20 e 21/10/2012 Disciplina: Dinâmica de Grupos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20 e 21/10/2012 Disciplina: Dinâmica de Grupos"

Transcrição

1 20 e 21/10/2012 [Este material é roteiro de estudo da Pós em Dinâmicas de Grupo, do curso de especialização em PSICOPEDAGOIA E EDUCAÇÃO INFANTIL, Desenvolvidos para faculdade Ajes. Docente: Profª Esp. Marli Pegorini

2 1.1 Ementa Ementa: Origem e desenvolvimento da administração de recursos humanos; Motivação no trabalho; Fundamentos da Gestão de pessoas. Gestão Estratégica de Pessoas. Cultura e Clima Organizacional. Trabalho em equipe. Recrutamento e Seleção de pessoas. Treinamento, desenvolvimento e educação. Relações trabalhistas. Segurança no trabalho e Qualidade de Vida. Planejamento e desenvolvimento de carreira. Síndrome de Burnout 1.2 Carga horária - 20 HORAS 1.3 Objetivos Propiciar aos participantes a aquisição de conhecimentos sobre dinâmica grupal, visando o sua participação e desenvolvimento de vivências e atividades. 1.4 Conteúdo programático Dinâmica de grupo: Origem, precursores, conceito e objetivos Classificação da dinâmica de grupo: Apresentação, integração & Conhecimento, recreação e aprendizagem O que é jogo, vivencia, vitalizador e técnica Compreendendo o ciclo de aprendizagem vivencial O facilitador na condução de grupos; Dinâmicas de grupo e competências comportamentais: O que avaliar? Músicas, filmes, histórias e fábulas: Recursos complementares ao facilitador de grupo. 1.5 METODOLOGIA Aulas teórico-expositivas Apresentação e discussão de textos; Seminários Aulas práticas (Atividades em Sala, Produções individuais e em grupo, Cases, Dinâmica de Grupo, discussão e pesquisas). 1.6 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO Avaliações sistemáticas, trabalhos escritos e seminários O grau total que pode ser atribuído ao aluno obedecerá à seguinte ponderação: 50% por meio de organização, apresentação em seminário e trabalhos em grupo dia 21/10 (sábado) 50% avaliação individual - 22/10 (domingo) Contato: Página 2

3 1.7 BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA A Dinâmica do trabalho de grupo. Áurea Castilho RJ Qualitymark, Andrade, Sueli Gregori. (1999). Teoria e Prática de Dinâmica de Grupo: Jogos e Exercícios. São Paulo: Ed. Casa do Psicólogo. Anzieu, D. (1971). La dinamica de los grupos pequeños. Buenos Aires: Kapelusz. Barreto, Maria Fernanda Mazzotti (2003). Dinâmica de Grupo: história, prática e vivências. São Paulo: Editora Átomo. Dinâmica de grupo Cartwright e Zander Spaulo. Ed. Pedagógica e Universal Ltda. Comportamento Organizacional RJ LTC Stephen P. Rolbins, David e Zimerman Luiz Carlos-Os sorio e colaboradores. Como trabalhamos com grupos Porto Alegre-RS Artes Médicas O processo Grupal- Enrique Pichon-Riveire - São Paulo Martins fontes 1982 Aubry, Jean-Marie. Dinâmica de Grupo, São Paulo: ed. Loyola, Bion, W.R. (1975). Experiências em grupos. São Paulo: Imago/Edusp. Broich, Josef. Jogos para crianças, São Paulo, Edições Loyola, 1999 Série Seminários: GRUPO - Indivíduo, saber e parceria malhas do conhecimento, Madalena Freire e colaboradores, Espaço pedagógico onde ensinar é aprender, 2 a. ed Cartwright, D. & Zander, A. (1967). Dinâmica de grupo. São Paulo: Herder. Caviédes, Miguel. Dinâmica de Grupo para uma Comunidade. São Paulo: Edições Paulinas. Dimitrius, Jo-Ellan e Mark Mazzarella. Decifrar Pessoas. Rio de Janeiro: Campus. Gonçalves, Camila Salles(org.). Psicodrama com Crianças: Uma psicoterapia possível, São Paulo: Agora, Gillig, Jean-Marie. O Conto na Psicopedagogia, Porto Alegre: Artes Médicas Sula, Fernandez, Alicia. Psicopedagogia em Psicodrama: Morando no brincar. Petrópolis, RJ: Vozes, Friedmann, Adriana. Brincar: crescer e aprender: O resgate do jogo infantil. São Paulo: Ed. Moderna, Lapassade, G. (1977). Grupos, organizações e instituições. São Paulo: Francisco Alves. Lewin, K. (1970). Problemas de dinâmica de grupo. São Paulo: Cultrix. Liebmann, Marian. (2000). Exercícios de arte para grupos: um manual de temas, jogos e exercícios. São Paulo: Summus Editorial. Luft, J. (1968). Introdução à dinâmica dos grupos. Lisboa: Moraes. MAILHIOT, Gérald B. Dinâmica e Gênese dos grupos. Livraria duas cidades, SP, 1991 Mailhot, G.B. (1985). Dinâmica e gênese dos grupos: atualidades da descobertas de Kurt Lewin. São Paulo: Duas Cidades. Marx, Roberto. (1998). Trabalho em grupos e autonomia como instrumentos de competição. São Paulo: Atlas. MATTA, João Eurico. Dinâmica de grupo e desenvolvimento de organizações. SP, MILITÃO, Albigenor & Rose. Jogos, dinâmicas e vivências grupais, RJ: Qualitymark Editora MILITÃO, Albigenor & Rose. S.O.S, DinÂMICA DE GRUPO, Rio De Janeiro: Qualitymark Editora Contato: Página 3

4 MILITÃO, Albigenor & Rose. Histórias e fábulas aplicadas a treinamento. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora MILITÃO, Albigenor & Rose. Vitalizadores. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora Minimucci, Agostinho. (2002). Dinâmica de Grupo: Teorias e Sistemas. São Paulo: Atlas. Minimucci, Agostinho. (2001). Técnicas do Trabalho de Grupo. São Paulo: Atlas. MINICUCCI, Agostinho. Dinâmica de Grupo. Atlas, SP, Moscovici, F. (1998) Desenvolvimento interpessoal. Rio de Janeiro: José Olympio. Moscovici, F. (1994). Equipes dão certo. Rio de Janeiro: José Olympio. Pagès, M. (1976). A vida afetiva dos grupos. Petrópolis: Vozes. Pichón-Riviére, E. (1988). O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes. TELES, Maria Luiza Silveira. Psicodinâmica do desenvolvimento humano, Petrópolis, RJ: Vozes, Yozo, Ronaldo Yudi K JOGOS PARA GRUPOS: Uma abordagem psicodramática para empresas, escolas e clínicas, ed. Agora, 6 ª edição CURRÍCULO RESUMIDO PROFª ESP. MARLI PEGORINI Marli Pegorini é professora, graduada em Letras pela UFMT. Especialista em Dinâmica dos Grupos pela SBDG Soc Brasileira de Dinâmicas dos Grupos (Porto Alegre-RS) e em Pedagogia Empresarial. Atuou como Gerente de Intermediação de Mão de Obra do SINE - Sistema Nacional de Emprego, como Professora do Colégio Albert Einstein e Instituto de Linguagens da UFMT. Atuou 7 anos como profissional de Recursos Humanos na franqueada da Coca-Cola em Mato Grosso e como Coordenadora de Treinamento & Desenvolvimento. Nesta função foi responsável pelo Programa T & D dos funcionários e pela comunicação interna, coordenou e ministrou treinamentos comportamentais e técnicos, atuou na implantação da universidade corporativa do grupo, sede e filiais. Atualmente cursa Psicologia na UFMT, ministra cursos pelo SESI/MT, atende empresas com treinamentos e palestras e ministra aulas de pós-graduação em diversas áreas do conhecimento. Contato: Página 4

5 Introdução Eu ouço e esqueço. Eu vejo e eu lembro. Eu faço e compreendo. Confúcio (cerca de 450 a,c.) A dinâmica é a atividade que leva o grupo a uma movimentação, a um trabalho em que se perceba, como cada pessoa se comporta em grupo, como é a comunicação, o nível de iniciativa, a liderança, o processo de pensamento, o nível de frustação, se aceita bem o fato de não ter sua idéia levada em conta. As dinâmicas de grupo tem sido cada vez mais utilizadas nas organizações, não apenas pelos profissionais de Recursos Humanos RH (ou seres Humanos SH, ou Talentos Humanos TH)), como por todos os que lideram e/ou participam de grupos. É um poderoso facilitador de mudanças. Mas, não faz milagres. Acreditamos que o termo mais adequado para denominar o profissional que dirige, ministra, aplica e conduz dinâmicas de grupo é facilitador, pois profissional humana e tecnicamente preparado pode facilitar momentos e/ou processos de tomada de consciência e consequente mudança atitudinal e comportamental (novos aprendizados). 1. GRUPOS 1.0 O que é um grupo? Segundo Pichon-Riviere, é quando um conjunto de pessoas movidas por necessidades semelhantes se reúnem em torno de uma tarefa especifica, ou seja um grupo com um objetivo mútuo, porem cada participante é diferente, tem sua identidade. Segundo Zimmerman, O individuo desde o nascimento participa de diferentes grupos numa constante dialética entre a busca de sua identidade individual e a necessidade de uma identidade grupal e social Todo individuo passa a maior parte do tempo de sua vida em grupos convivendo e interagindo. Todo educador ensina à seu grupo, mas só sabe o que vai ensinar quando conhece o seu grupo. Para Wallon o individuo é um ser geneticamente social Há dois tipos de grupos: primário e secundário. Contato: Página 5

6 A família é um grupo primário. Secundários, são os grupos de trabalho, estudo, instituições, etc. Segundo Pichon, a estrutura dos grupos se compõem pela dinâmica dos 3D. O depositado, o depositário e o depositante. O depositado é algo que o grupo, não pode assumir no seu conjunto e o coloca am alguém, que por suas características permite e aceita. Estes que recebem nossos depósitos, são nossos depositários; nós que nos desembaraçamos destes conteúdos, colocando-os fora de nós, somos os depositantes. Este movimento de deposito começa na família, com o projeto inconsciente dos pais. Os componentes do grupo são cinco: Líder de mudança, Bode expiatório, Porta-voz, Líder de resistência e Representantes do silencio. O Lider de mudança é aquele que se encarrega de levar adiante as tarefas, enfrentando conflitos, buscando soluções, arriscando-se sempre diante do novo. Líder de resistência, sempre puxa o grupo para trás, freia avanços; Líder de mudança e o líder de resistência não podem existir um sem o outro. Os dois são necessários para o equilíbrio do grupo. O bode expiatório é quem assume as culpas do grupo. Serve-se de depositário a esses conteúdos, livrando o grupo do que lhe provoca mal-estar, medo, ansiedade, etc. Os silenciosos são aqueles que assumem as dificuldades dos demais para estabelecer comunicação, fazendo com que o resto do grupo se sinta obrigado a falar. O porta-voz é quem se responsabiliza em ser a chaminé por onde emergem as ansiedades do grupo. Através da sensibilidade apurada do porta-voz, ele consegue expressar, verbalizar, dar forma aos sentimentos, conflitos que muitas vezes estão latentes no discurso do grupo. O porta-voz é como uma antena que capta de longe o que está por vir. 1.1 CARACTERISTICAS DO GRUPO 1. procura de um objetivo comum, que motiva sua participação na atividade do grupo. 2. múltiplos intercâmbios entre si (sorrisos entre si, cumplicidade), interação psicológica. 3. Existência própria (através de objetivo comum e da inter-relação psicológica. O grupo => dinamismo, tem seus problemas, suas dificuldades, seus fracassos, seus sucessos e suas alegrias. Contato: Página 6

7 GRUPO => Dinamismo próprio => Afastamento ou chegada ( 1 membro ) => pode modificar profundamente. INTEMPESTIVO / PASSIVO / INTEMPESTIVO EQUILIBRIO CONFLITOS Para se tornar um grupo é necessário que tomem consciência de que buscam um mesmo objetivo comum e que haja entre eles um inter-relação psicológica autentica ( aceitar o trabalho comum, participar das responsabilidades coletivas e conjugar seus esforços na realização deste trabalho. GRUPO: Uma entidade moral, dotada de finalidade, existência e dinamismo próprios, distinta da soma dos indivíduos que a constituem, mas se estabelecem entre estes diferentes indivíduos. MICROGRUPOS => não ultrapassa a 25 membros, se ultrapassar, os canais de comunicação ficam mais difíceis. MACROGRUPOS => mais que 25 membros e se divide em sub grupos. OBJETIVOS DO GRUPO => dividir em grupos de : trabalho, de formação e mistos. Grupo de Trabalho => preocupa-se com um trabalho a realizar, busca do objetivo comum. Grupo de formação => preocupa-se com o funcionamento do grupo como tal => laboratório para analisar o próprio processo. O grupo de formação faz emergir à consciência para estuda-los => trabalho de equipe. Grupo Misto => intermediário, procura assegurar um entendimento real entre as pessoas do plano social ( grupo 1) e o emocional ( grupo 2), une a eficiência do grupo de trabalho, o realismo psicológico do grupo de formação => sua preocupação principal => solução de seus problemas de trabalho. FORMAÇÃO DO GRUPO => Dinamismo do grupo => 2 fatores: 1. circunstancias nas quais se forma o grupo; 2. as relações que se estabelecem entre seus membros. Contato: Página 7

8 2. Concepções da dinâmica grupal Há diversas concepções para a Dinâmica Grupal. Observamos que, no geral, cada uma delas reflete uma posição particular do que seja, e para que serve essa especialidade do conhecimento que trata das relações humanas quando em grupos sociais. O interesse científico pela Dinâmica Grupal é recente trata-se de uma ciência do século XX. No entanto, já no século XVIII que, por ter sido caracterizado por enormes avanços no conhecimento humano e pelas grandes revoluções políticas da Inglaterra, da França e da Independência Americana, foi chamado de Século das Luzes, viveu Giambattista Vico ( ), um pensador italiano que hoje é reconhecido por sua aura de precursor das ciências humanas. Vico, em sua obra: "Princípios de uma ciência nova", estabeleceu a diferença entre Ciências Naturais e Ciências Humanas, e propôs, como base de estudo dessa última, um princípio epistemológico considerado fundamental para o desenvolvimento dos diversos campos do conhecimento humanista quais sejam, Antropologia, Sociologia, Psicologia e a Dinâmica Grupal, um ramo da psicologia social. Esse princípio está expresso na fórmula latina: verum ipsum factum isto é, só o feito é verdadeiro; ou, só posso demonstrar logicamente o que é obra minha [13: contracapa]. Nos termos da Dinâmica Grupal, esse preceito implicou diretamente na contemporânea metodologia científica denominada de pesquisa-ação nessa, o sujeito pode demonstrar logicamente um fenômeno grupal que também é feito, verdadeiramente, por ele enquanto membro desse grupo em estudo. Ou seja, ele torna-se sujeito-objeto da pesquisa. Há também uma notável pertinência epistemológica dessa proposição com a Teoria da Espontaneidade de Moreno. A palavra espontâneo, um termo central na teoria moreniana, etimologicamentederiva do latim sua sponte: de livre vontade ; o que se produz por iniciativa própria do agente, sem ser o efeito de uma causa exterior. Dado que se demonstra a relação dos estados espontâneos com as funções criadoras [4: p. 53], então pode-se presumir que, em verdade, só o que é criado de maneira espontânea, de livre vontade, pode ser considerado como obra minha; e também disso inferir que só o espontaneamente feito é verdadeiro. Basicamente, pode-se classificar todas as concepções de três maneiras: ideológica, tecnológica, fenomenológica. Concepção Ideológica. Considera que a Dinâmica Grupal é uma forma especial de ideologia política na qual são ressaltados os aspectos de liderança democrática e da participação de todos na tomada de decisões. Também ressaltam-se as vantagens, tanto para a sociedade como para os indivíduos comuns, das atividades cooperativas em pequenos grupos. Foi cientificamente experimentada por Kurt Lewin. Com as pesquisas sobre o fenômeno da boa liderança, Lewin demonstrou que, quando os seres humanos participavam de atividades em grupos democráticos, não somente sua produtividade era intensificada, como também o seu nível de satisfação era elevado e as suas relações com os outros membros baseavamse na cooperação e na redução das tensões (...) nessas circunstâncias, o Contato: Página 8

9 grupo tornava-se suficientemente autônomo para prosseguir sua tarefa mesmo quando o líder se ausentava [2: p. 98]. Concepção Tecnológica. Conforme essa concepção, a Dinâmica Grupal refere-se a um conjunto de métodos e técnicas usadas em intervenções nos chamados grupos primários, como famílias, equipes de trabalho, salas de aula etc. A rigor, o uso de qualquer uma dessas técnicas objetiva aumentar a capacidade de comunicação e cooperação e, consequentemente, incrementar a espontaneidade e a criatividade dos seres humanos quando em atividade grupal. Todas elas podem, didaticamente, ser enquadradas em duas variantes de intervenção: uma, dos Jogos Dramáticos; outra, do Psicodrama. Jogos Dramáticos. Essa variante privilegia o jogo espontâneo, muitas vezes sem regras pré-estabelecidas, para dinamizar a grupalidade humana. Essa variante de concepção da Dinâmica Grupal é universalmente difundida, isso se dá basicamente pelo fato de que a necessidade lúdica do jogo é inerente ao crescimento e desenvolvimento humano, e também porque é especialmente aplicada na área da educação. - Nos países anglo-saxônicos o jogo dramático espontâneo é uma atividade comum nas escolas de primeiro e segundo grau, sendo incluído na disciplina conhecida como Teatro na Educação, pois é reconhecido como um meio efetivo de aprendizagem tanto para o conteúdo das matérias quanto para a própria vida [3: p. XI/XII]. Psicodrama. Assim como o seu corolário o Sociodrama, o Psicodrama historicamente se originou noteatro Espontâneo ou Teatro da improvisação fundado por Moreno em Viena no ano de Do Teatro Espontâneo que pretendia pôr fim à repetição da conserva dramática do teatro convencional e dos clichês de papéis, permitindo uma contribuição inteiramente criadora e espontânea para que assim pudesse desenvolver novos papéis, nasceu o Psicodrama. Essa variante tecnológica que é centralizada na noção de papéis sociais, e que enfatiza a ação corporal, tem sido utilizada de uma maneira muito especial no campo terapêutico. Para isso, foram desenvolvidas múltiplas técnicas direcionadas especialmente para treinamento de papéis (role playing) caracterizados como saudáveis. Entre as técnicas criadas por Moreno, as mais usadas são: solilóquios, inversão de papéis, duplos, espelhos, realização simbólica, psicodança. Concepção Fenomenológica. Aqui estão autores que priorizam suas atividades em torno da idéia de que os fenômenos psicossociais que ocorrem nos pequenos grupos é resultado de um sistema humano articulado como um todo, uma gestalt. Entre esses fenômenos, citam-se: coesão, comunicação, conflitos, formação de lideranças etc. Nessa concepção, também pode-se observar duas formações teóricas: uma, a Psicologia da Gestalt, que é descritiva, pois centra seus postulados na descrição dos fenômenos que ocorrem no aqui-agora do mundo grupal por exemplo, a configuração espacial adotada regularmente por uma unidade grupal; a outra, a Psicanálise, que é explicativa por que procura explicar a unidade do grupo através da idéia de uma mentalidade grupal (instinto social), muitas vezes inconsciente para os membros do próprio grupo. Contato: Página 9

10 Psicologia da Gestalt. Dessa escola da Psicologia, o grande impulsionador da Dinâmica Grupal foi Kurt Lewin. Lewin, em sua Teoria de Campo, desenvolveu um esquema sui-generis para explicar as interações humanas: baseando-se nos princípios da topologia ramo da geometria que trata das relações espaciais sem considerar a mensuração quantitativa, estabeleceu uma teoria dinâmica da personalidade centrada na idéia de campo psicológico [5: p. 83] que mantém interpendência com múltiplas forças sociais; daí, desenvolveu uma metodologia de trabalho: pesquisa-ação (action research), na qual o indivíduo é, ao mesmo tempo, sujeito e objeto da ação em estudo; e criou o primeiro laboratório de Dinâmica Grupal, onde em estudos realizados com grupos primários (face to face groups) introduz conceitos retirados da física do campo magnético para descrever os fenômenos da existencialidade social do ser humano entre os termos os mais comuns são: coesão, locomoção em direção a objetivos, procura de uniformidade, atração e equilíbrio de forças; e a partir deles concebe a idéia do grupo como um todo dinâmico, uma gestaltque não é só resultado da soma dos seus integrantes, mas é possuidor de propriedades específicas enquanto um todo. Enfim, para Lewin, esse grupo como uma totalidade dinâmica, busca formas de equilíbrio no seio de um campo de forças sociais, sendo isso, por exemplo, o que explica a emergência delideranças, fenômenos que aparecem como que reunindo um campo social de alto privilégio, e funciona como centro de atração de todos os movimentos coletivos. Psicanálise. A utilização dos postulados da Psicanálise para explicar a Dinâmica Grupal foi inicialmente tentada por Freud em sua obra "Psicologia de grupo e análise do ego". No entanto, o esquema conceitual, referencial e operativo no qual ele desenvolvia sua tarefa, estava referido não propriamente ao que atualmente se concebe como grupo humano (microgrupo; grupo primário; face to face groups), mas sim a fenômenos sociológicos como raças, castas, profissões, multidões etc. Wilfredo Bion, partindo das proposições formuladas por Melanie Klein em suas pesquisas na clínica psicanalítica com crianças, esclareceu, com o termo mentalidade de grupo, o significado desse instinto social - esse termo designa uma atividade mental coletiva que se produz quando as pessoas se reúnem em grupo (...) a hipótese de sua existência deriva do fato de que o grupo funciona em muitas oportunidades como uma unidade, ainda que seus membros a isto se proponham nem disto tenham consciência. A mentalidade grupal seria assim uma espécie de continente, um todo que englobaria todas as contribuições feitas pelos membros do grupo. Conforme a concepção bioniana, esse fenômeno comporta dois níveis: nível da tarefa; nível dos pressupostos básicos o primeiro, mais ou menos relacionado com algo consciente, designado; o segundo, menos evidente, mas está rotineiramente presente sob forma dos três processos que podem ser inferidos da dinâmica grupal, ou seja, dependência, acasalamento e luta-fuga. [11: p. 23]. Enrique Pichon-Rivière, um psicanalista argentino da escola kleiniana, desenvolveu, com sua teoria e técnica do Grupo Operativo, esse esquema de Bion. Pichon-Rivière inicia com uma definição de grupo - conjunto de pessoas ligadas entre si por Contato: Página 10

11 constantes de tempo e espaço, e articuladas por sua mútua representação interna, que se propõe, de forma explícita ou implícita, a uma tarefa que constitui sua finalidade [12: p. 53]. Nessa definição Pichon-Rivière sintetizou as duas condições sine qua non para a existência de todos os grupos humanos: primeira, o termo pessoas articuladas por sua mútua representação interna, pressupõe que essas pessoas tenham algo que as una num nível superior ao que o filósofo francês Jean Paul Sartre definiu como serialidade [12: p. 53]; isto é, quando as pessoas se somam sem efetivamente estabelecerem comunicações que as unam afetivamente como acontece numa fila humana qualquer (em estabelecimento bancário, por exemplo); a segunda condição é a tarefa que constitui sua finalidade. Nessa tarefa, de acordo com a construção bioniana, Pichon-Rivière percebeu dois níveis: explícito, implícito. O explícito está representado pelo trabalho produtivo e planificado cuja realização constitui a razão de ser do grupo - por exemplo, produção material, aprendizagem, cura, lazer etc. Sob essa tarefa explícita, subjaz outra, a tarefa implícita, que consiste na totalidade das operações mentais que devem realizar os membros do grupo, conjuntamente, para constituir, manter e desenvolver a sua grupalidade. [12: p. 53/54]. Os pressupostos básicos de Bion estão assim implicitamente contidos na mentalidade do grupo em tarefa. E aí se colocam como verdadeiros esquemas organizadores do comportamento desse grupo, e que, frequentemente, poderá determinar um funcionamento grupal aberrante - ou excessivamente centrado numa liderança pessoal (na hipótese da dependência); ou excessivamente centrado numa idéia colocada como promessa, esperança para o futuro (na hipótese do acasalamento); ou excessivamente centrado na sua autopreservação, que é mantida como que o grupo reagisse atacando ou fugindo de ameaças internas ou externas (hipótese da luta-fuga). A dinâmica de grupo é usada como ferramenta com fins de aprendizagem nos Estados Unidos desde No Brasil, imagina-se que ela começou a ser utilizada em escolas e empresas na década de 70, mas não há dados que comprovem isso. 3. Como surgiu a dinâmica de grupo? Por volta de 1912, Jacob Levy Moreno, um jovem estudante de medicina, apaixonado por teatro e música, começou a observar crianças brincando nos jardins de Viena. Acaba de oporse a Sigmund Freud e começou a combater a Psicanálise: era contra o distanciamento do terapeuta, a ausência de relação face a face com o paciente, que ficava no divã, alheio, caracterizando a palpável diferença de status. Moreno volta-se para os problemas de relações profundas, verdadeiras, significativas entre os seres humanos, enfatizando a relação afetiva, viva de compreensão e comunicação completas, nos dois sentidos, baseada na empatia entre o EU e o OUTRO. Contato: Página 11

12 Segundo Moreno, para se conhecer a dinâmica de um grupo, é importante antes determinar a sociometria deste grupo, as características das pessoas que a compõem, o peso (importância) de cada membro, bem como a rede de inter-relações (o nível de afetividade). Carl Rogers foi quem primeiro realizou atividades com grupos, através do processo terapêutico denominada Terapia Centrada no Cliente ele não diz PACIENTE. A esse tipo de trabalho ele chamou de Grupos de Encontro. Nos anos 40, o teórico e pesquisador dos fenômenos de grupo, Kurt Lewin, levou seus estudos sobre grupos para a pesquisa de campo. Tem-se, então, as primeiras informações sobre dinâmicas de grupo: exercícios utilizados pro administradores e outros teóricos nas organizações, tendo como foco as relações interpessoais. Foi com Lewin que surgiu a expressão Dinâmica dos Grupos (Group Dynamics), explicando o conceito de dinâmica no sentido habitual da física, como o oposto à estática. Em 1945, Lewin funda o Centro de Pesquisas para Dinâmica de Grupo, no Instituto de Tecnologia de Massachusets. Em 1946, o Estado de Connectitut (EUA) quis desenvolver um programa pedagógico, visando minimizar os conflitos raciais no país, e convidou Kurt Lewin, Ronald Lippit (psico-sociólogo que trabalhava com Lewin e tinha vasta experiência com escotismo e problemas de jovens), Keneth Benne (filósofo-pedagogo) e Leland Bradford (especialista em educação e formação de adultos). Durante esse encontro, a equipe descobre, por feliz acaso, o efeito benéfico daquilo que se chamaria mais tarde feedback, através das discussões surgidas, da exposição de sentimentos, da explanação de cada um sobre conceitos da psicologia social e da contribuição aos trabalhos grupais das Ciências Humanas. Em 1950, também nos Estados Unidos, iniciou-se o uso da dinâmica de Grupo para fins de aprendizagem. A palavra dinâmica, isoladamente, sugere movimento que pode ser intenso (reflexão individual, tomada de consciência) e externo (corpos/forças que produzem movimentos). DINAMICA, segundo o Dicionário Sacconi, É um conjunto de forças sociais, intelectuais e morais que produzem atividades e mudança numa esfera específica. A expressão dinâmica de grupo é definida de várias formas. A DINÂMICA DE GRUPO como processo facilita a tomada de consciência do indivíduo, amplia seus horizontes de visão, estimula a mudança atitudinal, mas, também, pela troca com os demais participantes de um grupo. AMPLIANDO a compreensão dos termos, podemos dizer que dinâmica de grupo engloba um significado tríplice: É uma ideologia politica, que estuda as formas de organização e direção dos grupos; É o campo de pesquisa que estuda a natureza e as leis de desenvolvimento dos grupos, bem como suas relações com outros indivíduos, grupos e instituições; É um conjunto de técnicas utilizadas para o descobrimento e desenvolvimento de habilidades e potenciais individuais e/ou grupais e das relações intra e interpessoais. Contato: Página 12

13 Para enfatizar o conceito de Dinâmica de Grupo, concluímos: Toda atividade que se desenvolve com um grupo (reuniões, workshops, grupos de trabalho, grupos em escolas, grupo de crescimento ou treinamento, plenário/grandes eventos, etc), que objetiva integrar, desinibir, quebrar o gelo, divertir, refletir, aprender, apresentar, promover o conhecimento, incitar à aprendizagem, competir e aquecer, pode ser denominada Dinâmica de Grupo. Ou seja, ainda, o simples encontro de pessoas que se mobilizem para buscar qualquer objetivo grupal é uma Dinâmica de Grupo Dinâmica Grupal X Antecedentes e Desdobramentos Contato: Página 13

14 Técnicas, vitalizadores, jogos e vivências ORGANIZACIONAL 3.2 TÉCNICA Todas as pessoas que trabalham com grupos costumam verbalizar: vou aplicar uma técnica...,, Esssa técnica visa.... A palavra é dita mais como uma forma de variação das expressões Dinâmica de grupo ou vivência. No sentido lateral, conforme o dicionário de Sacconi, técnica é: Método, procedimento, jeito ou maneira especial de ensinar Grau de excelência em alguma atividade Forma de desenvolver alguma coisa No desenvolvimento ou facilitação de trabalho com grupos, a expressão técnica é uma maneira de denominar o exercício a ser vivenciado, ou seja, um método de procedimento. Aurea Castilho costuma utilizar a palavra técnica para designar os seus trabalhos, com grupos, e diz: A técnica utilizada como uma real necessidade do momento de um individuo ou de um grupo, a mim parece uma verdadeira obra de arte, daquela que você, diante dela, pára e ve aflorar um novo mundo. A usada com sentimento e intuição me faz sentir como construindo uma partitura ou criando um quadro ou uma escultura. Mas se pode utilizar atividade, técnica ou exercício grupal, etc. 3.3 VITALIZADOR Contato: Página 14

15 É uma dinâmica de grupo. É rápido, objetivo eficaz para o que se propõe: aquecer, acender, ascender, levantar o grupo, descontrair. A expressão vitalizar sugere dar vida ou tornar vivo. A utilização de um vitalizador não caracteriza necessariamente uma reflexão ou um aprendizado, porém se houver necessidade pode ser feito. Existem vitalizadores recreativos, competitivos ou puramente energizantes. O vitalizador deve ser, também, o mais prático possível, podendo ou não ser utilizado materiais ou acessórios que venham a demandar algum tempo de preparação ou elaboração prévia. Em geral, os recursos são as pessoas e o próprio facilitador. 3.4 JOGO É um processo vivencial, naturalmente: exige relação entre pessoas. É uma competição, cooperação, dinâmica, saudável entre pessoas de interesses comuns, que visa da simples recreação (caráter de gincana) à viabilização de alguma aprendizagem, reflexão ou correlação com a prática do dia a dia. Dizemos que a dinâmica de grupo classificada como jogo é um exercício que tem normas pré estabelecidas e, para participar, os integrantes do grupo devem concordar com elas. Pode haver limites do tempo ou espaço, há inicio, meio e fim e pressupõe perdas e ganhos, entre os participantes. As atuais tendências sócio-culturais e empresariais tem considerado principalmente os jogos de empresa que exercitam o ganha-ganha, que é quando as partes tem algum tipo de lucro, que pode ser financeiro, de crescimento e aprendizado individual. O ganha-ganha é o melhor resultado que se pode esperar quando se utiliza o jogo em dinâmicas de grupo. A técnica (ou metodologia) do jogo facilita o aparecimento de características como liderança, planejamento, visão estratégica, ambição, competição, respeito a si e ao outro, limites, respeito a regras e normas, etc. A simulação é a teatralização de situações com base no cotidiano nos indivíduos e/ou grupos de trabalho, onde um ou mais participantes assumem os diferentes papéis e conteúdos que estão contidos na situação que se quer vivenciar. 3.5 VIVÊNCIA As mudanças pessoais podem abranger diferentes níveis de aprendizagem: cognitiva (informações, conhecimentos, compreensão intelectual), emocional (emoções e sentimentos, gostos, preferências), atitudinal (percepções, conhecimentos, emoções e predisposição para ação integrados) e comportamental (atuação e competência) afirma Fela Moscovici, em seu livro Desenvolvimento interpessoal, Quando Fela Moscovici bse refere a VIVÊNCIA, diz que é um processo de ensino-aprendizagem denominado Educação de Laboratório, ou seja um conjunto metodológico que objetiva o alcance de mudanças pessoais, a partir de aprendizagens baseadas em experiências diretas ou vivencias, como exemplo temos a educação de laboratório. Contato: Página 15

16 ATIVIDADE: Consiste na vivencia de uma situação através de atividades em que o participante se empenha, tais como resolução de um problema, simulação comportamental, dramatização, jogo, processo decisório, comunicação, exercícios verbais e não verbais. ANÁLISE OU REFLEXÃO: É o momento seguinte. Consiste no exame e na discussão ampla das atividades realizadas, na análise crítica dos resultados e do processo de alcança-los o como passa a ser mais importante do que o resultado em si. É uma fase muito mobilizadora de energia emocional, pois cada participante deve expor seus sentimentos, idéias e opiniões livremente. Se na primeira etapa houve envolvimento e abertura, nesta, o participante pode praticar maior auto-exposição, espontaneidade, autenticidade, troca de feedback com os companheiros do grupo, possibilitando a elaboração de um processo diagnóstico da situação vivenciada e da participação de cada um e de todos no desenrolar do processo grupal. CONCEITUAÇÃO OU EMBASAMENTO TEÓRICO Consiste na busca de conceitos esclarecedores, fundamentação, informações, insumos cognitivos. É realizado pelo coordenador/facilitador de forma interativa com os participantes e complementados por leituras individuais, filmes, músicas, que possibilitam a consolidação dos conhecimentos e reflexões. CONEXÃO OU CORRELAÇÃO COM O REAL É onde se faz as comparações dos aspectos teóricos com práticas de trabalho e da vida real. As conclusões e aprendizagens elaboradas podem servir para uso imediato ou para o futuro, possibilita aos participantes insight de novas aprendizagens, além de incitá-los à criatividade, à mudança, inovação de procedimentos e novas formas de conduta. No dicionário de Luiz A Sacconi, ele caracteriza vivência como: 1. Experiência de contato íntimo. 2. Ato de viver ou sentir intensamente. 3. Exteriorização de emoções e sentimentos. Aplicar uma dinâmica de grupo é possibilitar o exercício de uma vivência. É um processo vivencial, é um momento de laboratório, que pode ir além de um simples quebra-gelo a reflexões e aprendizados mais profundos e elaborados. 3.6 FILMES E MÚSICAS: Algumas considerações Em qualquer atividade de grupo, onde têm pessoas (reunião, workshop, simpósio, palestra, recreação, despedida ou recepção, solenidade, etc ), uma música ou um filme (integral ou um trecho) pode funcionar Contato: Página 16

17 didaticamente como recurso de aprendizagem, recreação ou uma simples reflexão. Dependendo do tema ou assunto a ser discutido/estudado, uma cena de um filme ou uma música (apenas a melodia ou mesmo a letra), selecionada, sob critérios técnicos adequados, torna-se uma valiosa contribuição. IMPORTANTE CONSIDERAR: Ao utilizar um filme tradicional (de locadoras), alguns pontos pontos precisam ser quiestionados: Qual filme, qual cena, em qual ponto a cena se encontra, onde começar, onde pausar, onde concluir? Qual o link que será feito entre o filme e o assunto-tema que está sendo abordado? A cena está explicita ou é interpretativa? 4. Aplicações da dinâmica grupal Como está na classificação, a Dinâmica Grupal é uma ciência interdisciplinar. Isso significa que são múltiplas as suas aplicações técnicas, e, por conseguinte, também são múltiplos os campos dos saberes humanos que podem ser beneficiados com seus conhecimentos. Entre os saberes beneficiados, citaríamos um enorme rol: saúde, educação, serviço social, administração de empresas, política, esportes, religião etc. No entanto, para efeitos descritivos, escolhemos apenas os quatro primeiros relacionados acima Saúde, Educação, Administração e Serviço Social, para fazer uma sucinta descrição sobre os seus termos que são particularmente beneficiados com os conhecimentos da Dinâmica Grupal Saúde. Na área da saúde humana é onde se situam os resultados mais promissores das aplicações práticas da Dinâmica Grupal. Neste sentido o destaque cabe às já apresentadas psicoterapias grupais. No entanto, além desse campo de aplicação, o qual já foi suficientemente relatado em capítulos anteriores, os trabalhos grupais têm se mostrado de grande utilidade em muitas outras áreas da saúde humana. Apresenta-se quatro exemplos: Grupos Operativos em Doenças Orgânicas. Trabalhos de Grupos Operativos são largamente utilizadas como adjuvantes no tratamento de pessoas com doenças orgânicas consideradas crônicas. Desse modo, em diversas instituições médicas têm sido formados grupos operativos com portadores de diabetes, nefropatias, tuberculoses etc. Esses grupos têm funcionado com objetivos diversos. No nosso meio hospitalar, já funcionam Grupos Operativos formados por esse tipo de clientela, um deles reúne pacientes dialisados do setor de nefropatia do Hospital Geral de Fortaleza. O grupo objetiva melhor prepará-los para enfrentarem as dificuldades inerentes a sua enfermidade, e contribuir para o bom êxito do processo de hemodiálise. Nas reuniões são realizadas atividades para incentivar o acompanhamento rotineiro com nefrologista; para transmitir informações úteis sobre a doença e métodos terapêuticos, para facilitar o estabelecimento de hábitos considerados saudáveis para o nefropata crônico, e, enfim, para melhorar o suporte psicoemocional, e Integrar os familiares no processo terapêutico Grupos Balint. Nos grandes Hospitais de Ensino Universitário são aplicadas muitas técnicas grupais para facilitar a formação e o aperfeiçoamento médico. Entre essas técnicas, é imprescindível uma menção aos Grupos Ballint. Esses grupos, cujo nome homenageia o psicanalista inglês Michel Ballint que, nos anos 50-60, desenvolveu essa técnica grupal, consiste, basicamente, em discutir a dinâmica das relações Contato: Página 17

18 humanas contidas no bojo das situações clínicas trazidas pelos médicos participantes do grupo, na medida em que os mesmos experimentavam e reconheciam em sí próprio os dinamismos inconscientes inerentes a essa tarefa Nas reuniões busca-se fazer com que os integrantes do grupo desenvolvam a capacidade de refletir acerca dos fenômenos relacionais inconscientes. Essa capacidade de reflexão implica no desenvolvimento simultâneo das capacidades para perceber, sentir, pensar, agir e, especialmente, o aprender a aprender manejar as diversas situações no dia-a-dia da atividade clínica A Comunidade Terapêutica e suas reuniões comunitárias nas quais todos os pacientes e membros do quadro de pessoal de uma unidade de saúde mental se reunem, é o mais complexo dos grupos terapêuticos. A primeira experiência de Comunidade Terapêutica aconteceu no Northfield Military Hospital, na Inglaterra durante a II Guerra Mundial. Nesse hospital militar, onde, entre outros, trabalhavam Bion, Tom Main, Pat de Mare e Sigmund Foulkes, aconteceram, nesse período, mudanças radicais em sua organização social, havendo transformações quanto aos cuidados médicos e ao papel dos pacientes em seu processo terapêutico com os pacientes buscava-se superar as atitudes de passividade e retraimento estimulando a participação ativa numa comunidade de estrutura grupal Nas décadas que se seguiram a essa primeira experiência em Northfield, a onda de comunidades terapêuticas espraiou-se pelas instituições psiquiátricas do mundo ocidental e, com ela, sua marca distintiva: a reunião comunitária. Quanto a essa modalidades de reunião pode-se dizer que elas, do ponto de vista da terapêutica, apresentam vantagens e desvantagens. Contudo, como é inerente uma índole positiva nesta obra, será dito apenas sobre o que Sigmund W. Karterud, professor de psiquiatria na Universidade de Oslo, considera a função de Foro para Partilha de Informações a vantagem mais óbvia das assembléias de comunidade terapêutica, isto é: a reunião comunitária pode alcançar a todos e informá-los a respeito de acontecimentos que afetam a unidade como um todo. Quem se acha presente, quem não compareceu e por quais razões? Novos pacientes são apresentados, alguns pacientes podem estar indo embora, e membros do quadro de pessoal falam a respeito de suas próprias ausências. Atuações dramáticas tais como comportamentos grosseiramente aberrantes, rompimento de normas e tentativas de suicídio são geralmente trazidas ao conhecimento geral na reunião comunitária. Ao lado de seu puro valor informativo, a reunião também fornece oportunidades para avaliar-se a importância dinâmica dos eventos comunitários e corrigir percepções distorcidas Grupos de Auto-Ajuda. Um movimento grupal que se universalizou e se diversificou graças a uma imagem modelada por poucas idéias simples mas bastante poderosas: pessoas comuns com um problema comum reunem-se, partilham seus problemas e aprendem umas com as outras, sem utilizarse da ajuda de profissionais, em settings que os membros do grupo possuem e controlam. Atualmente, em todo o mundo, é enorme a quantidade de grupos de auto-ajuda Morton A. Lieberman, um professor de psiquiatria do San Francisco School of Medicine, realizou um estudo com mais de grupos de auto-ajuda somente da Califórnia. Também é enorme a diversidade de suas linhas de ação: alcoolistas, narcóticos, neuróticos, comedores compulsivos, fumantes etc. De todos esses grupos o mais disseminado e popular é o constituído pelo movimento mundial de Alcoólicos Anônimos (AA). O primeiro grupo de AA aconteceu após um encontro casual entre um cirurgião de renome: o Dr. Bob, e um corretor de imóveis conhecido como Bill W., ambos de Nova York e alcoólicos desenganados pela medicina. Eles fundaram o primeiro grupo de Alcoólicos Anônimos no ano de 1935 em Akron, Ohio-EUA Educação. A pedagogia dos grupos permite uma síntese perfeita entre instrução e socialização do indivíduo. Todas as vertentes da Dinâmica Grupal contribuem para essa perfeição, no entanto, foram os achados de Lewin e de Moreno que mais contribuíram para esse objetivo pedagógico. Didaticamente, ao se diferenciar as contribuições entre um e outro desses autores, pode-se dizer que os postulados lewinianos se relacionam mais à apreensão do conhecimento dentro do processo de Contato: Página 18

19 aprendizagem; e os achados morenianos são diretamente aplicáveis no treinamento do papel do educador no processo de sua formação profissional Apreensão do Conhecimento. As já relatadas experiências de Lewin permitiram o desenvolvimento de uma nova mentalidade pedagógica em que se destacam três princípios: no primeiro, o grupo (classe) não é concebido como ambiente de competição, mas sim como ele mesmo, um fato de cooperação, sendo por isso um objeto de sua própria instrução; o segundo preceitua que o papel do monitor (professor) é motivar o grupo, controlar seu funcionamento e seus resultados, e ajudá-los a definir suas dificuldades; por fim o terceiro implica num método pedagógico ativo. Ou seja, nele os "alunos", através de suas próprias experiências, devem chegar ao conhecimento. Observar que a tríade ambiente, educador, educando se articula em momentos considerados ideais por alguns educadores, para o processo ensino-aprendizagem, ou seja, momentos fecundos em que se sente no aluno a tensão por conhecer, em que se percebe a ruptura do equilíbrio em sua visão e compreensão do mundo que o rodeia, e com isso, o surgimento do interesse para recuperar esse equilíbrio. Nesses momentos, depois de surpreender-se ou desconcertar-se, o aluno começa a perguntar, e as questões que formula são autênticas, porque são espontâneas e, por essa mesma razão, provocadoras de novos interesses]. Ainda sobre isso, é interessante se ressaltar que na literatura dedicada à educação na perspectiva construtivista não se encontram referências bibliografias relativas a Kurt Lewin. No entanto, foi ele quem demonstrou, pela primeira vez, o valor da principal da tese construtivista: o ser humano nasce com potencialidades para aprender. Mas este potencial só se desenvolverá na interação com o mundo, na experimentação com o objeto de conhecimento, na reflexão sobre a ação. Quanto às muitas outras referências bibliográficas do Construtivismo, são principalmente citados os trabalhos em Epistemologia Genética do psicólogo suíço Jean Piaget. Porém, é importante se saber que Piaget apenas propõe um projeto estruturalista e, portanto, gestáltico para o desenvolvimento cognitivo humano; não sendo essa sua proposta, de modo direto como no caso dos trabalhos de Lewin, uma metodologia aplicável aos trabalhos pedagógicos com grupos humanos Métodos para Formação de Educadores. A metodologia constitui uma dimensão pedagógica que, provavelmente, poderia ser mais beneficiada com a utilização de técnicas psicodramáticas. A dúvida expressa no "provavelmente poderia ser" se justifica quando escutamos a educadora argentina Maria Alicia Romaña lamentar-se que, em geral, os professores se formam apenas baseando-se em sua intuição, em seu afeto por crianças e adolescentes e nos estereótipos de professores introjetados em suas vivências como alunos. Além disso, lhes são oferecidas fórmulas ou receitas sobre como deve ser um professor, o que deve ou o que não deve fazer. (...). Se em vez desses elementos que, com pequenas variações, intensificam-se nas cadeiras do último ano de formação de educadores, trabalhássemos com role-playing (treinamento de papéis), o futuro professor teria a possibilidade de elaborar suas expectativas e seus temores. Tomaria também conhecimento de suas idealizações com relação à futura profissão, e perceberia, finalmente, com maior objetividade, os limites de sua tarefa como educador Administração. Se é no campo da saúde onde se verificam as mais auspiciosos experiências de aplicabilidade da Dinâmica Grupal, é no campo administrativo onde mais se universalizou a sua ideologia. A história desse processo de universalização tem dupla entrada: uma ocidental, outra oriental. Na cultura ocidental, o primeiro passo para o reconhecimento da importância da Dinâmica Grupal na área da administração de empresas foram as pesquisas realizadas, em 1928, na usina de Hawthorne. Como já historiado, essas pesquisas constataram, cientificamente, que os pequenos grupos de trabalho tendem a engendrar estruturas informais nas suas relações, havendo com isso profundas mudanças quanto ao significado do trabalho, do rendimento e das relações formais e hierarquizadas das áreas de produção empresarial. Contato: Página 19

20 Teoria Z. Do oriente, vem a grandiosa contribuição da cultura Zen, uma sabedoria milenar que humaniza a administração de empresas no Japão. Sobre isso, W. Ouchi, um japonês naturalizado norteamericano, publicou um livro sobre o que ele denominou de teoria Z. Essa teoria serve para explicar alguns dos principais procedimentos que levaram ao proverbial êxito de grandes grupos econômicos japonesas, os quais Ouchi chamou de empresas do tipo Z, por que nelas a "democraticidade" e a integração são considerados um fator de eficiência, e daí estimula-se a participação dos empregados nas decisões da diretoria e acionam-se vários mecanismos para que a competitividade característica do ambiente de trabalho dê lugar à cooperação durante o expediente e ao coleguismo nos momentos de lazer. Esses dois movimentos de orientação geográfica e cultural diferentes implicaram em qualificativas mudanças no campo da administração de empresas na contemporaneidade. Mudanças essas que, tanto do ponto de vista prático como do conceitual, podem representar um conjunto de rupturas de grande relevância em relação ao paradigma clássico de organização empresarial. Desse modo, hoje é trivial afirmar que, do ponto de vista técnico, no setor de recursos humanos do mundo empresarial predominam os postulados do movimento de relações humanas veiculados através da teoria e da prática grupal - por exemplo, contemporaneamente coloca-se como um requisito de eficácia a utilização de métodos da Dinâmica Grupal durante o processo de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento de pessoal em grandes empresas produtivas. Mas não é só na área da administração propriamente dita que a ideologia do trabalho grupal tem predominado, também já acontecem auspiciosas experiências no campo da organização do trabalho socialmente produtivo. Apenas para melhor situar o alcance da afirmativa do parágrafo anterior, apresenta-se dados de uma concepção, a Sociotécnica, e exemplifica-se com um fato referente à aplicabilidade de um dos postulados dessa concepção, qual seja, a de grupos produtivos semi-autônomos Sociotécnica. Essa proposta surge a partir da década de 50 com base em estudos realizados por pesquisadores reunidos no Instituto Tavistock de Relações Humanas de Londres. Ao contrário do modelo de produção clássico que, elaborado por Frederick Taylor e Henry Ford no início do século XX, está fundamentado no trabalho individualizado, a escola sociotécnica procura desenvolver projetos conceituais e intervenções práticas com fundamentos nos trabalhos em grupo. O início do desenvolvimento dessa abordagem deu-se na década de cinqüenta, contudo observa-se que somente a partir dos anos 90 é que houve possibilidades de difusão do princípio sociotécnico centrado na idéia de grupos semi-autônomos na produção. Também houve condições para o surgimento de metodologias mais detalhadas e sistemáticas (por exemplo, Total Quality Control-TQC) para implantação dessa modalidade de trabalho em grupo [39: p. 29]. Diversas experiências com aplicação dos princípios sociotécnicos do trabalho em grupo na produção industrial já foram realizadas. Nesse sentido, uma experiência considerada paradigmática acontece com a empresa sueca Volvo. Nessa empresa automobilística, as mudanças no processo social de produção culminaram numa experiência que já se desenvolve desde 1989 e que pode ser resumida no dístico: "Na Volvo, grupos de operários montam carros do começo ao fim". A Volvo é uma empresa que historicamente tem se notabilizado por inovações na área da organização do trabalho. A partir dos anos 70 essas inovações começam a ser implantadas em sua produção automobilística. Nesse período, embora não tenha abandonado as linhas de montagem, introduziu "mini-linhas, separadas por buffers de produtos em processo, como estratégia para possibilitar que grupos semiautônomos pudessem gerir de maneira mais independente cada uma dessas "mini-linhas". No mencionado ano de 1989 foi aberta, em uma de suas unidades produtivas, uma planta industrial com esquema de organização baseado em grupos semi-autônomos. Nessa planta, que atualmente encontra-se Contato: Página 20

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições.

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Mentalidade grupal e cultura de grupo. Grupo Operativo: instrumento

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF

Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Transcrição entrevista Vitória Pamplona, psicoterapeuta psicodramatista e coordenadora de grupos de gestantes e casais grávidos Psicologia da UFF Qual a origem do psicodrama? O psicodrama foi criado por

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos

Seleção e Dinâmicas de Grupo. Professor Sonia Regina Campos Seleção e Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Aula 3: Técnicas para Aplicação de Dinâmicas de Grupo Professor Sonia Regina Campos Dinâmicas de Grupo: As Bases para seu Desenvolvimento Organizações

Leia mais

ORIENTADOR EDUCACIONAL

ORIENTADOR EDUCACIONAL ORIENTADOR EDUCACIONAL 01. A discussão sobre a Organização do Trabalho na Escola permitiu que fosse determinada uma das atribuições inerentes à Orientação Educacional que é: (A) organizar as turmas homogêneas,

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado

Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado Wertheimer pode provar experimentalmente que diferentes formas de organização perceptiva são percebidas de forma organizada e com significado distinto por cada pessoa. o conhecimento do mundo se obtém

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Desenvolver conhecimento sobre os fundamentos teóricos e técnicos dos conceitos de grupo e dos processos grupais.

PLANO DE ENSINO. 1. Desenvolver conhecimento sobre os fundamentos teóricos e técnicos dos conceitos de grupo e dos processos grupais. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Curso: Psicologia Semestre: 2012.1 Turma: 07319A Disciplina: Dinâm.

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Dinâmica de Grupo GRUPOS OPERATIVOS. Pichón Rivière (1907-1977)

Dinâmica de Grupo GRUPOS OPERATIVOS. Pichón Rivière (1907-1977) Dinâmica de Grupo GRUPOS OPERATIVOS Pichón Rivière (1907-1977) Heloiza Regina Vaz Pinto Psicóloga(formação em Psicanálise e Psicoterapia de Grupo)Pedagoga, Psicopedagoga e especializanda em Neuropsicologia

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1

O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1 O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1 Ana Maria Rodrigues Muñiz 2 Quando o educador começa a abandonar concepções funcionalistasassociacionistas sobre a aprendizagem

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Formação em Coordenadores de Grupos Operativos.

Formação em Coordenadores de Grupos Operativos. 1 Formação em Coordenadores de Grupos Operativos. Objetivos gerais Ao final da Formação o participante será capaz de: Apropriar-se do referencial teórico vivencial da Psicologia Social e dos Grupos Operativos.

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES AS DIMENSÕES DO CONTEÚDO DE JOGOS E BRINCADEIRAS Oficina Teórica e Prática PROF. POLLYANNA PESSOA DIAS QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES

Leia mais

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA

Curso de Psicologia CÓDIGO B108478 PROGRAMA Curso de Psicologia 1º período DISCIPLINA: ELEMENTOS DE ANATOMIA B108478 EMENTA: - Estudo de todos os órgãos e sistemas do organismo humano, destacando as funções pertinentes a cada estrutura. DISCIPLINA:

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais