Diagramas de Sequência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagramas de Sequência"

Transcrição

1 Unified Modeling Language Diagramas de Sequência José Correia, Abril 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) UML: modelação do comportamento A modelação do comportamento de um sistema de software consiste, segundo a abordagem orientada por objectos, em dois tipos distintos de especificações: namodelação do comportamento inter-objectos - identificação dos seus padrões de trocas de mensagens - diagramas de interacção namodelação do comportamento intra-objecto - identificação dos estados em que um objecto se pode encontrar ao longo do seu ciclo de vida, dos eventos envolvidos, bem como dos seus algoritmos de implementação - diagramas de estados e de actividades A modelação de um sistema de software com base em diagramas de classes e de objectos traduz apenas as suas relações estruturais e estáticas José Correia UML - Diagramas de Sequência 2

2 Diagramas de interacção Um diagrama de interacção mostra um padrão de interacção entre vários objectos, com objectos e mensagens trocadas entre esses objectos por uma certa ordem diagramas de sequência dão ênfase à ordem temporal de transmissão das mensagens - ou seja, realçam a ordem pela qual as coisas acontecem diagramas de colaboração dão ênfase ao relacionamento entre os objectos os diagramas de sequência e diagramas de colaboração são colectivamente designados diagramas de interacção - os diagramas de interacção são usados para modelar casos de uso, operações, etc. A seguir é apresentado um exemplo de um diagrama de sequência, correspondente à execução de uma reserva num hotel exemplo extraído de Practical UML: A Hands-On Introduction for Developers José Correia UML - Diagramas de Sequência 3 José Correia UML - Diagramas de Sequência 4

3 Objectos e Linhas de Vida Cada objecto participante é representado por uma caixa em cima duma linha vertical a traço interrompido (linha de vida) no exemplo apresentado, os objectos participantes são instâncias de janela de reservas (Reservation window), cadeia de hotéis (HotelChain) e hotel Podem aparecer actores (objectos externos ao sistema), a iniciar interacções no exemplo, o objecto que inicia a sequência de mensagens é uma janela de reservas Cada linha tracejada vertical é uma linha de vida (lifeline), representando o tempo em que um objecto existe O tempo cresce de cima para baixo José Correia UML - Diagramas de Sequência 5 Mensagens Uma mensagem é uma comunicação entre objectos (emissor e receptor) que veicula informação na expectativa de provocar uma resposta (acção ou actividade) Uma mensagem é representada por uma seta horizontal do emissor para o receptor, com um nome e possíveis argumentos uma janela de reservas envia uma mensagem makereservation() para uma cadeia de hotéis (HotelChain) de seguida, a cadeia de hotéis envia uma mensagem makereservation() para um Hotel. Se o Hotel tiver quartos livres, então faz uma reserva e uma confirmação objecto1:classe1 objecto2: :Classe3 mensagem José Correia UML - Diagramas de Sequência 6

4 Mensagens condicionais, iteradas e com retorno O valor de retorno de uma mensagem síncrona pode ser indicado na chamada, com atribuição :=, ou na mensagem de retorno exemplo: isroom := available() isroom poderá (e, neste caso é) ser usado em mensagens e condições a seguir Também se pode escrever isroom na mensagem de retorno Uma mensagem condicional é indicada por uma condição de guarda entre parêntesis rectos [ ] exemplo: [isroom] new a mensagem só é enviada se a condição se verificar condições permitem mostrar várias sequências num único diagrama, possivelmente com bifurcações de controlo Uma mensagem iterada é indicada com asterisco *, seguido ou não de uma fórmula de iteração exemplo: *[i:=1..n] update(i) José Correia UML - Diagramas de Sequência 7 Activação ou Foco de controlo Uma activação (ou foco de controlo) mostra o período de tempo durante o qual um objecto está a executar uma acção, quer directamente quer indirectamente (através de um procedimento subordinado) Notação: barra rectangular fina sobre a linha de vida do objecto (barra de activação) a sua indicação é opcional Uma seta vai de um emissor para o topo da barra de activação da mensagem na linha de vida do receptor a barra de activação representa a duração da execução da mensagem o retorno de chamada é implícito quando o objecto perde o foco de controlo José Correia UML - Diagramas de Sequência 8

5 Criação e destruição de objectos Criação de objecto é representada por mensagem dirigida à própria caixa que representa o objecto (em vez de ser dirigida à linha de vida) a mensagem de criação pode ter estereótipo «create» ob1:c1 Destruição de objecto é representada por um X no fim da linha de vida do objecto mensagem de destruição pode ter estereótipo «destroy» pode ocorrer na recepção de mensagem ou no retorno de chamada objecto pode auto destruir-se ob1:c1 José Correia UML - Diagramas de Sequência 9 Mensagens Mensagens (chamadas) recursivas ou auto-chamadas no exemplo apresentado, o Hotel lança uma chamada a si próprio, para determinar se há algum quarto livre. Se houver, então o Hotel cria uma reserva e uma confirmação o asterisco na auto-chamada significa iteração (para ter a certeza que existe um quarto livre em cada um dos dias da estadia no hotel) as chamadas recursivas provocam barras empilhadas Em geral, uma acção de um objecto capaz de provocar uma resposta noutro objecto pode ser modelada como uma mensagem do primeiro objecto para o segundo objecto As mensagens podem ser síncronas, assíncronas ou indiferenciadas José Correia UML - Diagramas de Sequência 10

6 Mensagens síncronas Mensagem síncrona: o emissor fica parado à espera de resposta Corresponde normalmente a chamada de operação do receptor o Receptor pode ser o mesmo objecto que o Emissor Origina fluxo de controlo encaixado, com sub-sequências de mensagens a execução da operação chamada pode envolver a emissão de uma subsequência de mensagens Notação: seta cheia Opcionalmente, pode-se indicar o retorno de uma mensagem síncrona com linha a traço interrompido José Correia UML - Diagramas de Sequência 11 Exemplo: Tratar Pedido de Stock :Janela de Selecção de Pedidos Objecto tratar() :Pedido * tratar() :Linha de Pedido e:=existe?(q) :Item de Stock Quantidade pedida Mensagem Para cada linha do pedido [e= sim"]retirar(q) b:=baixo?() Para repor stock Bifurcação de controlo [b= sim ] criar() e2:encomenda [e= não ] criar() e1:encomenda Sincronização de controlo Para poder satisfazer pedido José Correia UML - Diagramas de Sequência 12

7 Mensagens assíncronas Mensagem assíncrona: o emissor não fica parado à espera de resposta. Uma mensagem é assíncrona se permitir que o seu emissor envie mensagens adicionais enquanto a mensagem original estiver a ser processada. Corresponde normalmente a envio de sinal entre dois objectos concorrentes (em processos ou threads separados). Originam fluxo de controlo concorrente, com sequências de mensagens concorrentes. Notação: O timing de uma mensagem assíncrona é independente do timing das mensagens intervenientes. José Correia UML - Diagramas de Sequência 13 Exemplo: Executar transacção com subtransacções concorrentes criar Adormecida à espera de sinal de subtransacção e executar t: Transacção criar criar ok restam subtransacções? s1: Sub-transacção s2: Sub-transacção ok restam subtransacções? auto-destruição do objecto José Correia UML - Diagramas de Sequência 14

8 Mensagens indiferenciadas Mensagem indiferenciada (ou mensagens simples): não se decide se é síncrona ou assíncrona Normalmente são usadas na modelação de interacções na fronteira do sistema entre actores e o sistema representado por um ou mais objectos Originam fluxo de controlo plano (flat), com sequência simples de mensagens Notação: José Correia UML - Diagramas de Sequência 15 Exemplo: Fazer chamada telefónica quem chama: Pessoa :Rede telefónica quem é chamado: Pessoa a {b-a < 10 seg.} b restrição temporal marca temporal nesta altura decorre a conversação levanta auscultador dá sinal de marcar marca (1) termina sinal de marcar marca (1) marca (2) dá sinal de chamada pára sinal de chamada conexão terminada poisa auscultador toca o telefone levanta auscultador pára de tocar poisa auscultador conexão terminada José Correia UML - Diagramas de Sequência 16

9 Exemplo: Requisição de teste-diagnóstico Nota: Exemplo extraído de Practical UML: A Hands-On Introduction for Developers O diagrama de sequência seguinte, ilustra a acção de uma enfermeira (nurse), requisitando um teste-diagnóstico num laboratório médico (medical lab), o qual depende da aprovação de uma companhia de seguros (insurance company) Existem duas mensagens assíncronas a partir da Enfermeira: pedir ao Laboratório Médico para reservar uma data para o teste pedir à Companhia de Seguros para aprovar o teste a ordem pela qual estas mensagens são enviadas, ou completadas, é irrelevante Se a Companhia de Seguros aprovar o teste (valor de retorno OK=True), então a Enfermeira marcará o teste ( schedule(t,d) ) para a data (d) fornecida pelo Laboratório Médico José Correia UML - Diagramas de Sequência 17 Requisição de teste-diagnóstico: uma possível solução... José Correia UML - Diagramas de Sequência 18

10 Exemplo: Falha de sub-transacção criar t: Transacção criar criar s1: Sub-transacção s2: Sub-transacção falhou matar subtransacções matar desfazer alterações José Correia UML - Diagramas de Sequência 19 Relação com diagramas de casos de uso Tipicamente, um diagrama de interacção captura um comportamento possível de um único caso de uso mostra exemplos de objectos participantes e mensagens que são trocadas entre esses objectos no âmbito do caso de uso A um caso de uso podem-se associar vários diagramas de sequência para sequências normais e sequências excepcionais de funcionamento Actores podem aparecer em diagramas de sequência, como objectos externos ao sistema normalmente iniciam as interacções José Correia UML - Diagramas de Sequência 20

11 Repor Bebidas de acordo com Vendas Comprar Bebida Cliente <<extend>> <<include>> Abrir a Máquina <<include>> Agente do Fornecedor Repor Bebidas Extension Point encher prateleiras <<include>> <<include>> Retirar Dinheiro Dono Fechar a Máquina Desenhe o diagrama de sequência (representando as barras de activação) correspondente ao caso de uso Comprar Bebida. Considere que a máquina de bebidas é composta por três objectos principais: Interface (painel de interface com o utilizador), Registadora (caixa registadora que guarda o dinheiro) e Dispensa (armário onde são guardadas as bebidas) e o seguinte cenário ideal (em que tudo corre bem, i.e., existe a bebida pretendida, há troco, etc): «O cliente insere o dinheiro na ranhura existente no painel de interface da máquina e, de seguida, selecciona o tipo de bebida. O dinheiro cai na caixa registadora e o painel de interface pede a bebida à dispensa. A dispensa envia a bebida seleccionada para o painel de interface, o qual a entrega ao cliente juntamente com o troco.» José Correia UML - Diagramas de Sequência 21 Exemplo: Comprar bebida (cenário ideal) : Cliente : Interface : Registradora : Dispensa Inserir(dinheiro) Selecionar(tipoBebida) Guardar(dinheiro) Pedir(tipoBebida) Entregar(bebida) DevolveTroco(dinheiro) Troco(dinheiro) Entregar(bebida) José Correia UML - Diagramas de Sequência 22

12 Diagramas de classes vs. Interacções: Operações O comportamento de uma classe é representado pelas suas operações mas as operações podem ser encontradas a partir dos diagramas de interacção :Registration form :Registration manager RegistrationManager add course(joe, math 01) addcourse(student,course) José Correia UML - Diagramas de Sequência 23 Diagramas de classes vs. Interacções: Relações Existem 3 tipos de relações entre objectos: associações agregações dependências As relações fornecem um caminho para a comunicação entre objectos as relações podem ser encontradas a partir dos diagramas de interacção... mas para dois objectos falarem tem de haver uma ligação entre eles : Registration manager Math 101: Course RegistrationManager add student(joe) Course José Correia UML - Diagramas de Sequência 24

13 Exemplo: Envio/Recepção de faxes Num contexto de envio/recepção de faxes, considere um sistema composto pelos seguintes objectos: Emissor (máquina de onde o fax é enviado) Receptor (máquina onde o fax é recebido) Central (central que encaminha faxes e chamadas telefónicas) Desenhe o diagrama de sequência (representando as barras de activação) correspondente ao cenário em que tudo corre bem (envio do número, estabelecimento da ligação, envio do fax, desligar, etc) José Correia UML - Diagramas de Sequência 25 Emissor : Maq Fax : Central Receptor : Maq Fax enviar(numero) LigacaoEstabelecida() estabelecerligacao() LigacaoEstabelecida() enviar(fax) desligar ConexaoTerminada() ConexaoTerminada() ImprimirReportConfirmacao() José Correia UML - Diagramas de Sequência 26

14 Diagramas de Sequência: Resumo da notação José Correia UML - Diagramas de Sequência 27 Diagramas de Sequência: Resumo Um diagrama de sequência é um diagrama de interacção que detalha como as operações são levadas a cabo que mensagens são enviadas (entre objectos) e quando Os diagramas de sequência são organizados de acordo com o tempo mostram interacções de objectos ordenados numa sequência de tempo o tempo progride à medida que descemos na página os objectos envolvidos na operação são listados da esquerda para a direita, de acordo com a altura em que tomam parte na sequência de mensagens captura o comportamento dinâmico (time-oriented) Objectivo dos diagramas de sequência: modelizar o fluxo de controlo ilustrar cenários típicos José Correia UML - Diagramas de Sequência 28

15 Referências Estes apontamentos foram baseados em: UML Unified Modeling Language, Curso em Tecnologia de Objectos, FEUP, Novembro 2000 Ademar Aguiar, Gabriel David, João Pascoal Faria UML Diagramas de Interacção, ISPGaya, Novembro 1998 César Toscano Practical UML: A Hands-On Introduction for Developers, TogetherSoft Corporation UML, Metodologias e Ferramentas CASE, Alberto Rodrigues da Silva, Carlos Videira, Maio 2001 José Correia UML - Diagramas de Sequência 29

4.4. UML Diagramas de interacção

4.4. UML Diagramas de interacção Engenharia de Software 4.4. UML Diagramas de interacção Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de interacção mostra um padrão de interacção entre vários objectos, com objectos e

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso UML Unified Modeling Language Diagramas de Casos de Uso José Correia, Março 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Objectivos O objectivo de um diagrama de casos de uso de um sistema é mostrar para

Leia mais

UML - Diagramas de Sequência

UML - Diagramas de Sequência UML - Diagramas de Sequência 1 Objectivo Um diagrama de sequência mostra uma interacção, isto é, uma sequência de mensagens trocadas entre vários objectos num determinado contexto (caso de utilização,

Leia mais

Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Diagramasde Interação Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Diagramasde Interação Foco até o momento levantamento de requisitos; Foco neste momento projeto de objetos; Durante o projeto de objetos, é desenvolvida

Leia mais

Engenharia Informática

Engenharia Informática Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Análise de Sistemas Informáticos 3º ano Exame 12 de Julho de 2006 Docentes: José Correia e João Paulo Rodrigues Duração: 90 m; Tolerância:

Leia mais

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de

Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Diagramas de Interação da UML (Diagrama de Sequência e Diagrama de Comunicação) - Aula 10 Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente

Leia mais

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação Unified Modeling Language Diagramas de Implementação José Correia, Junho 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Diagramas de implementação José Correia UML Diagramas de Implementação 2 Diagramas de

Leia mais

UML. Diagrama de Seqüência

UML. Diagrama de Seqüência UML Diagrama de Seqüência Introdução Diagramas de Seqüência apresentam a interação entre um grupo de objetos (ou classes) de um sistema, através de mensagens ou controles, em um determinado Cenário. Servem

Leia mais

UML Diagramas de Interação

UML Diagramas de Interação CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação UML Diagramas de Interação Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Análise e Projeto de Sistemas Faculdade de Computação

Leia mais

Unified Software Development Process

Unified Software Development Process 59/170 Unified Software Development Process Sumário Breve história do Unified Process O Unified Process O ciclo de vida do Unified Process O RUP (Rational Unified Process) 60/170 Breve História do Unified

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Sequência e Colaboração. Ricardo Argenton Ramos

UML Aula I Diagramas de Sequência e Colaboração. Ricardo Argenton Ramos UML Aula I Diagramas de Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2016.1 09/05/2016 Diagramas de Sequência Um diagrama de seqüência ilustra uma interação segundo uma visão

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Unified Modeling Language. Diagramas de Colaboração

Unified Modeling Language. Diagramas de Colaboração Unified Modeling Language Diagramas de Colaboração José Correia, Maio 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Interacções Sempre que existe uma ligação (link) entre instâncias, pode ocorrer uma ou

Leia mais

a) Desenhe os respetivos diagramas de sequência e de colaboração associado a este caso de uso..

a) Desenhe os respetivos diagramas de sequência e de colaboração associado a este caso de uso.. 1. Considere o melhor cenário para o caso de utilização Enviar Fax (o cenário em que tudo corre bem ). Considere um sistema composto pelos seguintes objectos: máquina que envia; máquina que recebe; uma

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

Programa do Curso de ESW

Programa do Curso de ESW 1 Programa do Curso de ESW Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Sequência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CASO DE USO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Caso de Uso Descreve o modelo funcional (comportamento) do sistema Técnica de especificaçao de requisitos Especifica um serviço que o sistema

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Análise OO. Análise. Antónia Lopes Desenvolvimento C. Objectos 09/10. Antónia Lopes

Análise OO. Análise. Antónia Lopes Desenvolvimento C. Objectos 09/10. Antónia Lopes Análise OO 36 Análise Análise é a investigação do problema Análise de Requisitos é o termo que designa a investigação das necessidades e condições que o sistema, e o projecto em geral, têm de satisfazer.

Leia mais

1. Contratos de aluguer automóvel

1. Contratos de aluguer automóvel 1. Contratos de aluguer automóvel Pretende-se desenvolver um Sistema Informático para apoio à gestão de Contratos de Aluguer automóvel de Longa-duração (SICAL) que permita efectuar, cancelar e modificar

Leia mais

Analisar através de Casos de Uso,

Analisar através de Casos de Uso, 5.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) Diagramas de Interação: Seqüência, Comunicação Processo Unificado (RUP) Métodos Orientados a Objetos UML

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML

Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 9 Modelagem de estados Todos os adultos um dia foram crianças, mas poucos se lembram disso.

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

UML 2. Gilleanes T. A. Guedes. Novatec

UML 2. Gilleanes T. A. Guedes. Novatec UML 2 uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o Autor...16 Prefácio...17 Capítulo 1 Introdução à UML...19 1.1 Breve Histórico da UML...19 1.2 Por Que Modelar

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes

UML Diagramas. UML Diagramas. UML Diagrama Diagrama de Classes. UML Diagrama Diagrama de Classes Diagramas Diagrama é uma representação gráfica de uma coleção de elementos de um modelo São desenhados para permitir a visualização de um sistema sob diferentes perspectivas Um mesmo item pode aparecer

Leia mais

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Diagrama de Estado Um diagrama de estados (statechart), também conhecido por

Leia mais

UML - Diagramas de Sequência

UML - Diagramas de Sequência UML - Diagramas de Sequência 1 Objetivo Um diagrama de sequência mostra uma interação, isto é, uma sequência de mensagens trocadas entre vários objetos num determinado contexto (caso de uso, operação,

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

4.1. UML Diagramas de casos de uso

4.1. UML Diagramas de casos de uso Engenharia de Software 4.1. UML Diagramas de casos de uso Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Utilizados para ajudar na análise de requisitos Através da forma como o utilizador usa o sistema

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language)

Programação com Objectos. Processamento de Dados I. 3. UML (Unified Modeling Language) Programação com Objectos Processamento de Dados I 3. UML (Unified Modeling Language) 1 Modelo UML Diagrama de classes Programação com Objectos / Processamento de Dados I 2 Modelo O desenvolvimento de programas

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML Análise Orientada a Objetos Professora Lucélia Oliveira Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML 1. (BNDES) Analise as seguintes afirmações relativas à Programação Orientada a Objetos:

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema.

É uma forma do engenheiro de requisitos especificar os limites e as funcionalidades do sistema. Definindo o Escopo: Modelo de Caso de Uso Agradei-me, particularmente, da possibilidade de que Joshua estivesse tão preso ao seu modo clássico de pensar que me permitisse realizar o incrível feito de chegar

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Método...2 2 Análise de requisitos...2 2.1 Diagramas de Casos de Uso...3 2.1.1 Ator...3 2.1.2 Casos de Uso (Use Case)...4 2.1.3 Cenário...4 2.1.4 Relacionamentos...6

Leia mais

UML: modelagem dinâmica

UML: modelagem dinâmica UML: modelagem dinâmica Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Synergia / Gestus Departamento de Ciência da Computação - UFMG UML: modelagem dinâmica 2 Bibliografia Rumbaugh, J.; Jacobson, I.;

Leia mais

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1

Casos de Uso. Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br. http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 Casos de Uso Viviane Torres da Silva viviane.silva@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~viviane.silva/2012.1/es1 O que é? Uma técnica para capturar requisitos funcionais Descreve o sistema sob a perspectiva

Leia mais

UML 2 uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes

UML 2 uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes UML 2 uma abordagem prática Gilleanes T. A. Guedes Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução à UML... 17. Capítulo 2 Orientação a Objetos... 37. Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio...

Sumário. Capítulo 1 Introdução à UML... 17. Capítulo 2 Orientação a Objetos... 37. Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 7 Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 15 Capítulo 1 Introdução à UML... 17 1.1 Breve Histórico da UML... 17 1.2 Por Que Modelar Software?... 18 1.2.1 Levantamento e Análise de Requisitos...

Leia mais

Diagrama de transição de Estados (DTE)

Diagrama de transição de Estados (DTE) Diagrama de transição de Estados (DTE) O DTE é uma ferramenta de modelação poderosa para descrever o comportamento do sistema dependente do tempo. A necessidade de uma ferramenta deste tipo surgiu das

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Java Mail Server. Manual do Utilizador

Java Mail Server. Manual do Utilizador Java Mail Server Manual do Utilizador Introdução às Redes e Comunicações 2002/2003 Java Mail Client Janela de Ligação O Java Mail Client (JMC), assim que é inicializado, mostra uma janela que irá possibilitar

Leia mais

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação

Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111. Manual de Instalação Placa de rede local sem fios Nokia C110/C111 Manual de Instalação DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE A NOKIA MOBILE PHONES Ltd declara ser a única responsável pela conformidade dos produtos DTN-10 e DTN-11 com

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento

EMP Multi Screen Adjustment. Guia de Funcionamento EMP Multi Screen Adjustment Guia de Funcionamento Simbologia Utilizada no Manual 1 IMPORTANTE Indica operações que podem provocar danos ou ferimentos se não se tiver os cuidados devidos. NOTA Indica informações

Leia mais

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]

Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3] ÍNDICE Manual de Utilização do OTRS ITSM [1.3]... 1 ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 3 Prefácio... 4 2 Acesso ao OTRS ITSM... 5 Registo de Ticket Classificação do

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

Manual do Umbrello UML Modeller

Manual do Umbrello UML Modeller 2 Conteúdo 1 Introdução 7 2 Bases de UML 8 2.1 Acerca do UML....................................... 8 2.2 Elementos de UML..................................... 9 2.2.1 Diagrama de Casos de Utilização.........................

Leia mais

Fórmulas e Funções 7

Fórmulas e Funções 7 Fórmulas e Funções 7 7.9. Visualização automática do resultado Para visualizar rapidamente o resultado das funções mais simples média, soma, contar, mínimo e máximo: 1. Menu de contexto sobre a barra de

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda)

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda) Manual de Iniciação FrontOffice (ponto de venda) 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Início de Operador... 5 b) Fazer login de Empregado:... 5 c) Botões de Acção:...

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Paulo Rui Lopes Pereira da Silva nº 47049 Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luis Miguel Ferreira Rosa nº 51784 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto.

UML Visão Geral. Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. UML Visão Geral Slides baseados em material disponibilizado pela Rational e adaptação da tradução de João P. Faria Univ. Do Porto. 1 Índice Introdução Diagramas O que é a UML? Diagrama de casos de uso

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema de Software

Desenvolvimento de Sistema de Software Desenvolvimento de Sistema de Software Grupo 5 Abel Matos 51776 João Amorim 51771 João Guedes 51755 Luís Oliveira 51801 Pedro Reis 51829 Introdução Neste relatório, realizado no âmbito da primeira fase

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

Alteração da taxa de IVA

Alteração da taxa de IVA Manual do Utilizador Alteração da taxa de IVA Software Sisgarbe Data última versão: 24-06-2010 Data última versão Base de Dados: Data criação: 01-06-2010 Versão: 1.00 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31

Leia mais

PUC-Rio. Tópico 6: Diagrama de Sequência C E. Luiz Antônio M. Pereira. lpereira@uninet.com.br 1/41

PUC-Rio. Tópico 6: Diagrama de Sequência C E. Luiz Antônio M. Pereira. lpereira@uninet.com.br 1/41 PU-Rio Tópico 6: Diagrama de Sequência Luiz Antônio M. Pereira lpereira@uninet.com.br 1/41 PU-Rio Diagrama de Sequência Janela de Entrada de Atendente Pedido Informa dados criar() :Pedido * criar() :linha_pedido

Leia mais

exercícios - cap. 4 1

exercícios - cap. 4 1 1 1. Equipa de desenvolvimento, clientes e utilizadores trabalham em conjunto para especificar os requisitos de um sistema. Se o sistema depois de concluído falhar, causando prejuizo físico ou financeiro,

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

OmniTouch 8400 Instant Communications Suite Integração do IBM Lotus Notes

OmniTouch 8400 Instant Communications Suite Integração do IBM Lotus Notes OmniTouch 8400 Instant Communications Suite Guia de referência rápida R6.0 O Alcatel-Lucent OmniTouch 8400 Instant Communications Suite proporciona um elevado nível de serviços quando associado ao IBM

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Manual do Utilizador do Telefone de Teclas Orchid KP416 e KP832

Manual do Utilizador do Telefone de Teclas Orchid KP416 e KP832 Manual do Utilizador do Telefone de Teclas Orchid KP416 e KP832 Conteúdo Página Introdução 2 Programação 2 Programar Data e Hora 2 Fazer e Atender Chamadas 2 Atendimento de Chamadas 3 Transferir Chamadas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

Exemplo: Campeonato de futebol

Exemplo: Campeonato de futebol Exemplo: Campeonato de futebol Um campeonato é constituído por 34 jornadas, é identificado por uma época e possui um campeão e um melhor marcador. Cada jornada é identificada por um número e é constituída

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina do Correio Para saber mais sobre Correio electrónico 1. Dicas para melhor gerir e organizar o Correio Electrónico utilizando o Outlook Express Criar Pastas Escrever

Leia mais

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2

MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650. Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 MANUAL DE CONSULTA RÁPIDA DO MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650 Copyright 2002 Nokia. Todos os direitos reservados 9354493 Issue 2 Índice 1. INTRODUÇÃO...1 2. INSTALAR O MODEM OPTIONS FOR NOKIA 7650...1 3. SELECCIONAR

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais