NOME DOS AUTORES AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS EM EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS DO ESTADO DO CEARÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOME DOS AUTORES AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS EM EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS DO ESTADO DO CEARÁ"

Transcrição

1 NOME DOS AUTORES AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS EM EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS DO ESTADO DO CEARÁ FACULDADE FORTALEZA 2004

2 NOME DOS AUTORES AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS EM EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS DO ESTADO DO CEARÁ Trabalho de Final de Curso apresentado ao Programa de Graduação em Administração de Empresas, como requisito para a conclusão da disciplina de... Orientador: Prof. Orientador FORTALEZA 2004

3 Dedicamos este trabalho a...

4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais pelo... Aos colegas e professores do curso de... Aos Professores Fulano e Cicrano pelas valiosas...

5 RESUMO A partir da década de 80, tem-se observado uma série de mudanças na forma como as empresas atuam em seus mercados. Motivado principalmente pelo aumento das exigências dos clientes e do crescimento da concorrência, passou-se a valorizar mais os serviços em detrimento da marca, sem que isso reflita na política de preços. Neste contexto, a logística assume um papel determinante, pois é através dela que os produtos conseguem chegar às mãos dos clientes. Fazer isso com a máxima eficácia ao menor custo possível é o maior desafio da logística, que utiliza os fluxos de materiais e informações para cumprir esta missão. Assim, a informação tem assumido uma importância singular, pois ela contribui para a melhoria do serviço ao mesmo tempo em que diminui custos. No entanto, para que as informações fluam de forma rápida e consistente ao longo da cadeia, os sistemas de informações logísticas devem funcionar de forma integrada, tanto internamente como externamente (clientes e fornecedores). O setor de medicamentos, mais especificamente, não é diferente. Responsável por um faturamento de 2,6 bilhões de reais em 2002, este segmento é responsável pela elevação da qualidade de vida da população, uma vez que seus produtos são responsáveis pela manutenção da saúde das pessoas. O presente estudo tem como objetivo avaliar o grau de utilização e integração dos Sistemas de Informações Logísticas em empresas distribuidoras de medicamentos do Estado do Ceará, tanto no âmbito interno como externo. Para tanto, utilizou-se a pesquisa quantitativa, através de questionários estruturados com 6 empresas deste segmento. Os dados coletados permitiram concluir que as empresas possuem a estrutura tecnológica necessária para o funcionamento do SIL, com uma boa integração entre os módulos internos. Apesar disso, as aplicações visando a integração externa ainda não fazem parte da prática destas empresas. Palavras-chave: Logística, Sistema de Informações Logísticas, Integração Logística, Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos.

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Contextualização Caracterização do Problema Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Premissas ou pressupostos Justificativas Organização do trabalho LOGÍSTICA INTEGRADA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Definição de logística Logística integrada A cadeia de suprimentos O papel da informação na logística A TI NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Os Sistemas de Informações Empresariais - ERP Os Sistemas de Informações Logísticas (SIL) A importância do SIL para a integração logística O SEGMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS Sistemática de Distribuição Coletiva de Medicamentos Sistemática de Distribuição de Medicamentos Individuais Sistemática de Distribuição Combinada de Medicamentos Sistemática de Dose Única de Distribuição de Medicamentos...39

7 5. METODOLOGIA Problemática e objetivo Pressupostos Classificação da pesquisa Procedimentos metodológicos Caracterização da amostra Informações básicas Estrutura logística e comercial APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Estruturação dos Sistemas de Informações Logísticas Avaliação da eficiência dos SIL Avaliação da integração dos módulos dos SIL Avaliação da integração dos sistemas pertencentes ao mesmo módulo Avaliação da integração entre os módulos do SIL Avaliação da integração externa Integração com fornecedores Integração com clientes CONSIDERAÇÕES FINAIS...63 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...65

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - TEMPO DE FUNCIONAMENTO E FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS PESQUISADAS TABELA 2 - ESTRUTURA DE LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS PESQUISADAS TABELA 3 - ESTRUTURA COMERCIAL DAS EMPRESAS PESQUISADAS TABELA 4 - AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE INTEGRAÇÃO DOS APLICATIVOS PERTENCENTES AOS MÓDULOS DO SIL TABELA 5 - AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO ENTRE OS MÓDULOS DOS SIL DAS EMPRESAS PESQUISADAS...59

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - FLUXOS LOGÍSTICOS FIGURA 2 - A LOGÍSTICA INTEGRADA...21 FIGURA 3 - REPRESENTAÇÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS...25 FIGURA 4 - VISÃO GERAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS...31 FIGURA 5 - FUNCIONALIDADES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES LOGÍSTICAS...31 FIGURA 6 - CADEIA DE SUPRIMENTO DESINTEGRADA FIGURA 7 - MODELO DE INTEGRAÇÃO DOS SIL EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS...35

10 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - APLICAÇÕES DE TI PARA A LOGÍSTICA QUADRO 2 - APLICAÇÕES ESPECÍFICAS DO SIL AVALIADOS NA PESQUISA...44 QUADRO 3 - DIVISÃO METODOLÓGICA DOS APLICATIVOS DO SIL...45 QUADRO 4 - FORMAS DE AVALIAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DO SIL...45 QUADRO 5 - CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA E ÁREA DE ATUAÇÃO COMERCIAL...48

11 1. INTRODUÇÃO Uma das atividades mais antigas da humanidade certamente é a de transportar e armazenar materiais. Desde quando o homem começou a caçar e coletar frutos para sua subsistência, estas atividades já faziam parte do cotidiano da época. Com o decorrer do tempo, a logística foi utilizada estrategicamente nas campanhas militares da Idade Antiga e Média, onde o transporte eficiente de tropas e suprimentos determinava a vitória em uma batalha. No entanto, por se tratar de um serviço de apoio, sem o glamour da estratégia bélica e sem o prestígio das batalhas ganhas, as pessoas ligadas à logística sempre trabalhavam em silêncio (NOAVES, 2001, p. 32). Foi exatamente da organização militar que se originou a palavra logística, loger, que significa a arte de transportar, abastecer e alojar tropas (MORAES e LACOMBE, 1999). O fato da logística estar presente no desenvolvimento das nações não quer dizer que este ramo do conhecimento humano tenha sido amplamente discutido no meio empresarial e acadêmico. Na verdade, a logística como disciplina empresarial começou a ser discutida em meados da década de 50 do século passado, quando as empresas sentiram a necessidade de uma coordenação integrada dos fluxos de informações e de materiais (BALLOU, 1997, p. 37). A primeira disciplina de logística em um curso superior data de 1950, em Harvard (BARROSO, 2001, p. 8). Já o primeiro livro-texto sobre o tema só veio ser publicado em 1961 (BALLOU, 2001, p. 21). Desde então a logística tem assumido um papel de destaque no contexto empresarial, pois as exigências por maiores níveis de competitividade têm obrigado às empresas a repensarem suas operações. Este fenômeno é explicado, em grande parte, pelas mudanças ocorridas no cenário econômico e de mercado nas últimas décadas.

12 11 Sob o ponto de vista econômico, o avanço da globalização é um fator a ser considerado. Com a abertura dos mercados, as grandes empresas passaram a competir em escala internacional, influenciando a concorrência em países até então fechados como o Brasil. O aumento da concorrência desenfreou uma corrida por melhores níveis de competitividade, o que obrigou os gestores a adotarem práticas conhecidas como os programas de qualidade, reengenharia e downsizing. Uma outra característica da nova economia consiste no aumento dos custos com capital, principalmente para países em desenvolvimento. Os custos com capital aumentam os custos de manutenção de estoques, que contribui significativamente para o aumento dos custos logísticos. Com relação ao mercado, tem-se observado uma mudança no comportamento dos consumidores, o que modifica totalmente a forma de atuação de uma cadeia como um todo. Até pouco tempo, os consumidores eram mais fiéis às marcas ou qualidade dos produtos. A ênfase estava no que o produto era e não o que ele podia proporcionar. No entanto, com a estabilização da economia e o aumento da quantidade de produtos, os consumidores passaram a dispor de mais opções de escolha, o que diminuiu a importância da marca e aumentou a importância dada aos serviços agregados. Dessa forma, atributos ligados ao serviço de suporte ao produto no mercado são cada vez mais valorizados, dentre os quais informações sobre o produto, assistência técnica, peças de reposição, freqüência de visitas dos vendedores, dentre outros. Para Christopher (1997, p. 5), as empresas que não focarem suas atividades de forma a diferenciar seus produtos com serviços, entrarão em um processo de comoditização. Christopher (1999, p 9) e Poirier e Reiter (1997, p. 24) consideram que

13 12 estas são as características do novo mercado, onde os clientes estão mais exigentes, não somente com a qualidade do produto, mas sim com todo serviço a ele agregado. Nesta nova concepção, destaca-se um tipo de serviço que, sem dúvida alguma, agrega valor ao produto: O serviço logístico. Entende-se por serviço logístico como sendo todas as atividades que fazem com que os produtos cheguem às mãos dos clientes na hora e lugar definidos, ou seja, um fornecimento consistente das utilidades de tempo e lugar (CHRISTOPHER, 2001, p. 17), a um custo acessível (BOWERSOX e CLOSS, 2001, p. 71). Assim, conforme é possível constatar, a logística consiste em uma área que permite as empresas atenderem às necessidades dos clientes, agregando valor ao produto básico, ao mesmo tempo em que oferece as ferramentas necessárias para a diminuição de custos e melhor utilização dos ativos disponíveis, permitindo assim alcançar a vantagem competitiva (CHRISTOPHER, 2001, p. 3-4). 1.2 Contextualização Para que as empresas atinjam os níveis de competitividade exigidos pelos clientes, precisam, acima de tudo, trabalhar de forma integrada, onde a informação é o elemento mais importante. As informações devem fluir ao longo da cadeia para que a mesma se torne mais eficiente. Para que isso ocorra, as empresas devem estar preparadas tecnologicamente, onde os sistemas de informações existentes são as molas mestras do processo. Os Sistemas de Informações Logísticas (SIL) são softwares específicos, integrados ou não a outros softwares maiores, que gerenciam as atividades logísticas de uma empresa. Sua importância e funcionalidade estão ligadas às rotinas de entrada, processamento e saída de materiais e as informações produzidas ao longo deste processo. Estes sistemas

14 oferecem o suporte necessário para que os gestores da área de operação tomem suas decisões de forma mais segura possível. 13 No entanto, somente a integração interna através do SIL não garante o gerenciamento eficaz da cadeia como um todo. É necessário que os diversos SILs das diversas empresas se comuniquem e passem a trocar informações, como se fossem uma só empresa. Esta integração externa, ainda pouco difundida no meio empresarial, pode ser feita através de outras tecnologias como o EDI (Eletronic Data Interchange) ou até mesmo a Internet. Em diversos setores da economia, a integração externa ainda é um campo pouco explorado. Uma pesquisa apresentada por Bronzo (2001) relacionava, dentre outros fatores, o nível de integração da Fiat com seus fornecedores. O autor constatou que o EDI era pouco utilizado pela montadora, predominando os contatos via telefone, fax ou . Uma outra pesquisa conduzida por Hees e Maculan (2000) nas Lojas Americanas mostrou que a implantação de EDI é complexa e que seus benefícios são enxergados quando existe um grande número de participantes. 1.3 Caracterização do Problema Em se tratando do segmento de distribuição de medicamentos, onde o fator tempo e as informações dos produtos constituem elementos determinantes para a competitividade das empresas, a utilização da Tecnologia da Informação (TI) no processo logístico é ainda mais relevante. A distribuição de medicamentos consiste em uma atividade de suma importância para a contribuição para o aumento da qualidade de vida da população, uma vez que é através deste canal que grande parte destes produtos chegam às mãos dos consumidores.

15 14 No Estado do Ceará, onde a população, em sua grande maioria, não dispõe dos recursos necessários para comprar os medicamentos que precisa e o setor público vem desempenhando este papel de forma precária, a distribuição eficiente torna-se imprescindível. Neste aspecto, é imprencindível que os medicamentos cheguem aos pontos de venda de forma rápida e com o menor custo possível. Em parte, este objetivo pode ser alcançado se as empresas dispuserem de bons sistemas de informações, que possibilitem uma integração interna e externa, uma vez que estas medidas refletem em menores desperdícios, maior produtividade, reduzindo os custos, além de proporcionar uma melhor prestação de serviço. Porém, o que se verifica é que as empresas têm sentido dificuldades em implantar e manter seus sistemas de informações, bem como integrá-los de forma satisfatória. A grande pergunta que se faz neste sentido é: As empresas distribuidoras de medicamentos possuem Sistemas de Informações Logísticas que possibilitem um gerenciamento de forma integrada, tanto internamente como externamente? 1.4 Objetivos Objetivo Geral O presente estudo tem como objetivo avaliar o grau de utilização e integração dos Sistemas de Informações Logísticas dos distribuidores de medicamentos do estado do Ceará, sob o ponto de vista interno (logística de entrada, logística interna e logística de saída) e externo (fornecedores e clientes).

16 Objetivos Específicos Além do objetivo principal, o estudo busca também: 1. Entender a importância da informação logística para e eficiência e eficácia das empresas. 2. Caracterizar o setor de distribuição de medicamentos no Ceará. 1.5 Premissas ou pressupostos O estudo parte das seguintes premissas ou pressupostos: P1: As empresas distribuidoras de medicamentos pesquisadas possuem as bases tecnológicas necessárias para o gerenciamento das atividades logísticas, ou seja, possuem Sistemas de Informações Logísticas estruturados, com base na adoção de softwares ERP (Enterprise Resource Planning). P2: Os gerentes de logística das empresas pesquisadas não confiam nas informações geradas pelos SIL, nem tampouco consideram estes sistemas capazes de gerar informações ágeis para a tomada de decisões, ou seja, impera a desconfiança perante os SIL. P3: Existe pouca integração entre os módulos do Sistema de Informações Logísticas, o que dificulta a tomada de decisões, uma vez que as informações nem sempre são ágeis e confiáveis. P4: As empresas ainda não despertaram para a importância da integração externa, pois não utilizam ferramentas que permitam a troca de informações com clientes e fornecedores.

17 Justificativas Entende-se que a pesquisa apresenta uma contribuição significativa para a compreensão dos fenômenos ligados ao gerenciamento da logística nas empresas brasileiras, principalmente no que se refere ao segmento de medicamentos. Neste aspecto, a grande motivação para a realização deste trabalho reside no fato do setor de medicamento ser de fundamental importância para a população. Como o correto gerenciamento do fluxo de produtos pode deteminar se uma doença será ou não diagnosticada, a logística assume o papel principal na operacionalização deste setor. Para tanto, a necessidade de se trocar informações permite que as empresas participantes da cadeia possam fazer isso de forma mais racional. 1.6.Organização do Trabalho O presente trabalho acadêmico está estruturado em 7 (sete) capítulos, ou seja, seguindo-se a esta introdução ter-se-á cinco capítulos de desenvolvimento e um capítulo com as considerações finais. Os parágrafos a seguir detalham cada capítulo. O segundo capítulo deste trabalho abordará o tema Logística integrada e gerenciamento da cadeia de suprimentos a fim de apresentar ao leitor conceitos inerentes à definição conceitual de logística, cadeia de suprimentos, com ênfase na importância da integração e da informação. No terceiro capítulo, o tema a ser abordado é A TI na cadeia de suprimentos. Assim, apresentar-se-á os principais conceitos acerca dos aplicativos ou softwares que ajudam a Logística cumprir a sua missão. Dentre os diversos sistemas, destacam-se o Sistemas de Informação Empresariais (ERP) e o Sistema de Informação Logísitca (SIL). No fim do capítulo, será discutida aa importância do SIL para a logística.

18 17 O quarto capítulo tem como objetivo explicar as características e dados sobre o setor de distribuição de medicamento, onde serão apresentados os 4 (quatro) principais tipos de distribuição deste setor, bem como sua importância para o varejo farmacêutico. No quinto capítulo do trabalho, a metodologia da pesquisa será detalhada, onde, a partir de uma problemática, serão definidos os pressupostos e os objetivos. Além disso, a pesquisa será classificada de acordo com a metodologia científica e, por fim, serão descritos os procedimentos metodológicos. O sexto capítulo é destinado à apresentação dos resultados da pesquisa. Nessa linha de análise, serão estudadas a estruturação do sistema de informações logísticas, a integração dos módulos e a eficiência na geração de informações que permitam uma tomada de decisão por parte dos gerentes de logística do setor. Por fim, o último capítulo será destinado às considerações finais do estudo, onde a partir dos pressupostos colocados, estes serão validados ou não. Além disso, o estudo coloca ainda algumas considerações pertinentes ao trabalho e ao assunto estudado.

19 2. LOGÍSTICA INTEGRADA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS A logística na forma como a conhecemos hoje sofreu uma evolução ao longo do século passado. Segundo Furhmann (2003, p. 17), o sistema logístico e suas ferramentas tiveram um progresso considerável desde a Segunda Grande Guerra. O mesmo autor, fazendo uma referência a Lambert, Stock e Vantine (1999), afirma que a logística passou de uma concepção separada de suas funções, para uma concepção integrada e posteriormente este conceito evoluiu para uma concepção mais ampla, de cadeia de suprimentos. Segue abaixo as principais referências sobre esta evolução. 2.1 Definição de Logística Vários autores definem a logística sob o contexto empresarial. Dentre os conceitos existentes, destaca-se aquele apresentado por Bowersox e Closs (2001, p. 20), em referência à definição do CLM (Council of Logistics Management), que traz o seguinte: Logística é o processo de planejamento, implementação e controle eficiente e eficaz do fluxo de armazenagem de mercadorias, serviços e informações relacionadas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender às necessidades dos clientes. Esta definição é compartilhada por outros autores como Ballou (1997, p. 24), Christopher (1997, p. 2), Novaes (2001, p. 36), Pozo (2002, p. 13), dentre outros. Como é possível observar na definição dada pelo CLM, a logística trabalha com dois fluxos básicos: O de materiais e o de informações. Alguns autores consideram um terceiro, chamado de fluxo

20 financeiro (CAVANHA FILHO, 2001, p. 6). A Figura 1 representa os fluxos considerados pela logística. 19 Fornecedor Empresa Cliente Fluxo de materiais Fluxo financeiro Fluxo de informações Figura 1. Fluxos logísticos. Fonte: Adaptado de Cavanha Filho (2001, p. 6). O fluxo de materiais é aquele mais visível no gerenciamento logístico. São as matérias-primas, componentes, materiais de consumo e produtos finais ao longo da cadeia. Seu início se dá na expedição inicial de matérias-primas ou componentes por um fornecedor e terminam quando um produto fabricado é entregue ao cliente (BOWERSOX e CLOSS, 2001, p. 44). Geralmente, o fluxo de materiais flui dos fornecedores em direção aos clientes finais, ou seja, à jusante da cadeia. A única exceção se dá nos casos dos materiais que são reciclados ou que tem uma destinação reversa, onde o fluxo se dá de forma contrária, ou seja, à montante. O fluxo financeiro ou de dinheiro, ao contrário do fluxo de materiais, flui dos clientes em direção aos fornecedores, pois são os clientes quem pagam para adquirirem os produtos e serviços ao longo da cadeia. Por fim, tem-se o fluxo de informações. Este fluxo se locomove ao longo da cadeia nos dois sentidos, à montante e à jusante. Clientes fornecem informações de pedidos e demanda para os fornecedores que por sua vez fornecem informações sobre entregas e disponibilidades de estoques. O principal objetivo do fluxo de informações é planejar e executar operações logísticas integradas (BOWERSOX e CLOSS, 2001, p. 45).

21 20 A forma como os fluxos são gerenciados determina a eficiência e eficácia da logística de uma empresa. Segundo Christopher (1997, p. 10), o desafio do gerenciamento do fluxo logístico é descobrir os meios com os quais possa ser melhorada a relação entre o tempo consumido em atividades que adicionam valor e àquele consumido com atividades que não adicionam valor. 2.2 Logística Integrada Na base do moderno conceito de logística integrada, considera-se que a logística deve ser vista como um instrumento de marketing, uma ferramenta gerencial, capaz de agregar valor por meio de serviços prestados (FLEURY, 2000, p. 31). Para Bowersox e Closs (2001, p. 43), a logística é vista como a competência que vincula a empresa a seus clientes e fornecedores. As empresas devem integrar suas operações internas como compras, gerenciamento de estoques, produção e distribuição. Embora essa integração seja prérequisito para o sucesso, não é suficiente para garantir que a empresa alcance suas metas de desempenho. Para isso, é necessário que a empresa expanda a abordagem integrada para incorporar clientes e fornecedores imediatos (BOWERSOX e CLOSS, 2001, p. 43). Para ser gerenciada de forma integrada, a logística deve ser tratada como um sistema, ou seja, um conjunto de componentes interligados, trabalhando de forma coordenada, com o objetivo de atingir um objetivo comum. (FLEURY, 2000, p. 35). Em empresas que não adotaram uma abordagem integrada de sistemas, a logística torna-se um conjunto de atividades fragmentadas e descoordenadas, pulverizada dentre as diversas funções organizacionais, sendo que cada função em si tem seu próprio orçamento,

22 21 prioridades e medição (LAMBERT, 1998 apud FAYET, 2002, p. 27). A Figura 2 demonstra a logística tratada de forma integrada. Fluxo de materiais Clientes Distribuição Física Apoio à manufatura Suprimentos Fornecedores Fluxo de informações Figura 2. A logística integrada. Fonte: Bowersox e Closs (2001, p. 44). Conforme pode ser observado na figura acima, a logística é considerada integrada quando as atividades são executadas de forma síncrona, ou seja, os materiais fluem a partir das compras, passando pela manufatura e distribuição física, até chegar aos clientes, suportado por um sistema que gere informações ao longo deste fluxo. Segundo Bowersox e Closs (2001, p. 49), através do gerenciamento logístico integrado, as empresas procuram atingir seis objetivos operacionais: 1. Resposta rápida: Habilidade das empresas em satisfazerem as necessidades dos clientes em tempo hábil, através dos sistemas de informações, eliminando estoques excessivos. 2. Variância mínima: Diminuir consideravelmente a ocorrência de erros como entregas erradas, produtos defeituosos, dentre outros. 3. Estoque mínimo: Reduzir consideravelmente os níveis de estoques no sistema, sem que haja um prejuízo no nível de serviço ao cliente. Isso pode ser conseguido através de

23 22 uma melhor comunicação entre as empresas, no que se refere a dados como demanda de produtos, por exemplo. 4. Consolidação e movimentação: Elaborar programas que possibilitem o agrupamento de cargas pequenas e, conseqüentemente, uma movimentação consolidada, de forma a diminuir os custos com transportes. 5. Qualidade: Fazer com que os produtos e os serviços a ele agregado sejam executados com qualidade, de forma que o esforço logístico desprendido para movimentar os produtos não seja refeito. 6. Apoio ao ciclo de vida: De acordo com o ciclo de vida do produto, oferecer o suporte necessário para a operação no mercado. Faz-se necessário concentrar esforços para minimizar os custos totais de logística, reduções em um custo implicam aumento do custo total. A integração, além de melhorar o fluxo de estoques, melhora a utilização de ativos de transporte e armazenagem, além de eliminar a duplicação de tarefas em departamentos (LAMBERT, 1998 apud BARROSO, 2001, p. 18). A questão da integração logística será pré-requisito para estabelecer algum grau de competitividade. Contraditoriamente, a implementação dessas ações logísticas integradas, principalmente no Brasil, no século XX, não vem sendo executada com a relevância e o destaque que deveria ter (FAYET, 2003, p. 32). 2.3 A Cadeia de Suprimentos A grande maioria das empresas tem focado suas operações de maneira a atingir um nível de competitividade que os permitam sobreviverem inseridos em um mercado caracterizado pelas exigências de qualidade, variabilidade e rapidez dos produtos e serviços, sem que isso corresponda a um respectivo aumento de preços.

24 23 Dessa forma, as empresas têm se conscientizado de que não será mais possível atingir esse nível de exigência de forma isolada. Ao invés disso, as empresas têm se organizado de forma coordenada para atuarem como se fosse uma única empresa, unindo habilidades e neutralizando deficiências (RICARTE, 2003, p. 22). Para Christopher (1999, p. 101), tornar as redes ou cadeias mais eficientes na satisfação das exigências de mercado requer um alto nível de cooperação entre as empresas e o reconhecimento da necessidade de tornar relacionamentos mutuamente benéficos. Surge então o conceito de Cadeia de Suprimentos e seu gerenciamento (SCM). Para Christopher (1997, p. 15), cadeia de suprimentos consiste numa rede de organizações envolvidas, com ligações nos sentidos para cima e para baixo, em diferentes processos e atividades, produzindo valor, na forma de produtos e serviços para os clientes finais. Para Handfield e Nichols, (1999) apud Geraldi e Da Silva (2002), a cadeia de suprimento engloba todas as atividades, assim como os agentes envolvidos no fluxo de informações e de transformações de materiais desde a matéria na sua forma mais bruta até o usuário do produto acabado, envolvendo inclusive as organizações prestadoras de serviço. Para Chopra e Meindl (2003, p. 5), cadeia de suprimentos engloba todos os estágios envolvidos, diretos ou indiretamente, no atendimento de um pedido ao cliente. Finalmente, Simchi-Levi et al (2003, p. 27) conceituam cadeia de suprimentos, também referenciada como rede logística, como uma rede constituída por fornecedores, centros de produção, depósitos, centros de distribuição e varejistas, e ainda por matéria-prima, estoques de produtos em processo e produtos acabados que fluem entre as instalações. A Figura 3 representa uma cadeia de suprimentos genérica.

25 24 Fornecedor primário Fornecedor secundário Fabricante Distribuidores Varejistas Figura 3. Representação da cadeia de suprimentos. Fonte: Figura adaptada de CHING (1999). A partir da integração das empresas em forma de cadeia, surge a necessidade de se criar estratégias e operações para o seu gerenciamento. Emerge, assim, o conceito de gestão ou gerenciamento da cadeia de suprimentos. Para Simchi-Levi et al (2003, p. 27), a gestão da cadeia de suprimentos é um conjunto de abordagens utilizadas para integrar fornecedores, fabricantes, depósitos e armazéns, de forma que a mercadoria seja produzida e distribuída na quantidade certa, para a localização certa e no tempo certo, de forma a minimizar os custos globais do sistema, ao mesmo tempo em que atinge o nível de serviço desejado. Dessa forma, a chave do gerenciamento é a integração e não simplesmente interface entre os diferentes elos da cadeia (CHRISTOPHER, 1999, p. 14). Cleto e Lourenço (2000) afirmam também que o Gerenciamento da Cadeia de Suprimento (SCM) parte do pressuposto que a melhor satisfação do consumidor final depende da administração da rede e compras e insumos, produção e distribuição, de forma integrada (desde o fornecedor até o cliente), valorizando as interconexões entre as variáveis e os processos-chave, tanto internos quanto externos à unidade de negócio. Mais enfático, Pires (1998) chega a defender que atualmente, as mais efetivas práticas de SCM visam obter uma unidade de negócios que propicie muito dos benefícios da tradicional integração vertical, sem comuns desvantagens em termos de custos e perda da flexibilidade a ela inerente.

26 25 Dessa forma, é possível constatar que o SCM é uma extensão da Logística Integrada, agregando um conjunto de processos de negócios que ultrapassa as atividades diretamente relacionadas com a Logística Integrada. Enquanto a Logística Integrada representa uma integração interna de atividades, o SCM representa sua integração externa (FAYET, 2003, p. 24). Essa evolução foi suportada principalmente pelo avanço da Tecnologia da Informação, que criou as condições ideais para a implantação dos processos de coordenação das atividades, desde o fornecedor do fornecedor até o cliente do cliente (FLEURY, 2000, p. 42). 2.4 O Papel da Informação na Logística A informação é um dos elementos mais importantes nas empresas, até mais que a terra e o capital (PRUSSAC, 1995 apud SOARES, 2000, p. 28). Em se tratando da Logística, Correia Neto (2002, p 32) afirma que a criação de um canal eficiente passa necessariamente pela integração entre seus membros, onde o compartilhamento de informações consiste no aspecto determinante. Ricarte (2003, p. 31) concorda, afirmando que a integração da cadeia de suprimentos depende de forma irrestrita da velocidade e qualidade das informações que nela circulam. Simchi-Levi et al (2003, p. 102) comentam que a utilização eficaz das informações auxilia na redução da variabilidade das previsões e conseqüentemente dos níveis de estoque, melhora a coordenação das estratégias, permite aos varejistas prestarem melhores serviços e a reagir mais rapidamente perante as mudanças de mercado, além de reduzir substancialmente os lead-times.

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E CADEIA DE SUPRIMENTOS I Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Tomar contato com os tipos de informação relevantes na Cadeia de Suprimentos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais