A INTERFERÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERFERÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR"

Transcrição

1 A INTERFERÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Área: DEMAIS ÁREAS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS Categoria: PESQUISA Josiane Peres Gonçalves Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. Professora do Curso de Especialização em Docência no Ensino Superior da UNIPAN. Rua Francisco Bartinik, 1947, BL C1, AP 32, Cascavel PR. Alfonso Felizari Leite Bacharel em Administração com ênfase em Marketing, Especialista em Docência no Ensino Superior pela UNIPAN. Comerciante do ramo alimentício. Marcos Pavinato Bacharel em Administração, Especialista em Docência no Ensino Superior pela UNIPAN. Comerciante do ramo moveleiro. Resumo Thaís Zanette Leite Especialista em Docência no Ensino Superior pela UNIPAN. Comerciante do ramo alimentício. Este artigo tem por objetivo identificar qual a percepção de docentes e discentes do ensino superior sobre a interferência que as relações interpessoais ocorridas em sala de aula exercem sobre a aprendizagem escolar. Para o desenvolvimento da pesquisa, além de diversos autores que abordam a temática, inerente ás relações interpessoais, foi realizada uma coleta de dados com 25 professores 83 alunos dos últimos anos dos cursos de Pedagogia, Psicologia, Engenharia de Produção e Ciências Contábeis de uma faculdade particular de Cascavel - PR. O instrumento utilizado foi um questionário com nove questões fechadas e uma aberta sobre assuntos como: relacionamento, desempenho nas matérias escolares e conflitos entre os professores e alunos. Os resultados indicaram que quando havia conflitos na relação professor e aluno, os alunos demonstravam insatisfação em relação à disciplina, dificultando o processo de aprendizagem. Estas informações também foram confirmadas pelos professores. Concluise que relações interpessoais saudáveis não somente favorecem o desenvolvimento escolar e uma boa convivência em sala de aula, como são indispensáveis para alcançar o objetivo proposto, ou seja, o desenvolvimento do aluno e a melhora qualitativa no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Relações interpessoais. Aprendizagem escolar. Ensino superior.

2 2 A INTERFERÊNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Área: Demais áreas das Ciências Sociais Aplicadas Categoria: PESQUISA Resumo Este artigo tem por objetivo identificar qual a percepção de docentes e discentes do ensino superior sobre a interferência que as relações interpessoais ocorridas em sala de aula exercem sobre a aprendizagem escolar. Para o desenvolvimento da pesquisa, além de diversos autores que abordam a temática, inerente ás relações interpessoais, foi realizada uma coleta de dados com 25 professores 83 alunos dos últimos anos dos cursos de Pedagogia, Psicologia, Engenharia de Produção e Ciências Contábeis de uma faculdade particular de Cascavel - PR. O instrumento utilizado foi um questionário com nove questões fechadas e uma aberta sobre assuntos como: relacionamento, desempenho nas matérias escolares e conflitos entre os professores e alunos. Os resultados indicaram que quando havia conflitos na relação professor e aluno, os alunos demonstravam insatisfação em relação à disciplina, dificultando o processo de aprendizagem. Estas informações também foram confirmadas pelos professores. Concluise que relações interpessoais saudáveis não somente favorecem o desenvolvimento escolar e uma boa convivência em sala de aula, como são indispensáveis para alcançar o objetivo proposto, ou seja, o desenvolvimento do aluno e a melhora qualitativa no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Relações interpessoais. Aprendizagem escolar. Ensino superior. 1. Introdução No contexto escolar, muitos aspectos, interferem no processo de aprendizagem, sendo um dos que pode ser considerado muito importante, diz respeito às relações estabelecidas em sala de aula, especialmente no que se refere a relação professor-aluno. Sabe-se que no ambiente escolar existe uma grande diversidade de alunos que juntamente com o professor, forma um grupo de pessoas com cultura diferenciada, e ao mesmo tempo em que contribui com a formação de todos os envolvidos, pode interferir no relacionamento que ocorre no espaço escolar. Normalmente se acredita que se as relações interpessoais existentes na escola forem saudáveis, elas podem contribuir com a melhor aprendizagem dos alunos. Mas até que ponto trata-se de uma verdade? Será que professores e alunos concordam com esta suposição? São estas e outras indagações que esta pesquisa, que tem por objetivo identificar a percepção de docentes e discentes do ensino superior sobre a interferência que as relações interpessoais ocorridas em sala de aula exercem sobre a aprendizagem escolar, busca responder.

3 3 Para atender ao objetivo proposto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre autores que abordam a temática referente às relações interpessoais, e sua relação com a sala de aula, e também uma pesquisa de campos com professores e alunos de diversos cursos de graduação da faculdade particular de Cascavel PR. 2. Relações Interpessoais e Processo de Ensino Ao trabalhar a relação professor-aluno busca-se compreender as relações interpessoais e o vínculo que nelas se estabelece através do conceito proposto por Antunes (2003, p. 09): Relações interpessoais é o conjunto de procedimentos que, facilitando a comunicação e as linguagens, estabelece laços sólidos nas relações humanas. A originalidade de cada indivíduo dificulta a comunicação interpessoal e com ela todo esquema de relações humanas, que envolve o segredo do conviver. Esta particularidade humana está presente em qualquer família, em um escritório, na escolha de companheiros, nos partidos políticos e, naturalmente, na sala dos professores e em toda sala de aula. O estudo e a prática das relações interpessoais buscam analisar os fatores condicionantes das relações humanas e, face aos mesmos, sugerir procedimentos que amenizem a particularidade de cada um e dinamizem a solidariedade entre todos os que buscam conviver em harmonia. Para Gonçalves (2006), somos seres incompletos que dependemos dos outros, cujas vivências resultam em trocas. Estas trocas são necessárias para não só aprendermos do outro enquanto diferente de nós, como, simultaneamente confirmamos nossa singularidade. Guareschi (2002) também acredita que o ser humano é incompleto fundamentando-se na concepção de ser humano como relação, ou seja, não é possível ser alguém sem a presença de outra pessoa. Não se pode ser professor sem a presença do aluno e este último não existiria sem a presença do primeiro. Para o autor, o ser humano se torna mais pessoa através das relações que estabelece com os outros. As relações interpessoais, no contexto escolar, tiveram conotações diferenciadas conforme a proposta educativa predominante. De acordo com Antunes (2003), quando a concepção de escola pressupunha que sua única razão de existir era a de transmitir informações segundo planos sistemáticos e garantir às novas gerações o domínio da herança cultural acumulada, o papel do professor restringia-se especificamente à exposição dos conteúdos. Nesse contexto, era possível pensar que alunos e professores habitassem mundos diferentes que se cruzava com objetivos claramente distintos; alguns para dizer, outros para ouvir. A escola ao assumir, entretanto, um papel educativo e, assim, transformar o ser humano, capacitando-o para a vida, as relações interpessoais passaram a ganhar uma dimensão imprescindível, ampliando assim as exigências inerentes à função docente. Segundo Pimenta (2002), na sociedade brasileira contemporânea, novas exigências são acrescentadas ao trabalho dos professores. Com o colapso das velhas certezas morais, cobrase deles que cumpram funções de família e de outras instâncias sociais; que respondam à necessidade de afeto dos alunos; que resolvam os problemas da violência, da droga e da indisciplina; que preparem melhor seu aluno para a vida em sociedade. É claro que não se pode esperar que o professor resolva sozinho toda esta problemática, mas tal realidade indica que é importante valorizar as relações interpessoais, visto que, conforme Moraes (1994), a relação professor-aluno pode proporcionar um encontro existencial do qual ninguém sai ileso. No convívio de sala de aula, todos são influenciados pelas relações que se estabelecem uns com os outros.

4 4 Se as relações interpessoais são tão importantes no âmbito escolar e para a vida do ser humano, pode-se questionar: quando devemos trabalhar relações interpessoais no contexto didático-pedagógico? De acordo com Antunes (2003), não é fácil definir essa questão, pois as relações que envolvem alunos e professores, professores e professores, professores e pais e ainda muitos outros atores do universo escolar, são marcadas pelo imprevisível e, como assim são, nem sempre é possível antecipar o uso de uma ação ou estratégia que atue como sensibilizadora das relações interpessoais. Mas, mesmo considerando a importância dessas reflexões e dessas ações que envolvem as relações interpessoais para uso eventual em circunstâncias imprevisíveis, é essencial que o profissional encarregado de fazê-las mostre-se preparado e com sensibilidade para perceber o oportunismo do momento e tenha domínio das estratégias de execução. Têmse assim, conforme Antunes (2003), fazendo parte do nosso cotidiano três elementos que exigem resposta: é preciso fazer alguma coisa pelas relações interpessoais; é preciso estar preparado para esse fazer; e, é preciso aproveitar o momento certo para fazê-lo. Antunes (2003) ainda questiona: Além desse uso eventual ditado pelas circunstâncias do momento, não seria o caso de transformar o acidental em permanente? De incorporar à rotina do currículo um projeto de relações interpessoais, mesmo que com outros títulos e rótulos? O autor menciona que, ainda que não seja necessário abdicar de usos eventuais em circunstâncias específicas, é possível buscar alternativas. Através de projetos, por exemplo, é possível propiciar ao aluno atividades programadas e, portanto, iluminadas por objetivos claros, recursos materiais e humanos previamente organizados, temas estruturados segundo os anseios da instituição e das famílias, estratégias definidas através de uma programação dinâmica e progressiva e sistemas de avaliação consistentes. Desnecessário dizer que o emprego sistemático de um verdadeiro projeto de relações interpessoais não exclui a eventualidade de trabalhar essas relações em uma ou em outra circunstância. O fato de sentirmos solidariedade no combate a fome não impede que também se busque combater o nosso frio. Ou o fato de trabalhar um determinado conteúdo na escola não impossibilita o trabalho voltado ao desenvolvimento das relações interpessoais inerentes aos sujeitos que fazem parte do processo educativo. 3. Metodologia Para melhor compreender como se estabelecem as relações entre professores e alunos no ensino superior e se as relações interpessoais interferem no processo de aprendizagem do estudante universitário, foi realizada uma pesquisa exploratória de abordagem qualitativa e quantitativa, com 25 professores de ambos os sexos, pertencentes ao quadro de professores de uma faculdade particular de Cascavel, e com 83 alunos dos cursos de Pedagogia, Psicologia, Engenharia de Produção e Ciências Contábeis da mesma instituição, sendo que todos cursavam os últimos períodos do curso de graduação. Como instrumento para a coleta de dados foi utilizado um questionário com 09 questões fechadas e uma aberta, tanto para professores quanto para os alunos. O assunto das questões era idêntico, porém adequado aos docentes e discentes. Decidiu-se por realizar a referida pesquisa após contatos com professores e alunos, onde foram citadas várias reclamações, de ambas as partes, sobre comportamento em sala de aula e a dificuldade ocasionada por este fator, no bom desempenho da classe. A pesquisa levou a uma melhor compreensão da situação e possibilitou uma ótima discussão sobre o assunto entre a realidade das salas de aula e a literatura existente. Para análise dos dados foi realizada a tabulação das questões fechadas e leitura da questão aberta, obtendo-se assim um panorama geral do assunto.

5 5 4. Resultados e Discussão Considerando que a pesquisa foi realizada com professores e alunos, para a organização dos dados, optou-se por analisar primeiramente as respostas dos alunos, em seguida as dos professores para, finalmente, fazer uma reflexão sobre as respostas apresentadas por ambos os grupos pesquisados. No que se refere a opinião emitida pelos alunos sobre o relacionamento com os seus professores, a grande maioria (76%) considera positivo o tipo de relação estabelecido em sala de aula, sendo que a resposta foi à mesma para as duas próximas questões que dizem respeito ao desempenho em relação às notas e também ao aprendizado no transcorrer do curso. É interessante ressaltar que nas disciplinas em que os alunos encontram maior facilidade para aprender, 99% dos entrevistados responderam que o seu relacionamento com os docentes é considerado bom. Ou seja, os dados indicam que quando a relação professoraluno é saudável, o processo de ensino e aprendizagem torna-se mais eficaz, talvez porque o que ocorre na sala de aula vai além do que está previsto no planejamento de ensino. Nesse sentido, Gusdorf (apud HAYDT, 2002, p. 206) destaca que: A situação pedagógica é uma situação de encontro existencial e de coexistência entre duas personalidades. É um diálogo venturoso, um colóquio singular entre dois seres que se expõem e se revela um ao outro. Mestre é aquele que surge num dado momento, e, numa certa situação como testemunha de uma verdade, representante de um ideal ou revelador de um saber. Questionados a seguir sobre o relacionamento com os professores nas matérias com maior dificuldade de aprendizado, 21% responderam que é regular e 1% considera que é ruim. Nota-se que a influência negativa no aprendizado, quando o relacionamento é difícil, conforme evidenciado no gráfico 1: GRÁFICO 1 Relação dos alunos com os professores nas matérias que têm dificuldades. otimo 17% bom 61% regular 21% ruim 1% Assim como as relações interpessoais positivas contribuem com o processo de ensino e aprendizagem, o oposto também ocorre, ou seja, se há problemas na relação professor e aluno, há uma grande probabilidade de os alunos apresentarem dificuldades na disciplina ministrada pelo professor.

6 6 Para Borges (2008), os professores devem valorizar os alunos dando mais ênfase no aluno e não na matéria, como geralmente acorre. Não significa dizer, no entanto, que o professor abandonará seus conteúdos, pois somente aqueles professores que alcançaram um grau de conhecimentos significativos sobre seus conteúdos é que são capazes de se libertarem dos mesmos, para efetivamente, dar atenção devida para as reais necessidades de seus alunos. O professor deve valorizar seu aluno permitindo-lhe o desenvolvimento do seu aprendizado, para que ele seja capaz de construir e reconstruir, elaborar e re-elaborar seu conhecimento de acordo com sua habilidade e seu ritmo. Um dos fatores que podem interferir nesta capacidade de valorização das relações interpessoais em sala de aula pode ser imputado à difícil separação da vida pessoal/profissional, principalmente por parte dos professores, que para obter um relacionamento saudável com os alunos devem saber administrar os seus problemas pessoais, uma vez que é impossível afastá-los completamente, mesmo estando em sala de aula. Mosquera e Stobäus (2002) que, ao estudar sobre a idade adulta e sobre a afetividade no contexto escolar, comentam sobre a tentativa infrutífera de separar a vida pessoal do professor de sua vida profissional. Lembram que um professor com mais condições de ser bem sucedido seria aquele que desenvolvesse uma personalidade saudável e melhores relações interpessoais, tentando encaminhar-se para uma educação efetiva. Quando questionados se em sua concepção o relacionamento professor aluno interfere no aprendizado e desempenho do aluno, as respostas indicaram que para o sucesso do aprendizado o bom relacionamento é imprescindível, conforme gráfico 2: GRÁFICO 2 Interferência da relação professor e aluno no processo de aprendizagem. muito 71% medio 18% pouco 4% não interf 7% Neste contexto vale efetuar um gráfico comparativo entre as disciplinas, visto que é diferente a percepção dos alunos de cada curso a respeito das relações interpessoais ocorridas em sala de aula. É possível constatar, por exemplo, que para os acadêmicos de Pedagogia, o relacionamento é de suma importância, enquanto que os discentes de outros cursos atribuem menor valor, conforme gráfico 3:

7 7 GRÁFICO 3 Comparativo entre os cursos sobre a interferência das relações professor e aluno para a aprendizagem muito medio pouco ñ interf 0 pedagogia cienc cont psicologia eng prod GERAL As respostas indicam que todos sabem da importância do relacionamento professor aluno, o difícil é colocar isto na prática. Conforme Luckesi (1994) trata-se de aprender a aprender, ou seja, é mais importante o processo de aquisição do saber do que o saber, propriamente dito. Portanto o bom profissional deve estar preparado para diversas situações inesperadas, para quando o inusitado acontecer, não interfira no bom relacionamento com os alunos e conseqüentemente ao transcurso normal da aula. Perguntados se já foram prejudicados sem motivo aparente por algum professor, 44% responderam que de uma a mais vezes, conforme gráfico 4: GRÁFICO 4 Quantidades de vezes em que os alunos foram prejudicados pelos professores. sempre alg vezes 25% uma vez 19% nunca 56% A única questão aberta, indagava sobre as causas dos conflitos existentes entre os professores e alunos. As respostas predominantes referiam-se, segundo a opinião dos alunos, a algumas posturas do professor, falta de conhecimento da matéria, autoritarismo, falta de profissionalismo, falta de experiência, faltas em excesso, entre outros. Vale ressaltar que novamente nesta questão onde envolve relacionamento interpessoal a grande maioria (70%) dos alunos de Pedagogia, respondeu que já foram prejudicados sem motivo aparente por algum professor. Ou seja, um curso em que se trabalha mais sobre disciplinas humanísticas, o problema de relacionamento entre professores e alunos parecem

8 8 ser mais graves. Talvez, justamente, porque os alunos identificam melhor estes problemas e procuram não ficar neutros diante de uma situação que consideram inadequada para o contexto de sala de aula. Ao mesmo tempo, foi possível constatar que em outros cursos, a maior queixa dos alunos relaciona-se à falta de preparo, pois com a falta de professores no mercado de trabalho, faz com que as instituições de ensino superior busquem profissionais de outras áreas para preencher as referidas vagas, e muitas vezes os mesmos não estão preparados para atuar em sala de aula, ou não estão motivados para a função docente. A grande percentagem de alunos que se dizem prejudicados ou perseguidos pelos educadores tende a levar a uma grande reflexão sobre o assunto, e questionar sobre o despreparo dos professores para lidar com situações adversas. Nesse sentido, Enricone (2002, p.105) comenta que: Para relacionar-se positivamente com outros, é necessário ter abertura para a diversidade e estrutura democrática para poder viver bem em um mundo múltiplo e plural. Não é necessário sempre dizer que sim, precisamos aprender a elegantemente saber dizer não, sem sermos cruéis ou desnecessariamente impositivos. O resultado exposto anteriormente agrava-se principalmente se for levado em conta que a média de idade dos pesquisados ficou em torno dos 30 anos, ou seja, não se está falando de crianças ou adolescentes, mais sim de pessoas adultas, que teriam por obrigação discernir sobre o que é certo ou errado, e principalmente do porque estão em salas de aula. Para corroborar ainda mais este fator a resposta à outra pergunta, 23% dos entrevistados afirmaram que estas divergências com professores ocasionaram dificuldades na sua jornada educacional. Uma das possíveis respostas para esse problema pode estar na conclusão da questão seguinte onde perguntamos sobre qual foi o fator principal para a escolha da profissão. No contexto geral apenas 32% responderam que a escolha da profissão deu-se por vocação. Novamente a turma de Pedagogia, o equivalente a 24% do total de alunos entrevistados, respondeu que escolheram por questões financeiras e oportunidade de emprego, e apenas 52% por gostar da profissão (gráfico 5). Portanto conclui-se através deste fato algumas das possíveis causas de problemas em sala de aula, ou seja, falta de motivação pela profissão. GRÁFICO 5 Motivo da escolha da profissão pelos alunos pedagogia cienc cont psicologia eng prod GERAL professor oportunidade vocação rend financ pais outros

9 9 O bom relacionamento professor-aluno deve ser preponderante durante o percurso escolar, pois conforme foi visto na resposta acima, o grande número de pessoas que ficaram marcadas emocionalmente durante a trajetória escolar, muitas vezes porque faltou num determinado momento o controle emocional de uma, ou das duas partes envolvidas. Güell Barceló e Muñoz Redon (citado por ENRICONE, 2002, p. 93) comentam sobre a necessidade de desenvolver um programa de alfabetização emocional. Isto parece de grande importância quando se percebe uma desensibilização das pessoas no cotidiano. Encerrando os questionamentos com os discentes, conclui-se que grande parte, já se sentiu prejudicada de alguma maneira por alguns docentes, e, algumas vezes deixando conseqüências na sua jornada escolar. Ao discorrer sobre as entrevistas com os professores, no primeiro questionamento, referente ao relacionamento com seus alunos em sala da aula, 100% dos entrevistados responderam ser bom ou ótimo. Já em relação ao seu desempenho quanto às notas obtidas pelos alunos, 12% acham que tiveram uma atuação regular e 72% tiveram boa atuação, conforme gráfico 6: GRÁFICO 6 Percepção dos professores sobre o seu desempenho em relação as notas dos alunos. OTIMO 16% BOM 72% REGULAR 12% É preocupante quando o profissional educador acha que o seu desempenho não está conseguindo propiciar ao aluno um nível de conhecimento suficiente para ajudar na sua formação, faltando-lhe muitas vezes apenas conversar com o aluno e descobrir a causa da sua dificuldade. Todo professor gostaria de ministrar uma aula memorável, de tal forma que os seus alunos pudessem se lembrar posteriormente, mas sabe-se que para chegar a esse ponto, necessita-se de maior paixão pelo que se faz e por quem se faz, mas o saber evolui rapidamente sobre a aprendizagem e, por isso, compreende-se que é essencial estudar muito, ou seja, estudar sempre. Antunes (2003), diz que para haver um processo de intercâmbio que propicie a construção coletiva do conhecimento, é preciso que a relação tenha como base o diálogo. É por meio do diálogo que professor e aluno juntos constroem o conhecimento, chegando a uma síntese do saber de cada um. Vale ressaltar aqui o método Socrático, segundo Strathern (1998), onde consta que Sócrates adotava sempre o diálogo, que revestia uma dúplice forma, conforme se tratava de um adversário a rebater ou de um discípulo a instruir. No primeiro caso, assumia humildemente a atitude de quem aprende e ia multiplicando as perguntas até colher o adversário presunçoso em evidente contradição e constrangê-lo à confissão humilhante de sua

10 10 ignorância. É a ironia socrática. No segundo caso, tratando-se de um discípulo (e era muitas vezes o próprio adversário vencido), multiplicava ainda as perguntas, dirigindo-as agora a fim de obter, por indução dos casos particulares e concretos, um conceito, uma definição geral do objeto em questão. A este processo pedagógico, em memória da profissão materna, denominou-se de maiêutica ou engenhosa obstetrícia do espírito, que facilitava a parturição das idéias. Na questão que indagava se já se sentiram prejudicados sem motivo por um ou outro graduando, 76% do professores entrevistados afirmaram que sim, sendo a principais causas relativas aos conteúdos trabalhados (gráfico 7). GRÁFICO 7 Quantidades de vezes em que os professores foram prejudicados por algum aluno. ALGUMAS VEZES 60% UMA VEZ 16% NUNCA 24% Perguntado aos professores se no passado, enquanto alunos, o conflito com algum professor ocasionou ou não, alguma dificuldade em sua jornada educacional. Sendo que 16% responderam mais de uma vez e 12% uma vez, conforme gráfico 8: GRÁFICO 8 Quantidades de vezes em que os professores, quando eram alunos, se sentiram prejudicados por seus mestres. MAIS DE UMA VEZ 16% UMA VEZ 12% NUNCA 72% A resposta a esta questão deixa claro que independentemente de época ou idade, o bom relacionamento professor-aluno é imprescindível para a compreensão mútua e consequente aprendizado de ambas as partes, e mostra que, mesmo com o passar do tempo, a

11 11 situação não muda, pois os atuais professores relatam situações semelhantes da época em que eram alunos de outros níveis de ensino. Apesar de a maioria (72%) afirmaram que nunca houve este tipo de problema, talvez por se considerarem bons alunos, ou pelo fato de que com o tempo não se lembram tanto das suas atitudes de alunos, visto que as lembranças da sua atuação docente são as predominantes. Na questão seguinte que indagava se o conflito com algum aluno pode interferir no bom andamento da aula como um todo, 70% dos professores disseram que sim, confirmando o ditado popular de que uma laranja podre, pode estragar toda a caixa. Na sala de aula é muito comum que um aluno visto como bagunceiro interfira no comportamento dos demais por ter um perfil de liderança, fazendo com que toda a sala seja influenciada por suas atitudes. Assim, o professor precisar ter equilíbrio para saber lidar com a situação e acima de tudo ter uma postura de autoridade diante da turma. Para Luckesi (1994), na relação professor-aluno prevalece à autoridade do professor, exigindo uma atitude receptiva dos alunos e impedindo a comunicação entre eles. O professor transmite o conteúdo como uma verdade a ser retida, sendo que estes conteúdos do ensino correspondem aos conhecimentos e valores sociais acumuladas pelas gerações passadas como verdades acabadas, e, apesar da escola objetivar a preparação para a vida, não busca estabelecer relação entre conteúdos que se ensinam e os interesses dos alunos, tampouco entre esses e os problemas reais que afetam a sociedade. Uma das funções principais da escola, desse modo, é transmitir conhecimentos disciplinares para a formação geral do aluno, formação essa que o levará, a inserir-se futuramente na sociedade, a optar por uma formação valorizada. Quando perguntado aos professores sobre a sua influência exercida nos alunos no processo de escolha e permanência na profissão, já que nem todos os alunos do ensino superior têm convicção de que realmente é aquela área que pretende seguir, todos os docentes responderam que influenciam no sentido de levar o aluno a perceber se fez a escolha certa. Nota-se que realmente os docentes sabem que têm responsabilidades em relação aos discentes no processo de formação profissional, principalmente por prepará-los para encarar as situações adversas que encontrarão no decorrer de suas vidas. Nesse sentido, Antunes (2003, p.12) relata que: A escola ao assumir, um papel "educativo" e, portanto, ao usar a herança cultural a ser transmitida como instrumento para desenvolver competências, aguçar sensibilidades, ensinar a aprender, animar inteligências, desenvolver múltiplas linguagens, capacitar para viver, e assim, "transformar" o ser humano; as relações interpessoais passaram a ganhar dimensão imprescindível. Pode-se notar que a totalidade dos professores e a grande maioria dos alunos acreditam que o bom relacionamento entre professor e aluno deve prevalecer, para que ambas as partes se beneficiam. Ou seja, o bom convívio faz com que o professor ministre as suas aulas de maneira que os alunos aprendam com maior facilidade. O estudo e a prática das relações interpessoais busca examinar os fatores condicionantes das relações humanas e, face aos mesmos, sugerir procedimentos que amenizem a angústia da singularidade de cada um e dinamizem a solidariedade entre todos que buscam conviver em harmonia. (ANTUNES, 2003 p. 10).

12 12 Conforme Magalhães (2008), por meio de relações interpessoais, pode-se trabalhar a maioria das grandes mazelas que castigam a humanidade, senão vejamos constrangimento, preconceito, discriminação, conflitos, a corrupção, estresse, guerra, destruição ambiental, ignorância, exploração e mais e mais, e que se reduzindo à sala de aula temos nas relações interpessoais entre professores e alunos e a construção de vínculos com a aprendizagem, um dos aspectos fundamentais a serem considerados, cada um pode reportar-se a experiências em que passaram a interessar-se ou a rejeitar determinadas disciplinas a partir de certos tipos de relações interpessoais. Finalizando os questionamentos com os docentes, pode-se perceber que enquanto alunos passaram pelos mesmos problemas que os alunos de hoje encontram, ou seja, os anos passam e os problemas continuam os mesmos e pouco se faz para corrigi-los. 5. Considerações Finais Ao analisar o assunto, objeto deste artigo, que é o resultado de uma pesquisa de campo realizado com alunos e professores de uma instituição particular de Cascavel, conclui-se que alunos de hoje, não diferem dos alunos de ontem, como provavelmente serão iguais no amanhã, ou seja, eles vão para as salas de aula para aprender, mas muitos não fazem nada para isso, principalmente porque envolve a questão financeira, e acham que é obrigação do professor ensiná-los. Portanto os professores podem estabelecer parâmetros de relacionamento com seus alunos, e ter a capacidade de adaptar-se a situações adversas, para que o convívio em sala de aula seja satisfatório. Freqüentemente percebe-se que é difícil parar para ouvir os outros. Ouvir os outros, e, aprender a vê-los como são realmente, é fundamental para as relações interpessoais, em especial para os professores, que devem estar muito atentos para ouvir seus alunos e orientálos conforme a necessidade. Assim, é necessário que os professores aprendam que além de dominar o conteúdo de suas disciplinas, devem saber contornar situações de conflitos e antipatias mútuas com alunos, para o bom desempenho da profissão e que o aproveitamento por parte dos educandos seja o melhor possível. É importante salientar que, o professor tem a consciência de que sua atuação, e a relação com seus alunos de hoje, com certeza repercutirá na formação do profissional do amanhã. Concluindo este trabalho nada melhor do que repetir o que o mestre Paulo Freire (1996, p. 73) que disse: "O professor autoritário, licencioso, o professor competente, sério, o professor incompetente, irresponsável, o professor amoroso da vida e das gentes, o professor mal-amado, sempre com raiva do mundo e das pessoas, frio, burocrático, racionalista, nenhum deles passa pelos alunos sem deixar sua marca. Após analisar essas belíssimas palavras pode-se concluir que o relacionamento interpessoal só tem a contribuir durante o aprendizado escolar firmando assim, uma cumplicidade do professor com o aluno, quebrando qualquer resíduo de autoritarismo, pois qualquer que seja o professor seja ele bom ou ruim contribuirá negativa ou positivamente para o futuro do educando.

13 13 REFERÊNCIAS: ANTUNES, C. Relações interpessoais e auto-estima. Petrópolis. Editora Vozes Ltda, BORGES, P F. O professor da década de 90. Artigo apresentado no simpósio de qualidade total na Universidade Mackenzie, In: GARCIA, Paulo Sérgio. Uma nova relação e o uso de redes eletrônicas. Disponível em: <http://www.geocities.com/athens/delphi/2361/profal.html>. Acesso em: 15 mai ENRICONE, D. (org.). Ser Professor 3ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática. São Paulo: Papirus, GONÇALVES, J. P. Relações Interpessoais: condição para a sobrevivência do ser humano. Psicologia Brasil (São Paulo), São Paulo, v. 4, n. 33, p , GUARESCHI, P. Psicologia Social Crítica como Prática de Libertação. Porto Alegre: EDIPUCRS, HAYDT, R.C.C. Curso de didática geral. 7ª ed. São Paulo: Ática, LUCKESI, C.C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez Editora, MAGALHÃES, L.R. Relações inter pessoais no cotidiano e aprendizagem, disponível em: <http://www.psicopedagogia.com.br/entrevistas/entrevista.asp?entrid=94>. Acesso em: 15 mai MORAES, M. L. Uma Experiência de Leitura, Interpretação e Intervenção na Dinâmica Grupal. Porto Alegre: PUCRS, Dissertação (Mestrado em Psicologia), Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, MOSQUERA, J.; STOBÄUS, C. O Professor, Personalidade Saudável e Relações Interpessoais: por uma educação da afetividade. IN.: ENRICONE, D. (org.). Ser Professor. 3ª ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, PIMENTA, S. G. Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez, STRATHERN, P. Sócrates. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA?

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? ZONTA, Marinez Arruda FACIAP/UNIPAN FERREIRA, Josiane Peres FACIAP/UNIPAN e PUCRS RESUMO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO.

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. LUCION, Jucélia Demezuk G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC), ARANHART, Leonice Tocheto G (UNIOESTE/PIBIDI/CAPES/MEC) SILVEIRA, Luciana G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC)

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional.

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional. PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Ana Beatriz Mugnatto Pacheco * Marilane Santos ** Resumo Este trabalho procura analisar e pontuar os anseios dos alunos ingressantes no curso de pedagogia

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM

Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM INTERAÇÃO PROFESSOR/ALUNO MEDIADA PELO AUDIOVISUAL: UMA ANÁLISE DO FILME OS MISERÁVEIS Carmem Silvia Rodrigues Pereira, GEPEIS-UFSM Resumo: Este estudo tem como objetivo investigar o processo de ensino

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Rosana Maria Gessinger Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS rosana.gessinger@pucrs.br Valderez Marina

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS DAMKE, Anderléia Sotoriva FACIAP / UNIPAN sotodamke@yahoo.com.br GONÇALVES, Josiane Peres PUCRS josianeperes@unipan.br Resumo O presente artigo tem

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

AVALIAR PARA MUDAR E ESTIMULAR A RESPONSABILIDADE NO ALUNO

AVALIAR PARA MUDAR E ESTIMULAR A RESPONSABILIDADE NO ALUNO AVALIAR PARA MUDAR E ESTIMULAR A RESPONSABILIDADE NO ALUNO ANTUNES, Vera Soares¹; VIEIRA, Flavia Rodrigues²; NASCIMENTO, Rosangela Conceição Gomes ³ Resumo Este artigo tem o objetivo de discutir os processos

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE

Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Um estudo sobre as características dos acadêmicos do curso de Ciências Contábeis da UNIOESTE Udo Strassburg (Docente da UNIOESTE), udo@udostrassburg.com.br, rua Rodrigues Alves, 1197, Jardim Maria Luiza,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR Juliana Menna Barreto Marcelo Schultz Moreira Luis Felipe Dias Lopes Resumo Muito se discute entre os profissionais

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA

PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA COLÉGIO TIRADENTES DA PMMG- BARBACENA PROJETO: REPENSANDO A (IN)DISCIPLINA JUSTIFICATIVA Percebendo que a indisciplina escolar é o problema que mais afeta o bom andamento dos alunos iremos trabalhar com

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti Tutoria em EAD CF(T) Biagiotti Introdução A presente apresentação pretende destacar a importância da ação do tutor na Educação a Distância abordando em especial as competências que lhe são necessárias.

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais