A Sense é membro do consórcio ASI-Alemanha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Sense é membro do consórcio ASI-Alemanha"

Transcrição

1 PRODUTOS Chave de Código 0 Redes de Sensores e Atuadores Rede de baixo nível sensores e atuadores Compatível com os principais PLCs Baixo custo de instalação Produtos certificados Master 0 devicenet gateway 0 controlador com mini PLC Fonte de Alimentação KF/Vca fonte de alimentação Sensores PSU sensor indutivo Pentakon OSKVF sensor fotoelétrico difuso ORKVF sensor fotoelétrico refletivo Módulos com Bornes MDEPVT módulos com entradas MDEPSTVT módulos com entradas e saídas MDSTVT módulos com saídas MDEPSTVT módulos com entradas e saídas Módulos com Conector M MDEPV módulos com entradas MDEPSTV módulos com entradas e saídas MDSTV módulos com saídas MDEPSTV módulos com entradas e saídas Caixa de Borne KDEP módulos com entradas KDEPST módulos com entradas e saídas KDST módulos com saídas KDEPST módulos com entradas e saídas Repetidor e Expansor REP repetidor para m EXP extensor para m Botoeira BT... botoeira dupla iluminada BBL botoeira com base Placa para Monitor de Válvula MONEHST saída a transistor MONEHSR saída a relé Conectores PLVA/X M reto fêmea / cabo redondo PLVB/X M 90 o fêmea / cabo redondo PLMVA/X M reto macho / cabo redondo PLMVB/X M 90 o macho / cabo redondo PLVY/V M fêmea / cabo flat PLVY/CB06 cabo redondo / cabo flat PLVY/CBY derivação de cabo flat PLVY/PG, cabo flat / rosca PG, Bases BVT base para cabo redondo BY base para cabo flat Cabos CB060 cabo com condutores #0,mm CB060 cabo com condutores #0,mm CB cabo flat Acessórios PG prensa cabo PG TP tampão PG PR porca para prensa cabo e tampão SPG borracha para vedação de cabo flat TB tampa para módulos e bases Endereçador ADR endereçador de escravos A Sense é membro do consórcio Alemanha

2 ASInterface Introdução: Com a grande tendência mundial de se automatizar as linhas de produção e manufatura intregrandoas em sistemas computadorizados, criouse a necessidade de se utilizar redes de comunicação para os sensores de proximidade e atuadores. A rede ASInterface propcia a interligação de sensores e atuadores, via uma rede de baixo custo, e que pode operar no ambiente industrial poluido eletromagneticamente. Standard: O sistema ASInterface foi elaborado por uma associação de fabricantes, que se propos a desenvolver uma rede de comunicação, de baixo custo, para o nível mais baixo da automação no campo. Conceito: Por muito tempo a automação dos processos baseiase no layout onde todos os sensores / atuadores possuem um fio de interligação com os controladores lógicos. Utilizando o sistema ASInterface apenas um par de fio deve interligar todos os sensores atuadores. CARTÃO DE ENTRADA CARTÃO DE SAÍDA CPU CARTÃO MASTER CPU sensor atuador sensor sensor n atuador Rede atuador atuador n sensor sensor n Intercambiabilidade: O programa de controle na CPU não faz diferença se os dados foram obtidos via sistema de cabo normal com os módulos de I/0 convencionais, ou através de uma rede ASInterface. O que significa dizer que com apenas pequenas mudanças no software (endereçamento) podese aplicar a rede ASInterface em um PLC já existente. Topologia: O sistema ASInterface permite a montagem em qualquer topologia, permitindo ainda que a qualquer momento possa se iniciar uma nova derivação, possibilitando a inclusão de novos sensores e atuadores, inclusive com a rede energizada, depois do projeto concluido sem a necessidade de lançar novos cabos. S MASTER A LINHA S S A S A A MASTER S A S A S A A S ÁRVORE A S A6 MASTER S A S A A ANEL S S A Sense.

3 ASInterface Sensores Inteligentes: Os sensores inteligentes possuem internamente o chip escravo ASInterface, que proporciona bits multidirecional de dados e bits de parâmetros, viabilizando não só o bit de saída (acionamento do sensor), mas também parametrizações operacionais (estado da saída NA/NF, etc) bem como outras informações adicionais que são transferidas para o sensor. O chip proporciona ao sensor receber em um único par de fios a alimentação para o seu circuito interno (Vcc) e os dados que são decodificados através do protocolo ASInterface, e armazenados em uma memória EEPROM. Existe uma vasta gama de sensores de proximidade indutivos, fotoelétricos e botoeiras já disponíveis. Atuadores Inteligentes: Analogamente aos sensores ASInterface, os atuadores inteligentes incorporam o chip escravo, permitindo que atuadores de baixa energia ( relés, sinaleiros, solenóides, etc) sejam comandados e energizados pela própria rede ASInterface. Módulos de Entrada: Módulos eletrônicos com o chip integrado, estão disponíveis para que sensores e atuadores convencionais possam ser integrados ao barramento ASInterface. Os módulos permitem utilizar a tecnologia da rede ASInterface, integrando componentes convencionais as características inteligentes, como a função de diagnóstico e parametrização; em instalações já existentes. Os módulos de entrada possuem entradas para sensores, botoeiras e demais contatos mecânicos. MASTER Alimentação auxiliar Sensors.inductivs.photoelectrics.etc. Sensores Convencionais ou contatos mecânicos Atuadores.solenóides.sinaleiros.relés.contatores.etc. Atuadores Convencionais Módulos de Saída: Os módulos de saída permitem que atuadores convencionais e/ou os que consomem mais energia (contatores, válvulas solenóides, sinalizadores, etc ) possam ser integrados a rede, pois o módulo possui internamente o chip escravo ASInterface, que recebe os comandos e proporciona o acionamento de relés internos que chaveiam as cargas com a alimentação auxiliar, recebida no módulo. Já os módulos de saída possibilitam atuar saídas e possuem uma entrada auxiliar de alimentação a fim de reduzir o consumo da rede que está limitada em A. Master: O master pode ser conectado em computadores, que permitem a programação da lógica de controle através de um software para PC, comunicando com o master via RS. Estes dispositivos são indicados para pequenas instalações, ou máquinas, onde apresentam a vantagem de eliminar o controlador programável. Controlador de Master A RS Controlador Master S S A S. sense

4 ASInterface Controlador Programável: O chip master pode ser integrado diretamente em um cartão de PLC o que reduz drasticamente o número de módulos I/0. A. A. PLC MASTER MASTER S. S. A. S. S. S. S. S. A. A. Sua aplicação encontrase em grandes instalações pois podese montar várias redes ASInterface, cada uma com seu cartão master. Field Bus: Em grandes instalações ondese empregam tecnologias field bus o master pode fazer o interfaciamento entre a rede de alto nível tipo profibus, interbuss, etc; para a rede de baixo nível ASInterface; ou pode operar em estações remotas de PLC que estão interligados via field bus. Field Bus PLC Field Bus Interface Homem Máquina MASTER A Transmissor Pressão Remota MASTER Remota n MASTER S S A S S S A S Capacidade da Rede: Um master pode controlar uma rede com até participantes inteligentes; sensores e/ou atuadores, ou se utilizarmos o sistema de módulos a capacidade em termos de entradas e saídas ampliase para x = pontos. Em termos de comprimento do cabo estipulase a utilização de até m; podendo ser ampliado para mais m através de um booster. MASTER < m < m Booster A S ME A MS S S S S6 A A A S S S A A A6 Endereçamento: O chip de escravo possui uma memória não volátil EEPROM, onde se armazena o endereço ( a ), que pode ser programado via um endereçador ou o controlador da rede. O master possui uma função especial que após a retirada de um elemento defeituoso, reprograma automaticamente o endereço de um novo (com endereço 0) introduzido na rede. Sense.

5 ASInterface Processo de Modulação: Vários aspectos foram levados em consideração para a escolha do processo de modulação, onde destacamos: o sinal de modulação deve ser sobreposto ao sinal de alimentação, o processo de transmissão deve ser simples e barato para poder ser integrado no escravo, o sinal deve estar concentrado em uma banda estreita para não ser afetado por interferência eletromagnética induzida no cabo (que não possui blindagem). Por estas razões o sistema ASInterface adota a modulação de pulsos alternados (APM), onde na sequência de dados utilizase a codificação manchester, modulada pela alteração na corrente de transmissão. Sequência de transmissão Codificação manchester Corrente transmitida Tensão na rede A corrente de transmissão é gerada em conjunto com indutores presentes na linha, que em caso de aumento de corrente provoca um pulso negativo, e em decréscimo da corrente gera um pulso positivo de tensão na linha. Estrutura do Telegrama : A estrutura de comunicação entre o master e os escravos, consiste em um chamado do master, uma pausa, a resposta do escravo, e nova pausa. Visandose obter um baixo tempo de resposta, da ordem de ms com a rede completa ( bits de dados), adotouse um telegrama compacto, conforme: 60mA 0 VccV VccV pause MASTER ST SB A A A A A0 0 PB EB PAUSA ESCRAVO ST 0 PB EB PAUSA ST Start bit bit de inicio de transmissão, sempre 0" SB Control bit 0" para transferencia de parâmetros " para transferencia de comandos A0.. A Address bits de endereço a(0 H af H ) I0... I Information bits de dados quando SB= 0 e I= 0 bits de parâmetros quando SB=0 e I= bits de comando quando SB= PB Check bit bit de paridade EB End bit bit de final de transmissão, sempre " ST Start bit bit de inicio de transmissão, sempre 0" I0... I Information bits de dados ou bits de parâmetros ou bits em resposta ao comando do master PB Check bit bit de paridade EB End bit bit de final de transmissão, sempre " Fonte de Alinentação ASInterface: Para que a modulação APM possa funcionar é preciso que um conjunto de indutores seja acoplado a linha de transmissão; para tanto optouse por colocar estes indutores junto com a fonte de alimentação que fornece uma tensão contínua de 9, a,6vcc sendo ainda protegida contra sobrecarga e com proteção contra curto circuito permitindo a drenagem de até A. Existem alguns controladores master que possuem o conjunto de indutores, permitindo que uma fonte convencional seja utilizada. A fonte de alimentação ASInterface pode ser instalada em qualquer ponto da linha, inclusive junto ao master, ou no ponto onde há mais consumo de energia diminuindo a queda de tensão na linha. F N LED. sense

6 Cabo ASInterface: A rede pode ser implementada através de um cabo redondo tipo PP (especial para rede ) ou ainda através do exclusivo cabo flat, que permite a técnica de conexão por perfuração., 0,6 0, ASInterface Técnica de Perfuração: Projetada para diminuir o tempo e os custos de montagem, esta técnica implementa as conexões entre o flat cable ASInterface e os escravos ou os módulos, através de pinos que perfuram a isolação do cabo e fazem o contato elétrico quando se montam as partes das caixas de conexão. Azul Marrom 6, Pinos Devido a formato especial do cabo evitase a conexão com a polaridade invertida. Caixa de Conexões Outra grande característica do cabo permite a regeneração dos furos em caso de troca dos conectores, garantindo um grau de proteção IP6. Flat Cable Os conectores dos sensores, as bases e os conectores de cabos foram todos desenvolvidos para garantir um alto grau de proteção, e em alguns casos os invólucros possuem grau de proteção IP6. Integração com Programadores Lógicos (PLC): A rede ASInterface pode se integrar a vários PLCs, utilizandose uma das formas. PLC Siemens: Devese utilizar o cartão Master ASInterface da série Simatic S e uma fonte de alimentação ASInterface. Cada cartão master permite a implementação de uma rede ASInterface com participantes, em aplicações maiores devese utilizar mais cartões master. PLC Siemens PLC Simatic S Master Master Fonte KF/Vca Rede S. S. A. A. Rede S. S. A. S. S. A. A. Fonte KF/Vca PLC Allen Bradley: A forma de conexão da rede ASInterface no PLC Allen Bradley utiliza um gateway 0 que converte os sinais da rede ASInterface para a rede que deve ser conectada a um cartão scanner. CPU PLC / Drive Inteligente PLC Allen Bradley Módulo Devicenet Scanner SDN Controlador de Motor 0 Gaty way S S A AN Fonte KF/Vca Outros PLCs: Para outros controladores podese implementar a rede ASInterface nos casos em que existem uma porta serial RSC (ou RS) com comunicação Modbus, onde devese utilizar o controlador 0 (vide pág. 6). CPU PLC Outros dispositivos Cartão Modbus Master 0 MODBUS Via RS ou RS Rede Fonte KF/Vca S S A AN Sense.

7 ASInterface ASInterface MASTER MINI PLC 0 0 Alimentação Vcc ( a 0V) 0mA Número de redes ASInterface Número de escravos inteligentes Tempo de resposta máx. ms (0 s x n o de escravos ) Corrente disponível para a rede () Interface serial 0mA RS (sob consulta RSC) Taxa de transferencia 6 baud ou,, 9, 96,,, Comprimento máximo do cabo Peso Drives < m g MODBUS para controladores lógicos e microcontroladores Funções Disponíveis no Firmware: programação e alteração dos endereços dos escravos, endereçamento automático ou manual, detecção de erro, com alarme condição segura, interpretação de mensagem de erro, software para elaboração de programa de controle das entradas e saídas da rede ASInterface, software para monitoração e edição das entradas e saídas e controles do master e escravos via micro, software para compilação de programa e controle, possibilidade de operação stand alone ou conectado a controlador programável ou microcontrolador, 6 leds para indicação de alimentação, rede em uso, erro de configuração, alimentação da rede ASI, auto programação, e modo de programação além de display de dígitos para monitoração e programação local. Mini PLC interno fornecido com o instrumento Software possibilita transferência de informações ASInterfaceSHELL entre o master e o micro permite o desenvolvimento de programas de controle das entradas e saídas na rede ASI linguagem utilizada: STEP (com contatores, memória, temporizador, etc) Diagrama de Conexão da Rede ASInterface: Exemplo de Programação: STEP o programa ao lado aciona a saída do 0 E.0 escravo n o, precisamente quando a 0 E.0 UM. = A. entrada dos escravos n o eequando o bit da memória do usuário n o. estiver em lógica. PLC ou PC RS MODBUS MASTER Fonte Vcc SENSOR Escravo Nº Indutivos Capacitivos Fotoelétricos BASES DE ENTRADA #.0 #. escravo # #. #. Possibilita a entrada de sinais convencionais chaves, botões, sensores, etc. ATUADORES Escravo #0 Solenóides sinaleiros contatores etc. BASES DE SAÍDA #.0 #. escravo # # #. Possibilita a saída de sinais convencionais relés, contatores Nota (): Para redes ASI com consumo maior devese conectar uma fonte de Vcc convencional externamente para suprir a demanda, e observe a nova forma de conexão..6 Sense

8 ASInterface / PROFIBUS DP ASInterface 0 0 Modelo Entrada 0 rede ASInterface (sem fonte) Diagrama de Conexões: Fonte ASInterface deve ser conectada no barramento Saída Profibus DP P N SHIELD Alimentação do gateway Fonte externa de Vcc Taxa de transferência selecionável de 9,6K até MBaud Peso g Sinalização display LeD endereços e códigos de erros ASI U ASI: rede ASInterface energizada ASI activ: em operação normal conf error: led vermelho erro de configuração Fonte Vcc Alimentação Interna Rede prg enable: auto programação endereço habilitado prj enable: led amarelo modo de configuração Profibus DP Ser. active: comunicando power: gateway alimentado Fonte Endereçamento profibus DP 0 a 99 PLC Siemens CPU Módulo Profibus DP PROFIBUS DP Drive Inteligente Controlador de motor Profibus DP ASInterface Gateway ASInterface Fonte S S A AN Sense.

9 ASInterface ASInterface / GATE WAY 0 Modelo Entrada Fonte ASInterface rede ASInterface (sem fonte) deve ser conectada no barramento Diagrama de Conexões: Saída Alimentação do gateway Fonte externa de Vcc Taxa de transferência selecionável por chave para: K, 0K, K Peso g Sinalização display LeD endereços e códigos de erros ASI U ASI: rede ASInterface energizada ASI activ: em operação normal Fonte Vcc Alimentação Interna V CAN H SHIELD CAN L V Rede conf error: led vermelho erro de configuração prg enable: auto programação endereço habilitado prj enable: led amarelo modo de configuração MNS: /verm. modelo / MNS power: gateway energizado Fonte Eletronic Data Sheet EDS disponível para download PLC Allen Bradley PLC CPU Módulo Device Net Scanner SDN Drive Inteligente Controlador de motor ASInterface Gateway ASInterface Fonte S S A AN. Sense

10 Fonte I de Alimentação ASInterface KF/Vca Alta eficiência Seleção automática para 0 ou 0Vca Decodificação ASInterface 0 90 F N 0(x) LED ~ Tensão de saída 0,V % Ripple/ruído 0mVpp Regulação de carga/linha 0, / 0, Corrente máxima/mínima,a/zero contra curtocircuito regenerativa, entre, e,a Warmup/Risetime/Falltime 0min/6ms/0ms Filtro ASInterface x9 /x H Tensão de modulação,6vrms ou 6Vpp Tensão de entrada 90 a 0Vca automática Frequência da rede a 6Hz Eficiência 0% típico Sinalização Rigidez dielétrica V (saída/carcaça V) 0 o C a 0 o C Umidade relativa 0% a % Grau de proteção IP0 Invólucro caixa metálica com pintura epoxi preto Conexão bornes Peso 0g L N Diagrama de Conexão: FILTRO CONVERSOR FLY BLACK REGULADOR DECODIFICADOR Configurações Possíveis: LINHA LINHA MASTER (sem fonte interna) FONTE Escravo # Escravo #n ou MASTER (sem fonte interna) Escravo # Escravo #n FONTE ÁRVORE MASTER (sem fonte interna) Escravo Escravo Escravo n Escravo Escravo Escravo Y FONTE FONTE AUXILIAR Sense.9

11 ASInterface Sensor de Proximidade Indutivo Pentakon ASInterface Slave ASInterface inside Modo de operação programável Imune a interferência eletromagnética Com caixa de conexões Grau de proteção IP6 Modelo Distância sensora nominal Distância sens. operacional Repetibilidade Histerese Alvo padrão Startup Frequência máx. de comut. Tensão de alimentação de corrente Modo de operação Endereço Leds de sinalização Temperatura de armazenagem Umidade relativa Grau de proteção Modelo Choque a vibração Dimensions Saída de cabo Invólucro Conexões Peso PS U (conexão por terminal) mm (embutido) 0 a 0,Sn 0,mm % xxmm 0ms Hz padrão ASInterface 0mA NF(0) ou NA() (NF de fábrica) por software de a (0 de fábrica) verdealimentação / amarelosaída O C a O C O C a 0 O C 0% a % IP6 pela IEC retangular classe III pela IEC6 x0x0mm PG, termoplástico PBT terminais para cabo #,mm 0g 0 YEIXO 90 Diagrama de Conexão: Dimensões Mecânicas: o 0 LED XEIXO 90 o 60 0 U=PG, U=/ NPT 0,(x) Programação: Os sensores são fornecidos programados com o endereço e na função NA Bit de Dados: D0 saída D não utilizado D pronto D não utilizado Bit de Parâmetros: P0 não utilizado P função NF(0) ou NA () P não utilizado P não utilizado Conexão para Cabo Flat: O sensor Pentakon pode ainda ser fornecido com um conector traseiro que recebe diretamente o cabo flat, para tanto deve ser encomendado pelo código: PSUVY I/O = h ID = h.0 Sense

12 Sensor de Proximidade Fotoelétrico Série VF ASInterface Slave ASInterface inside Modo de operação programável (light/dark) Com caixa de conexões IP66 ALTURA DO VISOR=mm ASInterface , 0,(X) Modelo OSKVF (conexão por terminal) ORKVF (conexão por terminal) Distância sensora nominal de luz Zona morta s de objetos Objeto a ser detectado Histerese Tensão de alimentação Corrente de consumo Turnon / Turnoff / Startup Frequência máx. de comutação Operation mode Endereço Led de sinalização Imunidade a luz Temperatura de armazenagem Umidade relativa Grau de proteção Modelo Dimensões Saída de cabo Invólucro Conexões Peso Programação: Os sensores são fornecidos programados com o endereço e na função lighton Bit de Dados: D0 saída D não utilizado D pronto D não utilizado Bit de Parâmetros: P0 não utilizado P função darkon(0) / lighton() P não utilizado P não utilizado I/O = h ID = h fotosensor m () ajustável (0 a mm) infravermelho modulado 90mm mm (min.) e 60mm (máx.) % padrão ASInterface 0mA,ms /,0ms / <60ms 6Hz darkon(0) / lighton() (lighton de fábrica) por software de a (0 de fábrica) vermelho saída solar.0 lux / incandescente. lux 0 o C a 0 o C 0 o C a 60 o C % a % IP66 pela IEC retangular 90,xx6mm PG, termoplástico PBT / acrílico terminais para cabo #,mm 0g refletivo m () infravermelho modulado 90mm, abertura, o 60mm c/ filtro polarizado p/ objetos transparentes opaco ou translúcido 0x0mm % padrão ASInterface 0mA,ms /,0ms / <6ms Hz darkon(0) / lighton() (lighton de fábrica) por software de a(0defábrica) vermelho saída solar.0 lux /incandescente. lux 0 o C a 0 o C 0 o C a 60 o C % a % IP66 pela IEC retangular 90,xx6mm PG, termoplástico PBT / acrílico terminais para cabo #,mm 0g Diagrama de Conexões: O sensores VF podem ainda ser fornecidos com um conector traseiro que recebe diretamente o cabo flat, para tanto deve ser encomendado pelos códigos: Fotosensor OSKVFVY Refletivo ORKVFVY Nota: () com papel branco xmm () com espelho prismático ESP0x60 Sense.

13 ASInterface Módulo ASInterface Entradas / Borne, 6 E 9 0 E PNP PNP PNP PNP END E 6 E 0 Modelo MDEPVT Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 Nível lógico Corrente disponível total / canal na aliment. das entradas Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas Entrada de cabos Conexão da rede Entrada do cabo Opção de entrada da rede Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / consumo 0,mA > 0Vcc / consumo 0,mA 0,Vcc (via rede ASInterface) ma / 0mA proteção térmica contra curtocircuito programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: entrada bit : entrada não utilizados para cada entrada caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos borne fixo aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) borne fixo aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (cód.: VY) IP6 0 o C a o C 0g kit terminal, tampão, prensa cabo Entradas PNP E E S 9 Módulo de Entradas MDEPVT E E S 0 6 NTERFACE Rede I/O=Øh ID=Øh Entradas PNP E E 0 Bit de Dados Alimentação de Entradas Cabo Flat I/O=0h Entrada Entrada Entrada Entrada ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Configuração da Alimentação de Entrada Via fonte U=0,Vcc Tensão disp. por entrada U=Vcc 0% Corrente disp. por entrada I 0mA A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.. Sense

14 Módulo ASInterface ASInterface Entradas / Conector E E, PNP PNP E PNP PNP E 6 END 0 Modelo MDEPV Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 Nível lógico Corrente disponível total / canal na aliment. das entradas Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas Plug de conexão (não incluso) Conexão da rede Entrada da rede Opção de entrada da rede Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede Asi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / consumo 0,mA > 0Vcc / consumo 0,mA 0,Vcc (via rede ASInterface) ma / 0mA proteção térmica contra curtocircuito programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: entrada bit : entrada não utilizados para cada entrada caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos conector M pinos fêmea PLMVA (B).. (conector M pinos macho) borne fixo aparafusável,mm via prensa cabos PG, ( incluso) via conector para cabo flat (código: VY) IP6 0 o C a o C g kit terminal, tampão, prensa cabo Entradas PNP Entradas PNP NTERFACE E E Módulo de Entradas MDEPV E E Rede I/O=Øh ID=Øh Conector V Contato ou Sensor Chave Conexão das Entradas (MR) Alimentação() EntradaPNP (PR) / Alimentação () EntradaPNP () Os pinos eestão interligados. Bit de Dados Alimentação de Entradas Cabo Flat I/O=0h Entrada Entrada Entrada Entrada ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Configuração da Alimentação de Entrada Via fonte U=0,Vcc Tensão disp. por entrada U=Vcc 0% Corrente disp. por entrada I 0mA A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código. Sense.

15 ASInterface Módulo ASInterface Entradas e Saídas / Borne, 9 0 END S S EXT. EXT. PNP PNP E E FE FE Modelo MDEPSTVT Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 / Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Watch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas e saídas Entrada de cabos Conexão da rede e fonte externa Entrada dos cabos Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção / Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v) / via rede Asi < ma (exceto consumo das entradas e saídas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc 0%(via rede ASI >V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0, : entrada, bit, : entrada, não utilizados led amarelo para cada entrada e saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (cód.: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 / 60g 0 o C a o C kit terminal, tampão, prensa cabo Bit de Dados Alimentação de Entradas e Saídas Cabo Flat I/O=h Entrada Entrada Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação de Entradas/Saídas Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por entrada/saída U=Vcc 0% Corrente disp. por entrada Corrente dis. por saída Entradas PNP Saídas E S E S Módulo de Entradas e Saídas a Transistor MDEPSTVT E E S. Sense I 0mA I 0mA U=0Vcc I 0,A NTERFACE 6 FE Rede I/O=h ID=Øh 9 0 S Configuração da Alimentação das Entradas e Saídas FE Fonte Externa FE A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.

16 Módulo ASInterface ASInterface Entradas e Saídas / Conector S E, PNP END S EXT. EXT. PNP E 6 0 FE FE Modelo MDEPSTV Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 / Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Watch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas e saídas Plug de conexão (não incluso) Conexão da rede e fonte externa Entrada dos cabos Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção / Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v) / via rede ASi < ma (exceto consumo das entradas e saídas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc 0%(via rede ASI <) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0,: entrada, bit /: entrada, não utilizados led amarelo para cada entrada e saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos conector M pinos fêmea PLMVA (B).. (conector M pinos macho) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (código: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 0 o C a o C/ g kit terminal, tampão, prensa cabo Bit de Dados Alimentação de Entradas e Saídas Cabo Flat I/O=h Entrada Entrada Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação de Entradas/Saídas Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por entrada/saída U=Vcc 0% Corrente disp. por entrada Corrente disp. por saída Entradas PNP Configuração da Alimentação das Entradas e Saídas Sense. I 0mA I 0mA U=0Vcc IL 0,A NTERFACE Conector V Contato ou Chave FE FE E S Módulo de Entradas e Saídas a Transistor MDEPSTV E S Rede I/O=h ID=Øh Saídas Fonte Externa Conexão das Saídas NãoConectado Não Conectado Carga() Carga() FE Conexão das Entradas (MR) Alimentação() EntradaPNP (PR) / Alimentação () EntradaPNP () Os pinos eestão interligados. Sensor Carga () (MR) A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.

17 ASInterface Módulo ASInterface Saídas / Borne, 6 6 END S S FONTE EXTERNA EXT. S S 0 FE FE Modelo MDSTVT Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Queda de tensão nas saídas Watch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das saídas Entrada de cabos Conexão da rede e fonte externa Entrada da rede e fonte externa Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das saídas) saídas a transistor Vcc 0% (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A 0,A distribuidos entre as saídas Vcc saída desenergizada na falta de comunicação ASi contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: saída bit : saída não utilizados led amarelo para cada saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (cód.: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 0 o C a o C 0g kit terminal, tampão, prensa cabo Saídas S Módulo de Saídas a Transistor MDSTVT S S S NTERFACE S S Saídas S 6 FE Rede I/O=h ID=Øh Configuração da Alimentação das Saídas FE Fonte Externa S FE Bit de Dados Alimentação das Saídas Cabo Flat I/O=h Saída Saída Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação das Saídas Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por saída U=Vcc 0% Corrente disp. por saída I 0mA U=0Vcc I 0,A A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código..6 Sense

18 Módulo ASInterface ASInterface Saídas / Conector S S, S FONTE EXTERNA S 6 END EXT. 0 FE FE Modelo MDSTV Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Queda de tensão nas saídas Watch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das saídas Plug de conexão (não incluso) Conexão da rede e fonte externa Entrada dos cabos Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) saídas a transistor Vcc 0% (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A 0,A distribuidos entre as saídas Vcc saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: saída bit :saída não utilizados led amarelo para cada saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos conector M pinos fêmea PLMVA (B).. (conector M pinos macho) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (código: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 0 o C a o C g kit terminal, tampão, prensa cabo NTERFACE Conector V Saídas FE FE S S Módulo de Saídas a Transistor MDSTV S S Rede I/O=h ID=Øh Configuração da Alimentação das Saídas Fonte Externa Saídas Conexão das Saídas Não Conectado Não Conectado Carga() Carga() FE Carga () (MR) Bit de Dados Alimentação das Saídas Cabo Flat I/O=h Saída Saída Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação das Saídas Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por saída U=Vcc 0% Corrente disp. por saída I 0mA U=0Vcc I 0,A A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código. Sense.

19 ASInterface Módulo ASInterface Entradas e Saídas / Borne, 6 S S S PNP PNP PNP E E 6 E S 9 0 END FONTE EXTERNA EXT. PNP E 0 0 FE Modelo MDEPSTVT Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/ Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 / Alimentação das entradas Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Whatch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas e saídas Entrada de cabos Conexão da rede e fonte externa Entrada de cabos Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção / Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: entrada / saída bit : entrada / saída não utilizados led amarelo para cada entrada e saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, ( incluso) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, ( incluso) via conector para cabo flat (cód.: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 / 0g 0 o C a o C kit terminal, tampão, prensa cabo Bit de Dados Alimentação de Entradas e Saídas Cabo Flat I/O=h ID=0h Entrada/Saída Bit 0 Entrada/Saída Bit Entrada/Saída Bit Entrada/Saída Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação de Entradas/Saídas Tensão disp. por entrada/saída Via fonte U=Vcc 0% U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Corrente disp. por entrada Corrente disp. por saída E S E S Entradas PNP Saídas E S E S E S. Sense I 0mA I 0mA U=0Vcc I 0,A E E E Rede Módulo de Entradas e Saídas a Transistor MDEPSTVT NTERFACE I/O=h ID=Øh S S S Configuração da Alimentação das Entradas e Saídas FE FE FE FE Fonte Externa A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.

20 Módulo ASInterface ASInterface Entradas e Saídas / Conector S E PNP S E PNP S E, S PNP E PNP 6 60 END FONTE EXTERNA EXT. 0 Modelo MDEPSTV Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 / Alimentação das entradas Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Whatch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Fechamento da tampa Conexão das entradas e saídas Plug de conexão (não incluso) Conexão da rede e fonte externa Entrada dos cabos Opção de entrada da rede Opção de entrada da fonte externa Grau de proteção / peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: entrada / saída bit : entrada / saída não utilizados led amarelo para cada entrada e saída caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos conector M pinos fêmea PLMVA (B).. (conector M pinos macho) borne simples aparafusável,mm via prensa cabos PG, (incluso) via conector para cabo flat (código: VY) via conector para cabo flat (cód.: FVY) IP6 0 o C a o C/ g kit terminal, tampão, prensa cabo Bit de Dados Alimentação de Entradas e Saídas Cabo Flat I/O=h Entrada Entrada Entrada Entrada ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Jumper EXT. Configuração da Alimentação de Entradas/Saídas Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por entrada/saída U=Vcc 0% Corrente disp. por entrada Corrente disp. por saída Entradas PNP Sense.9 I 0mA I 0mA U=0Vcc I 0,A Conector V E S E S E S E S Rede Saídas Módulo de Entradas e Saídas a Transistor MDEPSTV Contato ou Chave NTERFACE I/O=h ID=Øh Configuração da Alimentação das Entradas e Saídas FE FE FE FE FE Fonte Externa Conexão das Saídas Não Conectado Não Conectado Carga() Carga() Conexão das Entradas (MR) Alimentação () EntradaPNP (PR) / Alimentação () EntradaPNP () Os pinos eestão interligados. Sensor Carga () (MR) A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.

21 SENSE KD NTERFACE ASInterface Caixa de Bornes ASInterface Entradas 0 6 EE EErede 9 0, 0 Modelo KDEP Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 Nível lógico Corrente disponível total / canal na aliment. das entradas Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Conexão Versão com borne plugin Trilho autoalimentado Interconexão da rede Conexão principal rede ASI Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / consumo 0,mA > 0Vcc / consumo 0,mA 0,Vcc via rede ASInterface ma / 0mA proteção térmica contra curtocircuito programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no painel frontal bit 0: entrada bit : entrada não utilizados para cada entrada caixa plástica com bornes trilho DIN mm borne aparafusável,mm acrescentar P no final do código trilho TRKD0 opcional distribuição da rede ASI para todos os módulos via conector plugin pinos na lateral IP0 0 o C a o C ~ 0g terminal duplo plug in e kit terminais Fone: (0) 690 MÓDULO DE ENTRADAS KDEP 0 PLUG PARA ENDEREÇADOR I/O=Øh ID=Øh Vd POWER RAIL D0 D D D Am E E E E E E ENTRADAS PNP Made in Brazil 9 6 MÓDULO DE ENTRADAS KDEP Configuração da Alimentação de Entrada Tensão disp. por Entrada E E Corrente disp. por Entrada 0 Via fonte U=0,Vcc U=0,Vcc I 0mA Fone: (0) 690 Made in Brazil Bit de Dados Endereçamento das Entradas Versão Borne Versão Plugin I/O=0h Saída Saída Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Alimentação para Sensores Tensão Disponível na Entrada U=60Vcc Corrente Disponível por Entrada IL 0mA.0 Sense

22 SENSE KD NTERFACE Caixa de Bornes ASInterface ASInterface Entradas e Saídas 0 6 EE SSrede 9 0, 0 Modelo KDEPST Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 Nível lógico Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Whatch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Conexão Versão com borne plugin Trilho autoalimentado Interconexão da rede Conexão principal rede ASI Grau de proteção/ Peso nomiinal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < ma (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / consumo 0,mA > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc 0% (via rede ASI < V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no painel frontal bit 0, : entrada, bit, :saída, não utilizados para cada entrada e saída caixa plástica com bornes trilho DIN mm borne aparafusável,mm acrescentar P no final do código trilho TRKD0 opcional distribuição da rede ASI para todos os módulos via conector plugin pinos na lateral IP0 / ~ 0g 0 o C a o C terminal duplo plug in e kit terminais MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS KDEPST Fone: (0) Made in Brazil Bit de Dados Endereçamento das Entradas e Saídas Versão Borne Versão Plugin PLUG PARA ENDEREÇADOR FE I/O=h ID=Øh Vd POWER RAIL D0 D D D FE Am E E Am S S FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS 9 6 Fone: (0) E E ENTRADAS PNP SAÍDAS A TRANSISTOR S S FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS KDEPST Configuração da Alimentação de Entrada/Saída Jumper EXT. Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por Entrada/Saída E: U=0,Vcc S: U=Vcc±0% U=0Vcc Corrente disp. por Entrada I 0mA Corrente disp. por Saída I 0mA I 0,A Made in Brazil I/O =h Entrada Entrada Saída Saída ID = 0h Bit 0 Bit Bit Bit Configuração da Alimentação de Saída Código FPR FVT Via fonte no Borne ou Power Rail Via fonte ext. no Power Rail U=Vcc Via fonte ext. no Borne U=Vcc Corrente por Saída 0mA 0mA 0,A Alimentação p/ Sensores Tensão disp. Corrente disp. na Entrada por Entrada U=60Vcc IL 0mA U=Vcc IL 0mA U=Vcc IL 0mA Sense.

23 SENSE KD NTERFACE ASInterface Caixa de Bornes ASInterface Saídas 0 6 SS SSrede 9 0, 0 Modelo KDST Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Queda de tensão nas saídas Watch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Conexão Versão com borne plugin Trilho autoalimentado Interconexão da rede Conexão principal rede ASI Grau de proteção Peso Acessóriso (inclusos) nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) saídas a transistor Vcc 0% (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa)configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A 0,A distribuidos entre as saídas Vcc saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no painel frontal bit 0: saída bit : saída não utilizados para cada saída caixa plástica com bornes trilho DIN mm borne aparafusável,mm acrescentar P no final do código trilho TRKD0 opcional distribuição da rede ASI para todos os módulos via conector plugin pinos na lateral IP0 0 o C a o C 0g terminal duplo plug in e kit terminais Fone: (0) 690 MÓDULO DE SAÍDAS KDST 0 PLUG PARA ENDEREÇADOR FE FE I/O=h ID=Øh Vd POWER RAIL D0 D D D Am S S S S FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS SAÍDAS A TRANSISTOR S S S S FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS Made in Brazil 9 6 Jumper EXT. MÓDULO DE SAÍDAS KDST Configuração da Alimentação de Saída Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. Por Saída U=Vcc±0% U=0Vcc Corrente disp. Por Saída I 0mA I 0,A Fone: 690 Made in Brazil Bit de Dados Endereçamento das Saídas Versão Borne Versão Plugin I/O=h Saída Saída Saída Saída ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit Configuração da Alimentação de Saída Código FPR Via fonte no Borne ou Power Rail Via fonte ext. no Power Rail U=Vcc Corrente por Saída 0mA 0mA Via fonte ext. FVT no Borne 0,A U=Vcc. Sense

24 NTERFACE Caixa de Bornes ASInterface ASInterface Entradas e Saídas SENSE KDEPST EE SS EErede SS 9 6 0, 0 Modelo KDEPST Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Entradas: Número e polaridade Configuração de polaridade Dispositivo de entrada Nível lógico 0 / Alimentação das entradas Corrente disponível por saída na aliment. das entradas Saídas: Número de saídas Alimentação das saídas Corrente de saída via fonte externa Corrente de saída via rede ASI Whatch dog Rede ASInterface: Endereçamento Modo de programação Conector para endereçador Bits de dados Bits de parâmetros Alimentação ASInterface Conexão Versão com borne plugin Trilho autoalimentado Interconexão da rede Conexão principal rede ASI Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v) / via rede ASi < 0mA (exceto consumo das entradas) entradas PNP(chaveamento positivo) programável por jump de solda para NPN sensor de proximidade (ou contato mecânico) < Vcc / > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc (via rede ASI) ou 0Vcc (via externa) ma proteção térmica contra curtocircuito saídas a transistor Vcc 0% (via rede ASI <V) ou 0Vcc (via externa) configurável via jumps para fonte externa (FE) ou retirada da rede ASInterface 0,A (queda de tensão Vcc) 0,A distribuidos entre as saídas saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no painel frontal bit 0: entrada / saída bit : entrada / saída não utilizados para cada entrada e saída caixa plástica com bornes trilho DIN mm borne aparafusável,mm acrescentar P no final do código trilho TRKD0 opcional distribuição da rede ASI para todos os módulos via conector plugin pinos na lateral IP0 0 o C a o C ~ 0g terminal duplo plug in e kit terminais MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS KDEST Fone: (0) Made in Brazil Bit de Dados Endereçamento das Entradas e Saídas Versão Borne Versão Plugin PLUG PARA ENDEREÇADOR FE I/O=h ID=Øh Vd POWER RAIL D0 D D D FE Am E E E E Am FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS Fone: (0) 690 S S S S ENTRADAS PNP ou NPN ou6 E 0ou E 6ou E ou E SAÍDAS A TRANSISTOR S S S S FONTE EXTERNA P/ SAÍDAS 6 MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS KDEST Configuração da Alimentação de Entrada/Saída Jumper EXT. Via fonte U=0,Vcc Via fonte externa U=0Vcc Tensão disp. por Entrada/Saída E: U=0,Vcc S: U=Vcc±0% U=0Vcc Corrente disp. por Entrada I 0mA Corrente disp. por Saída I 0mA I 0,A Made in Brazil I/O=h ID=0h Entrada/Saída Bit 0 Entrada/Saída Bit Entrada/Saída Bit Entrada/Saída Bit Configuração da Alimentação de Saída Código FPR FVT Via fonte no Borne ou Power Rail Via fonte ext. no Power Rail U=Vcc Via fonte ext. no Borne U=Vcc Corrente por Saída 0mA 0mA 0,A Alimentação p/ Sensores Tensão disp. Corrente disp. na Entrada por Entrada U=60Vcc IL 0mA U=Vcc IL 0mA U=Vcc IL 0mA Sense.

25 ASInterface Botoeira ASInterface Botões Iluminados 0 6, 6 Modelo BTBIVMBIVDVT Diagrama de Conexões Alimentação: Alimentação/Ripple/Via Entradas: Número e polaridade Elemento de comutação Botão de comando de chaveamento Nível lógico 0 Nível lógico Sinaleiros: Número Cor dos sinaleiros Dispositivo de sinalização Queda de tensão Corrente disponível Whatch dog Rede ASInterface: Endereçamento Conector para endereçador Modo de programação Bits de dados Bits de parâmetros Fechamento da tampa Conexão Entrada da rede Opção de entrada da rede Grau de proteção Peso nominal 0,Vcc (de 6, a,6v)/ via rede ASi < ma (exceto o consumo dos sinaleiros) via botão de comando (impulso) bloco de contato EAO n o botão iluminado EAO n o X.YY PNP positivo <,Vcc / consumo 0,mA > 0Vcc / consumo 0,mA Vcc 0% (via rede ASInterface) proteção contra curtocircuito tipo térmica sinaleiros com soquete BA9s EAO n o standard: vermelho e verde (opcional outras cores) standard: multiled (opcional com lampadas,w) Vcc 0% via rede ASInterface Vcc ma por sinaleiro saída desenergizada na falta de comunicação ASI contra curtocircuito tipo térmica programável 0a via programador manual ou software tipo P com acesso no interior do invólucro bit 0: botão e bit : botão bit : sinaleiro VD e bit : sinaleiro não utilizados montado internamente na placa caixa plástica parafusos com borracha de vedação através de parafusos borne aparafusáveis,mm via prensa cabos PG, via conector para cabo flat (cód.: VY) IP6 0 o C a o C g kit terminais Bit de Dados Sinalização Cabo Flat BOTOEIRA ENTRADAS E SAÍDAS BT CONEXÕES PLUG PARA ENDEREÇADOR I/O=h ID=Øh I/O=h Botão VD Botão VM Sinaleiro VD Sinaleiro VM ID=0h Bit 0 Bit Bit Bit A sinalização pode ser efetuada por dois multileds de baixo consumo ma, ou por duas lampadas incandescente BA9s de 0mA. A conexão da rede pode ser realizada por um conector exclusivo para cabo flat ASInterface, acrescentandose VY no final do código.. Sense

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Entradas. AS-Interface. Módulo I/O - Digital 4 Entradas MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sensores e Instrumentos. Manual de Instruções

Entradas. AS-Interface. Módulo I/O - Digital 4 Entradas MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sensores e Instrumentos. Manual de Instruções Módulo Digital ASInterface Manual de Instruções Sensores e Instrumentos MANUAL DE INSTRUÇÕES Entradas ASInterface Entrada 4 Entrada Entrada 3 Entrada Conexão da Rede ASInterface Fig. Módulo I/O Digital

Leia mais

monitor de Válvula M31 linha de produtos - monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula Sense

monitor de Válvula M31 linha de produtos - monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula Sense monitor de Válvula M31 linha de produtos monitor duplo IP67 M31 Monitor para Sinalização de Válvula 1 monitor de Válvula M31 Monitores Convencionais O monitor para sinalização de válvulas M31 foi idealizado

Leia mais

Rede AS-Interface: MANUAL DE INSTRUÇÕES. Recomendações de Instalação

Rede AS-Interface: MANUAL DE INSTRUÇÕES. Recomendações de Instalação MANUAL DE INSTRUÇÕES Rede AS-Interface Recomendações de Instalação Rede AS-Interface: AS-Interface é um sistema de conexão eletromecânico de baixo custo, desenvolvido para operar com um par de fios transmitindo

Leia mais

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox PRODUTOS SERIADOS ME30 infobox SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE SINAIS Adquirir, processar e visualizar de 8 a 40 alarmes ou indicadores de estado Funções de alarme configuráveis Anunciadores com possibilidade

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE Em 1990, na Alemanha, um consórcio de empresas elaborou um sistema de barramento para redes de sensores e atuadores, denominado Actuator Sensor Interface (AS-Interface ou na sua forma abreviada AS-i).

Leia mais

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br

Seleção de Produtos. Sensor Fotoelétrico. Como especificar. TECNI-AR Ltda - Tel: 31 3362-2400 w.tecni-ar.com.br Seleção de Produtos Sensor Fotoelétrico Como especificar Saída coletor PNP aberto Saída coletor NPN aberto Temporizador embutido Tipo padrão Tipo relflexivo (Tipo Difuso) Tipo feixe estreito Emissor Receptor

Leia mais

LX - 101 - P - Z LS - 401P - C2 LS - H91F - A SENSOR PARA FIBRA OPTICA SENSOR DE MARCA / CORES SENSOR A LASER. Sensor de marca série LX-101

LX - 101 - P - Z LS - 401P - C2 LS - H91F - A SENSOR PARA FIBRA OPTICA SENSOR DE MARCA / CORES SENSOR A LASER. Sensor de marca série LX-101 SENSOR PARA FIBRA OPTICA SENSOR DE MARCA / CORES LX 100 LX SENSOR A LASER 100 Sensor de marca série LX101 Sensor de marca de alta resolução. Detecta qualquer cor marca pois possui sistema RGB (combinação

Leia mais

MÓDULOS I/O PARA CAMPO AS-INTERFACE

MÓDULOS I/O PARA CAMPO AS-INTERFACE Módulos linha de produtos - * redes industriais MÓDULOS PARA CAMPO AS-INTERFACE www.sense.com.br Sense l NTERFACE ( ) 245-0444 - Compacto: 4 entradas digitais em um invólucro compacto que facilita a instalação

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Série: SRW 01 Versão do Firmware:

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Módulos para Campo. AS-Interface 3.2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Módulos para Campo. AS-Interface 3.2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Módulos para Campo AS-Interface 3.2 Módulos para Campo ASI-interface Rede ASI O ASI3.2 Node pode ser acoplado a qualquer um dos módulos Connection a baixo, que os detecta automaticamente.

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Dez 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET ValveConnectionSystem Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET P20.PT.R0a O SISTEMA V.C.S. O sistema VCS é um conjunto

Leia mais

SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS DLB CLP 642S SISTEMA DIDÁTICO PARA ESTUDO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Sistema didático para estudos e práticas em controladores lógicos programáveis, de constituição modular e possibilita a montagem

Leia mais

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520. Para garantir o uso correto e eficiente do I-7520, leia este manual completo

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês.

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. - Introdução Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. Os relês são elementos versáteis que possuem

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

SSW-05 Micro Soft-starter

SSW-05 Micro Soft-starter Motores Automação Energia Tintas Micro Soft-starter g Compacto g Digital - DSP g Fácil operação g Elevado rendimento g By-pass incorporado REPLACE ME BY A PICTURE! Soft-Starters são chaves de partida estática,

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC113 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia APLICAÇÃO Monitor combinado para alinhamento de correia, velocidade da correia, temperatura de rolamento contínua,

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7

A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7 A APLICAÇÃO DO SISTEMA AS-INTERFACE EM CONJUNTO COM CLP SIEMENS E SOFTWARE STEP7 Prof. Geison Mancuzo geison.mancuzo@fatec.sp.gov.br Faculdade de Tecnologia de Garça (FATEC - Garça) Curso de Tecnologia

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Produtos de Baixa Tensão. Produtos de segurança Linha Safety

Produtos de Baixa Tensão. Produtos de segurança Linha Safety Produtos de Baixa Tensão Produtos de segurança Linha Safety Linha Safety PLUTO - CLP de segurança Simplifica os sistemas de proteção de seu sistema, garantindo o mais alto nível de segurança, categoria

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes

Comando e Sinalização 3SB6. Catálogo resumido. www.siemens.com.br/botoes Comando e Sinalização 3SB6 Catálogo resumido www.siemens.com.br/botoes Abril 2012 SIRIUS dispositivos de comando e sinalização O crescente aumento da complexidade de máquinas e processos, promovem riscos

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Características Técnicas Série Quasar

Características Técnicas Série Quasar Descrição do Produto A Série Quasar é uma linha de painéis tipo CCMi (centro de controle de motores inteligente) para baixa tensão e correntes até 3150 A, ensaiados conforme a norma NBR/IEC 60439-1 - TTA

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Unidade Remota CANopen RUW-01. Guia de Instalação, Configuração e Operação Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Unidade Remota ANopen RUW-01 Guia de Instalação, onfiguração e Operação ÍNE 1 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 2 INFORMAÇÕES GERAIS...4 3

Leia mais

46.52 46.61. 2 reversíveis, 8 A Plug-in/terminais a solda. 2 reversíveis 8/15 250/440 2000 350 0.37. AgNi

46.52 46.61. 2 reversíveis, 8 A Plug-in/terminais a solda. 2 reversíveis 8/15 250/440 2000 350 0.37. AgNi Série - Mini relé industrial 8-16 SÉRIE Características.52.61 1 ou 2 contatos.52-2 contatos reversíveis 8.61-1 contato reversível 16 Montado diretamente em base ou via conectores Faston Bobinas em C ou

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 SENSORES INDUSTRIAIS Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 Tópicos 1. Chaves fim de curso 2. Sensores de proximidade indutivos 3. Sensores de proximidade capacitivos 4. Sensores fotoelétricos 5. Seleção de

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Unidade Remota CANopen RUW-04 Guia de Instalação, Configuração e Operação Idioma: Português Documento: 10002081798 / 00 ÍNDICE 1 INSTRUÇÕES

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

Modelo GC 2109 T. Família GC 2009 Microcontrolado Indicador Digital de Temperatura 1/8 DIN - 98 x 50mm

Modelo GC 2109 T. Família GC 2009 Microcontrolado Indicador Digital de Temperatura 1/8 DIN - 98 x 50mm Modelo T Família GC 2009 Microcontrolado 1/8 DIN - 98 x 50mm Os Indicadores Digitais de Temperatura da Família GC 2009 são instrumentos precisos e compactos, baseados na moderna tecnologia dos microcontroladores,

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

T500 Elite - Hotbus TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia

T500 Elite - Hotbus TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia TM Sistema de Amplo Monitoramento de Planta para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia APLICAÇÃO Monitor para alinhamento de correia, velocidade da correia, temperatura de rolamento contínua,

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N Imagem Ilustrativa Características: 1. Leitura de 125 khz do cartão de proximidade com o EM chip acoplado internamente para o modelo padrão. 2. Os parâmetros do sistema

Leia mais

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W

Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Mini Aquecedor série SEC 016 8W, 10W, 13W Limitador de temperatura Ampla faixa de alimentação Aquecimento dinâmico Economia de energia elétrica Compacto Aquecedor para aplicação em invólucros de pequeno

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br Monitoramento de motores monofásico/trifásico MRU, MRI, MRM 1 Características Tensão de Alimentação UC12-48V ou UC110-240V Contato Reversível Entradas de medição separadas galvanicamente da alimentação

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light http:// Manual do Usuário NibProx Light INTRODUÇÃO Independente do porte de sua empresa, residência ou condomínio, os controladores de acesso NibAccess atendem na medida certa. Compactos e com design arrojado,

Leia mais

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua

Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua Cilíndricos de corrente contínua Proteções... Tensão de trabalho... Sensores indutivos cilíndricos para detecção de peças metálicas em corrente contínua Faceada (blindados) Cabo de 3 fios comp. 3 m (5

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

HXM 500. Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X. Apresentação. Diagrama esquemático. Dados Técnicos

HXM 500. Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X. Apresentação. Diagrama esquemático. Dados Técnicos Módulo de Expansão Híbrido para as famílias ZAP900/ZAP91X Apresentação O módulo HXM500 é uma placa de expansão híbrida desenvolvida para as famílias de controladores ZAP900 e ZAP91X. Disponibiliza 17 pontos

Leia mais

MÓDULO DE ORIENTAÇÃO TCA-MASTER

MÓDULO DE ORIENTAÇÃO TCA-MASTER 1 Tópicos pág. 1. Instalação do sistema... 02 2. Diagrama TCA Master... 07 3. CPU... 08 4. Display... 10 5. Leitor código de barras... 11 6. Tacômetro... 11 7. Modulo de Teste... 13 Elaborado por CQS Engenharia

Leia mais

DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE

DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE Daxxo é um relé eletrônico para gerenciamento e proteção de motores em CCM s inteligentes que oferece um novo conceito em proteção e monitoramento de motores elétricos.

Leia mais

Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação

Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação Catálogo Técnico Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação Monitor de isolação 203-02/2006-0 Tudo sob controle Em aplicações, onde a falta de tensão pode causar graves conseqüências

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B

UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2005. ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B UNIDADE DE SAÍDA ESTENDIDA ÓPTICA ELO.2148/O MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2005 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 5045840068-B Índice Índice... i Introdução...1-1 Conteúdo Deste Manual...1-1 Onde Obter Mais

Leia mais

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B MANUAL DE INSTRUÇÕES Rev.03 Sumário: 1. CARACTERÍSTICAS 2 2. INSTALAÇÃO DO CONVERSOR 2 ALIMENTAÇÃO DS100 COM CENTRAL DE ALARME... 3 ALIMENTAÇÃO DS100 COM PAINEL

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Compacto, fácil de programar e com excelente custo benefício, o ganha mais recursos de software e hardware, podendo assim atender a uma

Leia mais

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas SYNCHROTACT 5 Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas Aplicação SYNCHROTACT 5 é a quinta geração dos equipamentos para sincronização produzidos pela ABB Switzerland

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 Catálogo do Transmissor Gravimétrico de Densidade DG-420 Pág. 1 TRANSMISSOR UNIPRO IV ESPECIFICAÇÕES Alimentação: Alimentação universal

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE

DISTRIBUIDOR - REPRESENTANTE PRODUTO: CHM-T- C-P FOLHA TÉCNICA 1/10 1. CERTIFICAÇÕES DA SELCON 2. APLICAÇÃO O sistema de comprovação de estanqueidade é aplicado de modo a possibilitar a identificação da ocorrência de vazamento de

Leia mais

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 B17 7000 002 REV. 6 06/11 1/8 12.00 48 x 96 mm INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 Manual de Instruções (Junho/2011) Manual de Instruções - UW1200 1 / 8 ÍNDICE 1 - DESCRIÇÃO GERAL...

Leia mais

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial

Série 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial 83400 Regulador eletrônico de pressão diferencial Identifica a pressão diferencial requerida para atuar em filtros com pó Boa interferência de imunidade tal como na Diretiva EMC Usando operação dot matrix

Leia mais

Série EN Manual de instalação

Série EN Manual de instalação Série EN Manual de instalação Documento controlado por órgão regulador. Nenhuma alteração está autorizada sem a prévia aprovação do órgão StoneL Corporation One StoneL Drive 67 US Highway 9 Fergus Falls,

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

Capítulo 9. signum. Dispositivos de comando e sinalização

Capítulo 9. signum. Dispositivos de comando e sinalização Capítulo 9 signum Dispositivos de comando e sinalização SIGUARD Safety Integrated Técnica de segurança Sinalizador 8WD Com lâmpada incandescente e LED Diâmetro Ømm Pág. Tabela de escolha 9/ Acessórios

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

Monitor Inteligente Para Válvula Diafragma

Monitor Inteligente Para Válvula Diafragma Linha de Produtos * Monitores de Válvulas Monitor Inteligente Para Válvula Diafragma Calibração automática Sensoriamento totalmente eletrônico do posicionamento da válvula LEDs Extra Brilho para indicação

Leia mais