AS CONTRIBUIÇÕES DA DISCIPLINA DE RELAÇÕES HUMANAS E DINÂMICA DE GRUPO PARA A VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL DOS ACADÊMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CONTRIBUIÇÕES DA DISCIPLINA DE RELAÇÕES HUMANAS E DINÂMICA DE GRUPO PARA A VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL DOS ACADÊMICOS"

Transcrição

1 AS CONTRIBUIÇÕES DA DISCIPLINA DE RELAÇÕES HUMANAS E DINÂMICA DE GRUPO PARA A VIDA PESSOAL E PROFISSIONAL DOS ACADÊMICOS Resumo Maria Cleidia Klein Oliveira Mestre em Educação pela PUCRS O trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa feita ao longo de quatro semestres letivos junto aos alunos da disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo da Universidade Luterana do Brasil ULBRA. A pesquisa objetivou avaliar a importância da vivência da disciplina segundo a ótica dos alunos, a fim de entender qual tem sido a sua contribuição para a vida pessoal e profissional dos alunos. Os dados foram obtidos através de questionários de avaliação da disciplina, onde 195 alunos manifestaram-se citando as principais contribuições da disciplina para a sua vida pessoal e/ou profissional. Os dados foram analisados segundo análise de conteúdo (Bardin, 1977, Moraes, 1999) e categorizados segundo a taxonomia das habilidades sociais de Del Prette e Del Prette (2001). Os resultados indicam que a principal contribuição é o desenvolvimento de habilidades sociais, nas quais se destacam as habilidades de comunicação, as de trabalho/profissionais, as de automonitoramento e as de expressão de sentimento positivo. Palavras-chave: habilidades sociais; relações humanas; grupo. Contextualização: A disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo A disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo existe como tal na Universidade Luterana do Brasil há cerca de oito anos, originada de duas outras disciplinas da Psicologia, uma que abordava a questão das Relações Humanas e outra que estudava especificamente a Dinâmica de Grupo. Tendo em vista o número de alunos que a procuram, são oferecidas diversas turmas a cada semestre, as quais são atendidas por professores de diversas áreas, dentre elas a Psicologia, a Pedagogia e a Sociologia. Julgamos conveniente analisar alguns itens do plano de ensino da disciplina, tendo em vista a sua constante abordagem no decorrer do estudo. Consta do plano de ensino a seguinte ementa: Fundamentos e implicações das relações humanas e dos processos grupais na subjetividade contemporânea. Análise de situações reais de grupo por meio de pesquisas, jogos, técnicas grupais e vivências. Desenvolvimento de consciência crítica e habilidades interpessoais através de atividades coletivas. Depreende-se da ementa três focos básicos de atuação da disciplina, a saber:

2 a) fundamentos de relações humanas e de processos grupais, os quais virão embasar as vivências em sala de aula e as discussões acerca da dinâmica dos grupos; b) análise de situações de grupo através do exercício de vivências grupais, as quais permitirão ao aluno vivenciar situações de laboratório passíveis de aplicação prática e de vinculação teórica, a serem transpostas para a realidade através da aplicação dos conceitos estudados em aula; c) desenvolvimento de habilidades interpessoais para um bom relacionamento interpessoal, as quais subsidiam o agir consciente do indivíduo junto a outros indivíduos e/ou grupos. Dentre os objetivos específicos da disciplina, destacamos Desenvolver habilidades interpessoais pela interação em sala de aula e em outros grupos sociais que favoreçam um maior e melhor conhecimento e compreensão de si e dos outros. A disciplina se desenvolve em três frentes de forma incisiva: o embasamento teórico, que fundamenta as reflexões e as vivências; a experiência vivencial, orientada pela reflexão sobre o dia-a-dia das relações em interação com a teoria; e o exercício reflexivo de situações cotidianas, norteado também pelos conceitos estudados e pela vivência de situações grupais. A carga horária da disciplina é de 60 horas-aula, distribuídas ao longo do semestre letivo, com encontros de 4 horas/aula cada. Em função da grande demanda, há várias turmas em andamento concomitantemente. Os conteúdos trabalhados na disciplina buscam fundamentar o aluno para refletir sobre questões intrinsecamente ligadas aos processos relacionais e grupais. Parte de conceitos amplos, como relações humanas e grupo, passando pelo processo de formação grupal, motivações humanas, processo de comunicação, liderança, discute as relações na escola e vai desembocar nas questões referentes ao autoconhecimento e ao conhecimento do outro. Buscando coerência com os objetivos da disciplina, os conteúdos são apresentados de forma a subsidiar reflexões da prática relacional cotidiana e, se não constitui um objetivo específico a mudança comportamental, certamente oferece subsídios para aqueles que a desejarem. O grande foco é, certamente, o exercício de habilidades sociais, permeado pela reflexão sobre a teoria e a prática. A disciplina é obrigatória para os alunos do Curso de Educação Física (Bacharelado e Licenciatura), sendo dada no primeiro semestre do curso. Consta

3 como disciplina eletiva nos currículos dos cursos de Pedagogia Empresarial, Orientação Educacional, Supervisão Escolar e Educação Infantil; Enfermagem, Fonoaudiologia, Geografia, Secretariado Executivo, Superior de Tecnologia em Radiologia e Teologia, podendo ser cursada, então, em diversas fases dos cursos. Metodologia O estudo foi conduzido junto a 195 alunos que cursaram a disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo no período de 2001/1 a 2002/2. O instrumento utilizado foi a ficha de avaliação da disciplina, onde, dentre outras questões que buscavam avaliar o trabalho docente e o alcance da vivência da disciplina na ótica dos alunos, os alunos responderam à pergunta: Quais as contribuições da disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo para a sua vida pessoal e/ou profissional? As respostas foram unitarizadas e categorizadas também segundo análise de conteúdo (Bardin, 1977; Moraes, 1999). O estudo das respostas evidenciou que as contribuições referem-se ao desenvolvimento de habilidades sociais. Foram utilizados como categorias a priori os sete grupos de habilidades sociais apresentados por Del Prette e Del Prette (2001) na Taxonomia das Habilidades Sociais (anexo). Apresentação e discussão dos resultados Nos itens categorizados como habilidades de automonitoramento, observam-se as reflexões dos alunos sobre autoconhecimento, posicionamento diante dos outros e posicionamento diante da vida. Estas habilidades exigem da pessoa uma reflexão sobre o seu modo de ser, de ver as outras pessoas e o mundo que está ao seu redor. Implicam estar consciente de seu ser, apropriar-se de suas características, sejam elas consideradas defeitos ou qualidades, bem como interagir com o mundo segundo estas percepções, numa expressão autêntica de sua personalidade. As reflexões apontadas no sub-item categorizado como autoconhecimento indicam que a disciplina possibilitou aos alunos repensarem conceitos, revendo seu modo de ser, auxiliando-os a pensar antes de agir, a ter paciência, a ser mais flexível, a ser mais humilde, evidenciando uma análise de seu modo de ser.

4 Outras elaborações mais subjetivas indicam um grau de aceitação pessoal, evidenciado nas falas me ajudou a saber lidar com o meu jeito de ser, e me ensinou a me gostar mais e conviver com meus erros. Estes itens, apontados pelos alunos, indicam um nível de reflexão de quem está preocupado em conviver bem consigo, em se conhecer, em resolver alguns conflitos internos, primeiramente, a aceitar-se como tal e, a partir daí, perceber o seu papel frente ao outro e ao mundo. Na subcategoria posicionamento diante dos outros, aparecem abordagens que indicam a reflexão do indivíduo em relação ao seu papel na convivência com os outros, as quais possibilitam posicionar-se melhor frente a estes: assim, inferem que a disciplina permitiu confiar mais nas pessoas, conhecer mais as pessoas ; escutar antes de falar o que penso. Tais reflexões indicam uma capacidade de repensar o papel da sua pessoa frente ao outro e, a partir daí, redefinir este espaço, situando seu lugar na relação com o grupo, bem como a importância do seu desempenho frente a este, refletido nas falas: me possibilitou compreender e aceitar o grupo como importante para o meu crescimento como pessoa ; e refletir como estou me saindo na convivência em grupo. Nota-se a importância atribuída pelos alunos à ocupação de um espaço no grupo, bem como a clara consciência de que é preciso disponibilizar espaços internos, a serem ocupados pelas outras pessoas, e que este convívio somente acontecerá se houver abertura, confiança e reciprocidade. Já no item posicionamento diante da vida, aparece a necessidade de avaliar as situações tendo em vista adotar uma postura frente à vida. Assim, os alunos julgam importante terem obtido indicativos de que precisam avaliar uma situação sob diversos ângulos ; e também rever conceitos. Relação é, antes de tudo, espaço para interações. Os alunos, na sua plasticidade juvenil, conseguem apreender a importância de abrir seus horizontes para uma abordagem mais ampla frente às situações cotidianas. Assim, percebem que respeitando as diferenças e tendo uma visão mais ampla das pessoas e dos relacionamentos, estarão alargando seu campo de relações e posicionando-se de forma mais efetiva frente às diversas situações com as quais irão se deparar ao longo da vida. As respostas indicam um grau de aprofundamento nas questões relacionais, visando uma transformação não só nas relações, mas na forma de conceber o seu papel no mundo, à medida que percebem que são capazes de discernir, de encarar situações cotidianas com um novo olhar, quebrando paradigmas e diferenciando os

5 diversos tempos e espaços que surgem na convivência humana, reagindo a eles de forma madura e consciente. As habilidades de comunicação são evocadas pelos alunos sob três aspectos: no primeiro, aludem à importância de saber o momento de falar, ouvir e calar. Este discernimento é realmente fundamental em relações humanas, e os alunos alegam ter aprendido que ouvir é o caminho para ser um bom líder, que é muito importante ouvir e calar quando necessário e também que é preciso escutar mais as pessoas. A comunicação é um item de extrema importância para a vivência interpessoal, pois é em meio a inúmeros atos comunicativos, permeados pelos tempos, silêncios, gestos e expressões, que se desvendam as intenções e os desejos noticiados e ocultos, nas mensagens expressas e também nas silenciadas. O segundo aspecto refere-se às habilidades de comunicação, especificamente falando, que permitem ao indivíduo superar a timidez e expressarse melhor na comunicação interpessoal. Estas contribuições são ilustradas pelas falas: me ajudou a ser mais desinibida ; estou me soltando, deixando a vergonha de lado. As vivências de sala de aula exigem a participação do aluno de forma irrecusável, pois cada um é convidado a dar a sua contribuição para o desempenho do grupo como um todo, e representam excelentes oportunidades para o exercício da expressão verbal e não verbal. As habilidades de comunicação desenvolvidas na disciplina, segundo os alunos, permitem que saibam se comunicar dentro dos diversos grupos sociais ; com maior desenvoltura, consciência de suas habilidades comunicativas, expressão corporal, bem como identificar as diversas barreiras de comunicação, sabendo superá-las. O terceiro aspecto refere-se ao processo de comunicação interpessoal em si, num enfoque mais amplo e significativo. Representam antes de tudo a percepção sobre o valor da comunicação na relação com o outro: aprendi a importância da comunicação para o convívio grupal. De fato, no dia-a-dia não refletimos sobre coisas corriqueiras que causam grandes estragos nas relações, originados da má comunicação. Os alunos afirmam que observam agora aspectos antes ignorados, o que fica evidente nas falas: passei a notar coisas que antes passavam despercebidas, como a linguagem corporal, por exemplo ; ou ainda: pude compreender as relações entre respeito e comunicação. É uma consciência mais aprofundada de um elemento que não pode ser ignorado quando pretendemos que as pessoas se relacionem de forma madura e consciente com o seu entorno social.

6 As percepções apresentadas indicam o grau de importância que os alunos atribuem aos elementos constitutivos do ato comunicativo, bem como a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos na disciplina em seu dia-a-dia, evidenciando o quanto estas habilidades são pertinentes no contexto da vida cotidiana. As habilidades sociais de civilidade, classificadas por Del Prette e Del Prette não foram referenciadas diretamente pelos alunos no presente estudo. Elas referem-se mais a um protocolo de comportamento social, marcadamente cultural e que adquirimos desde a infância. As habilidades sociais de civilidade são contempladas ao longo da disciplina, pois são tópicos auxiliares em outras habilidades, como as de comunicação e as assertivas, por exemplo, mas não representam um item especificado pelos alunos. Diríamos que representam matrizes de comportamentos cotidianos já enraizados na personalidade de todos nós e que, embora não tenham afluído diretamente na investigação, são pressupostos para o exercício das demais habilidades, sendo tratadas como objeto de reflexão dentro dos contextos específicos, conforme a necessidade. Nas habilidades sociais assertivas, direito e cidadania os alunos referenciaram que a disciplina os auxiliou no sentido de oferecer subsídios para poderem posicionar-se diante das pessoas e também relacionar-se com pessoas com as quais não possuem afinidade ou que não conhecem direito. Referem também que aprenderam a agir em situações difíceis, explicitando a importância de um treinamento para a expressão de nossos direitos e pensamentos, mesmo que sejam contrários aos de outras pessoas. As habilidades sociais empáticas representam um extenso repertório de possibilidades de ação e reação em situações adversas, pois refletem um equilíbrio entre a racionalidade e a emoção, o que não é fácil quando nos sentimos humilhados ou estamos muito exaltados. As habilidades sociais empáticas são referenciadas pelos alunos no reconhecimento da alteridade, pressupondo uma capacidade de reconhecimento do outro como outro, diferente do eu em suas necessidades, opiniões, experiências e sentimentos. Incluem percepções de como conviver com o outro, com os defeitos que possa ter ; ajudam a entender melhor as necessidades das pessoas ; a lidar com as diferenças do outro ; enfim, a julgar melhor as pessoas. As habilidades sociais empáticas apontam para o outro, num sentido amplo e específico ao mesmo

7 tempo. Amplo, porque todos os não eu são outros, representando, portanto, uma infinidade de pessoas; específico, porque qualquer outro é único, singular, e indica um único ser, a ser conhecido, explorado, desvendado e, talvez, conquistado. Assim, conhecer e entender o ser humano passa a ser considerado como algo fundamental para o convívio, trazendo a tônica relacional para a especificidade do binômio indivíduo-outro. Nas análise das respostas categorizadas como habilidades sociais de trabalho ou profissionais emergiram quatro subcategorias, dentro das habilidades sociais de trabalho ou profissionais, que são: Coordenar grupos, as quais indicam habilidades para dirigir um trabalho coletivo, como conduzir o grupo para um bom aproveitamento. Contemplam formas de integrar pessoas ; e também como lidar com um grupo. Os alunos afirmam uma capacidade em gerir grupos: aprendi a trabalhar dificuldades que as pessoas têm no relacionamento com os outros. A habilidade para coordenar grupos pressupõe ter condições de levar um grupo à consecução de metas, o que implica em diversas o outras aptidões, como por exemplo: motivar equipes, reavaliar metas, delegar tarefas, fazer avaliações e alterar planos. Considero esta habilidade fundamental para o futuro professor, pois ele terá a responsabilidade de conduzir o trabalho junto a inúmeros e diferentes grupos no exercício de sua profissão. A habilidade de falar em público, é representada pela capacidade de falar para um grande grupo e também por deixar a timidez de lado ou ainda por permitir ao indivíduo participar sem timidez. Este não é um objetivo específico da disciplina, mas, à medida em que as pessoas vão se sentindo mais à vontade no grupo, as vivências utilizadas realmente impulsionam à participação, fazendo com que os membros do grupo, alguns bastante tímidos, consigam sentir-se à vontade para manifestar-se frente a uma platéia maior. Por outro lado, compreende-se que esta seja uma ansiedade comum, a par das habilidades de comunicação, na medida em que os alunos percebem que irão falar sempre para platéias em sua atividade docente, e precisam ir sentindo-se mais à vontade para se expressarem frente a grandes grupos. Entende-se que a subcategoria Participar de grupos se justifica na medida em que foi evocada pelos alunos, pois a disciplina ensinou a conviver melhor em grupo ; a interagir e participar de um grupo ; a melhorar o desempenho com colegas de trabalho ; enfim, neste item fica evidente que os alunos julgam

8 importante ver-se como membros de grupos com qualificações para deles participarem, no sentido de serem participativos e conscientes de seu papel no grupo. Tendo em vista que o aspecto grupal foi vivenciado em situação não só de laboratório, mas também real, com suas diversas nuances, os alunos sentem-se bastante marcados pela experiência de participação no grupo. No item das habilidades profissionais Educativas os alunos abordam as vivências de aula, entendendo que serão também facilitadores de grupos, papel que já exerceram inclusive durante o curso da disciplina: aprendi que podemos ser facilitadores em casa e no trabalho. Estas habilidades tiveram para os alunos uma dimensão muito prática: estou utilizando as dinâmicas na empresa, com excelentes resultados ; as dinâmicas me auxiliaram no estágio. Além disso, permitem também uma estreita vinculação da teoria com a vivência prática de leitura de uma situação grupal: relacionar dinâmicas com objetivos específicos dentro dos grupos a serem trabalhados. As respostas dos alunos reforçam a idéia de que a aprendizagem se dá de forma mais significativa quando é possível relacionar e/ou vivenciar os conteúdos abordados em aula no cotidiano profissional e/ou pessoal. As habilidades sociais de expressão de sentimento positivo indicam reflexões sobre a vida, sobre o papel pessoal nas relações e também sobre a valorização das pessoas e das relações. Pode-se dizer que esta categoria originouse dos embates reflexivos feitos em torno das diversas temáticas abordadas na disciplina, que conduziram os alunos a uma abertura maior para as situações coloquiais com as quais se deparam, com um novo olhar. Nas reflexões sobre a vida, os alunos entendem que a disciplina ajuda a ver a vida por um lado positivo, pois permite perceber que simples coisas do dia-a-dia têm significado forte para todos nós, e que é importante fazer das simples tarefas grandes momentos. Trata-se de uma valorização da vida em suas múltiplas facetas, contemplada como algo verdadeiramente grandioso e único. Na subcategoria o papel pessoal nas relações, os alunos julgam ser importante saber contribuir com os demais ; desenvolver a humanidade ; harmonizar o ambiente doméstico, e também perceber que para algumas pessoas a minha presença faz diferença. Aqui fica evidente uma percepção clara sobre a interdependência que há entre as pessoas, e sobre a importância que o indivíduo tem para o outro, além de conscientizá-lo da sua responsabilidade no existir de outras pessoas, deixando claro o viés de abertura para uma atitude solidária.

9 Na abordagem de valorização das pessoas e das relações os alunos inferem: aprendi a importância das pessoas em nossas vidas ; tratar as pessoas com mais afeição, valorizar mais a convivência com meus familiares, valorizar o ser humano em geral, dar mais valor às pessoas que trabalham comigo. Estas expressões são indicativos de que os alunos refletiram sobre as pessoas e se aperceberam da riqueza que representa a convivência humana, e do que quanto é necessário investir para que esta seja harmônica e efetiva. Algumas conclusões inspiradas pelo estudo Através deste estudo, não só ficou evidente que o entendimento dos alunos é de que a disciplina se reveste de aplicabilidade tanto na vida acadêmica quanto profissional, como também é possível perceber a extensão do seu campo de atuação, muito mais amplo do que é perceptível de início. O conviver, demarcado pela presença do outro, nos exige algumas habilidades, que nos possibilitem interagir e acrescermos de significado as nossas relações. As habilidades relacionais vêm sendo desenvolvidas pela disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo e, segundo os alunos que a cursaram, contribuíram de forma significativa para a sua vida pessoal e profissional. As relações humanas ocorrrem por meio de inúmeros intercâmbios que envolvem as pessoas, nos quais mobilizam seus saberes (campo cognitivo), seus sentimentos (campo afetivo), seus sonhos (campo projetivo) e seu compromisso social (campo ético). A educação, a nosso ver, costuma atuar no campo cognitivo de forma preponderante, com alguma inclinação para o campo ético. Podemos afirmar que a disciplina de Relações Humanas e Dinâmica de Grupo possibilita, segundo análise das contribuições apontadas pelos alunos, uma influência forte nos campos ético e afetivo, pelas reflexões que proporciona acerca da vida e das relações. Neste sentido, nos autorizamos a idealizar, em nosso campo projetivo, uma ampla possibilidade de contribuição da disciplina para a educação de um ser integral. Referências bibliográficas BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

10 DEL PRETTE, Almir; DEL PRETTE, Zilda Aparecida Pereira. Efeitos de uma intervenção sobre a topografia das habilidades sociais de professores. In: Psicologia Escolar e Educacional. Porto Alegre, 1998, Vol. 2, n. 1, p Psicologia das relações interpessoais: vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001a. DEL PRETTE, Zilda A. P. DEL PRETTE, Almir. Psicologia das habilidades sociais: terapia e educação. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001b. MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Educação, Porto Alegre, Ano XXII, n.º 37, p. 7-32, mar

11 Anexo Taxonomia das habilidades sociais de Del Prette e Del Prette

12 A U T O M O N I T O R I A HS de comunicação Fazer e responder perguntas Pedir feedback Gratificar/elogiar Iniciar, manter e encerrar conversação HS de civilidade Dizer por favor Agradecer Apresentar-se Cumprimentar Despedir-se HS assertivas, direito e cidadania Manifestar opinião, concordar, discordar Fazer e aceitar e recusar pedidos Desculpar-se, admitir falhas Estabelecer relacionamento afetivo e/ou sexual Encerrar relacionamento Expressar raiva/desagrado e pedir mudança de comportamento Interagir com autoridades Lidar com críticas HS empáticas Parafrasear Refletir sentimentos Expressar apoio HS de trabalho Coordenar grupo Falar em público Resolver problemas, tomar decisões e mediar conflitos Habilidades sociais educativas HS de expressão de sentimento positivo Fazer amizade Expressar a solidariedade Cultivar o amor Taxonomia das habilidades sociais (Del Prette e Del Prette, 2001a, p. 60)

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional.

Palavras-chave: relação pais-escola-educadores, qualidade na educação, atuação educacional. 1 PAIS E EDUCADORES: IDENTIFICANDO SIGNIFICADOS A RESPEITO DA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA Josiane da Costa Mafra josimafra@hotmail.com Lúcia Helena Ferreira Mendonça Costa luciacost@hotmail.com Camila Turati

Leia mais

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul PROGRAMA GUIA ESPM-Sul Programa de Acompanhamento Discente e Excelência Profissional Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul Pensamento ESPM. São Paulo, 25/04/2014.

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL: A VIVÊNCIA COMO METODOLOGIA

LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL: A VIVÊNCIA COMO METODOLOGIA LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL: A VIVÊNCIA COMO METODOLOGIA VICENTE, Renate Brigitte PUCPR renate.vicente@pucpr.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS Deise de Lima 1 Orientadora - Fernanda Bertoldo 2 Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa desenvolvida durante o curso

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático.

Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Del Prette, A. & Del Prette, Z. A. P. Habilidades sociais: Conceitos e campo teórico-prático. Texto online, disponibilizado em http://www.rihs.ufscar.br, em dezembro de 2006. O campo teórico-prático das

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social)

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Os seres humanos são, por natureza, seres sociais, que interagem a todo instante nos diferentes ambientes (familiar, escolar, profissional etc.).

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros AMEAÇAS Gary Hamel SOCIEDADE OUTRAS INSTITUIÇÕES COMPETIÇÃO DESINTERESSE CONFLITOS APATIA ETC. MUDANÇAS Pesquisa da TMI 1. 10% dos empregados andam

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 62-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Escolar, modalidade regular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

TEXTO COMPLETO. Palavras-chave: estratégia de ensino, fonoaudiologia, psicomotricidade. da UNESP de Marília, e-mail: sandragp@marilia.unesp.

TEXTO COMPLETO. Palavras-chave: estratégia de ensino, fonoaudiologia, psicomotricidade. da UNESP de Marília, e-mail: sandragp@marilia.unesp. TEXTO COMPLETO INTEGRAÇÃO DISCENTE E ENTRE DISCIPLINAS: PERCEPÇAO DISCENTE SOBRE A ESTRATÉGIA "PRÁTICA DE VIVÊNCIA-3ª VERSÃO" NA DISCIPLINA PSICOMOTRICIDADE APLICADA EM CURSO DE FONOAUDIOLOGIA. 1 Sandra

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção

Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Núcleo 2.1 - Abordagem Junguiana: fundamentos teóricos e intervenção Departamentos envolvidos: Psicodinâmica, Desenvolvimento, Psicologia Social e Métodos e Técnicas Professores: Eloisa Marques Damasco

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil

Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil Coordenador Pedagógico: o mediador da humanização como prática na educação infantil RESUMO Fernanda Azevedo Fagundes 1 Júlia Estefani Alves 2 O presente artigo, busca discutir acerca da função do Coordenador

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS: ANÁLISE PRELIMINAR DE EXPECTATIVAS REVELADAS Resumo Diante do conhecimento de condições propiciadas no período de formação inicial de professores, faz-se

Leia mais

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO

APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO APRENDENDO A ENSINAR: A SALA DE AULA COMO UM ESPAÇO DE REFLEXÃO PAIXÃO LINHARES 1, MARÍLIA e MACEDO REIS 2, ERNESTO 1 Laboratório de Ciências Físicas, UENF 2 Coordenação de Física, CEFET-Campos Palavras

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE 1 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES VILZA DIAS DA COSTA A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE Trabalho de conclusão do curso de Graduação, habilitação

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007

Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Painel Um caminho para o modelo brasileiro realizações desde a fundação do GEC em 2007 Projetos Perfil e Competências do Coach Entidades Formadoras e Certificadoras Perfil e Competências do Coach Adriana

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2. EMENTA

PLANO DE ENSINO 2. EMENTA PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade do Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Psicologia Professor: Edilaine Casaletti edilaine@uniarp.edu.br Período/ Fase: 6º Semestre: 2º Ano:

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy

Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO. Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Unidade I PRÁTICAS E PROJETOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profa. Ana Cláudia Barreiro Nagy Práticas e Projetos do Ensino Fundamental Contribuindo para o desenvolvimento de cidadãos autônomos, participativos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes

Líderes do Coração. A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes Líderes do Coração A prática do amor no desenvolvimento de pessoas e equipes O que é? Líderes do Coração é um programa que cria espaços de estudo, reflexão e prática da arte da liderança, partindo do pressuposto

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula.

III-Compreender e vivenciar o funcionamento e a dinâmica da sala de aula. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º -O Estágio Supervisionado de que trata este regulamento refere-se à formação de licenciados em Pedagogia

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais