Diretrizes para a elaboração de Planos de Mobilidade Urbana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes para a elaboração de Planos de Mobilidade Urbana"

Transcrição

1 Lei da Mobilidade: Diretrizes para a elaboração de Planos de Mobilidade Urbana Maio 2013

2 Lei Lei da Mobilidade: Resumo

3 Lei Mobilidade: GERAL (Capitulo I) A Política Nacional de Mobilidade Urbana é instrumento da política de desenvolvimento urbano. objetivando a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas Art. 1 para a efetivação dos princípios, objetivos e diretrizes da política de desenvolvimento urbano, por meio do planejamento e da gestão democrática do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana. Art. 2 São modos de transporte urbano: motorizados e não-motorizados; de passageiros e de cargas; coletivo e individual; público e privado. São infraestruturas de mobilidade urbana: vias e demais logradouros públicos, inclusive metroferrovias, hidrovias e ciclovias; estacionamentos, terminais, estações e demais conexões instrumentos de controle, fiscalização, arrecadação de taxas e tarifas e difusão de informações. Art. 3 [Inclui todos os modos de transporte.] Art. 5 Princípios basicos: Art. 6 Diretrizes: Art. 7 Objectives: i. Acessibilidade universal ii. Desenvolvimento sustentável iii. Equidade no acesso iv. Eficiência e eficácia v. Gestão democrática vi. Segurança vii. Benefícios/ônus justo viii. Equidade no uso de espaço público ix. Circulação urbana eficiente i. Integração com uso de solo i. Reduzir as desigualdades ii. Prioridade dos modos nãomotorizados e coletivos serviços básicos ii. Promover o acesso aos iii. Integração entre os modos iii. Proporcionar melhoria em iv. Mitigação dos custos acessibilidade e mobilidade ambientais, sociais, econ. iv. Desenvolvimento sustentável Soc, Env, Econ Costs v. Gestão democrática consolidada v. Incentivar uso de energias para continuar aprimoramento renováveis vi. Priorização do transporte público vii. Integração entre cidades gêmeas na fronteira

4 Lei Mobilidade: Regulação dos Transportes Públicos Art. 8. A política tarifária do serviço de transporte público coletivo é orientada pelas seguintes diretrizes: Equidade no acesso aos serviços; melhoria da eficiência; ser instrumento da política de ocupação equilibrada da cidade de acordo com o plano diretor municipal, regional e metropolitano; contribuição dos beneficiários diretos e indiretos para custeio da operação dos serviços; transparência, modicidade, e integração. Art. 9. O regime econômico e financeiro da concessão e o da permissão do serviço de transporte público coletivo serão estabelecidos no respectivo edital de licitação, sendo a tarifa de remuneração da prestação de serviço de transporte público coletivo resultante do processo licitatório da outorga do poder público Art. 10. A contratação dos serviços de transporte público coletivo será precedida de licitação Art. 11. Os serviços de transporte privado coletivo deverão ser autorizados, disciplinados e fiscalizados pelo poder público competente. Art. 12. Os serviços de transporte público deverão ser organizados, disciplinados e fiscalizados pelo poder público municipal, com base nos requisitos mínimos de segurança, de conforto, de higiene, de qualidade dos serviços e de fixação prévia dos valores máximos das tarifas a serem cobradas. Art. 13. Na prestação de serviços de transporte público coletivo, o poder público delegante deverá realizar atividades de fiscalização e controle dos serviços delegados, preferencialmente em parceria com os demais entes federativos.

5 Lei Mobilidade : Atribuições (Cap. IV) Art. 16. São atribuições da União: I. prestar assistência técnica e financeira aos Estados, Distrito Federal e Municípios; II. contribuir para a capacitação continuada de pessoas e para o desenvolvimento das instituições vinculadas à Política Nacional de Mobilidade Urbana I. A União apoiará e estimulará ações coordenadas e integradas entre Municípios e Estados em áreas conurbadas Art. 17. São atribuições dos Estados: I. Prestar os serviços de transporte público coletivo intermunicipais de caráter urbano, II. III. Propor política tributária específica e de incentivos para a implantação da Política Nacional de Mobilidade Urbana Garantir o apoio e promover a integração dos serviços nas áreas que ultrapassem os limites de um Município Art. 18. São atribuições dos Municípios: I. Planejar, executar e avaliar a política de mobilidade urbana, bem como promover a regulamentação dos serviços de transporte urbano; II. III. Prestar os serviços essenciais de transporte público coletivo urbano; Capacitar pessoas e desenvolver as instituições vinculadas à política de mobilidade urbana do Município;

6 Lei Mobilidade: Diretrizes p/ Planejamento e Gestão (Cap.V) Art. 21. O planejamento, a gestão e a avaliação dos sistemas de mobilidade deverão contemplar: I. a identificação dos objetivos de curto-, médio, e longo prazo II. a identificação dos meios financeiros e institucionais que assegurem sua implantação e execução;systematic mechanisms to monitor and review the pre-established objectives III. a formulação e implantação dos mecanismos de monitoramento e avaliação sistemáticos e permanentes dos objetivos estabelecidos; e IV. a definição das metas de atendimento e universalização da oferta de transporte público coletivo, monitorados por indicadores preestabelecidos. Art. 22. atribuições mínimas dos órgãos do sistema de mobilidade urbana: I. planejar e coordenar os diferentes modos e serviços II. avaliar e fiscalizar os serviços e monitorar desempenhos III. implantar a política tarifária IV. dispor sobre itinerários, frequências e padrão de qualidade dos serviços V. estimular a eficácia e a eficiência dos serviços de transporte público coletivo;

7 Lei Mobilidade: Instrumentos de Gestão (Cap.V-VI) Art. 23. Os entes federativos poderão utilizar, dentre outros instrumentos de gestão do sistema de transporte e da mobilidade urbana, os seguintes: I. restrição e controle de acesso e circulação de veículos motorizados II. III. estipulação de padrões de emissão de poluentes e acesso aos espaços urbanos aplicação de tributos sobre modos e serviços de transporte urbano vinculando-se a receita à aplicação exclusiva em infraestrutura urbana destinada ao transporte público coletivo e ao transporte não motorizado IV. dedicação de espaço exclusivo nas vias públicas para os serviços de transporte público coletivo e modos de transporte não motorizados; V. estabelecimento da política de estacionamentos VI. controle do uso e operação da infraestrutura viária destinada ao transporte de carga VII. monitoramento e controle das emissões dos gases de efeito local e de efeito estufa dos modos de transporte motorizado estrição de acesso a determinadas vias Art. 25. O Poder Executivo da União, o dos Estados, o do Distrito Federal e o dos Municípios, in accordance with their budgetary and financial abilities, segundo suas possibilidades orçamentárias e financeiras, farão constar dos respectivos projetos de planos plurianuais e de leis de diretrizes orçamentárias, as ações programáticas e instrumentos de apoio que serão utilizados, em cada período, para o aprimoramento dos sistemas de mobilidade urbana e melhoria da qualidade dos serviços. A indicação das ações e dos instrumentos de apoio a que se refere o caput será acompanhada, sempre que possível, da fixação de critérios e condições para o acesso aos recursos financeiros e às outras formas de benefícios que sejam estabelecidos.

8 Orientação para Ministério das Cidades: Requisitos para Planos de Mobilidade

9 Componentes Essenciais de Todos os Planos de Mobilidade Uma declaração integral de visão da mobilidade urbana até o futuro Lista de projeto de curto prazo (Art. 21) Metas de médio prazo (Art. 21) Visão da mobilidade urbana a longo prazo (Art. 21) Organização institucional para a gestão da mobilidade de todos os modos Para coordenar todos os modos de forma eficiente (Art. 22) Promover a eficácia e eficiência dos modos coletivos públicos (Art. 22) Priorizar modos não motorizados ao invés dos modos motorizados (Art. 6 ) Atendimento aos objetivos do Art. 7: Equidade, Acesso, Mobilidade, Sustentabilidade, Democracia Cumprimento da Política Nacional sobre Mudança Climática Plano de gestão do transporte público (Chapt. II) Oferecimento do serviço de transporte coletivo público (Art. 18) Política de tarifas de transporte de massa (Art. 8) Processo de licitação de concessões (Art. 10) Adoção e monitoração contínua dos padrões de qualidade do transporte de massa (Art. 12) Levantamento dos dados de transportes (Art. 18, sob as recomendações de planejamento eficaz) Levantamento da infraestrutura Estudo das atividades de transportes Estudo de resultados relacionados aos transportes

10 Visão Geral dos Elementos do Plano de Mobilidade Requisitos Diferentes para Cidades de Diferentes Tamanhos Tamanho da Cidade Quadro Institucional Levantamento dos Transportes Quadro de Monitoração Visão Pública e Metas Estudo e Modelagem da Demanda Plano de Gestão do Transporte Público Plano de Investimento e Gestão da Mobilidade Muito Grande > Exigido até Básico até, Integral até 2017 Exigido até Integral até Estudo até, Modelagem até 2016 Básico até, Integral até 2020 Grande Exigido até Básico até, Integral até 2017 Exigido até Integral até Estudo de Demanda até Básico até, Integral até 2020 Média Abaixo de Exigido até Básico até Opcional Básico até Opcional Básico até Pequena Exigido até Básico até Opcional Básico até Opcional Plano NMT, ao invés Básico até

11 1 Quadro Institucional do Plano de Mobilidade Dados e Modelagem Visão e Plano Capacidade Institucional 2014 Levantamento dos Dados Básicos Visão e Metas da Mobilidade Conselho Executivo do Plano de Mobilidade Plano de Gestão e Investimentos em Mobilidade Comunicação Técnica do Plano de Mobilidade Levantamento da Demanda (HH) Modelo de Transportes para Analisar as Tendências e Projetos Propostos Plano Integral de Gestão e Investimentos em Mobilidade Desenvolvimento de Capacidade Técnica para o Desenv. de Dados, Modelagem, Seleção de Projetos e Planejamento Monitoração Contínua do Desempenho, Avaliação

12 2 Levantamento dos Dados de Transportes INFRAESTRUTURA ATIVIDADE RESULTADOS DO DESEMPENHO Lane-Km & Condition of Streets, roads, & highways Parking Supply Passenger-Kilometers Of Bus, BRT, LRT, & Metro Quality of Transit Facilities Sidewalks Coverage (%) Safe Intersections (%) Cycleway Coverage Operating & Capital Cost of all Infrastructure Trips by Mode Distance by Mode Os levantamentos de infraestrutura e mobilidade evidenciam as lacunas da rede de mobilidade e os meios mais eficazes e de menor custo Congestion Levels para alcançar os resultados Service Levels desejados. Vehicle KM Traveled Occupancy by Mode Passenger-KM of Transit Bus Route INventory *How are each of these Social: Cost, Time, Access, Safety, Health, Equity Os resultados do desempenho Economic: Operating/ Capital Costs of Mobility, Freight nos Movement, ajudam a Congestion determinar as metas futuras Environmental: Air Quality, Land Consumption, Noise, Climate Change

13 3 Processo de Consulta Pública e Planejamento da Visão A orientação deve exigir um processo público que envolva as diversas partes interessadas para criar uma visão e metas. Criar o Conselho: Parceiros regionais Autoridades locais (saúde, desenvolvimento econômico, etc.) Empresas de transportes Órgãos reguladores Empresas Sociedade civil Fonte: Criar uma Visão: Definir uma visão para o desenvolvimento futuro da cidade Estabelecer metas quantificadas de desempenho Estabelecer um processo de planejamento e monitoração Publicar, disseminar e promover a visão Componentes do Plano de Visão: Todos os modos de transporte público, motorizados e não motorizados Política de estacionamento Transporte solidário ( carsharing ) e táxi Mudanças previstas do uso do solo Precificação e outras políticas

14 4 Demanda de Transporte e Estudo de Comportamento Os Planos de Mobilidade para Cidades Grandes e Pequenas deverão implementar uma pesquisa domiciliar de transportes até 2017 para desenvolver dados de demanda de transportes por viagens, distância, modo, situação sócio-econômica e origem-destino. Atualização a cada 10 anos. A demanda atual deve então ser extrapolada ao futuro, tendo em vista as previsões econômicas e populacionais.

15 5 Uso de Modelagem para Avaliar o Plano de Transportes (Obrigatório para as Cidades Grandes (pop. > ) Desenvolver a capacidade de modelagem em cidades grandes para avaliar os impactos de investimentos propostos, políticas e cenários alternativos para garantir que eles contribuam às metas gerais da Lei de Mobilidade e à visão e metas estabelecidas no Plano de Mobilidade. O Plano Preliminar de Mobilidade para as cidades grandes não exigirá uma análise avançada de modelagem, mas será exigido, até 2019, um plano para desenvolver esta capacidade. São recomendadas ferramentas de esboço para avaliar os impactos das propostas do Plano Preliminar de Mobilidade Todas as cidades grandes devem ter a capacidade de modelar de forma precisa o comportamento dos transportes, de acordo com as seguintes sensibilidades: Investimentos na infraestrutura multimodal Estratégia operacional dos transportes, política e mudanças de tarifas Uso do solo e crescimento populacional Demanda induzida e efeito de retomada

16 6 Monitoração e Avaliação do Desempenho Para as cidades médias e grandes: Os Planos de Elaboração de uma Visão dos Transportes têm que ser atualizados a cada 10 anos. Os Planos de Investimentos em Transportes devem ser atualizados a cada 5 anos. Devem ser coletados dados de forma contínua para avaliar o progresso em alcançar as metas estabelecidas. AVALIAR O PERCURSO DA POLÍTICA PLANEJAR MONITORAR IMPLEMENTAR

17 7 Adotar um Plano de Gestão e Investimentos Planos Básicos/Preliminares de Gestão e Investimento em Mobilidade: adotados até para tratar de obrigações mínimas: i. Planejamento e coordenação de todos os modos e serviços de transportes ii. Avaliação da qualidade do serviço e monitoração do desempenho iii. Implementação da política de tarifas para o transporte coletivo público iv. Plano para promover a eficácia e eficiência dos serviços de transporte coletivo público Além disso, sugere-se que o Min.Cidades crie uma diretriz para exigir que o plano de inclua um quadro para conseguir implantar outras capacidades esboçadas nesta apresentação, que possibilitem ainda mais o planejamento de mobilidade de alta qualidade: 1. Quadro Institucional 2. Levantamento de Transportes 3. Visão e Metas de Mobilidade 2020 Planos Integrais de Gestão e Investimentos em Mobilidade estarão em funcionamento e as cidades brasileiras terão instituições, capacidade e serviços de mobilidade estado-da-arte. 4. Estudo de Demanda de Transportes 5. Modelagem e Análise 6. Avaliação e Monitorção do Desempenho

18 Apoio Financeiro e Institucional Public Transportation ao Processo de Planejamento da Mobilidade

19 Dois aspectos críticos ao sucesso do plano de mobilidade Os Planos de Mobilidade têm importância crítica para a sustentabilidade social, econômica e ambiental do Brasil, mas eles correm o risco de não serem eficazes devido a dois aspectos: FUNDOS E FINANCIAMENTO O Brasil não deve flexibilizar os requisitos de planejamento para baixar os custos, mas sim inovar com novas estruturas de financiamento. ANALISAR A CAPACIDADE O M.C. deve estar preparado para orientar o desenvolvimento do plano e analisar as propostas de planos.

20 Financiamento do Plano Planejamento não é despesa, é investimento com retorno. É preciso disponibilizar fundos para o planejamento. O planejamento aqui previsto custaria $800 milhões, o que representa apenas 2% dos fundos do PAC. Geralmente, o setor privado aloca pelo menos 5% do custo total do projeto para o planejamento, enquanto que o Min. dos Transportes dos EUA aloca 4%. Incentivos e contrapartidas proporcionais Verbas para as cidades pequenas e empréstimos a cidades grandes para seus planos de mobilidade O M.C. deveria abrir uma rubrica orçamentária para os planos de mobilidade na próxima proposta de orçamento Estabelecer um funto rotativo que permita às cidades tomar empréstimos para planejar com base em receitas futuras de projeto e financiamentos federais

21 Capacidade de Desenvolvimento e Análise do Plano Em torno de 500 cidades com mais de habitantes no Brasil enviando planos ao M.C. O Ministério das Cidades terá que planejar para exercer as atividades de articulação, liderança e análise de planos: Programas para articular o desenvolvimento de planos e desenvolvimento de capacidades Envolvimento das ONGs no Desenvolvimento do Plano Expandir a capacidade do M.C. de análise e aprovação do plano

22 4 Estudos de Corredor e Rede Modal As cidades grandes e de tamanho médio devem preparar estudos de corredores e redes modais nos quais planejam fazer grandes investimentos. Processo de Estudo de Planejamento do Corredor O processo de Estudo de Planejamento do Corredor integra vários elementos a uma solução de concepção de transporte para uma área específica em apoio às decisões de investimento. O processo implica nas seguintes fases: Identificar a área de estudo Estabelecer as metas do corredor Coleta de dados (levantamento) Consultas públicas Ligação entre órgãos e agências Análise de impacto multimodal Proposta de intervenções / investimentos Realização da análise de Processo de Estudo da Rede Modal O processo de Estudo de Rede Modal avalia o nível de serviço de uma rede modal existente ou proposta, tal como linhas de ônibus ou ciclovias, para apoiar as decisões de investimento. O processo envolve as seguintes fases: Avaliação da cobertura e qualidade da rede Estabelecimento das metas da rede Coleta de dados (levantamento) Consultas públicas Ligação entre agências Análise de impacto multimodal Proposta de intervenções / investimentos

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Veja a íntegra da lei 12.587/2012. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012.

Veja a íntegra da lei 12.587/2012. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. A presidente Dilma Rousseff sancionou com vetos a lei nº 12.587/2012, que institui no país as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, publicada no DOU (Diário Oficial da União), nesta quarta-feira

Leia mais

LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012.

LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis n os 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Regulação e Gestão

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Regulação e Gestão Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Regulação e Gestão ANTEPROJETO DE LEI Institui as diretrizes da política de mobilidade urbana e dá outras

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana - LEI nº 12.587/2012

Política Nacional de Mobilidade Urbana - LEI nº 12.587/2012 Política Nacional de Mobilidade Urbana - LEI nº 12.587/2012 Natal/RN, 18 de março de 2013 Ministério das Cidades - MCidades Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana SeMob Departamento de Cidadania e Inclusão

Leia mais

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3 de janeiro de

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana SIMT - Seminário Internacional Mobilidade e Transportes Agosto 2013 Estrutura

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA

SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidenta da República DILMA VANA ROUSSEF MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro das Cidades AGUINALDO VELLOSO BORGES RIBEIRO Secretário Executivo CARLOS ANTONIO VIEIRA FERNANDES

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana

Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana A Mobilidade Urbana no Planejamento da Cidade Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 IBAM Desafios à Implementação Diretrizes da Política Nacional de

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal

Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal Audiências Públicas Investimento e Gestão: Desatando o Nó Logístico do Pais 2º Ciclo Financiamento e Gestão da Infraestrutura de Transportes no

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 André Dantas Matteus de Paula Freitas Arthur Oliveira Belo Horizonte (MG), 15/02/2012 1 ESTRUTURA 1. Contexto;

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades A Mobilidade Urbana no Brasil Seminário Internacional:

Leia mais

TRANSPORTE PÚBLICO DE QUALIDADE

TRANSPORTE PÚBLICO DE QUALIDADE A nova mobilidade urbana para a sua cidade TRANSPORTE PÚBLICO DE QUALIDADE (Lei nº 12.587 de 2012) Frente Nacional de Prefeitos a nova mobilidade urbana para a sua cidade TRANSPORTE PÚBLICO DE QUALIDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? Mobilidade: projetar a cidade do futuro Sinaenco RS Hotel Deville, Porto Alegre 25 de setembro de 2013 Arq. Tiago Holzmann da Silva Presidente

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

Boas práticas para Mobilidade Urbana

Boas práticas para Mobilidade Urbana Boas práticas para Mobilidade Urbana PAC para Mobilidade - EMBARQ Otávio Vieira Cunha, Presidente da Diretoria Executiva Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Brasília, 28 de Novembro

Leia mais

Programas e Projetos de Mobilidade Urbana Camboriú SC

Programas e Projetos de Mobilidade Urbana Camboriú SC Programas e Projetos de Mobilidade Urbana Camboriú SC MAIO.2012 Mobilidade Urbana Legislações em Ordem Cronológica Lei Municipal Complementar Nº 10/2007 Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento Territorial

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

DECRETO Nº 15.317, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 15.317, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013 Terça-feira, 3 de Setembro de 2013 Ano:XIX - Edição N.: 4385 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 15.317, DE 02 DE SETEMBRO DE 2013 Institui o Plano Diretor de Mobilidade Urbana de

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Proponente: Município Beneficiado: Estado: Nome Entidade: CNPJ: Endereço da Sede: CEP: Tel/Fax: Representante Legal:

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Porto Alegre RS Abril de 2015 Política

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Mobilidade Urbana por Bicicletas

Mobilidade Urbana por Bicicletas Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana por Bicicletas Brasília - DF 19 de Novembro de 2013 Ações em prol da Mobilidade por Bicicletas

Leia mais

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS

ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS ANEXO VII APRESENTAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE MACROPROCESSOS E DE SISTEMAS INFORMATIZADOS Avaliação de risco nas Agências Reguladoras Uma iniciativa para aprimorar o intercâmbio de informações Agência Nacional

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 A POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, INSTITUDA PELA LEI 12.587, É INSTRUMENTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBJETIVANDO A INTEGRAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014 IV Conferência de Política Urbana Eixo de Mobilidade: Redução dos deslocamentos, melhoria da acessibilidade e estímulo ao transporte coletivo e não motorizado. 29 de março de 2014 Roteiro 2 1) Contexto

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 ANEXO 01 DETALHAMENTO DO OBJETO, DO SISTEMA E DAS CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO 01 1 DETALHAMENTO DO OBJETO 1. O OBJETO da PERMISSÃO compreende os serviços

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

!)JUM--ENTS. Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013.

!)JUM--ENTS. Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013. !)JUM--ENTS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Ofício GG n 629/2013 Rio de Janeiro, 17 de outubro 2013. DR. JIM YONG KIM President The World Bank 1818 H Street, NW 20433 Washington, DC, USA. c/c DEBORAH

Leia mais

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARA QUE O CONSÓRCIO? Aperfeiçoar a gestão

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas Mobilidade urbana: Josef Barat realidade e perspectivas Fórum Nordeste 2030 Visão Estratégica Recife, 14 de Agosto de 2013 Importância da mobilidade urbana Econômica: Necessária para o bom desempenho das

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Salvador. Secretaria Municipal de Mobilidade

Plano de Mobilidade Urbana de Salvador. Secretaria Municipal de Mobilidade Plano de Mobilidade Urbana de Salvador Secretaria Municipal de Mobilidade Lei Federal nº 12.587/12 (Lei de Mobilidade) Os objetivos da Política Nacional de Mobilidade Urbana são a integração entre os modos

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES

DIRETORIA DE TRANSPORTES O que é concessão? É o instrumento previsto em Lei que possibilita a transferência da execução de determinado serviço público a particulares, através da celebração de um contrato, por prazo certo e determinado,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis

IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente IIIª Circunferência de Mobilidade Urbana de Florianópolis Dia Mundial sem Carro Divulgação Preliminar dos Resultados das Pesquisas Parte I Visão

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative 24 de Junho de 2013 Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Auditório do Museu do Meio Ambiente Rio de Janeiro,

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Otávio Vieira da Cunha Filho Presidente da Diretoria Executiva NTU Rio de Janeiro, 17/08/2012 1 Estrutura 1. Contexto; 2. O que

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI MUNICIPAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS LEI MUNICIPAL N 4.066/2015 DE 27 DE MAIO DE 2015 INSTITUI O PLANO DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE PANAMBI, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Panambi, no uso das atribuições

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB ESTUDOS E PESQUISAS Nº 639 Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB Ricardo A. M. Castanheira * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE LEI Institui as diretrizes da política de mobilidade urbana e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o A política de mobilidade urbana

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Programa Brasil Acessível Arq. Augusto Valiengo Valeri FÓRUM NACIONAL DE TRAVESSIA ACESSÍVEL CET / CPA - SP 06 de novembro de 2007 São Paulo - SP Estrutura

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS PROJETO DE LEI Nº 7.476/13. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS A P R O V A: Art. 1º - Fica criado o Conselho

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais