AÇÃO PÚBLICA, REDES E ARRANJOS FAMILIARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÃO PÚBLICA, REDES E ARRANJOS FAMILIARES"

Transcrição

1 AÇÃO PÚBLICA, REDES E ARRANJOS FAMILIARES Paulo Henrique Martins (UFPE) 4 A idéia de família 5 tem algum interesse estratégico para se pensar a descentralização, a democratização da ação pública e a formação de uma esfera coletiva e participativa fora do Estado? Consideramos que sim desde que o grupo familiar seja visto não pelas concepções tradicionalmente dominantes, isto é, como categoria antropológica genérica definida pela consangüinidade, como proposta pela antropologia tradicional, ou, então, como categoria apenas referida à reprodução da força de trabalho, como pensado por parte da sociologia (Bilac, 2003). As transformações conhecidas pelo grupo familiar ao longo das últimas décadas e os novos estudos sobre o tema têm levado, todavia, a uma importante revisão conceitual deste termo, abrindo novas compreensões sobre seu significado simbólico e subjetivo para a vida social contemporânea 6. No momento atual há em curso novo aprofundamento dos estudos sobre a família a partir do reconhecimento da relevância desta instituição para se avançar no tema da participação e da democratização da ação pública e, também, de surgimento de novas práticas associativas no plano local. Tal preocupação se justifica, entre outros motivos, pelo fato de as políticas voltadas para este grupo familiar, lembra Parry Scott, não terem merecido a mesma visibilidade que aquelas que se dirigem às mulheres (Scott, 2005ª). Fato que é grave quando consideramos que o estudo sobre o tema é decisivo para melhor se compreender a própria constituição da nação e do poder (Scott, 2005b). Pode-se dizer que a família passou a ser valorizada, recentemente, como instituição social relevante na organização de uma vida social mais saudável, o que demonstra sua relevância na organização do mundo da vida e da política do cotidiano. De fato, como tentaremos explicar, ela é um lugar estratégico para se pensar não apenas a trama da sexualidade e da 4 Paulo Henrique Martins é sociólogo, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pesquisador do CNPq. É fundador e co-coordenador do Núcleo de Estudos sobre Cidadania, Exclusão e Processos de Mudança (NUCEM) do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE; 5 Utilizaremos neste artigo o termo família entre aspas para realçarmos o fato de que estamos colocando sob suspeita, ou melhor, em suspensão, diria Husserl, uma palavra cuja etimologia se tornou conservadora (família como unidade biológical, família como símbolo da vida privada etc.) não dando conta de sua complexidade semântica: aquela de um conjunto de agenciamentos significativos que estabelecem a base primeira da vida social; 6 Claude Lévi-Strauss (2003) constitui referência central nesta revisão ao realçar a relevância simbólica do parentesco na organização da cultura. O avanço dos estudos culturais na sociologia, por seu lado, contribuiu decisivamente para se desfazer a visão da cultura como fator secundário na organização da sociedade permitindo se reaçar os aspectos simbólicos (Williams, 1981). Na América Latina, em particular, nas últimas duas décadas, a crise do paradigma desenvolvimentista facilitou enormemente a revalorização da cultura levando, consequentemente, a se elaborar nova compreensão sobre a cotidianidade e a família (Jelin, 1993); 12

2 reprodução, mas, sobretudo, o que se torna evidente, agora, no contexto pós-nacional (Martins, 2004), a trama da normalização da ordem social. Fica cada vez mais evidente que as funções práticas do agrupamento familiar incluem não apenas aquelas da sexualidade e da reprodução como as de socialização e de individualização. Esta definição mais abrangente é fundamental para se passar de uma compreensão sociológica tradicional da família para uma outra que resgate sua relevância institucional para a ação pública (Sarti, 2005). Isto é, embora o laço consangüíneo, a sexualidade e o trabalho continuem a aparecer como elementos relevantes na caracterização da família moderna, tais elementos se revelam, hoje, largamente insuficientes para explicar os novos desafios desta instância na produção, não apenas do mundo da vida mas das instituições sociais, em geral, e daquelas políticas, em particular. Vários estudos avançam nessa direção (Carvalho, 2003). Se a família era tema menor na organização das instituições sociais, em geral, obviamente ela era tida como secundário na organização das instituições públicas. O novo status sociológico adquirido pelo tema vem impactando, contudo, significativamente sobre os estudiosos das políticas públicas e sobre os planejadores e gestores, o que no Brasil é evidente ao se estudar as reformas na saúde pública. Para desenvolvermos nossas reflexões sobre a atualidade política sobre este tema, sem nos perdermos em conjecturas abstratas, é importante relacionar a revisão do debate sobre família com as novas concepções de políticas públicas. Pois as remodelagens conhecidas pelo arranjo familiar seguem de perto as mudanças de concepções sobre as intervenções públicas e sobre a atuação de certos atores - gestores públicos, educadores, assistentes sociais e terapeutas familiares na concepção e implementação de políticas de controle social. Esta intervenção foi demonstrada de forma convincente por Cristopher Lasch ao afirmar que a história da sociedade moderna é a afirmação do controle social sobre atividades antes relegadas aos indivíduos ou suas famílias (Lasch, 1991: 21); ou, então, por John Rodger para quem as políticas de controle social nunca consideraram seriamente a importância de uma abordagem interativa que valorize o usuário ou cliente, revelando, no século XX, um certo viés autoritário (Rodger, 1996: 33). Há, então, duas tarefas importantes para se avançar numa nova concepção de política pública: uma delas é repensar o controle social, a outra repensar a noção de grupo familiar que tem servido de base para a ação governamental efetivada sozinha e/ou apoiada por outros agentes públicos no plano das sociabilidades primárias. Neste texto, tentaremos 13

3 avançar em alguns pontos desta revisão, sabendo, desde logo, que esta discussão tem horizontes muito maiores que não podem aqui ser alcançados, na medida em que o debate tem a ver com a própria reorganização do Estado no contexto da globalização. Talvez o ponto central a ser assinalado desde logo é que a incorporação das sociabilidades primárias no imaginário do planejamento público coloca novos desafios de revisão da função redistributivista típica do Estado (Rosanvallon, 1981), visto que a participação local passa a ser valorizada como peça central no jogo político 7. A complexidade de uma nova política pública que se abra para o processo participativo local, pode ser apresentada como sendo a expressão de um sistema de mão dupla, ou seja, conduzido por duas lógicas: uma, a dos grupos primários, gerada pelas relações face a face, que tem seu habitat natural no mundo da vida cotidiana e apenas influenciada indiretamente pelas ações geradas no campo da política; a outra lógica é a do controle social, construída a partir de intervenções organizadas de caráter administrativo, econômico, assistencial, pedagógico, psicológico e moral sobre o sistema de sociabilidades primárias, sendo influenciado diretamente pelas ações políticas. Numa certa medida, a situação degradante das famílias pobres no Brasil que têm as mulheres como chefe (Scott, 2005ª) resulta, não de transformações realizadas aleatoriamente no interior do mundo da vida - ao sabor da modernização ou de reações espontâneas dos atores sociais diretamente envolvidos -, mas, principalmente, de alterações estruturais entre a ordem cultural, a social e a política; isto é, a partir de interface entre a vida cotidiana (espaço do saber simples) e as intenções e práticas geradas no campo das instituições formais (espaço do saber científico e burocrático). Neste sentido, Jelin tem razão de dizer que a família e o mundo doméstico não são lugares fechados, mas que se constituem em relação ao público: los servicios, la legislación y los mecanismos de control social, así como aspectos más simbólicos como lãs visiones sobre el âmbito de aplicación de la medicina, las imágenes sociales prevalecientes sobre la família y la normalidad, las ideologias e instituciones educativas, ayudan a definir em cada situación histórico-cultural, el ámbito de acción próprio de la família y la domesticidad (Jelin, 1994: 1001). 7 Para Santos e Avritzer, a valorização da participação no jogo democrático obriga a se reconsiderar aquele da representação. E o sucesso da articulação entre democracia representativa e democracia participativa pressupõe o reconhecimento pelo governo de que o procedimentalismo participativo, as formas públicas de monitoramento dos governos e os processos de deliberação pública podem substituir parte do processo de representação e deliberação tais como concebidos no modelo hegemônico de democracia (Santos e Avritzer, 2002, p.76). E, complementamos, não se pode pensar a democracia participativa sem pensar a relação entre público e privado e o lugar da família na organização da atividade pública; 14

4 Devemos reconhecer que a análise das situações familiares, hoje, indica que o futuro desta instituição depende mais das imbricações e dos desdobramentos das ações, reações, estratégias, conflitos e alianças forjados no seio das sociedades mundializadas, a partir de experiências associativas e comunitárias localizadas, que da vontade de potência do grupo familiar propriamente dito. Este reconhecimento é relevante para não se culpabilizar o grupo familiar como principal responsável moral pelas dificuldades enfrentadas na condução do processo de socialização dos indivíduos. Ao contrário, é necessário se entender que sem a família a socialização fica comprometida e, por conseguinte, a própria expectativa de paz social. Os estudos de antropologia urbana já demonstraram, por exemplo, a importância das redes de parentesco na realização de tarefas ligadas à manutenção cotidiana dos membros da unidade doméstica (Jenin, 1994: 102). Mas esta compreensão ainda não se transformou em orientação objetiva em nível das políticas públicas. No Brasil, os esforços de reforma estatal provam isso. Estes esforços visam recuperar a capacidade reguladora e redistributivista do Estado, a qual ficou muito comprometida com a expansão da lógica mercantil e neoliberal (Rosanvallon, 1981, 1995) nas últimas décadas, agravando as condições de sobrevivência institucional e política das sociedades nacionais. Para analisar este esforço de reforma do Estado com vistas à criação de novos mecanismos de promoção da cidadania e da participação popular nas decisões políticas, fixaremos nossa atenção no exemplo da saúde. Esta representa, no nosso entender, a tentativa mais ousada de reforma via descentralização e territorialização da ação pública com vistas a empoderar as populações locais e a unidade familiar, incentivando-as a participar da experiência participativa e pública. Em outros textos, tratamos da descentralização de forma geral (Martins, 2004; Martins, 2004c; Martins, 2004d; Martins, 2004e). Neste, procuraremos focalizar esta análise prioritariamente na crítica à noção de família -domicílio utilizada pelos gestores públicos, de modo a ressaltar seus limites e potenciais. No nosso entender, esta noção tem aspectos positivos e negativos a serem ressaltados: por um lado, ela constitui uma tentativa de se considerar seriamente a idéia de família na elaboração de políticas públicas, por outro, a noção de família -domicílio, como veremos, possui limites que podem comprometer o avanço da reforma desejada, como observamos no caso da saúde. A partir da focalização deste problema complexo - a articulação da política pública com a vida local e comunitária, tendo como referência o núcleo familiar -, procuraremos avançar numa crítica mais sistemática dos limites das políticas públicas, centrando nossa 15

5 atenção em duas tarefas: explicar certos aspectos relevantes do desenvolvimento do pensamento sociológico sobre a família, para delimitarmos a crítica aos limites da idéia de família -domicílio; e, em seguida, propor o aprofundamento da compreensão de família como rede social, visto que, sobretudo nas classes populares, que conhecem serviços estatais muitas vezes precários, a rede de parentesco aparece como mais importante que os mecanismos formais na solução dos problemas da cotidianidade (Jelin, 1994: 83). Novos sentidos da ação pública a partir da revalorização da idéia de família As dificuldades de se fundar na América Latina e no Brasil um Estado-providência estão de algum modo ligadas à existência de uma poder-providência tradicional, articulado nos municípios por um sistema de dominação oligárquico que organizava mecanismos de controle social fora do Estado (Graham, 1997). Esses sistemas locais criaram as condições para a reprodução dos grupos familiares de trabalhadores a partir de uma cultura de dependência fortemente marcada pelo apadrinhamento, e por relações de parentesco, de alianças e de amizades. Assim, ao longo dos tempos, os grupos sociais pobres se reproduziram nas franjas da sociedade organizada, dependendo diretamente dos proprietários de terras para sobreviverem. Frequentemente o chefe local era ao mesmo tempo proprietário e representante do poder político como o demonstram estudos clássicos (Leal, 1986; Queiroz, 1976). A existência de uma sociedade auto-providencial que subsistia às margens das grandes propriedades e sob controle do poder oligárquico constituiu durante muito tempo, pelo menos até a primeira metade do século XX, no Brasil, a referência de sobrevivência dos segmentos sociais mais humildes que não tinham acesso à proteção social e pública oferecida por um Estado-providência. A imagem do poder público era - e isto acontece até hoje -, largamente condicionada a figuras míticas (governadores, presidentes, deputados, prefeitos) que encarnavam o poder do governo e as populações pobres permaneciam submetida à lógica do mundo rural. A este destino apenas escapavam aquelas comunidades étnicas ou de religiosos que decidiam se fixar nas fronteiras das grandes propriedades formando quilombos e áreas livres de pequenos proprietários. Acontece que a precarização e a exclusão progressiva desses segmentos sociais demonstra, esclarece Inaiá Carvalho, que os sistemas de parentesco organizados a partir 16

6 desta lógica localista não pública perdeu progressivamente, na segunda metade do século XX, sua capacidade de funcionar como amortecedor da exclusão e como mecanismo de proteção de seus componentes, o que levou à deterioração das condições de vida da maioria da população (Carvalho, 2003: 120) e favelização da pobreza na periferia dos centros urbanos. Por sua vez, as políticas públicas não se modernizaram com a mesma velocidade do aumento dos conflitos e demandas urbanas, gerando deterioração dos serviços e aumento da insatisfação popular. O novo poder local, nascido das pressões por participação vem se organizando com dificuldades, muitas vezes sendo cooptado e/ ou corrompido pelo poder tradicional (Santos e Avritzer, 2005). Daí surgiram as pressões para se voltar mais decididamente para a vida municipal, para os sistemas comunitários e para as esferas da vida doméstica de modo a evitar que se amplie a degradação dos sistemas familiares empobrecidos, como o provam pesquisas recentes (Scott, 2005ª). Infelizmente, tais iniciativas ainda são tímidas. Mas sua urgência se torna inquestionável face à explosão de uma violência social que aumenta paralelamente às dificuldades das redes de parentesco e de pertencimento de assegurar a inclusão social de seus membros. Nesta perspectiva de reforma do Estado com vistas a responder à intensa e caótica demanda social, a definição da idéia de família a partir do contexto domiciliar, que é adotada, recentemente, no Brasil, pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e materializado por programas como o PSF (Programa de Saúde da família ) e pelo PSA (Programa de Saúde Ambiental), constitui tanto uma inovação como uma limitação em termos de metodologias de políticas públicas 89. Constitui uma idéia inovadora ao questionar implicitamente a concepção tradicionalmente dominante no planejamento estatal de representar as populações a serem assistidas pelos programas públicos como um objeto-alvo definido estatisticamente pelo princípio per capita ; sem considerar o fator relacional, os níveis de pertencimento e de reciprocidade entre os indivíduos; sem considerar os atores locais como 8 Minhas reflexões sobre a idéia de família -domicílio surgiram ao longo do desenvolvimento da pesquisa Rede de vigilância, cidadania e problemas endêmicos da qual fomos um dos realizadores e que contou com apoio do Ministério da Saúde e da FACEPE (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Pernambuco) entre os anos de 2003 e O objetivo desta pesquisa foi desenvolver um conceito de rede de vigilância que pudesse ser útil para a análise e a avaliação dos programas de controle da dengue, o que está teoricamente explorado num livro que organizamos sobre o assunto e intitulado Redes sociais e saúde: novas possibilidades teóricas (organizadores: Paulo Henrique Martins e Breno Fontes, Recife, Editora da UFPE, 2004); 9 Embora o domicílio familiar não constitua o eixo central do planejamento territorial do Programa de Saúde Ambiental, observamos que ele continua sendo noção indispensável para a execução do programa. Na pesquisa percebemos que o PSA, repetindo limites da idéia de público-alvo do PSF, negligencia a complexidade das redes sociais primárias que são fundamentais para se avançar na promoção de uma cidadania ativa. 17

7 sujeitos de todas as ações que lhes concernem direta ou indiretamente. Vemos, assim, que independentemente da definição de arranjo familiar utilizada (biológica, cultural, funcional etc.), a política pública tende a se apoiar progressivamente na idéia do domicílio, para ancorar a ação social numa esfera de atividade fundamental para a construção da esfera pública e da cidadania. A introdução da noção de família pelo planejador público contribui para desfazer uma idéia corrente de que esta instância da organização social ao contrário do indivíduo - não constituiria um bom indicador de política pública, por estar associado, tradicionalmente, à esfera privada e doméstica 10. Sendo a família representada tradicionalmente como um fator arcaico, baluarte legítimo da ordem conservadora, não poderia ela constituir um indicador confiável para se pensar a modernização nacional. Tal indicador deveria ser fornecido, sim, pela figura do indivíduo isolado e egoísta que, no auge do boom econômico dos anos setenta, aparecia como o modelo típico do cidadão emancipado, que trilharia sua vida não mais dependendo das chamadas sociabilidades comunitárias e familiares (Carvalho, ). Ultimamente, tal imagem do indivíduo desenraizado tem sido revista à luz das críticas que demonstram o caráter ideológico desta noção, sua funcionalidade para a lógica mercantil e sua face depredadora do social. Nos anos oitenta e, particularmente, nos anos noventa, tal concepção individualista foi progressivamente revista, abrindo as perspectivas de se criticar as noções individualizantes do grupo social. A instituição familiar foi progressivamente revalorizada, observando-se atualmente, lembra Maria de Fátima Sousa (2001) um grande número de propostas de políticas sociais baseadas na concepção de cuidado comunitário, que aproximam a assistência institucional e a não institucional, a formal e a informal, incluindo as redes de solidariedades primárias (parentescos, amigos, vizinhos) e o voluntariado (Sousa, 2001: 23). Nessa perspectiva complementa a autora, a estratégia da Saúde da família no Brasil fortalece o movimento de descentralização da saúde, baseada na concepção de que as instituições de saúde devem oferecer cuidados de atenção básica na comunidade, aproximando-se dos usuários... (Sousa, op.cit., 23). 10 O termo família é derivado de famulus (escravo doméstico) sendo utilizado pelos romanos para designar aqueles grupos sociais surgidos entre as tribos latinas e caracterizado pela presença de um chefe que mantinha sob seu controle a mulher, os filhos e escravos com poder de vida e morte sobre o conjunto. Na Roma republicana, por outro lado, pertencer a uma família significava, sobretudo, pertencer a um mesmo grupo político formado por várias gerações ao qual se tinha acesso pelo nascimento (filhos), pela adoção (esposa e estranhos) ou pela compra (escravos) (Bilac, 2003: 31); 18

8 Entendemos, logo, que a adoção da idéia de família -domicílio como referência metodológica para se definir as ações de saúde localizadas territorialmente, tanto pode contribuir para emancipar o novo paradigma em saúde, voltado para a valorização da cidadania participativa, como pode falsear o significado das relações de parentesco e de pertencimentos afetivos, econômicos e culturais - presentes na forma de redes primárias -, impedindo que ocorra o empoderamento desejado dos atores locais. A resposta a este assunto é complexa e tem implicações diretas sobre a capacidade de programas territorializados responderem efetivamente aos desafios da mobilização cívica a favor da esfera pública. Caso este programa se burocratize e se limite a aparecer apenas como um esforço de desconcentração do poder governamental federal, de objeto de lutas corporativistas indiferentes ao sentido universal da ação pública, seu resultado é a disseminação da descrença dos usuários com relação ao real interesse do gestor público de administrar o bem público com vistas à promoção dos direitos sociais e da cidadania no plano local. Se esta ação descentralizadora falha, a desestabilização do sistema social se agrava necessariamente. Dito isto, devemos agora colocar uma questão que é de suma importância para a nossa reflexão e que diz respeito ao questionamento sobre o sentido sociológico e antropológico do termo família -domicílio que vem sendo adotado pelos planejadores e gestores públicos, a saber: até que ponto o uso da idéia de família limitada ao plano domiciliar estabelece algum diálogo com a idéia da família como relações de parentesco que, segundo Levi-Strauss (2003), não deveria se limitar à unidade biológica, devendo, igualmente, incorporar além dos laços de consangüinidade os de aliança entre grupos? Ou, diferentemente, a idéia de família adotada nesses programas constitui apenas um adjetivo explicativo do domicílio, uma noção de caráter funcional eleita com fins meramente pragmáticos e produtivistas? Enfim, o privilégio atribuído à idéia de família -domicílio para a organização de programas territorializados de atenção à saúde, constitui ou não uma inovação conceitual num contexto histórico-político de falência do antigo Estado provedor 11? 11 Historicamente, o Estado brasileiro, preso nas malhas do imaginário desenvolvimentista (Martins, 1992), revela crescente incapacidade de compreender a sociedade como um fenômeno maior que aquele dos interesses da economia de mercado. De compreender a sociedade nacional como um fenômeno histórico formado não apenas por interesses econômicos mas, igualmente, por determinantes culturais, morais, políticas e sociais. A visão economicista restritiva do imaginário desenvolvimentista contribui para produzir anomias sociais crescentes ao mesmo tempo em que se revela como insuficiente para produzir solidariedades coletivas que são básicas para existir uma sociedade nacional democrática; 19

9 Desejamos observar, pois, se fundado numa perspectiva mais ampla de arranjo familiar, é possível que os programas de saúde venham acionar o senso de direitos e obrigações do cidadão a partir do plano local e comunitário, ao mesmo tempo em que contribui para ativar as virtudes cívicas coletivas (tornando os indivíduos mais participantes e engajados com o seu mundo social, num contexto de exclusão social e de grande vulnerabilidade afetivo-emocional das populações pobres). O enfoque nos relacionamentos primários aparece, aqui, como estratégico para se repensar a própria idéia de local. É importante deixar claro que, no nosso entender, a introdução da noção de família - domicílio no planejamento público parece-nos um avanço teórico evidente com relação às concepções tradicionais de políticas públicas que não consideram as redes primárias, mas apenas agregados estatísticos (a população é vista como unidade per capita sobre a qual se constrói agregados abstratos como, por exemplo, crianças não vacinadas, homens doentes, mulheres no pré-natal). Esta concepção desconhecia que crianças, homens e mulheres não são meras unidades estatísticas a serem objetos de cálculos e regras impessoais mas, ao contrário, unidades pensantes ou átomos sociais, como dizia J. Moreno, fundador da sociatria (Moreno, 1987). Pensar os agentes sociais a partir de uma rede viva, significa aceitar a existência de uma constelação social que os implica estruturalmente, tanto no nível de sua existência como agrupamento social como no nível da definição de seu papel na instituição da sociedade. Mas devemos ir além e explorar as perspectivas de se avançar na crítica teórica à idéia de família -domicílio para entendermos seus limites como operador institucional do trabalho de democratização da ação pública. Comecemos pelo PSF (Programa de Saúde da Família) que, observa com propriedade Edilza Ribeiro, centra-se, sobretudo, no indivíduo dentro do domicílio familiar, não atentando claramente para a trama sistêmica: Nesta abordagem a família se concretiza na perspectiva do indivíduo, que é o foco real de atenção, podendo ser mulher, a criança, o portador de diabetes. Ou seja, a família é o cliente nominal, mas não é "objeto" do cuidado. E, ainda, a família tem papéis a desempenhar, tem deveres e responsabilidades para com o individuo em foco e para isso necessita de orientação, de treinamento. A família também é tida como aquela que interfere positiva ou negativamente no processo de saúde/doença do indivíduo. Dado a expectativa de deveres, as condições reais de capacidade de cuidado da família, vista de 20

10 forma multidimensional, são freqüentemente esquecidas, além de serem objeto de juízos de valor, por parte da comunidade e de profissionais. (Ribeiro, 2004). Na verdade, a definição de família a partir do domicílio constitui uma das definições possíveis desta noção. O importante a observar é que tal concepção apenas rompe parcialmente com a perspectiva individualista que inspira os programas de saúde que valorizam a dimensão familiar. Ressalte-se, igualmente, que tal noção termina exagerando o valor do domicílio físico em detrimento das tramas interpessoais e das injunções próprias do grupo primário. Ou seja, o ambiente, a infraestrutura material da família, as condições de cuidado desse ambiente são o foco da atenção. O substitutivo, o que toma lugar ou representa a família é, pois, seu espaço ou contexto físico. O domicílio é a base do lançamento de dados estatísticos e epidemiológicos do processo saúde/doença, da caracterização das famílias que têm condições e daquelas que necessitam de ajuda, daquelas que requerem vigilância de saúde, ou de outras que estão em situação de risco sócioambiental (Ribeiro, 2004). Sem dúvida, ao se introduzir a noção de família domiciliar (mesmo limitada ao fator territorial) no lugar do fator per capita, que é muito abstrato, os formuladores e planejadores dos programas territorializados produziram uma mudança qualitativa relevante a nível da focalização da ação pública: a população passa da condição de objeto-alvo para a de sujeito-alvo 12. Mas, no nosso entender, a principal dificuldade conhecida por essas ações, para se avançar no processo de descentralização e democratização, continua sendo fornecida não por questões burocráticas, administrativas ou financeiras, mas pelas limitações metodológicas da noção de família utilizada para organizar territorialmente a população-alvo. Ou seja, estas mudanças de olhares sobre os fundamentos da vida associativa pela gestão pública são ainda insuficientes para se apoiar uma reforma efetiva do Estado. A noção de família -domicílio, como se observa, padece de duas limitações: uma delas diz respeito à ênfase sobre o indivíduo em detrimento das interações sistêmicas; a outra, a ênfase sobre o ambiente físico em detrimento da ordem simbólica. 12 A expressão público-alvo tem sido utilizada com tanta naturalidade pelos planejadores que se esquece que por trás de seu significado há, de fato, um certo desprezo pela capacidade da Sociedade Civil criar e promover ações de interesse público. Por isso, neste texto insistirei sobre a importância de trabalharmos com a idéia de sujeito-alvo. Ou seja, o usuário do serviço e da assistência pública não são apenas atores passivos. Eles devem sobretudo ser reconhecidos como agentes ativos do processo de formação da esfera pública; 21

11 Para avançarmos no debate, importa estabelecer, então, a separação entre uma visão conservadora e uma visão moderna de família. Se a primeira, a conservadora, está de fato, historicamente, vinculada à reprodução de mecanismos de poder e de controle patriarcais e autoritários, a segunda, como tentamos demonstrar, representa uma possibilidade efetiva de se pensar o surgimento de uma esfera pública democrática no plano local. Claro, esta divisão acima suporta diversas subdivisões, mas para nosso raciocínio a respeito das condições de organização de um novo pensamento político e administrativo hegemônico na política e no seio do Estado, ela é suficiente. Na perspectiva conservadora, podemos avançar a hipótese de que a noção de família -domicílio não rompe com a visão autoritária de família tradicional (Martins, 2002), na medida em que o poder de decisão sobre o que é bom ou não para a comunidade fica dependendo em larga parcela da vontade do Estado e dos políticos conservadores que tentam por todos os meios cooptar e submeter a democracia participativa (Santos e Avritzer, 2002). Para defender a possibilidade de uma noção de família que reforce o caráter democrático desejado, precisamos avançar por outra via: nem a da família biológica nem a da família -força de trabalho, nem, tampouco, a da família -domicílio. Devemos, ao contrário, estimular uma concepção que valorize, primeiramente, os sistemas de pertencimento, que valorize positivamente o vínculo afetivo entre próximos na constituição de associações livres e espontâneas no plano local (entre pessoas próximas por laços de consangüinidade, vizinhança ou amizade). Devemos, enfim, superar os limites da idéia de família domicílio para se avançar numa compreensão relacional que dê conta das injunções simbólicas e materiais, individuais e grupais deste sistema de pertencimentos. Para isso, buscaremos esteio em conceitos tais como reciprocidade, solidariedade, confiança e dádiva de modo a edificarmos uma noção de família que enfatize o valor das redes sociais (Martins e Fontes, 2004) e da associação democrática (Chanial, 2004). Para explorarmos as possibilidades de democratização da política pública a partir das mudanças em curso na saúde, precisamos organizar uma agenda de reflexão que dê conta de alguns pontos centrais. Em primeiro lugar, compreender a mudança do status da família nos estudos sociológicos e verificar como este fator pode servir para aprofundar a compreensão do arranjo familiar; em segundo, o entendimento deste arranjo ao mesmo tempo como uma rede simbólica e material, que aparece como fator decisivo para a transformação do mundo da vida em base real para a formação de uma vida associativa e participativa no plano local. 22

12 Revisando o status sociológico da família Tradicionalmente, a sociologia encara a família como um dos grupos sociais relevantes na busca de explicar as razões por que surgem os agregados sociais. Para Emile Durkheim dentre esses grupos a família tem destaque especial pelo fato de ser o agregado mais simples e o mais antigo, tendo funções para a sociedade que não poderiam ser explicadas nem pela psicologia nem pela biologia (Durkheim, 1975). Pode-se dizer que o fundador da escola sociológica francesa foi o primeiro a propor uma compreensão deste tipo de arranjo baseada nas idéias do casamento e da aliança, afastando-se de outras proposições que definiam o grupo familiar nas perspectivas do determinismo biológico ou da psicologia dos sentimentos. O fundador da escola sociológica francesa considerava sua perspectiva moral como fundamental para o desenvolvimento do método comparativo, que ele desejava incorporar tanto no estudo de sistemas familiares diferentes como na compreensão da passagem de uma sociedade baseada na solidariedade mecânica para outra, orgânica 13. Ou seja, ao mesmo tempo em que defendia a importância de uma abordagem plural da família, Durkheim acreditava que a organização familiar moderna européia era o resultado de um lento desenvolvimento da sociedade. Neste sentido, o pensamento dominante até pouco tempo, o de que a família nuclear seria um fenômeno ontologicamente superior aos arranjos familiares tradicionais que se imporia de modo irreversível, é, de certa forma, inspirado neste ideal de progresso social da família herdado da escola francesa de sociologia. Mais de cem anos após esta primeira sistematização dos estudos da sociologia da família, constatamos que o arranjo nuclear urbano (formado basicamente pela composição pai e mãe biológicos e filhos/as) não se afirmou como um padrão universal superior que se imporia historicamente sobre os sistemas de pertencimento herdados das antigas famílias domésticas (formadas por grandes agrupamentos de parentesco, de 13 Emile Durkheim proferiu uma conferência inaugural de ciências sociais, na Universidade de Bordeaux, em 1888, intitulada Introdução à sociologia da família, na qual ele busca explicar a complexidade da família moderna e sua importância para se compreender a solidariedade orgânica na sociedade industrial. O fundador da sociologia francesa coloca para os ouvintes a seguinte questão: o que pode haver de mais interessante que de observar que a vida da família moderna, que parece ser tão simples na aparência, revela-se mediante uma variedade de elementos e de relações estreitamente imbricadas umas nas outras, e que conhece na história um lento desenvolvimento durante o qual estes elementos sucessivamente se formaram e se combinaram? (Car qu'y a-t-il de plus intéressant que de voir cette vie de la famille moderne si simple en appparence, se résoudre en une multitude d'éléments et de rapports étroitement enchevêtrés les uns dans les autres et de suivre dans l'histoire le lent développement au cours duquel ils se sont successivement formés et combinés?), 23

13 dependência e fidelidade). A experiência do século XX mostra-nos, igualmente, que este modelo nuclear não possui a característica de aparecer como um vetor naturalmente gerador de solidariedades coletivas e de uma cultura de esclarecimento universal. Por um lado, percebe-se que este modelo de família nuclear moderno não se universalizou como poderia supor aqueles teóricos que associam a estrutura da família ao desenvolvimento da sociedade industrial. Ao se analisar o modo de organização dos sistemas primários nas sociedades onde a industrialização urbana e o mercado de trabalho especializado não se tornaram fenômenos hegemônicos na organização da vida social e onde o Estado-providência tem eficácia limitada, percebe-se que as redes de parentesco - e não a família nuclear -, é que responde por tarefas básicas da cotidianidade (Jelin, 1994). Mesmo nos países mais avançados que defendem um modelo republicano laico observa-se que os imigrantes reproduzem modelos comunitários primários inspirados em múltiplas tradições religiosas, étnicas e culturais que frequentemente contrariam os princípios leigos. Por outro lado, de alguns anos para cá, pode-se mesmo dizer estar em curso (sobretudo nas sociedades do Sul) uma corrosão dos laços sociais que afetam crescentemente as condições de existência da instituição familiar como grupo básico de socialização, e não somente aquele modelo da família nuclear. Se este trabalho de corrosão se deve em parte à dinâmica depredadora da acumulação capitalista que gera ondas crescentes de exclusão social, não se pode eximir o Estado e as políticas públicas de deterem uma parte de responsabiliddade na degradação do sistema social. Na verdade, tais políticas públicas apenas contribuíram para ampliar a desigualdade, o desrespeito e a exclusão (Sennett, 2004), que, agora, revela-se com intensidade no desmonte dos sistemas sociais primários. O senso comum até a última década de noventa interpretava essas modificações do sistema familiar como crise de gerações a ser administrada naturalmente pelo tempo. Mas os fatos não avançam dentro desta lógica de progresso social administrável. A degradação das condições de vida e o aumento da exclusão social, têm atingido as bases da solidariedade social contribuindo para disseminar uma cultura de violência que atinge diretamente o grupo doméstico (Morrison e Biehl, 2004). Isto coloca o desafio de se realizar uma revisão sociológica necessária do que seja a própria idéia de pobreza (Schwartzman, 2004). Pode-se, por conseguinte, avançar a hipótese de que o desmanche da instituição familiar moderna é um processo paradoxal com aspectos positivos e negativos. Tanto ele expressa as novas exigências de adaptação dos indivíduos à sociedade complexa como 24

14 revela o impacto corrosivo da violência social. De uma parte, tal processo de desmanche do patriarcalismo sugere perspectivas esperançosas em termos de maior democratização da sexualidade que se desprende da mera procriação (Bozon, 2004) e valoriza a intimidade (Giddens, 2003). De outra parte, temos que reconhecer que a noção sociológica clássica de família - que se refere ao mundo do trabalho e ao modo como foi pensado o social na modernidade - perde sua aura progressista num contexto de crise da proteção social, de perda de solidariedade e de exclusão crescente (Rosanvallon, 1981, Castel, 1995, Cavalcanti e Burity, 2002), atingindo, principalmente, os grupos familiares mais humildes. Esta degradação tem sido constante e a ascensão da mulher à condição de chefe de família não interrompeu o processo, como observou Parry Scott ao estudar famílias de baixa renda na cidade do Recife (Scott, 2005a). A noção tradicional de família é, pois, insuficiente para revelar a nova dinâmica dos pertencimentos, dos conflitos e alianças, resultantes da crise do grupo familiar doméstico de inspiração paternal. Novos e inéditos arranjos conjugais e domiciliares apontam para a redefinição do poder doméstico em todos os planos sociais, a partir das tensões geradas entre, de uma parte, as dificuldades conhecidas pelos arranjos primários para gerarem pactos e alianças duráveis e, de outro, as pressões autonomizantes conhecidas pelos membros, individualmente, a partir de outras rede das quais eles fazem parte (amigos, colegas de trabalhos, companheiros de ação sindical e/ ou política etc.), rompendo com a tradição comunitarista. Por outro lado, nada comprova que a equalização dos poderes entre homens e mulheres, decorrente dos avanços do movimento feminista (Heilborn, 2004b), contribua para a manutenção do modelo da família nuclear urbana como sendo o mais interessante para assegurar a democratização do cotidiano. Pelo contrário. Com muita freqüência, observa-se que são as redes de parentesco ou de parentela - constituída por número significativo de indivíduos quase-parentes (padastros, madastras, enteados e enteadas), de novos dependentes e amigos -, que vêm abrindo um leque de formação diversificada de novos arranjos familiares que modelam esta nova distribuição de poderes. Naturalmente, crescem as tensões sexuais, étnicas e culturais levando os indivíduos a questionarem os antigos modelos de relacionamentos (Giddens, 1993) e a adotarem novos padrões de sexualidade e de reprodução e novas modalidades de poder no sistema familiar que atendam às pressões de participação no interior dos novos arranjos familiares (Bozon, 2004; Heilborn, 2004a). Em suma, ao lado da redefinição de poderes, de identidades e de lugares esta diferenciação crescente de formas de poder e de diversificação das chefias dos arranjos domésticos (mãe que é chefe de família ; pai que é chefe de família ; mãe e 25

15 pai que permanecem juntos chefes de família ; tio, chefe de família etc.) impacta necessariamente sobre a esfera extra-doméstica, aquela das redes de vizinhança, amizade e de associação. Ou seja, ao lado da reorganização interna do poder doméstico, cresce a presença de uma cultura comunitária e de vizinhança que reforça a perspectiva de uma esfera pública associativa. Assim, por exemplo, para fazer face ao acúmulo de responsabilidades é comum que mães-vizinhas prestem serviços de ajuda mútua como cuidar dos filhos, emprestar alimentos ou dinheiro etc.. Neste contexto de mudança social intensa e de revisão de pressupostos teóricos, o arranjo familiar deixa de ser vista como mera expressão da produção material da sociedade para aparecer como mecanismo decisivo na reprodução da vida social e favorecedora de reciprocidades igualitárias. Esta tendência se observa, sobretudo, no seio das camadas médias (Heilborn, M.L. 2004b), embora possa se propor que, apesar das condições de vida degradantes das camadas empobrecidas, o empoderamento da mulher é um fato inquestionável (Scott, 2005b). Assim sendo, podemos sugerir estar em curso a formulação de uma nova instituição social familiar que aparece com o desenho de uma rede social primária e aberta, ou seja, como um sistema de reciprocidades e de pertencimentos que envolve, em princípio, indivíduos vinculados a mesmos grupos consangüíneos ou culturais (isto explica seu caráter de primariedade). Mas, ao mesmo tempo, tal instituição tende a extrapolar o grupo original para incluir outros indivíduos não necessariamente vinculados por laços de consangüinidade (daí o caráter aberto desta rede que tende a se cruzar com as redes de vizinhança, de associação e de usuários de serviços públicos como é o caso, por exemplo, dos grupos de hipertensos ou de diabéticos que se reúnem sob o incentivo das unidades públicas de saúde). Maurice Godelier introduz uma classificação do sistema de parentela atual que nos parece pertinente para nossas reflexões sobre este novo modelo de família -rede, que é, por sua vez, a matriz estruturante de uma possibilidade ampla de novos arranjos associativos. Segundo este autor, este sistema é composto de três elementos que se combinam entre eles, constituindo a estrutura profunda da parentela, a saber, a família nuclear, a rede de famílias aparentadas por laços de consangüinidade ou aliança e, em terceiro, a parentela strictus sensus, entendida a partir de um duplo registro: como rede de parentes (do indivíduo) e como rede centrada no indivíduo. Esta terceira variação surge no momento em que o indivíduo (reflexivo) aparece como ponto de partida para o surgimento de uma outra parentela. Podemos aqui falar de indivíduo-elo, de um agente que adquire a autonomia reflexiva de um ser que se posiciona criticamente contra a força coercitiva do 26

16 grupo e que pondera reflexivamente suas pulsões e ações. Trata-se certamente de um fenômeno moderno não observado em sociedades tradicionais na medida em que nessas últimas a personalidade individual - este eu - é sempre uma expressão cultural e psicológica frágil, que não sobrevive facilmente fora da consciência coletiva (Mauss, 2003a). Teríamos, assim, como desdobramento deste terceiro elemento duas redes de parentela: uma delas, aquela representada pela rede de famílias, a outra, aquela formada por indivíduos aparentados a partir de uma combinação aberta envolvendo vínculos tradicionais e pós-tradicionais: São redes abertas cujos limites dependem de múltiplos fatores que nada têm a ver com a parentela: proximidade espacial das famílias e dos indivíduos, mudança do status social de alguns entre eles ou de alguns que não se freqüentam mais, desaparecimento causado por epidemias, de guerras etc. (Godelier, 2004:12). No que diz respeito em particular à família ocidental, Godelier lembra que a mesma tem conhecido mudanças profundas devido a três tipos de fatores: a relação dos indivíduos com a sexualidade, os lugares respectivos de homens e mulheres na sociedade e o lugar das crianças (Godelier, op. cit.: 565). Esses novos fatores têm contribuído para o crescimento de famílias recompostas resultantes de separações, divórcios e novos acasalamentos. Observa-se, como resultado, o aparecimento de diversos novos arranjos familiares, envolvendo tanto situações de parentesco clássico (biológico e social) como de quaseparentesco nos quais se fazem presentes novos acompanhantes dos pais e novos filhos adotados (Godelier, op. cit.: 566). Há, em suma, uma negociação intensa de corpos, falas, gestos e intenções que funcionam como matrizes simbólicas permanentemente acionadas na produção de novas modalidades de organização social. Para designar este grupo primário nesta perspectiva hermenêutica acima apontada, o termo arranjo familiar parece-nos apropriado na medida em que nos permite observar a dinâmica particular de organização desses grupos primários em diferentes contextos históricos, culturais e sociais. O arranjo é uma expressão singularizada de redes de parentesco e de redes de parentela, que são mais amplas. O arranjo permite que a estrutura rizomática da rede se adapte a diferentes contextos históricos e culturais, tanto moldando a ação grupal como adaptando esta às exigências de personalização dos seus membros. 27

17 Enfim, as noções de rede e de arranjo são convenientes para discutirmos mais profundamente dois aspectos: um deles, os limites da noção de família -domicílio que vem sendo adotada pelos programas de saúde, no Brasil,; em segundo, para ressaltarmos a presença de uma lógica de capilaridade que se forma espontaneamente respondendo à necessidade de reprodução, de sexualidade e de socialização dos agrupamentos humanos. Descentralização estatal, política pública e arranjo familiar As mudanças na saúde são exemplares para nossa demonstração sobre os limites da descentralização e sobre os desafios crescentes conhecidos pelos gestores públicos para dar conta tanto da heterogeneidade das situações sociais do mundo da vida bem como da insuficiência da matriz teórico-metodológica utilizada para assegurar a redistribuição dos bens públicos neste plano das sociabilidades primárias. Reconhece-se que, antes, a política pública era mais simples pelo fato de que o público a que ela se dirigia respondia a certo padrão cultural uniforme: o trabalhador vinculado ao mercado formal de trabalho e que cotizava para manter o fundo público que, por sua vez, era direcionado para políticas públicas para esse mesmo assalariado, assegurando a lógica produtiva e reprodutiva da sociedade industrial (Rosanvallon, 1981). Por outro lado, a pressão sobre a ação estatal era limitada por modelos de sociedades agraristas, isto é, que mantinham larga parcela de suas populações no campo, reduzindo a pressão política dos trabalhadores sobre a gestão pública. Ora, com a diminuição do número de indivíduos cotizadores, por um lado, e com o aumento da exclusão social nas cidades, por outro, a capacidade do Estado de responder a novas demandas a partir de um planejamento centralizado se torna crescentemente improdutiva e ineficaz, sobretudo quando este Estado, como é o caso do Brasil, obedece tradicionalmente a uma lógica oligárquica pouco tolerante com relação à pressão popular por participação (Martins, 2002). Neste sentido, a descentralização do poder central com vistas a mobilizar os poderes e vontades locais e permitir a institucionalização de novos mecanismos de participação como os conselhos e os fóruns, é a única saída para o Estado se adaptar à nova demanda por participação cidadã (Teixeira, 2002) e reconhecimento que nasce de grupos de indivíduos que nunca entraram no mercado formal (Pochmann e Amorim, 2003) e, ao mesmo tempo, favorecer a democratização da ação pública. 28

18 O novo planejamento público na saúde deve ser entendido, por conseguinte, como uma adaptação institucional necessária à ampliação das responsabilidades sociais do Estado (Carvalho, 1997), para conter a ameaça do caos social derivada de um sistema político que busca exercer tradicionalmente controle estreito sobre os cidadãos. A implantação de ações descentralizadas de redistribuição de recursos e de responsabilidades de ações e de serviços com fortalecimento do plano municipal, mas, sobretudo, do plano comunitário e associativo aparece como uma solução imperativa para se conceber ações que sejam ao mesmo tempo preventivas e reparativas (Castel, 1997: 39). Parte-se da idéia de que quanto mais perto a decisão fica do fato, mais a decisão a ser tomada é legítima, mais chances haverá de acerto. Mas, para isso, faz-se mister criar mecanismos e instrumentos que motivem as populações locais a participarem das iniciativas de interesse comum, condição necessária ao surgimento de uma esfera pública democrática e de participação cidadã (Teixeira, 2002). Ou seja, nossa intenção é demonstrar que o avanço de programas que se referenciam na família (como é diretamente o caso daqueles voltados para a saúde, no Brasil), para promover a democratização de decisões e de apoio à participação efetiva da população na criação de uma cidadania ativa e uma nova política de cuidados (Luz, 2005), embora importante ainda é precário. Sua sustentabilidade, a médio e longo prazo, depende diretamente, no nosso entender, da possibilidade de as políticas públicas adotarem uma nova perspectiva teórica pela qual o usuário não seja visto apenas como público-alvo mas como co-autor da ação pública, como sujeito-alvo. Mas a passagem de um entendimento do usuário como público-alvo para sujeito-alvo não pode ser obtida por uma mera operação administrativa ou jurídica. Faz-se necessário abandonar uma posição funcional do usuário - visto como engrenagem passiva da ação de planejamento no Estado moderno - para se adotar uma compreensão ativa e política deste usuário. Tal compreensão nos é sugerida pela noção de público do filósofo norte-americano John Dewey. Para ele, o público envolve todos aqueles que são afetados pelas conseqüências de certas ações que ultrapassam os diretamente envolvidos, levando a que se valorize uma experiência de interesse comum que é superior aos interesses individuais (Dewey, 1997). No meu entender, esta conceituação de Dewey de público pode ser útil para reconceituarmos o usuário como sujeito-alvo, o usuário como expressão viva do público. Ou seja, tal mudança de perspectiva não depende apenas da adoção de métodos estatísticos mais avançados, como já foi dito, mas, diferentemente, de um método compreensivo que revele a presença de um sujeito supra-individual, mesmo que tal sujeito não tenha 29

19 consciência de seu poder real. De fato, a vontade de potência dos atores locais é inibida devido aos membros da comunidade estarem freqüentemente prisioneiros de emaranhados sistêmicos complexos (Hellinger, 1999). Ou seja, a compreensão do usuário como público é obstruída facilmente pelos conflitos que atravessam suas redes de relacionamentos sejam elas de parentesco ou de associação. Isto prejudica, igualmente, o entendimento dos conflitos psíquicos e culturais subjacentes ao tecido social, os quais são fenômenos relevantes para a produção de alianças e pactos associativos. Nosso propósito neste texto é, assim, demonstrar que apesar dos avanços importantes obtidos com a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS), nos últimos quinze anos, o processo descentralizador com vistas ao empoderamento da sociedade civil parece encontrar obstáculos crescentes à sua viabilização (Heimann, Ibanhes e Barboza, 2005). As dificuldades que têm os agentes sociais para integrarem a lógica da ação democrática (redistribuição de responsabilidades e incremento da participação) e os princípios da ação descentralizadora (universalidade, integralidade e interdisciplinaridade), revelam a confusão existente na definição conceitual do público-usuário e as dificuldades de se conceber a esfera pública a partir da Sociedade Civil 14. A limitação do planejamento estatal pode ser entendida a partir de alguns pontos: a complexidade dos arranjos familiares que servem como suporte para a formatação da idéia de público-usuário não pode ser acessada por modelos estatísticos; a mobilização dos atores locais com vistas a definição de modelos dinâmicos e participativos não pode ser resultado da mera vontade do gestor estatal. Semelhante mobilização deve resultar não de um poder central superior mas da valorização da experiência e da liberdade da vontade humana, segundo enfatiza filósofo pragmatista norte-americano William James (1981) e da existência de mecanismos de trocas (Mauss, 2003) e de reciprocidades (Simmel, 1939) que favoreçam a experiência do bem comum como algo resultante do esforço coletivo e supra individual. O modelo funcional do público-alvo tende a aparecer, para sermos mais claros, como um instrumento de desumanização das políticas públicas (Martins, 2003) na medida em que 14 A noção de público-alvo, devemos insistir, constitui uma categoria de fácil manejo estatístico, mas que reduz enormemente a complexidade da trama social. Os programas governamentais ainda se apóiam sobre uma noção abstrata de indivíduo (conveniente para a organização do trabalho e dos modelos de proteção social no capitalismo industrial), mas que é insuficiente para responder à complexidade sistêmica da sociedade civil. Este modelo estatístico pode responder satisfatoriamente às hipóteses causais produzidas pelo planejador para definir a política pública (nível de renda, gênero, condições de moradia e de saúde entre outras), mas responde muito insatisfatoriamente a condição dialógica exigida pela trama da descentralização com exigência de participação e de formação de uma esfera pública ativa. 30

20 desconsidera as tramas subjetivas e as conexões subterrâneas da vida social local, enfatizando indicadores superficiais e inadequados para detectar a mudança social. Por outro lado, as possibilidades de superação dos limites deste método funcional adotado pelo planejamento oficial dependem diretamente da possibilidade de explorarmos o potencial sistêmico e complexo das redes sociais primárias que atravessa o que genericamente e abstratamente designamos de família. De fato, para além, do excesso de abstração desta noção clássica da antropologia, que é a família, o que verificamos no mundo concreto são teias de relacionamentos criadas pela experiência vivida, que sugerem constituir as relações entre grupos de indivíduos - vivendo em proximidade física e/ou emocional - como uma ecologia profunda (Capra, 1998). Ou seja, a idéia de família como rede social em movimento e não como uma substância sugere possibilidades teóricas inéditas para se entender os rumos que a política pública deve adotar com vista a apoiar a criação de movimentos de solidariedades a partir de programas territorializados (que transcendam o âmbito familiar e favoreçam a vida associativa e comunitária). Família como rede social: uma saída para a descentralização Como já dissemos, é necessário ressignificar a noção de família de modo a superarmos a visão estreita da família -domicílio para integrarmos uma visão relacional de família -rede. Mas esta visão mais ampla apenas pode ser apreciada na sua complexidade se compreendermos o arranjo familiar a partir de um duplo enfoque crítico: um, o da teoria da rede, permite visualizar o grupo familiar não como uma soma de unidades mas como uma totalidade que se distribui e se afirma pelos seus membros; o outro, o da teoria da dádiva, que permite entender a lógica própria do vinculo social que é aquela das obrigações mútuas geradas pelas ações de doação, recepção e retribuição (Mauss, 2003) 15. Avançemos alguns elementos para tentar esclarecer esta base conceitual, alertando, porém, o leitor que esta tarefa constitui um desafio à parte que apenas pode ser respondido parcialmente neste artigo. 15 Não é possível se explicar aqui a teoria da dádiva. Para os que acharem necessário mais informações sobre o assunto já existe em português um material adequado para esta compreensão. A começar pelo próprio texto de Marcel Mauss Ensaio sobre a dádiva (citado na bibliografia), o texto de Jacques Godbout em colaboração com Alain Caillé, O espírito da dádiva (Rio, FGV, 1998); o livro do Alain Caillé intitulado Antropologia do dom: o terceiro paradigma (Petrópolis, Vozes, 2002) e a coletânea organizada por Paulo Henrique Martins cujo título é A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social (Petrópolis, Vozes, 2002); 31

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações?

Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Violência(s), Direitos Humanos e Periferia(s): Quais relações? Priscila Queirolo Susin Psicóloga; Técnica Social Responsável PMCMV-E; Pesquisadora do CAES Mestre em Ciências Sociais (PUCRS) Doutoranda

Leia mais

Teorias da Globalização

Teorias da Globalização Teorias da Globalização O processo histórico do capitalismo: Primeiro momento surgimento e formação do capitalismo na Europa, instauração do trabalho livre, mercantilização do sistema produtivo e organização

Leia mais

Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe. André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008

Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe. André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008 Acesso ao enensino superior no Brasil: uma questão de classe André Junqueira Caetano PPGCS PUC Minas Agosto 2008 Estrutura do parlapatório 1. Porquês 2. Classe social e Souza 2010 3. Classe social, Souza

Leia mais

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE Daniela Savi Geremia 1 Fátima Teresinha Scarparo Cunha 2 Liliana Angel Vargas 2 INTRODUÇÃO A política de saúde constitui

Leia mais

Seguridade Social: desafios de sua gestão

Seguridade Social: desafios de sua gestão Resenha Seguridade Social: desafios de sua gestão Ha n a Da h e r Lo p e s * SILVA, Ademir Alves da. A gestão da Seguridade Social brasileira: entre a política pública e o mercado. São Paulo: Cortez,

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

Estrutura familiar e dinâmica social

Estrutura familiar e dinâmica social Estrutura familiar e dinâmica social Introdução Neste trabalho pretendendo tratar minuciosamente sobre o conceito e relevância social do parentesco; a família enquanto grupo específico e diferenciado de

Leia mais

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes

Lei de Parcerias - Lei nº /14. Fundamentos Princípios Diretrizes Lei de Parcerias - Lei nº 13.019/14 Fundamentos Princípios Diretrizes Lei nº 13.019/14 Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros,

Leia mais

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF Nº TÍTULO CPF 1 Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PAULISTA NA PERSPECTIVA DE AVALIAÇÃO EXTERNA DE SISTEMA 41691261815

Leia mais

ESTRUTURA FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL

ESTRUTURA FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL O QUE É A FAMÍLIA? Família surgiu em Roma para identificar um novo grupo social que surgiu entre tribos latinas, ao serem introduzidas à agricultura e também escravidão legalizada. A família caracteriza

Leia mais

VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS.

VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS. VIVÊNCIA DE UM GRUPO DE SENTIMENTOS NO CAPS PRADO VEPPO- SM-RS. Niara Cabral Iserhard 1 Annie Jeanninne Bisso Lacchini 2 Na década de 80, o movimento brasileiro pela reforma psiquiátrica teve uma iniciativa

Leia mais

Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade

Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade Instituições Participativas: da disseminação aos desafios a sua efetividade Roberto Pires Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Diretoria de Estudos sobre Estado, Instituições e Democracia (Diest)

Leia mais

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO

CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO CELSO FURTADO E A INTERPRETAÇÃO ESTRUTURALISTA DO SUBDESENVOLVIMENTO Ricardo Bielschowsky, CEPAL e UFRJ Rio de janeiro, agosto de 2005 Contribuições de Furtado ao estruturalismo Inclusão de dimensão histórica

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios Modelos Tecnoassistenciais em Saúde M.SC. Helen Lima Novembro 2009 Combinações tecnológicas estruturadas

Leia mais

Ciência, tecnologia e sociedade

Ciência, tecnologia e sociedade Ciência, tecnologia e sociedade Aula 5 _O surgimento de um sistema organizado de produção de tecnologia e sua transformação profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 A história das políticas

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

Grupos e Equipes de Trabalho

Grupos e Equipes de Trabalho Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 2 1 Fundamentos do comportamento de grupos Definição Um grupo é definido como dois ou mais

Leia mais

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se

orientar. Esta obra tenta, pois, pôr ordem no afluxo de elementos que balizam o campo psicossocial. A fim de perseguir essa intenção, privilegiou-se INTRODUÇÃO Cem anos após o nascimento da Psicologia Social, é a partir de agora possível fazer o balanço da evolução desta disciplina. Nessa perspectiva, Elementos de Psicologia Social responde a um duplo

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil Seminário PRISSMA-PESSOAS Rio de Janeiro, RJ 13 e 14 de março de 2008 Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Mental no Brasil Cristina de A. Possas Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Aula 7 Dinheiro, moedas e finanças: perspectivas sociológicas sobre os meios das transações econômicas

Aula 7 Dinheiro, moedas e finanças: perspectivas sociológicas sobre os meios das transações econômicas Aula 7 Dinheiro, moedas e finanças: perspectivas sociológicas sobre os meios das transações econômicas Nadya Araujo Guimarães Sociologia Econômica 01/2015 Roteiro 1. Centralidade do dinheiro para a vida

Leia mais

Brasil negativado, Brasil invertebrado

Brasil negativado, Brasil invertebrado Brasil negativado, Brasil invertebrado Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda 2. Investimento 3. Inflação 4. Contas externas 5.

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 1. (UEMG) circunscrito aos países que primeiro se industrializaram. Após

Leia mais

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012.

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012. Definição da Classe Média no Brasil São Paulo, junho de 2012. Evidência sobre o surgimento de uma Nova Classe Média Porcentagem de pobres (%) Evolução da pobreza - Brasil: 1999-2009 50 48 46 44 42 40 38

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos

Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos Desafios da avaliação dos resultados do Programa Mais Médicos Reflexões e propostas Renato Tasca, OPS/OMS tascar@paho.org Roberto Capote Mir (1934-2015) Inspiração para cooperação Brasil Cuba - OPAS Cubano

Leia mais

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9

Parte I Compreensão dos Fundamentos da Ciência Política, Estado, Governo e Administração Pública, 9 Sumário Apresentação, xiii Estrutura do livro, xv Introdução, 1 Debate sobre Governo e Administração Pública, 1 Gestão Pública no Brasil, 3 Reforma e Modernização do Estado, 4 Papel do Estado no Mundo

Leia mais

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração

Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida Área de Integração Estrutura FAMILIAR E DINÂMICA SOCIAL Sandra Almeida 21115 Área de Integração 1 CONCEITO DE FAMÍLIA 2 3 RELAÇÕES DE PARENTESCO ESTRUTURAS FAMILIARES/MODELOS DE FAMÍLIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 4 5 FUNÇÕES

Leia mais

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S.

II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais. Palestra. Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro. Prof. Dr. Fernando S. II Encontro Paulista de Escolas de Governos Municipais Palestra Gestão Pública Contemporânea e o caso Brasileiro Prof. Dr. Fernando S. COELHO Jundiaí, 27 de novembro de 2014 1 O que abordarei nesta exposição?

Leia mais

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia

CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA. Profº Ney Jansen Sociologia CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA Profº Ney Jansen Sociologia Ao problematizar a relação entre indivíduo e sociedade, no final do século XIX a sociologia deu três matrizes de respostas a essa questão: I-A sociedade

Leia mais

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck

Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental. Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Gênese socioeconômica e histórico da Educação Ambiental Prof.ª Drª Ana Maria Thielen Merck Situação socioeconômica das décadas 60 e 70 no mundo Divisão de blocos econômicos ( países desenvolvidos x não

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Fundamentos da previdência social no estado contemporâneo...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Fundamentos da previdência social no estado contemporâneo...1 S u m á r i o Capítulo 1 Fundamentos da previdência social no estado contemporâneo...1 1.1. Uma Nova Realidade... 1 1.2. A Imprevisibilidade Matemática na Sociedade de Riscos... 2 1.3. A Solidariedade

Leia mais

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava,

Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique. Carlos Nuno Castel-Branco Machava, Notas para reflexão sobre a Economia de Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Machava, 27-01-2007 Estrutura da Apresentação Uma nota introdutória Uma questão de método Sobre a neutralidade da taxa de crescimento

Leia mais

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009)

Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social CRAS (2009) Caderno do Cras capítulo 6 Equipe de Referência do CRAS A equipe de referência do CRAS é constituída por profissionais responsáveis

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) Segundo Marx,as relações de produção ou a natureza da produção e a organização do trabalho, determinam a organização de uma sociedade em um específico momento histórico. Em relação ao pensamento de

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento

Estado: conceito e evolução do Estado moderno. Santana do Livramento Estado: conceito e evolução do Estado moderno Santana do Livramento Objetivos da Aula Objetivo Geral Estudar o significado do Estado, sua concepção e evolução para os modelos do Estado Moderno, para a

Leia mais

O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR

O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR O IDOSO COMO CUIDADOR: UMA NOVA PERSPECTIVA DE CUIDADO DOMICILIAR João Paulo Fernandes Macedo (UFC dalijoao@gmail.com) INTRODUÇÃO:As famílias brasileiras estão passando por mudanças estruturais, sociais

Leia mais

Redes sociais, afectos e pessoas idosas

Redes sociais, afectos e pessoas idosas Redes sociais, afectos e pessoas idosas António M. Fonseca afonseca@porto.ucp.pt CONVERSAS DE FIM DE TARDE VISEU, 29 JUNHO 2012 Uma vida mais longa A esperança média de vida tem aumentado de forma dramática:

Leia mais

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011

O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos. CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O MODELO DE SAÚDE CATALÃO Uma experiência de reforma Principais conceitos e instrumentos CHC - Consorci Hospitalari de Catalunya Setembro 2011 O SNS Espanhol Evolução 1975-2009 Da segmentação na coordenação

Leia mais

ALVES, Fatima (Coord.). Saúde, Medicina e Sociedade. Lisboa: Pactor, páginas.

ALVES, Fatima (Coord.). Saúde, Medicina e Sociedade. Lisboa: Pactor, páginas. ALVES, Fatima (Coord.). Saúde, Medicina e Sociedade. Lisboa: Pactor, 2013. 247 páginas. Enderson Luiz Diolindo Carvalho 1 Nos últimos anos os debates acerca da temática saúde e doença de conhecimento vem

Leia mais

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL

CONTEÚDOS EXIN SERVIÇO SOCIAL CONTEÚDOS EXIN 2016.2 4MA E 4NA DISCIPLINA CONTEÚDO DISCIPLINAS CUMULATIVAS -Etapas do processo de trabalho: Elementos constitutivos. - O significado do Serviço Social na divisão social e técnica do trabalho;

Leia mais

Modernidade: o início do pensamento sociológico

Modernidade: o início do pensamento sociológico Modernidade: o início do pensamento sociológico Os dois tipos de solidariedade Solidariedade Mecânica Solidariedade Orgânica Laço de solidariedade Consciência Coletiva Divisão social do trabalho Organização

Leia mais

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini

Sociologia. Surgimento e principais tópicos. Prof. Alan Carlos Ghedini Sociologia Surgimento e principais tópicos Prof. Alan Carlos Ghedini Podemos entender a sociologia, de modo geral, como a área de estudo que se dedica a entender o comportamento humano em sociedade. São

Leia mais

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira

MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS. Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira MODELOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DE TERRITÓRIOS TURÍSTICOS Prof. Dr. Marcos Aurélio Tarlombani da Silveira 1 Estratégico OS MODELOS DE PLANEJAMENTO Sem caráter vinculativo, de conteúdo flexível; une objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL BRASILEIRA. Rosa UFPI-DSS

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL BRASILEIRA. Rosa UFPI-DSS POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL BRASILEIRA Profª Drª Lucia Cristina dos Santos Rosa UFPI-DSS MODELO HOSPITALOCENTRICO NA ASSISTENCIA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA MARCO: Hospício Pedro II 1852 Rio de Janeiro; CONCEPÇÃO:

Leia mais

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho entendimento e do diálogo com os demais países e a diversidade étnica da nossa população. Fatores como esses permitiram que desenvolvêssemos uma política externa construtiva e progressista, que aceita

Leia mais

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka

Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka Prefácio: O Leão e a Joia, de Wole Soyinka A 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, que aconteceu em Brasília, entre 14 e 23 de abril, foi marcada pelo lançamento da obra O Leão e a Joia, do poeta, escritor

Leia mais

O Brasil no início do século XX

O Brasil no início do século XX O Brasil no início do século XX Crise de 1929 reorganização das esferas estatal e econômica no Brasil ; Década de 1920 deslocamento da economia agro-exportadora industrialização impulsionado pela 1ª Guerra

Leia mais

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Unidade I FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O assistencialismo O conceito de assistencialismo estabelece uma linha tênue com o conceito de assistência,

Leia mais

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014

Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão. Abigail Torres Agosto de 2014 Modelo Brasileiro de Proteção Social: destaques da concepção e da gestão Abigail Torres Agosto de 2014 Constituição 1988 Institucionalização da AS LOAS 1993 PNAS 2004 NOB 2005 NOB-RH 2006 Tipificação de

Leia mais

Psicologia Aplicada à Nutrição

Psicologia Aplicada à Nutrição Psicologia Aplicada à Nutrição Objetivos Abordar alguns conceitos da psicologia existentes no contexto social e da saúde. De psicólogo e louco todo mundo tem um pouco Psicologia e o conhecimento do Senso

Leia mais

A reforma da previdência e a vida das mulheres

A reforma da previdência e a vida das mulheres A reforma da previdência e a vida das mulheres O governo Temer e seus ministros têm anunciado em alto e bom som que irão mudar as regras da seguridade social, o que pode acabar com a possibilidade de muitos

Leia mais

Ética e gestão organizacional Aula 05. Virgílio Oliveira UFJF FACC

Ética e gestão organizacional Aula 05. Virgílio Oliveira UFJF FACC Aula 05 Virgílio Oliveira UFJF FACC 1 Há alguns conceitos derivados dos pressupostos básicos da ética Egoísmo e auto-interesse Altruísmos 2 A realização de interesses pessoais (autointeresse) é algo natural

Leia mais

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes

Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim. Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Unidade 2: Teoria Sociológica de Durkheim Sociologia Geral - Psicologia Igor Assaf Mendes Teorias e Perspectivas Sociológicas Funcionalismo: enfatiza que o comportamento humano é governado por estruturas

Leia mais

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O TRABALHO DIGNO, A JUSTIÇA SOCIAL E O FUTURO DO TRABALHO OIT: MISSÃO Desenvolve o seu trabalho no âmbito da redução da

Leia mais

A teoria do conhecimento

A teoria do conhecimento conhecimento 1 A filosofia se divide em três grandes campos de investigação. A teoria da ciência, a teoria dos valores e a concepção de universo. Esta última é na verdade a metafísica; a teoria dos valores

Leia mais

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política

Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política S u m á r i o Parte I Filosofia do Direito. Teoria Geral do Direito e da Política CAPÍTULO I Filosofia do Direito I: O Conceito de Justiça, O Conceito de Direito, Equidade, Direito e Moral...3 I. O conceito

Leia mais

Capacete de um chefe saxão

Capacete de um chefe saxão Capacete de um chefe saxão Fivela de ouro (séc. VI, Museu Britânico, A Europa no início do século VI Londres, Inglaterra). 2 Fim do Império Romano do Ocidente Guerras civis. Descrédito do Imperador. Fixação

Leia mais

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013

Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Fenómenos de pobreza e exclusão social no contexto atual Palmela, 6 de dezembro de 2013 Maria José Domingos Objetivos Sobre a Estratégia 2020 A pobreza e a exclusão social na Europa em números A pobreza

Leia mais

Educação e Inclusão. Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti

Educação e Inclusão. Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti Educação e Inclusão Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI Prof. Ms. Joel Sossai Coleti Parte 2: Educação da mulher (...) uma longa história de opressão e subalternidade. (p. 137)

Leia mais

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas

Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Fundação para a Ciência e Tecnologia Agência de Inovação Horizonte 2020 Desafio Societal 6: Europa num mundo em mudança: sociedades inclusivas, inovadoras e reflexivas Ricardo Migueis Marisa Borges Daniela

Leia mais

Cabo Verde: os dilemas da cidade

Cabo Verde: os dilemas da cidade ci.dlot - III cidades e globalização Cabo Verde: os dilemas da cidade Corsino Tolentino Cidade da Praia, 03 de Junho de 2013 CABO VERDE: OS DILEMAS DA CIDADE 1. Conceitos de povoação, aldeia, vila e cidade

Leia mais

Estratificação Social. Fronteira territorial entre o bairro Morumbi e a comunidade de Paraisópolis. Município de São Paulo.

Estratificação Social. Fronteira territorial entre o bairro Morumbi e a comunidade de Paraisópolis. Município de São Paulo. Estratificação Social Fronteira territorial entre o bairro Morumbi e a comunidade de Paraisópolis. Município de São Paulo. Ao longo da história, podemos observar sinais de desigualdades sociais em todos

Leia mais

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO

O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Universidade Católica Portuguesa Faculdade De Ciências Humanas Licenciatura Em Sociologia, Variante De Ciência Política Tutoria, Tradição Dos Grandes Livros O PENSAMENTO POLÍTICO DE CÍCERO Em De Res Publica

Leia mais

Modificações no Estatuto das Famílias

Modificações no Estatuto das Famílias Modificações no Estatuto das Famílias Projeto de Lei 2.285/2007, apensado ao PL 675/2007 PROJETO ORIGINAL deputado Sérgio Barradas (PT-BA) Art. 91 Constituindo os pais nova entidade familiar os direitos

Leia mais

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento

Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Território e planejamento de longo prazo: a experiência do Estudo da Dimensão territorial do planejamento Leandro Freitas Couto Analista de Planejamento e Orçamento 27.07.2016 Retomada do planejamento

Leia mais

Repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos Repartição dos rendimentos Repartição primária do rendimento rendimentos primários Rendimentos primários e rendimentos secundários Os rendimentos do trabalho (salários) e do capital (juros, lucros e rendas)

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE GEOGRAFIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE GEOGRAFIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar diferentes tipos de representação da superfície terrestre (globo terrestre, maquetes, mapas, plantas, croquis). Identificar diferenças entre as representações do espaço geográfico. Comparar

Leia mais

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Aula Data 1 29/out 1 30/out Ter 2 31/out Qua 2 1/nov Qui Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Conteúd o Especificado Economia: análise (ec. positiva ) e política (ec. normativa ),

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO XXII EXAME DE ORDEM DIREITO CIVIL: FAMÍLIA E SUCESSÕES PROF.ª CARLA CARVALHO XXII EXAME DE ORDEM DIREITO DE FAMÍLIA Temas recorrentes FAMÍLIA casamento; regime de bens partilha Alteração SUCESSÕES vocação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV PARECER QUESTÃO 43 O problema enfoca a presença holandesa em Pernambuco e Salvador. Desta forma, o importante é identificar o elemento econômico que motivou a escolha da Companhia das Índias Ocidentais por esses

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA POLÍTICA DE SAÚDE: UMA BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA. Eixo temático: Política Social e Trabalho

SERVIÇO SOCIAL NA POLÍTICA DE SAÚDE: UMA BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA. Eixo temático: Política Social e Trabalho ISSN 2359-1277 SERVIÇO SOCIAL NA POLÍTICA DE SAÚDE: UMA BREVE CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA Autora: Karine Beletatti, ka_kuty@hotmail.com Karima Omar Hamdan (orientadora), karimamga@hotmail.com Unespar Campus

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Paulo Jannuzzi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI/MDS www.mds.gov.br/sagi www.mds.gov.br/sagi

Leia mais

Sessão pública de apresentação /////////////////////////////////////////////////

Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// carta de princípios A Câmara Municipal de Torres Novas reconhece que os orçamentos participativos são um símbolo da importância

Leia mais

A História da Psicologia Social

A História da Psicologia Social Então estamos falando de duas Psicologias Sociais? A História da Psicologia PSICOLOGIA SOCIAL I PROFA. DRA. ROSANA CARNEIRO TAVARES Psicologia Tradicional: descreve, nomeia e conceitua os fenômenos psicossociais,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9º ANO Data: / 06 / 2016 Professor: Alessandro 2º Bimestre Nota: (Valor 1,0) A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

Pequenos Estudos Comunitários

Pequenos Estudos Comunitários Pequenos Estudos Comunitários O Perdão MCR Agosto de 2010 O perdão Perdão : remissão de pena ou de ofensa ou de dívida; desculpa; indulto. Forma de civilidade com que se pede desculpa. A sensação de liberdade

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

Teoria Realista das Relações Internacionais (I)

Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Teoria Realista das Relações Internacionais (I) Janina Onuki janonuki@usp.br BRI 009 Teorias Clássicas das Relações Internacionais 25 de agosto de 2016 Realismo nas RI Pressuposto central visão pessimista

Leia mais

Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau Jean-Jacques Rousseau 1712-1778 Da servidão à liberdade Temas centrais da filosofia política rousseauniana O contrato social. O surgimento da propriedade privada. A passagem do estado de natureza para

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 Contextualização O Projeto de Gestão Democrática da Educação foi desenvolvido pela SEE em 2016 e contou

Leia mais

Disciplina: SOCIOLOGIA. 1º semestre letivo de 2015

Disciplina: SOCIOLOGIA. 1º semestre letivo de 2015 Disciplina: SOCIOLOGIA 1º semestre letivo de 2015 Universidade Federal de Pelotas UFPel Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP Curso de Ciência da Computação Professor Francisco E. B. Vargas

Leia mais

RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA

RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO CONSELHO GERAL INTERNACIONAL RELAÇÕES COM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E COM A IGREJA E COM A IGREJA 1 Nestes momentos fragmentados, ficamos muito felizes com as coisas

Leia mais

Conferências ambientais e Sustentabilidade

Conferências ambientais e Sustentabilidade Conferências ambientais e Sustentabilidade 1. (UNIRIO) A ideia de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL tem sido cada vez mais discutida junto às questões que se referem ao crescimento econômico. De acordo com este

Leia mais

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES

Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Taller Evaluacion de impacto en programas de competitividad 4 o Congresso Lastinoamericano de Clusters Mendoza, 20 de novembro de 2009 Políticas de apoio a APLs no Brasil e a estratégia do BNDES Cristina

Leia mais

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão A Estrutura Etária DOS JOVENS AOS IDOSOS PIRAMIDES ETARIAS Estrutura etária é a divisão de uma população por grupos de idade e sexo - IDOSOS 60 ANOS OU MAIS

Leia mais

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE

INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE INTERFACE CAPS E PSF UMA EXPERIÊNCIA DE RESPEITO E SUCESSO EXPERIÊNCIA DE ARACAJU 2002 Ampliação do PSF cobertura de 70% da população; Implantação do Acolhimento; Na Saúde Mental a implantação de equipes

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS REALISMO RAISSA CASTELO BRANCO VIANA INTRODUÇÃO ÀS RELAÇÕES INTERNACIONAIS REALISMO Introdução: elementos do Realismo Realismo clássico Tucídides Maquiavel Hobbes Realismo neoclássico de Morgenthau Realismo

Leia mais

Câmara Municipal de São Caetano do Sul

Câmara Municipal de São Caetano do Sul SENHOR PRESIDENTE PROJETO DE LEI INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA, COM A FINALIDADE DE ELABORAR E IMPLEMENTAR O PROGRAMA DE APOIO À ECONOMIA SOLIDÁRIA E AO COOPERATIVISMO POPULAR

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais

Desigualdades e identidades sociais. Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais Desigualdades e identidades sociais Classes sociais, mobilidade social e movimentos sociais As classes sociais e as desigualdades sociais Uma desigualdade social consiste na repartição não uniforme, na

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA A consciência de nossa humanidade nesta era planetária deveria conduzir-nos à solidariedade e à comiseração recíproca, de indivíduo para indivíduo, de todos

Leia mais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais

APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais APÊNDICE A Plano Político Pedagógico da Escola de Pais Apresentação e Justificativa A exclusão é parte do convencional na coletividade humana. A discriminação tem origem em preconceitos antigos gerados

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais