DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA Gestão de Compras na Administração Pública: Uma análise das potencialidades e deficiências da utilização do Pregão Eletrônico no processo de obtenção do setor público. Por: Felipe Rangel Kopanakis Orientador Prof. JORGE TADEU VIEIRA LOURENÇO DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL Rio de Janeiro 2015

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA Gestão de Compras na Administração Pública: Uma análise das potencialidades e deficiências da utilização do Pregão Eletrônico no processo de obtenção do setor público. Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Compras e Suprimentos. Por: Felipe Rangel Kopanakis

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, meus familiares, parentes, amigos e companheiros de trabalho, pelo apoio, pela ajuda e pela compreensão.

4 4 DEDICATÓRIA À minha família, pelo apoio eterno e incondicional. Aos meus colegas de profissão, pelo zelo, pela competência e principalmente pela incessante empolgação em buscar formas mais eficientes para o aprimoramento do que deve ser feito.

5 5 RESUMO A presente monografia tem como objetivo apresentar, em termos gerais, as principais potencialidades do pregão eletrônico: principalmente no que concerne a sua capacidade de promover a transparência nos gastos públicos e a ampla concorrência; bem como avaliar suas principais deficiências: como a dificuldade de se conseguir adquirir o produto mais adequado através da utilização desta modalidade licitatória, e a recente utilização de softwares dotados de inteligência artificial, por parte dos fornecedores, que prejudicam a igualdade de concorrência no decorrer do processo. Nos capítulos seguintes, a maior capacidade do Pregão de trazer transparência e competitividade para as contratações públicas será exposta e exemplificada, bem como será apresentada uma solução ao atual problema da utilização de softwares de lances automáticos por parte dos licitantes. Devido à crescente utilização do Pregão Eletrônico, que já é hoje a modalidade licitatória mais utilizada e conhecida, torna-se de extrema importância a pesquisa de métodos para tornar esta ferramenta mais eficiente. Os esforços aplicados neste sentido, se concretizados, possibilitarão uma considerável economia de tempo e recursos. Este trabalho é um produto deste esforço.

6 6 METODOLOGIA O presente trabalho foi realizado através de pesquisas bibliográficas pautadas por estudos da literatura específica, bem como por análises das estatísticas dos processos licitatórios disponíveis no sistema COMPRASNET. Foram consideradas também a legislação comentada da matéria em questão, publicações e artigos sobre o tema.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I O Pregão Eletrônico 10 CAPÍTULO II Das Vantagens 17 CAPÍTULO III Das Desvantagens 26 CAPÍTULO IV Contagem Regressiva por Lances 33 CONCLUSÃO 37 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 39 ÍNDICE 40

8 8 INTRODUÇÃO As compras e contratações no setor público representaram, apenas em 2013, um montante de R$ 68,4bilhões, gastos por meio de 223,2 mil processos, conforme dados extraídos do Balanço do Portal de Compras do Ministério do Planejamento. Diante da obrigatoriedade do processo licitatório para a realização de aquisições na Administração Pública, torna-se indispensável envidar esforços para ampliar o estudo e a disseminação de boas práticas de gestão no processo de obtenção do Estado. Entre todas as modalidades de licitação, uma especificamente chama a atenção por sua maior agilidade, transparência, potencialidade de abrangência e por representar, no ano de 2013, 87% dos gastos com aquisições governamentais: o Pregão Eletrônico. Soma-se a sua inquestionável importância econômica o fato do Pregão ser uma ferramenta ainda em ascensão, tendo seu uso incentivado por diversas instituições públicas, e um número cada vez maior de fornecedores interessados em ter o governo como cliente. Dessa forma, com o objetivo de Demonstrar em linguagem clara quais os méritos e deméritos do atual sistema de pregões eletrônicos do Governo Federal, o presente estudo leva em consideração as deficiências do atual processo, trazendo sugestões de novos procedimentos e alternativas de melhoria, bem como busca demonstrar as principais potencialidades do pregão, tornando-o mais atrativo e acessível para o mercado.

9 9 A presente monografia traz, no capítulo I, uma breve descrição do histórico e da utilização do pregão Eletrônico no Brasil. No capítulo II, são apresentados exemplos da maior capacidade do Pregão em trazer competitividade para as contratações públicas, e dos benefícios de sua utilização para o incremento da segurança da informação. O capítulo III demonstra os detalhes das principais discrepâncias e falhas que foram identificadas ao longo de sua utilização. Como solução para as principais falhas apontadas, o capítulo IV apresenta a proposta de utilização de um novo sistema, em substituição a fase de encerramento eminente atualmente utilizada. Conclui-se que o emprego desta nova fase, denominada Contagem Regressiva por Lances, eliminaria a vantagem indevida oferecida pela utilização dos softwares de lances automáticos por parte dos licitantes, além de possibilitar que, em todos os certames licitatórios, a Administração Pública possa contratar o fornecedor que se dispõe a ofertar o objeto pelo menor custo.

10 10 CAPÍTULO I O PREGÃO ELETRÔNICO 1.1 Breve Histórico do Pregão O termo Pregão teve sua origem na Europa, e já era utilizado, na Idade Média, para definir determinado método de compras no setor público, relacionado com a ideia de lances sucessivos e decrescentes. Os itens eram ofertados pelos fornecedores, durante um determinado período de tempo. Como no procedimento atual, transcorrido este período, o lance de menor custo para o governo era o vencedor. Conforme Meirelles, a origem do termo remonta à denominação vela e pregão. Ele diz: Nos Estados medievais da Europa usou-se o sistema denominado vela e pregão, que consistia em apregoar-se a obra desejada e, enquanto ardia uma vela os construtores interessados faziam suas ofertas. Quando extinguia a chama adjudicava-se a obra a quem houvesse oferecido o melhor preço. (MEIRELLES, 2002, p.27). Etimologicamente, o termo deriva do latim praeconari, que significa anunciar. Desse modo, faz referência ao anúncio realizado em viva voz ao público, marca característica do processo. No Brasil, o Pregão foi instituído através do Decreto nº 3.555, de 08 de setembro de 2000, que aprovou o Regulamento para a modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, em conjunto com a Medida Provisória nº de 2000, convertida na Lei nº de 17 de julho de 2002, que isntitui:

11 11 No âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Ressalta-se que, mesmo com o advento desta nova legislação, as normas para licitações e contratos da Administração Pública federal existentes, previstas nos termos da Lei de 21 de junho de 1993 continuam vigentes. Filho: A concomitância das duas normas é esclarecida pelo jurista Justen A MP é uma lei especial em relação à Lei no porque disciplina uma matéria específica e delimitada no âmbito de licitações: o pregão. No entanto, as normas contidas nessa Lei especial são gerais porque destinam-se a reger amplamente toas as relações jurídicas e todas as hipóteses nascidas a propósito de licitações. (JUSTEN FILHO, 2000, p.09). Nota-se que, a primeira citação à utilização do Pregão para o processo de compras no setor público é anterior à lei que o institui. A legislação cita a modalidade licitatória pela primeira vez na Lei de criação da Agencia Nacional de Telecomunicações ANATEL. A Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997 Dispõe sobre a organização dos serviços de telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de e em seus artigos 54, 55, 56 e 57 diz que: Art. 54. A contratação de obras e serviços de engenharia civil está sujeita ao procedimento das licitações previsto em lei geral para a Administração Pública. Parágrafo único. Para os casos não previstos no caput, a Agência poderá utilizar procedimentos próprios de contratação, nas modalidades de consulta e pregão.

12 12 Art. 55. A consulta e o pregão serão disciplinados pela Agência, observadas as disposições desta Lei e, especialmente: (Vide Lei nº 9.986, de 2000) I - a finalidade do procedimento licitatório é, por meio de disputa justa entre interessados, obter um contrato econômico, satisfatório e seguro para a Agência; II - o instrumento convocatório identificará o objeto do certame, circunscreverá o universo de proponentes, estabelecerá critérios para aceitação e julgamento de propostas, regulará o procedimento, indicará as sanções aplicáveis e fixará as cláusulas do contrato; III - o objeto será determinado de forma precisa, suficiente e clara, sem especificações que, por excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, limitem a competição; IV - a qualificação, exigida indistintamente dos proponentes, deverá ser compatível e proporcional ao objeto, visando à garantia do cumprimento das futuras obrigações; V - como condição de aceitação da proposta, o interessado declarará estar em situação regular perante as Fazendas Públicas e a Seguridade Social, fornecendo seus códigos de inscrição, exigida a comprovação como condição indispensável à assinatura do contrato; VI - o julgamento observará os princípios de vinculação ao instrumento convocatório, comparação objetiva e justo preço, sendo o empate resolvido por sorteio; VII - as regras procedimentais assegurarão adequada divulgação do instrumento convocatório, prazos razoáveis para o preparo de propostas, os direitos ao contraditório e ao recurso, bem como a transparência e fiscalização; VIII - a habilitação e o julgamento das propostas poderão ser decididos em uma única fase, podendo a habilitação, no caso de pregão, ser verificada apenas em relação ao licitante vencedor;

13 13 IX - quando o vencedor não celebrar o contrato, serão chamados os demais participantes na ordem de classificação; X - somente serão aceitos certificados de registro cadastral expedidos pela Agência, que terão validade por dois anos, devendo o cadastro estar sempre aberto à inscrição dos interessados. Art. 56. A disputa pelo fornecimento de bens e serviços comuns poderá ser feita em licitação na modalidade de pregão, restrita aos previamente cadastrados, que serão chamados a formular lances em sessão pública. (Vide Lei nº 9.986, de 2000) Parágrafo único. Encerrada a etapa competitiva, a Comissão examinará a melhor oferta quanto ao objeto, forma e valor. Art. 57. Nas seguintes hipóteses, o pregão será aberto a quaisquer interessados, independentemente de cadastramento, verificando-se a um só tempo, após a etapa competitiva, a qualificação subjetiva e a aceitabilidade da proposta: (Vide Lei nº 9.986, de 2000) I - para a contratação de bens e serviços comuns de alto valor, na forma do regulamento; II - quando o número de cadastrados na classe for inferior a cinco; III - para o registro de preços, que terá validade por até dois anos; IV - quando o Conselho Diretor assim o decidir. Art. 58. A licitação na modalidade de consulta tem por objeto o fornecimento de bens e serviços não compreendidos nos arts. 56 e 57.) Parágrafo único. A decisão ponderará o custo e o benefício de cada proposta, considerando a qualificação do proponente. (BRASIL, Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, 1997).

14 14 Posteriormente, com o sucesso da aplicação desta modalidade por partes das Agencias Reguladoras, o Pregão Presencial passou a ser empregado em todos os demais órgãos da Administração Pública, figurando como principal modalidade para compra de bens e serviços comuns, até o advento do Pregão eletrônico. 1.2 O Surgimento do Pregão Eletrônico A forma eletrônica do Pregão trouxe para a Administração Pública Federal a capacidade de estender, a todos os fornecedores do território nacional, a possibilidade de participação simultânea em um processo licitatório, através de um ambiente virtual. A principal diferença entre o Pregão presencial e o Pregão em sua forma eletrônica, está na completa ausência, neste segundo, da presença física dos interessados, tanto dos representantes da Administração Pública (pregoeiros), quanto dos licitantes (fornecedores). A realização de um processo licitatório à distancia foi possibilitada pela criação de uma plataforma virtual, denominada COMPRASNET, que permitiu a interação entre os pregoeiros do governo e as empresas e profissionais interessados em fornecer seus produtos. Desta forma, todas as atividades previstas para a execução e desenvolvimento do certame passam a ser realizadas através da interação dos envolvidos com o canal eletrônico, por meio da Internet.

15 15 Sua aplicação foi regulamentada pelo Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, que Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. O decreto ainda cita, em seu parágrafo segundo: O pregão, na forma eletrônica, como modalidade de licitação do tipo menor preço, realizar-se-á quando a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns for feita à distância em sessão pública, por meio de sistema que promova a comunicação pela internet. (BRASIL, Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, 2005) Neste sentido, o pregão eletrônico é, sobretudo, uma modalidade legal de licitação, que se utilizada da tecnologia da informação para tornar sua atividade mais rápida, barata e abrangente. No ano de 2014, o Ministério do Planejamento divulgou em seu balanço que, dentre todas as modalidades licitatórias, o Pregão Eletrônico permanece sendo a mais utilizada pelos órgãos do governo: O pregão eletrônico responde hoje por um gasto de R$ 41 bilhões. Na comparação entre os anos de 2012 e 2013, as licitações por meio dessa modalidade cresceram 6% em número de processos e 22% em valores monetários. (MPOG, 2014) É importante ressaltar que o Pregão permanece sendo a modalidade de licitação mais utilizada, mesmo sendo aplicado somente para a aquisição e contratação de bens e serviços comuns. Enquanto nas outras modalidades licitatórias a modalidade é definida de maneira quantitativa, ou seja, para cada faixa de valor estimado para cada contratação é prevista uma modalidade específica, no caso do Pregão a limitação quanto a sua aplicação é definida de maneira qualitativa, ou seja, só é permitida a sua utilização para a contratação de bens e serviços comuns.

16 16 Conforme o art. 1º caput e único da Lei nº /02: Para aquisição de bens e serviços comuns, poderá ser adotada a licitação na modalidade de pregão, que será regida por esta Lei. Parágrafo único. Consideram-se bens e serviços comuns, para os fins e efeitos deste artigo, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado. (BRASIL, Lei de 17 de julho de 2002, 2002) Nos capítulos seguintes, serão apresentadas as principais vantagens e desvantagens desta ferramenta.

17 17 CAPÍTULO II Pregão Eletrônico Das Vantagens Como já visto no capítulo anterior, entende-se por Pregão Eletrônico a licitação pública realizada através da modalidade Pregão, em seu modo eletrônico, que consiste na participação dos envolvidos através da rede de computadores mundial; a internet. As características específicas desta modalidade trazem consideráveis vantagens ao processo de obtenção no setor público, as quais serão objetos de estudos neste capítulo. Dentre os pontos positivos percebidos pela utilização do pregão eletrônico, podemos citar: 2.1 Melhora nos Processos de Segurança da Informação O sistema eletrônico utiliza dados criptografados em sua execução, e exige do licitante uma chave de acesso pessoal e intransferível para a participação no certame. Deste modo, ao prever e possibilitar o emprego da Tecnologia de Informação para a prevenção de fraudes, o Pregão em sua modalidade eletrônica possibilita um emprego de técnicas de segurança mais avançadas que aquelas disponíveis em sua modalidade presencial, que consiste na entrega de envelopes e análise documental. A identificação de todos os usuários do sistema é realizada através de prévio cadastro, composto de senha e do número CPF.

18 18 Deste modo, aqueles que tentam fraudar um processo, podem ser rapidamente detectados. Sobre a questão, o Decreto nº 5,450 de 31 de maio de 2005 prevê: Art. 1o A modalidade de licitação pregão, na forma eletrônica, de acordo com o disposto no 1o do art. 2o da Lei no , de 17 de julho de 2002, destinase à aquisição de bens e serviços comuns, no âmbito da União, e submete-se ao regulamento estabelecido neste Decreto. Parágrafo único. Subordinam-se ao disposto neste Decreto, além dos órgãos da administração pública federal direta, os fundos especiais, as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e as demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União. Art. 2º O pregão, na forma eletrônica, como modalidade de licitação do tipo menor preço, realizar-se-á quando a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços comuns for feita à distância em sessão pública, por meio de sistema que promova a comunicação pela internet. 1º Consideram-se bens e serviços comuns, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais do mercado. 2º Para o julgamento das propostas, serão fixados critérios objetivos que permitam aferir o menor preço, devendo ser considerados os prazos para a execução do contrato e do fornecimento, as especificações técnicas, os parâmetros mínimos de desempenho e de qualidade e as demais condições definidas no edital. 3º O sistema referido no caput será dotado de recursos de criptografia e de autenticação que garantam condições de segurança em todas as etapas do certame.

19 19 4º O pregão, na forma eletrônica, será conduzido pelo órgão ou entidade promotora da licitação, com apoio técnico e operacional da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que atuará como provedor do sistema eletrônico para os órgãos integrantes do Sistema de Serviços Gerais - SISG. 5º A Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação poderá ceder o uso do seu sistema eletrônico a órgão ou entidade dos Poderes da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, mediante celebração de termo de adesão. Art. 3º Deverão ser previamente credenciados perante o provedor do sistema eletrônico a autoridade competente do órgão promotor da licitação, o pregoeiro, os membros da equipe de apoio e os licitantes que participam do pregão na forma eletrônica. 1º O credenciamento dar-se-á pela atribuição de chave de identificação e de senha, pessoal e intransferível, para acesso ao sistema eletrônico. 2º No caso de pregão promovido por órgão integrante do SISG, o credenciamento do licitante, bem assim a sua manutenção, dependerá de registro atualizado no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores - SICAF. 3º A chave de identificação e a senha poderão ser utilizadas em qualquer pregão na forma eletrônica, salvo quando cancelada por solicitação do credenciado ou em virtude de seu descadastramento perante o SICAF. 4º A perda da senha ou a quebra de sigilo deverá ser comunicada imediatamente ao provedor do sistema, para imediato bloqueio de acesso. 5º O uso da senha de acesso pelo licitante é de sua responsabilidade exclusiva, incluindo qualquer transação efetuada diretamente ou por seu representante, não cabendo ao provedor do sistema ou ao órgão promotor da licitação responsabilidade por eventuais danos decorrentes de uso indevido da senha, ainda que por terceiros.

20 20 6º O credenciamento junto ao provedor do sistema implica a responsabilidade legal do licitante e a presunção de sua capacidade técnica para realização das transações inerentes ao pregão na forma eletrônica. III - para o registro de preços, que terá validade por até dois anos; (BRASIL, Decreto nº 5,450 de 31 de maio de 2005, 2005) Fica evidente, no texto do decreto ao Pregão Eletrônico, a preocupação do legislador em incluir a intenção de promover a segurança, na sua utilização. 2.2 Redução dos Preços Ofertados Uma das maiores vantagens percebidas é a capacidade do Pregão Eletrônico em reduzir o preço dos itens ofertados. A figura 1 Evolução da Economia do Pregão Eletrônico, apresenta os índices de economicidade percebidos entre os anos de 2007 e 2012:

21 21 Figura 1 - Evolução da Economia do Pregão Eletrônico (adaptada de MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTAO, 2013) Para a confecção do gráfico, o MPOG levou em consideração os valores de referência dos produtos e bens adquiridos, a partir de dados do Portal de Compras do Governo Federal. A capacidade de o Pregão Eletrônico gerar economia para a Administração Pública deve-se, fundamentalmente, a possibilidade prevista no processo, de que os fornecedores possam propor novos preços.

22 22 Assim sendo, um fornecedor pode, ao se deparar com uma proposta oferecida por um concorrente, em valor mais baixo do que o incialmente propôs, ofertar seu produto novamente, agora a um custo ainda mais baixo para Administração Pública. Ao trazer a busca pelo menor lance, o processo estimula a competição saudável entre os fornecedores. Com concorrentes distintos disputando o fornecimento de um mesmo item e um mesmo canal, existe grande potencialidade para diminuição dos preços previamente orçados. Tal potencialidade fica claramente evidenciada na figura Simplicidade do Procedimento Outra vantagem a qual cabe destaque é a simplicidade, celeridade e agilidade que o Pregão Eletrônico traz para o processo licitatório. Para execução do processo o Pregão Eletrônico exige, em quase todos os momentos, apenas um servidor responsável: o pregoeiro. Não só pela considerável redução dos recursos humanos necessários (e de sua consequente redução de custos de mão-de-obra), a simplicidade do procedimento ainda pode ser evidenciada pela diminuição dos prazos do processo. Conforme esclarecido por Bezerra (1998):

23 23 É comemorada também a agilidade dos prazos de realização da licitação a partir da publicação. O pregão eletrônico, por exemplo, leva de 12 a 33 dias para acontecer. A modalidade convite, apesar de levar de 12 a 29 dias, não pode ser comparada porque não tem a mesma abrangência do pregão; a tomada de preço leva de 17 a 101 dias e a concorrência, de 32 a 131 dias. (BEZERRA, 1998, p. 52) Em comparação às outras modalidades de licitação, o Pregão Eletrônico prevê prazos mais curtos para a publicação dos avisos, para entrada de recursos e para as impugnações. O sistema eletrônico também prevê a proposição aleatória de lances, ou seja, qualquer fornecedor pode incluir seu lance a qualquer momento, não havendo uma ordenação para tanto. Tal fato também atribui mais celeridade ao processo, diminuindo o tempo necessário para sua correta execução. 2.4 Interação Virtual e a Distância Talvez o principal avanço oferecido pela utilização do Pregão Eletrônico seja a possibilidade de, em um mesmo ambiente, reunir licitantes interessados de todas as regiões do Brasil. Os recursos da tecnologia da informação permitem a reunião de interessados que, nos processos de licitação tradicionais, precisariam estar fisicamente presentes em uma mesma sala, ou fazendo-se representar por procuradores. Mesmo no caso da empresa estar apta a fornecedor os itens no local informado no edital, o não comparecimento de seu representante legal na data e local do certame acarreta sua desclassificação.

24 24 Deste modo, é normal em processos licitatórios presenciais, a participação apenas das empresas que se localizem geograficamente próximas do local do certame. Tal barreira é quebrada com a utilização da internet como ambiente comum entre todos os licitantes. O encurtamento das distâncias entre os fornecedores está diretamente relacionado com o aumento da competitividade, o que gera, por consequência, aumento no numero de lances, diminuição no preço final do item, e maior economicidade para o governo. O ambiente virtual, através da internet, utilizado para a execução do processo licitatório no pregão eletrônico, oferece ainda maior transparência para os atos do Estado. Depois de encerrado o Pregão, ficam disponíveis em um mesmo local, todas as informações referentes ao certame licitatório, incluindo o histórico de lances e a negociação entre o fornecedor vencedor e o pregoeiro. A disponibilização das atas e dos históricos das licitações para qualquer cidadão, licitante ou não, contribui de maneira ímpar para o incremento da publicidade das atividades da gestão pública. Para os procedimentos de tomadas de contas, sejam estes efetuados por órgãos de controles internos ou externos, as informações disponibilizadas diretamente nos sistemas satisfazem por si só, muitas vezes, as necessidades de dados exigidas para sua execução.

25 25 Além da facilidade oferecida aos órgãos de controle, o acesso a estas informações estende também o acesso aos dados à toda a população, sendo possível que qualquer cidadão possa acompanhar e fiscalizar os atos da gestão pública de seu interesse.

26 26 CAPÍTULO III Pregão Eletrônico Das Desvantagens O Pregão Eletrônico trouxe diversas vantagens para a Administração pública, conforme apresentado no Capítulo II. Entretanto, com o aumento de sua utilização, diversos estudos versaram sobre algumas desvantagens desta modalidade. O presente capítulo examinará essas desvantagens e, quando possível, apresentará possíveis soluções para as falhas apontadas. Primeiramente, abordaremos a dificuldade percebida por parte dos órgãos solicitantes em detalhar, de forma suficiente, as especificações dos itens que desejam licitar. Em um segundo momento, abordaremos o problema da utilização de softwares dotados de inteligência artificial que permitem, aos licitantes que os utilizam, aproveitar de uma vantagem desproporcional que fere a competitividade e a igualdade no certame licitatório.

27 A Dificuldade de Especificação do Produto O início do processo dá-se em sua fase interna, ou seja, quando o órgão responsável pelo certame inicia a preparação necessária para o Pregão internamente, sem nenhuma divulgação ou contato com qualquer ente externo. Sobre o assunto, o artigo 3º da lei nos traz o seguinte: Art. 3º A fase preparatória do pregão observará o seguinte: I - a autoridade competente justificará a necessidade de contratação e definirá o objeto do certame, as exigências de habilitação, os critérios de aceitação das propostas, as sanções por inadimplemento e as cláusulas do contrato, inclusive com fixação dos prazos para fornecimento; II - a definição do objeto deverá ser precisa, suficiente e clara, vedadas especificações que, por excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, limitem a competição; III - dos autos do procedimento constarão a justificativa das definições referidas no inciso I deste artigo e os indispensáveis elementos técnicos sobre os quais estiverem apoiados, bem como o orçamento, elaborado pelo órgão ou entidade promotora da licitação, dos bens ou serviços a serem licitados; e IV - a autoridade competente designará, dentre os servidores do órgão ou entidade promotora da licitação, o pregoeiro e respectiva equipe de apoio, cuja atribuição inclui, dentre outras, o recebimento das propostas e lances, a análise de sua aceitabilidade e sua classificação, bem como a habilitação e a adjudicação do objeto do certame ao licitante vencedor. (BRASIL, Lei de 17 de julho de 2002, 2002) No texto, a exigência da legislação é que a descrição do item seja precisa e suficientemente clara, porém, sem conter detalhes desnecessários que possam vir a prejudicar a competitividade do processo, por reduzirem o número de fornecedores capazes de ofertar os itens demandados.

28 28 O detalhamento do item a ser licitado exige atenção e planejamento por parte do gestor. Caso sua descrição deixe incontestavelmente clara as especificações do objeto desejado, todo o esforço empregado no decorrer do certame poderá ser desperdiçado, pois o objeto licitado final poderá não atender as necessidades do solicitante. Por outro lado, o excesso de detalhes em sua descrição também poderá se tornar inviável, caso comprometa a competitividade entre os fornecedores, tornando a licitação mais restrita e, consequentemente, ferindo o disposto na legislação vigente. Com relação à descrição do objeto, Santana (2010) esclarece: Pela própria característica do documento, que deve conter informações variadas do objeto, não nos parece recomendável determinar a uma única pessoa a confecção do termo de referência. Se ele fosse delegado ao setor requisitante, o responsável poderia se deparar com dificuldade na elaboração de determinados assuntos, como, por exemplo, definir deveres e obrigações do contratado. Até mesmo especificações técnicas do objeto podem ser difíceis para o órgão requisitante, em determinadas situações (SANTANA, 2010, P.22) Assim sendo, o órgão deverá elaborar a descrição do objeto no limiar entre o excesso de detalhes, pois este prejudica a competitividade do processo, e a excessiva falta destes, que poderá gerar insuficiência dos requisitos mínimos necessários para se julgar as ofertas. Mesmo sendo está uma desvantagem presente também no Pregão Presencial, em sua modalidade eletrônica ela é agravada pela inviabilidade de se solicitar amostras dos produtos para aferição.

29 29 Como já visto, uma das principais vantagens e características do pregão Eletrônico é sua ambientação virtual, que permite a participação de fornecedores de locais afastados. Caso a Administração opte por realizar um Pregão Eletrônico prevendo a necessidade da entrega de amostras dos produtos pelo fornecedor, o certame se torna em parte real, e em parte virtual, desapropriando o processo de sua principal vantagem. 3.2 A Utilização de Softwares para Lances Automáticos A migração do procedimento licitatório para o ambiente virtual trouxe diversos benefícios, como visto nos capítulos anteriores. Porém, o sistema COMPRASNET, onde são realizados os pregões eletrônicos, está sujeito a uma manipulação, que se dá pela utilização de softwares específicos para este propósito por parte de alguns fornecedores. A manipulação acontece na fase de encerramento aleatório, que consiste em um determinado período de tempo, definido de maneira aleatória pelo sistema e que, ao se esgotar, a proposta de valor mais baixo no momento é considerada. Os robôs, como vem sendo comumente chamados, atuam gerando lances automáticos de forma extremamente rápida em menos de um segundo a cada novo lance dado pelos concorrentes. Desta forma, a proposta do fornecedor que utiliza um destes programas permanece sempre em primeiro lugar, como a mais barata, sendo as demais propostas vencidas em milésimos de segundo.

30 30 Em uma tentativa de coibir a utilização destes Softwares, a Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, subordinada ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, publicou a Instrução Normativa nº 3, de 16 de dezembro de 2011, versando o seguinte: Estabelece procedimentos para a operacionalização do pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, no âmbito dos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Serviços Gerais - SISG, bem como os órgãos e entidades que firmaram Termo de Adesão para utilizar o Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais SIASG. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 28 do Anexo I ao Decreto nº 7.063, de 13 de janeiro de 2010, e tendo em vista o disposto no art. 3º do Decreto nº 1.094, de 23 de março de 1994, e no art. 31 do Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, resolve: Art. 1º Subordinam-se ao disposto nesta Instrução Normativa os órgãos e entidades integrantes do Sistema de Serviços Gerais - SISG, bem como os órgãos e entidades que firmaram Termo de Adesão para utilizar o Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais SIASG. Art. 1º-A O instrumento convocatório poderá estabelecer intervalo mínimo de diferença de valores entre os lances, que incidirá tanto em relação aos lances intermediários quanto em relação à proposta que cobrir a melhor oferta. (Incluído pela Instrução Normativa nº 3, de 4 de outubro de 2013) Art. 2º Na fase competitiva do pregão, em sua forma eletrônica, o intervalo entre os lances enviados pelo mesmo licitante não poderá ser inferior a vinte (20) segundos e o intervalo entre lances não poderá ser inferior a três (3) segundos. Art. 3º Os lances enviados em desacordo com o artigo 2º desta norma serão descartados automaticamente pelo sistema. 1º Em caso de falha no sistema, os lances em desacordo com a norma deverão ser desconsiderados pelo pregoeiro, devendo a ocorrência ser comunicada imediatamente à Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação.

31 31 2º Na hipótese do parágrafo anterior, a ocorrência será registrada em campo próprio do sistema. (Incluído pela Instrução Normativa nº 3, de 4 de outubro de 2013) Art. 3º- O instrumento convocatório deverá estabelecer o prazo mínimo de 2 (duas) horas, a partir da solicitação do pregoeiro no sistema eletrônico, para envio de documentos de habilitação complementares, por fax ou outros meios de transmissão eletrônica, conforme prevê o 2º do art. 25 do Decreto nº 5.450, de 31 de maio de (Incluído pela Instrução Normativa nº 1, de 26 de março de 2014) Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 17 de janeiro de º O sistema referido no caput será dotado de recursos de criptografia e de autenticação que garantam condições de segurança em todas as etapas do certame. (SLTI MOPG, Instrução Normativa nº 3, de 16 de dezembro de 2011, 2011) Fica explicito, no texto da Instrução Normativa, a preocupação da Administração com a utilização destes programas, sobretudo por se considerar que ferem o princípio da isonomia, ao favorecer os fornecedores que os utilizam. No entanto, a principal dificuldade encontrada para coibir a utilização destes programas, esta na impossibilidade de se saber, com certeza, que o fornecedor em questão está utilizando o programa. Ao se definir, por lei, um tempo mínimo para a oferta de novos lances, os usuários dos bots podem facilmente superar este mecanismo de controle simplesmente alterando o tempo pré-determinado no programa para a emissão dos valores.

32 32 No intuito de prevenir esta prática de maneira mais eficiente e, ao mesmo tempo, contribuir ainda mais para a eficiência e economicidade do processo licitatório, é apresentada como solução a criação de uma nova fase denominada: contagem regressiva por lances.

33 33 CAPÍTULO IV SOLUÇÃO 4.1 A Contagem Regressiva por Lances A Contagem Regressiva por lances é uma Proposta de alteração na sistemática de encerramento aleatório do Pregão Eletrônico, que visa extrair maior eficiência, garantir a economicidade para a Administração Pública e combater a utilização de softwares de lances automáticos. Atualmente, no Pregão Eletrônico, esgotado o tempo determinado pelo pregoeiro para realização de lances, o sistema emite o aviso de encerramento iminente, quando então transcorrerá aleatoriamente um período de tempo de até 30 minutos, findo qual será automaticamente encerrada a recepção de lances, sendo considerada vencedora a proposta de menor valor no momento. Esta dinâmica, afetada pelo inexorável avanço dos sistemas de informação, tem se mostrado especialmente vulnerável a ação de dispositivos eletrônicos que buscam garantir ao licitante alguma vantagem indevida, impedindo que os competidores se apresentem em igualdade de condições de competição. É notável também a intensa disputa de preços que ocorre durante a etapa de encerramento randômico. Sendo impossível prever o momento exato no qual o certame será encerrado, o licitante não necessariamente ofertará seu melhor lance possível antes do término do procedimento, ganhando, por vezes, uma proposta de valor superior àquela que o mesmo estaria disposto a ofertar.

34 34 Neste sentindo, a intenção da implementação da Contagem Regressiva por Lances, é possibilitar que sempre seja descoberto o licitante com a proposta menos onerosa para os cofres públicos. Após o término da etapa de lances, com duração indicada pelo pregoeiro, o sistema passaria a etapa de Contagem Regressiva, em substituição ao atual encerramento randômico. 4.2 A Contagem Regressiva por Lances Funcionamento e Exemplificação A Contagem Regressiva por Lances é executada da seguinte forma: Primeiramente, o sistema abre uma janela, para todos os licitantes presentes na sessão, informando o valor do menor lance ofertado até o momento, e uma contagem regressiva de um tempo determinado. O licitante, caso queira ofertar uma proposta menor do que a atual, lança seu valor em um campo específico. Esse lance atualiza automaticamente as janelas dos demais licitantes presentes, reiniciando a contagem regressiva e modificando o valor da menor proposta. A fim de evitar que o pregão demore um tempo excessivo para chegar ao seu término, após um período inicial, taxas percentuais gradativas serão requeridas para a diferença entre a menor proposta atual e a proposta a ser ofertada. No intuito de melhor ilustrar a modificação sugerida, consideremos o caso hipotético das empresas A, B e C, participando do pregão eletrônico

35 35 O objeto é o fornecimento do item Z, o tempo da contagem regressiva estipulado em 45 segundos, e a taxa gradativa de percentuais mínimos para lances de: 0% até os primeiros 2min após o prazo estipulado pelo pregoeiro; 0,1% de 2min a 4min; 0,2% de 4min a 5min; 0,3% de 5min a 6min; e 0,4% de 6min em diante. Findo o tempo determinado pelo pregoeiro, como ocorre atualmente no pregão Eletrônico, a proposta de menor valor é a de R$ 1.000,00, feita pela empresa A. Automaticamente abrirão janelas para as empresas A, B e C, informando o valor de R$ 1.000,00, o tempo de 45 segundos (decrescendo a cada segundo), e um campo para novas propostas para a empresa B e C. A empresa B, faltando 27 segundos para o fim da contagem regressiva, lança uma proposta de R$ 999,99. Automaticamente as janelas são atualizadas, mostrando a nova proposta de R$999,99, e nova contagem regressiva de 45 segundos. R$900,00. Passados 2 min, a proposta de menor valor é a da empresa C, de Agora, o sistema passará também a informar, na janela com a contagem regressiva e o valor da proposta, o valor do lance mínimo a ser aceito: 0,1% abaixo do valor presente (no caso deste exemplo, R$ 899,10), e assim sucessivamente.

36 36 Desta forma, esta nova etapa possibilita a identificação do fornecedor que de fato se dispõe a ofertar o item pelo menor preço, inviabilizando a utilização dos softwares de lances automáticos, e contribuindo sobremaneira para a redução de custos nos processos de compras da Administração Pública.

37 37 CONCLUSÃO A crescente utilização do Pregão Eletrônico, na realização dos processos licitatórios, fornece à Administração Pública uma série de vantagens e desvantagens, as quais foram explicitadas ao longo do presente trabalho. A preferência pela sua utilização foi apresentada através de dados extraídos do próprio sistema COMPRASNET, ferramenta pública responsável pelo gerenciamento e controle das licitações realizadas por Pregão Eletrônico. Os próprios dados gerenciais extraídos dos sistemas governamentais comprovaram o mérito do Pregão como a modalidade licitatória atual mais eficiente para compras e contratações de bens e serviços comuns. A maior competitividade proporcionada pela utilização desta modalidade trouxe avanços significativos para o sistema de compras públicas, fato que se deve, principalmente, pela utilização de um ambiente virtual comum entre todos os licitantes, reunindo, em um mesmo local, fornecedores de todo o território nacional. Outros fatores relacionados à utilização do Pregão Eletrônico também se mostraram vantajosos para o governo, como o aumento na segurança das informações, a maior transparência para os atos da gestão pública, e a simplificação do processo administrativo. No que tange as principais desvantagens do instrumento, diante da importância da definição das especificações técnicas do objeto, foi identificada a dificuldade na elaboração da descrição do item a ser licitado, como também apresentada o problema da utilização de softwares dotados de inteligência artificial para a oferta automática de lances.

38 38 Para o problema dos programas automatizados, a solução formulada pela proposta da nova sistemática, pela Contagem Regressiva por Lances, atende de forma satisfatória o problema apresentado e, além disso, apresenta um grande potencial para aperfeiçoar a eficiência e a economicidade das atividades de obtenção no setor público.

39 39 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA BERLOFFA, Ricardo Ribas da Costa. A Nova Modalidade de Licitação: Pregão. Porto Alegre: Síntese, BEZERRA. Jonas Emídio V. O Pregão Eletrônico como Base para Minimizar Custos da Gestão Pública. João Pessoa: UNIPÊ, BRASIL, Decreto nº 3.555, de 08 de setembro de Brasília-DF: 2000., Decreto nº 5.450, de 31 de maio de Brasília-DF: Congresso Nacional, Lei nº de 16 de julho de Brasília-DF: 1996., Lei nº de 17 de julho de. Brasília-DF: JUSTEN FILHO, Marçal. Pregão: Nova Modalidade Licitatória. Rio de Janeiro: Renovar, MEIRELLES, Hely Lopes. Licitação e Contratos Administrativos. São Paulo: Malheiros, MINISTÉRIO DO ORÇAMENTO, PLANEJAMENTO E GESTÃO MPOG, Balanço Disponível em: <http://www.planejamento.gov.br/conteudo.asp?p=noticia&ler=10910>. Acesso em: 03 JAN. 15. SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Instrução Normativa nº 3, de 16 de dezembro de Brasília-DF: SANTANA, Jair Eduardo. Termo de Referência: valor estimado na licitação. Curitiba: Negócios Públicos, 2010.

40 40 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO 2 AGRADECIMENTO 3 DEDICATÓRIA 4 RESUMO 5 METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I O PREGÃO ELETRÔNICO 1.1 Breve Histórico do Pregão O Surgimento do pregão Eletrônico 14 CAPÍTULO II DAS VANTAGENS 2.1 Melhora nos Processos de Segurança da Informação Redução dos Preços Ofertados Simplicidade do Procedimento Interação Virtual e a Distância 23 CAPÍTULO III DAS DESVANTAGENS 3.1 A Dificuldade de Especificação do Produto A Utilização de Softwares para Lances Automáticos 29 CAPÍTULO IV SOLUÇÃO 4.1 Solução: A Contagem Regressiva por Lances Funcionamento e Exemplificação 34 CONCLUSÃO 37

41 41 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 39 ÍNDICE 40

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado, DECRETO N 42.434, DE 09 DE SETEMBRO DE 2003, DOERS. Regulamenta, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a modalidade de licitação denominada pregão, por meio eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no exercício da competência que lhe confere o art. 54, inciso IV, da Constituição Estadual, e DECRETO No. 24.818 de 27 JANEIRO DE 2.005 Regulamenta a realização de pregão por meio da utilização de recursos de tecnologia da informação, denominado pregão eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license.

AcroPDF - A Quality PDF Writer and PDF Converter to create PDF files. To remove the line, buy a license. DECRETO Nº 5.450, DE 31 DE MAIO DE 2005 Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro

PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO PRESENCIAL Manual do Pregoeiro Brasília 2005 MINISTRO

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Fornecedor Brasília Julho/2006

Leia mais

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e Página 1 de 5 PORTARIA Nº 306, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO GABINETE DO MINISTRO O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Logística e Serviços Gerais Brasília

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1

Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Obtenção de regras de associação sobre compras governamentais: Um estudo de caso 1 Keila Michelly Bispo da Silva 2, Starlone Oliverio Passos 3,Wesley Vaz 4 Resumo: O processo de compras governamentais

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS 1 PREGÃO ELETRÔNICO Nº002/2011/CISMEPA REGISTRO DE PREÇOS O CONSORCIO INTERMUNICIPAL DE SAUDE DO MEDIO PARAIBA, mediante o Pregoeiro Flávio Macharet Barbosa, designado pela Portaria nº 004/2011, de junho

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7

ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 PERGUNTAS E RESPOSTAS OT Nº 001/11 ASSUNTO: Atualização do Perguntas e Respostas nº 003/2010 que versa sobre Pregão ORIGEM: GEALC PSEF 40284/10-7 Este trabalho visa a orientar os agentes administrativos,

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Alterações na LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO EMENTA: Edital 0259/2013-08, seleção de empresa especializada para prestação de serviços na área de condução de veículos oficiais da frota da Superintendência Regional

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Contrato de Apoio Técnico - Operacional

Contrato de Apoio Técnico - Operacional Este Contrato estabelece os termos e condições para disponibilização do sistema informatizado PREGÃO.NET, pela Oriens Tecnologia Ltda., com sede na Av. do Contorno nº 3505, sala 802, na cidade de Belo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual de Simulação

PREGÃO ELETRÔNICO Manual de Simulação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual de Simulação AMBIENTE DE TREINAMENTO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SISPP - SISTEMA DE PREÇOS PRATICADOS Manual do Usuário Brasília

Leia mais

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti

Contratação de Serviços de TI. Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti Contratação de Serviços de TI Ministro-Substituto Augusto Sherman Cavalcanti O antigo modelo de contratação de serviços de TI 2 O Modelo antigo de contratação de serviços de TI Consiste na reunião de todos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP -

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP - MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS - SRP - SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS Manual do Usuário Brasília

Leia mais

Palestrante: Lucimara Oldani Taborda Coimbra

Palestrante: Lucimara Oldani Taborda Coimbra Apresentação: Capacitar e formar servidores e gestores públicos ampliando seus conhecimentos de forma prática para tornar para tornar mais ágeis as Contratações Públicas. Legislação Pregão: Lei n.º 10.520/02,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 214 de 06/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Seleção Unificada - Sisu. O MINISTRO DE ESTADO DA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO CVM N o 529, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instituição da Ouvidoria no âmbito do mercado de valores mobiliários. O PRESIDENTE INTERINO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital.

RESPOSTA: No que tange à equipe técnica é importante observar que a licitante interessada, deverá respeitar todos os requisitos exigidos pelo Edital. É possível a uma Fundação de Apoio a uma Universidade, participar da Concorrência nº 002/2013, sabendo-se que a execução técnica das atividades de elaboração do Manual de Contabilidade Regulatório será

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N 92092-03/2010

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N 92092-03/2010 FUNDAÇÃO DE APOIO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO N 92092-03/2010 A Fundação de Apoio à Ciência e Tecnologia - FATEC, por meio de sua pregoeira, Claudia Pippi Lorenzoni torna público

Leia mais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Análise realizada em 25/08/2014. Consultores: Maurício Zanin, Maria Aparecida e Mauro

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL: 063/2015 JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL OBJETO: Aquisição de equipamentos, sistemas, serviços e outros itens necessários à implantação do gerenciamento eletrônico da freqüência dos

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP O Decreto Municipal Nº 49.511/08 regulamenta, no âmbito do Município de São Paulo, as normas definidas na Lei Complementar nº 123/06, que criou o Estatuto

Leia mais

Manual da Central de Compras

Manual da Central de Compras Sistema de Compras Eletrônicas - COE Manual da Central de Compras Portal Compras RS Portal Pregão On-Line Banrisul Portal Compras PROCERGS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Administração

Leia mais

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO

MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal no PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA MODALIDADE DE LICITAÇÃO PREGÃO Outubro/2006 Educação Educação Nacional Educação Educação Federal no Federal

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP

PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP CURSO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO PARA PREGOEIROS NOVO PREGÃO ELETRÔNICO, PRESENCIAL E SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS - SRP Carga Horária: 16 horas/atividade Brasília, 07 e 08 de outubro de 2015 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro Brasília Julho/2006 MINISTRO

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FAJS Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Curso de Direito Turno: Vespertino Disciplina: Direito Administrativo I Professor: Hédel Torres LICITAÇÕES E CONTRATOS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO FORNECEDOR PARA PARTICIPAÇÃO EM COTAÇÕES E PREGÕES ELETRÔNICOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Procedimento para cadastro... 2 3. Conhecendo o Sistema de Compras Eletrônicas da

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro

PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS PREGÃO ELETRÔNICO Manual do Pregoeiro Brasília Maio/2006 MINISTRO

Leia mais

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições:

O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: PORTARIA Nº. 001/2009 O Diretor Presidente do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável - CIEDS, no uso de suas atribuições: Considerando que o CENTRO INTEGRADO DE ESTUDOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA Pregão Eletrônico Órgão Público Pregoeiro Manual do Usuário - Parte I Versão

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO

SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA COMPRAS E SERVIÇOS COMO PLANEJAR, JULGAR A LICITAÇÃO E GERIR A ATA E O CONTRATO Melhores práticas, análise de casos concretos e checklist dos procedimentos Aspectos polêmicos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008 ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO EDITAL ESMPU n. 177/2008 A Escola Superior do Ministério Público da União ESMPU comunica que estarão abertas, no período de 13 a 15 de outubro de 2008, as

Leia mais

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL Curso de Licitação. Pregão Presencial e Pregão Eletrônico Professor: Antônio Noronha Os 3 Caminhos Possíveis para Aquisição/ Serviços, etc... Licitação; Dispensa de Licitação; Inexigibilidade de Licitação.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial

EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EXCELENTÍSSIMA SENHORA PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO Pregão Presencial nº. 003/2008 Objeto: Prestação de Serviço de Manutenção Predial EMENTA: AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011

DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 DECISÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2011 Impugnação ao edital da licitação em epígrafe, proposta por NORTH SEGURANÇA LTDA, mediante protocolo nº 2011/004806, datado de 06/09/2011. 1

Leia mais

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação.

PARECER JURÍDICO. Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Página 1 de 5 PARECER JURÍDICO Ref.: Banco de Preços; Ferramenta Singular de Busca de Informações; Inexigibilidade de Licitação. Legislação aplicável: Lei 8.666/93. Lei 12.440/11. Como é de conhecimento

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO OUROCARD PRÉ-PAGO RECARREGÁVEL VISA DO BANCO DO BRASIL S.A - CORRENTISTAS PESSOAS FÍSICAS Pelo presente contrato, o BANCO DO BRASIL S.A., com sede em Brasília

Leia mais

Portal de Compras do Governo Federal Comprasnet. Mauro Forlan Brasilia, DF, 26/06/2013.

Portal de Compras do Governo Federal Comprasnet. Mauro Forlan Brasilia, DF, 26/06/2013. Portal de Compras do Governo Federal Comprasnet Mauro Forlan Brasilia, DF, 26/06/2013. Visão geral do SIASG Comprasnet Cadastro de Fornecedores SICAF Cadastro de Materiais CATMAT Cadastro de Serviços CATSER

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 19 de outubro de 2015. ASSUNTO: ENCAMINHAMENTO AO PRESIDENTE: DECISÃO DA PREGOEIRA EM RELAÇÃO AO RECURSO ADMINISTRATIVO APRESENTADO

Leia mais

A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011)

A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011) A PRÉ-QUALIFICAÇÃO COMO PROCEDIMENTO AUXILIAR DAS LICITAÇÕES DO RDC (LEI 12.462/2011) Marçal Justen Filho Doutor em Direito pela PUC/SP Sócio de Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Introdução Talvez

Leia mais

Nota Técnica nº 36/2014

Nota Técnica nº 36/2014 Nota Técnica nº 36/2014 Assunto: Licitação para contratação de agência de publicidade. Procedimentos. Caros clientes e colegas: A GEPAM, no intuito de orientar seus clientes, vem esclarecer sobre a Lei

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES

REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES REGULAMENTO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE LICITAÇÕES CAPITULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º - Para efeito deste Regulamento, entende-se: I Bolsa: Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil, ou simplesmente BLL: II

Leia mais

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO Consolidação ao Regulamento da Licitação na Modalidade Pregão da Centrais Elétricas de Carazinho S/A ELETROCAR, aprovado pela Diretoria Executiva conforme Ordem de Serviço nº 03/12 de 09/03/2012, cuja

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE À Empresa DIMASTER COMERCIO DE PRODUTOS HOSPITALARES LTDA Impugnante

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE À Empresa DIMASTER COMERCIO DE PRODUTOS HOSPITALARES LTDA Impugnante À Empresa DIMASTER COMERCIO DE PRODUTOS HOSPITALARES LTDA Impugnante Pregão Presencial nº 19/2011 Objeto: contratação de empresa para fornecimento de medicamentos destinados a atender as necessidades da

Leia mais

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013

AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 AS PECULIARIDADES DO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS NO TOCANTE À LICITAÇÃO EM MENÇÃO AO NOVO DECRETO Nº 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013 ANNA CAROLINA AZEVEDO BEZERRA 1 JOÃO MARCELO DOS SANTOS SILVA 2 RESUMO

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

PORTARIA Nº 16, DE 27 DE MARÇO DE 2012. (DOU 28/03/2012) (Compilada com alterações da Portaria nº 31, de 18 de junho de 2012)

PORTARIA Nº 16, DE 27 DE MARÇO DE 2012. (DOU 28/03/2012) (Compilada com alterações da Portaria nº 31, de 18 de junho de 2012) PORTARIA Nº 16, DE 27 DE MARÇO DE 2012. (DOU 28/03/2012) (Compilada com alterações da Portaria nº 31, de 18 de junho de 2012) Estabelece procedimentos para adesão ao acesso e utilização do Sistema Integrado

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº, de 13 de maio de 2003

DECRETO Nº, de 13 de maio de 2003 DECRETO Nº, de 13 de maio de 2003 Dispõe sobre a modalidade de licitação denominada pregão, físico e eletrônico, para aquisição de bens e serviços comuns O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das

Leia mais

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI.

AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Camanducaia/MG, 23 de Janeiro de 2013 AO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL SENAI. Departamento Regional / BA. Gerência de Suprimentos. Rua Edístio Pondé, n. 342, STIEP, Salvador/BA, CEP. 41.770-395.

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS: Art. 1º As contratações de obras, serviços, compras e alienações da Associação Brasileira de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA Pregão Eletrônico Fornecedor Manual do Fornecedor Versão 1 1 Sumário 1 Introdução...

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014 PRÁTICAS DE PREGÃO Elaborado por Leonel Duarte Aranha Atualizado em setembro/2014 1 Tratamento favorecido Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Constituição Federal: Art. 170:... IX - tratamento favorecido

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP Agosto / 2013 LICITAÇÕES E CONTRATOS SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP LEI Nº 8.666, DE 21 DE JUNHO DE 1993. Regulamenta

Leia mais

Gabarito 1 Gabarito 2 Gabarito 3 Gabarito 4 11 1 51 21 E E E E PARECER

Gabarito 1 Gabarito 2 Gabarito 3 Gabarito 4 11 1 51 21 E E E E PARECER 11 1 51 21 E E E E Houve interposição de recursos em que os recorrentes, resumidamente, aduziram que a questão deveria ser anulada ou ter o gabarito modificado em virtude de que haveria duas opções com

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 2 DE MARÇO DE 2011 (*) Estabelece os procedimentos a serem adotados para aquisição de materiais e bens e contratação

Leia mais