ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação"

Transcrição

1 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Espaços de Trabalho Mario S. Ferreira Maio, 2012

2 Aspectos Físicos Dimensões Envelope Zonas de Alcance Áreas de Influência Layout Posturas

3 Acessibilidade de Arranjos

4 Dimensionamento de Posturas Fonte:

5 1200x700mm Áreas de Influência Zonas de Circulação

6 Áreas de Influência Zonas de Circulação

7 Áreas de Influência Zonas de Circulação

8 DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Etapas a serem consideradas 1. Definição das plantas e arranjos físicos internos (leiaute); 2. Organização do trabalho; 3. Definição dos arranjos físicos de detalhamento (mobiliário, ferramentas e equipamentos leves); Elementos que influenciam a determinação do espaço de trabalho 1. Tempos de trabalho; 2. Pessoas não envolvidas na tarefa específica no entorno; 3. Área de estoques; 4. Espaços necessários para tratamento dos incidentes de produção; 5. Espaços de evacuação de rejeitos de produção; Definição referente à circulação e fluxos 1. pessoal de nível operacional; 2. outro pessoal (visitantes, clientes, fornecedores); 3. peças, matérias-primas, produtos e condições de transporte; 4. veículos, sistemas de transportes e sistemas de informação; Circulação: caminhos possíveis entre a entrada e a saída de um ambiente 2 1 Fluxo: quantificação da circulação, determinado ao processo produtivo.

9 DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Precauções a serem tomadas 1. Dimensionamento e disposição dos postos de trabalho; 2. Previsão de locais anexos; 3. Arranjo físico das circulações; 4. Prevenção dos efeitos de barreiras arquitetônicas. Prever evoluções posteriores 1. Fase de montagem das máquinas: prever a acessibilidade aos postos de trabalho; 2. Ampliação posterior: prever se possível áreas de ampliação.

10 DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Dados antropométricos 1. Determinação dos dados antropométricos a serem utilizados; 2. Utilização de dados antropométricos diretamente no posto/tarefa; 3. Utilização de dados antropométricos em função das características do trabalho. Dimensionamento e acessibilidade 1. Dimensionamento dos planos e dos volumes ocupados pelo espaço de trabalho; 2. Proximidade entre dispositivos de comandos e controles; 3. Localização de instalações perigosas em relação aos postos de trabalho; 4. Acessibilidade aos equipamentos para intervenções de manutenção.

11 DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Dimensionamento e acessibilidade 1. Dimensionamento dos planos e dos volumes ocupados pelo espaço de trabalho; 2. Proximidade entre dispositivos de comandos e controles; 3. Localização de instalações perigosas em relação aos postos de trabalho; 4. Acessibilidade aos equipamentos para intervenções de manutenção.

12 DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO Planos de trabalho 1. Zonas de máximo (55 a 65 cm) e mínimo (35 a 45 cm) alcances; 2. Altura da mesa para trabalho sentado: regulável de 63 a 73 cm; 3. Altura da cadeira: regulável de 40 a 56 cm; 4. Altura da bancada para trabalho de pé: Obs.: trabalho preciso: de 100 a 110 cm (homens) e 95 a 110 cm (mulheres);

13 Aspectos Não-Físicos Prossêmica: Dimensões Ocultas Território e Privacidade Esfera Invisível

14 ERGONOMIA Homem como objeto principal de suas observações Os limites do Homem não coincidem com sua pele: Dimensões Ocultas PROSSÊMICA

15 PROSSÊMICA Modo como o indivíduo estrutura o micro-ambiente, a distância em que os seres humanos interagem, e a organização do espaço doméstico e/ou profissional (HALL, E.T. The Hidden Dimension. Doubleday & Co., Garden City, NY, 1966)

16 Edward Hall MANIFESTAÇÕES PROSSÊMICAS Infra-cultural (comportamental, biológica) Pré-cultural (fisiológica /estrutura-significado) Micro-cultural (organização individual e social no espaço) TERRITÓRIO compreensão do comportamento animal Afirmação de direitos sobre uma área física, Relação entre território e agressividade humana; Hierarquia social e às manifestações de status; Identidade Pessoal e Defesa de Privacidade.

17 CONCEITO DE TERRITÓRIO Homem: Distância Crítica Cão: Distância Social Homem: Distância Social Cão: Distância Individual Homem: Distância Pessoal/Autodefesa Cão: Distância Íntima/ Autodefesa Homem / Cão

18 TERRITÓRIO PRIMÁRIO Vida Privada Processo de Defesa e Constituição da Identidade (Casa) TERRITÓRIO SECUNDÁRIO Uso menos Exclusivo de Atividades de Subsistência/Frequência (Trabalho ou Encontro) TERRITÓRIO PÚBLICO Acesso Livre e Momentâneo Regulado por norma (Transportes, Estradas)

19 Território Primário Território Secundário Território Público Na zona próxima à escrivaninha Nos Ambientes para Trabalho em Equipe e Reuniões Nos Locais de Passagem, Sanitários e Elevadores Ambientes com os três níveis tendem a ser conflitantes (Stress nos frequentadores): Hospitais, Escolas, Escritórios

20 Processo de controle dos limites de si próprio e de abertura para outro indivíduo MAIOR OU MENOR ACESSIBILIDADE ESPAÇO CULTURAL Estrutura Material Estrutura Simbólica

21 Medidas e Características Diferenciadas conforme a Civilização e Grupo Social PRESENTE EM TODAS AS CULTURAS HUMANAS Caráter Subjetivo no projeto de ambientes: privacidade desejada tolerância pessoal na interação com grupos

22 Concepção Humana de espaço e distância ligada à ação O que é possível fazer num determinado espaço ESFERA INVISÍVEL em expansão ou contração, nas relações com outros indivíduos, em diferentes contextos sociais

23 Espaço Pessoal : entendido como um espaço quantificável /psicológico. Bolha aumenta ou diminui conforme: a relação que O INDIVÍDUO quer ter com os outros; o contexto em que se encontra; cultura a que pertence. Espaço pessoal: variável entre indivíduos da mesma raça; função do sexo, idade,... Edward Hall: 4 áreas diferentes da distância

24 Hall: 4 áreas diferentes da distância it.wikipedia.org/wiki/prossemica- Edward Hall

25 Hall: 4 áreas diferentes da distância Você Seu envelope Sua rede Todos

26 Hall: 4 áreas diferentes da distância Espaço Íntimo Ø 70cm Distância Pessoal Fase Próxima 45 a 75 cm Distância Pessoal Fase Distante 75 a 120 cm Distância Social Fase Próxima 120 a 210 cm Campo visual: atração ou fuga do ambiente social; 30 º (visão-ocular): idéia mais precisa; 120 º (visão periférica); +120 º (fora do nível periférico): tende ser isolado do sujeito

27 Distância do abraço, da luta, do conforto e da proteção; Presença envolvente de outro indivíduo; Crescimento de elementos sensoriais; Limite máximo definido pelo braço extendido. DISTÂNCIA ÍNTIMA 15-45cm

28 Distância que separa indivíduos da mesma espécie, segundo princípios do não-contato: relação fechada; Limite do toque entre dedos com os braços extendidos; Distância máxima para comunicação pessoal privilegiada. DISTÂNCIA PESSOAL cm

29 Negócios impessoais; Comunicação de Trabalho; Contato visual + tom de voz elevado; Tarefas que implicam relação com público DISTÂNCIA SOCIAL cm

30 Além da esfera do envolvimento pessoal; conferências; Não implica em interação ativa; cerimônias; Define o limite de captação de ruidos e expressões faciais; Parte da comunicação verbal passa a gestual e postural DISTÂNCIA PÚBLICA cm

31

32

33

34 D C B E A F G H Maior Interação entre AB AH EF ED

35 Criação de novos tipos de espaços sociais / profissionais para o novo século Premissa: Estudo do Espaço do Escritório com Advento da Informática Comunicação entre Pessoas SITUAÇÃO DE TRABALHO: Confronto / Disputa / Desafio / Stress

36 SITUAÇÃO DE TRABALHO: Confronto / Disputa / Desafio / Stress

37 SITUAÇÃO DE TRABALHO: Confronto / Disputa / Desafio / Stress

38 SITUAÇÃO DE TRABALHO: Confronto Disputa Desafio Stress

39 Experiências pessoais: Pessoas juntas Pessoas Isoladas umas das outras por fios invisíveis Variável Tempo: Linguagem, Organizador de atividades, Sintetizador Integrador, Sistema de mensagem Cobertura do campo de visão: 120 graus (visão periférica) Interferência do campo visual: atração ou rejeição Tudo que está posicionado além: isolado

40 Espaço X Relações: Bi-direcional Ambiente: Reflexo no comportamento humano, Forte influência no comportamento e nas relações

41 Espaço X Relações: Bi-direcional Ambiente: Reflexo no comportamento humano, Forte influência no comportamento e nas relações Construção Civil Informalidade, Movimentação, ritmo individual, tensões; Dialogo em tom elevado (entre um pavimento e outro): gritos; Prejuizo da atenção e concentração; carga mental X carga física

42 Espaço X Relações: Bi-direcional Ambiente: Reflexo no comportamento humano, Forte influência no comportamento e nas relações Hospital Ruptura da privacidade e individualidade; Perda relativa da cidadania: paciente; Dialogo entre terceiros, entre profissionais: insegurança e recolhimento: retração da esfera invisível; Carga mental: estresse

43 Espaço X Relações: Bi-direcional Ambiente: Reflexo no comportamento humano, Forte influência no comportamento e nas relações Indústria de transformação Necessidade sincronização de movimentos, ritmo individual; Competição: carga mental elevada tensões Ausência de diálogo: expansão e retração da esfera de acordo com o processo produtivo e o nível de relações interpessoais.

44 DIMENSIONAMENTO DOS ESPAÇOS DE TRABALHO Área sem dimensão definida (Não- físico): Espaço cultural; Variações de acordo com a tarefa; Variações de acordo com as relações humanas; (costumes, tradições culturais e geográficas). Japão: Aglomeração de escritórios mais tolerada; Elevada densidade de pessoas; Confidencialidade: típico do mundo ocidental.

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009.

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. 1. INTRODUÇÃO ERGONOMIA Notas de Aula Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS DESENHO E ARQUITETURA DESENHO ARQUITETÔNICO Elisa Furian elisafurian@outlook.com ESCALA É a relação existente entre as dimensões de um desenho e as dimensões reais

Leia mais

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares A regulamentação da utilização de sistemas de vigilância por câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum, para captação e gravação de imagens e som e seu

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250

Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 Manual de Referência Técnica ELEVAC 250 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s ESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Plataforma Elevac 250 traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250

Manual Ref. Técnica Plataforma Elevac 250 Apresentação 1 A Plataforma Elevac traz comodidade e praticidade para todas as pessoas com dificuldades permanentes ou temporárias de locomoção. Ideal para clínicas, escolas, hospitais, hotéis e quaisquer

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C.

Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007 ETAPAS. Prof. Paulo C. Barauce Bento. Ergonomia. UFPR 2007. Prof. Paulo C. Ergonomia Posto de trabalho Menor unidade produtiva Aplicação da antropometria no design do local de trabalho Homem e seu local de trabalho Fábrica / escritório > conjunto de postos Análise do posto Enfoque

Leia mais

PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE. Rui Veiga - SST

PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE. Rui Veiga - SST PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Rui Veiga - SST 2 EVOLUÇÃO DA PREVENÇÃO E SEGURANÇA PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO NA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014

Avaliação ocupacional da pessoa. Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Avaliação ocupacional da pessoa com deficiência -casos práticos Renata Pavão Moreira Médica do trabalho Reunião Científica APAMT - 25/10/2014 Papel do médico do trabalho Análise enquadramento Adaptações

Leia mais

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt

CASA EN TERRAVILLE. Implantação e Partido Formal. Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt CASA EN TERRAVILLE Local: Porto Alegre Ano: 2010 Escritório MAPA Autoras : Ana Elísia da Costa e Thaís Gerhardt Implantação e Partido Formal A Casa em Terraville é uma residência unifamiliar de uso regular

Leia mais

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

AMBIÊNCIA NAS UNIDADES DE PRODUÇÃO DE SAÚDE

AMBIÊNCIA NAS UNIDADES DE PRODUÇÃO DE SAÚDE NAS UNIDADES DE PRODUÇÃO DE SAÚDE CHRISTIANE NAKAMATSU ITO Campo Grande-MS Ambiência na saúde compreende o espaço físico, social, profissional e de relações interpessoais que deve estar em sintonia com

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Acessibilidade e Ergonomia

Acessibilidade e Ergonomia Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO. DIMENSIONAMENTO HUMANO ANTROPOMETRIA Profa Raquel Rancura

DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO. DIMENSIONAMENTO HUMANO ANTROPOMETRIA Profa Raquel Rancura DIMENSIONAMENTO DE ESPAÇOS E PLANOS DE TRABALHO DIMENSIONAMENTO HUMANO ANTROPOMETRIA Profa Raquel Rancura ASPECTOS FISICOS: DIMENSÕES, ZONAS DE ALCANCE, ÁREAS DE INFLUÊNCIA, LAYOUT, POSTURAS TODO MUNDO

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

O LADO POSITIVO DA IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO DO ÁLCOOL NOS LOCAIS DE TRABALHO A experiência na Cascais Ambiente

O LADO POSITIVO DA IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO DO ÁLCOOL NOS LOCAIS DE TRABALHO A experiência na Cascais Ambiente O LADO POSITIVO DA IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO DO ÁLCOOL NOS LOCAIS DE TRABALHO A experiência na Cascais Ambiente Ana Canas Câmara Municipal de Cascais Filme Campanha publicitária na prevenção

Leia mais

Habitat Escolar. Salubridade. SalubridadeEscolar_FCS 1

Habitat Escolar. Salubridade. SalubridadeEscolar_FCS 1 Habitat Escolar Salubridade SalubridadeEscolar_FCS 1 Habitat Escolar Salubridade Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso de Licenciatura em Enfermagem na Comunidade

Leia mais

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond A ARTE DA COMUNICAÇÃO Maria Thereza Bond 1 Psicologia Gestão de Pessoas Aulas, palestras, livros, coordenação, capacitações, consultorias... 2 Sobre o que vamos falar hoje? Em que vamos pensar? 3 O que

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO AET, Estuda uma situação de trabalho visando adaptá-la ao homem a partir da análise das condições técnicas, ambientais e organizacionais, buscando revelar as diferenças entre os trabalhos formal e o real.

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO

Termo de Referência. Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO Termo de Referência Anexo A DESCRIÇÃO FÍSICA CARACTERÍSTICAS DO EQUIPAMENTO A. Arena Carioca da Penha e seu entorno O edifício principal, em forma de hexágono com 15m em cada lado possui 1.083 m 2 de área

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organizar, no sentido comum, é colocar uma certa ordem num conjunto de recursos diversos para fazer deles um instrumento ou uma ferramenta a serviço de uma vontade que busca a realização

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Instituto Superior de Economia e Gestão Comportamento Organizacional M.B.A. Maria Eduarda Soares Tema 1 - Conceito e Âmbito do Comportamento Organizacional Definição de comportamento organizacional. Objectivos

Leia mais

Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler

Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler Soluções em mobilidade vertical para hospitais. Quando o que mais importa é confiabilidade e eficiência. Elevadores hospitalares Schindler Ambientes onde precisão e confiabilidade são requisitos mínimos.

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS ERGONOMIA AULA 1: O O QUE ÉERGONOMIA DEFINIÇÃO ESTUDO DO RELACIONAMENTO ENTRE O HOMEM E SEU TRABALHO, EQUIPAMENTO E AMBIENTE, E APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS DE ANATOMIA, FISIOLOGIA E PSICOLOGIA NA SOLUÇÃO

Leia mais

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos

Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Utilizadores de Computadores Conselhos ergonómicos Ergonomia: Estuda a interacção física entre as pessoas e o seu trabalho adaptando este último, o equipamento e o ambiente de trabalho ao trabalhador.

Leia mais

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP)

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) 1. O que é Mapa Mental (Mind Map) é um diagrama usado para representar palavras, idéias, tarefas ou outros itens ligados a um conceito central e dispostos

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

Intervir na organização do trabalho.

Intervir na organização do trabalho. Intervir na organização do trabalho. "Sistema Ambiente" tem um módulo para examinar as condições mais precisamente ergonômico. O método permite a definição de parâmetros objetivos de medição de cada ponto

Leia mais

Curso de Especialização Centro Universitário Franciscano - UNIFRA

Curso de Especialização Centro Universitário Franciscano - UNIFRA Gestão da Produção Prof. Miguel Antonio Pelizan 4 Leiaute ou Arranjo Físico ARRANJO FÍSICO Preocupa-se com a localização física dos recursos de transformação. Definir o arranjo é decidir onde colocar todas

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial.

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Elevadores de Passageiros Schindler Tempo O menor tempo entre você e o seu andar O Miconic

Leia mais

O QUE É SER ALTO PADRÃO?

O QUE É SER ALTO PADRÃO? O PRODUTO IMPERADOR Concebido para atender as exigências do mercado de Alto Padrão, o produto conta com tudo que hoje é imprescindível para diferenciá-lo dos demais. Imponência, estilo único, elegância

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Produzindo o futuro com bases sólidas. Soluções para a sua Indústria

Produzindo o futuro com bases sólidas. Soluções para a sua Indústria Produzindo o futuro com bases sólidas Soluções para a sua Indústria Experiência Global, Soluções Locais Somos uma das maiores Seguradoras do mundo. Fornecemos programas de seguros para a sua indústria

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Aula 05 Apropriação Física e Não-Física de Espaços e Ambientes Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 05 Apropriação Física e Não-Física de Espaços e Ambientes Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Educação Permanente e gestão do trabalho

Educação Permanente e gestão do trabalho São Bernardo,março de 2013 Educação Permanente e gestão do trabalho Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada Faculdade de Saúde Pública da USP Trabalho em saúde O trabalho em saúde não é completamente

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I DINÂMICA Telefone sem fio

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais