MOTIVAÇÕES E PSICOLOGIA A PRESENÇA DE ABRAHAM A. MASLOW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOTIVAÇÕES E PSICOLOGIA A PRESENÇA DE ABRAHAM A. MASLOW"

Transcrição

1 ALUBRAT Associação Luso Brasileira de Transpessoal CESBLU Centro de Educação Superior de Blumenau ROGÉRIO CANCIAM MOTIVAÇÕES E PSICOLOGIA A PRESENÇA DE ABRAHAM A. MASLOW CAMPINAS 2009

2 ALUBRAT Associação Luso Brasileira de Transpessoal CESBLU Centro de Educação Superior de Blumenau ROGÉRIO CANCIAM MOTIVAÇÕES E PSICOLOGIA A PRESENÇA DE ABRAHAM A. MASLOW Monografia apresentada no Curso de Pós-Graduação em Psicologia Transpessoal Lato Sensu do CESBLU Centro Educacional de Blumenau & ALUBRAT Associação Brasileira de Transpessoal como requisito para obtenção do título de Especialista em Psicologia Transpessoal, sob a orientação do Profº Ms. Luiz Carlos Garcia. CAMPINAS 2009

3 Dedico este trabalho para todas as pessoas que não estão motivadas, na sua vida, e para aquelas que já descobriram que a maior motivação começa por si mesma. E aos meus sobrinhos, que nunca deixem de viver a motivação: Thais, Beatriz, Júlia, Mário Francisco, Roberta, Pietra, Carlos Alberto e Gustavo. 3

4 4 AGRADECIMENTOS À querida Profª Drª Vera Saldanha, pelo carinho e estímulos em saber dividir o conhecimento na psicologia. Ao meu professor e orientador Mestre Luiz Carlos Garcia, que, pela paciência e dedicação, me ajudou a descobrir a motivação. Ao meu querido Pai e Pastor Dom Bruno Gamberini, pelo apoio e incentivo. Aos meus colegas da pós-graduação pela amizade e partilha nas vivências e no saber. Ao meu amigo e professor José Antônio Lourenço Barros, que sempre disponível e alegre acolheu em seu saber. Eterna gratidão! Ao amigo e companheiro Padre Carlos Roberto Marassato de Moraes, que soube respeitar e apoiar meus estudos e pela amizade. Ao Padre João Luiz Fávero, que acreditou em mim. Aos amigos Marilza, Rodrigo e Rafael Danelon, pela amizade e carinho. Ás minhas amigas professoras e psicólogas Arlete, Célia e Márcia, pela alegria, pelo conhecimento e pela amizade. À minha querida amiga Beth Peres, pelo companheirismo e apoio nas horas difíceis. Ao meu amigo Fernando Souza que, com sua dinâmica, soube compreender e admirar a psicologia. Aos meus queridos amigos da paróquia São Sebastião, Aydê Capovilla, Augusta Fazani, Sidney Costalonga, Filomena e João Amatti. Às secretárias Ariana e Amanda que, com sua simpatia, sempre acolheram meus pedidos. Ao Deus da vida e a Nossa Senhora, meu reconhecimento, gratidão e amor, num louvor eterno!

5 5 REVOLUÇÃO DA ALMA Ninguém é dono da sua felicidade, por isso não entregue sua alegria, sua paz, sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém. Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja. A razão da sua vida é você mesmo. A tua paz interior é a tua meta de vida, quando acreditares que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remete teu pensamento para os teus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você. Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque objetivo longe demais de suas mãos, abrace os que estão ao seu alcance hoje. Se andas desesperado por problemas financeiros, amorosas, ou de relacionamentos familiares busca em teu interior a resposta para acalmar-te, você é reflexo do que pensas diariamente. Pare de pensar mal de você mesmo(a), e seja seu melhor amigo(a) sempre. Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que te quer oferecer o melhor. Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você mesmo, que está pronto para ser feliz. Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda. Critique menos, trabalhe mais. E, não se esqueça nunca de agradecer. Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento, inclusive a dor. Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida. A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las. Aristóteles, filósofo grego, escreveu este texto Revolução da alma no ano 360 a.c. e é eterno.

6 6 RESUMO CANCIAM, Rogério. MOTIVAÇÕES E PSICOLOGIA A PRESENÇA DE ABRAHAM A. MASLOW, Orientador: Profº Ms. Luiz Carlos Garcia. Monografia apresentada como requisito para obtenção do título de Especialista em Psicologia Transpessoal, p Este estudo, de fundo analítico sobre bases bibliográficas, constitui-se na investigação especialmente de uma obra de Abraham A. Maslow, o Diário de Negócios, editado por Deborah C. Stephens. Nosso objeto de pesquisas pretende restringir-se à compreensão de alguns elementos fundamentais sobre a Teoria da Motivação de Maslow e suas repercussões de ordem mais direta sobre assuntos com Liderança e Criatividade, mas também busca, nesse mesmo recorte, articular as concepções de Maslow com a Psicologia Transpessoal, sobretudo com as etapas interativas e integrativas relacionadas como os sete passos. Assim, nossa opção foi por efetuar um trabalho de investigação e análise bibliográfico teóricas, de tal modo que a argumentação aqui apresentada pudesse garantir os nossos propósitos poder verificar, já com Maslow, a emergência de uma 4ª força no terreno da Psicologia e, especialmente com relação ao mundo das organizações e empresas, recolher informação que também nos possam ajudar a entender melhor a nossa presente época de tantas e radicais transformações. Palavras-chave: Teoria da Motivação em Maslow Necessidades Auto-realização Criatividade Psicologia Transpessoal.

7 7 ABSTRACT CANCIAM, Rogério. MOTIVATIONS AND PSYCHOLOGY THE PRESENCE OF ABRAHAM A. MASLOW. Orientador: Profº Ms. Luiz Carlos Garcia. Monografia apresentada como requisito para obtenção do título de Especialista em Psicologia Transpessoal, p This study, characteristicaly analytical based on pertaining bibliography, is an investigation of a specific work of Abraham Maslow, the Maslow Business reader, edited by Deborah C. Stephens. As object of research we made the choice for exploring, in a restricted way, the understanding of some fundamental elements about the theory of motivation as proposed by Maslow and its implications, more directly, over subjects such as Leadership and Creativeness; but also we intended to search, in this same delineation, to articulate the conceptions of Maslow with Transpersonal Psychology, mainly with interative and integrative moments. So, our choice carried us to a work of analysis and inquiry on theoretical issues and literature, so as to guarantee our argumentation here developed in relation to our proposals may proceed the verification of, since with Maslow, the emergence of a so-called 4th force in Psychological domains; and, related specifically with business and organization world, to achieve some information that may helps us witha better understanding of our present times of so many and radical changings. Key-words: Maslow Theory of Motivation Necessities Self-actualization Creativiness Transpersonal Psychology.

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...09 CAPÍTULO I MOTIVAÇÃO: O CONTEXTO IMPLICADO...16 CAPÍTULO II MASLOW: O HOMEM E A OBRA...35 CAPITULO III ORGANIZAÇÃO E HUMANIZAÇÃO EM MASLOW...48 CAPÍTULO IV MOTIVAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE NEGÓCIOS O QUE PODEMOS FORMULAR, SEGUNDO MASLOW?...76 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS SUPLEMENTO: UMA AULA SOBRE MOTIVAÇÃO...130

9 9 INTRODUÇÃO O tema da ação humana tem sido pensado, refletido e discutido desde sempre. Uma afirmação como essa não é desprovida de fundamentos, uma vez que, com base nos indícios e registros que muitos estudiosos, investigadores e pensadores conseguiram recuperar, descobrir e organizar a respeito de povos e civilizações muito antigos, ou mesmo a respeito de grupos e comunidades em nossa época ainda em plena oralidade primária, muitas informações de peso puderam ser reunidas, através de inúmeros recursos e tecnologias atualmente possíveis que nos serviram para tanto. Assim, sabemos hoje que mesmo as culturas mais afastadas de nós temporalmente, de uma ou outra forma, tematizaram e problematizaram a questão do agir humano. Tanto nas tradições mais propriamente ocidentais, quanto nas que caracterizaram civilizações mais afastadas espacialmente, cujo conhecimento, em termos relativos, é para nós recente, conseguimos perceber o quanto esse assunto tem sido recorrentemente reposto e reiterado dentre as

10 10 preocupações mais centrais da humanidade em sua história. Representações grafadas em pedra, pictóricas ou esculturais, registros antiqüíssimos em materiais incipientes de escrita e, inclusive, relatos transmitidos oralmente em grupos e comunidades ágrafas (ainda hoje), por diversos meios podemos hoje ter uma noção razoavelmente aproximada do que pôde significar para nossos antepassados o fenômeno que, paulatimente, mas já desde épocas muito antigas, foi se configurando na idéia da agência humana, que torna o ser humano sujeito e autor de atos, atitudes, disposições visívivelmente intencionadas, orientadas e dirigidas, em contraposição a comportamentos mecânicos, reativos, involuntários e/ ou inconscientes. Hoje, tanto as ciências sociais e humanas, quanto, indiretamente, também as naturais e Biológicas têm por um dos objetos privilegiados o agir do homem. Por exemplo, na Filosofia e, por conseqüência, nos saberes sobre os comportamentos de indivíduos e grupos em geral, ação e intenção, causa e motivo, consciência e mecanismo, são, dentre vários outros, aspectos aprofundamente discutidos. O levantar de um braço pode ser explicado em termos voluntários e causais assim como fisiologicamente, e saber com propriedade se esse tipo de explicação ou compreensão diz respeito ao como ou ao porquê tem trazido muito material para a discussão. Saberes como a Antropologia e a História levaram-nos a poder verificar que a noção do si mesmo em termos da identidade agencial, ou seja, a questão da subjetividade, não se apresentou inalterada desde o surgimento da espécie humana, mas, diversamente, colocou-se mais propriamente em função dos desenvolvimentos experimentados pelos grupos sociais. Assim, por exemplo, podemos constatar, por meio do acesso de que hoje dispomos sobre manifestações de comunidades historicamente diferenciadas ao longo do tempo, que os relatos conservados em legendas e mitos, de início, na própria época de sua constituição, versados apenas oralmente (inclusive como primeira função de salvaguarda da memória do grupo) e posteriormente registrados em documentos mais sistematizados, apresentam comunidades e grupamentos sociais em que a diferenciação identitária não é nem nítida nem naturalmente manifesta, mas se mostra como se constituindo aos poucos, gradativamente, em ritmos e medidas diversos segundo o desenvolvimento dos grupos e sociedades. Assim, o sentimento

11 11 e a noção da coletividade aparecem como preponderantes, o que implicar em termos de apreciar e considerar com bastante cuidado noções que hoje nos parecem bastante simples e naturais, como consciência, autoria, agência, dentre outros. É nesse sentido que, exemplarmente, o surgimento enfático do gênero trágico na literatura e na artística da Grécia Antiga (sobretudo no período clássico) mostrase, aos nossos olhos de hoje, dentre outros aspectos também fundamentais, como a configuração de um embate no qual a tentativa de uma ação mais pessoal, contrária muitas vezes às determinações coletivas, não fez senão reforçar a figura do destino o caso mais classicamente discutido, inclusive na Psicologia mesma (propriamente nas interpretações psicanalíticas), é o de Édipo que exatamente faz aquilo que oracularmente havia sido previsto, ainda que medidas tenham sido tomadas para que se não o cumprisse sem o saber, Édipo dá fim a Laio, seu pai, e casa-se com a própria mãe, Jocasta. Aí prevalece ainda a direção impressa pelo destino e é bem isso o que a tragédia aponta: querer escapar, por modos próprios ao que se anuncia para o futuro, não é senão reforçar e garantir um direcionamento que escapa ao controle humano, e, neste caso, não pode o homem ser visto singularmente como autor e agente, mas bem mais como ser submisso às legislações maiores (que aquelas determinadas por sua interioridade). Enfim, todo este longo preâmbulo nestas páginas introdutórias tem por finalidade fornecer horizonte e o panorama com que nosso tema será introduzido. Exatamente intencionamos verificar o papel e o significado da motivação que induz a um ou outro comportamento ou disposição, tal como ela é proposta e investigada por um psicólogo americano, A. Maslow, cuja obra e atividade fornecem subsídios relevantes para a instalação de outras perspectivas no campo da Psicologia. Mas, esclarecemos, tal investigação será levada com atenção a uma sua obra específica, aquela que, no Brasil, aparece com o título de Diário de Negócios de Maslow cuja organização coube a Deborah C. Stephens. Pretendemos, com isso, encontrar e apresentar respostas para uma pergunta que poderia ser formulada como: qual a relevância e o significado da apropriação, efetuada por A. Maslow para o campo das

12 12 organizações negociais e empresariais, de suas teorias sobre motivação para a área da chamada Psicologia Transpessoal? Com esta investigação, pretendemos proceder à localização e situação de conceitos e categorias fundantes em seu pensamento, tais como motivação, necessidade, patologia e saúde, liderança e criatividade, psicologia transpessoal, dentre outros. E nosso interesse, com tais procedimentos, reside em se afigurar como bastante importante verificar com adequação e propriedade as implicações da teoria psicológica da motivação, em Maslow, para o campo empresarial, tendo em vista poder contemplar por tal viés a abertura para concepções, formuladas por esse psicólogo, conducentes ao patamar de uma Psicologia que hoje conhecemos como Transpessoal. Em breves palavras, trata-se de verificar a contribuição de Maslow, por um viés específico, para a instalação de uma vertente outra no campo da Psicologia. Todavia, é necessário que ressaltemos que o nosso interesse pelas concepções de Maslow radica-se sobretudo no fato de que, com o pensamento que desenvolveu e propôs para o campo psicológico, ele faz adentrar em um patamar diferenciado que se vai constituir no fortalecimento das condições para a emergência e fundamentação daquela que hoje conhecemos como a 4ª força no campo do saber psicológico a Psicologia Transpessoal, para a qual a sanidade humana resulta da consideração, de forma integrada e interada, dos vários elementos característicos que parecem constituir o que poderíamos chamar, tal como usualmente se faz, de personalidade. Não se trata, portanto, para nós de explorar uma teoria motivacional que aparece, ainda que de modo não exatamente sistematizado, aplicável, tal como pode sugerir a obra maslowiana, a propósito de estruturas e organizações empresariais e de negócios, a situações definidas por regulações que costumeiramente chamamos econômicas. Tal situação constitui, sem dúvida alguma, tanto quanto outras demais, adequadamente legítima para Maslow. Mas, parece-nos, conforme o pudemos entender, que o que aí podemos encontrar, ao final das contas, é também mais um fator, uma dimensão em que, também, as considerações levantadas por Maslow parecem remeter a um parâmetro mais

13 13 essencial, mais fundante a questão da compreensão do alcance daquilo que subjaz à idéia mesma de humanidade. Nosso procedimento, para tanto, consistiu em investigar, em alguma obras que escolhemos como centrais, situações contextuais e, mais especificamente, com base em um texto em que a situação organizacional e empresarial parece mais reiteradamente expressa o Dicionário de Negócios de Maslow, editado por Deborah C. Steplens e publicado em língua portuguesa, no Brasil, em 2003, pela Editora Qualitmark. Com isso, nossa metodologia procurou, por meio da consulta bibliográfica, levantar aspectos conceituais que nos pareciam fornecer condições para entender como se ia constituindo o assunto e terreno tal como trabalhados por Maslow. É, portanto, a nossa monografia uma obra de análise e articulação, esclarecimento e formulação de nexos, de uma vertente ou face do pensamento de Maslow; e ela tem a intenção, tanto quanto podemos, de situar e pensar contextos, alcance e significado numa perspectiva algo crítica, mais do que apenas comentadora. Embora a relação bibliográfica acompanhe nosso trabalho, pensamos que, com respeito à obra marco frequentemente consultada por nós, é conveniente indicarmos desde já como instituímos aqui nosso modo de referenciação dessa obra sendo composta de artigos, ensaios, cartas, comunicações, organizados e editados por Deborah C. Stephens -, toda vez que em nossas citações a utilizamos, o Diário de Negócios de Maslow aparece referenciado como Stephens (autor), ano e página (quando necessário), uma vez que, na relação bibliográfica, essa obra é introduzida pela entrada correspondente a STEPHENS, Deborah C. Retomamos, após tais esclarecimentos, sinoticamente os objetivos: - verificar como A. Maslow compreende e intervém, com base em sua teoria psicológica, a propósito da situação; - por conseqüência, verificar com sua obra, nesse contexto, vincula-se ao momento atual da Psicologia Transpessoal; - oferecer possibilidades de avanço a respeito da situação analisada. Esperamos, com nossa investigação, obter a articulação de informações de relevância, junto à teoria da motivação de A. Maslow, de modo a levar a compreender, também por esse aspecto, em quê sua contribuição pode ser

14 14 evidenciada, de forma mais evidente, como essencial para o campo da Psicologia, de uma forma bem informada, integrada e crítica. Os capítulos componentes da obra caracterizam-se da seguinte forma: - o 1º capítulo tem natureza de revisão bibliográfica, com o propósito de oferecer os contextos intelectuais e históricos sobre o pensamento a respeito da Motivação, em geral, procurando introduzir informações de caráter terminológico, conceitual e da histórica do pensamento filosófico (e psicológico) sobre as principais tendências vigentes, de modo a proporcionar elementos para situar a obra de Maslow epistemologicamente. - o 2º capítulo pretende aprofundar contextualmente a atuação de Maslow, tendo por foco diretor a obra de Maslow com relação ao terreno da Motivação e suas implicações e conseqüências, assinalando, no interior dos desenvolvimentos de seu momento, a repercussão de seu pensamento, inclusive no sentido de buscar preparar a emergência de novos patamares na consideração da teoria psicológica, com ressonâncias para a instalação de novos paradigmas Humanista e Transpessoal. Nesse momento, nossa atenção estará focalizada em depreender as conotações presentes em alguns conceitos centrais utilizados em Maslow, como estrutura, organização e o próprio sentido de humanismo, humanização, bom e bondade. - o 3º capítulo pretende atribuir uma atenção mais centrada, em relação às concepções formuladas por Maslow, à questão da Motivação, tendo por objeto a análise justamente da obra que trata mais especificamente da situação também em relação ao campo mais delimitado dos negócios e empresarial numa situação de organização capitalista de mercado, preparando a consecução, para o 4º capítulo, dos quadros contextualizados até então para efetuar a ponte entre sua obra e a Psicologia Transpessoal. - o 4º capítulo buscará, com base na imbricação, a partir das perspectivas levantadas por Maslow entre motivação e necessidades, formular, num terreno adequado, a atuação desse meio, de forma que, além do tratamento de alguns outros elementos de importância, como criatividade e liderança, e afins, centra nossa atenção para a relevância de sua contribuição a respeito da Psicologia

15 15 Transpessoal. Aqui, procuraremos, ressalvados os limites próprios pessoais e os trabalho, demonstrar a pertinência da obra maslowiana inclusive junto a construtos teóricos em voga, atualmente, no estudo da Psicologia Transpessoal. A tal capítulo seguir-se-ão as considerações finais de natureza mais conclusivas, o trabalho apresentará, ainda, após as referências listadas como anexo e suplemento, a proposta de elaboração, formulação e operacionalização envolvendo o tema investigado, na forma da Relação entre motivação, Necessidades, Liderança e Criatividade.

16 16 CAPÍTULO I MOTIVAÇÃO: O CONTEXTO IMPLICADO Não tenho medo de morrer, tenho saudade de deixar a vida Tota A investigação que pretendemos aqui desenvolver tem por tema as implicações, ao menos algumas que nos parecem relevantes, a propósito da obra de Maslow com relação à articulação ou envolvimento dos aspectos ligados à Motivação, Criatividade, Auto-Realização e Liderança, no seio e no âmbito do mundo organizacional, notadamente empresarial, tendo por base, sobretudo, o chamado Diário de Negócios de Maslow, obra organizada e editada por Deborah O. Stephens reunindo e articulando os pensamentos registrados e as observações elaboradas por Abraham Maslow, num período de sua vida, cuja publicação e conhecimento pelo público, principalmente nas últimas décadas (após a morte de seu autor), têm resultado em desenvolvimentos muito expressivos, por psicólogos, administradores, gestores, e outros, contribuindo em muito para diversos campos do saber humano sobre o próprio homem.

17 17 Poderíamos estabelecer, como termos do problema que nos interessa cuidar, a situação da relação entre Motivação e Comportamentos segundo a ótica elaborada e proposta por Maslow e, para nós, justamente o elemento problematizador, aí, reveste-se da preocupação em verificar se essa relação pode, legitimamente, basear, fundar e extrapolar para outros níveis do conhecimento psicológico contemporâneo. Pensamos, com relação a esse aspecto, nas possíveis implicações para o desenvolvimento da Psicologia Transpessoal, como um nível diferenciado do campo psicológico, e nas atualizações que o pensamento Maslowiano, em sua versão e extrapolação para a área organizacional, empreendedora e de negócios, poderia fornecer, seja a que título fôr. Embora saibamos que um trabalho dessa dimensão possa (e deva) contemplar áreas afins de conhecimentos e, institucionalmente, aquelas que mais de perto dizem respeito à perspectiva empresarial, como por exemplo, Relações Humanas, Psicologia do Trabalho, Gestão de Negócios, entre muitas outras, não é escopo deste trabalho delimitar-se segundo essas confirnações. Nesse sentido, embora possa o tema estar sendo delimitado, permanece uma dimensão de generalidade e abrangência, necessária, segundo pensamos, para que se mantenha possível transcender a aplicação do conhecimento psicológico votado, de início, ao campo empresarial para uma dimensão que parece não se ater nem corresponder exatamente à definição de uma área estritamente delimitada. Por várias razões, sobretudo a que se refere às condições de tempo e consecução objetiva, nosso estudo estará limitado a um levantamento de informações de ordem bibliográfica e à analise e, se possível, avaliação do material enfocado. Os critérios, tanto para a análise quanto para a avaliação, estão sendo determinados, nos quadros de nossa pesquisa, principalmente pelos elementos de coerência (interna e externa) do material a ser estudado e investigado em sua relação com a proposta de verificar a possibilidade de seu alcance e extrapolação, conseqüentes, para dimensões outras que apenas a negocial, ainda que, tal como neste momento é nos possível prever, muitas das situações exploradas o sejam em contextos bem delimitados (aqueles fornecidos pela obra principal em estudo, tal como organizada por Deborah C. Steplens).

18 18 Acreditamos que não exista maior justificativa para tal empreendimento que o fato de, após ter sido escrito há quase quatro décadas, nas quais as mudanças objetivas, seja de fundo tecnológico quanto filosófico-existencial, parecer-nos prudente e proveitoso verificar em que medida Maslow (aqui tomado em sua singularidade frente a outros pensadores da área que igualmente são considerados como propulsionadores para um novo modelo do conhecimento psicológico) realmente é um contribuidor, ou, mais modestamente, é visto como tal. Trabalhamos com a hipótese de que, com relação a esse aspecto, lidamos com uma situação um tanto híbrida: Maslow, de fato, trouxe e sugeriu contribuições efetivas para o desenvolvimento do conhecimento e do saber sobre o psiquismo humano que oferecem uma abertura considerável; mas, ao mesmo tempo, essa sua dimensão não pode ser sobreestimada, sobretudo por aqueles que querem a todo custo legitimar o curso dos encaminhamentos, de modo a evitar mistificações em nada desejáveis, uma vez que, em isso ocorrendo, as reais contribuições estariam sendo obliteradas. Julgamos que, para iniciar convenientemente a discussão seria de interesse voltar um pouco à conceituação (teórica, filosófica e mesmo etimológica) dos termos e conceitos com os quais nosso estudo procede. Ao mesmo tempo, cremos que, por conta disso, o âmbito da discussão acabará por se tornar mais claro, isto é, teremos ou disporemos dos elementos conceituais para pensar o contexto do problema da motivação. Igualmente, em momento subseqüente, parece-nos também importante pensar o próprio contexto da história do pensador, e, nesse sentido, iremos recuperar alguns elementos que nos soam como significativos acerca do percurso de Abraham Maslow. Somente então estaremos considerando de fato as proposições com que suas teorias se distinguiram e dando andamento ao que nos propomos nesta investigação. O que significa dizer que as pessoas, as mais diferentes possíveis e em situações também muito diversas, chegaram a um estágio tal de motivação que foram capazes de, muitas vezes alterando comportamentos habituais e regulares,

19 19 disporem-se a adotar outros e enfrentarem mudanças e novidades de modo a conseguir atingir tanto objetivos, metas, estados e situações antes inexistentes bem como criar condições para a consecução e efetivação para tanto? Qual é a compreensão que, usualmente, temos quando ouvimos dizer ou mesmo constatamos que alguém está muito (ou pouco) motivado? Por que, em nossos dias, os estudos de natureza psicológica e filosófica, sobretudo, têm se voltado com tanta freqüência para a investigação daquilo que, comumente, subjaz ao termo motivação? É bem verdade que o interesse por tal assunto (ou tema) sempre se apresentou nas mais diversas considerações, ao longo da história do pensamento sobre as práticas humanas, que se preocuparam tanto com aspectos éticos, morais e pragmáticos quanto com aqueles de natureza fisiológica (basta ver as questões levantadas pelas teorias sobre a ação) vinculados aos elementos determinantes da conduta humana. E, com relação a tais considerações, nos defrontamos com uma longa tradição iniciada, no mundo ocidental, desde os pré-socráticos e atingindo o pensamento da modernidade, cujo clímax, naquilo que nos interessa, chega a residir nos problemas relativos às questões de liberdade, suscitados pelo pensamento iluminista. No conjunto desse universo de observações, podemos considerar, com legitimidade, traços e elementos etimológica e conceitualmento implicados no termo Motivo como originariamente esclarecedor para esse outro, o de Motivação, que nos interessa para os fins do presente estudo; e aqui o fazemos agora exatamente com o propósito de trazer à cena informações de ordem conceitual para mais adequadamente nos orientarmos. Assim, recorrendo a Abbagnano (1970), encontramos algumas indicações bastante elucidadoras para nos situarmos no contexto adequado de nossa investigação. No verbete dedicada a Motivo, a noção que nos é trazida apresenta-o como causa ou condição de uma escolha, ou seja, de uma volição ou de uma ação (1970, p. 655). Trata-se, assim, de uma noção que introduz, ao verificarmos com certo cuidado o seu significado, duplamente dimensões tanto de âmbito externo quanto interno; e isso porque, referindo-se a volição ao campo da vontade e a ação ao do comportamento e da prática, respectivamente, temos como implicação as duas

20 20 acima referidas dimensões. Enquanto a volição, não colocada em ação, mantem-se fora das vistas do observador (mesmo quando expressando-se uma suposta volição experimentada), o mesmo já não ocorre de tal modo com a ação, a práxis, cuja característica é a de ser observável como comportamento e atitude. Essa duplicidade está também presente, na mesma noção, com relação à menção de causa ou condição. Pois é-nos bastante comum, no senso usual, tratarmos o motivo segundo a acepção de causa, razão, que, sem dúvida, são-lhe correspondentes, mas igualmente, não lhe são exclusivas; por exemplo, segundo o autor:...chama-se alguma vezes movente (Franc. Móbile; al. Triebfeider) o Motivo que não tem caráter racional, isto, que não pode ser considerado uma razão da escolha. (ABBAGNANO, 1970, p. 655). As informações trazidas, neste Dicionário de Filosofia de Abbagnano, são ricamente exaustivas e essenciais; contudo, vamos nos restringir, de acordo com nosso interesse, aos aspectos que mais de perto dizem respeito ao objeto de nossa investigação. Tendo passado por algumas formulações historicamente relevantes para a constituição do entendimento contemporâneo desse conceito, inclusive em relação à obra de pensadores cuja repercussão foi bastante grande no terreno da Psicologia, o que nos chama a atenção é o aspecto, ali mencionado e discutido, do papel dos diferentes graus de determinação vinculados ao Motivo, uma vez que o problema que aqui se coloca, com respeito a essa diferenciação, é o problema da liberdade, ou seja, resumidamente, a compreensão do conceito tanto enquanto causa quanto em termos de explicação está correlacionada à presença ou não da situação de liberdade com que se poderia caracterizar um estatuto de humano, de humanidade. Chamamos a atenção para esse ponto porque, a nosso ver, como poderemos observar mais adiante, a questão (ou questões) levantada com o estudo da motivação em contexto, isto é, sobretudo no interior do pensamento da A. Maslow, aqui tematizado, e no âmbito das implicações verificadas nas vertentes e conseqüências daí derivadas, propõe a necessidade de lidarmos, com clareza suficiente, com o conceito de motivação.

21 21 Aliás, ainda respaldados em Abbagnano (1970), basta seguir o encaminhamento de suas considerações, no referido verbete, a propósito de Dewey, que considerava, em situações cotidianas (isto é, apreciadas segundo a ótica do senso comum), a motivação como uma:... verdade extrapsicológica (ABBAGNANO, 1970, p. 655); e que apenas e notadamente, atribuía ao conceito um papel de relevância quando, referindo-se ao ser humano, destacava a pertinência do conceito quando se tratava de desencadear, provocar ou elicitar ações exigidas de modo específico, e, ainda mais, fazia notar que, nessas condições, o Motivo constituiria... o elemento do complexo total da atividade humana... (ABBAGNANO, 1970, p. 655 grifo nosso). De acordo com uma concepção desse porte, o motivo poderia ser tomado sobretudo enquanto um instrumento para...orientar e guiar a conduta humana do que um fator de explicação desta. (ABBAGNANO cita a obra de onde deriva essa visão Humana Nature and Conduct, pps ). É imprescindível atentar com cuidado e profundidade para esse tipo de orientação teórica, pois Dewey, no campo dos estudos psicológicos desenvolvidos nos E.U.A., serve de referência fundamental para toda uma elaboração posterior por pensadores de peso, dentre os quais também Maslow, na área psicológica. E, enfim, poder ter elementos de modo a perceber que o entendimento adequado do desempenho teórico-experimental de uma figura relevante, como esta, não pode dispensar a apreciação de perspectivas historicamente significativas para o desenvolvimento e efetivação (atualização) dos aparatos e arcabouços conceituais posteriormente colocados em ação. Oras, o estudo e a reflexão daí advinhas trouxeram-nos, com maior interesse então, à apreciação do próprio conceito de Motivação, também presente no referido dicionário (ABBAGNANO, 1970), com o que, após também uma série de observações de grande clareza (apresentando inclusive Schopenhauer como um precursor significativamente determinante), o referido conceito aparece claramente vinculado e expresso em termos da forma de causalidade do motivo, diferenciada de

22 22 outras formas de causalidade, que, em nossos tempos e em nossos teóricos e pesquisadores, ainda se conserva como essencial e permanece vigente, uma vez que a motivação pode ser e boa medida reconhecida como:...ação determinante do motivo (ABBAGNANO, 1970, p. 655). Reproduzimos aqui a enunciação em Abbagnano:... quaisquer que sejam os limites que se coloquem a tal determinação. Os problemas da Motivação são, por um lado, de natureza psicológica, e concernem ao modo de agir dos motivos enquanto se presta a ser observado pelos instrumentos de que a psicologia dispõe; por outro lado, são de natureza filosófica enquanto concernem os limites ou as modalidades de determinação e, portanto, a liberdade e o determinismo (1970, p. 655 grifos nossos). Parece-nos, sem dúvida, que, a despeito da separação aí formulada, para os interesses dos estudos psicológicos são essenciais todos os elementos apontados. E isto porque, apesar da indispensabilidade das comprovações do/de comportamento, por meio de um instrumental apropriado (aspecto ao qual voltaremos mais adiante), para os propósitos da significação de um conceito como esse, não é possível escapar de pensar as limitações apresentadas quando se vincula o conceito de motivação a outros, igualmente essenciais, como o de necessidade (s) (imbricado nas considerações derivadas tanto do aspecto da liberdade quanto do determinismo, nos contextos apropriados); e, tendo no horizonte nossa investigação pautada em variadas formulações de Maslow, tal ponto parece assumir, em consonância com a teoria da hierarquia das necessidades e dos movimentos dialéticos aí presentes, a característica de dever ser pensado e verificado, junto ao nosso autor principal, como um ponto fulcral para a precisa compreensão da relação motivaçãonecessidade, base para outros demais considerações que em nossa monografia são essenciais. Além do mais, e seguindo a explanação do dicionarista, essa relação e suas implicações parecem ter sido bastante bem percebidas e elaboradas por outro investigador/pensador fundamental na contemporaneidade, Husserl, que se coloca como um dos pilares da corrente fenomenológica que, ultrapassando os limites do

23 23 pensamento filosófico, adentraram os terrenos das Ciências Sociais e Humanas e, notadamente, o da Psicologia referimo-nos, agora, à vinculação, em tal pensador, das condicionantes trazidas pela experiência ao fenômeno da Motivação, como elemento de conexão que permite o estabelecimento de uma base concreta para a manifestação, efetividade e atualização da motivação (ABBAGNANO, 1970). Estas apreciações revelam-nos, desde já, as dificuldades percebidas e enfrentadas (com maior ou menor sucesso), por estudiosos e investigadores na Psicologia, bem como em Maslow, caso que nos interessa mais de perto. Na medida em que temos a intenção de verificar, neste autor, os subsídios para uma reflexão sobre a motivação, criatividade, comportamento e Psicologia Transpessoal, não resta dúvida de que é preciso explorar com acuidade o terreno por onde nos movemos. Um primeiro passo está sendo dado com a remissão aos problemas conceituais, de natureza teórica, envolvidos na noção e em suas implicações; e foi nesse sentido que buscamos o recurso a Abbagnano. Daqui, e é o que faremos imediatamente a seguir, podemos, acreditamos, delinear algumas reflexões que parecem se nos apresentar seja como problemáticas, seja como exigindo uma maior explicitação, de sorte que, ao mesmo tempo em que possamos deixar de lado um senso comum tão repisado, consigamos nos preparar com questões bem constituídas para poder verificar o alcance do pensamento de Maslow, de modo a podermos prosseguir segundo o nosso percurso programado. Passamos, assim, a um segundo momento central, qual seja, tendo estabelecido, no interior do pensamento ocidental, a respeito da história do conteúdo da noções-base, substratos comuns e fundantes, perquirir algumas das relações que daí derivam e interessam ao desenvolvimento de nosso raciocínio. Nesse sentido, manter à vista as imbricações que podem, usualmente, serem desdobradas entre o fenômeno investigado-a motivação -, em suas manifestações passíveis de apreciação psicológica, e variados fatores intervenientes significa estabelecer relações, de modo a respeitar exigências (de cunho metodológico inclusive) por um cuidado essencial para não incorrer definitivamente em uma abordagem estática e fragmentada. Aliás, um tal tipo de preocupação, que

24 24 encontramos em diversos estudiosos, é bastante bem caracterizado em Maslow. Quando ele se refere, por exemplo, no que respeita às teorias sobre a motivação, a um status definitivo (MASLOW, 2003, p. 249), uma tal preocupação é muito evidenciada na relação apresentada das propostas sugeridas (ver p. 249/250), e, analisando-a, é possível verificar que as questões vinculadas aos aspectos da unidade, integração, totalidade, organicidade e contextualidade são enfaticamente assinaladas, sobretudo quando a 13ª afirmação é introduzida, de modo a esclarecer a situação de uma teoria da Motivação frente aos problemas levantados pela teorização acerca do comportamento humano em função da distinção aí traçada. Reproduzindo os termos da obra, encontramos: 13. A Teoria da Motivação não é o mesmo que teoria comportamental. As motivações são apenas uma entre as várias classes de determinantes do comportamento. Assim como o comportamento quase sempre é motivado, também é quase sempre determinado biológica, cultural e circunstancialmente. (MASLOW, 2003, p.250). Não fica fora de propósito, pensamos, considerar que, exatamente porque efetua uma discriminação clara com relação a ambas as teorias, reduzindo as motivações a uma dentre as variadas classes de determinantes do comportamento humano, Maslow introduz uma imbricação de interatividade os diversos tipos de fatores ou elementos determinantes do comportamento humano acabam por interrelacionar-se e influenciar sistemicamente o que faz ressaltar, segundo seu pensamento, as propriedades características daquilo que ele denomina de uma teoria positiva da motivação (MASLOW, 2003, p. 251). Estes traços assertivos são já fornecidos pela/ na relação apresentada. É interessante, e não menos curioso, percebermos que, neste momento, Maslow procura deixar claro que é necessário dizer o que é, ou como se caracteriza de modo afirmativo, o conjunto de proposições capazes de levar à emergência de uma teoria motivacional humana, justamente quando busca mostrar que a descrição, a que procedeu anteriormente no artigo, pode ser tomada como propiciadora da

25 25 constituição de uma teoria válida, a respeito da qual as filiações inspiradoras podem ser reconhecidas, assim como o caráter exploratório se mantém indicado. Enfim, o que gostaríamos de estar apontando especificamente nesse momento de análise da obra de Maslow é que, além do conteúdo positivo das próprias afirmações relacionadas, também a tipologia constitucional da teoria que ele avança metodologicamente preserva requisições de organicidade, sistematicidade e abertura a ponto de poder explicitamente declarar: Essa fusão em síntese pode ser arbitrariamente chamada de teoria geral e dinâmica (MASLOW, 2003, p.251). Oras, são esses aspectos que acabamos de fazer notar que nos reconduzem às considerações com que iniciamos a proposição de um segundo momento (neste trabalho). O importante não é recuperar, apenas, elementos de fundo histórico da constituição, sobretudo, do pensamento ocidental no qual poderíamos buscar encontrar a presença do que viria a constituir, em nossos dias, correntes teóricas mais afinadas com a elaboração de visões, perspectivas e posições na Psicologia que queremos discutir; antes, nossa intenção é manter em vista o contexto das diversas vertentes que promoveram (e promovem) a apreciação e a atualização de pensamentos acerca do homem, de sua natureza e, inclusive, da própria questão da existência ou não de uma natureza humana. Muito se poderia investigar aqui, com grande proveito para diversos aspectos em que os estudos e investigações da condição psicológica levam a encaminhar esse saber (e prática) para outros patamares, mais abrangentes e transcendentes, sobretudo com relação à tradição clássica greco-latina de natureza, desafiada modernamente por correntes expressivas do pensamento humano, desde o darwinismo, passando pelo materialismo histórico, o pensamento da psicanálise e as vertentes estruturalistas e pós-modernas, cujas implicações trazem sérias dúvidas e questionamentos para o próprio conceito (e seu estatuto) de natureza. Na realidade, o que nos interessa mais é apontar alguns traços fundamentais de tal modo que possamos ter e constituir consistentemente uma perspectiva sólida, na qual se posiciona Maslow ( e outros pensadores de seu nível), com suas proposições e teoria frente ao contexto constituído pelos diferentes posicionamentos clássicos, e possamos claramente discernir os lugares de onde fala Maslow e poder perceber

26 26 quais são os seus interlocutores, ou antes, bem mais, o background que lhe serve (positiva e negativamente) de referência. Brevemente, pois, introduzimos agora um sumário do que nos parece relevante apontar, delineado com base nos quadros de uma estipulação conceitual (sobre a motivação), bastante simples, mas, por isso mesmo, de utilidade para remeter-nos às implicações envolvidas. Assim, embora a motivação pareça corresponder a tudo o que é capaz de compelir alguém a comportamentos determinados, entre aqueles que se dedicam (e dedicaram) a verificar a situação com relação aos elementos, fatores e variáveis impulsionadoras, isto é, todos aqueles que, de uma outra maneira, poderiam ser significativos no que diz respeito a induzir a ações, atitudes e comportamentos (no homem), a questão não é exatamente pacífica e as posições muitas vezes chegam a divergir até chegar mesmo a antagonismos. Desde há muito, desde quando se afirmaram os embriões de um pensamento tido por racional e desenvolvido na cultura da civilização grega em face de tradicionais visões míticas do mundo e do homem, as posições foram se diversificando. Sem dúvida, para aqueles para os quais o homem, por sua natureza de criatura passiva, encontrava-se submetido à força e ação de elementos sobrenaturais, a própria questão dos motivos e da motivação não se colocava, uma vez que substantivamente era percebido muito mais como instrumento, e nesta situação tudo quanto se referisse a aspectos motivacionais seria, antes de mais nada, da ordem do externo, não passível de controles eficientes científicos ou racionais (cabe notar que, mesmo em formulações muito posteriores, na época moderna e mesmo em nossa própria contemporaneidade, traços dessa visão se mantiveram, sobretudo em configurações extremamente reducionistas e mecanicistas, nas quais a determinação originava-se e submetia-se quase que exclusivamente por elementos fora do âmbito de uma volição humana, de tal modo que falar em motivos reduzia-se a pensar em elementos de causalidade, fazendo-se subtrair à questão uma dimensão mais presente de subjetividade humana); são dessa ordem, as visões materialistas e mesmo aquelas ortodoxamente derivadas da postulação de um inconsciente cujo acesso praticamente era negado, bem como

27 27 posições de caráter estruturalista inadequadamente fundamentadas que reservavam ao ser humano o papel de um ator cujo comportamento, atitudes e mesmo concepções já eram estabelecidos e dados de antemão, de tal modo que não restava a ele senão assumir papéis previamente estipulados. Sem dúvida, nestes momentos mais recentes das concepções teóricas, mesmo aquilo que se poderia considerar como determinações procedentes de um âmbito interno, o fato de que a subjetividade se encontrasse cerceada, seja por estruturas internalizadas seja por dimensões de um desconhecido ao qual não se teria senão acessos mediatizados por fenômenos dependentes de interpretação, trazia (traz) um deslocamento tal que falar-se em motivação causava, no mínimo, um certo desconforto. Por outro lado, a evolução do pensamento ocidental atingiu igualmente implicações restritivas quando, tendo o ser humano passando a ser considerado (sob o influxo de correntes que, na atualidade, se caracterizaram por um racionalismo de tipo positivista e mecanicista) como mecanismo, as ações e reações, nele, deveriam ser observadas e consideradas, no máximo, como resultados da atuação de leis de tipo físico (da Física), o que levava a uma perspectiva na qual assumia (assume) extrema relevância a presença (ou não) de estímulos (conhecidos e observáveis) originadores de reações (também para as quais se requeria a necessidade de conhecimento e observação adequadas, para os fins do estabelecimento de uma regularidade forte que permitisse considerar-se a presença atuante de leis); neste caso, ganham (ganhavam) um peso extremamente decisivo os critérios suscetíveis do estabelecimento de teorias comportamentalistas fundamentalmente positivistas. Já nos séculos XVIII e XIX, em plena época moderna, com os descobrimentos ocorrendo nas diversas áreas das Ciências Naturais, adquirem particularmente uma expressão de relevância aquelas concepções derivadas de teorias que culminariam no que conhecemos como teoria da evolução (e suas derivações), para as quais, numa compreensão bastante rasa, o homem, na escala evolutiva, decerto seria um animal superior aos demais, mas ainda assim um animal, o que implicaria em que nada de sumamente substantivo tornaria sua natureza distinta da dos demais animais. Como resultado de tal tipo de visão, o que se coloca sobretudo como

28 28 implicativo e essencial é a compreensão do papel das necessidades básicas, fontes, impulsos primários situados na ordem do instintivo, de cuja satisfação dependeria basicamente a determinação do comportamento humano. Ainda que tais concepções carreguem uma vinculação aparentemente mais próxima entre necessidades e satisfação (ou frustração) e os conseqüentes comportamentos suscitados, as propriedades em se trabalhar conceitualmente com categorias como motivo e motivação, no interior desse quadro, não permitiriam ainda abrir adequadamente o espaço para se pensar também um outro grande tema correlato, o da liberdade, também estudado ao longo da história do pensamento na civilização ocidental, uma vez que a dominância de necessidades básicas e sua satisfação apresentavam inúmeros problemas para se poder pensar a situação do ser humano, da constituição de sua natureza, e o papel, as funções e os significados de situações de escolher e de toda uma série de noções, categorias e conceitos associados, como, por exemplo, o de transcendência, superação, realização, valores, dentre outros (para nós, no escopo de nossa investigação, decisivos para se pensar os rumos dos atuais momentos dos saberes psicológicos com a intervenção de A. Maslow). Enfim, do lado desta vertente, as pesquisas e investigações levadas a efeito, por exemplo, com experimentos envolvendo ratos, cobaias, macacos e outros animais seriam capazes de fornecer dados informacionais básicos para, por extrapolação ou analogia, pensar-se a investigação da situação humana, uma vez que o homem nada de novo apresentaria, ainda que situado no ápice de uma cadeia evolutiva, em relação aos demais seres vivos, sendo visto, ainda, como resultado e produto de tendências instintivas, isto é, básicas. Se, guardadas as devidas proporções, observarmos como, no decorrer do pensamento ocidental, o homem chega a ser compreendido e pensado como produto da sociedade em que vive o que, de uma ou outra maneira, negativamente ou não, foi a tônica de estudiosos mais diretamente preocupados com as conseqüências do comportamento humano para os aspectos sócio-políticos das organizações sociais, apenas estamos deixando um pouco mais à parte a situação das determinantes de caráter biológico para fazer sobrelevar aquelas de natureza

29 29 social. Àqueles que se pautam por tal orientação, a motivação acaba sendo colocada, predominantemente, em elementos de ordem externa-social, que, levados às últimas conseqüências acabam por subordinar o homem às estruturas e padrões culturais dominantes. No entanto, a matriz de raciocínio que conjuga e condiciona essa vertente ainda é substancialmente a mesma- a ação e o comportamento humanos determinam-se por necessidades (naturais ou socialmente elaboradas), reduzindo-se as dimensões da motivação também aos limites de uma teoria da causalidade cujo poder de fogo explicativo privilegia esquemas dominantemente positivistas. Por outro lado, uma tendência ocupou (e tem ocupado) com bastante expressividade essa área de interrogações, desde que, buscando atingir um estatuto de maior cientificidade, segundo o modelo nomológico-explicativo da tradição ocidental racionalista, a Psicologia enveredou pelos caminhos de uma maior auto nomização, também possível de ser percebida, dentre várias das vertentes, com a emergência de posições que levam o tratamento e consideração do comportamento humano para uma perspectiva, igualmente bastante restritiva, segundo a qual são forças, pulsões, tendências, cujo conhecimento nos é imediatamente negado ou acessível, e que se formulam (aos olhos dos estudiosos) como inconscientes, ou seja, à parte das condições de reflexividade usuais, aqueles elementos determinantes das atitudes, posicionamentos e comportamentos humanos; nessa situação, as assim, poderíamos dizer, razões legítimas e genuínas (as motivações, usando outro registro) compelidoras seriam, em sua originalidade, ignoradas de todo por nós, ainda que supostamente pensássemos saber reconhecer as razões pelas quais agimos de uma ou outra forma (essa, por exemplo, seria a situação das racionalizações elaboradas, por exemplo, subjetivamente, para se entender e explicar comportamentos). Também, neste caso, a impossibilidade de se chegar à coisa em si (vertente Kantiana no campo psicanalítico) mas apenas aos modos de manifestações delas os fenômenos, como sonhos, lapsos, associações, etc. -, reduziria, agora sob limitações de natureza hermenêutica e fenomenológica, igualmente a figura humana a uma passividade frente a forças em sua primordialidade desconhecidas. Com o

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Elisa Cristina Amorim Ferreira Universidade Federal de Campina Grande elisacristina@msn.com RESUMO: O trabalho docente é uma atividade

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA

A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA A CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO EPISTÊMICO EM BIOLOGIA Janice Silvana Novakowski Kierepka - janicekierepka@bol.com.br Tamini Wyzykowski - tamini.wyzykowski@gmail.com Tatiane Cristina Possel Greter tati.cris2010@gmail.com

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO)

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 2 cm (arial / times roman 12 ) TIRAR NUMERAÇÃO PARA IMPRESSAO CAPA CIDADE/ESTADO 2 c m ANO (NOME) TÍTULO DO PROJETO) (arial / times roman

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe Profª Heloisa Helena SOBRE A JORNADA A Jornada de Iniciação Científica é um evento permanente da Unifebe e se constitui em uma ação

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação INTRODUÇÃO O presente livro constitui registro e reflexão coletiva sobre a primeira experiência desenvolvida na disciplina Docência no Ensino Superior, ofertada pelo Departamento de Teoria e Planejamento

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais