Estudo das Alterações Cardíacas em Crianças com SIDA em Relação à Terapêutica com Anti-Retrovirais. Estudo Prospectivo de 47 Casos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo das Alterações Cardíacas em Crianças com SIDA em Relação à Terapêutica com Anti-Retrovirais. Estudo Prospectivo de 47 Casos"

Transcrição

1 Artigo Original Estudo das Alterações Cardíacas em Crianças com SIDA em Relação à Terapêutica com Anti-Retrovirais. Estudo Prospectivo de 47 Casos Gesmar Volga Haddad Herdy, Carlos Alberto M. Pinto, Vania Gloria S. Lopes, Raquel P. Ribeiro, Ivete Martins Gomes, Hsu Y. Tchou, Renata Melo, Bedros Kurdian, Plínio de Assis Tavares Jr. Niterói, RJ Objetivo - Detectar as alterações cardíacas nas crianças com SIDA e comparar a evolução dos achados com usando apenas uma droga anti-retroviral e nos casos mais recentes nos quais se usou associação das mesmas. Métodos - Foram estudadas 47 crianças de modo prospectivo, divididas em 3 grupos: zidovudina (grupo 1, 20 crianças); zidovudina e posterior associação (grupo 2, 10 crianças); combinação desde o início (grupo 3, 17 crianças). As crianças eram submetidas a exames seriados de radiografias de tórax, eletro e ecocardiograma a cada 6 meses e após óbito exame anátomo-patológico. Resultados - Dos 47 casos, 26 (57%) eram índices. Desnutrição, crises de diarréia, taquicardia em repouso, insuficiência cardíaca congestiva, derrame pericárdico, dados eletrocardiográficos de alterações na repolarização ventricular e arritmias foram mais freqüentes no grupo 1. O ecocardiograma foi anormal em 10 casos (50%) do grupo1, sendo que o mesmo foi encontrado em menor porcentagem nos outros 2 grupos. Taquicardia em repouso e disfunção ventricular associada a dilatação das cavidades esquerdas foram mais significativas no grupo 1. Na evolução dos casos do grupo 1, em 2 houve piora dos sinais clínicos e ecocardiográficos e ocorreram 4 óbitos; nos grupos 2 e 3 houve melhora da disfunção cardíaca após a medicação em todos os casos. Conclusão - Com o uso anti-retrovirais associados ocorreu menor porcentagem de complicações clínicas e a evolução das alterações cardíacas foi mais favorável do que nas que receberam apenas um medicamento. Palavras-chave: coração, crianças, SIDA Hospital Universitário Antônio Pedro UFF Correspondência: Gesmar Volga Haddad Herdy Trav. Antonio Pedro, 10/ Niterói, RJ Recebido para publicação em 29/1/02 Aceito em 20/5/02 Atualmente, cerca de 90% dos casos da síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA) em crianças, notificados no Brasil, ocorrem através da transmissão vertical 1. Em nossa Instituição, temos feito um trabalho prospectivo há alguns anos, estudando as alterações cardíacas nas crianças infectadas com o HIV 2. Graças aos protocolos para prevenção da transmissão vertical e adotados em nosso meio, temos observado uma diminuição da infecção em crianças de até 70% 3-5. Um estudo prospectivo multicêntrico mostrou que em crianças nas quais foram observadas alterações no tamanho do coração e na função cardíaca, houve diminuição da sobrevida, independentemente de outras variáveis 6. O presente trabalho tem como objetivo avaliar, de modo prospectivo, as alterações cardíacas nestes pacientes, acompanhar a sua evolução com o uso da medicação utilizada, incluindo anti-retrovirais e comparar os dados obtidos nestas crianças medicadas com os novos esquemas. Métodos Foram estudadas de modo prospectivo 47 crianças acompanhadas no Hospital Universitário Antônio Pedro, Niterói, desde janeiro/93 até dezembro/00, divididas em três grupos: grupo 1, constituído por 20 casos iniciais, de idades entre seis meses e 12 anos (mediana 36 meses), tratados apenas com zidovudina, como medicação anti-retroviral; grupo 2, composto por 10 pacientes de idades entre quatro meses e sete anos (mediana-30 meses), diagnosticados antes de dezembro/95, que receberam inicialmente apenas a zidovudina e depois associação com outra droga para a mesma finalidade; grupo 3, constituído por 17 crianças de idades entre um e 10 anos (mediana dois anos), casos recentes, diagnosticados após janeiro/96, que receberam desde o início associação de dois ou três anti-retrovirais. O critério para o uso destes medicamentos seguiu as recomendações do Ministério da Saúde 7. A substituição de um medicamento por outro foi necessária em várias ocasiões por intolerân- Arq Bras Cardiol, volume 80 (nº 3), 311-5,

2 Arq Bras Cardiol cia ou falta de resposta adequada. As drogas mais utilizadas nessas crianças foram: 1) inibidores da transcriptase reversa análogo de nucleosídeo: zidovudina (AZT), didanosina (DDI), estavudina (D4T), lamivudina (3TC); 2) inibidores da transcriptase reversa não análogos de nucleosídeo, principalmente a nevirapina (NVP) e 3) inibidores da protease: nelfinavir (NFV), ritonavir (RTV), indinavir (IDV) 7. Os exames utilizados para diagnóstico da SIDA foram: ELISA - sistema VIDAS -Biolab, que usa técnica de enzimaimunoensaio fluorescente (ELFA) para detecção de HIV 1 e 2 e sistema AXSYM-Abbot, técnica de imunoensaio de micropartículas que usa antígenos recombinantes derivados de três proteínas do HIV 1 e 2. Quando positivo por duas vezes usava-se para confirmação o método Western Blot. Para a classificação dos pacientes foi utilizado o sistema do CDC de Atlanta , na qual são avaliados os sinais clínicos e imunológicos. O protocolo para avaliação cardiológica semestral constituiu-se de exame clínico pela equipe da cardiopediatria, radiografias de tórax, ecocardiograma e ecocardiograma bidimensional com Doppler (aparelho ESAOTE 5000) de seis em seis meses e repetidos nas intercorrências infecciosas ou piora dos sintomas cardiológicos. Foram medidos as espessuras das paredes, diâmetros cavitários e calculados massa ventricular, fração de ejeção, encurtamento fracional 9. Foram considerados normais os valores fração de ejeção >60% e porcentagem de encurtamento sistólico do diâmetro do ventrículo esquerdo >30%. Os casos de óbito foram submetidos à necropsia. Nos pacientes dos grupos 2 e 3, foram, também realizadas: medidas da carga viral e contagem de linfócitos CD4 e CD8, pelo método NASBA-NUCLISENS, através de convênio com o Laboratório Miguelote Vianna, da Secretaria Estadual de Saúde. O tempo de seguimento dos pacientes, em meses, foi respectivamente: grupo 1-30, grupo 2-72 e grupo 3-36 meses. A análise estatística foi feita pelo método não paramétrico do qui quadrado. Resultados No grupo 1, das 20 crianças, 19 foram infectadas por transmissão vertical e apenas um paciente por transfusão sangüínea. Neste grupo, 13 (65%) foram considerados casos índices. No grupo 2, os 10 casos adquiriram a infeção da mãe e três (30%) foram índices. No grupo 3, das 17, apenas um paciente adquiriu o HIV por transfusão e 10 (60%) foram índices. Das 45 crianças que receberam o vírus por transmissão vertical 26 (57%) eram casos índices. As alterações clínicas mais freqüentes encontram-se na tabela I. Os cinco primeiros sinais ou sintomas prevaleceram nos três grupos: desnutrição, crises de diarréia, pneumopatias repetidas, anemia e hepatoesplenomegalia. A desnutrição e as crises de diarréia foram mais freqüentes no grupo 1 que nos demais, com diferença estatisticamente significativa (p<00,1 e p<0,05, respectivamente). Tabela I - Sinais e sintomas clínicos Sinais/sintomas Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Desnutrição Crises de diarréia Pneumopatias repetidas Anemia Hepatoespleno-megalia Adenomegalia Retardo psicomotor Monilíase pele e mucosas Aumento de parótidas Otites freqüentes Dermatite/impetigo/abcessos Herpes zoster *Em pneumopatias estão incluídos os casos de tuberculose pulmonar e os de infeção pelo Pneumocystis carinii. Análise da carga viral antes do tratamento com antiretrovirais e depois, durante a evolução das crianças, foi útil para orientar a troca de um medicamento por outro. Quanto à medicação com anti-retrovirais, foram usados os seguintes medicamentos: no grupo 1 todos os 20 pacientes receberam apenas AZT. No grupo 2, nos 10 casos iniciouse com AZT e depois de 6 a 8 meses acrescentou-se o DDI. Destes, houve falta de resposta em 6 (60%), sendo que em 2 (20%), substituiu-se pela associação D4T e 3TC, com a qual permaneceram durante 48 meses em média. Em outros 2 ( 20%) optou-se pela combinação de D4T, 3TC e ritonavir, com tempo de observação de 52 meses em média. Duas crianças (20%) receberam AZT, DDI e nevirapina, com tempo médio de observação de 50 meses. No grupo 3, os 17 pacientes, desde o início, receberam associação de medicamentos, em oito (47%) AZT, 3TC e nelfinavir e nos outros nove (53%) D4T, DDI e nelfinavir (acompanhamento entre 18 a 24 meses). O controle das infecções oportunistas com imunoglobulinas foi realizado em apenas 8 casos do grupo 1, de modo irregular por falha na aquisição do medicamento e de modo regular em 7 crianças do grupo 2, em 9 do grupo 3 (indicado quando, pelo exame laboratorial, havia hipogamaglobulinemia). O ganciclovir (indicado quando havia comprovação de infecção pelo citomegalovírus) foi administrado em apenas 3 pacientes do grupo 1, em 2 do grupo 2 e em um do grupo 3. Dos sinais obtidos no exame cardiovascular, foram freqüentes nos três grupos: taquicardia em repouso, sopro sistólico no bordo esternal esquerdo, ictus propulsivo. Insuficiência cardíaca e aumento do índice cardiotorácico no grupo 1, bem como abafamento de bulhas nos casos de derrame pericárdico moderado ou volumoso, (tab. II). Comparando-se esses achados houve diferença significativa entre os grupos 1 e 3 quanto à taquicardia em repouso (p<0,01). Os outros dados não apresentaram a mesma importância. Os achados do eletrocardiograma mais observados em todos os grupos foram as alterações da repolarização ventricular associadas ou não com taquicardia sinusal. No grupo 1 estas alterações foram mais freqüentes (tab. III), e com di- 312

3 Tabela II - Sinais e sintomas cardíacos Sinais/sintomas Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 (n=20) (n-10) (n=17) Taquicardia em repouso Sopro sistólico no BEE Sinais de ICC, III e IV (NYHA) Aumento do índice cardíaco ao RX Ictus propulsivo Abafamento de bulhas Sopro sistólico mitral Sopro diastólico mitral Atrito pericárdico BEE- bordo esternal esquerdo; ICC- insuficiência cardíaca congestiva; NYHA- New York Heart Association; RX- radiografia de tórax. Tabela IV - Resultado dos ecocardiogramas Resultado Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Normal Disfunção moderada e dilataçáo de VE Disfunção sistólica e derrame moderado Derrame pericárdico Hipertrofia de SIV, PPVE, do relaxamento Disfunção sistólica derrame leve e hipertrofia de SIV, PPVE - diminuição; VE- ventrículo esquerdo; SIV- septo interventricular; PPVE- parede posterior do ventrículo esquerdo. ferença estatisticamente significativa entre os grupos 1 e 3, quanto às alterações de repolarização e taquicardia sinusal com sobrecarga ventricular esquerda, em ambas p<0,05. No grupo 3 a quantidade de ecocardiograma normal foi significativamente maior que nos outros grupos (p<0,05). O ecocardiograma foi anormal em 50% dos casos do grupo 1, e os dados de disfunção sistólica de ventrículo esquerdo foram as anormalidades mais freqüentes em todos os grupos, associados, em vários casos, com derrame pericárdico ou dilatação de cavidades (tab. IV). Nos 10 casos do grupo 1 que apresentaram disfunção sistólica, tiveram fração de ejeção entre 26 e 40% (média 34,1% d.p. 5,1). Nos quatro pacientes do grupo 2 que apresentaram anormalidades, a fração de ejeção variou de 27-41% (média 33,7% d.p.5,06) e nos quatro do grupo 3, obtivemos valores entre 31 a 48 (média 34 d.p. 2,94). A comparação entre os grupos 1 e 3 mostrou diferença estatisticamente significativa quanto ao achado de disfunção sistólica associada a aumento do diâmetro das cavidades esquerdas, mais freqüente no grupo 1 (p<0,05). Em alguns casos foram avaliados parâmetros de função diastólica e que se mostraram normais. O tratamento da insuficiência cardíaca congestiva foi o mesmo em todos os casos: diuréticos, captopril e digitálicos. Tabela III - Alterações eletrocardiográficas Resultado Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 N º % Nº % Nº % Normal Alteração repol ventr.+ taquicardia Taquicardia sinusal sobrecarga de VE Taquicardia sinusal Extrassístoles supra-ventriculares Ritmo nodal Extrassístoles ventriculares Repol ventr- repolarização ventricular. Nos casos de derrame pericárdico importante foi feita a punção diagnóstica e drenagem cirúrgica, quando necessária. Na evolução dos casos, observamos melhora clínica dos sinais do insuficiência cardíaca congestiva em quatro casos do grupo 1 (confirmada pela elevação dos parâmetros de função ventricular e das alterações eletrocardiográficas). A taquicardia sinusal associada a alteração da repolarização ventricular permaneceu em 3 (15%) crianças do grupo 1 e em uma (10%) do grupo 2. No grupo 3, um paciente permaneceu com extrassistolia supraventricular. Os achados ecocardiográficos subseqüentes nos pacientes do grupo 1 foram: dos 10 casos com disfunção sistólica, melhora acentuada nos parâmetros em 3 (30%), normalização em um (10%). A evolução foi desfavorável em seis pacientes: piora clínica e ecocardiográfica em 2 (20%) que faleceram (os dados histológicos do miocárdio revelaram apenas alterações compatíveis com o distúrbio metabólico). Duas (20%) crianças evoluíram para óbito por miocardite, sendo uma por Toxoplasma gondii e outra infecção disseminada pelo vírus de inclusão citomegálica (CMV). Em ambas o ecocardiograma mostrou espessamento do septo e parede posterior do ventrículo esquerdo. Dois outros faleceram por outras causas, sendo um com pneumonia por Pneumocystii carinii e outro com sepse por cândida. No grupo 2, os quatro casos que apresentaram disfunção ventricular se normalizaram (100%) o mesmo ocorrendo nos casos do grupo 3 (tab. V). Tabela V - Evolução dos casos quanto às funções sistólicas ao ecocardiograma Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Disfunção sistólica moderada Disfunção sistólica Disfunção sistólica (N=10) (N=4) (N=4) Melhora 4 40% Melhora 4 100% Melhora 4 100% Piora clínica 2 20% e ecocardiográfica Óbito por miocardite 2 20% Óbito por 2 20% pneumonia e sepse 313

4 Arq Bras Cardiol Uma criança do grupo 2 faleceu, mas não houve necropsia. Todas as do grupo 3 continuam em seguimento ambulatorial, não ocorrendo óbito até o momento. Discussão Em nossos casos a transmissão vertical ocorreu em 95%, achado freqüente na maioria das casuísticas 1,10,11. A taxa de transmissão mãe-filho, quando não há prevenção durante a gestação, é de 20-40% e, com o uso do AZT corretamente, está em torno de 2-5% 5,12. Nestes casos e no relato anterior 2, muitas crianças foram casos índices e, portanto, não receberam proteção. Quanto às manifestações clínicas, as pacientes que só receberam AZT (grupo 1) tiveram mais complicações ou infecções oportunistas do que as que receberam terapia combinada. Sabe-se que a associação de drogas é mais eficaz no controle da replicação viral 13,14. As crianças do grupo 1 também tiveram mais alterações cardíacas. Observamos que 25% apresentaram sinais de insuficiência cardíaca congestiva durante a internação. Vários fatores podem ter sido responsáveis pela insuficiência cardíaca congestiva. O próprio vírus HIV pode ser isolado do miocárdio 15 ; as droga usadas para tratamento, como AZT e DDI, são consideradas cardiotóxicas, embora em crianças não há relato de piora dos sintomas cardíacos após seu uso 16,17. A desnutrição, mais freqüente no grupo 1, provavelmente contribuiu para maior taxa de alterações ecocardiográficas, pois má absorção, distúrbio eletrolítico, deficiências de oligoelementos estão associados, direta ou indiretamente, à cardiomiopatia Infecções oportunistas podem ser a causa das manifestações cardíacas, principalmente por CMV, Toxoplasma gondii, Pneumocysti carinii, Micobacterium, etc, direta ou indiretamente 20,21. Vários trabalhos mostram que infecções graves levam à liberação de citoquinas, que diminuem o trabalho cardíaco e fração de ejeção, facilitando a insuficiência cardíaca congestiva 22,23. Autores demonstraram que as citoquinas, como as interlucinas (IL-1,IL-6 e IL-10) e TNF a, têm efeito inotópico negativo, alterando a homeostase do cálcio intracelular, induzindo a produção de óxido nítrico que deprime a função cardíaca e promove a apoptose 24,25. Os achados eletrocardiográficos são inespecíficos, e encontrados em outras causas de miocardite ou cardiomiopatia dilatada, consistem em alterações do segmento ST e onda T 19,20. Em nossos casos, o ecocardiograma mostrou informações importantes para a correlação dos dados clínicos de insuficiência cardíaca congestiva e para sua evolução. Os achados de disfunção de ventrículo esquerdo com dilatação de cavidades, freqüentemente associados a efusão pericárdica, também são os mesmos descritos anteriormente 2,6,17. Observamos que no grupo 1, 50% dos casos tiveram alterações importantes e na evolução apenas 40% mostraram melhora com o tratamento (drogas para a insuficiência cardíaca congestiva e as específicas para as infecções ). Nos outros grupos, ocorreu 100% de melhora após o mesmo tratamento, diferindo quanto aos esquemas antiretrovirais e a melhor abordagem contra infecções oportunistas. Constatamos óbito por miocardite ou piora do quadro clinico e dos parâmetros ecocardiográficos em alguns casos do grupo 1. Lipshultz e cols. estudaram 193 crianças com SIDA e observaram que a fração de encurtamento e o espessamento da parede são os dois parâmetros considerados fatores de risco para a mortalidade, independente das outras variáveis clínicas e contagem de CD4 6. Dois de nossos casos com miocardite fatal também tiveram espessamento das paredes de ventrículo esquerdo. A efusão pericárdica foi um dado freqüente em nossos casos, inclusive com tamponamento cardíaco, ocorrida em torno de 22% dos pacientes 17. Pode estar relacionada à infecções oportunistas, mas muitas vezes a etiologia é desconhecida. A efusão é parte do processo seroso difuso, envolvendo peritôneo e pleura, por extravasamento capilar conseqüente a aumento das citoquinas, principalmente o TNF α 26. Os esquemas de drogas inibidoras da replicação viral utilizados seguiram a orientação do Ministério da Saúde 7. A primeira droga liberada para crianças (AZT) foi usada nos casos do grupo 1. Na década de 90 foi também liberado para uso pediátrico o DDI e a associação das duas drogas foi utilizada no grupo 2, como preconizado, para diminuir a resistência 27. Os pacientes mais recentes receberam terapia tríplice, cuja indicação é guiada pelo quadro clínico e laboratorial, usando-se a classificação do CDC (1994), para as crianças das categorias A3, B2, B3, C1, C2 e C3 7. A terapia tríplice tem se mostrado muito mais eficiente para controlar a doença, aumentando a porcentagem de linfócitos CD4 e diminuindo na carga viral 28,29. As crianças que apresentaram hipogamaglobulinemia receberam o tratamento com imunoglobulina humana, exceto algumas do grupo 1, que não foi tão regular, como nos outros dois grupos, por falhas na aquisição do medicamento. No início da década de 90 foi mostrado que a imunização passiva com imunoglobulina diminuía a carga viral na corrente sangüínea em níveis indetectáveis pela técnica de PCR 30. As imunoglobulinas administradas, mensalmente, também levam à melhora da disfunção ventricular, diminuem o espessamento das paredes e reduzem o pico do estresse da parede de ventrículo esquerdo. A aparente eficácia desta medicação pode ser atribuída a inibição dos auto-anticorpos, como a anti-a miosina, cuja prevalência é aumentada em pacientes com cardiomiopatia dilatada, pela competição com receptores Fc 31. Entretanto, sabe-se que há situações onde o desenvolvimento de anticorpos pelo paciente pode estabelecer incompatibilidade imunológica e as infusões de imunoglobulina podem provocar efeito paradoxal, aumentando a infecção pelo HIV, ocorrida quando se usa transfusões mensais de plasma fresco com elevada concentração de anticorpos anti-peptídeos vasoativos intestinais (anti-vip), mostrando efeito benéfico, aumentando a porcentagem de CD4, com diminuição da carga viral substituindo-se a imunoglobulina venosa 32. A infecção por CMV foi controlada em nossos casos com o uso de ganciclovir, exceto em alguns do grupo 1, a qual foi detectada tardiamente ou na necropsia, sem tempo para administração eficaz da droga. Nos outros dois grupos ocorreu controle mais ri- 314

5 goroso das infecções oportunistas, de um modo geral. Já que nos três grupos usaram-se as mesmas drogas para o tratamento da insuficiência cardíaca, é provável que o controle da carga viral do HIV e das infecções associadas expliquem o menor número de complicações cardiológicas. Concluímos que nos casos que receberam apenas a zidovudina, como anti-retroviral, houve maior incidência de complicações clínicas, de um modo geral, e pior evolução das manifestações cardiológicas, do que nos casos mais recentes, onde foram feitas associações de drogas. Referências 1. Brasil, Ministério da Saúde, Divisão de DST/AIDS. AIDS. Boletim Epidemiológico, ano XI, nº 3, junho a agosto de Herdy GVH, Leite MM, Lopes VGS, Pinto CAM. Alterações cardíacas em crianças com SIDA. Arq Bras Cardiol 1997; 68: Connor E, Spering RS, Geller R, et al. Reduction of maternal-infant transmission of HIV-1 with zidovudine treatment. N Eng J Med 1994; 331: Center for Disease Control and Prevention (CDC). Guidelines for the use of antiretroviral agents in pediatric HIV infection. MMWR 1998; 47 (RR4): Lambert LS, Moye J. Current issues in the immunoprophylaxis of vertical transmission of HIV. BioDrugs 1999; 11: Lipshult SE, Easley MS, Orav J, et al. Cardiac dysfunction and mortality in HIV infected children. The prospective P2 C2 HIV multicenter study. Circulation 2000; 102: Brasil, Ministério da Saúde, Divisão de DST/AIDS. AIDS consenso sobre terapia anti-retroviral para crianças infectadas pelo HIV. 2001; ano XIII: Center for Disease Control and Prevention (CDC). Revised classification system of human immunodeficiency virus infection in children less than 13 years of age. MMWR 1994; 43 (RR12): Feigenbaum H. Echocardiography. In: Braunwald Heart Disease. Chap 3. 5 th ed. Philadelphia. WB Saunders Co, 1997: Nogueira G, Macedo AJ, Paixão A, et al. Cardiovascular morbidity in children with HIV infections. Acta Med Port 1998; 11: Langston C, Cooper ER, Goldfarb J, et al. HIV related mortality in infants and children: data from the pediatrics pulmonary and cardiovascular complications of vertically transmitted HIV (P2 C2) study. Pediatrics 2001: 107: Mofenson LM. Epidemiology and determinants of vertical HIV transmission. Sem Ped Infect Dis 1994; 5: Abrams E, Steketee RW. Association of HIV load early in life with disease progress on among HIV infected infants. J Infec Dis 1998; 178: American Academy of Pediatrics. Disclosure of illness status to children and adolescents with HIV infection. Pediatrics 1999; 103; Lipshultz S, Fox C, Perez Atayde A. Identification of HIV-1 RNA and DNA in the heart and congenital AIDS. Am J Cardiol 1990; 66: Domanski MJ, Sloas MM, Follman DA, et al. Effect of zidovudine and didanosine treatment on heart function in children infected with HIV. Paediatrics 1995; 127: Barbaro G. Cardiovascular manifestations of HIV infection. JRS Medicine 2001; 94: Beck MA, Kolbeck AC, Shi Q, et al. Increased virulence of a human enterovirus (Coxsackie B3) in selenium-deficiency mice. J Infect Dis 1994; 170: Kaul S, Fishbeim MC, Siegel R. Cardiac manifestations of AIDS. A 1991 update. Am Heart J 1991; 122: Herdy GVH, Ramos R, Bazin AR, et al. Correlação clínico-patológica de 50 casos de SIDA. Estudo retrospectivo. Arq Bras Cardiol 1994; 60: Herdy GVH, Carvalho R, Vasconcelos MC, Ramos RG. AIDS e Coração. In: Celmo Celeno Porto. Doenças do Coração. Cap ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1998: Parrillo JE, Parker MM, Natanson C, et al. Septic shock in humans. Ann Intern Med 1990; 113: Ognibene FP, Parker MM, Natanson C, et al. Depressed left ventricular performance: response to volume infunsion in patients with sepsis. Chest 1998; 93: Barbaro G, Di Lorenzo G, Grisorio B, Barbarini G and Gruppo italiano per lo studio cardiológico dei pazienti affeti da AIDS investigators. Cardiac involvement in the AIDS. A multicenter clinical-pathological study. AIDS Res Hum Retroviruses. 1998; 14: Barbaro G, Di Lorenzo G, Soldini M, et al. The intensity of myocardial expression of inducible nitric oxide synthesis influences the course of human immunoficiency virus associated. cardiomyopathy. Circulation 1999; 199: Rerkpattanapipat P, Jacobs LE, Kotler MN. Cardiac manifestations of AIDS. Arch Int Med 2000; 160: Butler K. Pediatric human immunodeficiency virus infection. In: Gorbach- Batlet-Blacklow Infectious Diseases. Cap 140. Saunders Co: Philadelphia, 1992: Valentine M, Jackson C, Vavro C, et al. Evaluation of surrogate and clinical outcome in two years follow-up of 86 HIV pediatric patients. Ped J Infect Dis 1998; 17: Shearer WT, Quinn TC, Larussa P, et al. Viral load and disease progression in infants infected with HIV type 1. N Engl J Med 1997; 336: Gullestad L, Aass H, Fjeld JG, et al. Immunomodulating therapy with intravenous immunoglobulin in patients with chronic heart failure. Circulation 2001; 103: Karpas K, Hill M, Youle M. Polymerase chain reaction evidence for HIV-1 neutralization by passive immunization in patients with AIDS. Proc Natl Acad Sci USA 1990; 87: Vejkovic V, Metlas R, Jevtovic D, et al. The role of passive immunization in HIV positive patients. Chest 2001; 120:

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA. Maria de Lourdes Giacomini. Medicina Interna e Infectologia

Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA. Maria de Lourdes Giacomini. Medicina Interna e Infectologia Manifestações Cardiológicas Relacionadas ao HIV/SIDA Maria de Lourdes Giacomini Medicina Interna e Infectologia HCAA - 2006 INTRODUÇÃO 1981 - EUA São Francisco, NY Sarcoma de kaposi, PPC, imunodeficiência

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

AIDS na Infância: Acometimento Cardíaco com e sem a Terapia Antiretroviral

AIDS na Infância: Acometimento Cardíaco com e sem a Terapia Antiretroviral AIDS na Infância: Acometimento Cardíaco com e sem a Terapia Antiretroviral Tríplice Combinada AIDS in Childhood: Cardiac Involvement with and without Triple Combination Antiretroviral Therapy Maria do

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Alexandre O. Chieppe

Alexandre O. Chieppe Transmissão Vertical da Sífilis S e do HIV Alexandre O. Chieppe Coordenação Estadual de DST/AIDS-CVE Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro Câmara Técnica de AIDS do CREMERJ Do Início da Epidemia

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS

A i d s n a I n f â n c i a. Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS A i d s n a I n f â n c i a Prof. Orlando A. Pereira FCM - UNIFENAS HISTÓRICO 1978- Em Nova York e San Francisco uma doença misteriosa e mortífera ataca homossexuais. 1981- A doença misteriosa ganha o

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24

env Glicoproteína de superfície gp120 gag Proteína da matriz associada à membrana p17 gag Proteína do capsídio p24 AIDS Infecção HIV Estimativa de adultos e crianças infectadas com HIV 2005 Western & Eastern Europe Central Europe & Central Asia North America 720 000 1.5 million [550 000 950 000] [1.0 2.3 million] 1.3

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004 Recomendações para a Terapia Anti- Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV II Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 I Encontro Nacional de TUBERCULOSE Olavo Henrique Munhoz Leite

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida

39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial. Flávia J. Almeida 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial 39º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial orial HIV HIV no no Recém-Nascido Recém-Nascido Flávia

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EVIDÊNCIA DE MELHORA DO ACOMETIMENTO MIOCÁRDICO EM CRIANÇAS COM SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EVIDÊNCIA DE MELHORA DO ACOMETIMENTO MIOCÁRDICO EM CRIANÇAS COM SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EVIDÊNCIA DE MELHORA DO ACOMETIMENTO MIOCÁRDICO EM CRIANÇAS COM SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS) TRATADAS COM TERAPIA HAART : Estudo Ecocardiográfico.

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA

AIDS PERINATAL. Licia Moreira UFBA Licia Moreira UFBA Definição de AIDS na CRIANÇA Toda criança com menos de 13 anos com evidência laboratorial de infecção Uma amostra de soro repetidamente positiva em teste como ELISA, IFI (pesquisa de

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ ÇÃO O DIASTÓLICA DO VE José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br Funçã ção o Diastólica Normal... A capacidade de enchimento ventricular esquerdo o suficiente

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Andreia Magalhães Fevereiro/2013 Cardiotoxicidade Lesão cardíaca induzida por fármacos utilizados no tratamento

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico

Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Imunodeficiências: classificação e diagnóstico Distúrbios de funcionamento do sistema imunológico conseqüências risco aumentado de infecções, doenças auto-imunes e câncer Características das infecções:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Os autômatos celulares constituem de simulações discretas no tempo, espaço e no estado do sistema. Objetivo Pioneiros em pesquisa

Leia mais

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas.

Aula de Antivíricos. Vírus : noção. Porto 29-11-2002. Jorge Manuel Moreira de Carvalho. Não são seres vivos São entidades biológicas. Aula de Antivíricos Porto 29-11-2002 Jorge Manuel Moreira de Carvalho Vírus : noção Não são seres vivos São entidades biológicas. 1 Vírus : estrutura Ácido nucleico ( DNA ou RNA ) Invólucro proteico (

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência

AIDS e HIV AIDS NÚMERO ESTIMADO DE MORTES PROVOCADAS PELA AIDS NO MUNDO TODO (1980-2000) A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência AIDS AIDS e A AIDS ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (do inglês Acquired Immunodeficiency Syndrome) caracteriza-se por uma profunda imunossupressão associada a infecções oportunistas, neoplasias

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005

HIV em. Especiais: O idoso. Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV em Populações Especiais: O idoso Keli Cardoso de Melo Outubro/2005 HIV/AIDS x Idosos! 40 milhões de pessoas com HIV/AIDS! 10% dos casos de AIDS > 50 anos! ¼ em indivíduos > 60 anos! Mulheres " incidência

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva Dr. Jamil Mattar Valente 1 Cardiomiopatia Hipertrófica Primária Secundária 2 Introdução Doença hereditária

Leia mais

AIDS. imunodeficiência adquirida

AIDS. imunodeficiência adquirida AIDS Síndrome da imunodeficiência adquirida Características 1-infecção de linfócitos TCD4+, macrófagos e células dendríticas pelo vírus da imunodeficiência humana - HIV 2-imunossupressão profunda 3-infecções

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais.

Regulamenta o uso de testes rápidos para diagnóstico da infecção pelo HIV em situações especiais. ATUALIZAÇÃO E NORMATIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HIV PORT 151/OUT 2009 Lúcia Sena Farmacêutica-Bioquímica do Programa de DST/AIDS do município de Duque de Caxias HISTÓRICO Diagnóstico Laboratorial

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior Abordagem da Dor Torácica Aguda Jeová Cordeiro de Morais Júnior Introdução Traumática x não-traumática Cerca de 8 milhões de atendimento nas emergências nos EUA Cerca de 10-12% são liberados com SCA Avaliar

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DAS GESTANTES HIV/AIDS ATENDIDAS NO HOSPITAL MATERNO INFANTIL E NO HOSPITAL ANUAR AUAD EM GOIÂNIA-GOIÁS, ENTRE OS ANOS DE 2003 E 2005. Raffaella Silva Pinheiro 1,4

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo 4 x maior Razão incidência: 1 em 1000 gestações EP fatal: 1,1 morte/100000

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias

Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Diagnóstico Imunológico das Imunodeficiências Secundárias Dois tipos de imunodeficiências Primárias ou Congênitas Secundárias ou Adquiridas Imunodeficiências Secundárias Principais causas de imunodeficiências

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO DE DADOS SINAN NET MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS GT SINAN SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO DICIONÁRIO

Leia mais

MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA

MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA MIOCARDIOPATIAS- LIMITES E INSUFICIÊNCIA NA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA QUAL O PAPEL DA IMAGEM CARDÍACA? DA DETEÇÃO DE FENÓTIPOS PRECOCES À ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO Emanuel Correia Albufeira, 29 de Abril 2014

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo

AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA. Conceição Pedrozo AIDS TRANSMISSÃO FISIOPATOGENIA Conceição Pedrozo 2010 Fisiopatogenia, História Natural da Infecção pelo HIV e Infecção Primária ETIOLOGIA O HIV 1 E 2 são membros da família Retroviridae e pertencem ao

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL RESUMO

ARTIGO ORIGINAL RESUMO ARTIGO ORIGINAL Perfil das crianças infectadas pelo vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), internadas em hospital de referência em infectologia pediátrica de Belo Horizonte/MG, 2003 The profile of human

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA *

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * INSUFICIÊNCIA CARDÍACA * ANTONIO CARLOS LOPES** AROLDO WALTER LIBERATORI FILHO*** * Trabalho realizado na Disciplina de Medicina de Urgência do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Elisabete Nave Leal (1), José Pais Ribeiro (2), Mário Martins Oliveira (3), Sofia Santos (3), Rui Ferreira (3) (1)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real Arritmia Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche IDENTIFICAÇÃO F.M.C.N.B Sexo feminino 43 anos Caucasiana 9ºano Casada Fajarda Empregada

Leia mais

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha -1980- INFECTOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE tratamentohoje Boletim Terapêutico de HIV/Aids, DST e Hepatites Virais Ano I Edição Especial maio 2003 EDIÇÃO ESPECIAL Mudanças principais A orientação para

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Estenose Mitral. Definição e Etiologia

Estenose Mitral. Definição e Etiologia Estenose Mitral Definição e Etiologia A estenose da válvula mitral é um estreitamento da abertura da válvula mitral que aumenta a resistência ao fluxo da corrente sanguínea do átrio esquerdo para o ventrículo

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

ÁLCOOL, DROGAS ILÍCITAS E ANTI-RETROVIRAIS

ÁLCOOL, DROGAS ILÍCITAS E ANTI-RETROVIRAIS ÁLCOOL, DROGAS ILÍCITAS E ANTI-RETROVIRAIS Vanja Maria Bessa Ferreira* 1.Meu paciente faz uso moderado de álcool. Como devo orientá-lo em relação ao uso concomitante de álcool e medicamentos anti-retrovirais?

Leia mais

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos

Sessão De Pediatria. Discussão De Artigos Sessão De Pediatria Discussão De Artigos Evaluation of children with recurrent pneumonia diagnosed by world health organization criteria. Pediatr Infect Dis J. 2002: 21: 108-12. James D. Heffelfinger,

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR Yáskara Benevides Guenka Acadêmica do 4º ano de Medicina UFMS Liga de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Campo Grande MS 27/06/2012 SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR ALTERAÇÕES DAS

Leia mais

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab

Marcos Montani Caseiro, MD, PhD Lusíada Foundation, Associate Professor Bolsista CNPq- Produtividade em Pesquisa 2 Molecular Biology Lab 13:50 14:20 MINI CONFERÊNCIA: A RESISTÊNCIA TRANSMITIDA (HIV) NO BRASIL Coordenadora/Debatedora: Lucy Cavalcanti Ramos Vasconcelos 13:50 14:00 Conferencista: Marcos Montani Caseiro 14:00 14:10 Apresentação

Leia mais

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido Acidente com Perfuro- Cortantes Guia Rápido Cuidado do Ferimento Lavar com água e sabão o ferimento ou pele exposta ao sangue ou fluidos orgânicos. Lavar as mucosas com água em abundância. Não é recomendada

Leia mais

IMPACTO DA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL

IMPACTO DA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL IMPACTO DA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL Pedro Chequer, Elisa Sudo, Marco Antônio de Ávila Vitória, Cláudia Cunha e Valdiléa G. Veloso A utilização da terapia combinada de anti-retrovirais vem mostrando resultados

Leia mais