DAS FINALIDADES DO FUNDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DAS FINALIDADES DO FUNDO"

Transcrição

1 REGULAMENTO

2 Regulamento do Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário - FUNSEP, instituído pelo Decreto Judiciário nº 226, de 11 de outubro de DAS FINALIDADES DO FUNDO Art. 1º - O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário - FUNSEP é uma instituição de caráter assistencial, na forma de sociedade civil privada e fechada, sem fins lucrativos, que tem como finalidades principais: I - Atender e dar cobertura a programas que visem a preservação da saúde dos servidores e serventuários do Poder Judiciário; II - custear ou complementar despesas hospitalares e médicas dos servidores e de seus dependentes; III - custear ou complementar, desde que haja recursos, despesas efetuadas com vistas à melhoria da saúde dos servidores, tais como: psiquiátricas, psicológicas, fisioterápicas, fonoaudiológicas e de terapia ocupacional; IV - apoiar os servidores na aquisição de bens de uso médico, como cadeiras de rodas, muletas, óculos e outros congêneres que forem necessários, de acordo com precisa indicação médica e mediante receituário. DA RECEITA DO FUNDO Art. 2º - Constituirão receita do FUNSEP, as mensalidades recolhidas de seus associados e de seus dependentes. Art. 3º - As aplicações da receita do Fundo levarão em consideração: I - rentabilidade compatível; II - garantia dos investimentos; e III - manutenção do poder aquisitivo dos capitais aplicados. DA DIREÇÃO DO FUNDO Art. 4º - O FUNSEP será dirigido por um Conselho Diretor, integrado por quatro (04) servidores do Poder Judiciário, sendo três (03) deles designados diretamente pelo Presidente do Tribunal de Justiça e um através de escolha, pela mesma autoridade, em lista tríplice encaminhada pelo Sindicato do Poder Judiciário - SINDIJUS.

3 Parágrafo único - Compete, ainda, ao Presidente do Tribunal de Justiça a designação do Presidente do Conselho Diretor. Art. 5º - Todas a as despesas do FUNSEP serão autorizadas e chanceladas por dois ou mais integrantes do Conselho Diretor. Art. 6º - As obrigações assumidas em nome do FUNSEP pelos integrantes do Conselho Diretor não lhes serão imputadas pessoalmente e nem os seus patrimônios responderão por elas. Art. 7º - A inimputabilidade de que trata o artigo anterior não será observada nos casos de comprovada má fé, em que resultem obtenção de vantagem ilícita ao responsável e conseqüente prejuízo financeiro ao FUNSEP. Art. 8º - Os integrantes do Conselho Diretor do FUNSEP não receberão remuneração pelo exercício destas funções. Art. 9º - O mandato dos integrantes do Conselho Diretor coincidirá com o do Presidente do Tribunal de Justiça que os designar. Art Compete ao Conselho Diretor; I - Administrar o FUNSEP; II - reformar este Regulamento, após autorização do Presidente do Tribunal de Justiça; III - deliberar sobre o orçamento- programa; IV - designar, nomear e destituir o Gerente Administrativo do FUNSEP, bem como seus eventuais auxiliares; V - fixar a gratificação dos ocupantes dos cargos mencionados no inciso IV; VI - deliberar sobre os planos de custeio; VII - dirigir e administrar o patrimônio do Fundo; VIII - alienar ou gravar quaisquer bens do FUNSEP; IX - elaborar relatório e prestação de contas anualmente à Presidência do Tribunal de Justiça; X - deliberar sobre questões omissas deste Regulamento, estabelecendo normas a serem seguidas; e XI - representar o FUNSEP em juízo e fora dele ativa e passivamente.

4 Art O Gerente Administrativo de que trata o inciso IV, do artigo anterior, será indicado pelo Conselho Diretor, se possível, dentre os servidores do Poder Judiciário. Art O Gerente Administrativo será o executor dos programas do FUNSEP, podendo ter quantos auxiliares forem necessários para aquelas funções. Art Todos os expedientes do FUNSEP serão preparados e instruídos pela gerência administrativa e submetidos ao Conselho Diretor para exame e decisão. Art Compete ao Gerente Administrativo: I - apresentar ao Conselho Diretor o esboço de orçamento para o exercício; II - apresentar ao Conselho Diretor minuta de plano de custeio, bem como balancete mensal e anual; III - apresentar ao Conselho Diretor para exame e decisão todos os expedientes que digam respeito à liberação de numerários para custeio de despesas com os fins do FUNSEP; IV - apresentar ao Conselho Diretor minutas de contratos; V - administrar os bens móveis do FUNSEP, zelando por sua conservação; VI - propor ao Conselho Diretor a aquisição de bens móveis; e VII - propor ao Conselho Diretor a contratação do pessoal para auxiliar a administração executiva do FUNSEP. DO PATRIMÔNIO DO FUNDO Art Constituição do patrimônio do FUNSEP: I - o produto da arrecadação mensal prevista no Art. 2º deste Regulamento; II - os bens móveis e imóveis que forem adquiridos; e III - as subvenções sociais concedidas pelo Poder Público. Art Os bens imóveis do FUNSEP somente poderão ser gravadas ou alienados com o concenso unânime do Conselho Diretor.

5 DA EXECUÇÃO DOS PROGRAMAS Art O FUNSEP oferecerá a seu associados duas (2) opções de plano de saúde, o Plano I - Básico e o Plano II - Especial, conforme segue: PLANO I - BÁSICO Art O associado terá direito ao internamento hospitalar padrão enfermaria ou duplo coletivo, em hospitais que mantêm convênio com o Instituto de Previdência do Estado (IPE). I - Os honorários médicos para procedimento cirúrgico/clínico serão de uma (1) tabela da Associação Médica Brasileira nos casos de real necessidade para recuperação da normalidade da saúde. II - Não haverá neste plano qualquer cobertura a procedimentos, materiais, medicamentos ou a exames complementares de qualquer natureza, que não tenham participação financeira do IPE. III - Em hipótese alguma, será dada cobertura a operações plásticas que de qualquer forma possam ter conotação estética. IV - Não haverá neste Plano qualquer cobertura para consulta médica de rotina ou de urgência. V - Não serão em hipótese alguma, cobertos pelo FUNSEP exames complementares que não tenham como finalidade única de esclarecer diagnósticos médicos que visem a recuperação ou manutenção da saúde. VI - Para exames complementares, os associados serão reembolsados da parte do servidor não coberta pelo IPE. VII - Na hipótese de internamento particular, o associado terá direito ao reembolso a ser determinados através de Instrução Normativa. Parágrafo único - Neste caso, o reembolso dos associados do interior do Estado será superior aos dos associados da Capital. PLANO II - ESPECIAL

6 Art O associado do FUNSEP terá direito a efetuar consultas médicas, através da rede de médicos credenciados ou mediante reembolso de consulta particular. I - O Conselho Diretor arbitrará, através de Instrução Normativa, o valor do reembolso, o percentual de participação nas guias de consulta e o número de consultas a serem efetuadas no mês. Art Os associados terão direito a exames complementares nas diversas especialidades, desde que acompanhados da requisição médica, através de guias nos laboratórios e clínicas credenciados, com participação de vinte e cinco por cento (25%) ou mediante reembolso de setenta e cinco por cento (75%) do valor da tabela da Associação Médica Brasileira e de cinqüenta por cento (50%) de participação para os de alto custo, os quais serão determinados através de Instrução Normativa pelo Conselho Diretor. I - O valor do reembolso, nos casos de exames onde não haja serviço credenciado, será de cem por cento (100%) o valor da Tabela da Associação Médica Brasileira. II - Não serão em hipótese alguma, cobertos pelo FUNSEP exames complementares que não tenham como finalidade única de esclarecer diagnósticos médicos que visem a recuperação ou manutenção da saúde. Art Os associados terão direito aos internamentos hospitalares e o FUNSEP oferecerá cobertura para assistência em regime de internamento hospitalar, obedecendo critérios preestabelecidos: I - Em hospitais da rede credenciada pelo IPE, o associado terá cobertura do percentual que cabe ao servidor, acrescido do valor da diária oferecida pelo FUNSEP, mais o financiamento dos eventuais excedentes decorrentes de internamentos em instalações de custos superiores. II - Na rede hospitalar credenciada unicamente pelo FUNSEP, o associado terá cobertura do valor da diária previamente estipulada pelo Fundo acrescido de até setenta por cento (70%) do valor das despesas decorrentes com materiais, medicamentos e taxas. III - Não haverá responsabilidade do FUNSEP por despesas decorrentes de uso de medicamentos especiais e ou materiais de órteses, prótese ou outras, quando consideradas de alto custo. IV - O critério de alto custo, bem como a eventual forma de auxílio ao beneficiário deste Plano, serão definidos por Instrução Normativa emitida apelo Conselho Diretor, sempre levando em consideração a disponibilidade econômica do Fundo. V - Os valores de diárias hospitalares e do percentual das despesa de material, medicamentos, exames e taxas serão determinados pelo Conselho Diretor, através de Instrução Normativa, a ser editada quando necessário.

7 VI - Nos internamentos clínicos, o associado terá direito aos seus benefícios (diárias, honorários, etc.), até o limite de trinta (30) diárias no ano, seguidas ou alternadas, sendo que o associado que exceder, no mesmo ano, o limite citado terá diminuídos os percentuais de auxílio, conforme Instrução Normativa. VII - As guias para internamentos de procedimentos clínicos ou cirúrgicos serão limitados em dez (10) dias, podendo ser prorrogados, desde que haja justificativa médica e consignável na folha de pagamento do associado. VIII - Os honorários médicos decorrentes de atendimentos efetuados em regime hospitalar interno ou externo, bem como em regime ambulatorial, terão cobertura com base nos valores contidos na Tabela de Honorários Médicos da Associação Médica Brasileira, cujo percentual será arbitrado pelo Conselho Diretor, através de Instrução Normativa. IX - Os procedimentos constantes da Tabela da Associação Médica Brasileira que estejam efetivamente defasados ou superestimados em relação aos valores cobrados pelos médicos poderão, a critério do Conselho Diretor, ser corrigidos, visando uma melhor adequação à realidade. X - Nos casos de internamentos de procedimentos que se referem a plástica, mesmo corretiva, que de qualquer forma possa apresentar conotação estética, não haverá emissão de guia, bem como reembolso de despesas hospitalares e honorários médicos. XI - Nos casos de internamentos hospitalares psiquiátricos, caberá ao Conselho Diretor arbitrar, através de Instrução Normativa, o limite anual de seus benefícios. XII - Nos reembolsos previstos neste Regulamento levar-se-á em conta a disponibilidade financeira desta entidade. Art Os aparelhos de uso determinado por médicos poderão ter uma ajuda de custo parcial ou total pelo FUNSEP, conforme o caso, após processamento próprio. Art O associado poderá ser reembolsado de despesas efetuadas com internamento hospitalar feito fora do Estado do Paraná, em casos de comprovada emergência e/ou extrema necessidade. DOS BENEFICIÁRIOS DO FUNDO PLANO I - BÁSICO Art Poderão ser beneficiários do FUNSEP:

8 I - Os servidores e serventuários do Poder Judiciário, ativos e inativos, mediante requerimento a ser aprovado pela Diretoria; II - o cônjuge de associado; III - os filhos de associado, menores de vinte e um (21) anos e os maiores desde que matriculados em curso de nível superior, até o limite de vinte e cinco (25) anos de idade, e os inválidos e deficientes físico ou mental, através de comprovação médica atestada por Órgão Oficial; IV - a(o) companheira(o) do associado que com ele(a) coabite por mais de dois (2) anos, desde que comprovado por declaração de duas (2) testemunhas. PLANO II - ESPECIAL Art Poderão ser beneficiários do FUNSEP: I - os servidores e serventuários do Poder Judiciário, ativos e inativos, mediante requerimento ao ser aprovado pela Diretoria e do qual conste em anexo o formulário de dados devidamente preenchido; II - o cônjuge de associado; III - os filhos de associado, menores de vinte e um (21) anos e os maiores desde que matriculados em curso de nível superior, até o limite de vinte e cinco (25) anos de idade, e os inválidos e deficientes físico ou mental, através comprovação médica atestada por orgão oficial; IV - a(o) companheira(o) do associado que com ele(a) coabite por mais de dois (2) anos, desde que devidamente comprovada por declaração firmada por duas (2) testemunhas; V - os ascendentes (pai/mãe) do associado, desde que comprove a dependência econômica, através da seguinte documentação: a) certidão negativa de órgão Oficial Estadual e Federal de que o ascendente não percebe, a qualquer título proventos de aposentadoria ou pensão. b) declaração de Imposto de Renda do associado, onde o ascendente conste como dependente. c) fotocópia da carteira do IPE do associado, comprovando a dependência do ascendente.

9 VI - Os ascendentes (pai/mãe) já inscritos no Plano Anterior, para que gozem dos benefícios do novo Plano, deverão apresentar a documentação devida. VII - As(os) pensionistas de servidores e serventuários do Poder Judiciário poderão usufruir dos benefícios do FUNSEP, desde que recolham, mensalmente, através de carnês apropriados, quantia pré-fixada pelo Conselho Diretor. Art Serão considerados dependentes-contribuintes os menores com Termo de Responsabilidade e Guarda que vivam sob a dependência econômica do associado. I - o associado deverá comprovar a dependência econômica do dependentecontribuinte, no caso de Termo de Guarda, através de Certidão expedida pelo Juízo competente; II - o dependente-contribuinte gozará dos mesmos benefícios e terá os mesmos deveres do dependente legal, observado o contido no parágrafo único, do Art. 33, deste Regulamento. Art Os filhos inválidos maiores de vinte e um (21) anos, a companheira ou companheiro, os ascendentes (pai/mãe) e dependentes com Termo de Guarda, serão sóciosdependentes facultativos, podendo o Conselho Diretor do FUNSEP exigir, a qualquer tempo, documentos atualizados para comprovação da dependência, ou ainda excluí-los dos benefícios, desde que o Fundo não tenha recursos orçamentários para as despesas. DAS OBRIGAÇÕES DO ASSOCIADO PLANO I - BÁSICO Art Os associados deverão autorizar o desconto em folha mensal de dois por cento (2%) do vencimento bruto, ou recolher através de carnê; I - A contribuição do dependente cônjuge ou companheiro(a) será de mais dois por cento (2%) do vencimento bruto: II - Não haverá contribuição para os dependentes filhos. PLANO II - ESPECIAL Art Os associados do FUNSEP deverão autorizar o desconto em folha de pagamento da quantia mensal definida pelo Conselho Diretor, a qual será reajustada mensalmente, de acordo com a variação do CH (coeficiente de honorários) - ou outro índice que venha a substituí-lo -, e se serventuários ou pensionistas deverão recolher em Banco, através de carnês apropriados, quantia pré-fixada pelo Conselho Diretor.

10 I - A contribuição do dependente cônjuge e ou companheiro(a) será de 100 % (cem por cento) do valor da mensalidade do associado, a qual será reajustada nas mesmas condições da contribuição do sócio; II - A contribuição do dependente filho será de 50% (cinqüenta por cento) do valor da mensalidade do associado, a qual será reajustada nas mesmas condições da contribuição do sócio; III - A contribuição do dependente contribuinte com Termo de Responsabilidade e Guarda será de 100% (cem por cento) do valor da mensalidade do associado, a qual sofrerá os mesmos reajustes aplicados aos sócios; IV - A contribuição do dependente ascendente (pai/mãe) será de 200% (duzentos por cento) do valor da mensalidade do associado, a qual será reajustada nas mesmas condições do associado. DAS PENALIDADES Art O associado será responsabilizado pela utilização inadequada dos benefícios e instrumentos que o FUNSEP lhe oferecer, e, em caso de comprovada má fé do associado, será o mesmo excluído sumariamente, da instituição, por ato do Conselho Diretor - que poderá também encaminhar documentos a Presidência do Tribunal de Justiça para as providências cabíveis. Art A inadimplência no recolhimento das quantias devidas ao Fundo, por três (03) meses seguidos, implicará na suspensão ou exclusão dos associados e dependentes, os quais perderão direito a seus benefícios. Art O associado do FUNSEP será automaticamente desligado ao ser exonerado, ou demitido, sem prejuízo da obrigatoriedade da quitação de eventuais ônus ao FUNSEP. DISPOSIÇÕES GERAIS Art Os benefícios do FUNSEP começarão a vigir a partir da implantação dos novos Planos, não havendo carência para os associados e dependentes inscritos, observamdo-se, após esta data os seguintes critérios: I - Carência de três (03) meses para consulta médica; II - Carência de seis (06) meses para exames; III - Carência de doze (12) meses para exames de alto custo;

11 IV - Carência de doze (12) meses para internamento hospitalar. Parágrafo único - Somente terão direito aos benefícios do FUNSEP, nos casos de obstetrícia, a associada e a dependente cônjuge ou companheira do associado. Art Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Diretor, por despacho ou através de Instrução Normativa. Art O foro competente para dirimir as questões e dúvidas do presente Regulamento é o da Comarca de Curitiba. Curitiba, 29 de junho de ARIEL FERREIRA DO AMARAL FILHO - Presidente EURICO DE PAIVA VIDAL JÚNIOR - Diretor HENRIQUE JOSÉ PINHEIRO GIUBLIN - Diretor MARIO MONTANHA TEIXEIRA FILHO - Diretor

12

13 INSTRUÇÕES GERAIS

14 FUNSEP FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário é uma instituição de caráter assistencial, na forma de sociedade civil privada e fechada, sem fins lucrativos, criado através do DECRETO JUDICIÁRIO nº 226, de 11 de outubro de 1983, publicado no Diário da Justiça nº 1557, do dia 19 de outubro de 1983, durante a gestão do Desembargador ALCEU CONCEIÇÃO MACHADO, na Presidência do Tribunal de Justiça do Estado. INSTRUÇÕES GERAIS DA INSCRIÇÃO Podem associar-se ao FUNSEP todos os funcionários do Poder Judiciário do Estado e Servidores do Foro Extra-Judicial (Escrivães e Titulares de Cartório). OBS: Os empregados juramentados do Foro Extra-Judicial contratados sob a égide da C.L.T. não podem associar-se ao FUNSEP. - As inscrições dos associados dar-se-ão mediante preenchimento de requerimento fornecido pelo FUNSEP, e anexando fotocópias das certidões de casamento e/ou nascimento, para comprovar os dependentes. PLANO II ESPECIAL Poderão ser dependentes dos associados, no Plano Especial:

15 - o cônjuge; - filhos de associado menores de vinte e um (21), anos e os maiores desde que economicamente dependentes; - a(o) companheira(o) do associado que com ele coabite por mais de dois (02) anos, desde que comprovada essa situação por declaração firmada por duas (02) testemunhas; - os ascendentes (pai/mãe) do associado, desde que não percebam aposentadoria/pensão e que vivam sob a dependência econômica do titular, mediante o desconto de 200% (duzentos por cento) do valor da mensalidade; - as viúvas de servidores, desde que recolham o valor estipulado através débito em conta corrente ou boleto bancário; - menores tutelados e/ou adotados; - menores com termo de guarda ou responsabilidade, mediante o pagamento de 100% (cem por cento) do valor da mensalidade; MENSALIDADE Constituem mensalidades dos associados, no Plano Especial, os seguintes valores: - Titular : - valor R$ 60,00 (sessenta reais); - Cônjuge: - valor R$ 60,00 (sessenta reais); - Filhos menores - valor R$ 30,00 (trinta reais); - Filhos maiores 21 anos valor R$ 60,00 (sessenta reais); - Ascendente: - valor R$ 120,00 (cento e vinte reais); - Menores com termo de Guarda: - valor R$ 60,00 (sessenta reais).

16 DA CARÊNCIA - 1º dia útil após o desconto da 1ª mensalidade para consultas e exames laboratoriais de rotina; - 03 (três meses) após o desconto da 1ª mensalidade - para exames radiológicos, endoscópicos, oftalmológicos, otorrinolaringológicos, etc (seis meses) após o desconto da 1ª mensalidade - para internamento hospitalar, exames e tratamentos especiais, tais como: ressonância magnética, tomografia, etc (dez meses) após o desconto da 1ª mensalidade - para atendimento de obstetrícia DOS BENEFÍCIOS CAPITAL e INTERIOR Os associados e seus dependentes, no Plano Especial, terão os seguintes benefícios: CONSULTAS MÉDICAS/MÊS LIMITES - 01 (uma) consulta por associado; - 01 (uma) consulta por cônjuge ou companheiro; - 01 (uma) consulta por ascendente; - 01 (uma) consulta para cada 02 (dois) filhos dependentes; - 01 (uma) consulta para filho maior de 21 anos; FORMA DE LIBERAÇÃO Capital a) Médicos credenciados: deverá o associado dirigir-se ao FUNSEP ou solicitar através de fax para obter uma autorização de consulta, observados os limites acima estipulados, ou com participação total do valor da consulta, caso o limite mensal já tenha sido atingido,

17 para desconto em folha ou débito em conta corrente/boleto bancário, no mês subseqüente ao atendimento; b) Médico particular: através de recibo fornecido pelo profissional (últimos 60 dias), em que conste o nome do consulente e o valor pago, com carimbo CRM e CPF. Valor do reembolso R$ 40,00 (quarenta reais). Interior - Por reembolso, encaminhando o associado requerimento com o recibo médico firmado por profissional (últimos 60 dias), onde conste o nome do consulente e o valor pago. Valor do reembolso R$ 40,00 (quarenta reais); Poderá, ser enviado requerimento solicitando reembolso da consulta através de FAX, onde conste número da conta corrente e a agência a ser depositada a quantia reembolsável. EXAMES COMPLEMENTARES Capital - Serão cobertos parcialmente (75%) da tabela da AMB-92 pelo FUNSEP na rede credenciada, mediante requisição médica onde deverá constar o código e o nome do exame a ser efetuado. Haverá participação do associado de 25% (vinte e cinco pôr cento) do valor autorizado na Guia, para desconto em folha ou débito conta corrente/boleto bancário, caso não perceba pelos cofres públicos. - EXAMES COMPLEMENTARES, sem participação do associado, no Laboratório Laboran; - EXAMES DE ALTO CUSTO - a parcela de participação do associado para desconto em folha será de 50% (cinqüenta por cento) do valor da tabela AMB-92, podendo a mesma ser parcelada. Interior O FUNSEP adota o sistema de reembolso. Para tal, o associado deverá encaminhar requerimento devidamente instruído com a competente REQUISIÇÃO MÉDICA, que indique os exames a serem realizados. Anexar ainda RECIBO ou NOTA FISCAL do Laboratório ou Clínica em que efetuou o exame, discriminando qual(is) o(s) exame(s) efetuado(s). O reembolso será com base nos valores da tabela da Associação Médica Brasileira.

18 EXAMES DE ALTO CUSTO - o reembolso de 75% (setenta e cinco por cento) dos valores da tabela da Associação Médica Brasileira SERVIÇO MÉDICO-HOSPITALAR Capital Na rede credenciada o associado deverá se dirigir ao FUNSEP com a solicitação médica e carteira de filiação do Fundo, onde conste nome ou código da tabela da Associação Médica Brasileira para emissão da competente Guia de Internamento. OBS: - Hospitais não credenciados o FUNSEP oferece o sistema de reembolso, devendo o associado encaminhar requerimento, devidamente instruído com recibos e notas fiscais discriminadas, fornecidas pelo Hospital. Interior SERVIÇO MÉDICO- HOSPITALAR * reembolso de despesas hospitalares, através requerimento devidamente instruído com declaração médica, anexar RECIBO ou NOTA FISCAL discriminados do Hospital, com originais de: * nota fiscal do Hospital, incluindo-se na mesma o custo de diárias, taxa de sala, materiais, medicamentos, laboratórios, raio X, banco de sangue e anatomia patológica (quando houver), etc; * recibos médicos de cirurgião, auxiliar, anestesista (quando o tratamento for cirúrgico) em separado e recibos de clínicos quando for tratamento clínico. Em todos os casos, o recibo deverá conter o procedimento efetuado durante o tempo de internamento. Reembolso de 02 (duas) tabelas da Associação Médica Brasileira; - OBS.: O FUNSEP reembolsa apenas um médico clínico para cada internamento. HONORÁRIOS MÉDICOS Capital e Interior

19 Reembolso de 02 (duas) vezes a tabela da Associação Médica Brasileira Através requerimento devidamente instruído com recibos em separado de cirurgião, auxiliares com o código da tabela AMB do procedimento. TRATAMENTO CLÍNICO Capital Na rede credenciada o associado deverá trazer solicitação médica para o internamento, onde conste o diagnóstico, bem como o código do procedimento a ser efetuado. A autorização hospitalar para tratamento clínico tem validade por um período de até 10 (dez) dias de internamento, podendo ser prorrogada desde que com justificativa médica, até o limite de 60 (sessenta) dias consecutivos ou alternados no ano, incluído o primeiro período. O associado participará com 50% (cinqüenta por cento) do valor de materiais, medicamentos, taxas, exames e outros procedimentos que se fizerem necessários, para desconto em folha de pagamento. TRATAMENTO CLÍNICO PSIQUIÁTRICO Capital - A autorização para Tratamento Clínico Psiquiátrico tem validade por um período de até 30 (trinta) dias de internamento, podendo ser prorrogada, até o limite de 60 (sessenta) dias no ano, consecutivos ou alternados. Participação do associado: - 25% (vinte e cinco por cento) nos primeiros trinta (30) dias e de 50% (cinqüenta por cento) nos 30 (trinta) dias subseqüentes. ATENÇÃO - os limites acima estipulados para tratamento clínico e psiquiátrico são válidos apenas para internamentos exclusivamente pelo FUNSEP. TRATAMENTO CIRÚRGICO Capital

20 - Para a rede credenciada trazer solicitação firmada por médico, onde conste o código da tabela AMB-92 correspondente ao procedimento cirúrgico a ser efetuado durante o internamento. - Para rede não credenciada solicitar o reembolso mediante requerimento com notas, recibos discriminados. Anexar solicitação médica e declaração do Hospital. - Cirurgias de alto custo, tais como cardíacas, neurológicas ou ortopédicas que necessitem de órtese, prótese e materiais descartáveis, entrar em contacto com o FUNSEP para esclarecimentos. - Em hipótese alguma será dada cobertura a cirúrgias plásticas. Obs: Materiais de órtese/prótese ou considerados de alto custo somente serão liberados para fins de financiamento. O FUNSEP reembolsa: - 50% (cinqüenta por cento) de materiais, medicamentos de sala de cirurgia e quarto; - 50% (cinqüenta por cento) de taxas; - 50% (cinqüenta por cento) dos exames laboratoriais, radiológicos e etc % (cinqüenta por cento) do tratamento de fisioterapia; - Cirurgião, auxiliar, anestesista ou clínico - duas (02) vezes a tabela da Associação Médica Brasileira; - Diária hospitalar - valor de R$ 140,00 (cento e quarenta reais); - Diária de UTI - valor de R$ 220,00 (duzentos e vinte reais). DOS DEMAIS AUXÍLIOS Constituem, ainda, benefícios aos associados e seus dependentes: AJUDA DE CUSTO - Na compra de óculos de grau ou lentes de contacto, aparelhos corretivos, tais como: bota ortopédica, palmilha, bengala, aparelho de surdez, uma vez ao ano para o associado e dependentes, valor de R$ 50,00 (cinqüenta reais), devendo o associado encaminhar ao FUNSEP o requerimento firmado, anexando a receita médica e nota fiscal.

21 TRATAMENTO DE FISIOTERAPIA - Trazer solicitação médica para o tratamento, onde conste o número de sessões a serem efetuadas, bem como código ou nome da patologia a ser tratada, em caso de clínicas conveniadas. - Solicitar reembolso através de recibo firmado por profissional, com a competente solicitação médica, número de sessões e código ou nome da patologia. O valor será calculado com base na tabela da Associação Médica. TRATAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA E TERAPIA OCUPACIONAL - Reembolso de R$ 20,00 (vinte reais) por sessão, até o limite de 04 (quatro) sessões mensais, por um período de 12 (doze) meses, podendo ser prorrogado por idêntico período desde que com justificativa. Para tal deve ser encaminhado recibo firmado por profissional da área, onde conste o número de sessões efetuadas e a competente solicitação médica que indique a necessidade do tratamento. OBS: Nos tratamentos de Fisioterapia, Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional a obtenção de um benefício exclui a possibilidade da concessão de outro. FINANCIAMENTO ODONTOLÓGICO - Na parte Odontológica o FUNSEP oferece aos seus associados e dependentes a possibilidade de obter financiamento uma vez ao ano, até a importância de R$ 2.000,00 (dois mil reais), parcelado em 04 (quatro vezes), com juros acessíveis, para desconto em folha. Para tal é necessário requerimento acompanhado de orçamento e recibo firmado por profissional portador de CRO, além de consignável fornecido pelo Departamento Econômico. EM TODOS OS REQUERIMENTOS DEVERÃO CONSTAR O NÚMERO DA AGÊNCIA BANCÁRIA E DA CONTA CORRENTE DO ASSOCIADO.

22 INFORMAÇÕES IMPORTANTES - Convênio com a COPAN - COOPERATIVA PARANAENSE DE ANESTESIOLOGIA - para pagamento de honorários médicos de anestesista aos associados do FUNSEP. - Convênio com a ECCO-SALVA EMERGÊNCIAS MÉDICAS - serviço de UTIs móveis para emergências no perímetro urbano. Valor da mensalidade: R$ 8,92 (oito reais e noventa e dois centavos), com desconto em folha de pagamento. - Convênio com a DROGAMED para compra de medicamentos, mediante a apresentação de carteira de identidade e carteira da ABF para desconto em folha de pagamento no mês subseqüente. - Convênio com a FARMALINE para compra de medicamentos, para desconto em folha. - Convênio com a GOLDENSYSTEM para atendimento odontológico. Valor da mensalidade: R$ 7,50 (sete reais e cinqüenta centavos) e R$ 1,85 (hum real e oitenta e cinco centavos). - Convênio com a FONTE HOMEOPÁTICA para compra de medicamentos mediante desconto para pagamento à vista. - Convênio com a ÓTICA VISÃO para compra de lentes/óculos mediante desconto para pagamento à vista. ATENDIMENTO DE EMERGÊNGIA Consultas, pequenos procedimentos, exames radiológicos, mediante apresentação de carteira de identidade e carteira do FUNSEP, para desconto em folha no mês subseqüente do excedente. - CLÍNICA DE FRATURAS NORTE - HOSPITAL EVANGÉLICO - HOSPITAL CAJURU - CLÍNICA DE FRATURAS E ORTOPEDIA PORTÃO - HOSPITAL INFANTIL PEQUENO PRÍNCIPE - HOSPITAL NOVO MUNDO

23 - HOSPITAL NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS ATENÇÃO 1. Associados que recolhem mensalidades através débito em conta corrente ou boleto bancário: o atraso de três (03) meses no recolhimento da contribuição acarretará a exclusão do associado. 2. Filhos recém nascidos: prazo de inscrição 90 (noventa) dias para serem incluídos como dependentes, sem carência. 3. Filhos ou filhas maiores de 21 anos: serão dependentes, desde que sejam dependentes economicamente do titular. Apresentar para tal, declaração do IR atualizada e/ou Declaração firmada por 02 testemunhas. 4. Não terão auxílio na área obstétrica as filhas dependentes. 5. O FUNSEP não auxilia procedimento de cirurgia plástica. 6. O prazo de validade para recibos de consultas ou de procedimentos médicos é de 60 (sessenta) dias da data do recibo. 7. Guias de consulta(s) e exame(s) poderão ser solicitadas através de FAX nº Os pedidos médicos para exames e procedimentos, deverão ser legíveis e constarem o código do procedimento a fim de evitar enganos. 9. O associado deverá preferencialmente marcar a consulta com o médico credenciado antes de solicitar ao FUNSEP a emissão da Guia. TODOS OS ASSOCIADOS DEVERÃO COMUNICAR AO FUNSEP: - Mudança de endereço ou de telefone; - Filhos ou filhas que se casem, comecem a trabalhar ou que completem 21 anos. INFORMAÇÕES DIVERSAS

24 O associado do FUNSEP tem como vantagens: - Mensalidade inferior às demais empresas de assistência privada; - reajustes inferiores às demais empresas; - carência menor; - inexistência de limite de idade para sócios novos; - não exclusão dos benefícios aos portadores de doenças pré-existentes; - financiamento hospitalar em até 03 (três) vezes sem acréscimo; - reembolso de consultas, exames e internamentos em entidades não conveniadas; FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO R. Mateus Leme, º andar CEP: Fone/Fax: (041) CONSELHO DIRETOR EURICO DE PAIVA VIDAL JÚNIOR MARIO MONTANHA TEIXEIRA FILHO GILDA MARIA NASCIMENTO DE MACEDO JOSÉ FERNANDES FERRARI FUNCIONÁRIOS DO TRIBUNAL LOTADOS/DISPOSIÇÃO NO FUNSEP ALTAIR ALVES DA HORA ARINETE LÉA SPERCOSKI RIBAS ANTONIO CARLOS SOTTO MAIOR MACEDO FILHO VERA LÚCIA DOMINGUES FUNCIONÁRIOS CONTRATADOS PELO FUNSEP DAIANA BUENO ARÊAS DANIELLE FERREIRA FRANÇA FRANCIELLE JORLI BRAGA FLORA EUGENIA LEMOS C. ABRAHÃO MARIA MARCIA GARCEZ DUARTE MARCO AURÉLIO MAZUR RAPHAELLA MARIA MARIOTTO ROSSANA MARINA PEREZ SILVANE CRISTINA KALINOWSKI RAUL BACELLAR PORTUGAL

25

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 12.507, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Altera dispositivos do Decreto nº. 4.067, de 15 de setembro de 1976 do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (IPAM) e dá outras providências. JOSÉ

Leia mais

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO

FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO FUNDO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO FUNSEP ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede, Duração e Finalidades. ARTIGO 1º O Fundo de Saúde dos Servidores do Poder Judiciário

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal:

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal: TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: CEP: Telefone: Representante legal: RG: CPF: 1. Por este termo, o associado

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

Manual do Plano de Saúde/PMF. As pessoas investidas em cargo de provimento em comissão, declarado em lei, de livre nomeação e exoneração;

Manual do Plano de Saúde/PMF. As pessoas investidas em cargo de provimento em comissão, declarado em lei, de livre nomeação e exoneração; Manual do Plano de Saúde/PMF ADESÃO AO PLANO DE SAÚDE A adesão ao plano de saúde será facultativa, e observará a regulamentação estabelecida pela Secretaria Municipal de Administração. USUÁRIO TITULAR

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29 TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO ODONTOLÓGICO PME + SAÚDE PME (NOVOS CLIENTES) ODONTOLÓGICO PME - CONTRATANDO SOMENTE O PLANO ODONTOLÓGICO 14,81 23,05 43,92 93,75 16,29 25,35 48,31 103,13 Saúde PME: O Valor

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde:

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde: ESTIPULANTE: VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, inscrita no CNPJ nº 12.149.094/0001-44, com sede à Rua Dom Jaime Câmara, 66, salas 603 e 604, Centro, Florianópolis (SC), SUB-ESTIPULANTE: SINDICATO DOS

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo DECRETO EXECUTIVO Nº 593/02, DE 31.12.2002. NORMATIZA A ADESÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS AOS PLANOS DE

Leia mais

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que:

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que: REGULAMENTO INTERNO DO PLANO DE SAÚDE DA PATROCINADORA SERCOMTEL S.A. - TELECOMUNICAÇÕES, ADMINISTRADO PELA SUPRE (autorização pelo OFÍCIO Nº. 3141/SPC/COJ, DE 31/10/2000) 1. Da Finalidade VERSÃO 2013

Leia mais

Manual do Plano de Saúde/PMF

Manual do Plano de Saúde/PMF Manual do Plano de Saúde/PMF INCLUSÃO DE TITULAR DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Cópia RG e CPF; Comprovante de residência em nome do titular (três meses de validade). Contra Cheque (três meses de validade). Ficha

Leia mais

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes.

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes. PORTARIA TRT Nº. 4.896, de 17 de novembro de 2005. Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa de Assistência Médica Hospitalar e Ambulatorial. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015)

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS Resolução nº 201/1989 Consolida a legislação que criou o Plano de Assistência Médica Suplementar. O Presidente do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Conselho Gestor do Programa de Saúde e Assistência Social do Ministério Público da União - PLAN- ASSISTE NORMA COMPLEMENTAR N.º 9, DE 9 DE MAIO DE 2012. Define a relação dos

Leia mais

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social PÁGINA 1 SUMÁRIO PÁGINA TÍTULO I Dos Planos de Previdência Complementar...04

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para o ressarcimento, mediante auxílio

Leia mais

Como solicitar reembolso: Valores de Reembolso: Prévia de Reembolso:

Como solicitar reembolso: Valores de Reembolso: Prévia de Reembolso: Como solicitar reembolso: Você deve preencher o envelope para Solicitação de Reembolso (disponível em qualquer agência bancária do banco Bradesco), anexando os documentos necessários, e enviá-lo por malote

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

COBERTURAS E CARÊNCIAS:

COBERTURAS E CARÊNCIAS: PLANO REGIONAL E LOCAL UNIVERSITARIO PESSOA FÍSICA Lei 9656/98 ANS Beneficiários que residem em Guaratinguetá, Aparecida, Cunha ou Potim Definições: Unimed: Cooperativa de Trabalho Médico, regida pela

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO ATO Nº 342/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 25 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de bolsa de estudo para curso de língua estrangeira no âmbito do Tribunal Superior

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO Regulamento do Fundo de Reserva Unimed/ADUFG Sindicato Aprovado em assembleia geral dos usuários do Convênio ADUFG SINDICATO/UNIMED realizada em 16 de novembro de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ATO DELIBERATIVO Nº 8, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre o Programa de auxílio para aquisição ou locação de órteses e próteses médicas não-cirúrgicas e implementos médico-hospitalares. A PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA PELO ESTUDANTE Após concluir sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá procurar a Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA) em sua instituição de ensino e validar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL

CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL CAURJ CAIXA ASSISTENCIAL UNIVERSITÁRIA DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO APROVADO EM 27/04/2005 PLANO AMBULATORIAL REGULAMENTO DO PLANO AMBULATORIAL DA CAURJ* (*ENTIDADE REGISTRADA SOB O Nº. 34.782 PLANO REGISTRADO

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015

EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015 EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015 Por ordem do Prof. Me. João Batista Gomes de Lima, Magnífico Reitor do Centro Universitário São Camilo Campus Ipiranga, inscrito

Leia mais

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento;

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento; DECRETO Nº 1843-R, DE 25 DE ABRIL DE 2007. Altera as disposições sobre consignação em folha de pagamento, nos termos do Art. 74 da Lei Complementar nº. 46 de 31 de Janeiro de 1994, e nos termos das Alíneas

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO A Caixa de Assistência dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo é pessoa jurídica de direito privado, constituída em Assembleia Geral

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS NA CPSA 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DO SEU GRUPO FAMILIAR - Carteira de Identidade fornecida pelos órgãos de segurança pública das Unidades da Federação;

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP

MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP MINUTA CONVÊNIO Nº 004/2010-TJAP CONVÊNIO DE PARCERIA PARA CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ E O BANCO BMG S/A O, com sede em Macapá, Capital

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO EMPRESA ADERENTE

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO EMPRESA ADERENTE TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA (UN005/0312-ANS Nº 39.332-1) CELEBRADO ENTRE O TI-Rio E A UNIMED-RIO Razão Social CNPJ n Endereço EMPRESA ADERENTE Inscrição Municipal Código

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência Municipal de Caxias do Sul

Instituto de Previdência e Assistência Municipal de Caxias do Sul Instituto de Previdência e Assistência Municipal de Caxias do Sul IPAM SAÚDE É O PLANO OFICIAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Lei Complementar nº 298, de 20 de dezembro de 2007 Regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterada na 10ª reunião

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 11.977, DE 07 DE OUTUBRO DE 2003. (publicada no DOE nº 195, de 08 de outubro de 2003) Introduz

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012

ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012 ATO DELIBERATIVO N 41, DE 19 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o Programa de auxílio para aquisição ou locação de órteses e próteses médicas não cirúrgicas e implementos médico-hospitalares. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000529/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002949/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003317/2014-97 DATA DO

Leia mais

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP

CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO Nº 004/2011-TJAP CONVÊNIO DE PARCERIA PARA CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ E O BANCO GERADOR S.A. O, com sede em Macapá, Capital

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1

P R O G R A M A F A T E S 2 0 1 1 Objetivos: Art. 1º O FATES, fundo previsto na lei 5764/71 art. 28, inciso II, destina-se à prestação de assistência técnica, educacional e social aos cooperados e cônjuges ou companheiro (a) em união estável,

Leia mais

PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III

PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III Com esta mensagem, a Pró-Reitoria de Recursos Humanos da Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 01/99 NORMAS DE ARRECADAÇÃO DIRETA MEDIANTE CONVÊNIO, alterações, aprova A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

PLANO DE SAÚDE CMBH INFORMAÇÕES AOS SERVIDORES

PLANO DE SAÚDE CMBH INFORMAÇÕES AOS SERVIDORES PLANO DE SAÚDE CMBH INFORMAÇÕES AOS SERVIDORES Até 2004 - assistência aos servidores por profissionais de saúde da CMBH Após 2004 - assistência aos servidores através do convênio com a BEPREM Lei 10107/2011

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO:

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.001039/2009-04

Leia mais

REVOGADO PELO ATO Nº 37/09 ATO Nº 34/2006

REVOGADO PELO ATO Nº 37/09 ATO Nº 34/2006 REVOGADO PELO ATO Nº 37/09 ATO Nº 34/2006 Dispõe sobre as consignações em folha de pagamento dos magistrados e servidores ativos e inativos e dos pensionistas do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO PUBLICADO EM PLACAR Em 16_/_04_/_07 MARIA NEIDE FREIRE DA SILVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 52, DE 16 DE ABRIL DE 2007. Regulamenta o art. 39 da Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro

Leia mais

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário 1. GARANTIAS E VANTAGENS O SAÚDE PAS Medicina & Odonto é um Plano de Saúde direcionado exclusivamente aos servidores públicos estaduais, que opera em regime de autogestão, sem fins lucrativos e sob a filosofia

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA

CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA CHAMAMENTO PÚBLICO Nº. 002/2012 VISANDO O CREDENCIAMENTO DE QUIROPRAXISTA, MÉDICO GINECOLOGISTA, MÉDICO PSIQUIATRA E MÉDICO OFTALMOLOGISTA O Município de IPÊ RS, através do presente Edital, comunica a

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e o Banco UNIBANCO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

São Paulo, Janeiro de 2014

São Paulo, Janeiro de 2014 Comunicado - Reembolso Prezado Cliente, Com o objetivo de aprimorarmos nossas rotinas operacionais e visando preservar a agilidade nos pagamentos dos atendimentos ocorridas na Livre-Escolha, informamos

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço.

Art. 2º - Aprovar o Regulamento Geral do Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Detran/DF, que acompanha esta Instrução de Serviço. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ INSTRUÇÃO Nº 12, DE 21 DE JANEIRO 2008 Cria o Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Departamento de Trânsito do Distrito Federal

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001437/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018284/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.012545/2014-58 DATA DO

Leia mais

O Governador do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições constitucionais e legais e

O Governador do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições constitucionais e legais e DECRETO N 25.547 - DE 30 DE AGOSTO DE 1999 DISPÕE SOBRE A AVERBAÇÃO DE CONSIGNAÇÕES FACULTATIVAS EM FOLHA DE PAGAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Governador do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL MANUAL DE UTILIZAÇÃO AMIL Preocupada com a qualidade do benefício mais nobre que uma empresa pode oferecer aos seus funcionários, a CULTURA INGLESA renovou com a AMIL a parceria que dura mais de 17 anos.

Leia mais

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde 3 Benefícios O Processo de Benefícios atua como agente visando minimizar as situações problemas existentes na relação homem-trabalho, através de orientações e esclarecimentos aos empregados sobre os benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE RORAIMA PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2008 Regido pela Lei nº 8.666/93.

Leia mais