O Reino de Israel independente: de Jeroboão I a Zambri

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Reino de Israel independente: de Jeroboão I a Zambri"

Transcrição

1 O Reino de Israel independente: de Jeroboão I a Zambri Aluno: Willian Gomes Mendonça Orientadora: Maria de Lourdes Corrêa Lima Introdução A dissolução do reino unido de Davi e Salomão nos últimos anos do século X a.c. oferece bases importantes para a compreensão e formação dos futuros estados divididos no território de Israel. A realidade constitutiva de um único reino unido começa desfigurar-se, e a possível identidade que regia o único estado de Israel está ameaçada. A Sagrada Escritura oferece ao leitor uma leitura teológica dos acontecimentos em torno da divisão dos reinos que em muito difere dos dados arqueológicos. Todavia, as descobertas arqueológicas promovem uma aproximação maior dos dados bíblicos e uma leitura mais ampla das intenções teológicas impressas pelos escritores deuteronomistas na composição do Livro dos Reis. Assim, o presente texto busca conduzir o leitor pelas vias da Sagrada Escritura na companhia da arqueologia tradicional e recente a cerca da constituição do Reino de Judá e do Reino de Israel em duas monarquias distintas. 1 Causas imediatas e remotas da separação dos dois reinos que constituíram o antigo Israel Após a morte de Salomão é importante considerar que existiram fatores que não foram favoráveis aos seus sucessores. E por isso, qualquer tipo de comparação de Salomão com aqueles que o sucederam seria simplificar demais e desconsiderar o contexto histórico que acompanha cada personagem [1]. Salomão tem como sucessor seu filho, Roboão ( ). Para que a entronização se consolidasse em todo o território israelita, Roboão precisava não somente ser aclamado rei em Judá e Jerusalém, mas também no Norte [2]. Roboão foi obrigado a dirigir-se para o antigo centro cultual em Siquém e se submeter a negociações com Israel para efetivação de seu poder como rei [3]. Aqui já se torna compreensível que havia uma tensão considerável entre as tribos do Norte e as tribos do Sul. E que a unidade do reino de Israel não passava de uma realidade pronta a se romper a qualquer momento [4]. A política de Salomão foi, por demais, 1

2 opressiva no norte de Israel e somente sua mão poderosa foi capaz de conter o sentimento de revolta das tribos do norte [5]. No entanto, é sabido que Jeroboão, alto funcionário da corte de Salomão, voltou-se contra o rei em defesa de seu povo que sofria com os trabalhos forçados e os altos impostos (1Rs 11,26). Jeroboão teve que fugir para o Egito para não ser morto por Salomão. Com isso, é possível supor que entre as tribos do norte e as tribos do centro tenha crescido um clima de hostilidade que desembocará na segunda revolta, quando Jeroboão será nomeado rei em Siquém [6]. De tal forma, Roboão se apresenta aos conselheiros das tribos do norte para seu estabelecimento como Rei. Todavia, os representantes das tribos do norte em Siquém pedem em assembleia a Roboão um alívio nos tributos, isto é, na corveia que pesava sobre eles desde seu pai Salomão. Roboão, seguindo a orientação dos jovens e desconsiderando a reflexão dos anciãos, não sede ao pedido das tribos do norte. Em resposta a rejeição de Roboão, os representantes de Israel expressaram: Que parte temos com Davi? Não temos herança com o filho de Jessé. Às tuas tendas ó Israel! E agora, cuida da tua casa, Davi! (1Rs 12,16) [7]. A resposta dos representantes das tribos do Norte expressa mais que um rompimento e divisão do reino. A separação do território em Reino do Norte e em Reino do sul não passava de uma não renovação da união pessoal que havia entre Judá e Israel no tempo de Davi e Salomão. Poderia chamar divisão uma realidade unificada. Mas a unificação não serve para designar a relação entre Judá e as tribos do norte [8]. Já existia entre Israel e Judá uma relação conflituosa e o desejo de independência das tribos do norte que fora reprimida mas não extinta [9]. Os levantamentos arqueológicos na década de 1980 exprimem dados que contribuem para a compreensão da distinção dos estados de Judá e Israel. Foram descobertos assentamentos ao norte e ao sul na antiga Idade do Bronze (c a.c) e na antiga Idade de Bronze média (c a.c.) nas regiões referentes ao local posteriormente ocupados por Judá e Israel. Os assentamentos ao sul e ao norte se apresentam como duas comunidades bem distintas, de modo que as divisões no mapa da Antiga Idade de Bronze ao sul e ao norte correspondem aos respectivos estados de Israel e Judá. Essas regiões ao Sul e ao Norte estavam unidas por um único núcleo central que governava cada qual de modo particular. Pois tanto o norte como o sul se situavam em regiões ambientais bem diferentes [10]. Nesta perspectiva, é possível que a Tribo de Benjamim tenha firmado sua união com Jerusalém e Judá. Em contrapartida, Efraim se uniu a tribo de Manassés e formou Israel [11]. 2

3 Todavia, a Sagrada Escritura vai expressar que a ruptura se deu segundo a vontade de YHWH que designou o profeta Aías de Silo para proclamar Jeroboão ( ) rei de Israel e o profeta Semeías para deter a ação de Roboão sobre a rebelião [12]. Diferentemente de Davi, a promessa de fidelidade de YHWH feita a Jeroboão tem uma condição: fazer tudo o que é justo e digno de honra aos olhos de Deus [13]. Todavia, os profetas citados acima exprimem o desejo de voltar a uma tradição de liderança mais antiga na qual a interferência da monarquia não fosse tão profunda nas prerrogativas tribais e nem mesmo fosse promovido o culto de deuses estrangeiros, como fez Salomão. Dizer que para aqueles que consideravam esta tradição como liderança carismática, isto vai conduzir o Reino do Norte a não reconhecer a dinastia davídica como direito concedido. Neste sentido, compreende-se que a entronização de Jeroboão se deu do mesmo modo que a de Saul: designação profética e aclamação popular [14]. A proclamação de Jeroboão como rei de Israel está para além de uma atitude emergencial. O Reino do Norte tem a esperança de um rei que seja mais solícito aos interesses tribais como foi o rei Saul. Nesse sentido, Jeroboão pode ser comparado com Moisés. Do mesmo modo que Moisés, Jeroboão procede de um ambiente palaciano e se solidariza com aqueles que estão sofrendo com a escravidão por causa da opressão do Faraó. Revoltado com a injustiça que seus irmãos estavam passando, Moisés mata o egípcio e é ameaçado de morte. Jeroboão teve que fugir porque Salomão queria matá-lo. Tanto um como outro têm seus projetos fracassados e têm que fugir para não serem mortos. Deste modo, compreende-se que esta comparação de Jeroboão com Moisés leva à constatação que a opressão sofrida pelas tribos do norte por Salomão e depois por seu filho Roboão são comparadas a opressão do Faraó para com o povo eleito. Toda esta constatação dá a possibilidade de afirmar que Jeroboão e as tribos do Norte se inspiraram na ação do Deus libertador de seu povo no Egito, de tal modo que, encontram no Êxodo motivo para lutar contra o sucessor de Davi e constroem bezerros de ouro em ação de graças a YHWH por lhes restituírem a liberdade [15]. Segundo Antonius Gunneweg, a realeza carismática não está ligada somente à instabilidade sucessiva em torno do trono, mas a uma tradição constitutiva do povo do Reino do Norte no qual o líder é aquele preocupado em beneficiar e cuidar de seu povo. A partir deste dado tradicional do povo de Israel, voltar-se contra o descendente de Davi era ser fiel as suas origens [16]. Contudo, é notável que todos os reis do Reino do Norte tiveram sucessor no trono. Esta constatação dificulta atribuir a Israel a característica de realeza carismática. Pois a realeza carismática pelo qual a Sagrada Escritura caracteriza o Reino do Norte parece 3

4 sobrepor uma realidade mais obscura: a disputas tribais e étnicas que deram origem aos constantes assassinatos em torno do trono em Israel [17]. As tribos no Norte eram bem mais numerosas que no Reino do Sul e ocupavam um imenso território que pode ter favorecido os conflitos internos [18]. Portanto, Israel e Judá tinham muito em comum, tais como a língua, o culto a YHWH e a mesma escrita, a partir do século VIII a.c., mas desde sempre a formação de Israel e de Judá se apresentou de maneira diferente em consequência das características próprias de cada região, dos acontecimentos históricos e o desenvolvimento econômico que lançará para o futuro a possibilidade da formação de um estado independente nas regiões montanhosas ao norte. Outro fator importante que corroborou a independência do Norte foi a invasão do faraó Sesac do Egito por volta do século X a.c. no território israelita. Esta campanha do Egito não foi muito além de Jerusalém e sua ação sobre as tribos do norte não foi tão impactante. Tudo isso abriu caminho para que os assentamentos israelitas ao Norte, já em crescimento demográfico e econômico, pudessem se expandir e formarem um reino independente [19]. Israel tinha certa supremacia em relação a Jerusalém no que tange a prodigalidade e atributos próprios que faziam do Reino do Norte um país independente. Mas o que a Escritura coloca como união entre o Norte e o Sul na realidade corresponde a uma reflexão teológica, que coloca na época de Salomão a formação de um culto a YHWH que apresentaria o rei do Sul como representante de Deus. Esta reflexão teológica levou em consideração todos os deuses que eram cultuados em diversas partes do reino de Israel e atribuiu todo este culto a um único Deus: YHWH [20]. Neste contexto, a insatisfação das tribos do Norte já se fizera presente durante o governo de Salomão quanto à grande carga de tributos que pesavam sobre eles e a imposição da corveia (trabalhos forçados para as construções de Salomão). As tribos do Norte compreendiam que o único mandatário de YHWH, o rei, deveria lutar em prol de seu povo e ser para estes segurança e força, como é descrito em 1Rs 12,7 [21]. Mas, pelo contrário, Salomão promoveu grandes construções e um desenvolvimento econômico que colocou Israel numa base diferente entre as duas partes do reino. O sistema tribal encontrava-se ameaçado e o comprometimento social não era mais para com observância da aliança, mas para com o Estado. Toda esta mudança e crescimento motivou o influxo de novos povos e, por isso, fez nascer em Israel a disparidade crescente entre ricos e pobres, dominadores e dominados. Pois havia a admissão dos ideais comuns ao antigo oriente próximo acerca da pessoa do rei como 4

5 mediador entre Deus e o povo e como garantia da ordem social, sobretudo diante dos mais desprotegidos (pobre, órfão, viúva). Para muitos, de modo especial as tribos do norte, o estado era uma realidade intolerável [22]. 2 - O início da monarquia no Reino do Norte 2.1 O reinado de Jeroboão I: extensão do território e o cenário político externo Com a separação de Judá, o Reino do Norte tem como rei Jeroboão I. Este, por sua vez, tem diante de si um desafio importante diante do grande e rico reino de Israel: criar um estado independente. Inicialmente, era importante criar um novo centro político e cultual que tinha se perdido com a não renovação da união pessoal entre Judá e Israel. Jerusalém, situada no Reino do Sul, era o grande centro político e cultual que unia Israel e Judá. Todavia, Jeroboão I percebe que para consolidar o novo estado era preciso criar uma estrutura política e cultual própria [23]. O culto oficial era algo fundamental no mundo antigo [24]. Não que o Reino do Norte não possuísse uma estrutura cultual e política própria. Mas não na mesma dimensão que Jerusalém. Para Jeroboão I é muito claro o perigo que Jerusalém poderia trazer para a autonomia do Reino do Norte. Com a peregrinação dos israelitas para Jerusalém poderia acorrer o perigo de serem influenciados pela política pró-davídica e acabar afetando substancialmente a formação do novo Reino do Norte [25]. Manter a peregrinação era enfraquecer a lealdade do povo de Israel para com Jeroboão e fortalecer através da celebração do culto a YHWH a sua aliança com Davi. Esta celebração expressava claramente que todos os governos além de Davi eram ilegítimos [26]. Para romper com este perigo iminente, Jeroboão I erigiu dois santuários, conforme o modelo davídico de Jerusalém, em Betel e Dã. Estes dois lugares foram estratégica e inteligentemente escolhidos por Jeroboão. Betel ficava a caminho de Jerusalém e poderia ser uma maneira de interceptar os peregrinos que iriam para lá celebrar seu culto. Dã ficava no extremo Norte de Israel. Porém, nenhum dos dois santuários possuía, como o santuário de Jerusalém, uma arca de YHWH. Jeroboão mandou colocar nos dois santuários a imagem de um touro dourado [27]. Todavia, esta prática de Jeroboão para consolidar o Reino do Norte é fortemente criticada pelos deuteronomistas em 1Rs 12, Este ato, segundo o primeiro Livro dos Reis, levou Israel ao pecado e marcou profundamente sua história condenada ao fim. Mas a visão de Jeroboão era puramente política, cujo objetivo não era afastar o povo de YHWH, mas evitar através da presença de um bezerro de ouro que os israelitas se dirigissem para 5

6 Jerusalém. O bezerro de ouro não era uma substituição de YHWH, mas uma retomada de tradições mais antigas do Reino do Norte [28]. Neste contexto, Jeroboão não criou nada de novo, mas resgatou o culto antigo de Israel fruto da junção de El com YHWH. O touro representa a força de YHWH e, como tal, é o culto que está em conformidade com as velhas tradições javistas quando comparado com as inovações de Jerusalém. Isto é o mesmo que dizer que em Betel o povo de Israel adorava a YHWH como libertador do povo da escravidão do Egito: experiência genuína do povo de Israel quando se refere a YHWH. Em Betel o símbolo do touro era algo popular e próximo do povo diferentemente de Jerusalém onde a arca ficava inacessível ao povo e somente os sacerdotes poderiam ter contato [29]. Assim, como a arca representava a presença de YHWH perto de seu povo em Judá, o bezerro de ouro representava a presença de YHWH em Israel. Porém, além de ser presença de YHWH, o bezerro de ouro poderia ser o símbolo de um dos deuses cananeus da tempestade, que pouco se distinguia de YHWH [30]. E, por isso, o culto do bezerro de ouro tenha sido rejeitado pelos javistas de Judá. Estes, por sua vez, tinham medo que a aceitação do culto ao bezerro de ouro do Reino do Norte incutisse no javismo tradições pagãs que gerassem confusão de YHWH com Baal e pelo símbolo do bezerro de ouro estar associado ao culto de fertilidade [31]. É notável que o Reino do Norte não tivesse uma residência fixa, durante muito tempo, para o monarca, mas um reinado ambulante, de modo que, Jeroboão I transitava entre Siquém nas Montanhas da Samaria e Penuel na Transjordânia. E também utilizou, segundo 1Rs 14,17, Tirza como capital. Nos anos iniciais de seu reinado, Jeroboão exercia seu governo em torno destas três residências [32]. Todavia, esta demora em escolher uma residência fixa demonstra uma insuficiente consolidação que se deu no Reino do Norte. Siquém estava localizada numa região central do Reino do Norte. Mas, Jeroboão transfere-se para Penuel, na Transjordânia. A mudança para Penuel, segundo Gunneweg, ocorreu devido a uma campanha do Faraó Shoshenk I ao norte [33]. Além de Jerusalém, mais 150 cidades e aldeias foram saqueadas e devastadas. As cidades cananéias de Rehov, Betsã, Taanak e Megiddo foram alvos da dominação egípcia [34]. E isto se comprova pela descoberta de uma estela de vitória com o nome de Shoshenk em Megiddo. Todavia, qual o motivo que levou Shoshenk a destruir as cidades do vale de Jesrael e depois erigir uma estela de vitória numa cidade completamente destruída como Megiddo? Assim, para alguns historiadores, estas questões parecem apontar o Reino de Israel, em seus primórdios, como outro possível candidato a ter sido o destruidor das cidades de Canaã. Desta ação egípcia ao norte nada se sabe sobre a reação de Jeroboão. Na 6

7 lista de cidades conquistadas pelos egípcios em Karnak nem sequer aparecem citações a região sul de Judá. O foco das invasões se concentrou ao norte nas regiões cananéias [35]. Além dos cananeus é provável que Shoshenk tenha devastado aldeias israelitas na região montanhosa. A permanência dos egípcios nestas terras não foi duradoura [36], não obteve sucesso e contribuiu para que a união entre a Casa de José e as tribos galiléias se solidificassem [37]. Após o abandono destas conquistas ficou visível que as invasões não foram tão devastadoras. Mas as invasões abriram caminho para que os povos das regiões montanhosas, já em crescimento, se expandissem para as terras cananéias [38]. Esta investida no território do Norte forçou Jeroboão a mudar de residência. Além da falta de uma capital, o Reino do Norte sofreu fortemente com a falta de uma tradição dinástica que desse estabilidade e organização ao novo estado de Israel separado de Judá. Todos os reis de Israel tentaram estabelecer dinastia. Mas a tradição dinástica era sempre interrompida através de usurpações e assassinatos [39]. Por detrás desta inconstância se esconde as disputas políticas tribais que marcam a disputa em torno do trono do Reino do Norte [40]. A extensão territorial do Reino de Jeroboão ( a.c.) abrangia a Casa de José e uma pequena parte em Gile ad, de modo que Tirza era a capital, Betel o local de culto mais importante, Siquém lugar de reunião da assembleia popular e construções, Penuel lugar das construções, e Silo lugar dos profetas, na fronteira ao sul lugar de guerra contra Judá e, a oeste, lugar de guerra contra os filisteus [41]. 2.2 A sucessão de Jeroboão I: de Nadab a Zambri Após a morte de Jeroboão, seu filho Nadab ( ) sobe ao trono e encontra dificuldades e resistência quanto à continuação da dinastia. Esta instabilidade no trono pode ser atribuída às constantes usurpações e revoltas no interior do Reino do Norte. A realeza carismática imputada ao Reino do Norte não passa de sintomas desta instabilidade interna, de modo que, inicialmente não faltaram tentativas de estabelecer uma tradição dinástica como em Judá. Deste modo, Nadab é assassinado quando marchava contra os filisteus por Baasa de Issacar ( ) no acampamento militar em Gibeton [42]. Segundo 1Rs 15, 25-31, o motivo da morte de Nadab, fruto de conspiração e assassinato, consiste em reproduzir os mesmos pecados que seu pai Jeroboão. Baasa era provavelmente um dos oficiais do exército que estava em campanha junto com Nadab e que, segundo 1Rs 16,2, recebeu, assim como Jeroboão, designação profética para se estabelecer no trono de Israel [43]. Esta profecia, proferida pelo Profeta Aías de Silo, dá início a longa série de usurpações e assassinatos em 7

8 Israel [44]. Baasa é da tribo de Issacar em Jesrael e toma o poder em Tirza. E assim, como Nadab, Baasa dará continuidade à oposição com Judá quanto à definição das fronteiras com Israel. Mas, para isso, Baasa fortifica a cidade de Ramá a doze quilômetros de Jerusalém [45]. A fortificação de Ramá pode ser compreendida tanto como uma ação defensiva de Baasa ou como uma atitude de expansão e crescimento de Israel. Todavia, Asa de Judá recorre ao auxílio do arameu Ben-Hadade para atacar Israel no norte em troca de dinheiro vivo. A presença dos arameus no norte de Israel fez com que Baasa deixasse Ramá e se dirigisse em combate contra os arameus. Como consequência, Asa de Judá domina Ramá e a transforma junto com Gaba e Masfa numa fortaleza contra Israel. O conflito entre Judá e Israel tem fim com a vitória judaíta. Porém, a vitória judaíta teve que contar com a presença de inimigos arameus na Galileia [46]. E Baasa sabia do perigo que os arameus representavam para a consolidação territorial do Reino do Norte. Os arameus eram uma nação que tinha se fortalecido, de modo paralelo a Israel, no reino de Damasco [47]. O reinado de Baasa dura vinte e três anos. Em seu tempo, transferiu a sede do governo para Tirza, localizada na montanha de Efraim. A centralidade de Tirza dura até o reinado de Amri [48]. E como todos os usurpadores do trono no Reino do Norte, Baasa vai exterminar todos os descendentes da família de Jeroboão I [49]. Baasa foi sucedido no trono do Reino do Norte por seu Filho Elá ( ). Mas esta tentativa de formar uma dinastia estável em Israel não se concretizou e não existiu, primeiramente, por parte de Elá nenhuma tentativa de envolver-se nas realidades que circundavam seu reino: a batalha contra os filisteus. Elá foi morto em Tirza, durante um banquete na casa de um ministro do patrimônio público, por Zambri, comandante da corporação dos carros de guerras reais. E como Elá, Zambri não juntou-se aos combates contra os filisteus, mas preocupou-se em exterminar toda a descendência de Baasa. Todavia, surgem novas separações: o exército popular não admitiu com tranquilidade estas revoltas palacianas e proclamou rei o general Amri (882/ ). Imediatamente, pararam a guerra contra os filisteus e marcharam em direção a Tirza [50]. Percebendo que estava encurralado, Zambri suicidou-se colocando fogo no palácio. Diferente de Jeroboão e Baasa, Zambri não teve designação profética e nem apoio popular. Estes dois fatores dificultaram sua permanência no trono. Mas, a vitória de Amri não foi imediata. Parece que houve disputas entre facções rivais, de modo que outro nome foi apresentado: Tibni ( ). E só depois de alguns anos Amri pôde se estabelecer no trono de modo definitivo [51]. Estes dois partidos podem ser configurados da seguinte maneira: um partido mais israelita em torno de Jezrael e 8

9 outro partido mais cananeu em torno de Samaria, para onde, depois de alguns anos, Amri transferirá a capital do Reino do Norte, depois de ter reinado seis anos em Tirza [52]. Estas revoltas e assassinatos em torno do trono no Reino do Norte demonstra um enfraquecimento e um poder que não atinge a periferia de Israel. O Reino do Norte está fracamente consolidado e suscetível a instabilidades constantes. A própria ação de proclamarem Tibni como rei de Israel, demonstra uma maciça resistência israelita contra a política religiosa de Amri [53]. O Reino do Norte no período entre Salomão e Amri alcançou grande crescimento e consolidação territorial. Mas este avanço espacial não contou com o avanço da consolidação institucional. Israel estava constantemente suscetível a violentas sucessões em torno do trono, intervenções dos profetas, das assembléias, insatisfações das camadas populares, dos exércitos e das tribos. As disputas tribais e suas preferências prevaleceram sobre a organização e sobre o estabelecimento de uma monarquia estável [54]. 3. A releitura da história 3.1. Os dados bíblicos referentes a este período Os dados bíblicos sobre o Reino independente de Israel de Jeroboão I a Zambri evidenciam uma releitura dos dados históricos de modo diferente de como eles se apresentaram. O relato do cisma dos estados gêmeos no qual foram designados Israel e Judá em 1Rs 12, 1-19 é consequência da infidelidade de Salomão ao permitir a culto a deuses estrangeiros no seu Reino. Em 1Rs 11, 4-8, Salomão não foi fiel a YHWH como seu pai Davi e não só permitiu o culto a Astarte, Melcon e Camos, como também venerou estes deuses por influência de suas mulheres estrangeiras [55]. Segundo Rainer Albertz, a introdução de culto estrangeiros no Reino de Salomão faz parte, assim como o casamento com as mulheres estrangeiras, de uma diplomacia política de unidade com os estados vizinhos. Esta política de diferentes relações com estrangeiros reflete-se na convivência pacífica de diversos cultos em Jerusalém. Diferentemente do Reino do Norte, o Reino do Sul não é severamente condenado pelo seu sincretismo cúltico. Esta realidade religiosa persistiu até a reforma de Josias [56]. Mas, diante da infidelidade, YHWH punirá Salomão com a promessa de entregar parte do reino a um dos seus servos. Portanto, segundo 1Rs 11, 11-13, a promessa só se cumprirá quando Roboão, filho de Salomão, assumir o reino no lugar de seu pai. O pecado de Salomão compromete, em parte, a promessa de YHWH a Davi [57]. YHWH é sempre fiel. Os 9

10 fracassos e os sofrimentos do percurso são determinados pela insistente infidelidade dos reis [58]. O servo de Salomão que receberia de YHWH parte do Reino de Davi é Jeroboão. Para confirmar a promessa de YHWH, o profeta Aías de Silo profetiza a Jeroboão e lhe entrega dez pedaços de pano fazendo referência as dez tribos de Israel. Enquanto que Roboão receberá apenas uma tribo. Em 1Rs 11, 31-39, o profeta anuncia a Jeroboão que a fidelidade da promessa depende da sua fidelidade a YHWH. Enquanto Jeroboão for justo aos olhos de YHWH, o seu reino estará seguro. Todavia, Jeroboão edificou para o Reino do Norte dois santuários, Dan e Betel, e fez dois bezerros de ouro. Com o objetivo de descentralizar Jerusalém como lugar de culto e como lugar político, Jeroboão é desobediente a YHWH ao introduzir bezerros de ouro e induzir Israel ao pecado segundo 1Rs 12, Em contrapartida, Jeroboão recebe, diante do altar de Betel, de um homem de Deus provindo de Judá, a profecia do fim do culto a falsos deuses em Israel pelo rei Josias, que só reinaria depois de três séculos (1Rs 13, 1-2). Mas o descontentamento de Jeroboão não parou por aí. Seu filho caiu doente e sua mulher se dirigiu até o profeta Aías de Silo que havia ungido Jeroboão como rei de Israel. Aías de Silo profetiza a maldição de YHWH sobre a casa de Jeroboão e sobre todo o Israel por causa de seus pecados. YHWH fará com que Israel veja suas terras serem saqueadas e seu povo espalhados para além do Eufrates [59]. 3.2 A linha teológica dos relatos Estas quatro profecias remetem ao período em que o texto é escrito: século VII a.c. Neste período, o Reino do Norte não mais existia e seu povo já havia se espalhado pelo império assírio. Enquanto que Judá prosperava, crescia e afirmava ser o único herdeiro do reino destruído de Israel. Um dos pilares que movia a ideologia e a teologia deuteronomista é a centralidade do templo em Jerusalém em detrimento de Betel que ainda existia no início do século VII a.c. Isto demonstra que Betel tornou-se ao longo do tempo uma grande ameaça para o templo em Jerusalém. De modo que o fim do Reino do Norte e o triunfo de Josias em Judá tornaram-se o centro do relato bíblico [60]. Neste contexto, parece estranha a visão que o historiador deuteronomista apresenta do Reino do Norte e do Reino do Sul. Num primeiro momento, Israel e Judá são irmãos. Num segundo momento, os dois estados apresentam fortes antagonismos. Todavia, como um texto do século VII a.c., é importante compreender que o historiador encontra-se durante o reinado do rei Josias de Judá. Este rei tem a ambição de crescer e reconquistar o reino perdido de 10

11 Israel. E para sustentar esta ambição de Josias, a Bíblia apresenta Israel e Judá como estados irmãos frutos de uma monarquia unificada dada por YHWH a Davi [61]. E como a divisão entre Israel e Judá se deu pela infidelidade dos reis a YHWH, o reino protótipo deveria estar unido novamente [62] tendo como sede Jerusalém. A estratificação deste reino se dá por causa do pecado de Salomão, que compromete a promessa, mas não a anula, de modo que o historiador deuteronomista vai enfatizar Josias como herdeiro de Davi e continuador da promessa de YHWH [63]. Josias não queria apenas revitalizar o Reino de Judá, mas reunir num único reino as dozes tribos de todo Israel [64]. E para isso, era preciso que os historiadores centralizassem o culto em Jerusalém em detrimento do culto do Reino do Norte [65]. Esta maneira de estabelecer uma conexão segura percorrendo toda história de Judá até Davi demonstra-se o melhor caminho para impulsionar a volta ao reino protótipo de Davi e Salomão. Todavia, este percurso é realizado levando em conta as fragmentações do Reino de Israel [66]. Israel apresentava diferentes tradições religiosas que foram sendo combatidas, apagadas e tidas como más pelo historiador deuteronomista, cujo objetivo era restaurar a centralidade de Jerusalém e possibilitar que a era de ouro da época de Davi fosse revivida por Judá no período do reinado de Josias. Mas isso só seria possível pela purificação de Israel através da destruição de Betel. Após esta limpeza, o povo poderá se reunificar num único território e num único culto celebrado a YHWH em Jerusalém. Esta abordagem está dentro da perspectiva da narrativa bíblica que compreende a estratificação entre Israel e Judá não como um ato final, mas como um castigo temporário imputado por YHWH. Esta realidade pode se revertida se o povo deixar a idolatria e o culto aos ídolos e se voltar para YHWH de todo coração [67]. Conclusão A visão bíblica sobre a nova configuração do Reino de Davi a partir do cisma demonstra que o nascimento do Reino do Norte é marcado profundamente pela quebra da exploração sofrida na época de Salomão, exacerbada por seu sucessor, Roboão. A visão bíblica explica o cisma também teologicamente, a partir do pecado de Salomão ao permitir o culto a Deuses estrangeiros através de suas concubinas e junto a elas adorar deuses desconhecidos. A divisão em dois estados é punição divina. O Reino do Norte, fruto de um único Reino que se dividiu, nada mais é do que uma consequência da ação temporária de YHWH em castigar a infidelidade de seu povo. A inexperiente imprudência de Roboão, segundo a Arqueologia tradicional, vai ser o pivô pelo qual as tribos do Norte, já inconformadas com a exploração de Salomão, irão 11

12 decretar oficialmente a separação definitiva de Judá. Mas, para os historiadores, a realidade unificada apresentada pela Sagrada Escritura seria mais propriamente um desejo do Reino de Judá em reconquistar para si o Reino perdido e esquecido de Israel. Com o Livro dos Reis escrito a partir do século VII a.c., época do rei Josias, os escritores deuteronomistas alimentariam o desejo do rei de ampliar suas conquistas. Os estudos arqueológicos sobre os territórios ocupados por Judá e Israel explicitam que eles são duas realidades distintas marcadas cada qual com suas tradições e encerradas em regiões ambientais diferentes. E cada território apresenta um lugar central como sede de governo que regia de modo independente. As tribos do Reino do Norte eram muito mais numerosas que as do Reino do Sul. Esta realidade pode ter contribuído bastante para as constantes usurpações em torno do trono de Israel. Segundo a visão bíblica, a promessa de YHWH feita a Jeroboão para ser rei de Israel apresenta, diferentemente de Davi, uma condição: ser fiel. Se Jeroboão não for fiel a YHWH e não cumprir seus ensinamentos, o Reino do Norte não poderá contar com a proteção e benção de YHWH. Jeroboão I promoveu o culto ao bezerro de ouro ao instituir os santuários de Dã e Betel. O pensamento político de Jeroboão estava baseado no resgate as mais antigas tradições de Israel e no fortalecimento do novo reino que estava se estruturando. Sem um santuário ao qual o povo pudesse oferecer suas ofertas e adorar a YHWH, o Reino do Norte poderia contemplar o povo dirigir-se a Jerusalém. E isto se tornaria um grande perigo para Israel. Em Jerusalém, o povo do Reino do Norte poderia ser influenciado por Roboão e voltarse contra Jeroboão. Para evitar este perigo, Jeroboão decide infundir, nos santuários construídos, o culto ao bezerro de ouro. Este culto não seria uma idolatria do povo de Israel, mas um resgate a antigas tradições do povo das tribos do norte. Todavia, o Reino do Sul contempla as práticas religiosas do Reino do Norte como uma religiosidade que muito se aproximava dos cultos pagãos. E isso poderia levar o povo a afastar-se de YHWH e, por conseguinte, observar práticas estranhas, próprias de cultos pagãos. Toda esta realidade apresentada pelos escritores deuteronomistas tem como objetivo apagar toda a realidade que dilacerou o reino unido de Davi e Salomão. A idolatria é o pecado que deve ser combatido e apagado para que o Reino do Sul e Reino do Norte possam tornar-se uma só nação fiel a YHWH. É sabido que nesta época em que o Livro dos Reis foi escrito, o Reino do Norte já havia sido dominado pelos assírios e seu povo dispersado. E Judá sente-se responsável pelo resgate desta história que não passa de uma estratificação temporária. Pois o reino protótipo deve unir-se novamente. Mas para isso é preciso banir todo pecado representado pelo culto pagão no santuário de Betel, ainda existente na época do rei Josias, e 12

13 ser fiel a YHWH tendo como único local de culto o templo de Jerusalém. Por fim, a arqueologia recente contribui eficazmente ao apresentar através de dados concretos características importantes de cada Reino que permitem ao leitor da Sagrada Escritura vislumbrar o verdadeiro sentido da história tal como é contada, que tanto difere do que se pode reconstruir historicamente. 13

14 Referências Bibliográficas 1- Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. ABERTZ, R. História de La religión de Israel em tiempos Del Antiguo Testamento, v. 1. Madrid, 1999, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexandre Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. ABERTZ, R. História de La religión de Israel em tiempos Del Antiguo Testamento, v. 1. Madrid, 1999, p

15 16- Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. CAZELLES, Henri. História política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986, p Cf. ABERTZ, R. História de La religión de Israel em tiempos Del Antiguo Testamento, v. 1. Madrid, 1999, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. CAZELLES, Henri. História política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. ALBERTZ, R. História de La religión de Israel em tiempos Del Antiguo Testamento, v. 1, p

16 30- Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. SOGGIN, J. Alberto. Storia D Israele, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. CAZELLES, Henri. História política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986, p Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p

17 45- Cf. CAZELLES, Henri. História política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. DONNER, Herbert. História de Israel e dos povos vizinhos v.2: Da época da divisão do reino até Alexande Magno. São Leopoldo: Sinodal, 1997, p Cf. BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo, Paulus, 2003, p Cf. CAZELLES, Henri. História política de Israel: desde as origens até Alexandre Magno. São Paulo: Paulus, 1986, p Cf. GUNNEWEG, Antonius H. J. História de Israel: dos primórdios até Bar Kochba e de Theodor Herzel até os nossos dias. São Paulo, Editora Teológica: Edições Loyola, 2005, p Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. ALBERTZ, R. História de La religión de Israel em tiempos Del Antiguo Testamento, v. 1, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p

18 59- Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P Cf. LIVERANI, Mario. Para Além da Bíblia: História antiga de Israel. Tradução de Orlando Soares Moreira. São Paulo: Paulus: Loyola, 2008, p Cf. FINKELSTEIN, Israel SILBERMANN, Neil Asher. A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa Editora, P

Jörg Garbers Ms. de Teologia

Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel O ESTADO DE JUDÁ Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos 1Rs 12 2Cr 10 Data ~ 931 a.c. As narrativas bíblicas situam aqui o cisma entre as 12 tribos (10 Israel

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

Introdução ao Evangelho

Introdução ao Evangelho CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 6 OS POVOS HEBREU E JUDEU PRÓXIMA AULA Parábola da Rede Os Reis de Israel Samuel foi o último e maior de

Leia mais

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler Linha do tempo A História é a grande mestra Aprendamos dela! Importa saber ler 1 Como ler a História Linha reta: tudo já está determinado. Não há participação, nem liberdade Círculo: tudo se repete. O

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT CRONOLOGIA DO AT CRONOLOGIA DO AT 1. Da criação a Abraão (criação 2000

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós.

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61 1 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. 2. Lição Bíblica: 1 Reis 11 a 14 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

Uma introdução à Bíblia

Uma introdução à Bíblia Uma introdução à Bíblia FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI E SALOMÃO PRIMEIRO TESTAMENTO A serviço da leitura libertadora da Bíblia VOLUME 3 Ildo Bohn Gass (Org.) 2 a edição São Leopoldo/RS 2011 Centro de Estudos

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico Propedêutica Bíblica 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico ORAÇÃO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I Ler o texto no contexto GEOGRÁFICO: «Entre os que subiram

Leia mais

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas.

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas. www.linkchurch.net Todo estudo deste Periodo tem e será fundamentado em fatos históricos. Não ha registro na Biblia deste periodo, muitas literaturas sacras surgiram neste periodo mas foram consideradas

Leia mais

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão 1 Reis 15:9-15 No ano vinte do reinado de Jeroboão em Israel, Asa se tornou rei de Judá 10 e governou quarenta e um anos em Jerusalém. A sua avó foi Maacá, filha

Leia mais

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático Seção Título Slide 1. Introdução

Leia mais

Livros Históricos. Recapitulação

Livros Históricos. Recapitulação Livros Históricos Recapitulação Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Autoria: São anônimos Compiladores:

Leia mais

OS LIVROS SAMUEL E REIS

OS LIVROS SAMUEL E REIS Jörg Garbers OS LIVROS SAMUEL E REIS INTRODUÇÃO, TEOLOGIA E HISTÓRIA 1 INTRODUÇÃO 1.1 NOME Os livros Js até 2Rs têm na Bíblia hebraica o nome: "Os profetas anteriores. Por quais motivos os judeus deram

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

As Civilizações Antigas do Oriente II

As Civilizações Antigas do Oriente II As Civilizações Antigas do Oriente II PERSAS, HEBREUS E FENÍCIOS Prof. Alan Carlos Ghedini Os Persas ENTRE CIRO, DARIO E XERXES A Origem Persas e Medos, um povo de origem indo-europeia (árias), estabeleceram-se

Leia mais

Decida buscar o Senhor

Decida buscar o Senhor Decida buscar o Senhor Textos bíblicos: 2º Reis 22.8, 10-11; 23.1-3 e 24-25: 8. Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do Senhor. Hilquias entregou o livro

Leia mais

Livros Históricos. Introdução

Livros Históricos. Introdução Livros Históricos Introdução Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Cânon Judaico: Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel,

Leia mais

Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim. Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva

Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim. Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva Império de Davi A Bíblia refere-se ao poderoso Reino de David no século 10 AC, segundo rei de Israel,

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Em Reis fica evidente a apostasia do povo hebreu com o consequente julgamento de Javé.

Em Reis fica evidente a apostasia do povo hebreu com o consequente julgamento de Javé. Introdução ao Livro dos Reis - Um povo, duas nações Na Bíblia hebraica, tal qual os livros de I e II Samuel, os livros de Reis formam um único volume e se encontram na seção chamada "Profetas Menores"

Leia mais

Reino do Sul Reino do Norte

Reino do Sul Reino do Norte Jeorão filho de Josafá reinou em seu lugar por 8 anos Matou todos seus irmãos A profecia de Elias Teve uma doença incurável E andou no caminho dos reis de Israel, como fazia a casa de Acabe; porque tinha

Leia mais

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento,

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento, OS LEVITAS Vamos ao um breve estudo sobre os levitas, que há muito tempo, nas igrejas evangélicas e até mesmo nos templos católicos, é um título dado aos instrumentistas e cantores. Biblicamente falando,

Leia mais

A VIDA DO REI SALOMÃO

A VIDA DO REI SALOMÃO Momento com Deus Crianças de 07 a 08 anos NOME: DATA: 17/08//2014 A VIDA DO REI SALOMÃO Versículos para Decorar: 1 - Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente,

Leia mais

A monarquia unificada de Israel: poder e religião Felipe de Carvalho Ferreira 1

A monarquia unificada de Israel: poder e religião Felipe de Carvalho Ferreira 1 A monarquia unificada de Israel: poder e religião Felipe de Carvalho Ferreira 1 O presente artigo foi escrito para a nossa apresentação, em sessão de comunicações de alunos pesquisadores em história antiga,

Leia mais

REIS BONS E REIS MAUS

REIS BONS E REIS MAUS Bíblia para crianças apresenta REIS BONS E REIS MAUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio Todavia, eu sou o SENHOR teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Observe a imagem e responda às questões 1 e 2. REPRODUÇÃO 1. Cite dois elementos presentes na imagem que representam a Igreja católica.

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

LIÇÃO TRIMESTRE 2015 ISRAEL OS ÚLTIMOS5REIS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida

LIÇÃO TRIMESTRE 2015 ISRAEL OS ÚLTIMOS5REIS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida OS ÚLTIMOS5REIS DE ISRAEL 0 IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida OS ÚLTIMOS CINCO REIS DE ISRAEL INTRODUÇÃO Nunca tinha sido intenção de Deus dar um rei a Israel. Um após outro, esses

Leia mais

A VIDA DO REI SALOMÃO

A VIDA DO REI SALOMÃO Momento com Deus Crianças de 09 a 11 anos NOME: DATA: 17/08//2014 A VIDA DO REI SALOMÃO Versículos para Decorar: 1 - Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente,

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 SUMÁRIO NARRATIVA TEXTOS PÁG Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 Gráfico: A Integração dos Livros do Velho Testamento em Ordem Cronológica Gráfico:

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

Livros Históricos 1 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Reis - 5ª Aula

Livros Históricos 1 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Reis - 5ª Aula Livros Históricos 1 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Reis - 5ª Aula Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático Seção Título Slide 1. Introdução 4

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Aula 40. 8.8 Área do Governo

Aula 40. 8.8 Área do Governo 148 Aula 40 Estudamos todo o significado da lei e vimos dez razões porque a lei foi dada. Falamos que essa é uma época que fazem muita confusão no ensino, inclusive dentro das igrejas. Quando entendemos

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia.

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Mesopotâmia Antiga Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Diferente do Egito, a Mesopotâmia nunca se preocupou com

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

Malaquias 4: 16-18; 4: 5 e 6

Malaquias 4: 16-18; 4: 5 e 6 Malaquias 4: 16-18; 4: 5 e 6 Então aqueles que temeram ao Senhor falaram frequentemente um ao outro; e o Senhor atentou e ouviu; e um memorial foi escrito diante dele, para os que temeram o Senhor, e para

Leia mais

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da O Pentateuco A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da humanidade, do povo escolhido. As histórias

Leia mais

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers Jörg Garbers ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO O nome do livro vem da palavra grega "êxodo", que significa saída. 1.2 CONTEÚDO Podemos dividir o livro em cinco partes: 1-18

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Kaefer, José Ademar A Bíblia, a arqueologia e a história

Leia mais

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite Ambiente: Os comentadores destacaram, muitas vezes, a intenção teológica deste relato. Que é que isto significa? Significa que não estamos diante de uma reportagem jornalística de uma viagem geográfica,

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 2

Ajuntai tesouros no céu - 2 "Ajuntai tesouros no céu" - 2 Jesus nos ensinou a "alinharmos" os nossos valores aos valores de seu Reino, comparando em sua mensagem aquilo que é terreno e passageiro com aquilo que é espiritual e eterno.

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS

GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS Jörg Garbers GRUPOS NO JUDAISMO NA ÉPOCA DE JESUS ORIGEM CARACTERÍSTICAS CONCEITOS RELIGIOSOS 1 FARISEUS 1.1 O NOME O nome fariseu provavelmente significa, os que se separam, os separados. O nome já expressa

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Acostumando-se com os Milagres

Acostumando-se com os Milagres Acostumando-se com os Milagres Ap. Ozenir Correia 1. VOCÊ NÃO PERCEBE O TAMANHO DO MILAGRE. Enxame de moscas Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que habita o meu povo, para que nela não haja enxames

Leia mais

5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL

5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 GEOGRAFIA BÍBLICA PR. MAXIMIANO PIRES 5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL Após a tomada de Jericó, acontece

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Os Hebreus Localizado a leste da Mesopotâmia, constituía de um vasto planalto desértico rodeado de montanhas, entre a Mesopotâmia e a Índia. O Império Persa constituiu um

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito.

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Os hebreus Foram os primeiros povos monoteístas da história. Seus reis mais famosos foram Davi e Salomão. A Bíblia é uma fonte importante para o conhecimento sobre a história

Leia mais

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro

Newton Bignotto. Maquiavel. Rio de Janeiro Newton Bignotto Maquiavel Rio de Janeiro Introdução No ano em que nasceu Maquiavel, 1469, Florença vivia um período agitado. Embora ainda fosse formalmente uma república, a cidade era de fato administrada

Leia mais

Profº Hamilton Milczvski Jr

Profº Hamilton Milczvski Jr Profº Hamilton Milczvski Jr A Formação Segundo a mitologia romana, a cidade de Roma foi fundada por dois irmãos gêmeos, Rômulo e Remo, os quais haviam sido abandonados no Rio Tibre. Atraída pelo choro

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 3

Ajuntai tesouros no céu - 3 "Ajuntai tesouros no céu" - 3 Mt 6:19-21 Como já vimos nas mensagens anteriores, Jesus queria que os seus discípulos tivessem seus valores alinhados aos valores do seu Reino, ou seja, os discípulos de

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Os Amrides: A florescente dinastia escondida de Israel

Os Amrides: A florescente dinastia escondida de Israel Departamento de Teologia Os Amrides: A florescente dinastia escondida de Israel Aluno: Michel Alves dos Santos Orientadora: Maria de Lourdes Corrêa Lima Introdução: Segundo as tradições bíblicas, após

Leia mais

ANTIGUIDADE ORIENTAL MÓDULO 01 PG 657 OLI

ANTIGUIDADE ORIENTAL MÓDULO 01 PG 657 OLI ANTIGUIDADE ORIENTAL MÓDULO 01 PG 657 OLI LOCALIZAÇÃO NORDESTE DA ÁFRICA RIO NILO HERÓDOTO O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO EVOLUÇÃO POLÍTICA FASES ANTIGO IMPÉRIO MÉDIO IMPÉRIO NOVO IMPÉRIO PERÍODO

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. A Vida de Jacó 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. 2- Gênesis 25:19-26 Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Isaac tinha quarenta

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade II Natureza-Sociedade: questões ambientais 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro Antiguidade Oriental Prof. Helder Carneiro Impérios Teocráticos de Regadio Desenvolveram-se próximos de grandes rios; Teocracia = Governo de Deus; Obras Hidráulicas; Modo de Produção Asiático: O Estado

Leia mais

Spartacus,um homem que nasceu escravo, trabalhou para o Império Romano enquanto sonhava com o fim da escravidão seu trabalho - gladiador

Spartacus,um homem que nasceu escravo, trabalhou para o Império Romano enquanto sonhava com o fim da escravidão seu trabalho - gladiador A REPÚBLICA ROMANA EM CRISE Por volta de 70 à 80 a.c., Roma mergulhou em uma grande crise política, causada principalmente pela disputa pelo poder entre os generais romanos e pelas revoltas de escravos

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

Uma Primavera dos Povos Árabes?

Uma Primavera dos Povos Árabes? Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine 18 de Junho de 2011 Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

Revisão de DANIEL 1-9. Exemplos da fidelidade de Deus Exemplos da fidelidade de homens de Deus Demonstração da soberania de Deus sobre o mundo

Revisão de DANIEL 1-9. Exemplos da fidelidade de Deus Exemplos da fidelidade de homens de Deus Demonstração da soberania de Deus sobre o mundo Revisão de DANIEL 1-9 Exemplos da fidelidade de Deus Exemplos da fidelidade de homens de Deus Demonstração da soberania de Deus sobre o mundo Daniel 1-6 História Sonhos e visões proféticas Daniel 1 Terceiro

Leia mais