SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP COORDENAÇÃO DE VICTOR HUGO PUBLICIDADE E PROPAGANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP COORDENAÇÃO DE VICTOR HUGO PUBLICIDADE E PROPAGANDA"

Transcrição

1 SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA FAVIP COORDENAÇÃO DE VICTOR HUGO PUBLICIDADE E PROPAGANDA JOSÉ EDSON ALVES DA SILVA O DISCURSO PUBLICITÁRIO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL, COM RELAÇÃO ÀS CAMPANHAS DE HIV/AIDS NAS DÉCADAS DE 80/90 E CARUARU 2011

2 JOSÉ EDSON ALVES DA SILVA O DISCURSO PUBLICITÁRIO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL, COM RELAÇÃO ÀS CAMPANHAS DE HIV/AIDS NAS DÉCADAS DE 80/90 E Trabalho de conclusão de curso apresentado à Faculdade do Vale do Ipojuca, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda. Orientadora: Profª. Msc. Lívia Valença CARUARU 2011

3 S586d Silva, José Edson Alves da. O discurso publicitário do Ministério da Saúde do Brasil, com relação às campanhas de HIV/AIDS nas décadas de 80/90 e / José Edson Alves da Silva. -- Caruaru : FAVIP, f. : Orientador(a) : Lívia Valença. Trabalho de Conclusão de Curso (Publicidade e Propaganda) -- Faculdade do Vale do Ipojuca. Inclui anexo. 1. AIDS. 2. HIV. 3. Prevenção. I. Título. CDU 659.1[12.1] Ficha catalográfica elaborada pelo bibliotecário: Jadinilson Afonso CRB-4/1367

4 JOSÉ EDSON ALVES DA SILVA O DISCURSO PUBLICITÁRIO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL, COM RELAÇÃO ÀS CAMPANHAS DE HIV/AIDS NAS DÉCADAS DE 80/90 E Trabalho de conclusão de curso apresentado à Faculdade do Vale do Ipojuca, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda. Orientadora: Profª. Msc. Lívia Valença Aprovado em: / / Orientador (a) Avaliador (a) Avaliador (a) CARUARU 2011

5 Dedico esse projeto aos meus pais por me ajudarem a concluir essa jornada, à minha orientadora Lívia Valença que me ajudou com esse projeto, aos meus parentes e amigos, às pessoas que formaram meu ciclo de amizade na faculdade, e a todos que me ajudaram direta ou indiretamente com esse trabalho.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, por me permitir concluir minha graduação, aos meus pais Edson e Iranete, pois sem eles eu não estaria aqui. Eles me deram o suporte necessário desde criança para que eu pudesse ter uma boa educação, para que um dia eu possa usufruir das coisas que eu vou conseguir através de meus estudos. A minha irmã Dayse, que apesar de às vezes me estressar bastante é uma pessoa que gosto muito e tem uma importância grande na minha vida. A minha professora orientadora Lívia Valença, pela força, paciência, e ajuda que ela me proporcionou durante a faculdade e principalmente neste projeto. Ela me guiou e contribuiu para que eu pudesse terminar esse trabalho. Aos demais professores que ao longo da minha graduação contribuíram na minha formação com seus conhecimentos, se dedicando cada dia para que eu pudesse aprender mais com eles. Em especial gostaria de citar Heleniza Saldanha, Rodrigo Rios, Angélica Trindade e Lívia Valença, que foram professores com quem eu pude ter uma relação que vai além da sala de aula, e são pessoas que eu gosto bastante. Aos meus amigos Artur Oliveira, Rafael Moury, Marcos Moraes, Filipe Melo, o recém chegado Augusto Marabuco, Cassanda e Graziela Kopnits, e em especial a Bruno Tácito que me ajudou nesse projeto dando algumas dicas, me orientando em alguns pontos, e fazendo a correção do trabalho. Todas essas pessoas estão sempre comigo e fazem a minha vida mais feliz e agradável. Aos meus amigos que conheci através da faculdade Mari, Sayo, Nean, Hugo e Elias (eles são uma das coisas ótimas que vou levar dela) que me propiciaram uma faculdade divertida, dia após dia, e fizeram com que eu pudesse perceber o quanto amizades são importante para nos ajudar a suportar o peso de algumas coisas, algumas vezes me senti cansado e exausto da faculdade e talvez sem vocês eu não tivesse conseguido passar noite após noite, tendo vontade e indo com alegria para a faculdade (tá ok, confesso que muitas vezes só fui para faculdade pra poder conversar e passar a noite com meus amigos). Gostaria de agradecer a outras pessoas que são da sala, e que passaram também por nossa turma, e acabou gerando uma relação e acabaram se tornando meus colegas de classe. Queria agradecer a própria faculdade, pois além das aulas e da aprendizagem que tive nela, a mesma serviu para que eu pudesse formar uma personalidade e para criar elos que irão durar a vida toda.

7 E Depois disso tudo, o meu muito obrigado a todos que contribuíram para o meu amadurecimento e formação tanto pessoal como profissional direta ou indiretamente durante esses quatro anos. É por isso tudo, que tenho o prazer de compartilhar algo tão importante para mim com todos vocês.

