Um Simulador para um Sistema de Detecção de Intrusos em Redes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Simulador para um Sistema de Detecção de Intrusos em Redes"

Transcrição

1 Um Simulador para um Sistema de Detecção de Intrusos em Redes de Sensores Sem Fio Marcelo H. T. Martins 1, Bruno P. S. Rocha 1, Ana Paula R. da Silva 1, Linnyer B. Ruiz 2 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) 2 Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Abstract. Wireless sensor networks (WSNs) constitute a new paradigm of environmental monitoring that have many potential applications. In many scenarios, information transmitted over WSNs may be of interest to adversaries. Besides preventing an intruder from causing damages to the network, an intrusion detection system (IDS) can acquire information related to attack techniques, helping in the development of prevention systems. In this work, a simulation environment is proposed for a distributed IDS that attends the requirements and restrictions of WSNs. Results show that the simulator is effective on its purpose; moreover, it can be presented as a flexible, extendable, and reusable software architecture. Resumo. Redes de Sensores Sem Fio (RSSF) constituem um novo paradigma de monitoração ambiental com muitas aplicações em potencial. Em muitos cenários, as informações transmitidas nas RSSFs podem ser de interesse de adversários. Além de evitar que intrusos causem danos à rede, um sistema de detecção de intrusos (IDS) pode adquirir informações sobre técnicas de ataque, auxiliando no desenvolvimento de mecanismos de prevenção. Neste trabalho, é proposto um ambiente de simulação para um IDS distribuído que atende às demandas e restrições das RSSFs. Resultados mostram que o simulador é eficaz no seu propósito, além de se apresentar como uma arquitetura de software flexível, extensível e reusável. 1. Introdução Sistemas complexos e processos do mundo real podem ser estudados via modelagem e simulação, uma técnica para análise e observação de comportamentos sob diferentes condições. Um modelo de simulação é uma representação simplificada de um sistema e é composto por uma coleção de componentes interativos. Assim como em outros sistemas utilizados em aplicações críticas, o estudo e desenvolvimento de algoritmos e protocolos em Redes de Sensores Sem fio (RSSFs) [Akyildiz et al. 2002] exigem um arcabouço em que soluções propostas possam ser testadas e avaliadas seguindo métricas pré-definidas antes de serem implantadas em uma rede real. Essa avaliação pode ser feita por meio das técnicas de modelagem e simulação. Por meio dessas, pode-se comparar diferentes propostas e identificar possíveis melhorias e limitações no sistema sendo implementado. As RSSFs constituem um novo paradigma de monitoração ambiental com muitas aplicações em potencial. Formadas tipicamente por centenas ou até milhares de nós de tamanho reduzido, esses dispositivos utilizam comunicação ad hoc para transmissão de dados e possuem recursos escassos em termos de reserva de energia, largura de banda, capacidade de processamento e armazenamento. RSSFs são projetadas para atuarem em ambientes muitas vezes

2 inóspitos e podem estar envolvidas em aplicações críticas, tais como mapeamento de recursos naturais [Mainwaring et al. 2002] e monitoração de movimentação inimiga em um campo de batalha [Arora et al. 2004]. Nessas aplicações, as RSSFs podem se tornar alvo de interesse de adversários. Devido à natureza não-confiável da comunicação sem fio, ao fato de serem implantadas em ambientes abertos e desprotegidos e serem constituídas por dispositivos de tamanho reduzido e de baixo custo, as RSSFs estão sujeitas a vários tipos de ataque [Karlof and Wagner 2003, Wood and Stankovic 2002]. Mecanismos preventivos podem ser aplicados para protegê-las desses ataques, como mostrado em [Karlof et al. 2004, Perrig et al. 2002]. No entanto, não existem garantias de que os métodos preventivos serão capazes de deter os invasores. Sendo assim, faz-se necessário um mecanismo capaz de detectar esses ataques e seus responsáveis. Além de evitar que um intruso cause danos à rede, um sistema de detecção de intrusos (Intrusion Detection System IDS) pode adquirir informações sobre as técnicas de ataque, auxiliando no desenvolvimento de sistemas de prevenção. Nesse cenário, vários desafios devem ser considerados. Primeiramente, uma RSSF é direcionada a aplicações, isto é, projetada com características específicas para a aplicação a que se destina. A variedade de configurações de rede dificulta a modelagem do comportamento usual ou esperado de um sistema. Além disso, métodos desenvolvidos para redes tradicionais não são diretamente aplicáveis, pois a disponibilidade de recursos em RSSFs é altamente restrita. Alguns simuladores foram propostos para avaliar soluções em RSSFs e são utilizados na obtenção de resultados em estudos de áreas relacionadas. Em alguns casos, no entanto, esses simuladores não são adequados, como ocorreu na solução de detecção de intrusões em RSSFs proposta em [da Silva et al. 2005]. Como se tratava de uma idéia nova, os simuladores existentes não previam as funcionalidades necessárias para essa nova abordagem, além de apresentarem alta complexidade, baixa performance e serem de difícil manipulação e agregação de novas funcionalidades. Visto que, até onde foi pesquisado, nenhum dos simuladores estudados atendia a todos os requisitos necessários para a aplicação proposta, decidiu-se implementar uma solução própria. Dessa maneira, tem-se controle total sobre o comportamento da aplicação, além de possibilitar a criação de uma ferramenta robusta e de menor complexidade, voltada especificamente para o problema de detecção de intrusos em RSSFs. 2. Trabalhos Relacionados Avaliar a performance e comportamento de RSSFs requer ferramentas de simulação que sejam escaláveis a um grande número de nós sensores. Ambientes tradicionais de simulação, como o ns-2 [Fall and Varadhan 2001], são recomendados em estudos de comportamento de protocolos de comunicação, mas geralmente não capturam detalhadamente as operações realizadas nos pontos finais da rede, os nós sensores. A simulação de aplicações de RSSFs requer uma série de modificações e simplificações no modelo projetado para o ns-2, já que esse sistema não foi desenvolvido especificamente para esse propósito. Além disso, a complexidade de programação e a demora na obtenção de resultados mostraram que essa é uma solução ineficiente para aplicação em modelagem de IDSs em RSSFs. Alguns ambientes de simulação específicos para RSSFs foram estudados, como o Atemu [Karir 2003] e Simulavr [Roth 2001]. Esses sistemas disponibilizam relatórios de execução bem detalhados sobres os nós sensores, apesar de somente o Atemu dar suporte à simulação de múltiplos nós em um ambiente de rede. Como ambos atuam em nível de instrução do dispositivo sensorial, sua escalabilidade fica comprometida devido ao overhead causado pela emulação da arquitetura em que as aplicações são executadas.

3 O simulador TOSSIM [Levis et al. 2003] foi projetado tendo em vista RSSFs e é utilizado como um ambiente escalável para RSSFs baseadas no TinyOS [Hill et al. 2000]. Ao contrário dos simuladores em nível de máquina, o TOSSIM compila aplicações do TinyOS para o formato nativo de execução do hospedeiro da simulação, aumentando sua escalabilidade. No entanto, não existem mecanismos que forneçam informações sobre o consumo de energia da rede, um dos pontos críticos no desenvolvimento de aplicações em RSSFs. Tal limitação é tratada pelo PowerTOSSIM [Shnayder et al. 2004], uma extensão proposta ao TOSSIM. Apesar de apresentarem granularidade compatível com o problema proposto e de serem de fácil programação, nenhum dos dois simuladores dão suporte a aplicações heterogêneas até o momento, o que dificulta sua utilização como arcabouço para a simulação de um IDS composto de nós sensores executando diferentes serviços. Em [da Silva et al. 2004], são apresentados um estudo geral e uma série de possibilidades de construção de um IDS para RSSFs. Algumas das idéias propostas foram utilizadas como base para a modelagem deste trabalho. A contribuição deste trabalho é reunir idéias e modelos relacionados acima e aplicá-los em um ambiente projetado e otimizado especificamente para a simulação de IDSs em RSSFs. 3. Modelagem 3.1. Componentes do Simulador Optou-se pelo modelo de simulação em eventos discretos, considerando que as ações no ambiente do sistema são ativadas em intervalos definidos. Sendo assim, os objetos de análise (nós comuns, monitores e intrusos) mantêm seus estados durante a simulação e só os modificam na ocorrência de um evento. A linguagem C++ foi utilizada para o desenvolvimento da aplicação, tornando-a facilmente extensível e modular. Os seguintes módulos componentes da arquitetura do simulador foram propostos e implementados: dispositivo de sensoriamento, mensagem, rede e controlador de simulação. A escolha de tais módulos foi baseada na relevância das abstrações necessárias para a modelagem do problema em questão Dispositivos de Sensoriamento Dispositivos de sensoriamento em uma RSSF são representados por pequenos computadores, aplicados no processamento de dados capturados do ambiente. Esses dispositivos geralmente são compostos por um microcontrolador, um conjunto de sensores, uma fonte de energia e uma quantidade restrita de memória. No modelo de simulação proposto, esse dispositivo pode assumir papéis variados dentro da rede, entre eles o de estação base, nó sensor comum, nó monitor ou nó intruso. Partindo de um modelo básico, optou-se pela associação de novos módulos por composição à representação do dispositivo sensorial, como mostrado na figura 1. De acordo com o papel que a instância de dispositivo irá assumir na simulação, os módulos relevantes à sua função são ativados. Propriedades e funções comuns a todos os dispositivos, como identificação, localização, alcance do transceptor, consumo de energia, transmissão e processamento de mensagens são implementadas nesse componente. Estação Base A estação base representa o sorvedouro para onde todas as mensagens da rede são direcionadas. É também responsável pela inicialização e manutenção da árvore de roteamento da rede.

4 Sensor Dispositivo de Sensoriamento -identificador -temporizador -coordenadas -alcance -vizinhos Ataque IDS Energia Caixa de Mensagens Figura 1. Dispositivo de sensoriamento e módulos associados (notação UML) Nó Sensor O nó sensor comum abstrai o conceito de sensor/roteador, ou seja, sensoria o ambiente, enviando as informações obtidas para a estação base, e encaminha mensagens de nós vizinhos em direção à mesma. O sensoriamento ocorre em intervalos pré-determinados, e são acionados pelo temporizador do nó sensor, que vai sendo incrementado à medida que as iterações do simulador ocorrem. Ao atingir seu valor limite, o temporizador é reinicializado e uma interrupção é gerada, alertando o nó sobre um novo sensoriamento. Nó Intruso O nó intruso oscila entre o comportamento de um nó sensor comum e o de um invasor. As funções do comportamento intrusivo dependem do ataque considerado. Essa oscilação é periódica e pré-definida no início da simulação para cada invasor. Os ataques são efetivados durante a transmissão de mensagens por parte dos vizinhos do intruso. Nó Monitor Os nós monitores são responsáveis pela monitoração de seus vizinhos em busca de indícios de intrusos e acionamento do IDS. Um nó monitor mantém seu rádio em modo de escuta promíscua, armazenando as informações de interesse e processando-as de acordo com as regras de detecção selecionadas. Um nó monitor também assume o papel de nó sensor comum Mensagens Mensagens são conjuntos de dados de formato pré-definido transmitidos pelos nós da rede, u- sando o meio de comunicação sem fio. Seu propósito é garantir que os dispositivos participantes da rede divulguem suas informações e tenham conhecimento sobre o ambiente de sensoriamento dos demais nós da rede, permitindo a cooperação entre eles. Foram definidos três tipos de mensagens: dados, configuração e roteamento. Mensagem de Dados Uma mensagem de dados contém a leitura de um sensor e é sempre enviada à estação base pelos nós. Os seguintes campos a compõem: tipo, fonte de dados imediata (previous hop), destino imediato (next hop), origem, destino, número de seqüência e dados.

5 Mensagem de Configuração Uma mensagem de configuração é enviada a algum nó específico da rede pela estação base com o propósito de notificar seu receptor para que altere a sua configuração de execução na rede (e.g. desligamento do rádio). Considerando uma rede heterogênea, a estação base pode ser representada por um nó transceptor de alcance maior e com uma maior reserva de energia. O ideal é que a mensagem de configuração seja transmitida até o seu destino em um único hop, evitando que ela seja repassada por nós sensores intermediários. Nós com rádio em modo promíscuo (monitores) também são capazes de ouvir essa mensagem. Os seguintes campos compõem uma mensagem de configuração: tipo, origem, destino, número de seqüência e dados. Mensagem de Roteamento Mensagens de roteamento podem ser enviadas a partir da estação base para os nós comuns, a fim de promover a criação e atualização da árvore de roteamento. Esse mecanismo baseia-se na idéia do algoritmo distribuído de Propagação de Informação (Propagation of Information PI [Segall 1983]). Uma mensagem de roteamento é enviada pela estação base aos seus vizinhos. Estes a recebem, determinam seus antecessores na topologia da árvore como sendo o remetente da mensagem e a propagam para os demais nós da rede, mudando o valor do campo Origem com os seus próprios endereços. O mesmo procedimento é realizado até que todos os nós da rede que possam ser alcançados tenham sido agregados. Mensagens de roteamento recebidas por nós que já fazem parte da topologia são descartadas, evitando ciclos. Assim como a mensagem de configuração, os campos contidos na mensagem de roteamento representam um subconjunto dos campos da mensagem de dados (tipo, origem, destino e número de seqüência) Rede O componente de rede é responsável pela comunicação interna da RSSF. Este componente coordena a transmissão de mensagens entre os nós, obedecendo a topologia da rede e o alcance de cada dispositivo, além do próprio reconhecimento da vizinhança pelos nós. As conseqüências dos ataques promovidos pelos nós intrusos durante o envio e recepção de dados afetam este componente Controlador de Simulação O controlador de simulação é o componente principal do sistema, sendo responsável pela administração da rede, sincronização dos nós e coleta de informações estatísticas sobre a simulação. A comunicação e configuração dos demais componentes do simulador é feita por meio de interfaces. O controlador possui um escalonador de eventos, utilizado na organização e execução de tarefas. Um evento é composto por um tempo de disparo e uma função de tratamento. Atualmente, o simulador é executado em uma única thread e apenas um evento é disparado por vez. Se mais de um evento é escalonado ao mesmo tempo, seu disparo obedece a política FIFO (First In First Out). Exemplos de eventos suportados são a inserção de falhas naturais na rede (seção 4.2.), alteração da árvore de roteamento e realização de ataques na rede.

6 4. Implementação do IDS 4.1. Ataques e Detecção Os seguintes passos devem ser considerados na implementação de um IDS apropriado para RSSFs: (1) Escolha prévia dentro de um conjunto de regras de detecção disponíveis daquelas apropriadas para monitoração das características de rede definidas pelo projetista; (2) Cruzamento entre as informações que as regras escolhidas necessitam extrair da rede e as informações disponíveis nas mensagens que trafegam pela mesma rede, para seleção definitiva das regras que serão implementadas; (3) Atribuição de valores aos parâmetros das regras selecionadas. A seguir, são apresentadas as definições das regras implementadas neste trabalho. Regra de intervalo: Considerando um intervalo de disseminação de dados pré-definido, uma falha é contabilizada se o período entre a transmissão de duas mensagens consecutivas for maior ou menor do que um limite estabelecido. Ataques que provavelmente causarão desvios no comportamento padrão da rede nessa situação são o de negligência de dados, no qual o nó intruso omite a transmissão de dados sensoriados periodicamente, e o de exaustão, em que o intruso aumenta a taxa de transmissão dessas mensagens, ultrapassando o intervalo de disseminação. Regra de retransmissão: Um nó intermediário deve retransmitir as mensagens cujo destino final não é igual ao seu identificador. Caso isso não aconteça, uma tentativa de ataque é notificada pelo nó monitor. Os ataques que não condizem com esse comportamento são os de selective forwarding e blackhole, no qual o intruso deixa de retransmitir algumas ou todas as mensagens recebidas, respectivamente. Regra de integridade: Os dados contidos na mensagem recebida por um nó sensor não devem ser alterados durante a retransmissão dessa mensagem pelos nós intermediários até o seu destino final.esta regra garante a detecção de tentativas de ataques com modificação de conteúdo de mensagens. Regra de atraso: A retransmissão de uma mensagem por um nó intermediário deve ser feita dentro de um período definido, sem atrasos. Caso contrário, identifica-se esse comportamento anômalo como uma tentativa de ataque de atraso de mensagens. Regra de repetição: Um nó comum transmite a mesma mensagem um número limitado de vezes (uma ou mais, em caso de erros), de maneira a ocupar o canal de comunicação o menos possível. Ataques de negação de serviço (Denial of Service DoS) são característicos no descumprimento desta regra. Regra de alcance de rádio: Mensagens que são recebidas ou ouvidas por um nó monitor devem ser originárias de nós que estejam dentro do seu raio de alcance. Ataques que não condizem com esse comportamento são os de wormhole e HELLO flood, nos quais os intrusos enviam mensagens de um ponto a outro da rede, utilizando um transceptor de maior alcance do que os dos demais nós da RSSF. Regra de interferência: O número de colisões que ocorrem durante a transmissão de mensagens deve ser menor ou igual a um número de colisões esperadas, característico do meio de comunicação. O ataque de interferência (jamming), no qual um nó intruso provoca colisões nas mensagens enviadas por seus vizinhos, pode ser detectado por esta regra Falhas Naturais na Rede Foi proposto um modelo probabilístico para simulação de ocorrências de falhas naturais na RSSF, que é aplicado cada vez que uma mensagem está prestes a ser enviada por um nó. As seguintes falhas naturais foram consideradas neste trabalho:

7 1. Alteração de dados: ocorre quando os dados da mensagem são modificados para valores diferentes do original. 2. Perda de mensagens: ocorre quando a mensagem enviada pelo nó sensor é perdida enquanto trafega pela rede. Nesse caso, o nó que originou a mensagem não percebe a perda. 3. Colisão de mensagens: a mensagem é perdida devido a interferências causadas pela tranmissão de outras mensagens no mesmo canal de comunicação. Nesse caso, o nó onde a mensagem foi originada detecta a perda devido a uma colisão. Falsos positivos ocorrem quando falha naturais são erroneamente detectadas como tentativas de ataque, como ocorre nos casos abaixo. Interferência (Jamming): um transceptor, configurado para utilizar a mesma frequência de transmissão dos equipamentos de recepção pode, com potência suficiente, ocupar o canal de comunicação de um receptor, impedindo que este receba qualquer tipo de mensagem. Um nó monitor está sujeito a confundir esse tipo de ataque com colisões naturais na rede. Alteração de dados: ataque semelhante à falha natural de mesmo nome, mas naquele caso a alteração da mensagem é feita de forma proposital pelo nó intruso. Negligência de dados, blackhole e selective forwarding: um intruso ignora mensagens que deveriam ser enviadas ou retransmitidas. Esses ataques podem ser erroneamente interpretados como falhas naturais de perda de mensagens na rede pelo nó monitor Execução O fluxo de funcionamento do IDS é dividido nas seguintes fases: 1. Aquisição de Dados: As mensagens são coletadas em escuta promíscua pelo monitor e os dados de interesse são filtrados antes que possam ser armazenados em um vetor para posterior análise. 2. Aplicação de Regras: Ocorre o processamento para identificação das atividades suspeitas, através da aplicação das regras apropriadas a cada tipo de mensagem armazenada no vetor. Se na aplicação de qualquer uma das regras é detectada uma falha, essa é contabilizada. Uma vez que a mensagem não está de acordo com uma das regras aplicadas sobre ela (seção 4.1.), tem-se um indicativo de comportamento anômalo na rede. 3. Detecção de Indícios: As falhas contabilizadas são comparadas com o modelo de falhas naturais correspondente à RSSF específica. Um intruso é detectado se o número de falhas observadas na rede durante o período de coleta de mensagens pelo monitor for maior que o número esperado de falhas naturais na rede específica. Modelo de Falhas: O número esperado de falhas naturais em cada configuração de rede é definido dinamicamente pelo nó monitor. Para cada nó pertecente à sua vizinhança, o monitor mantém um histórico de falhas que é atualizado periodicamente após a fase de aplicação de regras. Como a expectância do número de falhas leva algum tempo para se estabilizar, um grande número de falsos positivos seriam detectados pelos nós monitores no início do ciclo de vida da rede. Para que isso não ocorresse, uma parcela inicial do tempo de simulação, denominada etapa de aprendizagem, foi reservada para que essa média se estabilizasse. Durante esse período, um nó monitor considera todos os comportamentos anômalos detectados como falhas naturais da rede. 5. Análise de Desempenho 5.1. Considerações Iniciais O objetivo dos experimentos foi avaliar o desempenho e verossimilhança do simulador de IDSs para RSSFs. Em particular, a eficácia na detecção dos ataques considerados e o número de falsos positivos obtidos pelos nós monitores.

8 Sob o ponto de vista do monitor, o processo de monitoração é dividido em etapas. A primeira etapa se inicia quando o vetor de avaliação está vazio e começa a ser preenchido com mensagens ouvidas em escuta promíscua. Essa etapa termina quando o vetor está cheio e o processamento das mensagens armazenadas pode ser disparado. O tamanho do vetor define a duração da etapa de escuta promíscua e, assim, a quantidade de mensagens que poderão ser relacionadas entre si em busca de indícios de intrusos. Observa-se um compromisso entre o custo de armazenamento e eficácia da detecção. Quanto menor o vetor e, conseqüentemente, o custo de armazenamento, menor será a duração dessa etapa e maiores serão as perdas de seqüência de mensagens (menor possibilidade de relacionamento entre elas em busca de indícios), implicando em menor eficácia na detecção. A fim de avaliar esse compromisso, variou-se o tamanho do vetor entre 30, 60, 100, 200 e 400 mensagens, para cada um dos ataques. Esses valores foram escolhidos com base nas restrições de memória do nó sensor Mica2 [Hill et al. 2000]. Todas as simulações tiveram duração de iterações, executadas 33 vezes para cada configuração. Considerou-se apenas um intruso aplicando um único tipo de ataque em cada simulação. A etapa de aprendizagem da rede durou 1000 iterações (10% do tempo de vida da rede) na qual nenhum ataque foi aplicado sobre a rede, permitindo ao nó monitor avaliar a quantidade de falhas naturais que ocorreram nesse período. Logo após, o nó intruso iniciou o seu ciclo de ataque consistindo em 700 iterações de inatividade e 200 iterações promovendo ataques na rede. O IDS possui uma tolerância de 10% de falhas, o que significa que a razão entre as falhas observadas a cada etapa de processamento de mensagens poderia ser até 10% maior que o número esperado de falhas naturais sem que um indício de ataque fosse gerado. Variou-se a probabilidade de ocorrência de falhas naturais em 1%, 10% e 20% Cenário EB EB P P M1 I M2 M1 I M2 F F Árvore de Roteamento Mapa de Conectividade Estação Base Intruso Nó Comum Monitor Caminho do roteamento Alcance do Nó Figura 2. (a) Árvore de roteamento, (b) Mapa de conectividade Foi simulada uma rede contendo 100 nós distribuídos aleatoriamente, na qual o intervalo de disseminação de dados dos nós sensores foi de 40 iterações do simulador. A figura 2 ilustra duas representações da mesma rede utilizada nos experimentos. A figura 2(a) ilustra a árvore de roteamento, enquanto a figura 2(b) apresenta o mapa de conectividade da mesma topologia. Nessa última, uma aresta conectando dois vértices do mapa indica que esses nós estão dentro do raio de comunicação de seu respectivo vizinho.

9 Os nós monitores foram distribuídos de forma a cobrir todos os nós comuns da rede. Um exemplo são os monitores M 1 e M 2 (figura 2), vizinhos do nó intruso I e, conseqüentemente, os únicos que poderiam observar seu comportamento diretamente. Apesar dos nós serem cobertos por mais de um monitor, a visão de cada um deles não é necessariamente a mesma. O nó M 1, é capaz de ouvir mensagens vindas do nó F (filho do intruso I), mas não é capaz de ouvir mensagens transmitidas por P (pai do intruso I), enquanto M 2 consegue ouvir as mensagens transmitidas por P, mas não as transmitidas por F. Dependendo do ataque simulado, um dos monitores conseguirá detectar um comportamento anômalo do nó observado e o outro não. A seguir, são apresentados os resultados relativos à eficácia na detecção e número de falsos positivos. Os falsos positivos são apresentados em números absolutos obtidos pelos monitores M 1 e M 2 (vizinhos do intruso I) ao final da simulação Experimentos e Resultados Devido a restrições de espaço, apenas um dos experimentos realizados é apresentado neste trabalho. Uma descrição mais detalhada sobre os demais ataques avaliados e sobre o consumo de energia da rede podem ser encontrados em [da Silva et al. 2005]. A eficácia na detecção de intrusos e o número de falsos positivos para o ataque de de atraso são mostrados nas figuras 3 e 4. Como os ataques não são confundidos com nenhum tipo de falha natural da rede pelo nós monitores, percebe-se que a detecção de intrusos e o número de falsos positivos não são influenciados pela variação da taxa de ocorrência de falhas naturais na rede. A eficácia na detecção do ataque de atraso é diretamente proporcional ao tamanho do vetor, já que com um vetor de tamanho menor, o tempo gasto para preenchê-lo pode ser menor que o momento em que o próximo ataque será realizado, fazendo com que o IDS não o detecte. Isso explica o baixo desempenho obtido nos experimentos com vetores de 30 e 60 mensagens. Eficácia de detecção 100% 80% 60% 40% 20% Ataque de atraso de mensagens 200 Tamanho do buffer de análise 1% falhas naturais 10% falhas naturais 20% falhas naturais 400 Número de falsos positivos Ataque de atraso de mensagens 200 Tamanho do buffer de análise 1% falhas naturais 10% falhas naturais 20% falhas naturais 400 Figura 3. Eficácia na detecção do ataque de Atraso de mensagem Figura 4. Falsos positivos no ataque de Atraso de mensagem 6. Conclusão e Trabalhos Futuros O objetivo deste trabalho foi apresentar um sistema capaz de simular um IDS que atendesse às demandas e restrições de RSSFs no problema de detecção de intrusos. A atenção dada à modularidade na modelagem e implementação do sistema permitiu a criação de uma arquitetura de software flexível, extensível e reusável. Os resultados demonstraram que o sistema desenvolvido foi eficaz no seu propósito. Apesar de ter sido projetado para uma proposta específica, o simulador pode ser facilmente modificado para aplicação em outros trabalhos da área. Como trabalho futuro, algumas melhorias ainda podem ser feitas. Podem ser agregados ao simulador outros mecanismos de segurança, como o suporte à criptografia na transmissão

10 de mensagens, por exemplo. O simulador provê um modelo de falhas simples que pode ser substituído por outro mais complexo e que represente melhor o comportamento de uma RSSF real. Referências Akyildiz, I. F., Su, W., Sankasubramaniam, Y., and Cayirci, E. (2002). Wireless sensor networks: A survey. Computer Networks, 38: Arora, A., et. al (2004). A line in the sand: a wireless sensor network for target detection, classification, and tracking. Computer Networks, 46(5): da Silva, A. P. R., Martins, M. H. T., Rocha, B. P. S., Loureiro, A. A. F., Ruiz, L. B., and Wong, H. C. (2005). Decentralized intrusion detection in wireless sensor networks. In Q2SWinet 05: Proceedings of the 1st ACM international workshop on Quality of service & security in wireless and mobile networks, pages 16 23, New York, NY, USA. ACM Press. da Silva, A. P. R., Teixeira, F. A., Wong, H. C., and Nogueira, J. M. S. (2004). Aspectos de detecção de intrusos em redes de sensores sem fio (short paper). In 22 o Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, pages , Gramado, RS. Fall, K. and Varadhan, K. (2001). The ns manual. Hill, J., Szewczyk, R., Woo, A., Hollar, S., Culler, D. E., and Pister, K. S. J. (2000). System architecture directions for networked sensors. In Architectural Support for Programming Languages and Operating Systems, pages Karir, M. (2003). atemu - sensor network emulator / simulator / debugger. Karlof, C., Sastry, N., and Wagner, D. (2004). Tinysec: a link layer security architecture for wireless sensor networks. In Proceedings of the 2nd international conference on Embedded networked sensor systems (SenSys 04), pages Karlof, C. and Wagner, D. (2003). Secure routing in wireless sensor networks: Attacks and countermeasures. In First IEEE Int l Workshop on Sensor Network Protocols and Applications. Levis, P., Lee, N., Welsh, M., and Culler, D. (2003). Tossim: accurate and scalable simulation of entire tinyos applications. In Proceedings of the 1st international conference on Embedded networked sensor systems (SenSys 03), pages Mainwaring, A., Culler, D., Polastre, J., Szewczyk, R., and Anderson, J. (2002). Wireless sensor networks for habitat monitoring. In WSNA 02: Proceedings of the 1st ACM international workshop on Wireless sensor networks and applications, pages 88 97, New York, NY, USA. Perrig, A., Szewczyk, R., Tygar, J. D., Wen, V., and Culler, D. E. (2002). Spins: security protocols for sensor networks. Wireless Network Journal (WINE), 8(5): Roth, T. A. (2001). Simulavr: an avr simulator. Segall, A. (1983). Distributed network protocols. IEEE Transactions on Information Theory, 29: Shnayder, V., Hempstead, M., rong Chen, B., Allen, G. W., and Welsh, M. (2004). Simulating the power consumption of large-scale sensor network applications. In Proceedings of the 2nd int l conference on Embedded networked sensor systems (SenSys 04), pages Wood, A. D. and Stankovic, J. A. (2002). Denial of service in sensor networks. IEEE Computer, 35(10):54 62.

Detecção de Intrusos Descentralizada

Detecção de Intrusos Descentralizada Detecção de Intrusos Descentralizada em Redes de Sensores Sem Fio Ana Paula R. da Silva 1, Marcelo H. T. Martins 1, Bruno P. S. Rocha 1 Antonio A. F. Loureiro 1, Linnyer B. Ruiz 1, Hao C. Wong 1 1 Departamento

Leia mais

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas

SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas SOS: Sensoriamento Overlay Seguro em Redes de Sensores Sem Fio Hierárquicas Leonardo B. Oliveira, A.A.F. Loureiro, Ricardo Dahab, Hao Chi Wong UNICAMP, UFMG, PARC Agenda Introdução Solução Simulação Resultados

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Análise Comparativa de Protocolos de Segurança para Redes de Sensores Sem Fio

Análise Comparativa de Protocolos de Segurança para Redes de Sensores Sem Fio Análise Comparativa de Protocolos de Segurança para Redes de Sensores Sem Fio Mateus A. S. Santos 1, Routo Terada 1 1 Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo (USP) Rua do Matão,

Leia mais

Sensor Data Streams. Redes de Sensores Sem Fio. Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos

Sensor Data Streams. Redes de Sensores Sem Fio. Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos Sensor Data Streams Redes de Sensores Sem Fio Helen Peters de Assunção Jeferson Moreira dos Anjos Data Stream Systems Nova classe de aplicações: Dados chegando rapidamente, em intervalos variáveis e com

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks Renfei Wang ¹, Cristiano Rezende ¹, Heitor S. Ramos ¹, ², ³ Richard W. Pazzi ¹, Azzedine Boukerche ¹, Antonio A.F.

Leia mais

Detecção de Intrusão em Redes de Sensores Sem Fio utilizando uma abordagem colaborativa e cross-layer

Detecção de Intrusão em Redes de Sensores Sem Fio utilizando uma abordagem colaborativa e cross-layer Detecção de Intrusão em Redes de Sensores Sem Fio utilizando uma abordagem colaborativa e cross-layer Marcus Vinícius de Sousa Lemos 1, Liliam Barroso Leal 1, Raimir Holanda Filho 1 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES

CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES CAPÍTULO 7 O SERVIÇO DOS AGENTES A inteligência... é a capacidade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. ( Henri Bergson) O serviço dos agentes surge como uma prestação

Leia mais

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel MobiCS CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel Daniel de Angelis Cordeiro Rodrigo Moreira Barbosa {danielc,rodbar}@ime.usp.br 7 de outubro de 2004 Motivação O desenvolvimento de aplicações

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Segurança Física e Segurança Lógica. Aécio Costa

Segurança Física e Segurança Lógica. Aécio Costa Segurança Física e Segurança Lógica Aécio Costa Segurança física Ambiente Segurança lógica Programas A segurança começa pelo ambiente físico Não adianta investir dinheiro em esquemas sofisticados e complexos

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Um Modelo de Gerenciamento de Segurança em Redes de Sensores Sem Fio

Um Modelo de Gerenciamento de Segurança em Redes de Sensores Sem Fio 26 Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 805 Um Modelo de Gerenciamento de Segurança em Redes de Sensores Sem Fio Sérgio de Oliveira 1, 2, Thiago Rodrigues de Oliveira 1,

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional

Tolerância a Faltas. 8/28/2003 José Alves Marques. Sistema Computacional Tolerância a Faltas Sistema Computacional Sistema computacional: Formado por um conjunto de componentes internas Contém um estado interno Está sujeito a um conjunto de entradas, ou estímulos externos Tem

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO TEIXEIRA DETECÇÃO DE INTRUSOS POR OBSERVAÇÃO EM REDES DE SENSORES SEM FIO

FERNANDO AUGUSTO TEIXEIRA DETECÇÃO DE INTRUSOS POR OBSERVAÇÃO EM REDES DE SENSORES SEM FIO FERNANDO AUGUSTO TEIXEIRA DETECÇÃO DE INTRUSOS POR OBSERVAÇÃO EM REDES DE SENSORES SEM FIO Belo Horizonte Outubro de 2005 FERNANDO AUGUSTO TEIXEIRA DETECÇÃO DE INTRUSOS POR OBSERVAÇÃO EM REDES DE SENSORES

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer

ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Sistemas de Computação Graduação em Ciência da Computação ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações

Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Tópicos Especiais em Redes de Telecomunicações Redes definidas por software e Computação em Nuvem Prof. Rodrigo de Souza Couto Informações Gerais Prof. Rodrigo de Souza Couto E-mail: rodsouzacouto@ieee.org

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Professor: Cleber Schroeder Fonseca cleberfonseca@charqueadas.ifsul.edu.br 8 1 SEGURANÇA EM REDES DE COMPUTADORES 2 Segurança em redes de computadores Consiste na provisão de políticas

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Introdução. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Introdução filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução Sistemas complexos com muitos componentes em interação devem ser monitorados e controlados. 2 Introdução A de gerência de redes surgiu

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Sistemas de Detecção de Intrusão

Sistemas de Detecção de Intrusão Sistemas de Detecção de Intrusão Características Funciona como um alarme. Detecção com base em algum tipo de conhecimento: Assinaturas de ataques. Aprendizado de uma rede neural. Detecção com base em comportamento

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Arquitetura de protocolos

Arquitetura de protocolos Arquitetura de protocolos Segue o modelo híbrido Usada pelos nós sensores e pelo nó sorvedouro Inclui planos de Gerenciamento de energia Como um nó sensor usa a sua energia Pode desligar o receptor após

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Arquitetura RISC por Helcio Wagner da Silva Introdução RISC = Reduced Instruction Set Computer Elementos básicos: Grande número de registradores de propósito geral ou uso

Leia mais

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Brito, C.G. 1, Medeiros J.W.¹, Lima, R. W.¹, Ribeiro Neto, P. F.², Santos, J.F.² 1 Laboratório de Redes e Sistemas

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012).

Engenheiro da Computação pelo Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL (2012). Redes Cognitivas: Análise de Protocolos de Múltiplo Acesso A tecnologia de rádio cognitivo é forte candidata como solução para as próximas gerações de redes de comunicações sem fio. O protocolo de múltiplo

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE SEGURANÇA EM HARDWARE PARA REDES DE SENSORES

ESTRATÉGIAS DE SEGURANÇA EM HARDWARE PARA REDES DE SENSORES REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

EN-3611 Segurança de Redes Sistemas de Detecção de Intrusão e Honeypots Prof. João Henrique Kleinschmidt

EN-3611 Segurança de Redes Sistemas de Detecção de Intrusão e Honeypots Prof. João Henrique Kleinschmidt EN-3611 Segurança de Redes Sistemas de Detecção de Intrusão e Honeypots Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, novembro de 2015 Sistemas de Detecção de Intrusão IDS Sistemas de Detecção de Intrusão

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais