Nota Técnica. Quim. Nova, Vol. 32, No. 1, , 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota Técnica. Quim. Nova, Vol. 32, No. 1, 223-227, 2009"

Transcrição

1 Quim. Nov, Vol. 32, No. 1, , 2009 Medids de tensão superficil pelo método de contgem de gots: descrição do método e experimentos com tensotivos não-iônicos etoxildos Érico Teixeir Neto* Centro de Ciêncis Nturis e Humns, Universidde Federl do ABC, Ru Snt Adéli, 166, Snto André SP, Brsil Mrcos Mziero Mlt Gerênci de Desenvolvimento e Aplicção, Oxiteno S.A. Indústri e Comércio, Av. ds Indústris, 365, Muá SP, Brsil Ronldo Gonçlves dos Sntos Fculdde de Engenhri Químic, Universidde Estdul de Cmpins, Cidde Universitári Zeferino Vz, CP 6066, Cmpins SP, Brsil Not Técnic Recebido em 11/2/08; ceito em 7/7/08; publicdo n web em 10/12/08 SURFACE TENSION MEASUREMENT BY DROP COUNTING METHOD: METHOD DESCRIPTION AND EXPERIMENTS WITH ETOXILATED NON-IONIC SURFACTANTS. Surfce tension knowledge of surfctnts queous solutions is importnt during mphiphilic molecule mnufcturing nd new product development, s feedbck informtion to hndle synthesis prmeters to trget performnce. Drop counting method is n interesting simplifiction of drop weight method for surfce tension mesurements. A simple lbortory mesurement device, with cpbility for temperture control, ws ssembled to llow investigtion of ethoxylted surfctnts. The implementtion of the method ws preceded by detiled investigtion of two fctors tht my ffect the mesured surfce tension: drop formtion velocity nd surfctnt ethoxyltion degree. The limittions of the method re discussed on this bsis. Keywords: nonylphenol ethoxyltes; ethylene oxide; petrochemicl industry. INTRODUÇÃO O conhecimento e o controle d tensão superficil de soluções quoss de tensotivos são fundmentis em diverss plicções de produtos industrilizdos. 1 A dição de pequens quntiddes de tensotivos diferentes tipos de formulções cus mudnçs no comportmento físico-químico dos produtos, permitindo obtenção de proprieddes como, entre outrs, mior molhbilidde, melhor dispersão de prtículs e mior poder de limpez. A determinção d tensão superficil de formulções tensotivs é feit rotineirmente em lbortórios de controle de qulidde e de pesquis industriis, dndo suporte o desenvolvimento de novos produtos e de novs plicções pr os tensotivos. N litertur, Brcellos e colbordores 2 propuserm um dptção simplificd do método do peso d got pr medids de tensão superficil de soluções de tensotivos. Os utores chmm tenção pr lguns ftores que podem cusr erros ns medids de tensão superficil e que, portnto, devem ser cuiddosmente monitordos durnte relizção dos experimentos. Entre eles estão tempertur ds mostrs, velocidde de formção ds gots e o formto d pont d buret onde são formds s gots. Levndo em considerção estes ftores, este trblho descreve um nov bordgem de dptção do método do peso d got. A Associção Brsileir de Norms Técnics (ABNT) prescreve um procedimento 3 bstnte simples e rzovelmente exto pr determinção d tensão superficil de produtos grotóxicos n NBR Este procedimento se bsei n contgem do número de gots gerdo por um determindo volume de um solução quos d mostr, medido prtir de um buret, e su relção com o número de gots gerdo pelo mesmo volume de águ, que é usd como pdrão *e-mil: de tensão superficil conhecid. O método de contgem de gots pode ser plicdo à determinção d tensão superficil de diferentes tipos de tensotivos, de sus formulções e tmbém de líquidos puros; ele é usdo, devido à su simplicidde, pr determinções explortóris d tensão superficil de soluções tensotivs em lbortórios de pesquis industriis e cdêmicos. O método de contgem de gots descrito n NBR é um dptção dequd e simples do método do peso d got. 4 Seguindo rgumentção do método do peso d got, forç exercid pelo peso de um got (m g) n pont de um buret é máxim no momento extmente nterior o seu desprendimento d pont. Neste momento, o peso d got é equilibrdo pel tensão superficil do líquido (γ) multiplicd pelo perímetro (2.π r) d pont d buret. Assim, tensão superficil de um líquido pode ser clculd pel medid d mss (m) de um got deste líquido, de cordo com Equção 1: Seguindo Equção 1, tmbém se pode relcionr mss d got 5 (m) com o seu volume (V) e densidde do líquido (ρ), n Equção 2: No método de contgem de gots, clcul-se tensão superficil fzendo-se um relção entre o número de gots gerds por um volume fixo d mostr, medido em um buret, e o número de gots gerdo pelo mesmo volume de águ. No sistem descrito neste trblho, o volume dotdo foi de 2 ml, medido em um pipet grdud. Assim, ns Equções 3 e 4, estão s relções pr (1) (2)

2 224 Teixeir Neto et l. Quim. Nov determinção d mss médi de um got d mostr e d águ, prtir ds sus densiddes: O método proposto n NBR é válido pens pr medids de tensão superficil de soluções diluíds de tensotivos (té 1% m/m). Assim, Norm ssume densidde d mostr (ρ AMOSTRA ) igul à densidde d águ (ρ H2 ). Com isso temos: O então, A prtir d Equção 1: Como contgem de gots é feit prtir de um pipet, circunferênci e formto d su pont são iguis pr mostr e pr águ. A prtir ds equções cim, podemos então fzer relção bixo, que result n Equção 6., e Substituindo m got AMOSTRA d Equção 5 n Equção 6, obtém-se relção que permite o cálculo d tensão superficil d solução d mostr, n Equção 7: (3) (4) (5) (6) diferentes tipos de cdeis crbônics, incluindo cdeis lquílics lineres, rmificds, insturds e cdeis contendo grupos romáticos, como o nonilfenol. A fórmul gerl dos nonilfenóis etoxildos é C 9 H 19 C 6 H 6 ( O CH 2 CH 2 ) n OH, onde o número n de uniddes de óxido de etileno n cdei d molécul define o seu gru de etoxilção (EO). Um crcterístic do comportmento de soluções quoss de tensotivos etoxildos é mrcnte dependênci de sus proprieddes físico-químics com tempertur: 8 águ deix de ser um bom solvente pr os grupos óxido de etileno à medid que se ument tempertur. Portnto, tendendo est necessidde, um sistem termosttizdo foi construído em nosso lbortório pr s determinções de tensão superficil de soluções de tensotivos etoxildos, seguindo o método proposto n NBR Este trblho descreve o sistem termosttizdo construído e metodologi pr relizção de medids de tensão superficil de soluções tensotivos etoxildos pelo método de contgem de gots. O seu objetivo é vlir e discutir s influêncis d tx de formção ds gots e do gru de etoxilção ds moléculs tensotivs sobre s tensões medids, identificndo s limitções do método proposto. PARTE EXPERIMENTAL O digrm esquemático do tensiômetro de contgem de gots que foi montdo nos lbortórios de Pesquis Anlític d Oxiteno pr relizção de medids de tensão superficil de soluções de tensotivos etoxildos está mostrdo n Figur 1. Ele consiste de um pipet grdud de 2 ml que foi fixd por pressão, com rolhs de silicone, em um cmis termosttizd. Est foi fbricd usndo-se um condensdor reto, por onde circul o líquido de termosttizção em um bnho termostático, com controle de tempertur de ± 0,2 ºC. A pont d pipet foi mntid um distânci menor que 1,5 cm d prte inferior do sistem, pr grntir su termosttizção. Um spirdor foi conectdo à prte superior d pipet pr o controle preciso d tx de formção ds gots d solução sob investigção. As medids de tensão superficil form feits pelo procedimento seguir: um excesso de águ pdrão Mili-Q contid em um béquer foi spirdo pel pipet e mntido em repouso por 1 min pr su termosttizção 20 C. O menisco foi então justdo em 2 ml e o número de gots gerdo, um tx de formção de gots de 30 gots.min -1, foi notdo. A pipet foi lvd com mostr, spirndo (7) A velocidde de formção ds gots durnte o experimento de contgem de gots é determinnte pr o sucesso e confibilidde dos resultdos obtidos ns medids. Diferente do método do peso d got, 6 que é um técnic de equilíbrio e pressupõe um velocidde infinitmente lent de formção e desprendimento ds gots, o método de contgem de gots é um método dinâmico, que envolve formção de gots em condições de fluxo constnte. Portnto, correlção entre velocidde de formção de gots e tensão superficil que é medid, pr os diferentes tipos de mostrs tensotivs, deve ser investigd pr dequd implementção do método em nossos lbortórios. Os tensotivos não-iônicos etoxildos são usdos, entre outrs plicções, como tensotivos industriis nos processos de fbricção de lã e de metis, como emulsificntes pr polimerizção em emulsão, em detergentes de lbortório e em formulções pesticids. 7 Eles têm seu grupo hidrofílico formdo por um cdei oligoméric de óxido de etileno e su prte hidrofóbic formd por um entre Figur 1. Digrm esquemático do tensiômetro de contgem de gots montdo nos lbortórios de Pesquis Anlític d Oxiteno. A termosttizção dequd do sistem permite determinção d tensão superficil dos tensotivos não-iônicos etoxildos

3 Vol. 32, No. 1 Medids de tensão superficil pelo método de contgem de gots 225 e descrtndo-, por 3 vezes e o procedimento de medid dotdo pr águ foi repetido com mostr. A tensão superficil d mostr foi clculd usndo-se os números de gots n Equção 7, médi obtid em três repetições do experimento. Tmbém form relizdos experimentos com txs de formção de gots de 6 e 3 gots min -1. Os tensiômetros modelo OCA 15 d DtPhysics (método de got pendente), disponíveis nos lbortórios de pesquis d Oxiteno e modelo Sigm 701 d KSV (método de nel de Du Noüy, utilizndo correção mtemátic de Huh e Mson), 9 utilizdo no Instituto de Químic d Unicmp form usdos ns medids. Os tensotivos Ultrnex NP, um linh de nonilfenóis etoxildos com diferentes grus de etoxilção produzidos pel Oxiteno, usdos nos experimentos estão identificdos n Tbel 1. As soluções quoss dos tensotivos form preprds misturndo-os com águ deionizd pdrão Mili-Q 20 C em um concentrção de 0,5% (m/m). As soluções form deixds em repouso durnte 1 h à mesm tempertur pr relizção ds medids. Tbel 1. Tensotivos nonilfenóis etoxildos investigdos, seus respectivos grus de etoxilção, HLB s e msss molres Tensotivo Gru de Etoxilção HLB Mss Molr (g mol -1 ) Ultrnex NP Ultrnex NP Ultrnex NP Ultrnex NP observções semelhntes, e mesm rgumentção foi usd pr justificr o umento d tensão superficil medid em experimentos com tx de formção de gots mis lts que 6 gots min -1. A influênci d cinétic de difusão ds moléculs de tensotivo pr superfície d got, sobre tensão superficil medid, não foi considerd em mbos trblhos. Pr exminr mis fundo o fenômeno de formção ds gots, dinâmic de relxção d got foi investigd sem influênci de ftores hidrodinâmicos. A mesm solução de Ultrnex NP 500 (Tbel 2) teve su tensão superficil dinâmic medid em um tensiômetro de got pendente. Neste experimento, um got d solução é gerd n pont d pipet do instrumento e su tensão superficil é clculd prtir do seu formto, que é registrdo fotogrfndo-se got o longo do seu tempo de envelhecimento. Ns fotogrfis sobreposts d Figur 2, estão indicdos o contorno (preto) d got de solução de Ultrnex NP 500 logo que el foi gerd (T=0 s) e fotogrfi do perfil (cinz) d mesm got pós 300 s. Pode-se observr que houve um mudnç no formto d got: el ficou mis fild e longd com seu envelhecimento por 5 min. O formto ds gots é determindo por um blnço entre su tensão superficil e seu peso. 12 N Figur 2, logo que foi formd (T=0 s), got tinh tensão superficil de 48,7 mn m -1 e, pós 300 s, su tensão diminuiu pr 45,2 mn m -1, enqunto o seu volume e, portnto, o seu peso, form mntidos constntes. Ess vrição n tensão superficil é denomind tensão superficil dinâmic e é cusd pelo tempo de difusão ds moléculs de tensotivo té superfície d got recém-formd, onde se orgnizm em um monocmd, reduzindo tensão superficil d got. RESULTADOS E DISCUSSÃO A influênci d velocidde de formção ds gots sobre tensão superficil medid no tensiômetro de contgem de gots foi investigd fzendo-se medids de um solução quos 0,5% (m/m) de Ultrnex NP 500, 20 ºC, com txs de formção de gots de 30, 6 e 3 gots min -1. Os resultdos d Tbel 2 mostrm que tensão superficil é mior pr s mis lts txs de formção de gots empregds no experimento. Este comportmento é mrcnte: em relção o experimento feito com 3 gots min -1 observou-se um umento de 3 mn m -1 n tensão superficil qundo tx de formção de gots foi de 30 gots min -1. Tbel 2. Tensões superficiis de solução quos 0,5% (m/m) de Ultrnex NP 500 medids em diferentes txs de formção de gots Tx de Formção de Gots (gots min -1 ) Tensão Superficil (mn m -1 ) Os erros ds medids estão dentro de ± 1 mn m -1, estimdos em três replicts dos experimentos. Em um trblho de Jho e Burke, 10 mesm correlção entre tensão superficil medid e tx de formção de gots de soluções de tensotivos foi observd. Atribuírm esse comportmento ftores hidrodinâmicos, que podem fetr mss d got sob condições de fluxo. Segundo eles, o pescoço líquido formdo entre pont d pipet e got, no momento do seu desprendimento, é empurrdo pr bixo pelo líquido em fluxo ns txs mis lts de formção de gots, o que tende umentr mss d got e tensão superficil que é medid. Em trblho nterior, Pierson e Whitker 11 fizerm Figur 2. Imgens sobreposts, obtids em tempos diferentes, do perfil de um got de solução quos 0,5% (m/m) de Ultrnex NP 500 n pont d pipet do tensiômetro de got pendente. Assim que é gerd (T=0 s), got tem o formto mostrdo pelo contorno preto. Após 300 s, seu formto fic mis longdo e fildo (perfil cinz) Dess form, tensão superficil dinâmic tmbém influenci s medids de tensão superficil por contgem de gots, já que o comportmento dinâmico descrito cim se repete cd got que é formd. Assim, qunto mis lt é velocidde de formção de gots, menor é o tempo de envelhecimento d superfície d got e, conseqüentemente, mis lt é tensão superficil ds gots que são gerds. Nos resultdos d Tbel 2, observ-se que, mesmo fzendo-se medid n menor tx de formção de gots vlid, tensão medid por contgem de gots é mis lt que medid obtid em condições estátics, por got pendente pós 300 s. Pr demonstrr que esse resultdo não é cusdo por efeitos hidrodinâmicos sobre formção ds gots, form feits medids de tensão superficil de dois líquidos puros, etnol e etilenoglicol, nos quis não se observ tensão superficil dinâmic. Os resultdos obtidos considerndo-se s densiddes dos líquidos puros, form de, respectivmente, 21 e 47 mn m -1 (vlores de

4 226 Teixeir Neto et l. Quim. Nov referênci: 13 22,3 e 48,9 mn m -1 ) e não form obtids diferençs entre s medids relizds ns txs de formção de gots de 3, 6 e 30 gots min -1. No experimento de contgem de gots, determinção d tensão superficil de um mostr é feit à mesm tx de formção de gots que águ, que é referênci de tensão superficil conhecid. Assim, os eventuis efeitos hidrodinâmicos, descritos n litertur 10,11 em lts txs de formção de gots, são proximdmente compensdos. Podemos então levntr mis um questão qunto o uso do tensiômetro de contgem de gots pr determinção d tensão superficil de soluções de tensotivos etoxildos: como tensão superficil dinâmic influenci s medids de tensotivos de um série homólog, com diferentes grus de etoxilção? Primeirmente, tensão superficil dinâmic de tensotivos nonilfenóis etoxildos, com grus de etoxilção de 5, 10, 50 e 100 EO, foi determind usndo-se o tensiômetro de got pendente. N Tbel 3, estão tbuldos os resultdos de medids feits té 900 s pós formção d got. Estes resultdos tmbém estão representdos n Figur 3A, pr visulizção e entendimento mis objetivos dos resultdos. Comprndo-se tensotividde (cpcidde de diminuir tensão superficil d solução) ds moléculs dess série homólog, observ-se, ns tensões superficiis medids o finl do experimento (T=900 s), que os Ultrnex NP mis tensotivos são os que têm menor gru de etoxilção. A diminuição no vlor d tensão durnte o experimento é fcilmente observável pr os Ultrnex NP 500 e NP 1000, ms não é pr s moléculs dos NP 50 e NP 100. N Figur 3B, estão s vrições ds tensões superficiis medids com o tempo (dγ/dt), ds tensões do gráfico d Figur 3A. Observ-se que, durnte todo o experimento (té T=900 s), s soluções dos tensotivos NP 500 e NP 1000 não tingem um tensão superficil de equilíbrio e solução do NP 1000 é que present mior tx de diminuição d tensão superficil durnte prticmente todo o experimento. O tensotivo NP 100 present um pequen tx de diminuição d tensão té cerc de 150 s, qundo tinge um vlor de equilíbrio, e o NP 50 mntém constnte su tensão superficil desde o início do experimento. Dess form, pode-se firmr que tensão superficil dinâmic é bstnte relevnte pr s moléculs dos tensotivos com mior gru de etoxilção, e mior mss molr, que se difundem mis lentmente dentro d solução em direção à superfície ds gots. Outros ftores tmbém podem contribuir pr tensão superficil dinâmic observd, como reorientção ds moléculs dsorvids n superfície d got 14 e existênci de impurezs tensotivs ns mostrs, levndo um equilíbrio de dsorção-dessorção dests impurezs n superfície d got. Entretnto, cinétic destes processos é muito mis rápid que cinétic do processo de difusão ds moléculs etoxilds e, portnto, su discussão não greg à descrição do fenômeno. 15 A importânci ou mgnitude d influênci d tensão superficil dinâmic sobre s soluções dest série de tensotivos foi determind fzendo-se medids de tensão superficil de equilíbrio em um tensiômetro de nel de Du Noüy. Neste método, um nel de pltin é submerso em um solução e forç necessári pr se puxr o nel trvés de su Figur 3. Gráfico (A) com dinâmic de vrição d tensão superficil de soluções quoss 0,5% (m/m) de tensotivos Ultrnex NP medids pós formção d got e derivd (B) ds tensões medids no tempo. Em relção os tensotivos NP 500 e NP 1000, os tensotivos NP 50 e NP 100 cusm mior redução n tensão superficil d águ e têm dinâmics mis rápids de equilíbrio. N derivd ds tensões superficiis com o tempo (B), observ-se que s soluções dos tensotivos NP 500 e NP 1000 não tingem tensão superficil de equilíbrio durnte o experimento e de NP 1000 present mior diminuição d tensão superficil durnte prticmente todo o experimento superfície é medid, permitindo determinção d tensão superficil em condições de equilíbrio. Os vlores obtidos pr s soluções dos Ultrnex NP investigdos encontrm-se n Tbel 4, junto com os vlores obtidos usndo os métodos dinâmicos de contgem de gots e de got pendente (em T=900 s), pr comprção. Observ-se que os vlores de tensão superficil medidos pelo método do nel são menores que os vlores Tbel 3. Tensões superficiis de soluções quoss 0,5% (m/m) de tensotivos Ultrnex NP medids em diferentes tempos pós formção d got. A diminuição d tensão superficil inicil, com o envelhecimento d got, é mior pr os tensotivos com mior gru de etoxilção Tensotivos Ultrnex NP 50 Ultrnex NP 100 Ultrnex NP 500 Ultrnex NP 1000 Tempo (s) Tensão (mn m -1 ) Tensão (mn m -1 ) Tensão (mn m -1 ) Tensão (mn m -1 ) 0 29,0 32,6 48,7 52, ,1 32,2 45,2 47, ,0 32,1 44,7 46, ,0 32,1 44,4 45,5 Os erros ds medids estão dentro de ± 0,5 mn m -1, estimdos em três replicts dos experimentos.

5 Vol. 32, No. 1 Medids de tensão superficil pelo método de contgem de gots 227 Tbel 4. Tensões superficiis de soluções quoss 0,5% (m/m) de tensotivos Ultrnex NP medids por diferentes métodos. A diferenç entre s tensões medids pelos diferentes métodos é mior pr os tensotivos com mior gru de etoxilção Tensotivos Ultrnex NP 50 Ultrnex NP 100 Ultrnex NP 500 Ultrnex NP 1000 Método Tensão Medid (mn m -1 ) Tensão Medid (mn m -1 ) Tensão Medid (mn m -1 ) Tensão Medid (mn m -1 ) Contgem de Gots Got Pendente 29,0 32,1 44,4 45,5 Tensiômetro 28,9 32,0 43,2 43,8 Os erros ds medids relizds com o tensiômetro estão dentro de ± 0,5 mn m -1, estimdos em três replicts dos experimentos. medidos pelos outros dois métodos, pr todos os tensotivos. Observ-se tmbém que diferenç entre s determinções feits pelos diferentes métodos cresce com o umento do gru de etoxilção ds moléculs. Ests dus observções demonstrm que tensão superficil dinâmic tem grnde influênci sobre s soluções dos tensotivos investigdos e que o método de contgem de gots present resultdos rzoáveis pens pr s moléculs com menor gru de etoxilção (5 e 10 EO). CONCLUSÃO Os limites de uso do método de contgem de gots pr determinção d tensão superficil de soluções quoss de tensotivos nãoiônicos etoxildos form investigdos pr corret implementção d técnic em nossos lbortórios. A tx de formção de gots influenci diretmente s medids, resultndo em vlores té 7% miores de tensão superficil pr s txs de formção de gots mis lts. O gru de etoxilção ds moléculs de Ultrnex NP tmbém tem influênci mrcnte sobre s medids. Qunto mior o gru de etoxilção do tensotivo, mior é o tempo necessário pr tensão superficil d got entrr em equilíbrio. As medids de tensão superficil obtids pelo método de contgem de gots form té 23% miores que s obtids pelo método do nel de Du Noüy. O método de contgem de gots deve então ser usdo com cutel n determinção d tensão superficil de soluções tensotivs, pois há um forte influênci d tensão superficil dinâmic sobre s medids. A metodologi propost e o sistem termosttizdo montdo em nosso lbortório mostrrm-se dequdos pr relizção de medids explortóris de tensão superficil de tensotivos etoxildos de bix mss molr e permitirá futurs investigções sobre influênci d tempertur sobre s tensões superficiis de soluções desses tensotivos. AGRADECIMENTOS Os utores grdecem o Prof. W. Loh pels vlioss discussões e sugestões durnte elborção deste trblho. R. G. dos Sntos grdece o CNPq pel bols de doutormento. REFERÊNCIAS 1. Rngel, R. N.; Colóides: um estudo introdutório, LCTE Editor: São Pulo, 2006, cp Behring, J. L.; Lucs, M.; Mchdo, C.; Brcellos, I. O.; Quim. Nov 2004, 27, NBR 13241, Agrotóxico - Determinção d tensão superficil; ABNT, Admson, A. W.; Physicl Chemistry of Surfces, 5 th ed., Wiley-Interscience: New York, 1990, cp. 2; Kufmn, S.; J. Colloid Interfce Sci. 1976, 57, Lndo, J. L.; Okley, H. T.; J. Colloid Interfce Sci. 1967, 25, Cmpbell, J.; J. Phys. D: Appl. Phys. 1970, 3, 1499; Hrkins, W. D.; Brown, F. E.; J. Am. Chem. Soc. 1919, 41, cessd em Jneiro Holmberg, K.; Jönsson, B.; Kronberg, B.; Lindmn, B.; Surfctnts nd Polymers in Aqueous Solution, 2 nd ed., John Wiley & Sons: West Sussex, 2006, cp Huh, C.; Mson, S. G.; Colloid Polym. Sci. 1975, 253, Jho, C.; Burke, R.; J. Colloid Interfce Sci. 1983, 95, Pierson, F. W.; Whitker, S.; J. Colloid Interfce Sci. 1976, 54, Evns, D. F.; Wennerström, H.; The Colloidl Domin - Where Physics, Chemistry, Biology nd Technology Meet, 2 nd ed., Wiley-VCH: New York, 1999, cp Azizin, S.; Hemmti, M.; J. Chem. Eng. Dt 2003, 48, Rver, F.; Liggieri, L.; Miller, R.; Colloids Surf. A 2000, 175, Liggieri, L.; Ferrri, M.; Mss, A.; Rver, F.; Colloids Surf. A 1999, 156, 455.

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º no Mtemátic FUNDMENTL tividdes complementres Este mteril é um complemento d obr Mtemátic 9 Pr Viver Juntos. Reprodução permitid somente pr uso escolr. Vend proibid. Smuel Csl Cpítulo 6 Rzões

Leia mais

características dinâmicas dos instrumentos de medida

características dinâmicas dos instrumentos de medida crcterístics dinâmics dos instrumentos de medid Todos nós sbemos que os instrumentos de medid demorm um certo tempo pr tingirem o vlor d medid. sse tempo ocorre devido inércis, resitêncis e trsos necessários

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Austrle Jornl essol de Astronomi, Físic e Mtemátic - roduzido por Irineu Gomes Vrell Crido em 995 Retomdo em Junho de 0 Ano III Nº 04 - Setembro de 0 ÓRBITAS LANETÁRIAS E LEIS DE KELER rof. Irineu

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017

Potencial Elétrico. Evandro Bastos dos Santos. 14 de Março de 2017 Potencil Elétrico Evndro Bstos dos Sntos 14 de Mrço de 2017 1 Energi Potencil Elétric Vmos começr fzendo um nlogi mecânic. Pr um corpo cindo em um cmpo grvitcionl g, prtir de um ltur h i té um ltur h f,

Leia mais

Reações Químicas em Sistemas Biológicos

Reações Químicas em Sistemas Biológicos Reções Químics em Sistems Biológicos 1. Cínétic e Equilíbrio Químico s reções químics que ocorrem entre s substâncis devem ser entendids tnto do ponto de vist cinético, isto é, trvés d txs com que ocorrem

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 19/03/11 RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 9// PROFESSORES: CARIBE E MANUEL O slário bruto mensl de um vendedor é constituído de um prte fi igul R$., mis um comissão de % sobre o

Leia mais

O Amplificador Operacional

O Amplificador Operacional UFSM CT DELC O Amplificdor Opercionl Prte I Giovni Brtto 6/26/2007 Introdução Neste texto, o mplificdor opercionl será considerdo como um cix pret. Estmos interessdos em compreender o seu funcionmento

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo

GEO046 Geofísica. Fenômeno observado. Polarização elétrica induzida. Polarização de eletrodo GEO046 Geoísic Aul n o 09 MÉTODOS ELÉTRICOS Polrizção induzid e potencil espontâneo enômeno observdo Após interrupção de um corrente elétric contínu, observse que o potencil elétrico não deci instntnemente

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP

Curso Básico de Fotogrametria Digital e Sistema LIDAR. Irineu da Silva EESC - USP Curso Básico de Fotogrmetri Digitl e Sistem LIDAR Irineu d Silv EESC - USP Bses Fundmentis d Fotogrmetri Divisão d fotogrmetri: A fotogrmetri pode ser dividid em 4 áres: Fotogrmetri Geométric; Fotogrmetri

Leia mais

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial Cpítulo 9 Integrção Numéric 9. Introdução A integrção numéric é o processo computcionl cpz de produzir um vlor numérico pr integrl de um função sobre um determindo conjunto. El difere do processo de ntidiferencição,

Leia mais

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portlpositivo.com.br/cpitcr 1 SUCESSÃO OU SEQUENCIA NUMÉRICA Sucessão ou seqüênci

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Inspeção visul de emblgens de microesfers de vidro retrorrefletivs Norm Rodoviári DNER-PRO /9 Procedimento Págin de RESUMO Este documento, que é um norm técnic, estbelece s condições que devem ser observds

Leia mais

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores

4.4 - Acelerômetros Combinados. Montagem: x 2. referência. Circuito: - + S v. a 1 = E 1 + E 2. a 2 -E 1 = E 2. Características de Sensores 4.4 - Acelerômetros ombindos Montgem: G θ x x x ircuito: reerênci R R v R R R R R - + 0 + v R - + R 0-7 rcterístics de ensores Deslocmento liner médio: x x + x && x + Deslocmento ngulr médio: θ && θ x

Leia mais

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale Colegio Nvl 005 01) O lgoritmo cim foi utilizdo pr o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vle (A) 400 (B) 300 (C) 00 (D) 180 (E) 160 Resolvendo: Temos que E 40 C E C 40

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW http://dx.doi.org/10.322/tmm.2012.01 Ricrdo Mirnd Alé 1 Adão Vieir de Fri 2 Rmsés Ferreir d Silv 3 Antônio Crlos Depizzol Wgner de Almeid

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA

CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA CINÉTICA DE SECAGEM DE FOLHAS DE ERVA-DOCE EM SECADOR SOLAR EXPOSTO À SOMBRA José Diorgenes Alves Oliveir 1, Krl dos Sntos Melo de Sous 2 1 Universidde Federl de Cmpin Grnde cmpus de Sumé; Ru Luiz Grnde,

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

CURVATURAS: MEDIDAS E COMPARAÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS

CURVATURAS: MEDIDAS E COMPARAÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS doi: 0.4/tmm.0050007 CURVTURS: MEDIDS E COMPRÇÃO COM MODELOS GEOMÉTRICOS Gláucio Sores d Fonsec Fbin Pinto Miguel ugusto Pulo Rngel Rios Resumo curvtur médi do contorno de grão, curvtur médi ds rests do

Leia mais

1. Conceito de logaritmo

1. Conceito de logaritmo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Logritmos Prof.: Rogério

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Tema #4. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. incompatível. Introdução aos sistemas incompatível

Tema #4. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. incompatível. Introdução aos sistemas incompatível Tem #4. Resolução de problem que conduzem s.e.l. incomptível Assunto: Problems que conduzem Sistem de Equções Lineres incomptível. Introdução os sistems incomptível Ns uls nteriores, estudmos problems

Leia mais

Psicrometria e balanços entálpicos

Psicrometria e balanços entálpicos álculo d entlpi Psicrometri e blnços entálpicos m Psicrometri pr o cálculo d entlpi dum corrente de r recorre-se à entlpi específic. egundo crt que usmos em PQ entlpi específic vem express em J/g de r

Leia mais