POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO: FORMULAÇÃO DE MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO: FORMULAÇÃO DE MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE RESUMO"

Transcrição

1 POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO: FORMULAÇÃO DE MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE Fernando Raimundo Schunig 1 Roberto Antônio Deitos 2 RESUMO Para a implementação de Políticas Públicas em Educação e Prevenção Contra Incêndio e Pânico faz-se necessário a definição de índices numéricos que sirvam de parâmetro para a formulação e avaliação destas políticas. Uma vez definido um índice, será possível a avaliação da segurança da edificação em função das medidas preventivas e mitigadoras do risco de incêndio, assim como seu emprego para a determinação de ações em educação e prevenção, por intermédio de informações simples, de forma visível a todos no momento em que entram em uma edificação, facilmente entendido, mesmo sem um conhecimento das normas vigentes. A utilização de um índice numérico de risco de incêndio e pânico para as diversas edificações, depois de testado e comprovado sua eficiência, poderá ser utilizados amplamente para a formulação e avaliação de políticas públicas em educação e prevenção contra incêndio e pânico. Se a prevenção contra incêndio e pânico for vista com novos olhos, voltados também para a educação das pessoas e orientação dos gestores públicos, com ações muitas vezes simples, como o conhecimento de um índice que indique o grau de segurança de determinada edificação, estará o Corpo de Bombeiros contribuindo para uma sociedade melhor, mais justa e segura. Palavras Chaves: Políticas Públicas, Educação, Prevenção de Incêndio 1 Oficial do Corpo de Bombeiros do Estado do Paraná, mestrando em Educação, Estado e Políticas Sociais na UNIOESTE, campus Cascavel Bombeiro-militar, licenciado em Matemática, Pós Graduado em Engenharia de Segurança Contra Incêndio e Pânico. 2 Orientador, Pós-doutorado na Universidade Estadual de Maringá em Programa de Pós-Graduação em Educação PPE. Supervisão: Dra. Ângela Mara de Barros Lara. Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (1992), Mestrado (2000) e Doutorado (2005) em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, na área de história, filosofia e educação. Pós-Doutorado em Educação (2012) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM - Paraná. Professor Associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel, Centro de Educação, Comunicação e Artes, Colegiado do Curso de Pedagogia. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação ( ). Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional e Social - GEPPES.

2 1420 POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO: FORMULAÇÃO DE MECANISMOS DE AVALIAÇÃO E CONTROLE ABSTRACT For the implementation of Public Policy in Education and Fire Prevention and Panic it is necessary to define numeric indices that serve as a parameter for the formulation and evaluation of these policies. Once defined an index, will be possible to evaluate the safety of the building according to the preventive and mitigating measures risk of fire, as well as its use for the determination of actions on education and prevention, through simple, visibly the all the time when they enter into a building, easily understood even without a knowledge of current regulations. The use of a numerical index of risk of fire and panic to the various buildings, after tested and proven its efficiency, can be widely used for the formulation and evaluation of public policies in education and fire prevention and panic. If the fire prevention and panic is seen with new eyes, also aimed at educating people and orientation of public managers, with shares often simple, as the knowledge of an index indicating the degree of security given building, as will be Fire Department contributing to a better, more just and secure. Key Words: Public Policy, Education, Fire Prevention 1 INTRODUÇÃO Os incêndios sempre foram uma preocupação do corpo de bombeiros, principalmente porque além de grandes prejuízos materiais, acabam ceifando vidas. Assim sendo, o Corpo de

3 1421 Bombeiros trabalha fortemente na prevenção a estes incêndios, que se não forem evitados e combatidos logo no seu início, fica muito complicado a sua extinção. Esse tema, sempre este presente na minha vida profissional, pois desde 1988, quando ingressei nesta corporação, estudo sobre o fogo e suas consequências, é claro, além das demais atividades desenvolvidas pelo Corpo de Bombeiros, que são elas combate a incêndios, busca e salvamento de pessoas e animais, prevenção e ações de defesa civil. O combate a incêndios é uma atividade muito desgastante também para o profissional bombeiro, pois requer muito treinamento e condicionamento físico, pois o bombeiro tem que operar equipamentos pesados, utiliza EPIs 3 robustos para sua proteção e fica submetido a um calor intenso, onde seu desgaste físico é muito maior. Sabendo destas dificuldades, sempre veio a minha mente que os incêndios devem ser evitados, já que o seu combate é difícil, que a única maneira de evitar que eles ocorram é fazendo prevenção, ou seja, evitar que o incêndio ocorra por meio da adoção de medidas que venham a evitar ou ao menos mitigar os seus danos caso ocorra. Na carreira de um bombeiro, muitas são as experiências diárias vividas que reforçam a necessidade de uma prevenção adequada pela adoção de medidas mitigadoras, evitando que vidas sejam ceifadas, que ocorram prejuízos materiais, sociais e ambientais para a sociedade. Desta forma, a preocupação em poder evitar que os incêndios ocorram é sempre constante pelo Corpo de Bombeiros, que possui uma seção dedicada exclusivamente a prevenção de incêndios, que é a BM-7 4. Segundo o Decreto nº 7339, de 08 de junho de 2010, que aprova o Regulamento Interno dos Serviços Gerais da Polícia Militar do Paraná, ao qual o Corpo de Bombeiros esta vinculado, são atribuições funcionais do Chefe da 7ª Seção do Estado Maior: Art Ao Chefe da BM/7 compete: I - realizar estudos, pesquisas e a doutrina dos assuntos de segurança contra incêndios e de explosões e suas consequências; II - elaborar pareceres técnicos atinentes à segurança contra incêndios e explosões; III - elaborar atos normativos relativos aos assuntos de segurança contra incêndios; IV - acompanhar as revisões das normas brasileiras de segurança contra incêndios, promovendo a divulgação no comando intermediário; V - realizar o suporte e o monitoramento do sistema de controle eletrônico de vistorias preventivas contra incêndios do Corpo de Bombeiros; VI - executar, excepcionalmente, por determinação do comandante ou do chefe do EM, vistorias, visando à prevenção a incêndios. 3 Equipamento de proteção individual 4 7ª Seção do Estado Maior do Corpo de Bombeiros.

4 1422 O que infelizmente ocorre é que a BM-7 consegue desenvolver apenas as atividades de análise de PSCIP 5 e a realização de vistorias, não desenvolvendo ações educativas para a população, como parte de ações e programas que deveriam ser permanentemente componentes em políticas públicas nesta área. Mais surge um questionamento: como desenvolver ações educativas de prevenção a incêndios se as normas são extremamente complexas e de conhecimento somente de membros dos corpos de bombeiros e engenheiros que trabalham na elaboração e execução de PSCIP? Como levar estas informações a todos, de maneira a ser facilmente compreendida? Se as pessoas soubessem que um ambiente não é seguro iram frequentar esse local? 2 DEFINIÇÃO DE ÍNDICES A definição de um de trabalhar com índices numéricos que quantifiquem o nível de segurança contra incêndio e pânico de uma determinada edificação, de forma a que as pessoas ao observarem esse índice possam ter a oportunidade de optar em entrar ou não nesta edificação. Seria algo parecido com o que hoje é utilizado quando compramos uma geladeira, que na sua porta traz um gradiente de cores que representam o consumo de energia, onde sem conhecer nada sobre o seu funcionamento, compressor, vedação, dados técnicos em geral, podemos escolher em comprar uma geladeira que consuma mais ou menos energia. Mais somente trabalhar com índice não é o suficiente, é necessário levar esta informação a população, por meio do desenvolvimento de ações educativas, que podem ser desenvolvidas nas escolas em geral, desde a educação básica até a formação em nível superior, como parte de ações em políticas públicas que possam ser desenvolvidas permanentemente pelo Estado. Outro ponto importante e o estabelecimento de políticas públicas voltadas ao problema dos incêndios. Ações nos mais diversos níveis de gerenciamento público e privado devem ser estabelecidas, pois as vidas ceifadas e os prejuízos causados já tornarem-se um problema social, gerando insegurança principalmente após o incêndio da boate Kiss, que mostrou a total 5 Plano de Segurança Contra Incêndio e Pânico.

5 1423 falta de políticas públicas voltadas ao problema, que as vida das pessoas estão expostas a insegurança e a um constante risco, sem sequer ao menos que estas pessoas possam identificar que suas vidas não estão em perigo. 2.1 GRANDES TRAGÉDIAS ANUNCIADAS Quem não se lembra dos famosos incêndios nos edifícios Joelma e Andraus na cidade de São Paulo, nos anos 70? Mais para os mais novos, que nunca ouviram falar em Andraus e Joelma, podemos lembrar a Boate Kiss, no município de Santa Maria no estado do Rio Grande do Sul, aí acredito que fica claro o problema. Será que se aquelas pessoas, na sua maioria jovem, tivessem uma informação antecipada de que a Boate Kiss não apresentava condições seguras relativas a prevenção contra incêndio e pânico teriam entrado no seu interior para participar da festa? Ainda hoje não é informado a estes jovens frequentadores de bares e boates noturnas essa informação, isso não pode permanecer assim. O Corpo de Bombeiros, a quem cabe constitucionalmente a atividade de prevenção e combate a incêndios, deve levar essa informação a população, evitando assim novos incêndios ocorram e mais vidas sejam perdidas. Quando esta informação estiver visível a todos, uma vez deixando de frequentar um local que não possui as condições mínimas de segurança contra incêndio e pânico, optando por um que possua esta segurança, os locais que não possuem condições mínimas vão se obrigar a tê-las, sob o risco de ter seu negócio levado a falência pela falta de frequentadores. De acordo com Schunig (2006), em seu estudo sobre uma nova visão que deveria ter o Setor de vistorias do Corpo de Bombeiros, já existia na época uma preocupação de como atender a demanda de serviços prestados no Setor de Vistorias do Corpo de Bombeiros no Estado do Paraná, com foco na obtenção dos recursos materiais necessários e no treinamento do profissional bombeiro militar para o desempenho das atividades previstas para a BM-7. Nesse estudo, foi constatada a necessidade de atender melhor a população nos serviços prestados pelo Corpo de Bombeiros. O perfil dos incêndios ocorridos no Estado do Paraná no período de 2005 a 2009, com uma análise e coleta de dados sobre incêndios, sendo possível observar que os incêndios estão

6 1424 ocorrendo cada vez mais, pois as edificações cada vez mais acumulam grande quantidade de materiais combustíveis e tornam-se mais antigas. Relata que, de posse do perfil dos incêndios, é possível organizar programas de prevenção contra incêndios e ações educativas em nível local e nacional. (SCHUNIG, 2010) Ainda, conforme relata Schunig (2013), a necessidade da utilização de índices numéricos indicadores de segurança contra incêndio e pânico em edificações, propondo a utilização de índice do Método de Gretener para o estabelecimento de políticas públicas e o uso de indicadores. Conclui que é possível a utilização do índice de risco de incêndio de Gretener 6 para ser utilizado como indicador numérico de Segurança Contra Incêndio e Pânico, porém com alguns ajustes necessários a legislação vigente. O que se observa é que somente o estudo de um índice numérico não seria suficiente para que uma edificação fosse classificada numericamente quanto a sua segurança contra incêndio e pânico, mais sim que este índice além de ser conhecido pelas pessoas, pudesse a promover uma mudança de comportamento e também a implementação de ações educativas e preventivas no escopo de políticas públicas para a área. 2.2 MUDANÇA DE COMPORTAMENTO Para a implantação das medidas citadas na seção anterior, necessitaríamos de uma mudança de comportamento que se espera ser adotada pelas pessoas, mudança esta diretamente ligada a educação, pois é somente desta forma que vamos conseguir que pessoas mudem seu comportamento quando escolherem uma edificação para frequentar, além de que também entendam dos riscos a que estão sendo submetidas, cabendo-lhes a faculdade de decidir qual escolha deve ser feita. Havendo uma mudança no comportamento das pessoas, consequentemente a necessidade do estabelecimento de políticas públicas voltadas ao problema deve ser discutidas e utilizadas na prática como parte fundamental do processo de avaliação e controle de incêndios. 6 Índice de risco de incêndio de Gretener: é o mais difundido método de avaliação de risco de incêndio, leva o nome do engenheiro suíço Max Gretener que o idealizou. Este método considera características que, de modo geral, a legislação brasileira não leva em conta.

7 1425

8 VIABILIDADE DO ÍNDICE Os estudos e incêndios já ocorridos, demonstram que existe a necessidade de estudar a viabilidade da utilização do uso de indicadores numéricos como mecanismo para a avaliação e formulação de políticas públicas em educação voltadas para a prevenção contra incêndio e pânico. Desse modo, ficou delimitado como proposta do estudo ora proposto, o desenvolvimento de uma pesquisa para verificação da viabilidade do uso de indicadores numéricos para a formulação de políticas públicas em educação contra incêndio e pânico, utilizando como índice numérico o obtido pelo método de Gretener, que deve ser testado e avaliado como o índice proposto. Assim, para conclusão do estudo, os seguintes objetivos foram definidos: a) Realizar um estudo teórico dos parâmetros de risco de incêndio originais do Método de Gretener; b) Desenvolver uma planilha eletrônica simplificada para a execução do Método de Gretener; c) Fazer um comparativo entre os métodos de análise de risco de incêndio e pânico qualitativos citados na NPT e o método de Gretener; Assim, o índice de risco de incêndios, depois de estabelecido e testado, representa sim um indicador para segurança contra incêndio em edificações, pois atende a todos os requisitos conceituais e metodológicos, podendo ser útil ao planejamento, representando um grande potencial para a segurança desejada. Ainda, a sua utilização possui limitações consideradas, onde são utilizados diversos critérios, não representando em momento algum qualquer tipo de desvantagem, tornando-se um caminho simplificado para a análise de risco de incêndio, conforme prevê o Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico vigente no Estado do Paraná, podendo sim tornar-se um indicador de sustentabilidade para a formulação de uma política pública. 7 NPT Norma de Procedimento Técnico

9 INDICADORES NA QUALIDADE DE VIDA URBANA A preocupação com a qualidade e vida urbana assumiu grande importância no debate político e científico, devido ao grande desenvolvimento urbano nos últimos anos nas grandes cidades. Desta forma, evidencia-se a incapacidade de modelos de desenvolvimento gerar mais e melhor qualidade de vida; ao contrário disso, além de não conseguir erradicar a ignorância, a violência, a insegurança e a pobreza, agravou-se a situação social e ambiental e consolidaram-se, especialmente nas grandes cidades, enormes disparidades sócio espaciais em todos os aspectos. (VITTE, 2009, apud BUARQUE, 1993) Para Vitte (2009), o grande impulso na elaboração e no uso de indicadores para avaliar o meio urbano foi a criação do Índice de Desenvolvimento Urbano (IDH) 8. Composto por indicadores de condições de saúde, educação e renda da população, o IDH possibilitou a produção de uma hierarquia entre os 194 países considerados na primeira versão, e que vem se alterando a cada período de cálculo. No Brasil, essa tendência também se expandiu, foram elaborados novos indicadores agregados em índices, como no saneamento básico, habitação, transporte entre outros. No tocante a segurança pública nada foi desenvolvido ainda, pois os critérios ainda não são claros. Dentro desta esfera, há também a necessidade da criação de índices de avaliação de risco de incêndios e pânico que venham a mensurar a real condição de segurança das edificações de forma clara e objetiva, através de cálculos e padrões que atendam as 8 IDH significa Índice de Desenvolvimento Humano, uma medida importante concebida pela ONU para avaliar a qualidade de vida e o desenvolvimento econômico de uma população. Anualmente é elaborado o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) com base em três pilares (Saúde, Educação e Renda) que são medidos da seguinte forma: Uma vida longa e saudável (Saúde): expectativa de vida ao nascer O acesso ao conhecimento (Educação): média de anos de estudo (adultos) e anos esperados de escolaridade (crianças) Um padrão de vida decente (Renda): medido pela Renda Nacional Bruta (RNB) com base na Paridade de Poder de Compra (PPC) por habitante O IDH varia entre 0 (nenhum desenvolvimento humano) e 1 (desenvolvimento humano total), revelando que quanto maior a proximidade de 1, mais desenvolvido é o país. (SIGNIFICADOS, 2014)

10 1428 necessidades e a legislação vigente, que sirvam inclusive de parâmetros para adequação das edificações já existentes e que não estão totalmente adaptados a legislação vigente. Assim, a composição de um índice de avaliação de risco de incêndio e pânico é fundamental importância ao planejamento urbano das cidades, de maneira a promover um ambiente seguro para as pessoas. Um indicador para ser destinado a avaliar a qualidade de vida em grandes cidades tem que atender basicamente dois objetivos (VITTE, 2009): a) Servir de fundamento ao planejamento municipal na tomada de decisões que promovam a equidade na distribuição e no acesso da população a bens de cidadania; b) Servir ao monitoramento da qualidade de vida urbana. Os índices e indicadores de qualidade de vida, processos e resultados, bem como as metodologias, podem ser amplamente utilizados pelas universidades, pelo setor privado e público, ONGs 9 e por outros diversos segmentos sociais. Nesse enfoque, a obtenção de índices de risco de incêndio e pânico para as diversas edificações, depois de testado e comprovados sua eficiência, poderão ser utilizados amplamente, resultado em uma edificação mais segura e obviamente numa qualidade de vida melhor para seus ocupantes. 3 CONCLUSÃO A definição de um índice numérico de risco de incêndio e pânico para a utilização como indicador numérico para a avaliação e formulação de Políticas Públicas em Educação e Prevenção Contra Incêndio e Pânico faz-se necessário, pois o problema da falta de indicadores vem ocorrendo a muito tempo sem receber a devida atenção. A composição de um índice de avaliação de risco de incêndio e pânico é fundamental importância ao planejamento urbano das cidades, de maneira a promover um ambiente seguro para as pessoas e a qualidade de vida. O índice de risco de incêndios, depois de estabelecido e testado, representa um indicador para estabelecimento de Políticas Públicas em Educação e Prevenção Contra 9 Organizações não governamentais

11 1429 Incêndio e Pânico, pois atende a todos os requisitos conceituais e metodológicos, podendo ser útil ao planejamento, representando um grande potencial para a educação e prevenção desejada. REFERENCIAIS BUARQUE, C. Qualidade de Vida: modernização da utopia. Ed. Lua Nova, nº 31, p PARANÁ. Decreto nº 7339, de 08 de jun Aprova o Regulamento Interno e dos Serviços Gerais da Polícia Militar do Paraná, Secretaria de Estado da Segurança Pública - SESP. Diário Oficial. Curitiba, 08 de jun p SCHUNIG. F. R. Vistoria Preventiva: uma nova visão, TCC (Epecialização) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, F. R. Perfil dos incêndios em edificações no Estado do Paraná (2005 a 2009), TCC (Epecialização) Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, F. R. Estado e Políticas Públicas: indicador numérico para risco de incêndio e pânico em edificações, TCC (Epecialização) Academia Policial Militar do Guatupê, Curitiba, VITTE. C. C. S; KEINERT. T. M. M. Qualidade de vida, planejamento e gestão urbana. Discussões Teórico-Metodológicas. Rio de Janeiro. Ed. Bertrand Brasil. p , 2009.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL

CURSO DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL CURSO DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL CENTRO DE FORMAÇÃO A BRITOS TREINAMENTOS, é uma empresa com credênciamento junto ao corpo de Bombeiro do estado de São Paulo, conforme a Portaria nº CCB-008/600/14.

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( X ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld

Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld Tema: Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Professor: Jonathan Kreutzfeld O que é IDH? O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa de renda, escolaridade e longevidade para os diversos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº 4.975, DE 2009 (Apensado o Projeto de Lei nº 5.

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº 4.975, DE 2009 (Apensado o Projeto de Lei nº 5. COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº 4.975, DE 2009 (Apensado o Projeto de Lei nº 5.339, de 2009) Estabelece que parte dos recursos captados junto ao Fundo Nacional

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Linha Direta INOVAÇÃO. EDUCAÇÃO. GESTÃO EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Desmistificado, ensino técnico brasileiro passa a ser a possibilidade mais rápida de inserção no mercado de trabalho TECNOLOGIA

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013

Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 1 Ranking das 100 Melhores Universidades Jovens da Terra: versão 2013 Clóvis Pereira UFPR Recentemente foi divulgado por Times Higher Education THE, da Thomson Reuters, a versão 2013 de seu Ranking com

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

Dimensão Econômico-Financeira

Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Econômico-Financeira 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO... 3 INDICADOR 2. ATIVOS INTANGÍVEIS... 5 INDICADOR 3. DEFESA DA CONCORRÊNCIA... 6 CRITÉRIO II GESTÃO...

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? 10 REVISTA RI Abril 2014 Dois meses após a entrada em vigor da Lei de Combate à Corrupção (no 12.846), pesquisas de mercado

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT)

PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) PT03 - Qualidade de vida no trabalho (QVT) BIBLIOGRAFIA Oliveira, Aristeu de. Manual de Salários e Benefícios. 1. ed. São Paulo : Atlas, 2006. Cap. 20 pág. 71 a 73. MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Teoria

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

Tendo a seguinte vaga de: NÍVEL SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO Código I Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto

Tendo a seguinte vaga de: NÍVEL SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO Código I Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto COTAÇÃO PRÉVIA Nº 01/2012 MELHOR TÉCNICA Técnico Responsável pela Coordenação Geral do Projeto Técnico Responsável pela Gestão Administrativa e Financeira do Projeto A FA - Fundação Araripe, em atendimento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 9, DE 0 DE JULHO DE 2015

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO O mundo corporativo tem demonstrado muito interesse nos aspectos que se relacionam à adoção de metodologias de controles internos, motivado

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO 159 A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Valdir Alves de Godoy 1 Severino Bertino Neto 2 Tatiana de Almeida Menicucci 3 Rosana de Oliveira Nunes Neto 4 RESUMO Este

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS

COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS COACHING E MENTORING APLICADOS A PROJETOS CONHEÇA OS FUNDAMENTOS O QUE É O COACHING? Coaching é um processo de aceleração de resultados que consiste no desenvolvimento de competências e habilidades profissionais

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO

GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO GESTÃO ESTRATÉGICA COLÉGIO SESI ENSINO MÉDIO Resumo Denis Pereira Martins 1 - SESI-PR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência Financiadora: SESI PR O Sesi Paraná

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida A metodologia de (ACV) aplicada como ferramenta de gestão Prof. Dr. Bruno Fernando Gianelli 1 As respostas a estas dúvidas não estão fundamentadas em estudos técnicos profundos, que cubram todo o ciclo

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei da Câmara (PLC) nº 33, de 2014 (PL nº 2.020, de 2007, na origem), da Deputada Elcione Barbalho, que estabelece

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

DA DIVERSIDADE À UNICIDADE NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

DA DIVERSIDADE À UNICIDADE NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA DIVERSIDADE À UNICIDADE NA ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maria Elisa Gabardo Tavares FACINTER Faculdade Internacional de Curitiba Resumo Faz-se necessário hoje, e por muitas décadas no futuro, a

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.074, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010 Dispõe sobre os Planos Acadêmicos, Regimes e Horário de

Leia mais

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Histórico Educação para Todos (Dakar, Senegal, Abril de 2000) Seis objetivos de EPT: Expandir e melhorar a educação e os cuidados na primeira infância Universalizar

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP)

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) OBRIGATÓRIAS (6 disciplinas de 60 h cada = 360 h) Estado, Sociedade e Administração Pública O Estado, elementos constitutivos, características

Leia mais