Princípios e Procedimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Princípios e Procedimentos"

Transcrição

1 Princípios e Procedimentos Marcos de Barros Lisboa Vice Presidente do Insper

2 Um Diagnós:co Desde 2008, a retomada do Nacional Desenvolvimen:smo. Crescimento decorreria do esdmulo à demanda e da concessão de benehcios e privilégios a setores selecionados. Restrições ao desenvolvimento refle:riam o conflito distribu:vo. Preços elevados seriam o resultado de margens elevadas de lucro e também da carga tributária baseada em impostos indiretos.

3 Um Diagnós:co Polí:cas de intervenção :veram por obje:vo negociar acordos de preços e contrapar:das. Setor elétrico, spread bancário, portos, óleo e gás, automobilís:co, etc. Papel da polí:ca pública seria escolher resultados e os grupos a serem beneficiados. Regras detalhadas, procurando antever todos os casos Para incluir possíveis informações no rodapé do slide, e acesse: impor soluções detalhadas.

4 Resultados Ob:dos Expansão das polí:cas de intervenção e da concessão de benehcios e proteções a grupos selecionados. Subs:tuição dos recursos privados por benehcios públicos sem aumento do inves:mento. Fragilização das empresas, aumento do custo de produção Para incluir informações no país no rodapé do e slide, aumento acesse: da dívida pública para financiar os benehcios.

5 Fragilidades com o Argumento Metade da diferença de renda entre os países decorre da diferença da produ:vidade. Diferença decorre do acesso às melhores técnicas, da sobrevivência de empresas menos produ:vas e da qualidade das ins:tuições. Polí:cas de proteção implicam menor produ:vidade para as empresas à frente da cadeia produ:va EXIBIR->MESTRE->SLIDE e menor MESTRE renda para as famílias.

6 Fragilidades com o Argumento Polí:cas de proteção fortalecem grupos de interesse, que dependem da transferência de recursos da sociedade. BeneHcios tangíveis para quem os recebem, porém os custos são obscuros para a sociedade. Aumento da taxa de juros implícita da dívida. Proteção de setores ou empresas pouco eficientes, afetando a produ:vidade dos demais setores produ:vos ou implicando menor renda das famílias. Polí:cas de proteção apenas se jus:ficam se temporárias, levando ao aumento da produ:vidade, que posteriormente tornam a proteção desnecessária.

7 A Lógica da Ação Cole:va Problema de Persistência de Polí:ca. Grupos beneficiados resistem a re:rada posterior da proteção ou incen:vos. Caso as polí:cas fracassem, sua re:rada pode inviabilizar os setores beneficiados, ainda que beneficiem restante da sociedade. Pouca transparência dos custos e benehcios pode levar a persistência de polí:cas ineficientes: os beneficiados Para incluir as informações defendem, no rodapé do slide, porém acesse: o restante da sociedade se abstém pela pouca evidência sobre os seus custos.

8 Outro Diagnós:co Divergências e conflitos são inerentes à sociedade. Necessidade de regras e procedimentos para a deliberação democrá:ca. Previsibilidade, alçadas bem delimitadas, controles sobre os desvios das regras. Regras de representação e critérios de compensação Para incluir para informações os no rodapé a:ngidos. slide, acesse: Crescimento sustentável decorre de ganhos de produ:vidade.

9 Outro Diagnós:co Historicamente, a produ:vidade cresce a taxas modestas no Brasil. A década de 2000, como no milagres, entretanto, assis:u a maior crescimento da produ:vidade. Crescimento foi liderado pelo agronegócio e os setores de serviços financeiro. Agronegócio: melhoras na tecnologia de produção, acesso a insumos mais produ:vos e ganhos de escala. Serviços financeiros: a evidência do impacto de reformas ins:tucionais.

10 DECOMPOSIÇÃO DO CRESCIMENTO PIB Capital Utilização Trabalho PTF ,7 1,0-0,1 1,5 0, ,0 1,0 0,3 1,3 1,3 DIF Lula- FHC 1,3 0,0 0,4-0,2 1,2

11 EVOLUÇÃO DA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Variação Anual da Produ/vidade do Trabalho (%) por Setor a ,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% - 1,0% - 2,0% Agropecuária Indústria Extra:va Indústria de Transformação Prod. e distr. Eletricidade, Gás, Água, Esgoto e Limpeza Urb. Construção Civil Comércio Transporte, Armazenagem e Correio Serviços de Informação Int. financeira, seguros e prev. comp. A:vidades imobiliárias e aluguéis Outros serviços Adm., Saúde e Educação Públicas e Seg. Social Total

12 REFORMAS E PRODUTIVIDADE Brasil passou por profundas reformas desde 1990: A estabilidade econômica, a renegociação das dívidas dos bancos estaduais, e a lei de responsabilidade fiscal resultaram em maior segurança sobre o ambiente econômico; Abertura comercial e o maior acesso a insumos e bens de capital mais eficientes; Novas tecnologias, como as desenvolvidas pela EMBRAPA e pela ESALQ. Reformas Ins:tucionais: priva:zação e crédito.

13 Reformas e Produ:vidade O desenho ins:tucional afeta a qualidade das garan:as nas operações de crédito e seu custo de execução em caso de inadimplência. Melhores garan:as reduzem os problemas decorrentes de seleção adversa e de risco moral, resultando em maior eficiência na concessão de crédito e menores taxas de juros: menor perda em caso de inadimplência e menor risco de sua ocorrência. Exemplo: crédito consignado.

14 REFORMAS E GANHOS DE PRODUTIVIDADE Diferença das taxas de juros mensais: consignado e crédito pessoal Crédito Pessoal* (1) Crédito Consignado (2) (1) - (2) dez- 05 5,31 2,75 2,6 dez- 09 4,09 2,12 2,0 jul- 12 3,41 1,69 1,7 *Exclui consignado e rota/vos. Fonte: BACEN

15 A Mudança de Rumo Após 2008 Retorno progressivo ao Nacional Desenvolvimen:smo. Expansão da concessão de benehcios e privilégios a grupos escolhidos. Expecta:va de que a expansão da demanda, consumo mais inves:mento, aceleraria crescimento. Porém, inves:mento não aumentou. Similaridade com a sequencia do período militar: PAEG Milagre - crise externa - desenvolvimen:smo baixo crescimento? A diferença democrá:ca: procedimentos para reformas tornam processo mais lento, porém mais resiliente.

16 Evolução da produ:vidade do trabalho Do 4º TRI ºTRI 2004 ao 4º TRI ºTRI 2010 Do 4º TRI ºTRI 2010 ao 4º TRI ºTRI 2012 PIB PIB PIB 4,5 População Ocupada 2,4 Produtividade 2,1 0, PIB 1,7 População Ocupada 1,8 Produtividade - 0,1 0,000000

17 Qualidade da Polí:ca Pública O Brasil possui uma carga tributária de 37% do PIB, bem maior do que a grande maioria dos países emergentes, em geral abaixo de 30%. Apesar disso, os resultados sociais dos gastos públicos, como os mensurados pela escolaridade média da população ou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são piores do que observado Para incluir informações em países no rodapé do slide, com acesse: carga tributária semelhante.

18 CARGA TRIBUTÁRIA E O IDH Afonso, Soares e Castro (2013)

19 DESMERECIMENTO DA POLÍTICA SOCIAL: O CASO DA EDUCAÇÃO 12 Average years of schooling of the working force Lingua Inglesa Europa Continental Península Ibérica, Grécia e Turquia Tigres Asiáticos Maiores países A. Latina exclusive Brasil Sul da Asia África Sub-saariana Brasil

20 Fechamento Comercial Apesar de bastante fechada, a economia brasileira assis:u a maior proteção a diversos setores nos úl:mos anos. Trade policy and Trade openess Trade Index score vs. GDP per capita Brazil , , , , , ,00 GDP per capita (avg ) trade freedom Trade freedom score (0-100) Chile Brazil AVERAGE Source: Heritage Founda:on (Index of Economic Freedom, 2013) Source: Interna:onal Chamber of Commerce, IMF

21 Evolução das Tarifas Efe:vas Tarifas Efe/vas (%) Líquidas de Imposto, por Setor Automóveis, camionetas e u:litários Caminhões e ônibus Refino de petróleo e coque Perfumaria, higiene e limpeza Pecuária e pesca Petróleo e gás natural Celulose e produtos de papel Agricultura, silvicultura, exploração florestal Ar:gos do vestuário e acessórios Peças e acessórios para veículos automotores Tarifa Ef. líquida de impostos 2000 (%) Tarifa Efe:va 2005 (%) Fonte: Cas/lho, Ruiz e Melo (s.d.)

22 Dilemas da Polí:ca Fiscal Regras mandatórias implicam comprome:mento crescente dos recursos. Falta de avaliação sistemá:ca e independente dos resultados dificulta gestão mais eficiente da polí:ca pública no enfrentamento dos desafios sociais. Pouca transparência dificulta análise dos custos sociais Para incluir e informações do impacto no rodapé do slide, sobre acesse: a geração de renda da maior carga tributária.

23 Dilemas da Polí:ca de Crescimento Crescimento sustentável requer ganhos de produ:vidade, a capacidade de crescimento da renda sem a oneração dos recursos produ:vos. Maior produ:vidade requer melhor qualificação dos trabalhadores e regras que incen:vem a melhor u:lização dos fatores de produção. Ins:tuições e o alinhamento dos incen:vos individuais aos benehcios sociais. Transparência, Para incluir informações governança no rodapé do slide, acesse: e mecanismos democrá:cos para a resolução de conflitos.

24 Dilemas da Polí:ca de Crescimento Todos os interesses e impactos sociais e ambientais devem estar representados e adequadamente mensurados. Critérios, regras e procedimentos para a mediação representa:va das divergências. Transparência, publicidade e segurança jurídica das decisões. Redução do Para incluir contencioso informações no rodapé do jurídico slide, acesse: e dos conflitos disfuncionais.

25 Proposta 1: Jus:ça Econômica Setores semelhantes devem receber tratamento semelhante do poder público. Uniformidade das regras tributárias. Simplificação dos procedimentos. Exceções devem ser deliberadas em audiências públicas, por comitês com representantes independentes e critérios de desempenho e avaliação independente dos resultados.

26 Proposta 1: Jus:ça Econômica IVA: crédito financeiro e não produ:vo. Simplificação das regras para compensação de impostos. Mudanças nas regras valem para fluxo, não para o passado. Convergência para imposto sobre o consumo não na origem. Redução dos impostos transferidos diretamente a grupos privados.

27 Proposta 2: Focalização da Polí:ca Social As famílias de baixa renda são homogêneas por serem frágeis, porém heterogêneas nas suas necessidades. Programas de transferência de renda permitem que as próprias famílias decidam as fragilidades que devem ser enfrentadas, ao invés de regras que tratem os diferentes como iguais. Polí:cas públicas Para incluir informações são no mais rodapé do slide, eficazes acesse: quanto mais jovens são as pessoas, sobretudo na primeira infância.

28 Proposta 3: Governança e Regulação Regras e procedimentos para a deliberação sobre inves:mentos em infraestrutura. Definição de alçadas, critérios e metas de desempenho para as agências regulatórias. Mecanismos públicos para a negociação de conflitos e a indenização dos grupos afetados. Poderes eleitos definem polí:ca pública, nomeiam gestores das agências, metas de resultado e procedimentos Para incluir em informações caso no rodapé de do descumprimento. slide, acesse: Agências independentes responsáveis pela execução.

29 Proposta 3: Governança e Regulação Modelo de agência independente permite a dissociação dos obje:vos de longo prazo e o ciclo eleitoral de curto prazo. Diretores das agências responsabilizados pelos resultados, reduzindo a contaminação da gestão pelos interesses de curto prazo. Polí:ca pública e as metas a serem a:ngidas permanecem atribuições dos poderes eleitos, assim como a nomeação dos diretores das agências. Similar a independência Para incluir informações no rodapé do slide, Banco acesse: Central e metas de inflação, que EXIBIR->MESTRE->SLIDE reduz o MESTRE risco de leniência com inflação em função do ciclo eleitoral, similar ao atual dilema em energia.

30 Proposta 4: Transparência e Democracia Transparência na concessão de benehcios, deliberação orçamentária e avaliação independente dos resultados. Submissão das exceções à audiência pública. Metas de desempenho e regras prévias para a concessão de benehcios. Agência independente emi:ria avaliações periódicas das diversas polí:cas.

31 Proposta 4: Transparência e Democracia Análise dos resultados ob:dos, custos de oportunidade e eficácia das polí:cas e qualidade dos serviços oferecidos. A deliberação sobre novas polí:cas deveria ser condicionada a análise prévia dos resultados esperados. Regras para disponibilização das informações devem permi:r EXIBIR->MESTRE->SLIDE a avaliação MESTRE dos resultados por ins:tuições de pesquisa independentes.

32 Proposta 4: Transparência e Democracia Agenda de Qualidade da Polí:ca Pública. Avaliação independente e transparente permite a análise da qualidade dos serviços prestados, metas de desempenho, e a responsabilização pelos resultados. Permite igualmente a análise dos custos de oportunidade dos recursos públicos, a expansão das polí:cas bem sucedidas e a descon:nuação das mal avaliadas, Para incluir informações além no rodapé de do slide, melhorar acesse: a qualidade da discussão sobre a carga tributária.

33 Proposta 4: Transparência e Democracia Toda polí:ca pública deveria ter a transparência do Bolsa- Família, com recursos claramente especificados no orçamento e iden:ficação dos beneficiados. Além disso, os dados do IBGE tem permi:do uma extensa análise acadêmica dos seus resultados e o debate informado sobre seus impactos e custos. Contraste com outras polí:cas, como as proteções tarifárias e não tarifárias ao comércio exterior, a concessão de EXIBIR->MESTRE->SLIDE crédito subsidiado, MESTRE a desoneração tributária para grupos selecionados e a polí:ca de conteúdo nacional.

34 Proposta 5: Incen:vos ao Crescimento Desonerar a tecnologia de transformar poupança em inves:mento. Agenda de abertura ao comércio exterior, tarifária e não tarifária. Abertura ao inves:mento estrangeiro e à migração de mão de obra. Simplificação e centralização dos controles: registro de propriedade, abertura e fechamento de empresas. Agilidade e transparência na resolução de conflitos e na execução de obrigações.

35 Princípios e Cuidados Reformas ins:tucionais e mudanças na polí:ca pública com frequência têm resultados inesperados. Avaliações independentes minimizam risco de persistência de polí:cas mal sucedidas. Além disso, mesmo reformas que melhorem a eficiência podem ter custo significa:vo no período de transição. Por isso, a necessidade de uma agenda organizada e paula:na de mudanças, subordinada a obje:vos finais transparentes e bem definidos. Clareza dos princípios e do rumo auxiliam a longa transição.

Produtividade e Crescimento no Brasil Recente:

Produtividade e Crescimento no Brasil Recente: Produtividade e Crescimento no Brasil Recente: Algumas Evidências e Perguntas em Aberto Marcos de Barros Lisboa em colaboração com Samuel Pessôa e Zeina Abdel Latif e assistência de Bruno Komatsu ARGUMENTO

Leia mais

A Restrição Política ao Crescimento Econômico

A Restrição Política ao Crescimento Econômico A Restrição Política ao Crescimento Econômico Marcos de Barros Lisboa Insper O Desafio Fiscal Brasileiro A Restrição Imediata Em 2014, Brasil teve déficit primário de 0,6% do PIB. Estabilização da dívida

Leia mais

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva

Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014. Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Cenários Econômicos e Perspectivas Setoriais Maio/2014 Prof. Jersone Tasso Moreira Silva Sumário da Apresentação 1 Análise Macroeconômica Nacional 2 3 4 Análise do Investimento Privado Análise de Cenários

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Perspectivas Alexandre Schwartsman

Perspectivas Alexandre Schwartsman Perspectivas 2014 Alexandre Schwartsman Desaceleração cíclica ou estrutural? Fonte: IBGE Pistas do mercado de trabalho 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Taxa de desemprego anual 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola Cenário Internacional 3 Desaceleração suave nos próximos anos, mas ainda com crescimento em ritmo elevado Crescimento moderado, limitado pela necessidade

Leia mais

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas

Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro. Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Tendências Econômicas de Mercado & Consolidação no Mercado Varejista Brasileiro Prof. Dr. Alberto Borges MaAas Alberto Borges Ma.as Professor Titular do Departamento de Administração da FEA- RP/USP Graduado,

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

Português: Língua de oportunidades. Números que falam

Português: Língua de oportunidades. Números que falam Português: Língua de oportunidades Números que falam Agenda 1 A CPLP enquanto mercado económico 2 Economia 3 4 5 6 IDE Fiscalidade Plataformas lusófonas Conclusões Slide 2 507 260 Slide 3 Economia Características

Leia mais

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS 02 DE DEZEMBRO DE 2016 ABIQUIM 1 Economia global está desacelerando: qual o impacto de um governo Trump? 2,6 2,3 2,1 1,8 1,6 EUA: título de 10 anos (%)

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP prof.danilopastorelli@saojudas.br características gerais intenso crescimento do PIB intenso crescimento

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia

Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia Observatório do Meio Rural Universidade Politécnica Moçambique, entre a crise financeira e uma nova economia João Mosca Lisboa, 28 de Março de 2017 Apresentação 1. Análise macroeconómica: aspectos essenciais.

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a abril de 2016 RELEASE DE IMPRENSA RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes

Leia mais

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa

ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa ECONOMIA PARANAENSE Perfil Sócio-Econômico de Ponta Grossa Emerson Martins Hilgemberg * Cleise Tupich Hilgemberg ** Alysson Stege *** André Toledo **** Thaís Silva ***** 1. Introdução O conhecimento e

Leia mais

Brasil negativado, Brasil invertebrado

Brasil negativado, Brasil invertebrado Brasil negativado, Brasil invertebrado Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia UFRJ 1 Sumário I. Desenvolvimento econômico 1. Renda 2. Investimento 3. Inflação 4. Contas externas 5.

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

Agosto Município de Anápolis - Goiás

Agosto Município de Anápolis - Goiás Agosto 2012 Município de Anápolis - Goiás Prezados, A ASBAN está sistematizando dados sobre a atividade econômica e financeira na sua região de abrangência com o objetivo de subsidiar as demandas de informações

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam . AS COI^ÍTAS REGIOXAIS A economia gaúcha em 2001: terceiro ano consecutivo de crescimento* Adalberto A. Mala Neto** As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam um crescimento

Leia mais

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Panorama Econômico do Rio Grande do Sul Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Panorama Econômico do Rio Grande do Sul 2008 Unidade de Estudos Econômicos COMPOSIÇÃO DO PIB PIB DO RIO GRANDE DO SUL 62% 9% 29% Estamos mais sujeitos a refletir crises agrícolas que a média da economia

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Os Desafios da Indústria Brasileira Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Brasil adotou políticas de industrialização Processo de Substituição de importações Neutralizar deterioração dos termos de intercâmbio

Leia mais

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley- Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley- Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos

Leia mais

Informe dezembro de 2016

Informe dezembro de 2016 VARIAÇÃO (pontos) Informe dezembro de Análise de outubro de Piora no mercado de trabalho contamina o mercado imobiliário Melhora nas condições de crédito e confiança não impede nova queda na nota média

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV

PERÍODO DE COMPARAÇÃO PIB AGROPEC INDUS SERV FBCF CONS. FAM CONS. GOV ECONÔMICA Conjuntura Economia brasileira encolhe 5,4 % e 0,3% no primeiro trimestre de 2016 no comparativo com o mesmo período do ano anterior e no confronto com o semestre anterior respectivamente PRIMEIRO

Leia mais

Eleição presidencial e recessão econômica: presente e futuro

Eleição presidencial e recessão econômica: presente e futuro CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 13 setembro de 2014

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 23 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Perfil da economia brasileira nos governos Lula e Dilma 1 A economia brasileira no ciclo de governo

Leia mais

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco

Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina. Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Perspectivas para a economia brasileira e a América Latina Ilan Goldfajn Economista-Chefe e sócio Itaú Unibanco Abril 2013 1 Roteiro Internacional Recuperação moderada. Riscos de quebra menores, mas volatilidade

Leia mais

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Henrique Meirelles Ministro da agosto de 2016 2 O Novo Regime Fiscal Expansão dos gastos da União nos próximos 20 anos não pode ser superior à inflação Limite

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRITO FEDERAL JULHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA

ECONOMIA BRASILEIRA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA RESUMINDO: 1º GOVERNO LULA Criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, constituído por representantes dos trabalhadores, dos empresários, do governo e outros setores da sociedade. Rompimento

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

FINANCIAMENTO DA AGRICULTURA BRASILEIRA

FINANCIAMENTO DA AGRICULTURA BRASILEIRA FINANCIAMENTO DA AGRICULTURA BRASILEIRA Apresentação para o COSAG (FIESP) São Paulo, 6 de março de 2017 Evolução do crédito rural: dos anos 1930 a 1945 O penhor rural de safra pendente (1936) A Carteira

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP

O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro: as regras fiscais necessárias FGV SP 1º de junho de 2015 Marcos Mendes Consultor Legislativo do Senado Editor do site Brasil, Economia e Governo As regras criadas

Leia mais

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2 UNESP FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Paulo André de Oliveira Pós Graduação Energia na Agricultura Economista DÓLAR Conjuntura Econômica JUROS BRASIL CRISE FINANCEIRA SETOR INTERNO E EXTERNO Ciclos de

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Agosto Município de Rio Verde - Goiás

Agosto Município de Rio Verde - Goiás Agosto 2012 Município de Rio Verde - Goiás Prezados, A ASBAN está sistematizando dados sobre a atividade econômica e financeira na sua região de abrangência com o objetivo de subsidiar as demandas de informações

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Macroeconomia do Governo Lula. Jennifer Hermann

Macroeconomia do Governo Lula. Jennifer Hermann Macroeconomia do Governo Lula Jennifer Hermann 1. Indicadores Macro (IMA) x Política Macro (PMA) 2. Os IMA do Governo Lula Macroeconomia do Governo Lula Jennifer Hermann 3. A PMA do Governo Lula 4. A Mágica

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

Indicadores Socioeconômicos. Página 1

Indicadores Socioeconômicos. Página 1 Pessoas Empregadas por Subsetores 2. Ind. 3. Ind. 5. Agua, Nome do Indicador 1.Agricultura Extrativa Transformação 4. Eletrecidade Esgoto 6. Construção 7. Comércio 8. Transporte 9. Alojamento 10. Informação

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Variação da Despesa Assistencial

Variação da Despesa Assistencial Por Dentro da saúde suplementar Variação da Despesa Assistencial per capita Um dos maiores desafios para a sustentabilidade do mercado de saúde suplementar é o aumento progressivo dos custos médico-hospitalares

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi EAE 0423-Economia Brasileira I Prof. Dr. Guilherme Grandi CRISE E ESPERANÇA: 1974-1980 - DIONÍSIO DIAS CARNEIRO O capítulo está organizado em cinco seções: 1. Introdução 2. Condicionantes Externos e Internos

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE. Marcelo Barros Amanda Aires CENÁRIO ECONÔMICO ASILEIRO EM TEMPOS DE CRISE Marcelo Barros Amanda Aires SUMÁRIO Breve retrospectiva Demanda agregada Oferta agregada Crise política (contexto econômico) Emprego Análise de cenários PIB

Leia mais

Antonio Delfim Netto

Antonio Delfim Netto ABRAPP 35 o Congresso Brasileiro dos Fundos de Pensão Investimento, Financiamento e Crescimento Antonio Delfim Netto 12 de novembro de 2014 São Paulo, SP 1 I. Revolução Demográfica 1) Efeitos do envelhecimento

Leia mais

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de

BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de BRASIL BREVE HISTÓRIA RECENTE E COMO VOLTAR A CRESCER? Carlos Alberto Sardenberg São Paulo, 16 de setembro de 2015 www.sardenberg.com.br FIM D0 CCCC Real e ajuste China Comodities Crédito Consumo 1997

Leia mais

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES

A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES A CRISE MUNDIAL E O PAPEL DO BNDES Luciano Coutinho Presidente do BNDES XXI Fórum Nacional Rio de Janeiro,19 de maio de 2009 1 O posicionamento dos países em desenvolvimento A crise econômica será severa

Leia mais

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as condições materiais (econômicas) da vida social TODAS AS

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a dezembro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Pilares de Sustentação 1.Ambiente Econômico 2.Funding 3.Segurança Jurídica CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2 Ambiente Econômico 2017 Inflação Taxa de Juros Renda

Leia mais

O Brasil está preparado para o novo contexto mundial?

O Brasil está preparado para o novo contexto mundial? O Brasil está preparado para o novo contexto mundial? Previ Programa Encontro de Conselheiros 2009 Salvador, 13 de agosto de 2009 Luciano Coutinho O Brasil ultrapassou o teste da crise A economia brasileira

Leia mais

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros Cenário Macroeconômico para o Agronegócio Geraldo Barros PIB do Agronegócio: 1994/2010 R$ bilhões (de 2010) +37% 597 22(%) (28%) Fonte:Cepea Pib e Shares dos segmentos do Agronegócio 32% 33% 33% 30% 26%

Leia mais

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03

ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE EMPREGO FORMAL... 03 CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 11 NOVEMBRO 2016 1 ÍNDICE BRASILEIROS ENFRENTAM SEGUNDO ANO DE CRISE... 02 1 EMPREGO FORMAL... 03 1.1 SALDO MENSAL DE EMPREGO NA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DO PARÁ... 04

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Apresentação Institucional 2015

Apresentação Institucional 2015 Apresentação Institucional 2015 Nota de Ressalva E s t a a p r e s e n t a ç ã o pode i n c l u i r d e c l a r a ç õ e s q u e p o d e m r e p r e s e n t a r e x p e c t a t i v a s s o b r e e v e n

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva

AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO. Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva AGRONEGÓCIO RIO DE JANEIRO Coordenação Cepea: Ph.D Geraldo Barros Dr. Arlei Luiz Fachinello Dra. Adriana Ferreira Silva PIB AGRONEGÓCIO RJ em 28 R$ 12,2 BILHÕES 6. 4.5 5.616 4.589 3. 1.5 1.688-261 Insumos

Leia mais

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015

Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Construção civil: cenário atual e perspectivas 06/05/2015 Crescimento chinês da construção Taxa de crescimento entre 2007 a 2012 90% 82,61% 83,30% 80% 76,70% 70% 68,07% 60% 50% 40% 41,8% 30% 20% 10% 9,95%

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a fevereiro de 2017 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde

Boletim de Estatísticas. Fevereiro Banco de Cabo Verde Boletim de Estatísticas Fevereiro 2016 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel: +238 260

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr.

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. O Nível de desenvolvimento dos países em sua maioria é medido pelo seu IDH. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações

Leia mais

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL

Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Indicador de inadimplência de Pessoas Jurídicas SPC Brasil e CNDL Dados referentes a outubro de 2016 RESUMO ANÁLISE ECONÔMICA METODOLOGIA DOS INDICADORES INFORMAÇÕES RELEVANTES Presidentes Honório Pinheiro

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal

Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal Caracterização das empresas do setor agrícola com base na informação estatística do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística junho de 2016 I. Estrutura e dinâmica II.

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/115/

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico

Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico Investimento na Infraestrutura Para Impulsionar a Resiliência e Reequilibrar o Crescimento Econômico Inversión en Infraestructura Para Impulsar la Resiliencia y Re-equilibrar el Crecimiento Económico O

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

CEPEA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA ESALQ/USP

CEPEA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA ESALQ/USP CEPEA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA ESALQ/USP O CEPEA tem uma equipe de pesquisa voltada para o mercado de trabalho do agronegócio, cujos resultados passam agora a ser divulgados. O

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA ANTONIO CARLOS SOLERA TARANTINO TERRITÓRIO RIO 8,5 MILHÕES KM 2 BRASIL / VITORIA 27 ESTADOS / UNIDADES POPULAÇÃ ÇÃO O 190 MILHÕES HAB RIQUEZAS NATURAIS E MINERAIS ÁREA

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

Economic São Paulo, Setembro de Lá vem o Brasil Subindo a Ladeira!

Economic São Paulo, Setembro de Lá vem o Brasil Subindo a Ladeira! Economic São Paulo, Setembro de 2016 Lá vem o Brasil Subindo a Ladeira! Pós Impeachment Diagnóstico Correto Políticas Monetária e Fiscal Vulnerabilidade Riscos de Implementação Dívida Pública e Liquidez

Leia mais

Conjuntura econômica e sistemas de garantia recíproca no Brasil

Conjuntura econômica e sistemas de garantia recíproca no Brasil Conjuntura econômica e sistemas de garantia recíproca no Brasil Amaro Luiz de Oliveira Gomes 16 de outubro de 2008 XIII Forum Ibero-Americano de Sistemas de Garantia 1 Agenda I. Crescimento da economia

Leia mais

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana

Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Desigualdade e resultados económicos na África Subsariana Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Outubro de 2015 Plano geral Tendências de desigualdade na África Subsariana Ligação

Leia mais

Cenário Cesta de Limpeza. Nielsen

Cenário Cesta de Limpeza. Nielsen Cenário Cesta de Limpeza Nielsen INCERTEZAS DA ECONOMIA ABALAM A CONFIANÇA Aumento na taxa de desemprego, redução da renda e inflação impactam o consumo PIB 2015-3,8% PIB 2016E IPCA 2016E -3,3% IPCA 2015

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

10- Produtividades e Crescimento

10- Produtividades e Crescimento Formação Livre II O Valor da Tecnologia e a Inovação 10- Produtividades e Crescimento IST MEE (1º ano curricular) 2012/2013, 1º semestre Prof. responsável António S. Carvalho Fernandes Conteúdo 1. O VAB

Leia mais