GUIA DO EMPREENDEDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO EMPREENDEDOR"

Transcrição

1 GUIA DO EMPREENDEDOR Última actualização deste documento aqui! 1.ANJE...2 Missão... 2 Objectivos alicerçados na afirmação da sua inovação...2 Associados o perfil de quem empreendedor...3 Estrutura...3 Benefícios... 3 VALE A PENA SER MEMBRO DA ANJE E PODER BENEFICIAR DE: ETAPAS PARA CRIAR UMA EMPRESA... 4 Tempo Requerido - Constata-se que os empreendedores gastam cerca de um a dois meses a conseguir um compromisso por parte da equipa. Geralmente, isto é feito com a fase dois as conversas na mesa da cozinha. O certo é que os chefes executivos de sucesso preferem não passar à fase quatro, que consiste em deixar o actual emprego, até à conclusão da fase três...8 Ajuda Necessária - Todos os membros da equipe vão ter que se ajudar mutuamente, principalmente na sua participação ao lado do empreendedor, quando o chefe executivo disser é agora... 8 Resultados e Retorno do Investimento Resultados e Retorno do Investimento CENTROS DE FORMALIDADES DE EMPRESAS-CFE INCUBADORAS NACIONAIS CORPORATE INVESTORS ALGUNS INCENTIVOS Os Erros que Matam as Jovens Empresas Contactos úteis...34 ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários...34 Programa Ninhos de Empresas para Incubação de Empresas na área de Serviços..35 IAPMEI- Instituto de Apoio às PME`s e ao Investimento Criação de empresas...35 POE - Programa Operacional da Economia 2000/ IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional

2 1.ANJE Missão - Bandeira de uma atitude Objectivos alicerçados na afirmação da sua inovação Estimular. Representar os jovens. Contribuir de todas as formas, para a criação de um capital de mudança, para a valorização de novos conceitos, assumindo a vontade e capacidade empreendedora duma juventude, intérprete segura do progresso. Converter em mais valia a energia criadora de quem olha mais longe. Regenerar o tecido económico do país, qual corpo vivo, que afirma a sua vitalidade na capacidade de, em cada momento, nascer de novo. Uma revitalização estruturante, geradora de novas formas de organizar e fazer, lançada em torno da ideia, gesto ou decisão. A transformação orientada para o mais, uma atitude feita do rasgo da iniciativa e do empreender, assumidos motores do desenvolvimento. Criar instrumentos de apoio à constituição e desenvolvimento de empresas, apoiar a modernização dos processos, combater o défice tecnológico gerador de perda de competitividade num mundo globalizado, promover a formação aos diversos níveis, da escola às empresas, apostando na qualificação, dinamizar novos projectos e relações comerciais, apoiar estratégias de internacionalização, actuar como interlocutor institucional, força dialogante junto de organismos oficiais, ao nível governamental, económico, social e cultural. E assumir a vocação de polo aglutinador de objectivos e vontades similares, fomentando, potenciando e orientando iniciativas de cariz empreendedor. 2

3 Associados - o perfil de quem empreendedor Jovens que aspirem à actividade empresarial, ou que pretendam desenvolverem a que já têm. E todos os que assumam hoje ou amanhã, dentro ou fora das escolas, com ou sem emprego, mas dotados de vontade, - a actividade empreendedora como um projecto de vida, um campo onde é crescente a facilidade de acesso e, crescente também, o nível de exigência na ponderação e assunção do risco, na capacidade de mobilização de pessoas e meios, na disponibilidade para o esforço da adaptação aos novos e renovados desafios. Um perfil marcado por traços de modernidade, gente que cruza o gosto do conforto, com o inconformismo, de espírito aberto e sensibilidade à mudança, que recusa a comodidade de não questionar o status. Pessoas, para quem o desassossego, é a expressão da vontade de colocar os objectivos num plano progressivamente mais ambicioso. Estrutura Uma associação nacional, com uma implantação real no país feita de Delegações e Núcleos, em Portugal e no estrangeiro. Uma associação de base regional, com presença efectiva onde há jovens ideias, pessoas que estão a Norte e a Sul, no interior e no Litoral, longe ou próximo dos centros de decisão. Uma associação de espaços com interlocutores que dão respostas. Benefícios 3

4 VALE A PENA SER MEMBRO DA ANJE E PODER BENEFICIAR DE: Acções de Formação e Consultoria; Assistência ao Desenvolvimento da Iniciativa Empresarial: - Criação de Empresas, - Espaços de Incubação (Apoios à instalação de Empresas de Serviços e/ou Industriais); Assuntos Europeus Serviço especializado de Consultoria com o apoio da delegação da ANJE em Bruxelas; Descontos (ex: Telecomunicações-Optimus, Combustíveis- Cartão Galp Frota, Transportes (CP Cartão Plus)-Comboios Alfa e Intercidades, Seguros-Tranquilidade, Hóteis, Restaurantes, Agências de Viagens, Health Clubs, Rent-acars, acesso à Internet, publicações,...); Eventos Nacionais e Internacionais: Feiras, Encontros, Exposições e mostras de serviços e produtos, Missões, Seminários, Congressos, Jantares-Debate, entre outros; Informações Empresariais; Publicações Gratuitas: Revista Ideias & Negócios, Jornal Diário Económico, Revista Jovens Empresários, Newsletter- ANJE e ANJE-Netnews; Academia-Netnews; Serviços de Apoio ao Associativo: Açores, Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Leiria, Lisboa, Madeira, Porto, Setúbal, Castelo Branco, Viseu. SOLICITA JÁ A TUA PROPOSTA DE ADESÃO NA Direcção de Associativismo e Promoção Empresarial - Apoio ao Associado LINHA DE APOIO AO ASSOCIADO: /75 Dias úteis das 9h30 às 17h30 Fax: /20/ ETAPAS PARA CRIAR UMA EMPRESA 1 Não basta sentir uma oportunidade, convertê-la numa ideia, acreditar e lutar por ela. Tal completa apenas a componente motivação. Para se poder ser coerente e consistente torna-se fundamental um certo 1 Author: Ideias & Negócios 4

5 saber, não apenas sobre a tecnicidade da ideia, mas decididamente sobre como criar e gerir uma organização, que geneticamente está marcada e interpreta a ideia geradora, mas operacionalmente tem regras, desafios e complexidades próprias. Propomos assim 13 etapas que o ajudarão a criar a sua empresa: ETAPA 1: Ter a Ideia Eis uma questão que as pessoas colocam frequentemente: Onde é que eu encontro uma boa ideia?. Pesquisas mostram que as fontes são tão variadas como as actividades da mente humana. Hobbies e experiências vividas estão no topo da categoria dos mais citados. Outros fundadores, simplesmente, deixaram o seu emprego e criaram uma nova empresa dentro do mesmo negócio. Mensalmente são fornecidas várias ideias em revistas que além de proporcionarem uma leitura fascinante, possuem artigos que são provocadores e podem estimular o empreendedor a procurar uma ideia para um negócio. Uma coisa é certa: continuam a surgir mentes criativas com imensas sugestões frescas. Principal Objectivo - na primeira etapa o futuro empreendedor deve concentrar-se em manter a visão do negócio. A alma da nova empresa nasce nesta altura. Se não acreditar o suficiente na sua visão, a ideia para um negócio acabará como um sonho desfeito. Esta visão vai tornar-se especialmente importante, mais tarde, na formação da cultura da empresa. E proporciona uma vantagem sustentável. Tempo Requerido - Detectámos que a primeira fase toma forma durante cerca de um ano, por vezes mais. No entanto, ideias que se formam rapidamente também podem vir a ter sucesso. Participantes Comuns - Este primeiro passo corresponde a uma etapa solitária. O empreendedor contempla sozinho todas as alternativas, até que elas sejam descartadas ou, pelo contrário, estruturadas de modo a serem discutidas em segredo com um amigo de confiança. Esta solidão não vai durar. Muitas outras pessoas, com variados papéis, estarão envolvidas neste processo enquanto o mesmo se desenrola. 5

6 Ajuda Necessária - A ajuda essencial nesta etapa é na área das emoções. Os psicólogos dizem que esta é uma fase muito delicada visto ser baseada numa enorme busca interior. Esta primeira etapa corresponde a uma decisão profunda. Maiores Custos - O maior custo nesta etapa é o tempo do fundador. Tempo dispendido em pensamentos úteis é o maior requisito para ter sucesso nesta etapa. Resultados e Retorno do Investimento Diversão - no mínimo há o gozo de sonhar; Imaginação a sua criatividade terá sido estimulada; Auto conhecimento o futuro empresário ficará a saber melhor quem é, quais os seus objectivos e o que o faz sentir-se realizado. Aqueles que decidem continuar e passar para a fase dois terão já construído a preciosa visão da futura empresa. ETAPA 2: Reunião na mesa da cozinha A 2ª etapa é o primeiro teste de fundo. Envolve uma actividade privada que requer um esforço intenso. Principal Objectivo - O principal objectivo desta fase deve ser solidificar o sonho. Esta é a altura de começar a adicionar à sua visão aquilo a que todas as grandes empresas se propõem, sendo para isso necessário dedicar-lhe muito tempo. É chegada a altura de partilhar os seus planos com alguns amigos de confiança, num contexto familiar. Inquiridos revelam que a maioria desses encontros tinham lugar à volta da mesa da cozinha. Tempo Requerido - A fase dois geralmente demora cerca de duas a seis semanas. A frequência das reuniões varia muito. 6

7 Participantes Comuns - Nesta segunda etapa, os futuros empresários partilham os seus planos. Em primeiro lugar, com um ou dois amigos de confiança. Em segundo lugar, precisam também de falar com alguém ligado ao mundo do capital de risco, que os ajude a orientar-se, dando-lhes uma perspectiva mais realista dos factores que contribuem para o sucesso da criação de uma empresa, que lhes mostre o tipo de pensamento que é necessário para pôr a equipa de fundadores concentrada no capital de risco. Ajuda Necessária - Este estádio requer ajuda para manter a confidencialidade e para obter bons julgamentos. A única maneira de ter confidencialidade é através da confiança do pessoal e da disciplina. Nesta fase, não encontrámos ninguém que tivesse usado documentos que não fossem devidamente fechados. Maiores Custos - Tal como na fase anterior, a segunda etapa requer tempo e, pelo menos, mais um participante. Alguns advogados trabalham por breves períodos, sem cobrar honorários. É importante que pergunte ao seu advogado de que forma é que ele se vai cobrar. Principais Riscos - O principal risco é a quebra do sigilo. É perigoso que um patrão descubra que um dos seus empregados vai formar uma nova empresa, se ele ainda não estiver preparado para deixar o emprego. É mais perigoso ainda se a ideia for roubada, por exemplo, por outra pessoa que também esteja a pensar criar uma empresa ou, até, pelo actual patrão. Resultados e Retornos do Investimento - Quando a fase dois está concluída, os fundadores terão já determinado os respectivos riscos e recompensas. Trabalhar no papel poderá ainda ser contraproducente neste estádio, dada a intensa necessidade de manter a confidencialidade das ideias. Etapa 3: Conseguir o compromisso da equipa Esta é uma fase delicada na vida do empreendedor. É aqui que se começam a distinguir aqueles que agem daqueles que sonham. Principal Objectivo - Na terceira etapa, o empreendedor de sucesso deve tentar conseguir compromissos firmes das pessoas - chave. O problema é que quando a pressão aumenta a equipa desiste. É difícil enfrentar negociações árduas e longas esperas. Os directores lutam para conservar os bons funcionários. O director que não tenha obtido compromissos firmes por parte da equipa tem grandes 7

8 possibilidades de ver a empresa extinguir-se, a um ritmo alucinante, sem que possa fazer seja o que for para o impedir. O sentido de realidade é crucial. É melhor ver um amigo a desistir logo no início do que vê-lo abandonar o projecto posteriormente, quando for vital manter a equipa intacta. Desistências de última hora podem acabar com as negociações de capitais de risco, antes mesmo que a empresa esteja fundada. Tempo Requerido - Constata-se que os empreendedores gastam cerca de um a dois meses a conseguir um compromisso por parte da equipa. Geralmente, isto é feito com a fase dois as conversas na mesa da cozinha. O certo é que os chefes executivos de sucesso preferem não passar à fase quatro, que consiste em deixar o actual emprego, até à conclusão da fase três. Participantes Comuns - Na terceira fase, o trabalho está concentrado na equipa fundadora da empresa. Esta etapa existe para reforçar a opinião da equipa central, já que essa equipa vai ser apresentada aos investidores de capitais de risco como sendo competente, qualificada e com grandes capacidades. É também essa mesma equipa que vai partilhar a maior parte dos lucros e que vai estar directamente envolvida nas apresentações e negociações. Ajuda Necessária - Todos os membros da equipe vão ter que se ajudar mutuamente, principalmente na sua participação ao lado do empreendedor, quando o chefe executivo disser é agora. Maiores Custos - O maior custo da terceira etapa são os nervos. O empreendedor tem que confrontar as pessoas e fazer com que elas se comprometam ou desistam. A partir de agora, para levantar a empresa, o empreendedor tem de contar com a equipa. Principais Riscos - O maior risco é não cumprir esta etapa e descobrir posteriormente, num momento crítico, que a equipa é constituída por pessoas que estão apenas meio comprometidas com o projecto. A insegurança por parte dos co-fundadores é perigosa. Pode acabar com uma empresa, uns tempos depois, quando a fase de angariação de capital estiver a correr bem. Ouvimos muitas histórias em que na realidade foi isso o que aconteceu. Resultados e Retorno do Investimento 8

9 Decisões definitivas e apertos de mãos firmes são os melhores resultados da terceira fase. Agora, o empreendedor tem uma equipa comprometida e entusiasmada para liderar, e todos partilham a mesma visão da empresa. Etapa 4 : Criar o Plano de Negócios É aqui que as ideias dos empreendedores são passadas para o papel através da elaboração do plano de negócios. Tomam-se decisões importantes, descartam-se ideias e discutem-se estratégias. Actividade Principal Nesta fase, o objectivo é escrever um plano de negócios bem concebido. O plano deve mostrar como é que a equipa planeia transformar as suas ideias num negócio sustentável, competitivo e lucrativo. Tempo Necessário Os empresários dizem que demoraram bastante mais tempo do que o previsto a preparar o plano de negócios. A maioria das pessoas faz uma estimativa muito baixa do tempo necessário para completar esta etapa. Participantes Comuns Agora torna-se necessário um grande número de intervenientes. Eles são utilizados por todos os directores de empresas de sucesso, durante o seu processo de formação, para assim preparar um bom plano de negócios. A lista inclui: Empreendedores Consultores Advogados Empresas de Contabilidade Certificadas Ajuda Necessária A maior ajuda de que os empreendedores vão precisar incide na formação da estratégia, principalmente em relação ao marketing e às finanças. E os entendidos afirmam que quaisquer que sejam as capacidades da equipa, nunca é demais trabalhar para conseguir uma vantagem competitiva. Maiores Custos Os custos manter-se-ão baixos se o empresário conseguir convencer os colaboradores acima mencionados a trabalhar gratuitamente por mais uns tempos. Caso contrário, deverá começar a fazer contas. Os conhecimentos através de amigos chegados podem ser muito úteis. Outros custos a ser considerados são os trabalhos de secretariado, cópias e materiais diversos. O grupo irá precisar de um 9

10 computador pessoal e de um software especial próprio para planear uma nova actividade. Principais Riscos O risco número um é produzir um plano de negócios que não seja suficientemente válido e que todo o trabalho pareça ter sido inútil. O risco número dois é elaborar um plano que não tenha viabilidade para ser financiado, mas que mesmo assim, segue em frente. O risco desta situação é que ninguém sabe muito bem o que vai acontecer. Resultados e Retornos do Investimento A medalha de ouro é um plano de negócios inspirado na visão do empreendedor, que seja fundamentado numa vantagem competitiva sustentável. Etapa 5: Constituir a equipa de direcção Nesta etapa há já um plano de negócios em que os empreendedores têm confiança. Há também, uma série de projectos que revelam qual o pessoal necessário para accionar a empresa. É chegada a altura de constituir o resto da equipa, prestando particular atenção aos directores chave. Quem, quando e por quanto? Actividade Principal Aqui, a chave para o sucesso é entender o que é realmente o talento vital. Tempo Necessário Este estádio requer um período de tempo muito extenso. Geralmente costuma ser de dois a nove meses. Só assim se consegue a equipa de talentosos líderes que terão que satisfazer os rigorosos critérios dos investidores de capitais de risco. Participantes Comuns Geralmente, os empreendedores usam todos os meios concebíveis para atrair quadros superiores. Um dos métodos mais utilizados consiste no passe de palavra. De amigo para amigo, vai-se transmitindo a notícia de que alguém está a formar uma empresa e precisa de pessoas capazes. Outro método é através dos colaboradores. As firmas de contabilidade, por exemplo, costumam ser extremamente úteis ao indicar candidatos para o marketing, vendas e, mesmo, contabilidade. No entanto, são muito cautelosas ao evitar recrutar alguém que trabalhe para clientes seus. As grandes empresas de contabilidade têm pessoas de negócios muito bem relacionados. Outro meio passa pelo uso dos média, por exemplo através de anúncios. O mais eficaz é conseguir uma reunião com o editor de negócios do jornal local e dar-lhe o exclusivo da 10

11 história do empreendedor que abandona o seu emprego numa famosa empresa para começar o seu próprio negócio. Este tipo de artigos atrai muita atenção, incluindo a dos investidores de capitais de risco. Um outro método será a requisição dos serviços de uma empresa. Este método é apenas utilizado quando já há capital suficiente. E especialmente quando os empreendedores precisam de um director geral muito forte, uma vez que nem sempre tal cargo é pretendido pelos fundadores. Ajuda Necessária Apoio para fazer juízos sábios será o que mais vai precisar nesta fase. Os empresários devem lembrar-se que elementos de primeira classe atraem elementos de primeira classe. Será necessário um plano de compensação completo, que deve ser preparado antes do recrutamento de pessoal: Ordenados, bónus, acções de cada um dos sócios, tudo isto deve estar escrito em termos de fórmulas e números de fracções. Maiores Riscos Aqui estão alguns riscos que podemos enumerar: 1. Compromisso - Nunca, em circunstância alguma, comprometa os seus princípios, para assim conseguir um elemento desejado. 2. Sem dinheiro, sem acordo Se a empresa ainda não estiver fundada, os candidatos têm tendência a dizer não. Este dilema é o lamento mais comum dos empresários nesta fase. 3. Fuga de Informação Ouvem-se histórias terríveis sobre candidatos que recorrem a um emprego e depois recusam o lugar. Entretanto voltam para o emprego e contam ao patrão que tiveram conhecimento de uma ideia brilhante, através de uma empresa ainda em formação. 4. Distracção Resultados e retorno do Investimento No final desta etapa, o director geral deverá ter conseguido reunir o talento fundamental ao sucesso do projecto. Todos os elementos deverão estar comprometidos a juntar-se à empresa em diferentes datas pré-estabelecidas. Etapa 6: Conseguir o capital inicial Os fundadores da empresa precisam de ter uma estratégia para atrair os investidores. Devem decidir qual as empresas de capital de risco a contactar e como conseguir uma grandiosa vantagem em relação a todas as outras propostas que se amontoam em cima das secretárias das mesmas. 11

12 Actividade Principal - Aqui, o objectivo é conseguir um compromisso firme por parte de uma sociedade de capital de risco forte e segura. Se uma empresa líder apoiar o projecto, outros investidores seguirão o exemplo. Tempo Necessário De acordo com pesquisas realizadas, esta etapa demora muito tempo. Pode-se contar de dois a doze meses, em média nove. Participantes Comuns Há três categorias de participantes: 1. Investidor de capitais de risco e seus consultores tecnológicos e de mercado. 2. Os consultores do empreendedor, sempre que possível 3. A equipa empreendedora, quer tenha ou não abandonado já o seu emprego. Ajuda Necessária - Os empreendedores irão precisar de ajuda e em especial, nestes três aspectos: Saber quem devem contactar; Praticar as apresentações. Os executivos terão que apreender as perguntas e respostas dos investidores de capitais de risco; Avaliação, aumento do capital e negociação de preços. Maiores Custos - Os maiores custos nesta fase são o tempo, stress e custos monetários. Resultados e Retorno do Investimento Até ao fim desta fase os empreendedores devem conseguir quatro objectivos: 1. Uma empresa de capital de risco líder, comprometida em apoiar a empresa. 2. Um compromisso firme sobre as percentagens da empresa. 3. A negociação de um preço justo. 4. Uma data estabelecida para o depósito de capital. Etapa 7: Empresa Constituída e Capital no Banco Esta é a fase em que os empreendedores devem seleccionar um advogado para fechar negócio com as fontes de capital e constituir a empresa. Devem escolher um banco comercial, onde os fundos possam ser depositados. Quando esta fase estiver determinada, o 12

13 dinheiro estará finalmente disponível o que possibilitará o início das funções da empresa. Actividade Principal: Nesta etapa há um e só um objectivo: ver o capital depositado no banco. Os empreendedores não devem descansar enquanto o depósito não for efectuado. Tempo Necessário Deve-se contar com um e, por vezes, dois meses para que os advogados, a empresa em formação e a sociedade de capital de risco terminem definitivamente as suas negociações. Participantes Comuns Os intervenientes mais frequentes desta fase são: Advogado Banco Comercial Empreendedores Investidores de capitais de risco Ajuda Necessária Os empreendedores vão precisar de boas capacidades de negociação, tácticas de mercado inteligentes e uma estratégia capaz. Maiores Custos a maior despesa será com os serviços legais. Principais Riscos Podem ser os seguintes: Não conseguir o capital Desistência por parte dos investidores Creeping close, acontece quando tudo está pronto, mas o dinheiro ainda não foi depositado. Resultados e Retorno do Investimento Conseguir que o dinheiro seja depositado no banco e, só depois de se terem certificado da quantia, é que os empreendedores devem celebrar. Etapa 8: Encontrar um local Agora que já existe dinheiro no Banco, é altura de investir e encontrar um local de trabalho, que não seja a mesa da cozinha. Actividade Principal Encontrar um local de trabalho adequado. 13

14 Tempo Necessário Geralmente, demora cerca de um mês ou dois. É necessário tempo para encontrar o lugar mais apropriado, tratar de todos os documentos e organizar o local. Participantes Comuns A personagem principal nesta etapa é o agente imobiliário. No entanto tratar do assunto directamente pode trazer alguns benefícios. Ajuda Necessária Um agente imobiliário, experiente acerca das necessidades de uma empresa em processo de formação, pode ser muito útil. Maiores Custos O maior custo vai ser o tempo que o executivo vai perder a procurar o local adequado. O pagamento do agente imobiliário fica a cargo da empresa, mas já está incluído no pagamento mensal do aluguer. Principais Riscos O principal risco é escolher um mau local. Existem vários factores que podem tornar o novo local de trabalho um mau investimento: Má localização Imagem errada Tamanho inadequado Renda mensal exageradamente alta Compromisso de aluguer muito prolongado Resultados e Retorno do Investimento A empresa tem agora um local de trabalho, local esse que deverá conseguir atrair novos funcionários e impressionar os clientes. Etapa 9: Começar Com um espaço próprio a empresa prepara-se agora para começar a trabalhar oficialmente. Actividade Principal - Contratar todo o pessoal necessário e preparar o início da produção. Tempo Necessário Geralmente, o primeiro produto leva cerca de seis a dezoito meses até ficar pronto para o cliente. 14

15 Participantes Comuns - Nesta altura, o director geral deverá motivar o grupo de direcção da empresa, os restantes investidores e todos os novos empregados. Além disso ele deverá ser responsável pela administração da empresa, pelo controlo dos fornecimentos de serviços e mercadorias, pela orientação da indústria, pelo desenvolvimento das tecnologias e pela organização de contactos com a imprensa, assim como com os vizinhos do local de trabalho. Ajuda Necessária A melhor ajuda é definitivamente uma experiência anterior em formação de empresas. Maiores Custos Salários, telefones, voice mail, mobiliário, serviços de segurança, material informático, etc.. Um empreendedor inteligente deve considerar todos estes valores ao elaborar o plano de trabalho. Maiores Riscos Falhas no cumprimento dos prazos acordados, mercado insuficiente, competição excessiva e falta de empregados competentes. Resultado e Retornos do Investimento O resultado final é uma empresa com funcionários entusiasmados e determinados a transformar a visão do empreendedor numa realidade comercial. Uma empresa com coração e uma empresa com grandes movimentações de capital. Etapa 10: Nova obtenção de capital As ilusões quanto ao arranque da empresa são breves. Em pouco tempo os empreendedores apercebem-se que não é possível terminar o produto e lançá-lo no mercado com o dinheiro que resta no banco. Actividade Principal Nesta 11ª etapa, o objectivo é conseguir capital e uma preciosa independência em relação às entidades financeiras exteriores. Tempo Necessário Cerca de 25% do tempo do director geral e 20% do tempo dos seus colaboradores mais directos vai ser passado a angariar capital. Isto ao longo de cerca de um a quatro anos. 15

16 Participantes Comuns Cada etapa relacionada com questões financeiras será vigiada pela companhia de capital de risco líder. O director geral e a sua equipa chave também estão intimamente envolvidos nesta etapa. Ajuda Necessária O empreendedor vai precisar da ajuda da empresa de capital de risco. Para a obtenção de fundos deve contarse apenas com o director-geral. Consultores experientes podem economizar tempo, esforço e dinheiro. Maiores Custos O tempo é o maior custo. Os níveis de stress também sobem nesta etapa. Principais Riscos Ficar sem capital, falta de concentração da direcção e falência. Resultados e Retorno do Investimento 1. Capital suficiente no banco. 2. Percentagem da empresa, pertencente aos sócios, a um preço significativamente mais alto do que na primeira fase de obtenção de capital. Etapa 11: Lançamento do primeiro produto Nesta altura, o empreendedor e a sua equipa já construíram o suporte da empresa e estão a dar o seu máximo para cumprir os prazos acordados. O capital está a ser consumido rapidamente e o primeiro produto está prestes a ser testado. Actividade Principal Aqui, a actividade mais importante é a concentração. É um erro distrair-se com outros produtos, tecnologias ou novos segmentos de mercado. Agora, o mais importante é descobrir uma oportunidade de mercado e seguir o plano de negócios. A segunda prioridade é descobrir clientes e para isso são necessários bons produtos. Tempo Necessário O lançamento do novo produto, geralmente, demora cerca de um a dois anos. 16

17 Participantes Comuns Os participantes mais activos nesta fase são os clientes, a firma de relações públicas e toda a empresa. Ajuda Necessária Aqui é necessária toda a perspicácia e sabedoria para posicionar a empresa e o seu primeiro produto, de acordo com o plano do empreendedor. Maiores Custos Os maiores custos são relativos ao marketing e outras despesas necessárias para manter a produção em andamento. Principais Riscos Eis os principais riscos: Falta de concentração Não cumprimento dos prazos Desempenho inferior ao previsto Fraca aceitação de mercado Defesa das grandes empresas Resultados e Retornos do Investimento Os primeiros frutos do trabalho do empreendedor serão o lançamento do primeiro produto e uma empresa entusiasmada e confiante no seu trabalho. O director geral será alvo de admiração. E os media, representativos da indústria estarão ansiosos para ouvir a sua história. Etapa 12: Assegurar a liquidez da tesouraria O empreendedor pode pensar que os dias de angariação de capital terminam, mas de facto, eles nunca acabam. Actividade Principal Durante esta fase, a empresa deve concentrar-se no seguinte: não se tornar dependente das entidades financeiras exteriores. Tempo Necessário O director geral vai estar continuamente envolvido na obtenção de capital coerente. Este funcionará como um suplemento dos primeiros capitais obtidos. Participantes Comuns Nesta altura o director do banco comercial irá visitar a empresa pela primeira vez. O chefe financeiro da empresa estará envolvido nesta fase de obtenção de capital. 17

18 Ajuda Necessária A maior ajuda, nesta fase, provém das etapas já passadas pela empresa. Serão necessários conhecimentos acerca das operações bancárias e uma certa experiência. Maiores Custos O maior custo, além dos empréstimos, será o tempo do director geral. Principais Riscos O principal risco consiste na possibilidade do empréstimo ter de ser pago na pior altura, ou seja, quando a empresa está à espera de receber as liquidações dos seus clientes e tem falta de dinheiro para efectuar os pagamentos. Resultados e Retornos do Investimento O teste de sucesso à 13ª etapa consiste em saber quanto dinheiro extra é que a empresa possui no banco. Aqui, o objectivo principal é a flexibilidade financeira. Etapa 13: Oferta inicial ao Público Finalmente chegou o dia: os empreendedores decidiram dirigir-se ao público. Actividades Principal Aqui estão as prioridades: 1. Converter as acções em capital 2. Vender poucas acções 3. Celebrar Tempo Necessário As empresas geralmente demoram cerca de três a cinco anos até chegar a este ponto. No entanto, a média de tempo tem vindo a diminuir significativamente nos últimos anos. Participantes Comuns Estes são os investidores, analisadores financeiros e seus advogados. Agora o director geral vai ter que lidar directamente com empresas de investimento que quererão ouvir a sua história. Finalmente, o empreendedor vai ter que saber lidar com todo o público em geral. Ajuda Necessária O empreendedor vai precisar da ajuda de especialistas em investimento financeiro, advogados, etc.. Cada especialista terá direito a uma parte do capital amealhado. 18

19 Maiores Custos A fase inicial de apresentação ao público é a mais dispendiosa de todas. Esta etapa requer muito tempo do pessoal encarregue da parte financeira da empresa, assim como da direcção da mesma. Principais Riscos O maior risco é perder a oportunidade. Apresentar-se em público cedo demais, ou tarde demais, pode ser muito perigoso. É também um risco vender as acções a um preço muito baixo ou muito alto. O que também pode acontecer é ter que retirar a oferta do mercado e apresentá-la mais tarde... ou nunca mais. Resultados e Retornos do Investimento As apresentações ao público com sucesso têm os seguintes efeitos: Uma imagem de sucesso na indústria da alta tecnologia. Isto dá mais credibilidade ao pessoal de vendas, ajudando-o a aumentar o volume das mesmas. Os investidores aumentam o seu capital de 5 a 200 vezes ou até mais. Os empreendedores tornam-se multimilionários ( no Papel). Os empregados aumentam a sua produtividade, recebendo em troca um bom ordenado. 3.CENTROS DE FORMALIDADES DE EMPRESAS-CFE São centros de atendimento e de prestação de informações aos utentes que têm por finalidade facilitar os processos de constituição, alteração ou extinção de empresas ou actos afins. Os seis primeiros CFE funcionam nas seguintes moradas: CFE Lisboa I Av. Columbano Bordalo Pinheiro, Lisboa tel: Número azul: Fax: CFE Lisboa II Rua da Junqueira nº a Lisboa 19

20 tel: Número azul: Fax: CFE Porto EXPONOR. feira internacional do Porto Portaria C Leça da palmeira Tel: Número azul: Fax: CFE Coimbra Complexo Tecnológico de Coimbra Rua Coronel Veiga Simão Coimbra Tel: Número azul: Fax: Extensão da Covilhã do CFE de Coimbra Núcleo do IAPMEI Av. Frei Heitor Pinto, lote B 2º Dto Covilhã Tel: /8 Fax: CFE Setúbal Avenida Luísa Todi, Setúbal tel: Número azul: Fax: CFE Braga Edifício da Associação Industrial do Minho Av. Dr. Francisco Pires Gonçalves Braga tel: Número azul:

21 Fax: CFE Loulé Edifício Nera Zona industrial de Loulé Loulé Tel: Número azul: Fax: Antes de iniciar um processo nos CFE, o empreendedor deve agendar a primeira visita. A marcação pode ser efectuada, todos os dias úteis, pelos seguintes telefones: CFE Lisboa: entre as 16h e 17h30m CFE Setúbal: entres as 9h e as 18h CFE Coimbra: entre as 9h e as 18h CFE Porto: entre as 16h e as 17h 30m CFE Braga: entre as 16h e as 17h30m CFE Loulé: entre as 16h e as 17h30m CFE Coimbra: entre as 9h e as 18h 4.INCUBADORAS NACIONAIS Tagus Park Parque de ciência e tecnologia Parque de ciência e tecnologia, Núcleo Central 100, Oeiras tel: fax: Website : CINTEC Associação centro de incubação de empresas do parque tecnológico da Mutela Parque tecnológico da Mutela Av. Aliança Povo MFA, Almada Tel: /39 fax: Instituto Pedro Nunes Quinta da Nora, Coimbra 21

22 Tel: fax: Website: Incubadora de empresas da Universidade de Aveiro Campus Universitário, Pavilhão I Aveiro tel: Fax: Centro de incubação de empresas da Maia Travessa das Cruzes do Monte, nº 46 r/c Maia tel: Centro de incubação e desenvolvimento Lispolis Pólo tecnológico de Lisboa Estrada paço do Lumiar, 44 Lote Lisboa tel: fax: Madan Park parque de ciência e tecnologia Almada/Setúbal Quinta da torre, Monte da Caparica Caparica tel: fax: AITEC Programa Empresário Digital Av. Duque D Avila, 23, 1º Lisboa tel: Fax: Deltaper. SGPS Tecnologias de informação, LDA. Rua Prior Crato, nº 67 1º Dto Lisboa Tel: Website : SogistFIPP -º Sociedade gestora de incubadoras sectoriais, Fundação do Instituto Politécnico do Porto R. de Dr António Bernardino de Almeida,

23 Porto tel: fax: Website: CACEs- Centro de apoio à criação de empresas CACE da Beira Interior Rua Dr. Gaspar Rebelo, Apartado Seia tel: fax: CACEAVE Região do Vale Ave Rua novas empresas, 4780 Santo Tirso tel: fax: CACE de Mirandela Zona industrial de Mirandela -Zona Norte 5370 Mirandela tel: fax: CACE do Alto Alentejo Rua Luís Mira Amaral, 10 Zona industrial Portalegre tel/fax: CACE do Algarve Zona industrial de Loulé, Apt Loulé tel: fax: CACE de Setúbal Rua António José Baptista, nº Setúbal tel: fax: Ninhos de empresas Ninho de empresas do Porto Rua das flores, 69, Porto Tel: fax: Website: 23

24 Ninho de empresas de Faro Edifício Ninhos de empresas Estrada da Penha, Faro fax: Website: BICs Business Inovation Centers NET Novas empresas tecnologias Rua de Salazares, 842, 4100 Porto Tel: Fax: NIT negócios, inovação e tecnologias (BIC Viseu) Parque industrial de Coimbrões Edifício Expo Beiras, Viseu Tel: fax: CEISET centro de empresas e de inovação de Setúbal Av. Luísa Todi, Setúbal Tel: fax: CEIM centro de empresas e Inovação da Madeira Madeira tecnopólo Caminho da Penteada, 9000 Funchal Tel: fax: CIEBI Centro de inovação empresarial da Beira interior R. do Conselheiro Joaquim Pessoa, nº Covilhã Tel: fax: CPINAL Centro promotor de inovação e negócios do Algarve (BIC Algarve- Huelva) Avenida Dr. Bernardino da Silva, 65, 2ºDto Olhão Tel: fax:

25 Website. DET desenvolvimento empresarial e tecnológico, SA (BIC de Santarém) Rua conde da ribeira Grande Lote 2, Zona industrial, Apt Santarém tel: fax: Website : NER Associação Empresarial Rua Circular Norte, parque industrial tecnológico de Évora, Apartado Évora tel: fax: CORPORATE INVESTORS Novabase capital Av. Engº Duarte Pacheco Amoreiras, torre 1 9º piso Lisboa tel: fax: Contacto: José Afonso de Sousa Critérios de investimento: Sinergias com a Rede Novabase Estágio de investimento: seed capital e start-up Cofina-com Rua Joaquim António Aguiar, 41 3º lisboa tel: fax: Contacto: Paulo Simões Critérios de investimento: Sectores preferenciais: Internet e media Modelo de negócio sólido Boas perspectivas de rentabilidade 25

26 Amorim desenvolvimento Edifício Amorim Rua de Meladsas, nº380 Apartado Mozelos VFR tel: fax: Contacto: Rui Alegre Critérios de investimento: Todos os projectos com interesse estratégico para o grupo Amorim BNU Capital Sociedade de capital de risco, SA Endereço: Av. 5 de outubro, nº º Lisboa tel: fax: Contacto: José Minhós dos reis Critérios de investimento Viabilidade económico financeira Investimentos superiores ou iguais a 20 mil contos. BPI Private Equity Endereço: Av. Boavista, 1180, 3º Porto tel: Contacto: Rui Ferreira Critérios de investimento: Equipa de gestão forte e altamente dedicada. Potencial de bom retorno de investimento Caixa investimentos Sociedade de Investimento, SA Endereço: Edifício CGD Av. João XXI, n63, Piso Lisboa tel: fax: Contacto : António Lopes da Graça Critérios de investimento: 26

27 Nível de envolvimento e capacidade dos gestores/qualidade de gestão Apetência e capacidade de absorção do mercado Retorno esperado do investimento Risco associado Montante de capitais próprios detido pelo empresário Change Parteners Investimentos e consultoria, SA Endereço: Worl Trade Center Av. Boavista, nº 1281, 3º Porto Tel: Telemóvel: fax: Website: Contactos : Mário Pinto, Paulo Teixeira Ribeiro, Diogo Vasconcelos Critérios de investimento: A Change Parteners investirá em pessoas de excepção: empreendedores e equipas de management ambiciosas, com visão global de negócios e capacidade de gestão operacional em ambiente de mudança acelerada. Empresários dinâmicos e criativos, cujos negócios apresentem um potencial de crescimento muito elevado em Portugal e, desejavelmente, no mercado internacional. Tottafinance, Serviços Financeiros SGPS, SA Endereço: rua Basílio Teles, 35 Tel: fax: Contacto: Francisco Lopo de Carvalho Critérios de investimento : Qualidade do parceiro/empreendedor Qualidade da ideia/projecto Sector de actividade Retorno financeiro esperado ES Capital Sociedade de capital de risco, SA Endereço: R. Mouzinho da Silveira, 32-7º Lisboa tel: fax: Contacto: Carvalho Calvário 27

28 Critérios de investimento Qualidade do plano de negócios Curriculum Vitae de empresário/empreendedor Qualidade de gestão Rentabilidade do projecto BIG Capital, SGPS, SA Endereço: Praça Duque de Saldanha, 1, 8º C Lisboa tel: fax: Contacto: Mário Bolota / Ana Rita Gil Critérios de investimento: Empresas de média dimensão Elevado potencial de crescimento Presença relevante no segmento do mercado respectivo Equipa de gestão experiente e com capacidade para apresentar bons processos IPE Capital Sociedade de Investimento, S.A. Endereço: Rua Laura Alves, nº Lisboa tel: fax: Web site: Contacto: Miguel Costa Barbosa, Filomena Pastor Critérios de investimento: Solidez do plano de negócios Gestão motivada e capaz Potencial de crescimento Rentabilidade a médio prazo Fundo para a Internacionalização das Empresas Portuguesas (FIEP) Endereço: Edifício Heron Castilho Rua Braamcamp, 40 11º Lisboa tel: /5 fax:

29 Contactos: Fernando Freire de Sousa e Nuno Gaioso Ribeiro Critérios de investimento: Envolvimento de empreendedor: mínimo de 25% Boas perspectivas de mercado Perspectivas atractivas de desinvestimento. A equipa de gestão deve possuir capacidades e habilitações técnicas, económicas, financeiras e de gestão, assim como experiência adequada às características e dimensão do projecto. Investimento exigido para aceitação (participação nunca superior a 50%); Mínimo 250 mil contos Máximo: 3 milhões de contos PME Capital Sociedade de capital de risco, SA Endereço: Av. Dr. Antunes Guimarães, Porto tel: fax: Website: Contacto: Hierro Lopes, Rogério Ferreira, Edite Guedes, Miguel Sousa Botto, António Azevedo Critérios de investimento: Projecto inovadores Potencial de crescimento e desenvolvimento Empresários com credibilidade e capacidade para assumirem riscos e fazerem crescerem o projecto PME Investimentos Sociedade de investimentos SA Endereço: Av. Berna, nº24 7ºDto Lisboa tel: fax: Website: Contacto: Manuel Rodrigues Critérios de investimento : Conhecimento e experiência por parte do promotor Viabilidade do projecto Importância do projecto como elemento dinamizador da actividade económica 29

30 CBI Central Banco de Investimentos Endereço: Av. República, Lisboa Tel: fax: Contacto: Eduardo Trigo de Moraes Critérios de Investimento De forma geral, a actividade de private equity de CBI vocaciona-se para intervenções maioritárias em negócios de sectores tradicionais em colaboração c/ equipa de gestores, interna ou externa. Na área das novas tecnologias ou biotecnologia, os investimentos orientam-se preferencialmente para posições minoritárias. BES.com, SGPS, SA Endereço: R. Alexandre Herculano, nº 38-4º piso Lisboa Tel: fax: / Contacto: Joaquim Sérvulo Rodrigues, João Paulo Alpendre Critérios de investimento: O objectivo é identificar novas ideias e negócios emergentes com potencial, em que possa a vir a investir ou participar na respectiva incubação. 6. ALGUNS INCENTIVOS Medidas de apoio directo as empresas : 1- SIPIE (sistema de incentivo às pequenas iniciativas empresariais) Apoio a projectos de investimento que visem a criação ou desenvolvimento de micro ou pequenas empresas com um montante de investimento compreendido entre euros e Em cada fase de selecção cada promotor apenas poderá apresentar um projecto. Os projectos são apreciados em diversas fases de candidatura a ter lugar todos os anos até As candidaturas podem ser apresentadas ao gabinete de gestão do POE ou junto ao IAPMEI. Para obter informações complementares p.f. aceda aqui! 30

31 2- SIME (Sistema de incentivos a inovação empresarial): Apoio a projectos de investimento de dimensão total superior a euros, sendo este limite reduzido para euros no caso de projectos apenas constituídos por investimentos não directamente produtivos. Para empresas não PME: euros para projectos não directamente produtivos e euros nos restantes casostem como principais beneficiários as PME e grandes empresam. Para obter informações complementares p.f. aceda aqui! 3 NEOTEC - A Iniciativa Neotec é um programa de estímulo ao desenvolvimento de ideias inovadoras e à elaboração de um plano de negócios e preparação para comercialização do projecto, no âmbito das iniciativas tipo capital semente. A Iniciativa Neotec é um programa de estímulo ao desenvolvimento de ideias inovadoras e à elaboração de um plano de negócios e preparação para comercialização do projecto, no âmbito das iniciativas tipo capital semente. Para obter informações complementares p.f. aceda aqui! 4 Prime Jovem - Este Programa enquadra-se no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio da Comissão Europeia. O Sistema de Apoio a Jovens Empresários - PRIME JOVEM, disponibiliza aos jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos, um conjunto de instrumentos e acções destinados a estimular, promover e reforçar a capacidade das suas iniciativas empresariais. Para obter informações complementares p.f. aceda aqui! 7. Os Erros que Matam as Jovens Empresas 2 A análise de um grupo de empresas premiadas em concursos de criatividade, levou à identificação de erros que podem ser fatais para as empresas. 2 Author: Ideias & Negócios 31

32 Vejamos então: 1-Subestima-se a concorrência Muitas vezes os criadores negligenciam a capacidade de reacção dos seus concorrentes. Ex.: determinada empresa comercializava enguias fumadas. Mas os russos e os norte-americanos inundaram repentinamente o mercado e reduziram bastante os preços a partir de Calcula-se mal o mercado Ex.: Uma determinada empresa quis converter os consumidores de mel vendido em bisnaga. Os testes de marketing foram favoráveis, mas as vendas não corresponderam às expectativas. 3-Conhecem-se mal os circuitos de distribuição As barreiras à entrada situam-se, muitas vezes, no centro do circuito de distribuição. Ex.: Dada empresa escolheu produzir uma cerveja, de pressão, artesanal. O estudo de mercado, feito muito precipitadamente mostrava que existia um sector a explorar. Mas cerca de 80% dos pontos de venda (cafés, bares, etc.) da região, tinham um contracto de exclusividade com as grandes marcas nacionais. 4- Investe-se de maneira prematura É melhor não investir muito depressa, mesmo que o desenvolvimento comercial esteja assegurado. Ex.: Uma empresa cobiçava o mercado de cereais em barra. Um industrial importante propõe-lhe as suas próprias instalações e abria falência pouco depois. 5- Subestima-se a rentabilidade previsível. Um arranque mal programado e os capitais próprios agonizam com a empresa. Ex.: a Disc.Inc lançou os primeiros distribuidores automáticos de discos laser. Mas as suas cinco primeiras máquinas de fabrico não produziam mais do que nove conjuntos diariamente. Teria sido necessário produzir quinze para se tornarem rentáveis. 6- Avaliam-se mal os prazos 32

33 Os promotores de projectos subestimam sistematicamente os prazos de comercialização ou de entrada no mercado. Ex.: a Sensor defrontou-se com um problema deste tipo com a industrialização do seu captador de pressão hidráulica e perdeu dois anos. Felizmente os seus capitais permitiram-lhe sobreviver. 7-Negligencia-se o conhecimento do sector Exº. A Séduire concebeu uma linha de lingerie para grávidas. Demorou certo tempo para compreender os mecanismos de mercado, por falta de experiência na actividade em causa. A empresa está actualmente em liquidação judicial. 8- Personaliza-se demasiado A pluralidade de competências assegura melhor o funcionamento da empresa. Ex.: A Pilot do senhor Frelang abriu a primeira escola privada para pilotos comerciais, tendo-se equipado com simuladores de voo e com um aparelho Falcon 10. Mas o Senhor Freleng recusou introduzir um gestor profissional. Mais tarde, graves problemas pessoais obrigaramno a afastar-se da empresa, o que foi fatal. 9- Não se equacionam devidamente os obstáculos jurídicos Os problemas jurídicos ou administrativos podem destruir uma empresa. Em 1990, Mr. le Lloux, teve a ideia de vender espaços publicitários nos talões dos parques de estacionamento. Mas era indispensável, para se implantar, conquistar o mercado parisiense. Ora, o Município recusou tal concessão. Vencido, mas obstinado, abandonou o projecto e iniciou de seguida o lançamento de uma outra empresa noutro sector de actividade. Essa nova empresa, a Saltix, publicou, com sucesso, um guia para mudar de emprego ou actividade. 10- Os sócios entram em litígio, ou pura e simplesmente zangam-se Um projecto é, antes de mais, uma equipa. É preciso manter a coesão, pois sem esta o projecto estará, em regra, irremediavelmente perdido. 33

34 8.Contactos úteis Aqui ficam nomes de algumas entidades e seus contactos que o poderão ajudar na criação do seu projecto: ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários A Associação Nacional de Jovens Empresários ( ANJE ), foi constituída em 29 de Julho de 1986, por um grupo de jovens empresários preocupados com as dificuldades de acesso à função e início de desenvolvimento de uma actividade empresarial. Hoje a caminho dos quinze anos de existência, a função da ANJE revela-se cada vez de maior actualidade e necessidade. Contribuiu de forma significativa para: Criar instrumentos de apoio à constituição e desenvolvimento de empresas; Promover a reunião dos jovens empresários portugueses, com vista à satisfação dos seus interesses específicos. Promover a formação aos diversos níveis, desde a escola às empresas; Dinamizar novos projectos e relações comerciais Apoiar estratégias de internacionalização Actuar como interlocutor institucional e força dialogante junto de organismos oficiais, ao nível governamental, económico, social e cultural. Assumir a vocação de polo aglutinador de objectivos e vontades similares, fomentando, e orientando iniciativas de cariz empreendedor. Contactos: Telefone: /74/75 Fax: /20 Empresas e Soluções - CGD Principais actividades: Aplicações financeiras Financiamentos adequados 34

13 etapas para criar uma empresa.

13 etapas para criar uma empresa. 13 etapas para criar uma empresa. Não basta sentir uma oportunidade, convertê-la numa ideia, acreditar e lutar por ela. Tal completa apenas a componente motivação. Para se poder ser coerente e consistente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE Bruno Nunes brunonunes@anje.pt www.anje.pt 14 de Dezembro Gouveia 1ª Encontro de Jovem Produtor de Queijo da Serra da Estrela ANJE Introdução O que é: Associação

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Como criar uma empresa em 9 passos

Como criar uma empresa em 9 passos Como criar uma empresa em 9 passos Passo 1: A Concepção da Ideia O primeiro grande desafio na altura de criar um negócio próprio é a concepção da ideia. Nesta fase o investimento do empreendedor não se

Leia mais

CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007. REGULAMENTO Preâmbulo

CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007. REGULAMENTO Preâmbulo CONCURSO IDEIAS EM CAIXA 2007 REGULAMENTO Preâmbulo O Centro Regional para a Inovação do Algarve (CRIA) em parceria com a Associação Nacional de Jovens Empresários Núcleo do Algarve (ANJE Algarve) e a

Leia mais

Condições do Franchising

Condições do Franchising Condições do Franchising ÍNDICE Introdução 1. Vantagens em entrar num negócio de franchising 2. O que nos distingue como sistema de franchising 2.1. vantagens para o franchisado face a outras redes 2.2.

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial, cuja Atrair investimento

Leia mais

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012

A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas. Porto, 25 de Setembro de 2012 A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Porto, 25 de Setembro de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza empresarial,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

Projecto ApoiarMicro - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Regulamento de Funcionamento Preâmbulo Tendo como principal objectivo fomentar o empreendedorismo na Região da Lezíria do Tejo, a NERSANT Associação Empresarial em parceria com a Comunidade Intermunicipal

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio

PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA. Melhores Planos de Negócio PRÉMIO DE EMPREENDEDORISMO FCSH/NOVA/SANTANDER TOTTA Melhores Planos de Negócio 2014 REGULAMENTO Preâmbulo Consciente dos novos cenários económicos, que se observam à escala global, e atenta ao papel que

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM José Fernando Figueiredo Presidente do Conselho de Administração Sessão PRIME - Lisboa 4 Fevereiro 2010 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO... Poupança 2 ... AO LONGO DO

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME Ana Rosas Ana.rosas@iapmei.pt FINANCIAMENTO Ciclo de Vida das Empresas FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINANCIAMENTO FINICIA Projectos de Forte Conteúdo

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio

Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Regulamento Interno StartUp Lisboa Comércio Lisboa, Junho de 2014 Artigo 1º Âmbito A Incubadora StartUp Lisboa Comércio resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Montepio Geral, o IAPMEI

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA OS NINHOS DE EMPRESAS DO PORTO

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA OS NINHOS DE EMPRESAS DO PORTO REGULAMENTO DO CONCURSO PARA OS NINHOS DE EMPRESAS DO PORTO 1 ÂMBITO DO CONCURSO 1.1 O concurso é público e destina-se à ocupação dos gabinetes dos Ninhos de Empresas do Porto e de Lisboa. 1.2 Podem candidatar-se

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar

Serviços. Conquistar. quando identificou a oportunidade de negócio que constituía a Internet enquanto meio para agilizar Serviços Conquistar um lugar à mesa nas reservas on-line Até há bem pouco tempo Portugal não contava com um serviço especializado para reservar mesas em restaurantes através da Internet. Este ano ganhou

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

apresentação Institucional

apresentação Institucional apresentação Institucional DESENVOLVEMOS SOLUÇÕES DE SOFTWARE E SOLUÇÕES WEB POR MEDIDA, AJUSTADAS ÀS NECESSIDADES DOS CLIENTES. PORTFOFILO INOVAÇÃO Somos uma empresa Criativa e inovadora, com uma estratégia

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

Q u i d e i a? Criatividade Inovação Empreendedorismo. W o r k s h o p. t h e m i s t y g a r d e n ~ 1 ~

Q u i d e i a? Criatividade Inovação Empreendedorismo. W o r k s h o p. t h e m i s t y g a r d e n ~ 1 ~ Q u i d e i a? W o r k s h o p Criatividade Inovação Empreendedorismo t h e m i s t y g a r d e n ~ 1 ~ 1. DESCRIÇÃO DO WORKSHOP Objectivos, metodologia, resultados esperados Alguns especialistas definem

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos

candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos candidatura regras e regulamento artigo 1 objectivos A candidatura é um processo de prospecção e avaliação de projectos inovadores e tem como objectivo promover a realização de investimentos através do

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

José Serrano. passos para constituir uma empresa

José Serrano. passos para constituir uma empresa José Serrano passos para constituir uma empresa José Serrano passos para constituir uma empresa 2.1. EMPRESÁRIO EM NOME INDIVIDUAL Pedido de Certificado de Admissibilidade de firma ou denominação (nos

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

Business Angels Obter investimento por Business Angels.

Business Angels Obter investimento por Business Angels. Business Angels Obter investimento por Business Angels. Paulo Andrez Pres. Clube de Business Angels Cascais Membro da Direcção da Federação Nacional de Associações de Business Angels e da EBAN Coordenador

Leia mais

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ]

Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor: Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso Projetos Empresariais ] Preâmbulo O Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor é uma iniciativa da Comunidade Intermunicipal

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS. 4 de Maio a 12 de Outubro

DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS. 4 de Maio a 12 de Outubro DOSSIER II EDIÇÃO DO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS 4 de Maio a 12 de Outubro Índice 1. Denominação 2. Objectivos 3. Destinatários 4. Avaliação 5. Conteúdo Programático 6. Programa indicativo

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo Auditório do Centimfe Marinha Grande 02 de Março de 2005 O que é o negócio do Capital de Risco O Capital de Risco e o Crédito Bancário

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O QUEM SOMOS NÓS?! Somos Portugueses que, no passado, viveram no estrangeiro, como Emigrantes. Hoje, alguns de nós, ainda possuem familiares nessas condições... Ao longo dos anos sentimos grandes dificuldades,

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo

REGULAMENTO BOLSA DE IDEIAS. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo A Bolsa de Ideias CAIE (BI) é uma iniciativa desenvolvida pelo Projecto CAIE Centro de Apoio à Inovação e ao Empreendedorismo, financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL. Esta iniciativa

Leia mais

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos

inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos inserralves INDÚSTRIAS CRIATIVAS Programa do Concurso para Selecção de Ideias e Projectos ÍNDICE 1. Enquadramento e Objectivos 2. Definição 3. Atribuições da Fundação de Serralves 4. Destinatários 5. Candidaturas

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

medida 1 APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS

medida 1 APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Programa Operacional Agricultura e desenvolvimento Rural Praça do Comércio 1149-010 Lisboa Tel.: 213 234 960 Fax: 213

Leia mais

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES

O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES O PAPEL DO SISTEMA DE GARANTIA MÚTUA PORTUGUÊS NO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS E DOS EMPREENDEDORES 14 de Novembro de 2014 Braga Teresa Duarte Administradora Norgarante POTENCIAR MECANISMOS DE MERCADO Poupança

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA

CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA CAPITAL DE RISCO EM MUDANÇA Realizaram-se na passada semana dois acontecimentos que reputo de importância ímpar para a promoção do Empreendedorismo em Portugal O Dia Europeu do Empreendedor e o Encontro

Leia mais

PRESSCLIPPING DOSSIER INSTITUCIONAL FEVEREIRO

PRESSCLIPPING DOSSIER INSTITUCIONAL FEVEREIRO PRESSCLIPPING DOSSIER INSTITUCIONAL FEVEREIRO Associação Nacional de Jovens Empresários Revista de Imprensa 1. Quem tem razão no conflito com a TAP?, Económico Online, 16-02-2016 1 2. Quem tem razão no

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 04 AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Como aceder aos principais apoios financeiros disponíveis. 1 Ficha Técnica Título: Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Como aceder aos principais apoios financeiros

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2010 Agenda EM DESTAQUE Aderir à REDE! NOTÍCIAS/ EVENTOS Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Instituição do Mês Protocolos

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12

RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS. Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12 RELATÓRIO INTERCALAR DA CONVENÇÃO DE DISPONIBILIZAÇÃO DE FUNDOS Referência: GCI-PG-B-PT-COMM-Nº12 em aplicação da convenção de delegação GCI-PG-A-PT-COMM-Nº1 Página 1 de 12 Índice 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Ninho de Empresas de Mortágua

Ninho de Empresas de Mortágua mortágua ninho de empresas Ninho de Empresas de Mortágua REGULAMENTO Preâmbulo Inserindo-se numa estratégia de Desenvolvimento do Concelho de Mortágua que dá prioridade ao Crescimento Económico e ao Empreendedorismo,

Leia mais