UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CECH DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC SÃO CARLOS 2011

2 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UFSCar CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CECH DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS DA EDUCAÇÃO E O ESPAÇO ESCOLAR: A VISÃO DO MACRO E DO MICRO Monografia apresentada ao curso de Licenciatura em Pedagogia. Aluna: Thais Elena Lotumolo Orientadora: Profa. Dra. Maria Cecília Luiz. SÃO CARLOS 2011

3 Parecer 3

4 4 Dedico este trabalho a todas as pessoas que me apoiaram e incentivaram durante as aprendizagens e conhecimentos que o curso de Licenciatura em Pedagogia me proporcionou.

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço meus pais, Elza e Tadeu, pelo constante incentivo, apoio, carinho e amor durante todo o meu período de escolaridade, principalmente, na trajetória do curso de Licenciatura em Pedagogia. Vocês são únicos e essenciais. Agradeço a todas as pessoas que estiveram presentes no decorrer de minha graduação e que de alguma maneira contribuíram para a aquisição de novas aprendizagens e experiências em minha formação como docente. Agradeço a professora Maria Cecília Luiz pela orientação nos estudos, proporcionando meu crescimento profissional e pessoal.

6 6 RESUMO A seguinte monografia apresentada ao curso de graduação em Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal de São Carlos UFSCar apresenta como meta discutir as políticas públicas educacionais, propondo indagações sobre essa questão no meio educativo. Dessa forma, articulada as mesmas está presente o entendimento da participação, da gestão democrática e da autonomia nas instituições de ensino. Todas as temáticas que serão discutidas possuem a finalidade de repensar a educação e promover novas posturas que origem sujeitos reflexivos e críticos para atuarem na sociedade em vigor. Palavras-Chave: Políticas Educacionais. Gestão Democrática. Participação. Ensino.

7 7 SUMÁRIO Introdução... 7 Seção I - Cultura Organizacional: Embasamentos Para Uma Compreensão Teórica Conceito de cultura organizacional Gestão educacional e os modelos organizacionais Elementos constituintes da cultura escolar: delineadores das tomadas de decisão A organização da escola: zona de visibilidade e invisibilidade Relações de poder no ambiente escolar Seção II: Gestão Democrática e a Função da Escola: A Articulação entre as Políticas Públicas de Educação Gestão democrática na legislação educacional brasileira: um breve panorama Da administração a gestão escolar: perspectivas e conceitos Seção III - Políticas Públicas de Educação e a Realidade no Espaço Escolar A perspectiva das políticas públicas da educação nos últimos anos: função da escola e qualidade do ensino Gestão democrática e a autonomia da escola: a questão da participação no cotidiano escolar Participação representativa ou participativa: qual a diferença? Considerações Finais Referências Bibliográficas... 52

8 7 Introdução A presente monografia que apresenta como foco a discussão sobre as políticas públicas educacionais é um dos requisitos para a formação no curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal de São Carlos UFSCar. Para tanto, esse estudo é orientado pela Professora Doutora Maria Cecília Luiz, pertencente ao Centro de Educação e Ciências Humanas e ao Departamento de Educação. Será apresentado um estudo teórico sobre a temática das políticas públicas, assim como de temas correlatos a mesma, como a participação, a gestão democrática, a relações de poder, a autonomia e a cultura escolar, compondo um melhor entendimento do contexto da organização educativa. O trabalho em questão está divido em três seções que trazem aspectos relevantes para um repensar sobre as instituições educativas. Nesse sentido, a primeira seção promove a compreensão da cultura organizacional das unidades escolares, buscando o entendimento dos valores e crenças que compõem esses espaços. Assim, atrelada a cultura específica de cada escola, é possível compreender as relações de poder que se constituem e a concepção de gestão do espaço educativo, enfim, qual o tipo de formação de sujeitos está sendo promovido. Já na segunda seção dessa monografia, a partir do conhecimento dos modelos organizacionais da escola a discussão será focalizada na gestão democrática, bem como na função da escola no âmbito da atualidade, tendo como aporte a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB 9694 /96 será discutida a trajetória da gestão democrática no meio educativo. Na última seção desse estudo será mostrado um breve panorama histórico das políticas públicas educacionais, relacionando como as escolas se articulam com as mesmas, além de evidenciar a gestão do ensino, as relações de autonomia e de participação nas instituições de ensino e aprendizagem. O trabalho será concluído através da retomada da diversidade de ideias, pensamentos e reflexões, promovendo um repensar sobre o processo educativo atual e sobre novas propostas e meios organizativos que se fazem necessários para a busca de

9 8 uma educação de qualidade e significativa para as pessoas, contribuindo para que exerçam a crítica e reflexão. Essa monografia é uma maneira de compartilhar os saberes adquiridos durante a graduação no curso de Licenciatura em Pedagogia, articulando os conhecimentos inerentes ao contexto educacional, principalmente os relacionados com a gestão escolar. Portanto, é o esforço de contribuir para a integração de todas as aprendizagens e experiências práticas e teóricas adquiridas durante quatro anos de estudos.

10 9 Seção I - Cultura Organizacional: Embasamentos Para Uma Compreensão Teórica Considerando a reflexão que é feita constantemente sobre o processo educacional em diversos aspectos, esta seção promove uma discussão sobre a questão participativa no ambiente educativo, assim como sobre os modelos de organização escolar e a verdadeira gestão democrática, sendo relevante analisar à cultura escolar e o poder presente nas organizações educativas. Estes componentes do cotidiano educacional originam um pano de fundo para as futuras discussões que permeiam as políticas públicas e a qualidade do ensino Conceito de cultura organizacional Para discorrer sobre a cultura organizacional presente nos contextos educativos, é essencial promover um espaço de reflexão sobre o significado do conceito de cultura. Nesse sentido, Philippe d Iribarne (apud MOTTA, 1997) caracteriza esse conceito de forma relevante, já que compreende a cultura como linguagem, como um meio de oferecer sentido ao mundo e as ações, portanto, ela exerce influência, classifica e ordena os grupos sociais. Esse panorama inicial nos leva a pensar sobre tais características dentro do espaço educacional, fazendo com que observemos que as instituições educativas são compostas por aspectos simbólicos, por espaços de trocas e criações. Representam um sistema sociocultural em que há produção e reprodução de normas, valores e da cultura representada na sociedade. A cultura é o elo que une sistemas simbólicos, códigos, normas e as práticas simbólicas cotidianas, que interagem pela reapropriação e reinterpretação daquilo que constitui a memória social (TEIXEIRA, 2002, p.40). Para Teixeira (2002), o espaço escolar possui um caráter autônomo, diferenciando-se das demais unidades educativas, caracterizando-se como uma organização social que apresenta uma realidade específica. Proporciona a aprendizagem de conteúdos e de sua cultura interna, pois é um ambiente que compõe o processo de construção social.

11 10 Ao articular aspectos culturais e simbólicos presentes na estrutura da escola, é observado que a cultura organizacional é um pressuposto para a compreensão da organização educativa e da concepção de mundo que a escola acredita. No espaço escolar, Gomes (1993) propõe quatro contextos simbólicos (contexto cívico, doméstico, industrial e de renome) para que seja possível realizar uma análise da cultura escolar. Esses contextos mostram em suas peculiaridades qual o referencial estrutural, o modo de racionalidade, os mecanismos de poder na relação pedagógica, a forma de saber, o valor predominante e a forma institucional que professores e alunos assumem dentro da instituição de ensino, portanto, estabelecem um panorama de como o espaço escolar está construído. Também oferece para a análise do espaço escolar quatro tipos de clima (clima controlado, consultivo, separatista empenhado e participativo prospectivo) que possibilitam saber como se estabelecem às relações no ambiente educativo, se há empenho para a busca de transformações ou não, enfim, são aspectos específicos do ambiente escolar que são partilhados por todos. Libâneo (2001) reforça a importância da cultura da escola na criação da identidade profissional do docente, já que ela não está desvinculada da organização, da gestão, das formas da participação e das relações de trabalho presentes na escola. A cultura organizacional é um conjunto de fatores sociais, culturais e psicológicos que influenciam os modos de agir da organização como um todo, além do comportamento particular das pessoas. Além dos aspectos administrativos que compõem as escolas, existem os culturais, representados, por exemplo, no currículo oculto que está presente nos modos de funcionamento da escola e nas práticas dos professores. Assim: A escola é, também, um mundo social, que tem suas características de vida próprias, seus ritmos e seus ritos, sua linguagem, seu imaginário, seus modos próprios de regulação e de transgressão, seu regime próprio de produção e de gestão de símbolos. (LIBÂNEO, 2001, p.84) Os professores e alunos são compostos por características culturais próprias que trazem consigo e que compartilham no meio escolar. O contexto cultural e social deve ser considerado quando a escola elabora seu projeto político pedagógico e seus

12 11 planos de ensino. O planejamento precisa considerar a comunidade, suas expectativas e valores para a formação dos alunos. Essa cultura interna pode ser reformulada para atingir novas metas, como por exemplo, a união do grupo escolar, originando um clima favorável para o trabalho da equipe educativa. A organização escolar é uma cultura, constituindo-se de significados a partir das práticas e atitudes dos participantes que a compõem, englobando alunos, diretores e professores. Cada escola vai compondo a sua maneira de ser, a sua forma de enfrentar os problemas e promover ações e a cultura organizacional está presente nas reuniões, no convívio dos alunos, nas metodologias, enfim, nos corredores escolares. A escola tem uma cultura própria que permite entender tudo o que acontece nela, mas essa cultura pode ser modificada pelas próprias pessoas, ela pode ser discutida, avaliada, planejada, num rumo que responda aos propósitos da direção, da coordenação pedagógica, do corpo docente. (LIBÂNEO, 2001, p.85) O projeto político pedagógico e a cultura influenciam-se mutuamente e como consequência, a proposta do projeto político pedagógico deve ser evidenciada nas práticas culturais e cotidianas da escola, como acontece, por exemplo, com o desejo de meios mais participativos e democráticos. Em uma visão sócio-crítica da cultura organizacional, Libâneo (2001) relata que na escola ocorrem conflitos, já que existem interesses divergentes, porém, estão presentes discussões para se chegar aos objetivos e metas comuns para o meio educativo. É preciso saber que a organização escolar apresenta influência externa, como das políticas, que acabam moldando a sua estrutura, porém, os participantes do contexto educativo ao reverem o funcionamento da escola podem propor mudanças, analisar criticamente o contexto e promover uma nova cultura escolar. As ideias destacadas promovem a compreensão da valorização e de uma observação minuciosa sobre a cultura organizacional que compõem cada particularidade educativa, já que, fica nítida a sua importância para a busca de mudanças no espaço educativo, nos aspectos que envolvam a gestão, o processo pedagógico e a comunidade escolar. É um componente escolar que pode representar os objetivos e desejos diante de uma educação de qualidade e que seja democrática.

13 Gestão educacional e os modelos organizacionais O panorama educacional estimula um repensar sobre as propostas e a diversidade de modos de organizar e gerir o sistema educativo, buscando analisar as vantagens ou desvantagens das práticas encontradas cotidianamente. Em princípio, compreende-se que a escola é um espaço de produção e de reprodução de políticas, normas e valores. Faz-se preciso refletir sobre a existência de planos de orientação para a ação e de planos de ação realmente praticados, já que a escola tem a capacidade de inventar e construir novas regras. (LIMA, 2003) Os modelos organizacionais estão em constante processo de criação/recriação, em estruturação por meio da ação do homem, sendo assim, não são protótipos predefinidos para a ação. O adequado é estudá-los quanto ao seu caráter político e administrativo, já que ao invés de serem modelos bem definidos e estáticos, na realidade observa-se a sua característica dinâmica e o seu caráter plural, a presença humana na definição dos mesmos. É preciso observar os atores, as novas estruturas e não focar em uma concepção de organização e administração escolar baseada em um único modelo organizacional. Lima (2003) discorre sobre os modelos organizacionais, ressaltando entre eles os modelos teóricos, referências para a construção dos modelos organizacionais das escolas. Dentro de uma perspectiva teórica, há uma classificação entre os modelos analíticos/interpretativos e os modelos normativistas/pragmáticos. Tais modelos nos auxiliam a perceber e a observar a escola. Em contrapartida, o contexto organizacional é marcado por uma pluralidade que não se reduz as disposições formais-legais. Existe a ilusão de um modelo organizacional, que defina a organização e administração escolar. Quando os modelos organizacionais são mencionados em seu caráter plural, há referência a uma proposta analítica e interpretativa, representando propostas, já no singular está associada à perspectiva normativa/pragmática. Os modelos analíticos ou interpretativos focalizam-se no estudo da organização escolar, realizando leituras e ensaios das realidades educativas, quadros de referência e perspectivas, influenciando ações e orientações. Os modelos normativistas auxiliam nas definições e orientações das ações, baseando as escolhas organizacionais. Essa visão

14 13 pragmática pode ser designada dentro de um panorama de escolas de administração, doutrinas ou sistemas de gestão. Existem alguns modelos técnicos que influenciam a gestão, a administração e a organização escolar. Evidenciamos a gestão da qualidade total, a busca da eficiência e eficácia, aspectos mensuráveis e comparativos, escolas com uma autonomia gestionária, enfim, a educação contábil. (LIMA, 2003). Na racionalidade técnico-burocrática existe a focalização na produção e reprodução de regras, a centralidade na legislação escolar, representando uma imagem estática e definida dentro de aspectos jurídicos e formais. A realidade escolar é destinada para um modelo de ação, uma cópia e réplica do mesmo, com formas e estruturas pré-definidas. Tudo está de acordo com certas categorias seguidas rigorosamente, sem considerar a realidade empírica. Em contrapartida, os modelos administrativos baseados na pluralidade de orientações refletem a realidade que não pode se limitar a disposições formais ou legais. As organizações são compostas por tensões, conflitos entre todos os membros que estruturam o meio escolar, portanto, não são espaços homogêneos e estáticos. Nesse sentido, pensar em uma administração centralizada, não significa que as imposições diretivas sejam praticadas, o contexto educativo tem a capacidade de ser seletivo e interpretativo, já que possui uma autonomia relativa e uma auto-organização para pensar nos benefícios a seu espaço. Segundo Lima (2003), o ideal é a análise da organização escolar a partir de um caráter multifocalizado dos modelos organizacionais, já que a escola apresenta diversas concepções e perspectivas em sua ação pedagógica. Não podemos esquecer que existem regras destinadas para a ação no campo educativo, entretanto, é preciso saber o que realmente é praticado no plano da ação, o que os atores educacionais produzem, modificam ou atualizam. Através de uma perspectiva sociológica, também existem modelos em constante construção, sendo os modelos organizacionais para a ação ou em ação. No contexto dos modelos para a ação existem em seu interior os decretados, interpretados e recriados e nos modelos em ação há os em atualização. Os modelos decretados ou orientados têm o papel de regular o funcionamento das unidades de ensino, pois estão descritos e formalizados na legislação e em outros documentos oficiais. São

15 14 estabelecidas regras, há detalhamento, onde podemos evidenciar o modelo de gestão que predomina atualmente, através da regulação da ação organizacional e administrativa. Quando o modelo decretado toma conhecimento na realidade educativa, há a possibilidade do mesmo ser repensado, comentado ou criticado, de acordo com o meio e os participantes envolvidos, o que vem a caracterizar os modelos interpretativos ou de recepção. Referindo-se ainda aos modelos decretados, as regras podem ser totalmente modificadas, fruto das ações dos atores educativos e de seu contexto específico, classificando essa nova produção dentro dos modelos recriados ou orientados para a produção. As regras produzidas (interna ou externamente a escola) podem ser atualizadas, representando os modelos organizacionais praticados ou em ação, já que as escolas possuem um caráter plural e diversificado em sua prática. A construção dos modelos organizacionais é complexa, já que no tocante a imposição de modelos, é ingênuo não observar que os atores escolares tem inteligência suficiente para inovar e propor mudanças. Tais atores são essenciais para a concretização ou origem dos modelos no contexto da ação, representam e praticam uma autonomia relativa. A escola deve basear-se nos modelos decretados, todavia, ter a liberdade e autonomia para a produção de outras normas, recriando e legitimando novos princípios que representam a especificidade e a contextualização da ação organizacional. Em suma, também a construção de uma obra própria, e não apenas a pressuposta reprodução de uma obra alheia, ou seja, uma coconstrução ou produção em regime de co-autoria, desta forma concretizando os direitos dos actores à participação na governação democrática das escolas públicas, entendidas como instituições e como locais de trabalho e não como meros instrumentos. (LIMA, 2003, p.114) Por meio desse panorama, Lima (2003) nos leva a perceber que os modelos organizacionais influenciam políticas, reformas de ensino e até mesmo a legislação e que a escola tem uma autonomia relativa, já que toda instituição recria e interpreta o que lhe é decretado, entretanto, também deve seguir algumas medidas burocráticas comuns a todas as instituições.

16 15 Ao falar sobre o contexto de cada unidade escolar em sua especificidade é preciso repensar, além das questões da autonomia e das políticas educacionais, nas formas de administração das instituições educacionais. Sander (2007) discorre sobre esse aspecto, mostrando quatro dimensões que fazem parte do processo administrativo, sendo a favor de um paradigma multirreferencial, denominado paradigma multidimensional de administração da educação, o qual é composto por quatro dimensões da administração, sendo elas, a dimensão econômica, a pedagógica, a política e a cultural. Cada uma delas apresenta critérios de desempenho, representados respectivamente pela eficiência, eficácia, efetividade e relevância. Cada dimensão possui algumas especificidades que podem ser caracterizadas, como é evidenciado na dimensão econômica em que há envolvimento de recursos financeiros e materiais, sendo representada pelo critério administrativo da eficiência, ou seja, da lógica econômica na utilização desses recursos. A dimensão pedagógica é representada por princípios e técnicas educacionais relacionadas com os objetivos almejados pelo sistema educacional, portanto, possui um critério administrativo de busca da eficácia pelas demandas da educação. A dimensão política está articulada com o critério da efetividade, sendo assim, uma administração que considera a sua comunidade, que possui compromisso político em atender as demandas do seu contexto social. Também importante é a dimensão cultural, que se articula com o critério administrativo da relevância, considerando os valores, orientações, crenças e a qualidade da vida das pessoas do meio educativo. É preciso ter em mente a proposta de que todas as dimensões estejam articuladas no meio educativo, nenhuma delas é mais relevante que as demais, todas são necessárias e estão presentes no âmbito educacional, dentro de suas contradições e semelhanças. A escola apresenta necessidades de caráter interno, externo, instrumentais e substantivos, sendo assim, necessita de uma administração e organização escolar que busque a participação, a gestão democrática e o objetivo maior da escola, a aprendizagem dos alunos. O grande desafio das instituições escolares é se relacionar com todas as dimensões sem priorizar apenas uma. A formação dos educadores deve ser permeada pelos saberes na área da qualificação econômica, pedagógica, política e cultural para

17 16 que se tenha conhecimento da totalidade e da articulação das diferentes dimensões presentes no meio educacional. (SANDER, 2007) Dentro da questão da gestão democrática, Lima (2003) nos leva a pensar no tipo de democracia que é praticado dentro das organizações escolares, sendo que existe uma redemocratização, com a presença de características do neo-taylorismo. Ao relembrar o taylorismo, sabemos que a sua finalidade era atingir o lucro sem levar em consideração o ser humano, contudo, o neo-taylorismo resgata um pouco a humanização para o trabalhador, sendo baseado no racionalismo, na otimização e na qualidade. A escola deve ser democrática, todavia, também deve trazer resultados, por isso representa um neo-taylorismo, é uma aparente democracia que também contempla uma organização racional, com eficácia e eficiência. Estes princípios fazem parte do meio educativo para que se busque a melhoria na qualidade do ensino, portanto, fica evidente que há uma aparente democracia no ambiente escolar, já que é preciso simultaneamente atingir os princípios do neotaylorismo. É importante direcionarmos o nosso olhar para a organização da escola, assim como para o modelo de gestão que nela está sendo praticado, já que esses aspectos fazem com que possamos saber qual a concepção de educação é seguida, qual tipo de aluno está sendo formado, as relações existentes no meio educativo, as regras e a autonomia presente na escola. de decisão Elementos constituintes da cultura escolar: delineadores das tomadas A organização da escola: zona de visibilidade e invisibilidade O estudo da organização educativa por muito tempo centralizou-se no campo da administração escolar e foi marcado por uma concepção burocrática, funcionalista, com a ideia de uma organização empresarial. Os modelos de gestão, as concepções e visões da organização e estrutura escolar proporcionam uma análise da formulação do meio educativo, revelando aspectos nítidos, como meios para se atingir as metas,

18 17 funções e papéis bem definidos, assim como aspectos presentes nos valores e concepções que caracterizam o espaço em questão. Libâneo (2001) discorre sobre essa gestão ou administração relatando a sua articulação com o modelo organizacional da escola, sendo que ele define a gestão como uma maneira de mobilização de meios e procedimentos para que sejam atingidos os fins que a instituição escolar necessita. No enfoque da organização escolar existem duas visões, a saber, a científicoracional e a crítica, de cunho sócio-político. No primeiro caso, a organização é controlada, planejada e racional, almejando a eficácia e a eficiência. Além disso, possui uma hierarquia de funções com regulamentos e centralização. Já a segunda visão, representa a organização como um conjunto de interações entre os sujeitos, é uma construção social. Libâneo (2001) apresenta três concepções de organização e gestão, sendo a primeira a concepção técnica-científica caracterizada pela gestão da qualidade total, com o poder centralizado, a hierarquia de cargos, funções e a comunicação linear. A concepção autogestionária preocupa-se com o coletivo, com a participação, enfatizando a auto-organização do grupo escolar. A concepção democrática participativa busca uma relação entre a direção e a participação da comunidade escolar, com responsabilidade, comunicação, espírito de conquista e liderança, enfim, com objetivos comuns a todos. Esse tipo de gestão nos remete a pensar no tipo de cultura organizacional que a escola possa ter, pois ela demonstra os modos de agir da instituição escolar, com a presença de aspectos sociais, psicológicos e culturais que influenciam a todos. Esse modelo compreende a escola como uma organização cultural, já que apresenta as subjetividades e as interações sociais dos seus membros, por outro lado, também recebe influência sociocultural e da política externa. A escola se organiza e estrutura para a transformação social ou não e os modos de gestão contribuem para essa compreensão, refletindo posições políticas e concepções de sujeitos. A organização escolar tem uma estrutura interna que ordena e dispõe os papeis para o funcionamento da instituição. O organograma reflete qual a ideia de gestão de uma determinada escola e representa a sua estrutura básica. Nesse sentido, é composto pelo conselho de escola (espaço de democratização) pela direção, o setor pedagógico e técnico administrativo, professores, alunos, pais e a comunidade.

19 18 A instituição escolar precisa de uma ação racional, estruturada e coordenada, com uma gestão democrática, que para ser colocada em prática precisa ser organizada e coordenada pela direção e coordenação pedagógica da escola. Assim, o esforço coletivo, o planejamento, a avaliação e os conhecimentos devem estar articulados para se atingir as metas da escola. Os instrumentos para atingir as metas são o planejamento, a organização, a direção/coordenação, a formação continuada (para aperfeiçoar e capacitar o trabalho) e a avaliação. A escola também produz práticas organizacionais próprias, representadas por Nóvoa (apud TEIXEIRA, 2002) dentro de uma zona de invisibilidade e de uma zona de visibilidade. A zona de invisibilidade é composta por uma base conceitual, com valores, crenças e ideologias; já a zona de visibilidade apresenta manifestações verbais e conceituais: com fins, objetivos, currículo, linguagem, história e estruturas, manifestações visuais e simbólicas: arquitetura, equipamentos, uniformes, imagens exteriores e manifestações comportamentais: rituais, regulamentos, ensino, aprendizagem e cerimônias. A linguagem não verbal também manifesta valores, intenções e comportamentos. A escola no seu cotidiano parece um ritual pedagógico, com alunos, docentes, com uma organização burocrática formada por programas, provas, expressando uma concepção de mundo Relações de Poder no ambiente escolar A cultura organizacional dos espaços educativos compõe a identidade dos mesmos, ficando evidentes diversas relações que englobam esse contexto como aspectos que constroem as relações e as interações, representadas pelas relações de poder, pelos conflitos e pela pluralidade de interesses. Dessa forma, evidenciamos que as organizações são políticas e existem variadas formas de gerir as mesmas, como através de práticas autoritárias ou por meio de uma gestão democrática participativa e problematizadora. No tocante a questão política, Morgan (1996) relata que ela faz parte das organizações, sendo evidenciada através de conflitos e jogos de poder. É inerente as organizações que os conflitos surjam, pois há divergência de interesses e de desejos dos

20 19 sujeitos que compartilham esses espaços, sendo assim, nesse contexto a política tem o papel de conciliar os interesses e buscar soluções para os conflitos. Toda organização apresenta uma maneira de liderar politicamente, sendo estas formas de governar como um modelo autoritário, em que o líder impõe uma realidade, ou uma forma participativa, onde um líder democrático busca a integração das opiniões para a situação que se vivencia. Essas possibilidades podem classificar as organizações como coalizões, pois os sujeitos possuem diferentes interesses na área do trabalho, na vida pessoal e com relação à carreira profissional, e nesse espaço o conflito é esperado e parte integrante do mesmo. Assim, é preciso pensar se as organizações são realmente equipes, como se desenvolvem as questões de poder e se é possível haver uma sociedade democrática em meio a tantas adversidades. Especificamente no meio escolar também são evidenciados conflitos e relações de poder, sendo que cada instituição educativa perpetua uma política própria da sua realidade, de acordo com seus valores de educação, formação de alunos, crenças e normas. É de grande importância a presença dos conflitos em todas as organizações, já que Quaglio (2009) propõe uma governação democrática nesses estabelecimentos, com a participação crítica e reflexiva de todos os sujeitos que fazem parte do processo educacional. Essa prática propicia que as pessoas se desenvolvam e encontrem respostas para as dificuldades. Segundo Morgan (1996), uma gestão democrática, participativa e dialógica deve articular os aspectos que compõem o meio educativo, pois não são proveitosas práticas autoritárias, individualistas ou pela imposição e domesticação, já que dessa maneira somente perpetuamos as desigualdades e não procuramos transformações. Tragtenberg (2010) ressalta que as relações de poder estão presentes no meio educativo assim como no espaço da sociedade. Nesse sentido, faz uma relação entre poder e saber dentro desse contexto, enfatizando o poder disciplinar da escola. No ambiente educacional existem práticas como observação, controle, dominação que retratam o poder, mostrando que a escola pratica a vigilância, salienta as diferenças e as aptidões. No tocante aos atores escolares, como os professores, é sabido que os mesmos são controlados por mecanismos burocráticos, de forma, que reproduzem as desigualdades e a exclusão da sociedade dentro de sala de aula.

21 20 Diversos aspectos representam o poder dentro das instituições de ensino, como a disposição das carteiras, a relação de superioridade entre professor e aluno, sendo este passivo e assimilador do saber que o docente domina e transmite, além do âmbito do sistema de avaliações, que seleciona, estigmatiza e enquadra os sujeitos. As relações de poder estão presentes na questão do tempo, como por exemplo, nas horas marcadas para as aulas, ficando em segundo plano o tempo para refletir e pensar sobre a escola como um todo. (EIZIRIK, 2001) Entretanto, segundo Tragtenberg (2010) vale ressaltar que o mesmo professor que está imerso nas relações desiguais da sociedade pode ser responsável por modificar a sua prática cotidiana, sendo sujeito de crítica e contestação da ordem vigente. Assim, não somente a escola como todos os envolvidos com o processo educacional podem promover um espaço de contestação ou de reprodução e conformismo. Para viver nas instituições é preciso um processo de adaptação as mesmas, compreendendo os princípios e normas que a compõem, além do controle dos próprios impulsos em um movimento de não contrariedade aos aspectos institucionais. Há uma força conservadora que é autodestrutiva e que impede as mudanças, estabelecendo-se um espaço de estagnação, onde não há aceitação da diferença, das críticas, da curiosidade e do novo. A base das instituições está num sistema simbólico de regras e controles, de códigos e linguagens, de trocas e compensações, de lutas e enfrentamentos de espaço e de poder, todos esses aspectos e instâncias que compõem um real e um imaginário institucional. (EIZIRIK, 2001, p.96) Para Foucault (apud EIZIRIK, 2001) os sujeitos fazem parte das relações de poder, sendo este sujeito o estudo central do autor. No limite escolar existem mortes, como do sonho, da esperança, da vontade e do desejo, ocasionados por uma rotina que se estende durante todo o período letivo. Segundo Eizirik (2001), o poder na maioria das vezes está relacionado com conflitos e disputas que originam agressão, violência e desrespeito. Isso pode ser evidenciado quando os dirigentes escolares não têm sensibilidade com os diferentes valores presentes na individualidade de cada instituição. As instituições educativas estão atualmente frágeis, já que existe falta de relação e interação, há uma distorção entre o ensinar e o aprender, pois nesse movimento perderam-se os significados e os objetivos

22 21 da escola. Os alunos são agredidos com relação à submissão e obediência frente ao professor e a impossibilidade de serem criativos e de refletirem. A escola tem o desafio de aprender a se relacionar com as individualidades de cada aluno, com a não produção do fracasso escolar, do estigma, já que se observa no processo de ensino e aprendizagem a imposição de conteúdos, métodos. O aluno internaliza que precisa atingir as expectativas da escola através da exigência da obediência, disciplina e controle de ações e reações. Quanto aos estereótipos que também são vertentes das relações de poder, os mesmos podem tornar-se profecias autorealizáveis, onde os alunos já são estigmatizados como incapazes e ruins, influenciando comportamentos. (EIZIRIK, 2001) A escola precisa enfrentar seus medos para propor mudanças, revisar sua prática e seus significados quanto às aprendizagens, atitudes e exigências, reexaminando o que se propõe a atingir, além de fornecer subsídios para a formação dos sujeitos que irão atuar no contexto social. Sendo assim, é preciso buscar a verdadeira democratização escolar, através da prática de relações horizontais, onde haja a separação entre poder e saber e origine-se um real espaço comunitário na escola.

23 22 Seção II: Gestão Democrática e a Função da Escola: A Articulação entre as Políticas Públicas de Educação. A segunda seção desse trabalho irá observar as perspectivas e finalidades da administração escolar por meio da conceituação e caracterização da gestão e da organização nesse espaço, considerando o papel e a função da escola nesse contexto. Dessa forma, será proposta uma reflexão sobre a garantia ou não da autonomia e participação no espaço escolar, portanto, a gestão escolar, a função da escola, a autonomia e participação são temas que estão interligados. Assim, a presente seção discorrerá sobre as maneiras de gerir a escola e a questão do coletivo nesse contexto, oferecendo um breve panorama histórico sobre o processo de inclusão da gestão democrática em nossa legislação, perpassando pela Constituição Federal de 1988 e pela LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) nº de Panorama Gestão Democrática na Legislação Educacional Brasileira: Um Breve Para o entendimento e reflexão sobre a gestão democrática no espaço escolar, se faz necessário discorrer sobre a mesma na legislação educacional, englobando a Constituição Federal de 1988 e a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) nº de 1996, apontando aspectos históricos e de origem desse conceito tão relevante para a vida das instituições educacionais. Riscal (2009) nos oferece uma reflexão sobre o conceito de gestão democrática, discorrendo sobre sua concepção e origem por meio da centralização e do autoritarismo que sempre estiveram presentes na história política do Brasil, através de um Estado que dissipava a ordem, os direitos e a justiça que impediam a participação política da população. Segundo Mendonça (2001) o Brasil teve uma democratização tardia já que foi marcado por muito tempo por uma política autoritária. No tocante a

24 23 democratização da educação, foi evidenciada em princípio o acesso ao ensino e posteriormente a presença de uma gestão democrática nas instituições. Diante desse contexto, os anos 70 e 80 foram marcados por movimentos sociais que empregavam o termo gestão com o significado de governo coletivo, de um modo geral, estava presente a ideia de autogestão por meio de um coletivo que se organizava sem dirigentes e hierarquias. Já no período que compreende a década de 1990, a gestão estava articulada com o gerenciamento de resultados e com os princípios da qualidade total, portanto, uma concepção presente no processo de globalização e informatização da sociedade. O prenúncio do conceito de gestão democrática ocorreu na Constituição Federal Brasileira de 1988 por meio da criação de conselhos participativos e comunitários que tinham a finalidade de promover a democratização em algumas esferas da sociedade, como na elaboração de planos e diretrizes. No período da formulação da Constituição Federal de 1988 houve mobilização dos setores da sociedade para a busca da democratização das instituições e das decisões políticas do país, em virtude do caráter centralizador do contexto. Em 1987 foi fundado o FNDEP- Fórum Nacional de Defesa da Escola Pública, estando o mesmo presente no processo de elaboração da Constituição de Esse fórum reivindicava a defesa de uma escola pública, democrática e com a presença de verbas estatais para a manutenção da gestão democrática nos estabelecimentos de ensino. Com isso, a gestão democrática foi inserida no texto da Constituição, porém de forma genérica. Havia um embate entre os setores conservadores e os representantes da sociedade que almejam maior poder de participação diante das políticas públicas, buscando instrumentos democráticos de gestão do Estado brasileiro. Mendonça (2001) ressalta que esse conservadorismo diante da gestão democrática presente na Constituição Federal de 1988 releva a articulação entre o arcaísmo e novas estruturas que se fazem presentes. Assim, a Constituição Federal de 1988 incorporou o conceito de gestão democrática no ensino público em seu Art.206, item VI, além de outras questões relacionadas à gestão democrática, como a liberdade de expressão, o pluralismo de ideias e a igualdade.

25 24 Constituição da República Federativa do Brasil-1988 Capítulo III- Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I- Da Educação Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; saber; II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; V - valorização dos profissionais da educação escolar, garantidos, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos, aos das redes públicas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006) VI - gestão democrática do ensino público, na forma da lei; VII - garantia de padrão de qualidade. Embora a Constituição Federal de 1988 tenha artigos referentes à educação e principalmente a gestão democrática, notou-se uma determinada confusão com relação ao conceito de gestão, já que esse conceito possibilitou uma interpretação relacionada à gestão de resultados, portanto, a participação na escola se referia à busca de recursos financeiros e o gestor escolar se resumia a um administrador de tais recursos e buscava a eficiência administrativa. A Constituição Federal de 1988 estabelecia que as instituições educativas públicas do país devessem possuir uma gestão participativa e democrática, todavia, Mendonça (2001) busca refletir como as unidades educativas implantaram uma gestão democrática se a mesma implica em participação, porém com a presença de um Estado fortemente patrimonialista. Quanto ao processo de elaboração da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), Riscal (2009) evidencia que o Fórum Nacional de Educação almejava medidas democráticas para a educação nacional. Este fórum contou com

26 25 deputados como Otávio Elizeo, Florestan Fernandes, Hermes Zenetti e Jorge Hage, relator do projeto substitutivo da LDB, o substitutivo de Jorge Hage que almeja a gestão democrática como o principal fundamento da educação nacional, portanto, em relação à Constituição Federal de 1988, a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) previa a inserção de dispositivos mais democráticos. O Fórum Nacional de Educação instalou a necessidade de democratizar a gestão de recursos e a gestão da educação, já que o Estado monopolizava a área de bens e serviços, sendo a escola pública um aparelho estatal destinado a formação de cidadãos articulados com o mundo do trabalho. Todavia, diante da posse de Fernando Collor em 1990, uma conjuntura política se instaurou e pressões contrárias fizeram o Fórum Nacional de Educação perder espaço. Diante desse novo contexto surge o projeto Darcy Ribeiro que intitulava o poder executivo para a formulação das políticas educacionais, sem o controle da sociedade. Segundo Saviani (apud Riscal, p.70) esse projeto possuía uma concepção de democracia representativa, não havendo um compartilhamento entre as autoridades governamentais e a comunidade educacional. Em 1993, o projeto Darcy Ribeiro e o substitutivo de Jorge Hage encontravam-se no Congresso Nacional para tramitações, entretanto, era notório que no campo da educação existia uma tendência de concentrar as medidas educacionais no poder executivo, através de organismos burocráticos do governo. A LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) foi aprovada em 20 de Dezembro de 1996, com a presença de ideais do governo de Fernando Henrique Cardoso, entretanto, na lei, a gestão democrática não apresentava significado, estava apenas citada, evidenciando a impossibilidade de uma participação democrática. A LDB tratou os aspectos educacionais de forma genérica, tornando o MEC (Ministério da Educação) o responsável pela elaboração de algumas medidas que se faziam necessárias, como o estabelecimento de mecanismos de avaliação e de valorização do magistério. Dessa forma, na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), em seu Art. 3 e 14 estão presentes as concepções de gestão democrática. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9694 de 1996

27 26 TÍTULO II Dos Princípios e Fins da Educação Nacional Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas; IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância; V - coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; VI - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; VII - valorização do profissional da educação escolar; VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta Lei e da legislação dos sistemas de ensino; IX - garantia de padrão de qualidade; X - valorização da experiência extra-escolar; XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino público na educação básica, de acordo com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I - participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola; equivalentes. II - participação das comunidades escolar e local em conselhos escolares ou Ainda que existam divergências e debates sobre a concepção de gestão democrática presente nas legislações como na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) e na Constituição Federal de 1988, ela está inserida neste texto e acabou por forçar que os sistemas municipais, estaduais e federais colocassem em prática de alguma maneira o mecanismo de participação da população e da comunidade escolar.

28 27 Segundo Mendonça (2001), fica evidente que há resistência e dificuldade na implantação de uma gestão democrática na escola, por conta de fatores de interferência política e de mecanismos autoritários que estão embutidos na história das relações escolares e de toda a sociedade. O processo de patrimonialismo e burocratização do Brasil impediram a modernização do Estado, além de dificultar a implantação de uma gestão democrática no ensino público. Diante disso, o ensino enfrenta dificuldades de implantar um sistema participativo, pois apresenta um modelo arraigado de não participação e de modelos individualistas Da Administração a Gestão Escolar: Perspectivas e Conceitos Após ter conhecimento dos aspectos históricos da gestão democrática presentes na LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) e na Constituição Federal de 1988, é primordial observar as perspectivas e finalidades da administração escolar por meio da conceituação e caracterização da gestão e da organização nesse espaço, considerando o papel e a função da escola nesse contexto. Paro (1993) inicia a reflexão sobre o conceito de administração partindo do pressuposto de que todas as instituições presentes na sociedade, como a educativa, necessitam de uma forma de administração. Assim, a administração pode ser compreendida como a utilização racional de recursos para que sejam atingidos determinados objetivos, portanto, uma atividade imprescindível a vida do homem. A atividade administrativa está articulada com as contradições e forças sociais, econômicas e políticas presentes em determinado momento histórico, dessa forma, apresenta um caráter instrumental, já que pode articular-se com a conservação do status quo ou com a transformação social. Ao direcionar o olhar para a organização da escola, assim como para o modelo de gestão que nela está sendo praticado, podemos saber qual a concepção de educação que é seguida, qual tipo de aluno está sendo formado, as relações existentes no meio educativo, as regras e a autonomia presente na escola. Libâneo (2001) ressalta-se que o objetivo de educação irá determinar a forma de gestão e a organização do espaço escolar, dessa forma, o objetivo maior da escola deve estar centrado na busca da qualidade do processo de ensino e aprendizagem,

29 28 já que a tarefa da escola é o ensino e a organização escolar mais adequada é aquela que assegure as melhores formas para atingir esse fim. É preciso uma interligação entre os objetivos e as funções da escola, assim como entre o processo de organização e gestão da mesma. Ellstron (2007) também oferece um repensar sobre a organização escolar, já que existem distintas maneiras de analisá-la. Segundo ele, existem quatro modelos de compreensão das organizações, como o racional, o político, o de sistema social e o anárquico. O primeiro deles, o racional, pode ser caracterizado como instrumental, já que possui objetivos e papéis bem definidos dentro da organização, além de estar articulado com a racionalidade. Em contrapartida, existe a hipótese de entendermos a organização escolar como política, em que estão presentes diferentes interesses e ideologias. O espaço organizacional está em constante conflito, pois são estimuladas negociações e acordos. O modelo de sistema social está centrado em propriedades não planejadas, ou seja, na integração e na independência entre elementos sistêmicos, considerando assim a cultura organizacional do meio. O modelo anárquico pode caracterizar a organização com a presença de objetivos confusos, processos organizacionais pouco compreendidos e uma participação parcial. Há falta de intencionalidade nas ações, já que não há o estabelecimento de um caminho ou meta, além da presença de elementos organizacionais fracamente conectados. Segundo o autor, os modelos fazem com que tenhamos uma visão limitada da realidade organizacional, já que se focalizam em alguns aspectos e não no contexto geral. Dessa forma, podemos entender a organização escolar a partir da integração dos quatro modelos apresentados, já que fazem parte de uma mesma realidade, são complementares. Dentro das organizações educacionais uma forma coletiva de gestão no tocante a tomada de decisões e escolha de objetivos, onde há acompanhamento e avaliação das atividades continuamente, buscando a participação da comunidade escolar é representada pela concepção democrático-participativa. Segundo Libâneo (2001), na concepção democrático-participativa existe uma corrente teórica que considera a organização escolar como cultura, já que esse

30 29 espaço educativo é composto por experiências e interações sociais dos sujeitos que a compõem. A organização escolar busca relações de participação e engloba a construção cultural das pessoas, além de valorizar aspectos organizativos, como o planejamento, a gestão, a direção e a avaliação. Com isso, fica claro que as concepções de organização e gestão escolar dão origem a determinados pensamentos políticos, concepções de sociedade, de formação e de homem, portanto, a organização da escola implica tanto em seu processo pedagógico como em sua relação com a sociedade. No tocante as formas de organização e gestão escolar é primordial refletirmos sobre a função da instituição educativa nesse contexto. Paro (1993) discorre que a escola tem como função a apropriação e a transmissão do saber historicamente acumulado, além do desenvolvimento da consciência crítica da realidade, objetivos próprios do processo pedagógico e que fazem parte de uma educação transformadora. Assim, se faz necessário uma administração escolar contendo a especificidade do processo pedagógico e que busque atender aos interesses das camadas populares, propiciando a participação e expressão de sua comunidade. Paro (1993) alerta para que a escola tenha conhecimento de sua racionalidade interna (na utilização de recursos), mas também de sua racionalidade externa ou social, já que pode ou não atender a interesses das camadas conservadoras e autoritárias. A natureza dos objetivos da escola determina a sua forma de administração, dessa forma, uma prática administrativa reflexiva e intencional configura uma administração escolar pautada na democracia e na cooperação, tendo como meta a transformação social. Lenhard (1978) alerta que a escola possui a função de transmissão de uma cultura geral, portanto, socializa e instrui os sujeitos para a vida em sociedade. O processo de instrução pode ser compreendido como uma função especializadora do meio educativo, além da transmissão de valores e atitudes. Segundo ele, uma administração escolar adequada é aquela capaz de ordenar todos os fenômenos observados no ambiente educativo. Quanto à administração capitalista, que apresenta seus princípios nas estruturas de diversas organizações sociais, é importante ressaltar que não há identidade entre a administração de uma empresa e de uma instituição educativa, já que cada qual é

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

UNCME RS FALANDO DE PME 2015

UNCME RS FALANDO DE PME 2015 UNCME RS FALANDO DE PME 2015 DIRETORIA UNCME-RS VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO CONTATOS: Site: www.uncmers E-MAIL: uncmers@gmail.com.br

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

O Sistema de Organização e Gestão da Escola As Concepções de Organização e Gestão Escolar

O Sistema de Organização e Gestão da Escola As Concepções de Organização e Gestão Escolar O Sistema de Organização e Gestão da Escola José Carlos Libâneo Neste capítulo são apresentados alguns elementos básicos para o conhecimento da organização escolar e para a atuação dos professores e do

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ 1 A ESCOLA E O BAIRRO ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO DO PROGRAMA DE GESTÃO COMUNITÁRIA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ Mayara de Freitas Orientadora Profa. Dra. Sandra Aparecida

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Helena Beatriz de Moura Belle *

Helena Beatriz de Moura Belle * 196 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. 2 ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002 (Guia da Escola Cidadã, v. 7). Helena Beatriz

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Ciência na Educação Básica

Ciência na Educação Básica Ciência na Educação Básica Maria Beatriz Ramos de Vasconcellos Coelho Coordenadora Geral de Tecnologias da Educação Secretaria de Educação Básica O que está na Constituição O Brasil é uma República Federativa

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral CURRÍCULO E CONHECIMENTO ESCOLAR: O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇAO INFANTIL Amanda Aparecida ALVES 1 Marta Fresneda TOMÉ 2 RESUMO Esta pesquisa investiga questões relacionadas ao currículo suas teorizações

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas Formação de Professores Teleaula 2 Prof.ª Dra. Joana Paulin Romanowski tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Críticas Não críticas Pedagogia Formação de Professores (SAVIANI, 2002) Contextualização Aprender

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO 159 A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Valdir Alves de Godoy 1 Severino Bertino Neto 2 Tatiana de Almeida Menicucci 3 Rosana de Oliveira Nunes Neto 4 RESUMO Este

Leia mais

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS.

AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 697 AS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS DA REDE MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE, INQUIETAÇÕES, DESAFIOS E CAMINHOS. ¹Indira

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16.

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/6/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais