As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar"

Transcrição

1 As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar A recessão económica dos últimos anos e a evidência de um excesso e/ou grande desaproveitamento da base instalada de equipamentos e sistemas de tecnologias de informação (TI) veio alterar profundamente o mercado e o comportamento das organizações, sobretudo no que respeita à política de investimentos em TI. Luís Vidigal Vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças

2 Mesmo conscientes de que as TI são ferramentas indispensáveis para a sobrevivência e sucesso da organização, estas exigem hoje uma espécie de quadratura do círculo: fazer mais, melhor e mais rápido com o mesmo ou menos, gastando menos. Hoje, o desafio de todas as organizações consiste numa combinação que passa por reduzir custos, melhorar a eficiência, aumentar a eficácia, sem deixar de crescer o negócio. A Integração é a nova palavra de ordem e o conceito e modelo de Arquitectura de Sistemas de Informação (ASI) emerge, de novo, como a fórmula mágica. De entre estes, destaca-se da ASI da autoria de John Zachman, também conhecida por modelo Zachman. Luís Vidigal, presentemente vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças, considerado o pai do Infocid, percursor do egovernment em Portugal, é um dos maiores conhecedores e especialistas nacionais em arquitecturas de sistemas de informação. Nesta entrevista aos Cadernos, explica-nos a sua importância e actualidade, designadamente, do modelo de Zachman. Afinal, o que é e em que consiste o modelo de Zachman? O modelo de Zachman tem a pretensão de enquadrar e classificar todas as ferramentas e documentos necessários à resolução de problemas complexos no âmbito dos sistemas e tecnologias de informação, através de uma planta a duas dimensões. Trata-se de uma generalização didáctica e metafórica aos sistemas e tecnologias de informação dos métodos e práticas da arquitectura e engenharia tradicionais do meio físico, que no caso dos sistemas de informação ainda carecem de maturidade e rigor metodológico, uma vez que os seus métodos e técnicas ainda estão longe de ser estáveis, sistemáticos e satis- fatórios. A arquitectura de Zachman visou introduzir 30 perspectivas diferentes em relação ao mesmo sistema de informação, tornando as diferentes valências verdadeiramente complementares e integradas para a viabilização do resultado global. O objectivo é formalizar e uniformizar a representação dos sistemas de informação, de modo a garantir, a integração dos diversos componentes de informação da organização e facilitar a sua mudança e transformação. Quais são as suas principais características, funcionalidades e metodologias? A arquitectura de Zachman consiste num quadro de referência a duas dimensões, constituída por cinco níveis na vertical que vão da representação simbólica à representação física, designadamente no que se refere ao âmbito, modelo de negócio, modelo do SI, modelo tecnológico e representações detalhadas. Estes níveis são cruzados na horizontal com seis perspectivas de abordagem, nomeadamente dados (o quê), processos (como) e redes (onde), na versão original de 1987 e pessoas (quem), tempo (quando) e motivações (porquê) na extensão efectuada em Daqui resultam 30 caixas em matriz, capazes de enquadrar as ferramentas e documentos necessários à resolução de problemas complexos no âmbito dos sistemas e tecnologias de informação. Do seu ponto de vista, qual é a sua importância hoje para os profissionais de Sistemas de Informação? A história das metodologias relacionadas com os sistemas e tecnologias da informação estão cheias de avanços e recuos, fortemente influenciados pelos enfoques fundamentalistas em que cada um se colocou para abordar o mesmo sistema objecto. As abordagens descendentes (top-down) e Entrevista - Cadernos Link N6 - Junho de

3 framework de Zachman ENTERPRISE ARCHITECTURE: A FRAMEWORK Zachman Institute for Framework Advancement What Data How Function Where Network Who People When Time Why Motivation SCOPE (Contextual) List of Things List of Processes List of Locations List of Organizations List of Cycles List of Goals Planner ENTITY = Class Of Business Entities PROCESS = Class Of Business Processes NODE = Class Of Business Locations PEOPLE = Class Of Business Organizations CYCLE = Class Of Business Cycles END = Class Of Business Objectives BUSINESS MODEL (Conceptual) e.g., Semantic Model E.g.,Business Proc. Model e.g., Logistics Network E.g.,Work Flow Model E.g., Master Schedule E.g.,Business Plan Owner ENTITY = Business Entity RELATION =Busi. Relationship I/O = Business Resources PROCES= Business Process NODE = Business Location LINK = Business Linkage PEOPLE = Organization Unit WORK = Work Product TIME = Business Event CYCLE = Business Cycle ENDS = Business Objective MEANS = Business Strategy SYSTEM MODEL (Logical) e.g., Logical Data Model e.g., Applicat. Architecture e.g., Distributed Systems e.g., Human Interface E.g.,Processing Structure Architecture Architecture E.g.,Business Rule Model Designer ENTITY = Data Entity RELATION=Data Relationship I/O = Data Elements/Sets PROCESS =Applic. Functions NODE = IS Function LINK = Line Characterist. PEOPLE = Role WORK = Deliverable TIME =System Event CYCLE = Processing Cycle ENDS = Structural Assertion MEANS = Action Assertion TECHNOLOGY MODEL (Physical) e.g., Data Design e.g., System Design e.g., Techn. Architecture E.g.,Presentation Archit. E.g., Control Structure E.g.,Business Rule Model Builder ENTITY = Table/Segm/etc RELATION = Key/Pointer/etc I/O = Data Elements/Sets PROCESS=Computer Function NODE = Hardw/Syst Softw LINK = Line Specifications PEOPLE = User WORK = Screen/Dev. Formats TIME = Execute CYCLE = Component Cycle ENDS = Condition MEANS = Action DETAILED REPRESENTATIONS (Out-of-context) e.g., Data Definition e.g., Program e.g. Network Architecture e.g. Security Architecture e.g., Timing Definition e.g., Rule Specification Subcontractor ENTITY = Field RELATION = Address I/O = Control Block PROCESS = Lang. Statement NODE = Addresses LINK = Protocols PEOPLE = Identity WORK = Job TIME = Interrupt Cycle = Machine Cycle ENDS = Sub-condition MEANS = Step FUNCTIONING ENTREPRISE e.g., Data e.g., Function e.g., Network e.g., Organization e.g., Schedule e.g., Strategy THE ZACHMAN FRAMEWORK FOR ENTREPRISE ARCHITECTURE ascendentes (bottom-up), a necessidade de responder rapidamente ao mercado (time to market), as pressões pragmáticas e os constrangimentos financeiros, entre outros motivos, conduziram à desvalorização do formalismo metodológico, capaz de responder hoje aos desígnios tão esperados da interoperabilidade semântica e tecnológica dos vários sistemas de informação que, entretanto, foram crescendo como cogumelos isolados. A minha experiência situa-se sobretudo no interior das administrações públicas e da importância que as arquitecturas dos sistemas de informação possuem para o processo de reforma do Estado, enquanto sistema complexo, com recurso às tecnologias de informação e comunicação. O que verifico é que cada vez as pressões vêm mais no sentido de se comprar precipitadamente soluções sem primeiro se reflectir nos problemas que seria suposto resolver. As frustrações e os desencantos dos profissionais de sistemas de informação, são a demonstração da ausência de uma planta arquitectónica que coloque cada actor (profissional, gestor ou político) no seu lugar e no seu correspondente papel. Porque é que a ASI de Zachman é considerada uma referência no mercado e entre os utilizadores? Qual é a sua actualidade? Zachman definiu a Arquitectura da Empresa como o conjunto de representações necessárias à descrição de um Sistema/ Empresa (ou conjuntos de sistemas) com vista à sua construção, manutenção e evolução. Zachman influenciou decisivamente os modelos referenciais das administrações públicas em todo o mundo, nomeadamente a FEA (Federal Enterprise Architecture) dos EUA, o SAGA (Standards and Architectures for e-government Applications) da Alemanha, o Interoperability Framework for the Common-wealth Government da Austrália, o REACH - Public Services Broker da Irlanda, o e- GIF (e-government Interoperability Framework) do Reino Unido, etc. Na 37 a Conferência do ICA (International Council for Information Technology in Government Administration) no final do ano passado, várias delegações nacionais afirmaram convictamente que não valia a pena inventar novos referênciais para as arquitecturas dos sistemas de informação na administração pública, pois quando nos referimos a arquitecturas referimo-nos ao framework de Zachman. 10 N6 - Junho de 2004 Cadernos Link - Entrevista

4 tura baseados nos mesmos referenciais. Zachman tentou dar formalismo aos referenciais que suportam a arquitectura dos sistemas de informação, independentemente da sua escala e complexidade. Onde está o seu valor acrescentado? Trata-se de um esforço para definir e alinhar visões diferentes da mesma realidade, percebendo-se e valorizando-se as perspectivas em que cada um se coloca na matriz para representar o mesmo sistema de informação, ganhando-se elevados níveis de complementaridade e sinergia positiva. Compreender a natureza holística e interdisciplinar das arquitecturas do sistema de informação, desde as suas representações mais simbólicas às mais tecnológicas, é sem dúvida o seu maior valor acrescentado. E não tem limitações?... Como todas as metodologias que pretendem dominar a complexidade formalizando e encerrando os resultados numa taxinomia fechada, corre-se o risco de congelar a realidade, aproximando-se mais dos sistemas mecânicos do que dos sistemas orgânicos e dinâmicos, característicos do mundo social em que se inserem e que visam servir. Esta será a sua maior limitação. Mais recentemente assiste-se a um realinhamento das arquitecturas para os processos, SOA (Service-Oriented Architecture), questionando e dando mais pragmatismo à cascata tradicional que vai do planeamento, à análise, à concepção e à construção. As arquitecturas orientadas aos processos focam sobretudo a modelação dos processos de negócio, a concepção e a interligação dos workflows, etc., tornando mandatória a criação de repositórios comuns de informação e a correspondente análise, modelação e partilha de dados. A existência destes referenciais tornam também mais claros e transparentes os relacionamentos entre as administrações públicas e o mercado e constituem modelos de referência para os requisitos a que devem obedecer as ferramentas de análise e modelação de processos que vão surgindo no mercado das BPA (Business Process Analysis) e das respectivas ferramentas arquitectónicas (ARIS, Casewise, MEGA, Metis, Popkin, ProVision, etc) O que é que a diferencia de outras opções? Constituiu talvez a primeira abordagem que não se fixou simplesmente na cascata descendente tradicional e que soube valorizar todas as perspectivas independentemente do nível hierárquico e funcional a que se referem (planificador, dono, responsável pelo SI, responsável aplicacional ou implementador) e às questões dos seis W a que cada um tem de responder ao seu nível (What, how, Where, Who, When e Why). Imagine-se a construção de uma casa rústica ou de uma catedral, independentemente do seu tamanho e grau de complexidade. Ambas necessitam de projectos de arquitec- Na sua opinião, a ASI de Zachman é aplicável ou especialmente recomendável para qualquer tipo de organização? Sim. A universalidade, na sua aplicação, a casos e sectores bem distintos foi, sem dúvida, um dos propósitos de Zachman ao comparar os sistemas de informação, quaisquer que eles sejam, a edifícios que precisam ser planificados com grande rigor interdisciplinar antes de ser construídos. Existem algum tipo de condições que uma organização deve preencher para receber a ASI de Zachman? Para que uma organização possa desencadear um processo de arquitectura é preciso que reconheça, antes de mais, a importância da interdisciplinaridade na resolução de problemas. Tal como no meio físico um engenheiro ou um construtor civil deverão reconhecer a importância de um arquitecto para conceber e mapear o espaço, também no espaço simbólico que constituem os sistemas de informação deverão ser obrigatórias as respectivas arquitecturas prévias. Uma organização que pretende aplicar o framework de Zachman ou outro semelhante, é uma organização que valoriza a cooperação e a interoperabilidade para chegar a resultados. Através deste quadro podem definir-se os negócios, os modelos, as regras, os elementos, os locais, os actores, as conexões, os programas, as redes, etc., ficandose a saber que cooperar não significa perder poder. Entrevista - Cadernos Link N6 - Junho de

5 Quem é Luís Vidigal Luís Vidigal tem mais de 30 anos de experiência em Reforma Administrativa, especialmente através da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicações. Presentemente vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças. Reconhecido consultor nacional e internacional nas áreas de e-government, foi subdirector Geral da Direcção Geral de Informática Tributária e Aduaneira entre 1998 e 2001 e subdirector Geral do Secretariado para a Modernização Administrativa entre 1992 e Entre 1989 e 1998 foi fundador e coordenador executivo do INFOCID - Sistema Interdepartamental de Informação ao Cidadão entre 1989 e De 1996 a 1999 fez ainda parte da equipa de Missão para a Sociedade da Informação. Para lá da sua actividade profissional, Luís Vidigal é conferencista em numerosos eventos no país e no estrangeiro sobre e- Government e sobre o uso das TIC na relação entre o Estado e a Sociedade. É ainda membro da Direcção e sócio fundador da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI) e membro da Direcção de várias organizações e associações nacionais e internacionais. Quem é John Zachman John A. Zachman foi o criador do framework for Enterprise Architecture que recebeu larga aceitação em todo o mundo, como um quadro de referência integrador de representações descritivas de uma empresa. Ele não é apenas conhecido pelo seu trabalho sobre arquitecturas de empresa, mas também pelos seus contributos iniciais para o Business Systems Planning da IBM. Zachman está envolvido em estratégias e arquitectura de sistemas de informação desde 1970 e foi autor de vários artigos sobre estes temas. Foi conferencista e animador no mundo inteiro, em inúmeras sessões para executivos, equipas de planeamento e profissionais de informação em geral. Zachman encontra-se hoje reformado da IBM, onde foi funcionário durante 26 anos. Actualmente é Chief Executive Officer do Zachman Institute for Framework Advancement (ZIFA), uma organização dedicada ao desenvolvimento conceptual e à implementação das Arquitecturas de Empresa. É responsável pela empresa Zachman International, a partir da qual lecciona e dá consultoria. È membro da Direcção da Framework Software, do Warehouse/Repository/Architecture/Development (WRAD) Users Group; do Advisory Board of the Data Administration Management Association (DAMA) International e do Advisory Board for the Data Resource Management Program da Universidade de Washington. Bibliografia de Zachman John A. Zachman, A Framework for Information Systems Architecture, IBM Systems Journal, Vol 26, No 3, IBM Publication; Extending and Formalising the Framework for Information Systems Architecture, J.F. Sowa and J.A. Zachman, IBM Systems Journal, Vol 31, No 3, IBM Publication; John Zachman, Concepts of the Framework for Enterprise Architecture, Zachman International, Los Angeles: CA (1996); John Zachman, Enterprise Architecture and Legacy Systems, Zachman International, Los Angeles: CA (1995); John Zachman, The Challenge is Change: A Management Paper, Zachman International, Los Angeles: CA (1995). Como é que caracterizaria a utilização da ASI de Zachman nas organizações portuguesas? Para além das reflexões académicas e de algumas experiências pontuais, Portugal, de um modo geral, ainda dá pouca importância às arquitecturas dos sistemas de informação, tal como ainda acontece com o desprezo a que ainda estão votadas as arquitecturas no nosso espaço urbano. No nosso caso, o Instituto de Informática, nos anos 70 e 80, foi sem dúvida uma instituição de referência particularmente preocupada com as metodologias de planeamento e análise de sistemas de informação, estando neste momento a retomar alguma da sua tradição nestes domínios, por força do papel que desempenha na Administração Pública portuguesa em geral e no Ministério das Finanças em particular. Não conheço a situação das empresas portuguesas, mas no caso da Administração Pública ainda é muito fraco o investimento em arquitecturas de sistemas de informação e na criação e desenvolvimento de competências nesta área. E nos outros países? Estamos mais ou menos avançados?... Antes de lhe responder directamente, deixe-me contextualizar a resposta. Em primeiro lugar, nunca, como hoje, se tornou tão necessária e até mesmo obrigatória a definição de arquitecturas. O mundo viveu nos últimos vinte anos uma desconexão tecnológica e informacional excessiva, a informática tornou-se mais pessoal do que institucional. E, apesar da revolução da Internet, o trabalho ainda não é cooperativo, os processos ainda não são suficientemente fluídos e desmaterializados, as organizações ainda não se reconhecem no seu espaço alargado junto de clientes, fornecedores e parceiros, que são capazes de partilhar o seu mesmo ambiente operacional. O que verifico é que, apesar de estarem disponíveis algumas ferramentas facilitadoras, estes métodos não vêm em caixas e não se vendem em supermercados, pois trata-se sobretudo de promover novas atitudes de gestão. No nosso caso, em Portugal, julgo que não estará tão atrasado nestes domínios como noutros em que se requer uma perspectiva sistémica orientada a resultados. Não poderemos, contudo, confundir alguns modelos baseados em cascata de objectivos, que infelizmente nos conduzem a sistemas meramente mecânicos e cada vez mais burocratizados, com estas novas metodologias cada vez mais orgânicas e holísticas, que nos conduzem à qualidade, à excelência e à realização social. 12 N6 - Junho de 2004 Cadernos Link - Entrevista

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 -

Glossário BiSL. Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - Glossário BiSL Bert Pranger / Michelle Hofland 28 Maio 2012 Versão 1.0-1 - 1. Glossário de Terminologia Terminologia em Inglês Terminologia em Português BiSL processes Processos de BiSL Business data management

Leia mais

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK

ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK ISO/IEC 20000 DOIS CASOS DE SUCESSO DE CLIENTES QUALIWORK A Norma ISO/IEC 20000:2011 Information technology Service management Part 1: Service management system requirements é uma Norma de Qualidade que

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Estrutura para Arquitetura de Sistemas de Informação

Estrutura para Arquitetura de Sistemas de Informação Universidade Estadual de Maringá- Departamento de Informática Estrutura para Arquitetura de Sistemas de Informação Tania Fatima Calvi Tait Maringá, fevereiro/2002 Roteiro de apresentação Considerações

Leia mais

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de Associação Portuguesa dos Profissionais de Gestão de Processos de Negócio 28 de Junho 2011 Há um novo profissional no mundo actual dos negócios, o profissional de processos de negócio. O trabalho que realizam

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

Sector das TI s em Portugal e Projectos de

Sector das TI s em Portugal e Projectos de Sector das TI s em Portugal e Projectos de Financiamento Seminário Modelos de Gestão em Tecnologias de Informação: Gestão de Serviços, da Segurança e da Inovação 18 Nov 2010 Escola de Engenharia da Universidade

Leia mais

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013

ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL. Março 2013 ARQUITETURA CORPORATIVA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DE TI SUSTENTÁVEL Março 2013 Aitec Brasil Apresentação Institucional Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/2000 Cap. 6. As etapas do projecto 1 6.1. As etapas básicas CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO IDEIA!!! FORMULAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE DECISÃO PLANIFICAÇÃO EXECUÇÃO

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Requisitos e Modelação

Requisitos e Modelação Requisitos e Modelação combinação essencial para melhorar o processo de desenvolvimento de software Class4 -End1 -End2 Class1 * * System Actor1 * -End3 -End5 -End7 * Actor2 UseCase1 -End4 * UseCase2 -End6

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares IBM Rational software possibilita práticas Agile e reutilização mais ampla de ativos Visão geral A necessidade IBM Software

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Gestão de Sistemas de Informação Luis

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Gestão Documental na Administração Pública

Gestão Documental na Administração Pública Gestão Documental na Administração Pública 6 de dezembro de 2012 Auditório da Torre do Tombo Patrocínio Gold Patrocinadores Globais APDSI Patrocínio Prata Polícia Judiciária: Gestão de Documentos, Processos,

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 information TECHNOLOGY Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais IT Governance Alinhar as TI s com o negócio Os projetos

Leia mais

22301 Lead Auditor. Certified. Bringing value to you! ANSI Accredited Program FORMAÇÃO EM CONTINUIDADE DE NEGÓCIO

22301 Lead Auditor. Certified. Bringing value to you! ANSI Accredited Program FORMAÇÃO EM CONTINUIDADE DE NEGÓCIO ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead Auditor Bringing value to you! AUDITAR SISTEMAS DE GESTÃO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIO () BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Introdução Conceituação Transformando a TI: de Operacional para Estratégica Por que implementar Quem implementou Quem está implementando Como Implementar

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha:

Projecto GTBC. leading excellence 1. Portugal: Espanha: Projecto GTBC Portugal: Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 2º 1000-081 Lisboa Tel.: +351 217 921 920 Fax: +351 217 921 929 www.gtbc.pt info@gtbc.pt Espanha: CalleAtocha, 20, 2ªIzq 28012 Madrid Tel.: +34

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

A gestão da qualidade e a série ISO 9000

A gestão da qualidade e a série ISO 9000 A gestão da qualidade e a série ISO 9000 Seminário QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃ ÇÃO FLUP 3 Novembro 2005 3 Novembro 2005 Maria Beatriz Marques / APQ-DRN A gestão da qualidade e a série

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão

Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência da Oferta de Serviços ao Cidadão MTTI/CNTI 2015 Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação Centro Nacional das Tecnologias de Informação Arquitectura Global de Interoperabilidade PNAGIA Proximidade, Diversidade e Eficiência

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Unified Process e MSF

Unified Process e MSF Unified Process e MSF Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Metodologias de Desenvolvimento de Software Agenda Metodologia PREDITIVAS (tradicionais) UP MSF Metodologias Adaptativas(Ageis) XP Scrum

Leia mais

BTree, Sistemas de Informação

BTree, Sistemas de Informação Preliminary Letter BTree, Sistemas de Informação Soluções à medida das suas necessidades Preliminary Letter Sedeada em Braga em 2003, a BTree é uma empresa que tem por objectivo o desenvolvimento, comercialização

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações

Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Curso de Pós-Graduação em Sistemas e Tecnologias de Informação para as organizações Instituto Superior de Economia e Gestão Universidade Técnica de Lisboa 2 A globalização da Sociedade da Informação em

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Implementação do Plano de Classificação municípios de Santarém e Torres Vedras

Implementação do Plano de Classificação municípios de Santarém e Torres Vedras I Workshop sobre o Plano de Classifica ção da Informação Arquivísti ca para a Administra ção Local (versão 0.2) 20 de março de 2014 Implementação do Plano de Classificação Carlos Guardado da Silva SANTARÉM

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI

A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI 10 Anos da Sociedade de Informação 2 de Novembro de 2006 FIL Parque das Nações A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João Catarino Tavares ( ) Patrocínio Apoio A Reforma da AP e a evolução dos SI/TI João

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas Programa da Unidade Curricular Gestão de Sistemas de Informação I

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais