APLOG CENTRO DE CONHECIMENTO LOGÍSTICO ACTIVIDADE: COLÉGIOS LOGÍSTICOS. AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS LOGÍSTICOS vs OUTSOURCING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLOG CENTRO DE CONHECIMENTO LOGÍSTICO ACTIVIDADE: COLÉGIOS LOGÍSTICOS. AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS LOGÍSTICOS vs OUTSOURCING"

Transcrição

1 APLOG CENTRO DE CONHECIMENTO LOGÍSTICO ACTIVIDADE: COLÉGIOS LOGÍSTICOS AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS LOGÍSTICOS vs OUTSOURCING 5 de Março 2009 Vitor Carvalho VITOR CARVALHO- Março

2 TÓPICOS PRINCIPAIS Visão Geral da Cadeia de Abastecimento e de cada um dos seus principais processos Abordagem transversal e abrangente quando se pensa a gestão do armazém/cd e restantes processos logísticos (ex. avaliação de Trade-Offs) Papel das infra-estruturas tecnológicas de apoio à gestão e as alternativas disponíveis (Equipamentos, Sistemas) Contribuição para a definição da estratégia da organização, tendo em mente o impacto da gestão das operações na rendibilidade do negócio. Construir a estrutura de um orçamento anual para a Logística de forma comparável com alternativas de Outsourcing; Razões para investir em infra-estruturas logísticas ou pensar em Outsourcing Competências para elaborar, avaliar e liderar projectos de investimentos e propor alternativas Competências para lançar concursos públicos para alternativas em Outsourcing, fazer avaliações e decidir qual a melhor opção. O desafio das soluções mistas / In-House Outsourcing Aspectos fundamentais da Teoria Geral do Outsourcing Definir e implementar um sistema de gestão e controlo completo quer para solução interna quer para Outsourcing; VITOR CARVALHO- Março

3 FORNECIM. DE MATERIAIS CONVERSÃO DE MATERIAIS ARMAZENAMENTO E FLUXOS DO PRODUTO ACABADO CONSUMO Fornecedor 1 Loja 1 Plataforma Regional Fornecedor 2 Manufactura 1 Armazém Central Centro Distribuição Loja 2 Fornecedor 3 Fornecedor 4 Manufactura n Consolidação Loja 3 Fornecedor n Distribuidor (1, 2,...n) VITOR CARVALHO- Março 2009 Loja n 3 Vítor Carvalho

4 FORNECIM. DE MATERIAIS CONVERSÃO DE MATERIAIS ARMAZENAMENTO E FLUXOS DO PRODUTO ACABADO CONSUMO Fornecedor 1 Loja 1 Plataforma Regional Fornecedor 2 Manufactura 1 Armazém Central Centro Distribuição Loja 2 Fornecedor 3 Fornecedor 4 Manufactura n Consolidação Loja 3 Fornecedor n Distribuidor (1, 2,...n) FLUXO INFORMACIONAL EM REDE Loja n VITOR CARVALHO- Março (MULTI-DIRECCIONAL) Vítor Carvalho

5 BUSINESS PROCESSES MODEL Suppliers Brand Development Plan Supplier Supplier Management Management Supply Supply Planning Planning Processing Processing Customer Development Demand Demand Planning Planning Customer Customer Service Service Management Management Consumers & Customers Consumers & Customers Inbound Inbound Logistics Logistics Packing Packing Distribution Distribution Management Management Source Make Deliver VITOR CARVALHO- Março

6 DEFINIÇÃO DOS 4 MACRO PROCESSOS DA SCM Planeamento: Avaliar disponibilidades de recursos Planear níveis de stocks dos diversos tipos (PA/MP/ME/WIP) Avaliar Trade-Offs e definir prioridades Abastecimento: Obter, receber e guardar materiais e produto acabado comprado Fazer contratos e suportar pagamentos Fazer pesquisa de novos fornecedores Avaliar os fornecedores VITOR CARVALHO- Março

7 DEFINIÇÃO DOS 4 MACRO PROCESSOS DA SCM Fabricação / Montagem: Requisitar e receber materiais Transformá-los em produto acabado Embalar e entregar para distribuição o produto, nas melhores condições de Qualidade e Certificação Distribuição: Executar os processos necessários à satisfação de encomendas Executar os processos de recepção, armazenagem, preparação de encomendas, despacho e controlo Preparar pedidos conforme acordado com os clientes Garantir rastreabilidade de produtos Gerir os processos de transporte, incluindo Logística Inversa Criar e manter bases de dados dos clientes, de produtos e de preços VITOR CARVALHO- Março

8 IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTOS Alguns factores críticos de sucesso na implementação da Gestão Integrada da Cadeia de Abastecimento: Liderança, suporte da Direcção e compromisso para a mudança; Um claro entendimento e acordo quanto ao grau de mudança necessária; Acordo quanto à Visão da Gestão da Cadeia de Abastecimento e quanto aos processos chave; Compromisso quanto aos recursos necessários e ao empowerment para atingir os objectivos. VITOR CARVALHO- Março

9 PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇA VISÃO APTIDÕES INCENTIVOS RECURSOS PLANO DE ACÇÃO = MUDANÇA REAL APTIDÕES INCENTIVOS RECURSOS PLANO DE ACÇÃO = CONFUSÃO VISÃO INCENTIVOS RECURSOS PLANO DE ACÇÃO = ANSIEDADE VISÃO APTIDÕES RECURSOS PLANO DE ACÇÃO = MUDANÇA GRADUAL VISÃO APTIDÕES INCENTIVOS PLANO DE ACÇÃO = FRUSTAÇÃO = FALSAS VISÃO APTIDÕES INCENTIVOS RECURSOS VITOR CARVALHO- Março 2009 PARTIDAS 9

10 A NECESSIDADE DE BALANCEAR CUSTOS DE INVENTÁRIOS COM OUTRAS VARIÁVEIS Variáveis que se inter - influenciam: Nível de serviço Nº de armazéns/cd s e sua localização Modo e frequência de transportes Modelos de produção ( ex. Sequência fixa, volume variável vs Volume fixo, sequência variável) Lotes mínimos de produção Flexibilidade e polivalência dos recursos humanos Qualidade da informação sobre o que produzir Pull vs Push vs Make to Demand ;JIT ; CRP/VMI VITOR CARVALHO- Março

11 COMPROMISSOS DE CUSTOS ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA Preço Produto Promoção Marketing Lugar/Nível de Serviço ao Cliente Custos de Inventário Custos Lote de Produção Custos de Transportes Custos de Armazenagem Logística Custos de Processamento de Encomendas e de Informação VITOR CARVALHO- Março Fonte: The Development of an Inventory Cost Methodology, D.Lambert,1976

12 PROBLEMAS MAIS FREQUENTES NA REDE GLOBAL ABASTECIMENTO Stocks elevados Rupturas de stocks Prob.Comunic. Falta Mat.Prod. Muitas Emergências Custos de Produção não optimizados Baixa Fiabilidade Excessivos Desvios Prev.Vendas Baixos Níveis Serviço Clientes Distribuição Complexa Encomendas Pendentes Falta de Sincroniz. Baixa Flexibilidade Sub-Optim. Transportes Reclamações Clientes VITOR CARVALHO- Março

13 ANÁLISE DE COMPROMISSOS TRADE- OFFS Serviço Custos de produção Custos logísticos VITOR CARVALHO- Março

14 FAZ SENTIDO A MUDANÇA SEM UMA CULTURA DE INOVAÇÃO? INOVAR EM PROCESSOS, PRODUTOS, SOLUÇÕES FAZER UMA AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURAS LOGÍSTICAS E SUA COMPARAÇÃO COM ALTERNATIVAS DE OUTSOURCING IMPLICA OU DEVE IMPLICAR A PROCURA DE SOLUÇÕES INOVADORAS VITOR CARVALHO- Março

15 Reception of Goods Flows inside warehouse Unloading Put Away Realocations Replanishment Inventory Picking Outbound Delivery Split Printe of Labels SSCC Conference Loading VITOR CARVALHO- Março

16 RECEPÇÃO VITOR CARVALHO- Março

17 MOVIMENTOS INTERNOS VITOR CARVALHO- Março

18 PICKING E DESPACHO VITOR CARVALHO- Março

19 Technology Overview Internet Antenna Tags (EPC) Reader Integration software ERP, WMS, database, or other systems Passive Tag Implementation at Pallet and Case Level Passive Tags, read by passing through/near antenna, transfer unique number (EPC) to reader which then identifies item by looking up on web or previously downloaded VITOR CARVALHO- database. Março 2009 With unique EPC code 19for each SKU, allows case to be tracked and linked to order & invoice

20 INTEGRAÇÃO OPERACIONAL E INFORMACIONAL Planeamento Gestão Stocks, por produto, por cliente e por localização Previsão da procura Planeamento Estratégico Coordenação Base de dados Serviço ao Cliente Calendarização da produção Planeam. Requisitos Materiais Planeam. Marketing e Vendas Dados externos - Encom. clientes - Entregas de fornec. Dados internos - Produção -Inventário Status de encomenda Disponib. Stocks Status de Distrib. Função de Controlo Nível Serviço Clientes Performance fornecedores VITOR CARVALHO- Março

21 PLANEAMENTO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DO ARMAZÉM/CD Pressupostos de volume Pressupostos de custos Desempenho operacional Orçamento Anual Recursos disponíveis Previsão de fluxos de fluxos Desempenho de custos Utilização Análise Planeamento dos recursos Padrões de produção Recursos disponíveis Produtividade Recepções agendadas Alterações e ajustes Decisões Operação e Reporte Programação diária Expedições agendadas Níveis de picking Níveis de inventário VITOR CARVALHO- Março

22 A CONTRIBUIÇÃO PARA A CADEIA DE VALOR DRIVERS DA CRIAÇÃO DE VALOR CONTRIBUIÇÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO CRIAÇÃO DE VALOR Crescimento Margens Custos Fixos Capital Níveis de satisfação do cliente * Excelência Operacional Racionalização de custos Parcerias com clientes e fornecedores *Organização simples * Processos ágeis Gestão eficiente do capital, fixo e circulante VITOR CARVALHO- Março

23 O IMPACTO FINANCEIRO DA GESTÃO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO MEDIR PARA GERIR SÓ SE MELHORA O QUE SE MEDE O QUE NÃO SE PODE MEDIR NÃO TEM INTERESSE VITOR CARVALHO- Março

24 IMPACTO DA CADEIA LOGÍSTICA NA RENDIBILIDADE DO NEGÓCIO Rácio de Rendibilidade Cash Flow Resultado líquido Capital empregue Proveitos Custo Merc. vendidas Custos Outros custos Capital fixo Capital circulante Armazenagem Distribuição Administrativos Materiais Devedores Inventário Credores VITOR CARVALHO- Março

25 IMPACTO DE ESTRUTURAS LEVES E DE BAIXO CAPITAL FIXO Jan Mar Mai Jul Set Nov Lucro Variavel Acum. Custos Fixos 1 Custos Fixos 2 VITOR CARVALHO- Março

26 Evolução percentual de Investimentos sobre Vendas e de Cash-Flows sobre Investimentos INV/VLV CF/INV Linhas 3 VITOR CARVALHO- Março

27 VITOR CARVALHO- Março

28 CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATÉGIA QUANTO A INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE AO NEGÓCIO,EX. ARMAZÉNS VITOR CARVALHO- Março

29 CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATÉGIA QUANTO A INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE AO NEGÓCIO,EX. ARMAZÉNS e CD s INDICADORES Nº armazéns MP/ME Nº Centros distribuição Nºs pessoal de arm. e CD s Custos Armaz. e Distrib. %Vendas % das vendas em clientes centraliz. Cobertura de stocks, em dias Crescimento previsto de vendas Uso alternativo dos actuais armazéns DA EMPRESA % 50% 30 5% Possível BEST PRACTICE % 80% 20 3% Não se aplica VITOR CARVALHO- Março

30 CAUSAS QUE LEVAM AS EMPRESAS A REPENSAR A SUA ESTRATÉGIA QUANTO A INFRAESTRUTURAS DE SUPORTE AO NEGÓCIO,EX. ARMAZÉNS e CD s INDICADORES Serviço ao Cliente DA EMPRESA BEST PRACTICE - Order Cycle Time (dias) TT da encomenda (dias) TP da encomenda (dias) - DCT-Dist.Cycle Time (d) Line Fill (%) - Case Fill (%) 80% 90% 96% 99% - Order Fill (%) 40% 95% VITOR CARVALHO- Março

31 MUDAR, É PRECISO SE FOR ESTA A OPÇÃO VITOR CARVALHO- Março

32 Fluxograma das fases de desenvolvimento do Projecto Identificação do Projecto Pré-Viabilidade Formulação do Projecto Viabilidade Estudo de mercado Rede de Distribuição Tecnologia / Capacidades Localização / Lay-out Avaliação e Decisão Plano de Investimentos Plano de Exploração Plano de Financiamento Dossier do Projecto de Inv. Re-elaboração do Projecto Negociação do Financiamento Implementação VITOR CARVALHO- Março

33 ESTUDOS DE LOCALIZAÇÃO Objectivo: determinar o local ou locais onde se torna viável e de menor custo global implantar a unidade logística. As forças locacionais: disponibilidade e custo de factores custos de transporte ( de factores e produtos),ie, posição face aos mercados rápido ao menor custo. Tomar o resultado de uma matriz de kms*volumes de cada local potencial a cada ponto de destino factores de condicionamento (clima, rede de comunicações, regime fiscal, etc.) Em suma pode-se construir a seguinte matriz: VITOR CARVALHO- Março

34 ESCOLHA DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS Variável / Dimensão Pond. Rating Pontos Rating Pontos Rating Pontos Rating Pontos 16 Custo do terreno Custo de mão-de-obra Custos de construção Proximidade das fontes de abastecimento Proximidade dos mercados Risco de falhanço na rede de transportes Posicionamento para consolidação cargas Custos mão-de-obra qualificada Custos de energia e combustíveis Assistência a equipamentos e TI s (tempo e valor) Interfaces c/ sistema cliente e fornecedores Abundância de mão-de-obra para picos activid Requisitos de Segurança de instalações Incentivos ao investimento local Nível de impostos e de benefícios fiscais TOTAL RANKING 3º 4º 1º 2º VITOR CARVALHO- Março

35 ESTRUTURA DO DOSSIER DE AVALIAÇÃO DO PROJECTO Executive Summary Caracterização da Empresa Resumo histórico da evolução dos negócios Actividades Organização Análise SWOT Apresentação detalhada do Projecto Caracterização: Tipo de projecto, Produtos/Serviços envolvidos, Localização e alternativas estudadas Identificação da estratégia subjacente ao lançamento do Projecto Plano do Projecto: Plano de Investimento (tecnologias a adoptar e sua caracterização) Plano de Exploração VITOR CARVALHO- Março

36 ESTRUTURA DO DOSSIER DE AVALIAÇÃO DO PROJECTO Plano do Projecto: Plano de Investimento (tecnologias a adoptar e sua caracterização) Plano de Exploração: Demonstração de resultados dos exercícios previsionais Estudo de mercado Quadros de pessoal Estrutura de custos Plano de Financiamento: Mapa de origem e aplicação de fundos previsional Regimes de empréstimo (montantes, prazos, modalidades de juros) Indicadores de rendibilidade do Projecto: VAL TIR Pay Back Análise de Sensibilidade VITOR CARVALHO- Março

37 DIAGRAMA DE UM ESTUDO DE RENDIBILIDADE Estudos técnico-económicos Estudos economico-financeiros Estudo de mercado Plano de investimentos Estudo técnico Determinação das alternativas técnicas: -localização -dimensão Plano de exploração Determinação da rendibilidade: -custos previsionais de exploração -processo -cash flow -medidas de rendibilidade Estudo do enquadramento legal e institucional Plano de financiamento VITOR CARVALHO- Março

38 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS BASEADOS NO CASH-FLOW PERÍODO DE RECUPERAÇÃO (PAYBACK); VALOR LÍQUIDO ACTUAL (VLA); TAXA INTERNA DE RENTABILIDADE (TIR) VITOR CARVALHO- Março

39 FEITO O ESTUDO DE VIABILIDADE DO INVESTIMENTO, FICA A QUESTÃO: O QUE É MELHOR: INVESTIR OU RECORRER A SOLUÇÃO DE OUTSOURCING? Serviço Rendibilidade Custos VITOR CARVALHO- Março

40 ALTERNATIVAS IN-HOUSE OUTSOURCING? ie Outsourcing em instalações próprias ou arrendadas VITOR CARVALHO- Março

41 CONSULTA PÚBLICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOGÍSTICA Critérios de selecção dos principais concorrentes: Quem está no mercado 10 mais importantes Quem quer entrar no mercado e é importante no exterior Quem já trabalha para empresas semelhantes, algures A quem entregar o Caderno de Encargos, sob compromisso de responder VITOR CARVALHO- Março

42 TÓPICOS A INCLUIR NA CONSULTA PÚBLICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LOGÍSTICA Âmbito do Projecto Actividades envolvidas Compromisso de entregar proposta, sob pena de não se fornecer informação Ficheiros de dados com fluxos caracterizadores da operação Especificações sobre: Níveis de Serviço (inclui definições) Bónus e penalidades Sistemas informáticos a utilizar Normas sobre procedimentos e controlos Matriz de Tarifas por cada operação Idem Transportes Partilha de operações com outras empresas Localização, infra-estruturas e características da operação Duração do contrato Standards de desempenho operacional Notas sobre o processo de tomada de decisão ( leilão ao contrário, 2 finalistas) VITOR CARVALHO- Março

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira

FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS. Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA & COMO ESTRUTURAR UM PLANO DE NEGÓCIOS Docente: António Gaspar e Rui Ferreira FERRAMENTAS DE ANÁLISE FINANCEIRA As finanças e a empresa Quais são os objetivos de uma empresa?

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL DE GESTÃO

ENSINO SECUNDÁRIO CURSO PROFISSIONAL DE GESTÃO DISCIPLINA: GESTÃO (Módulo 12A controlo de tesouraria) ANO 2013/2014 1. Controlo de tesouraria 1.1 objetivos 1.2 natureza do controlo 1.3 processos de controlo 2. sistema de controlo 2.1 características

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teoria da Decisão e Gestão de Stocks Licenciatura em Engenharia Civil Licenciatura em Engenharia do Território 1 Agenda 1. Introdução 2. Definição de 3. Evolução Histórica da 4. Integração - Aproximação

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 LOGÍSTICA Capítulo - 4 Conceitos relacionados com o Objectivos Aplicação dos conceitos básicos de gestão de inventário; Como calcular o stock de segurança; Verificar como as políticas de produção influenciam

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA

OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA OnSearch CONSULTORIA E OUTSOURCING SERVIÇOS, LDA Sobres nós A OnSearch é uma empresa de serviços criada em 2012 que tem como principais objectivos a prestação de serviços às empresas em áreas operacionais

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation

Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Masters in Engineering and Management of Technology Masters in engineering Design Introduction to Entrepreneurship and New Venture Creation Rui Baptista Financial Issues and Operations in New Venture Development

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Problemática da Logística e interoperabilidade

Problemática da Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Problemática da Logística e interoperabilidade João Soares Lisboa, 9 de Maio de 2012 O Sistema Logístico e a sua permanente otimização Workshop Lisboa 2012.05.09 2 Objectivos

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

VISÃO E MISSÃOECR services

VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo da cadeia de valor. MISSÃO Liderar o desenvolvimento e implementação de standards e de boas práticas

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Organizações. Pedro Sousa

Organizações. Pedro Sousa Organizações Índice Introdução aos Tipos de Organizações Industriais Grossistas/Armazenistas Distribuição e Retalho Logística Serviços. Áreas das Organizações Financeira Recursos Humanos Produção Marketing

Leia mais

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS

OFERTA COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS COBRANÇAS E RECUPERAÇÃO EXTRA-JUDICIAL DE INCOBRÁVEIS Directores financeiros, Directores Comerciais responsáveis de controlo de crédito, membros de equipas de cobranças, credit managers. Prevenir a cobrança

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira

Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Departamento de Planeamento e Controlo Estudo de Viabilidade Económico-Financeira Fábrica Gelo-Puro (Luanda) Inferência Consultores de Negócio e Gestão Lisboa: Anexo ao Centro de Congressos de Lisboa -

Leia mais

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant Webinar TMS 13 de Março de 2014 Pedro Gordo Supply Chain Business Development Nelson Marques TMS Consultant 2 Generix Group em resumo Produtor de software para o universo do comércio > Distribuidores e

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações

Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações Exemplo de Exame de Gestão da Produção e das Operações A. Resolva os seguintes problemas (8 valores) 1. Uma determinada empresa faz a lavagem de cisternas rodoviárias na zona norte do País. Com equipamento

Leia mais

Directores Comerciais

Directores Comerciais Produzido e desenvolvido pelo Sociser empresa 100% Angolana, partner do iir Cursos para Gestão Competitiva 1 e Inovadora Como planificar, controlar e tirar o máximo rendimento da sua EQUIPA de VENDAS 2

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Apresentação. www.slog.pt

Apresentação. www.slog.pt Apresentação Quem Somos A S-LOG, Serviços e Logística, S.A., é uma empresa do Grupo Entreposto vocacionada para a prestação de serviços de logística nas suas várias componentes. A nossa actividade desenvolveu-se

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência

Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência Sistema de Gestão de Armazéns por Rádio Frequência problema Má organização do espaço físico Mercadoria estagnada Tempos de resposta longos Expedições incorrectas Ausência de rastreabilidade Informação

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Inovação e Tendências

Inovação e Tendências As Compras Como Fonte de Inovação e Valorização Inovação e Tendências Apresentação Corporativa Confidencial IBP Innovation Based Procurement Tiago Melo Cabral Senior Manager 12 de Novembro Motivação do

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing

Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing Implementação de Lean Manufacturing na fábrica de geradores EFACEC Energia, S.A. Unidade de Servicing 28 ou 29 de Junho de 2011 (Consoante data da s/ intervenção) Nome da Apresentação (insira os dados

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise?

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? APLOG 12-Março-2009 2009 Objectivos da apresentação Apresentar algumas formas de contornar a actual crise com base na criação de valor recorrendo à

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

PROGRAMA DAS CADEIRAS

PROGRAMA DAS CADEIRAS MESTRADO EXECUTIVO EM GESTÃO COM ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS PROGRAMA DAS CADEIRAS 1º CICLO ESTRATÉGIA TRONCO COMUM Compreender a importância do raciocínio estratégico, mais formal ou menos formal Desenhar

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO 3 - ANÁLISE DE PROJECTOS E INVESTIMENTOS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo

Leia mais

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions

magazine business HOTELS & TRAVEL Distributions magazine HOTELS & TRAVEL Distributions 2 magazine O QUE FAZEMOS WHAT WE DO Somos uma empresa jovem e dinâmica com larga experiência na componente comercial através da execução de funções de gestão, em

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica

Análise de Viabilidade Econômica UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Análise de Viabilidade Econômica Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

O Grupo Medlog. 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde

O Grupo Medlog. 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde O Grupo Medlog 35 Anos de experiência e inovação em exclusivo na Logística da Saúde Plataformas Logísticas Gondomar 11.000 m2 Macedo Cavaleiros 1.040 m2 Aveiro 1.000 m2 Guarda 910 m2 Alcochete 4.000 m2

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1 Índice Introdução 17 Capítulo 1 Logística e Gestão Logística 1. Introdução 23 2. Logística e Gestão Logística 24 3. Dimensões da Logística e da Gestão Logística 29 4. Características intrínsecas da Logística

Leia mais

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Agenda Introdução Conceitos Gerais Orientação ao Negócio Valor Acrescentado do Geomarketing Gerir Forças de Vendas

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS

CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS CRIAR VALOR NAS OPERAÇÕES LOGÍSTICAS ISEL / António Abreu Sumário i. Cadeia de Valor ii. iii. iv. Eliminação dos desperdícios Cultura Magra Redes de colaboração Melhoria Continua / Inovação 2 Cadeia de

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO

ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO ANEXO II ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE PROJETO TÉCNICO ECONÔMICO FINANCEIRO PARA PLEITOS DE INCENTIVO TRIBUTÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA 1.1. Razão Social: 1.2. Endereços: Fone: - Escritório - Fábrica 1.3.

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS

ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS 2008 Maio 7 Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal T +351 222 094 000 F +351 222 094 050 www@inescporto.pt www.inescporto.pt ESTRATÉGIAS E TECNOLOGIAS PARA A FLEXIBILIZAÇÃO DOS

Leia mais