1 11 Alimentos Saudáveis (Health Foods) [Alimentos e medicamentos]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 11 Alimentos Saudáveis (Health Foods) [Alimentos e medicamentos]"

Transcrição

1 1 11 Alimentos Saudáveis (Health Foods) [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da Categoria Discutiremos a seguir os alimentos saudáveis (health foods*) que são ingeridos com a finalidade de promover, recuperar e manter a saúde. (health foods*) Não existe uma definição consagrada para "alimentos saudáveis (health foods)", essa expressão será discutida pela extensão da abrangência do "alimento natural". Neste manual, a abrangência clara e utilizada de forma definitiva, porém é a definição mais reconhecida e as restrições legais são as mais discutidas. Os então conhecidos "alimentos saudáveis" serão discutidos a seguir. I. Alimentos Comuns 1) O alimento em si, conhecido como benéfico para a saúde em sua forma natural (como por exemplo a ameixa seca, o iogurte, etc.) na prevenção de doenças, ou como cicatrizantes (por exemplo a clorela, o ginseng, o agaricus blazei murill etc.). 2) Esses alimentos aparentemente são iguais aos alimentos comuns, porém, quando a dosagem de alguns ingredientes é aumentada, eles passam a ser considerados saudáveis (como por exemplo, as bolachas enriquecidas com cálcio, etc.) ou, ainda, quando o teor de sal e óleo são reduzidos (como por exemplo missô com baixo teor de sal). II. Não na forma de alimento, de forma geral, mas na forma similar aos medicamentos, como as sementes e os líquidos, incluindo os ingredientes ou extratos especiais (chamados de suplementos). Os suplementos são alimentos, em tabletes ou em cápsulas, que fornecem nutrientes como a "vitamina ou os minerais (cálcio ou ferro)". Número de HS Omitiremos os números de HS, pois além de serem muitos (para o ginseng, , e para a ameixa seca, , etc.), nem todos esses números correspondem aos alimentos saudáveis. A maioria dos alimentos saudáveis fabricados, é classificada pelo número HS Alimentos Adaptados (excluindo os alimentos já possuem uma outra classificação em algum outro item) outros. 2. Tendências da Importação (1) Tendências recentes nos Alimentos Saudáveis O número HS que classifica o alimento saudável fabricado inclui outros itens além dos alimentos saudáveis. Desta forma é impossível realizar estatísticas precisas sobre a tendência da importação. (2) Importações por Local de Origem Omitiremos a listagem dos países importadores de alimentos saudáveis, pois a sua definição é muito ampla. Para os ingredientes, o principal país importador será o país específico, como a ameixa seca é originária dos Estados Unidos e o própolis é originário do Brasil, etc. O principal país importador de suplementos são os Estados Unidos. (3) Participação de Importações no Mercado Japonês Para os alimentos saudáveis produzidos através da extração como os suplementos, há várias ocorrências de importação de ingredientes, com produção no Japão, embora exista uma parte da produção importada dos Estados Unidos. 101

2 De forma geral, a maior parte dos produtos são produzidos no Japão. A maioria dos ingredientes de difícil produção ou reunidos no Japão (ginseng, própolis, clorela, Agaricus Blazei murill e ameixa seca) é importada. De acordo com o relatório industrial, esta tendência é única para a "essência da ameixa seca", "geléia real", "própolis" e "blueberry". 3. O Processo de Importação e Distribuição (1) Regulamento Legal e Procedimentos Administrativos no Momento da Importação A Legislação Sanitária dos Alimentos, a Regulamentação da Quarentena de Plantas e a Lei de Controle de Doenças Infecciosas de Animais Domésticos, irão regulamentar a importação de alimentos saudáveis. 1) Legislação Sanitária dos Alimentos Ao importar os alimentos saudáveis, além de anexar os documentos necessários, o "Requerimento para Importação de Alimentos, etc." deve ser submetida à repartição de controle de alimentos importados dos locais de quarentena, que controla o desembaraço do porto marítimo ou aéreo. Na verificação do requerimento de importação, se julgarem que a fiscalização sanitária é necessária, a fiscalização é realizada no armazém da alfândega, decidindo se podem ou não ser importados. Quando for realizada, de forma independente, a fiscalização no Japão em uma organização de inspeção designada pelo Ministério da Saúde e do Bem-estar, sendo esta organização de inspeção já registrada em portos marítimos, seu resultado é tratado da mesma forma que a fiscalização sanitária realizada pelos locais de quarentena e o item da fiscalização sanitária é omitido para agilizar o processo de importação. Especialmente, os alimentos saudáveis, seus componentes, características, aparência e finalidades comerciais de uso, efeito, dosagem, etc., não possuem correspondência nos medicamentos. Para mais detalhes sobre a abrangência de medicamentos, consulte a Seção de Supervisão e Direcionamento, Divisão de Segurança Médica, Ministério da Saúde e do Bem-estar ou Seção de Supervisão Médica na repartição da prefeitura local. Fiscalização sob a Legislação de Higiene Alimentar "Formulário de Notificação para a Importação de Alimentos, etc." Exame de Documentação Inspeção não Requerida Inspeção Necessária Inspeção Conduzida Se aprovado Se Não Aprovado Devolvido ou Descartado (Submetido ao Plano de Devolução ou Descarte) Desembaraço Aduaneiro Processo Completo (Submetido ao Relatório de Devolução ou Descarte) 102

3 2) Regulamentação da Quarentena Vegetal Na ocasião da importação de alimentos vegetais, de acordo com esta regulamentação, o requerimento deverá ser realizado no Serviço de Quarentena Vegetal, anexando o certificado de quarentena emitido pelo governo do país exportador no porto marítimo ou aéreo designado onde ocorreu a inspeção pelo fiscal de quarentena vegetal. No caso de não haverem impedimentos resultantes da inspeção, em relação às pragas, a certificação será emitida. Quando forem encontradas quaisquer pragas, deverá ser realizado a desinfecção ou descarte. Quando a desinfecção, fumigação, pulverização de remédios, imersão em água quente, seleção, tratamento térmico, etc. devam ser executadas, os métodos são especificados de acordo com os tipos de plantas e pragas encontradas. A importação é proibida. Fluxo de Procedimentos para a Quarentena Vegetal Requerimento para a Inspeção da Importação Vegetal Anexar Certificado Fitossanitário emitido pelo órgão governamental do país exportador Determinação do local de inspeção Se não for detectada infestação Se for detectada infestação Certificado de Inspeção de Quarentena Vegetal Descontaminado Colocado à disposição (ou reembarcado) Certificado de Inspeção de Quarentena Vegetal 3) Lei de Controle de Doenças Infecciosas de Animais Domésticos Alguns dos alimentos saudáveis animais ou seus ingredientes devem se basear nesta lei na ocasião da importação, não trazendo portanto doenças nocivas infecciosas. Nesta importação, submeta o "Requerimento de Inspeção de Importação" ao local de quarentena animal, anexando o "Certificado de Inspeção de Importação" emitido pelo governo do país exportador. Quando for desqualificado, será descontaminado ou incinerado. Esses cuidados, devem ser feitos em alimentos, que estão proibidos de serem importados de um país ou área específica. Para mais detalhes, consulte a Divisão de Saúde Animal, Agência da Indústria de Animais Domésticos, Ministério da Agricultura, Florestal e de Pesca. Procedimentos sob a Lei de Controle de Doenças Infecciosas de Animais Domésticos Submissão do requerimento para inspeção da importação (anexo o certificado de inspeção de exportação) Verificação da documentação e inspeção dos produtos efetivos (Aprovado) (Não Aprovado) Emissão da certificação de inspeção Devolução, incineração, etc. 103

4 (2) Regulamentação Legal e Procedimentos Administrativos no Momento da Venda A venda de alimentos saudáveis está sujeita a Legislação Sanitária de Alimentos, às Normas para Padronização e Rotulagem Adequada de Produtos Agrícolas e Florestais (Norma AS) e o Ato contra Prêmios Não Justificados e Representação Enganosas pode ser aplicado dependendo das características e formação de produtos, bem como a forma que é vendido. 1) Legislação Sanitária dos Alimentos No caso de vendas regulamentadas sob esta lei, a rotulagem é obrigatória com base nesta lei (Veja, 4. Procedimentos de Rotulagem) 2) Normas JAS As normas JAS determinam os itens de rotulagens necessárias, quando o consumidor for selecionar produtos por itens com as devidas rotulagens. Há 64 regulamentações estabelecidas como "Padrão de Rotulagem de Qualidade". (Consulte <Referência>) Alimentos saudáveis especificados regidos pelos padrões de rotulagem de qualidade devem ter sua rotulagem de acordo com o padrão específico. <Referência> Matérias revisadas da JAS em Itens regidos pelos padrões de rotulagem de qualidade serão examinados em todos os alimentos e bebidas por consumidores em geral, de 64 alimentos efetivos (padrão) 2. A rotulagem do país de origem das frutas ou vegetais nos quais 9 desses itens devem seguir o padrão de rotulagem atual, é examinado para fazer a rotulagem do país de origem em todos os alimentos perecíveis. 3. Para os produtos agrícolas orgânicos, a rotulagem é individual, feita pelo produtor, de acordo com as diretrizes, e revisado para ser rotulado como "orgânico", onde somente os produtos de produtores autorizados por organizações terceiras, de acordo com a "Certificação de Inspeção e Sistema de Rotulagem dos Alimentos Organizados". O objetivo é amplo para os alimentos processados de produtos agrícolas. As matérias acima revisadas serão executadas em FY ) Lei de Melhoria de Nutrientes nos Alimentos A finalidade dessa lei é manter e melhorar a saúde e o vigor da nação, além de contribuir com a promoção do bem-estar da nação. Os "Padrões de Rotulagem Nutricional" são especificados nos alimentos a serem vendidos (excluindo os "alimentos para uso específico" posteriormente mencionado). Quando a rotulagem dos ingredientes nutricionais e calorias estiver na embalagem ou anexada em um folheto do alimento a ser vendido, a rotulagem deverá ser feita de acordo com os padrões. Os alimentos para uso especial são os alimentos a serem vendidos, utilizados em ocasiões especiais como os para bebês, crianças, grávidas, lactentes e enfermos. Em rotulagem de "Alimentos para uso específico", devem ser aprovados pelo Ministério da Saúde e do Bem-estar. Para adquirir a aprovação, o formulário para requerimento deve ser submetido, contendo o nome do produto, a proporção de combinação de ingredientes, método de fabricação do produto, tabela de análise do ingrediente, misturas de rotulagem para uso específico a ser aprovado e outros itens especificados pelo decreto ministerial do Ministério da Saúde e do Bem-estar. Deve ser submetido ao Ministério da Saúde e do Bem-estar por intermédio de representantes da prefeitura na qual a repartição pertence. As previsões do relatório de pessoas adequadas com experiência ou em posição acadêmica devem ser anexadas aos documentos designados. Entre os alimentos para uso específico, que é esperado um bem para a saúde ao ingeri-lo como os alimentos para tratamentos estomacais ou alimentos, para as pessoas que tenham colesterol alto podem ser rotulados como alimentos específicos que fazem bem para a saúde por intermédio do Ministério da Saúde e do Bem-estar. Para a aprovação das condições, devem ser mencionadas que o alimento deve ser "para ser diariamente ingerido, não sazonalmente" e "em forma normal, não em tablete ou cápsula. Para o método de rotulagem, consulte o item 4. Procedimentos de Rotulagem. 104

5 5) Lei sobre vendas porta-a-porta Esta lei restringe os métodos de venda de produtos específicos. Constam também neste manual os alimentos saudáveis dos itens proibidos. Como os alimentos saudáveis são distribuídos principalmente por meio de vendas porta-a-porta ou por correspondência, os distribuidores de alimentos saudáveis, nesses métodos, devem emitir um documento de acordo e de fabricação proibida de aviso de itens importantes adulterados, ameaçadores ou de ação desordenada. 6) Lei de Medidas Para a venda de alimentos saudáveis, a quantidade adequada, baseada na lei de medidas deve constar no recipiente ou na embalagem. (3) Agência e Organização Regulamentar Lei de Assuntos Farmacêuticos: Divisão de Planejamento, Agência de Assuntos de Segurança Farmacêutica e Médica, Ministério da Saúde e do Bem-estar (assuntos farmacêuticos em geral) TEL Divisão de Avaliação e Licença, Agência de Assuntos de Segurança Farmacêutica e Médica, Ministério da Saúde e do Bem-estar (reconhecimento da importação, etc.) TEL Legislação de Higiene Alimentar: Divisão Sanitária de Alimentos, Agência da Saúde Ambiental, Ministério da Saúde e do Bem-estar TEL Normas JAS: Divisão de Padrões e Rotulagem, Agência de Alimentos e Comercialização, Ministério da Agricultura, Florestal e de Pesca TEL Lei de Melhoria de Nutrientes nos Alimentos: Divisão Sanitária dos Alimentos, Agência de Saúde Ambiental, Ministério da Saúde e do Bem-estar TEL Ato contra Prêmios Não Justificados e Representações Enganosas Divisão de Comércio ao Consumidor, Departamento de Práticas de Comércio, Comissão de Comércio Justo TEL Lei de vendas Porta-a-porta Divisão de Assuntos do Consumidor, Agência da Política Industrial, Ministério da Comércio e Indústria TEL Lei de Medidas A repartição de Pesos e Medidas, Agência de Indústria de Maquinários e Informações, Ministério da Indústria e Comércio Internacional TEL Procedimentos de Rotulagem (1) Rotulagem Obrigatória por Lei 1) Lei Sanitária de Alimentos Como a Lei Sanitária de alimentos especifica os padrões de rotulagem, os alimentos sem a rotulagem especificada não poderão ser vendidos. A rotulagem deverá ser feita no recipiente embalado, onde seja fácil a visualização para os japoneses, com expressões fáceis de serem entendidas. Os itens a serem rotulados estão abaixo descriminados. Para mais detalhes, consulte a Divisão Sanitária de Alimentos, Agência de Saúde Ambiental, Ministério da Saúde e do Bem-estar, ou Seção da Superintendência de Higiene Alimentar de cada prefeitura. - Nome - Aditivos usados, etc. - Nome e endereço do fabricante (quando for importado, nome do importador e o endereço do escritório) - Método de Preservação - Data de Consumo 105

6 2) Normas JAS O fabricante (distribuidor ou importador) deve fazer a rotulagem conforme abaixo relacionado na embalagem ou no recipiente dos alimentos e bebidas relacionada à qualidade de alimentos e bebidas. - Nome - Nome do ingrediente - Quantidade da mistura (teor sólido ou líquido) - Data de Consumo - Método de Preservação - Nome e endereço do fabricante (distribuidor ou importador) 1) Para os alimentos importados, o país de origem deve estar marcado os elementos adicionados aos itens acima. 2) O método de rotulagem está abaixo especificado. - Nome dos alimentos e bebidas que devem ter indicação do teor máximo. - Outros ingredientes que não sejam os aditivos de alimentos, devem estar indicados na ordem de peso, em unidades de medida de peso, com o nome genérico.quando o ingrediente em si utilizado for composto de dois ou mais ingredientes (denominado como ingrediente combinado), os componentes do ingrediente combinado devem estar indicados em ordem de peso em unidades de medida de peso. (Referência) De acordo com a revisão das Normas JAS, a análise dos métodos de rotulagem dos alimentos transgêncios é realizada pelo Ministério da Agricultura, Florestal e de Pesca. Os alimentos transgênicos são classificados em três categorias, de acordo com as características científicas e o método de rotulagem é realizado de acordo com cada classificação (como para rotular que são alimentos transgênicos). Está agendado para ser executado a partir de FY ) Lei de Melhoria Nutricional A rotulagem baseada na Lei de Melhoria Nutricional deve ser realizada de acordo com o "Padrões de Rotulagem dos Alimentos". Os teores de rotulagem devem ser o seguinte. 1) Escopo dos ingredientes nutricionais Aplica-se não apenas nos ingredientes indicados como ingrediente nutricional geral, mas também a constituição do ingrediente (como o aminoácido na proteína, etc.) ou seus tipo (ácidos graxos no lipídeo, etc.) Quando nome genérico da vitamina, etc. for utilizado e seu tipo não for especificado, deverá ser realizada a rotulagem do ingrediente dos 11 ingredientes especificados na Lei de Melhoria Nutricional. Entretanto, exclui-se a rotulagem relacionada ao sabor (leve tempero, etc.). 2) Ordem e unidade de rotulagem A ordem e a unidade de rotulagem são especificadas para alguns ingredientes. Alguns cuidados adicionais devem ser feitos na rotulagem que for utilizada em portos marítimos, pois poderá não ser aplicada se utilizada a rotulagem normal. 3) Rotulagem Especial Quando a rotulagem especial for feita na explicação do ingrediente, não para o alimento em si, o próprio alimento saudável deve satisfazer o padrão de rotulagem especial. (Quando for rotulado que "Contém altos índices de proteína na clorela, integrante do ingrediente, a quantidade de proteína deve atender ao padrão de alta qualidade). Na rotulagem, deverão ser realizados o nível de comparação, a quantidade de aumento (redução) ou a classificação. <Rotulagem de Alimentos para Uso Específico> <Rotulagem para Alimentos Específicos Bons para a Saúde> 106

7 (2) Rotulagem baseada no Guia do Ministério da Saúde e do Bem-estar O Ministério da Saúde e do Bem-estar estabeleceu o Guia para rotular a quantidade e o método a ser aplicado aos alimentos saudáveis (1988) e o Guia para a rotulagem de alimentos saudáveis (1989). Os itens rotulados e os itens básicos incluem o seguinte: 1) Guia para rotular a quantidade e método a ser aplicado aos alimentos saudáveis Para os alimentos saudáveis, os itens abaixo devem ser rotulados pelas adições aos itens rotulados, de acordo com as leis como a Lei de Higiene Alimentar, etc. - Limite máximo ou padrão de quantidade a ser ingerida em um dia - Instrução para ingestão, quando não for ingerido de forma normal - Deve ser notificado se causa problemas à saúde se houver a superdosagem - Deve estar indicado que é um Alimento 2) Guia para a rotulagem de alimentos saudáveis A rotulagem de alimentos saudáveis deve estar baseada nos hábitos alimentares para manter a saúde e deve ser feito o seguinte. - Estar de acordo com a Lei Sanitária de Alimentos, Lei de Melhorias Nutricionais e Lei de Assuntos Farmacêuticos e Médicos - Entre os atributos que normalmente possuem cor complementar, é o item que serve de característica dos alimentos saudáveis. - É cientificamente adequado e o fato é indicado. - Palavras corretas devem ser usadas e as sentenças devem ser claras, de forma que os consumidores possam entendê-las com facilidade. (3) Rotulagem Voluntária Baseada em Padrões Industriais Apenas os alimentos que satisfazem o padrão de segurança, higiene e conteúdo de marcação especificado para cada tipo de alimento pela Associação Japonesa de Alimentos Saudáveis e Alimentos Nutricionais (Japan Health Food and Nutrition Food Association), em conformidade com a orientação do Ministério da Saúde e do Bem-Estar, podem ter apostos a marca de aprovação (marca da JHFA). No momento (janeiro de 1999), conta-se 1161 casos para 47 alimentos com marcação de produtos aprovada pela marca da JHFA autorizada pela Associação Japonesa de Alimentos Saudáveis e Alimentos Nutricionais. < Marca da JHFA > Items marcados especificados pela marca da JHFA são detalhados de acordo com seu tipo. Os itens com marcação geral são os seguintes: (Itens que basicamente deveriam ser rotulados) - Nome - Nome do ingrediente - Quantidade do conteúdo - Prazo de Validade - Nome e endereço do fabricante - Ingredientes e conteúdo especificados - Cuidados na preservação (Itens opcionais). - Conteúdo dos ingredientes (exceto ingredientes especificados) e quantidade 107

8 - Eficiência (Nota) - Dosagem - Método da dosagem - País de origem (Nota) A eficiência do ingrediente contido pode ser indicado com o objetivo de oferta nutricional e manutenção da saúde, baseado em razões acadêmicas. Entretanto, deve-se tomar cuidado para que a indicação não entre em conflito com a Lei de Assuntos Farmecêuticos, Ato contra Prêmios Injustificáveis e Representações enganosas, Lei de Melhoria Nutricional, etc. Contato: Japan Health Food and Nutrition Food Association.TEL: Para mel e geléia real, há rótulos individuais na indústria. Para detalhes, refira-se a Produtos de mel de abelha, que é um manual classificado por itens publicado pela Associação. 5. Lei e Normas Tributárias (1) Taxas Aduaneiras No caso de alimentos saudáveis, as alíquotas das taxas aduaneiras diferem em função dos ingredientes combinados e da forma dos produtos, mesmo que esses não sejam fabricados. No caso de importação, as alíquotas de imposto de importação devem ser verificada antecipadamente. Nesse caso, o uso de Sistema de Instrução Prévia é conveniente. (2) Imposto sobre Consumo (CIF + Taxas Aduaneiras) x 5% 6. Características dos Produtos [1. Tipos e características dos alimentos saudáveis] Como há muitos tipos, ingredientes e uso dos alimentos saudáveis aqui discutidos, torna-se difícil indicar as características gerais de produto para alimentos saudáveis. Os itens com características especiais são explicados abaixo: 1) Alimentos saudáveis gerais Os alimentos denominados saudáveis são legalmente controlados, em maior ou menor grau, do ponto de vista de segurança e promoção à saúde ou ainda com o propósito de submeter aos clientes informações adequadas, independente de serem os produtos importados ou nacionais. (Refira-se a 3. Processo de Importação (vendas) e Distribuição). A obrigação de conformidade ao padrão da Lei de Saúde Pública de Alimentos e rotulagem de qualidade em conformidade com a Lei JAS são aplicáveis a todos os alimentos saudáveis. Entretanto, grande parte dos alimentos saudáveis distribuídos no Japão não possuem outras restrições legais senão essas. Existem inúmeros alimentos saudáveis que estão incluídos nesta categoria. Seus ingredientes, formas e método de dosagem também variam. Cada cliente deverá julgar por si mesmo se se trata de alimentos saudáveis ou não, de acordo com a rotulagem de ingredientes e aditivos. Por exemplo, há balas e bebidas que incluem muita vitamina C, geléias e biscoitos substituídos por alimentos que incluem muitos nutrientes para um dia ou 1/3 de dia. Embora incluam alguns tipos de ingredientes bons para a saúde, são vendidos simplesmente sob a designação confeitos ou refrigerantes. Alguns deles são rotulados como alimentos que contém nutrientes. Os alimentos especiais abaixo possuem restrições legais: 108

9 2) Alimentos de uso especial Entre muitas leis relacionadas com alimentos, a Lei de Melhoria Nutricional controla os alimentos, com ênfase na saúde e nutrição. A referida lei estabelece uma categoria de alimentos de uso especial e especifica uso especial tal como uso para enfermos e idosos. É permitido que os alimentos aprovados a serem usados com esse objetivo sejam rotulados Alimentos de uso especial (Refira-se a 4. Procedimentos de Rotulagem). São indicados para alimentos para enfermos a combinação de alimentos do tipo alimentos de baixo sódio (tais como pasta de soja (miso) e molho de soja, ambos com redução do teor de sal), alimentos com baixas calorias (adoçante para dietas, etc.), alimentos para doenças alérgicas (alimentos excluindo allergen) e outros de alimentos com ajuste de redução de sal ou ajuste de diabetes. São indicados para alimentos para idosos, alimentos voltados especialmente para os idosos que tenham fraca capacidade de mastigar ou de engolir. Apesar da existência no mercado japonês de diversos alimentos com redução de sal ou alimentos voltados a dietas de baixa calorias, nem todos podem conter o rótulo Alimentos de uso especial quando a solicitação é feita. Apenas alimentos que passam pelos rígidos padrões e inspeções têm permissão de efetuar a rotulagem. Em novembro de 1999, havia 491 produtos com permissão para efetuar a rotulagem como Alimentos de uso especial. 3) Alimentos saudáveis especiais Quando pode-se esperar objetivo especial de saúde ao utilizar o alimento saudável, rotulagem como Alimentos saudáveis especiais é permitida pelas características, uso e eficácia. (Isto se baseia na Lei de Melhoria Nutricional acima e é categorizado como um dos Alimentos de uso especial. Refira-se à figura). Dentro dos objetivos especial de saúde, há função médica para desordens intestinais, eficaz contra o colesterol, evita a formação de cáries e auxilia na absorção de minerais, etc. Como outros alimentos de uso especial, além dos alimentos saudáveis especiais, assumem a existência de um usuário especial (enfermos, idosos, grávidas ou mães em fase de amamentação), os alimentos saudáveis especiais não definem o usuário, com marcação permitida com foco de atenção nas características, uso e efeito do produto. O padrão de aprovação de Alimentos saudáveis especiais também é rígido e nem todos os alimentos saudáveis podem efetuar marcação, tendo somente a eficácia acima. Como é especificado no padrão de aprovação que devem possuir a forma de alimentos gerais e serem produzidos diariamente, não raramente, os alimentos saudáveis denominados suplementos não podem efetuar marcação como sendo eficazes para desordens intestinais, como no caso de alimentos saudáveis especiais. Em novembro de 1999 havia 171 alimentos com marcação permitida de Alimentos saudáveis especiais (alimentos utilizando bactérias láticas ácidas, clorela, alimentos processados com Reino), dos quais 12 itens eram importados (própolis, alimentos processados com ginseng e alimentos protéicos). 4) Suplementos O suplementos pertencente ao Grupo II da Figura 1 têm aumentado recentemente no mercado japonês de alimentos saudáveis (Refira-se a 7. Condições do Mercado Japonês). No momento, não existem restrições legais ao suplemento, independente de serem produtos importados ou produzidos no Japão. Alguns alimentos saudáveis como vitaminas podem ser vistos em lojas como remédios por um lado e como alimentos por outro, possuindo ingredientes e formatos similares. Em virtude dessa situação, atualmente considera-se classificar o suplemento como a terceira categoria de alimentos de nutrição suplementar, entre remédios e alimentos, tornando clara a definição e estabelecendo um tipo de restrição, inclusive no que diz respeito ao método de marcação. 109

10 <Referência> Em 17 de dezembro de 1998, o Gerente de Vida e Higiene do Ministério da Saúde e do Bem-estar manteve uma reunião privada de Reunião de exame sobre como tratar os alimentos de nutrição suplementar. A minuta da definição, método de regulamentação e método de marcação dos alimentos de nutrição suplementar foram efetuados nessa reunião, com vistas a iniciar o exame. O relatório intermediário deverá ser publicado em No momento, pela minuta de definição do Ministério da Saúde e do Bem-estar os alimentos de nutrição suplementar são os seguintes: - Alimentos com nutrição essencial simples ou múltipla, combinando vitaminas ou minerais especificados pelo Ministério da Saúde e do Bem-estar. - Alimentos no formato de cápsulas, tabletes, pó ou líquido usados com o objetivo de fornecimento de nutrientes, quando estes não podem ser obtidos de forma suficiente a partir dos alimentos. [2. Preço dos alimentos saudáveis] Embora os alimentos saudáveis incluam ingredientes e quantidades similares, é comum os preços desses produtos apresentarem grandes variações. As faixas de preço variam de baixos preços a altos preços. Entre os alimentos saudáveis, (1) alimentos com formato normal (I na Figura <Classificação dos alimentos saudáveis>) são os de preço mais baixo e por essa razão preferidos pelos consumidores. O suplemento (4) é caro comparado com os alimentos (1) com formato normal, mas seu preço é mais baixo quando comparado com remédios com os mesmos ingredientes e quantidades. Os preços desse grupo vem decrescendo anualmente. <Referência> Classificação de alimentos e remédios Como os alimentos saudáveis são alimentos e não remédios, deve-se deixar claro sua diferença com os remédios. Deve-se tomar cuidado, pois embora sejam classificados no exterior como alimentos saudáveis, em alguns casos a Lei de Assuntos Farmacêuticos pode restringi-los no Japão. Na classificação de alimentos saudáveis e remédios, como padrão de julgamento existem os quatro tópicos de verificação abaixo, de acordo com notificação de 1971do Gerente de Negócios Médicos do Ministério da Saúde e do Bem-estar. - Uso dos ingredientes Ingredientes restritos ao uso médico não podem ser utilizados em alimentos saudáveis. - Marcação da eficácia É proibido designar na embalagem ou nos documentos que acompanham o produto que esse se destina à cura ou prevenção de doenças ou que tem por objetivo o fortalecimento ou melhoria de funções do corpo, o que seria considerar o reconhecimento de sua eficácia como remédio. Entretanto, no caso de alimentos saudáveis especiais, sua eficácia pode ser indicada. (Refira-se à cláusula anterior). - Similaridade no formato É proibido o processamento em forma similar à de remédios, tais como tabletes ou cápsulas, com exceção de algumas vitaminas ou ervas. Entretanto, quando comerciante julgar necessário para a manutenção de qualidade, devido a algum ingrediente especial, poderá ser processado na forma medicinal. - Similaridade no uso. Geralmente, o uso recomendado não deveria ser o mesmo que a dosagem usada na posologia dos remédios. Entretanto, excetua-se o caso de dosagem específica com certa duração. 7. O Sistema de Distribuição e Práticas de Negócios do Japão (1) Condições do Mercado Japonês No que tange ao tamanho do mercado na área de alimentos saudáveis, é muito difícil depreender as condições atuais, uma vez que a própria definição de alimentos saudáveis é ainda vaga, sendo muitos 110

11 fabricantes e empresas de comercialização desses alimentos negócios de pequeno e médio portes. O tamanho do mercado para o ano de 1998 é estimado em aproximadamente 600 bilhões de ienes, baseado em informações do setor. Entre esses, o tamanho de mercado de vendas porta-a-porta e o mercado de negócios de venda direta por catálogo estão estimados para o ano de 1998 em aproximadamente 435 bilhões de ienes. Embora a recessão tenha produzido efeitos nas vendas porta-a-porta e no mercado de negócios por catálogo como um todo, existem boas condições para negócios de pequeno e médio porte ou empresas novas no mercado, que transacionam basicamente com alimentos saudáveis. O mercado de suplementos é o que mais cresce. Vendas no Japão começaram de forma regular desde os meados dos anos 90, com o mercado crescendo desde então. O atual tamanho do mercado é de 10 bilhões de ienes ou mais e o chega a 30 bilhões ou mais se incluídos os negócios através de catálogos. A razão provavelmente se deve ao fato dos tipos de suplementos estarem aumentando, com a chegada ao mercado de suplementos de tipo composto, como as multi-vitaminas, com várias indústrias (fabricantes farmacêuticos, de moagem ou cosméticos) iniciando no mercado. Os consumidores também cada vez mais se interessam por sua saúde e são levados a comprá-los quando são fáceis de manejar e convenientes. As vendas em lojas, distribuição em lojas de departamentos e lojas especializadas têm se mantido constantes desde Estima-se que o tamanho do mercado em 1998 é de aproximadamente 110 bilhões de ienes, que não deve se alterar no presente ano. Em particular no caso de lojas de departamento, isso se deve em grande parte à contínua recessão, diminuição da área nas lojas destinada a alimentos saudáveis, diminuição dos consumidores e preços mais baixos, que mostram um ambiente de prorrogação de compras como um todo. Nas lojas especializadas, as cadeias de lojas não têm crescido. (2) Canais de Distribuição A distribuição de alimentos saudáveis pode ser a grosso modo dividida em vendas fora de lojas (porta-aporta, vendas por catálogos, etc.) e vendas em lojas. As vendas em lojas são divididas em lojas especializadas para alimentos saudáveis, farmácias, lojas de varejo e lojas de conveniência. (3) Pontos a Considerar ao Entrar pela Primeira Vez no Mercado Japonês Embora os alimentos saudáveis sejam distribuídos no exterior como alimentos, em alguns casos a Lei de Assuntos Farmacêuticos os restringe no Japão. Portanto, é necessário tomar cuidado ao participar desse mercado. Nos casos não regulamentados em lei, é necessário obter permissão de importação e pana comercialização dos produtos. Deve-se tomar cuidado ao importar e comercializar alimentos saudáveis no que se refere às restrições previstas pela Lei de Higiene Alimentar, Lei JAS, Lei de Melhoria Nutricional, Ato contra Prêmios Não Justificados e Representação Enganosas e Lei sobre Vendas Porta-a-porta. Também deve-se tomar cuidado com as freqüentes mudanças nas tendências relacionadas a alimentos saudáveis. 8. Serviço Pós-Vendas As empresas de vendas e fabricantes no Japão preocupam-se com o serviço pós-vendas e o local de atendimento ao consumidor está marcado no produto. Consumidores residentes em centros, etc. consultam cada prefeitura com denúncia por excessiva publicidade e método de venda. Quando for provado que o produto importado infringiu o corpo humano devido ao defeito, o fabricante e importador devem responsabilizar-se, de acordo com a Lei PL. Cuidados devem ser fortemente tomados para o controle de qualidade. 9. Categoria de Produtos Relacionados Bebidas Nutritivas, etc. 111

12 As bebidas nutritivas são vendidas como medicamentos ou não, ou como refrescos, em alguns casos no Japão. A Lei de Assuntos Farmacêuticos restringe medicamentos e outros e a Lei de Higiene de Alimentos restringem os refrescos. As bebidas nutricionais que anteriormente eram tratadas como medicamentos, estão aptas para serem vendidas em lojas de varejo em geral, não como medicamentos. Para esse propósito, a aprovação de cada item tornar-se-á desnecessária, porém a autorização para importação e vendas comerciais é necessária. 10. Importações Particulares Diretas Não há restrição na importação particular direta. Entretanto, quando for distribuída ao público, existem restrições na "Legislação Sanitária de Alimentos". Na importação de alimentos que forem utilizados como medicamentos no Japão, cuidados especiais deverão ser tomados, pois há restrições na quantidade. Para mais detalhes, consulte a Divisão Sanitária de Alimentos, Agência de Saúde Ambiental, Ministério da Saúde e do Bem-estar. 11. Organizações de Importadores e Indústrias - Japan Health Food and Nutrition Food Association (Associação Japonesa de Alimentos Saudáveis e Alimentos Nutricionais) Ichigaya Sadohara cho, Shinjuku-ku, Tokyo TEL: FAX Japan Food Sanitation Association (Associação Japonesa de Higiene Alimentar) Ichigaya Sadohara cho, Shinjuku-ku, Tokyo TEL: FAX

1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos]

1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos] 1 5 Cogumelos [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Cogumelos frescos, resfriados ou secos. Não inclui cogumelos que foram fervidos ou processados de alguma outra forma. Números de HS Commodity

Leia mais

1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos]

1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos] 1 7 Produtos de Origem Apícola [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Abelhas de mel, especificamente, mel natural, geléia real e própolis. Números de HS Commodity 0409.00 Mel Natural 3001.90

Leia mais

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos]

1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1 4 Suco de Frutas [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria 100% suco de frutas. Não indica, entretanto, se há a presença ou não de açúcar e outros adoçantes. Números de HS Commodity 2009.11-110,

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos]

1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos] 1 2 Cerveja [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria A cerveja é uma bebida alcóolica produzida pela fermentação de cevada, malte, lúpulo e água. Números de HS Commodity 2203.00-000 Cerveja

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

1 3 Café [Alimentos e medicamentos]

1 3 Café [Alimentos e medicamentos] 1 3 Café [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Grãos de café (grãos não torrados: nota 1; grãos torrados: nota 2) café instantâneo e extrato de café (nota 3). Números de HS Commodity 0901.11-000,

Leia mais

1 12 Medicamentos Naturais [Alimentos e medicamentos]

1 12 Medicamentos Naturais [Alimentos e medicamentos] 1 12 Medicamentos Naturais [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da Categoria 1) Definição dos Medicamentos Naturais Os medicamentos naturais são componentes de células, excreções, compostos de extratos

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00

RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 RESOLUÇÃO VISA/SMSA-SUS/BH Nº 002/00 Dispõe sobre Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos pertinentes à Área de Alimentos no âmbito do Município. A Vigilância Sanitária Municipal,

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS

REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação REGISTRO DE PRODUTOS NO BRASIL: AVANÇOS E DESAFIOS I Reunião Anual da Vigilância Sanitária de Alimentos 15 a 17 de maio/2007 João Pessoa Amanda Poldi

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS INTRODUÇÃO O Conselho Regional de Nutricionistas da 3º Região, no cumprimento de suas atribuições de orientar e disciplinar a prática profissional dos

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Salvador, 07 de agosto de 2014 COMIDA DE RUA: SEGURANÇA ALIMENTAR E CRITÉRIOS DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA Diretoria de Vigilância á Saúde Vigilância Sanitária SPEIS COMIDA DE RUA: linhas de ação Ambulantes;

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

Suplementos Nutricionais P e Rs

Suplementos Nutricionais P e Rs Suplementos Nutricionais P e Rs Porque que é que a utilização de suplementos pelos atletas representa um problema? Em muitos países, a produção de suplementos nutricionais não está adequadamente regulada

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE COGUMELO AGARICUS BLAZEI MURRIL (HIMEMATUTAKE) NO JAPÃO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE COGUMELO AGARICUS BLAZEI MURRIL (HIMEMATUTAKE) NO JAPÃO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE COGUMELO AGARICUS BLAZEI MURRIL (HIMEMATUTAKE) NO JAPÃO 1. Definição da Categoria "Agaricus

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

2 1 Roupas de Couro [Vestuário]

2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 1. Definição da categoria Trajes feitos de couro bovino, porco ou carneiro. Números de HS Commodity 4203.10-100, 10-200 Roupas de couro 2. Tendências de Importação (1) Tendências

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge

eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge eliminando GORDURA TRANS ARTIFICIAL nos estabelecimentos de Serviços Alimentícios de Cambridge Como Cumprir: O que Restaurantes, Buffets, Vendedores Ambulantes de Alimentos, e outros, precisam fazer www.cambridgepublichealth.org

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002

RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 RESOLUÇÃO N 02, DE 07 DE JANEIRO DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 Resolução nº 263/2005 23/09/2005 RESOLUÇÃO-ANVISA Nº 263, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 DOU 23.09.2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

sinta a beleza... . Ativos na Pele. Concentração Máxima QUEM SOMOS COMPRIMIDOS de colágeno Suplemento de Vitamina C www.sunflower.com.

sinta a beleza... . Ativos na Pele. Concentração Máxima QUEM SOMOS COMPRIMIDOS de colágeno Suplemento de Vitamina C www.sunflower.com. QUEM SOMOS A Sunflower é uma indústria brasileira com mais de 15 anos de experiência no desenvolvimento, produção e comercialização de alimentos funcionais, nutracêuticos e suplementos alimentares. Consolidada

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE BARRAS DE CEREAIS COM RELAÇÃO À ADEQUADA CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TEOR DE FIBRAS ALIMENTARES Karime

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Regulamentação das águas no Brasil (ANVISA) Elisabete Gonçalves Dutra Gerencia Geral de Alimentos LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999 Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ]

2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ] 2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ] 1. Definição da categoria A categoria de calçados esportivos inclui não somente aqueles utilizados em competições atléticas, mas também aqueles para uso informal.

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos]

1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos] 1 1 Vinho [Alimentos e medicamentos] 1. Definição da categoria Destilados derivados da uva e do suco de uva fermentado. Números de HS Commodity 2204.10-000 Vinho Espumante 2204.21-010 Xerez, Vinho do Porto

Leia mais

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013

NORMAS DE ROTULAGEM. Com o Logotipo da Marca Registrada Demeter e Biodinâmico. Revisão junho 2013 NORMAS DE ROTULAGEM Com o Logotipo da Marca Registrada e Biodinâmico Revisão junho 2013 A ser executado por cada país membro até 1 de julho de 2014 Internacional Normas de Rotulagem Internacional junho

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece normas específicas

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos. Calculo de IPI por Pauta para Sorvetes acondicionados em potes de 1 a 2 litros - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos. Calculo de IPI por Pauta para Sorvetes acondicionados em potes de 1 a 2 litros - Federal potes de 1 a 2 litros - Federal 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Instrução Normativa nº 32 de 2012 do Estado

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Brasília / DF 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

FORTIFIQUE O FUTURO. Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech

FORTIFIQUE O FUTURO. Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech FORTIFIQUE O FUTURO Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech A Fortitech foi pioneira, aperfeiçoou e continua avançando em pré-misturas personalizadas de nutrientes. Nos mercados de todo o mundo,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014. 1 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 45, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Alterada pela Resolução RDC n 48, de 25 de setembro de 2014.) D.O.U. de 22/09/2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, LEI Nº 12.128, de 15 de janeiro de 2002 Procedência - Governamental Natureza PL 509/01 DO- 16.826 DE 16/01/02 * Revoga Leis: 11.403/00; 11.463/00; e 11.700/01 * Ver Lei Federal 8.974/95 Fonte ALESC/Div.Documentação

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais 1 No processo de certificação o foco é a garantia da rastreabilidade orgânica da cadeia produtiva INSTITUIÇÃO CREDENCIADORA CERTIFICADORAS VIG./INSP. SANITARIA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Rótulos dos Alimentos * A preservação ou conservação refere-se às formas de modificação dos alimentos e das bebidas a fim de que eles se mantenham adequados para consumo humano por mais tempo......,

Leia mais

Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização

Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização Conab- Companhia Brasileira de Abastecimento Encontro Técnico de Política Agrícola Brasília, 9 e 10 de Feveiro de 2006 Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização Antônio Márcio

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 264, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA CHOCOLATE E PRODUTOS DE CACAU". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

PORTARIA CRN-3 N. 262/2012

PORTARIA CRN-3 N. 262/2012 PORTARIA CRN-3 N. 262/2012 Dispõe sobre critérios a serem analisados e fixados, para que o TÉCNICO EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA assuma RESPONSABILIDADE TÉCNICA e dá outras providências; A Presidente do Conselho

Leia mais

( milhões) Figura 2 Principais Exportadores de Arroz para o Japão

( milhões) Figura 2 Principais Exportadores de Arroz para o Japão I 02 Arroz [Alimentos] 1. Definição da Categoria As estatísticas alfandegárias oficiais classificam o arroz de várias formas, conforme abaixo: Números de HS Commodity 1006 Arroz.10 Arroz com casca.20 Arroz

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000

Food Safety System Certification 22000. fssc 22000 Food Safety System Certification 22000 fssc 22000 CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE SEGURANÇA DOS ALIMENTOS 22000 O esquema de certificação de sistema de gestão da segurança dos alimentos - FSSC 22000

Leia mais

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas infantis para lactentes destinadas a necessidades dietoterápicas específicas e fórmulas infantis

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO CENTRAL DE PEQUISA DE PREÇO CPP/SEINF SHIS Quadra 01 Conjunto B - Bloco A -Edifício Santos Dumont - Lago Sul, Brasília - DF CEP: 71605-001 Telefone: 61 3211 9222 / Fax - 61 3211-9219 E-mail : melquizedeque.coutinho@cnpq.br

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Luana Leticia Brazileiro - Sao Paulo, 27/08/2012 O que vem à mente quando se pensa em PepsiCo? 2 Marcas fortes e portfólio completo 19 US$ 1B

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos FONTE: ANVISA Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos IX - Lista de alegações de propriedade funcional aprovadas

Leia mais

9.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 150/71

9.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 150/71 9.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia L 150/71 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 489/2012 DA COMISSÃO de 8 de junho de 2012 que estabelece as regras de execução do artigo 16. o do Regulamento (CE)

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários;

considerando que os regulamentos técnicos da ANVISA de padrões de identidade e qualidade de alimentos devem priorizar os parâmetros sanitários; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº- 270, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Nº uso

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes!

O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! O que são e para que servem os produtos Diet, Light, Zero e Cia? Tipos de açúcares e adoçantes! Coordenadora e Nutricionista Felícia Bighetti Sarrassini - CRN 10664 * Alimentos Diet: Alimento dietético

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais