoio. Para cumprir estas responsabilidades, a Autoridade Marítima possui, entre outras, as seguintes atribuições: elaborar normas diversas sobre o assunto, determinar a tripulação de segurança das embarcações, executar vistorias para assegurar as condições de segurança das embarcações, realizar atividades de Inspeção Naval (fiscalização), realizar a formação do pessoal aquaviário, e aplicar as penalidades previstas na lei. Para regulamentar a referida lei, foi instituído o Decreto n o 2596, de 18 de maio de 1998, conhecido como a RLESTA. Dentre os principais pontos do decreto, estão: a definição dos tipos de grupos de aquaviários e suas respectivas categorias, e definição das infrações e penalidades a serem imputadas, com os respectivos valores de multas. Como previsto em suas atribuições, a Marinha, por meio da Diretoria de Portos e Costas (DPC) e da Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), estabeleceu diversas normas, conhecidas como Normas da Autoridade Marítima (NORMAM). Atualmente, estão em vigor 31 (trinta e uma) NORMAM, sendo 25 (vinte e cinco) emitidas pela DPC e 6 (seis) emitidas pela DHN. Entre as principais, para a navegação interior da Amazônia, citamos as seguintes: - NORMAM-02/DPC - Embarcações empregadas na navegação interior - NORMAM-03/DPC Amadores e Embarcações de Esporte e/ou Recreio - NORMAM-07/DPC - Atividades de Inspeção Naval - NORMAM-13/DPC Aquaviários - NORMAM-17/DHN - Auxílios à Navegação - NORMAM-25/DHN - Levantamentos Hidrográficos - NORMAM-28/DHN - Navegação e Cartas Náuticas - NORMAM-30/DPC (Vol. 1) - Ensino Profissional Marítimo - Aquaviários Para executar as tarefas atinentes a sua atribuição legal de Autoridade Marítima, a Marinha do Brasil possui a seguinte estrutura na região da Amazônia: - Comando do 9º Distrito Naval Representante da Autoridade Marítima na Amazônia Ocidental. Sua jurisdição abrange os estados do Amazonas, Rondônia, Acre e Roraima. Atualmente, possui as seguintes Organizações Militares (OM) do Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário (SSTA) subordinadas: - Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC) sediada em

32 31 Manaus/AM, esta Capitania possui as seguintes Delegacias e Agências Fluviais subordinadas: - Delegacia Fluvial de Porto Velho (RO) Rio Madeira - Agência Fluvial de Humaitá (AM) Rio Madeira - Agência Fluvial de Guajará-Mirim (RO) Rio Mamoré - Agência Fluvial de Parintins (AM) Rio Amazonas - Agência Fluvial de Itacoatiara (AM) Rio Amazonas - Agência Fluvial de Tefé (AM) Rio Solimões (lago de Tefé) - Agência Fluvial de Boca do Acre (AM) Rio Purus - Agência Fluvial de Eirunepé (AM) Rio Juruá - Agência Fluvial de Cruzeiro do Sul (AC) Rio Juruá -Capitania Fluvial de Tabatinga (CFT) sediada na cidade de Tabatinga/AM, no Rio Solimões, na tríplice fronteira com Colômbia e Peru, não possui Delegacias nem Agências subordinadas. Além das citadas OM, o Comando do 9º Distrito Naval possui um destacamento em São Gabriel da Cachoeira (AM), no alto Rio Negro. Como parte do Plano de Articulação e Reaparelhamento da Marinha do Brasil (PAEMB), está prevista a criação e ampliação de OM do SSTA em regiões estratégicas do país, entre as quais se encontra a bacia Amazônica. De acordo com o contido no LBDN (Brasil, 2012, p. 197), somente na Amazônia Ocidental está prevista a ativação de 24 (vinte e quatro) novas OM, além da elevação (a categoria superior) de pelo menos 5 (cinco) entre as já existentes. A implementação total está prevista para ocorrer até Em 2011, foi ativada a Agência Fluvial em Humaitá. Em 2012, foi ativada a Agência Fluvial em Cruzeiro do Sul, primeira OM da Marinha no estado do Acre. Dentro da citada programação, as próximas OM que serão ativadas serão a Agência Fluvial de Caracaraí, a primeira da Marinha em Roraima e a Agência Fluvial de São Gabriel da Cachoeira, a partir do destacamento acima citado. O PAEMB foi estabelecido pela MB e pelas demais Forças, em decorrência da Estratégia Nacional de Defesa (END), lançada em dezembro de 2008 e, após revisão, aprovada em 2013 e que, juntamente com a Política Nacional de Defesa (PND) e com o Livro Branco de Defesa Nacional (LBDN), compõe a tríade de documentos essenciais que orientam a Defesa do país. O anexo C mostra a situação atual de OM do SSTA na Amazônia Ocidental e a configuração prevista

33 32 após a ativação das novas Organizações, conforme previsto no PAEMB. - Comando do 4º Distrito Naval Representante da Autoridade Marítima na Amazônia Oriental. Sua jurisdição abrange os estados do Pará e Amapá (considerando apenas os estados da região amazônica). Atualmente, possui as seguintes OM do SSTA subordinadas: - Capitania dos Portos da Amazônia Oriental (CPAOR) sediada em Belém/PA, não possui Delegacias nem Agências subordinadas. - Capitania dos Portos do Amapá (CPAP) sediada no município de Santana/AP, no Rio Amazonas, próximo a Macapá, capital do estado, não possui Delegacias nem Agências subordinadas. - Capitania Fluvial de Santarém (CFS) sediada no município de Santarém/PA, no Rio Tapajós, próximo a confluência com o Rio Amazonas, não possui Delegacias nem Agências subordinadas. Como já citado, entre as várias responsabilidades de Organizações do SSTA estão previstas a regularização de embarcações e a fiscalização do tráfego aquaviário. Para a regularização das embarcações, equipes das OM realizam vistorias nas mesmas, o que demanda a presença de pessoal qualificado em número suficiente, em face da grande quantidade de embarcações existentes na região e, principalmente, pela situação precária da construção naval, das construções artesanais, e dos projetos elaborados pelo poucos profissionais tecnólogos e engenheiros navais. Para mitigar esta situação, a Autoridade Marítima autoriza Sociedades Classificadoras e Certificadoras, formalmente homologadas, a realizarem esta atividade em seu nome. Outra atividade com grande dificuldade de execução é a fiscalização de embarcações, denominada de Inspeção Naval (IN), atividade de cunho administrativo, que consiste na fiscalização do cumprimento da LESTA. Os Inspetores Navais são militares de níveis diversos, devidamente habilitados e qualificados para lavrar Notificações, ou elaborar relatos de ocorrência a serem transformados em Autos de Infração. É uma das atividades de maior dificuldade de execução pela Autoridade Marítima. Além de exigir uma elevada quantidade de meios e pessoal habilitado para atender esta atividade, em face da grandiosidade do universo de embarcações, existem outras características inerentes, que aumentam bastante esta dificuldade, como a exigência de um alto nível de probidade e seriedade por parte do inspetor no trato com o público.

34 33 Outra tarefa de grande dificuldade é a formação do pessoal aquaviário (marítimos e fluviários). A demanda existente por pessoal qualificado para guarnecer as tripulações das embarcações é imensa. As Capitanias, Delegacias e Agências não possuem estrutura suficiente de pessoal, material e recursos instrucionais, tanto em seus próprios quadros de pessoal como para contratação extra-marinha, para atender esta demanda. Os candidatos à formação, bem como pessoal que já exerce a atividade, mas trabalha na informalidade, não possui a escolaridade exigida para realizar os cursos de formação. Na Amazônia Oriental esta tarefa é facilitada pela existência do Centro de Instrução Braz de Aguiar (CIABA), na cidade de Belém, centro de excelência na formação de pessoal da Marinha Mercante, tanto de Oficiais como de pessoal subalterno. Na Amazônia Ocidental, foi inaugurado, em 2013, o Centro Técnico de Formação de Fluviários da Amazônia Ocidental (CTFFAO), nas antigas instalações da Capitania dos Portos, mas que ainda não foi plenamente operacionalizado. O quadro resultante desta situação complexa é uma considerável dificuldade da Marinha do Brasil em cumprir suas atribuições legais inerentes à condição de Autoridade Marítima brasileira, apesar dos seus esforços em sobrepujar as carências de pessoal e material. A quantidade de acidentes e óbitos resultantes é excessiva, fato que implica na necessidade constante de abertura de Inquéritos Administrativos a serem julgados pelo Tribunal Marítimo, o que exige um esforço adicional para os seus agentes, as Capitanias, Delegacias e Agências Hidrografia e Navegação Além de suas atribuições quanto à Segurança do Tráfego Aquaviário, a Marinha do Brasil possui tarefas atinentes a hidrografia, cartografia e sinalização náutica. Em nível nacional, a Diretoria Geral de Navegação (DGN) e a Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), subordinadas ao Comando da Marinha, coordenam e orientam a execução dos serviços sob responsabilidade da MB. Na Amazônia, os Comandos Distritais são responsáveis pela execução desta tarefa. Para isto, possuem a seguinte estrutura: - Comando do 4º Distrito Naval tem sob sua subordinação o Serviço de Sinalização Náutica do Norte (SSN-4), com sede em Belém, e possui os seguintes meios para a execução dos serviços:

35 34 - Navio Hidroceanográfico Garnier Sampaio - Navio Balizador Tenente Castelo - Aviso Hidroceanográfico Fluvial Rio Tocantins - Aviso Hidroceanográfico Fluvial Rio Xingu - Comando do 9º Distrito Naval está prevista a ativação, em 2014, do Serviço de Sinalização Náutica do Noroeste (SSN-9), com sede em Manaus. Atualmente, o serviço de hidrografia é apoiado pelo SSN-4 e o serviço de sinalização náutica realizado, de forma precária, pela Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental. Em fase de preparação para ativação do SSN-9, o Comando do 9º Distrito Naval vem recebendo os meios necessários para sua operação. Até o momento foram recebidos os seguintes meios: - Aviso Hidroceanográfico Fluvial Rio Solimões - Aviso Hidroceanográfico Fluvial Rio Negro Está previsto o recebimento de mais um Navio Hidroceanográfico, ainda neste ano. Em relação às atividades de hidrografia, a Diretoria Geral de Navegação emitiu as seguintes diretrizes, em 2006, para a implementação do Plano de Atualização Cartográfica para a Bacia Amazônica (PACBA): - Realizar levantamentos de atualização das cartas náuticas da Bacia Amazônica, priorizando na sua execução: importância econômica, intensidade do tráfego e variabilidade ambiental; - Cartas náuticas sistemáticas para os rios de interesse estratégico e croquis de navegação para as demais vias navegáveis; - Desenvolver, em nível regional, produção automatizada; - Manutenção das estações fluviométricas operadas pela MB na Amazônia; - Manter monitoramento das estações fluviométricas; e - Execução do Plano no período de 2006 a Em 2010, a DGN elaborou nova Portaria, estendendo o período de vigência do Plano para Está prevista a confecção de 174 novas cartas náuticas (hoje existem 33), 19 novos croquis de navegação 16 (hoje existem 19) e 36 cartas de navegação eletrônicas. 16 Os croquis de navegação são documentos cartográficos de precisão menor que as cartas sistemáticas fluviais. São, normalmente, oriundos de reconhecimentos hidrográficos, que é como são denominados os levantamentos expeditos, ou de observações de práticos e de navegantes fluviais.

36 35 O levantamento hidrográfico, além dos subsídios para a execução do PACBA, fornecerá elementos para a implantação do balizamento e sinalização náutica e locais onde será necessária a realização de dragagens. A implantação de balizamento e sinalização nas hidrovias é de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), por meio de suas administrações de hidrovias, cujas estruturas e atribuições serão descritas na próxima seção. 4.2 DNIT O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) é uma instituição essencial para a gestão de hidrovias. Sua criação foi realizada pela Lei n o de 5 de junho de 2001 que, além de sua criação, dispôs sobre a reestruturação dos transportes aquaviário e terrestre, além de outras providências. Trata-se de uma autarquia 17 vinculada ao Ministério dos Transportes. O DNIT tem por objetivo implementar, em sua esfera de atuação, a política formulada para a administração da infra-estrutura do Sistema Federal de Viação, compreendendo sua operação, manutenção, restauração ou reposição, adequação de capacidade, e ampliação mediante construção de novas vias e terminais. Dentro de sua esfera de atuação estão as vias navegáveis. No art. 82 desta lei, constam as diversas atribuições do DNIT, dentre as quais são citadas aquelas relacionadas diretamente à administração de hidrovias. I - estabelecer padrões, normas e especificações técnicas para os programas de segurança operacional, sinalização, manutenção ou conservação, restauração ou reposição de vias, terminais e instalações; IV - administrar, diretamente ou por meio de convênios de delegação ou cooperação, os programas de operação, manutenção, conservação, restauração e reposição de rodovias, ferrovias, vias navegáveis, terminais e instalações portuárias fluviais e lacustres, excetuadas as outorgadas às companhias docas; (grifo nosso). Para cumprimento de suas atribuições em relação às hidrovias, o DNIT possui, em sua estrutura, uma Diretoria de Infraestrutura Aquaviária e oito 17 Órgãos criados por meio de uma lei, com a finalidade de executar uma atribuição específica. Podem ser vinculadas à Presidência da República ou a ministérios. O patrimônio e receita são próprios, mas sujeitos à fiscalização do Estado. Estas organizações têm como funcionários, servidores públicos.

37 36 Administrações Hidroviárias, para as diversas regiões do país. As Administrações Hidroviárias exercem, em caráter transitório, por delegação, as atribuições operacionais estabelecidas pelo DNIT para suas unidades regionais. No caso da Amazônia, existem duas administrações: a Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental (AHIMOC), com sede na cidade de Manaus, e a Administração das Hidrovias da Amazônia Oriental (AHIMOR), com sede na cidade de Belém. A AHIMOC é responsável pelas hidrovias da Amazônia Ocidental, que compreende os estados do Amazonas, Rondônia, Acre e Roraima. Os principais rios de sua jurisdição são: rio Madeira, rio Solimões, rio Purus, rio Branco, rio Negro, rio Acre, rio Juruá e rio Aripuanã. No entanto, na prática, a AHIMOC tem na hidrovia do rio Madeira seu principal campo de atuação, pela sua importância para o escoamento da produção de soja do Centro Oeste, bem como da própria região amazônica. A hidrovia do Madeira tem 570 milhas navegáveis e se constitui, praticamente, como a única via de transporte para a população que vive nas cidades às suas margens, excetuando-se apenas a cidade de Humaitá, que tem ligação rodoviária com a cidade de Porto Velho. A hidrovia do Madeira inicia-se em Porto Velho e vai até a sua foz, na confluência com rio Amazonas. Desta forma, as principais atividades da AHIMOC, atualmente, no rio Madeira, são: dragagem de manutenção simples de areia na hidrovia, no trecho compreendido entre Porto Velho e a sua Foz; manutenção das estações hidrométricas da hidrovia; desobstrução do canal navegável do rio Madeira, com a retirada de paliteiros 18 ; e monitoramento ambiental. A AHIMOR atua na área geográfica compreendida pelos estados do Pará, Amapá e norte do Mato Grosso. Os principais rios de sua jurisdição são: Tocantins, Pará, Xingu, Tapajós, Jari e baixo rio Amazonas. Entre as principais atividades desenvolvidas pela AHIMOR, atualmente, estão: acompanhamento das obras da usina de Belo Monte, no rio Xingu, e seus impactos para a navegação; acompanhamento da construção das eclusas da hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins; e acompanhamento da navegação no rio Tapajós, outra importante hidrovia da região. 18 Acúmulo de troncos de árvores, galhos e outros detritos, que se juntam e ficam fincados no leito do rio, constituindo-se em grave perigo à navegação. O rio Madeira tem como característica a grande quantidade de troncos, muitos de grandes dimensões, o que aumenta a possibilidade de formação dos paliteiros. Existem registros recentes de acidentes da navegação, com, óbito, por causa da colisão de embarcações com estes paliteiros.

38 ANTAQ A mesma lei que criou o DNIT, Lei n o de 5 de junho de 2001, também criou a Agência Nacional de Transportes Aquaviários, uma autarquia integrante da Administração Federal, vinculada a Secretaria de Portos da Presidência da República, com sede no Distrito Federal e unidades administrativas regionais. A ANTAQ tem por objetivo implementar, em sua esfera de atuação, as políticas formuladas pelo Ministério dos Transportes e pelo Conselho Nacional de Integração de Políticas de Transporte (CONIT), segundo os princípios e diretrizes estabelecidos na referida lei. De forma geral, estes objetivos compreendem: regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços de transporte aquaviário e de exploração da infra-estrutura portuária e aquaviária, exercida por terceiros. Dentro de sua esfera de atuação estão a navegação fluvial, o transporte aquaviário de cargas especiais e perigosas e a exploração da infra-estrutura aquaviária federal, entre outras. Na prática, a ANTAQ é uma agência reguladora de serviços ligados a navegação e atividades portuárias, com suas principais atribuições, entre outras, previstas no art. 27 da sua lei de criação. I - promover estudos específicos de demanda de transporte aquaviário e de atividades portuárias; V celebrar atos de outorga de permissão ou autorização de prestação de serviços de transporte pelas empresas de navegação fluvial, lacustre, de travessia, de apoio marítimo, de apoio portuário, de cabotagem e de longo curso, Para cumprimento de suas atribuições atinentes a navegação fluvial, possui, em seu organograma, a Superintendência de Navegação Interior, e unidades administrativas regionais situadas nas principais cidades, entre as quais estão Manaus, Belém e Porto Velho. Dentre as atividades desenvolvidas, a ANTAQ tem elaborado estudos contendo dados estatísticos importantes, que podem contribuir para a melhoria dos serviços do setor de navegação fluvial, incluindo aí a segurança de passageiros e cargas. Um dos principais foi citado na seção 3.1 deste trabalho, o estudo sobre transporte fluvial de passageiros na Amazônia, intitulado Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia, lançado em 2013, que apresentou dados de alta relevância para este setor. Além disso, publica,

39 38 anualmente, o Anuário Estatístico do Transporte Aquaviário, contendo estatísticas portuárias, da navegação marítima e de apoio e da navegação interior, que resulta da compilação de dados coletados pela agência em cada ano, envolvendo números da movimentação de cargas nos portos organizados e terminais portuários de uso privativo, bem como de transporte nas navegações de longo curso, apoio portuário e marítimo, cabotagem e de vias interiores. Outro importante estudo foi também lançado em 2013, o Plano Nacional de Integração Hidroviária (PNIH), visando dois objetivos centrais: um estudo detalhado sobre as hidrovias brasileiras e a indicação de áreas propícias para instalações portuárias. Em resumo, foram apresentados, para seis bacias hidrográficas, entre as quais a bacia amazônica, a potencialidade de utilização do modal hidroviário, terminais e vias, para o transporte de cargas, delimitados pelos cenários de 2015, 2020, 2025 e ANA A Agência Nacional de Águas (ANA) é outro ator de grande importância para o sistema hidroviário nacional. Sua criação foi feita por meio da Lei n o 9.984, de 17 de julho de É uma autarquia, sob regime especial, com autonomia administrativa e financeira, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, e integrante do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, cujo principal objetivo é a implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH), estabelecendo regras para a sua atuação, sua estrutura administrativa e suas fontes de recursos. A ANA tem sede no Distrito Federal e possui unidades regionais instaladas em outras cidades. Suas principais atribuições, previstas na referida lei, estão intrinsecamente ligadas à PNRH. I supervisionar, controlar e avaliar as ações e atividades decorrentes do cumprimento da legislação federal pertinente aos recursos hídricos; IV outorgar, por intermédio de autorização, o direito de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio da União, observado o disposto nos arts. 5 o, 6 o, 7 o e 8 o ; V - fiscalizar os usos de recursos hídricos nos corpos de água de domínio da União; VII estimular e apoiar as iniciativas voltadas para a criação de Comitês de Bacia Hidrográfica; XII definir e fiscalizar as condições de operação de reservatórios por agentes públicos e privados, visando a garantir o uso múltiplo dos

40 39 recursos hídricos, conforme estabelecido nos planos de recursos hídricos das respectivas bacias hidrográficas. (grifo nosso) Desta forma, verificamos a importância da ANA na gestão de recursos hídricos, o que reflete diretamente na segurança da navegação, um dos múltiplos usos feitos com estes recursos e que, se não for respeitado pelos demais usuários, pode sofrer efeitos bastante negativos. A Política Nacional de Recursos Hídricos, e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos foram criados por meio da Lei n o 9,433, de 8 de janeiro de A PNRH tem como um de seus objetivos, previstos no art. 2º da citada lei, a utilização racional e integrada dos recursos hídricos, incluindo o transporte aquaviário, com vistas ao desenvolvimento sustentável (grifo nosso). Além disso, baseia-se em importantes fundamentos, previstos no art. 1º. IV - a gestão dos recursos hídricos deve sempre proporcionar o uso múltiplo das águas; V - a bacia hidrográfica é a unidade territorial para implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e atuação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Um dos seus instrumentos é a outorga de direitos de uso deste recurso, que tem como objetivos assegurar o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água, o efetivo exercício dos direitos de acesso à água, e a preservação de seu uso múltiplo, aí incluído o aproveitamento dos potenciais hidrelétricos. É importante ressaltar que a competência para realização desta outorga é da ANA. O Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, de acordo com a Lei n o 9,433/97, é integrado pelas seguintes entidades: Conselho Nacional de Recursos Hídricos, ANA, Conselhos de Recursos Hídricos dos Estados e do Distrito Federal, Comitês de Bacia Hidrográfica, órgãos dos poderes públicos federal, estaduais, do Distrito Federal e municipais cujas competências se relacionem com a gestão de recursos hídricos, e Agências de Água. Os Comitês de Bacia Hidrográfica tem importante participação no controle do uso múltiplo das águas. Apesar disso, não existem, atualmente, comitês nas bacias hidrográficas da Amazônia. Outro fato importante a ser ressaltado é a outorga de recursos hídricos para aproveitamento de seu potencial hidrelétrico. Os rios da bacia amazônica tem sido alvo de projetos de construção de usinas hidrelétricas que, se não considerarem a

41 40 necessidade da manutenção das atividades da navegação, como, por exemplo, a construção de eclusas, os mesmos poderão trazer sérios prejuízos para a navegação. 4.5 SINDICATOS E FENAVEGA Nas seções anteriores, foram mostradas as atuações de atores governamentais, entidades públicas que atuam, direta ou indiretamente, na segurança da navegação em hidrovias, especialmente da Amazônia, objeto deste estudo. Além dos citados atores, existem outras entidades, que representam pessoas e classes envolvidas. De uma forma geral, são sindicatos que representam os armadores 19 e os trabalhadores, no caso, aquaviários do grupo de fluviários. As principais associações existentes na Amazônia são: - SINDARMA - Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial no Estado do Amazonas denominação atual do antigo Sindicato Amazonense de Armadores de Navios, criado em 1935, com sede na cidade de Manaus; - SINDARPA - Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação no Estado do Pará criado em 1950, com sede na cidade de Belém; - SINDFLUVIAL - Sindicato das Empresas de Travessia e Navegação, Transporte de Passageiros, Veículos e Cargas Lacustre e Fluvial do Estado de Rondônia criado em 1996, com sede na cidade de Porto Velho; - SINDNAVAL - Sindicato da Indústria da Construção Naval de Manaus; - ATRAQ - Associação dos Armadores do Transporte de Cargas e Passageiros do Estado do Amazonas; e - SINTRAQUA - Sindicato Dos Trabalhadores em Transportes Aquaviarios do Município de Manaus e do Estado do Amazonas criado em 2001, com sede na cidade de Manaus. Os citados sindicatos representam o interesse de seus associados, que nem sempre são condizentes com a segurança da navegação e a legislação vigente. De 19 Armador, em marinha mercante, é o nome que se dá à pessoa ou à empresa que, por sua própria conta, promove a equipagem e a exploração de navio ou embarcação comercial, de transporte de carga e/ou passageiros, independente de ser ou não proprietário da embarcação.

42 41 qualquer forma, essas entidades, em muitas ocasiões, atuam de forma a pressionar os órgãos federais responsáveis e políticos da região para que implementem as obras e as medidas necessárias para o aumento da segurança. Como exemplo, podemos citar a atuação do SINDFLUVIAL, que tem promovido debates e reuniões com vários órgãos, tanto em Rondônia, como em Brasília, a fim de melhorar as condições de segurança da importante hidrovia do Madeira, que, como dito anteriormente, é uma via essencial de ligação entre o centro-oeste e o norte do país. Outra entidade de considerável importância no cenário da navegação nacional é a FENAVEGA Federação Nacional das Empresas de Navegação Marítima, Fluvial, Lacustre e de Tráfego Portuário, fundada em 08 de setembro de 1988, com sede na cidade do Rio de Janeiro/RJ. A FENAVEGA é uma entidade de classe, que representa e defende os interesses das empresas que se encontram dentro da sua área de atuação, e participa da Confederação Nacional de Transportes CNT. Em 2007, a FENAVEGA lançou o livro ENTRAVES NA NAVEGAÇÃO INTERIOR, cujo conteúdo trata de um estudo sobre os problemas e propostas de soluções para o setor, nas 12 bacias hidrográficas que compõem a navegação aquaviária interior. Os subsídios para o trabalho foram levantados com o auxílio de uma equipe de profissionais do setor hidroviário e a participação de sindicatos fluviais, por meio da aplicação de questionários e de discussões diversas sobre os resultados dos mesmos. Foram feitos levantamentos referentes às seguintes questões: da legislação e da regulamentação atinente ao setor; da segurança das embarcações; dos trabalhadores da navegação fluvial; e dos impostos, taxas, contribuições e seguros. Os resultados dos dados levantados, após analisados e discutidos, deram origem a um conjunto de sugestões, em vários setores, incluindo investimentos e necessidade de ações governamentais.

43 42 5 NAVEGABILIDADE E SEGURANÇA DAS HIDROVIAS DA AMAZÔNIA Até o momento, realizamos uma análise das hidrovias interiores brasileiras sob alguns aspectos importantes, como a comparação com outros modais de transporte, das cargas e pessoas transportadas na Amazônia, dos tipos de embarcações que trafegam nessas hidrovias e da forma como são construídas, e dos diversos atores envolvidos, com suas respectivas atribuições e responsabilidades. Com a finalidade de completar os dados necessários para este estudo, é imprescindível a análise das condições de navegabilidade, estrutura e segurança das principais hidrovias da Amazônia, que permita estabelecer parâmetros de comparação com hidrovias interiores de países desenvolvidos, modelos bem sucedidos neste modal de transporte: a) Sub-bacia Principal: rios Amazonas e Solimões - Rio Amazonas - É formado pela confluência dos rios Negro e Solimões. Possui, aproximadamente, km, plenamente navegáveis durante todo o ano, entre as cidades de Manaus e Macapá/AP. Alguns dos seus afluentes são os rios Xingu, Tapajós e Trombetas. No rio Amazonas não há restrição quanto ao tipo de navegação, possibilitando o tráfego de embarcações da navegação de cabotagem, de longo curso e interior. A praticagem para os navios mercantes é obrigatória. No período de cheia, é possível o tráfego de navios com calado de até 11 metros e, no período de estiagem, o calado máximo é de 8 metros. Em toda a sua extensão, da sua foz até a cidade de Manaus, encontra-se balizada e sinalizada. - Rio Solimões - A nascente do rio Solimões está localizada em território peruano. Entra no Brasil no município de Tabatinga e sua extensão total em território brasileiro é de km, até o encontro com o rio Negro, nas proximidades de Manaus, quando juntos formam o rio Amazonas. É uma importante via de acesso e integração com os países sul americanos, Peru e Colômbia. No período de cheia, a profundidade do rio varia, ao longo de seu trajeto, de 20 a 8 metros e no período de estiagem, a profundidade mínima pode variar de 10 a 3 metros. O trecho do rio Solimões, compreendido entre o município de Coari/AM e Manaus, muito utilizado para o transporte de petróleo e seus derivados, advindos do campo de Urucu, é totalmente navegável. O rio Solimões, de forma geral, não possui balizamento, somente possuindo uma sinalização náutica (farolete) nas proximidades do município de Manacapuru/AM. Existem cartas náuticas cobrindo toda a sua

44 43 extensão. No entanto, a cartografia da região está bastante desatualizada. b) Sub-bacia do Madeira - Rio Madeira - É formado pela confluência dos rios Mamoré e Beni ambos possuem suas nascentes na Cordilheira dos Andes e possui aproximadamente km de extensão em território brasileiro. A extensão navegável do rio Madeira é de km, entre a sua foz no rio Amazonas e a cidade de Porto Velho, permitindo a navegação de grandes comboios, de até t, nos períodos de cheia, até t, na época de estiagem. Possui uma declividade acentuada: sua nascente apresenta cota de 210 metros acima do nível do mar, reduzindo-se a 7 metros na sua foz no rio Amazonas. Esta grande declividade traz como conseqüência uma grande velocidade de correnteza em sua extensão, característica que o torna bastante perigoso à navegação. Em seus 369 km iniciais (entre a foz do rio Beni e a cidade de Porto Velho), o rio Madeira apresenta um desnível de 39 metros, acentuados pela presença de cachoeiras e corredeiras, e não possui condições naturais de navegação. Contudo, para vencer esse desnível, tornando-o navegável, seria necessária a construção de eclusas nas usinas hidrelétricas de Jirau (com obras em andamento) e de Santo Antônio (já construída). Entretanto, a construção destas usinas não contemplou as referidas eclusas, apesar de constarem do projeto básico. A implantação desses recursos de transposição seria um importante passo para a formação de uma rede hidroviária, composta pelo próprio Madeira, juntamente como os rios Guaporé, Beni e Mamoré. Além disso, a construção do Complexo Hidrelétrico de Santo Antônio aumentou o assoreamento do rio Madeira, prejudicando a navegação para embarcações com maior calado e obrigando às empresas a reduzir a quantidade de carga nas barcaças que formam seus comboios, para redução dos respectivos calados. Além disso, ocorreu aumento da erosão e do desmatamento de suas margens o que acarretou em um grande aumento do volume de troncos flutuando nos rios, que podem ocasionar avarias e afundamentos das embarcações e portos flutuantes. Levantamento recente, realizado pelo DNIT, com apoio da Marinha, verificou que existem cerca de 32 pontos críticos para a navegação, ao longo da extensão do rio Madeira. Estes pontos críticos consistem em bancos de areia e pedrais, que precisam sofrer obras de dragagem e derrocagem, para melhorar o nível de segurança da navegação. Outro problema da hidrovia é a inexistência de sinalização e balizamento, outro fato que contribui sobremaneira para a redução da segurança. Existem cartas náuticas

45 44 cobrindo o trecho entre a sua foz e a cidade de Porto Velho. No entanto, a cartografia deste trecho está desatualizada. c) Sub-bacia do Negro: rios Negro e Branco - Rio Negro - A nascente do rio Negro está localizada em território colombiano, e, até sua foz, possui km, sendo km em território brasileiro até encontrar o rio Solimões, logo após a cidade de Manaus, e formar o rio Amazonas. A extensão navegável do rio Negro se restringe a 801 km, em trecho descontinuado, entre a sua foz no rio Amazonas, na cidade de Manaus e a cidade de Santa Isabel do Rio Negro/AM. A profundidade nessa extensão do rio varia muito, sendo a mínima, no período de estiagem, de 2,5 metros, e a máxima, na época de cheia, de 25 metros. O trecho acima da cidade de São Gabriel da Cachoeira, no alto rio Negro, é marcado por diversas cachoeiras, que se formam quando o nível do rio baixa e rochas afloram em diversos pontos. O principal afluente do rio Negro é o rio Branco. O Rio Branco tem extensão de cerca de 600 km no território brasileiro, dos quais 450 km são navegáveis, da sua foz, no rio Negro, até o início das corredeiras do Bem Querer. A partir deste trecho, o rio somente se tornaria navegável com obras de transposição das corredeiras, quando poderia ser atingida a cidade de Boa Vista, capital do estado de Roraima, e daí até a fronteira com a Guiana. Os rios Negro e Branco apresentam um grande potencial de se tornarem uma hidrovia para o escoamento da produção agrícola de Roraima, além do intercâmbio com a Venezuela. Também não possui balizamento nem sinalização náutica e a navegação é realizada por meio de croquis. d) Sub-bacia do Tapajós - Rio Tapajós - É formado pela confluência dos rios Juruena e Teles Pires, e possui uma extensão de aproximadamente 851 km, entre a sua nascente e sua foz, no rio Amazonas. Entretanto, desse total, apenas 345 km são navegáveis, entre a sua foz e o município de Itaituba/PA. Para que o rio Tapajós fosse navegável, em toda a sua extensão, seria necessária a execução de algumas medidas estruturais, como a construção de dispositivos de transposição, que possibilitariam o tráfego de navios em áreas encachoeiradas e obras de dragagem e derrocamento. Existe o planejamento, pelo Ministério de Minas e Energia, da construção de três usinas hidrelétricas nesse rio, até Contudo, não há previsão para a construção de eclusas nessas barragens. A implantação de dispositivos de transposição nas mesmas, além da ligação com os rios Teles Pires (ou Juruena), resultaria no

46 45 surgimento na implantação da hidrovia Tapajós-Teles Pires, com a extensão de km, entre os municípios de Sinop/MT e Santarém/PA. Assim, surgiria uma importante rota alternativa para o escoamento da safra agrícola das regiões norte e nordeste do Mato Grosso e centro-sul do Pará. No trecho compreendido entre sua foz e o município de Itaituba, durante o período de cheia, é possível o tráfego de navios com calado de até 4,5 metros. Já no período de estiagem, o tráfego é possível somente para embarcações com calado de até 3 metros. e) Sub-bacia do Xingu - Rio Xingu - A nascente do rio Xingu está localizada no estado do Mato Grosso e, até a sua foz no rio Amazonas, possui km de extensão, dos quais apenas 173 km são navegáveis, desde a sua foz até Belo Monte do Pontal/PA. Na extensão restante, a navegação é inviabilizada pela presença de quedas d água, onde existe grande potencial para o aproveitamento hidrelétrico. A profundidade máxima do canal de navegação, no período de cheia, pode ser superior a 6 metros. No período de estiagem, a profundidade é de aproximadamente 2,30 metros. Devido à limitação de calado no rio Xingu, o porto fluvial de Altamira/PA apenas pode operar com embarcações de pequeno porte. Cabe destacar que nesse rio está em andamento a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, a terceira maior do mundo. É interessante ressaltar que estão sendo construídas eclusas, juntamente com a usina. f) Sub-bacia do Trombetas - Rio Trombetas - O rio Trombetas possui 800 km de extensão, dos quais 296 km são navegáveis, no trecho compreendido entre sua foz, no rio Amazonas, e a Cachoeira Porteira. A cidade de Oriximiná/PA fica localizada a cerca de 30 km de sua foz. Nesse rio existe o terminal fluvial de Trombetas, que é acessível a embarcações marítimas, com capacidade até toneladas de porte bruto. A profundidade do rio Trombetas varia de 10 metros, no período de cheia, a 7 metros durante o período de estiagem, no primeiro trecho (entre a sua foz até o porto de Trombetas), e é reduzida a 4 metros, na época de águas altas, e a 1,50 metros durante a estiagem, no segundo trecho (entre o porto de Trombetas até Porteira). Cabe destacar que essa região é uma nas principais produtoras de bauxita do Brasil, tornando o rio Trombetas essencial para a comercialização nacional e internacional dessa mercadoria.

47 46 6 HIDROVIAS DE PAÍSES DESENVOLVIDOS Enquanto o Brasil trata com algum descaso seus recursos do modal hidroviário, países desenvolvidos aproveitam os recursos que possuem, em muitos casos limitados, realizando o maior aproveitamento possível. Cientes da importância e das grandes vantagens do modal hidroviário em relação aos demais aplicam grandes investimentos, fazendo as obras e utilizando os meios necessários para aumentar a segurança da navegação em suas hidrovias. O gráfico abaixo ilustra a diferença de utilização deste modal entre o Brasil e os países desenvolvidos, por meio da comparação da densidade do transporte hidroviário entre os mesmos. Gráfico 1: Densidade do Transporte Hidroviário Fonte: Confederação Nacional do Transporte (CNT) Outro parâmetro interessante para efeito de comparação da utilização do modal hidroviário é demonstrado pela tabela abaixo, que mostra a participação relativa dos diferentes modais no sistema de transporte de diferentes países. Cabe ressaltar que os países desenvolvidos que apresentam um baixo percentual de utilização do modal hidroviário não possuem a mesma disponibilidade de vias navegáveis que o Brasil. No entanto, apesar do baixo percentual relativo de participação do modal hidroviário, podem possuir um alto aproveitamento em termos de densidade por área, como é o caso da Alemanha, que, apesar de apresentar um

48 47 percentual de 14% do modal hidroviário em sua matriz de transportes, possui uma densidade de utilização por área quase nove vezes maior que a do Brasil. Tabela 1: Participação relativa dos diferentes modais no sistema de transporte dos países Fonte: Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT) O aproveitamento de rios navegáveis para transporte, por países da Europa e do Oriente, é praticada desde a Antiguidade. O Grande Canal Pequim-Hangzhou, na China, com extensão de km, foi construído entre os séculos V a.c. e VII d.c., tendo sido ampliado posteriormente, beneficiado pela invenção das eclusas, no século X. Hoje o Grande Canal possui km de vias navegáveis, com mais de 900 eclusas. Somente para efeito de comparação, o Brasil, atualmente, possui somente dezesseis (16) eclusas em todo o seu território (LINO, CARRASCO, COSTA, 2008, p. 30). Atualmente, os Estados Unidos da América (EUA), possuem uma das maiores e mais eficientes redes hidroviárias do mundo, com mais km de extensão e 250 eclusas, para transporte de cargas e escoamento de sua produção agrícola (LINO, CARRASCO, COSTA, 2008, p. 40). Para exemplificar o alto padrão de segurança de algumas hidrovias de países desenvolvidos, iremos analisar os seguintes sistemas: - Os Estados Unidos da América criaram uma rede de hidrovias de km de vias navegáveis. Dentro deste sistema, o complexo formado pelos rios Mississipi Missouri - Ohio é a hidrovia de maior tráfego no mundo (COSTA, 2001, p. 26);

49 48 - A Europa possui km de hidrovias, com 40% formadas pela construção de canais de interligação. Neste sistema, a hidrovia formada pelos rios Danúbio Reno interliga o porto de Roterdã, na Holanda, ao Mar Negro, no leste europeu, em um percurso de km (COSTA, 2001, p. 27); e - A ex-união Soviética (URSS) possuía cerca de km de vias navegáveis, muitas interligadas por mais de 100 eclusas e km de canais artificiais (COSTA, 2001, p. 27). O sistema de ligação entre o rio Volga e rio Don faz parte deste complexo. Como dito anteriormente, os Estados Unidos da América (EUA) possuem uma das maiores e mais eficientes redes hidroviárias do mundo. As principais hidrovias incluem os rios Mississipi, Tennessee, Missouri, Ohio e Arkansas. A construção de canais de ligação entre as hidrovias foi iniciada após a independência norte-americana, em Em 1885 foi construída a primeira eclusa, no rio Ohio. Um bom exemplo para a região amazônica é o rio Tennessee, que corta sete estados norte-americanos e era considerada a região mais pobre do país. Durante a grande depressão americana ( ), o plano de recuperação governamental New Deal, entre outras ações, criou a Autarquia do Vale do Tennessee (TVA), que, durante duas décadas, introduziu melhoramentos como a construção de usinas hidrelétricas, canais de navegação, hospitais, programas de eletrificação rural, escolas, etc, utilizando o conceito de usos múltiplos das águas, o que transformou a região em uma das mais prósperas dos EUA. Atualmente, o sistema de hidrovias dos EUA opera com cerca de empresas e mais de 1,25 bilhões de toneladas por ano. O complexo Mississipi Missouri - Ohio é a hidrovia com maior tráfego do mundo (COSTA, 2001, p. 26). No modelo norte-americano, o Corpo de Engenheiros do Exército Americano (USACE), criado em 1882, é o responsável pela manutenção do sistema hidroviário, com as seguintes atribuições principais: - Planejamento, construção, manutenção e segurança da infraestrutura para o apoio à navegação fluvial; e - Construção e manutenção de eclusas e barragens, dragagem nos canais, estruturas de auxílio à navegação, e proteção das margens dos rios. Além disso, a Guarda Costeira realiza um trabalho similar as estrutura do SSTA no Brasil, como providenciar auxílios à navegação, busca e resgate, segurança da navegação, e certificação de embarcações. Também, existe uma

50 49 Administração Marítima, que tem a missão de apoiar e promover a navegação e as ligações intermodais. No entanto, o órgão principal deste sistema de gestão é o USACE, que dispõe de uma verba de U$ 2 bilhões/ ano, o que corresponde a cerca de R$ 4,6 bilhões, para manter o sistema de transporte hidroviário. Para efeito de comparação, como citado anteriormente, no Brasil, em um período de 10 anos ( ), o valor de investimentos autorizados pelo governo federal no setor foi de R$ 5,24 bilhões, sendo que somente R$ 2,42 foram efetivamente aplicados. Tal é o sucesso do modelo de administração norte-americano que, em 2012, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF), órgão do governo federal brasileiro subordinado ao Ministério da Integração, contratou a USACE para estudar alternativas que tornassem navegável o Rio São Francisco. Na Europa, a hidrovia formada pelos rios Reno, Meno e Danúbio é uma das mais importantes do continente. Possui km de extensão e realiza a ligação do Porto de Roterdam, na Holanda, no mar Báltico, até Constança, na Romênia, no Mar Negro, percorrendo dez países: Holanda, Alemanha, Áustria, Eslováquia, Hungria, Croácia, Sérvia, Romênia, Bulgária e Ucrânia. O percurso da hidrovia é dividido em quatro trechos principais: 539 km do Rio Reno de Roterdã até o Rio Meno na cidade alemã de Mainz; 384 km do Rio Meno até Bamberg; 171 km do canal (Europa Canal) construído entre as cidades de Bamberg e Kelheim, na Alemanha; e km no Rio Danúbio de Kelheim até o Mar Negro. A hidrovia Reno-Meno-Danúbio permite a navegação de embarcações com até 110 metros de comprimento, boca de 11,4 metros e calado de 2,5 metros, o que significa transportar até toneladas de carga por embarcação. No decorrer de toda a sua extensão utiliza 406 eclusas que fazem a transposição de um desnível total de 491 km. Um dos trechos mais importantes foi o que possibilitou a ligação que estabeleceu a hidrovia em toda a sua extensão. A Europa Canal, na Alemanha, com 170 km de extensão, teve sua construção concluída em 1992, e consumiu 4,7 bilhões de marcos alemães, em uma grande obra de engenharia que sofreu várias críticas, inclusive de ambientalistas, durante o seu longo período de construção. Essa ligação hidroviária é constituída de obras de reorientação e canalização de fluxos fluviais, envolvendo a construção de leitos artificiais, dezesseis eclusas,

51 50 estações de bombeamento, reservatórios e sistemas de recuperação d água, e venceu os 406 metros de altitude que separam a bacia fluvial do Reno da bacia do rio Danúbio. Foi construída, então, uma série de escadas d água para a subida e descida das embarcações de um para o outro lado da montanha. Nos países que formavam a ex-união Soviética (URSS) existem cerca de 50 mil km de hidrovias, entre as quais se destacam as dos rios Volga, Kama, Don, Neva, Svir e Dniper. O rio Volga possui 3688 km de extensão e é o mais longo rio da Europa. Nasce no planalto de Valdai, no norte da Rússia, e atravessa as grandes planícies deste país, desaguando no mar Cáspio. O rio Volga interliga, por meio de canais, os mares Branco, Báltico, Cáspio, Azov e Negro, formando uma via fluvial importante para o transporte de cargas no interior da Rússia. O Volga possui grandes trechos navegáveis, e também desníveis que permitem o uso de suas águas para a geração de energia elétrica. A navegação do Volga ampliou-se durante o governo de Stalin com a construção de grandes eclusas, de modo a possibilitar a navegação por navios de grande porte a partir do mar Cáspio em longos percursos de subida do rio. A principal conexão é realizada pelo canal Volga-Don, com o rio Don, de onde se atinge o Mar de Azov e daí ao Mar Negro. O canal Volga-Don possui 101 km de extensão. Além do canal Volga-Don, os canais Volga-Báltico, Mar Branco- Báltico e o canal de Moscou completam o principal sistema de canais artificiais que fazem a interligação deste grande sistema hidroviário. Assim, o porto de Moscou é conhecido como o porto dos cinco mares, por sua ligação, por água, aos Mares Báltico, Branco, Cáspio, Azov e Negro. Desde o fim da União Soviética, cereais e petróleo encontram-se entre as maiores cargas transportadas no rio Volga. O sistema hidroviário da ex-urss tem mais de 100 eclusas, 10 mil km de canais artificiais e transportava, à época da URSS, cerca de 550 milhões de toneladas de carga por ano. Atualmente, nas hidrovias russas operam cerca de 29 mil embarcações. Desta forma, verificamos o enorme contraste entre os sistemas hidroviários de países desenvolvidos, e suas gigantescas obras realizadas para o aproveitamento múltiplo de seus rios, especialmente para navegação e os do Brasil, cujas potencialidades naturais não estão sendo aproveitadas.

52 51 7 POSSÍVEIS MELHORIAS E SOLUÇÕES Conforme visto nos capítulos anteriores do presente estudo, a situação do modal hidroviário no Brasil é extremamente precária, principalmente se considerarmos o enorme potencial de vias navegáveis disponíveis. Especialmente na Amazônia, esta situação é agravada pela grande dependência em relação a este modal de transporte. É possível elencar uma considerável quantidade de deficiências que terão que ser superadas para seu melhor aproveitamento: falta de investimentos; mau emprego das verbas alocadas para o setor; excesso de atores com possibilidade de ingerência neste modal; falta de estrutura dos órgãos que atuam no setor para atendimento da demanda existente; péssimas condições de navegabilidade dos rios, de forma geral, pela ausência de investimentos nos pontos críticos; ausência de obras que permitam a possível ligação entre hidrovias, de forma similar ao que ocorre em países desenvolvidos; inexistência de comitês de bacias hidrográficas que possam estudar e propor soluções para os órgãos governamentais. Estas são apenas algumas deficiências que podem ser levantadas por meio de uma rápida análise. Existem outras, que serão analisadas a seguir de forma mais cuidadosa, ao mesmo tempo em que apontaremos possíveis caminhos e soluções. 7.1 ESTRUTURA E NAVEGABILIDADE DAS HIDROVIAS Para se atingir um bom padrão de segurança da navegação nas hidrovias interiores, os seguintes fatores básicos são necessários (BRASIL, p. 1503): - Documentação cartográfica (cartas náuticas ou croquis de navegação) adequados, representando a hidrovia em escala apropriada, e de publicações de segurança da navegação (Roteiro Fluvial, Lista de Faróis e de Sinais Cegos, Avisos aos Navegantes, etc.) atualizadas; - Sistema de Sinalização Náutica (balizamento) eficiente, que indique continuamente ao navegante as ações a empreender para manter-se navegando no canal, ou os perigos a evitar; - Sistema de divulgação do nível do rio em diversas estações fluviométricas ao longo da hidrovia;

53 52 - Normas e regulamentos especiais para o tráfego nas hidrovias, visando um transporte seguro e a salvaguarda da vida humana e do meio ambiente; e - Embarcações adequadas e providas de recursos específicos para a navegação fluvial. Além desses fatores, são necessárias obras estruturais nas hidrovias, a fim de manter um canal de navegação seguro em suas condições mínimas, e compatíveis com o calado das embarcações e do tipo de carga que irá transitar nela. Como obras mínimas necessárias podemos citar: dragagem, derrocagem de pedrais, retirada de paliteiros (acúmulo de troncos e outros detritos fincados no leito do rio, comuns na bacia amazônica). Além das obras acima citadas, existem outras obras necessárias, de maior complexidade, que devem ser realizadas para transposição de grandes trechos encachoeirados, ligações entre diferentes hidrovias por meio de canais artificiais e integração de diferentes modais de transporte: construção de eclusas ou outros tipos de artifícios de transposição. É importante ressaltar que a construção de eclusas deve ser prevista no projeto e realizada juntamente com as obras de hidrelétricas e canais de navegação, pois, de uma forma geral, o custo representa cerca de 10% do valor da obra, enquanto que, se for realizada após a prontificação da mesma, seu custo aumenta de uma forma considerável em muitas vezes (COSTA, 2001, p. 38). O autor considera que, para permitir a operação de nossas hidrovias, na Amazônia, com alguma eficiência, algumas ações são necessárias; quais sejam: 1) Implementação do Plano Cartográfico para a Bacia Amazônica pela Marinha, cujos resultados fornecerão subsídios para elaboração da documentação cartográfica necessária e para a implantação do balizamento e sinalização náutica e locais onde será necessária a realização de dragagens, pelo DNIT. Para a consecução desta ação, será necessária a alocação dos recursos necessários pelo Governo federal, incluindo a aquisição dos meios de levantamento hidrográfico; 2) Implantação da sinalização e balizamento necessário, na rede hidroviária amazônica, utilizando os subsídios fornecidos pela MB, cuja responsabilidade é do DNIT, por meio de suas administrações hidroviárias na Amazônia, a AHIMOC e AHIMOR; 3) Aumento da quantidade de estações fluviométricas, no percurso das hidrovias da bacia amazônica, cuja responsabilidade é da ANA, o que permitirá um monitoramento mais consistente do nível dos rios da região; e

54 53 4) Planejamento e construção de meios de transposição e canais de ligação na rede hidroviária da bacia amazônica. A implementação desta ação não é simples e representa um considerável aumento de custo. No entanto, é necessária a vontade política do Poder Executivo para a execução destas obras de alto valor estratégico. Os resultados e a aceitabilidade são elevados e irão contribuir sobremaneira para o desenvolvimento da Amazônia. Nesta ação podemos citar algumas possíveis obras, algumas delas de grande dificuldade de execução, mas de resultados econômicos e de integração com países sul americanos consideráveis: - Rio Madeira obras de transposição de pontos críticos entre a cidade de Porto Velho e Guajará-Mirim (RO), em um percurso de 360 km, incluindo a canalização de cursos d água e a construção de eclusas, que vencerão um desnível de 72 m e as Usinas Hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio. Caso sejam superados os pontos críticos na região de Guajará-Mirim, poderá ocorrer a interligação com os rios Mamoré e Guaporé e, assim, a Hidrovia Madeira-Mamoré-Guaporé teria uma extensão de mais de km, e faria a ligação entre as cidades de Vila Bela da Santíssima Trindade, no estado do Mato Grosso e o Porto de Itacoatiara, permitindo ainda a integração hidroviária com a Bolívia e o Peru, viabilizando o escoamento de mercadorias como a soja, madeira e minerais, por meio de portos dos oceanos Atlântico e Pacífico; - Rio Negro obras de transposição, incluindo derrocamento, do trecho existente em São Gabriel da Cachoeira, no alto rio Negro, o que permitiria a ligação com a bacia do rio Orinoco, na Colômbia e Venezuela; - Rio Branco - obras de transposição, incluindo derrocamento, do trecho que se inicia a 14 km acima da cidade de Caracaraí (RR), conhecido como cachoeira do Bem Querer, permitindo o acesso fluvial até a cidade de Boavista, capital de Roraima, e, a partir daí, o acesso à Venezuela e Guiana, incluindo a interligação com outros modais; - Hidrovia Tapajós-Teles Pires - atualmente, a extensão navegável é de 345 km, do porto de Santarém, na foz do rio Tapajós quando deságua no rio Amazonas, até as corredeiras de São Luís do Tapajós, na cidade da Itaituba. Será necessária a execução de algumas medidas estruturais, entre as quais a implantação de balizamento do canal de navegação no trecho atualmente navegável, entre Santarém e as corredeiras de São Luís do Tapajós; a construção de um canal para ultrapassar o trecho dessas corredeiras, além da execução de serviços de

55 54 derrocamento e da construção de eclusas para transposição do desnível existente; execução de obras de dragagem e de derrocamento e implantação do balizamento e sinalização da via para os demais trechos. Com isso, pode-se estender a hidrovia até a cachoeira Rasteira, 185 km acima da confluência dos formadores do Tapajós, os rios Teles Pires e Juruena, atingindo um total de km, somando-se as extensões do Tapajós com o Teles Pires. A implantação de dispositivos de transposição e ligação com os rios Teles Pires ou Juruena resultaria no surgimento de uma excelente rota alternativa para o escoamento da safra agrícola das regiões norte e nordeste do Mato Grosso e centro-sul do Pará; e - A Grande Hidrovia - ao contrario da ligação hidrográfica leste-oeste, impedida pela Cordilheira dos Andes, a ligação no sentido norte-sul é possível, entre as bacias do Orinoco-Amazonas-Prata. A ligação entre o Caribe e o rio da Prata já foi planejada no Plano de Viação Fluvial de 1947 e mantida nos planos nacionais de viação aprovados em 1951 e Entretanto, não foi prevista no atual Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT). Esta ligação beneficiaria diretamente Venezuela, Colômbia, Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai e, indiretamente Peru, Equador e Chile. O percurso desta Grande Hidrovia incluiria o rio Orinoco, que corta Venezuela e Colômbia, o canal de Cassiquiari (225 km), os rios Negro, Amazonas, Madeira, Mamoré, Guaporé, Paraguai, Paraná e Prata, em uma extensão total de km. Para a consecução deste projeto são necessárias obras de dragagem e correção no canal de Cassiquiari e a transposição, por meio do estabelecimento de um canal de ligação, do divisor de águas Amazonas-Prata entre o extremo navegável do rio Guaporé (Vila Bela de Santíssima Trindade) e a confluência do rio Jauru no Paraguai, pouco abaixo de Cáceres (MT), ponto inicial da hidrovia do Paraguai-Paraná, além das obras já citadas nos rios Negro e Madeira. Trata-se de um projeto estratégico ambicioso e de alto custo. Mas também exeqüível e de resultados consideráveis, não somente para o Brasil, mas para a integração sul americana. 7.2 CONSTRUÇÃO NAVAL Não se pode falar sobre segurança da navegação em hidrovias interiores sem que as embarcações que nelas trafegam não atendam aos requisitos mínimos, seja nos aspectos estruturais, seja nos equipamentos e materiais que devem fazer

56 55 parte da dotação de bordo. Como foi visto no capítulo 3 do presente estudo, grande parte das embarcações que transitam nas hidrovias da bacia amazônica não possuem a segurança necessária em nenhum dos aspectos acima citados. Vários fatores contribuem para este fato: fatores de ordem cultural, relacionados à construção artesanal de embarcações, tanto as de pequeno como as de médio porte, sem observar as exigências técnicas mínimas e sem que exista um projeto aprovado por profissional da área de engenharia naval, além da falta de um acompanhamento durante o processo da construção; a carência de engenheiros navais e tecnólogos habilitados na região; baixa qualidade dos estaleiros que realizam a construção naval; falta de subsídios governamentais ou excesso de burocracia em sua aquisição, que possibilitem o incremento de construção de embarcações de melhor qualidade. Com base nestas observações, podemos sugerir algumas ações que possam mitigar as referidas deficiências do setor de construção naval. O autor considera que, para estimular a construção naval na Amazônia, algumas ações são necessárias; quais sejam: 1) Elaboração e revisão de legislação específica que regule a construção de embarcações, especialmente na região amazônica. As embarcações artesanais de madeira devem ser gradativamente substituídas por embarcações com casco de aço naval e, preferencialmente, com estruturas que acompanhem o material do casco. Deve ser dada especial atenção aos requisitos de estanqueidade de compartimentos, o que atualmente não é observado na região. Deve ser observada a gradativa proibição do transporte de passageiros em redes amarradas nos conveses. Além dos aspectos de conforto, tais acomodações se revestem de enorme perigo em situações de necessidade de abandono por naufrágio, pois a grande quantidade de redes se transforma em uma verdadeira teia, que impossibilita aos passageiros sua movimentação a bordo e o acesso aos seus coletes salva-vidas; 2) Aumento e aperfeiçoamento da qualificação de trabalhadores da construção naval. Criação e aumento da disponibilidade de cursos de nível técnico e superior para a formação desses profissionais; 3) Aumento da disponibilidade de vagas e criação de novos cursos para a formação de profissionais da área de engenharia naval, sejam engenheiros ou tecnólogos. Ampliação dos cursos, como o existente na universidade FATEC, na

57 56 cidade de Jaú (SP) e o recentemente criado na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), para formação destes profissionais; 4) Aumento dos subsídios para a criação de novos estaleiros. Este incentivo deve ser acompanhado do aumento da fiscalização destes estaleiros, tanto nos aspectos estruturais, técnicos, de segurança e trabalhistas. Especial atenção deve ser dada à fiscalização das embarcações que estejam sendo construídas, se existe o projeto de construção e se a mesma está sendo acompanhada pelo respectivo responsável técnico; 5) Construção do pólo de construção naval do Amazonas, nas proximidades da cidade de Manaus. Deverão ser envidados todos os esforços em cumprir o planejamento e cumprimento do cronograma previsto para sua construção dentro do prazo planejado; e 6) Aumento dos subsídios governamentais, federal e estadual, para a construção naval. Estudar e implementar medidas que facilitem o acesso e aquisição ao financiamento, em especial pelos pequenos e médios construtores de embarcações. 7.3 SEGURANÇA DE EMBARCAÇOES No capítulo 4 do presente estudo, foi visto e analisado o papel que a Marinha do Brasil (MB) desempenha neste processo de segurança da navegação. De uma forma bastante resumida, podemos dizer que suas atribuições são de vistoriar as embarcações para suas regularizações, por meio da emissão de documentação específica; fiscalização do tráfego aquaviário; e formação do pessoal condutor de embarcações, os fluviários, no caso da região da Amazônia. Estes aspectos estão intimamente ligados à segurança das embarcações e, se bem desempenhados pela MB, contribuirão de forma decisiva para a segurança da navegação. No entanto, o cumprimento destas atribuições possui grande grau de dificuldade, principalmente se considerarmos a imensidão amazônica e todos os aspectos inerentes a mesma. O autor considera que, para aprimorar a segurança das embarcações e da navegação na Amazônia, algumas ações são necessárias; quais sejam: 1) Cumprimento do cronograma de ampliação de OM do Sistema de Segurança do Tráfego Aquaviário, por meio da criação e elevação de OM na região amazônica, de acordo com o previsto no Plano de Articulação e Equipamento pela

58 57 Marinha do Brasil, até A quantidade atual de OM na região é insuficiente para o cumprimento de suas atribuições de uma forma satisfatória, a despeito dos enormes esforços desempenhados pelos militares e servidores civis que as guarnecem; 2) Aumento da quantidade e melhoria da especialização do pessoal que serve nestas OM. Este processo envolve a revisão das tabelas de lotação destas OM pelas Diretorias envolvidas na MB. Além disso, envolve o aumento dos efetivos de Oficiais e Praças da MB, de forma geral, e deverá contar com o cumprimento do que está previsto na Estratégia Nacional de Defesa (END), inclusive pelo Governo Federal em termos do aumento do efetivo das Forças Armadas. Em relação à especialização do pessoal que trabalha nas OM do SSTA, deve ser estudada uma forma de conciliar a necessidade de rodízio de pessoal e uma possível criação de um quadro especializado nesta atividade, dentro da MB; 3) Melhoria da eficiência da formação, quantitativa e qualitativa do pessoal fluviário. Para implementar este aspecto, será necessária e revisão dos currículos, conciliando a normas internacionais com os aspectos regionais, ampliação e especialização do quadro de instrutores dos cursos de formação, melhoria da estrutura física e aquisição de equipamentos e material instrucional, tanto para as Capitanias e suas OM subordinadas, quanto para o recém criado Centro Técnico de Formação de Fluviários da Amazônia Ocidental (CTFFAO), incluindo o material necessário para a realização das aulas práticas relacionadas aos cursos. Implementação de convênios com instituições de ensino capazes de contribuir com a MB na consecução desta tarefa; e 4) Ampliação do acesso ao ensino fundamental e médio para os interessados na realização dos cursos de formação. A matrícula nos cursos tem como requisito básico para o pessoal a escolaridade do ensino fundamental, de forma que eles possam acompanhar as aulas de forma satisfatória. 7.4 ATORES ENVOLVIDOS Além da atuação da MB na segurança da navegação nas hidrovias da Amazônia, analisamos anteriormente a atuação de outros atores. Pode-se depreender que existe um excesso de atores envolvidos, muitas vezes com sobreposição de tarefas e interferência mútua entre as mesmas. Além disso, verifica-

59 58 se uma ineficiência no cumprimento de suas atribuições. Contribui para este fato a falta de pessoal e estrutura dos referidos órgãos, como DNIT, ANA, ANTAQ, e o CNRH. Não existem comitês de bacias hidrográficas na região amazônica, o que contribui para a inexistência de planejamento e de pressão sobre o poder público para execução das ações necessárias. Existe uma grande pressão ambientalista sobre a atuação dos atores envolvidos e para esvaziamento de suas ações. Atuação indesejável de Organizações não Governamentais (ONG), e a existência de terras indígenas em regiões onde seria necessária a realização de obras estruturais, acabam por atrasar e impedir, em muitas ocasiões, a emissão da licença ambiental para sua consecução. A vinculação da Agência Nacional de Águas (ANA) ao Ministério do Meio Ambiente, justamente a entidade responsável por cercear a concessão de licenças ambientais, acaba por criar um conflito, principalmente se considerarmos a importância desta agência, responsável por implementar a Política Nacional de Recursos Hídricos e o importante conceito de uso múltiplo das águas, tão bem explorado pelos países desenvolvidos. Enfim, a criação da Lei n o acabou por criar um paradoxo, atribuindo a responsabilidade pela gestão de recursos hídricos a uma Agência vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, justamente o órgão responsável pela legislação ambiental, que termina por conflitar com a execução de obras hidroviárias. Por fim, sobre a atuação de atores não governamentais, como sindicatos, associações e federações, podemos dizer que eles servem como instrumento de pressões políticas sobre o Governo e suas entidades subordinadas, apesar de, em muitas ocasiões, atuarem tão somente de acordo com os interesses de seus associados, mesmo que esse interesse contrarie a segurança da navegação. O autor considera que, para aprimorar a atuação dos órgãos envolvidos na navegação na Amazônia, algumas ações são necessárias; quais sejam: 1) Criação de um Grupo de Trabalho, de alto nível, a fim de estudar e sugerir alterações da legislação vigente acerca das agências e autarquias que atuam na segurança da navegação, de suas vinculações e suas atribuições; 2) Criação de um Grupo de Trabalho, de alto nível, a fim de estudar e sugerir possíveis alterações na Política Nacional de Recursos Hídricos, que priorizem a utilização deste recurso no transporte hidroviário;

60 59 3) Aumentar a dotação de pessoal e recursos financeiros para os órgãos citados, que possibilite um aumento da eficácia na sua atuação na navegação em hidrovias interiores; 4) Estudo sobre a viabilidade de concessão para a iniciativa privada ou da transferência para os estados e municípios da administração de algumas hidrovias. O governo federal passaria a administrar somente os rios que são navegáveis em mais de um estado, como previsto na Constituição Federal; 5) Criação de novos comitês das bacias hidrográficas na Amazônia, possibilitando o aumento de sua atuação na região, conforme previsto em suas atribuições legais; 6) Desvinculação da Agência Nacional de Águas do Ministério do Meio Ambiente, alterando sua vinculação para outro órgão mais apropriado, possivelmente o Ministério dos Transportes; 7) Reestudo das políticas ambientalistas e da atuação de ONG, de forma a minimizar as dificuldades na concessão de licenças ambientais para a execução de obras em hidrovias; 8) Incremento na realização de fóruns e seminários com participação de sindicatos e associações ligadas ao transporte aquaviário, de forma a ampliar a conscientização sobre a necessidade de conciliar os interesses de associados ao desenvolvimento com segurança e sustentabilidade do modal hidroviário; e 9) Implementação da atual Política Nacional de Logística de Transporte (PNLT), para o período de , publicada em relatório executivo em 2012, de forma a aumentar a participação do modal hidroviário na matriz de logística de transporte brasileira, no período considerado. 7.5 INVESTIMENTOS No decorrer do presente estudo foi visto que o investimento do Governo Federal em hidrovias é pífio e não aproveita o considerável potencial que o país dispõe, além de suas enormes vantagens em relação aos demais. De acordo com dados disponibilizados pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), no período janeiro a novembro/2013, o Governo Federal investiu o total de R$ 8,72 bilhões em transportes. O gráfico abaixo mostra a distribuição deste valor do modal. Enquanto o modal rodoviário recebeu 76,4% dos investimentos, o que representa um valor de

61 60 R$ 6,65 bilhões, o modal hidroviário foi o que menos investimentos recebeu, apenas 1 % do total, o que representa um valor de R$ 80 milhões. Como vimos anteriormente, o Corpo de Engenheiros do Exército Americano dispõe de uma verba de U$ 2 bilhões/ ano, o que corresponde a cerca de R$ 4,6 bilhões, para manter o sistema de transporte hidroviário. Este montante é quase 60 vezes maior do que o valor que a União investe no modal hidroviário no Brasil! Gráfico 2: Investimentos da União em transporte por modal Fonte: Confederação Nacional do Transporte (CNT) O autor considera que, para aprimorar os investimentos neste modal, especialmente na Amazônia, algumas ações são necessárias; quais sejam: 1) Aumento do valor anual de investimento governamental no modal hidroviário; 2) Aumento da prioridade de investimentos federais em hidrovias; 3) Criação de um fundo especial para investimento em hidrovias, cuja gestão deverá ser realizada pelo Ministério dos Transportes. Para criação do referido fundo, o inciso IX do art. 167 da Constituição Federal deverá ser modificado; e 4) Criação de uma campanha de conscientização, para o poder político e para a sociedade em geral, da necessidade de investimentos no setor hidroviário, para o bem do desenvolvimento nacional, especialmente da Amazônia. Esta campanha poderá ser conduzida por setores privados diretamente interessados, como, por exemplo, a FENAVEGA.

62 61 8 CONCLUSÃO O presente trabalho procurou apresentar um panorama sobre a situação das hidrovias no Brasil, em todos os seus aspectos envolvidos, especialmente na região amazônica, foco principal deste estudo. Dentro destes aspectos, foram estudados aqueles relacionados à segurança da navegação como fator fundamental para o desenvolvimento do referido modal e da região. A partir deste panorama, procuramos fazer um paralelo com as principais hidrovias de países desenvolvidos e, a partir desta análise, propor algumas melhorias e soluções que possibilitem o desenvolvimento hidroviário, que, atualmente, se encontra em uma situação bastante precária. Inicialmente, foram abordados diversos conceitos ligados às vias navegáveis e às hidrovias. Em seguida, foram colocados os principais rios e hidrovias que formam a bacia amazônica. No capítulo seguinte, foram comparados os custos envolvidos e as vantagens e desvantagens entre os diversos modais. Na análise comparativa, ficaram claras as grandes vantagens do modal hidroviário em relação aos demais. Em seguida, foram mostrados alguns fatores característicos do modal hidroviário da Amazônia, tipos de cargas e os diversos tipos de embarcações que as transportam, bem como sobre a construção das mesmas. Foram, também, analisados dados sobre o transporte de passageiros. A seguir, foram citados e analisados os diversos atores que atuam no modal hidroviário amazônico, e suas respectivas atribuições. Após, foi mostrada a atual situação de navegabilidade e estrutura dos principais rios da Amazônia. No capítulo seguinte foram mostrados os sistemas hidroviários de países desenvolvidos, deixando clara a grande inferioridade do Brasil em relação aos mesmos. Por fim, foram colocadas possíveis sugestões que permitam melhorar o quadro atual, fruto da análise comparativa entre todos os tópicos que foram levantados e dos modelos hidroviários de países desenvolvidos. De tudo o que foi visto e analisado e das diversas conclusões a que chegamos, ficou claro que o Brasil tem um longo caminho a percorrer no desenvolvimento do modal hidroviário, especialmente na Amazônia. O Governo Federal não pode ignorar o imenso potencial de vias navegáveis e o grande valor estratégico da região amazônica. Portanto, chegamos ao ponto de decisão entre dois rumos opostos: o país escolhe implementar ações urgentes, enérgicas e que exigem coragem política, para

63 62 iniciar as obras e investimentos necessários e aproveitar o excelente potencial de vias navegáveis de que dispomos, ou opta por continuar com a política atual, fadada ao insucesso e ao desperdício dessas vias naturais. Diante de tais perspectivas, ficam claras as duas alternativas para o futuro da Amazônia. A primeira é a proposta do movimento ambientalistaindigenista internacional, de mantê-la como uma espécie de África neocolonial, com populações atrasadas à margem da civilização, salpicada de grandes reservas naturais e indígenas e controlada de fato por interesses externos, por intermédio das ingerências políticas de um exército irregular de ONGs descompromissadas com os interesses nacionais. A outra possibilidade é converter a região em uma Europa tropical, dando início a um processo de desenvolvimento singular na história da humanidade, com o estabelecimento de uma economia moderna e industrializada, criando-se corredores de desenvolvimento semelhantes aos que caracterizam a região atravessada pela hidrovia Reno-Danúbio, coração da área mais industrializada e de mais elevados níveis de vida e proteção ambiental do planeta. Tudo isso pode vir a ser uma realidade em uma região até agora considerada incapaz de sustentar uma população industrializada [...] (LINO; CARRASCO; COSTA, 2008, p. 53).

64 63 REFERÊNCIAS AFONSO, H. C. A. da G. Análise dos custos de transporte da soja brasileira, f. Tese (Mestrado em Engenharia de Transportes) - Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). A navegação interior e sua interface com o setor de recursos hídricos, p. Disponível em: <arquivos.ana.gov.br/planejamento/planos/pnrh/vf%20navegacao >. Acesso em: 7 maio AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS (Brasil). Plano Nacional de Integração Hidroviária. Bacia Amazônica: relatório executivo. Santa Catarina: UFSC, p. Disponível em: <www.antaq.gov.br/portal/pnih/baciaamazonica >. Acesso em: 9 maio Caracterização da oferta e da demanda do transporte fluvial de passageiros da região Amazônica, p. Disponível em: <www.antaq.gov.br/portal/pdf/transportepassageiros >. Acesso em:12 maio Panorama Aquaviário, v p. Disponível em: <www.antaq.gov.br/portal/pdf/panoramaaquaviario2.pdf>. Acesso em: 10 maio Hidrovias Brasileiras: indicadores de transporte de cargas: tonelada útil transportada (t) e tonelada quilômetro útil (TKU), p. Disponível em: <www.antaq.gov.br/.../transporte_de_cargas_hidrovias_brasileiras_2012>. Acesso em: 13 maio ALMEIDA, W. J. Manso de. A Conexão Reno-Meno-Danúbio, p. Disponível em: < Acesso em: 03 jun BRASIL. Ministério da Defesa. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília, DF, Disponível em: <htpps:// Acesso em: 15 maio BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de Brasília, DF: Senado Federal, BRASIL. Decreto nº 2.596, de 18 de maio de Regulamenta a Lei nº 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 maio Lei Complementar nº 97, de 09 de junho de Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jun Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº

65 , de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de Diário Oficial da União, Brasília, DF, 09 jan Lei nº 9.537, de 11 de dezembro de Dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 dez Lei nº 9.984, de 17 de julho de Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 jul Lei nº , de 5 de junho de Dispõe sobre a reestruturação dos transportes aquaviário e terrestre, cria o Conselho Nacional de Integração de Políticas de Transporte, a Agência Nacional de Transportes Terrestres, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários e o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 jun Lei n o , de 13 de julho de Dispõe sobre o adicional ao frete para a Renovação da Marinha Mercante - AFRMM e o Fundo da Marinha Mercante - FMM, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 jul CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE. Pesquisa CNT da navegação interior Brasília, DF p. Disponível em:<www.cnt.org.br>. Acesso em: 14 maio COSTA, Luiz Sergio Silveira Costa. As hidrovias interiores no Brasil. Rio de Janeiro: FEMAR, p. ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA (Brasil). Manual para elaboração do trabalho de conclusão de curso: monografia. Rio de Janeiro, BRASIL. Ministério da Defesa. Marinha do Brasil. Diretoria de Portos e Costas. Normas da Autoridade Marítima. Disponível em: <http://www.dpc.mar.mil.br>. Acesso em: 10 maio FEDERAÇÃO NACIONAL DAS EMPRESAS DE NAVEGAÇÃO AQUAVIÁRIA - FENAVEGA. Entraves na navegação interior. Rio de Janeiro, INTELIGÊNCIA AMBIENTAL. Notícias. Disponível em: <www.inteligenciaambiental.com.br/noticias>. Acesso em: 16 maio LINO, G. L.; CARRASCO, L.; COSTA, N. A hora das hidrovias: estradas para o futuro do Brasil. Rio de Janeiro: Capax Dei, MACHADO, Waltair Vieira et al. Construção Naval no Amazonas: proposições para o mercado. Manaus, [2011?]. 15 f. Disponível em: <portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/ pdf>. Acesso em: 12 maio 2014.

66 65 BRASIL. Ministério da Defesa. Marinha do Brasil. Navegação Fluvial. Disponível em: <www.mar.mil.br/dhn/bhmn/download/cap-40.pdf>. Acesso em: 28 maio Organograma da Marinha do Brasil. Disponível em: <https://www.marinha.mil.br/estrutura-organizacional>. Acesso em: 18 maio MEDEIROS, Juliana Terezinha da Silva. O transporte fluvial e o direito à dignidade da pessoa humana na Amazônia, Dissertação (Mestrado em Direito Ambiental) - Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, NOGUEIRA, Ricardo José Batista. Amazonas: um estado ribeirinho. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas, PONTES LIMA, Antonio Reginaldo. Seminário: O futuro amazônico: hidrovias 2014 a In: PLANO CARTOGRÁFICO NÁUTICO PARA A BACIA AMAZÔNICA, 2013, Manaus. Palestra. Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha do Brasil. Disponível em: <www.com9dn.mar.mil.br>. Acesso em: 17 maio PRADO, Milton José Couto. Sistemas de Transportes da Região Amazônica: O modal aquaviário na Amazônia Ocidental. Rio de Janeiro: ESG, SALLES, Marcelo. Seminário: Fórum sobre hidrovias. In: SISTEMA DE NAVEGAÇÃO FLUVIAL NOS EUA E O CORPO DE ENGENHEIROS DO EXÉRCITO AMERICANO (USACE), 2011, Brasília. Palestra. Corpo de Engenheiros do Exército Americano (USACE). Disponível em: <http://www.antaq.gov.br/portal/pdf/palestras/forumsobrehidroviaago11/marcelo_s alles_navegacao_fluvial_usace_aug_11_portugues.pdf>. Acesso em: 02 jun SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES (Brasil). Projeto de Reavaliação de Estimativas e Metas do PNLT, p. Disponível em: <www.transportes.gov.br/public/arquivo/arq pdf>. Acesso em: 31 jun

67 66 ANEXO A EMBARCAÇÕES QUE NAVEGAM NA AMAZÔNIA Navio Gaseiro Comboio graneleiro composto de empurrador e 12 balsas

68 Embarcação regional de transporte de passageiros (e cargas) 67

69 68 ANEXO B ATORES QUE ATUAM EM VIAS NAVEGÁVEIS Instituições que atuam nas vias navegáveis Fonte: Confederação Nacional do Transporte (CNT)

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio

Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Hidrovia Tapajós Teles Pires A hidrovia do agronegócio Escoamentodaproduçãoagrícoladaregiãocentro-oeste VantagensComparativasdoTransporteHidroviário EstudodeCaso Agência Nacional de Transportes Aquaviários

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA CARACTERÍSTICAS Área aproximada em km²: 3.900.000 23.000 Km de rios navegáveis. Estados Abrangidos: Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Pará, Amapá e norte do Mato Grosso

Leia mais

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007

JUSTIFICATIVA: Rodovia classificada como ruim/péssima (característica pavimento) na Pesquisa Rodoviária CNT 2007 Projeto 155 : Recuperação do pavimento BR-364, BR-317 e BR-319 E6 Rodoviária LOCALIZAÇÃO*: Humaitá - AM a Sena Madureira - AC INTERVENÇÃO: Adequação Categoria: Recuperação do Pavimento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSPORTE FLUVIAL DE PASSAGEIROS NA AMAZÔNIA

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSPORTE FLUVIAL DE PASSAGEIROS NA AMAZÔNIA CARACTERIZAÇÃO DO TRANSPORTE FLUVIAL DE Msc. Nadja Vanessa Miranda Lins Universidade Federal do Amazonas - UFAM nvmlins@gmail.com Mestranda Alcilene Moreira Camelo Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos

Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Hermasa e o Corredor Noroeste de Exportação de Grãos Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Fundação André Maggi Originação Processamento Exportação Soja Milho Geração

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA

A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS A ATUAÇÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA NOS CASOS DE POLUIÇÃO HÍDRICA Rodolfo Henrique de Saboia Superintendente de Meio Ambiente ROTEIRO ATRIBUIÇÕES LEGAIS DA MARINHA

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

Navegação Interior. Entraves para suas atividades

Navegação Interior. Entraves para suas atividades Navegação Interior Entraves para suas atividades A navegação interior no Brasil, permitiu a expansão da fronteira para o oeste, sendo a via de acesso ao Mato Grosso, Rondônia, Acre e Amazonas. Hoje, a

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Requerimento Nº /2011

Requerimento Nº /2011 Requerimento Nº /2011 (Da Sra. Deputada JANETE CAPIBERIBE) Solicita Audiência Pública a fim de debater os resultados parciais das ações planejadas resultantes do GT Naval, proposto no âmbito desta Comissão,

Leia mais

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado

Plano Hidroviário Estratégico - PHE. Imagine o resultado Plano Hidroviário Estratégico - PHE Imagine o resultado 12 de novembro de 2013 . 2 Objetivos Desenvolver o transporte hidroviário interior (THI) de forma a: Ampliar alternativas de escoamento de produção

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires

Hidrovia Tapajós s / Teles Pires MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Hidrovia Tapajós s / Teles Pires Apresentação: Edison de Oliveira Vianna Jr E-mail: edison.vianna@transportes.gov.br Colaboração: Rodrigo Cardoso Paranhos E-mail: rodrigo.paranhos@transportes.gov.br

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 MME Ministério de Minas e Energia Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 Objetivo do Plano 1 1 2 3 Melhorar o suprimento de energia

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA Nº 22 MAIO/98 Transportes na Amazônia Os principais rios navegáveis da região amazônica são o Solimões/Amazonas, o Negro, o Branco, o Madeira,

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de Passageiros

A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de Passageiros Agência Nacional de Transportes Aquaviários I Simpósio da Amazônia de Segurança no Transporte Regional Fluvial A Regulação em proveito da Segurança e da Qualidade dos Serviços de Transporte Fluvial de

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Ocupo hoje a tribuna desta Casa para mostrar um panorama dos

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Transporte Aquaviário no Brasil

Transporte Aquaviário no Brasil Gerência Executiva de Transporte e Mobilização GETRAM Agente de Transporte e Mobilização CATRAM Diretoria de Transporte e Mobilização Exército Brasileiro Luiz de Sousa Cavalcanti Gerente de Outorgas e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2004. Desempenha, como autoridade administrativa independente, a função de entidade reguladora e fiscalizadora

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2726 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 71260001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas

Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas Aspectos operacionais e ambientais dos portos das cidades Amazônicas Universidade Federal do Pará - Brasil Hito Braga de Moraes Linha Belém-Manaus Linha: Manaus - Santarém Linha: Manaus Porto Velho

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Plano Hidroviário Estratégico Belém, 01 de setembro de 2015 PHE - Objetivos Aumentar a participação do modal hidroviário

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E REQUISITOS PARA CONCESSÃO E DELEGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA E SALVAMENTO DE EMBARCAÇÃO,

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

II Seminário Portos e vias navegáveis

II Seminário Portos e vias navegáveis II Seminário Portos e vias navegáveis Plano Nacional de Integração Hidroviária PNIH Adalberto Tokarski Superintendente da Navegação interior da ANTAQ Brasília, 22 de setembro de 2011 Parceiros Estratégicos

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão)

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) Torna obrigatória a colocação de sinalização náutica de restrição para entrada de embarcações motorizadas / Jet skis em áreas

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia

A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia A Visão do Transporte Aéreo sobre as Fontes Renováveis de Energia Seminário DCA-BR - Fontes Renováveis de Energia na Aviação São José dos Campos 10 de junho de 2010 Cmte Miguel Dau Vice-Presidente Técnico-Operacional

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 MARINHA DO BRASIL COMANDO DO 8º DISTRITO NAVAL PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 PROCESSO Nº 62455.001094/2012-95 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS NORTE FRONTEIRA NORTE NORDESTE ARAGUAIA- TOCANTINS FRONTEIRA NORTE OESTE NORTE SÃO FRANCISCO SUDOESTE LESTE

PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS NORTE FRONTEIRA NORTE NORDESTE ARAGUAIA- TOCANTINS FRONTEIRA NORTE OESTE NORTE SÃO FRANCISCO SUDOESTE LESTE PROGRAMAS REGIONAIS PROGRAMAS REGIONAIS BR-174 BR-364 BR-317 BR-319 BR-230 BR-230 BR-163 BR-364 BR-230 BR-158 BR-364 MT-170 BR-010 BR-316 PA-150 BR-222 BR-020 BR-020 BR-230 BR-230 BR-304 BR-407 BR-101

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ 12 e 13 AGO 2009 Formação de Profissionais para a Marinha Mercante CALTE (RM1) Luiz Antonio M. de Malafaia Superintendente

Leia mais