As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar"

Transcrição

1 As ASI têm uma visão holística e interdisciplinar A recessão económica dos últimos anos e a evidência de um excesso e/ou grande desaproveitamento da base instalada de equipamentos e sistemas de tecnologias de informação (TI) veio alterar profundamente o mercado e o comportamento das organizações, sobretudo no que respeita à política de investimentos em TI. Luís Vidigal Vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças

2 Mesmo conscientes de que as TI são ferramentas indispensáveis para a sobrevivência e sucesso da organização, estas exigem hoje uma espécie de quadratura do círculo: fazer mais, melhor e mais rápido com o mesmo ou menos, gastando menos. Hoje, o desafio de todas as organizações consiste numa combinação que passa por reduzir custos, melhorar a eficiência, aumentar a eficácia, sem deixar de crescer o negócio. A Integração é a nova palavra de ordem e o conceito e modelo de Arquitectura de Sistemas de Informação (ASI) emerge, de novo, como a fórmula mágica. De entre estes, destaca-se da ASI da autoria de John Zachman, também conhecida por modelo Zachman. Luís Vidigal, presentemente vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças, considerado o pai do Infocid, percursor do egovernment em Portugal, é um dos maiores conhecedores e especialistas nacionais em arquitecturas de sistemas de informação. Nesta entrevista aos Cadernos, explica-nos a sua importância e actualidade, designadamente, do modelo de Zachman. Afinal, o que é e em que consiste o modelo de Zachman? O modelo de Zachman tem a pretensão de enquadrar e classificar todas as ferramentas e documentos necessários à resolução de problemas complexos no âmbito dos sistemas e tecnologias de informação, através de uma planta a duas dimensões. Trata-se de uma generalização didáctica e metafórica aos sistemas e tecnologias de informação dos métodos e práticas da arquitectura e engenharia tradicionais do meio físico, que no caso dos sistemas de informação ainda carecem de maturidade e rigor metodológico, uma vez que os seus métodos e técnicas ainda estão longe de ser estáveis, sistemáticos e satis- fatórios. A arquitectura de Zachman visou introduzir 30 perspectivas diferentes em relação ao mesmo sistema de informação, tornando as diferentes valências verdadeiramente complementares e integradas para a viabilização do resultado global. O objectivo é formalizar e uniformizar a representação dos sistemas de informação, de modo a garantir, a integração dos diversos componentes de informação da organização e facilitar a sua mudança e transformação. Quais são as suas principais características, funcionalidades e metodologias? A arquitectura de Zachman consiste num quadro de referência a duas dimensões, constituída por cinco níveis na vertical que vão da representação simbólica à representação física, designadamente no que se refere ao âmbito, modelo de negócio, modelo do SI, modelo tecnológico e representações detalhadas. Estes níveis são cruzados na horizontal com seis perspectivas de abordagem, nomeadamente dados (o quê), processos (como) e redes (onde), na versão original de 1987 e pessoas (quem), tempo (quando) e motivações (porquê) na extensão efectuada em Daqui resultam 30 caixas em matriz, capazes de enquadrar as ferramentas e documentos necessários à resolução de problemas complexos no âmbito dos sistemas e tecnologias de informação. Do seu ponto de vista, qual é a sua importância hoje para os profissionais de Sistemas de Informação? A história das metodologias relacionadas com os sistemas e tecnologias da informação estão cheias de avanços e recuos, fortemente influenciados pelos enfoques fundamentalistas em que cada um se colocou para abordar o mesmo sistema objecto. As abordagens descendentes (top-down) e Entrevista - Cadernos Link N6 - Junho de

3 framework de Zachman ENTERPRISE ARCHITECTURE: A FRAMEWORK Zachman Institute for Framework Advancement What Data How Function Where Network Who People When Time Why Motivation SCOPE (Contextual) List of Things List of Processes List of Locations List of Organizations List of Cycles List of Goals Planner ENTITY = Class Of Business Entities PROCESS = Class Of Business Processes NODE = Class Of Business Locations PEOPLE = Class Of Business Organizations CYCLE = Class Of Business Cycles END = Class Of Business Objectives BUSINESS MODEL (Conceptual) e.g., Semantic Model E.g.,Business Proc. Model e.g., Logistics Network E.g.,Work Flow Model E.g., Master Schedule E.g.,Business Plan Owner ENTITY = Business Entity RELATION =Busi. Relationship I/O = Business Resources PROCES= Business Process NODE = Business Location LINK = Business Linkage PEOPLE = Organization Unit WORK = Work Product TIME = Business Event CYCLE = Business Cycle ENDS = Business Objective MEANS = Business Strategy SYSTEM MODEL (Logical) e.g., Logical Data Model e.g., Applicat. Architecture e.g., Distributed Systems e.g., Human Interface E.g.,Processing Structure Architecture Architecture E.g.,Business Rule Model Designer ENTITY = Data Entity RELATION=Data Relationship I/O = Data Elements/Sets PROCESS =Applic. Functions NODE = IS Function LINK = Line Characterist. PEOPLE = Role WORK = Deliverable TIME =System Event CYCLE = Processing Cycle ENDS = Structural Assertion MEANS = Action Assertion TECHNOLOGY MODEL (Physical) e.g., Data Design e.g., System Design e.g., Techn. Architecture E.g.,Presentation Archit. E.g., Control Structure E.g.,Business Rule Model Builder ENTITY = Table/Segm/etc RELATION = Key/Pointer/etc I/O = Data Elements/Sets PROCESS=Computer Function NODE = Hardw/Syst Softw LINK = Line Specifications PEOPLE = User WORK = Screen/Dev. Formats TIME = Execute CYCLE = Component Cycle ENDS = Condition MEANS = Action DETAILED REPRESENTATIONS (Out-of-context) e.g., Data Definition e.g., Program e.g. Network Architecture e.g. Security Architecture e.g., Timing Definition e.g., Rule Specification Subcontractor ENTITY = Field RELATION = Address I/O = Control Block PROCESS = Lang. Statement NODE = Addresses LINK = Protocols PEOPLE = Identity WORK = Job TIME = Interrupt Cycle = Machine Cycle ENDS = Sub-condition MEANS = Step FUNCTIONING ENTREPRISE e.g., Data e.g., Function e.g., Network e.g., Organization e.g., Schedule e.g., Strategy THE ZACHMAN FRAMEWORK FOR ENTREPRISE ARCHITECTURE ascendentes (bottom-up), a necessidade de responder rapidamente ao mercado (time to market), as pressões pragmáticas e os constrangimentos financeiros, entre outros motivos, conduziram à desvalorização do formalismo metodológico, capaz de responder hoje aos desígnios tão esperados da interoperabilidade semântica e tecnológica dos vários sistemas de informação que, entretanto, foram crescendo como cogumelos isolados. A minha experiência situa-se sobretudo no interior das administrações públicas e da importância que as arquitecturas dos sistemas de informação possuem para o processo de reforma do Estado, enquanto sistema complexo, com recurso às tecnologias de informação e comunicação. O que verifico é que cada vez as pressões vêm mais no sentido de se comprar precipitadamente soluções sem primeiro se reflectir nos problemas que seria suposto resolver. As frustrações e os desencantos dos profissionais de sistemas de informação, são a demonstração da ausência de uma planta arquitectónica que coloque cada actor (profissional, gestor ou político) no seu lugar e no seu correspondente papel. Porque é que a ASI de Zachman é considerada uma referência no mercado e entre os utilizadores? Qual é a sua actualidade? Zachman definiu a Arquitectura da Empresa como o conjunto de representações necessárias à descrição de um Sistema/ Empresa (ou conjuntos de sistemas) com vista à sua construção, manutenção e evolução. Zachman influenciou decisivamente os modelos referenciais das administrações públicas em todo o mundo, nomeadamente a FEA (Federal Enterprise Architecture) dos EUA, o SAGA (Standards and Architectures for e-government Applications) da Alemanha, o Interoperability Framework for the Common-wealth Government da Austrália, o REACH - Public Services Broker da Irlanda, o e- GIF (e-government Interoperability Framework) do Reino Unido, etc. Na 37 a Conferência do ICA (International Council for Information Technology in Government Administration) no final do ano passado, várias delegações nacionais afirmaram convictamente que não valia a pena inventar novos referênciais para as arquitecturas dos sistemas de informação na administração pública, pois quando nos referimos a arquitecturas referimo-nos ao framework de Zachman. 10 N6 - Junho de 2004 Cadernos Link - Entrevista

4 tura baseados nos mesmos referenciais. Zachman tentou dar formalismo aos referenciais que suportam a arquitectura dos sistemas de informação, independentemente da sua escala e complexidade. Onde está o seu valor acrescentado? Trata-se de um esforço para definir e alinhar visões diferentes da mesma realidade, percebendo-se e valorizando-se as perspectivas em que cada um se coloca na matriz para representar o mesmo sistema de informação, ganhando-se elevados níveis de complementaridade e sinergia positiva. Compreender a natureza holística e interdisciplinar das arquitecturas do sistema de informação, desde as suas representações mais simbólicas às mais tecnológicas, é sem dúvida o seu maior valor acrescentado. E não tem limitações?... Como todas as metodologias que pretendem dominar a complexidade formalizando e encerrando os resultados numa taxinomia fechada, corre-se o risco de congelar a realidade, aproximando-se mais dos sistemas mecânicos do que dos sistemas orgânicos e dinâmicos, característicos do mundo social em que se inserem e que visam servir. Esta será a sua maior limitação. Mais recentemente assiste-se a um realinhamento das arquitecturas para os processos, SOA (Service-Oriented Architecture), questionando e dando mais pragmatismo à cascata tradicional que vai do planeamento, à análise, à concepção e à construção. As arquitecturas orientadas aos processos focam sobretudo a modelação dos processos de negócio, a concepção e a interligação dos workflows, etc., tornando mandatória a criação de repositórios comuns de informação e a correspondente análise, modelação e partilha de dados. A existência destes referenciais tornam também mais claros e transparentes os relacionamentos entre as administrações públicas e o mercado e constituem modelos de referência para os requisitos a que devem obedecer as ferramentas de análise e modelação de processos que vão surgindo no mercado das BPA (Business Process Analysis) e das respectivas ferramentas arquitectónicas (ARIS, Casewise, MEGA, Metis, Popkin, ProVision, etc) O que é que a diferencia de outras opções? Constituiu talvez a primeira abordagem que não se fixou simplesmente na cascata descendente tradicional e que soube valorizar todas as perspectivas independentemente do nível hierárquico e funcional a que se referem (planificador, dono, responsável pelo SI, responsável aplicacional ou implementador) e às questões dos seis W a que cada um tem de responder ao seu nível (What, how, Where, Who, When e Why). Imagine-se a construção de uma casa rústica ou de uma catedral, independentemente do seu tamanho e grau de complexidade. Ambas necessitam de projectos de arquitec- Na sua opinião, a ASI de Zachman é aplicável ou especialmente recomendável para qualquer tipo de organização? Sim. A universalidade, na sua aplicação, a casos e sectores bem distintos foi, sem dúvida, um dos propósitos de Zachman ao comparar os sistemas de informação, quaisquer que eles sejam, a edifícios que precisam ser planificados com grande rigor interdisciplinar antes de ser construídos. Existem algum tipo de condições que uma organização deve preencher para receber a ASI de Zachman? Para que uma organização possa desencadear um processo de arquitectura é preciso que reconheça, antes de mais, a importância da interdisciplinaridade na resolução de problemas. Tal como no meio físico um engenheiro ou um construtor civil deverão reconhecer a importância de um arquitecto para conceber e mapear o espaço, também no espaço simbólico que constituem os sistemas de informação deverão ser obrigatórias as respectivas arquitecturas prévias. Uma organização que pretende aplicar o framework de Zachman ou outro semelhante, é uma organização que valoriza a cooperação e a interoperabilidade para chegar a resultados. Através deste quadro podem definir-se os negócios, os modelos, as regras, os elementos, os locais, os actores, as conexões, os programas, as redes, etc., ficandose a saber que cooperar não significa perder poder. Entrevista - Cadernos Link N6 - Junho de

5 Quem é Luís Vidigal Luís Vidigal tem mais de 30 anos de experiência em Reforma Administrativa, especialmente através da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicações. Presentemente vogal do Conselho de Direcção do Instituto de Informática do Ministério das Finanças. Reconhecido consultor nacional e internacional nas áreas de e-government, foi subdirector Geral da Direcção Geral de Informática Tributária e Aduaneira entre 1998 e 2001 e subdirector Geral do Secretariado para a Modernização Administrativa entre 1992 e Entre 1989 e 1998 foi fundador e coordenador executivo do INFOCID - Sistema Interdepartamental de Informação ao Cidadão entre 1989 e De 1996 a 1999 fez ainda parte da equipa de Missão para a Sociedade da Informação. Para lá da sua actividade profissional, Luís Vidigal é conferencista em numerosos eventos no país e no estrangeiro sobre e- Government e sobre o uso das TIC na relação entre o Estado e a Sociedade. É ainda membro da Direcção e sócio fundador da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI) e membro da Direcção de várias organizações e associações nacionais e internacionais. Quem é John Zachman John A. Zachman foi o criador do framework for Enterprise Architecture que recebeu larga aceitação em todo o mundo, como um quadro de referência integrador de representações descritivas de uma empresa. Ele não é apenas conhecido pelo seu trabalho sobre arquitecturas de empresa, mas também pelos seus contributos iniciais para o Business Systems Planning da IBM. Zachman está envolvido em estratégias e arquitectura de sistemas de informação desde 1970 e foi autor de vários artigos sobre estes temas. Foi conferencista e animador no mundo inteiro, em inúmeras sessões para executivos, equipas de planeamento e profissionais de informação em geral. Zachman encontra-se hoje reformado da IBM, onde foi funcionário durante 26 anos. Actualmente é Chief Executive Officer do Zachman Institute for Framework Advancement (ZIFA), uma organização dedicada ao desenvolvimento conceptual e à implementação das Arquitecturas de Empresa. É responsável pela empresa Zachman International, a partir da qual lecciona e dá consultoria. È membro da Direcção da Framework Software, do Warehouse/Repository/Architecture/Development (WRAD) Users Group; do Advisory Board of the Data Administration Management Association (DAMA) International e do Advisory Board for the Data Resource Management Program da Universidade de Washington. Bibliografia de Zachman John A. Zachman, A Framework for Information Systems Architecture, IBM Systems Journal, Vol 26, No 3, IBM Publication; Extending and Formalising the Framework for Information Systems Architecture, J.F. Sowa and J.A. Zachman, IBM Systems Journal, Vol 31, No 3, IBM Publication; John Zachman, Concepts of the Framework for Enterprise Architecture, Zachman International, Los Angeles: CA (1996); John Zachman, Enterprise Architecture and Legacy Systems, Zachman International, Los Angeles: CA (1995); John Zachman, The Challenge is Change: A Management Paper, Zachman International, Los Angeles: CA (1995). Como é que caracterizaria a utilização da ASI de Zachman nas organizações portuguesas? Para além das reflexões académicas e de algumas experiências pontuais, Portugal, de um modo geral, ainda dá pouca importância às arquitecturas dos sistemas de informação, tal como ainda acontece com o desprezo a que ainda estão votadas as arquitecturas no nosso espaço urbano. No nosso caso, o Instituto de Informática, nos anos 70 e 80, foi sem dúvida uma instituição de referência particularmente preocupada com as metodologias de planeamento e análise de sistemas de informação, estando neste momento a retomar alguma da sua tradição nestes domínios, por força do papel que desempenha na Administração Pública portuguesa em geral e no Ministério das Finanças em particular. Não conheço a situação das empresas portuguesas, mas no caso da Administração Pública ainda é muito fraco o investimento em arquitecturas de sistemas de informação e na criação e desenvolvimento de competências nesta área. E nos outros países? Estamos mais ou menos avançados?... Antes de lhe responder directamente, deixe-me contextualizar a resposta. Em primeiro lugar, nunca, como hoje, se tornou tão necessária e até mesmo obrigatória a definição de arquitecturas. O mundo viveu nos últimos vinte anos uma desconexão tecnológica e informacional excessiva, a informática tornou-se mais pessoal do que institucional. E, apesar da revolução da Internet, o trabalho ainda não é cooperativo, os processos ainda não são suficientemente fluídos e desmaterializados, as organizações ainda não se reconhecem no seu espaço alargado junto de clientes, fornecedores e parceiros, que são capazes de partilhar o seu mesmo ambiente operacional. O que verifico é que, apesar de estarem disponíveis algumas ferramentas facilitadoras, estes métodos não vêm em caixas e não se vendem em supermercados, pois trata-se sobretudo de promover novas atitudes de gestão. No nosso caso, em Portugal, julgo que não estará tão atrasado nestes domínios como noutros em que se requer uma perspectiva sistémica orientada a resultados. Não poderemos, contudo, confundir alguns modelos baseados em cascata de objectivos, que infelizmente nos conduzem a sistemas meramente mecânicos e cada vez mais burocratizados, com estas novas metodologias cada vez mais orgânicas e holísticas, que nos conduzem à qualidade, à excelência e à realização social. 12 N6 - Junho de 2004 Cadernos Link - Entrevista

Planeamento de Projectos

Planeamento de Projectos de Projectos José Cruz Filipe 1 Tópicos O processo geral O planeamento das actividades O planeamento de tempos O planeamentos dos custos O planeamento do risco 2 1 O processo geral O Triângulo Fatal Recursos

Leia mais

de contexto em segurança computacional

de contexto em segurança computacional Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Universidade de São Paulo Uso de informações de contexto em segurança computacional Francisco Gomes Milagres Prof. Dr. Edson dos Santos Moreira São Carlos,

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

Cursos IST/OE(RS) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia)

Cursos IST/OE(RS) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia) Cursos IST/OE(RS) Curso de Engenharia Económica (EE) (Análises Económica e de Decisão aplicadas à avaliação de projetos de engenharia) Quintas-feiras, 19h às 22h, sala VA1, Pavilhão de Civil, IST Alameda.

Leia mais

Gerenciamento e Administração de Redes

Gerenciamento e Administração de Redes Gerenciamento e Administração de Redes ITIL 1 O que é ITIL? Information Technology Infrastructure Library (ITIL) é uma biblioteca de boas práticas (do inglês best practices), de domínio público, desenvolvida

Leia mais

Avaliação do desempenho Potencial do Gestor de Sistemas de Informação com base na experiência, formação e características pessoais

Avaliação do desempenho Potencial do Gestor de Sistemas de Informação com base na experiência, formação e características pessoais Avaliação do desempenho Potencial do Gestor de Sistemas de Informação com base na experiência, formação e características pessoais Evaluation of the Potential Performance of the Chief Information Officer

Leia mais

SME Instrument Perspectivas de um Avaliador

SME Instrument Perspectivas de um Avaliador SME Instrument Perspectivas de um Avaliador Pedro Portela Seminário Horizonte 2020 :Oportunidades para a Indústria, AIMMAP, 14/10/2014 Conteúdo Nota biográfica O que é SME Instrument SME Instrument é para

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃ ÇÃO DA EMPRESA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITOS BÁSICOS Negócios Internacionais TRANSACÇÕES QUE CRUZAM AS FRONTEIRAS NACIONAIS Empresa A País A Empresa B Empresa

Leia mais

Do i-government ao c-government. O Papel do Governo na Promoção da Inovação Tecnológica e nas Redes de Cooperação. 21 de Fevereiro de 2008

Do i-government ao c-government. O Papel do Governo na Promoção da Inovação Tecnológica e nas Redes de Cooperação. 21 de Fevereiro de 2008 Do i-government ao c-government O Papel do Governo na Promoção da Inovação Tecnológica e nas Redes de Cooperação 21 de Fevereiro de 2008 Resumo da Apresentação Caso Prático: Projecto CERDIGSEG Huelva,

Leia mais

Certified Business Analysis Professional (CBAP )

Certified Business Analysis Professional (CBAP ) Certified Business Analysis Professional (CBAP ) Formato do curso: Presencial Localidade: Porto Com certificação: Certified Business Analysis Professional (CBAP ) Data: 13 Fev. 2017 a 17 Fev. 2017 Preço:

Leia mais

UML Diagramas de Pacotes (Packages) e Modelação da Arquitectura Lógica. UML Diagramas de Pacotes v.1.1, João Pascoal Faria, 2001

UML Diagramas de Pacotes (Packages) e Modelação da Arquitectura Lógica. UML Diagramas de Pacotes v.1.1, João Pascoal Faria, 2001 UML Diagramas de Pacotes (Packages) e Modelação da Arquitectura Lógica 1 Pacotes Um pacote (package) em UML é um mecanismo de agrupamento genérico Notação: pasta com o nome no interior ou na pega No caso

Leia mais

CURRICULUM VITAE. 1. DADOS PESSOAIS Vitalino José Ferreira Prova Canas Nascido em 14 de Julho de 1959, em Caldas da Rainha - Portugal Três filhos.

CURRICULUM VITAE. 1. DADOS PESSOAIS Vitalino José Ferreira Prova Canas Nascido em 14 de Julho de 1959, em Caldas da Rainha - Portugal Três filhos. 1 CURRICULUM VITAE 1. DADOS PESSOAIS Vitalino José Ferreira Prova Canas Nascido em 14 de Julho de 1959, em Caldas da Rainha - Portugal Três filhos. 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS 2.1. Licenciado em Ciências

Leia mais

Análise de Valor Agregado Conceitos Basicos

Análise de Valor Agregado Conceitos Basicos Análise de Valor Agregado Conceitos Basicos Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP ricardo.vargas@macrosolutions.com.br Ricardo Viana Vargas, MSc, IPMA-B, PMP Ricardo Vargas é especialista em gerenciamento

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Research Data Management at INESC TEC using Dendro, CKAN and EUDAT

Research Data Management at INESC TEC using Dendro, CKAN and EUDAT Research Data Management at INESC TEC using Dendro, CKAN and EUDAT Cristina Ribeiro, João Rocha da Silva, João Aguiar Castro, Yulia Karimova, Nelson Pereira, Gabriel David INESC TEC Faculdade de TAIL_Team@INESC_TEC

Leia mais

Inválido para efeitos de certificação

Inválido para efeitos de certificação UNIDADE CURRICULAR: Distribuição e Vendas (d) CURRICULAR UNIT: Distribution and Sales Ficha de Unidade Curricular DOCENTE RESPONSÁVEL E RESPETIVAS HORAS DE CONTATO NA UNIDADE CURRICULAR (PREENCHER O NOME

Leia mais

RODA: A Service-Oriented Digital Repository

RODA: A Service-Oriented Digital Repository RODA: A Service-Oriented Digital Repository Database Archiving José Carlos Ramalho jcr@keep.pt José Carlos Ramalho jcr@di.uminho.pt Dep. of Informatics University of Minho 1 Context RODA (2006-2009) Metadata

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Fundamentos e Temas Actuais de Gestão MESTRADO Gestão ANO E SEMESTRE ANO

Leia mais

Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410)

Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410) Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410) Formato do curso: Presencial Localidade: Porto Com certificação: Microsoft Certified Solutions Associate (MCSA) Data: 23 Jan. 2017 a 27 Jan. 2017

Leia mais

Workflow. 8/28/2003 José Alves Marques. Definição

Workflow. 8/28/2003 José Alves Marques. Definição Workflow Definição Automatização de processos ou de percursos de trabalho nos quais são passados documentos, informação ou tarefas segundo determinadas regras ou procedimentos de um participante para outro.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA

ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITOS BÁSICOS Negócios Internacionais TRANSACÇÕES QUE CRUZAM AS FRONTEIRAS NACIONAIS Empresa A País A Empresa B Empresa C

Leia mais

O panorama geral e informática para a biodiversidade

O panorama geral e informática para a biodiversidade Formação sobre uso do GBIF em Agrobiodiversidade 15-16 de Setembro de 2016 O panorama geral e informática para a biodiversidade Rui Figueira Nó Português do GBIF ruifigueira@isa.ulisboa.pt Apoios http://bie.ala.org.au/species/http://id.biodiversity.org.au/node/apni/2903532

Leia mais

Aplicação Prática do Balanced Scorecard

Aplicação Prática do Balanced Scorecard Aplicação Prática do Balanced Scorecard Fórum APCER 2004 24 Novembro 2004 Paula Melo pamelo@deloitte.pt What makes a Balanced Scorecard special? 1. Is a top-down reflection of the mission and strategy.

Leia mais

Arquitetura Corporativa no contexto de Carve-Out

Arquitetura Corporativa no contexto de Carve-Out BA Brazil 2015 Arquitetura Corporativa no contexto de Carve-Out Agenda Introdução Carve-Out Arquitetura Corporativa Importância da Arquitetura Corporativa Compartilhando a Experiência Lições Aprendidas

Leia mais

English version at the end of this document

English version at the end of this document English version at the end of this document Ano Letivo 2016-17 Unidade Curricular OPERAÇÕES TURÍSTICAS Cursos TURISMO (1.º ciclo) Unidade Orgânica Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo Código

Leia mais

Planning for and Managing Devices in the Enterprise: Enterprise Management Suite (EMS) & On-Premises Tools (20398)

Planning for and Managing Devices in the Enterprise: Enterprise Management Suite (EMS) & On-Premises Tools (20398) Planning for and Managing Devices in the Enterprise: Enterprise Management Suite (EMS) & On-Premises Tools (20398) Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 18 Dez. 2017 a 22 Dez. 2017 Preço:

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410)

Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410) Installing and Configuring Windows Server 2012 (20410) Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Com certificação: Microsoft Certified Solutions Associate (MCSA) Data: 06 Jan. 2017 a 17 Mar. 2017

Leia mais

Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas. Metamorphosis

Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas. Metamorphosis Obtendo Interoperabilidade Semântica em Sistemas Heterogéneos de Informação com Metamorphosis Giovani R. Librelotto José Carlos Ramalho Pedro R. Henriques Departamento de Informática Universidade do Minho

Leia mais

UNIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR DE PETRÓLEO & GAS

UNIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR DE PETRÓLEO & GAS UNIDADE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NO SECTOR DE PETRÓLEO & GAS ÍNDICE A EMPRESA INTERSERVIÇOS PETRÓLEO & GAS PRINCIPAIS CLIENTES PARCEIROS RELEVANTES A EMPRESA A INTERSERVIÇOS é uma empresa de Consultoria

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Apresentação do Plano de Ensino. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Apresentação do Plano de Ensino. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Quem sou eu? Site: http://www.luizleao.com Introdução Para aprender a Gerir, Conceber, Desenvolver, Testar, avaliar a qualidade, avaliar a segurança,

Leia mais

Julho a Dezembro Formações ITEN

Julho a Dezembro Formações ITEN Julho a Dezembro 2017 Formações ITEN IAPP - INTERNATIONAL ASSOCIATION OF PRIVACY PROFESSIONALS CIPP/E CIPM CIPT Certified Information Privacy Professional/Europe + exame + 1 ano membro IAPP Certified Information

Leia mais

Grupo. 1 Introdução e objectivos. 2 Estudo do protocolo IETF Stream Control Transport Protocol SCT 2.2 Estudo do formato dos pacotes SCTP

Grupo. 1 Introdução e objectivos. 2 Estudo do protocolo IETF Stream Control Transport Protocol SCT 2.2 Estudo do formato dos pacotes SCTP Departamento de Ciências e Tecnologias da Informação Inteligência em Gestão de Redes e Serviços (2009/10) Laboratório 2.1 (versão 4.0): Sinalização sobre IP SCTP Grupo 1 Introdução e objectivos O objectivo

Leia mais

A Importância do Controlo de Gestão para o. Desempenho Empresarial. Formação

A Importância do Controlo de Gestão para o. Desempenho Empresarial. Formação A Importância do Controlo de Gestão para o Desempenho Empresarial Formação a A Importância do Controlo de Gestão para o Desempenho Empresarial Módulo I: Aspetos contabilísticos O curso visa proporcionar

Leia mais

4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC

4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC 4º ENCONTRO REDE PME INOVAÇÃO COTEC CONTRIBUTO DAS GRANDES EMPRESAS PARA O CRESCIMENTO DAS PME ORADOR CARLOS BARBOT PRESIDENTE DO GRUPO BARBOT Lisboa, 09 de Novembro de 2010 Cooperação empresarial um caminho

Leia mais

American cities, global networks: mapping the multiple geographies of globalization in the Americas

American cities, global networks: mapping the multiple geographies of globalization in the Americas American cities, global networks: mapping the multiple geographies of globalization in the Americas Cidades americanas, redes globais: mapeando as múltiplas geografi as da globalização nas Américas Noah

Leia mais

Voluntária na empresa XXS Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro

Voluntária na empresa XXS Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro Informação Pessoal Nome: Ana Patrícia Morris Ferreira Pereira Morada: Rua do Gerês, 65-4050-286 Porto, Portugal Telemóvel: 96 805 35 39 E-mail: anapatriciap@hotmail.com Skype: patricia.morris.pereira Nacionalidade:

Leia mais

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições

Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Alimentação Responsável A responsabilidade social dos fornecedores de alimentos e refeições Hábitos Alimentares e Saúde Alexandra Bento Associação Portuguesa dos Nutricionistas 10 de Maio Fundação Cidade

Leia mais

Microcontroladores e Interfaces

Microcontroladores e Interfaces Microcontroladores e Interfaces 3º Ano Eng. Electrónica Industrial e Computadores Carlos Silva 2º Semestre de 2005/2006 Aula - A1 21 Fev 06 - M Sumário Objectivos da disciplina Programa de Microcontroladores

Leia mais

Sector. Sector Cultural e Criativo em Portugal (2006)

Sector. Sector Cultural e Criativo em Portugal (2006) Missão Na património.pt acreditamos que o património é de todos. Um direito. Uma herança. Um dever. Procuramos levar todo o património português a todos os portugueses interessados. A todos os que por

Leia mais

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa

Roadmap para Implementação e Certificação ISO Mário Rui Costa 1 1 Roadmap para Implementação e Certificação ISO 20000-1 Mário Rui Costa TÓPICOS O que é a ISO 20000-1? Porquê implementar? Custos Ponto de partida Papéis e Responsabilidades Implementação Preparação

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

Análise SWOT ao Sistema de Investigação e Inovação: Resultados preliminares Luisa Henriques

Análise SWOT ao Sistema de Investigação e Inovação: Resultados preliminares Luisa Henriques Análise SWOT ao Sistema de Investigação e Inovação: Resultados preliminares Luisa Henriques 1 Resumo 1. A Estratégia de I&I e a FCT Que papel para o nível nacional? A oportunidade da condicionalidade ex-ante

Leia mais

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo

James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo James Garrett, IFPRI Dialogo sobre a Promoção de Crescimento Agrícola em Moçambique 21 de Julho de 2011 Maputo O que é o MozSAKSS? um programa colaborativo entre Direcção de Economia do Ministério da Agricultura

Leia mais

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve

Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve Adelino V M Canário CCMAR Centro de Ciências do Mar Universidade do Algarve sumário Programas Europeus de Investigação Alguns dados Factores relevantes para sucesso Caminho para H2020 7º Programa Quadro

Leia mais

SiNErGIC Um contributo para a gestão e ordenamento do território. Carlos Caeiro. Espinhal (Penela), 04 de Setembro 2010

SiNErGIC Um contributo para a gestão e ordenamento do território. Carlos Caeiro. Espinhal (Penela), 04 de Setembro 2010 SiNErGIC Um contributo para a gestão e ordenamento do território Carlos Caeiro Espinhal (Penela), 04 de Setembro 2010 Sumário Executivo Introdução Evolução do conceito de cadastro O cadastro em Portugal

Leia mais

Reorçamento da Obra. Nome _Obra. Imagem _Obra, ou outra. Director de Obra: Director Produção: CE: Responsável. Assinatura. Data

Reorçamento da Obra. Nome _Obra. Imagem _Obra, ou outra. Director de Obra: Director Produção: CE: Responsável. Assinatura. Data Obra Nº: Reorçamento da Obra Nome _Obra Imagem _Obra, ou outra Dono de Obra: Data do Reorçamento: Versão nº Director de Obra: Director Produção: CE: Director de Obra Director Produção C.E. Pais Responsável

Leia mais

Negociação para Administradores e Executivos

Negociação para Administradores e Executivos www.pwcacademy.pt Negociação para Administradores e Executivos 15 e 16 de Dezembro de 2011 Academia da PwC Um curso com especial incidência sobre as competências essenciais da negociação para a alta direcção,

Leia mais

O preço e valor do medicamento em contexto

O preço e valor do medicamento em contexto O preço e valor do medicamento em contexto Os sistemas de saúde enfrentam, cada vez mais, desafios de sustentabilidade face ao aumento de procura de cuidados de saúde e à necessidade de garantir a acessibilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS Lisboa, 10 de Dezembro 2007 DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS, DESENVOLVIMENTO LOCAL E PARCERIAS LIÇÕES DE UMA DÉCADA DE EXPERIMENTAÇÃO Alberto Melo Delegado Regional IEFP, Delegação Regional do Algarve

Leia mais

Gestão de Inovação na

Gestão de Inovação na na Artur Arnedo Resp. Portfolio TAGS MAIS POPULARES < Escolaridade funcional Sector público Gestão Clássica SEM CONCORRÊNCIA NACIONAL Regulação faixa etária 45 s TAGS MAIS POPULARES TAGS MAIS POPULARES

Leia mais

OPTIMUS. Um caso de CRM bem sucedido! Mercado: Telecel e TMN Setembro de 1998 a OPTIMUS entra no mercado das telecomunicações

OPTIMUS. Um caso de CRM bem sucedido! Mercado: Telecel e TMN Setembro de 1998 a OPTIMUS entra no mercado das telecomunicações OPTIMUS Um caso de CRM bem sucedido! Curso: MADSAD 2002/2003 Disciplina: SIG Leccionada por Elisabete Maciel Alunas: Juliana Bonfá e Marta Monteiro A empresa Mercado: Telecel e TMN Setembro de 1998 a OPTIMUS

Leia mais

Abertura. João Paulo Carvalho.

Abertura. João Paulo Carvalho. Abertura João Paulo Carvalho Agradecimento 7a Edição A função do Seminário Tecnológico é cada vez mais difícil de cumprir. Acompanhem-nos no fórum www.quidgest.net:8080/forum Tiago Xavier Cláudia Nabais

Leia mais

Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial AGENDA O Porquê do Título Competências do Engenheiro Industrial Os

Leia mais

Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida

Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida Projecto Mestrado Em Gestão De Sistemas De Informação Médica Projectos de Consultoria em SAP e Tecnologias Microsoft: Análise e desenvolvimento de soluções de software à medida Luís Filipe Leal Sismeiro

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt A importância dos requisitos 2 A importância dos requisitos The hardest single

Leia mais

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS Tópicos Chuva de ideias; Contextualização; Conceptualização (monitoria e avaliação); Monitoria virada para resultados vs monitoria tradicional

Leia mais

PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY

PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY PROP OS TA DE PAT ROC ÍN IO 2017 ONE DAY SEMIN ARS E MES A S REDONDA S A TMA Brasil TMA Brasil é o capítulo brasileiro da Turnaround Management Association, uma prestigiada associação fundada nos EUA em

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA. Escola Superior de Tecnologia e Gestão INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA Escola Superior de Tecnologia e Gestão SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NOS INSTITUTOS DE EMPREGO. ESTUDO DE CASO: IEFP DA GUARDA PROJETO APLICADO DO MESTRADO EM GESTÃO

Leia mais

O Engenheiro Informático na Sociedade da Informação

O Engenheiro Informático na Sociedade da Informação O Engenheiro Informático na Sociedade da Informação Luis Amaral amaral@dsi.uminho.pt Information Systems Department University of Minho Portugal Sumário Pretendemos fazer uma breve reflexão sobre o papel

Leia mais

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP

SSC570 Empreendedores em Informática. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP SSC570 Empreendedores em Informática Plano de Negócios Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 Motivação Por que preparar um plano de negócios? 2 Processo Empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade Desenvolver

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

INTERVENÇÃO NO DIA DO MUNICIPIO

INTERVENÇÃO NO DIA DO MUNICIPIO INTERVENÇÃO NO DIA DO MUNICIPIO Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Municipal Excelentíssimos Vereadores Municipais, Caros colegas deputados

Leia mais

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009

Duarte Rodrigues. Sintra, 21 de Setembro 2009 Duarte Rodrigues Coordenador adjunto do Observatório do QREN Sintra, 21 de Setembro 2009 O desafio da cooperação institucional As respostas Clusterização (EEC) Os factores críticos de sucesso Parcerias

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Raul Vidal, João Pascoal Faria, Ademar Aguiar, Gil Gonçalves FEUP/LEIC/LGP 2003-04 Processos de Desenvolvimento Software 1 Controlo de Projectos Quatro variáveis

Leia mais

MAI5027 Empreendedorismo. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP

MAI5027 Empreendedorismo. Plano de Negócios. Profa. Ellen Francine ICMC/USP MAI5027 Empreendedorismo Plano de Negócios Profa. Ellen Francine ICMC/USP 1 Motivação Por que preparar um plano de negócios? 2 Processo Empreendedor Identificar e avaliar a oportunidade Desenvolver o plano

Leia mais

Capitalizar - Instrumentos Financeiros p/ PME

Capitalizar - Instrumentos Financeiros p/ PME Capitalizar - Instrumentos Financeiros p/ PME O Plano de Investimento para a Europa e as PME Europe Direct Algarve e Enterprise Europe Network, CCDR Algarve e NERA Loulé, 28 de Abril de 2017 Ricardo Luz

Leia mais

Constantino Sakellarides

Constantino Sakellarides Constantino Sakellarides Contactos Naturalidade: Moçambique Residência: Oeiras Telefone: 217 512 102 E mail: sak@ensp.unl.pt Áreas de Interesse Políticas de saúde e análises de sistemas de saúde. Saúde

Leia mais

Designing Solutions for Microsoft SQL Server 2014 (20465)

Designing Solutions for Microsoft SQL Server 2014 (20465) Designing Solutions for Microsoft SQL Server 2014 (20465) Formato do curso: Presencial Com certificação: MCSE: Data Platform Preço: 1090 Nível: Avançado Duração: 18 horas Este curso de 3 dias, destina-se

Leia mais

Venha conhecer a Zils. Come and meet Zils

Venha conhecer a Zils. Come and meet Zils Folheto informativo: GlobalForce. Incentivos http://www.portugalglobal.pt http://www.iapmei.pt/ http://www.sines.pt e-mail:zils@globalparques.pt Venha conhecer a Zils Leaflet: GlobalForce. Incentives http://www.portugalglobal.pt

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261

N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261 N. o 4 6 de Janeiro de 2000 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 261 Despacho n. o 378/2000 (2. a série). Com vista à implantação e permanência definitiva do troço entre as caixas 7-E e 7-G do emissário terrestre

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação (MIEIC) João Pascoal Faria

Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação (MIEIC) João Pascoal Faria Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação (MIEIC) João Pascoal Faria Sumário Importância da Engenharia Informática Médias de entrada e numerus clausus Perfis, áreas científicas e exemplos

Leia mais

2. Modelos de Desenvolvimento de Software

2. Modelos de Desenvolvimento de Software 2. Modelos de Desenvolvimento de Software Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Ciclo de Vida do Software Um sistema de software é desenvolvido gradualmente

Leia mais

S4MA1. SAP S/4HANA Manufacturing - Funções & Inovações ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 03 Duração do curso: 1 Dia(s)

S4MA1. SAP S/4HANA Manufacturing - Funções & Inovações ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 03 Duração do curso: 1 Dia(s) S4MA1 SAP S/4HANA Manufacturing - Funções & Inovações. ESTRUTURA DO CURSO Versão do curso: 03 Duração do curso: 1 Dia(s) Direitos autorais e marcas da SAP 2016 SAP SE ou empresa afiliada da SAP. Todos

Leia mais

O papel das Associações empresariais na internacionalização. Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações

O papel das Associações empresariais na internacionalização. Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações O papel das Associações empresariais na internacionalização Contributos: UGA Unidade de Gestão das Associações SUMÁRIO: Internacionalização e implicações no contexto internacional actual. O IDE como motor

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

SAPBI. Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias

SAPBI. Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions ESTRUTURA DO CURSO. Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias SAPBI Introdução ao SAP BusinessObjects BI Solutions. ESTRUTURA DO CURSO Versão do curso: 15 Duração do curso: 3 Dias Direitos autorais e marcas da SAP 2015 SAP SE. Todos os direitos reservados. Nenhuma

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO CENTRO SOCIAL DE SANTA CRUZ DO DOURO NIF FICHA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período em avaliação 1. MISSÃO DA

Leia mais

Gestão Estratégica de Custos sob a ótica da Teoria Ator-rede

Gestão Estratégica de Custos sob a ótica da Teoria Ator-rede Discussões Metodológicas Tese de Doutorado Qualificada Gestão Estratégica de Custos sob a ótica da Teoria Ator-rede Simone Alves da Costa Orientador: Welington Rocha 1 Contextualização A Gestão Estratégica

Leia mais

Virtualization & Datacenter Efficiency Forum

Virtualization & Datacenter Efficiency Forum Virtualization & Datacenter Efficiency Forum O contributo das boas práticas para o ciclo de vida do Datacenter Paulo Neves itsmf Portugal (www.itsmf.pt) 28 de Fevereiro de 2013 Apresentação da itsmf Portugal

Leia mais

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação

2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação 2ª Parte Competindo com a Tecnologia de Informação Objectivos de Aprendizagem Identificar várias estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar Tecnologias da Informação para confrontar

Leia mais

Fundada em 1948, a AIESEC é a maior organização

Fundada em 1948, a AIESEC é a maior organização Fundada em 1948, a AIESEC é a maior organização internacional de estudantes universitários e recém-licenciados, identificandose como uma plataforma para os jovens descobrirem e desenvolverem o seu potencial,

Leia mais

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD

Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Manual Básico: As Contrapartidas do BGD Sobre os Projetos Setoriais Os Projetos Setoriais fazem parte das ações da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) que visam

Leia mais

PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION

PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION Universidade Federal da Bahia Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PRIMARY HEALTHCARE EVALUATION Rosana Aquino Salvador, Bahia Julho de 2011 Memórias da Saúde da Família

Leia mais

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA

Guia auto-avaliação segundo EFQM GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA GUIA PARA A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA EFQM NA AUTO-AVALIAÇÃO DE PROJECTOS EM PARCERIA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. A METODOLOGIA EFQM E O QUESTIONÁRIO PARA AUTO- AVALIAÇÃO... 4 3. A METODOLOGIA EM PROJECTOS

Leia mais

Nomes. Sumário. November 2, O Problema. Conceitos Fundamentais. Espaço de Nomes. Rsolução de Nomes

Nomes. Sumário. November 2, O Problema. Conceitos Fundamentais. Espaço de Nomes. Rsolução de Nomes Nomes November 2, 2009 Sumário O Problema Conceitos Fundamentais Espaço de Nomes Rsolução de Nomes Localização do Servidor/Objectos Problema: Como é que um cliente sabe onde se encontra o servidor? Solução:

Leia mais

A Transformação da Administração Pública

A Transformação da Administração Pública A Transformação da Administração Pública Lisboa, 3 e 4 Novembro 2008 www.ama.pt Transformar o Sector Público Definição A mudança de funcionamento do sector público, de um modelo estático, focado na organização,

Leia mais

Como Garantir o Sucesso no Gerenciamento de Projetos com Foco em Liderança e Gestão. Paul Dinsmore

Como Garantir o Sucesso no Gerenciamento de Projetos com Foco em Liderança e Gestão. Paul Dinsmore Como Garantir o Sucesso no Gerenciamento de Projetos com Foco em Liderança e Gestão Paul Dinsmore PAUL DINSMORE Autoridade em Gerenciamento de Projetos e Gestão Organizacional. Autor ou coordenador de

Leia mais

E C O N O M I A d o P R O J E C T O

E C O N O M I A d o P R O J E C T O UNIVERSIDADE LUSÍADA (Vila Nova de Famalicão) FACULDADE DE ARQUITECTURA E ARTES E C O N O M I A d o P R O J E C T O Unidade Curricular semestral do 4º ano - 2h / semana Aulas Teóricas e Práticas Regente

Leia mais

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE

PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE PORTAL DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL COM INTERVENÇÃO NA SAÚDE Sistema de Informação de Apoio à Gestão das Organizações da Sociedade Civil Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo de Doenças Divisão

Leia mais

Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores

Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores Luis Claudio Kubota 22 de outubro de 2012 Por que medir? Aquilo que não se mede não se gerencia. Quando medir? Vai depender da natureza do

Leia mais

Programa de Estágios F16. Escola de Talentos Capgemini Capgemini Development Center

Programa de Estágios F16. Escola de Talentos Capgemini Capgemini Development Center Programa de Estágios F16 Escola de Talentos Capgemini Capgemini Development Center O Programa Capgemini Development Center é um Programa de Recrutamento e Selecção dos melhores para a Capgemini Portugal,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO DE ATIVIDADES 2016 ÍNDICE ENQUADRAMENTO QUEM SOMOS MISSÃO, VISÃO E VALORES SERVIÇOS À COMUNIDADE MISSÃO PRINCIPAL DA COOPERATIVA RESPOSTAS SOCIAIS ESTRATÉGIAS CHAVE QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS CHAVE

Leia mais

Efeitos indirectos do IDE para as empresas portuguesas

Efeitos indirectos do IDE para as empresas portuguesas Efeitos indirectos do IDE para as empresas portuguesas Efeitos directos: : criação de emprego, formação de capital, aumento das receitas fiscais, alteração da estrutura produtiva e exportadora, etc. Efeitos

Leia mais

BITDEFENDER GRAVITYZONE. Diogo Calazans Diretor Comercial

BITDEFENDER GRAVITYZONE. Diogo Calazans Diretor Comercial BITDEFENDER GRAVITYZONE Diogo Calazans Diretor Comercial QUEM É A BITDEFENDER Fundação / Lançamento da Linha Varejo Inicio das Parcerias OEM Lançamento da Linha Corporativa 1ª Vez como Melhor Taxa de Detecção

Leia mais

44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite

44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite Rua Julieta Ferrão, 10-10.ºA 1600-131 Lisboa Tel.: 21 781 66 40 Fax: 21 793 15 33 info@esri-portugal.pt www.esri-portugal.pt 44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite Por favor,

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis

Modelo em camadas. As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis Modelo Geral de Comunicação Modelo em camadas As redes de computadores são sistemas muito complexos; Decomposição dos sistemas em elementos realizáveis A maioria das redes são organizadas como uma série

Leia mais

Cross-functional Flowcharts Swimlanes

Cross-functional Flowcharts Swimlanes Cross-functional Flowcharts Swimlanes Numa primeira abordagem a este tipo de representação, é possível afirmar que os Cross-functional Flowcharts, que neste documento serão, para mais fácil interpretação

Leia mais