Sumário. DOUTRINA A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego Marluce de Oliveira Rodrigues...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. DOUTRINA A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego Marluce de Oliveira Rodrigues..."

Transcrição

1 Fascículo Semanal nº 11 Ano XLVI 2012 FECHAMENTO: 16/03/2012 EXPEDIÇÃO: 18/03/2012 PÁGINAS: 108/097 Sumário DOUTRINA A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego Marluce de Oliveira Rodrigues JURISPRUDÊNCIA Temas em Destaque Adicional de insalubridade Enquanto lei não fixar nova base de cálculo para o adicional de insalubridade, deve-se utilizar o salário-mínimo Contrato de trabalho A morte do empregado é causa extintiva do pacto empregatício, na medida em que torna impossível a continuidade da sua execução Contrato temporário Não pode ser considerada como transitória, nem extraordinária o fornecimento de mão de obra por mais de 10 anos consecutivos de uma empresa de trabalho temporário para a tomadora Dano moral A divulgação, pela empresa, de lista nominal, contendo a remuneração de cada empregado, implica difusão abusiva de dados pessoais dos trabalhadores, violando o direito à intimidade Jornada de trabalho A possibilidade de alteração das condições contratuais, por meio da via coletiva, é ampla, podendo inclusive limitar o número de horas in itinere do trabalhador Professor A cláusula convencional que estabelece a possibilidade de ser fixada jornada de trabalho diária superior ao previsto na CLT não pode ser considerada válida Rescisão indireta do contrato de trabalho O fato de o empregador não ter efetuado os depósitos ao FGTS não constitui motivo suficiente a ensejar a rescisão indireta do contrato de trabalho Responsabilidade subsidiária É responsável subsidiária pelos créditos inadimplidos no curso do contrato de trabalho, a empresa que firmou contrato de empreitada global com outra empresa que contratou o trabalhador ACÓRDÃO NA ÍNTEGRA Responsabilidade Subsidiária Contrato Mercantil de Distribuição de Bebidas DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 108

2 Doutrina A REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO: DA LUTA PELA SAÚDE À LUTA PELO EMPREGO 1 MARLUCE DE OLIVEIRA RODRIGUES Graduada em Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Pós-Graduada em Direito do Trabalho pela Universidade Gama Filho (UGF) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF) Estudante Pesquisadora no Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho, Política, Movimentos Sociais e Serviço Social da UFF 1. INTRODUÇÃO A discussão em torno do tema jornada de trabalho é muito antiga, tendo se iniciado logo após o incremento da primeira Revolução Industrial, onde notadamente houve uma mobilização dos trabalhadores em prol de jornadas de trabalho mais justas e menos destrutivas à saúde. À época, homens, mulheres e até crianças laboravam no limite de sua exaustão física, cumprindo jornadas de 14 a 16 horas por dia, o que acabava por gerar acidentes, mutilações e mortes em serviço. Daí as primeiras reduções no tempo efetivamente trabalhado ocorrerem através de movimentos populares que visavam à sobrevivência física. A França, assim, desde 1806, implantou os chamados Conseils de prud homme. Estes, constituídos de empregadores e empregados, tinham como atribuições conciliar e decidir questões oriundas do trabalho, tais como a proibição do trabalho de crianças em minas de subsolo, em 1813, e o trabalho em domingos e feriados, em Ademais, ainda em 1814, serviram para proibir o trabalho de menores de 8 anos e limitar a 8 horas diárias a jornada de trabalho dos menores com idade entre 8 a 12 anos. Para os menores com idade entre 12 a 16 anos, fixaram a jornada máxima diária em 12 horas. Na Inglaterra, em 1833, foi proibido o trabalho do menor de 9 anos. Além disso, a jornada máxima diária foi limitada em 9 horas para os menores de 13 anos e em 12 horas para os menores de 18 anos. E, em 1844, limitou-se a prestação do trabalho feminino em 10 horas diárias. Na Alemanha, em 1839, foi vetado o trabalho do menor de 9 anos e fixada em 10 horas a jornada de trabalho do menor de 16 anos. E, em 1853, voltando a lei a beneficiar a classe trabalhadora, se elevou a idade mínima do menor-operário para 12 anos e limitou-se a jornada de trabalho dos menores de 14 anos em 6 horas diárias (SUSSEKIND, 2002, p. 18). Assim, somente em 1847 é que a Inglaterra berço da 1ª Revolução Industrial aprovava a primeira lei que fixava em 10 horas diárias a jornada máxima de trabalho, sendo seguida posteriormente pela França que estabeleceu, em 1848, em 10 horas a jornada máxima de trabalho em Paris e em 11 horas a jornada máxima das demais províncias. O Congresso Geral dos Trabalhadores Norte-Americanos, celebrado em Baltimore no ano de 1866, aprovou uma resolução no sentido de que a primeira e grande exigência para libertar o trabalhador da escravidão capitalista, nos Estados Unidos, era a promulgação de uma lei pela qual a jornada normal, em todos os Estados da União Americana, fosse de 8 horas. No mês seguinte, o Congresso Operário Internacional de Genebra ressaltava que a limitação da jornada de trabalho era uma condição prévia, sem a qual fracassariam todos os outros esforços pela emancipação e que as 8 horas deveriam ser o limite legal da jornada. Assim, a Internacional Socialista fez da jornada de 8 horas de trabalho uma das bandeiras destinadas a despertar o interesse do proletariado pelo Marxismo (SUSSEKIND, MARA- NHÃO, VIANNA E TEIXEIRA, 2003, p. 795). Seguidamente, em 1º de maio de 1886, ocorreram diversas manifestações nos Estados Unidos, em que eram pleiteadas a redução da jornada de trabalho para 8 horas. Mas essas mobilizações acabaram por terminar com seis trabalhadores mortos, oito presos e cinco deles condenados posteriormente à forca. Nascia aí o Dia Mundial do Trabalho, sendo comemorado em todos os países, menos nos Estados Unidos. Em 1889, reunidos em Londres por ocasião da criação da Segunda Internacional, representantes de centenas de entidades de trabalhadores aprovaram uma resolução estabelecendo que, em todos os países, em todas as cidades, os trabalhadores iriam lutar pela redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias e que se consagrasse o 1º de maio de cada ano a essa luta. Assim, o desafio dos trabalhadores americanos não terminou. E, em 1890, enfim, conseguiram que o Congresso Norte- Americano votasse a lei que veio a fixar em 8 horas diárias a duração da jornada de trabalho. O Papa Leão XIII, da mesma forma, já na Carta Encíclica Rerum Novarum (1891), estipulava que a jornada diária de trabalho não deveria exceder a força dos trabalhadores. E, dessa forma, foram se desenrolando as lutas por melhores condições de trabalho, até que mais tarde, após a 2ª Guerra Mundial, já no período chamado de terceira Revolução Industrial, a motivação da luta pela redução das jornadas passou a ser outra: a geração de novos postos de trabalho. Isso porque, na medida em que foram desenvolvidas novas tecnologias produtivas, houve também um aumento na automação e uma modificação nas técnicas de organização do trabalho, redundando num incremento da produtividade e do lucro pelos empresários, ao mesmo tempo em que se contribui para o chamado desemprego estrutural. Ou seja, este nada mais é do que reflexo do sistema capitalista, cuja lógica essencial é a maximização do lucro ainda que seja em detrimento do trabalhador. DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 107

3 Dessa forma, nas duas primeiras revoluções tecnológicas, o resultado que se viu foi de um aumento do desemprego, visto que, para gerar o mesmo volume de emprego, era necessário um crescimento do Produto Interno Bruto superior àqueles verificados durante as décadas anteriores, ou uma mudança nos parâmetros institucionais da economia com relação à jornada de trabalho e o emprego de horas extras. A Organização Internacional do Trabalho (OIT), tratando do tema logo quando foi criada, primeiramente em 1919, veio a estabelecer a jornada máxima de trabalho em 8 horas diárias e 48 horas semanais para a indústria. Posteriormente, em 1930, estendeu tal garantia ao comércio e escritórios. E, logo depois, em 1935, resolveu na Conferência Internacional do Trabalho adotar a semana de 40 horas, sob a forma da Convenção nº 47 que, no entanto, só foi ratificada por quatro países. A medida visava combater o desemprego proveniente da grande crise de 1929, mas, como foi pouco recepcionada, voltou a ser confirmada através da Recomendação de nº 116, de 1962, a qual propôs o limite de 40 horas semanais como um padrão social a ser perseguido (SUSSEKIND, MARANHÃO, VIANNA E TEI- XEIRA, 2003, p. 797). Assim, a jornada de trabalho especificamente no Brasil, neste enfoque considerada como medida de tempo em que o trabalhador se coloca à disposição de seu empregador, é no presente momento tratada pela Constituição em seu art. 7º, XIII, e pela Consolidação das Leis do Trabalho, em seu art. 58. Atualmente ela está fixada em no máximo 8 horas diárias e 44 horas semanais, podendo ser prorrogada diariamente em 2 horas, desde que pagas tais horas com adicional de 50%, quando prestadas em dias úteis, e 100%, quando prestadas aos domingos e feriados. É facultada ainda sua compensação ou redução mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. A legislação fixa ainda jornada especial de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento. E caracteriza, como hora extraordinária, todo lapso temporal de trabalho ou disponibilidade do empregado, perante o empregador, que ultrapasse a jornada-padrão fixada em regra jurídica ou em cláusula contratual. Além disso, a CLT, em consonância com a Constituição da República, permite a realização de horas extraordinárias em 5 (cinco) modalidades: acordo de prorrogação de jornada; regime de compensação de jornada; prorrogação em virtude de força maior; prorrogação para reposição de paralisações empresariais; e prorrogação em virtude de serviços inadiáveis. O art. 7º, XIII, da Constituição, e o art. 59, 2º, da CLT, também preveem que através de acordo ou convenção coletiva, o empregador está autorizado a compensar os excessos das jornadas, com folgas ou diminuições destas, criando assim os chamados bancos de horas. Estes, por meio do sistema de compensação, dão à empresa a possibilidade de flexibilizar a jornada de trabalho de seus funcionários, diminuindo ou aumentando-a durante os períodos de baixa ou alta na produção, mediante a compensação dessas horas em outros períodos e sem custo adicional em suas folhas de pagamento. Mas como o banco de horas possui atualmente um módulo de doze meses para sua compensação, esse período extenso muitas vezes é utilizado como um mecanismo extremamente negativo, visto que dificulta a fiscalização tanto por parte do Estado, através de seus órgãos de controle, quanto por parte dos próprios trabalhadores, uma vez que estes, após alguns meses, acabam por esquecer-se de tal contabilização. Isso dá margem à fraude. Assim, a jornada de trabalho engloba, além das horas efetivamente trabalhadas, as chamadas horas à disposição do empregador, incluindo-se nesse rol as horas in itinere; os intervalos intrajornadas; as horas extraordinárias prestadas; além do tempo de prontidão e o tempo de sobreaviso, característicos de algumas categorias profissionais. No entanto, tal jornada nem sempre foi assim. O padrão de 44 horas semanais somente foi estabelecido em 1988, com a promulgação da Constituição Federal atual. Antes disso, a determinação da jornada semanal era de 48 horas, limite este estabelecido pela constituição de 1934, porém só regulamentado com a entrada em vigor da CLT, em E, como antes do ano de 1943 não havia um limite legalmente estabelecido para todas as categorias de trabalhadores, praticava-se, em média, uma jornada de 10 a 12 horas de trabalho, acrescida de horas extraordinárias de forma indiscriminada, o que acabou por gerar constantes greves. Nesse contexto, desde o Império que os trabalhadores vinham se manifestando no sentido de reivindicar seus direitos através de algumas Ligas e do apoio de alguns jornais. Entretanto, foi somente com o advento da República que os movimentos operários começaram a ganhar corpo e ser representados por Entidades. Nascia a partir daí o Partido Operário, criado em 1890; o Partido Socialista Brasileiro, que já pregava a luta de classes em 1902, e alguns Sindicatos profissionais cuja oficialização começou em Foi também em 1907 que ocorreu a primeira grande greve geral, tendo como principal reivindicação a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. Essa greve, iniciada em São Paulo, irradiou-se por algumas grandes cidades do interior paulista, atingindo também o Rio de Janeiro. À época, contou com a adesão das principais categorias profissionais que conquistaram, principalmente nas pequenas empresas, uma redução da jornada diária de trabalho para cerca de 10 horas (DIEESE, 1997). Em 1911, foi apresentado ao Congresso Nacional um projeto de lei que previa a fixação da jornada normal de trabalho em 8 horas diárias, mas naquele momento tal projeto foi considerado pelas classes dominantes como subversivo e anárquico, não sendo nem sequer analisado pelos parlamentares (DIEESE, 1997). Assim, o ano de 1917 veio a se caracterizar como um marco importante dos movimentos operários da República Velha. A classe operária mais consciente e organizada começou, naquele ano, um movimento grevista que se alastrou por todo o país. A greve, iniciada em 12 de junho de 1917, no bairro da Mooca São Paulo, propagou-se e tornou-se uma greve de abrangência nacional, onde os operários reivindicavam, dentre outras coisas, uma jornada de 8 horas de trabalho e o adicional de 50% no valor das horas extras (SILVA, 1992). Nesse mesmo sentido, novamente foi apresentado no Congresso Nacional um projeto de lei para estabelecer a jornada de trabalho. No entanto, a proposta foi mais uma vez rejeitada pelos setores conservadores da sociedade. Tudo isso, somado à conjuntura econômica nacional, fomentou a eclosão de novas greves que marcaram principalmente o ano de 1919 e o início de 1920, DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 106

4 quando o movimento operário declinou sensivelmente, vindo a se reerguer somente após a Revolução de 1930 contexto no qual o Estado passou a regulamentar a jornada de trabalho por meio de Decretos. A Constituição Federal de 1934, portanto, foi a primeira legislação a abranger todo o proletariado, fixando, em seu art. 121, a jornada diária de trabalho em 8 horas e 48 horas semanais, além de estabelecer o repouso semanal remunerado e propor controles sobre o trabalho do adolescente e sobre o trabalho noturno. Contudo, como a Constituição repassou para a lei ordinária a faculdade de regulamentar as hipóteses em que seria permitida a prorrogação do trabalho, somente em 1943, com a entrada em vigor da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), essa jornada foi regulamentada. A partir desse arcabouço jurídico, fixou-se o limite de 2 horas extras diárias, pagas com adicional de 20%, excetuando-se, porém, algumas categorias de trabalhadores urbanos que adotaram uma jornada de trabalho diferenciada, além das atividades agropecuárias e outras do setor primário da economia tais como a extração mineral, vegetal e a pesca, que já possuíam legislação específica (DAL ROSSO, 1996, p. 242). Portanto, a CLT preservou os dispositivos dos inúmeros Decretos, Leis e Decretos-Leis editados ao longo do Governo Provisório de Getúlio Vargas, fixando, como princípio, as 8 horas diárias e 48 horas semanais (art. 58), mas abriu tantas exceções, que acabou por permitir jornadas de trabalho bem mais longas do que as previstas no texto constitucional (DAL ROSSO, 1996, p. 242). A CLT estabeleceu ainda disposições especiais para diversas categorias, tais como a dos bancários, criando para eles uma jornada reduzida especial de 6 horas diárias e 30 horas semanais. Para os Empregados nos Serviços de Telefonia, Telegrafia Submarina e Subfluvial, de Radiotelegrafia e Radiotelefonia, a CLT estabeleceu carga horária de 6 horas diárias e 36 horas semanais, pelas condições especiais do trabalho. E, dentro dessa mesma linha, agiu com os trabalhadores de minas e subsolo que, exercendo trabalho perigoso e penoso, tiveram sua jornada de trabalho diminuída para 6 horas diárias e 36 horas semanais, com intervalo de 15 minutos para cada 3 horas trabalhadas ininterruptamente. Por fim, muitas outras categorias de trabalhadores, ao longo dos anos que se seguiram, conseguiram conquistas semelhantes, podendo-se citar os funcionários públicos que, desde a Constituição de 1967, começaram a trabalhar com a jornada de 40 horas semanais. Em 1985, devido à conjuntura política extremamente difícil e delicada, o Brasil viu-se novamente invadido por um forte Movimento Sindical que levou à eclosão de diversas greves, com destaque para a do ABC Paulista, principal região da indústria automobilística do País. A greve, que contou com a adesão de 290 mil Metalúrgicos, reivindicava redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, dentre outros itens, e paralisou quase que por completo a categoria por 54 dias. Mas, apesar de fortemente reprimida pela polícia, acabou se saindo vitoriosa, pois, embora não tenha alcançado sua meta, obteve inúmeros acordos descentralizados. Por consequência, mais de 120 mil trabalhadores conquistaram a redução da jornada e os reajustes trimestrais, dentre outras reivindicações, principalmente junto às empresas de pequeno e médio porte, tais como a Atlas Copco, Conforja, Termomecânica, APV do Brasil, Echilin e EEG Elotherm, estabelecendo reduções na jornada de trabalho que variaram de 47 horas até as 40 horas semanais pretendidas o que influenciou grandemente as discussões que antecederam a promulgação da Constituição de Assim, com a Constituição de 1988, a jornada foi definitivamente reduzida para 44 horas semanais. Fora isso, o custo das horas extras foi aumentado de 20% para 50%, ainda no limite máximo diário de duas horas. 2. AS PROPOSTAS EM TRAMITAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Atualmente ganha força uma Campanha unificada das principais Centrais Sindicais que visa apoiar a Proposta de Emenda Constitucional nº 231-B, de 1995, cuja autoria é dos Senadores Paulo Paim e Inácio Arruda. A Campanha, que se propõe a lutar pela redução da jornada de trabalho como forma de gerar 2 milhões de empregos, recolheu 1,6 milhões de assinaturas em um abaixo-assinado que dá sustentação à referida Proposta de Emenda Constitucional. Esta preconiza alterar os incisos XIII e XVI do art. 7º da Constituição Federal, para que a jornada máxima de trabalho seja reduzida de 44 horas para 40 horas semanais, enquanto a remuneração de serviço extraordinário passaria de 50% para 75%. Além do Projeto de Emenda à Constituição nº 231-B, atualmente aguardando pauta na Câmara dos Deputados, tramita apensado a ele a PEC nº 393/2001, dos mesmos autores, que visa introduzir o inciso XIII-A ao art. 7º da Constituição Federal, e a PEC nº 271/95, de autoria do ex-deputado Eduardo Jorge (PT/SP), a qual visa alterar a redação do art. 7º, inciso XIII, da Constituição Federal. Assim, a PEC nº 393, de 7 de agosto de 2001, apresentada junto às mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, visa introduzir o inciso XIII-A ao art. 7º da Constituição Federal. Propondo, com isso, uma redução da jornada de trabalho para 35 horas semanais, a partir de 1º de janeiro de 2004, precedida de uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, a partir de 1º de janeiro de 2002, datas estas prejudicadas pela falta de conclusão do respectivo Processo Legislativo. Sugere, ainda, que nova redação seja dada ao inciso XVI do art. 7º da Constituição Federal, a fim de alterar os percentuais remuneratórios das horas extras, fixando-os em 100%, quando prestados em dias úteis, e, em 200%, quando prestados aos domingos e feriados. Enquanto segundo a PEC nº 271/95 a jornada de trabalho seria reduzida de 8 horas diárias para 6 horas diárias e de 44 horas para 30 horas semanais. Além disso, fixa que a redução deve ocorrer em quatorze anos, à razão de uma hora da jornada semanal por ano, sem redução salarial. Por fim, impõe que seria facultada a ampliação da jornada por um breve período, até o limite de 8 horas diárias e 40 semanais, mediante acordo ou convenção coletiva a critério dos empregados e empregadores. Desse modo, como a matéria tratada pela Proposta de Emenda nº 231/95 está sujeita à norma especial, primeiramente foi submetida à apreciação da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, em , tendo esta opinado, unanimemente, por sua admissibilidade. E, posteriormente, determinou-se o DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 105

5 apensamento das duas outras Propostas de Emenda à Constituição, já citadas. Nesse momento, a mesma Comissão já havia também opinado pela admissibilidade da PEC nº 271/95, porém com substitutivos que visavam adequar a proposta à técnica legislativa, analisando-se posteriormente, em , a PEC nº 393/2001, em que opinou também pela admissibilidade com substitutivos. No caso da PEC 393/2001, o substitutivo retiraria o inciso XIII-A incluído pela proposta, passando seu conteúdo para dispositivo autônomo, constituindo assim disposição transitória. Finalmente, em 8 de dezembro de 2008, constituiu-se uma Comissão Especial, a partir da qual proferiu-se parecer, em 30 de junho de 2009, após a realização de algumas audiências públicas. Assim, a Comissão se manifestou favoravelmente à aprovação da PEC nº 231-A, de 1995, com uma pequena emenda para adequar a técnica legislativa à vigência da Lei Complementar nº 951/98, rejeitando-se as duas outras propostas a PEC nº 271/95 e a PEC nº 393/2001. E, após todos esses trâmites, encontra-se a matéria aguardando pauta na Câmara dos Deputados necessitando ainda ser apreciada em dois turnos de seu Plenário. Dito isso, dentre as questões mais relevantes a serem abordadas na análise do tema em foco, está a necessidade de mobilização da população economicamente ativa em se discutir 3 aspectos essenciais: a inserção crescente da informática no nosso sistema econômico; os reflexos de um possível aumento dos lucros auferidos pelos empregadores em geral; e, por fim, o problema central: qual seria o impacto para a economia brasileira, de uma redução inicial da jornada legal de trabalho de 44 horas para 40 horas semanais. 3. A REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA E A REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO COMO OPÇÃO AO DESEM- PREGO Independentemente do crescimento econômico do País, o processo de globalização, de transformação dos modelos produtivos e da organização do trabalho fazem gerar uma forte competição entre as empresas, observando-se como estratégia destas o alongamento das jornadas de trabalho através do emprego de horas extras, em vez da contratação de novos trabalhadores. Assim, a partir desse novo modelo econômico, a política do governo passa a ser de enfatizar a supremacia dos mecanismos de mercado, a retirada do Estado da economia e o incentivo aos círculos de excelência produtiva, o que viabiliza o crescimento econômico, mas exclui parcelas crescentes da população aumentando assustadoramente os níveis de desemprego. Os anos 90 marcam essa nova fase. As empresas passam a introduzir inovações tecnológicas acompanhadas e subordinadas à implementação de novas formas de organização da produção e do trabalho. Surgem assim as células ou ilhas de produção, grupos de trabalho participativos e polivalentes além de inúmeros programas de controle e desenvolvimento da qualidade. O sistema just in time, por exemplo, passa a controlar a produção com o objetivo básico de atender o cliente da empresa o mais rápido possível. Assim, ao envolver as várias etapas da produção no interior das empresas assim como os fornecedores externos, faz gerar alterações na natureza do trabalho e das funções laborais. Os trabalhadores, além de responsáveis por múltiplas funções de operação e controle de qualidade, passam agora a ser submetidos a ritmos muito mais intensos de trabalho. E essa intensificação do trabalho acaba por gerar, a longo prazo, um aumento da exaustão física e psíquica dos trabalhadores, gerando as chamadas doenças ocupacionais. A terceirização outra invenção do sistema capitalista passa a possibilitar ao empregador a concentração de suas pesquisas, planejamentos e investimentos, tão somente na atividade-fim de sua empresa. O que significa dizer que se transfere o conjunto das atividades, seja de apoio ou mesmo de produção, para outras empresas, objetivando reduzir custos e simplificar o processo produtivo. Tal medida fez gerar rebaixamento salarial e informalização das relações de trabalho, colaborando para o que se chama de precarização dos postos de trabalho. A partir daí, o que se observa é que tais mudanças fazem gerar períodos de crescimento sustentado das taxas de produtividade, diminuindo os custos relativos da força de trabalho, além do tempo necessário da produção. E, nesse sentido, dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE, 2004) destacam que, somente na indústria, a produtividade já dobrou nos últimos dez anos, o que possibilitaria aos trabalhadores reivindicarem jornadas de trabalho menores sem se falar em aumento demasiado de custos pelos empresários. Para as Centrais Sindicais, a implementação da redução de jornada serviria como um mecanismo eficaz de abertura de novos postos de trabalho, pois novos trabalhadores poderiam desempenhar as tarefas anteriormente realizadas no período suprimido. Ademais, considerando a exigência cada vez maior de qualificação profissional para preenchimento de novos postos de trabalho e daqueles já ocupados, o tempo livre possibilitaria a milhares de pessoas a disponibilidade de carga horária para tal especialização. O desfecho desse quadro seria a retirada de milhões de pessoas da situação de desemprego, problema este que tanto colabora para o aumento da violência, da evasão escolar, além de inúmeras outras questões, tais como a perda de recolhimentos à Previdência Social esta já tão debilitada. Partindo-se do pressuposto que a redução da jornada de trabalho diminuiria o desemprego, defendem os Sindicalistas que haveria um aumento da massa salarial, o que causaria elevação do consumo e do crescimento econômico, além da ampliação da arrecadação dos impostos e a diminuição dos gastos sociais, como o seguro-desemprego. Contudo, a análise não é tão simples assim. É necessário a consideração de algumas questões paralelas que o tema abarca, tais como a interferência do mecanismo das horas extras e o controle governamental do incremento tecnológico. Isso porque, da análise da redução da jornada semanal de trabalho ocorrida no Brasil, em 1988, quando então a jornada máxima legal passou de 48 para 44 horas semanais, surgem indícios que muitos postos de trabalho foram perdidos em razão da desconsideração dessas questões. SADI DAL ROSSO (1998, p. 78), verificando os efeitos sofridos pelo Brasil quando da redução da jornada de trabalho implementada pela Constituição Federal de 1988, estuda detalhadamente a diminuição da jornada e seu efeito no emprego, fazendo uma análise em termos quantitativos. E, como resultado DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 104

6 de seu estudo, conclui que a alteração elevou a oferta de novos postos de trabalho. Entretanto, ressalta que o efeito emprego ficou em torno de 0,7%, o que estaria muito abaixo dos 8,33% esperados. Diante desse quadro, como aponta o autor, é primordial que se controle as horas extras, pois o que se observou foi que, logo após a promulgação da Constituição de 1988, a utilização de jornadas extraordinárias pelo setor de empregos formais pulou de 24,4% para 41,2%. E, como esse aumento assustador ocorreu logo após a entrada em vigor da nova legislação, houve uma conclusão lógica, por parte do autor, que tal mecanismo serviu como válvula de escape para as empresas deixarem de contratar novos funcionários. Outro importante estudo foi feito por economistas da USP e PUC-RJ (GONZAGA, MENEZES FILHO E CAMARGO, 2003). Os pesquisadores, ao estudarem os efeitos da redução da jornada de trabalho prescrita pela Constituição Federal de 1988 sobre o mercado de trabalho, chegaram a conclusões igualmente satisfatórias. Os autores, por meio de resultados empíricos, conseguiram demonstrar que a alteração da Constituição provocou uma diminuição da jornada efetiva de trabalho, além de ter aumentado o salário-hora dos trabalhadores empregados na época. Fora isso, descobriram que tal alteração não afetou a probabilidade de o trabalhador ficar desempregado em O emprego, muito pelo contrário, se tornou mais estável no referido ano, porquanto houve uma diminuição da probabilidade de o trabalhador afetado ficar sem emprego. E, por tudo isso, concluíram os autores que, pelo menos no período de 1988 a 1989, não foram constatados efeitos negativos na questão do emprego. Assim, todos esses estudos mostram-se importantes, pois existe também um movimento em sentido contrário ao Sindicalismo, representado principalmente pela Confederação Nacional da Indústria e pela FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Estas pressupõem um aumento da folha de pagamento das empresas, e, como resultado disso, há a ocorrência de demissões, perda de competitividade do Brasil no mercado internacional e aumento da automatização nas indústrias. O setor empresarial, dessa forma, quando não comprometido com a causa de gerar novos postos de trabalho, acaba por aumentar a carga horária de seus empregados, em vez de contratar novos funcionários. Visam ao máximo diminuir suas perdas, disseminando a ideia de que a saída para o problema não estaria em se mudar a legislação nacional, e sim flexibilizar a jornada de trabalho e se negociar através de acordos e convenções coletivas. Mas a realidade é outra. Dados apurados pelo DIEESE (1997) constataram (em 1988) que, dos documentos firmados entre empregados e empregadores no setor privado registrados pelo Sistema de Acompanhamento de Contratações Coletivas SACC/DIEESE, entre 1993 e 1995, 51 instrumentos apresentaram pelo menos uma cláusula relativa à jornada de trabalho porém apenas 11 continham efetivamente algum tipo de redução do tempo laboral. Consequentemente, desses 11 instrumentos encontrados, 5 referiam-se a categorias diferenciadas; 1 instrumento reduzia a jornada apenas em um período do ano; um único instrumento vinculava a redução da jornada de trabalho à sua flexibilização; e 3 implantavam a redução da jornada no seu setor administrativo. Para aqueles que reduziram a jornada de seu setor administrativo, um exemplo foi o caso da ex-coperbo (PE), que, em 1993, instituiu uma jornada de 42 horas semanais para os seus empregados e, em 1995, baixou essa jornada para 40 horas semanais. A Acesita e a Bahia Sul Celulose também em 1993 instituíram uma jornada para os seus empregados de 43,5 horas semanais e, em 1994, reduziram-na para 41 horas, adotando mais à frente em 1995 a jornada de 40 horas semanais. Todavia, apenas 1 instrumento estendeu a redução da jornada para todos os seus empregados, sem falar em qualquer tipo de flexibilização, que foi a negociação conquistada pelos trabalhadores do setor de papel e papelão de Lajes, em Santa Catarina a qual implantou a redução da jornada para 42,5 horas semanais, em Por fim, o DIEESE (1997) constatou que, do conteúdo das cláusulas pesquisadas nos acordos e convenções coletivas de trabalho nos últimos anos, nenhuma negociação tratou da regulamentação da adoção desses processos de inovação tecnológica e organizacional pelas empresas, o que faz gerar um impacto extremamente negativo sobre o nível de emprego, significando a eliminação de muitos postos de trabalho. Ademais, nesse mesmo sentido, buscando tornar mais concreta essa ideia da redução da jornada de trabalho, vale ressaltar ainda algumas experiências já ocorridas no Brasil. SADI DAL ROSSO (1996, p. 328) analisa, assim, uma Indústria do ABC Paulista que, desde a sua instalação no Brasil, introduziu a jornada de trabalho de 40 horas semanais, seguindo o padrão de trabalho norte-americano. A Equipamentos Metal Ltda., nome fictício dado a essa empresa no intuito de evitar sua identificação, instalou-se em Diadema, São Paulo, em 1978 tendo como produção máquinas de largo porte, para varrer, lavar e secar grandes áreas como fábricas, rodoviárias, aeroportos e hospitais. A empresa multinacional que conta com capital norte-americano tem outras fábricas localizadas nos EUA, Inglaterra, Holanda, Japão, Canadá e Austrália, e sempre manteve a jornada de 40 horas semanais sem problemas. Seu diretor de pessoal, inclusive, chegou a afirmar que a jornada de quarenta horas é vantajosa para a empresa porque o pessoal se interessa muito mais, porque é uma vantagem oferecida quando se quer contratar e porque aumenta o emprego ; ou seja, os trabalhadores mantêm maior atenção, concentração e menor cansaço o que acaba por gerar uma maior produtividade. A Volkswagen do Brasil, em São Bernardo do Campo, uma das maiores empresas automobilísticas do País, também já fechou diversos acordos com o Sindicato de seus trabalhadores, versando sobre jornada de trabalho. E foi assim que, em novembro de 2001, firmou uma redução na jornada de trabalho dos seus empregados para 34 horas semanais (CHAIM, 2002). Desse modo, na ocasião, o acordo levou em consideração a demanda da fábrica, estipulando, em 2002, jornadas diferenciadas por mês. Assim, fixaram-se 34 horas para os meses de janeiro e fevereiro; 40 horas para os meses de março e abril; 42 horas para maio; 40 horas em junho; e 34 horas para os meses de julho a novembro. Em dezembro, para compensar os 15 dias de férias do final de ano, a jornada semanal ficou fixada em 40 horas. Nesse caso, a redução da jornada foi acompanhada por uma redução do salário em 12,5%, aplicando-se, ademais, o banco de horas como forma de flexibilização da duração da DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 103

7 jornada de trabalho. À época, o seu vice-presidente chegou a afirmar que a redução dava fôlego para a empresa e qualidade de vida aos funcionários mas infelizmente tais conquistas acabaram por retroceder nos anos seguintes. Na Cofap, de São Bernardo do Campo, a reivindicação histórica dos metalúrgicos do ABC também já obteve conquistas. Em 1º de março de 2004, começou a valer a redução da jornada de trabalho porém sem diminuição de salário para 40 horas e 40 minutos, enfatizando a Empresa o enfoque na geração de novos postos de trabalho. Contudo, da mesma forma que a Volks, tal conquista acabou se mostrando temporária. Mais recentemente, os trabalhadores da Metalúrgica Gestamp, em São José dos Pinhais/PR, firmaram um acordo de redução da jornada, sem redução salarial, de 42 horas para 40 horas. A medida, que começou a valer em janeiro de 2010, também foi seguida por outras fábricas situadas em Curitiba, tais como a TK Sofedit, Aethra e Keiper, o que acabou por totalizar um montante de 2 mil trabalhadores beneficiados. Por fim, vale ressaltar que não é só na Metalurgia que foram firmados acordos de redução da jornada de trabalho. O Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados do Estado de São Paulo fechou um acordo com o Sindicato das Empresas de Processamento de Dados que concedeu reajuste de 6% nos salários e redução de 40 horas semanais a partir de janeiro de Mas analisando-se a tese Patronal da preferência pelas negociações coletivas, constata-se que, apesar de o Brasil apresentar inúmeras negociações coletivas bem-sucedidas, no que diz respeito à redução da jornada de trabalho, tal mecanismo ainda se mostra impotente e insuficiente frente à totalidade das empresas e da população economicamente ativa que compõem a economia brasileira. Como bem define a CLT, no seu art. 611, a Convenção Coletiva de Trabalho é o acordo de caráter normativo, pelo qual dois ou mais Sindicatos representativos de categorias econômicas e profissionais estipulam condições de trabalho aplicáveis, no âmbito das respectivas representações, às relações individuais de trabalho, sendo facultado aos Sindicatos representativos de categorias profissionais celebrar Acordos Coletivos com uma ou mais empresas da correspondente categoria econômica, que estipulem condições de trabalho, aplicáveis no âmbito da empresa ou das acordantes respectivas relações de trabalho. Assim, tais negociações coletivas se apresentam limitadas, na medida em que se mostram necessariamente temporárias e reversíveis, ou seja, possuem prazo máximo de vigência de 2 anos, segundo consta da redação do art. 614, 3º, da CLT. Ademais, abrangem somente os sujeitos aptos a negociar, quais sejam, as categorias profissionais, setores da atividade econômica ou empresas o que acaba por excluir grande parte da população ativa brasileira, principalmente os trabalhadores de pequenos estabelecimentos não representados por grandes Sindicatos. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Por todo o exposto, é importante enfatizar que a redução da jornada nos moldes em que está sendo proposta, ou seja, de uma diminuição legal da jornada semanal dos trabalhadores de 44 horas para 40 horas, não reverterá em um número de contratações nessa mesma proporção, isto é, na proporção de 10%. As experiências já implementadas demonstram que a dinâmica é complexa, envolvendo a questão da produtividade das empresas e do próprio trabalhador; do emprego das horas extras; dos mecanismos de flexibilização, tais como o banco de horas, contratos em regime de tempo parcial, contratos por tempo determinado dentre outras inúmeras estratégias que as empresas podem lançar mão. Além disso, deve-se observar que tal legislação não atingirá toda população economicamente ativa, visto que os trabalhadores autônomos não possuem restrições legais quanto a seus horários de trabalho. Os Servidores Públicos seguem seus respectivos Estatutos, com jornada de 40 horas semanais, além de diversas outras categorias profissionais que já possuem leis específicas, as quais contemplam uma jornada reduzida. Observa-se também que sempre que a redução da jornada de trabalho foi imposta ao empresariado, uma das primeiras medidas utilizadas juntamente com o recurso às horas extras foi a reestruturação produtiva. As empresas analisadas por SADI DAL ROSSO (1996, p. 333), após terem diminuído a jornada de trabalho dos seus empregados para 40 horas semanais, em 1985, procuraram em um primeiro momento redistribuir as tarefas entre os seus trabalhadores, adotando para tanto processos de reestruturação interna, revisão das atribuições, racionalização das atividades além do caminho da modernização da produção, por meio da modernização técnica. Em tais condições, a intensificação do processo do trabalho acompanhou a redistribuição das tarefas, reestruturando o conjunto das atividades produtivas, sem que muitas vezes fossem necessárias mudanças tecnológicas. A produtividade também merece relevo, pois sofre alterações na medida em que a redução da jornada de trabalho permite um aumento na produtividade total do trabalhador, que, estando mais descansado, labora com mais atenção reduzindo assim os erros cometidos durante a produção e, consequentemente, seus custos. Outra implicação que se mostra presente nesse contexto é a eficácia de tal redução como forma de se reduzir os riscos e malefícios inerentes ao ambiente de prestação de serviços. Nesse enfoque, funciona como um mecanismo extremamente eficaz para a medicina e segurança do trabalho, tendo em vista que diminui consideravelmente as probabilidades de ocorrência de doenças profissionais e acidentes do trabalho. Portanto, evidencia-se que diversos fatores tendem a influenciar na produção final dos trabalhadores, o que faz com que o efeito emprego, nesses casos, seja menor que a redução da jornada de trabalho. Uma redução na base de 10% provavelmente não se converterá em 10% a mais de empregos, o que não quer dizer que esse efeito emprego não exista. Daí a importância de se discutir tal alteração juntamente com a limitação do uso das horas extras, do banco de horas e com incentivos por parte do Governo. A este pode, por exemplo, caber o estímulo aos empregadores, para que eles não deixem de empregar em razão da aquisição de novos aparatos tecnológicos, gestão da produção, dentre tantos outros artifícios utilizados para amenizar a perda de sua lucratividade. GIUSEPPINA DE GRAZIA (2009), ao analisar a redução do tempo de trabalho e associá-lo ao combate do desemprego, atesta que o período atual possui base material e justificativa muito mais consolidada que em outros períodos históricos. E isso se dá, como DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 102

8 já observado, pelo avanço do sistema produtivo e sua capacidade de gerar mais riqueza em menos tempo. Debate, portanto, a viabilidade da diminuição da jornada de trabalho, passando por uma análise da lei das 35 horas da França, até chegar às condições que lhe parecem ser fundamentais à eficácia de geração de novos postos de trabalho. São elas: 1. a redução deve ser quantitativamente significante e realizada, de preferência, de forma brusca; 2. a redução deve se dar através de legislação nacional, para assim produzir melhores resultados; 3. deve haver uma diminuição efetiva das horas trabalhadas; 4. no caso de subsídios fornecidos pelo Governo, estes devem vir condicionados à abertura de novos postos de trabalho, por parte das empresas beneficiadas; e, por fim, 5. mobilização e organização da classe trabalhadora. Tal posicionamento é extremamente válido para se pensar em políticas públicas de combate ao desemprego, como bem pontua MÁRCIO POCHMANN (2008), ao defender não só a redução da jornada de trabalho, mas também que esta deveria ser de 12 horas semanais. O economista, através do que chama de trabalho imaterial, defende que a produtividade cada vez mais se separa do local de trabalho, estando presente em muitos locais ao mesmo tempo o que faz com que se acumule riqueza mais facilmente. Assim, conclui ser absurdo que as 50 maiores empresas do mundo tenham um faturamento superior a 100 países. Daí entender que uma redução drástica da jornada serviria para repartir melhor a renda e a riqueza produzida pelo sistema capitalista. Quanto à redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, o autor, em entrevista fornecida ao site do Instituto Humanitas Unisinos, em 2008, declarou que entende toda essa mobilização como positiva, pois abre espaço para negociação e para se repensar todo sistema capitalista no Brasil. Por tudo isso, e levando-se em consideração que a efetivação da redução da jornada no Brasil sempre exigiu a intervenção do Estado ao longo das décadas, entende-se completamente necessária a mobilização da sociedade, sendo imprescindível o protagonismo desta na cobrança pela continuidade desse processo legislativo de alteração constitucional e assim consolidar diversos ganhos setoriais a todo o restante da população economicamente ativa. Referências Bibliográficas BRASIL, República Federativa do. Constituição da República Federativa do Brasil. Col. Saraiva de Legislação 44ª Ed. São Paulo: Saraiva, Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 35. ed.são Paulo: Saraiva, CHAIM, Célia. Trabalho para todos. In: Revista Isto É on line. São Paulo, Disponível em: (http://www.terra.com.br/ istoe/1732/economia/1732_trabalho.htm). Acesso em: 6 de agosto de DE GRAZIA, Giuseppina. Tempo de trabalho e desemprego. In: Cadernos do CEAS, América do Norte, DIEESE. Horas extras comprometem a criação de novos empregos. São Paulo, In: Boletim nº 197. Disponível em: (http://www.dieese.org.br/bol/anu/anuago97.html). Acesso em: 6 de agosto de Jornada de trabalho e horas extras nos Acordos e Convenções Coletivas. São Paulo, In: Boletim nº 197. Disponível em: (http://www.dieese.org.br/bol/neg/negago97.html). Acesso em: 6 de agosto de O Movimento Sindical luta pela redução da jornada. São Paulo, In: Boletim nº 197 Disponível em: (http://www.dieese.org.br/bol/cju/cjuago97.html). Acesso em: 6 de agosto de Novas tecnologias, educação e qualificação do trabalhador nas contratações coletivas. São Paulo, In: Boletim nº 197. Disponível em: negjul97.html. Acesso em: 25 de maio de Por que reduzir a jornada de trabalho?. São Paulo, Disponível em: (http://www.dieese.org.br/esp/jtrab/ pqjortra.html). Acesso em: 6 de agosto de GONZAGA, Gustavo M.; FILHO, Naércio Aquino Menezes; CA- MARGO, José Márcio. Os efeitos da redução da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais em In: Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro: v. 57, nº 3, POCHMANN, Marcio. Redistribuir o tempo de trabalho. Coluna Tendências/Debates. In: Folha de S. Paulo. Edição de Trabalho imaterial e redução da jornada de trabalho. Entrevista concedida In: Instituto Humanitas Unisinos. Rio Grande do Sul, Disponível em: br/index.php?option=com_noticias&itemid=18&task=detalhe &id= Acesso em 1º de junho de ROSSO, Sadi Dal. O debate sobre a redução da jornada de trabalho. São Paulo: Coleção ABET, Jornada de Trabalho na Sociedade o castigo de Prometeu. São Paulo: Ltr, SILVA, Francisco de Assis. História do Brasil: Colônia, Império, República. 1ª ed., São Paulo: Moderna, SUSSEKIND, Arnaldo. Curso de Direito do Trabalho. Rio de Janeiro: Renovar, SUSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Délio; VIANNA, Segadas; TEIXEIRA, Lima. Instituições de Direito do Trabalho. 21ªed., Vol II. São Paulo: Ltr, NOTA 1. A discussão exposta neste trabalho foi apresentada oralmente no III Seminário Políticas Sociais e Cidadania (Seminário Internacional): Crise global e desigualdade: dilemas e desafios, 2010, Salvador/BA (ISBN ); no II Seminário Nacional de Sociologia & Política, 2010, Curitiba (ISSN On-line) e XIX Congresso Nacional do CONPEDI Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito, 2010, Florianópolis (ISBN ). E esse texto foi publicado em RODRIGUES, Marluce O. A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego ISSN In: Cadernos da AMATRA IV Ano V, nº 14, Nov. 2010, Porto Alegre, p e Jus Navigandi, Teresina, ano 17, nº 3113, 9 jan. 2012; Disponível em: <http://jus.com.br/ revista/texto/20807>. DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 101

9 Jurisprudência ADICIONAL DE INSALUBRIDADE BASE DE CÁLCU- LO SÚMULA VINCULANTE 4 DO STF Consoante a interpretação da Súmula Vinculante 4 do STF, aprovada na sessão plenária de , entende-se que enquanto lei não fixar nova base de cálculo para o adicional de insalubridade, deve-se utilizar a previsão do artigo 192 da CLT salário-mínimo. Não se cogita adotar o salário normativo previsto em norma coletiva como base de cálculo da parcela. Nessa linha, o cancelamento da Súmula 17 do TST. (TRT-4ª R. RO Rel. Convocado Juiz Lenir Heinen Publ. em rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho. A norma constitucional estabeleu, desse modo, o prazo de dois anos para a propositura da ação trabalhista, contado da data da extinção do contrato de trabalho, sob pena de consumação da prescrição bienal. É cediço que a morte do empregado é causa extintiva do pacto empregatício, na medida em que torna impossível a continuidade da sua execução tendo em vista que, em relação ao empregado, o contrato de trabalho é intuitu personae. Nessa esteira, a ação deve ser proposta em até dois anos contados da data do falecimento. (TRT-3ª R. RO Rel. Convocado Juiz João Bosco Pinto Lara Publ. em AUXÍLIO-ACIDENTE REDUÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL REQUISITOS PARA A CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E JUROS DE MORA Demonstradas a redução da capacidade laboral e o nexo de causalidade, é imperativo a concessão do auxílio-acidente, conforme disposto no art. 86, da Lei nº 8.213/91 As normas que dispõem sobre os juros moratórios possuem natureza eminentemente processual, aplicando-se aos processos em andamento, à luz do princípio tempus regit actum. Precedentes. O art. 1º-F, da Lei 9.494/97, modificada pela Medida Provisória /2001 e, posteriormente pelo artigo 5º da Lei nº /2009, tem natureza instrumental, devendo ser aplicado aos processos em tramitação. Precedentes. STJ, EREsp. nº , Rel. Min. Castro Meira, DJe Apelação parcialmente provida. Sentença mantida, nos demais aspectos, em reexame necessário. (TJ-PR Ap. Cív Rel. Des. Guilherme Luiz Gomes Publ. em CONTRATO DE EXPERIÊNCIA ESTABILIDADE NO EMPREGO DIREITO NÃO COMPROVADO Considerando que não há prova de que o reclamante tenha ficado afastado do trabalho por mais de quinze dias, bem como o fato de que o contrato de trabalho firmado entre as partes tinha termo certo, mantém-se a sentença que afastou a pretensão de reintegração no emprego, ou reconhecimento de estabilidade temporária. Recurso não provido. (TRT-4ª R. RO Relª Convocada Juíza Maria Madalena Telesca Publ. em CONTRATO DE TRABALHO EXTINÇÃO MORTE DO EMPREGADO PRESCRIÇÃO BIENAL O inciso XXIX, do art. 7º, da Constituição da República, preconiza ser direito de todo trabalhador, urbano ou rural, ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e CONTRATO TEMPORÁRIO FRAUDE UNICIDADE CONTRATUAL Não pode ser considerada como transitória, nem extraordinária o fornecimento de mão de obra por mais de 10 anos consecutivos de uma empresa de trabalho temporário para a tomadora. Tal situação configura fraude, porque comprova a contratação de empregados primeiramente como temporários, por meio de empresa interposta, para depois integrá-los ao quadro de funcionários. Por força do artigo 9º da CLT, afasta-se a aplicação da Lei 6.019/74 e reconhece-se a unicidade contratual. (TRT-3ª R. RO Relª Desª Maria Lucia Cardoso Magalhães Publ. em DANO MORAL LISTA CONTENDO NOMES E REMU- NERAÇÃO DOS EMPREGADOS DIVULGAÇÃO PELO EMPREGADOR VIOLAÇÃO DO DIREITO À INTIMIDADE O princípio da publicidade é consagrado no caput do art. 37 da CF. Sua importância decorre do fato de a Administração Pública tutelar interesses públicos, devendo seus atos ser praticados com transparência. Essa condição é indispensável ao controle dos atos administrativos que, além de ser uma atribuição estatal, pode ser exercido também pela sociedade, não só na defesa de interesses individuais, mas também coletivos. Ocorre que a norma constitucional que estabelece o princípio da publicidade, garantindo o direito à informação, deve ser compreendida em conjunto com outros preceitos constitucionais que a restringem. Nesse campo, os incisos X, XXXIII e LX do art. 5º da CF, que preservam o direito do cidadão à intimidade. A divulgação, pela empresa, de lista nominal, contendo a remuneração específica de cada empregado implica difusão abusiva de dados pessoais dos trabalhadores, violando o direito à intimidade, porquanto extrapola a determinação contida no art. 39, 6º, da CF, que admite, tão somente, a publicação dos valores destinados aos cargos e empregos públicos sem individualização dos titulares. A conduta ilícita da empresa autoriza a condenação ao pagamento de indenização por danos morais, em consonância DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 100

10 com o art. 5º, X, da CF. Incólume o art. 37, caput, da CF. (TST AIRR Rel. Min. Mauricio Godinho Delgado Publ. em DIREITO DE AÇÃO ANOTAÇÃO DE BAIXA NA CTPS IMPRESCRITIBILIDADE HONORÁRIOS ADVOCATÍ- CIOS E CUSTAS A Lei 9.658/98, ao acrescentar o 1º ao art. 11 da CLT, introduziu, em nosso sistema jurídico, espécie de ação condenatória não sujeita à prescrição imprescritível ou perpétua. Ao contrário do alegado pela recorrente e, inclusive, da referência feita em sentença, a pretensão constante da inicial, possui natureza condenatória, conquanto imprescritível, por exclusão legal. Contudo, em relação aos honorários assistenciais, inexistindo condenação em pecúnia, tem-se por inviável cogitar da referida verba honorária. Devidas, no entanto, as custas processuais, em virtude do comando condenatório. (TRT-4ª R. RO Rel. Des. Alexandre Corrêa da Cruz Publ. em EMPREGADO PÚBLICO ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO BASE DE CÁLCULO CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nos termos da Orientação Jurisprudencial Transitória nº 60 da SBDI-1, o adicional por tempo de serviço quinquênio, previsto no art. 129 da Constituição do Estado de São Paulo, tem como base de cálculo o vencimento básico do servidor público estadual, ante o disposto no art. 11 da Lei Complementar do Estado de São Paulo nº 713, de Recurso de revista conhecido e provido. (TST RR Rel. Min. Alberto Luiz Bresciani de Fontan Pereira Publ. em Em que pese a Constituição Federal valorizar a negociação coletiva, ficam resguardados os direitos mínimos assegurados aos trabalhadores pela própria Constituição, pela CLT ou por outras normas legais. Ressalte-se, ainda, que o art. 318 da CLT é norma de ordem pública que tem por objetivo assegurar a higidez física e mental do professor. O direito pleiteado pela Reclamante está, portanto, assegurado por lei, que não tolera a negociação coletiva que tente esvaziar o conteúdo normativo que estabelece um direito ao trabalhador. Em sendo assim, conclui-se que a cláusula convencional que estabelece a possibilidade de ser fixada jornada de trabalho diária superior ao previsto no artigo 318 da CLT não pode ser considerada válida, não havendo que se falar em violação ao art. 7º, XXVI, da Constituição Federal. Recurso de Revista conhecido e desprovido. (TST RR Rel. Min. Márcio Eurico Vitral Amaro Publ. em RELAÇÃO DE EMPREGO CHAPA VÍNCULO EMPRE- GATÍCIO RECONHECIDO Se a prova dos autos revela que o trabalho do autor era indispensável à execução da atividade do motorista empregado da reclamada, que era obrigado a contratá-lo diariamente para auxiliar no descarregamento das mercadorias, de forma contínua e permanente, sob remuneração diária paga a título de ajuda de custo fornecida pela própria reclamada, que controlava a jornada de trabalho em viagens através do sistema de rastreamento e tacógrafo do caminhão, tendo inequívoca ciência da prestação de serviços direta do autor em seu benefício, não há dúvida do reconhecimento do vínculo de emprego com a ré, ante a existência de um contrato de trabalho tácito entre as partes, na forma preconizada nos artigos 442 e 443 da CLT, sendo devidos os direitos trabalhistas daí decorrentes, na forma fixada em 1º grau. (TRT-3ª R. RO Rel. Des. Marcio Flavio Salem Vidigal Publ. em JORNADA DE TRABALHO HORAS IN ITINERE LIMI- TAÇÃO PREVISTA EM NORMA COLETIVA VALIDADE A SBDI-1 do TST consagrou o entendimento de que a possibilidade de alteração das condições contratuais, por meio da via coletiva, é ampla, podendo, inclusive, atingir o quantum remuneratório percebido pelo trabalhador. Destarte, ao afastar a observância da convenção coletiva firmada no caso em tela, a qual limitara o número de horas in itinere, o Tribunal Regional decidiu em dissonância com a atual jurisprudência do TST, violando o art. 7º, XXVI, da Constituição Federal. Recurso de revista conhecido e provido. (TST RR Relª Minª Dora Maria da Costa Publ. em PROFESSOR JORNADA DIÁRIA SUPERIOR À PER- MITIDA PELA CLT CLÁUSULA CONVENCIONAL INVA- LIDADE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL CONCORRÊNCIA DESLEAL JUSTA CAUSA CONFIGURADA RESCISÃO CONTRATUAL Comprovado nos autos que o representante, a despeito de ter firmado contrato de exclusividade para representar os produtos da empresa representada, passou a oferecer aos clientes produtos da sua concorrente, são indevidas as indenizações previstas nos arts. 27, alínea j e 34, ambos da Lei nº 4.886/65, porquanto a configuração da justa causa dá suporte à rescisão contratual. (TRT-12ª R. RO Rel. Juiz Gracio R. B. Petrone Publ. em RESCISÃO INDIRETA DO CONTRATO DE TRABALHO AUSÊNCIA DE DEPÓSITOS FUNDIÁRIOS JUSTA CAUSA INOCORRENTE O fato da reclamada não ter efetuado os depósitos ao FGTS não traduz efetivo obstáculo ao prosseguimento da relação de emprego, de modo que, por si só, não constitui motivo suficiente DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 099

11 a ensejar a rescisão indireta com base no art. 483, d, da CLT, que pressupõe ato grave e doloso do empregador. Isto porque não se está a tratar de condição essencial para a satisfação do contrato de trabalho que impeça a continuidade da prestação dos serviços. (TRT-9ª R. RO Relª Desª Nair Maria Ramos Gugert Publ. em RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA CONTRATO DE EMPREITADA GLOBAL INADIMPLEMENTO DOS CRÉ- DITOS TRABALHISTAS É responsável subsidiária pelos créditos inadimplidos no curso do contrato de trabalho, a segunda reclamada que firmou contrato de empreitada global com empresa que subcontratou o demandante, descaracterizada a hipótese da OJ nº 191 da SDI-1 do TST. (TRT-4ª R. RO Rel. Convocado Juiz Raul Zoratto Sanvicente Publ. em SALÁRIO DIFERENÇAS DECORRENTES DE PRO- GRESSÃO FUNCIONAL EQUIPARAÇÃO O Regional asseverou que as progressões concedidas aos assistentes técnicos decorreram do acordo coletivo firmado com o sindicato da categoria e que o reclamante não se enquadra na categoria de assistente técnico, submetendo-se a situação distinta. Nesse contexto, não há como divisar contrariedade aos arts. 5º, caput, e 7º, XXXII, da Constituição Federal e 461, 2º, da CLT. Honorários advocatícios. Prejudicada a análise do tema ante a manutenção da improcedência da ação. Agravo de instrumento conhecido e não provido. (TST AIRR Relª Minª Dora Maria da Costa Publ. em Acórdão na Íntegra RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA CONTRATO MERCANTIL DE DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS TST Proc. RR , publ. em ACÓRDÃO RECURSO DE REVISTA RESPONSABILIDADE SUBSI- DIÁRIA CONTRATO MERCANTIL DE DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS. A relação mercantil que permeia as empresas distribuidoras de bebidas e as respectivas fabricantes, em geral, não conduz à responsabilização subsidiária de que trata o inciso IV da Súmula nº 331 do TST, pois os serviços prestados pelo trabalhador dirigem-se à revendedora. Para a configuração da responsabilidade subsidiária da empresa tomadora, numa relação de terceirização de serviços, há de estar nitidamente demonstrada sua ingerência nas atividades da empresa contratada, in casu, a distribuidora de bebidas, inferindo-se o benefício direto da mão de obra disponibilizada por empresa interposta, situação não registrada no acórdão recorrido. Caso contrário, espelha-se contrato meramente mercantil, de cunho eminentemente civil. Recurso de revista conhecido e provido. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso de Revista nº TST-RR , em que é Recorrente Primo Schincariol Indústria de Cervejas e Refrigerantes S.A. e são Recorridos Vanderlei Barros Galheano e Discom Comércio e Distribuição de Bebidas Ltda. O 24º Tribunal Regional do Trabalho, mediante a decisão proferida a fls , deu provimento ao recurso ordinário do autor e reconheceu a responsabilidade subsidiária da segunda-reclamada quanto aos créditos judiciais referentes ao contrato de trabalho do autor. Inconformada, a segunda-reclamada, com fulcro no art. 896, a, da CLT, interpõe recurso de revista, conforme petição e razões expendidas a fls , pretendendo a reforma do julgado. Traz arestos a cotejo. O recurso foi admitido pela decisão monocrática a fls Não foram apresentadas contrarrazões, conforme certidão a fls Ausente o parecer do Ministério Público do Trabalho, nos termos do art. 83 do RITST. É o relatório. VOTO 1. CONHECIMENTO Presentes os pressupostos recursais concernentes à tempestividade, conforme fls. 207 e 210, à representação processual, instrumentos de mandato a fls , e ao preparo, documentos acostados a fls. 219 e 220, passo ao exame dos pressupostos intrínsecos RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA CONTRATO MERCANTIL DE DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS A Corte regional deu provimento ao recurso ordinário do autor e reconheceu a responsabilidade subsidiária da segunda-reclamada quanto aos créditos judiciais referentes ao contrato de trabalho do autor, conforme fundamentos a fls :... DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 098

12 Sustenta o reclamante que a segunda reclamada, Primo Schincariol, deve responder subsidiariamente pelo pagamento das verbas trabalhistas, pois foi revel nestes autos, sendo que a primeira reclamada, Discam, era revendedora exclusiva de seus produtos, estando diretamente vinculada à sua atividade-fim. O apelo merece prosperar. Embora o vínculo de emprego do autor tenha se formado com a primeira reclamada, foi para prestar serviços na função de vendedor e posteriormente de supervisor de vendas de produtos exclusivos da segunda ré, como incontroverso nos autos. A Primo Schincariol Indústria de Cervejas e Refrigerantes S.A., revel nos presentes autos, tem como objetivo social o (...) ramo de industrialização, comércio, atacadista e varejista, importação e exportação de bebidas, matérias-primas, insumos, material de embalagem em geral, bens complementares à atividade de bebidas e mercadorias e bens em geral (...) (Estatuto Social, f. 75, art. 3º) e as rés entabularam contrato de revenda com exclusividade, conforme afirmado na defesa, não vindo aos autos, entretanto, tal contrato (f. 89). O autor despendeu a força de trabalho em prol da segunda reclamada, beneficiária da atividade desenvolvida pela primeira reclamada, não podendo pretender eximir-se de responder secundariamente pelas lesões causadas ao patrimônio jurídico do reclamante pela inobservância das disposições contratuais ou legais, seja pela má eleição da contratada (culpa in eligendo) e/ou pela má fiscalização do cumprimento das obrigações a cargo da primeira ré (culpa in vigilando). Não fosse assim, todas as obrigações pecuniárias questionadas na inicial teriam sido oportunamente adimplidas e o autor não teria necessidade de provocar a tutela jurisdicional para satisfazer os seus créditos trabalhistas. A base legal para a condenação decorre da obrigação de reparar o dano imposto pela lei civil a todo aquele que violar direito e causar prejuízo a terceiro, por ação ou omissão culposa (artigos 186 e 927 do Código Civil/2002). Assim, dou provimento ao recurso obreiro, para condenar a segunda reclamada (Primo Schincariol Indústria de Cervejas e Refrigerantes S.A.) como responsável subsidiária pelo adimplemento da dívida da primeira para com o reclamante, o fazendo com fulcro no entendimento retratado na Súmula 331, IV, do Col. TST. Precedente idêntico desta Turma nesse sentido: RO nº 01615/ Rel. Des. Marcio Vasques Thibau de Almeida DO/MS nº 184 de Dou provimento. Insurge-se a reclamada, nas razões de recurso de revista, argumentando que há abissal diferença entre a prestação de serviços por meio de mão de obra e relação comercial de distribuição de bebidas. Afirma que a responsabilização da produtora de bebidas pelas verbas trabalhistas inadimplidas pela distribuidora contratada por ela contraria o entendimento sedimentado na Súmula nº 331 do TST. Traz arestos a cotejo. O recurso de revista merece conhecimento, pois, nos arestos trazidos a fls , consigna-se tese de que as empresas produtoras de bebidas não devem ser responsabilizadas pelos créditos trabalhistas referentes aos empregados das empresas responsáveis pela distribuição dos seus produtos. Diante disso, conheço do recurso de revista, por divergência jurisprudencial. 2. MÉRITO 2.1. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA CONTRATO MERCANTIL DE DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS A relação mercantil que permeia as empresas distribuidoras de bebidas e as respectivas fabricantes, em geral, não conduz à responsabilização subsidiária de que trata o inciso IV da Súmula nº 331 do TST, pois os serviços prestados pelo trabalhador dirigem-se à revendedora. Ainda, para a configuração da responsabilidade subsidiária da empresa tomadora, numa relação de terceirização de serviços, há de estar nitidamente demonstrada sua ingerência nas atividades da empresa contratada, in casu, a distribuidora de bebidas, por meio da fixação de metas de entrega a ser observada em determinado interregno temporal, discriminação de clientela a ser atendida inferindo-se o benefício direto da mão de obra disponibilizada por empresa interposta, sendo certo que na ausência de tais peculiaridades configura-se contrato meramente mercantil, de cunho eminentemente civil. E foi justamente isso que descreveu o Tribunal Regional, expresso em afirmar que a relação havida entre as empresas-reclamadas era de cunho mercantil ( entabularam contrato de revenda com exclusividade ), com escopo na celebração de contrato de exclusividade para revenda, pela primeira-demandada, das bebidas fabricadas pela empresa Primo Schincariol Indústria de Cerveja e Refrigerantes S.A. Nesse sentido, já decidiu esta Turma julgadora, conforme o seguinte precedente: RECURSO DE REVISTA RESPONSABILIDADE SUBSI- DIÁRIA CONTRATO MERCANTIL DE DISTRIBUIÇÃO DE BEBIDAS. A relação mercantil que permeia as empresas distribuidoras de Bebidas e as respectivas fabricantes, em geral, não conduz à responsabilização subsidiária de que trata o inciso IV da Súmula nº 331 do TST, pois os serviços prestados pelo trabalhador dirigem-se à revendedora. Para a configuração da responsabilidade subsidiária da empresa tomadora, numa relação de terceirização de serviços, há de estar nitidamente configurada sua ingerência nas atividades da empresa contratada, in casu, a distribuidora de bebidas, inferindo-se o benefício direto da mão de obra disponibilizada por empresa interposta, caso contrário espelha-se contrato meramente mercantil, de cunho eminentemente civil. Recurso de revista não conhecido. (RR , Min. Rel. Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, DEJT de ). Com essas considerações, dou provimento ao recurso de revista da segunda-reclamada para, reformando a decisão recorrida, restabelecer a sentença na qual fora julgada improcedente a pretensão de reconhecimento de responsabilidade da segunda-reclamada. ISTO POSTO ACORDAM os Ministros da 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, conhecer do recurso de revista, por divergência jurisprudencial, e, no mérito, dar-lhe provimento para, reformando a decisão recorrida, restabelecer a sentença na qual fora julgada improcedente a pretensão de reconhecimento de responsabilidade da segunda-reclamada. Brasília, 14 de Dezembro de (Ministro Vieira de Mello Filho Relator) DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA 097

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Marluce de Oliveira Rodrigues A redução da jornada de trabalho: da luta pela saúde à luta pelo emprego RESUMO: A redução da jornada de trabalho,

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 05/12/2014 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

Tolerância: art. 58, 1º da CLT.

Tolerância: art. 58, 1º da CLT. AULA 11: Tolerância: art. 58, 1º da CLT. Art. 58 da CLT 1º - Não serão descontadas nem computadas como jornada extraordinária as variações de horário no registro de ponto não excedentes de cinco minutos,

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L J U N H O D E 2 0 0 8

S I N O P S E S I N D I C A L J U N H O D E 2 0 0 8 S I N O P S E S I N D I C A L J U N H O D E 2 0 0 8 ADICIONAL DE INSALUBRIDADE. MUDANÇA DA BASE DE CÁLCULO. Doravante as empresas deverão estar atentas à questão envolvendo o pagamento do adicional de

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013.

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. Regulamenta o controle do cumprimento da jornada e do horário de trabalho pelos servidores do Senado Federal, nos termos do Ato da Comissão Diretora nº 7, de 2010. O

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Nova Lei dos estágios: as novas regras do estágio em nível superior Bruno Minoru Takii* Introdução. O presente artigo tem como objetivo elucidar as novas regras trazidas pelo Projeto

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR Tomi Lee Gando, brasileiro, casado, técnico eletricista, portador de CTPS n. 01010, série 010, inscrito no PIS sob o n. 010.010.010-10

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Curso DIREITO Disciplina DIREITO DO TRABALHO I D 07 HERMENÊUTICA JURÍDICA (MATRIZ 2008/01) Introdução ao Direito do

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções?

A Lei 6.019/74 que trata da contratação da mão de obra temporária abrange todos os segmentos corporativos ou há exceções? LUANA ASSUNÇÃO ALBUQUERK Especialista em Direito do Trabalho Advogada Associada de Cheim Jorge & Abelha Rodrigues - Advogados Associados O CONTRATO TEMPORÁRIO DE TRABALHO São as conhecidas contratações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000123/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023370/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.002929/2011-79 DATA DO

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO I. O DOMINGO COMO DESCANSO II. FERIADOS III. A REMUNERAÇÃO DO REPOUSO IV. MULTA ADMINISTRATIVA V. OS TRIBUNAIS E O REPOUSO I - O DOMINGO COMO DESCANSO 1) FUNDAMENTO LEGAL

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO. 80h 6º

DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO. 80h 6º DADOS DAS DISCIPLINAS CÓDIGO NOME CH GLOBAL PERÍODO HORÁRIO 0258 Direito do Trabalho II PROFESSOR(A) Profa.Esp. Denise de Fátima G.F.S. Farias 80h 6º Terça-feira 20h50min às 22h30min Sexta-feira 20h50min

Leia mais

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 5ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 27/01/2015 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 3.118, DE 2004 Altera a Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que Regula o Programa do Seguro- Desemprego, o Abono Salarial,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I No dia 16 de novembro de 2008, 94.808 candidatos prestaram o concorrido concurso público para os cargos de analista judiciário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997. Art. 1º Baixar as seguintes instruções a serem observadas pela Fiscalização do Trabalho. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 1º DE SETEMBRO DE 1997 Dispõe sobre a fiscalização do trabalho nas empresas de prestação de serviços a terceiros e empresas de trabalho temporário. O MINISTRO DE ESTADO DE

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil - São Paulo, Brasil - 31 de janeiro de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 5 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000882/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028482/2011 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR PROPOSTA FINAL DO ONS PARA CELEBRAÇÃO DO ACT 2013/2014 FNE/FENTEC - CLÁUSULA 2ª INTERSINDICAL - CLÁUSULA 1ª Reajuste Salarial Reajustar os salários dos empregados com o acumulado do IPCA do período de

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 MAGNESITA REFRATÁRIOS S. A., COM SEDE NA PRAÇA LOUIS ENSCH, N. 240, CIDADE INDUSTRIAL, CONTAGEM, MG, CNPJ N. 08.684.547/0001-65, COM UNIDADE REGIONAL EM IPATINGA,

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adicional de Periculosidade sobre horas extras e férias

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adicional de Periculosidade sobre horas extras e férias Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adicional de Periculosidade sobre horas extras e férias 21/02/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 19 PERÍODO: 5 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO I NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 19 PERÍODO: 5 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO I NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 19 PERÍODO: 5 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO DO TRABALHO I NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Introdução

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

Assim, caso a União não decretar feriado, existem as seguintes possibilidades:

Assim, caso a União não decretar feriado, existem as seguintes possibilidades: INFORMATIVO SOBRE A COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 BRASIL ESTATÍSTICAS Levantamento realizado pela Robert Half com 100 diretores de Recursos Humanos no Brasil revela que:

Leia mais

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO

ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO ABONO DE PERMANÊNCIA E APOSENTADORIA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL, DO ENSINO FUNDAMENTAL E DO ENSINO MÉDIO VANIA MARIA DE SOUZA ALVARIM (Advogada, Estudante de pós-graduação em Direito Público, Mestre

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.865, DE 2011 Altera o caput do art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5452, de 1º

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

Novidades Trabalhistas

Novidades Trabalhistas Novidades Trabalhistas Ampliação do contrato temporário passa a valer em 1º de Julho. Lei publicada altera artigo da CLT determinando pagamento de adicional de periculosidade para motociclistas. Empresa

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

CONCURSO PARA JUIZ DO TRABALHO 2012

CONCURSO PARA JUIZ DO TRABALHO 2012 CONCURSO PARA JUIZ DO TRABALHO 2012 SEGUNDA ETAPA PROVA DISCURSIVA As questões que serão abordadas nesta prova foram elaboradas com base no que consta do item 10.1 do Edital do Concurso A primeira parte,

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC

LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC LEI Nº 12.546/2011 (MP 540/2011) ORIENTAÇÕES PRÁTICAS - DESONERAÇÃO FOLHA DE PAGAMENTO TI/TIC 1 INTRODUÇÃO Em 15 de dezembro de 2011 a Presidente da República SANCIONOU a Lei nº 12.546/2011 (decorrente

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Você foi procurado pelo Banco Dinheiro Bom S/A, em razão de ação trabalhista nº XX, distribuída para a 99ª VT de Belém/PA, ajuizada pela ex-funcionária Paula, que

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ADICIONAL NOTURNO - PROCEDIMENTOS 1. INTRODUÇÃO O adicional noturno é devido ao empregado que trabalha a noite no período biológico em que a pessoa deve dormir. É no período noturno que o organismo humano

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comisão designada pela Portaria nº 1.525/11, prorrogada pela Portaria nº 561/12

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comisão designada pela Portaria nº 1.525/11, prorrogada pela Portaria nº 561/12 RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO DESIGNADA PELA PORTARIA UTF N 1.525/2011, ORROGADA PELA PORTARIA UTF Nº 561/2012, RESPONSÁVEL PELA AESENTAÇÃO DE OPOSTA DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO Nº 4.836/2003

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil

Terceirização. A precarização das relações trabalhistas No Brasil Terceirização A precarização das relações trabalhistas No Brasil RELAÇÃO DE EMPREGO (ARTIGO 3º DA CLT) Pessoalidade Subordinação Trabalho não eventual remuneração O QUE É TERCEIRIZAÇÃO? É uma prática administrativa

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL:

TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: Qual trabalho para o desenvolvimento sustentável Painel: A Evolução da Terceirização no Brasil e no Mundo Seminário Terceirização, Evolução e Marco Legal Valor Econômico Artur

Leia mais

Nestes termos, P.Deferimento,

Nestes termos, P.Deferimento, Ao Sindicato dos Oficiais Alfaiates, Costureiras e Trabalhadores nas Indústrias de Confecção de Roupas e de Chapéus de Senhoras de São Paulo e Osasco. Rua dos Bandeirantes, 388 Bom Retiro - São Paulo/SP

Leia mais

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula:

O número de dias de trabalho médio por mês é calculado pela fórmula: Este trabalho foi realizado a pedido da Pró-Reitoria de Administração e Planejamento e trata-se de um estudo com base no Manual de Orientação para Preenchimento da Planilha de Custo e Formação de Preços,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS TERCEIRIZAÇÃO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 4330 de 2004 (Autor Dep. Sandro Mabel) Aprovado na CDEIC e CTASP COMISSÃO ESPECIAL Relator Dep. Roberto Santiago CCJC Relator Dep. Arthur Maia Comissão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas Dispensa Registro de Marcações no Intervalo de Trabalho - Batidas Pré-Assinaladas 16/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013

COMUNICADO LEGISLATIVO Nº 1/2013. Projetos de Lei e Trâmites 1ª quinzena de novembro/2013 Matérias na Câmara PEC 185/2012 Acrescenta parágrafos ao art. 37 da Constituição Federal para estabelecer data certa para a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos e dá outras providências.

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002030/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054079/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.033057/2010-51 DATA

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais