Uma tinta para acabar com o papel 07/12/1999

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma tinta para acabar com o papel 07/12/1999"

Transcrição

1 Page 1 of 2 EXAME Edição(652) 07/12/1999 [imprimr] arquivo Uma tinta para acabar com o papel 07/12/1999 Como a impressão eletrônica está transformando o mercado editorial Por Joseph Jacobson Quando Gutenberg imprimiu seus primeiros livros, sua intenção não era que fossem portáteis. Afinal, foram feitos para concorrer com manuscritos repletos de iluminuras, extremamente pesados (e muitas vezes presos a mesas por correntes). A idéia de que fosse possível andar por aí com um livro na mão só surgiu em 1 500, quando Aldus Manutius criou esse conceito revolucionário - e liberador. O primeiro jornal leve como papel (The Relation, editado por Johann Cartolus em Estrasburgo) só apareceu em No mundo da informática, a mesma revolução - do pesado mainframe para o computador que não pesa quase nada - já está bem encaminhada. Os computadores portáteis de hoje parecem milagres de design e potência. Mas, mesmo levando em conta quanto já avançaram, não se comparam à qualidade do papel como portador de informações: ultraleve, ultrabarato, de altíssima qualidade. O único problema é que as informações contidas em papel não podem ser atualizadas. Imagine uma folha de papel eletrônico que pudesse se compor sozinha, recebendo dados remotos. Os elementos-chave dessa novidade já existem concretamente no Laboratório de Mídia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), gerando a perspectiva de artefatos portáteis de informação que seriam essencialmente destituídos de peso e onipresentes. O principal avanço, que começará a ser visto em muitos lugares já em 1998, é um novo tipo de tinta, a tinta eletrônica. Essa substância que parece mágica pode ser aplicada sobre qualquer superfície, mas, diferentemente da tinta normal, pode ser composta eletronicamente. Pode ser mudada, apagada e recomposta instantaneamente. A tinta em si, um polímero, não custa caro e não exige potência eletrônica para manter sua imagem. Essa descoberta anuncia o início do fim do livro publicado. A indústria editorial convencional já está morrendo. Livros, revistas e jornais já atingiram um platô de vendas nos Estados Unidos de mais ou menos 100 bilhões de dólares anuais. As vendas de telas planas, base de todos os computadores notebooks e das telas superfinas que começam a acompanhar nossos computadores de mesa, estão crescendo rapidamente, aproximando-se dos 30 bilhões de dólares - mas essas telas ainda são muito pesadas, muito caras e consomem muita energia. A tinta eletrônica possibilita a fusão dos dois mundos: a edição convencional em papel e a informação eletrônica. Essa mudança radical se dá numa feliz coincidência com outra: o crescimento geométrico da nossa capacidade de armazenar informações eletronicamente a um custo que está caindo rapidamente. Ou seja, a chegada da armazenagem compacta de dados. Considere o seguinte. Um livro consome cerca de um milhão de bytes de dados sob forma convencional, não comprimida. Mas basta compactar esses dados e um disco do tamanho de um cartão de crédito se torna capaz de conter 350 livros. Em 1998, os disk drives baseados num novo fenômeno físico, a magneto-resistência gigante, serão comercializados e poderão conter entre 3,5 bilhões e 35 bilhões de bytes, no mesmo formato pequeno. Isso significa mais livros ( para o disco com capacidade maior) do que qualquer indivíduo provavelmente vá ler. Junte-se isso às páginas impressas em tinta eletrônica, e 1998 passa a nos oferecer a perspectiva não de novos livros, mas dos derradeiros livros. Com potência computadorizada tão leve assim, as pessoas vão voltar sua atenção dos livros e da

2 Page 2 of 2 informação para um uso novo, mais universal: a roupa. Os computadores wearable (ou seja, que podem ser vestidos) - nos quais a tinta eletrônica e a tecnologia de computadores fazem parte integrante do tecido e do molde da roupa - não vão demorar a se tornar uma coisa comum. Os estilistas e os cientistas da computação vão se juntar para embutir máquinas e materiais inteligentes na roupa do dia-a-dia. Muitas pessoas hoje em dia carregam computador, telefone celular, relógio e carteira, todos separados. Os teclados embutidos e tecidos condutores, inventados por Rehmi Post e Maggie Orth, no MIT, vão permitir que essas coisas sejam embutidas diretamente nas roupas. Com a tinta eletrônica, as roupas vão poder mudar de cor e desenho e exibir informações. O dinheiro vivo, que já é perigosamente leve, vai ficar ainda mais leve em As transações comerciais vão proliferar na Web, passando ao largo dos bancos, das lojas e dos intermediários. Nessa área a tecnologia já está implantada, e a única mudança em nossas vidas é a rapidez com que está sendo adotada. A próxima grande transformação se dará na área das compras diárias. Os cartões inteligentes (smart cards) já são muito mais usados na Europa que nos Estados Unidos. Essa situação vai mudar com uma nova modificação desenvolvida por Neil Gershenfield, do Laboratório de Mídia do MIT, que expande os limites da tecnologia até as etiquetas. Elas podem conter elementos eletrônicos ativados e lidos por campos eletrostáticos remotos para que revelem informação. A última novidade é uma etiqueta com potência de processamento de um computador embutido - potência essa que pode ser ativada e utilizada pelo campo eletrostático. Essas etiquetas vão formar a base de um novo sistema de dinheiro vivo. Vão se tornar tão onipresentes quanto os códigos de barra e, com o tempo, vão substituí-los. Durante 1998 serão lançadas as bases de um sistema pelo qual o consumidor vai poder entrar numa loja, selecionar os artigos desejados e sair com eles debaixo do braço. Tanto o consumidor quanto o lojista estarão tranqüilos, sabendo que as mercadorias foram corretamente contabilizadas, e seu custo, deduzido de maneira segura de um cartão inteligente de leitura remota. O melhor não é a tecnologia em si, mas o grau em que ela é capaz de conferir poder e independência às pessoas. Isso é importante sobretudo para as crianças. Em 1998 será lançado um programa (com fundos obtidos de diversas partes do mundo) para colocar 1 bilhão de crianças on-line. O programa, chamado 2B1, foi idealizado por Nicholas Negroponte. Sua implementação terá início no Sudeste Asiático, na África e na América do Sul. Seu núcleo é o desenvolvimento de uma interface portátil para a Internet, conectada a satélite, que custa apenas 150 dólares e foi projetada especificamente para a produção de 1 bilhão de unidades. * Joseph Jacobson é professor de mídia, artes e ciências no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT)

3 Page 1 of 2 INFO EXAME 01/03/2002 [imprimr] tecnologia A era do chip implantável 01/03/2002 Brasileiros se ofereceram para testar os chips de identificação pessoal. Objetivo: mais segurança Por John C. Dvorak é um jornalista americano Uma das mais novas tendências em curso nos Estados Unidos envolve tecnologias de segurança, com novas empresas sendo criadas e empresas estabelecidas ganhando notoriedade. As razões para esse súbito interesse em segurança são óbvias e uma nova palavra parece ganhar um lugar permanente nos dicionários. Trata-se de "nine-one-one", em geral escrita como 9-11 ou 911, e se refere aos nefastos eventos de 11 de setembro do ano passado. Quando se dá ênfase a tecnologias especializadas como segurança, acaba-se gerando o aparecimento de produtos desenvolvidos por causa da tendência. Muitos desses produtos são criados pelos militares ou outros setores do governo e, em geral, não são comercializados imediatamente. Só quando os empreendedores conseguem pôr a mão nessas invenções é que elas se tornam produtos utilizáveis pelo consumidor comum. A demonstração mais clara disso foi dada pelo programa espacial da Nasa e do governo americano. Dele resultaram muitas tecnologias de chips hoje usadas por todo mundo. Por volta de 11 de setembro, anunciou-se a criação de chips implantáveis sob a pele que, no futuro, facilitariam a identificação de qualquer pessoa, além de permitir sua localização. Antes daquela data, todo mundo pensou que um tal chip seria uma intolerável invasão de privacidade. Logo se imaginou que certas classes sociais ou raças poderiam ser discriminadas com o uso de uma tecnologia desse tipo. Depois, essas considerações foram esquecidas e agora o chip é visto como uma "boa idéia". Enquanto os americanos tentavam decidir se se trata de uma boa ou má tecnologia, cidadãos de outros países se ofereceram como voluntários para utilizá-la e receber o implante. O Brasil está no topo da lista. Os primeiros "chipados" (um termo emergente que significa ter um chip implantado no corpo) foram quatro cidadãos da Flórida, mas autoridades brasileiras estão vindo para os EUA para receber o implante, devido à recente onda de seqüestros em São Paulo. Segundo fontes, ocorre um seqüestro a cada 35 horas na cidade. Tenho certeza de que isso não é um bom cartão-postal para o turismo. Boa parte da América Latina sofre com esse problema. Na Cidade do México, alguns anos atrás, contaram-me que lá poucas pessoas que têm dinheiro se arriscam a dirigir um Mercedes. Para não se tornar alvos de seqüestradores, os endinheirados optam por velhos Fords e Volkswagens.O chip implantável é desenvolvido pela Applied Digital Solutions, de Palm Beach, Flórida. É um pequeno dispositivo em formato de cápsula chamado VeriChip. Ele incorpora chips conhecidos como radio-frequency identification (RFID) e um transmissor embutido num pacote de silicone e vidro, com11 milímetros de comprimento por 2 de largura. Sua utilização original deveria ser a coleta de informações médicas, a fim de identificar portadores de doenças como diabetes. Agora está surgindo o uso do VeriChip como instrumento de identificação pessoal. Embora esse chip não inclua um circuito de rastreamento no estilo GPS para localizar pessoas a longa distância, acredita-se que seja apenas uma questão de tempo até que novas versões incluam essa capacidade. Basta que o primeiro chip seja aceito pelo público e logo virão outros, inclusive para ser usados contra seqüestros e outros crimes. Na verdade, quando essa tecnologia estiver em toda parte, os criminosos também terão acesso a ela e serão capazes de desabilitar o dispositivo implantado nas vítimas de seqüestro. 09/03/2005

4 Page 2 of 2 Tecnologias de rastreamento como essas só funcionam se não forem muito populares. Nos EUA existe um sistema anti-roubo automático chamado Lojak, que é um pequeno transmissor que sempre informa onde está o carro. Como se trata de uma solução cara, esse aparelho é eficaz porque poucos automóveis o têm e os ladrões não esperam encontrá-lo. Se todos os carros tivessem o Lojak, a primeira coisa que um ladrão faria seria encontrá-lo e desativá-lo. Assim, as vantagens da tecnologia seriam reduzidas a zero. Nesse nível, ou a tecnologia morre porque não tem outros usos ou se torna universal e, portanto, não confere vantagem. Hoje a computação de mesa aponta para a universalidade. Embora ela não ofereça mais uma vantagem competitiva, ninguém quer usaruma máquina de escrever ou fazer contabilidade manualmente. O chip implantado pode assumir um rumo similar. Poderá parecer normal monitorar as crianças com essa tecnologia ou entrar e sair das lojas e efetuar transações em tempo real, já que você está sendo rastreado. Imagino que certas pessoas vão enxergar tudo isso como algo muito chique e esperto. Pessoalmente, não gosto desse tipo de coisa porque, invariavelmente, leva ao fascismo. 09/03/2005

5 Page 1 of 2 EXAME 17/04/2003 [imprimr] tecnologia O futuro da cadeia de abastecimento 17/04/2003 Por Roberta Paduan De acordo com Stephen David, as etiquetas eletrônicas devem substituir o código de barras em questão de anos. Trata-se de uma tecnologia com um potencial de aplicação muito maior do que hoje conseguimos imaginar, diz. Leia abaixo a entrevista completa que David concedeu à EXAME: EXAME: Que tipo de benefício as etiquetas eletrônicas podem trazer às empresas? Stephen David: Elas tornarão toda a cadeia de abastecimento mais inteligente e automatizada, o que trará ganhos para todos: fornecedor, fabricante, varejista e consumidor. Pelo fato da e-tag armazenar uma grande quantidade de informação e não necessitar de intervenção manual para ser lida, permite que a vida de um produto seja monitorada desde a sua fabricação até o momento de ele ser jogado no lixo. Aliás, a indústria de reciclagem pode ser tremendamente beneficiada com essa tecnologia. Uma das etapas mais demoradas e caras do processo de reciclagem é a separação de embalagens por tipo de material e por cor, informações que as etiquetas eletrônicas podem conter. EXAME: E para as empresas no geral? David: Tanto a indústria, quanto o varejo perderão menos vendas por falta de produtos nas prateleiras, pois saberão em tempo real quantos produtos estão no estoque. Ambos também ganharão com a redução de inventário, já que a visibilidade das informações diminuirá nossa dependência de previsões que nem sempre estão certas. EXAME: Mas como é possível ter toda essa visibilidade? David: É preciso que cada item, cada caixa e cada palete de um armazém, por exemplo, tenham suas etiquetas inteligentes e que o ambiente seja provido de uma rede sem fio para que as etiquetas sejam acessadas por leitores de rádio-freqüência (a tecnologia que lê os microchips das etiquetas). Isso tudo, é claro, ligado a sistemas de computador programados a partir de regras do negócio. São eles que darão os alertas de que um determinado produto precisa ser reposto porque chegou a um estoque mínimo, por exemplo. Estenda-se isso aos sistemas compartilhados por várias empresas na internet e chega-se lá. EXAME: O senhor falou de benefícios para os consumidores. Quais são eles? David: Primeiro, sofrerão menos frustrações por não encontrar o que procuram nas lojas. Também enfrentarão menos filas nos caixas do varejo. Daqui a 10 anos, talvez não seja necessário tirar todos os itens do carrinho ao passar pelo caixa no supermercado. As e-tags são lidas sem a necessidade de passar uma a uma pelo leitor, como acontece com os códigos de barras atuais. As etiquetas eletrônicas também garantirão a autenticidade dos produtos, pois conterão mais informações. EXAME: A quanto tempo estamos dessa realidade? David: O Auto ID Center - grupo de pesquisas sediado no MIT, responsável por desenvolver a infraestrutura e o padrão universal das e-tags --, prevê o lançamento das especificações do padrão global das etiquetas ainda no terceiro trimestre deste ano. Em 2004 e 2005 esperamos ver a adoção das etiquetas nos paletes e nas caixas, para só depois começarmos a assistir a adoção em massa das e-tags nos itens individualmente. EXAME: As etiquetas eletrônicas vêm sendo pesquisadas desde a segunda guerra mundial. Por

6 Page 2 of 2 que ainda não foram adotadas como ferramenta de logística? David: Por duas razões principais. Primeiro, porque não há um padrão de troca de informações por rádio-freqüência. Atualmente, há mais de 100 protocolos diferentes sendo utilizados. O segundo fator tem a ver com custos. Para ser adotada em grande escala, tanto as etiquetas quanto os leitores têm de ter um preço viável. Há cerca de dois anos cada etiqueta custava cerca de 1,2 dólar. Atualmente custam em torno de cinco centavos de dólar. Os leitores estão na faixa de 500 dólares, mas em dois ou três anos estarão custando em torno de 100.

7 Page 1 of 1 EXAME Edição(790) 17/04/2003 [imprimr] tecnologia Etiqueta esperta 17/04/2003 Conheça a e-tag, a sucessora do código de barras David: "A cadeia de abastecimento vai ficar mais inteligente" Por Roberta Paduan O americano Stephen David, CIO da Procter & Gamble, é um dos maiores entusiastas de uma tecnologia que está prestes a sair dos laboratórios para entrar no dia-a-dia das pessoas. Trata-se da e-tag -- etiqueta eletrônica que será uma espécie de versão turbinada do código de barras. Segundo David, as e-tags promoverão uma revolução no sistema de informações das cadeias de suprimentos. Da matriz da P&G na cidade de Cincinnati, em Ohio, David falou a EXAME. Ele estava se preparando para uma viagem ao Brasil. No dia 24 de abril, em São Paulo, dará uma palestra no seminário A Etiqueta Inteligente e o Futuro da Cadeia de Abastecimento, promovido pela Associação ECR Brasil. Quais as vantagens da e-tag em relação ao código de barras? As e-tags são capazes de identificar individualmente cada produto. Graças a um microchip que armazena mais informações do que o código de barras, será possível saber a data e o local exatos em que uma determinada caixa de sabão em pó foi produzida e quando foi transportada. Sua leitura não requer intervenção humana. Os chips são lidos remotamente por antenas que formam uma rede sem fio de radiofreqüência. Que benefícios isso traz? Toda a cadeia de abastecimento fica mais inteligente, abrindo caminho para que a vida de um produto seja monitorada desde a sua fabricação até o momento de ser descartado. A reciclagem pode ficar mais viável, já que uma das etapas mais caras desse processo é a separação de embalagens por tipo de material e cor -- informações que as e-tags podem carregar. Fabricantes e varejistas também perderão menos vendas por falta de produtos nas prateleiras, pois saberão a posição exata de seus estoques em tempo real. E os consumidores, ganham o quê? Eles deverão enfrentar menos filas. É bem possível que daqui a dez anos não seja necessário tirar tudo do carrinho na hora de passar pelo caixa, pois os chips das etiquetas podem ser lidos sem que seja necessário passar os produtos um a um, como acontece com o código de barras atuais. As etiquetas eletrônicas também dificultarão a falsificação dos produtos por possibilitar que cada item tenha uma identidade própria.

8 Page 1 of 2 EXAME 22/04/2003 [imprimr] empresas Unindo várias pontas 22/04/2003 Por Roberta Paduan Fazer mais com menos ou, ainda, o que não era possível. Esse é o papel da tecnologia em qualquer atividade -- quando empregada com inteligência, é claro. Em logística não foi diferente. Os recursos tecnológicos revolucionaram o planejamento, o transporte e a armazenagem de produtos, as três grandes partes que compõem o processo logístico. Armazéns inteligentes, rastreamento de cargas, reposição automática de estoque... Todos esses conceitos só puderam ser colocados em prática graças a um arsenal tecnológico que conecta máquinas, produtos, armazéns, caminhões e empresas. Veja as principais tecnologias que transformaram a logística nos últimos 15 anos: O pai do A comunicação via EDI (eletronic data interchange) é uma versão embrionária do . A comunicação era feita em redes privadas, ou seja, era necessário criar conexões específicas para que a comunicação ocorresse. Softwares que cortam caminhos Os roteirizadores são softwares que definem os melhores caminhos para que as várias entregas de um mesmo caminhão sejam feitas da maneira mais rápida e econômica possível. Como evolução dos roteirizadores surgiram também os sistemas de gestão de transporte (transport management system), acoplados aos ERPs, que incluem roteirização e agendamento de entregas Triângulo produtivo De 1995 para cá, os armazéns começaram a receber redes sem-fio de rádio-freqüência para trabalhar em conjunto com leitores de código de barras. Os códigos de barras servem para identificar as categorias de produtos, caixas, paletes e os corredores onde as mercadorias são armazenadas. Armazéns inteligentes Os WMS (warehouse management system) ou sistemas de gerenciamento de armazéns são programas de computador que informam, por exemplo, a ordem em que os produtos devem ser retirados das prateleiras para não passarem da validade, caso sejam perecíveis. Ou, ainda, quais podem ou não ser armazenados em locais próximos para evitar riscos de contaminação. Esses softwares avisam até se o funcionário deve fazer a retirada ou estocagem dos produtos com empilhadeira ou não. Em galpões que podem ocupar vários quarteirões, trata-se de um tremendo ganho de produtividade. A integração total A integração dos vários departamentos da empresa -- estoque, produção, vendas e financeiro -- facilitou todo o planejamento logístico. Tal integração começou acontecer na segunda metade da década de 90, com a adoção dos sistemas integrados de gestão, os ERPs. O big brother das cargas O GPS (sistema de geoposicionamento por satélite) passou a ser adotado para monitorar a localização de carros, caminhões, trens ou navios em tempo real. No Brasil, o receio do roubo de cargas continua sendo a razão principal para a adoção da tecnologia. De quebra, o acompanhamento dos meios de transporte facilita a gestão do recebimento e expedição de cargas -- o que em setores, como o

9 Page 2 of 2 petrolífero, é crucial para a continuidade da produção. Rede de produtividade A facilidade de comunicação pela internet acendeu uma luz nos vários caminhos da logística. Fabricante, transportador e clientes agora conseguem trocar informações rapidamente e a um custo muito mais baixo que a comunicação via EDI. Tudo ao mesmo tempo agora Os ASPs (advanced planning system), ou sistemas avançados de logística, estão começando a ser adotados por empresas brasileiras. Com esses sistemas, o planejamento da distribuição e as análises do transporte adequado, do roteiro, das empresas que prestam o serviço são realizados simultaneamente ao planejamento da produção. Essa integração permite que as alterações na produção ou na distribuição não atrapalhem -- ou atrapalhem o menos possível -- o fluxo da cadeia de abastecimento. A próxima onda As etiquetas eletrônicas, ou e-tags, estão sendo testadas em laboratórios para suceder o código de barras. A aposta é que essas etiquetas -- que identificarão cada produto individualmente -- abrirão caminho para o que vem sendo chamado de comércio silencioso. A aposta é que elas também facilitem o caminho do que parece ser o próximo modelo de gestão das cadeias de abastecimento: o CPFR (sigla em inglês para algo próximo a planejamento, previsão e reposição colaborativos entre empresas). Nesse mundo ideal, as empresas estarão conectadas com seus fornecedores e clientes selecionados. Todos estarão tão afinados em processos e sistemas informatizados, que serão capazes de planejar melhor a produção, a distribuição, além de repor automaticamente os estoques.

10 Page 1 of 3 EXAME Edição(793) 22/05/2003 [imprimr] empresas Com que etiqueta eu vou? 22/05/2003 A catarinense Haco domina 70% de seu mercado. Mas sem um salto tecnológico a liderança pode ser ameaçada Lowndes: "Os fornecedores de tecnologia vão nos disputar" Por Suzana Naiditch Um caminhão carregado de camisas passa pelo portão do depósito de uma grande rede de lojas. Um leitor especial, colocado na entrada, identifica a mercadoria e, automaticamente, todas as informações sobre as camisas são transmitidas para o estoque da rede: quantidade, tamanhos, cores, data de fabricação, tipo de tecido, tudo. Cena futurística? Sim. Só não se sabe quão próximo está esse futuro. A adoção em massa das etiquetas inteligentes, ou smart tags -- microchips acoplados a uma antena de cobre contendo informações de cada produto, num volume muito maior do que fazem hoje os códigos de barras, cuja leitura é feita remotamente por radiofreqüência --, poderá ocorrer num período que varia de dois a dez anos. Pelo menos, é o que prevêem os especialistas. É nisso, também, em que acredita o executivo carioca Ricardo Guedes Lowndes, de 53 anos, superintendente da catarinense Haco, a maior fabricante de etiquetas tecidas da América Latina. Tratase de uma crença que -- caso seja seguida -- pode significar a mudança ra dical de uma empresa criada há 75 anos por imigrantes alemães, dona de quase 70% de seu mercado. (Em 2002, o faturamento da Haco chegou a 97 milhões de reais. Neste ano, deve bater em 120 milhões.) Nos corredores da empresa, com sede em Itoupava, um distrito de Blumenau, o desenvolvimento e a colocação da etiqueta inteligente -- antes que qualquer concorrente o faça -- vêm sendo considerados uma espécie de senha para a manutenção da liderança daqui em diante. E, talvez, até uma questão de sobrevivência. "Para os fabricantes, não haverá outra saída senão produzir suas etiquetas com o chip", diz Marcel Spitalnik Konforti, coordenador do Comitê de Comércio Eletrônico da Associação ECR Brasil, entidade focada na busca de padrões que permitam a redução de custos e o aumento de eficiência na cadeia de produção. "Só assim eles conseguirão se manter no mercado." Enquanto o futuro não chega, a Haco tenta inovar tecnologicamente num produto que, na maioria das vezes, passa despercebido pelo consumidor. Em outubro do ano passado, a empresa deu o primeiro passo rumo à etiquetagem eletrônica com o lançamento de etiquetas antifurto. O modelo leva um sensor que é desmagnetizado no caixa e substitui aquelas peças de plástico rígido que ficam presas às mercadorias e são retiradas no ato do pagamento nas lojas e nos supermercados. Em 1998, a Haco já havia lançado uma linha antipirataria, que utiliza um fio de segurança como o das notas de dólar. Há um ano, a Haco vem mantendo contato com empresas como Texas, Philips, Intel e Siemens, todas envolvidas no desenvolvimento da etiqueta eletrônica. "Quem fizer primeiro será nosso parceiro", diz Lowndes. "Os fornecedores de tecnologia vão nos disputar porque temos 70% do mercado e eles precisam encontrar novas formas de escoar suas inovações." A concorrência, ao que tudo indica, vê o futuro de forma muito parecida. A Helvetia, vice-líder do mercado, com sede no bairro do Pari, na zona Norte de São Paulo, se aliou a parceiros internacionais, como a alemã Rinke Etiketten e a americana Sensormatic, para criar a própria etiqueta de segurança. O desenvolvimento da e-tag é a próxima meta da Helvetia.

11 Page 2 of 3 Novidades tecnológicas sempre esbarram em questões como custo e quem vai pagar a conta. A etiqueta antifurto, desenvolvida pela Haco em parceria com a americana Checkpoint, custa prat icamente o dobro de um produto convencional. (A primeira versão, concebida há dois anos e meio, era 80% mais cara que o modelo atual.) "Comercialmente, isso só deve estourar em três ou quatro anos", diz José Galló, superintendente da Renner, rede com 55 lojas de roupas, controlada pelo grupo americano JCPenney. Segundo Lowndes, esse negócio mudará definitivamente de configuração quando o preço do chip chegar a menos de 1 centavo de dólar. (Hoje, em alguns centros de pesquisa como o MIT, já se consegue um custo de 10 centavos de dólar por unidade.) Na luta contra o tempo para implantar a etiqueta inteligente em larga escala, a Haco tem a seu favor um histórico bem-sucedido de mudanças provocadas pelo avanço da tecnologia. Mesmo que essas inovações signifiquem acabar com algo tradicional dentro da empresa. Em 1985, quando foram instalados os primeiros teares eletrônicos, o Patrão, como era chamado Carl Heinz Conrad -- filho dos funda dores da Haco, antecessor e sogro de Lowndes --, chorou. Por 25 anos, os teares da Haco haviam sido feitos dentro da própria empresa, de madeira. Desde então, a evolução tecnológica foi muito rápida. Os teares eletrônicos foram substituídos por outros mais velozes, a jato de ar. Os distintivos da Seleção Brasileira, confeccionados pela empresa desde meados dos anos 60, demoravam 1 hora para ser produzidos nos teares de madeira. Hoje, com os novos equipamentos, não levam mais de 10 minutos. O avanço da tecnologia também permitiu inovações como as etiquetas com corte a laser, de efeito metalizado, perfumadas, que não irritam a pele ou fosforescentes. Com o avanço das etiquetas inteligentes, Lowndes pretende ampliar significativamente o número de clientes. Atualmente, eles se concentram nos setores têxtil e de calçados. "Com as etiquetas de papel com o sensor antifurto já estamos tentando nos aproximar dos supermercados", diz ele. Também será reforçada a atuação no mercado externo. Hoje, a Haco vende 35% da produção de etiquetas e tecidos jacquard para 30 países. Desde 1993, mantém uma unidade na cidade portuguesa de Covilhã, importante pólo têxtil da Europa. Neste ano, uma fábrica da empresa inaugurada em 2000 no Ceará vem sendo ampliada -- 9 milhões de reais serão investidos em obras e em novos teares. Ao todo, a Haco tem funcionários e ainda utiliza o serviço terceirizado de microempresas da região de Itoupava, em Santa Catarina. A beleza da vila, cercada por morros e matas nativas, atraiu a alemã Johanna Conrad. Em 1928, pouco tempo depois do final da Primeira Guerra Mundial, ela chegou a Santa Catarina com o propósito de visitar um irmão e procurar alternativa a uma Alemanha enfraquecida. O marido, Henrich Conrad, dedicava-se na época a construir estradas na África. Em Itoupava, Johanna comprou uma fábrica de cadarços e fitas. Chamou o marido para tocar o negócio com ela no Brasil e, três anos mais tarde, o filho do casal, Carl Heinz, então com 7 anos, veio da Alemanha juntar-se aos pais. Carl começou a trabalhar aos 14 e, aos 23, assumiu o comando da fábrica. Em 1943, introduziu as etiquetas. Com a morte do pai, em 1960, Heinz impulsionou o desenvolvimento da Haco com seu estilo peculiar de gestão para a época. Conhecia cada funcionário pelo nome e dividia com eles as decisões. Teve duas filhas: Conny, mulher de Lowndes, e Tania, casada com o empresário catarinense Ge rhard Fritzche, ex-dono da têx til Sulfabril, envolvido num ainda não solucionado caso de falência fraudulenta. Heinz morreu em 1999, aos 70 anos, e deixou a Haco, em testamento, para a filha Conny. Tania ficou com outros bens da família. Como genro, herdeiro e sucessor de Heinz, Lowndes, filho de um banqueiro inglês, tem um enorme desafio nas mãos. Um deles é, como ele próprio admite, fazer com que a Haco dê um salto tecnológico e se adapte às novas circunstâncias do mercado. Outro -- talvez ainda maior -- é permitir que, diante de todas as oportunidades e riscos que elas trazem, a empresa sobreviva e cresça. IDENTIFICAÇÃO DE UMA EMPRESA Maior fabricante de etiquetas tecidas do Brasil, a Haco também exporta para 30 países da Europa, América do Norte e América Latina. Veja alguns de seus números: FATURAMENTO 97 milhões de reais em 2002 e previsão de chegar a 120 milhões de reais em

12 Page 3 of PRODUÇÃO 3,5 bilhões de etiquetas por ano PARTICIPAÇÃO 70% do mercado brasileiro Fonte: empresa

13 Page 1 of 2 EXAME Edição(799) 15/08/2003 [imprimr] gestao Não estão entregando 15/08/2003 As ferramentas de integração da cadeia de suprimentos prometem muito, mas o nível de satisfação com elas é baixo Por Maria Luisa Mendes ERP, WMS, EDI, APS... Não passa muito tempo sem que apareçam novas tecnologias revolucionárias de três letras prometendo mais eficiência no gerenciamento da cadeia de suprimentos. A última novidade são as etiquetas inteligentes. Monitoradas por rádio, essas etiquetas de identificação permitem que todo o movimento dos estoques seja rastreado em tempo real. Mas até que ponto as empresas estão realmente conseguindo melhorar a gestão de suas cadeias com a ajuda dessas invenções? Uma pesquisa que acaba de ser feita pela consultoria Booz Allen & Hamilton com 196 grandes empresas de vários países mostra que a colheita de resultados está bem abaixo das expectativas dos executivos. Em 2002 os investimentos em tecnologias para gestão de cadeias de suprimentos chegaram a 19 bilhões de dólares. Nos próximos dois anos essa cifra pode quase dobrar. Apesar disso, poucas empresas parecem estar atingindo os objetivos pretendidos -- 45% das empresas que participaram da pesquisa da Booz Allen afirmaram que os resultados obtidos com suas ferramentas de tecnologia da informação aplicadas ao gerenciamento da cadeia de suprimentos estão abaixo do esperado. Entre os benefícios pretendidos estão ganhos de eficiência, como redução de estoques e maior satisfação dos clientes, e confiabilidade na entrega. Por que a tecnologia não as está ajudando a atingir essas metas? As principais razões apontadas são impossibilidade de fazer previsões, dificuldade de implementar esses sistemas e ilusão quanto ao que as tecnologias são capazes de prover. "A conclusão não é que as tecnologias não funcionam ou não são necessárias", diz Luiz Vieira, o consultor da Booz Allen responsável pela pesquisa no Brasil (18% da amostra são empresas da América Latina). "Mas elas pouco adiantam sem determinados esforços." O grande esforço deve partir do principal executivo. Nas corporações em que a tarefa de melhorar a gestão da cadeia de suprimentos está na agenda estratégica do CEO, a redução anual de custos nos processos que fazem os produtos chegar aos clientes foram de 8%, ante 4,4% nos casos em que apenas os funcionários subalternos estavam fazendo alguma coisa. Claro que qualquer meta com a qual o CEO se comprometa -- mesmo que a luta seja por limpeza nos banheiros masculinos dos escritórios -- tende a ser mais fácil de alcançar. Mas, no caso da cadeia de suprimentos, sua participação é fundamental, sob o risco de o aprimoramento da cadeia se transformar numa desgastante batalha interna. O que é mais confortável para a produção (trabalhar com mais estoques de segurança, por exemplo) não é necessariamente a melhor prática para o marketing (fazer apenas o produto certo para o cliente certo). "Os conflitos de interesses são normais", diz Vieira. "E é papel do CEO ser o fiel da balança." ESPERANÇAS E FRUSTRAÇÕES

14 Page 2 of 2 O que as empresas esperavam dos sistemas de gestão de cadeia de suprimentos... (em % de respostas) Redução de estoques 80 Maior satisfação dos clientes 71 Maior confiabilidade de entrega 69 Redução dos custos de transação 60 Redução dos tempos de ciclo 49 Redução de pessoal de gestão da cadeia de suprimentos 49 Redução de preços de compra de materiais 37 Melhoria no percentual de pedidos completos 34...e por que elas não estão realizando os objetivos (em % de respostas) Inabilidade para desenvolver previsões 56 Questões de implementação e atrasos (relacionados aos negócios) 48 Expectativas irrealistas do impacto da tecnologia 44 Inabilidade para integrar políticas e objetivos entre empresas 41 Incompatibilidade entre modelos e processos entre empresas 33 Falta de participação dos clientes e fornecedores 30 Questões de implementação e atrasos (relacionados à tecnologia) 22 Incompatibilidade entre dados e informações 19 Limitações físicas da cadeia 15 Custos de implementação acima do orçado (relacionados à tecnologia) 11 Custos de implementação acima do orçado (relacionados ao negócio) 4 Pesquisa com 196 empresas no mundo, das quais 14% faturam menos de 100 milhões de dólares por ano, 28% de 100 milhões a 499 milhões, 14% de 500 milhões a 999 milhões, 28% de 1 bilhão a 4,9 bilhões de dólares e 16% faturam 5 bilhões ou mais por ano Fonte: Booz Allen & Hamilton

15 Page 1 of 2 EXAME [imprimr] tecnologia Esta etiqueta é inteligente O substituto do código de barras promete acabar com a fila nos supermercados Brendan Smialowski / Getty Images Fim das malas perdidas: uma das aplicações da nova tecnologia é o controle de bagagens nas companhias aéreas Por Sérgio Teixeira Jr. A cada malas transportadas nos vôos da companhia americana Delta Airlines, quatro vão parar no aeroporto errado. Parece pouco? Pois a empresa perde 100 milhões de dólares ao ano para localizar bagagens extraviadas e enviá-las ao destino certo. No mês passado, a Delta anunciou um investimento de 25 milhões de dólares na tecnologia de etiquetas inteligentes. Pelo menos na teoria, elas podem acabar com o problema das malas perdidas. As etiquetas inteligentes, ou smart tags, são o sucessor do código de barras. Têm esse nome porque são equipadas com um minúsculo chip que se comunica com sensores por ondas de rádio. Em comparação com o código de barras, que precisa ser lido manualmente por scanners, isso significa menos risco de erros e uma grande economia de tempo na identificação e na movimentação de produtos -- inclusive das bagagens nos aeroportos. Enquanto o código de barras indica apenas dados genéricos, as novas etiquetas também podem armazenar mais informações, como data de fabricação, prazo de validade, lote de origem, localiza ção e assim por diante. A expectativa é que, no futuro, elas estejam em todos os produtos. Com sensores espalhados pela loja, a reposição de prateleiras e a finalização da compra poderão ser feitas automaticamente. Ao sair do supermercado, você não precisará mais passar todas as mercadorias pelo caixa. Bastará passar o cartão e digitar a senha. É por isso que a nova tecnologia, também conhecida como identificação por radiofreqüência (ou pela sigla em inglês RFID), tem sido apontada como a próxima grande onda de investimentos em informática. Um levantamento do instituto de pesquisas Yankee Group sustenta que as empresas investirão nela pelo menos 5 bilhões de dólares nos próximos três anos. A indústria de bens de consumo e os varejistas são naturalmente os maiores interessados na novidade. Nos últimos 30 anos, o código de barras permitiu um aumento de produtividade nos armazéns, no transporte e nas lojas. A expectativa é ampliar esses ganhos. A Unilever escolheu sua maior fábrica de sabão em pó do mundo, em Indaiatuba, no interior de São Paulo, para fazer um dos três testes mundiais da tecnologia. Parte da movimentação de caixas de Omo já é feita com etiquetas inteligentes. Normalmente, os operadores das empilhadeiras tinham de fazer cinco conferências manuais com leitores de códigos de barras entre o fim da linha de produção e o carregamento nos caminhões. Com as etiquetas inteligentes, tudo é automático. "O ganho médio de produtividade no tempo de movimentação é de 14%", diz Leonardo Rubinato, responsável pela experiência. Numa fábrica que produz toneladas de sabão em pó por mês, trata-se de um resultado considerável. Por enquanto, o projeto envolve menos de 1% da movimentação da fábrica, e o benefício ainda está restrito à Unilever. Mas o objetivo é que, no futuro, as mesmas etiquetas possam ser lidas ao longo da cadeia de negócios, por distribuidores e varejistas. O Wal-Mart, o maior supermercadista do mundo, já determinou que seus 100 maiores fornecedores comecem a usar as novas etiquetas. Quando a fábrica libera uma caixa de lâminas da Gillette, por exemplo, imediatamente o centro de distribuição já sabe para que loja será enviada e a hora em que ela chegará. Com informações mais precisas, cai o nível do

16 Page 2 of 2 estoque e, portanto, o custo. Mas o fim do código de barras ainda pode demorar um bom tempo para chegar. O custo de produção das smart tags ainda é alto. "Hoje, cada uma custa por volta de 1 dólar, o que torna o preço proibitivo para muitos produtos vendidos em supermercado", diz Wagner Bernardes, diretor de marketing da Seal, empresa que tenta introduzir as etiquetas inteligentes no Brasil. Para Silvio Laban, diretor de tecnologia do Pão de Açúcar, não há dúvida de que um dia elas vão substituir o código de barras. "Mas ainda estamos na fase inicial", diz ele. "Os testes práticos só começarão no ano que vem." A etiqueta que fala A etiqueta inteligente contém um pequeno chip e uma antena, que se comunicam automaticamente com sensores. Veja algumas aplicações: No caixa Não é preciso mais ler o código de barras. Basta aproximar o carrinho do sensor e toda a compra é automaticamente registrada Nas prateleiras Cada item retirado da gôndola é automaticamente contabilizado. Quando o nível de produtos cai, o estoque é acionado para reposição Na industria A movimentação nos depósitos ganha rapidez e tem menos erros. Outra promessa é o fim do furtos -- que custam 50 bilhões de dólares anuais às empresas de bens de consumo

17 Page 1 of 1 EXAME [imprimr] tecnologia Grandes empresas lideram investimentos em etiquetas inteligentes Pesquisa mundial da Deloitte mostra que a maior barreira à adoção da tecnologia de identificação por radiofreqüência é cultural O código de barras está com os dias contados. Em seu lugar, outra tecnologia promete revolucionar a logística de produtos na indústria e no varejo: a identificação por radiofreqüência (RFId, na sigla em inglês). Conhecida no Brasil como "etiqueta inteligente", a RFId substitui as barras por um microchip que emite ondas de rádio, economizando tempo de leitura e evitando erros. Segundo uma pesquisa mundial da consultoria Deloitte, as grandes empresas são as que lideram o processo de adoção do sistema (leia reportagem de EXAME sobre a chegada da RFId ao país). Em parceria com a instituição americana Retail Systems Alert Group, a consultoria avaliou 90 grupos empresariais em diversos países. As redes varejistas representaram 60% da amostra, seguidas por fabricantes de bens de consumo (26%), distribuidores (11%) e transportadores (3%). Segundo o estudo, as companhias que faturam anualmente 5 bilhões de dólares ou mais estão investindo de 500 mil a 10 milhões de dólares para migrar para as etiquetas inteligentes. O volume de recursos desembolsados diminui com o porte das empresas. Entre os motivos do pequeno investimento efetuado pelas companhias de menor porte, está o preço das etiquetas. Atualmente, cada unidade custa cerca de um dólar, o que inviabiliza o uso por varejistas de menor porte. Negócios e barreira cultural De acordo com a Deloitte, a maior barreira para a difusão das etiquetas inteligentes ainda é cultural. Cerca de 30% dos varejistas que participaram da pesquisa declararam que têm "medo de mudança". Outros 15% disseram ter "animosidades" em relação aos departamentos de tecnologia da informação. Os fabricantes também são avessos à novidade. Entre 20% e 40% das respostas (segundo a categoria de produto) revelam falta de cultura de inovação nas organizações. A aversão ao risco é outro impeditivo: 44% dos fabricantes disseram descartar a tecnologia devido aos riscos que ela envolve. Apesar da aversão ao novo, muitos entrevistados esperam aumento nas vendas como resultado da nova tecnologia. Cerca de 70% das empresas entrevistadas esperam algum crescimento dos negócios com o uso do RFId. Os mais confiantes são os distribuidores, com 80% das respostas apontando melhoria nos processos. Os fabricantes de bens de consumo já se mostram pessimistas: 56% deles responderam que têm "expectativas muito baixas" de ampliar suas vendas por causa da RFId. Difusão no Brasil Apesar do custo ainda alto e das dificuldades de difundir uma nova cultura de controle de estoques e logística, apontadas pela Deloitte, as etiquetas inteligentes já se disseminam pelo Brasil. A Unilever, por exemplo, escolheu a sua maior fábrica de sabão em pó do mundo (localizada no município paulista de Indaiatuba) para testar a tecnologia. Já o Grupo Pão de Açúcar planeja iniciar testes práticos da novidade ainda neste ano.

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição

Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição Whitepaper Usos Práticos da Tecnologia RFID em Aplicações de Produção e Distribuição ÍNDICE A Tecnologia RFID simplifica os Processos de Negócio 2 O que é RFID? 2 Como funciona a Tecnologia RFID 2 Vantagens

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

O que é RFID? Fernando Xavier Maio/2007

O que é RFID? Fernando Xavier Maio/2007 Fernando Xavier Maio/2007 Agenda :: Contexto :: RFID :: Elementos :: Funcionamento :: Benefícios :: Barreiras :: Mercado :: Usos :: Questões :: Segurança :: Mitos Contexto :: Dificuldade na identificação

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

Entendendo a Tecnologia RFID

Entendendo a Tecnologia RFID Entendendo a Tecnologia RFID Como o próprio nome sugere a identificação por radiofreqüência é uma tecnologia de identificação automática que utiliza ondas eletromagnéticas como meio para capturar as informações

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

O que é RFID. IDentificação por RadioFrequência

O que é RFID. IDentificação por RadioFrequência Edson Perin Editor O que é RFID IDentificação por RadioFrequência Tags ou Etiquetas Ondas de Rádio Leitores ou Interrogadores Identificação Item a Item Internet das Coisas Rastreamento, Localização e Inventário

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

InformationWeek Brasil

InformationWeek Brasil Fotos: Ricardo Benichio EM TEMP Roberta Prescott 10 Casas Bahia inaugura loja virtual mais tarde que outros varejistas, mas seu CIO, Frederico Wanderley, quer ter na internet o mesmo sucesso da rede física

Leia mais

RFID na Logística de Suprimentos. Loja do Futuro. 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido assim que começar as compras.

RFID na Logística de Suprimentos. Loja do Futuro. 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido assim que começar as compras. Loja do Futuro Na Loja do Futuro, novas ferramentas permitirão todos os processos se tornarem muito mais simples e eficientes, vamos a elas: 1. Cartão do Futuro: a. Com o Cartão Pessoal o usuário é reconhecido

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem

5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem 5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem O presente capítulo tem como objetivo analisar o uso do sistema RFID no varejo com foco na gestão do fluxo inbound e na armazenagem de um centro

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi*

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Existem diversas atividades fundamentais desempenhadas pelas empresas no cumprimento de sua missão, sempre com o objetivo de agregar de

Leia mais

RFID. Transportes e Outros Setores. Edson Perin editor. http://brasil.rfidjournal.com

RFID. Transportes e Outros Setores. Edson Perin editor. http://brasil.rfidjournal.com RFID Transportes e Outros Setores Edson Perin editor Radio Frequency Identification ou Identificação por Radiofrequência O que é RFID? Palavras recorrentes Chip, inlay Antena Tag, etiqueta Leitor, interrogador

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Petrobras fará verdadeira revolução na Logística da Indústria do Petróleo

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014 A Cielo é uma credenciadora de pagamentos eletrônicos. Talvez você a conheça pelas suas máquinas de cartão, presentes no comércio de Norte a Sul do Brasil. Essa é mesmo a função primordial da companhia:

Leia mais

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE Considerações do mundo real Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE 2 Benefícios e oportunidades com RFID 3 Benefícios e oportunidades com RFID São os benefícios

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK

4/4/2007 5:09 PM. SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK SEMANA DE 02/04 a 08/04 de 2007 NOTÍCIAS ROTEIROS PRODUTOS E SERVIÇOS PODCASTS BUSCA OK ESTA SEMANA SAIBA COMO Solte o som no seu celular musical Memória, um item fundamental na hora da compra Lojas virtuais

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico Avenida Prudente de Morais, 290 4º andar Cidade Jardim (31) 2531 0166 contato@idel.com.br www.idel.com.br 1 Palestrante Mac

Leia mais

A Internet das Coisas

A Internet das Coisas A Internet das Coisas Seminário de Sistemas e Tecnologias de Informação Clarisse Silveira 20111507 Jaime Correia 20011477 José Virtudes 20111493 Rui Venâncio 20111509 Movie Time! IoT Universidade Atlântica

Leia mais

12ª Avaliação de perdas no varejo Brasileiro: Supermercados

12ª Avaliação de perdas no varejo Brasileiro: Supermercados 12ª Avaliação de perdas no varejo Brasileiro: Supermercados Para maiores informações, entre em contato conosco: 11 3838-4568 comitedeperdas@abras.com.br Apresentação Este relatório apresenta os resultados

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br

Sistemas de Processamento de Transações. Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Sistemas de Processamento de Transações Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Evolução dos sistemas de informação Os dispositivos de computação passaram dos tubos a vácuo, nos anos 50

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Já é um ato que virou rotina na vida de todos: ao fazer uma compra, um leitor ótico faz a leitura do código de barra,

Já é um ato que virou rotina na vida de todos: ao fazer uma compra, um leitor ótico faz a leitura do código de barra, Desenvolvimento BM-1231 Integração com etiquetas RFID Versão 5 Release 28 Autor Jaciara Silva Processo: Nome do Processo: Integração com etiquetas RFID Acesso Vendas\Pedidos de Vendas Movimentações Compras\Pedidos

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Tecnologia a serviço da saúde.

Tecnologia a serviço da saúde. Tecnologia a serviço da saúde. A Diebold A Diebold é uma empresa multinacional, especializada em automação bancária, segurança eletrônica e líder mundial no fornecimento de equipamentos de autoatendimento.

Leia mais

Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios

Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios Nota técnica Reduza o custo das caixas e simplifique os processos de produção de laticínios Com a impressão sob demanda, é possível reduzir a complexidade de SKUs e aumentar a eficiência operacional Simplifique

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais

Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais Amazon anuncia lançamento do Kindle no Brasil por cerca de R$ 1 mil. G1 lista o que você precisa saber antes de comprar esse tipo de eletrônico. Juliana Carpanez

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Básico do RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento do sistema RFID; 3. Aplicações. Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID José Lourenço Lemos Netto, Mauricio Duarte (Orientador), Bacharelado em Ciência da Computação Centro Universitário Eurípedes de Marília,

Leia mais

UM FRANQUEADOR A DOR E A DELÍCIA DE SE TORNAR

UM FRANQUEADOR A DOR E A DELÍCIA DE SE TORNAR CANAL DE VENDAS MERCADO DE SEGUROS QUER GANHAR CAPILARIDADE EM PARCERIA COM O VAREJO NO VAREJO 29 NO VAREJO O MAIS IMPORTANTE NO VAREJO PARA OS MAIS IMPORTANTES DO VAREJO ANO 5 maio/junho 2013 R$15,50

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Sistemas de abastecimento de pedidos

Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Intelligrated Densidade de separação A Intelligrated usa suas décadas de experiência e centenas de instalações para oferecer as

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed

Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos. Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Tecnologia RFID Usos em Ortopédicos Bárbara Lyons Diretora de Marketing Global da Precimed Imagine-se como um paciente enfrentando uma cirurgia. Você pode pensar, Qual foi a última vez que estes instrumentos

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

www.brasilitplus.com

www.brasilitplus.com www.brasilitplus.com (((internetdascoisas))) BRASSCOM Inteligência de Mercado www.brasscom.org.br BRASSCOM Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação 1 (Seu carro com

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Como está a adoção de RFID no Brasil. Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil

Como está a adoção de RFID no Brasil. Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil Como está a adoção de RFID no Brasil Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil 2 Cenário Brasileiro PIB do Brasil cresce menos, mas cresce Em 2012 = pouco acima de 1,5% Em 2013 = expectativa de alta de

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 4 Introdução aos Sistemas Biométricos 1. Identificação, Autenticação e Controle

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO.

MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO. MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO. Quem nunca sofreu um furto ou conheceu alguém que teve seu veículo furtado? Quem já passou por esse transtorno sabe como é importante investir na segurança

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 17.02.2011

VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 17.02.2011 VEÍCULO: PORTAL UOL SEÇÃO: ECONOMIA VEÍCULO: REVISTA ALGO MAIS SEÇÃO: ECONOMIA DATA: 16.02.2011 Algomais - PE 16/02/2011-17:43 Mercado de executivos em alta Com várias empresas chegando para se instalar

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes O Evento A PHOTOIMAGE BRASIL, maior feira de imagem da América Latina, reuniu mais de 35 mil participantes ligados ao segmento e provou nesta sua 22ª edição que soube se adaptar às rápidas mudanças do

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

White Paper. Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI)

White Paper. Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI) White Paper Como os sistemas portáteis de identificação por radiofrequência (RFID) melhoram as operações e o retorno sobre o investimento (ROI) Escalabilidade inerente elimina o custo incremental Introdução

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

Nori Lermen Quer Revolução no ATM

Nori Lermen Quer Revolução no ATM Nori Lermen Quer Revolução no ATM Em entrevista exclusiva à Relatório Bancário, o novo presidente da ATP, Nori Lermen, revelou as intenções da empresa brasiliense em ir além do fornecimento de serviços

Leia mais

afrac Histórico Diretoria Código de Ética Mapa do Site Documentos AFRAC Estatuto Social Contate a AFRAC Comissão de Ética AFRAC Delegados Regionais

afrac Histórico Diretoria Código de Ética Mapa do Site Documentos AFRAC Estatuto Social Contate a AFRAC Comissão de Ética AFRAC Delegados Regionais Histórico Diretoria Código de Ética Mapa do Site Documentos AFRAC Estatuto Social Contate a AFRAC Comissão de Ética AFRAC Delegados Regionais Fabricantes ECF Fabricantes Suprimentos Fabricantes Periféricos

Leia mais

julho 2011 www.sm.com.br

julho 2011 www.sm.com.br www.sm.com.br Uma publicação do Grupo Lund ano 42 nº 7 julho 2011 DOIS (BONS) PROGRAMAS DE FIDELIDADE COMO DECIDIR O MELHOR NÍVEL DE ESTOQUE MÍDIA DIGITAL A TV QUE FAZ DINHEIRO UNILEVER DEFINE MIX DE 80

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais