ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO"

Transcrição

1 ESCOLA PROFISSIONAL DO PICO 2015 / 2016 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Madalena do Pico Outubro de 2015

2 1. FUNDAMENTAÇÃO Considerando o Ensino Profissional como parte integrante de um complexo capaz de garantir a cada indivíduo o desenvolvimento harmónico das suas capacidades e proporcionando-lhe uma vida melhor, apresentamos um Plano de Atividades com o objetivo principal de responder a essa tarefa, apesar deste processo nunca se dar por acabado. A sinergia de forças da comunidade escolar, aliada à sociedade de que faz parte, permite tornar mais fácil a tarefa da Escola Profissional do Pico como agente de educação e de socialização, ajudando a desenvolver potencialidades de uma forma mais harmoniosa e criativa e colaborando na realização integral dos formandos como pessoas e cidadãos. 2. FINALIDADES Desenvolver nos formandos atitudes de autoestima, respeito mútuo e regras de convivência que contribuam para a sua educação como cidadãos civicamente responsáveis; Desenvolver nos formandos atitudes de autocrítica, tolerância, justiça e autonomia; Assegurar a formação profissional, tendo em conta os interesses e caraterísticas dos formandos no seu contexto cultural e social; Promover a igualdade de oportunidades de sucesso escolar, contribuindo para compensar desigualdades económicas e sociais e as dificuldades específicas de aprendizagem; Contribuir para a melhoria da qualidade de vida escolar, em particular no que se refere às condições de trabalho e lazer dos formandos; Favorecer o desenvolvimento da escola, a sua eficácia, a sua capacidade de intervenção comunitária e a sua autonomia; Desenvolver o conhecimento e o apreço pelos valores e cultura da região, do continente português e de outros países europeus; Desenvolver o espírito de tolerância e respeito relativamente a outros povos e culturas; Desenvolver a formação internacional dos formandos. 2

3 3. OBJETIVOS GERAIS Fomentar a participação dos formandos na vida escolar, colaborando na melhoria do funcionamento da escola; Proporcionar, em liberdade de consciência, a aquisição de noções de educação cívica e moral; Proporcionar a aquisição de atitudes autónomas, visando a formação de cidadãos civicamente responsáveis e democraticamente intervenientes na vida comunitária; Proporcionar aos formandos experiências que favoreçam a sua maturidade cívica e socio afetiva, criando neles atitudes e hábitos positivos de relação e cooperação no plano da intervenção consciente e responsável na realidade circundante; Dinamizar projetos com caraterísticas inter e transdisciplinares, a nível do curso e/ou cursos, adaptados aos interesses dos formandos e formadores; Organizar atividades de complemento curricular que correspondam a interesses dominantes em função dos recursos da escola e da comunidade; Organizar atividades que envolvam toda a comunidade escolar com caraterísticas integradoras relativamente a outros projetos; Desenvolver a colaboração com diferentes parceiros educativos, quer para a realização de atividades dirigidas aos formandos, quer para atividades de intervenção comunitária; Promover contatos com outras escolas para troca de informações, otimização de recursos, atividades de formação ou colaboração em projetos comuns; Promover parcerias com entidades internacionais, tendo em vista o reforço e a aquisição de (novos) conhecimentos por parte dos formandos. 3

4 PLANO DE ATIVIDADES 1. Atividades delimitadas (ordem cronológica). Atividades Finalidades/Objetivos Dinamização Local / Calendarização Biblioteca Municipal da Madalena Valorizar práticas pedagógicas que estimulem o prazer de ler; Consolidar e ampliar o papel da Biblioteca Pública no desenvolvimento de hábitos de leitura; Promover experiências que contribuam para criar hábitos de leitura; Selecionar estratégias adequadas ao objetivo da leitura; Utilizar estratégias diversificadas na recolha de informação; Apreender criticamente o significado e intencionalidade dos textos que lê; Apreciar textos literários. Compreender a história da viticultura açoriana; Identificar os principais elementos estruturais da viticultura tradicional açoriana; Perceber a importância patrimonial da cultura da vinha nos Açores; Conhecer algumas variedades de vitis viníferas e de vitis não vinífera; Compreender a importância da técnica da enxertia na recuperação da cultura da vinha. Curso Técnico de Comércio Formadora: Gilberta Pereira Formador: Paulo Machado Biblioteca Municipal da Madalena Ano Letivo 2015/2016 Museu do Vinho e Núcleo da Criação Velha da Paisagem classificada como Património da Humanidade 19 de setembro de

5 Sessão Informativa Sobre o Parque Natural do Pico e saída de campo Visitas de Estudo Reconhecimento do edifício e das suas valências; Compreensão da sua importância no contexto da vitivinicultura regional. Integrar o módulo Áreas Protegidas na realidade insular; Verificar a importância da gestão e conservação das Áreas Protegidas numa atividade turística responsável e sustentável; Identificar Turismo de Natureza e reconhecer a sua oferta integrada com objetivos de conservação de cada área protegida, tendo sempre presente a importância do Património Natural e Cultural da Ilha do Pico. Conhecer a importância da paisagem protegida da vinha do pico; Conhecer locais de interesse para o turismo; Promover o gosto pela arte e cultura locais; Conhecer a indústria local (cooperativa); Identificar meios e processos de fabrico do vinho; Conhecer história da implementação do museu do vinho, assim como a importância da vinha na economia da ilha; Desenvolver competências de observação, recolha e interpretação de informação a partir da realidade envolvente. Obter contato com a história local Formadora: Maria da Conceição Álvares Ambiental e Rural Formadora: Cidália Neves Outras entidades envolvidas: Parque Natural da Ilha do Pico Formadoras: Glória Rosa e Susana Esgueira Formadora: Maria da Conceição Álvares Comissão Vitivinícola Regional dos Açores 27 setembro a 6 de outubro 2015 EPP e Áreas Protegidas da Ilha do Pico 16 de outubro de 2015 Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico 16 de outubro 2015 Paisagem da Cultura da Vinha do Pico e Museu do Vinho 06 de novembro de 2015 Museu do Vinho 5 a 8 de novembro de 2015 Identificar os componentes morfológicos da videira: raiz, Vinhas a definir, localizadas nos arredores da escola. 5

6 Visitas de Estudo Visitas de Estudo Construção de decoração de Natal varas (nós, entrenós, gomos, gavinhas) e folhas; Compreender o ciclo de desenvolvimento anual, vegetativo e reprodutor; Compreender as fases e fenómenos do ciclo vegetativo. Importância da classificação pela UNESCO da Paisagem da Cultura da Vinha como Património da Humanidade; Reconhecimento do edifício e das suas valências; Compreensão da sua importância no contexto da vitivinicultura regional. Reconhecimento do edifício e das suas valências; Compreensão da sua importância no contexto da vitivinicultura regional. Construção com base na geometria do círculo e outros conhecimentos adquiridos na disciplina de Matemática, utilizando materiais reciclados; Motivar os alunos para o estudo da Matemática; Reconhecer a sua importância e utilidade no dia-a-dia; Aplicar conhecimentos adquiridos nomeadamente na geometria e outros; Promover a reciclagem de materiais como caixas de cereais, garrafas de refrigerante, Formador: Paulo Machado 14 de novembro de 2015 Formadora: Maria da Conceição Álvares Formadora: Maria da Conceição Álvares Todos os cursos da EPP, Funcionários e Formadores Formadora: Bernice Goulart Centro de Interpretação da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha do Pico e Laboratório Regional de 1ª visita: 12 a 15 novembro ª visita: 7 a 10 janeiro ª visita: 15 a 19 abril 2016 Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico, CRL 1ª visita: 19 a 22 novembro ª visita: 15 a 19 abril ª visita: 13 a 17 maio 2016 EPP A partir de 23.novembro.2015 papel de embrulho e folhas de rascunho; Promover a interdisciplina e o 6

7 convívio entre Interpretativa ao coração do Lajido de Santa Luzia Centro de Paisagem da Cultura da Vinha formandos e formadores de turmas diferentes. Potenciar aos formandos a disseminação do conhecimento sobre o ambiente a fim de ajudar à sua preservação e utilização sustentável dos recursos naturais, tendo sempre presente o Património Natural e Cultural da ilha; Sensibilizar os formandos para a Educação Ambiental, considerando os efeitos da relação do turismo rural, homem/meio, a determinação social e a variação/evolução histórica dessa relação. Identificar as Lajes do Pico como um local de interesse turístico; Conhecer o passado histórico da população das lajes; Compreender a importância que a baleação teve na economia local; Perceber que a observação de cetáceos é um meio de preservar a natureza; Relacionar a observação de cetáceos com a promoção do turismo na ilha do Pico; Conhecer e identificar formas do litoral da ilha (arriba fóssil das Lajes do Pico); Despertar nos alunos o interesse pelo património local; Promover o gosto pela arte (trabalho em osso de baleia); Promover a interligação entre a teoria e a prática; Observar diretamente locais de Ambiental e Rural Formadora: Cidália Neves Outras entidades envolvidas: Parque Natural da Ilha do Pico Formadoras: Glória Rosa e Susana Esgueira Lajido de Santa Luzia 04 de dezembro de 2015 Museu dos Baleeiros 04 de dezembro de 2015 interesse turístico; Desenvolver competências de observação, recolha e 7

8 interpretação de informação a partir da realidade envolvente. Identificar locais de interesse turístico na Ilha do Faial; Conhecer a importância turística do vulcão dos capelinhos; Despertar nos alunos o gosto pela arte; Articular a relação escola-meio; Promover a interligação entre a teoria e a prática; Observar diretamente locais de interesse turístico; Desenvolver competências de observação, recolha e interpretação de informação a partir da realidade envolvente. Um poema, uma face! Difundir práticas que estimulem o prazer de ler; No Dia Mundial da Poesia, Promover experiências que o espaço do refeitório da contribuam para criar hábitos de EPP terá uma cara leitura; diferente! As palavras Apreciar a singularidade dos ganharão vida, forma, cor conteúdos e formas de textos de a partir daquilo que os expressão poética; formandos irão apresentar Conhecer os poetas para além das palavras. Acompanhar uma aplicação de pesticidas, identificando os perigos associados a cada uma das fases e os necessários meios de proteção. Relacionar o valor da fertilização do solo e da nutrição da videira no seu comportamento ao longo do ciclo anual. Tarde de jogos Despertar nos formandos o que envolvam a matemática gosto pela matemática; Levar os formandos a compreender que a matemática existe nas mais diversas Formadoras: Glória Rosa e Susana Esgueira Curso Técnico de Comércio Formadora: Gilberta Pereira Formador: Paulo Machado Formador: Paulo Machado Toda a comunidade escolar Organização: Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Formadora: Bernice Goulart Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos e Casa Manuel de Arriaga 16 de janeiro de 2016 Bar EPP Dia mundial da Poesia março de 2016 Vinhas a definir, localizadas nos arredores da escola. 21 de janeiro de 2016 Vinhas a definir, localizadas nos arredores da escola. 30 de abril de 2016 EPP Maio 2016 circunstâncias; Desenvolver capacidades de 8

9 raciocínio, estratégia e de Trilhos Pedestres PR10PIC: (Santana-Lajido) PRC8PIC: (Ladeira dos Moinhos) PR7PIC: (Caminho das Voltas) reflexão; Mostrar aos formandos que a brincar também se aprende. Compreenderem a importância da nossa cultura como atração turística e fomentando para a animação turística; Perceção da importância do Património Cultural e Paisagístico; Visualização e identificação de algumas espécies endémicas; Orientação. Formadores: Ana Ferreira e Pedro Ávila Santo Amaro, Santana e Monte Maio 2016 Outubro

10 2. Formação em Contexto de Trabalho Atividades Objetivos Dinamização Local / Calendarização Formação em Contexto de Trabalho Adquirir ou desenvolver competências técnicas, relacionais e organizacionais relevantes para o perfil de desempenho à saída do curso frequentado pelo aluno; Simular um conjunto de atividades profissionais relevantes para o perfil de saída do curso a desenvolver em condições similares à do contexto real de trabalho; Reforçar / melhorar as aptidões e competências dos formandos, promovendo e facilitando a capacidade de inserção profissional; Aumentar a capacidade de adaptação dos formandos, sobretudo para acompanhar a evolução tecnológica e organizacional; Promover e reforçar o processo de inovação dos formandos, tendo em vista a criação de novas possibilidades de emprego, assim como o reforço da competitividade e do espírito empresarial, tanto no presente como no futuro. Curso de Reativar Rececionista de Hotel (12º ano) Diretora de Curso: Raquel Pereira Ambiental e Rural Diretora de Curso: Vera Freitas Curso Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Diretor de Curso: José Azevedo Diretor de Curso: Pedro Correia Curso Técnico de Instalações Elétricas Diretor de Curso: Nuno Porto Empresas do ramo. 01 de setembro 2015 a 12 de outubro 2015 Empresas do ramo. Junho e julho 2016 Empresas do ramo. Fevereiro e março 2016 Empresas do ramo. Junho e julho 2016 Empresas do ramo. Janeiro e fevereiro 2016 Outubro

11 3. Atividades contínuas. Atividades Objetivos Dinamização Local / Calendarização Projecto Educar para o empreendedorismo Programa Erasmus + Mobilidade estudantes (a candidatar). Projeto Eco - Escola (Com plano de atividades próprio) Sensibilizar os formandos para a importância, pertinência e utilidade do empreendedorismo no mundo atual; Familiarizar os formandos com o modelo de formação utilizado, learning by doing ; Promover atividades que permitam desenvolver e descobrir o espírito empreendedor; Implementar estratégias para ajustar e alcançar objetivos empreendedores. Candidatura de novo projeto. Encorajar ações destinadas a promover e a respeitar o ambiente; Reconhecer e premiar o trabalho desenvolvido pela escola na melhoria do seu desempenho ambiental; Gerir o espaço escolar; Todos os cursos. Formador: Nuno Porto Técnico de Turismo Ambiental e Rural Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Comunidade Escolar. Formadora: Bernice Goulart Entidades envolvidas: Câmara Municipal da Madalena, Parque Natural da Ilha do Pico e EPP Setembro de 2015 a Julho de 2016 A definir Fevereiro de 2016 Comunidade e EPP Ano Letivo 2015/2016 Sensibilizar a comunidade escolar e local. 11

12 Jornal O Leme Dar a conhecer os Comunidade Escolar. EPP acontecimentos da escola; Promover o espírito crítico e interventivo dos membros da comunidade educativa; Projetar a escola no contexto da ilha e da região. Coordenação: Colaboradores da EPP (formandos, formadores e funcionários) Direção do jornal: Formadora Gilberta Pereira Dezembro 2015 Março e Junho 2016 Outubro

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES

Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES Programa para a disciplina de oferta complementar do AER (ensino básico): Educação para a Cidadania

Leia mais

Departamento: Ciências 2

Departamento: Ciências 2 Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS 2 Ano Letivo: 2013/14 PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A CONSTAR DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Departamento:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 3º Período

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 3º Período PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 3º Período ATIVIDADE OBJETIVO INTERDISCIPLI- NA-RIDADE LIGAÇÃO AO PROJETO EDUCATIVO DINAMIZADORES E ACOMPANHANTES PÚBLICO-ALVO (Referir turma) CALENDARIZAÇÃ O CUSTOS

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014 2015 GRUPO: 600 Dolores Fonseca

PLANO DE ATIVIDADES 2014 2015 GRUPO: 600 Dolores Fonseca PLANO DE ATIVIDADES 2014 2015 GRUPO: 600 Dolores Fonseca ATIVIDADE Visita de Estudo ao Museu do Azulejo CALENDARIZAÇÃO Sensibilizar os alunos para o campo das artes 7 de outubro 2014 Alunos do 12ºA Maria

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS

DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014/2015 (Resposta Social de Creche) DATA TEMA OBJETIVOS ATIVIDADES RECURSOS Setembro Integração/adaptação das Crianças Reunião de Pais 24/09/2014 Outono - Promover a integração

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013 Projecto Educativo de Estabelecimento Triénio de 2010-2013 Creche Mundo Infantil Queremos que juntos, Equipa Educativa, Crianças e Familias, possamos proporcionar boas experiencias e aprendizagens. Só

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Considerandos integração social das crianças e jovens responsabilidade de toda a comunidade - territorial e

Considerandos integração social das crianças e jovens responsabilidade de toda a comunidade - territorial e Considerandos Considerando que a integração social das crianças e jovens com necessidades educativas especiais e/ou em risco de insucesso e abandono escolar deve também ser da responsabilidade de toda

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO DA PAISAGEM PROTEGIDA DE INTERESSE REGIONAL DA CULTURA DA VINHA DA ILHA DO PICO HORTA, 18 DE NOVEMBRO DE 2003 1 CAPÍTULO

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) PLANIFICAÇÃO ANUAL Directora do Curso Maria Teresa Pereira

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social Plano de Atividades 2014-15 Gabinete de Serviço Social 1. Voluntariado e Dinamização da Comunidade 1.1. Clube Social 1.2. Projeto Conhecer a Terceira Idade 1.3. Campanha de Natal 1.4. Campanha Papel por

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

NEWSLETTER#5 Sol do Ave - Associação para o Desenvolvimento Integrado do Vale do Ave

NEWSLETTER#5 Sol do Ave - Associação para o Desenvolvimento Integrado do Vale do Ave NEWSLETTER#5 Sol do Ave - Associação para o Desenvolvimento Integrado do Vale do Ave Sistema de Aprendizagem Com uma vasta experiência nesta modalidade de formação, a Sol do Ave tem vindo a desenvolver

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL

ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL ESTATUTO DO ANIMADOR SOCIOCULTURAL PREÂMBULO A Animação Sociocultural é o conjunto de práticas desenvolvidas a partir do conhecimento de uma determinada realidade, que visa estimular os indivíduos, para

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2015/2016 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

À DESCOBERTA DE UMA NOVA

À DESCOBERTA DE UMA NOVA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS À DESCOBERTA DE UMA NOVA NOVA ILHA INTERCÂMBIO 5º C DAS VELAS/ 5ºC DE VILA FRANCA DO CAMPO Introdução Uma vez que o arquipélago dos Açores é composto por nove ilhas,

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

Desporto e Hábitos de Vida Saudável

Desporto e Hábitos de Vida Saudável Desporto e Hábitos de Vida Saudável SRA PRESIDENTE SRAS E SRS DEPUTADOS SR PRESIDENTE SRA E SRS MEMBROS DO GOVERNO Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar a Srª Presidente da Assembleia, desejando-lhe

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Gondomar

Agrupamento de Escolas de Gondomar Agrupamento de Escolas de Gondomar 1.Nota Prévia O projeto de intervenção pedagógica Aprender a Crescer visa contribuir para a atenuação das dificuldades na leitura e compreensão de textos, fatores determinantes

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique

Regulamento. Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento Núcleo de Voluntariado de Ourique Regulamento da Núcleo de Voluntariado de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento do Núcleo de Voluntariado de Ourique,

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva

Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Painel Temático 2: A Educação para o Desenvolvimento Sustentável Sala G4 10H45 12H15 Moderadora: Cristina Gomes Ferreira Relatora: Elizabeth Silva Apresentação dos seguintes projectos: 1) Câmara de Lobos.

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Planificação Anual Educação para a Cidadania

Planificação Anual Educação para a Cidadania Agrupamento de Escolas de Monforte Ano letivo - 2014-2015 Planificação Anual Educação para a Cidadania Departamento do 1º Ciclo Introdução Rua Professor Dr. Rosado Correia A escola ocupará sempre um papel

Leia mais

Carlos César Presidente da Conferência dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Presidente do Governo da Região Autónoma dos Açores

Carlos César Presidente da Conferência dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Presidente do Governo da Região Autónoma dos Açores A XVIII Conferência dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas insere-se num contexto particularmente importante para as Regiões Ultraperiféricas, os seus Estados e a União Europeia. O período de programação

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057. ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico AEC TIC@CIDADANA Proposta de Plano Anual 2012/2013 1. Introdução A Divisão

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2013/ 2014. - Receção e entrega de lembranças às. - Proporcionar momentos de alegria e Educadoras (S.A.

Plano Anual de Atividades 2013/ 2014. - Receção e entrega de lembranças às. - Proporcionar momentos de alegria e Educadoras (S.A. Data em que se realiza Setor/ Departamento Atividades Objetivos Específicos Responsáveis 2 de setembro - Receção e entrega de lembranças às - Fomentar a adaptação das crianças e Ajudantes crianças; na

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO

Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO 1 Calendarização Atividade Objetivos Responsáveis Destinatários 1º PERÍODO Setembro Acolhimento das crianças - Integração e adaptação das crianças ao Centro Infantil Setembro Reunião de Pais e Encarregados

Leia mais

Execução Anual das Grandes Opções do Plano

Execução Anual das Grandes Opções do Plano das Grandes Opções do Plano 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO BÁSICO 01 01 /1 Infraestruturas de Ano Anos seguintes Anos Anteriores Ano 01 01 /1 1 Centro Escolar de Caria 0102 07010305 E

Leia mais

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO 2014/2015 CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimentar a Brincar (Ano 6) Realização de experiências no âmbito da Biologia Escola Secundária Cacilhas-Tejo Agrupamento de Escolas Emídio Navarro EB 2,3

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional PROJECTO (III) Ano Lectivo 2008/2009 (compostagem, horta,

Leia mais

O REGIA DOURO PARK. Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental.

O REGIA DOURO PARK. Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental. N O REGIA DOURO PARK Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental. O Régia-Douro Park Parque de Ciência e Tecnologia está focado nas áreas agroalimentar,

Leia mais

EMPREENDER NA ESCOLA

EMPREENDER NA ESCOLA PROGRAMA para o APRESENTAÇÃO O O programa Empreender na Escola Metodologia Programa Didático - Manuais Implementação do projeto Cronograma de atividades Formação e Acompanhamento Prémios 2 O PROJETO A

Leia mais

PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais

PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA ZONA URBANA DA FIGUEIRA DA FOZ DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PROJETO PEQUENOS CIENTISTAS AO LEME Sessões Experimentais

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais