O VINHO: EXCITA O ESPIRITO E ACLARA O PENSAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O VINHO: EXCITA O ESPIRITO E ACLARA O PENSAMENTO"

Transcrição

1 O VINHO: EXCITA O ESPIRITO E ACLARA O PENSAMENTO Odete PAIVA Escola Superior de Tecnologia de Viseu Resumo: Este trabalho pretende evidenciar o modo como alguns artistas, de diferentes épocas, se apropriaram do vinho como elemento inspirador das suas criações e como ao longo dos tempos o vinho e a vinha contribuíram para o aparecimento de um vasto património que urge ser preservado. Com efeito, o vinho tem sido entendido, ao longo dos tempos, como um elemento fortemente inspirador, pelo que também serviu, com alguma frequência, de inspiração aos artistas. Podemos encontrar um grande número de obras em que o vinho, se não é o protagonista, pelo menos faz parte do contexto, ou ainda mais subtilmente, deixa-se adivinhar. Na cultura ocidental ele apresenta uma dualidade sagrado/profano, que desde sempre o tornou inseparável de todos os extractos da sociedade. Desde a antiguidade que o vinho assume uma importância incontornável no quotidiano dos homens. Para os Gregos, Dionísio era o deus do vinho, da colheita e da fertilidade. Para os Romanos, o deus do vinho é Baco, cujo culto tinha um carácter orgíaco e delirante. Por outro lado, na tradição cristã, o vinho, ao representar o sangue de Cristo, assume assim, um papel metafórico. Estas variadas perspectivas de entendimento permitiram o aparecimento de um vasto património cujo elemento unificador é o vinho. Também na arte encontramos, desde as épocas mais recuadas, referência ao vinho, ao seu consumo e produção. Com efeito, o vinho, a sua cor e o acto de beber, em excesso ou não, inspirou as mais diversas e geniais criações artísticas. O vinho e as múltiplas abordagens que possibilita, permitem-nos hoje apresentá-lo não só como o grande inspirador, que excita o espírito e aclara o pensamento, mas também como tema e matéria para a criação artística contemporânea. Palavras-chave: inspiração, arte, Baco, património, museu, criação

2 O vinho e a cultura da vinha têm contribuído para a criação de um vasto património, quer ao nível etnográfico, quer ao nível artístico. Se o património etnográfico resultou, em grande parte, da actividade que ao longo dos séculos se foi desenvolvendo à volta da vinha e do vinho, o património artístico resulta da criação de artistas das mais variadas áreas, que ao longo das diferentes épocas nele se inspiraram para a realização das suas obras. A qualidade e variedade dos espólios existentes em museus e colecções particulares atestam que, em todas as épocas, os artistas puseram o seu talento ao serviço da vinha e do vinho, tanto na pintura, como na escultura, gravura, tapeçaria, iluminuras, ourivesaria e cerâmica (IVV, 2009), entre muitas outras áreas. 1. Património Etnográfico Em Portugal, até ao século XVIII, ao nível dos utensílios agrícolas não se registaram evoluções significativas. A inovação mais importante que se registou foi a substituição das componentes de madeira pelo ferro, o que permitiu uma maior resistência e durabilidade e ao mesmo tempo melhorou a eficiência, diminuindo o esforço físico. O uso de instrumentos agrícolas teve em algumas regiões do nosso país, sobretudo nas mais montanhosas do interior, uma evolução muito lenta, sendo frequente, até aos dias de hoje, o uso de instrumentos rudimentares e muito simples. A produção das uvas e todo o percurso do vinho implicam a existência de uma grande panóplia de instrumentos agrícolas e técnicos, que fazem com que esta área assuma grande importância do ponto de vista etnográfico. Não só as ferramentas e o material necessário para a viticultura são de uma riqueza extraordinária como, também, as aldeias, as casas e até a própria paisagem são moldadas pelo cultivo da vinha (Salvador, 2006). A vinha, na região do Dão, integra-se na paisagem de um modo especial, quase imperceptível, e percorre vales e cabeços cobertos por castas que encontraram aqui terreno e clima apropriados para a produção de vinhos de grande qualidade e prestígio. Esta realidade faz com que nesta região os modos de vida, os costumes e as mentalidades sejam muito marcadas por uma cultura ligada à vinha e ao vinho. É também de salientar que Portugal, no seu todo, possui uma herança patrimonial muito rica, ligada à vinha e ao vinho e que remonta a uma época

3 muito anterior à fundação da Nacionalidade, tornando-se por isso necessária a sua preservação. É esse o papel dos Museus do Vinho. Eles representam os instrumentos indispensáveis para a compreensão da função civilizadora da vinha e do vinho (IVV, 2009). Assim, resta-me lançar o repto para que o rico e vasto património referente à Região Demarcada do Dão também seja recuperado, preservado e disponibilizado ao público, para que, depois de exercer a sua função no quotidiano dos homens, assuma agora outro papel na memória e cultura desta região. 2. Património Artístico 2.1.O vinho na arte Ao longo da história o vinho contribuiu para aproximar Deus e homens. Sabemos que, desde o séc. XII, a região da beira apresenta uma produção vinícola muito importante. Este facto está fortemente relacionado com a presença das ordens religiosas, com mosteiros poderosos como o de S. João de Tarouca e Santa Maria de Salzedas, a norte, e o de S. Mamede de Lorvão, a sul, ou com mosteiros mais modestos, como o Real Mosteiro de Maceira Dão, o de S. Pedro de Mouraz, ou o de Santa Maria da Estrela (Loureiro,1993). Os mosteiros, sobretudo os da ordem de Cister, tiveram um papel muito importante no desenvolvimento da agricultura e da vinha, na região do Dão. Este facto é ainda reforçado pelo conhecimento de que algumas das castas mais importantes do Dão são comuns às da região francesa de origem desta ordem. Os monges cistercienses foram talvez os melhores enólogos da Idade Média. Fundada na Borgonha no século XI, esta ordem religiosa expandiu-se pelo resto da França e por quase toda a Europa, disseminando deste modo a tecnologia vinícola. Como sabemos, nos mosteiros havia um vasto conhecimento, ao qual os monges tinham acesso. Este facto permitiu-lhes difundir, por toda a região, esses conhecimentos dos quais faziam parte a cultura da vinha e a correcta fabricação do vinho. Sabemos também que os mosteiros possuíam enormes áreas de cultivo, as de Maceira Dão, ainda no séc. XV, espalhavam-se desde Mangualde até à Guarda, Trancoso e Celorico (Loureiro,1993). Nos mosteiros e abadias, as vinhas começaram a ser cultivadas com finalidades litúrgicas, dado que a teologia católica exige explicitamente que no sacramento seja utilizado o vinho. Assim, com o tempo, tornaram-se grandes

4 produtores de bons vinhos. Na tradição cristã, o vinho assume um papel sóbrio e metafórico. No decorrer da celebração da missa ele representa o sangue de Cristo. Isto justifica o empenho e a qualidade que os monges, desde sempre, colocaram na sua produção e preparação. A videira e o vinho apresentam também uma forte expressão quando analisamos as manifestações artísticas relacionadas com a arte sacra. A atestar esta realidade surgem-nos muitas e variadas peças, das quais destacamos O Sarcófago oval da Vindima, do período da romanização, proveniente de Vila Franca de Xira, ou uma das nossas mais características expressões artísticas, a talha dourada, especialmente a de estilo nacional, na qual as videiras e as uvas são um dos aspectos que lhe conferem grande singularidade. Fig. 1 - O Sarcófago oval da Vindima, séc. III, MNA A presença do vinho é também muito significativa na pintura sacra, estando presente em várias temáticas e sendo elemento indispensável na iconografia da Última Ceia. O vinho e a vinha ocuparam desde sempre um lugar de destaque na arte e representam um património de grande valor. O vinho contribuiu para despertar consciências, atrair o conhecimento, fortalecer e promover conversas. O vinho fala, solta a língua, arranca segredos que nem conhecíamos. O vinho desinibe e relaxa, por isso contribui para aproximar as pessoas e celebrar momentos importantes. Mais que uma bebida, o vinho é uma celebração, e para celebrar o vinho nada melhor do que conhecer algumas obras e artistas que este foi capaz de inspirar. Assim, desde os monumentos funerários do antigo Egipto até ao modernismo e à arte contemporânea, em todos os períodos da história podemos encontrar formas que evidenciam a percepção e a relação que os artistas têm

5 com o vinho. Podemos assim afirmar que a mais nobre função do vinho é ser fonte inspiradora (Veloso,1994). O vinho pode ser fruído apelando a todos os nossos sentidos. Podemos sentir o seu aroma, apreciar a cor, experimentar o sabor único que levou ao aparecimento de expressões como néctar dos Deuses, sangue de Cristo e essência da vida e por último sentir o seu efeito a excitar o espírito, visto que é comummente associado à alegria. Estas diversas maneiras de fruir o vinho vão ser plasmadas na arte proporcionando-nos diversas abordagens e, simultaneamente, apelando a todos os nossos sentidos. Estas qualidades já são referidas no mito de Baco, segundo o qual este ordenou aos seus súbditos que lhe trouxessem uma bebida capaz de o alegrar e que envolvesse todos os sentidos. Só o vinho o satisfez. Encantou-se com as suas cores, com o seu aroma frutado e sabor único, enchendo-se de alegria. Depois propôs um brinde que se ouviu por toda a região. Na pintura, o Deus do vinho, Dionísio segundo a mitologia grega e Baco segundo a romana, é geralmente representado por um jovem bem nutrido, risonho e festivo. Na cabeça ostenta uma coroa de folhas de videira e o corpo aparece coberto por um manto. Nas mãos ostenta um cacho de uvas ou uma taça com vinho. Baco aparece também representado, na escultura, sentado sobre um pipo, com uma taça transbordante na mão, claramente embriagado. Fig.2 - Baco, 1597, Caravágio Esta iconografia serviu de inspiração a vários pintores nos séculos XVI e XVII, dos quais destacamos Caravágio (1571/1610), Velásquez (1599/1660), Frans Hals (1580/1666), entre tantos outros. Caravágio, na obra Baco, datada de 1597, apresenta o deus rodeado de frutos e de vinho. Por outro lado,

6 Velásquez, na obra Os Bêbados, também designada por O Triunfo de Baco, datada de 1629, prefere representar o deus do vinho rodeado por um grupo de homens que evidenciam os efeitos de um consumo excessivo. Na obra O Alegre Beberrão, datada de 1628/30, Frans Hals opta por não apresentar Baco, mas por nos confrontar com a alegria que, como já vimos, pode ser um dos efeitos do consumo do vinho. O aparecimento das naturezas-mortas trouxe uma nova abordagem. Este tipo de pintura destinava-se sobretudo às salas de jantar, pelo que esta temática era claramente adequada e, portanto, muito procurada. Por este motivo aparecem com frequência cestos de frutos, onde as uvas atingem uma grande importância, assim como as garrafas onde o vinho é levado à mesa. Mais tarde, Edouard Manet (1832/1883) na sua obra Bar do Folies-Bergères, datado de 1881/82 faz uma análise da civilização da grande cidade. Aqui a empregada de balcão, rodeada de garrafas, observa a sala onde o divertimento e o alvoroço se deixam adivinhar. Ainda assim, a rapariga tem um olhar inexpressivo, cansado e distante onde a solidão e a incapacidade de comunicação estão espelhadas. Fig. 3 - Bar do Folies-Bergères, 1881/82, Edouard Manet Do mesmo modo, Edward Munch (1862/1944), no seu Auto-retrato, apresenta uma postura cansada e de algum abandono físico, usando também o vinho para transmitir a ideia de solidão, ao fazer-se acompanhar na refeição apenas por uma garrafa. Em Portugal temos também algumas manifestações do vinho e do acto de beber na arte. Na obra de Vasco Fernandes (1475?/1542), O Calvário, datada de 1535/40, figuram, no limite direito da tábua, dois populares, um bebendo e outro aguardando para o fazer. Dado o tema central, esta atitude surge como um

7 pouco insólita e inverosímil. Mais tarde, Columbano Bordalo Pinheiro (1857/1929) pinta uma obra que ficou conhecida por O Grupo do Leão, datada de Nesta obra destaca-se um ambiente claramente animado e inspirador, onde a presença do vinho confere uma atmosfera informal e alegre. Já no inicio do séc. XX, José Malhoa (1854/1933) pinta duas obras em que o vinho e os seus efeitos são amplamente ilustrados. Referimo-nos naturalmente a Os Bêbados também denominado Festejando o S. Martinho, datado de 1907, em que a descompostura e o desleixo nos permitem supor que a festa foi longa e o vinho tomado em excesso. Fig. 4 - Festejando o S. Martinho, 1907, José Malhoa Em O Fado, datado de 1910, todos os elementos incluídos por Malhoa são símbolos dos costumes da época. Os elementos mais característicos constituem símbolos dos costumes e da alma portuguesa. Assim, surgem elementos como a guitarra, símbolo mais próximo do fado; o vaso de manjerico, símbolo lisboeta, e o registo do Senhor dos Passos, símbolo da religiosidade dos portugueses. Surgem outros elementos como a garrafa e o copo, assim como o cigarro na mão da figura feminina e outro na orelha do cantor, que demonstram que o assunto é pitoresco e os vícios estão presentes, bem como o ambiente melancólico fadista que dá título ao quadro. Na pintura de costumes, o engarrafamento do vinho do Dão inspirou Tavares Correia (1908/2005), um pintor com grande proximidade geográfica à região do Dão, e que por isso conhecia bem todos os elementos que integrou nesta obra. Envasilhando o vinho do Dão, para além do seu eventual valor artístico, apresenta um inegável valor etnográfico ao proporcionar-nos um retrato fiel de uma época e de uma actividade económica de grande importância para a região.

8 Fig. 5 - Envasilhando o vinho do Dão, Tavares Correia A arte contemporânea também tem tido especial apreço por tudo aquilo que se relaciona com o vinho e com a vinha. Assim, em Setembro de 2008, o Museu do Vinho Bairrada, em Anadia, promoveu uma parceria com vários artistas plásticos, de diversas zonas do país, da qual resultou a criação da maior tela elaborada até hoje em Portugal, subordinada à temática do vinho. Esta mede cerca de sete metros de comprimento e dois de altura. Foi pintada ao ar livre, junto às vinhas contíguas ao Museu. Neste caso o espaço pode ter inspirado muito directamente a produção da obra. A pintura contemporânea, e a arte em geral, têm vindo a sugerir algumas reinterpretações, mas também novas abordagens para o tema do vinho e da vinha. Se por um lado continua a aparecer a crítica recorrente ao consumo excessivo de vinho, como se constata na obra Vinho, datada de 2006, de Dimas Lins, onde é acentuada a descompostura, associada a uma expressão excessivamente ruborizada, por outro lado, são-nos apresentadas propostas completamente inovadoras, como a de usar o vinho como matéria para pintar, ou a que podemos admirar na singular e inexcedível criação da marca Dior.

9 Fig. 6 Vinho, Colecção Dior Através de uma peça de alta-costura, um vestido designado por Vinho, somos transportados, através de uma paleta de cores que começa no vermelho e vai evoluindo até ao castanho-escuro, para o mundo de tonalidades que os vinhos tintos são capazes de nos oferecer, numa alusão obvia ao seu processo de envelhecimento O rosto do vinho rótulos artísticos Nos últimos anos temos assistido a uma preocupação crescente, por parte das diversas marcas, em apresentarem os seus produtos no mercado com uma imagem atractiva, que suscite o interesse do público, despertando sobretudo para a qualidade do produto. Neste contexto, os rótulos e as garrafas têm vindo a assumir uma importância cada vez maior na apresentação de vinho. A concepção dos rótulos passou a ser também uma criação entregue, na maior parte dos casos, a artista de reconhecido mérito. O rótulo é, deste modo, a carta de apresentação do vinho e tem que reflectir, em toda a plenitude, a sua verdade, bondade e beleza. Por isso são também premiados os que cumprem este objectivo. Actualmente existem muitos exemplos de vinhos que trazem arte nos seus rótulos. Esta situação é a prova da crescente importância da valorização da garrafa. Os rótulos complementam a arte dos vinhos, tornando-os obras para serem apreciadas antes mesmo da abertura da garrafa. Afinal, o vinho também se "bebe" com os olhos.

10 Assim, e de acordo com tudo o que é dito anteriormente, podemos afirmar que desde tempos imemoriais é feita uma relação directa entre o êxtase delirante a que conduz a embriaguez do vinho, e a alucinação inspirada, como que um delírio lúcido, que provoca e potencia a criação artística (Calheiros,2004), pelo que é muito feliz a associação do vinho à arte. O vinho representa, portanto, a transformação de matéria simples no ingrediente dos sonhos. BIBLIOGRAFIA: CALHEIROS, Luís, Ditirambos a Diónysus - subsídios para uma iconografia vinária. Disponível na internet via LOUREIRO, V., (1993). Enciclopédia dos Vinhos de Portugal, Os Vinhos do Dão, Lisboa, Portugal. NABAIS, António, (1994). A vinha e o vinho: colecções e museus. Actas do Congresso O Vinho, a História e a Cultura Popular, Instituto Superior de Agronomia (ed.) Lisboa, vol.1: NUNES, Maria Fernanda (1994). A iconografia da vinha e do vinho. Actas do Congresso O Vinho, a História e a Cultura Popular, Instituto Superior de Agronomia (ed.) Lisboa, vol.1: Portugal. SALVADOR, J., (2006). Portugal, Vinhos Cultura e Tradição, Rio de Mouro, VELOSO, Maria Teresa Nobre, (1994), A importância do vinho na vida académica medieval. Actas do Congresso O Vinho, a História e a Cultura Popular, Instituto Superior de Agronomia (ed.) Lisboa, vol.1: Museus do vinho em Portugal. Disponível na internet via http//:www.ivv.min-agricultura.pt

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Museu de Arte Sacra da Sé

Museu de Arte Sacra da Sé 1 Museu de Arte Sacra da Sé Algumas notas sobre a história deste Museu e também sobre a filosofia que presidiu ao actual projecto museológico Fig.1 Museu de Arte Sacra de Évora - Exterior 1. Sua história

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

Visita de estudo à Coruña e Santiago de Compostela

Visita de estudo à Coruña e Santiago de Compostela Visita de estudo à Coruña e Santiago de Compostela Convento de Santo Domingo Corunha Catedral Santiago de Compostela Plano da visita de estudo Primeiro Dia 8.00 h Partida da Escola 12.00 h Chegada à Coruña

Leia mais

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Raphael Oliveira Site: http://oliraf.wordpress.com/ Venho, por este meio, deixar-vos um pequeno artigo sobre o conceito de Paisagem. Como sabem, a Paisagem é uma das

Leia mais

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008 Programa do Serviço Educativo Museu Municipal i de Óbidos 2.º Semestre 2008 Programa Semestral Mês Dias Título Público-alvo Agosto Quintas, Sextas, Sábado No Ateliê do Pintor um Tesouro Escondido Crianças

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES LICENCIATURA DE ARTE - CONSERVAÇÃO E RESTAURO HISTÓRIA DAS ARTES METÁLICAS ANO LECTIVO 2013/2014 Docente: Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa OBJECTIVOS:

Leia mais

GASTRONOMIA CONTEMPORÂNEA

GASTRONOMIA CONTEMPORÂNEA CIRCUITOS GASTRONOMIA CONTEMPORÂNEA U ma viagem pela cozinha moderna Portuguesa. Esta é uma viagem de sentidos e sensações, através da melhor cozinha de autor para conhecer alguns dos melhores Chefs de

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro

Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Vinha, Vinho e Turismo na Região do Douro Rosa Amador REGIÃO DO DOURO Vinha domina a paisagem REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Solo feito de xisto REGIÃO DO DOURO REGIÃO DO DOURO Quinta

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO

Planificação Anual ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS TEMA(S) / CONTEÚDOS AVALIAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANO LECTIVO - 010/ 011 ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA 7º ANO COMPETÊNCIAS GERAIS 1. Tratamento de informação; utilização de fontes;. Compreensão histórica:.1. Temporalidade.. Espacialidade.3. Contextualização

Leia mais

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes,

1 substituição do teto de madeira por abóbadas. 2 grande espessura das paredes, Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII. O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa

Leia mais

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR)

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) 1 Exposição concebida pelo Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) e parceiros, no âmbito do evento Terra Justa 2015 grandes Causas e Valores da Humanidade, para os quais a Religião assume um papel

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Barroco Barroco Profª Adalgiza aaa Barroco Origem em Roma no final do século XVI; Disseminado por toda a Europa e, através dos colonizadores espanhóis e portugueses, pelas Américas; Pouco influente nos países protestantes. Suas características

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS

PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS QUINTA DA PEDRA ESCRITA SOLO GRANÍTICO ALTITUDE 575 MTS QUINTA DA PEDRA ESCRITA DOURO SUPERIOR: GRANITO E ALTITUDE A Quinta da Pedra Escrita está localizada em Freixo de Numão, no Douro Superior, a uma

Leia mais

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos:

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê Animais do Mundo (Pré-escolar) - 48 alunos: Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos: Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Através da história deste Mosteiro, iremos

Leia mais

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER

Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Articles of PPOW :: PEOPLE POWER Quinta dos Murças, uma nova era do Esporão 2011-10-13 07:10:24 Luiz Gastão Bolonhez O conglomerado Esporão, sucesso absoluto no Alentejo, lança vinhos de seu novo empreendimento,

Leia mais

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios.

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios. Paletas Episódio: Pintado por Eufrônio Resumo Este episódio, de Paletas, aborda a análise de um antigo utensílio cerâmico grego, produzido e pintado por volta dos anos 515-510 a.c, chamado Cratera de Héracles

Leia mais

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB Serviço educativo 2014 2015 ENSINO PRÉ-ESCOLAR Visitas orientadas À descoberta do MCCB 1h00 2.50 * Conhecem a história da Batalha? Com esta visita, percorreremos os caminhos da história desta terra e destas

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME:

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: Quando os portugueses chegaram ao Brasil, em 1500, observaram que os índios expressavam-se através da pintura em seus corpos, em objetos e em paredes. A arte

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO 2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO Na noite de quarta-feira, 16 agosto de 1815, na oitava da festa da Assunção, nascia o segundo filho de Francisco Bosco e Margarida

Leia mais

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar ACTIVIDADES 2014-2015 Público Escolar de Actividades 2014-2015 Actividades de Ano Lectivo de actividades desenvolvidas de acordo com os objectivos preconizados nos programas escolares em vigor para cada

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana

Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Comissão Vitivinícola Regional Alentejana Regulamento Interno da Rotulagem da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana 21 de Janeiro de 2013 (Revisto a 2 de Maio de 2013) O presente Regulamento estabelece

Leia mais

ADREPAL - Espaço Fortuna artes e ofícios Quinta do Anjo, Palmela tel: 212 871 068 www.espacofortuna.com e-mail: geral@espacofortuna.

ADREPAL - Espaço Fortuna artes e ofícios Quinta do Anjo, Palmela tel: 212 871 068 www.espacofortuna.com e-mail: geral@espacofortuna. ADREPAL - Espaço Fortuna artes e ofícios Quinta do Anjo, Palmela tel: 212 871 068 www.espacofortuna.com e-mail: geral@espacofortuna.com 1 ADREPAL Espaço Fortuna artes e ofícios Tel. 212 871 068 Fax. 212

Leia mais

Os nossos prémios Ao longo dos anos, para além de comentários como os do Robert Parker, temos assistido à distinção e premiação dos nossos vinhos.

Os nossos prémios Ao longo dos anos, para além de comentários como os do Robert Parker, temos assistido à distinção e premiação dos nossos vinhos. Quem Somos A nova geração de uma família tradicional Portuguesa que sempre nutriu uma enorme paixão pelo vinho. Foi na Quinta do Cruzeiro Mangualde, Dão - que nasceu essa paixão. Foi também na Quinta do

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

OS NOVOS QUINTA DAS TECEDEIRAS

OS NOVOS QUINTA DAS TECEDEIRAS Data: 26-06-2014 Tipo: Blogue Origem: Portugal Pág: Online Secção: OS NOVOS QUINTA DAS TECEDEIRAS Tony Smith, administrador da Lima Smith, a nova proprietária da marca Tecedeiras e o enólogo Carlos Lucas.

Leia mais

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média Natal, RN / /2014 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 7º D V DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - III 1º trimestre TATIANE A arte da Europa Ocidental no início

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

Barroco. www.roginei.com.br

Barroco. www.roginei.com.br Barroco As origens da palavra são incertas. Talvez venha do português barroco ou do espanhol berrueco, que significa pérola de formato irregular. O Juízo Final (1536-1541) afresco de Michelangelo Capela

Leia mais

PAPEL INSPIRANDO IDEIAS

PAPEL INSPIRANDO IDEIAS 1 PAPEL INSPIRANDO IDEIAS Colégio Londrinense Alunos: Pedro Petri Gabriel Gava Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva RESUMO Este trabalho celebra o poder do artesão e dos artefatos por eles produzidos,

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2014/2015 Data: 16 de Junho de 2014 Duração: 3h00m Valor

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sugestões de Natal Zippo

Sugestões de Natal Zippo Sugestões de Natal Zippo A melhor prenda para este Natal? Um Zippo! A Zippo, marca de culto dos isqueiros mais resistentes e duradouros do mercado mundial desde 1932, sugere que nesta quadra opte por oferecer

Leia mais

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo coordenação / documentação Teresa Santos O Atelier-Museu Júlio Pomar é um espaço dedicado à conservação, ao estudo e

Leia mais

Catálogo de Natal 2015 Período de compras de 24 de Novembro a 31 de Dezembro

Catálogo de Natal 2015 Período de compras de 24 de Novembro a 31 de Dezembro Catálogo de Natal 2015 Período de compras de 24 de Novembro a 31 de Dezembro Adega de Portalegre A frescura e a elegância em grandes vinhos com grandes prémios Na Serra de S. Mamede, nascem grandes vinhos

Leia mais

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE ARTE RUPESTRE Arte rupestre é o nome da mais antiga representação artística da história do homem. Os mais antigos indícios dessa arte são

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

Catálogo de Natal 2014 Período de compras de 25 de Novembro a 31 de Dezembro

Catálogo de Natal 2014 Período de compras de 25 de Novembro a 31 de Dezembro Catálogo de Natal 2014 Período de compras de 25 de Novembro a 31 de Dezembro Adega de Portalegre A frescura e a elegância em grandes vinhos com grandes prémios 1 2 Na Serra de S. Mamede, nascem grandes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2015- Regulamento Lisboa, Julho de 2015 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1- O Concurso

Leia mais

SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML

SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML Largo Trindade Coelho 1200-470 Lisboa Tel. 213 235 233/824/065 www.scml.pt/ www.museu-saoroque.com info@museu-saoroque.com Transportes

Leia mais

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com

PORTUGAL PROGRAMA I Co-financiamento Co-financiamento www.rdtours.com Co-financiamento DIA 1 - LISBOA Chegada ao Aeroporto de Lisboa e translado para o hotel. Tempo livre para os primeiros contatos com esta maravilhosa Capital Europeia, conhecida pela sua luminosidade única

Leia mais

Escola Secundária da Ramada

Escola Secundária da Ramada Escola Secundária da Ramada Nome: Margarida Isabel dos Santos Fonseca Turma: 11ºI Número: 7 Disciplina: História da Cultura e das Artes Professora: Maria do Céu Pascoal Data: 09 de Junho de 2006 1/11 Introdução

Leia mais

Planificação Anual da Sala dos 5anos

Planificação Anual da Sala dos 5anos Nome do Aluno: Janine Colaço Reis Planificação Anual da Sala dos 5anos Calendarizaçã o (mês) Áreas de conteúdo/ Conteúdos Curriculares Competências Situações de aprendizagem/ Estratégias Recursos Humanos/

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO DOS ESCANÇÕES DE PORTUGAL Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Vinhos Brancos e Tintos -2014- Regulamento Lisboa, 06 de Outubro de 2014 Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola Regulamento 1-

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica e Gótica 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica O estilo românico germinou, desde o final do século X até XIII. Sua denominação foi dada por arqueólogos do século XIX, quando

Leia mais

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades,

Leia mais

Uma abordagem à visão de Portugal

Uma abordagem à visão de Portugal Uma abordagem à visão de Portugal Como é que os operadores turísticos podem contribuir para um novo posicionamento XXXVIII Congresso da APAVT: Potenciar Recursos, Romper Bloqueios, Ganhar Mercado painel

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

Lalique. Um pioneiro no Design do Vidro. Jessica Alexandra Martins Lourenço. 1ºB1 Design, Nº2010305. História da Arte e da Técnica

Lalique. Um pioneiro no Design do Vidro. Jessica Alexandra Martins Lourenço. 1ºB1 Design, Nº2010305. História da Arte e da Técnica Lalique Um pioneiro no Design do Vidro Jessica Alexandra Martins Lourenço 1ºB1 Design, Nº2010305 História da Arte e da Técnica 27/05/2011 Índice Introdução...Página 3 Lalique: Um marco no design do vidro

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA

ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA ALSÁCIA E FLORESTA NEGRA STRASBOURG * COLMAR * FREIBURG * TITISEE Luxembourg * Baden-Baden * Heidelberg 7 Dias / 6 Noites 1º DIA LISBOA / LUXEMBOURG Comparência no Aeroporto da Portela. Formalidades e

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO.

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. TURMA 701 3º Bimestre Aula 13 Frottage ou Frottagem. A palavra Frottage vem do francês frotter, que significa esfregar. A técnica é bem simples, consiste em colocar

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA I Contributo histórico Ancede, população que sé estende ao longo do rio Douro, tem raízes históricas

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Lisboa Clássica Meio-dia

Lisboa Clássica Meio-dia Lisboa Clássica Meio-dia Atrações Principais: Mosteiro dos Jerónimos*, Torre de Belém, Padrão dos Descobrimentos, Museu dos Coches*, Alfama e Rossio. *Ambos encerrados à 2ª feira e substituídos pelo Palácio

Leia mais

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o 3 - Eucaristia O que é a Eucaristia? É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao seu regresso, confiando

Leia mais

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S

C I R C U I T O S 3 C A P I T A I S CIRCUITOS 3 CAPITAIS Este é o convite para compreender as origens de Portugal e descobrir as suas principais cidades: Porto, património mundial, cuja história se mistura com a fundação de Portugal. Cidade

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

A vinícola foi criada em 2006 com o intuito de reinterpretar, dentro de um contexto moderno, os vinhos tradicionais da Sicília.

A vinícola foi criada em 2006 com o intuito de reinterpretar, dentro de um contexto moderno, os vinhos tradicionais da Sicília. A vinícola foi criada em 2006 com o intuito de reinterpretar, dentro de um contexto moderno, os vinhos tradicionais da Sicília. Sua inovação tecnológica reside no aproveitamento de fontes alternativas

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 N.º 22 3-6-2014 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 321 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國 合 作 綱 要 協 定 修 訂 協 議 書 中 華 人 民 共 和 國 澳 門 特 別 行 政 區 與 葡 萄 牙 共 和 國, 以 下 稱 為

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA

IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA A partir do século XII, após as cruzadas, tem início na Europa uma economia fundamentada no comércio. Isso faz com que o centro da vida social se desloque do campo para a cidade

Leia mais

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico

O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico O presépio Ibero-americano na coleção do Museu de Arte Sacra de São Paulo: um estudo tipológico Dr. Luciano Migliaccio* FAU / USP Doutoranda Eliana Ambrosio** UNICAMP Esta apresentação é parte de uma pesquisa

Leia mais

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos!

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! O Museu de Évora, para além de oferecer as designadas «visitas clássicas» que criam pontes de contacto entre os diversos públicos que o visitam

Leia mais

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral Criado em 2006, o Serviço Educativo do Museu de Santa Maria de Lamas (MSML) tem desenvolvido um conjunto de actividades pedagógicas e lúdicas, no sentido de divulgar o património integrado no seu vasto

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM ARAÚJO MATRIZ DOS EXAMES DE HISTÓRIA CURSOS VOCACIONAIS DE DESIGN DE MODA e HORTOFLORICULTURA E JARDINAGEM Duração da Prova: 45 minutos (cada módulo) Módulos Categorias/Conteúdos

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social 1 A FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Estabelecida em 1963 por Vasco Maria Eugénio de Almeida Missão:

Leia mais