UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DIEGO MARTINS O PROCESSO DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO NA VOLVO DO BRASIL. Balneário Camboriú 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DIEGO MARTINS O PROCESSO DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO NA VOLVO DO BRASIL. Balneário Camboriú 2010"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DIEGO MARTINS O PROCESSO DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO NA VOLVO DO BRASIL Balneário Camboriú 2010

2 2 DIEGO MARTINS O PROCESSO DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO NA VOLVO DO BRASIL Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração Gestão Empreendedora e Recursos Humanos, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientadora: Prof.ª. Drª. Sara Joana Gadotti dos Anjos Balneário Camboriú 2010

3 3 DIEGO MARTINS O PROCESSO DO EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO NA VOLVO DO BRASIL Esta Monografia foi julgada adequada para a obtenção do título de Bacharel em Administração e aprovada pelo Curso de Administração ênfase em Gestão Empreendedora e Recursos Humanos da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação de Balneário Camboriú. Área de Concentração: empreendedorismo Balneário Camboriú, 29 de Novembro de Prof.ª. Drª. Sara Joana Gadotti dos Anjos Orientadora Prof. Dr. Fernando Cesar Lenzi Avaliador Prof.ª. MSc. Luzia Fröhlich Nunes Avaliadora

4 4 EQUIPE TÉCNICA Estagiário(a): Diego Martins. Área de Estágio: Administrativo. Professor Responsável pelos Estágios: Lorena Schröder. Supervisor da Empresa: Mariane Carpes Nicoloso. Professora orientadora: Drª. Sara Joana Gadotti dos Anjos.

5 5 DADOS DA EMPRESA Razão Social: Associação Brasileira de Recursos Humanos Regional Itajaí. Endereço: Rua Treze de Maio, 97, Centro Itajaí - SC, CEP Setor de Desenvolvimento do Estágio: Administrativo. Duração do Estágio: 240 horas. Nome e Cargo do Supervisor da Empresa: Mariane Carpes Nicoloso Presidente - Gestão Carimbo do CNPJ da Empresa:

6 6 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Balneário Camboriú, 29 de novembro de A Empresa Associação Brasileira de Recursos Humanos Regional Itajaí, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a divulgar os dados do Relatório de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Curricular Obrigatório, pelo acadêmico Diego Martins. Mariane Carpes Nicoloso

7 7 Para quem ama, qualquer sacrifício é alegria. (Benjamim Franklin)

8 8 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos os apaixonados pelo empreendedorismo

9 9 AGRADECIMENTOS A Professora Sara Joana Gadotti dos Anjos pela sua orientação e seu apoio para a elaboração desta Monografia, obrigado pela confiança ao longo da pesquisa, pela motivação, pelo incentivo constante na superação de limites e na busca dos melhores resultados. Aos professores que ao longo destes quatro anos permitiram um aprendizado continuo, agradeço em especial as contribuições dos professores Aloísio Vicente Salomon, Fernando Cesar Lenzi, Luzia Fröhlich, Kiliano Gesser, Luciana Imeton, Ligia Ghisi e Robson Freire que além de educadores foram amigos e assíduos ouvintes ao longo do curso e do desenvolvimento desta monografia. À Coordenação do curso, Professor Márcio Daniel Kiesel, pelo apoio, confiança, amizade e pelas oportunidades concedidas ao longo do curso, que possibilitaram o amadurecimento pessoal, profissional e acadêmico. Aos meus pais, Edson e Claudete, pelo dom da vida, pelo apoio e compreensão que permitiram que superasse desafios e buscasse realizar o melhor. Aos meus familiares, colegas de curso e companheiros de trabalho que souberam compreender minhas ausências e ansiedades ao longo deste período. Aos que por algum motivo da trajetória humana hoje são ausentes entre nós, mas que por terem feito parte de minha vida foram fonte de incentivo e de persistência nessa caminhada. Aos amigos, Claudio, Carla, Fátima, Paulo, Ana Paula, Valéria, Mauricio, Adriana e a muitos outros que foram companheiros dessa jornada e que sempre foram fortes incentivadores no desenvolvimento deste e de muitos outros trabalhos. Em especial aos meus amigos Silvana Souza, Antônio Lodir e Fernanda Arruda amigos que nasceram junto com o curso e que ficarão para a vida; que apoiaram e deram broncas; que nas infindáveis noites e fins de semana de estudo foram compreensíveis; agradeço pela amizade e por fazerem parte da minha história e da minha vida. Ao amigo de longo tempo, Rafael Serpa, a quem as palavras são poucas e falhas para agradecer pela amizade. Ao amigo Artur Lopes, pela amizade e pela cumplicidade ao longo de tantos fatos de nossa vida, pelo ombro amigo e ouvinte, e pelo apoio incondicional. A instituição participante da pesquisa, a Volvo do Brasil, na pessoa do Sr. Rubens Cieslak, do Sr. Antonio Carlos Morassutti e dos demais profissionais

10 10 envolvidos na pesquisa que permitiram dividir o seu tempo e o da empresa para a obtenção dos dados que constituem este trabalho. A ABRH Litoral e seus diretores pela oportunidade de fazer parte desse grupo, e que acima de tudo me ensinaram a paixão pelo RH. E a todos que de algum modo especial me apoiaram e incentivaram neste caminho.

11 11 RESUMO Empreendedorismo corporativo significa estimular que os profissionais da empresa pensem e ajam como empreendedores, de modo a ter um elevado comprometimento com o negócio e sua importância no mercado. Este trabalho tem como principal objetivo analisar o processo de empreendedorismo corporativo em uma empresa de grande porte de Curitiba- PR. Foi realizado um levantamento bibliográfico para compreensão do tema, das atitudes e das competências e se identificou um referencial do escopo do tema na área acadêmica nacional e em periódicos internacionais. A metodologia da pesquisa teve como objetivo a pesquisa exploratória, qualitativa e quantitativa, utilizando-se para a coleta dos dados questionários de Pinchot III, Lopes Jr e Lenzi, além de um processo de observação e entrevista semi-estruturada. Concluiu-se que o perfil intra-empreendedor está ligado ao entusiasmo com o trabalho realizado; as atitudes ligadas à dimensão de poder; e as competências ligadas a comprometimento, persistência, busca de informação e planejamento são essenciais na formação de empreendedores corporativos. Palavras Chave: Empreendedorismo Corporativo, Competências Empreendedoras, Atitudes Empreendedoras.

12 12 ABSTRACT Corporative administration means to motivate the professionals of a company to think and act as administrators, with high commitment with the business and its importance in the market. This paper s main goal is to analyze the process of administration in a large company in Curitiba PR. We did a bibliographic research to understand the subject, the attitudes and the competences and we identified a referential of the subject idea in the national academic area and in international periodic. This is a qualitative and quantitative exploratory research that used Pinchot III s, Lopes Jr. s and Lenzi s questionnaires to gather people s opinions, besides an observation process and semi-structured interview. We could notice that the corporative administration is connected to the enthusiasm the person has with his/her already made work; the attitudes are linked to power s dimension; and that the competences are connected to commitment, persistence, search of information and a planning are essentials in the corporative administrators formation. Keywords: Corporate Entrepreneurship, Entrepreneurial Skills, Attitudes Entrepreneurs

13 13 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Pensamento empreendedor de 1816 a Quadro 02 Definições de empreendedorismo da década de 1990 a Quadro 03 Principais autores e contribuições por tema do empreendedorismo Quadro 04 Escolas de pensamento de empreendedorismo Quadro 05 As abordagens das escolas de empreendedorismo Quadro 06 Características e padrões de empreendedorismo compilado por Pinotti Quadro 07 Diferentes abordagens de empreendedorismo Quadro 08 Características presentes em empresários bem sucedidos Quadro 09 Características das competências para a gestão de pessoas Quadro 10 As atitudes, características, competências e aprendizagem dos empreendedores Quadro 11 Modelo de competências de Spencer e Spencer Quadro 12 Relações das competências empreendedoras, autores e abordagens de Spencer e Spencer (1993) e Cooley (1990) Quadro 13 Variações do empreendedorismo corporativo Quadro 14 Nomenclaturas e definições do termo empreendedorismo corporativo Quadro 15 Competências do intra-empreendedor Quadro 16 Modelo de competências empreendedoras Quadro 17 Pesquisas de empreendedorismo nos cursos de doutorado Quadro 18 Pesquisas de empreendedorismo nos cursos de mestrado Quadro 19 Principais estudos internacionais no campo de empreendedorismo no ano de Quadro 20 Resumo dos projetos inovadores do grupo estudado Quadro 21 Dimensões, distribuição dos itens e indicadores das atitudes empreendedoras de Lopez Jr

14 14 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Programas de pós-graduação pesquisados Tabela 02 Idade dos respondentes Tabela 03 Estado civil dos respondentes Tabela 04 Resumo da pontuação intra-empreendedora Tabela 05 Freqüência das proposições do perfil intra-empreendedor Tabela 06 Atitudes empreendedoras dos intra-empreendedores da Volvo do Brasil Tabela 07 Atitudes da dimensão de realização Tabela 08 Atitudes da dimensão de planejamento Tabela 09 Atitudes da dimensão poder Tabela 10 Atitudes da dimensão inovação Tabela 11 Distribuição dos respondentes por competência empreendedora segundo pontuação individual Tabela 12 Comparativo entre freqüência, moda e média das competências empreendedoras Tabela 13 Comparativo entre freqüência, moda e média das competências empreendedoras no grupo formado por coordenadores de EAG s Tabela 14 Pesquisas na linha de atitudes empreendedoras

15 15 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Ciclo do comportamento empreendedor Figura 02 Exemplo de estrutura de carreira e competências Figura 03 Integração das esferas de educação corporativa por meio das competências Figura 04 Escopo do empreendedorismo corporativo Figura 05 Integração estratégica do empreendedorismo corporativo Figura 06 Processo empreendedor de Timmons Figura 07 As fases de implementação de projetos e seus filtros defendidos por Hashimoto... 56

16 16 LISTA DE GRÁFICO Gráfico 01 Evolução histórica do estudo de empreendedorismo Gráfico 02 Formação superior dos respondentes Gráfico 03 Motivação para treinamentos Gráfico 04 Freqüência da participação em treinamentos Gráfico 05 Média das atitudes empreendedoras por dimensão Gráfico 06 Distribuição percentual do grupo respondente segundo tipo e presença das competências empreendedoras Gráfico 07 Freqüência de respondentes por competência empreendedora. 100 Gráfico 08 Número de competências identificadas por respondente

17 17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema de estágio Problema de pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Contextualização do ambiente de estágio Organização do trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Empreendedorismo Conceito Escolas de empreendedorismo Comportamento, atitude e perfil empreendedor Características empreendedoras Competências empreendedoras Empreendedorismo corporativo Empresas empreendedoras Empreendedorismo nas organizações METODOLOGIA Tipologia de pesquisa Sujeito do estudo Instrumentos de pesquisa Análise e apresentação dos dados ANÁLISE DOS DADOS Contextualização da empresa estudada Evolução histórica da Volvo do Brasil Gestão, políticas e cultura da empresa Perfil intra-empreendedor dos gestores Perfil do empreendedor corporativo... 82

18 Projeto inovador para a empresa Intra-empreendedorismo Atitudes e competências necessárias para desenvolver o empreendedorismo corporativo Atitudes empreendedoras Competências empreendedoras Análise estratificada Coordenadores de Equipes Auto Gerenciável- EAG s Comparativo com as pesquisas análogas encontradas na literatura CONSIDERAÇÕES FINAIS Limitações Sugestões para pesquisas futuras REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES

19 19 1 INTRODUÇÃO Neste capítulo inicia-se uma breve introdução do tema e apresentação do problema a ser estudado, bem como os objetivos a serem alcançados e a justificativa da temática pesquisada. 1.1 Tema de estágio O estudo do empreendedorismo caracteriza-se como força motriz para a economia de países em desenvolvimento, no Brasil este partilha de um movimento de apoio, que começa a sair da esfera de instituições como o Sebrae e começa a abranger organizações não-governamentais, associações, iniciativa privada, instituições de ensino superior e mídia em geral (HASHIMOTO, 2006). Portanto, é oportuno que haja cada vez mais um estudo profundo a respeito do conceito de empreendedorismo, já que a maioria dos negócios criados no país são gerenciados por pequenos empresários que geralmente não possuem conceitos de gestão de negócios, fazendo-o muitas vezes sem planejamento ou de forma empírica (DORNELAS, 2001). Diante dessas premissas apresentadas, vale ressaltar o que apresenta Hisrich e Peters (2004, p.32) que o papel do empreendedorismo no desenvolvimento econômico envolve mais do que apenas o aumento da produção e renda per capita, envolve iniciar e constituir mudanças na estrutura do negócio e da sociedade. Em complemento a esse entendimento vale lembrar que existem milhares de pessoas que possuem este perfil empreendedor, que vão desde jovens até cidadãos mais idosos, que inauguram diversos negócios por conta própria onde agrega a liderança que conduz ao progresso e ao desenvolvimento econômico das nações (CHIAVENATO, 2004). Por sua vez, o estudo do empreendedorismo ganha diversas formas de estudo, como o caso do empreendedorismo corporativo; que embora possua todos os componentes, se aplica em uma organização já existente (DORNELAS, 2008). Há alguns mitos com relação ao empreendedor corporativo, que o ligam diretamente a alta administração, no entanto, diferentemente do que se pensa, todos podem ser

20 20 empreendedores corporativos por enfrentarem os problemas cotidianos de forma diferente (HASHIMOTO, 2006). 1.2 Problema de pesquisa Desta forma o presente estudo busca responder a seguinte pergunta de pesquisa: Quais as competências necessárias para a concepção do empreendedorismo corporativo na Volvo do Brasil? 1.3 Objetivo Geral Analisar o processo do empreendedorismo corporativo na Volvo do Brasil Objetivos Específicos Identificar o perfil de empreendedor corporativo dos gestores Delimitar as atitudes e competências necessárias para desenvolver o empreendedorismo corporativo. Analisar as competências para alavancar o empreendedorismo corporativo. 1.4 Justificativa Esta pesquisa se justifica pela atualidade e importância do tema à ciência da administração; uma vez que a criação de novos empreendimentos já vem sendo foco de estudo há muitos anos, o tema do empreendedorismo corporativo ganha destaque pelos resultados significativos que tem gerado em organizações de todos os segmentos (HASHIMOTO, 2006; DORNELAS, 2008). Não raro há casos de empresas que relatam seus programas de empreendedorismo corporativo e apresentam significativos resultados diante das problemáticas encontradas anteriormente ao programa (HASHIMOTO, 2006). Diante desta situação, desenvolve-se este estudo buscando analisar o processo de empreendedorismo corporativo na Volvo do Brasil, analisando seu

21 21 perfil, atitudes e competências empreendedoras; traçando assim as características deste grupo. A relação acadêmica do aluno com o cotidiano das organizações, aprendizagem do conteúdo teórico vivenciado durante o curso de administração e sua aplicação empírica nas organizações relacionada com a temática do empreendedorismo. 1.5 Contexto do ambiente de estagio A Volvo do Brasil é no mercado em que atual uma empresa de grande importância, dados os fatores tecnológicos empregados em seus produtos bem como pelo tempo no mercado. Para a região de Curitiba PR a empresa ganha ainda mais importância devido ao grande número de empregos gerado na região, sobretudo pelo fato de ter contribuído ao longo de sua história para o desenvolvimento do setor de transporte da capital paranaense. O setor automotivo do Paraná é um dos que mais apresentam crescimento nos últimos anos no Estado, desde a década de 1990 o assim chamado pólo automotivo do Estado tem ganhado a adesão de grandes montadoras como Renault, Volks/Audio e Chrysler; mas sem dúvida o destaque ainda fica com a Volvo que está instalada na Cidade Industrial de Curitiba desde Os números demonstram que o setor tem crescido consideravelmente, num comparativo entre 1995 e 2003 o Estado passou da produção de 372 unidades para a significativa marca de 500 unidades. Com relação aos empregos, nesse mesmo período, o aumento chegou a 176,6%, passando de empregados em 1995, para , em 2003 (MIGLIORINI, 2006). Na área de gestão de pessoas a empresa é referência para outras empresas do mesmo porte e seguimento; presente por 06 anos consecutivos no Guia Você S/A como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar, sendo que durante 04 vezes esteve entre as 10 melhores. Deste modo a escolha da Volvo do Brasil é significativa tendo em vista a grande referencia que está é para o setor em que atua e pela sua importância econômica para o Estado do Paraná.

22 Organização do trabalho A primeira parte do trabalho constitui-se da introdução e da contextualização, juntamente com o tema da pesquisa e a identificação dos objetivos a serem cumpridos, além da justificativa e a apresentação do ambiente pesquisado. O segundo capítulo refere-se ao embasamento teórico desta pesquisa, sendo dividido em quatro sub-capítulos que abordam o empreendedorismo (conceito, escolas, comportamento, atitude, perfil, características, competências), empreendedorismo corporativo, empresas empreendedoras e empreendedorismo nas organizações. O terceiro capítulo à metodologia apresentando os meios utilizados para a coleta, apresentação e caracterização da pesquisa, definindo o delineamento utilizado desencadeadas no processo. Por sua vez, o quarto capítulo apresenta os resultados da pesquisa feita pelo acadêmico através de uma pesquisa exploratória e dados primários, bem como análise dos dados e compreensões a respeito do tema pesquisado. O quinto capítulo configura as considerações finais feitas com relação ao estudo realizado, bem como uma análise dos objetivos propostos que foram alcançados no decorrer do trabalho. Finalmente são apresentadas as referências bibliográficas dos autores citados no trabalho, bem como anexos e apêndices que auxiliaram na realização desta pesquisa.

23 23 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Empreendedorismo Conceito O termo empreendedorismo é uma tradução livre do termo inglês entrepreneurship, que contém idéias de iniciativa e inovação (DOLABELA, 2008), sendo o termo derivado da palavra francesa entrepreneur, que se resume em aquele que assume riscos e começa algo novo (CHIAVENATO, 2004). Vale lembrar que o empreendedorismo como ciência é entendido como o processo de criar algo novo dedicando o tempo e o esforço necessários e assumindo riscos que podem ser psíquicos, financeiros ou sociais, e recebendo as recompensas que podem ser satisfação ou a independência econômica e pessoal (HISRICH; PETERS, 2004). Algumas escolas de estudo de empreendedorismo colocam o empreendedorismo como algo totalmente pessoal, puxando todo o pensamento para o indivíduo como afirma Gerber (2004, p.15-16) onde o empreendedor é o visionário em nós: o sonhador, a energia por trás de toda atividade humana, a imaginação que alimenta o fogo do futuro, o catalisador da mudança. Neste mesmo pensamento verifica-se que os empreendedores são pessoas que perseguem o benefício, trabalham individual e coletivamente. Podem ser definidos como indivíduos que inovam, identificam e criam oportunidades de negócios, montam e coordenam novas combinações de recursos para extrair os melhores benefícios (LEZANA, 1999, apud RAMBO, 2006). Quando se busca uma definição sobre o empreendedor, sabe-se que ele é aquele que faz com que as coisas aconteçam, antecipando-se aos fatos e tem, em relação à organização, uma visão futura. Sabe-se que os empreendedores são pessoas diferentes, que tem uma motivação acima do comum e são apaixonadas pelo que fazem. Estes não se contentam em ser mais um na multidão, buscam ser reconhecidos, referenciados, querem deixar um legado (DORNELAS, 2001). Essa discussão se amplia quando são inserindo tópicos que são o epicentro das características a cerca do empreendedor, segundo Chiavenato (2004, p. 3) o

24 24 empreendedor é a pessoa que inicia e/ou opera um negócio para realizar uma idéia ou projeto pessoal assumindo riscos e responsabilidades e inovando continuamente, o autor ainda salienta que essa definição envolve não somente os fundadores das empresas, mas inseri os membros da segunda e terceira geração de empresas familiares, bem como os gerentes-proprietários que adquirem empresas já existentes. O empreendedor além de tais características é uma pessoa que destrói a ordem econômica, graças à introdução no mercado de produtos/serviços novos e pela criação de novas formas de gestão (SCHUMPETER, 1947). Desta forma há idéia de que a essência da inovação está no empreendedor e que desta forma as antigas maneiras de fazer negócio se tornam obsoletas. Deste modo, a idéia em sua essência corrobora com o exposto por Chiavenato (2004), embora Dornelas (2001) por sua vez afeiçoe-se mais a idéia de Schumpeter (1947), já que retoma a questão de paixão por um projeto pessoal. Levando em consideração e tomando por base as definições dos demais autores apresentados, pode-se agregar maior valor a tais pensamentos, tornando sua conceituação mais ampla e explicativa como define Oliveira (1995, p. 22) ao estabelecer que: Empreendedor é todo indivíduo que, estando na qualidade de principal tomador das decisões envolvidas, conseguiu formar um novo negócio ou desenvolver negócios já existentes, elevando substancialmente seu valor patrimonial, várias vezes acima da média esperada das empresas congêneres no mesmo período e no mesmo contexto sócio-político-econômico, tendo granjeado com isso alto prestígio perante a maioria das pessoas que conhecem essa empresa ou tem relacionamentos com ela. Um dos conceitos que mais engloba termos simples, mas ao mesmo tempo interpela os diversos conceitos e nomenclaturas de empreendedorismo, é apresentado por Dornelas (2003, p. 35), afirmando que empreendedorismo significa fazer algo novo, diferente, mudar a situação atual e buscar, de forma incessante, novas oportunidades de negócios, tendo como foco a inovação e a criação de valor.. Nesta mesma linha de pensamento, Leite (1998, p. 117) apresenta: O empreendedor é aquele que faz as coisas acontecerem, pois além de ser capaz de identificar oportunidades de mercado, possui uma aguçada sensibilidade financeira e de negócios, para transformar aquela idéia em um fato econômico em seu benefício.

25 25 Segundo o mesmo autor, ele tenta não só atender aos seus futuros clientes, como busca satisfazer as suas necessidades de realização profissional. Deste modo, verifica-se que não há necessidade do empreendedor de conhecer diversas áreas de conhecimento, mas precisa ser inovador e antever situações. Neste ponto uma definição bastante usada, por apresentar diversas características em torno do conceito de empreendedor é apresentada por Filion (1999a, p. 19), que apresenta: O empreendedor é uma pessoa criativa, marcada pela capacidade de estabelecer e atingir objetivos, e que mantém alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidades de negócios. Um empreendedor que continua a aprender a respeito de possíveis oportunidades de negócios e a tomar decisões moderadamente arriscadas que objetivam a inovação, continuará a desempenhar um papel empreendedor [...]. Um empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões. Por sua vez Bhidé (2001, p.80) coloca que para iniciar um negócio potencialmente bem-sucedido, não é fundamental contar com uma idéia criativa, no sentido de aparecer com algo novo. Muito mais importante é ter a capacidade de executar a idéia de outro. O termo empreendedorismo e empreendedor, muito confundido com empresário ou até mesmo gestor, evolui ao longo do tempo, passando de uma pessoa que une meios de produção a fundadores de empresas, passando pela idéia de um agente que organiza a estrutura organizacional em diversos níveis; essa evolução tem como referencial teórico inicial Say (1816) como primeiro a usar ou referenciar um fenômeno ao tema. O quadro 01 apresenta alguns dos pensamentos sobre o tema ligando-o essencialmente ao empreendedorismo tradicional: de criação de empresas. Autores Say (1816) Lavington (1922) Schumpeter (1934) Definições de Empreendedorismo O agente que une todos os meios de produção e que encontra no valor dos produtos (...) o restabelecimento da totalidade do capital que ele emprega, e o valor dos salários, os juros e a renda que ser paga, como bem os lucros pertença a si mesmo. (p ) Em tempos modernos, o empresário assume muitas formas. Ele pode ser um homem de negócios privados, uma parceria, uma sociedade anônima, uma sociedade cooperativa, município ou órgão similar. (p. 19). (...) Empresarial, tal como definido, essencialmente, consiste em fazer coisas que geralmente não são feitas no decurso de operações de rotina do negócio, é, essencialmente, um fenômeno que vem sob o aspecto maior da liderança. (p. 254)

26 26 Autores Definições de Empreendedorismo Ely e Hess A pessoa ou grupo de pessoas que assumem a tarefa e a responsabilidade de (1937) combinar fatores de produção em uma organização empresarial e manter essa organização em funcionamento (...) ele comanda as forças industriais, e sobre ele recai a responsabilidade pelo seu sucesso do fracasso. (p. 113) Stauss (1944) Este trabalha em um argumento para avançar a proposição de que a empresa é o empresário. Cole (1959) (...) A atividade intencional (incluindo uma seqüência integrada de decisão) de um indivíduo ou grupo de indivíduos, comprometeu-se a iniciar, manter ou engrandecer um lucro unidade de negócio orientada para a produção ou distribuição de bens econômicos e serviços. (p. 7) McClelland (...) Alguém que exerça algum controle sobre os meios de produção e produz (1961) mais do que ele pode consumir a fim de vender (ou câmbio) para no indivíduo (ou família) de renda (...). Na prática, essas pessoas revelaram-se os comerciantes, artesãos independentes e os operadores de empresa (p. 65). Davids (1963) Fundadores de novas empresas (p. 3) Litzinger A distinção feita entre os empresários que são objetivos e ação orientada em (1965) contraste com os gestores que executam políticas e procedimentos para alcançar as metas (...). Os proprietários de mãe e motéis pop aparecem o tipo de Leibenstein (1968) Hartman (1969) Wainer e Rubin (1969) Collins e Moore (1970) Hornaday e Bunker (1970) Hornaday e Aboud (1971) Palmer (1971) Draheim, Howell (1972) empreendedor que investiram o seu capital próprio e operar um negócio (p. 268). Por espírito de rotina que entendemos as atividades envolvidas na coordenação e execução de um bem estabelecido preocupação, indo as que as partes da função de produção em uso (e as alternativas passíveis de uso atual) são bem conhecidos e que opera bem estabelecidos e claramente definidos mercados. Por empreendedorismo entendemos as atividades necessárias para criar ou continuar uma empresa que nem todos os mercados estão bem estabelecidos e claramente definidos e / ou em que as partes relevantes da função de produção não são totalmente conhecidas. (p. 73) A distinção entre empresário e empreendedor em termos de sua relação com a autoridade formal na organização industrial (...). O empresário pode justificar a sua autoridade formal de forma independente ou que possa descrevê-lo como delegada de outros, nomeadamente dos acionistas. Mas dentro da organização só ele é a fonte de toda autoridade formal. Gestão é definida residualmente como "não sendo a fonte de toda autoridade.". A fronteira entre o empresário e o gerente é, portanto, relativamente precisa. (p ). O empresário em esquema de McClelland é "o homem que organiza a empresa (a unidade de negócio) e / ou aumenta a sua capacidade produtiva." (p. 178) Distinguimos entre construtores organização que criam empresas novas e independentes e aqueles que desempenham funções dentro da organização empresariais já estabelecidos. Talvez estejamos, afinal, o pensamento do empresário na forma como Schumpeter visto por ele: "todo mundo é um empresário somente quando ele realmente" e perde esse caráter assim que ele construiu o seu negócio. (p.10) (...) O "empresário bem sucedido" era um indivíduo que tinha começado um negócio, construindo-se não útil anterior tinha sido bom, e continuando por um período de pelo menos 5 anos para o lucro atual estrutura de tomada (... ) com 15 ou mais empregados. (p. 50) O "empresário bem sucedido" foi definido como um homem ou uma mulher que começou um negócio que havia antes, que tinha pelo menos 8 funcionários e que tinha sido estabelecido há pelo menos 5 anos. (...) A função empresarial envolve principalmente de medição do risco e de risco que uma organização empresarial. Além disso, o empresário bem-sucedido é aquele indivíduo que pode interpretar corretamente a situação de risco e, em seguida, determinar as políticas que minimizem os riscos envolvidos (...). Assim, o indivíduo que possa medir corretamente a situação de risco, mas é incapaz de minimizar o risco, não seria definida como um empresário. (p. 38) Empreendedorismo - o ato de fundar uma nova sociedade onde não existia antes. Empresário é a pessoa e os empresários são o pequeno grupo de pessoas que são fundadores da nova empresa. O termo também é usado para indicar que os fundadores têm alguma participação acionária significativa no

27 27 Autores Kirzner (1973) Liles (1974) Brockhaus (1980) Hull, Bosley e Udell (1980) Lachman (1980) Cooper e Dunkelberg (1981) Mescon e Montanari (1981) Drucker (1985) Stevenson, Roberts e Grousbeck (1985) Rumelt (1987) Low e MacMillan (1988) Definições de Empreendedorismo negócio (eles não são apenas os empregados) e que sua intenção é para que a empresa crescer e prosperar para além da fase de auto-emprego. (p. 1) Empreendedorismo é a habilidade de se perceber novas oportunidades. O reconhecimento e aproveitamento da oportunidade levarão à tendência de correção do mercado e trazê-lo de volta ao equilíbrio. Examinamos o empresário que está envolvido em empreendimentos substancial e de ter considerado que encontramos à luz do pensamento tradicional de que ele é um tipo especial de indivíduo - um homem de alguma maneira incomum e raro - um homem distante. Provavelmente é verdade que os empresários muito bem sucedidos se os homens separados. Mas, no início, quando tomam a decisão de iniciar uma carreira empresarial, são em muitos aspectos, muito parecido com muitos outros ambiciosos, lutando indivíduos. (p. 14). (...) Um empresário é definido como um grande proprietário e gestor de um negócio que não esteja em outro lugar. (p. 510) Uma pessoa que organiza e administra uma empresa de negócios assumindo o risco por causa do lucro. Para efeitos do presente, esta definição padrão irá ser alargada para incluir aqueles indivíduos que compram ou herdam uma empresa já existente com a intenção de (e esforço em direção a) expandir. (p. 11) O empreendedor é percebido como uma pessoa que usa uma nova combinação de fatores de produção para produzir a primeira marca em uma indústria. Este artigo relata sobre o que acreditamos ser o maior e variada amostra de empreendedores estudados até hoje. As conclusões são de um levantamento de 1805 proprietários-gerentes. Os empresários são, por definição, os fundadores de novas empresas. Empreendedorismo é um ato de inovação que envolve prover recursos existentes com novas capacidades de produção de riquezas. Empreendedorismo é perseguir uma oportunidade sem se preocupar com recursos atuais ou capacidades. Empreendedorismo é a criação de novos negócios que não sejam exatamente a duplicação de negócios já existentes, mas que tenham algum elemento de novidade. Empreendedorismo é a criação de nova empresa. Quadro 01: Pensamento empreendedor de 1816 a 1988 Fonte: Adaptado Gartner (1989) e Grassi (2005). Outros autores, como Schrage (1965), Gould (1969), Durand (1975), Gomolka (1977), DeCarlo e Lyons (1979), Hisrich e O Brien (1981), Thorne e Ball (1981), Welsch e Young (1982); também citados por Gartner (1989) abordam o tema empreendedorismo focando-o como empresário ou um criador de empresas, no entanto, eles abordam o tema baseando-se em características identificadas e não na definição propriamente dita. No entanto, é durante a década de 1990 a 2000 que a discussão do tema empreendedorismo ganha uma dimensão maior, e passa assim a ser estudado como um fenômeno em particular, mas substancialmente ligado as empresas. A

28 28 evolução do pensamento permite que se percebam diversos temas ligados ao assunto (quadro 02); num levantamento comparativo é possível se observar que a questão da inovação é o centro da discussão. Autores Stevenson e Jarillo (1990) Covin e Slevin (1991) Morris, Lewis e Sexton (1994) Lumpkin e Dess (1996) Timmons (1997) Venkataraman (1997) Morris (1998) Filion (1999) Sharma e Chrisman (1999) Shane e Venkataraman (2000) Definições de Empreendedorismo Empreendedorismo é um processo pelo qual indivíduos em sua própria empresa ou dentro de organizações perseguem oportunidades sem considerar os recursos que controlam. Empreendedorismo é uma dimensão de postura estratégica de uma organização representada por assumir riscos, tendências e agir proativamente e com agressividade competitiva e confiar em inovação de produtos. Empreendedorismo é uma atividade em processo que envolve uma série de inputs e que pode produzir diferentes resultados (outputs). Empreendedorismo tem relação com novos negócios, no que consiste o empreendedor. Empreendedorismo é um modo de pensar, raciocinar e agir que é obcecado pela oportunidade, de abordagem holística e liderança equilibrada. A pesquisa do empreendedorismo procura compreender como as oportunidades que criam a existência de futuros produtos e serviços são descobertas, criadas e exploradas por quem e com quais conseqüências. Empreendedorismo é o processo através do qual indivíduos e equipes criam valor reunindo entradas de recursos de pacotes únicos para explorar oportunidades no ambiente. Empreendedorismo envolve o estudo dos empreendedores, examina suas atividades, características, efeitos sociais e econômicos e os métodos de suporte usados para facilitar a expressão da atividade empreendedora. Empreendedorismo inclui atos de criação organizacional, renovação ou inovação que ocorrem dentro ou fora da organização existente. Empreendedorismo é o processo de descoberta, evolução e exploração de oportunidades. Quadro 02: Definições de empreendedorismo da década de 1990 a Fonte: Adaptado Grassi (2005) e Martens (2009). Verifica-se que o termo empreendedorismo ganha mais sentido científico já que não mais se explica o empreendedorismo tendo por base o entendimento do empresário, mas se constituem entendimentos embasados em um escopo de estudo pelo qual cientificamente o empreendedorismo ganha sentido de estudo e permite assim a análise de fenômenos organizacionais para explicar a ação empreendedora, constituindo assim a definição da terminologia. Após verificar-se a evolução do entendimento e da discussão do tema, podese perceber que as idéias de Oliveira (1995) são pertinentes a essa discussão, não só porque apresentam uma definição de empreendedorismo mais ampla, mas por

29 29 explicar as idéias apresentadas, visto que expressa que o empreendedor se sobressai por atingir resultados positivos ou acima da média quando ninguém espera que isso seja possível; mesmo e independentemente deste romper a ordem econômica vigente ou ser um projeto de cunho pessoal. Em consonância com os autores anteriores, Gerber (2004) apresenta uma idéia mais romântica do empreendedor, buscando ressaltar os demais conceitos outrora apresentados, mas aprimorando a idéia de paixão e inovação pessoal na ação empreendedora. Por sua vez, Filion (1999a) abrange diversos pontos da discussão de empreendedorismo colocando em alta a criatividade e o atingir objetivos, que outros autores raramente apresentam como substanciais ao tema, já a questão de detectar oportunidades e o risco corrobora com as idéias apresentadas pela maioria dos autores citados. Embora alguns pensamentos vão contra algumas questões apresentadas por Filion (1999a), estes são pertinentes a essa discussão, pois ao definir o empreendedor, é fundamental saber quais são as ações e as características mais coerentes com o seu papel social e econômico; na idéia de Bhidé (2001) ocorre na verdade uma inversão de prioridades ao empreendedor, já que Filion (1999a) enfatiza com maior grau de importância o ser criativo. Em resumo os autores colocam que mais do que ser criativo, para ser um empreendedor de sucesso é necessário compreender e saber executar as idéias da organização transformandoas em objetivos a ser alcançado, fato que visto deste ponto corrobora com a maioria dos autores conhecidos na literatura de empreendedorismo. Na literatura existente de empreendedorismo, diversos autores realizaram diversas contribuições em relação aos principais temas relacionados a empreendedorismo, um resumo é apresentado no quadro 03. Tema Autor Contribuição Teoria do Empreendedorismo Cunningham e Lischeron (1991) Carland, Hoy, Boulton e Carland (1984), Low e MacMillan (1988) e Gartner (1990) Chell, Haworth e Brearley (1991), Gartner, Brid e Starr (1992) e Lumpkin e Dess (1996) Minamala (1992), Palich e Bagby (1995), Baron (1998), Barney (1997), Tversky e Kaheneman (1974), e Stevenson e Gumpert (1985) Westhead e Wright (1998 a), Wright, Seleção de abordagens para descrever empreendedores Estudos de personalidade, traços, qualificação e experiência. Aspectos comportamentais Processo cognitivo e decisório Classificação e

30 30 Tema Autor Contribuição Tipos de Empreendedorismo Westhead e Soul (1998), Delmar e Davidsson (2000), Reynolds (1997) e Kolvereid (1998) Kamm e Shuman (1990), Fiet Busenitz, Moesel e Barney (1997), Wright e Coyne (1985), Baruch e Gebbie (1998), Ensley, Carland, Banks (1999) e Birley e Stockley (2000) Dyer (1994), Cooper e Woo (1997) e aprofundamento dos tipos: nascente, novato, serial e de portfólio. Times empreendedores Empreendedores de carreira McGrath (1999) Quadro 03: Principais autores e contribuições por tema do empreendedorismo. Fonte: Adaptado de Seiffert (2005) Escolas de Empreendedorismo Diversas ciências vêm se interessando pelo empreendedorismo e trazendo suas próprias contribuições para o assunto. Desta forma as escolas de empreendedorismo surgem e se posicionam sob diferentes perspectivas de estudo. As escolas de empreendedorismo e suas características são apresentadas no Quadro 04 sob a classificação de Cunningham e Lischeron (1991, apud HASHIMOTO, 2006). Escola Escola Bibliográfica Escola Psicológica Escola Clássica Escola da Administração Escola da Liderança Características Estuda a história de vida de grandes empreendedores, mostrando que os traços empreendedores são inatos e não podem ser desenvolvidos. É a intuição que diferencia os empreendedores das demais pessoas, sobretudo o seu sexto sentido para identificar e aproveitar uma oportunidade. A pessoa simplesmente nasce empreendedora. Estuda as características comportamentais e de personalidade dos empreendedores. Nesta escola assume-se que o empreendedor desenvolve uma série de atitudes, crenças e valores que moldam sua personalidade em torno de três áreas de atenção: valores pessoais, como honestidade, comprometimento, responsabilidade e ética; propensão ao risco e necessidade de realização. Tem como principal característica a inovação. Ela crê que o empreendedor é aquele que cria algo, e não que simplesmente o possui. Descoberta, inovação, criatividade são os temas de estudo desta escola. A base desta linha de estudos é o trabalho do economista Joseph Schumpeter. Sugere que o empreendedor é uma pessoa que organiza e administra um negócio, assume os riscos de prejuízo e o lucro inerentes a ele, planejando, supervisionando, controlando e direcionando o empreendimento e estruturação de idéias nasce desta escola. Mostra que o empreendedor é um líder que mobiliza as pessoas em torno de objetivos e propósitos. Esta escola parte do pressuposto que nenhum empreendedor obtém resultados sozinho. É preciso, acima de tudo, que ele saiba montar sua equipe, motivá-la e desenvolvê-la para construir coisas em conjunto. Diz que as habilidades empreendedoras podem ser úteis em organizações complexas, para ações de foco bastante específico, como

31 31 Escola Características abrir um mercado, expandir serviços ou desenvolver produto. Seu foco Escola Corporativa de estudo é a organização e o seu desenvolvimento. Ela ganhou relevância a partir da necessidade e das dificuldades das organizações em desenvolver os empreendedores internos ou o clima empreendedor. Quadro 04: Escolas de pensamento de empreendedorismo. Fonte: Adaptado de Hashimoto (2006). Em comparativo a essa classificação, há outra classificação que apresenta três linhas: a primeira é formada por economistas, a segunda é constituída por psicólogos e sociólogos, e a terceira é estabelecida por administradores e busca conhecer suas habilidades gerenciais Stevenson e Jarilo (1990 apud HASHIMOTO, 2006). Baseado nos estudos de Filion (1999a) pode-se construir uma estrutura a respeito das escolas do empreendedorismo, verificando assim suas diferentes abordagens (LENZI, 2008). O quadro 05 apresenta as diversas abordagens. Escola Escola Econômica Escola Comportamentalista Escola Fisiológica Escola Positivo Funcional Pensamento Os empreendedores eram considerados como pessoas que corriam riscos, basicamente porque investiam o próprio dinheiro, aproveitavam oportunidades com perspectivas de lucro e assumiam os riscos inerentes (CANTILION. SAY apud FILION, 1999). Centram seus estudos nos aspectos criativos e intuitivos. Enquanto alguns autores afirmam que a necessidade de auto-realização é insuficiente para a explicação dos novos empreendimentos, outros acreditam que é suficiente. A pesquisa de Timmons (1977) demonstrou que pessoas que participavam de treinamentos para melhorar sua necessidade de realização, avançavam na direção de abrir seus negócios. Considera o empreendedorismo como produto da natureza das pessoas que empreendem e não das condições ambientais. O empreendedor como agente de mudança e iniciação de novos empreendimentos adaptados em seu contexto e evoluindo com as mudanças de seu meio. O empreendedor é estudado em função da visão e formulação de sua estratégia. Escola do Mapeamento Quadro 05: As Abordagens das escolas do empreendedorismo. Fonte: Adaptado de Lenzi (2008) Comportamento, atitude e perfil empreendedor A discussão do termo empreendedorismo levanta uma série de fatores que podem ser unificados e compreendidos como parte do comportamento do empreendedor, como apresenta a figura 01, a seguir.

32 32 Figura 01: Ciclo do comportamento empreendedor. Fonte: David (2004, p. 32). O comportamento do empreendedor é na verdade a sua busca incessante de satisfação, ou seja, aquilo que realmente motiva para que ele desenvolva o empreendimento (DAVID, 2004). Segundo a mesma autora, é necessário se conhecer as habilidades empreendedoras que consistem em ter a facilidade para empregar as capacidades físicas e intelectuais. Segundo estudos realizados por Gibb (1988), Pati (1995), Filion (1999a), Dornelas (2001) e Leite (2002) as habilidades freqüentemente encontradas nos empreendedores são a capacidade de aprendizagem; negociação; identificação de novas oportunidades; orientação para resultados; mover-se por metas especificas; habilidade para pesquisar; capacidade de assumir riscos; flexibilidade; comunicação persuasiva; conhecimento de como lidar, conseguir, dar e receber crédito; senso de organização; habilidade para conduzir situações; capacidade gerencial; criar valor para a sociedade; disposição de trabalho; e a habilidade na utilização de recursos. Essas habilidades permitem criar uma base que permeia o entendimento do comportamento, e posteriormente das características empreendedoras (DAVID, 2004). A importância do estudo do comportamento e das habilidades do empreendedor é evidenciada quando se entende diversas partes do pensamento do escopo de sua conceituação, como na definição apresentada por Adizes (2004, p. 17), que apresenta

33 33 O empreendedor que funda uma empresa tendo em vista necessidades que não foram ainda satisfeitas ou expressas é um empreendedor voltado para os produtos e não para o mercado. Ele está comprometido com um produto que deverá satisfazer uma necessidade, mas uma necessidade difícil de ser colocada em palavras. Esse empreendedor não está reagindo a uma necessidade do mercado; pelo contrário, ele procura educar e modificar o comportamento do mercado. Num certo sentido, é ele quem expressa essa necessidade com suas ações. Na verdade, ele é mais um profeta empresarial do que um entrepreneur comercial. E, como outros profetas, ele poderá ser crucificado, já que a estrutura de poder irá rejeitá-lo inicialmente. Ninguém compreende a sua mensagem, pois até o produto dar certo ninguém mais compreende a necessidade. Segundo essa concepção verifica-se que as ações e o compromisso de um empreendedor podem ter caminhos diferentes, o que pode apresentar que nem sempre o comportamento do empreendedor esta atrelado a sua habilidade; deste modo entende-se que mais do que verificar comportamentos ou habilidades é preciso avaliar a junção de ambas para que se possa formar a ação para qual o empreendedor se orienta. Só assim, o empreendedor deixa de ser visto como profeta, mas passa a ser entendido como protagonista de uma atitude conjunta entre suas ações e sua habilidade, comportamento e características empreendedoras. Quando se fala em observar a forma de agir dos empreendedores, com o intuito de descrever suas características para assim compreendê-las é fundamental se ter em mente o que Drucker (apud PANTZIER, 1999, p. 25) o empreendedor não se caracteriza por traços de personalidade e sim pelo comportamento diante das situações e, portanto, qualquer um pode aprender a agir de forma empreendedora. Com base nessa idéia deve-se estudar e conhecer as características de comportamento do empreendedor bem como seu perfil para que se possam criar mecanismos para formar e aprimorar empreendedores. Como forma de buscar definir o papel do empreendedor, sabe-se que o empreendedor se trata de um indivíduo com iniciativa, que é agressivo para negócios, sabe encontrar e identificar as oportunidades, não tem por gosto ser empregado, dinâmico e inquieto. Pode-se afirmar que ele é o próprio negócio. Adora fazer e faz tudo sozinho, e tem, enfim, uma vocação doentia de se envolver em todos os detalhes de sua incipiente organização. Geralmente é alguém dotado de muitas idéias, vocação para o risco, porém, excitados em administrar seus próprios destinos (LEVI-STRAUSS apud OLIVEIRA, 1995).

34 34 Existe uma clara diferença entre comportamento e atitude, segundo Rodrigues (1972, p. 402): Atitudes envolvem o que as pessoas pensam, sentem, e como elas gostariam de se comportar em relação a um objeto atitudinal. O comportamento não é apenas determinado pelo que as pessoas gostariam, mas, também, pelo que elas pensam que devem fazer, isto é, normas sociais; pelo que elas, geralmente, tem feito isto é, hábito, e pelas conseqüências esperadas de seu comportamento. Os estudos de Lopez Jr e Souza (2005) apresentam como resultado um conjunto de atitudes empreendedoras, sendo: voltadas a conclusão de tarefas, mesmo que exijam sacrifício pessoal; confiança na competência, isso como fonte de sucesso no negócio; busca de novas soluções para atender os clientes, e responsabilidade em cumprir prazos, podem ser associados ao tipo de trabalho efetuado. Segundo o mesmo estudo, a atitude empreendedora pode ser categorizada em dois compostos: prospecção e inovação, e gestão e persistência Características Empreendedoras As características empreendedoras são foco de estudo de diversas escolas, nesta linha Azevedo (1992) investigou diversas características da personalidade de empreendedores, e concluiu que a maioria possui o seguinte perfil: capacidade de assumir riscos; habilidade para identificar oportunidades; senso de organização; disposição para tomar decisões; liderança; conhecimento e tino empresarial; talento para empreender; independência pessoal; otimismo (LENZI, RODRIGUES, ALMEIDA, 2003). Um levantamento, que mistura características e padrões dos empreendedores, é apresentado por Pinotti (2009), onde amparado nos estudos de Aidar (2007) Greenhaus, Callanan e Godshalk (2000) e Veciana (2005) constrói um modelo que elenca sete características, como apresenta o quadro 06 a seguir. Característica Sentem-se confortáveis em quebrar regras Tolerância a ambigüidade e tomador de riscos Descrição A idéia de ser um empreendedor esta exatamente no fato de oferecer novos produtos ou serviços, de entrar em novos mercados, ou seja, de estar aberto a inovação e, portanto, sempre disposto de romper o status quo. Habilidade de aceitar e negociar sobre situações conflitantes e incertas. Propensão a tomar riscos a fim de se atingir as metas estabelecidas; no entanto, o empreendedor pode também não ser somente um tomador de risco, mas tornar-se cego a ele devido

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender

EMPREENDEDOR DE SUCESSO. Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Cassiano Bringhenti Gilda M. Friedlaender EMPREENDEDOR DE SUCESSO Histórico Definições Básicas Características Perfil Histórico O termo empreendedorismo teve sua origem na França

Leia mais

Empreendedorismo. Corporativo Start up

Empreendedorismo. Corporativo Start up Empreendedorismo Corporativo Start up Definindo e entendendo o conceito: empreendedorismo Significa fazer algo novo, diferente, mudar a situação atual, de forma incessante, novas oportunidades de negócio,

Leia mais

2 EMPREENDEDORISMO. 2.1 O empreendedorismo

2 EMPREENDEDORISMO. 2.1 O empreendedorismo 2 EMPREENDEDORISMO 2.1 O empreendedorismo O empreendedor é um ser social, produto do meio que habita (época ou lugar). Se uma pessoa vive em um ambiente em que ser empreendedor é visto como algo positivo,

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA TRAJETÓRIA EMPREENDEDORA DE SILVIO SANTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: ANÁLISE DA TRAJETÓRIA EMPREENDEDORA DE SILVIO SANTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DA TRAJETÓRIA EMPREENDEDORA DE SILVIO SANTOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo A Administração da revolução O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas.

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas. Empreendedorismo Colégio São José projetando Empreendedores Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos Empreendedorismo é uma livre tradução da palavra entrepreneurship. Designa uma área

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Racionalização do trabalho: gerência administrativa Relações humanas: processo Movimento estruturalista: gerência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

UM NOVO MODELO DE ADMINISTRAÇÃO: O EMPREENDEDOR CORPORATIVO 1

UM NOVO MODELO DE ADMINISTRAÇÃO: O EMPREENDEDOR CORPORATIVO 1 UM NOVO MODELO DE ADMINISTRAÇÃO: O EMPREENDEDOR CORPORATIVO 1 Daniela Pires Teixeira de Souza 2 Flávia Silveira Serralvo 3 RESUMO O empreendedorismo é considerado hoje um fenômeno global, dada a sua força

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências?

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências? Como andam as minhas Competências? R&S Por que? O sucesso das organizações modernas está diretamente ligado à inteligência que elas detêm TALENTOS Detectar, atrair, reter e desenvolver talentos são funções

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente).

sm. Ação própria de quem desenvolve um negócio, inovador ou não, que, sentido que o Boa Chance apreende do uso corrente). 1 Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Disciplina: i Inovação e Empreendedorismo Jornal O Globo Caderno Boa Chance Domingo, 23 de março

Leia mais

ACADÊMICOS (AS): CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMPREENDEDORISMO. 5º ADN Prof ª : Nazaré Ferrão

ACADÊMICOS (AS): CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMPREENDEDORISMO. 5º ADN Prof ª : Nazaré Ferrão CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMPREENDEDORISMO ACADÊMICOS (AS): ADAMILTON A. BARROS KEITIANE HONORATO JOYCIANE L. BENATHAR MARY ELLEN B.MOURA 5º ADN Prof ª : Nazaré Ferrão EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo Código: CTB-251 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios

Empreendedorismo Transformando idéias em negócios Empreendedorismo Transformando idéias em negócios A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR 1. 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EMPREENDEDORISMO PROFESSOR (A): NAZARÉ FERRÃO ACADÊMICO (A):------------------------------------------------ TURMAS: 5- ADN-1 DATA: / / II UNIDADE : O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Gerson Volney Lagemann

Empreendedorismo. Prof. Gerson Volney Lagemann Prof. Gerson Volney Lagemann O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons, 1990) A Educação no Brasil - Quebra

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ATIVIDADE EMPREENDEDORA

ATIVIDADE EMPREENDEDORA ATIVIDADE EMPREENDEDORA Francisco Carlos Petrachi Gera Fransérgio Martins Lucas Menegheti Contini Orientadora: Profª. Ms. Silvia Alonso Y Alonso Bittar Cunha Resumo Embora o empreendedorismo seja um tema

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora

Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora Gestão Eficaz e Liderança Empreendedora O Mundo mudou. E o que eu tenho a ver com isso? Como as organizações desenvolvem-se nesse ambiente? A capacidade de mudança de uma organização é um dos fatores

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2

WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES. v1 2 WORLDSKILLS... PROMOVENDO A EXCELÊNCIA ENTRE AS OCUPAÇÕES v1 2 3 v2 CONTEÚDO MoVE international 3 Aprendizagem para a Vida 4 5 O Caminho para a identidade profissional 6 7 Líderes na preparação 8 9 Fortalecendo

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com

Empreendedorismo. Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com Empreendedorismo Prof. Lucas Pacheco lucapachecos@hotmail.com "Olhar é uma coisa, ver o que se olha é outra, entender o que se vê é uma outra, aprender o que você entende é uma coisa a mais, mas agir sobre

Leia mais

(Re)Empreendedorismo

(Re)Empreendedorismo (Re)Empreendedorismo A escolha é nossa Empreendedorismo Processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes

Leia mais

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014

Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 Empreendedorismo, Identidade e Educaçao SEBRAE, Sao Paulo, 11 de novembro de 2014 L. J. Filion Rogers - J. A. Bombardier Chair of Entrepreneurship HEC Montreal Parte 1 Uma breve introdução ao empreendedorismo

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s)

Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Administração de Pequena e Média Empresas (PME s) Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal larissabbl@hotmail.com 3047-2800 9161-7394 Conteúdo Programático Constituição de uma pequena ou média empresa.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Tayná Bernardes Miguel¹, Rayanne Sartorio Stoduto Almeida¹, Julianne Alvim Milward-de-Azevedo

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32

8/8/2013. O empreendedor. Quem é o empreendedor? Empreendedores de sucesso. Página 4 de 32. Página 5 de 32. Página 6 de 32 Empreendedorismo por José Dornelas Página 1 de 32 Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos O empreendedor é aquele que percebe uma oportunidade e cria meios (nova empresa, área de negócio,

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL

DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL Disciplina Empreendedorismo Professor(a) Franklin Jorge Santos Módulo II 2010.1 Professor: Disciplina: Carga Horária: Franklin Jorge Santos. Empreendedorismo. 60 ha SUMÁRIO Quadro-síntese

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes EMPREENDEDORISMO: Características, tipos e habilidades. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Em análise de qualquer empreendimento encontram-se dois tipos de empreendedor: o que empreende em relação à oportunidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais