A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Carmem Elisa Henn Brandl 1 Inácio Brandl Neto 2 RESUMO A presente pesquisa faz parte de uma série de ações do Projeto Educação Física para as séries iniciais do Ensino Fundamental, desenvolvido por professores e acadêmicos do curso Educação Física da Unioeste e vinculado ao Programa Universidade sem Fronteiras, da SETI, para atender os municípios de baixo índice de desenvolvimento humano do Paraná. O texto trata de uma das fases em que o objetivo foi avaliar o perfil do desenvolvimento motor dos alunos do 1 o ano às 2ª séries das Escolas Municipais envolvidas no Projeto, como forma de diagnóstico inicial (pré-teste) para planejamento de outras etapas presentes no projeto e a avaliação (pós-teste) dos resultados do trabalho desenvolvido. Para a coleta dos dados utilizou-se dois instrumentos, a escala de desenvolvimento motor elaborada por Rosa Neto e o teste de habilidades motoras básicas para identificar estágios de desenvolvimento das habilidades motoras correr, arremessar, chutar, saltar em distância e arremessar, proposto por Gallahue e Ozmun. Pode-se chegar a conclusão de que os alunos avaliados, tanto em relação às habilidades básicas como dos testes de motricidade fina e global, equilíbrio, esquema corporal e noção espacial, tiveram uma melhora significativa entre o pré e pós teste. Essa situação vem reforçar a importância de implantação de aulas de Educação Física, ministradas de forma planejada e sistemática, por profissionais com conhecimento sobre a criança, a educação de forma geral e a área da Educação Física, o que não é a realidade da maioria das Escolas. Palavras-chave: Educação Física Escolar, avaliação motora, Professor. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO MOTORA PARA SISTEMATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Carmem Elisa Henn Brandl Inácio Brandl Neto 1 Doutora em Educação Física/Pedagogia do Movimento/UNICAMP. Professora do curso de Educação Física da Unioeste, Líder do GEPEFE. 2 Mestre em Educação/Educação Motora/UNIMEP. Professor do curso de Educação Física da Unioeste. Pesquisado do GEPEFE.

2 1. INTRODUÇÃO A importância da Educação Física (Motora) na formação da criança nos aspectos afetivo-social, cognitivo e motor já é consenso entre os educadores e estudiosos. A Educação Física enquanto atividade inserida dentro da Escola já é fato presente desde o início do século XX, porém foi legitimada como disciplina curricular a partir da LDB de 1996, onde em seu artigo 26, Parágrafo 3 o, encontramos que A educação física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular obrigatório da educação básica [...]. A Educação básica compreende a Educação Infantil, Ensino Fundamental (1º ao 9º ano) e Ensino Médio. Entretanto, esta proposta ainda não faz parte das Políticas Públicas da maioria dos municípios de nosso País e a efetivação dessas aulas nas séries iniciais do Ensino Fundamental não são respeitadas. A maioria dos municípios do Estado do Paraná (e de outros Estados também) não possui professores formados em cursos Superiores de Educação Física para ministrarem esta disciplina nas Escolas. Normalmente é o próprio professor regente de turma que o faz, ou, o que é mais provável, as Escolas não proporcionam aulas de Educação Física neste nível de ensino. Esta realidade pode acarretar prejuízo para o desenvolvimento das crianças, especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento motor, tendo em vista que a maioria dos professores, por não possuir formação específica em Educação Física, não detém o conhecimento necessário para desenvolver um trabalho sistematizado nesta área. Por outro lado, temos exemplos de municípios na região oeste do Paraná em que, desde 1990, a partir de uma iniciativa de professores do curso de Educação Física da UNIOESTE, juntamente com as Secretarias Municipais de Educação, elaboraram uma proposta de Educação Física para as séries iniciais do ensino Fundamental, que foi iniciada timidamente e, em virtude dos resultados positivos foi crescendo e sendo disseminada, abrangendo a maioria dos municípios dessa região. Outro fato que demonstra o interesse pelas aulas de Educação Física neste nível de Ensino, é que, atualmente, a exemplo das Diretrizes Curriculares Nacionais, PCNs e Diretrizes Curriculares Estaduais, a AMOP Associação dos Municípios do Oeste do Paraná produziu um

3 documento para as séries iniciais do ensino Fundamental, traçando as diretrizes das diferentes disciplinas escolares, entre elas a Educação Física, para os municípios desta região. Vale destacar também, que os diversos cursos de graduação em Educação Física/Licenciatura do Estado do Paraná, estão preparando os futuros profissionais para atuarem neste nível de Ensino. Neste contexto, surgiu a oportunidade da realização de um Projeto, junto ao Programa Universidade sem Fronteiras da SETI/Pr, que objetiva atender municípios de baixo índice de desenvolvimento humano e oportunizar os cursos de Licenciatura a desenvolver projetos de extensão universitária com apoio financeiro do Estado. Neste sentido, elaborou-se uma proposta com o objetivo principal de implantar a Educação Física (Motora) nas séries iniciais das escolas de dois municípios, que atenderam os pré-requisitos do programa, com aulas ministradas por professores formados na área (licenciados em Educação Física), bem como programas de recreação e lazer na Escola através da realização de oficinas (jogos, dança-brinquedos cantados-jogos rítmicos, ginástica - brincadeiras envolvendo habilidades básicas e com materiais, construção de brinquedos) e festivais de jogos infantis. Para viabilizar as ações previstas, contou-se com a participação de três professores do Colegiado, que foram responsáveis em coordenar todas as ações, um professor recém formado que ficou em contato direto com as Escolas ministrando aulas de Educação Física em forma de Projeto Piloto e cinco acadêmicos de Educação Física da UNIOESTE, que desenvolveram atividades de finais de semana. A professora recém formada executou as regências nas escolas, sendo que, devido à carga horária, optou-se em ministrá-las para os primeiros e segundos anos e para as segundas séries, nas duas cidades. A parte burocrática, as preparações (estudos, pesquisas e organizações) e as atividades de diagnósticos, oficinas, festivais, além da programação para as aulas, foram realizadas por todos os membros da equipe. Para a concretização das metas do Projeto elaboraram-se vários objetivos, entre eles realizar uma avaliação para saber como estava o desenvolvimento das crianças em relação às habilidades básicas, a lateralidade, ao esquema corporal e ao equilíbrio, que foi realizado no início do ano letivo e a partir deste resultado poder programar as aulas de Educação

4 Física. E outro, a aplicação deste mesmos testes, para o mesmo grupo de crianças, que foi realizada no final do ano escolar, para avaliar o desenvolvimento/aprendizagem proporcionado pelo projeto. Neste texto estaremos apresentando os resultados dos testes motores realizando uma comparação entre o diagnóstico inicial e a avaliação final. Para tanto, traçou-se como objetivos específicos: Comparar a idade motora em relação ao quociente motor geral definido a partir da avaliação da motricidade fina e global, do esquema corporal, do equilíbrio e da organização espacial, segundo a escala de desenvolvimento motor elaborada por Rosa Neto (2002), no início e no final do desenvolvimento do Projeto; identificar os estágios de desenvolvimento das habilidades motoras correr, arremessar, chutar, saltar em distância e arremessar, conforme orientações de Gallahue e Ozmun (2005) no início e no final do desenvolvimento do Projeto. 2. METODOLOGIA A presente pesquisa caracteriza-se como descritiva, que, segundo Thomas e Nelson (2002) se constitui por descrever as características de determinada população ou fenômeno, como também estabelece relações entre variáveis. Como procedimento, utilizou-se da pesquisa de levantamento que, como ressalta Gil (1991), é adequada para estudos descritivos, pois coleta informações de determinado grupo de pessoas acerca de um problema estudado para, em seguida, realizar uma análise quantitativa dos dados e assim obter conclusões a respeito dos fenômenos ou populações estudadas. A população foi constituída por alunos de 1 o e 2 o anos e 1 a e 2 a séries de uma Escola Municipal de cada município envolvido, matriculados no ano letivo de No Município/Escola A, o total de alunos dessas séries foi de 249 alunos, e a amostra totalizou em 145 crianças. No Município/Escola B a população foi de 241, enquanto que a amostra foi constituída por 69 alunos. Foram utilizados dois instrumentos para coletar os dados. O primeiro, a Escala de Desenvolvimento Motor (EDM) de Rosa Neto (2002) que aplica uma bateria de testes envolvendo motricidade fina, motricidade global, equilíbrio, esquema corporal/rapidez, organização espacial e lateralidade. O segundo, um

5 teste dos padrões de movimento, determinado por Gallahue e Ozmun (2005). Segue abaixo a descrição dos instrumentos. 2.1 Descrição do Instrumento 01: Escala de Desenvolvimento Motor (EDM). Rosa Neto (2002) entende que, além de reunir os testes mais consagrados para o estudo do desenvolvimento motor infantil, a EDM apresenta ainda um manual completo de como proceder à aplicação desses testes. Neste manual se encontram um conjunto de provas muito diversificadas e com dificuldade graduada, conduzindo a uma exploração minuciosa de diferentes áreas do desenvolvimento motor. A aplicação num sujeito permite avaliar seu nível de desenvolvimento motor, considerando êxitos e fracassos em face das normas estabelecidas pelo autor da escala. A EDM proposta por Rosa Neto (2002), procura avaliar as áreas motoras específicas: motricidade fina, motricidade global, equilíbrio, organização temporal, organização espacial, esquema corporal e lateralidade. Para cada área que o aluno é avaliado, o teste inicia a partir da idade cronológica da criança, que é dada em meses, se conseguiu realizar o teste correspondente à sua idade atribui-se um valor, colocado abaixo de cada idade, a avaliação em cada área continua até a idade motora que o aluno conseguiu chegar, após as avaliações são realizados os cálculos através da idade cronológica em meses, calculando a idade motora geral e idades motoras correspondentes a cada área, e através destas calcula-se o valor do quociente motor geral e dos quocientes motores, sendo possível caracterizar e classificar o perfil motor da criança conforme quadro abaixo. Quadro 1: Escala de quociente motor Idades em meses (quociente motor) Classificação do Perfil 130 ou mais Muito superior 120 a 129 Superior 110 a 119 Normal alto 90 a 109 Normal médio 80 a 89 Normal baixo 70 a 79 Inferior 69 ou menos Muito inferior Independente do componente avaliado, cada teste foi iniciado pelo participante com a tarefa correspondente à sua idade cronológica (data de nascimento) convertida em meses, ex: seis anos, dois meses e quinze dias

6 significa o mesmo que seis anos e três meses ou 75 meses. Caso fosse obtido sucesso na tarefa correspondente à sua idade, a tarefa de idade mais avançada foi apresentada. Em caso de fracasso, a tarefa correspondente à idade anterior foi proposta e, se o sucesso fosse obtido, repetia-se a tarefa inicial. Dessa forma se obteve a idade motora correspondente a cada teste. Para encontrar a idade motora geral (IMG) somaram-se os resultados positivos obtidos nos testes motores, que são expressos em meses e são representados pelo símbolo (1); os valores negativos são representados pelo símbolo (0); A soma dos valores positivos foi dividida pelo número de testes (aqui 5 que são motricidades fina e global, equilíbrio, esquema corporal, organização espacial). Para encontrar o valor de cada idade motora (IM1, IM2, IM3, IM4, IM5) em cada área, é necessário verificar a pontuação na última idade, em que o aluno realizou a avaliação e converter esta idade em meses. Para obter o cálculo do quociente motor geral (QMG), necessário na classificação do perfil motor da criança, é preciso dividir a idade motora geral pela idade cronológica calculada em meses multiplicando o resultado por 100(cem) e para obter o valor de cada quociente motor (QM1, QM2, QM3, QM4, QM5), é necessária a divisão entre o valor de cada idade motora e a idade cronológica em meses. O teste de lateralidade não foi somado a estes testes, somente verificou se a criança era destra completa, sinistra completa, se tinha lateralidade cruzada ou indefinida, através do número de tarefas que ela executou com cada mão, olho ou pé. Para cada teste foram utilizados os materiais detalhados em Rosa Neto (2002,p. 37). 2.2 Descrição do instrumento 2: avaliação das habilidades motoras A Aplicação do teste aconteceu na forma de observação de cada aluno. Este realizava três repetições de cada habilidade e o examinador, em uma ficha individual, classificou nos estágios correspondentes, ou seja, inicial, elementar e maduro. A descrição da característica de cada estágio, em cada habilidade avaliada encontra-se em Gallahue e Ozmun (2005). O procedimento utilizado para a coleta de dados foi através da técnica de observação, que é uma forma de coleta de dados para se obter

7 informações, utilizando os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Não somente visualizando ou ouvindo o fato, mas interpretando as atividades executadas pelas crianças no caso deste estudo (MARCONI e LAKATOS, 1999). Depois de definir o protocolo de testes a ser utilizado na pesquisa, entrou-se em contato com os dirigentes da escola para que estes estivessem cientes sobre as condições da pesquisa com os alunos, que, quando estão na escola, são de responsabilidade da mesma. Foi então solicitado à direção das escolas, autorização para a realização dos testes com as crianças, e comunicado que será preservada a identidade das Escolas e dos alunos. Após a coleta dos dados, os mesmo foram analisados a partir de estatística simples, indicando freqüência e percentual da incidência do nível de desenvolvimento motor dos alunos. 3 RESULTADOS Os resultados da pesquisa serão apresentados separadamente por instrumentos de coleta utilizados, ou seja, inicialmente estaremos demonstrando e analisando os resultados dos testes relacionados a escala de desenvolvimento motor, os quais aparecem em dois gráficos, cada um representando um dos municípios participantes da pesquisa. Após, o resultado dos testes de habilidades motoras, apresentados separadamente por Município e série e o pré e pós teste. Figura 1: Escala motora das crianças do Município A Pré e Pós teste 75% 70% 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% superior normal alto normal médio normal baixo inferior muito inferior pré-teste pós teste

8 80% 75% 70% 65% 60% 55% 50% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Figura 2: Escala motora das crianças do Município B pré e pós testes superior normal alto normal médio normal baixo inferior pré-teste pós teste Conforme as figuras 1 e 2 acima, pode-se observar que tanto as crianças do Município A como do B, tiveram uma melhora entre o pré e pós teste, reduzindo os índices da escala de normal baixo, inferior e muito inferior e consequentemente aumentando os índices de crianças nas escalas normal médio, normal alto e superior. As figuras que seguem representam os resultados dos testes de habilidades motoras. Figura 3: Resultado do pré-teste das Habilidades motoras dos alunos dos 2os anos do Município A Figura 4: Resultado do pós-teste das Habilidades motoras dos alunos dos 2os anos do Município A Inicial Elementar Maduro Elementar Maduro Inicial Figura 5: Resultado do pré-teste das Habilidades Motoras dos alunos das 2ª séries do Município A Figura 6: Resultado do pós-teste das Habilidades Motoras dos alunos das 2ª séries do Município A Inicial Elementar Maduro

9 Quando avaliadas as habilidades motoras correr, arremessar, chutar, driblar e o salto em distância dos alunos do Município A, observa-se nas figuras 3, 4, 5 e 6, que no pré-teste predominava, tanto para os 2º ano como para a 2ª série, o estágio inicial e elementar e, no pós teste, observa-se uma melhora significativa tendo em vista que nesta segunda avaliação, um pequeno percentual dos alunos se encontraram no estágio inicial, grande parte no elementar e um percentual relevante passou para o estágio maduro, especialmente das habilidades arremessar e driblar. Figura 7: Resultado do pré-teste das Habilidades Motoras das crianças do 1o ano do Município B Figura 8: Resultado do pós-teste das Habilidades Motoras das crianças do 1o ano do Município B Inicial Elementar Maduro Inicial Elementar Maduro Figura 9: Resultado do pré-teste das habilidades motoras das crianças da 1a série do município B Figura 10: Resultado do pós-teste das habilidades motoras das crianças da 1a série do município B inicial Elementar Maduro inicial Elementar Maduro Figura 11: Resultado pré-teste das Habilidades Motoras dos alunos da 2a série do Município B Figura 12: Resultado pós-teste das Habilidades Motoras dos alunos da 2a série do município B

10 Ao avaliar as habilidades motoras dos alunos do 1º e 2º ano e 2ª série do município B, percebeu-se, conforme demonstrado nas figuras 7, 8, 9, 10, 11 e 12, que no pré-teste, na maioria das habilidades os alunos se encontravam no estágio inicial e após a realização das aulas, no pós-teste os alunos apresentaram uma melhora significativa, passando principalmente para o estágio elementar, mas também para o estágio maduro. Vale destacar, tanto para o município A quanto para o município B, nas habilidades realizadas com a bola arremessar, chutar e driblar houve uma melhora, isto pode significar que, antes das intervenções do Projeto, os alunos ou não realizavam essas atividades, ou não havia uma sistematização e acompanhamento adequado para esta faixa etária. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Para tecer as considerações finais da pesquisa/intervenção retomamos o objetivo geral do trabalho que foi de realizar uma comparação entre o diagnóstico inicial e a avaliação de testes motores realizados após o desenvolvimento do Projeto. Neste sentido, conclui-se, pelos resultados apresentados, que houve uma melhora significativa em todas as turmas e em todas as habilidades/capacidades avaliadas. Isso nos leva a acreditar que um trabalho planejado, sistematizado e acompanhado de avaliações e reflexões contínuas, cumpre o papel da Escola na Educação de nossas crianças que é de contribuir para a formação/aprendizagem/desenvolvimento em todas as dimensões do ser humano. A nossa proposta defende a idéia de que o Professor de Educação Física, formado em Licenciatura, e que tenha em sua graduação disciplinas e estágios voltados para este nível de Ensino, é que apresenta as melhores condições para ministrar essas aulas.

11 No que diz respeito ao objetivo principal do Projeto, que foi de implantar a Educação Física (Motora) nas séries iniciais das escolas de dois municípios, com aulas ministradas por professores formados na área (licenciados em Educação Física), ao final do Projeto, em reunião realizada com os Prefeitos e Secretárias Municipais de Educação, onde foram apresentados os resultados do mesmo, obteve-se, dos dois municípios participantes, o compromisso de contratação, por meio de concurso e/ou teste seletivo, de Professores de Educação Física, para ministrar as aulas nas séries iniciais do ensino fundamental. Os coordenadores do Projeto se comprometeram em dar assessoria aos municípios, para implantação desta política, mesmo com o encerramento do Projeto. Com este compromisso firmado, entende-se que os objetivos do Projeto foram alcançados na íntegra e possivelmente, em média de 15 (quinze) profissionais da área estarão ocupando o espaço de sua competência, bem como, aproximadamente crianças estarão tendo uma Educação Física de qualidade. 5. REFERÊNCIAS GALLAHUE, David L.; OZMUN, John C.: Compreendendo o Desenvolvimento Motor: Bebês, crianças, Adolescentes e adultos, 3ª, Phorte: São Paulo, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas: São Paulo,1991. MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. Atlas: São Paulo,1999. ROSA NETO, F. Manual de avaliação motora. Porto Alegre: Artmed, THOMAS; NELSON. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 3 ed. Artmed: Porto Alegre, 2002.

O LÚDICO E O PERFIL DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 5 E 6 ANOS

O LÚDICO E O PERFIL DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 5 E 6 ANOS O LÚDICO E O PERFIL DE DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS COM IDADE ENTRE 5 E 6 ANOS Resumo BARROS, Paulo César de PUCPR paulo.barros@pucpr.br CAETANO, Samara de Paula Neves PUCPR samara.caetano@pucp.br

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE e LUDICIDADE

PSICOMOTRICIDADE e LUDICIDADE PSICOMOTRICIDADE e LUDICIDADE Prof. Ms. Fabio Mucio Stinghen PSICOMOTRICIDADE Avaliando Desenvolvimento e Aprendizagem Ao se abordar o tema avaliação, para este contexto têm duas vertentes distintas, uma

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS

O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS O DESENVOLVIMENTO MOTOR E AS IMPLICAÇÕES DA DESNUTRIÇÃO: UM ESTUDO COMPARATIVO DE CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE 4 A 5 ANOS CHRYSTIANE VASCONCELOS DE ANDRADE TOSCANO JORGE LOPES CAVALCANTE NETO ALESSANDRA

Leia mais

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº de Abrantes ESCOLA: Escola Básica, D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO:.º ANO LETIVO 0/0 METAS DE APRENDIZAGEM: Domínio da Aptidão Física (EDF00);

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III, IV e V EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria

Leia mais

A/C Diretores e Mantenedores:

A/C Diretores e Mantenedores: SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAPIVARI Rua Regente Feijó, 773 Centro - CEP 13360-000 Capivari- SP Fones: (0XX19) 3491-9200 Fax

Leia mais

XI COPA AMISTOSA DOM BOSCO DE GINÁSTICA RÍTMICA

XI COPA AMISTOSA DOM BOSCO DE GINÁSTICA RÍTMICA XI COPA AMISTOSA DOM BOSCO DE GINÁSTICA RÍTMICA REGULAMENTO 2016 Objetivo: A Copa Amistosa de Ginástica Rítmica é um evento de caráter amistoso que tem a finalidade de reunir ginastas, técnicos, árbitros,

Leia mais

Professores no Brasil

Professores no Brasil Professores no Brasil Perfil docente, políticas para o magistério e níveis de formação dos professores brasileiros Maio de 2016 Perfil dos docentes brasileiros Funções docentes da Educação Básica todas

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE SIGNIFICADO / HISTÓRIA

PSICOMOTRICIDADE SIGNIFICADO / HISTÓRIA Prof. Dorival Brito 1 SIGNIFICADO / HISTÓRIA Prof. Dorival Brito 2 1 DEFINIÇÕES Prof. Dorival Brito 3 DEFINIÇÕES Prof. Dorival Brito 4 2 DEFINIÇÕES Prof. Dorival Brito 5 DEFINIÇÕES Prof. Dorival Brito

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Desenvolvimento Motor. Estudantes. Perfil Motor. Astract

Resumo. Palavras-chaves: Desenvolvimento Motor. Estudantes. Perfil Motor. Astract Resumo O presente estudo teve como objetivo analisar o perfil de desenvolvimento motor de alunos de nove e dez anos, em duas escolas de Salto do Jacuí/RS, uma estadual e outra municipal. Esta pesquisa

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL PSICOMOTRICIDADE E EDUCAÇÃO FÍSICA ALIADAS À MELHORA DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL PATRÍCIA ESPÍNDOLA MOTA VENÂNCIO 2 JAIRO TEIXEIRA JUNIOR ROBERTA MENDES FERNANDES VIVIANE LEMOS SILVA FERNANDES CRISTINA

Leia mais

1º) Onde se no Anexo I Quadro Geral de Cargos:

1º) Onde se no Anexo I Quadro Geral de Cargos: RETIFICAÇÃO Nº. 01 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº. 001/2012 A Prefeitura Municipal de Cachoeira de Minas - MG, através da JCM - Consultoria Municipal Ltda., com sustentação no item 20.16 do Edital 001/2012,

Leia mais

PERFIL DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ALUNOS DE OITO ANOS DE ESCOLA PUBLICAS ESTADUAIS DE SÃO BENTO DO SUL - SC

PERFIL DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ALUNOS DE OITO ANOS DE ESCOLA PUBLICAS ESTADUAIS DE SÃO BENTO DO SUL - SC ARTIGOS ORIGINAIS PERFIL DO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE ALUNOS DE OITO ANOS DE ESCOLA PUBLICAS ESTADUAIS DE SÃO BENTO DO SUL - SC Angelita de Souza*, William Cordeiro de Souza*, Fernando Carvalheiro Reiser**,

Leia mais

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO

PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRIMEIRA INFÂNCIA E DIREITO À EDUCAÇÃO Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília 2014 Extensão: 8,5 milhões km 2 População: 191,5 milhões População

Leia mais

I A Importância da Formação de Professores de Sociologia para a Educação Básica.

I A Importância da Formação de Professores de Sociologia para a Educação Básica. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E INTEGRAÇÃO SOCIAL DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA PROFESSOR: ROGERIO MENDES DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

EJA 2º Semestre de 2014

EJA 2º Semestre de 2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE CAPIVARI Rua Regente Feijó, 773 Centro CEP. 13.360-000 CAPIVARI SP FONES: (0XX 19) 3491-9200 FAX (0XX19)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro marianaeducamg@outlook.com PORTARIA Nº 01, DE 10 DE JANEIRO DE 2017 Estabelece critérios e define procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA REITORIA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA REITORIA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA REITORIA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Vitória, 22 de abril de 2014. EDITAL 4/2014/SRI PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS SANTANDER UNIVERSIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO- ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO Anápolis, 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

PERFIL PSICOMOTOR DE PRÉ-ESCOLARES EM UMA ESCOLA PARTICULAR NA CIDADE DE LAGES/SC.

PERFIL PSICOMOTOR DE PRÉ-ESCOLARES EM UMA ESCOLA PARTICULAR NA CIDADE DE LAGES/SC. PERFIL PSICOMOTOR DE PRÉ-ESCOLARES EM UMA ESCOLA PARTICULAR NA CIDADE DE LAGES/SC. KEILA CÓRDOVA FERNANDES 1 GECIELY MUNARETTO FOGAÇA DE ALMEIDA 2 RACHEL SCHLINDWEIN-ZANINI 3 DANIEL DOS PASSOS 4 1 Fisioterapeuta.

Leia mais

PORTARIA N o 388 de 01/08/2016

PORTARIA N o 388 de 01/08/2016 PORTARIA N o 388 de 01/08/2016 Aprova a Tabela de Descontos para alunos matriculados em cursos e programas da Universidade Positivo (UP). O Reitor da Universidade Positivo, no uso de suas atribuições estatutárias,

Leia mais

PRODUTO DO ESTÁGIO CURRÍCULAR OBRIGATÓRIO PAUTA DE ELABORAÇÃO DO PORTFÓLIO LICENCIATURA EM DANÇA

PRODUTO DO ESTÁGIO CURRÍCULAR OBRIGATÓRIO PAUTA DE ELABORAÇÃO DO PORTFÓLIO LICENCIATURA EM DANÇA PRODUTO DO ESTÁGIO CURRÍCULAR OBRIGATÓRIO PAUTA DE ELABORAÇÃO DO PORTFÓLIO LICENCIATURA EM DANÇA 1. Ementa Registro crítico, reflexivo e avaliativo das ações e intervenções que tangenciaram os estágios

Leia mais

Resolução nº 09, de 05 de fevereiro de 2009

Resolução nº 09, de 05 de fevereiro de 2009 Resolução nº 09, de 05 de fevereiro de 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE CONSELHO UNIVERSITÁRIO Resolução nº 09, de 05 de fevereiro de 2009 A Presidente do Conselho Universitário da Universidade Federal

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Fortalecimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação Características das Principais

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA CRUZ CNPJ nº /

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA CRUZ CNPJ nº / CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SANTA CRUZ CNPJ nº 05.744.399/0001-39 INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISED Autorizado pela Portaria MEC nº 3.002, DOU. de 27/09/2004 Reconhecida pela Portaria MEC nº DOU.295

Leia mais

REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016

REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016 COLÉGIO CRISTO REI REGULAMENTO BOLSÃO PRE-ENEM/VEST COLÉGIO CRISTO REI - 2017 REGULAMENTO N 03, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2016 Estabelece as normas e diretrizes que regulamentam o Bolsão 2017 para estudantes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL

AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL Recebido em: 5/3/2010 Emitido parece em: 3/5/2010 Artigo original AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL José Roberto Andrade do

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLAÇÃO DE GRAU / EMISSÃO DE DIPLOMAS CURSOS SUPERIORES IBTA

PROCEDIMENTOS PARA COLAÇÃO DE GRAU / EMISSÃO DE DIPLOMAS CURSOS SUPERIORES IBTA PROCEDIMENTOS PARA COLAÇÃO DE GRAU / EMISSÃO DE DIPLOMAS CURSOS SUPERIORES IBTA 1) COLAÇÃO DE GRAU A conclusão do curso é representada pela colação de grau, ato oficial conferido pela Instituição de Ensino

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2005 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em, do Centro

Leia mais

DECRETOS. Leópolis, 18 à 24 de Junho de 2010 DECRETO N.º 116/2010, DE 22 DE JUNHO DE 2010.

DECRETOS. Leópolis, 18 à 24 de Junho de 2010 DECRETO N.º 116/2010, DE 22 DE JUNHO DE 2010. AN OII Leópolis, DECRETOS DECRETO N.º 116/2010, DE 22 DE JUNHO DE 2010. Dispõe sobre o expediente das repartições públicas Municipais durante a participação da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO COLÉGIO NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO PLANEJAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Professores Responsáveis Prof. Ana Paula da Costa Ricart Prof. Danielle Naegele Fernandes Prof. Eduardo Henrique Leal Prof. Idalina

Leia mais

2 Objetivo 2.1 O objetivo da seleção é a escolha de dois âncoras e dois repórteres para o programa;

2 Objetivo 2.1 O objetivo da seleção é a escolha de dois âncoras e dois repórteres para o programa; 1 Seleção O Colégio Santa Teresa, por meio da Diretora Ir. Maria do Carmo Carvalho Mesquita e comissão responsável pela seleção, torna público aos alunos do ano letivo de 2014 a abertura das inscrições

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO: 2º CÓDIGO DA PROVA:28 ANO DE ESCOLARIDADE:6º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Fundamentos e Metodologia em Educação Infantil II Código da Disciplina: EDU 334 Curso: Pedagogia Período de oferta da disciplina: 6º Faculdade responsável: PEDAGOGIA

Leia mais

COLEGIO NOVO ATENEU 13/3

COLEGIO NOVO ATENEU 13/3 COLEGIO NOVO ATENEU 13/3 Srs. Pais ou Responsáveis, atenção às informações a seguir I. Orientações 1º Bimestre Iniciamos o ano letivo e já é possível identificarmos o perfil de cada turma, sendo assim

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 09/ /02/2013

PARECER CREMEC Nº 09/ /02/2013 PARECER CREMEC Nº 09/2013 23/02/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 406/2012 Interessado: Laboratório Clementino Fraga Ltda Assunto: Remessa de laudos de exames para operadora Relator: Dr. Antônio

Leia mais

EDITAL CST 01/2014 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA PARA O ANO DE 2015 CRONOGRAMA

EDITAL CST 01/2014 CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA PARA O ANO DE 2015 CRONOGRAMA COLÉGIO SANTA TERESINHA Pré-Escolar/Ens.Fund.(1º ao 9º ano) e Ens. Médio Decreto Nº- 2093/43, de 26.06.43 Reconhecimento/Esc.Normal de 1ºGrau Port. Nº310/52-MG 04.04.52/ Reconhecimento/ Curso Ginasial

Leia mais

O PERFIL PSICOMOTOR E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS DISLÉXICAS

O PERFIL PSICOMOTOR E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS DISLÉXICAS O PERFIL PSICOMOTOR E O PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CRIANÇAS DISLÉXICAS RAFAEL CESAR FERRARI DOS SANTOS, NINFA BENETTI LIMA, IRINEU A. TUIM VIOTTO FILHO, ORIENTADOR: PROFª. Msa. EDELVIRA DE CASTRO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PUBLICADA NOVAMENTE POR INCORREÇÃO RESOLUÇÃO SME 001 de 13 de janeiro de 2009. (Dispõe sobre a organização curricular dos cursos de Educação de Jovens e Adultos EJA I e II (Ensino Fundamental I e II) -

Leia mais

REGULAMENTO COMPLEMENTAR DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UTFPR CÂMPUS APUCARANA

REGULAMENTO COMPLEMENTAR DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UTFPR CÂMPUS APUCARANA REGULAMENTO COMPLEMENTAR DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UTFPR CÂMPUS APUCARANA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado integrante

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 9 Domínio da ortografia oficial... 21 Domínio dos Mecanismos de Coesão Textual

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º xx DE xx DE MAIO DE 2016

RESOLUÇÃO N.º xx DE xx DE MAIO DE 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CONSELHO UNIVERSITÁRIO - CONSUNI Secretaria dos Órgãos Colegiados Superiores (Socs) Bloco IV, Segundo Andar, Câmpus de Palmas (63) 3232-8067 (63) 3232-8238 socs@uft.edu.br

Leia mais

Fonte [1] A LDB, nos artigos 22 a 38, detalha no Capítulo II a Educação Básica (EB), a qual, consoante o art. 22, objetiva, in verbis, (...) desenvolv

Fonte [1] A LDB, nos artigos 22 a 38, detalha no Capítulo II a Educação Básica (EB), a qual, consoante o art. 22, objetiva, in verbis, (...) desenvolv ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 02: LEGISLAÇÃO, SISTEMA, NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO. TÓPICO 03: OS NÍVEIS DE ENSINO O Título V, da LDB, com os artigos

Leia mais

ATIVIDADES E CURSOS EXTRACURRICULARES

ATIVIDADES E CURSOS EXTRACURRICULARES ATIVIDADES E CURSOS EXTRACURRICULARES Esta é mais uma prestação de serviços a que a escola se propõe, não havendo obrigatoriedade do aluno frequentar qualquer atividade. Os cursos têm horários previamente

Leia mais

AEC Atividade Física e Desportiva. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC Atividade Física e Desportiva. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC Atividade Física e Desportiva Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057.2 1. Introdução A proposta de trabalho que se

Leia mais

Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria

Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria Mamanguape 2014 RESOLUÇÃO

Leia mais

Flexibilização curricular e formação de professores

Flexibilização curricular e formação de professores 21/11/2012 I Fórum de Graduação da Universidade Estadual de Goiás (UEG) Goiânia, 30 de outubro de 2012 Prof. Júlio Emílio Diniz-Pereira (UFMG) juliodiniz@ufmg.br 1 Introdução 3 partes: 1. Breve histórico

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO AGRÁRIO RESOLUÇÃO CPG/PPGDA-FD/UFG Nº 001/2016

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO AGRÁRIO RESOLUÇÃO CPG/PPGDA-FD/UFG Nº 001/2016 RESOLUÇÃO CPG/PPGDA-FD/UFG Nº 001/2016 Aprova o Calendário Acadêmico do Programa de Pós-graduação em Direito Agrário da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás para o ano letivo de 2016.

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2013 SUMÁRIO 1. TCC 3 2. Atividade de Orientação 4 3. Avaliação 5 4. Disposições Gerais 7 1. TCC O Trabalho

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2016 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras Libras, modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CALENDARIO ACADÊMICO 2012 UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CALENDARIO ACADÊMICO 2012 UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CALENDARIO ACADÊMICO 2012 UFSM Proposta de Reformulação com recuperação de Carga Horária do primeiro semestre letivo de 2012 APROVADO NA xxxª SESSÃO DO CEPE (em xx/xx/2012)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA.

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. CONTRIBUIÇÕES DA PSICOMOTRICIDADE NA SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES ESCOLARES REFERENTES A LEITURA E ESCRITA. Eduardo Oliveira Sanches (DTP/UEM) Andrey Amorim Sargi (G Educação Física/UEM) Felippe Hakaru Hirayama

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Núcleo Temático: Disciplina:

Leia mais

HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre

HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre HORÁRIO DAS OFICINAS DO SEMINÁRIO DE MÚSICA Semestre 2017.2 APRECIAÇÃO MUSICAL OFICINA DE APRECIAÇÃO MUSICAL - A PARTIR DE 18 ANOS Análise de literatura musical e análise de instrumentos (seus timbres,

Leia mais

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo II

Regulamento Específico. Ginástica Rítmica Módulo II Regulamento Específico Ginástica Rítmica Módulo II 1 Art. 1º - A competição de ginástica rítmica será regida de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Ginástica (FIG), reconhecidas

Leia mais

DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM

DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM DECISÃO CMC Nº 39/11 CONSELHO DO MERCADO COMUM CONTEXTO PLANO BRASIL MAIOR Objetivo: aumentar a competitividade da indústria nacional, a partir do incentivo à inovação tecnológica e à agregação de valor.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO SEME/Nº 006/2015 CONCURSO DE REMOÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO SEME/Nº 006/2015 CONCURSO DE REMOÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE LINHARES SECRETARIA DE EDUCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO SEME/Nº 006/2015 CONCURSO DE REMOÇÃO Define critérios e estabelece datas para o CONCURSO DE REMOÇÃO de Professores e Pedagogos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR INTEGRADA ANO 2011

MATRIZ CURRICULAR INTEGRADA ANO 2011 MATRIZ CURRICULAR INTEGRADA ANO 2011 EDUCAÇÃO FÍSICA Anatomia Humana I 2 2 80 Bioquímica e Biologia Molecular 2 0 40 Filosofia e Sociologia 2 0 40 1º Fundamentos Metodológicos de Futebol I 2 2 80 Fundamentos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando da competência

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, usando da competência FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DE SURDOS Escritório Regional de Santa Catarina Rua Padre Roma, 288 Centro Cep 88010 090 Florianópolis/SC Telefax: (48) 3225 9246 PROPOSTA DO ANTEPROJETO DE

Leia mais

Universidade Federal do ABC (UFABC)

Universidade Federal do ABC (UFABC) Bacharelado Interdisciplinar e Sistema Universitário Universidade Federal do ABC (UFABC) Expansão das universidades federais - 2006 Políticas afirmativas: ação de inclusão social com reserva de vagas para

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Manutenção e Suporte em Informática FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO GERAL Projeto Cultural Que venha o ENADE

REGULAMENTO GERAL Projeto Cultural Que venha o ENADE FACULDADES INTEGRADAS "CAMPOS SALLES" Recredenciada pela Portaria Ministerial 1.373, de 30-9- D.O.U: 03-10-11 Administração - renovação de reconhecimento: Portaria SERES 737, de 30-12 - D.O.U. de 31-12-13;

Leia mais

Crianças obesas têm atraso no desenvolvimento motor

Crianças obesas têm atraso no desenvolvimento motor 1 de 7 11/04/2013 10:55 educación física educacion fisica deportes deporte sport futbol fútbol entrenamiento deportivo discapacidad aventura poker jackpot bet apuesta dados dice casino naturaleza lesión

Leia mais

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO

DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ESTÁGIO DIAGRAMA DE LEITURA DO FLUXOGRAMA DAS ATIVIDADES DE LEGENDA, COM CORES, PARA IDENTIFICAR AS AÇÕES NO FLUXOGRAMA NÚMERO DA PÁGINA ONDE SE ENCONTRA O PROCEDIMENTO Mnnnnnnnnnnnnnnnnnn Zccccccccccc AÇÕES VINCULADAS

Leia mais

PROCESSO SELETIVO ENEM EAD EDITAL Nº 02

PROCESSO SELETIVO ENEM EAD EDITAL Nº 02 PROCESSO SELETIVO ENEM EAD 2017.2 EDITAL Nº 02 SUMÁRIO 1. Da Validade... 3 2. Das Inscrições... 3 3. Da Avaliação... 3 4 Do Resultado... 4 5. Das Vagas... 4 6. Da Matrícula... 4 7. Do Regime Escolar e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2013 2 CAPÍTULO I Do Estágio Supervisionado Artigo 1.º - Este regulamento de estágio supervisionado se refere à formação do Licenciado em Pedagogia.

Leia mais

ANEXO IV Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Declaração de Pessoa Sem Renda Eu,, RG, e CPF, nos termos do Edital nº 01/2016 referente ao Programa de Assistência Estudantil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO DECISÃO 03/2015 - Altera: Decisão n o 03/2013 ESTÁGIO SUPERVISIONADO A, reunida em 18 de novembro de 2015, no uso de suas atribuições, DECIDE Regulamentar a atividade de Ensino de Estágio Supervisionado,

Leia mais

Acompanhamento Interdisciplinar de alunos retidos dos cursos superiores

Acompanhamento Interdisciplinar de alunos retidos dos cursos superiores Acompanhamento Interdisciplinar de alunos retidos dos cursos superiores Equipe interdisciplinar: Serviço Social, Coordenadoria Pedagógica, Psicologia e Enfermagem MULTIDISCIPLINARIDADE Enfermagem Nutrição

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 11) Considerando a conceituação teórica sobre o jogo apresentada na Proposta Curricular de SC, analise as afirmações a seguir. l A criança, por exemplo, joga/brinca de uma forma individual, centrada em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004 Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Dança e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Assis

Prefeitura Municipal de Assis Prefeitura Municipal de Assis Paço Municipal Profª Judith de Oliveira Garcez SECRETARIA DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SME Nº. 05/2.015 Dispõe sobre diretrizes e procedimentos relativos à seleção de professores

Leia mais

UNIP-Universidade Paulista - Campus Ribeirão Preto. Direito Penal. Geraldo Domingos Cossalter

UNIP-Universidade Paulista - Campus Ribeirão Preto. Direito Penal. Geraldo Domingos Cossalter UNIP-Universidade Paulista - Campus Ribeirão Preto Direito Penal Geraldo Domingos Cossalter Ribeirão Preto Outubro 2012... 1 Geraldo Domingos Cossalter RA B35759-2 Direito Penal Trabalho apresentado ao

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ACEITAÇÃO DO ESTAGIÁRIO

DECLARAÇÃO DE ACEITAÇÃO DO ESTAGIÁRIO Associação de Ensino e Cultura Pio Décimo Faculdade Pio Décimo Licenciatura em Química Disciplina: Estágio Supervisionado III Professores: MSc. Carlos Alberto Vieira Mendonça MSc. Vera Lúcia Luz Marques

Leia mais

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue:

Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue: Em atendimento ao art. 32 da Portaria MEC 40/2007, publicamos as condições de oferta do Curso de Licenciatura em Pedagogia, conforme segue: I Ato autorizativo, expedido pelo MEC, com a data de publicação

Leia mais

Estado de Santa Catarina Município de Nova Trento Edital n.º 001/2014 de CONCURSO PÚBLICO

Estado de Santa Catarina Município de Nova Trento Edital n.º 001/2014 de CONCURSO PÚBLICO Ato 009/PMNT/ED001/14 JULGAMENTO DOS RECURSOS CONTRA CLASSIFICAÇÃO PRELIMINAR DO EDITAL Nº 001/2014 DE CONCURSO PÚBLICO O PREFEITO MUNICIPAL do município de Nova Trento, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

Fase do movimento Fundamental e Especializado A base para a utilização motora

Fase do movimento Fundamental e Especializado A base para a utilização motora Fase do movimento Fundamental e Especializado A base para a utilização motora Fase do Movimento Fundamental O Foco da infância deve ser o desenvolvimento da competência motora básica e de mecanismos corporais

Leia mais

Universidade Federal do ABC (UFABC)

Universidade Federal do ABC (UFABC) Bacharelado Interdisciplinar e Sistema Universitário Universidade Federal do ABC (UFABC) Expansão das universidades federais - 2006 Políticas afirmativas: ação de inclusão social com reserva de vagas para

Leia mais

Colégio Positivo Ângelo Sampaio R. Alferes Ângelo Sampaio, 2.300

Colégio Positivo Ângelo Sampaio R. Alferes Ângelo Sampaio, 2.300 Prezados pais, Curitiba, novembro de 2016. Com o objetivo de proporcionar às famílias mais comodidade e facilidade para efetuar a leitura e o devido aceite do contrato 2017 e, posteriormente, efetuar a

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE BOLSAS DO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO ª, 2ª E 3ª SÉRIES DO ENSINO MÉDIO

EDITAL CONCURSO DE BOLSAS DO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO ª, 2ª E 3ª SÉRIES DO ENSINO MÉDIO EDITAL CONCURSO DE BOLSAS DO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO - 2017 1ª, 2ª E 3ª SÉRIES DO ENSINO MÉDIO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O presente concurso será realizado pelo Colégio Dom Bosco e tem como finalidade a

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

Regulamento dos Bacharelados e Licenciaturas e Regulamento dos Cursos de Tecnologia em vigor até 2010

Regulamento dos Bacharelados e Licenciaturas e Regulamento dos Cursos de Tecnologia em vigor até 2010 Informações sobre as principais modificações existentes no Regulamento da Organização Didático-Pedagógica dos Cursos de Bacharelados e Licenciaturas e no Regulamento da Organização Didático-Pedagógica

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO BASQUETEBOL NO DESENVOLVIMENTO DA AGILIDADE EM CRIANÇAS/ADOLESCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL

IMPORTÂNCIA DO BASQUETEBOL NO DESENVOLVIMENTO DA AGILIDADE EM CRIANÇAS/ADOLESCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA DO BASQUETEBOL NO DESENVOLVIMENTO DA AGILIDADE EM CRIANÇAS/ADOLESCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO CARLOS AUGUSTO SILVA RIBEIRO FILHO, CHARLLYNSON WILSON CORDEIRO, PAULINO HYKAVEY JUNIOR,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS COORDENAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS COORDENAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS COORDENAÇÃO EDITAL 07/2016/COCDI/UFU DE INTERCÂMBIO PARA A FACULDADE DE DIREITO

Leia mais

RESOLUÇÃO EECA/UFG N 02/2015

RESOLUÇÃO EECA/UFG N 02/2015 RESOLUÇÃO EECA/UFG N 02/2015 Define critérios para a validação da carga horária das Atividades Complementares e para o registro das horas daquelas que forem validadas. O Conselho Diretor da da, no uso

Leia mais

Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte II. Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR

Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte II. Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte II Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR - 2014 1. Paralelismo de Retas L20 Postulado das Paralelas ( de Euclides )

Leia mais

RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP

RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP RESOLUÇÃO 035/2011 CEPE/UENP Súmula Aprova o Regulamento das Atividades Complementares nos cursos de graduação da UENP. CONSIDERANDO a necessidade de regulamentar as Atividades Complementares no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO MULTIDISCIPLINAR DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA

CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 07/2016 CONCURSO PARA MONITORIA DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA O Diretor do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Regional de Blumenau, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 001 PRIMEIRO SEMESTRE DE 2012

EDITAL DE SELEÇÃO 001 PRIMEIRO SEMESTRE DE 2012 A Pró Reitoria Acadêmica do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, no uso de suas atribuições, torna público o PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS NO PROGRAMA DE ESTÁGIO EM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Leia mais

EXEMPLO. Prova de Aferição de Expressões Físico-Motoras Prova 28 2.º Ano de Escolaridade Critérios de Classificação.

EXEMPLO. Prova de Aferição de Expressões Físico-Motoras Prova 28 2.º Ano de Escolaridade Critérios de Classificação. Prova de Aferição de Expressões Físico-Motoras Prova 28 2.º Ano de Escolaridade 17 Decreto-Lei n.º 17/16, de 4 de abril Critérios de Classificação 5 Páginas Prova 28 CC Página 1/ 5 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Prefeitura de PIRAÍ/RJ -2017

Prefeitura de PIRAÍ/RJ -2017 Prefeitura de PIRAÍ/RJ -2017 1 Como passar no Prefeitura de PIRAÍ 2017? Plano de Estudo / Manual da Aprovação Querida (o) Aluna (o), Hoje conversaremos sobre um assunto fundamental para que você consiga

Leia mais

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 07/06/2011 Conteúdos Matemática Educação Infantil Espaço e forma

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua: Antonio Ubaldo dos Anjos, 035-1º Andar - Centro Fone/Fax (082)3543-1175 / Teotônio Vilela Alagoas Email: cmeteotoniovilela@hotmail.com INTERESSADO: Maria de Fátima Firmino

Leia mais

ANEXO I. Habilitação e Escolaridade exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. Habilitação e Escolaridade

ANEXO I. Habilitação e Escolaridade exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. Habilitação e Escolaridade PREFEITURA MUNICIPAL DE MARIANA Secretaria Municipal de Educação Rua Bom Jesus, 18A Centro marianaeducamg@tlook.com ANEXO I exigidas para atuação em escolas da Rede Municipal de Ensino de Mariana. 1. Cargo:

Leia mais