PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS. Autoria: Thel Augusto Monteiro, Nadia Kassouf Pizzinatto, Antonio Carlos Giuliani

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS. Autoria: Thel Augusto Monteiro, Nadia Kassouf Pizzinatto, Antonio Carlos Giuliani"

Transcrição

1 PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Autoria: Thel Augusto Monteiro, Nadia Kassouf Pizzinatto, Antonio Carlos Giuliani RESUMO Este estudo investiga a projeção de cenários nacionais, como base para a definição de estratégias no planejamento estratégico das empresas de onze setores econômicos (alimentos, carros, bebidas, vestuário, cuidados pessoais, tabaco, animais de estimação, eletroeletrônicos, eletrodomésticos, motos e aviação). Caracterizado como um estudo exploratório, é baseado em levantamento de dados secundários, a partir das tendências de investimentos de cada um dos onze setores pesquisados. A partir dos Modelos de Construção de Cenários de Godet (2002), Porter (1998) e Global Business Network (2002) o estudo apoiou-se na proposta de Projeção de Cenários de Kato (2007), para, a partir dos dados da realidade nacional investigados, propor a projeção de cenários para cada um dos onze setores econômicos, sugerindo estratégias a adotar pelos gestores, em cada situação. Palavras-chaves: cenários, estratégias, organizações. 1/20

2 1. INTRODUÇÃO Pesquisas de tendências, tais como a realizada pela Consultoria americana McKinsey, complementada por dados da empresa de marketing Escopo e publicada pela Revista Exame em Agosto de 2012, projetam que até 2020 os brasileiros vão gastar até R$ 1,3 trilhão a mais do que em 2012, em produtos e serviços de diversas categorias, tais como, varejo, lazer, entretenimento e alimentação. Isto significa transformar o mercado nacional no quinto maior do mundo. Este valor abrange todos os gastos das famílias que vão desde a moradia e escola a compras no supermercado. Tendências como essas mostram a importância da construc ão de cenários para o planejamento estratégico de marketing nesse quadro desafiador, das forc as que determinam o futuro das empresas nacionais, bem como das ameac as e oportunidades do macroambiente e do ambiente competitivo, o que pode permitir a adaptac ão ou a rápida mudanc a nas estratégias empresariais. Segundo Prahalad e Hamel (1995), o objetivo da competic ão pela construção de cenários de cada setor pode ser resumido em desenvolver um conjunto de premissas possível sobre um determinado cenário e, assim, desenvolver a base necessária para moldar a sua estratégia de marketing. A competic ão pela construção de cenários do setor é essencialmente uma competic ão pelo posicionamento da empresa como líder intelectual em termos de influe ncia no direcionamento e forma da transformac ão do setor. Isto significa que o empresário pode controlar o alcance dos objetivos estratégicos e, portanto, alterar suas estratégias em face do cenário que estiver predominando (VELLOSO, 1997). Este artigo tem por objetivo apresentar a projeção de cenários nacionais, como base para a definição de estratégias no planejamento estratégico de onze setores econômicos (alimentos, carros, bebidas, vestuário, cuidados pessoais, tabaco, animais de estimação, eletroeletrônicos, eletrodomésticos, motos e aviação), a partir das tendências de investimentos para cada um deles. Metodologicamente, desenvolve estudo exploratório em dados secundários teóricos e de dados da realidade econômica desses onze setores do país, para chegar à projeção de cenários para cada um deles, com a sugestão de estratégias a adotar pelos gestores de cada setor. 2. CENÁRIOS: DOS CONCEITOS AOS MODELOS DE CONSTRUÇÃO E DE PROJEÇÃO Neste item, concentra-se o referencial teórico sobre as temáticas envolvidas neste estudo CENÁRIOS: CONCEITOS, BENEFÍCIOS, OBJETIVOS Schwartz (2003, p.15), mostra que a construc ão de cenários é uma ferramenta para ordenar percepc ões sobre ambientes futuros alternativos nos quais as consequ e ncias de sua decisão vão acontecer, ou, ainda, um salto imaginativo no futuro. Em outras palavras, Porter (1998, p.412), complementa que um cenário é uma visão internamente consistente daquilo que o futuro poderia vir a ser, sendo de primordial importa ncia o seu uso como um 2/20

3 instrumento para o planejamento estratégico, facilitando o conhecimento das implicac ões das incertezas sobre o desempenho futuro de cada organizac ão e também no setor a que pertence, sobretudo no que envolve a cadeia de valor. De acordo com Oliveira (1996), alguns benefícios da construc ão de cenários podem ser apresentados. O Quadro 1 resume cada benefício, relacionando com sua utilização mercadológica. Quadro 1. Benefícios da construção de cenários e seus resultados Benefícios Resultados Facilitar o processo de entendimento do A empresa pode conhecer melhor a ambiente e suas influências. concorrência Propiciar maior consistência interna no A empresa pode treinar e motivar sua processo decisório. força de vendas para que localize e relate Conhecer as inter-relac ões entre fatores externos e internos à empresa. Dar e nfase aos aspectos de interações entre os concorrentes. Receber elementos para a formulação das estratégias empresariais. novos acontecimentos. A empresa pode descobrir muitas oportunidades observando o cenário atual de seu segmento. A empresa pode motivar distribuidores, revendedores e outros intermediários a repassar informações importantes. A empresa pode oferecer ao cliente sistemas de feedback e, assim, coletar informações de marketing. Fonte: elaborado pelos autores, com base Oliveira (1996). O objetivo da construção de cenários é auxiliar as empresas a criar valor para clientes, acionistas, funcionários e comunidades duradouras nos futuros possíveis (ROSS; GREENO; SHERMANN, 1998, p.100). A capacidade de sentir a mudanc a, aprender com as lic ões dos sucessos e fracassos do passado e transformar essas lic ões em respostas novas e criativas é uma compete ncia crítica da organizac ão de alto desempenho (BAND, 1997, p.225). 2.2 MODELOS DE CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS Para Buarque (2003, p.50), na construção de cenários pode-se recorrer a um conjunto de técnicas e processos de sistematizac ão e organizac ão das informac ões e hipóteses. Existe um diversificado conjunto de técnicas que podem ser utilizadas no processo de construc ão de cenários. Para este estudo, foram selecionados três modelos que mais podem atender ao gestor, de acordo com sua estratégia de marketing: o método de elaboração de cenários de Godet, o modelo Global Business Network e o modelo de Porter. O modelo de elaborac ão de cenários de Godet foi desenvolvido no período de 1974 a 1979 quando o mesmo dirigia o Departamento de Estudos Futuros da consultoria francesa SEMA. O método tem basicamente seis etapas (GRUMBACH; MARCIAL, 2002, p.70), como é apresentado na Figura 1. 3/20

4 Delimitação do sistema e do ambiente Análise estrutural do sistema e do ambiente Listagem dos condicionantes do futuro Análise morfológica Testes de consistência, ajuste e disseminação Revisão e disseminação Figura 1. Modelo de construção de cenários de Godet, segundo Grumbach e Marcial (2002). Fonte: adaptado de Grumbach e Marcial (2002). No modelo proposto pela de cenários desejados pela organização. Schwartz (2000, p.58-60), apresenta as etapas deste método, que são ilustradas na Figura 2. Identificar a questão ou decisão central Determinar forças-chave no ambiente local Determinar forças motrizes (aquelas que influenciam os fatores-chave Classificar por importância e incerteza Selecionar e definir a lógica dos cenários em torno dos quais pode haver mudança Figura 2. Modelo de construção de cenários da Global Business Network, Fonte: elaborado pelos autores, a partir de Schwartz (2000, p.58-60) De acordo com Grumbach e Marcial (2002, p.87), o modelo. Os autores partem do princípio que a busca por cenários alternativos é a melhor ferramenta a ser utilizada por uma empresa no momento de escolher sua e,. P, como ilustrado na Figura 3. 4/20

5 Identificar as incertezas que podem afetar a estrutura industrial Prever o comportamento da concorrência Determinar os fatores causais que as conduzem Determinar as fontes de vantagem competitiva sob cada cenário Fazer uma série de suposições plausíveis sobre cada fator causal importante Analisar a estrutura industrial que prevaleça sobre cada cenário Figura 3. Modelo de construção de cenários descrito por Porter (1998). Fonte: elaborado pelos autores, com base em Grumbach e Marcial (2002, p.87). É recomendável projetar prováveis possa agir no futuro em função dessas projeções alternativas. Dentre os diversos modelos de construção de cenários apresentados, é importante que o empresário selecione aquele que mais se adapte a seu segmento de atuação. O Quadro 3 resume cada um desses modelos apresentando suas definições. Quadro 3. Modelos de construção de cenários e suas definições Modelos de Definição construção de cenários Godet (2002) Apresenta uma abordagem direta com aplicações específicas comparando informações do macroambiente e do ambiente competitivo. Global Business Implica escolher dentre várias opções com total compreensão dos Network (2000) possíveis resultados desejados pela organização. Michael Porter (1998) Tem como foco a indústria e como objetivo a elaboração de cenários industriais. Fonte: elaborado pelos autores, com base em pesquisa da bibliografia citada. 5/20

6 Independente do modelo de construção de cenários utilizado, o empresário pode realizar sua análise, planejamento e implementação utilizando um sistema de inteligência de marketing, avaliando suas necessidades de informações e gerando as estratégias mercadológicas necessárias da maneira que lhe for mais oportuna. 2.3 PROJEÇÃO DE CENÁRIOS Kato (2007), afirma que três possíveis cenários, sendo eles, o recessivo, o intermediário e o expansivo, podem ser projetados, cada qual sugerindo determinadas estratégias competitivas. De acordo com o autor, no cenário recessivo o mercado permanece estável, com o aumento dos problemas de fornecimento impedindo a produção e as vendas e, consequentemente, há queda no consumo e redução do mercado. Quanto aos aspectos econômicos, há estagnação com impacto no desempenho empresarial. Há também redução da demanda e consequente crise. As taxas de juros e a inflação disparam, além do crescimento lento e gradativo nos próximos anos e depois, ligeira queda. Neste cenário, as organizações podem direcionar esforços para a retenção e manutenção de grande parte dos clientes de uma empresa, pautados em estratégias promocionais, buscando a manutenção do nível de serviços e a fidelização de seus clientes. No cenário intermediário, o autor afirma que a sociedade está em pleno desenvolvimento e há expectativa de melhoras a longo prazo, com aumento do consumo. Apesar do custo de vida, mantem-se o padrão com crescimento discreto em alguns casos. Há profissionalização, porém com a existência, ainda, de alguns amadores. Neste cenário, Kato (2007), aponta que os investimentos são direcionados à melhoria de desempenho do negócio. Há estabilidade nos próximos anos, com leve queda depois, e manutenção do padrão de consumo e dos níveis de crescimento. Assim, as organizações podem direcionar esforços de vendas, com o objetivo de reter os clientes de uma empresa, oferecendo qualidade em produtos e serviços, a baixos custos e preços na média de seu mercado de atuação. Para o cenário expansivo, do ponto de vista mercadológico, a globalização e a expansão continuarão. Buscando qualidade e competitividade, as empresas desenvolverão novos nichos em seus setores e manterão a demanda alta por mais de cinco anos, com aumento significativo no consumo e queda dos juros. Dessa forma, as empresas podem direcionar seus esforços para estratégias de vendas, visando sua expansão em determinadas regiões de acordo com sua meta de crescimento, ao mesmo tempo em que pode diferenciar serviços e oferecer preços competitivos. O Quadro 2 resume os conceitos explicitados acima. 6/20

7 Quadro 2. Cenários identificados por Kato (2007), Estratégias e benefícios para as empresas Cenários Estratégias Benefícios Cenário recessivo Cenário intermediário Cenário expansivo Direciona esforços para a retenção e manutenção de grande parte dos clientes de uma empresa, (pautado no composto promocional). Apontar esforços de vendas, com o objetivo de reter os clientes de uma empresa. Direcionar seus esforços de vendas, visando sua expansão em determinadas regiões de acordo com sua estratégia de crescimento. Pode levar a empresa a uma redução de custos, buscando a manutenção do nível de serviços para seus clientes. Oferece qualidade em seus produtos e serviços, a baixos custos e preços na média de seu mercado de atuação. Pode diferenciar serviços e oferecer preços competitivos a seus consumidores. Fonte: elaborado pelos autores, a partir de Kato (2007). 3. METODOLOGIA DO ESTUDO Este estudo caracteriza-se por utilizar uma pesquisa exploratória, baseada em dados secundários, a qual, de acordo com Malhotra (2012), consiste em descrever características ou funções de mercado. Metodologicamente, recorreu-se primeiramente, a fontes bibliográficas como artigos científicos publicados, livros, revistas especializadas e sites na internet, identificando-se três modelos de construção de cenários: de Godet (1979, apud Grumbach e Marcial, 2002), do modelo Global Business Network (Schwartz, 2000) e do modelo de Porter (1998). Em seguida, verificou-se a possível projeção de cenários nas três categorias preconizadas por Kato (2007). Foi em seguida realizada pesquisa em dados secundários, de informações sobre o comportamento do mercado de onze setores de atividade, que dessem indícios para a projeção de cenários. Dois critérios embasaram a pesquisa: a projeção da demanda de cada setor de 2010 a 2020 e os investimentos projetados para o mesmo período. Após análise das informações sobre tendências pesquisadas para cada setor, foi proposta, para os onze setores investigados, a projeção de cenários com base nas categorias propostas por Kato (2007), o recessivo, o intermediário e o expansivo, bem como foram sugeridas estratégias mais adequadas ao cenário projetado. 4. RESULTADOS DA PESQUISA: CENÁRIOS MACROAMBIENTAIS DE DIVERSOS SEGMENTOS Neste item, apresentam-se primeiramente, informações sobre tendências da economia, para o período de 2010 a 2020; primeiramente, uma análise geral, tendo como critério a projeção do PIB (Produto Interno Bruto ). Em seguida, uma análise geral da previsão do comportamento da demanda por Estado e/ou região. Na sequencia, o critério da demanda 7/20

8 projetada e também o de investimentos previstos são utilizados para análise de tendências de consumo e de investimentos de onze setores econômicos. 4.1 TENDÊNCIAS MACROAMBIENTAIS DA ECONOMIA BRASILEIRA Dados das pesquisas, s, tais como a realizada pela consultoria americana McKinsey, complementada por dados da Escopo Geomarketing e veiculada na Revista Exame, em Agosto de 2012, apontam tendências de que no intervalo de uma década o mercado consumidor brasileiro irá dobrar de tamanho. A projeção de aumento do produto interno bruto (PIB) per capita pode aumentar em 37%. A pesquisa apresenta que em 2010, o PIB per capita era de aproximadamente R$ ,00. A projeção para 2020 é de R$ ,00. Estes valores abrangem todos os gastos das famílias que vão desde a moradia e escola até as compras em supermercados. Do total, a consultoria americana McKinsey analisou o comportamento de 45 das principais categorias de produtos, incluindo cosméticos, alimentos, congelados e vestuário. A Escopo Geomarketing projetou o consumo de itens como carros, eletrodomésticos e passagens aéreas. O aumento projetado do PIB per capita de 2010 para 2020 aponta para um aumento de aproximadamente 50% no consumo das famílias brasileiras. Os dados mostram que em 2010, o consumo era de R$ 2,2 trilhões, enquanto a projeção para os próximos dez anos aponta para um consumo de R$ 3,5 trilhões. Este aumento representativo pode levar o Brasil ao posto de quinto maior mercado consumidor mundial em 2020, como apresenta a Figura , , ,4 3,5 3,2 3 2,8 0 Figura 4. Projeção de consumo mundial Fonte: elaborado pelos autores com base em dados da consultoria americana McKinsey e Escopo Geomarketing (2012). 8/20

9 4.2 ANÁLISE DE TENDÊNCIAS MACROAMBIENTAIS POR ESTADO/ REGIÃO DO BRASIL O mercado brasileiro que mais apresenta projeções positivas, de acordo com dados da consultoria americana McKinsey e da Escopo Geomarketing (Revista Exame,2012), é composto pelos Estados das regiões Norte e Nordeste. Das categorias de produtos estudadas, entre elas, cosméticos, alimentos, congelados, vestuário, automóveis, eletrodomésticos e passagens aéreas, em 2010, a região Sudeste apresentava 52% de participação no consumo nacional, enquanto que a região Nordeste apresentava 18%, seguida das regiões Sul (16%), Centro-Oeste (8%) e Norte (6%). Para 2020, o consumo da região Sudeste aponta para um declínio de 3%, chegando ao patamar de 49%, enquanto que a região Nordeste pode ter seu consumo aumentado para 21%. A região Nordeste, de fato, apresenta um crescimento significativo para 2020, apresentando os seis principais Estados que contribuem para este crescimento. São eles: Pernambuco (193%), Alagoas (186%), Piauí (186%), Paraíba (179%), Maranhã (171%) e Ceará (169%). Aqui pode-se verificar a forma como o levantamento de informações para construção de cenários pode contribuir para a definição de estratégias: os dados sugerem que, apesar da cautela necessária em relação ao poder de compra do consumidor brasileiro, se grande parte das empresas desejam prosperar, pode-se tornar necessário explorar mercados fora das capitais e das regiões Sul e Sudeste, priorizando a região Nordeste, que vem tendo seu consumo aumentado. 4.3 ANÁLISE DE TENDÊNCIAS MACROAMBIENTAIS PARA ONZE SETORES ECONÔMICOS De acordo com a consultoria brasileira LCA (Revista Exame, 2012), as vendas no varejo podem sofrer uma retração, mesmo que a redução do imposto sobre produtos industrializados (IPI) perdure ou sofra pequenos acréscimos. O setor dos supermercados apontam para uma estabilidade, pois estão ligados diretamente ao aumento de renda do consumidor brasileiro, que pode passar por um crescimento de até 4% ao ano. Contudo, não se pode desconsiderar que as dívidas já correspondem a 45% da renda anual dos brasileiros, e que aproximadamente ¼ dos salários de funcionários do varejo e da indústria está comprometido com o pagamento de juros. O mercado de aviação pode receber aproximadamente R$ 10 bilhões, referentes aos gastos com lazer das famílias brasileiras. Este valor equivale a duas empresas do porte da empresa aérea Gol. Em 2012, o Brasil ocupa o quarto maior mercado de avião doméstica, seguido pelos EUA, Chia e Índia. Os dados apresentados reforçam a idéia de que o consumo também está se deslocando em direção às regiões metropolitanas dos Estados da região Nordeste e também em direção ao interior dos demais Estados. Em 2012, aproximadamente 36% do total do consumo das categorias de produtos citadas anteriormente, está concentrado nas capitais brasileiras. Levando-se em consideração as projeções realizadas pela consultoria americana Mc Kinsey, este percentual pode diminuir para 32%, até O mercado de motos pode receber investimentos na ordem de R$ 11 bilhões, o que equivale a cinco empresas da marca Yamaha. O Brasil ocupa o quarto maior mercado 9/20

10 mundial de motos, e com este investimento até 2020, pode ser tornar o terceiro maior mercado em consumo deste segmento. A linha de eletrodomésticos também pode receber investimentos de até R$ 13 bilhões, o que equivale a duas empresas do porte da Whirlpool, detentora das marcas Brastemp, Consul e Kitchen-Aid. Em 2012, o Brasil tornou-se o terceiro maior mercado mundial de computadores, o que aponta para um investimento de até R$ 15 bilhões neste mercado. O mercado de animais de estimação também passa por uma explosão de consumo, e pode receber investimentos de até R$ 18 bilhões, o que equivale a 35 empresas do porte da Purina, uma conhecida marca de rações caninas. O Brasil é o terceiro maior mercado de produtos para animais de estimação e com este investimento, pode se tornar o segundo maior mercado. Com relação ao mercado de tabaco, o Brasil pode receber investimentos de R$24 bilhões, equivalentes a duas empresas do porte da Souza Cruz. Já com relação ao mercado de cuidados pessoais, os cosméticos ganham destaque. Com uma projeção de investimentos da ordem de R$ 78 bilhões até 2020, o mercado brasileiro de perfumes já é o maior do mundo, devendo permanecer nesta posição. O investimento projetado neste mercado equivale a sete empresas do porte da Unilever. O mercado de vestuário ganha destaque no mercado nacional, com uma projeção de investimentos próximo de R$ 103 bilhões, fazendo com que o Brasil seja o quinto maior mercado global de roupas. Este investimento equivale a 28 empresas do porte da C&A. As bebidas, especificamente, vinhos e derivados, podem receber investimentos de R$ 158 bilhões, ou seja, equivalente a quatro empresas do porte da Ambev. Desde 2012, o Brasil ocupa o terceiro maior mercado de cervejas no mundo, e com este investimento, pode chegar ao segundo lugar em O mercado de automóveis no Brasil, afetado positivamente com a redução do IPI, pode receber investimentos próximos de R$ 203 bilhões, o que equivale a sete empresas do porte da Fiat. O mercado brasileiro de carros ocupa o quarto lugar desde 2012, e poderá tornar-se o terceiro até 2020 com este investimento. O mercado de alimentos deverá receber o maior investimento em dez anos, chegando a R$ 293 bilhões, o que equivale a 13 empresas do porte da Brasil Foods. O Brasil é o quarto maior mercado consumidor de alimentos. Com este investimento, pode chegar a ocupar o terceiro lugar. O Quadro 4 consolida estas informações, proporcionando uma abordagem mais holística do cenário futuro. Quadro 4. Representação de investimentos projetados até 2020 Setores Investimento projetado Equivalência em empresas para 2020 (em bilhões de Reais) Alimentos R$ empresas do porte da Brasil Foods Carros R$ empresas do porte da Fiat Bebidas R$ empresas do porte da Ambev Vestuário R$ empresas do porte da C&A Cuidados pessoais R$ 78 7 empresas do porte da Unilever Tabaco R$ 24 2 empresas do porte da Souza Cruz Animais de R$ empresas do porte da Purina estimação Eletroeletrônicos R$ 15 6 empresas do porte da Positivo 10/20

11 Eletrodomésticos R$ 13 2 empresas do porte da Whirlpool Motos R$ 11 5 empresas do porte da Yamaha Aviação R$ 10 2 empresas do porte da Gol Fonte: elaborado pelos autores, a partir da pesquisa de dados secundários (STEFANO, F.; CRUZ, 2012). 5. PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA ONZE SETORES DA ECONOMIA NACIONAL E ESTRATÉGIAS SUGERIDAS Ao utilizar as informações sobre tendências pesquisadas para cada setor e suas respectivas análises, é proposta, para os onze setores investigados, a projeção de cenários com base nas categorias propostas por Kato (2007), sendo elas o recessivo, o intermediário e o expansivo, bem como são sugeridas estratégias mais adequadas de acordo com o cenário projetado. O Quadro 5 apresenta esta projeção. Quadro 5. Projeção de Cenários para onze setores da economia nacional e estratégias sugeridas Cenário Setores Estratégias sugeridas para cada setor projetado Expansivo Carros, Bebidas, Cuidados pessoais, Eletroeletrônicos, eletrodomésticos e aviação. Direcionar seus esforços para estratégia de vendas, visando sua expansão em determinadas regiões de acordo com sua estratégia de crescimento. Intermediário Alimentos, Vestuário, Animais de estimação e Motos. Desenvolver esforços de vendas, com o objetivo de reter os clientes de uma empresa. Recessivo Tabaco Direciona esforços para a retenção e manutenção de grande parte dos clientes de uma empresa, (pautado no composto promocional). Fonte: elaborado pelos autores, a partir dos resultados da pesquisa e das proposições de Kato (2007). Ao analisar o Quadro 5, pode-se observar que cada um desses setores ao aplicar a estratégia sugerida, estará concorrendo, - para utilizar o linguajar de Contador (2008), num campo de competição, utilizando armas específicas, que podem ser desde a competição em preços (estratégia para a qual precisaria ter alta produtividade para obter baixo custo, até prazo de entrega (e para tanto precisa ter alta velocidade de produção) ou mesmo pode oferecer diferenciação de serviços. Assim, os setores para os quais se projeta um cenário expansivo agrupa os seguintes setores: carros, bebidas, cuidados pessoais, eletroeletrônicos, eletrodomésticos e aviação. Ao avaliar as tendências macroambientais destes setores, podese apontar que eles se enquadram dentro da perspectiva do cenário expansivo de Kato (2007), onde a globalização e a expansão continuarão. Ao buscar qualidade e competitividade, as empresas desenvolverão novos nichos em seus setores e manterão a 11/20

12 demanda com aumento significativo no consumo e queda dos juros, o que justifica seu direcionamento de esforços para a estratégia de vendas, visando sua expansão em determinadas regions e de acordo com sua estratégia de crescimento. Para o cenário expansivo, Kato (2007) sugere estratégias focadas em vendas. Complementarmente, pode-se sugerir estratégias promocionais, com armas focadas em propaganda, promoção de vendas, por exemplo. Para o cenário intermediário, os seguintes setores foram selecionados: alimentos, vestuário, animais de estimação e motos. Ao verificar as tendências desses setores explicadas no item 4.3 desse estudo, verifica-se que atendem às características do cenário intermediário de Kato (2007), projeção de uma situação em que a sociedade está em pleno desenvolvimento e há expectativa de melhoras a longo prazo, com aumento do consumo. Apesar do custo de vida, mantem-se o padrão com crescimento discreto em alguns casos. As tendências macroecoômicas também apontam para uma estabilidade nos próximos anos, com manutenção do padrão de consumo e dos níveis de crescimento. Dessa forma, as empresas desses setores podem desenvolver esforços de vendas com o objetivo de reter seus clientes. Já, o cenário recessivo foi selecionado apenas para o setor de tabaco. Isto fica evidente ao verificar a caracterização deste cenário por Kato (2007), em que o mercado permanece estável, com o aumento dos problemas de fornecimento impedindo a produção e as vendas e, consequentemente, há queda no consumo e redução do mercado. Apesar dos investimentos previstos para este setor, as empresas a ele relacionadas podem direcionar seus esforços para a retenção e manutenção de grande parte de seus clientes, para continuarem ativas em seus mercados. 12/20

13 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A elaboração da construção de cenários abre possibilidades diversas que as empresas possam adotar ao definir estratégias. Não é um processo simples. Requer planejamento, estudos de variáveis controláveis (internas) e incontroláveis (externas) à empresa, mas também requer visão de futuro. A projeção dos cenários apresentados neste estudo podem apontar para as empresas que determinadas estratégias tenham maior probabilidade de sucesso se aplicadas em determinado tipo de cenário. Esta pesquisa pôde apontar que os modelos de construção de cenários de Godet (2002), Porter (1998) e Global Business Network (2002), podem ser utilizados para, a partir deles, desenvolver projeções de cenários, que foram apresentados por Kato (2007), classificados em recessivo, intermediário e expansivo. Com a análise das tendências de investimentos para os onze setores estudados, pôde-se classificá-los nas três categorias de cenários de Kato (2007). Os resultados desta pesquisa mostram a importância que a projeção de cenários possui na definição de estratégias e que é possível proporcionar um ambiente adequado para o planejamento de cenários e, com isso, abrir espaço para que novas oportunidades de negócios e posicionamento sejam criadas. Uma atenção deve ser ressaltada no momento em que três cenários são apresentados, com o objetivo de não serem atribuídos a uma interpretação simplista de otimismo, tendências e pessimismo, pois podem comprometer as estratégias a serem desenvolvidas pelas empresas. Os cenários descritos nessa pesquisa devem ser analisados sem qualquer julgamento de valor, sem incorporar qualquer ideologia ou tendência. Esta abordagem pode favorecer a visão de futuro a partir da construção de cenários específicos para cada necessidade empresarial. Com a utilização de métodos adequados, acredita-se que possa ser possível construir cenários estratégicos e apresentar seus respectivos benefícios às empresas, que podem ser obtidos pela análise de seu próprio planejamento estratégico. Acredita-se que as contribuições desse estudo, residam em oferecer diretrizes às empresas ao lidarem com as incertezas de seus respectivos setores, proporcionando uma preparação para apresentar as melhores decisões estratégicas em suas tomadas de decisões, minimizando ao mesmo tempo, as ameaças do ambiente externo. Espera-se que esta pesquisa possa proporcionar uma gestão mercadológica com mais eficiência. A pesquisa também demonstrou que os modelos de construção de cenários podem ser utilizados em novos estudos, que podem ser elaborados para proposição de outros tipos de estratégias, como a de Desenvolvimento de Produto, de Mercado, de Diversificação, apontadas por Igor Ansoff, bem como de crescimento a longo prazo e de sobrevivência a curto prazo. 13/20

14 7. REFERÊNCIAS AILAWADI, K. L. et al. Journal of Retailing, Atlanta, v. 85 (1) BAND, William A. Compete ncias críticas. Rio de Janeiro: Campus, BOYD, D. M.; ELLISON, N. B. Social Network sites: definition, history and scholarship. Jornal of perspective, Journal of Business Research, Atlanta, v. 62, p BUARQUE, Sérgio C. Metodologia e técnicas de construc ão de cenários globais e regionais. Brasília: IPEA, (Texto para discussão, n. 939). BUENO, Wilson da Costa. Comunicac ão empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, CHAILOM, P. Internation Journal of Business Strategy, volume 12, number CHRISTENSEN, L. T.; FIRAT, A. F.; TORP, S. The organization of integrated communications: Toward flexible integration. European Journal of Marketing, Reino Unido, v. 42, p CONTADOR, J.. Campos e Armas da Competição- novo modelo de estratégia. São Paulo : Saint Paul Editora Ltda., GEARGEOURA, L. J. As 1001 faces dos serviços de saúde no Brasil: um mapa exploratório do posicionamento mercadológico nos segmentos de hospitais e de operadoras de Saúde. In: I ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. ENANPAD, 2007, Salvador, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, GIULIANI, A. C. Marketing em um ambiente globalizado. São Paulo: Cobra, p. GRUMBACH, Raul José dos Santos; MARCIAL, Elaine Coutinho. Cenários prospectivos. Rio de Janeiro: Fundac ão Getúlio Vargas GUMMESSON, E. Marketing de Relacionamento Total. S.Paulo: Bookman, 2010, 368 p. KATO, J. M. Um modelo para a construção de cenários aplicado a Indústria de Transportes Rodoviários de Cargas no Brasil. Revista FAE. v. 10, n. 2, p , Curitiba, KERIN, Roger A. et al. Marketing. São Paulo: McGraw-Hill, KLIATCHKO, J. Revisiting the IMC construct: A revised definition and four pillars. International Journal of Advertising, Reino Unido, v. 27 (1), p KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Introdução ao Marketing. 4. ed. São Paulo: Prentice Hall, KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.; SETIAWAN, I. Marketing 3.0: as forc as que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, LARIOS, A. Estudo e construção de cenários para a telefonia móvel no contexto brasileiro. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio 14/20

15 Grande do Sul. Porto Alegre, LIODICE, B. Essentials for integrated marketing. Advertising Age, New York, v. 72, MATTAR, F. N. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouc as. Planejamento estratégico. 15. ed. São Paulo: Atlas, PARENTE, João. Os 4 tipos de empresas presentes no e-commerce e suas tendências. 10 maio Disponível em: <http://www.ecommercebrasil.com.br/a rtigos/os-4-tipos-de-empresas-presentesno-e-commerce-e-suastendencias/>.acesso em: 4 jan PORTER, Michael. Vantagem competitiva. 12. ed. São Paulo: Campus, SCHWARTZ, Peter. O amanhã chegou. HSM Management, v. 4, n. 20, p , maio/jun STEFANO, F.; CRUZ, P. O novo mapa do consume. Revista Exame, ed. 1022, Agosto, STRAUSS, J. El-Ansary; FROST, R. E-Marketing, 4th international Edition, Upper Saddle River. New Jersey: Pearson Prentice Hall, USSAHAWANITCHAKIT, P.; INTAKHAN, P. Internet Strategy, Marketing Effectiveness and Firm Performance: Evidence from electronics commerce businesses in Thailand. International Journal of Business Strategy, v. 10, n. 4, p , VELLOSO, Marco Aurélio Fernandes. Estimulando a construc ão de cenários. São Paulo: InterPsic, Disponível em: <http:www.interpsic.com.br/saladeleitura/t exto42.html>. Acesso em: 25 fev PRAHALAD, C. K.; HAMEL, Gary. Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro: Campus, RAAIJ, W. F.; STRAZZIERI, A.; WOODSIDE, A. Journal of Business Research, Atlanta, v. 53, p ROSS, Christopher E.; GREENO, J. Ladd; SHERMAN, Albert. Planejamento de cenários. HSM Management, São Paulo, v. 2, n. 11, p , nov./dez SCHWARTZ, Peter. A arte da visão de longo prazo. 2. ed. São Paulo: Best Seller, /20

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Introdução à pesquisa em Marketing Professor: Roberto César Pesquisa de marketing no Brasil e no mundo A pesquisa de marketing, apesar de ser um negócio crescente no Brasil,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE.

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. A TRÍADE Missão MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. MISSÃO ORGANIZACIONAL Assim como O REGISTRO DE NASCIMENTO nos identifica

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda REFLEXÕES SOBRE A COMPETITIVIDADE: COMO SERÁ O DESENVOLVIMENTO DO SEU NEGÓCIO NOS PRÓXIMOS ANOS? Sussumu Honda 2013: O MUNDO Perspectivas Globais RECUPERAÇÃO GRADATIVA COM GRANDES MUDANÇAS Perspectivas

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 guilherme@2dayconsultoria.com patricia@2dayconsultoria.com www.2dayconsultoria.com A p r e s e n t a ç ã

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil

Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil EMBARGOED UNTIL TUESDAY JUNE 09, 2015 AT 00.01 EST Pesquisa do ManpowerGroup revela declínio nas expectativas de contratações no Brasil A expectativa de contratação no Brasil chega a -3% para o próximo

Leia mais

Planejamento e Implementação de Ações de Marketing

Planejamento e Implementação de Ações de Marketing Planejamento e Implementação de Ações de Marketing Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica CFO Panorama Global dos Negócios Queda acentuada do otimismo no Brasil, preocupação com câmbio e alta da taxa de juros estão entre os principais resultados da pesquisa. -------------------------------------------

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 PLANO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Código: ADM - 456 CH Total: 60 Pré-requisito: -0- Período Letivo: 2013/2

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: INTRODUÇÃO AO MARKETING Código: Série: 1º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80 horas Período Letivo: 2015 Obs: Objetivos O objetivo da disciplina

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Autorizado pela Portaria no 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MARKETING APLICADO A ENGENHARIA Código: ENGP - 587 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Tendências Empresariais. Gestão Empresarial. Aula 6. Mudança. Velocidade da Mudança. Aceleração da História. Gestão da Mudança

Tendências Empresariais. Gestão Empresarial. Aula 6. Mudança. Velocidade da Mudança. Aceleração da História. Gestão da Mudança Gestão Empresarial Tendências Empresariais Aula 6 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Mudança Quando decorei todas as respostas da vida, mudaram todas

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

PLANO DE ENSINO. As atividades da disciplina estão orientadas no sentido de alcançar os seguintes objetivos abaixo relacionados:

PLANO DE ENSINO. As atividades da disciplina estão orientadas no sentido de alcançar os seguintes objetivos abaixo relacionados: I IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso Bacharelado em Administração Disciplina GADM11 - Fundamentos de Marketing Pré-Requisitos: Não há Professor Marcos Severo II EMENTA Período 5º CH. Semanal 04h/a Ano/Sem

Leia mais

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril

13 e 14. SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas. Abril 13 e 14 Abril LOCAL: Rio de Janeiro - RJ SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO POR COMPETÊNCIA A construção de um novo modelo de Gestão Estratégica de Pessoas Evento direcionado para a área de Gestão de Pessoas

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.

Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com. HORTON INTERNATIONAL EXECUTIVE SEARCH MANAGEMENT CONSULTANTS Horton International Brasil Al. dos Maracatins, 992-A 11º andar, conj. 111 e 112 04089-001 São Paulo SP Tel: (+55 11) 5533-0322 www.horton.com.br

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013

Carreiras do Futuro. Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP. São Paulo, 11 de junho de 2013 Carreiras do Futuro Profa. Renata Giovinazzo Spers FEA-USP São Paulo, 11 de junho de 2013 Previsão, Planejamento e Ação Estruturada para Criar o Futuro Pesquisas Abertas sobre Tendências e Futuro (desde

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais