QUAL O LUGAR DAS TRAVESTIS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ? RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUAL O LUGAR DAS TRAVESTIS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ? RESUMO"

Transcrição

1 QUAL O LUGAR DAS TRAVESTIS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ? Elioneide Cardoso Cruz 1 Leyse Monick França Nascimento 2 Leticia Calhau Freitas 3 RESUMO Este artigo trata da pesquisa em andamento, intitulada provisoriamente como Qual o lugar das Travestis nas políticas públicas de educação do Estado do Amapá? e trás como objetivo geral: compreender como a Secretaria de Educação do Estado do Amapá - SEED reconhece e contempla pessoas Travestis nos seus programas, projetos e/ou políticas públicas de ensino em consonância com as legislações nacionais. Mais especificamente, propõe-se a buscar identificar a concepção de gestoras/es da Secretaria de Educação, diretoras(es) escolares, serviço técnico pedagógico, professoras(es), Conselho Estadual de Educação e setores afins, a cerca da relevância do acesso, participação e permanência de pessoas Travestis nas escolas públicas do estado do Amapá. Como as políticas públicas estaduais de educação estão sendo implementadas e por fim, analisar os avanços e desafios dessas políticas em âmbito estadual. Palavras chave: Políticas Públicas. Educação. Travestis. Corpo. Violência. Introdução O presente artigo faz parte de uma pesquisa em andamento que está sendo desenvolvida na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pelo Programa de Pós- Graduação em Educação (PPGE) e orientada pelo Professor Dr. José Jairo Vieira. Nesta pesquisa hora em andamento, que busca investigar as políticas públicas de educação do estado do Amapá. Se suas implementações estão alinhadas com as legislações nacionais (C.F), (PCN s), (LDB), (PNE) bem como identificar a concepção de gestoras (es) da secretaria de educação, gestoras (es) escolares, professores e serviço técnico e setores afins. Seus avanços e desafios no que tange o acesso e permanência de pessoas Travestis na rede estadual de ensino. Decidimos por adotar nomenclaturas e não conceitos teóricos, utilizadas pelo movimento LGBT brasileiro quando nos referirmos às travestis e transfobia. Estas 1 Mestranda na Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ 2 Mestranda na Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ 3 Pesquisadora convidada do Laboratório de Pesquisas, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação LaPEADE UFRJ

2 nomenclaturas são utilizadas pelo Movimento LGBT brasileiro que decidiu por criar um Manual de Comunicação que é resultado do trabalho de militantes e que contou com a colaboração de jornalistas e de outros profissionais ligados de alguma forma ao segmento LGBT. Esse manual, além de explicar didaticamente a terminologia correta a ser usada para falar sobre homossexualidades, lesbianidades, bissexualidades, travestilidades e transexualidades, serve ainda para que profissionais de comunicação não corram o risco de sofrer ações de danos morais e cometer crimes de injúria, calúnia ou difamação (Manual de comunicação LGBT, p. O6 e 07) Diante da realidade brasileira que hora se apresenta nos resultados das 34 pesquisas já concluídas e que serviram de embasamento para o início deste trabalho, percebemos que estas não estão distribuídas de maneira representativa nas cinco regiões do Brasil, porém vêm tratando de vários enfoques que retratam a realidade das Travestis. Diante desses resultados já disponíveis a toda sociedade brasileira, ainda é latente o desafio de se construir políticas públicas que visem minimizar as questões de escolaridade e consequentemente de emprego e renda das Travestis (RONDAS, 2012). Diante desse levantamento podemos observar que a multiplicidade de discursos que marcaram e ainda marcam negativamente a história de pessoas Travestis nas literaturas não científicas, nos meios de comunicação escritos e televisivos, vêm sendo reproduzidos nas e pelas instituições sociais a exemplo das escolas públicas e das famílias. As décadas de ausência de interesses políticos em construir políticas públicas para o segmento LGBT no Brasil, ao mesmo tempo em que ganham repercussão por meio destes mesmos canais, passaram a despertar o interesse das Universidades, que os adotaram (gays, lésbicas, travestis e transexuais) como objeto de estudos acadêmicos, trouxeram, à luz da ciência, outro olhar em perspectiva desses atores sociais que desafiaram pesquisadoras/es de vários países e, mais especificamente no Brasil, há mais de trinta anos. Pessoas Travestis, ao longo de suas existências, foram (e ainda são) retratadas em jornais, revistas, e programas de humor como seres a quem são dispensados pouco ou nenhum respeito no que diz respeito à sua dignidade humana. São geralmente transformadas em motivos de piadas das mais desqualificadoras possíveis e retratadas em caricaturas que estigmatizam ainda mais esse grupo. Esses discursos, reproduzidos nas e pelas instituições sociais deixaram, por muitas décadas, as Travestis na invisibilidade, ocultando outras realidades, como, por

3 exemplo, o fato de que pessoas Travestis que encontraram estratégias próprias para permanecerem nas instituições escolares, suportando violências de toda ordem, concluíram alguma etapa da educação básica e tiveram suas realidades modificadas consideravelmente. Ademais, essas pessoas buscaram (e seguem buscando) ingresso no mercado de trabalho formal e informal, o que, muitas vezes, resulta em garantia de renda. Contudo, em outros casos, na sua maioria, elas não conseguem emprego pela equivocada compreensão de que Travestis estariam relegadas apenas a serviços ligados a prostituição. Segundo Rondas (2012): No caso das travestis, além do reconhecimento e valorização no mercado de trabalho, a valorização profissional é também uma forma de reconhecimento e aceitação do seu modo subjetivo e diverso de ser pela sociedade (p. 15). No Brasil as Travestis com pouca escolaridade são destinadas a trabalhos com baixa remuneração, mas já é possível encontrarmos registros narrativos de Travestis ocupando funções no serviço público, tais como nas Universidades. Entretanto, isso não significa que, nestes lugares e nesta função, elas estejam livres de assédios e transfobia 4. As políticas públicas educacionais destinadas a esse grupo no Brasil são pautas prioritária nas agendas dos movimentos sociais organizados por Travestis e Transexuais, o que recentemente resultou no primeiro projeto destinado exclusivamente a elas, no estado de São Paulo, intitulado Projeto Trans-cidadania 5. Uma breve contextualização de um Brasil reconhecidamente diverso e politicamente controverso De um Brasil colonizado, catequizado, cristão, miscigenado, monárquico, republicano, ditatorial, redemocratizado a um Brasil reconhecido mundialmente pelo seu mito da brasilidade, tal como afirma Jessé de Souza (2009) em sua obra intitulada Ralé Brasileira: quem é e como vive, foi é ainda é hoje o Brasil das negligências de seus próprios processos políticos e educacionais e que nas últimas décadas reivindica nada mais nada menos do que direitos humanos para uma grande parcela de sua população: mulheres, negros, indígenas, pobres, idosos, jovens, crianças, deficientes, lésbicas, gays, 4 Termo criado para representar a rejeição e/ou aversão às transexuais, relacionado às ações políticas diferenciadas do movimento LGBT, 5 Disponível em: 0

4 transexuais e travestis. Diante disso, o Estado brasileiro é chamado a prestar conta dos postergados direitos históricos à educação para todas e todos. O Brasil vem construindo, ao longo da história de suas legislações educacionais e de suas políticas públicas, um cenário notório de segregação, no que diz respeito a vários grupos de minorias e, dentre eles, aqueles considerados diferentes, transgressores da moral e relegados ao lugar da escuridão : as Travestis. As políticas, as legislações educacionais brasileiras e a moralidade frente aos direitos inalienáveis (como o direito à vida, por exemplo) travam uma batalha histórica que nos convida a todas/os a refletir: qual o legado político-social-educacional que os agentes públicos do século XXI têm por desafio contribuir, na segunda década deste século? visto que este acúmulo segregador é histórico, cultural e indiscutivelmente estrutural. que: Diante deste questionamento, Shiroma, Moraes e Evangelista (2007) observam Compreender o sentido de uma política pública reclamaria transcender sua esfera específica e entender o significado do projeto social do Estado como um todo e as contradições gerais do momento histórico em questão[...] Temos a convicção de que as políticas educacionais, mesmo sob semblante muitas vezes humanitário e benfeitor, expressam sempre as contradições suprarreferidas. Não por mera causalidade. Ao longo da história, a educação redefine seu perfil reprodutor/inovador da sociabilidade humana. Adapta-se aos modos de formação técnica e comportamental adequados à produção e a reprodução das formas particulares de organização do trabalho e da vida. O processo educativo forma as aptidões e comportamentos que lhes são necessários, e a escola é um dos seus loci privilegiados (SHIROMA, MORAES e EVANGELISTA, 2007). O Brasil que carrega o título de possuir as maiores riquezas naturais e as mais cobiçadas do planeta, mas que contrário a isso, acumula a triste estatística de ser um dos países mais violentos do mundo, o que certamente transforma o cenário brasileiro em um lugar reconhecidamente diverso e politicamente controverso, no qual iremos mergulhar pontualmente nesta pesquisa, tendo como referência o Estado do Amapá. Embora no Brasil não existam estatísticas oficiais organizadas pelas secretarias de segurança pública a respeito de violência contra o público LGBT e, mais especificamente, com o foco nas Travestis, o que em si já é um grande problema, sabemos que a homofobia - aversão a gays, lésbicas, travestis e a transexuais é pratica cotidiana no Brasil, seja em casa, na rua, no trabalho, nos meios de comunicação ou em todas as instituições, inclusive (e principalmente) nas escolas. Podemos constatar por meio de dados coletados da pesquisa Diversidade Sexual e Homofobia no Brasil, realizada pela Fundação Perseu Abramo- (FPA) em

5 parceria com a Fundação Rosa Luxemburgo Stilfung - (FRL) nos anos de 2008 e 2009, que sinaliza para o desafio cada vez mais central nas escolas brasileiras, o da violência homofóbica. A descriminação contra o grupo LGBT e, principalmente, contra o grupo das Travestis no Brasil é grave, reproduzindo grande parte dos estigmas que motivam as ações, ora de violência, ora de segregação total desse grupo, culminando, segundo as próprias, na evasão escolar, por muitas vezes de forma definitiva. Levando isso em consideração, Oliveira (2014) destaca que: Ao longo das últimas décadas a sociedade brasileira vem convivendo com o aumento da violência e da criminalidade e, nesse contexto, surgiu um elemento novo, o assassinato de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros (LGBT). Indivíduos pertencentes a um seguimento social estigmatizado passaram a figurar entre vítimas de crimes brutais e recorrentes. (Oliveira, 2012, pag.15). Destacamos, ainda, que, apesar das visíveis mudanças no comportamento social da população brasileira nas últimas décadas, e com grande parte destas conquistas atribuída aos movimentos sociais, a escola ainda hoje é um ambiente conservador, tradicional e hostil à permanência das Travestis. No entanto, já podemos considerar que, no Brasil, algumas Travestis que encontraram estratégias de permanência nos ambientes escolares, concluíram o ensino fundamental e médio, chegaram ao ensino superior e protagonizam em outros cenários públicos ações de destaque. Isso comprova que essa realidade invisibilizada pelo discurso de inferiorização, aponta para o desafio de que, embora considerada um ambiente hostil, a escola e outras instituições podem e devem (re)significar suas culturas, políticas e práticas, como sugere Santos (2008), canalizando para si, por meio de políticas de Estado, parte da responsabilidade que é sua por definição e dos demais componentes dos sistemas educacionais, sistemas correlatos e parceiros, tal como afirma Torres (2013). No que diz respeito à educação, são várias as instâncias que contribuem para definir o que se pode admitir para que a escola torne-se mais democrática. Os Conselhos de Educação, os movimentos sociais, os grupos religiosos, as ciências e, por fim, o Estado, este, como um grande mediador e regulador, é representado pelas Secretarias de Educação dos estados e dos municípios e pelo Ministério da Educação. Contudo, os consensos entre essas instâncias geralmente são bastante frágeis e de curta duração. Novas demandas na área das sexualidades sempre aquecem os debates, como por exemplo, o uso do nome social de travestis e transexuais no diário de classe. Em várias localidades as Secretarias de

6 Educação sancionaram portarias permitindo o uso do nome social, uma decisão que geralmente advém de diálogos com conselhos de Educação e movimentos sociais, entre outros (TORRES, 2013, p.11). Na tentativa de minimizar todos os tipos de exclusões, governos de 164 países reuniram-se no ano de 2000 em Dacar, Senegal, para avaliar os progressos realizados desde a Conferência Mundial de Educação para Todos, organizada pela Organização Mundial das Nações Unidas para a Educação, a ciência e a cultura UNESCO, em Jomitien, entre cinco e dezenove de março de Nesta conferência foi reafirmado o direito de todos à educação e à aprendizagem ao longo de toda a vida no campo das Políticas e Práticas da Educação. O Relatório de Monitoramento de Educação para Todos do ano de 2008, no tocante a questões de gênero, além da paridade de participação na educação, também se espera igualdade de tratamento e de condições para homens e mulheres no ambiente educacional. O destaque atribuído ao tema gênero neste documento aponta um avanço nas questões de igualdade entre homens e mulheres, porém não ficou explícito que este tratamento seria extensivo a todas as orientações sexuais, o que nos remete imediatamente a uma reflexão a respeito da dificuldade que as sociedades apresentam quando se trata da população aqui pesquisada, as Travestis. É verificada, assim, a não preocupação e o não reconhecimento explícito da diversidade sexual que está presente em todas as sociedades e em todas as instituições Educacionais, retificando a heteronormatividade no documento e a invisibilidade de sujeitos com orientação sexual diversa. É com o intuito de (des)construção e (re)elaboração de novos discursos políticos-institucional e de (des)construção dos estereótipos que cercam a vida das Travestis que nos propusemos a investigar as políticas educacionais existentes no campo administrativo da Secretaria Estadual de Educação do Amapá voltadas para a erradicação dos estigmas deixados pelo surgimento da AIDS. Dessa forma, Andrade (2002) apud Freitas (2010) relata que nós todos intuíamos que não havia apenas uma epidemia, havia uma ou outra trabalhando em conjunto [...]. Era uma epidemia discursiva, um recrudescimento dos preconceitos e das discriminações contra gays (p. 19), passando a nos desafiar cotidianamente no campo das subjetividades e das pesquisas científicas.

7 Travestis e pesquisa científica em contexto nacional Ao nos debruçarmos num prévio levantamento de pesquisas já concluídas no Brasil, obtivemos como resultado um total de trinta e quatro (34) trabalhos, entre dissertações e teses, nos anos de 2004 a Neste levantamento, foi possível observar que em todos os resultados, independente da área do conhecimento, pessoas Travestis aparecem em condições desumanas, com baixa escolaridade, a maioria sem concluir o ensino fundamental (SHIMURA.2012). Moram em grupos, com quase ou nenhum direito garantido, inclusive o de vida. Ademais, elas geralmente são mortas de forma violenta, possuem uma expectativa de vida abaixo dos 36 anos, revelando que o Brasil é o primeiro no ranking mundial com o maior número de assassinato de Travestis. Neste recorte temporal, inicialmente, também foi possível observar que as pesquisas encontradas no contexto das políticas públicas, ainda não estão distribuídas numericamente de maneira representativa em todas as cinco regiões brasileiras (Norte, Nordeste, Centro-oeste, Sudeste e Sul). A região Sudeste aparece com o maior número de produções científicas num total de vinte e uma (21), seguida pela região Sul, Nordeste, Centro-Oeste. Em último lugar aparece à região Norte, com apenas duas pesquisa realizada no estado do Pará, sendo estas duas dissertações de mestrado (JUNIOR, 2011 e SOUZA, 2012), o que nos desafiou a pensar em uma pesquisa voltada para o estado do Amapá, no intento de contribuir com os dados já existentes que retratam a vida de pessoas Travestis de norte a sul do país, bem como buscar conhecer os desdobramentos das políticas públicas de educação, com foco específico nas pessoas Travestis, suas implementações, avanços e desafios. A tabela a seguir representa a distribuição das 34 pesquisas levantadas com o intuito de descobrir o que já existia na literatura acerca de políticas públicas entre 2004 a 2014: Tabela 01: Pesquisa por região brasileira Regiões Teses Dissertações Norte 0 2 Nordeste 1 5

8 Centro-oeste 0 4 Sudeste 4 17 Sul 1 6 Total 6 34 Com base nesse levantamento, é seguro afirmar nesta etapa do desenvolvimento de nossa pesquisa é que os estudos já concluídos nos apontam que a situação para a maioria das travestis brasileiras é a mesma, a de abandono por parte do Estado brasileiro e desprovimento dos benefícios e direitos constitucionais, o que as obriga a viverem em grupos para se auto-protegerem (KULICK, 2008) de ameaças de toda ordem, e, principalmente, de espancamentos, que chegam à subtração de suas vidas. Isso acontece pelo fato de serem travestis, por fundamentalismo religioso, pela negação das diferenças e pelo que se julga entender por homem e mulher, sexualidade, natural, pecado, crime e outras justificativas que segregam as travestis há décadas no nosso país. Ademais, isso é reforçado pela negligência do Estado brasileiro em se empenhar em construir políticas públicas universalistas que desconsideram as minorias desiguais. De acordo com Melo, Brito e Maroja (2008), contudo, [...] é necessário reconhecer que políticas universalistas são fundamentais, mas não suficientes para evitar que a homofobia institucional exclua a população LGBT dos serviços de assistência oferecidos pelos diferentes órgãos governamentais, nas esferas municipal, estadual e federal, particularmente quando essas pessoas não correspondem aos fenótipos de gênero convencionais, a exemplo de travestis, transexuais, homens efeminados e mulheres masculinizadas, o que muitas vezes gera situações de vulnerabilidade social no âmbito de instâncias fundamentais da vida social, como família, trabalho e serviços de educação, saúde e segurança, como destacaram várias ativistas entrevistadas. (p.421) No começo de 1995, duas casas da rua São Francisco eram habitadas exclusivamente por travestis. Havia outras duas casas, onde travestis ocupavam apenas o primeiro pavimento. Os outros eram ocupados por famílias ou pessoas sozinhas. Foi em uma dessas duas casas que eu residi durante parte da pesquisa. Tudo somado, havia sempre em torno de 35 travestis vivendo na rua São Francisco.O que significava que a rua era o local de maior concentração[de residências] de travestis na cidade. [...] apesar das condições de vida quase insalubres, os preços do aluguel dessa casa, assim como de outros imóveis, no entorno da rua São Francisco eram altos[...] (p. 41). Trilhar um caminho que consideramos pouco explorado, a vida escolar das travestis no estado do Amapá, certamente não deverá ser algo muito fácil, visto que aproximar-se desse grupo na cidade de Macapá não foi, até o presente momento, algo explorado cientificamente. Dessa forma, o que podemos nos aproximar, com base nas

9 teses e dissertações aqui levantadas, é que as Travestis deixam o convívio de suas famílias e das escolas, em uma idade ainda bastante prematura, se considerarmos que outros adolescentes (na faixa etária entre 13 e 17 anos) ainda se encontram cursando a educação básica e que muitos ainda residem com suas famílias. Para as Travestis essa separação acontece mais cedo e, na maioria das vezes, se dá por expulsão de seus pais, sendo, pois, em poucos casos pela decisão das próprias de abandonar seus lares. Nos dois casos essa separação é motivada pela ideia de que seus pais jamais compreenderiam suas orientações sexuais e identidades de gênero, levando-as, prematuramente, a uma enorme e incontestável vulnerabilidade social. Esses e outros fatores as colocam numa situação ainda mais preocupante, no que se refere às doenças, condições de existência precária (em todos os sentidos) e, principalmente, no que se refere à escolaridade e mercado de trabalho. De acordo com uma pesquisa realizada por Shimura (2012) no estado do Paraná, a qual nos trouxe grandes contribuições, pode-se dizer que: [...] objetivou com sua pesquisa compreender como travestis vivenciaram o período escolar, seus anseios, preferências, sonhos e fragilidades, a família, as amizades, o trabalho e experiências. Embora o Período escolar e a comunidade escolar seja parte essencial desta pesquisa, no processo de resgatar as memórias desse período da vida se misturam com o tempo presente, ou seja, as entrevistadas ao rememorarem o passado, tornaram-no próximo do presente, pois suas identidades sociais, de gênero e a orientação sexual estavam em construção (introdução). Ainda sobre a realidade de vida escolar e mercado de trabalho de Travestis, reveladas por outras pesquisas em outras regiões brasileiras, podemos notar várias mostras de que suas condições socioeconômicas não diferem muito de uma região para outra. (Re) ações negativas, oriundas de indivíduos das mais diferentes classes sociais, fazem da existência das Travestis uma verdadeira batalha cotidiana. Primeiramente, isso acontece na luta pela manutenção da vida, pela sobrevivência alimentar, de lazer, saúde, moradia, trabalho e educação. Tudo ao mesmo tempo e sem necessariamente compreender a uma ordem, o que não significa que todas as travestis, indistintamente, no Brasil, necessitem igualmente de tais assistências e recursos, pois temos relatos e exemplos de pessoas Travestis que encontraram diversas formas de garantir renda e que estão tanto no mercado formal como informal, porém a maioria, muito raramente, consegue conciliar trabalho e vida escolar.

10 Vivian está poderosa no tubinho preto. Ao encontrar com Tiago Duque, se mostra contente, pois não se viam desde que ele havia encerrado seu campo anterior ali no Sucão. E aí, mona?. Ela conta que largou a escola, não conseguiu conciliar com o trabalho; neste, segue firme, de carteira assinada. Por isso só tem se montado nos finais de semana, e aproveita para perambular pela Praça antes de ir para a Avenida Aquidaban, ponto tradicional de prostituição travesti em Campinas. É uma adrenalina que coloquei na minha vida, comenta referindo-se ao fato de fazer pista 23 eventualmente. Conhecendo um pouco Macapá, capital do estado do Amapá Macapá é a capital do estado do Amapá. Nosso estado possui uma área territorial de km² e está localizado na região norte do Brasil. Macapá é conhecida como Pérola da Amazônia por ser a única capital brasileira banhada pelo imenso rio amazonas. Com a então elevação do território Federal do Amapá a estado em 1988, a dinâmica social dessa capital passou a se modificar gradativamente com o fenômeno das migrações. Segundo o censo demográfico do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2010, a cidade de Macapá possui uma população de habitantes. Diante das mudanças geopolíticas, o estado do Amapá já acumula graves problemas sociais como os de qualquer estado brasileiro, o que trouxe desafios para todos os setores da administração pública e, principalmente, para a educação. Para mantermos o foco na questão a que esta pesquisa se propõe, passaremos a descrever o lugar onde o primeiro grupo de Travestis apareceu pela primeira vez, há aproximadamente uma década, na capital Macapá, a fim de obtermos um melhor entendimento acerca sobre onde devemos manter o olhar sobre o que nos levou a formular a questão problema. Situaremos as Secretarias de Educação, Segurança Pública, a Assembleia Legislativa do Estado e algumas escolas de ensino médio em seu entorno, na tentativa de aproximar a leitora/or do cenário simbólico onde se encontram o grupos de Travestis. O centro administrativo da capital Macapá fica localizado na principal avenida que divide a cidade ao meio nas zonas norte e sul, de nome Avenida FAB, fazendo referência à Força Aérea Brasileira. No seu lado esquerdo, sentido continente-rio amazonas, se encontra a Secretaria de Estado da Educação SEED, onde estará concentrada parte de nossa pesquisa. Do outro lado da mesma avenida e no mesmo quarteirão, sentido diagonal a Secretaria de Educação, está a Assembleia legislativa do estado, esquina com a Rua Leopoldo Machado, primeiro local onde passamos a

11 observar o aparecimento de grupos de Travestis, apenas no horário noturno, supostamente em atividade de prostituição. Fenômeno este que já se espalhou para outras esquinas de outros bairros da capital Macapá. Nesta mesma Avenida FAB, encontram-se várias escolas de ensino fundamental e médio e, noutra Avenida paralela a ela, a Avenida Procópio Rola, está localizada a Secretaria Estadual de Segurança Pública e outras secretarias que formam o centro administrativo do Estado do Amapá. É neste cenário simbólico, somado à observação empírica de que é bastante incomum encontrar Travestis frequentando escolas da rede pública de ensino do estado, foi que passamos a questionar esse lugar no qual se encontram as Travestis e se há políticas públicas de educação que as contemplem. Buscaremos, deste modo, encontrar respostas que nos revelem se existem ou não ações de políticas públicas, alinhadas com legislações nacionais, destinadas a esse grupo e quais são os avanços e desafios dessas ações educacionais. Assim, partimos da hipótese de que as escolas públicas do Amapá revelam-se ambientes hostis à permanência de Travestis e que praticas de violência são perpetuadas por ausência de políticas públicas que possam garantir suas permanências até a conclusão de alguma etapa da educação básica. Desta forma, buscaremos evidências que comprovem (ou não) se existe alguma relação entre as narrativas (ainda) extraoficiais de violência sofrida por Travestis no ambiente escolar com a, até então, ausência de ações de políticas públicas e o aparecimento desse grupo, no período noturno, fora das escolas e no entorno da Secretaria de Educação e da Assembleia Legislativa. Neste contexto, é provável que suas presenças nos arredores da Assembleia Legislativa e das Secretarias de Educação ainda não tenham sido motivo de questionamentos pelos agentes públicos ou que suas ausências do ambiente escolar também ainda não tenham sido problematizadas, pelo simples fato de se tratarem de sujeitos com corpos excêntricos, avessos à norma, denominadas socialmente de Travestis. Considerações finais Com o meu constante contato com pessoas Travestis, por conta de minha trajetória pessoal e da militância no movimento LGBT brasileiro, foi que passei a me dar conta da realidade empírica das inúmeras narrativas de que todas as Travestis, as

12 quais conheci e/ou mantive algum contato, indistintamente, declararam que tiveram seus corpos violentados dentro das escolas, o que por muitas vezes, segundo elas, ocasionou suas evasões escolares. Diante desses relatos por nós socializados, nos ocorreram os seguintes questionamentos: Se encontramos poucas Travesti matriculada nas escolas públicas da rede estadual de ensino do Amapá, o que, consequentemente, as impede de ingressar no ensino superior, onde estariam as Travestis nas ações de políticas públicas educacionais no estado do Amapá? Além disso, constatamos que, no período noturno, um fenômeno aparece com a existência de Travestis expondo seus corpos nos arredores da Secretaria de Educação e, mais precisamente, no entorno da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá, supostamente em atividade de prostituição. Logo outro questionamento se deu. Por quê é mais comum que a sociedade brasileira e, no caso do presente artigo, a amapaense, tome conhecimento da existência das Travestis por nota de falecimento ou em matérias jornalísticas, como vítimas de crimes de ódio, do que como candidatas nas listas de aprovações no ENEM 6? É com essa motivação investigativa que nos propusemos à realização desse artigo, baseado nesta pesquisa, partindo da hipótese de que as Travestis, na sua maioria, não suportam o violento cotidiano escolar pela ausência sistemática de políticas públicas educacionais que combatam a violência e que oportunizem a toda comunidade escolar participar de uma (re) elaboração coletiva de seus projetos políticos e, consequentemente, de seus currículos, de modo que modifiquem suas culturas, suas políticas, (re)significando, assim suas práticas e evitando a reprodução de um ambiente que não admite e nem reconhecem as Travestis como sujeitos de um direito constitucional e universal que é a Educação. Referências BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de São Paulo: Saraiva, Lei de Diretrizes e Bases de Educação Nacional, nº 9.394/96.. Plano Nacional de Educação - PNE. Brasília - DF: reimpressão, Exame Nacional do Ensino Médio

13 FREITAS, J. G. de O. No quadro: o tema diversidade sexual na escola com foco na homossexualidade. Nas carteiras escolares: os professores. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: UFRJ, MARTINS, H. H. T. de S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Universidade de São Paulo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p , maio/ago, SOUZA, J. Ralé Brasileira: como é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª Ed. Novo Hamburgo: Feevale, RONDAS, Lincoln de Oliveira. Valorização profissional de travestis: das estratégias pessoais às políticas de inclusão. Dissertação de mestrado, Belo Horizonte: UNA, SANTOS, M. P. dos; PAULINO, M. M. Inclusão em Educação: culturas, políticas e práticas. 2ª ed. São Paulo: Cortez, TORRES, M. A. A diversidade sexual na educação e os direitos de cidadania LGBT na Escola. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora; Ouro Preto, MG: UFOP, (Série Cadernos da Diversidade).

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola.

2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. 1 Histórico 2010 - Iniciativa global Out of School Children Pelas Crianças Fora da Escola. No Brasil - Acesso, permanência, aprendizagem e conclusão da educação básica na idade certa com Campanha Nacional

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida

Estrutura e Funcionamento da Educação Básica. Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Estrutura e Funcionamento da Educação Básica Prof. Me. Fabio Fetz de Almeida Pauta da aula: (02-30) Educação Especial; Princípios da educação nacional; Análise dos dados referentes à Educação no Brasil;

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR É É importante que as pessoas se sintam parte de um processo de melhoria para todos Luiz Fábio Mesquita PROEN 2011 Luiz Alberto Rezende / Tânia Mára Souza / Patrícia

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO

Autor (1); S, M, R INTRODUÇÃO PROJETOS EDUCATIVOS E AS RELAÇÕES ÉTNICOS-RACIAIS: DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES PRODUZIDOS NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS NÃO- FORMAIS E O SISTEMA DE ENSINO BÁSICO ESCOLAR INTRODUÇÃO Autor (1); S, M, R Universidade

Leia mais

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos

Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos Plano de Ação de Educação em Direitos Humanos 1 - Diagnóstico População do Estado de Goiás: 5.647.035 87,88% urbana 12,12% rural IDH de Goiás: 0,800 50,18% mulheres 49,82% homens 43,6% brancos 50,9% pardos

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

AGENDA DE ENFRENTAMENTO

AGENDA DE ENFRENTAMENTO AGENDA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS JUVENTUDES novembro 2012 INDIGNAÇÃO Será preciso maltratar e dizimar toda uma geração para que a violência contra as juventudes se torne visível? ENTENDIMENTO

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais