Gestão da escola pública de educação basica: um projeto de extensão e parceria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da escola pública de educação basica: um projeto de extensão e parceria"

Transcrição

1 Gestão da escola pública de educação basica: um projeto de extensão e parceria Resumo O Curso de Pedagogia da Unisul, em forma de Projeto de Extensão, vem mantendo encontros periódicos de formação e troca de experiências em gestão educacional com as escolas públicas da 20ª Gerencia Regional de Educação (GERED), com sede no município de Tubarão, que congrega 43 (quarenta e três) escolas situadas no município sede e em 06 (seis) outros circunvizinhos. Ainda em execução, o projeto objetiva o fortalecimento dos serviços de gestão escolar. Como parte da metodologia, foram utilizados: diagnóstico da realidade a partir de conversas e pesquisas com os profissionais; realização de cursos,oficinas,palestras;sistematização das produções elaboradas; construção e realização de um processo de avaliação institucional das escolas. Os resultados até aqui alcançados demonstram a adesão de um expressivo grupo de profissionais empenhados com a busca de soluções para os problemas diagnosticados e o afastamento e desinteresse de outros que abandonaram o projeto no meio da caminhada.este artigo tem como objeto apresentar e refletir resultados dos diagnósticos iniciais realizados nos primeiros encontros. Os depoimentos sobre o cotidiano dos educadores gestores nos fazem perceber as contradições e diferenças entre as escolas e colocam a gestão como foco. Marileia Mendes Goulart Unisul Nádia Maria Soares Sandrini Unisul Palavras chave: Formação, Extensão, Parceria, Gestão Escolar. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 1 Introdução O exercício profissional organiza se, cada vez mais, em torno de comunidades de prática, no interior de cada escola, mas também no contexto de movimentos pedagógicos que nos ligam a dinâmicas que vão para além das fronteiras organizacionais. (Nóvoa) Para o Curso de Pedagogia da Unisul a extensão se fortalece na relação dialética com as escolas de educação básica da rede pública na medida em que permite compreender que os conhecimentos construídos no cotidiano das práticas pedagógicas e os discutidos na Universidade se complementam para estruturar uma educação de qualidade. Compreende, também, o Curso de Pedagogia, como agente de formação inicial e permanente, com a constante função de refletir sobre o cenário educacional e, assim, trabalhar a extensão como forma de parceria, formação continuada, e assessoria na construção de projetos pedagógicos e de gestão, de forma a contribuir na e para a superação dos desafios do processo educativo. Nos últimos anos, ocorreram mudanças significativas, na estruturação da Educação Básica entre estas o Ensino Fundamental de nove anos e reestruturação do Ensino Médio. Essas mudanças exigem reorganização constante das escolas para que estas deem conta da diversidade e das demandas que envolvem o ensino e a aprendizagem desses novos tempos, o que significa assumir novos desafios. Conforme Rios (2001, p.38) é preciso, ainda, assimilar novas formas de se relacionar com o conhecimento, a pesquisa, a organização e a função da comunidade no envolvimento da educação. Para atuar em um novo modelo de escola é necessário também compreender sua função. Dos gestores educacionais, são exigidas cada vez mais habilidades e competências específicas de sua área de atuação para que possam manter entre educadores, alunos e comunidade escolar um relacionamento interpessoal e ao mesmo tempo exercer habilidades de coordenar, planejar e avaliar as ações pedagógicas. Dessa forma, o Curso de Pedagogia da Unisul, através de um projeto de extensão, se propôs a reunir profissionais que atuam na gestão das escolas de educação básica da rede publica estadual, para estudar e refletir sobre os desafios da equipe gestora na X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 efetivação e na mobilização de praticas educativas que atendam às expectativas de uma escola efetivamente comprometida com a formação integral de crianças e jovens. Participar de projetos institucionais que permita um aprendizado interdisciplinar, que fomente a pesquisa e que envolva o pedagogo com os espaços da gestão educacional e escolar é uma diretriz metodológica do curso. Chegar a este intento só é possível através de uma prática pedagógica que articula o ensino, a pesquisa e a extensão e, como afirma Nóvoa (2009), os modos de profissionalização docente implicam um reforço das dimensões coletivas e colaborativas, do trabalho em equipe, da intervenção conjunta nos projetos educativos das escolas. Em síntese, o projeto de extensão foi organizado para possibilitar a integração da graduação com a educação básica através de parcerias com as escolas públicas, no sentido de conhecer e auxiliar na gestão pedagógica, técnica e administrativa, estimular a pesquisa e a formação da comunidade interna e externa com vistas à melhoria dos processos de ensino aprendizagem da educação básica. É consenso entre os estudiosos da área da educação que as práticas, por si só, não provocam mudanças. Estas devem ser conduzidas com base em conhecimentos entendidos e articulados com a conjuntura social dos alunos. Tais conhecimentos devem aperfeiçoar as percepções diferenciadas e sustentadas conceitualmente do que se pretende com as práticas educacionais. O trabalho realizado, no geral, objetivou oportunizar no espaço da Universidade um movimento de reflexão teórico prático que contribuísse com a formação de gestores de instituições de Educação Básica Pública. Especificamente, propôs oportunizar o reconhecimento da importância do convívio ético e democrático nos processos grupais e as múltiplas dimensões da gestão escolar; Investigar os processos vivenciados no cotidiano das instituições; Organizar metodologias de planejamento coletivo; Promover debates e troca de experiências sobre a prática da gestão pedagógica, administrativa e financeira; Identificar as metas definidas para a melhoria do desempenho escolar; Estruturar junto com os gestores, projetos de avaliação institucional. O projeto envolveu profissionais da educação que atuam na gestão de instituições públicas de Educação Básica da região de abrangência da 20ª GERED Gerencia Regional de Educação, sede no município de Tubarão, que abrange 07 (sete) municípios e 43 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 (quarenta três escolas), acadêmicos, professores e coordenação do curso de Pedagogia da Unisul. Como metodologia, o projeto previu: manter estreita relação com a 20ª GERED, que se responsabilizou pela participação dos profissionais gestores da escola; organização de um calendário mensal de encontros; realização de diagnóstico com os profissionais gestores para identificar familiaridade com temas de gestão educacional; realização de seminários envolvendo os gestores, alunos e professores do Curso de Pedagogia e profissionais convidados; estudo e analise das situações problema e experiências de sucesso apresentadas pelos participantes e ou identificados na literatura de maneira geral; construção coletiva de um processo de Avaliação Institucional das escolas participantes; compilação de dados para estabelecer um acervo de pesquisa para o Curso e as escolas. Como resultado final, o projeto, que ainda está em andamento, pretende que o Curso de Pedagogia da Unisul seja um polo de referencia para os gestores escolares das escolas públicas da região; trazer a escola de educação básica pública para a Unisul através de seus representantes e relatos do cotidiano; possibilitar que este espaço de ação/reflexão/ação complemente o estágio em gestão escolar para os estudantes do Curso de Pedagogia; fomentar o diálogo permanente dos assuntos relacionados à gestão escolar; Contribuir com o fortalecimento da gestão das escolas públicas da 20ª GERED. Neste artigo, apresentamos informações da implantação do projeto e alguns resultados iniciais do diagnóstico realizado com os profissionais gestores nos primeiros encontros. 2 Processos de Gestão e Liderança Síntese da história da sociedade e das organizações em cinco palavras: Nada fracassa como o sucesso. (Arnold Toynbee) X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 Esta frase inicial abriu o primeiro encontro com cerca de 100 (cem) educadores, inicialmente divididos em dois grupos, que foram inscritos pela GERED para participar do Projeto Cotidiano da gestão escolar: interação e construção de conhecimentos, aprovado no Programa de Bolsas de Pesquisa e Extensão do Artigo 171 FUMDES/UNISUL. Considerando que convivemos com sucessos e insucessos o tempo todo era importante levar ao grupo a reflexão de que ambos são passageiros e que nossas respostas a situações problemas estão a eles relacionadas, pois o sucesso ocorre sempre que nossa reação está à altura de um desafio que nos é imposto. Mas, quando surge um novo desafio, a reação antiga e bem sucedida não funciona mais e daí advém o fracasso. O que implica em colocar todo nosso potencial em ações e reações novas para situações também novas. Esta é uma premissa essencial da gestão: atentar se aos novos desafios para reinventar respostas que permita resolvê los. O tema do primeiro encontro: Processos de gestão e liderança, definido junto com a GERED, resgatou fundamentos essenciais da administração clássica e do papel do líder considerando que muitos dos profissionais não possuem formação especifica nesta área. Refletiu sobre a mudança de enfoque de administração para gestão, tema que é sempre evocado e que invadiu todas as organizações pressupondo que é preciso gestar, fazer nascer, empreender e inovar para atender as demandas de um contexto social cada vez mais complexo. Assim, não basta administrar, é preciso ter certeza que a gestão da organização está no rumo certo em relação aos objetivos traçados o que demanda uma constante avaliação do alcance das metas estabelecidas. Aos gestores compete avaliar constantemente a eficácia, eficiência e efetividade da escola: A escola está alcançando os resultados propostos? Os recursos utilizados estão adequadamente equacionados? Os resultados estão transformando a situação existente? Isto exige dos gestores um processo de planejamento que lhes permita fixar objetivos e metas para solucionar os problemas identificados, organizando e alocando estrategicamente os recursos financeiros, tecnológicos e humanos, estabelecendo uma comunicação adequada, motivando e liderando as pessoas para trabalharem em equipe, tomando decisões coletivas e, acima de tudo, avaliando processos e resultados. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 Para que essas práticas estejam sustentadas na coletividade é preciso que se crie uma cultura de registros em que as falas e os fazeres cotidianos possam ser vistos e analisados pela comunidade escolar. Por meio dos registros podemos diagnosticar sucessos, fracassos, problemas para traçar metas e possibilidades de resolução. Como nos declara Rui Canário "Os principais recursos da Educação são as pessoas, os saberes e as experiências mobilizadoras. Com isso, não há escolas pobres", sendo assim, ouvir as pessoas se faz necessário. 2.1 Diagnóstico: conhecer é preciso "Não podeis ensinar coisa alguma a um homem; podeis apenas ajuda lo a encontrar o que procura dentro de si mesmo." (Bertrand Russel) No segundo encontro, com o tema Diagnóstico: conhecer é preciso, o objetivo foi sensibilizar o grupo a identificar percepções individuais e coletivas em relação às suas escolas. A metodologia utilizada foi exposição dialogada, com debate e reflexão, utilizando como instrumentos, além de textos com fundamentos técnicos, poesia, música, imagens, dinâmicas, entre outros. Foram provocadas analogias a fim de ilustrar que o cotidiano de trabalho é movido, não somente pelo que aparentemente fazemos, mas, muitas vezes, principalmente, por sentimentos que não demonstramos, sem perder de vista que um processo de gestão deve partir da realidade, trazendo as necessidades e aspirações individuais para a apreensão coletiva. Conforme afirma Vasconcelos (2004), a necessidade é aquilo que falta em cada aspecto relevante analisado para que a instituição possa ser o que deseja. Emergem da investigação e da avaliação que se faz da realidade, do confronto entre o real e o ideal. Assim, chegar às necessidades da instituição que se planeja favorece que o sujeito participante assuma como sua também aquela necessidade; possibilita ainda a interação entre os sujeitos em torno de um ponto de articulação (a proposta de ação que daí vai nascer). Vasconcelos, 2004 p.20 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 No exercício, almejava se que o diagnóstico com este grupo representativo de tantas escolas permitiria conhecer certos problemas ou possibilidades não evidenciadas e que seriam referencia para dar continuidade aos encontros e respectivas escolhas de temas para estudo. Compreende se também que as percepções trazem uma forte implicação afetiva que, uma vez conhecidas, corroboram para identificar situações cotidianas da realidade escolar. Com base nesses entendimentos, o diagnóstico com os educadores gestores foi organizado a partir de dois instrumentos e focos: Percepção individual, onde foram solicitadas opiniões para os seguintes pontos: a) Os três principais desafios da sua escola; b) O que é favorável no contexto atual da sua escola; c) O que é desfavorável no contexto atual para a sua escola; Diagnóstico Coletivo, contendo duas questões abertas: a) O que parece ser um padrão das nossas escolas no contexto atual; b) Qual a tendência geral de desenvolvimento para as nossas escolas? De onde vêm e para onde vão? Participaram do diagnóstico 64 (sessenta e quatro educadores) e foram listados ao todo 192 (cento e noventa e dois) desafios; 46 (quarenta e seis) situações favoráveis e 65 (sessenta e cinco) desfavoráveis. As respostas foram estudadas, catalogadas, apresentadas e debatidas com o grupo em encontros posteriores. sintetizamos os dados coletados. Na sequencia Percepção individual: Os desafios da sua escola As palavras mais citadas pelos profissionais ao falar sobre os desafios da escola foram: Comprometimento 38; Gestor / gestão 28; Famílias 26; Equipe 26 ; Motivação 15 ; Formação 10; Valorização 9. Sem categorizar as respostas, dois desafios foram diretamente citados 52 (cinquenta e duas) vezes caracterizando do total respectivamente: X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 Ampliar participação dos pais/comunidade 16,1% Motivar os alunos para os estudos 10,9 % Os demais 140 (cento e quarenta) desafios citados foram agrupados em categorias para facilitar a análise dos dados. O agrupamento foi feito de acordo com a percepção das autoras sobre uma possível superação ou busca de superação dos desafios: SISTEMA DE ENSINO Não dependerem exclusivamente da equipe de gestão da escola. GESTÃO DA ESCOLA Dependerem principalmente da equipe de gestão da escola e com possibilidade de ações imediatas. SOCIEDADE Dependerem principalmente de mudanças sociais. O gráfico 1 demonstra os percentuais das respostas por categoria. Gráfico 1 Agrupamento das respostas dos Educadores sobre o que entendem sejam desafios para suas escolas. % RESPOSTAS/DESAFIOS 9,3 42,1 48,6 GESTÃO DA ESCOLA SISTEMA DE ENSINO SOCIEDADE Fonte: Pesquisa realizada pelas autoras com educadores/gestores da 20ª GERED. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 Nas respectivas categorias foram ressaltados como desafios para as escolas nas quais os educadores trabalham: a) Gestão da escola b) Sistema de Ensino Oferecer educação de qualidade; Aumentar aprovação; Elaborar/rever PPP, conteúdos curriculares; Planejamentos, grupos de estudo; Diminuir evasão; Ampliar matrícula; Atender as dificuldades de aprendizagem; Aprovação sem o conhecimento necessário; Alcançar metas; Educar com responsabilidade; Alfabetizar e letrar os alunos; Acessibilidade; Interdisciplinaridade; Educação inclusiva de fato; Melhorar as aulas de educação física; Romper com velhas práticas; Promover a gestão democrática/trabalho em equipe; Melhorar os relacionamentos entre os profissionais; Definir funções e responsabilidades; Resolver conflitos professor/professor e professor/gestor; Resolver conflitos aluno/professor; Indisciplina; Avaliação institucional; Melhorar a comunicação na escola e desta com a comunidade; respeitar as diversidades em sala. c) Sociedade Ampliar comprometimento, qualificação e motivação dos profissionais; Excesso de falta dos professores; Melhor formação docente; Valorização dos profissionais da educação; União em busca de um só objetivo; Melhorar espaço/estrutura física; Mudança de prédio; Equipamentos; Recursos financeiros; Manter a escola sem ajuda do estado; Rotatividade de professor; Professor vinculado a várias escolas; Número de alunos versus equipe de gestão desigual; Recursos técnicos pedagógicos. Compreender o perfil de aluno, pais, sociedade; Resgatar valores junto aos alunos e famílias; Desigualdade social; Envolvimento de alunos com trafico de drogas; Formação ético/social do aluno. Os dados acima nos permitem perceber que há uma complexidade que adentra a escola, as situações descritas são aquelas que cotidianamente são vividas pelos gestores. Muitas delas demandam ações no contexto escolar, outras são proposições que precisam ser articuladas em contextos sociais mais amplos. Afinal, [...] o que se entende por X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 ensino de qualidade implica compreender os significados sociais que os diferentes grupos no interior da sociedade brasileira atribuem à escolarização. (Garrido e Pinto, 2013, p. 15) Implica também, desvelar em qual sociedade estamos quem são os sujeitos, crianças, adolescentes, jovens e famílias desse tempo histórico. As respostas vêm como avalanche a nos mostrar o emaranhado que se encontra o sistema educacional na visão dos profissionais questionados. São novos tempos, uma sociedade em constante mutação, mas a escola e a formação dos profissionais continuam no mesmo modelo. Questionamos: quem formou o profissional para esse formato de trabalho. Dentre as respostas, 48% remetem para a Gestão escolar, e nesse sentido, apontam para a falta de formação, se houvesse entendimento mais amplo talvez os índices fossem maiores sobre o sistema educacional, ou talvez seja essa mesma a política, fazer crer entre os educadores que a responsabilidade é individual e não coletiva Percepção individual: Contexto favorável e desfavorável Na sequencia, seguindo a proposta de que os educadores exteriorizassem suas percepções a cerca da realidade de suas escolas, foi solicitado que relacionassem de forma sucinta o que entendiam como contexto favorável e desfavorável para que as suas escolas realizassem o trabalho de formação das crianças e jovens cumprindo os Projetos Pedagógicos de forma inovadora e efetiva. Nesta questão, nas respostas dos educadores, se percebe as diferenças entre as escolas, ou seja, o mesmo fato que representa para algumas um contexto favorável para outras representa desfavorável. O quadro 01(um) agrupa estas respostas e respectivos percentuais em colunas que nos permitem avaliar as contradições ou a coexistência de distintas realidades nas escolas de uma mesma rede de ensino. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 Quadro 01 Respostas dos Educadores sobre o que entendem sejam contextos favoráveis e desfavoráveis para suas escolas. CONTEXTO FAVORÁVEL % CONTEXTO DESFAVORÁVEL % Gestão democrática/participação da comunidade 16,9 Pouca participação dos pais; Desestrutura familiar/conflitos; Comunidade não dá valor à escola; Desvalorização da educação/ escola pela sociedade/pais. 19,1 Respeito a diversidade 1,7 Diversidade em sala dificulta trabalho do professor 2,1 Companheirismo/integração/ética nas relações/parceria entre profissionais da escola 22,0 Desunião/indefinição/falta interesse comum/falta harmonia; Superar as diferenças individuais 8,5 Profissionais apaixonados/ 22,0 Falta comprometimento dos profissionais /estado 9,6 comprometidos (poucos mais fazem a diferença) Motivação /disciplina dos alunos 3,4 Alunos desrespeitosos/indisciplinados/desinteressado 6,4 Equipe de trabalho competente/ 13,6 Falta de profissionais para gestão pedagógica 2,1 em número suficiente Pontualidade e assiduidade dos profissionais 1,7 Profissionais faltosos /desinteressados/desmotivados valorizados 6,4 Formação dos professores 3,4 Professores que trabalham em 2, 3 ou mais escolas; F qualificação profissional 4,3 Espaço fisico 5,1 Falta prédio próprio, falta espaço físico 2,1 Visão de gestão das chefias 1,7 Falta gestão atuante e competente/desconsidera diagnóstico; Morosidade de ações efetivas Chegada de novos profissionais/acts receptivos a novo 3,4 Rotatividade dos professores/morosidade na contrat Falta autonomia para escolher professores; Faltam 7,4 5,3 professores formados; Professores contratados por interesse Recursos financeiros 1,7 Falta de recursos financeiros 3,2 Liberdade de expressão 1,7 Falta dialogo/transparência 2,1 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 Credibilidade e autonomia da escola 1,7 Falta autonomia para a escola; Interesses políticos 21,3 partidários comprometem autonomia da escola/atrap continuidade; Descaso com educação; Influencia politico partidário/favorecimentos/promes não cumpridas O quadro acima mostra uma oposição de opiniões e acreditamos que isto ocorra porque, nas escolas, as mudanças se dão de forma desigual em função dos contextos e das práticas adotadas. Para Oliveira (2003), o currículo é formado por dualidades, ou seja, um currículo regulador, que são as leis, os documentos oficiais e um currículo emancipador que é o modo como acionamos esse currículo dentro das escolas. Nenhum dos dois é mais importante, eles se justapõem um de modo a garantir as mesmas aprendizagens e outro de modo a buscar novos horizontes para além do traçado. Nessa dialética entre um e outro a um tempo de aprendizados e saberes que vão se construindo e se solidificando. Esse tempo reflete as condições que estão dadas em cada tempo e espaço escolares Diagnóstico Coletivo: Padrão atual e tendência geral Na sequencia dos trabalhos, no mesmo dia do encontro realizado com os educadores, após as respostas individuais, através de dinâmica foram formados grupos aleatórios de 6 a 8 componentes que se deslocaram para salas reservadas para discutir e responder de forma consensual as questões: O que parece ser padrão nas nossas escolas no contexto atual? Qual a tendência geral de desenvolvimento para as nossas escolas? De onde vêm e para onde vão? As respostas trouxeram vários itens já relatados anteriormente. Na sequencia, entre pontos e vírgulas, elencamos as falas. a) Padrão das nossas escolas no contexto atual X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 A rotatividade de professores, falta dos professores, professor sem formação por áreas afins e séries na educação especial e iniciais, sistema de avaliação em vigor e falta de investimento em educação. (Grupo 1) Rotatividade de professores, qualificação profissional inadequada, falta de comprometimento profissional e aluno aprovado sem as devidas condições (correção fluxo grade de 9 anos) imposto pelo governo. (Grupo 2) Falta de interesse em estudar do aluno e de comprometimento da família com os filhos; falta de autonomia financeira e instalações físicas deficientes. (Grupo 3) A falta de recursos para administrar, a falta de motivação e a indisciplina; Parece ser um padrão a aprovação pelo sistema e não pelo mérito; Falta de autonomia de nossos gestores e professores completando carga horaria em varias escolas. (Grupo 4) Famílias desestruturadas e com dificuldades de impor limites, negligentes, transferem as responsabilidades para a escola; Alunos com falta de interesse nos estudos e falta de sonho para o futuro; Alunos indisciplinados, aulas desmotivadoras, muitas sem opção de material didático; Falta de vigilância eletrônica e de uma boa estrutura física. Quadra de esporte precária. (Grupo 5) Estrutura física deficiente, professores desmotivados, evasão escolar, gravidez na adolescência, desestrutura familiar, alta rotatividade de professores, falta de autonomia para gestão da escola, alguns profissionais eficientes e responsáveis, presença de violência no meio escolar, reformulação do P.P.P. em conjunto; Associação de Pais e Professores atuante e revitalização das entidades democráticas. (Grupo 6) Ausência de pais nas reuniões, rotatividade de professor, um professor em varias escolas, grande quantidade de afastamento para tratamento de saúde e falta tempo para planejamento e leituras dos materiais. (Grupo 7) Rotatividade de profissionais, profissionais sem habilitação especifica, indisciplina, falta recursos imediatos, falta comprometimento da família, inclusão sem qualificação, capacitação dos professores inadequadas, desinteresse dos alunos para com o conhecimento e falta acompanhamento de uma equipe multidisciplinar (fonoaudióloga, psicólogo, neurologista, psiquiatra...). (Grupo 8) O sistema de avaliação no contexto atual, escolha de gestores, portfolios de 1º ao 3º ano padrão em todas U.E. e o sistema de merenda escolar. (Grupo 9) X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

14 b) Tendência geral de desenvolvimento para as nossas escolas. Na opinião da equipe a escola está vindo de um ensinar onde conhecimento era transmitido, memorizado, sem saber o porque e para que?. Está indo, busca se adaptar uma nova concepção de educação, sujeito em construção, no seu histórico cultural. (Grupo 1) Estagnação; Vem do tradicional para uma realidade descontrolada; Se não houver um comprometimento político, a escola terá sua identidade anulada por mais que professores e especialistas em assuntos educacionais e gestores escolares tente reverter a realidade, o sistema atua com força maior. (Grupo 2) Descontinuidade das políticas públicas e consequentemente desmotivação dos profissionais da educação; Ranço de ideias autoritárias, indo em direção ao espontaneísmo do ensinoaprendizagem; Falta um equilíbrio, um método novo de ensinoaprendizagem voltado para o crescimento e desenvolvimento da autonomia e criticidade dos alunos. Falta de motivação dos profissionais (educadores) e paralelamente desmotivação dos alunos. (Grupo 3) Tendência: a municipalização; Está vindo de uma época que a escola surgiu para atender uma minoria; Esta caminhando para uma escola sem retenção; Cultura em rede; Avanço tecnológico; Ensino com inclusão digital. (Grupo 4) A falta de autonomia leva ao retrocesso educacional. Está vindo de uma escola liberal, assistencialista, onde o ensinar está sendo substituído pelo educar, tarefa esta que seria da família; Cumpridora de leis, manipulados. (Grupo 5) Alunos com formação sem qualidade; Está vindo de um sistema que aprova automaticamente sem o aluno ter os devidos conhecimentos; Direitos excessivos aos alunos (falta de esclarecimentos). (Grupo 6) Houve progresso para os portadores de deficiências; A inclusão social e a acessibilidade nas escolas; A inclusão digital possibilitou o acesso a informática para milhares de alunos; A terceirização da merenda escolar trouxe melhoras na qualidade; Desenvolvimento de projetos para a comunidade; Retrocessos: assistencialismo, aprovação automática, aumento da violência e drogas. (Grupo 7) Baixa qualidade do ensino, a tendência da escola é desprovida do saber, formando cidadãos frustrados, sem qualificação e acima de tudo, fácil de manipular. Fruto de uma política governamental despreocupada com a qualidade da educação que prioriza a quantidade, aprovação em massa. (Grupo 8) X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.14

15 No contexto atual, a escola ainda apresenta certo bloqueio para superar as novas tendências que contribuem no desenvolvimento tanto do aluno, quanto ao próprio professor; Resistem de certa forma as novas tecnologias; Está vindo da própria formação cultural e grande falta de recursos financeiros dos próprios professores, para realizarem cursos de capacitações; Infelizmente, a qualidade da Educação, continua sem conseguir atingir seus objetivos; De modo geral o contexto social de muitos alunos impede que eles tenham estímulos para estudar. (Grupo 9) As narrativas, fruto das discussões nos grupos, trouxeram sentimentos que estão enraizados naqueles que estão nas escolas todos os dias. As falas muitas vezes são contraditórias, há grupos que falam da resistência da escola em assumir novas posturas, enquanto outros dizem que é preciso um novo método, e outros ainda, apontam para o saudosismo de escolas de tempos passados. No entanto, nas entrelinhas, é perceptível que em muitos momentos elas parecem estar a deriva, mesmo que tenham diretrizes, regulamentações, normatizações e tantas informações que parecem estar disponíveis nos dias atuais, faltam entendimentos sobre as mesmas. A escola precisa ser vista como um processo histórico e social, desse modo, sempre haverá novas demandas para ela. As questões acima, nos permitem problematizar o papel da escola, de maneira mais abrangente, mas também mais especificamente nesse contexto. Afinal, o que leva um grupo de gestores a pensar que a escola está desprovida do saber, quando a função da escola é construir o saber; formando cidadãos frustrados, sem qualificação e acima de tudo, fáceis de manipular, quando sua maior função é formar para que todos exerçam a cidadania; Dizer que A falta de autonomia leva ao retrocesso educacional quando temos uma legislação que preconiza autonomia. Sem a intenção de concluir, algumas considerações... Tudo é novo quando se olha de outra forma. Vicente Huidobro X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.15

16 Ao longo do texto tentamos explicitar um modo de articular por meio de um projeto de extensão uma aproximação entre a Universidade e a GERED, representado por Gestores Escolares, dentre eles Especilistas (Orientadores, Supervisores e Administradores), Diretores e Assistentes Pedagógicos. Em nosso entender, essa é uma das saídas para que a escola encontre novas possibilidades para alcançar seus objetivos nos dias atuais, ou seja, a Universidade e a escola rompendo com seus muros e ambas contribuindo com seus saberes e partilhando suas vivencias. Os dados embora, nesse momento não sejam conclusivos, possibilitaram um mergulho sobre o contexto das 43 escolas e, sobretudo, para fazer emergir sentimentos das equipes gestoras em relação ao emaranhado que é o cotidiano atual das instituições. Foi possível perceber contradições entre os contextos favoráveis e desfavoráveis, há momentos em que há destaques para a autonomia que há nas escolas e outras em que a autonomia é solicitada. Vemos como ponto desfavorável a participação da família em contraponto com a não participação. Também, visualizamos em suas falas destaque para o companheirismo, o comprometimento, a ética nas relações e a parceria entre os profissionais da escola e em contrapartida, a falta de comprometimento. Para nós, esses são dados relevantes que demonstram necessidade de uma caminhada mais sólida, através de estudos em que haja a participação de todos e ao mesmo tempo um distanciamento dos seus lugares de trabalho, esse distanciamento pode permitir uma análise mais qualitativa dos cotidianos e das ações dos gestores frente aos desafios que são postos todos os dias. Ressaltamos que nesse espaço de tempo foi possível ouvir e essa escuta é extremamente importante para compreender as dificuldades daqueles que todos os dias enfrentam a rotina da escola na atualidade com seus percalços e desafios. Para Zigmund Baumann, 2010, p. 9 as narrativas de acontecmentos próximos, aparentemente familiares [...] ou tarefas cotidianas [...] são importantes, [...] porque também é ilusória a sensação de conhecermos esses acontecimentos muito bem e de confiarmos que nada de novo há a aprender com eles ou sobre eles. (Grifo das autoras). Reside aí a necessidade de questionar e ouvir, o que os gestores nos trazem e também a necessidade da continuidade em realizar os encontros, para analisar com mais profundidade, para que X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.16

17 nada se perca, para que não se pense que o que está posto é o que é, mas que se pense que estes dados são possibilidades futuras. Sabemos que não é possível adivinhar nem prever o futuro da escola, Canário (2006) também nos alerta sobre isso e sobre o fato de que é possível problematizá lo a partir de uma reflexão crítica, para que esse futuro possa vir a ser o resultado de uma escolha e não a conseqüência de um destino. Segundo Canário, transformar a escola implica em agir em três planos fundamentais: pensar a escola a partir da educação não escolar; desalienar o trabalho da escola para que o processo de aprender possa ser vivido como uma obra; transformar a educação, e em particular a escola, através de movimentos sociais. O movimento ao qual estamos nos dedicando neste projeto de extensão pode não chegar a atingir tão altos patamares, entretanto vem mobilizando as escolas participantes positivamente, talvez ainda não em resultados, mas pelo menos em processos de descobertas. Referências CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das promessas às incertezas. Porto Alegre: Artmed, GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho. Ensinar e Aprender com Sentido. Curitiba: Positivo, NÓVOA, Antonio (coord.) Professores: imagens do futuro presente. Lisboa. EDUCA, 2009 OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos Praticados: entre a regulação e a emancipação. Rio De Janeiro: Lamparina Editora, PIMENTA, Selma Garrido. PINTO, Umberto de Andrade. (Orgs) O papel da escola pública no Brasil Contemporâneo. 1. Ed. São Paulo : Edições Loyola, VASCONCELOS, Celso dos Santos. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político pedagógico ao cotidiano da sala de aula. São Paulo: Libertad, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.17

18 Planejamento: projeto de ensino aprendizagem e projeto político pedagógico elementos metodológicos para elaboração e realização. 7. ed. São Paulo: Libertad, VEIGA, Ilma Passos A. (Org).Projeto político pedagógico: uma construção possível. 17. ed. Campinas: Papirus, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.18

CONSTRUÇÃO COLETIVA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA UMA INSTITUIÇÃO NÃO ESCOLAR

CONSTRUÇÃO COLETIVA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA UMA INSTITUIÇÃO NÃO ESCOLAR CONSTRUÇÃO COLETIVA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA UMA INSTITUIÇÃO NÃO ESCOLAR Nádia Maria Soares SANDRINI Mariléia Mendes GOULART Tania Regina Cardoso FERNANDES RESUMO: O Curso de Pedagogia assumiu

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo

INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo INCLUSÃO E EXCLUSÃO NO INTERIOR DA ESCOLA: AS REPRESENTAÇÕES EM FOCO NOVAIS, Gercina Santana UFU CICILLINI, Graça Aparecida UFU GT-12: Currículo Este trabalho é parte de uma pesquisa de natureza qualitativa

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO EE PROF.ª MARIA IGNÊS ARAÚJO PAULA SANTOS" PLANO DE GESTÃO QUADRIÊNIO 2014/2018 1. Identificação e Caracterização da Escola 1.1 - Identificação EE Profª. Maria Ignês Araújo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT Dispõe sobre os critérios para atribuição do professor articulador e professor da sala de recursos multifuncionais

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Equipe responsável: PROGRAD - Coordenadoria de Desenvolvimento do Ensino de Graduação GVR - Coordenadoria de Apoio Pedagógico CAP E-mail: pedagogiauniversitária@unipampa.edu.br

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais

Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB CURSO DE PEDAGOGIA Elaboração e Gestão de Projetos Educacionais Profa. Aline Sobrinho Fevereiro/2014 Por que trabalhar com projetos?

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

Leandro Ferreira Universidade Federal Fluminense leandroamerico@oi.com.br

Leandro Ferreira Universidade Federal Fluminense leandroamerico@oi.com.br PROJETOS DE TRABALHO E INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIAS NATURAIS, PORTUGUÊS E MATEMÁTICA NO ESTUDO DA ASTRONOMIA E DA INFORMÁTICA Leandro Ferreira Universidade Federal

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais