A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Carmem Elisa Henn Brandl 1 Inácio Brandl Neto 2 RESUMO A presente pesquisa faz parte de uma série de ações do Projeto Educação Física para as séries iniciais do Ensino Fundamental, desenvolvido por professores e acadêmicos do curso Educação Física da Unioeste e vinculado ao Programa Universidade sem Fronteiras, da SETI, para atender os municípios de baixo índice de desenvolvimento humano do Paraná. O texto trata de uma das fases em que o objetivo foi avaliar o perfil do desenvolvimento motor dos alunos do 1 o ano às 2ª séries das Escolas Municipais envolvidas no Projeto, como forma de diagnóstico inicial (pré-teste) para planejamento de outras etapas presentes no projeto e a avaliação (pós-teste) dos resultados do trabalho desenvolvido. Para a coleta dos dados utilizou-se dois instrumentos, a escala de desenvolvimento motor elaborada por Rosa Neto e o teste de habilidades motoras básicas para identificar estágios de desenvolvimento das habilidades motoras correr, arremessar, chutar, saltar em distância e arremessar, proposto por Gallahue e Ozmun. Pode-se chegar a conclusão de que os alunos avaliados, tanto em relação às habilidades básicas como dos testes de motricidade fina e global, equilíbrio, esquema corporal e noção espacial, tiveram uma melhora significativa entre o pré e pós teste. Essa situação vem reforçar a importância de implantação de aulas de Educação Física, ministradas de forma planejada e sistemática, por profissionais com conhecimento sobre a criança, a educação de forma geral e a área da Educação Física, o que não é a realidade da maioria das Escolas. Palavras-chave: Educação Física Escolar, avaliação motora, Professor. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Carmem Elisa Henn Brandl Inácio Brandl Neto 1 Doutora em Educação Física/Pedagogia do Movimento/UNICAMP. Professora do curso de Educação Física da Unioeste, Líder do GEPEFE. 2 Mestre em Educação/Educação Motora/UNIMEP. Professor do curso de Educação Física da Unioeste. Pesquisado do GEPEFE.

2 1. INTRODUÇÃO A importância da Educação Física (Motora) na formação da criança nos aspectos afetivo-social, cognitivo e motor já é consenso entre os educadores e estudiosos. A Educação Física enquanto atividade inserida dentro da Escola já é fato presente desde o início do século XX, porém foi legitimada como disciplina curricular a partir da LDB de 1996, onde em seu artigo 26, Parágrafo 3 o, encontramos que A educação física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular obrigatório da educação básica [...]. A Educação básica compreende a Educação Infantil, Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) e Ensino Médio. Entretanto, esta proposta ainda não faz parte das Políticas Públicas da maioria dos municípios de nosso País e a efetivação dessas aulas nas séries iniciais do Ensino Fundamental não são respeitadas. A maioria dos municípios do Estado do Paraná (e de outros Estados também) não possui professores formados em cursos Superiores de Educação Física para ministrarem esta disciplina nas Escolas. Normalmente é o próprio professor regente de turma que o faz, ou, o que é mais provável, as Escolas não proporcionam aulas de Educação Física neste nível de ensino. Esta realidade pode acarretar prejuízo para o desenvolvimento das crianças, especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento motor, tendo em vista que a maioria dos professores, por não possuir formação específica em Educação Física, não detém o conhecimento necessário para desenvolver um trabalho sistematizado nesta área. Por outro lado, temos exemplos de municípios na região oeste do Paraná em que, desde 1990, a partir de uma iniciativa de professores do curso de Educação Física da UNIOESTE, juntamente com as Secretarias Municipais de Educação, elaboraram uma proposta de Educação Física para as séries iniciais do ensino Fundamental, que foi iniciada timidamente e, em virtude dos resultados positivos foi crescendo e sendo disseminada, abrangendo a maioria dos municípios dessa região. Outro fato que demonstra o interesse pelas aulas de Educação Física neste nível de Ensino, é que, atualmente, a exemplo das Diretrizes Curriculares Nacionais, PCNs e Diretrizes Curriculares Estaduais, a AMOP Associação dos Municípios do Oeste do Paraná produziu um

3 documento para as séries iniciais do ensino Fundamental, traçando as diretrizes das diferentes disciplinas escolares, entre elas a Educação Física, para os municípios desta região. Vale destacar também, que os diversos cursos de graduação em Educação Física/Licenciatura do Estado do Paraná, estão preparando os futuros profissionais para atuarem neste nível de Ensino. Neste contexto, surgiu a oportunidade da realização de um Projeto, junto ao Programa Universidade sem Fronteiras da SETI/Pr, que objetiva atender municípios de baixo índice de desenvolvimento humano e oportunizar os cursos de Licenciatura a desenvolver projetos de extensão universitária com apoio financeiro do Estado. Neste sentido, elaborou-se uma proposta com o objetivo principal de implantar a Educação Física (Motora) nas séries iniciais das escolas de dois municípios, que atenderam os pré-requisitos do programa, com aulas ministradas por professores formados na área (licenciados em Educação Física), bem como programas de recreação e lazer na Escola através da realização de oficinas (jogos, dança-brinquedos cantados-jogos rítmicos, ginástica - brincadeiras envolvendo habilidades básicas e com materiais, construção de brinquedos) e festivais de jogos infantis. Para viabilizar as ações previstas, contou-se com a participação de três professores do Colegiado, que foram responsáveis em coordenar todas as ações, um professor recém formado que ficou em contato direto com as Escolas ministrando aulas de Educação Física em forma de Projeto Piloto e cinco acadêmicos de Educação Física da UNIOESTE, que desenvolveram atividades de finais de semana. A professora recém formada executou as regências nas escolas, sendo que, devido à carga horária, optou-se em ministrá-las para os primeiros e segundos anos e para as segundas séries, nas duas cidades. A parte burocrática, as preparações (estudos, pesquisas e organizações) e as atividades de diagnósticos, oficinas, festivais, além da programação para as aulas, foram realizadas por todos os membros da equipe. Para a concretização das metas do Projeto elaboraram-se vários objetivos, entre eles realizar uma avaliação para saber como estava o desenvolvimento das crianças em relação às habilidades básicas, a lateralidade, ao esquema corporal e ao equilíbrio, que foi realizado no início do ano letivo e a partir deste resultado poder programar as aulas de Educação

4 Física. E outro, a aplicação deste mesmos testes, para o mesmo grupo de crianças, que foi realizada no final do ano escolar, para avaliar o desenvolvimento/aprendizagem proporcionado pelo projeto. Neste texto estaremos apresentando os resultados dos testes motores realizando uma comparação entre o diagnóstico inicial e a avaliação final. Para tanto, traçou-se como objetivos específicos: Comparar a idade motora em relação ao quociente motor geral definido a partir da avaliação da motricidade fina e global, do esquema corporal, do equilíbrio e da organização espacial, segundo a escala de desenvolvimento motor elaborada por Rosa Neto (2002), no início e no final do desenvolvimento do Projeto; identificar os estágios de desenvolvimento das habilidades motoras correr, arremessar, chutar, saltar em distância e arremessar, conforme orientações de Gallahue e Ozmun (2005) no início e no final do desenvolvimento do Projeto. 2. METODOLOGIA A presente pesquisa caracteriza-se como descritiva, que, segundo Thomas e Nelson (2002) se constitui por descrever as características de determinada população ou fenômeno, como também estabelece relações entre variáveis. Como procedimento, utilizou-se da pesquisa de levantamento que, como ressalta Gil (1991), é adequada para estudos descritivos, pois coleta informações de determinado grupo de pessoas acerca de um problema estudado para, em seguida, realizar uma análise quantitativa dos dados e assim obter conclusões a respeito dos fenômenos ou populações estudadas. A população foi constituída por alunos de 1 o e 2 o anos e 1 a e 2 a séries de uma Escola Municipal de cada município envolvido, matriculados no ano letivo de No Município/Escola A, o total de alunos dessas séries foi de 249 alunos, e a amostra totalizou em 145 crianças. No Município/Escola B a população foi de 241, enquanto que a amostra foi constituída por 69 alunos. Foram utilizados dois instrumentos para coletar os dados. O primeiro, a Escala de Desenvolvimento Motor (EDM) de Rosa Neto (2002) que aplica uma bateria de testes envolvendo motricidade fina, motricidade global, equilíbrio, esquema corporal/rapidez, organização espacial e lateralidade. O segundo, um

5 teste dos padrões de movimento, determinado por Gallahue e Ozmun (2005). Segue abaixo a descrição dos instrumentos. 2.1 Descrição do Instrumento 01: Escala de Desenvolvimento Motor (EDM). Rosa Neto (2002) entende que, além de reunir os testes mais consagrados para o estudo do desenvolvimento motor infantil, a EDM apresenta ainda um manual completo de como proceder à aplicação desses testes. Neste manual se encontram um conjunto de provas muito diversificadas e com dificuldade graduada, conduzindo a uma exploração minuciosa de diferentes áreas do desenvolvimento motor. A aplicação num sujeito permite avaliar seu nível de desenvolvimento motor, considerando êxitos e fracassos em face das normas estabelecidas pelo autor da escala. A EDM proposta por Rosa Neto (2002), procura avaliar as áreas motoras específicas: motricidade fina, motricidade global, equilíbrio, organização temporal, organização espacial, esquema corporal e lateralidade. Para cada área que o aluno é avaliado, o teste inicia a partir da idade cronológica da criança, que é dada em meses, se conseguiu realizar o teste correspondente à sua idade atribui-se um valor, colocado abaixo de cada idade, a avaliação em cada área continua até a idade motora que o aluno conseguiu chegar, após as avaliações são realizados os cálculos através da idade cronológica em meses, calculando a idade motora geral e idades motoras correspondentes a cada área, e através destas calcula-se o valor do quociente motor geral e dos quocientes motores, sendo possível caracterizar e classificar o perfil motor da criança conforme quadro abaixo. Quadro 1: Escala de quociente motor Idades em meses (quociente motor) Classificação do Perfil 130 ou mais Muito superior 120 a 129 Superior 110 a 119 Normal alto 90 a 109 Normal médio 80 a 89 Normal baixo 70 a 79 Inferior 69 ou menos Muito inferior Independente do componente avaliado, cada teste foi iniciado pelo participante com a tarefa correspondente à sua idade cronológica (data de nascimento) convertida em meses, ex: seis anos, dois meses e quinze dias

6 significa o mesmo que seis anos e três meses ou 75 meses. Caso fosse obtido sucesso na tarefa correspondente à sua idade, a tarefa de idade mais avançada foi apresentada. Em caso de fracasso, a tarefa correspondente à idade anterior foi proposta e, se o sucesso fosse obtido, repetia-se a tarefa inicial. Dessa forma se obteve a idade motora correspondente a cada teste. Para encontrar a idade motora geral (IMG) somaram-se os resultados positivos obtidos nos testes motores, que são expressos em meses e são representados pelo símbolo (1); os valores negativos são representados pelo símbolo (0); A soma dos valores positivos foi dividida pelo número de testes (aqui 5 que são motricidades fina e global, equilíbrio, esquema corporal, organização espacial). Para encontrar o valor de cada idade motora (IM1, IM2, IM3, IM4, IM5) em cada área, é necessário verificar a pontuação na última idade, em que o aluno realizou a avaliação e converter esta idade em meses. Para obter o cálculo do quociente motor geral (QMG), necessário na classificação do perfil motor da criança, é preciso dividir a idade motora geral pela idade cronológica calculada em meses multiplicando o resultado por 100(cem) e para obter o valor de cada quociente motor (QM1, QM2, QM3, QM4, QM5), é necessária a divisão entre o valor de cada idade motora e a idade cronológica em meses. O teste de lateralidade não foi somado a estes testes, somente verificou se a criança era destra completa, sinistra completa, se tinha lateralidade cruzada ou indefinida, através do número de tarefas que ela executou com cada mão, olho ou pé. Para cada teste foram utilizados os materiais detalhados em Rosa Neto (2002,p. 37). 2.2 Descrição do instrumento 2: avaliação das habilidades motoras A Aplicação do teste aconteceu na forma de observação de cada aluno. Este realizava três repetições de cada habilidade e o examinador, em uma ficha individual, classificou nos estágios correspondentes, ou seja, inicial, elementar e maduro. A descrição da característica de cada estágio, em cada habilidade avaliada encontra-se em Gallahue e Ozmun (2005). O procedimento utilizado para a coleta de dados foi através da técnica de observação, que é uma forma de coleta de dados para se obter

7 informações, utilizando os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Não somente visualizando ou ouvindo o fato, mas interpretando as atividades executadas pelas crianças no caso deste estudo (MARCONI e LAKATOS, 1999). Depois de definir o protocolo de testes a ser utilizado na pesquisa, entrou-se em contato com os dirigentes da escola para que estes estivessem cientes sobre as condições da pesquisa com os alunos, que, quando estão na escola, são de responsabilidade da mesma. Foi então solicitado à direção das escolas, autorização para a realização dos testes com as crianças, e comunicado que será preservada a identidade das Escolas e dos alunos. Após a coleta dos dados, os mesmo foram analisados a partir de estatística simples, indicando freqüência e percentual da incidência do nível de desenvolvimento motor dos alunos. 3 RESULTADOS Os resultados da pesquisa serão apresentados separadamente por instrumentos de coleta utilizados, ou seja, inicialmente estaremos demonstrando e analisando os resultados dos testes relacionados a escala de desenvolvimento motor, os quais aparecem em dois gráficos, cada um representando um dos municípios participantes da pesquisa. Após, o resultado dos testes de habilidades motoras, apresentados separadamente por Município e série e o pré e pós teste. Figura 1: Escala motora das crianças do Município A Pré e Pós teste 75% 70% 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% superior normal alto normal médio normal baixo inferior muito inferior pré-teste pós teste

8 80% 75% 70% 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Figura 2: Escala motora das crianças do Município B pré e pós testes superior normal alto normal médio normal baixo inferior pré-teste pós teste Conforme as figuras 1 e 2 acima, pode-se observar que tanto as crianças do Município A como do B, tiveram uma melhora entre o pré e pós teste, reduzindo os índices da escala de normal baixo, inferior e muito inferior e consequentemente aumentando os índices de crianças nas escalas normal médio, normal alto e superior. As figuras que seguem representam os resultados dos testes de habilidades motoras. Figura 3: Resultado do pré-teste das Habilidades motoras dos alunos dos 2os anos do Município A Figura 4: Resultado do pós-teste das Habilidades motoras dos alunos dos 2os anos do Município A Inicial Elementar Maduro Elementar Maduro Inicial Figura 5: Resultado do pré-teste das Habilidades Motoras dos alunos das 2ª séries do Município A Figura 6: Resultado do pós-teste das Habilidades Motoras dos alunos das 2ª séries do Município A Inicial Elementar Maduro

9 Quando avaliadas as habilidades motoras correr, arremessar, chutar, driblar e o salto em distância dos alunos do Município A, observa-se nas figuras 3, 4, 5 e 6, que no pré-teste predominava, tanto para os 2º ano como para a 2ª série, o estágio inicial e elementar e, no pós teste, observa-se uma melhora significativa tendo em vista que nesta segunda avaliação, um pequeno percentual dos alunos se encontraram no estágio inicial, grande parte no elementar e um percentual relevante passou para o estágio maduro, especialmente das habilidades arremessar e driblar. Figura 7: Resultado do pré-teste das Habilidades Motoras das crianças do 1o ano do Município B Figura 8: Resultado do pós-teste das Habilidades Motoras das crianças do 1o ano do Município B Inicial Elementar Maduro Inicial Elementar Maduro Figura 9: Resultado do pré-teste das habilidades motoras das crianças da 1a série do município B Figura 10: Resultado do pós-teste das habilidades motoras das crianças da 1a série do município B inicial Elementar Maduro inicial Elementar Maduro Figura 11: Resultado pré-teste das Habilidades Motoras dos alunos da 2a série do Município B Figura 12: Resultado pós-teste das Habilidades Motoras dos alunos da 2a série do município B

10 Ao avaliar as habilidades motoras dos alunos do 1º e 2º ano e 2ª série do município B, percebeu-se, conforme demonstrado nas figuras 7, 8, 9, 10, 11 e 12, que no pré-teste, na maioria das habilidades os alunos se encontravam no estágio inicial e após a realização das aulas, no pós-teste os alunos apresentaram uma melhora significativa, passando principalmente para o estágio elementar, mas também para o estágio maduro. Vale destacar, tanto para o município A quanto para o município B, nas habilidades realizadas com a bola arremessar, chutar e driblar houve uma melhora, isto pode significar que, antes das intervenções do Projeto, os alunos ou não realizavam essas atividades, ou não havia uma sistematização e acompanhamento adequado para esta faixa etária. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Para tecer as considerações finais da pesquisa/intervenção retomamos o objetivo geral do trabalho que foi de realizar uma comparação entre o diagnóstico inicial e a avaliação de testes motores realizados após o desenvolvimento do Projeto. Neste sentido, conclui-se, pelos resultados apresentados, que houve uma melhora significativa em todas as turmas e em todas as habilidades/capacidades avaliadas. Isso nos leva a acreditar que um trabalho planejado, sistematizado e acompanhado de avaliações e reflexões contínuas, cumpre o papel da Escola na Educação de nossas crianças que é de contribuir para a formação/aprendizagem/desenvolvimento em todas as dimensões do ser humano. A nossa proposta defende a idéia de que o Professor de Educação Física, formado em Licenciatura, e que tenha em sua graduação disciplinas e estágios voltados para este nível de Ensino, é que apresenta as melhores condições para ministrar essas aulas.

11 No que diz respeito ao objetivo principal do Projeto, que foi de implantar a Educação Física (Motora) nas séries iniciais das escolas de dois municípios, com aulas ministradas por professores formados na área (licenciados em Educação Física), ao final do Projeto, em reunião realizada com os Prefeitos e Secretárias Municipais de Educação, onde foram apresentados os resultados do mesmo, obteve-se, dos dois municípios participantes, o compromisso de contratação, por meio de concurso e/ou teste seletivo, de Professores de Educação Física, para ministrar as aulas nas séries iniciais do ensino fundamental. Os coordenadores do Projeto se comprometeram em dar assessoria aos municípios, para implantação desta política, mesmo com o encerramento do Projeto. Com este compromisso firmado, entende-se que os objetivos do Projeto foram alcançados na íntegra e possivelmente, em média de 15 (quinze) profissionais da área estarão ocupando o espaço de sua competência, bem como, aproximadamente crianças estarão tendo uma Educação Física de qualidade. 5. REFERÊNCIAS GALLAHUE, David L.; OZMUN, John C.: Compreendendo o Desenvolvimento Motor: Bebês, crianças, Adolescentes e adultos, 3ª, Phorte: São Paulo, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas: São Paulo,1991. MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. Atlas: São Paulo,1999. ROSA NETO, F. Manual de avaliação motora. Porto Alegre: Artmed, THOMAS; NELSON. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 3 ed. Artmed: Porto Alegre, 2002.

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA AS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE AULAS MINISTRADAS POR PROFESSORES FORMADOS NA ÁREA.

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA AS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE AULAS MINISTRADAS POR PROFESSORES FORMADOS NA ÁREA. EDUCAÇÃO FÍSICA PARA AS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE AULAS MINISTRADAS POR PROFESSORES FORMADOS NA ÁREA. Inácio Brandl Neto 1 Carmem Elisa Henn Brandl 2 Resumo Este artigo se

Leia mais

Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio Brandl Neto

Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio Brandl Neto O PIBID COMO POSSIBILIDADE COLABORATIVA ENTRE O ENSINO SUPERIOR E A EDUCAÇÃO BÁSICA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Carmem Elisa Henn Brandl Prof. Dr. Inácio

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO. PALAVRAS CHAVES: crianças, natação e perfil psicomotor.

PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO. PALAVRAS CHAVES: crianças, natação e perfil psicomotor. 1 PERFIL PSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRATICANTES DE NATAÇÃO Samanta Garcia de Souza - UEG/UNIVERSO Laisse Queiroz Souza - UNIVERSO RESUMO O objetivo do estudo foi identificar o perfil psicomotor de crianças

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL MOVIMENTO SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR: Carla Iappe

Leia mais

Universidade Estadual da Paraíba UEPB GPESAM Grupo de Pesquisa em Envelhecimento, Saúde e Motricidade Humana

Universidade Estadual da Paraíba UEPB GPESAM Grupo de Pesquisa em Envelhecimento, Saúde e Motricidade Humana RELAÇÃO DA MASSA CORPORAL COM O DESENVOLVIMENTO MOTOR GROSSO DE CRIANÇAS DE A ANOS DA ESCOLA MUNICIPAL RIVANILDO SANDRO ARCOVERDE Rafael Nogueira Barbosa Gomes Álvaro Luís Pessoa de Farias Marcos Antonio

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1 ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1 RAMOS, Jhon Lucas 2 ; SCHIMIDT, Raíça Nicoli 2 ; BATISTELLA, Pedro Antônio 3 ; PANDA, Maria Denise

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO MOTOR DE ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS COM BAIXA VISÃO DA REDE PÚBLICA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ/AP: UM ESTUDO DE CASO

ANALISE DO COMPORTAMENTO MOTOR DE ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS COM BAIXA VISÃO DA REDE PÚBLICA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ/AP: UM ESTUDO DE CASO ANALISE DO COMPORTAMENTO MOTOR DE ESCOLARES DE 7 A 10 COM BAIXA VISÃO DA REDE PÚBLICA ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ/AP: UM ESTUDO DE CASO INTRODUÇÃO HILTON MARTINS E SILVA, CELIO ROBERTO SOUZA, RONEDIA

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

MOTRICIDADE FINA DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1

MOTRICIDADE FINA DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1 MOTRICIDADE FINA DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNICRUZ 1 RAMOS, Jhon Lucas 2 ; SCHIMIDT, Raíça Nicoli 2 ; BATISTELLA, Pedro Antônio 3 ; PANDA, Maria Denise Justo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria da

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO.

AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. AUTOPERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO BACHARELADO FEFF - UFAM SOBRE ATIVIDADES DE LOCOMOÇÃO, MANIPULAÇÃO E COMBINAÇÃO. JOHN LENNON MOURA LIMA JOSÉ CARDOSO NETO RITA MARIA DOS SANTOS PUGA BABOSA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR

Faculdade de Educação de Alta Floresta FEAFLOR REGIMENTO DE PRÁTICA DE FORMAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE ALTA FLORESTA - Alta Floresta/2009 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 DA DEFINIÇÃO... 3 3 DA FINALIDADE... 5 4 DAS DISPOSIÇOES

Leia mais

Palavras-chave: Brincar, Educação Física, Educação Infantil

Palavras-chave: Brincar, Educação Física, Educação Infantil MOVIMENTO E EDUCAÇÃO INFANTIL NO PIBID MACKENZIE EDUCAÇÃO FÍSICA: O TRABALHO COM CIRCUITOS PARA CRIANÇAS DE 1 E 2 ANOS Estefani Divino de Melo Gabriela Santos Elias Isabel Porto Filgueiras RESUMO O objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS

RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS RESOLUÇÃO Nº 02/2010 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE DIVINÓPOLIS-ISED Estabelece critérios a serem considerados para o desenvolvimento do Estágio Supervisionado dos Cursos de Licenciatura do ISED. Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Bianca das Neves Silva Professora da rede municipal de Jundiaí Profa. Dra. Luciene Farias de Melo Coord. do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

RESUMO. Palavras Chaves: Motricidade, desenvolvimento motor, idade motora, educação infantil, educação física infantil.

RESUMO. Palavras Chaves: Motricidade, desenvolvimento motor, idade motora, educação infantil, educação física infantil. TITULO: ESTUDO COMPARATIVO SOBRE A INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE HORAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL, NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DAS CRIANÇAS DE DUAS CIDADES DE MATO GROSSO. LISANDRA BARBOSA DA SILVA, ARIEL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE

O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE O PERFIL DOS PROFESSORES DE SOCIOLOGIA NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE FORTALEZA-CE José Anchieta de Souza Filho 1 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) josanchietas@gmail.com Introdução Analisamos

Leia mais

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS?

PIBID E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: QUAL METODOLOGIA DEVE SER UTILIZADA NAS AULAS? 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PIBID E O

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE

MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE MINAS OLÍMPICA GERAÇÃO ESPORTE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES AS DIMENSÕES DO CONTEÚDO DE JOGOS E BRINCADEIRAS Oficina Teórica e Prática PROF. POLLYANNA PESSOA DIAS QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DE EDUCADORES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Pedagogia LICENCIATURA

Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Portaria de Reconhecimento nº. 286 de 21 de dezembro de 2012 ROTEIRO DE ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL Pedagogia LICENCIATURA CURSO

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

DESATANDO NÓS: PARA UMA POLÍTICA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO NA ESCOLA

DESATANDO NÓS: PARA UMA POLÍTICA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO NA ESCOLA DESATANDO NÓS: PARA UMA POLÍTICA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO NA ESCOLA ALYNE RENATA DE OLIVEIRA (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PONTA GROSSA). Resumo Entendendo a necessidade de uma prática de

Leia mais

ISSN-1980-7341 ESCALA DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ROSA NETO: ESTUDO LONGITUDINAL EM UMA ESCOLA DA REDE PARTICULAR DE ENSINO DE CUIABÁ-MT

ISSN-1980-7341 ESCALA DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ROSA NETO: ESTUDO LONGITUDINAL EM UMA ESCOLA DA REDE PARTICULAR DE ENSINO DE CUIABÁ-MT n. 4 (2009) ESCALA DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ROSA NETO: ESTUDO LONGITUDINAL EM UMA ESCOLA DA REDE PARTICULAR DE ENSINO DE CUIABÁ-MT 51 Raphael Marinho Costa 1 Eduardo Adrião de Araujo Silva 2 RESUMO

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FARROUPILHA

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FARROUPILHA 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FARROUPILHA Resolução Nº. 001, 08 de Março de 2007. Regulamenta o Ensino fundamental de 09 (nove) anos de duração, na Rede Municipal de Ensino de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 03/2011 Fixa normas para o Estágio Supervisionado em

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Refletir criticamente os documentos oficiais, RCNEI, que apresentam propostas pedagógicas voltadas para este segmento;

Refletir criticamente os documentos oficiais, RCNEI, que apresentam propostas pedagógicas voltadas para este segmento; Plano de Ensino Curso: Educação Física - Licenciatura Disciplina: Educação Física na Educação Infantil Carga horária semanal: 4 Carga horária em aulas expositivas: 40 h Ano: 2013 Turma: EFN4 Carga horária

Leia mais

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL Pacto 2014 Documento de Orientação Em 2014, iniciaremos o Ano 2 do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 2014. A principal diferença do programa refere-se aos conteúdos que serão trabalhados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA NATAÇÃO NA PSICOMOTRICIDADE E NA APRENDIZAGEM MOTORA EM CRIANÇAS DE 4 A 7 ANOS

O EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA NATAÇÃO NA PSICOMOTRICIDADE E NA APRENDIZAGEM MOTORA EM CRIANÇAS DE 4 A 7 ANOS 42 O EFEITO DE DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA NATAÇÃO NA PSICOMOTRICIDADE E NA APRENDIZAGEM MOTORA EM CRIANÇAS DE 4 A 7 ANOS (THE EFFECT OF DIFFERENT SWIMMING TEACHING METHODS IN PSYCHOMOTRICITY

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS

A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE PONTA GROSSA/PR: ANÁLISE DO ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO DAS AULAS Daniela Luz Almeida Santos (PIBIC/ARAUCÁRIA), Silvia Christina Madrid Finck (Orientadora),

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo.

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo. O JOGO COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II QUEIROZ, Bruna Leite de Discente do 7º período do curso de Licenciatura

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PSICOMOTOR EM CRIANÇAS COM DISLEXIA DESENVOLVIMENTAL RESUMO A dislexia é um transtorno no déficit linguístico que dificulta a aprendizagem de leitura, escrita, soletração e decodificação

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DO PARFOR/UFRB PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

Resolução N 22/09 DA CARACTERIZAÇÃO E OBRIGATORIEDADE

Resolução N 22/09 DA CARACTERIZAÇÃO E OBRIGATORIEDADE Resolução N 22/09 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dispõe sobre estágio obrigatório, no âmbito da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física Professora Denise Cristina Mazia Facio Pires -Resumo O objetivo desta pesquisa foi verificar o

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos.

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III- A PORTARIA E/SAPP Nº 48/2004: ASPECTOS CENTRAIS Uma concepção de avaliação Os artigos 1º e 2º da Portaria E/SAPP 48/04 destacam a concepção de avaliação que fundamenta

Leia mais

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO

A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO A ESCOLA, A EDUCAÇÃO FÍSICA E O ENSINO DO FUTEBOL E DAS COPAS DO MUNDO CAROLINE SOUZA DE AZEVEDO Acadêmica do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina BRUNO VICENTE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas.

salto em distância. Os resultados tiveram diferenças bem significativas. 1 Análise de comparação dos resultados dos alunos/atletas do Atletismo, categoria infanto, nos Jogos Escolares Brasiliense & Olimpíadas Escolares Brasileira. Autora: Betânia Pereira Feitosa Orientador:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015

REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO. Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 REVISITA AO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO Escolas e CMEIs SME /PMPG 2015 QUAL O SIGNIFICADO E A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PARA A ESCOLA/CMEI? Não há ventos favoráveis para quem não sabe

Leia mais

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Dandara Queiroga de Oliveira Sousa Ana Luiza Silva Costa Gleidson Patrick Melo de Paula Maria Aparecida Dias

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO: O JOGO COMO CONTEÚDO

EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO: O JOGO COMO CONTEÚDO EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO: O JOGO COMO CONTEÚDO INTRODUÇÃO ROGÉRIO ZAIM-DE-MELO 1,2 ÍRIS COSTA SOARES 1 FACULDADES MAGSUL 1 Ponta Porã, MS - Brasil UNIGRAN 2 - Dourados, MS Brasil rogmelo@usp.br;

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Art.1º. O Estágio Supervisionado é componente curricular obrigatório do Curso de Graduação em Administração da FASIP que visa a proporcionar

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Série / Ano 6º A Carga Horária Semanal: 4 horas Semestral: 80 horas Anual:

PLANO DE ENSINO 2º/2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Série / Ano 6º A Carga Horária Semanal: 4 horas Semestral: 80 horas Anual: Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.

EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO. FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com. EDUCAÇÃO FÍSICA: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR E DE FORMAÇÃO FINCK, Silvia Christina Madrid UEPG scmfinck@uol.com.br EIXO: Formação de Professores / n. 10 Agência Financiadora: Sem

Leia mais

Nome do curso: Pedagogia

Nome do curso: Pedagogia Nome do curso: Pedagogia MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo 1º - O ESTÁGIO SUPERVISIONADO, previsto na Lei nº 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 20 de dezembro de 1996, visa a complementar

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA ALAGOINHAS 2014 1 SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR...

Leia mais

MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL

MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL No Projeto Social, deverão constar os seguintes itens: I Nome do projeto II Introdução III Objetivos Gerais IV Objetivo Especifico V Metas VI Justificativa VII -

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática.

PROJETO XADREZ NA ESCOLA. Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. PROJETO XADREZ NA ESCOLA FERREIRA, Massako Saiki Alves 1 SILVA, Lázaro Fernando Rodrigues 2 Palavras-Chave: Xadrez, Ferramenta de Aprendizagem e Matemática. Introdução O Ensino de Xadrez é defendido por

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA

AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA Camila Rossato¹, Denise Redin¹, Naiane Imhoff¹, Pamela Marquezan¹, Paola de Almeida Mori¹, Andriele Gasparetto²,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ASSOCIAÇÃO TABOÃO DA SERRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FACULDADE SUDOESTE PAULISTANO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EDUCAÇÃO INFANTIL - PEDAGOGIA Diretrizes e Orientações Coordenador de Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica LÚDICO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL: UMA PROPOSTA DA EDUCAÇÃO FÍSICA

17º Congresso de Iniciação Científica LÚDICO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL: UMA PROPOSTA DA EDUCAÇÃO FÍSICA 17º Congresso de Iniciação Científica LÚDICO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL: UMA PROPOSTA DA EDUCAÇÃO FÍSICA Autor(es) CAMILA BRUZASCO DE OLIVEIRA Orientador(es) RUTE ESTANISLAVA TOLOCKA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais