«PRH é o fruto da minha vida, o término da minha evolução. É aquilo para o que eu estava feito sem saber»

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "«PRH é o fruto da minha vida, o término da minha evolução. É aquilo para o que eu estava feito sem saber»"

Transcrição

1 (Neste artigo, oferecemos a primeira parte de uma matéria assinada por Michel Lamarche, ex-formador PRH e redator principal do livro «A pessoa e seu crescimento» editado por PRH-Internacional). 50 ANOS DE GESTAÇÃO Quando alguém quer criar uma empresa, geralmente começa por definir minuciosamente um projeto, testa sua viabilidade e depois a coloca em prática. Em relação a André Rochais aconteceu de maneira muito diferente. A criação de PRH não partiu de um projeto nem de uma vontade de fundar algo. Como ele mesmo dizia: «Eu não quis criar PRH...». Então, como aconteceu? Como nasceu e se desenvolveu esta psicopedagogia do crescimento à qual ele dedicou 25 anos de sua vida? Uma frase sua esclarece um pouco esta questão das origens de PRH: «PRH é o fruto da minha vida, o término da minha evolução. É aquilo para o que eu estava feito sem saber» Assim, para compreender como André Rochais chegou a fundar PRH, temos que remontar ao seu passado, recorrer à sua história e observar esta evolução que o leva até PRH. SUA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Muito cedo, aparecem sinais precursores do que André Rochais chegaria ser e fazer. Ele foi um menino dotado de uma boa constituição psicológica. Adaptava-se sem muita dificuldade aos ambientes e situações que poderiam ser traumatizantes para outros. Cresceu num bar que sua mãe tinha em um bairro popular, portanto em contato com todos os problemas humanos que se pode encontrar neste tipo de ambiente. Nessa época, tinha pouca relação com seu pai que diariamente chegava cansado depois de 10 horas de trabalho numa fábrica. Depois, conheceu como era a vida de internato, com a rigidez que ali era vivida, e também com a separação do ambiente familiar. Apesar de tudo, atravessou este período sem grandes feridas: «Não conheci os traumatismos da infância que descubro em muitas pessoas...». Esta saúde interior lhe será muito valiosa mais tarde para a sua análise do homem e dos seus funcionamentos. Servirá também para enfrentar as dificuldades que PRH encontrará durante o seu desenvolvimento. Por outro lado, sem dúvida seu ambiente de origem o influenciou no cuidado que sempre teve para «fazer chegar todas as riquezas que há no mundo da psicologia ao homem comum» Já no plano físico, André Rochais não se destacava no quesito resistência, o que, desde então, o levava a cuidar de suas forças físicas e ter em conta seu corpo. Este aspecto de sua natureza reaparecerá na época, já de PRH, quando estiver ajudando as pessoas a gerir bem seu próprio corpo. Outro traço que emergiu em sua infância foi a tendência natural para a interioridade e para o conhecimento. «Desde pequeno eu tinha prazer em consultar o dicionário». Lia muito e procurava compreender. Despertava nele uma relação profunda com a Transcendência, que seria cada vez mais importante em sua vida. Este contato com a sua própria interioridade, desde muito jovem, este apetite de conhecimento, este gosto de compreender, são os sinais do pesquisador e do «pedagogo da vida interior» que ele se tornou. Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 1 / 6

2 Aos 11 anos, um acontecimento mudou sua vida. «Meu professor perguntou-me se eu gostaria de dar aulas como ele... Rapidamente respondi que sim.... Por que respondi tão rapidamente? Hoje compreendo. Sua pergunta tocou em dois pontos particularmente importantes em mim: o professor e o educador». A partir deste momento ele entrou para um internato que preparava professores. André Rochais descobriu o «filão» de sua vocação que um dia o levaria a PRH: seu ser de educador. Pouco depois, ao chegar à adolescência, encontrou um professor que iniciava seus alunos em justiça social. Novamente seu ser sentiu-se profundamente envolvido. O desejo de ajudar a mudar o mundo, torná-lo mais justo, estava inscrito nele. «Interessa-me o mundo inteiro. Quero mudá-lo. Tudo isto ainda é impreciso, como num adolescente». Neste interesse pelo mundo e neste desejo de promover um mundo mais justo, mais humano, estava uma das raízes profundas que levou André Rochais a se dedicar às pessoas e ao seu crescimento. Em sua intimidade era um humanista. Para ele, a mudança da sociedade passava pela mudança do homem. Daí a importância de descobrir como acontece o crescimento de um ser humano. Por outro lado, graças a várias experiências, tomou consciência de suas capacidades de liderança. Era natural nele arrastar outros no caminho das causas humanitárias pelas quais trabalhava. UM PROFESSOR APAIXONADO PELOS METODOS ATIVOS Aos dezessete anos começou a ensinar, inicialmente aos alunos da escola primária. Em seguida, depois da guerra, aos adolescentes e, finalmente, aos alunos de uma Escola Normal. Rapidamente percebeu que seu interesse aumentava à medida que os alunos eram maiores. «Sentia-me feliz. Ardia de entusiasmo com estes futuros professores. Queria muito bem aos meus alunos. Procurava ajudá-los a se tornarem homens... Minha vocação de educador ia se destacando. A educação me dava mais prazer do que o ensino. Com esses adolescentes eu me questionava: o que é preciso tocar para que tudo se coloque em ordem neles...? Esta pergunta permaneceu em mim durante 20 anos.» Quando André Rochais descobriu os métodos ativos que revolucionavam o mundo do ensino, situou-se neste terreno com sede de encontrar tudo o que pudesse ajudar as pessoas a se construírem. Apaixonou-se por isso. Procurou aplicá-lo com os jovens que lhe haviam sido confiados. «O que fica em mim deste aprofundamento nos métodos ativos é o que chamo de método da autodescoberta. Não se trata de encher o aluno de conhecimentos, mas de dar-lhe os meios para que descubra por si mesmo. Em outras palavras, somente há conhecimento a partir do interior. Daí a necessidade de um ensinamento individualizado». Neste período de sua vida, tomaram forma em André Rochais os fundamentos essenciais de sua futura pedagogia: os «trabalhos pessoais de análise», chave mestra da pedagogia PRH. Sua fonte era paixão que ele vivia pelos métodos ativos e a constatação que fez da eficácia destes métodos. Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 2 / 6

3 O DIRETOR DE ESCOLA, EDUCADOR DOS ADULTOS Em 1948, André Rochais foi nomeado diretor de uma escola em Sables-d olonne. Ele aproveitava do seu cargo para fazer reuniões de professores e de pais dos alunos. «Experimentei, então, que os adultos me inspiravam mais que os jovens... Tinha a impressão de que não se podia fazer nada definitivo com as crianças. Eu sentia desejo de fazer algo definitivo e de fazê-lo logo. Parecia-me que com os adultos era mais seguro, mais radical... Certamente a educação dos adultos é a minha vocação». Esta tomada de consciência marcou uma etapa em sua evolução rumo à PRH. Seu objetivo ia se precisando: ser educador, mais que ser professor; de adultos, mais que de crianças. OS ESTUDOS. SUA ATRAÇÃO PELA PSICOLOGIA Ao descobrir sua vocação ao sacerdócio, André Rochais voltou aos estudos. Fez filosofia e depois teologia. Tinha prazer em formar-se, em abrir-se, refletir, ler, mesmo que lhe faltassem atividades. Depois de sua ordenação, prosseguiu seus estudos no Instituto de Estudos Sociais de Paris. Com estes estudos esboçou-se um novo passo em direção ao que virá a ser PRH. Efetivamente, até esse momento André Rochais havia se centrado, sobretudo, por um lado na pedagogia em cujo campo reconhecia possuir um dom e, por outro lado, vivia uma busca espiritual. No instituto de estudos sociais de Paris aconteceu nele uma maior abertura. Descobriu materiais que lhe revelaram novos centros de interesse como: a economia, a sociologia, a psicologia social, a política, o direito, as relações internacionais. Em resumo, todas estas matérias que tratam do homem, das relações humanas e da organização da Sociedade. Como ele dirá mais tarde, psicologia o «seduziu». Neste tempo, adquiriu alguns conhecimentos básicos, sobretudo no campo da psicologia. Isto lhe servirá alguns anos mais tarde em seu trabalho de pesquisador em psicopedagogia. Encerrou os seus estudos com uma pequena tese intitulada «A formação dos adultos» pressagiando já o que será o resto dos seus dias. A AÇÃO REVELADORA DO SEU OBJETIVO DE EFICÁCIA Ao final destes longos anos de estudo, André Rochais era muito contente pelo fato de poder entrar em ação, uma vez que o sentido de sua vida era dar tudo o que havia recebido e que tanto fazia seu ser vibrar, preocupado pelo bem das pessoas e da humanidade. Em meio a esta ação, um caminho pouco a pouco o levava em direção do futuro PRH. Em 1961, aos 40 anos, criou um curso de psicologia social para responder a um pedido que lhe tinha sido feito. No ano seguinte, ficou completamente liberado para a formação dos adultos. Tendo o seu caminho livre, sua criatividade se intensificou. «Fiz três sessões de formação 1 : uma sobre a vida política, outra sobre a psicossociologia, adaptando assim para um público simples o que eu tinha recebido no Instituto de Estudos Sociais. Acrescentei a isto uma iniciação à animação de reuniões, algo que era muito solicitado nessa época». De imediato, estas atividades tiveram um grande êxito. Desde então, iniciou-se uma interação permanente entre ele e seu público. As reações das pessoas eram sempre uma oportunidade de aprofundar, precisar, progredir em sua pesquisa, elaborar novas pistas de análise. Apareceu nele uma dinâmica interior que já não era mais alimentada pelos pedidos cada vez maiores. Em , recebeu um chamado para formar, em nível nacional, mulheres de uma comissão cívica e social. Neste mesmo período, várias congregações religiosas lhe procuraram. «um rastro de pólvora nesse mundo das religiosas». Ainda em 1963, foi contratado por uma escola de educadores especializados para dar cursos sobre psicologia social. Em 1964, foram as assistentes sociais que fizeram contato com ele para formação. Assim, André Rochais conheceu a inspetora técnica da ASA (Associação social do 1 Atualmente chamadas de cursos Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 3 / 6

4 exército), que lhe confiou a missão de fazer uma reciclagem de seu pessoal em nível nacional: primeiro as assistentes sociais, depois os responsáveis. Em setembro do mesmo ano, organizou uma primeira sessão de seis dias. Nesse momento, geralmente trabalhava com módulos de dois dias. Então, começou a introduzir em suas atividades de formação alguns elementos referentes à personalidade. Constatou que este tema, bem como o da psicologia social, tinha um impacto particularmente importante nos participantes. Sem que sentisse, sua pesquisa foi sendo influenciada. Neste mesmo tempo, entrou para um organismo de formação «Cultura e Promoção», chegando a ser rapidamente responsável regional. A partir de então, sua vida foi literalmente «invadida». A quantidade de solicitações ultrapassava suas capacidades de resposta. Não media esforços, estava continuamente se deslocando e recebendo, em seus tempos livres, pessoas que lhe pediam encontros pessoais. Entretanto, continuava lendo, observando, se informando, melhorando o que havia criado... O INÍCIO DE UMA PESQUISA SISTEMÁTICA SOBRE O HOMEM E O SEU CRESCIMENTO Uma mudança decisiva em sua pesquisa Em 1966, aconteceu uma mudança decisiva. André Rochais mesmo disse isto: «Ali começou a minha pesquisa típica PRH. No trabalho de formação que eu fazia, sentia-me fortemente e cada vez mais atraído por tudo o que envolvia o ser humano. Tinha a impressão de estar nas paredes de um funil e de ir deslizando cada vez mais em direção do que concerne ao homem e ao seu crescimento». Então, aconteceu uma mudança decisiva. Sua pesquisa concentrou-se no homem, na personalidade humana, nas condições do seu desenvolvimento, na interação entre o homem e a sociedade. Tinha várias questões sobre estes temas. «Minha grande pergunta do ano de 1947 continuava ali..., sem uma resposta satisfatória: Onde é preciso tocar o homem para que se desencadeie o processo de crescimento de ordenação? Meus estudos em Paris fizeram-me conscientizar até que ponto o homem está socializado, e eu me perguntava: o que há de pessoal no homem? O que é pessoal e o que é socializado?» Um «estopim» Então, houve um acontecimento importante em nível de sua evolução rumo a PRH. Trata-se do seu encontro com a obra de Carl Rogers, celebre psicoterapeuta americano. Foi assim que André Rochais falou deste encontro: «Neste contexto (de questionamento sobre o homem), li o livro de Carl Rogers Tornar-se Pessoa. Foi para mim como um estopim. Encontrei o meu eixo. Eu tinha a resposta para as minhas perguntas ou, pelo menos um esboço de resposta. Foi também isto que me colocou a caminho. Quatro coisas ecoaram em mim: Sua formulação de que o fundo do ser é positivo. Sua afirmação de que se pode confiar nas próprias intuições. Sua distinção entre o saber (o intelecto, segundo a sua linguagem) e o sentido ou vivido (o organismo, segundo a sua linguagem). Seu método para ajudar as pessoas Eu encontrava as minhas respostas: O lugar onde é preciso tocar o homem para que tudo se coloque em seu lugar era o fundo do ser, ali onde se encontra o positivo. O meio para chegar a ser si mesmo é confiar nas próprias intuições. Meu esquema ajudava-me a fazer a distinção entre o saber e o sentir. Meu método para ajudar aos outros em seu crescimento era o método de Rogers: uma relação humana que confia na pessoa e que se esforça no sentido de estimular o crescimento do outro. Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 4 / 6

5 Estas respostas permitiram a André Rochais construir um ensinamento sobre a personalidade, que ele incluiu em uma sessão de formação. Esta contribuição despertou um grande interesse por todas as partes. Rapidamente, tomou distância de Carl Rogers para prosseguir a sua própria pesquisa. Surge uma pedagogia específica No mesmo ano de 1966 ocorreu outra mudança decisiva. André começou a questionar sua própria pedagogia. Seu passado como professor e sua experiência como estudante acostumado a leituras haviam-no levado naturalmente a adotar uma forma pedagógica baseada no ensino. «No início eu era professor. Ensinava da maneira mais pedagógica possível. Procurava ser concreto, encontrar exemplos na vida da pessoa... Orientava a observarem a vida. Eu mesmo a descrevia. Ensinando sobre as zonas da personalidade, começou a nascer outro tipo de pedagogia: os TPA (trabalhos pessoais de análise) Eu tinha a preocupação de indicar às pessoas o que deviam observar com muita atenção». Esta nova maneira de proceder o levou a refazer progressivamente as sessões de formação que dava. Assim, pouco a pouco, as bases mais fundamentais de sua psicopedagogia foram ocupando o seu lugar. Restava a ele um enorme trabalho de aprofundamento. «Aprofundou-se a minha pesquisa sobre o homem e o seu crescimento. Eu observo a mim mesmo. Escuto as pessoas que me partilham sua vivência nas sessões de formação e em relação de ajuda. Todos estes materiais se acumulam em mim, se organizam, não sei por que tipo de alquimia misteriosa, e me são restituídos em sínteses, como conjuntos coerentes que logo posso testar com meu público. Assim, me vejo sendo arrastado em uma pesquisa sobre o homem em sua relação com Deus, bem como uma pesquisa sobre a relação de ajuda, a qual me afasta de Carl Rogers. Em todo este trabalho de pesquisa, sinto-me avançando pelo meu próprio caminho, fora dos caminhos que os diferentes mestres que eu havia lido me ensinaram. Sobre este tema, lembro o momento de dúvida que vivi nessa época, quando conscientizei minha divergência com Rogers. Escolhi então continuar o meu caminho, deixando-me comprometer na pesquisa de zonas que ele não havia explorado. Assim. Abandonei o «apoio de Rogers» e continuei o meu caminho. Desde então, não li mais os mestres, por falta de tempo, mas também por não sentir gosto de fazê-lo. Agora, tomando um pouco de distância pelos anos que se passaram, me dou conta de que eu tinha que elaborar, com liberdade, meu próprio sistema explicativo, somente em fidelidade à realidade. Hoje, volta-me o gosto de ler outras pesquisas. Sinto prazer em fazer isto. Meu pensamento é bastante sólido, vasto e coerente, a ponto de não me sentir parasitado ou inibido por suas descobertas. Eu poderia dialogar com eles, situá-los no panorama da psicopedagogia do crescimento e também situar-me aí». Os primeiros formadores Mesmo que as bases já estivessem presentes, faltava ainda um elemento estrutural para que PRH fosse criado. Efetivamente, toda esta evolução foi sendo acompanhada de solicitações que não paravam de acontecer. André Rochais não conseguia enfrentá-las sozinho. Além da França, desde 1967, o convidaram para ir dar algumas sessões de formação no Canadá. Então, germinou nele a ideia de formar algumas pessoas capazes de se tornarem animadores 2. Assim, ele definiu alguns critérios de seleção e comunicou seu projeto em torno dele. Em pouco tempo, quarenta e seis candidatos expressaram o desejo de formar-se para difundir as sessões de formação. Em setembro de 1967, aconteceu em Poitiers o primeiro encontro de formação dos futuros animadores. Desses quarenta e seis, dezoito efetivamente animaram algumas sessões de formação. Em 1968, novamente umas quarenta novas pessoas se formaram para a animação, enquanto que os pioneiros se aperfeiçoaram. 2 Atualmente chamados formadores Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 5 / 6

6 Com a chegada destas novas pessoas, todos os ingredientes estavam reunidos para que PRH nascesse. O nascimento oficial de PRH «Em 1969, com a multiplicação das animadoras e dos animadores, senti bom que nos encontrássemos para compartilhar nossas experiências. Fixamos a data para setembro de 1970 em Hublais, perto de Rennes. Durante o ano, tomou corpo em mim a ideia de um agrupamento visando assegurar uma melhor coordenação dos nossos esforços e um domínio da corrente que estávamos desencadeando. Neste mesmo ano, procurava um nome para o nosso agrupamento... Surgiu em mim PRH (Personalidade e Relações Humanas). Pareceu-me que este nome correspondia ao que na realidade eu observava. Assim, em setembro de 1970, nos reunimos em vinte e sete pessoas e constituímos uma associação sem fins lucrativos. Eu fui eleito presidente». Em 4 de abril de 1971, a Associação PRH apareceu no Diário Oficial. André Rochais tinha então 50 anos. «Assim nasceu PRH... Como eu cheguei até aqui? Por uma fidelidade a mim mesmo, ou seja, à minha consciência... Esta fidelidade me fez percorrer muitos meandros. Os ensaios e estancamentos fizeram parte do meu caminho; porém meu instinto de ser e minha consciência me conduziram à tarefa para a qual eu fui criado... PRH nasceu de uma confluência da minha vida com outras vidas. É como se tivéssemos sido criados juntos para uma mesma missão: colocar em prática um instrumento de crescimento do Homem e da Sociedade do Homem. A mim foi dado ir à frente, criar um instrumento de formação e organizar este agrupamento. Porém, sem todos estes animadores que vieram até mim, PRH não existiria». Por que e como André Rochais chegou a fundar PRH 6 / 6

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO

A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO CURSO A PRÁTICA DA FRATERNIDADE NOS CENTROS ESPÍRITAS A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO A PRÁTICA DO PRECEITO: AMAR O PRÓXIMO COMO A SI MESMO Vimos na videoaula anterior que nas diversas

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Celia Regina Lopes Feitoza

Celia Regina Lopes Feitoza Celia Regina Lopes Feitoza Se quiser falar ao coração do homem, há que se contar uma história. Dessas que não faltam animais, ou deuses e muita fantasia. Porque é assim, suave e docemente que se despertam

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 08-Delineando Relatórios de Avaliação Jussara Hoffmann

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05

Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Sumário Introdução: Satisfazendo a fome espiritual 05 Série 1: Lidando com o Estresse Estresse 1: Novos lugares, Novas situações estressantes 12 Estresse 2: O sonho impossível 18 Estresse 3: No calor do

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria

Institucional. Realização. Patrocínio. Parceria Relatório Fotográfico Março, Abril e Maio de 2009 Institucional Realização Patrocínio Parceria Introdução Existe uma grande diferença entre as águas do mar e o azul das ondas. A água é concreta, objetiva,

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2 Sexo Idade Grupo de docência Feminino 40 Inglês (3º ciclo/secundário) Anos de Escola serviço 20 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Inglês, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014 2014 Visão MDA [Digite o subtítulo do documento] VI [Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um resumo é um apanhado geral do conteúdo do documento. Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um

Leia mais

Conhecendo o Método C3

Conhecendo o Método C3 Conhecendo o Método C3 O que é o Método C3? É o mais inovador método de consultoria empresarial do mercado, composto por três módulos, cada um deles com apenas três sessões. O Método C3 pode ser aplicado

Leia mais

Semana 2: Estenda um Convite

Semana 2: Estenda um Convite Semana 2: Estenda um Convite Incluído: 1. Preparação do líder 2. Guia da lição 1. PREPARAÇÃO DO LÍDER VISÃO GERAL DA LIÇÃO Como podem adolescentes dar a conehcer à seus amigos que querem desesperadamente

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais