SISTEMA DE COTAS E O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE COTAS E O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR"

Transcrição

1 SISTEMA DE COTAS E O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR SILVA, Dayane Ferreira. Bacharel em Ciências Sociais e Mestranda em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES. IDE, Maria Helena de Souza. Doutora em Educação pela Georg-August Universität Göttingen. Professora do Mestrado em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES Pesquisadora FAPEMIG. Resumo Implementado em várias universidades brasileiras desde 2003, o sistema de cotas tem sido objeto de debates. As discussões em torno desta questão podem ser resumidas em dois grandes grupos: os que são a favor desta modalidade de ação afirmativa e os que são contrários a ela. A partir de uma revisão bibliográfica, procuramos analisar a relevância do enfoque da cor/raça na formulação das ações afirmativas/sistema de cotas para o acesso ao ensino superior e os principais argumentos a favor e contrários a essa política. O presente artigo divide-se em duas partes: na primeira, é apresentada uma breve exposição sobre a relevância da utilização da raça como categoria de análise; na segunda parte consideramos os principais argumentos a favor, assim como as críticas contrárias ao sistema de cotas. Palavras - chave: raça, desigualdades raciais, ações afirmativas e sistema de cotas. Abstract Implemented in several Brazilian universities since 2003, the quota system, has been the subject of debate. The discussions on this issue can be summarized into two main groups: those who favor this kind of affirmative action and those who oppose it. From a literature review, we analyzed the relevance of the focus on color / race in the formulation of affirmative action / quota system for access to higher education and the main arguments for and against this policy. This article is divided into two parts: the first is a brief presentation on the relevance of using race as a category of analysis, the second part we consider the main arguments in favor, as well as the criticism against the system of quotas. Keywords: race, racial inequality, affirmative action and quotas of sistem. Introdução Implementada desde 2003, e apesar de fazer parte da agenda política do governo, as cotas para negros em universidades públicas e privadas em todo o país continuam sendo uma espécie de tabu, uma questão ainda cercada de muita polêmica no contexto da sociedade brasileira. Entendemos que as discussões em torno do sistema de cotas resumem-se basicamente em duas grandes posições: aquelas favoráveis a adoção desta modalidade de ação afirmativa, e as que são contrárias a ela. Em diferentes espaços, e de forma especial no ambiente universitário, é comum que discussões acerca da adoção do sistema de cotas no âmbito do ensino superior assumam Página 1 de 11

2 posições contrárias a esse sistema. Diante desse quadro, algumas questões precisam ser formuladas: por que a cor/raça é um ponto crucial na formulação das ações afirmativas? Quais são as principais críticas contrárias ao sistema de reserva de vagas/cotas? Quais os principais argumentos favoráveis à adoção do sistema de reserva de vagas/cotas? O que justificaria essa dificuldade em aceitar políticas públicas sensíveis à raça? Assim, esse artigo tem como objetivo analisar a relevância do enfoque da cor/raça na formulação das ações afirmativas/sistema de cotas para o acesso ao ensino superior e os principais argumentos a favor e contrários a essa política. Para a realização deste artigo foi utilizada uma revisão bibliográfica a respeito da temática em foco, buscando elencar os principais posicionamentos frente às ações afirmativas e ao sistema de cotas. O presente artigo divide-se em duas partes: a primeira contempla uma breve exposição sobre a relevância da utilização da raça como categoria de análise; a segunda parte apresenta os principais argumentos a favor e as críticas contrárias ao sistema de cotas. 1 - Raça: importante critério de intervenção social De acordo com as ciências biológicas, raça não designa diferenciação biológica 1, pois existe o consenso da existência de uma única raça, a raça humana. Entretanto, o termo raça nas Ciências Sociais passou a ser utilizado como categoria social para referir-se às diferenças étnicas (físicas e culturais). Octavio Ianni (1987, p.343), ao avaliar a importância dessa categoria, enfatiza que as raças se constituem, mudam, dissolvem ou recriam historicamente... Entram em linha de conta caracteres fenotípicos. Mas os traços raciais visíveis, fenotípicos, são trabalhados, construídos ou transformados na trama das relações sociais. Desse modo, a raça não é mais vista como um fator biológico, mas sim, como uma categoria construída socialmente. Porém, embora não represente mais fatores genéticos, a idéia de raça ainda continua a gerar diferenças de comportamento e atitudes, preconceitos e discriminações, uma vez que as teorias de superioridade da raça branca, pregadas no século XIX em todo o mundo, continuam enraizadas no pensamento social. Guimarães (2002) afirma que a categoria raça só possui sentido real nas relações presentes no mundo social, o que implica que a raça somente pode ser relacionada a questões referentes a relações sociais. Desse modo, a raça só tem significação real e concreta no mundo social. O autor ressalta que a raça, apesar de estar atualmente associada à política contra o racismo, é antes de tudo um viés de análise necessário, já que somente através dessa categoria é possível verificar as discriminações e disparidades presentes nas relações entre brancos e pretos, além de ser a única capaz de comprovar que as desigualdades no Brasil estão ligadas tanto à classe social quanto à cor/raça de cada um. Tendo em vista que as relações raciais significam o modo como as diferentes raças relacionam entre si na trama das relações sociais, a raça se torna uma categoria social primordial para a compreensão das relações raciais em uma dada sociedade, principalmente no caso brasileiro, já que o Brasil é um país multirracial, sendo que a raça aqui serve de base para as relações sociais. É importante destacar que apesar de serem freqüentemente apresentadas como naturais, as diversidades raciais escondem muitas desigualdades. A 1 - Na biologia a raça é vista como um conjunto de indivíduos cujas características corporais são semelhantes e transmitidas por hereditariedade, embora possam variar de um indivíduo para outro. Levando-se em consideração somente o campo genético. LOPES & ROSSO, Sônia; Sergio. Biologia. Editora: Saraiva. São Paulo Página 2 de 11

3 história do povo revela que há diversidades raciais que são criadas e recriadas no interior das desigualdades sociais (IANNI, 1987, p.7). Assim, a raça no Brasil constitui-se em um viés de análise indispensável nos estudos sobre desigualdades sociais. Além do mais, não é possível compreender o contexto histórico e social sem levá-la em consideração. Conforme Telles (2003), o alto grau de miscigenação e o discurso de democracia racial, e como os negros ocupam as posições dentro do processo de miscigenação, são importantes para analisar a exclusão dos negros e pobres na sociedade brasileira, uma vez que os pobres são, na sua maioria, negros. As desigualdades entre brancos e negros são grandes e impedem que os negros fiquem em pé de igualdade com os brancos. Segundo Heringer (2002), as diferenças entre brancos e negros são graves e interferem na inserção dos negros em nossa sociedade, o que compromete o projeto de construção de um país democrático, com oportunidades iguais para todos. A autora enfatiza ainda que as desigualdades apresentam-se em diferentes momentos do ciclo de vida do indivíduo, desde a saúde na infância, passando pelo acesso à educação e permanecendo no mercado de trabalho, com consequência direta no valor dos rendimentos obtidos e nas condições de vida como um todo. 2- Análise do sistema de cotas no ensino superior Conforme Sales (2008), o Brasil vivencia um grande avanço no sistema de ensino superior nos últimos 40 anos o que possibilitou o aumento da oferta de vagas nesse nível de ensino e a diferenciação do perfil dos acadêmicos no que se refere a renda e faixa etária. Entretanto, apesar do aumento da oferta e da diversificação do público, o Brasil continuou a manter uma das suas principais características neste nível de ensino: um espaço marcado pelas desigualdades raciais. Em relação à população de 25 anos ou mais de idade com ensino superior concluído, a Pesquisa Nacional Amostra de Domicílios (PNAD), realizada em 2009, mostra que há um crescimento notório na proporção de pretos e de pardos graduados no Brasil, em 1999 eram apenas 2,3% tanto para pretos quanto para pardos, enquanto que 9,8% eram brancos. Em 2009, da quantidade de pessoas que têm curso superior completo, 4,7% são pretos e 5,3% são pardos contra 15,0% de brancos. Apesar do crescimento de pardos e pretos neste nível de ensino a desigualdade entre brancos e negros é notória (IBGE, 2010) 2. Durante a III Conferência Mundial contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, realizada na cidade de Durban, África do Sul, entre os dias 31 de Agosto e 8 de Setembro de 2001, o Brasil assumiu o compromisso de criar mecanismos para diminuir as desigualdades sociais que atingem alguns segmentos populacionais, entre eles, negros e indígenas (BRASIL, ). Diante do quadro de permanência das desigualdades entre brancos e negros no âmbito educacional, em especial no ensino superior, o governo federal lançou as políticas de ação afirmativa, baseada em políticas anti-racistas já implementadas em outros países como nos Estados Unidos, Alemanha, e Inglaterra. De acordo com Munanga (2003) 4 as ações 2 - IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira /SIS_2010.pdf (acessado em 22/01/2012). 3 -BRASIL, Ministério da Saúde. Brasil Afroatitude (acessado em 20/12/2011). 4 - MUNANGA, Kabengele. Políticas de Ação Afirmativa em Benefício da População Negra no Brasil Um Ponto de Vista em Defesa de Cotas. Revista Espaço Acadêmico Ano II Nº22 - Março, 2003 Mensal ISSN Página 3 de 11

4 afirmativas visam oferecer aos grupos discriminados e excluídos um tratamento diferenciado para compensar as desvantagens devidas à sua situação de vítimas do racismo e de outras formas de discriminação. Daí as terminologias de equal oportunity policies, ação afirmativa, ação positiva. Conforme Gomes (2003, p.15) as ações afirmativas podem ser definidas do seguinte modo:...como um conjunto de políticas públicas e privadas de caráter compulsório, facultativo ou voluntário, concebidas com vistas ao combate à discriminação racial, de gênero, por deficiência física e de origem nacional, bem como para corrigir ou mitigar os efeitos presentes da discriminação praticada no passado, tendo por objetivo a concretização do ideal de efetiva igualdade de acesso a bens fundamentas com a educação e o emprego... visam a evitar que a discriminação se verifique nas formas usualmente conhecidas isto é, formalmente, por meio de normas de aplicação geral ou específica, ou através de mecanismos informais, difusos, estruturais, enraizados nas práticas culturais e no imaginário coletivo. Em síntese, trata-se de políticas e de mecanismos de inclusão concebidos por entidades públicas, privadas e por órgãos dotados de competência jurisdicional, com vistas à concretização de um objetivo constitucional universalmente reconhecido o da efetiva igualdade de oportunidade a que todos os seres humanos têm direito. Portanto, as ações afirmativas consistem em uma política social, que tem como objetivo integrar e promover espaços de participação para segmentos sociais, historicamente marginalizados por razões de raça, etnia, classe, entre outros, nos diferentes âmbitos sociais. É importante destacar que a adoção de políticas afirmativas deve ter um prazo de duração, até serem sanados ou minimizados os efeitos do preconceito e da discriminação sofridos pelas minorias desfavorecidas (Kaufmann, 2007) 5. As cotas consistem em um dos instrumentos das ações afirmativas, implantado por universidades a partir de 2003 para possibilitar o acesso dos negros a diferentes esferas, entre elas o ensino superior. Como bem salientou Munanga (2003), as cotas apresentam-se como uma garantia de acesso e permanência aos espaços e setores da sociedade até hoje majoritariamente reservados à casta branca da sociedade. O autor ressalta que, paralelo a esse instrumento, outras políticas deverão ser criadas, haja vista que o Brasil desde o fim da escravidão nunca assumiu seu racismo, para assim efetivamente propor medidas para diminuir as perdas históricas da população negra. No Brasil tem sido comum a confusão entre a definição de ações afirmativas no ensino superior e o sistema de cotas nas universidades. As ações afirmativas, conforme já mencionado anteriormente, são ações públicas ou privadas, ou ainda, programas sociais que buscam garantir o acesso ou outros benefícios para pessoas pertencentes a segmentos populacionais específicos que sofreram discriminação historicamente. Para tanto, fez-se necessário estabelecer condições diferenciadas para esses grupos. O sistema de cotas consiste em apenas um dos mecanismos de intervenção no ensino superior para executar os objetivos das ações afirmativas Disponível em: (acessado em 17/01/2012). 5 - KAUFMANN, Roberta Fragoso Menezes. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? A implementação para negros como mecanismo concretizador de direitos fundamentais. - Uma análise históricojurídico-comparativa do negro nos Esta.dos Unidos da América e no Brasil Disponível em: (acessado em 20/09/2011). Página 4 de 11

5 O IPEA (2008) 6 ao realizar o acompanhamento das políticas de promoção da igualdade racial define a diferenciação entre ações afirmativas e sistema de cotas do seguinte modo:...ações afirmativas no ensino superior correspondem ao estabelecimento de dispositivos que promovam o acesso e a manutenção, nas universidades, de estudantes pertencentes a grupos sociais que historicamente têm sido objeto de discriminação. Tais ações têm se desenvolvido por meio de diferentes instrumentos, organizados ou não pelo sistema de cotas. Entre as iniciativas que não operam com o estabelecimento de cotas, cabe lembrar a experiência dos cursinhos preparatórios para o vestibular destinados a jovens negros. Operando desde a década de 1980, eles têm se reproduzido em todo o país, contando com recursos variados, inclusive com o apoio financeiro do poder público. Dentro das próprias universidades os sistemas que operam com bonificações têm buscado promover o ingresso de estudantes negros e indígenas sem a instituição de reservas de vagas. Contudo, cabe destacar que o sistema de cotas é a modalidade de ação afirmativa que mais tem se expandido dentro das universidades públicas brasileiras. O aumento do número de universidades que vem implementando o sistema de cotas é um indício do começo de tomada de consciência da grande desigualdade entre os grupos raciais, em especial, dentre negros e brancos, no ensino superior. Como pode-se perceber, as cotas constituem em um importante instrumento de diminuição das desigualdades neste nível de ensino. Apesar da importância dessa política no Brasil, a implementação das ações afirmativas, em especial o sistema de cotas, passou por um período de intenso debate, marcado por posições contrárias e a favor dessas políticas. Dentre aqueles que se posicionaram a favor do sistema de cotas podemos citar o antropólogo Kabengele Munanga (2003), o jurísta Joaquim Barbosa Gomes (2003) e o Sociólogo Antônio Sérgio Alfredo Guimarães (2005). Entre os autores contrários à adoção desse sistema destacam-se os antropólogos Ivonne Maggie (2004) e Peter Fry (2004). Na arena das discussões, vários argumentos contrários a essa política foram expostos. Conforme Guimarães (2005, p.182), os argumentos contrários as ações afirmativas seguem três linhas: Primeiramente, para alguns, as ações afirmativas significam o reconhecimento de diferenças étnicas e raciais entre os brasileiros, o que contraria o credo nacional de que somos um só povo, uma só raça. Em segundo lugar, há aqueles que vêem em discriminações positivas um rechaço ao princípio universalista e individualista do mérito, princípio que deve ser a principal arma contra o particularismo e o personalismo, que ainda orientam a vida pública brasileira; finalmente, para outros, não existem possibilidades reais, práticas, para a implementação dessas políticas no Brasil. 6 - IPEA, Igualdade Racial: Políticas Sociais Acompanhamento e Análise. Disponível em (acessado em 18 de janeiro de 2012). Página 5 de 11

6 Alguns argumentos marcam essa discussão. Tem-se anunciado que o sistema de cotas diminuiria o princípio da universalidade e da igualdade. Para Guimarães (2005, p.189) pelo menos no plano lógico, o argumento de que políticas de exceção (de discriminação positiva), que reafirmem normas universalistas (de não discriminação), acabem por minar a universalidade dessas normas não se sustenta. O autor afirma ainda que os países democráticos que já implementaram algum tipo de políticas de discriminação positiva não diminuíram seus princípios democráticos. O sistema de cotas é constantemente criticado sob a alegação de que este instrumento anula o princípio da meritocracia, isso porque a entrada na universidade sempre esteve condicionada ao resultado das provas do vestibular, que está baseada no mérito e não na raça. De acordo com Telles (2003.p.287) a meritocracia conforme descrita na origem do termo é utópica, porque busca recompensar indivíduos com base na inteligência ou nas habilidades cognitivas; e isto não ocorre em lugar algum. Em uma sociedade com grande grau de desigualdades de oportunidades, o mérito não deve ser algo supremo, já que como bem salientou Telles (2003, 287) passar no vestibular parece ter muito mais relação com habilidade do candidato em pagar cursinhos, geralmente caros, de preparação para vestibular e em dedicar um ano ou mais inteiramente aos estudos para as provas, do que da habilidade em ter êxito na faculdade. Outro argumento refere-se à dificuldade da classificação racial no Brasil, pois não temos um sistema de classificação racial rígido como nos Estados Unidos. Esse foi, e ainda é, um dos argumentos mais reproduzidos desde que surgiu a possibilidade de se implantar as ações afirmativas no Brasil. Segundo esse argumento, a dificuldade em realizar a classificação racial possibilitaria erros graves e até fraudes, ou seja, estudantes brancos se beneficiariam de uma política para negros. No entanto, Guimarães (2005, p.190) argumenta que só porque tem um âmbito limitado de validade, não anula a situação desprivilegiada que visa corrigir pontualmente: quem gostaria de ser negro toda a vida para se beneficiar, na adolescência, de regras privilegiadas de ingresso a universidades? Assim como Guimarães, o autor Munanga (2003) não concorda com esse argumento, e ao analisá-lo, faz as seguintes afirmações: Em primeiro lugar, não acredito que todos os alunos brancos pobres possam cometer este tipo de fraude para ingressar na universidade pública, por causa da força do ideal do branqueamento ainda atuando no imaginário coletivo do brasileiro. Um racista essencialista, psicologicamente convencido da superioridade de sua raça não troca de campo com tanta facilidade... Conscientes desta dificuldade, alguns recorrem aos falsos princípios de democracia advogando a introdução de uma flagrante injustiça contra brancos pobres se o Brasil adotar cotas em favor da maioria de negros pobres. Se for fácil identificar os alunos brancos pobres, por que o seria tão difícil para os alunos negros pobres? Em segundo lugar, a identificação é uma simples questão de auto definição, combinando os critérios de ascendência politicamente assumida com os critérios de classe social... Se constatar depois de algum tempo e experiência que a maioria de alunos pobres beneficiados pela política de cotas é composta de alunos brancos pobres falsificados em negros, será então necessário reavaliar os critérios até então adotados. De qualquer modo, os recursos investidos não seriam perdidos, pois teriam sido aproveitados por segmento da população que também necessita de políticas públicas diferenciadas. Página 6 de 11

7 Ao refutar esse argumento o autor defende ainda que critérios científicos para classificar quem é negro e quem é branco no Brasil inviabilizaria as ações afirmativas em favor de qualquer grupo, haja vista que negros podem possuir caracteres genótipos europeus assim como brancos podem possuir genótipos africanos. O que conta no nosso cotidiano ou que faz parte de nossas representações coletivas do negro, do branco, do índio, do amarelo e do mestiço não se coloca no plano do genótipo, mas sim do fenótipo, num país onde segundo Oracy Nogueira o preconceito é de marca e não de origem (MUNANGA,2003). Outro argumento advém da ideologia da democracia racial impregnada em nossa sociedade, que afirma que somos um país de mestiços. Deste modo, não cabe a implementação de ações afirmativas, mas sim políticas universalistas de acesso a bens e serviços. Essa justificativa para a não adoção das ações afirmativas/sistema de cotas é inconsistente, já que não podemos classificar a maioria da população brasileira como negra, porque não é assim que ela se define e se identifica racialmente. A verdade é que muito poucos querem ser (ou não podem deixar de ser) negros ou pretos e a estes, os mais discriminados, são dirigidas as políticas de ação afirmativa (GUIMARÃES, p ). Também tem sido comum o uso do argumento dos Estados Unidos terem abandonado o sistema de cotas por não alcançar a diminuição da discriminação racial entre brancos e negros e por essa política não ter conseguido atingir os negros pobres. De acordo com Munanga (2003), deixar de discutir e até mesmo aplicar o sistema de cotas no Brasil, somente porque foi uma política que não obteve todo o sucesso esperado é uma estratégia fácil de manter o status quo. Para a implementação das cotas foram realizados estudos, estabelecidos critérios pelas universidades de acordo com a realidade regional e social, para evitar erros. Um outro argumento também bastante utilizado é que a política de cotas ao invés de diminuir o preconceito racial iria estimular a discriminação. Essa política poderia fomentar uma opinião contrária e/ou preconceituosa contra os negros que ingressarem nas diferentes esferas sociais, como universidades e mercado de trabalho através do sistema de cotas, além de afetar o orgulho e a imagem da população negra. Contra este tipo de argumento, eu diria que ninguém perde seu orgulho e sua dignidade ao reivindicar uma política compensatória numa sociedade que por mais de quatrocentos anos atrasou seu desenvolvimento e prejudicou o exercício de sua plena cidadania. Desde quando a reparação de danos causados por séculos de discriminação prejudica a dignidade e o orgulho de uma população? Os judeus têm vergonha em reivindicar a indenização das vítimas do holocausto? Onde estão o orgulho e a dignidade de uma sociedade que continue a manter em condições de igualdade gritante um segmento importante de sua população e que durante muitos anos continuou a se esconder atrás do manto do mito da democracia racial? As cotas não vão estimular os preconceitos raciais, pois estes são presentes no tecido social e na cultura brasileira. Discriminar os negros no mercado de trabalho pelo fato deles terem estudado graças às cotas é simplesmente deslocar o eixo do preconceito e da discriminação presentes na sociedade e que existem sem cotas ou com cotas. (MUNANGA, 2003) Gomes (2003) salienta que as ações afirmativas desempenhariam um mecanismo institucional de criação de exemplos vivos de mobilidade social ascendente. Ou seja, as minorias ao conquistar através das ações afirmativas posições de prestígio e poder, serviriam de exemplo às gerações posteriores. As ações afirmativas operariam como mecanismo de incentivo à educação e à participação de determinados grupos, entre eles os negros, que Página 7 de 11

8 devido a outros mecanismos do sistema jurídico, político, econômico e social estiveram excluídos. Outro argumento preconceituoso propagado nas discussões a respeito das ações afirmativas/sistema de cotas, é que esse sistema poderia acarretar na diminuição do nível de qualidade do ensino superior, já que os negros não possuem a mesma bagagem de conhecimento dos brancos. Munanga (2003) não concorda com esta colocação e afirma que não existe instituição mais preparada que as universidades para suprir a lacuna dos estudantes oriundos das escolas públicas através de uma formação complementar. O quadro abaixo resume os principais argumentos sobre as ações afirmativas e o sistema de vagas no Brasil: Quadro 1 ARGUMENTOS PRESENTES NO DEBATE BRASILEIRO SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS CONTRA Significam o reconhecimento de raças e distinções de raças no Brasil e isso contraria o credo brasileiro de que somos um só povo, uma só nação. Não se pode discriminar positivamente no Brasil, porque não há limites rígidos e objetivos entre as raças. A indefinição dos limites raciais, no Brasil, ou a ausência de tradição de identificação racial daria margem a que oportunistas se aproveitassem da situação. Medidas universalistas teriam o mesmo efeito. Não há, na sociedade brasileira, consenso sobre a desigualdade social provocada por diferenças de cor e raça. Reforçariam práticas de privilegiamento e de desigualdade hierárquica. Ferem os direitos constitucionais daqueles que passam a ser excluídos em consequência de sua aplicação. Fonte: Guimarães (2005, p ) A FAVOR Raça é um dos critérios reais, embora não declarados, de discriminação, utilizados em toda a sociedade brasileira; para combatê-lo, é mister reconhecer sua existência. Esses limites não existem em nenhum lugar; o que conta na discriminação tanto positiva quanto negativa é a construção social da raça (identificação racial). Esse risco é real. Políticas de ação afirmativa requerem reconhecimento oficial das identidades raciais. No entanto, a discriminação positiva, por ser pontual, não pode reverter, a curto prazo, a estrutura de discriminação existente; por isso, o oportunismo esperado seria mínimo. Medidas universalistas não rompem os mecanismos inerciais de exclusão. Tais políticas poderiam ajudar a legitimar esse consenso. Teriam o efeito contrário: a inverter a desigualdade, poria a nu o absurdo da ordem estamental. Não há base legal para demonstrar a inconstitucionalidade de políticas de ação afirmativa. Página 8 de 11

9 Como pode-se perceber, através do quadro 1, as ações afirmativas ainda provocam grandes debates. As cotas raciais no ensino superior iniciaram no Brasil em 2003 e algumas universidades já apresentam os seus primeiros resultados da adoção dessa política. A Universidade de Brasília (UnB), apresenta resultados positivos contrariando os argumentos contra a implementação do sistema de cotas, conforme o IPEA (2008): A UnB implementou em 2004 o sistema de reserva de vagas para alunos negros (pretos e pardos) instituindo que 20% das vagas de cada curso devem ser reservadas aos alunos que se autodeclararem negros no ato da inscrição no vestibular... O programa de cotas raciais na UnB representou um acréscimo substancial da presença da população negra no corpo discente da instituição. Em 2004, os negros representavam apenas 2,0% dos estudantes matriculados. Em 2006 esse percentual subiu para 12,5%. O impacto social do sistema não é apenas numérico, uma vez que o perfil socioeconômico desses alunos indica um histórico mais restrito no que se refere às possibilidades de ascensão educacional aproximadamente 15,3% dos cotistas tinham pais analfabetos ou com o 1ºgrau incompleto, e entre os nãocotistas esse percentual é de apenas 6%... No que se refere ao desempenho, não se percebem diferenças significativas entre os alunos aprovados pelo sistema de cotas e os pelo sistema universal. Em aprovação nas disciplinas cursadas, os alunos cotistas apresentam um índice de 88,90% e os nãocotistas de 92,98%. Quanto ao trancamento de matéria, o índice é de 1,73% para cotistas e 1,76% para não- cotistas. Na média geral do curso, que varia entre 0 e 5, também se verifica que é pequena a desvantagem dos alunos cotistas em relação aos não-cotistas. O índice dos cotistas é de 3,57%, enquanto os não-cotistas apresentam um índice de 3,79%. Os dados publicados pelo IPEA (2008) demonstram que a política de ações afirmativas/sistema de cotas na UnB vem apresentando resultados positivos e sem prejuízos à qualidade de ensino, inversamente aos argumentos contrários apresentados anteriormente, já que as diferenças entre os índices de cotistas e não-cotistas não são expressivas. Resultados futuros poderão apresentar analises ainda mais concludente quanto ao sistema de cotas. Apesar dos argumentos contrários serem rebatidos com justificativas plausíveis a favor das ações afirmativas/sistema de cotas, eles ainda permaneceram no imaginário de uma parcela da população brasileira, apesar das pesquisas já apontarem os resultados positivos dessa política. Considerações Finais As ações afirmativas constituem um avanço no Brasil no que se refere à população negra. Assistir a permanência do quadro de desigualdades raciais sem implementar efetivamente ações de promoção da igualdade racial e diminuição dessas disparidades, é confirmar a sociedade preconceituosa em que consiste o Brasil, pais que almeja o desenvolvimento, mas que não aceita novas formas de distribuição de bens e serviços, bem como a construção de relações sociais mais igualitárias. Criticar as ações afirmativas/sistema de cotas, através de argumentos que em sua maioria não se justificam é confirmar a ideologia do mito da democracia racial. O que devemos perceber é que o ponto central dos argumentos contra o sistema de cotas é o ingresso e permanência de negros em espaços até então destinados, em sua maioria, aos brancos. Página 9 de 11

10 Apesar do avanço e dos aspectos positivos dessas políticas, as ações afirmativas/sistema de cotas consistem apenas em uma das inúmeras políticas que deverão ser criadas para, enfim, alcançarmos uma maior igualdade social. Assim outras políticas, tanto universalista como particularistas, deverão ser criadas em paralelo às ações afirmativas/sistema de cotas. Vale salientar que as cotas não consistem em um sistema de acesso ao ensino superior sem critérios. Os alunos que ingressam através desse mecanismo passam pelo sistema de avaliação e não são aceitos se não atingem o percentual mínimo estabelecido para cada curso. O mecanismo estabelecido pelo sistema de cotas consiste em destinar um número de vagas para determinado grupo, excluído socialmente, que passa a concorrer entre si, o que possibilitará, conforme já demonstrado pelos dados anteriormente, a entrada de um maior número de alunos pertencentes a um determinado grupo, até então marginalizado. Acreditamos e defendemos que esta medida contribuirá para a construção do país democrático que tanto almejamos. Referências BRASIL, Ministério da Saúde. Brasil Afroatitude (acessado em 20/12/2011). FRY, Peter; MAGGIE, Yvonne. A reserva de vagas para negros nas universidade brasileiras. Estudos Avançados, Disponível em: (acessado em 22 /01/2012). GOMES. Joaquim Barbosa. O debate constitucional sobre as ações afirmativas. In: SANTOS, Renato Emerson dos; LOBATO, Fátima. Ações Afirmativas: Políticas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p.15 a 57. GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Classes, Raças e Democracia. São Paulo. Fundação de Apoio á Universidade de São Paulo, 2002., Antônio Sérgio Alfredo. Racismo e Anti-racismo no Brasil. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo; 2ª Ed HERINGER, Rosana. Desigualdades Raciais no Brasil: Síntese de Indicadores e Desafios no Campo das Políticas Públicas. Centro de Estudos Afro-Brasileiros, Instituto de Humanidades, Universidade Cândido Mendes. Rio de Janeiro em 29/01/2009). IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira seindicsociais2010/sis_2010.pdf (acessado em 22/01/2012). IPEA, Igualdade Racial: Políticas Sociais Acompanhamento e Análise. Disponível em (acessado em 18 de janeiro de 2012). IANNI, Octavio. Raças e Classes Sociais no Brasil. 3ª ed. São Paulo. Editora Brasiliense, KAUFMANN, Roberta Fragoso Menezes. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito? A implementação para negros como mecanismo concretizador de direitos fundamentais. - Uma análise histórico- jurídico-comparativa do negro nos Esta.dos Unidos da América e no Brasil Disponível em: (acessado em 20/09/2011). LOPES & ROSSO, Sônia; Sergio. Biologia. Editora: Saraiva. São Paulo MUNANGA, Kabengele. Políticas de Ação Afirmativa em Benefício da População Negra no Brasil Um Ponto de Vista em Defesa de Cotas. Revista Espaço Acadêmico Ano II Nº22 Página 10 de 11

11 - Março, 2003 Mensal ISSN Disponível em: (acessado em 17/01/2012). SALES, Sandra Regina. Acordos e Tensões: O debate sobre políticas de ação afirmativa na universidade brasileira. In. MANCEBO, Deise; SILVA JR, João dos Reis; OLIVEIRA, João Ferreira de (Org.). Campinas, SP. Editora Alínea, TELLES, Edward. Racismo á Brasileira: Uma Nova Perspectiva Sociológica. Rio de Janeiro. Fundação Ford, Página 11 de 11

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL.

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Anais do SILIAFRO. Volume, Número 1. EDUFU,2012 131 A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Douglas Henrique de S. Xavier Universidade

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR

COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR Dayane Ferreira Silva 1 Maria Helena de Souza Ide 2 Introdução O sistema educacional brasileiro enfrenta problemas quanto à classificação racial devido à grande dificuldade de

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009

AFIRMATIVA. Por Dentro da UFOP. Ouro Preto 25 de abril de 2009 POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA Por Dentro da UFOP Ouro Preto 25 de abril de 2009 Debate sobre as ações afirmativas no ensino superior Democratização do acesso a este importante nível de ensino. Está diretamente

Leia mais

POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS

POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS 286 Yvonne Maggie POLÍTICAS DE COTAS E O VESTIBULAR DA UNB OU A MARCA QUE CRIA SOCIEDADES DIVIDIDAS Yvonne Maggie Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil O precioso artigo de Marco Chor Maio e Ricardo

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. Leandro Farias VAZ Mestrando em Geografia - UFG-IESA leandrofvaz@hotmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva discutir

Leia mais

DESEMPENHO DOS ALUNOS ENEM 2008

DESEMPENHO DOS ALUNOS ENEM 2008 Política de Cotas na Universidades: Uma análise baseada nas Notas do ENEM 2008 INTRODUÇÃO O argumento a favor da cota racial nas universidades se baseia na desigualdade histórica observada nos mais diversos

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL. Palavras-chave: Desigualdade. Raça. Cor. Pobreza. Ações afirmativas.

AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL. Palavras-chave: Desigualdade. Raça. Cor. Pobreza. Ações afirmativas. AÇÕES AFIRMATIVAS: UM RETRATO DAS DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL Douglas Henrique de Souza Xavier 1 RESUMO O presente artigo objetiva levantar uma breve discussão a respeito da implantação de ações afirmativas,

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA PARA O ACESSO E A PERMANÊCIA DE ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR: DESAFIO A SER LANÇANDO. Resumo

POLÍTICA PÚBLICA PARA O ACESSO E A PERMANÊCIA DE ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR: DESAFIO A SER LANÇANDO. Resumo POLÍTICA PÚBLICA PARA O ACESSO E A PERMANÊCIA DE ESTUDANTES NO ENSINO SUPERIOR: DESAFIO A SER LANÇANDO Resumo O presente trabalho objetiva a reflexão sobre as políticas publicas de acesso no ensino superior.

Leia mais

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas Kabengele Munanga UJniversidade de São Paulo O debate sobre cotas para negros e indígenas ocorre desde 2002 depois da III Conferência Mundial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA UFGInclui. BASTOS, Rachel Benta Messias (8ªt. Doutorado FE/UFG;rachelbenta@hotmail.com) RESENDE, Anita

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA

O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA O SISTEMA DE COTAS PARA INGRESSO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA BRASILEIRA Andrea Palmerston Muniz 1 Jones Ferreira Matos 2 Lília Mara Sousa Ribeiro 3 Marciene Batista Soares 4 RESUMO: O presente

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Cotas Raciais Radiojornalismo 1

Cotas Raciais Radiojornalismo 1 Cotas Raciais Radiojornalismo 1 Tomas Edson Silveira Rodrigues 2 Lisete Ghiggi 3 Centro Universitário Metodista IPA RESUMO O trabalho consiste na produção de um debate sobre as cotas raciais para ingresso

Leia mais

O SENADO. ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS. Frei David Santos OFM 18/12/2008

O SENADO. ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS. Frei David Santos OFM 18/12/2008 O SENADO ETNIAS e as AÇÕESA AFIRMATIVAS Frei David Santos OFM 18/12/2008 UMA BOA NOTÍCIA: POR 54 VOTOS A FAVOR E APENAS 2 VOTOS CONTRA OS CORAJOSOS DEPUTADOS DO RIO DE JANEIRO, APROVARAM A CONTINUAÇÃO

Leia mais

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. "Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante

revele quem são os cotistas recebidos nas universidades. Você pode, talvez, estar beneficiando uma classe média negra, o que não se justifica diante Ricardo se submeteu a um exame de vestibular para a Universidade de Tupiniquim, ele conseguiu pontuação suficiente para ser aprovado, porem não foi chamado para realizar sua matricula, pois duas vagas

Leia mais

PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2

PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2 PAAIS: a experiência de um programa de ação afirmativa na Unicamp 1 Leandro Tessler e Renato Pedrosa 2 A Constituição Federal estabelece, no artigo 207, o instituto da autonomia universitária: As universidades

Leia mais

Um olhar a favor das cotas raciais

Um olhar a favor das cotas raciais Um olhar a favor das cotas raciais Elane Maria Silva de Brito Graduanda em Direito pela Faculdade Farias Brito RESUMO O presente artigo tem como objetivo a análise do instituto das ações afirmativas, apresentando

Leia mais

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras

A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras A Política de Cotas nas Universidades Públicas Brasileiras Muitas pessoas se assustam ao ouvirem a idéia de criação de cotas para negros nas universidades públicas Brasileiras. Este artigo busca compreender

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA

CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPUTADA FEDERAL ALICE PORTUGAL - PCdoB/BA Pronunciamento da deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) na sessão da Câmara dos Deputados do dia 26 de abril de 2006, em defesa da adoção do sistema de cotas sociais e raciais nas universidades públicas brasileiras.

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

COTAS RACIAIS. Lab. 11

COTAS RACIAIS. Lab. 11 COTAS RACIAIS Lab. 11 Cotas Raciais Sistema de cotas, ou cotas raciais: medida governamental que cria uma reserva de vagas em instituições públicas ou privadas para classes sociais mais desfavorecidas.

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Os novos manifestos sobre as cotas

Os novos manifestos sobre as cotas LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 11-16 Os novos manifestos sobre as cotas Alexandre do Nascimento O debate sobre as cotas raciais no Brasil parece longe de uma conclusão. Apesar de ter sido ratificada pelo Brasil

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 GRAZIELLA MORAES SILVA 2 O debate sobre ações afirmativas no Brasil é geralmente tratado como uma questão

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT.

COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT. COR NO ENSINO SUPERIOR: PERFIL DE ALUNOS DOS CURSOS DE HISTÓRIA, ECONOMIA E DIREITO DA UFMT. SANTOS, Cássia Fabiane dos - UFMT 1 GT: Afro-brasileiros e Educação / n.21 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica

Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica Desempenho dos Aprovados no Vestibular da UFPA antes e após a Política de Cotas: Uma Aplicação de Regressão Quantílica 1. Introdução Diogo Braga Mendes¹ Charlene de Carvalho Silva² Marinalva Cardoso Maciel³

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS

OS MANIFESTOS, O DEBATE PÚBLICO E A PROPOSTA DE COTAS COMO CITAR ESTE TEXTO: NASCIMENTO, Alexandre do. Os Manifestos, o debate público e a proposta de cotas. Revista Lugar Comum: Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, n. 23/24. Ou NASCIMENTO, Alexandre do.

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Soares, José Francisco; Júdice, Renato A AUTO-EXCLUSÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS PÚBLICAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

22/6/2014 - das 14h às 18h. Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. UNITINS CONCURSO PÚBLICO N 001/2014 NÍVEL SUPERIOR COMISSÃO DE CONCURSO E SELEÇÃO REDAÇÃO 22/6/2014 - das 14h às 18h Número de identidade Órgão expedidor Número da inscrição LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas. Universidade Federal de Santa Maria. Observatório de Ações Afirmativas. 22 a 23 de outubro de 2015 I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 22 a 23 de outubro de 2015 Uma análise das ações afirmativas para o acesso ao Ensino

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual II CONCURSO NEGRO E EDUCAÇÃO Projeto - RAÇA E EDUCAÇÃO: OS EXCLUÍDOS DO ENSINO SUPERIOR Autora Delcele Mascarenhas Queiroz Orientador - Prof. Dr. Jocélio T. dos Santos A pesquisa examina as desigualdades

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

A AÇÃO AFIRMATIVA E AS COTAS UNIVERSITÁRIAS

A AÇÃO AFIRMATIVA E AS COTAS UNIVERSITÁRIAS A AÇÃO AFIRMATIVA E AS COTAS UNIVERSITÁRIAS Maythe de Bríbean San Martin Pulici UERJ maythepulici@hotmail.com Carmen Lúcia Guimarães de Mattos UERJ carmenlgdemattos@globo.com INTRODUÇÃO Para que o estudo

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA

EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA EDUCAÇÃO E RACISMO: O RACISMO VELADO DA SOCIEDADE BRASILEIRA PRESENTE NA ESCOLA BRASILEIRA Miriã Anacleto Graduada em Licenciatura Plena pelo curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001

EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 BOLETIM DIEESE DIEESE EDIÇÃO ESPECIAL NOVEMBRO DE 2001 Há 306 anos morria Zumbi dos Palmares, o maior líder da resistência anti-escravista nas Américas. A sua luta contra a discriminação racial permanece

Leia mais

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI.

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. Sabrina Silveira Silva Universidade Federal de Uberlândia\FACIP sabrinasilveiramgsasa@hotmail.com Luciane Ribeiro Dias

Leia mais

Período: jan/2001 a jun/2009 66 artigos Distribuição e evolução temporal Formato Valência (contra, a favor, ambivalente, neutro, ausente) para cotas

Período: jan/2001 a jun/2009 66 artigos Distribuição e evolução temporal Formato Valência (contra, a favor, ambivalente, neutro, ausente) para cotas João Feres Júnior Período: jan/2001 a jun/2009 66 artigos Distribuição e evolução temporal Formato Valência (contra, a favor, ambivalente, neutro, ausente) para cotas raciais e sociais Argumentos mobilizados

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova!

Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova! O programa de cotas raciais da UFPR Tire suas dúvidas sobre o plano de inclusão racial da UFPR Cotas raciais, quem estuda, aprova! Durante a preparação para a Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil

Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil LUGAR COMUM Nº30, pp. 95-100 Os Cursos Pré-Vestibulares para Negros e as Políticas de Cotas nas Instituições de Ensino Superior no Brasil Alexandre do Nascimento Políticas de ação afirmativa são medidas

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 8 Racismo, preconceito e discriminação racial Objetivos: Apresentar aspectos

Leia mais

PREPARADO POR MARIANA GRACIOSO BARBOSA (ESCOLA DE FORMAÇÃO, 2005)

PREPARADO POR MARIANA GRACIOSO BARBOSA (ESCOLA DE FORMAÇÃO, 2005) ESCOLA DE FORMAÇÃO 2006 ESTUDO DIRIGIDO AULA 12: POLÍTICA DE COTAS PREPARADO POR MARIANA GRACIOSO BARBOSA (ESCOLA DE FORMAÇÃO, 2005) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Petição inicial da ADIn 2858 2) Parecer

Leia mais

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina no uso de suas atribuições e considerando: - a autonomia didático-científica, administrativa

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL

AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL AÇÕES AFIRMATIVAS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS: UM ESTUDO INICIAL Gina Glaydes Guimarães de Faria Fábia de Oliveira Santos NEPPEC FE/UFG guima.fa@uol.com.br fabia.psi@gmail.com Objetiva-se, neste

Leia mais

COTA RACIAL NAS UNIVERSIDADES COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA E DE CONCRETIZAÇÃO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

COTA RACIAL NAS UNIVERSIDADES COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA E DE CONCRETIZAÇÃO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA COTA RACIAL NAS UNIVERSIDADES COMO INSTRUMENTO DE EFETIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA ISONOMIA E DE CONCRETIZAÇÃO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA Mayara Maris Puebla Lima - Acadêmica do curso de Direito do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: AS COTAS NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: AS COTAS NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO XXVIENANGRAD POLÍTICAS PÚBLICAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: AS COTAS NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO Jéssica Dyne Santos Cipriano Carolina Machado Saraiva de Albuquerque Maranhão Roberto Kaehler de Albuquerque

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E A POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA: UM ESTUDO COM OS CURSISTAS DE PEDAGOGIA Resumo Júnia Luz de Souza 1 - UnB/FE Otília Maria A. N. A. Dantas 2 - UnB/FE Grupo de Trabalho - Diversidade

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG Processos de Seleção ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG 2010/2-2011/2 GOIÂNIA JUNHO DE 2012 MEC MINISTÉRIO DA

Leia mais

No STF, relator vota pela legalidade de cotas raciais em universidades

No STF, relator vota pela legalidade de cotas raciais em universidades Page 1 of 15 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos e-mail Globomail Pro Globomail Free Criar um e-mail central globo.com assine já todos os sites Vestibular e Educação 25/04/2012 19h09 - Atualizado

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT30 Relações raciais: desigualdades, identidades e políticas públicas

36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT30 Relações raciais: desigualdades, identidades e políticas públicas 36º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS GT30 Relações raciais: desigualdades, identidades e políticas públicas DESIGUALDADES SOCIOECONÔMICAS E ÉTNICORRACIAIS: COMPARATIVO ENTRE ACADÊMICOS NÃO-COTISTAS DOS CURSOS

Leia mais

ALICE PORTUGAL, PCDOB,

ALICE PORTUGAL, PCDOB, ALICE PORTUGAL, PCDOB, Bahia. Saudação aos Prefeitos participantes da IX Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Realização de reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Polícia Rodoviária Federal

Leia mais

POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA?

POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA? POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA? Karen de Abreu Anchieta Universidade Estadual de Londrina karenaanchieta@bol.com.br RESUMO

Leia mais

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS

Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS Opinião N14 AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA UFRGS: AVANÇOS E DESAFIOS GREGÓRIO DURLO GRISA 1 Dentre os múltiplos fatores que desencadearam a adoção de ações afirmativas por meio de cotas em universidades no Brasil

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR.

DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. DESIGUALDADE RACIAL, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO NO ÂMBITO ESCOLAR. Elienai R.Fonseca 1, Consuela de Souza Romão 2, Marcelo Expedito Costa 3, Ana Maria da S. Raimundo 4, Vera Lucia Ignácio Molina 5 1,

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Ações Afirmativas: política de cotas raciais para o ingresso nas universidades públicas

Ações Afirmativas: política de cotas raciais para o ingresso nas universidades públicas Ações Afirmativas: política de cotas raciais para o ingresso nas universidades públicas Affirmative Action: politics of racial quota for admission in universities publics ANDRESA BRAGA PEREIRA * ELIANE

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL 913 ANÁLISE DE CICLO POLÍTICAS PÚBLICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS PARA INDÍGENAS : REFLEXÕES PRELIMINARES SOBRE A UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL Erika Kaneta Ferri Universidade Estadual de Mato

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

O negro em Londrina: da presença pioneira negada à fragilidade das ações afirmativas na UEL

O negro em Londrina: da presença pioneira negada à fragilidade das ações afirmativas na UEL O negro em Londrina: da presença pioneira negada à fragilidade das ações afirmativas na UEL Maria Nilza da Silva * Há algum tempo venho pensando em escrever sobre o negro em Londrina. A idéia surgiu da

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS

LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS LEVANTAMENTO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD/UFMS 5 Educação Superior Karoline dos Reis Macedo 1 Carina Elisabeth Maciel 2 Pôster Resumo: Este texto é parte da pesquisa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Alexandre do Nascimento

Alexandre do Nascimento LUGAR COMUM N o 19-20, pp.173-184 173 Movimentos sociais, ações afirmativas e universalização dos direitos Alexandre do Nascimento A realidade social brasileira explicita brutais desigualdades: desigualdades

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Estereótipos, preconceito e discriminação racial

Estereótipos, preconceito e discriminação racial MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 5 Estereótipos, preconceito e discriminação racial Esse texto aborda a questão dos estereótipos e da discriminação racial. Ressalta que cada grupo ocupa

Leia mais

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus

UFRPE adotam ações afirmativas com bônus USP, Unicamp, UFPE e UFRPE adotam ações afirmativas com bônus Amanda Rossi e Antonio Biondi 16 Julho 2008 Na USP, maior das oito instituições de ensino superior que adotam sistemas de bonificação no vestibular

Leia mais