8 Acredita-se que a AIDS é a doença mais avassaladora da humanidade. Para mim é o preconceito, ele exclui, discrimina e mata, e ninguém está livre dele. Afonso Allan

9 RESUMO Sabe-se que a AIDS é causadora de muitas mortes por todo o mundo, porém hoje com métodos de medicação e meios contraceptivos é possível se ter uma vida normal para portadores do vírus HIV, com o uso dos remédios pode-se controlar o vírus e através da camisinha não transmiti-lo. Esse trabalho é voltado para as campanhas que conscientizam o uso desse método que permite que a doença não se alastre mais, e campanhas que falam a favor das pessoas que tem o vírus, mostrando-a como pessoas que tem uma vida normal, assim como qualquer outra que não seja soropositivo. Serão usadas as campanhas feitas pelo ministério da saúde, e será feita a análise de fatores com as ferramentas da publicidade e propaganda. Será analisado o discurso das peças e a maneira de se falar sobre a AIDS, um assunto que já foi um tabu grande na sociedade. Palavras-Chave: AIDS, HIV, Prevenção.

10 ABSTRACT It is known that AIDS is causing many deaths throughout the world, but today with medication and methods of contraception is possible to have a "normal" life for people with HIV, where with use of the drugs you can control the virus and through the condom do not transmit it. This work is focused on campaigns that raise awareness of the use of this method that allows the disease does not spread further, and campaigns that speak in favor of people who have the virus, showing them as people wham have a normal life like any other than is HIV positive. We'll use the campaigns made by the ministry of health, and will be the analysis of factors with the tools of advertising. Will analyze the parts of speech and way of talking about AIDS, a subject that has been a big taboo in society. Keywords: AIDS, HIV, Prevention.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1: AIDS, Você Precisa Saber Evitar Figura 2: AIDS, Pare com Isso Figura 3: Se Você Não se Cuidar a AIDS vai Te Pegar Figura 4: Previna-se do Vírus, Não das Pessoas Figura 5: Viva com Prazer. Viva o Sexo Seguro Figura 6: Crianças Vivendo com AIDS, o Brasil dá um Abraço (Menino) Figura 7: Crianças Vivendo com AIDS, o Brasil dá um Abraço (Menina) Figura 8: Além do Bem e do Mal Figura 9: AIDS. O Preconceito Tem Cura Figura 10: Mostre que Você Cresceu e Sabe o que Quer. Neste Carnaval, Use Camisinha Figura 11: A Vida é Mais Forte que a AIDS Figura 12: Qual a Sua Atitude na Luta Contra a AIDS Figura 13: Viver Com Aids é Possivel. Com o Preconceito Não Figura 14: Viver Com Aids é Possivel. Com o Preconceito Não

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Marketing Mix de Marketing Marketing Social Comunicação A Importância da Comunicação Publicidade e Propaganda Publicidade Propaganda Influência da Publicidade na Sociedade As Características e o Poder da Publicidade em Campanhas Sociais HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? Histórico da Doença no Brasil Tabela 1: Os Marcos da AIDS no Brasil Quadro 1: Número de Infectados com HIV Formas de Contágio Formas de Prevenção Principais Sintomas da AIDS Tratamento FUNÇÕES DE LINGUAGEM Função Denotativa Função Conotativa Função Conativa METODOLOGIA Métodos Análise do Discurso A Prática da Análise do Discurso ANÁLISE E RESULTADO DOS DADOS... 38

13 6.1 AIDS, Você Precisa Saber Evitar Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo AIDS, Pare com Isso Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Se Você Não se Cuidar a AIDS vai Te Pegar Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Previna-se do Vìrus, Não das Pessoas Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Viva com Prazer. Viva o Sexo Seguro Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Crianças Vivendo com AIDS, o Brasil dá um Abraço Imagem do Vídeo (Menino) Áudio do Vídeo (Menino) Imagem do Vídeo (Menina) Áudio do Vídeo (Menina) Análise do Vídeo Além do Bem e do Mal Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo AIDS. O preconceito tem cura Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Mostre que Você Cresceu e Sabe o que Quer. Neste Carnaval, Use Camisinha Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo A Vida é Mais Forte que a AIDS Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Qual a Sua Atitude na Luta Contra a AIDS

14 Imagem do Vídeo Áudio do Vídeo Análise do Vídeo Viver Com AIDS é Possivel. Com o preconceito não 2009/ Imagem do Vídeo (2009) Áudio do Vídeo (2009) Imagem do Vídeo (2010) Áudio do Vídeo (2010) Análise do Vídeo CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 74

15 14 1 INTRODUÇÃO A publicidade hoje em dia é usada de todas as formas, uma delas é para um bem geral de toda a sociedade. A comunicação usada de forma social tem o intuito de conscientizar a população, massificar assuntos que nem sempre são colocados em pautas e tentar mudar comportamentos que vem sendo passado de geração em geração. (VAZ, 1995) Esse projeto usará as ferramentas da área da publicidade e propaganda para estudar e analisar campanhas de cunho social para o HIV e AIDS, feitas pelo ministério da saúde durante três décadas. Analisando a linguagem das peças televisivas, será observada a abordagem do ministério da saúde ao tema, usando o áudio e imagem dos vídeos. Atualmente, o tabu sobre esse assunto já não é tão grande, mas ainda existe muito preconceito com relação aos portadores do vírus, fato que vem aos poucos sendo revertido através de campanhas de conscientização que mostram como é a vida de quem já tem a doença, quais os seus desafios e como é sua qualidade de vida nos dias de hoje. As campanhas na sua maioria são explicativas/ informativas e mostra os modos como se contrai o vírus, como fazer a prevenção, como as pessoas que tem HIV/AIDS levam uma vida cotidiana como outra pessoa que não é soropositivo, e outros pontos que surgem entre uma campanha e outra, como informações de onde se fazer exames, ou alguma mobilização que irá acontecer em um dia especifico, etc. Com a análise dessas campanhas do Ministério da Saúde com relação ao HIV/AIDS, foi possível perceber de que modo esse tema é tratado realmente. Na percepção geral foi visto que em épocas mais retrogradas, onde as pessoas eram mais fechadas a esse assunto e a ignorância era maior, as campanhas eram mais agressivas, elas aterrorizavam a população e faziam com que as pessoas tivessem medo e que quando alguém era diagnosticado com o vírus tinha assinado sua sentença de morte. Já as campanhas atuais, são mais informativas. Elas se preocupam em mostrar como é a vida dos soropositivos, as formas de prevenção, o que fazer para saber como diagnosticar o vírus e como agir ao saber se foi diagnosticado. Essa monografia está dividida em três partes, na primeira parte trataremos a tríade: marketing, publicidade e propaganda e comunicação. Ela é vista nesse parte de uma forma mais especifica com foco no marketing, na propaganda e na comunicação social. Na segunda parte está a metodologia do trabalho que explica todo o processo do

16 15 projeto, a escolha das peças, e a análise do discurso, método usado para poder ser feita a parte da análise das campanhas. Na terceira parte está a análise dos vídeos separados por ano e por campanha. A análise desses vídeos mostram as considerações a partir da imagem, do áudio e da junção das duas partes para a obtenção de resultados. Após essas três etapas, está as considerações finais que mostra a partir da elaboração de todo o trabalho qual foi o resultado obtido.

17 16 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Observar a mudança na forma de expressão do Ministério da Saúde do Brasil, em relação ao material publicitário destinado ao HIV/AIDS, analisando sua forma de abordagem ao tema. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Relatar como as campanhas de âmbito social, causam impacto e mudam o comportamento de uma sociedade; Analisar as mudanças das campanhas da década de 1980 até 2010, observando sua forma de direcionamento ao público; Analisar a mudança no conteúdo dos seus textos e imagens.

18 17 3 JUSTIFICATIVA Esse projeto analisa como o Ministério da Saúde tem tratado o HIV/AIDS, com suas campanhas publicitárias. A pesquisa aborda seus discursos publicitários desde as primeiras campanhas de AIDS no Brasil no final da década de oitenta, e relata como o Brasil trata esse tema. A ideia para esse projeto veio a partir da seguinte pergunta que é o problema em estudo. Como o ministério da saúde fala do HIV/AIDS? A partir desse ponto começou a ser feita a coleta de dados e a pesquisa das campanhas para estudo do tema. Mas porque essa pesquisa? Para poder ver como é que a publicidade e propaganda falam do HIV/AIDS. Sua forma de se dirigir ao público, os métodos usados, a forma do texto chegar a cada pessoa, e outras coisas, que serão analisadas, como a imagem usada, a época, entre outros fatores. Essa pesquisa também será usada posteriormente, como pesquisa para outras pessoas que queiram fazer estudos nessa área, que ainda não tem muitos estudos, pois o que se nota é que não existem muitos trabalhos acadêmicos com esse tipo de estudo, com campanhas de HIV/AIDS sobre uma análise da publicidade e propaganda. Tudo isso levará a concluir se a forma que eles usam é a mais eficiente, e como que com apenas um vídeo é capaz de se conscientizar e mudar o comportamento de homens, mulheres, crianças, jovens, adultos, e idosos.

19 18 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 4.1 MARKETING O marketing, atualmente segue como uma grande ajuda a publicidade e propaganda e uma aliada na hora de estudar as necessidades para se poder oferecer exatamente o que o público quer. O marketing é um jogo empírico. Você toma uma decisão, observa os resultados, aprende com eles e depois toma decisões melhores (KOTLER, 2000, p. 33). O marketing vem sendo estudado desde o começo do século XX, e desde então vários conceitos sobre sua definição são dadas. Segundo Rocha (1999, p. 15), o Marketing é uma função gerencial, que busca ajustar a oferta da organização a demandas específicas do mercado. Já Kotler afirma que há uma distinção entre a definição social e gerencial do marketing. Na definição social, [...] marketing é um processo social por meio do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e que desejam com a criação, a oferta e a livre negociação de produtos e serviços (KOTLER, 2005, p. 6). Já na definição gerencial, [...] objetivo do marketing é tornar a venda supérflua. Sua meta é conhecer e compreender tão bem o cliente que o produto ou o serviço se adapte a ele e se venda por si mesmo. O ideal é que o marketing deixe o cliente pronto para comprar (KOTLER, 2005, p. 6). Para Las Casas, marketing é uma atividade de troca: O marketing é uma atividade de comercialização que teve a sua base no conceito de troca. [...] A troca caracteriza-se pela oferta de um produto com o recebimento de outro benefício, [...] a troca é, portanto, a base para a comercialização, e conseqüentemente, para o marketing. (LAS CASAS, 2006, p. 3) Entende-se, assim, que marketing tem como base a troca; estuda o consumidor, seus desejos, necessidades e oferece o que eles querem. Para a American Marketing Association (AMA), marketing é uma função organizacional e um conjunto de processos para criar, comunicar e entregar valor para os clientes e para administrar o relacionamento com os clientes de forma a beneficiar a organização e seus públicos de interesse (COBRA; BREZZO, 2010, p. 11). Analisando os conceitos de cada autor, podemos ver que eles se reforçam e que de modo geral o marketing é um processo de benefício para a empresa e os consumidores, ambos ganham. A empresa através do marketing descobre para quem vender, o que vender, e o

20 19 consumidor, por sua vez, ganha porque através dessa descoberta a empresa é capaz de atender seus desejos e necessidades Mix de Marketing O Mix, também chamado de composto de marketing, é a principal ferramenta dessa área, pois é responsável por estudar o que é melhor para cada consumidor e organização. O mix de marketing foi apresentado originalmente pelo professor Neil Borden, e definido como a mistura das variáveis de marketing para a obtenção dos objetivos da empresa e dos consumidores (COBRA; BREZZO, 2010). Segundo afirma Rocha (1999, p. 26), [...] mix de marketing ou composto mercadológico é o conjunto de instrumentos controláveis pelo gerente de marketing, por meio dos quais ele pode obter melhor ajustamento entre a oferta que sua empresa faz ao mercado e a demanda existente. O mix de marketing é o conjunto de ferramentas utilizado para o marketing alcançar os seus objetivos no mercado, através de quatro variáveis que são os conhecidos 4P s: Produto, Preço, Praça e Promoção, ele consegue definir com essas variáveis tudo que acontecera com o produto, desde sua composição com processo de criação de embalagem, marca, entre outros, até sua distribuição final, no caso as lojas onde serão postas os produtos, forma de organização nos pontos de vendas, etc. Abaixo a definição dos 4P s do mix de marketing, segundo Kotler (2000): Produto: A oferta ao mercado em si, especialmente um produto tangível, sua embalagem e um conjunto de serviços que o comprador irá adquirir com a compra. Preço: O preço do produto, junto com outros encargos como entrega, garantia etc. Praça: As atividades que tornam o produto prontamente disponível e acessível no mercadoalvo. Promoção: As atividades de comunicação, como propaganda, promoção, mala direta e publicidade, para informar o mercado-alvo, persuadi-lo ou lembrá-lo da disponibilidade e dos benefícios do produto. Segundo Cobra (2009) e dentro das definições acima, veremos o que está dentro de cada P de uma forma mais detalhada. O P de produto estuda a mistura de produtos, qualidade, desenho, marca, embalagem, entre outros, tudo que dá ao produto sua originalidade e seu destaque no meio dos outros. O P de preço estuda desde a política de preços, até as formas de

21 20 pagamentos e os descontos; Esse P vai estudar também a média de preços de seus concorrentes para que possa disputar com os demais produtos da mesma linha. O P de praça irá estudar todo o sistema de distribuição, para que tipo de comerciante o produto se encaixa, a logística do lugar, entre outros. O P de promoção irá cuidar da parte da publicidade do produto, as promoções em vendas, o material de ponto de venda, o marketing direto, a força das vendas, entre outros. A mistura de marketing com os chamados 4P's foi um dos principais paradigmas do marketing. È um dos primeiros conceitos ensinados aos estudantes de marketing, que teve grande difusão e popularidade. (COBRA; BREZZO, 2010, p. 136). Complementando o que Cobra e Brezzo falam, o mix de marketing se originou com os 4P s, e eles são as ferramentas de marketing mais usadas e conhecidas até hoje, porém atualmente outros mix já são usados, como é o caso dos 4C s, o mix voltado para o cliente. Um dos primeiros a expor essa visão de modelo de mix de marketing dos 4C s foi o americano Robert Lauterborn, que o apresentou falando o seguinte: devemos ver o mix de marketing do ponto de vista do consumidor e não do da empresa. Essa nova visão foi acolhida por outros estudiosos de marketing como Kotler, que apesar de aceitar essa visão, não desconhece que os 4P s continuam sendo um marco para o marketing, porém, as empresas ganhariam se traduzissem os 4P s para os 4C s. O produto já não define as necessidades do cliente. Pelo contrário, são as necessidades do cliente que definem o produto. O enfoque da estratégia de marketing muda da oferta para a demanda (COBRA ; BREZZO, 2010, p. 143). Definição de cada C do novo mix de marketing segundo Cobra; Brezzo (2010): Consumidor ou Cliente: Deve-se estudar o que precisa e deseja o consumidor para desenvolver uma proposta de produto ou serviço que o atraia. Custo: O preço é um custo para o cliente, o custo de satisfazer seu desejo. Mas também não é meramente o custo em dinheiro, mas o custo em recursos e esforço por parte do consumidor. Conveniência: Foca no que o consumidor deseja: a acessibilidade e a forma como deseja comprar e que lhe entreguem o produto ou serviço. Comunicação: Tem que existir não só a retroalimentação, mas também interação, o que é essencial para atender adequadamente as necessidades do consumidor.

22 Marketing Social O marketing social está presente em campanhas há muitos anos, diferentemente do marketing tradicional, ele não se preocupa em vender produtos ou serviços, e sim em mudar comportamentos, ações culturais, crenças, entre outros fatores. Esse tipo de marketing não se preocupa em servir a uma empresa ou instituição, ele visa o bem da sociedade em geral. Para Kotler, um dos primeiros autores a ter uma definição, marketing social é o uso de princípios e técnicas de Marketing para a promoção de uma causa, ideia ou comportamento social (VAZ, 1995, p. 280 apud KOTLER; ROBERTO, 1992, p. 25). Marcos Cobra diz que Kotler foi um dos primeiros que percebeu na década de setenta, que os conceitos que utilizava para vender produtos, também poderia servir para promover ideias, comportamentos e crenças. (COBRA ; BREZZO, 2010). Marketing social é a modalidade de ação mercadológica institucional que tem por objetivo atenuar ou eliminar problemas sociais, carências da sociedade relacionadas principalmente com questões de higiene e saúde pública, trabalho, educação, habitação, transporte e nutrição. (VAZ, 1995, p. 281) As campanhas de marketing social são muito usadas em problemas que afetam a sociedade como todo, exemplo como campanhas de prevenção a AIDS, ao tabagismo, a beber e dirigir, entre outros. Porém nem sempre essas campanhas têm sucesso, pois elas não conseguem atingir de fato as pessoas que mais infringem esses casos acima, por exemplo, uma pessoa que é fumante não larga o vício por uma propaganda antitabagista, e só acontece raros casos, a mesma coisa serve para o transito e a AIDS, pessoas que comentem infrações as vezes tem consciência do perigo, mas agem dessa forma por questões de hábito; Por isso que essas campanhas precisam de um longo prazo para começarem a ter resultado, transformações como essas não ocorrem instantaneamente. Segundo o autor Vaz (1992), os problemas sociais são caracterizados por três níveis, a Natureza, a Magnitude e o Nível de Risco. A Natureza está dividida em quatro áreas: Qualidade de vida que tem seus programas voltados principalmente na área da saúde, com fins de aumentar o desenvolvimento no país, exemplos de campanhas de vacinação em crianças e idosos, que tem o intuito de reduzir a mortalidade nessa faixa etária. Capacitação pessoal que atua na área de atender os que apresentam dificuldades por algum tipo de deficiência, seja ela física, psicológica ou técnica, exemplos de campanhas em prol da AACD, Criança Esperança, etc.

23 22 Convivência social, atua na área de programas voltados para os interesses entre os diversos grupos sociais, exemplos de campanhas de transito. Não importa grupo nem classe social é um fato relevante para todos que beber e dirigir, por exemplo, é um risco que afeta toda a sociedade. E sobrevivência, que se volta para situações de risco à vida, e busca oferecer condições de prevenção, correção, recuperação e eliminação dos fatores que colocam a vida em perigo, exemplos campanhas contra cigarros, etc. A Magnitude é focada no âmbito geográfico do problema, vai estudar se o problema é de apenas um estado, região, nacional ou ate mesmo se não extrapola as barreiras do país, para fazer com que o marketing social ganhe tal dimensão. O Nível de risco pode ser classificado em três categorias: Nível limitado de risco, Nível amplo de risco e Nível potencial de risco; Para avaliar um problema social em uma dessas três categorias deve-se avaliar a urgência com que deve ser enfrentado tal problema, para usar todos os elementos necessários, a fim de combater a evolução do problema. O Nível limitado de risco, afeta uma parte específica do público, e não oferece nem se estende os riscos a outras parcelas da população, são os casos de doenças congênitas. O Nível amplo de risco ocorre quando o problema se expande além um grupo diretamente afetado, e coloca em risco outras partes da população, aqui poderíamos destacar a epidemia da AIDS no começo dos anos 90, os portadores da doença era em sua grande maioria homossexuais ou viciados em drogas, porém ao passar dos anos a doença foi se alastrando a outros grupo das sociedades e atualmente as mulheres e os jovens são quem mais contraem o vírus. O Nível potencial de risco ocorre quando o problema já pode ser previsto e combatido através de prevenção, são o caso de campanhas para vacinas contra sarampo, paralisia infantil. O esforço do marketing social se dá em três níveis de atuação, Conscientização, mobilização e sustentação. Na fase de conscientização o intuito é informar e com essas informações mudar valores, sensibilizar o público-alvo e fazer as pessoas reverem suas atitudes. A Mobilização é a fase em que o consumidor procura uma prática para dar uma resposta, e para isso eles organizam passeatas, protestos, entre outros. Enquanto a conscientização e a mobilização partem para população em geral, a sustentação e voltada para os patrocinadores, órgãos governamentais, etc. Que são procurados para manter e investir em programas como esses. O marketing social como falado antes, não é um marketing que tem um retorno rápido

24 23 como os outros, pois mudar comportamentos e costumes é algo que demora e é preciso ter paciência, mas com o passar dos anos e com as propagandas desse tipo sendo mais planejadas e com mais frequência é possível chamar atenção da população e mudar aos poucos as atitudes de cada um. 4.2 COMUNICAÇÃO Comunicação acontece desde os primeiros seres vivos da terra, até mesmo quando os homens não falavam, já se comunicavam através de gestos, pinturas, entre outros. Segundo Sant Anna (2002, p. 1) Em suas formas mais simples, o processo de comunicação consiste em um transmissor, uma mensagem e um receptor. Porém a comunicação não é algo que só os humanos usufruem, os animais também se comunicam através de sons, atitudes, entre outras coisas. Mas o que é comunicação? Segundo significado do dicionário (RIOS, 1999, p. 184), comunicação significa: ato ou efeito de se comunicar ou transmitir alguma coisa. Aviso, mensagem, informação. Participação, transmissão. Meio de ligação, passagem ou ligação entre dois lugares. Trato ou conveniência. Sobre o assunto Martino (2006) diz o seguinte: Comunicação é a situação de diálogo entre emissor e receptor, isto é, pessoas que trocam ideias, informações, etc. A comunicação pode vir de animais, ou de dois computadores interligados e também a comunicação visual e por gestos, que dispensam palavras. Sant Anna (2002, p. 2) complementa, falando que comunicação é nada mais que o processo de transmitir ideias entre indivíduos. Já França (2006, p. 39) vê a comunicação numa forma empírica e diz o seguinte: na sua dimensão empírica: trata-se de um objeto que está à nossa frente, disponível aos nossos sentidos, materializado em objetos e práticas que podemos ver, ouvir e tocar. Com essas definições podemos dizer que a comunicação é algo que nos acompanha todos os dias, e está inserido em todos os lugares que vamos, através de pessoas, de avisos, na publicidade podemos ver em outdoors, em spots, em comerciais de vídeos e isso é só o básico para percebemos que vivemos rodeados de comunicação por todos os lados Importância da comunicação A importância da comunicação para sociedade é enorme, sem a comunicação nós não seríamos capazes de compartilhar nada, todos os sentimentos, desejos, tudo é partilhado

25 24 através de comunicação, sobre isso Bordenave define para que serve a comunicação: Serve para que as pessoas se relacionem entre si, transformando-se mutuamente e a realidade que as rodeia. Sem a comunicação cada pessoa seria um mundo fechado em si mesmo. Pela comunicação as pessoas compartilham experiências, idéias e sentimentos. Ao se relacionarem como seres interdependentes, influenciam mutuamente e, juntas, modificam a realidade onde estão inseridas. (BORDENAVE, 2006, p. 36) A comunicação nos faz partilhamos de todas as sensações, e nos une com os demais, através dela podemos compartilhar nossos sonhos, desejos, necessidades e outras coisas com outros indivíduos da sociedade, sendo eles conhecidos ou não. 4.3 PUBLICIDADE E PROPAGANDA Da comunicação que nos acompanha desde o inicio dos tempos, surgiu à comunicação social Publicidade e Propaganda. Apesar de serem tratadas como um nome só, elas têm função bem diferentes, publicidade significa, genericamente, divulgar, tornar público, e propaganda compreende a ideia de implantar, de incluir uma ideia, uma crença na mente alheia (SANT ANNA, 2002, p. 75), porém uma complementa a outra. Elas podem ser definidas como a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza (SAMPAIO, 1999, p. 24) Publicidade A Publicidade tem como característica maior a informação, ela mostra o diferencial, a competitividade. Ela é uma técnica de comunicação de massa, paga com a finalidade precípua de fornecer informações, desenvolver atitudes e provocar ações benéficas para os anunciantes (SANT ANNA, 2002, p. 76). Generalizando a publicidade, José Predebon (2004, p. 19), diz o seguinte: publicidade é tudo o que se difunde pelos veículos de comunicação, até em forma de notícia. Analisada a afirmação acima atualmente, realmente vemos publicidade em todos os lugares, na TV, rádio, na rua, no jornal, ela nos cerca, pois todos os dias somos atacados por novos produtos e serviços que surgem no mercado e onde puder ser inserida a publicidade, qualquer meio que se veja uma oportunidade, ela é colocada.

26 Propaganda A Propaganda já tem uma característica mais agressiva. Segundo Sampaio (1999, p. 24/25) cabe à propaganda informar e despertar interesses de compra/uso de produtos/serviços, nos consumidores, em benefício de um anunciante. Os elementos que ela usa são de persuasão, ela quer vender, quer levar você a sentir a necessidade daquele produto naquele instante. Sobre propaganda José Predebon diz o seguinte: A propaganda vem do termo propagar, que significa multiplicar, espalhar comunicação/ idéia; de acordo com isso, surge como ação a atividade de venda, de onde faz parte todo o seu universo, onde vende tanto produto/ serviços como idéias ao se propagarem qualidades e características. (PREDEBON, 2004, p. 18) Como citado acima, a publicidade e a propaganda se completam, uma é dependente da outra, pois para um produto conseguir competir num mercado tão abrangente e tão livre, tem que se usar de publicidade e propaganda de uma maneira muito bem estruturada, e bem desenvolvida para assim o produto conseguir um destaque e ter uma boa aceitação Influência da Publicidade na Sociedade A publicidade e a propaganda estão em todos os lugares, e rodeiam todas as sociedades em qualquer parte do mundo, elas estão na televisão, no rádio, nas ruas em forma de mídia externa como outdoor, placas, cartaz, folder. E essa publicidade massiva tem um impacto que acaba influenciado à sociedade. Elas podem ser mais agressivas ou mais suaves, mas acabam tendo a mesma função que é a de transmitir a mensagem ao receptor, que no caso da publicidade são as pessoas. È fato incontestável que todos os integrantes das modernas sociedades de consumo são influenciáveis pela propaganda. Não há como escapar de sua influência. Nem querendo. A propaganda seduz nossos sentidos, mexe com nossos desejos, revolve nossas aspirações, fala com nosso inconsciente, nos propões novas experiências, novas atitudes, novas nações. (SAMPAIO, 1999, p. 21) A publicidade pode ser o fator que faz que a pessoa ter uma preferência por um ou outro produto, pois com ela é possível passar a mensagem do que o produto tem agregado a ele, e o porquê dele ser um diferencial no meio de tantos outros com o mesmo propósito. Segundo Vaz (1992), na publicidade de campanha social a questão é um pouco diferente, as campanhas não querem mostrar um produto e sim uma causa, e estão ali por uma

27 26 função mais difícil ainda, a de mudar costumes, valores e ajudar a sociedade em questões para uma melhor qualidade de vida para todos. As propagandas de HIV/AIDS que são citadas nesse trabalho têm como função principal alertar e advertir a sociedade sobre riscos da doença, tolerância e respeito aos portadores, modos de prevenção, etc. E ensinar às pessoas a importância de um tratamento, caso a pessoa já esteja infectada com o vírus. Esse tipo de publicidade é mais delicado e demora mais um pouco para se obter um resultado, pois mudar comportamento é muito difícil e nem todos estão abertos para uma mudança em sua vida a partir de uma campanha que vê na televisão ou no rádio. Segundo Meneguin (2009, p. 31), [...] a publicidade privilegia a linguagem intimista, estabelece um contato sedutor com o público e emprega os imperativos com desenvoltura. Isso cria a ilusão de um discurso instantâneo para o cumprimento imediato do comportamento sugerido. A publicidade é persuasiva, e por isso ela influencia tanto as pessoas. Nela, é posto um mundo onde tudo é perfeito, o carro do comercial de TV é o único que você pode se divertir, fazer aventuras, o sabonete te proporciona um momento de estrelato como os artistas famosos que o usam, e nisso tudo impera um fascínio que faz com que você queira aquele momento pra você. Portanto, o estudo da linguagem persuasiva da propaganda serve também para conscientizar de que não existe comunicação neutra e que, de certa forma, toda comunicação visa convencer o interlocutor sobre algo (ANDRADE; MEDEIROS, 2000, p. 68) As Características e o Poder da Publicidade em Campanhas Sociais O marketing social, a cada dia que passa, vem participando mais das estratégias de marketing de grandes empresas. Zenone (2004), afirma que esse tipo de publicidade atribui à empresa uma característica de empresa amiga das causas sociais, de projetos ligados a natureza, de empresa solidária, entre outros. E que com o passar do tempo isso foi se tornando um grande negócio para empresas que querem criar uma boa imagem para elas e ao mesmo tempo oferecer para as pessoas o que elas querem consumir. Segundo Kotler (1998), O conceito de marketing social exige que os profissionais de marketing equilibrem três fatores ao definirem sua política de mercado, são elas: os lucros da empresa, os desejos dos consumidores e os interesses da sociedade.

28 27 Esse tipo de publicidade tem um bom retorno às empresas, pois seu poder na sociedade é muito grande. Todos querem ajudar e ter a consciência de que eu posso ajudar nessa causa. Então o público se envolve junto à empresa e quando percebe, isso influencia a escolha do produto de uma determinada marca, pois uma parte dos lucros irá pra uma instituição filantrópica. Publicidade não funciona como um mero espelho da sociedade, refletindo mecanicamente a realidade social, pois não é uma força estanque, absolutamente condicionada por fatores externos a ela. A publicidade apresenta uma dinâmica, se produz como prática social e, por conseqüência, também age sobre a sociedade, influenciando-a. (FIGUEIREDO, 1998 apud MENEGUIN, 2009, p. 46) Porém, quando uma empresa opta por ajudar uma causa dessas, o cuidado dela aos olhos da sociedade tem que ser maior, pois se eles pregarem que tem esses programas e de repente se envolverem em causas judiciais, isso implicará em uma publicidade ruim para empresa com muito mais intensidade, portanto a empresa tem que sempre estar tomando cuidados para não se envolver em um escândalo, pois o envolvimento da mídia repercutirá de forma negativa para a empresa. 4.4 HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV é a sigla do vírus da imunodeficiência humana. Esse vírus é o causador da AIDS, doença que ataca o sistema imunológico, que é o sistema responsável por defender o organismo de doenças. Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença, porém essas pessoas, mesmo sem estarem com a AIDS, podem transmitir o vírus HIV a outras pessoas por relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez, a amamentação e o parto Histórico da Doença no Brasil A AIDS teve seus primeiros casos no final da década de setenta, mas precisamente em 1977 e 1978 nos EUA, África Central e Haiti. No Brasil o primeiro caso foi em 1980, mas como a doença foi classificada em 1982, a contagem oficial só pôde ser feita a partir de então.

29 28 Assim começaram os estudos sobre a doença e um surto que assustava as autoridades, e foram descobertos os principais meios de infecção que são transmissão por contato sexual, uso de drogas ou exposição a sangue e derivados. A doença começou a se espalhar rapidamente, principalmente entre os homossexuais, haitianos, usuários de drogas injetáveis e profissionais do sexo. Tabela 1: Os marcos da AIDS no Brasil Primeiro caso diagnosticado no Brasil, em São Paulo. Primeiro caso decorrente de transfusão sanguínea. Primeira notificação de caso de AIDS em criança. No Brasil, primeiro caso de AIDS no sexo feminino. Estruturação do primeiro programa de controle da AIDS no Brasil, o Programa da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Diagnostica-se que há outras formas de transmissão. Entre elas o primeiro caso de transmissão vertical (da mãe grávida que está infectada para o bebê). É lançado o Programa Nacional de DST e AIDS, pelo ministro da Saúde Roberto Santos que visa montar postos de saúdes especiais para auxiliar pessoas infectadas com o vírus. É inaugurado o primeiro centro de orientação sorológica (COAS), em Porto Alegre (RS). Esse centro hoje atua em todo o país e além de ajudar pessoas já infectadas, é possível fazer testes de DST, e há a distribuição de camisinha grátis. É Feito o primeiro levantamento oficial de pessoas soropositivas no Brasil. No Brasil, uma portaria assinada pelo ministro da Saúde, Leonardo Santos Simão, passa a adotar o dia 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta contra a AIDS. Falece em julho desse ano, o cantor e compositor Cazuza. Que morre aos 32 anos em decorrência da AIDS. 1 Começam a distribuição gratuita de antirretrovirais, que são os coquetéis feitos de uma mistura de remédios que dificultam a multiplicação do HIV. Já são mais de 10 milhões de pessoas infectadas com vírus HIV no mundo. 1 Ocorre o lançamento da campanha, Vamos todos contra a AIDS de mãos dadas com a vida. 1 Queda das taxas de mortalidade por AIDS, diferenciada por regiões. Percebe-se que a infecção aumenta entre as mulheres, dirige-se para os municípios do interior dos estados brasileiros e aumenta significativamente na população de baixa escolaridade e baixa renda. Programa Nacional de DST e Aids lança o primeiro consenso em terapia antirretroviral (regulamentação da prescrição de medicações para combater o HIV). 1 Implantação da Rede Nacional de Laboratórios para o monitoramento de

30 pacientes com HIV em terapia com antirretroviral, com a realização de exames de carga viral e contagem de células CD4 (células que fazem parte do sistema de defesa do organismo ou sistema imunológico). 1 Lançamento das campanhas Sem Camisinha não Tem Carnaval e "A Força 1998 da Mudança: com os jovens em campanha contra a aids. 1 Devido aos coquetéis, a mortalidade dos pacientes de AIDS cai 50% e 1999 qualidade de vida dos portadores do HIV melhora significativamente. 2 No Brasil, aumenta a incidência em mulheres. Proporção nacional de casos 2000 de AIDS notificados é de uma mulher para cada dois homens. Realização do I Fórum em HIV/AIDS e DST da América Latina, no Rio de Janeiro. 2 Em duas décadas ( ), o total de casos de AIDS acumulados são de no Brasil. 2 O Programa Nacional de DST/AIDS recebe US$ 1 milhão da Fundação Bill 2003 & Melinda Gates como reconhecimento às ações de prevenção e assistência no país. Os recursos foram doados para ONGs que trabalham com portadores de HIV/AIDS. O Programa é considerado por diversas agências de cooperação internacional como referência mundial. 2 Recife reúne quatro mil participantes em três congressos simultâneos: o V 2004 Congresso Brasileiro de Prevenção em DST/AIDS, o V Congresso da Sociedade Brasileira de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids e o I Congresso Brasileiro de AIDS. 2 Dia Mundial de Luta contra a AIDS teve sua campanha protagonizada por 2006 pessoas vivendo com AIDS. Brasil reduz em mais de 50% o número de casos de transmissão vertical, quando o HIV é passado da mãe para o filho, durante a gestação, o parto ou a amamentação. 2 Aumenta a sobrevida das pessoas com AIDS no Brasil Campanha do Dia Mundial de Luta contra a AIDS, cujo tema são os jovens, é lançada no Cristo Redentor. Brasil registra casos de infecção pelo HIV até junho. 2 Conclusão do processo de nacionalização de um teste que permite detectar a 2008 presença do HIV em apenas 15 minutos. Brasil investe US$ 10 milhões na instalação de uma fábrica de medicamentos antirretrovirais em Moçambique. 2 Programa Nacional de DST e AIDS torna-se departamento da Secretaria de 2009 Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde e o Programa Nacional para a Prevenção e Controle das Hepatites Virais é integrado a ele Desde o início da epidemia, são notificados casos de AIDS no país. Governos do Brasil e da África do Sul firmam parceria inédita para distribuir 30 mil camisinhas e folders sobre prevenção da AIDS e outras DST durante a Copa do Mundo de Futebol. É lançada a campanha Sem camisinha, não dá, que tem como as foco mulheres. Fonte: BRASIL, Adaptado do Ministério da saúde.

31 30 Quadro 1: Número de Infectados com HIV Infectados com HIV** Fonte: DATASUS (Departamento de Informática do SUS), **Os números contam apenas os pacientes diagnosticados com HIV em cada ano. Contando de forma acumulativa, já se estima que existam mais de mil pessoas com o vírus HIV no Brasil. ***Dados de estimativa, pois ainda não foi divulgado o numero oficial pelo DATASUS Formas de Contágio A AIDS é transmitida de diversas formas, o vírus está presente no esperma, secreções vaginais, leite materno e no sangue, então todas as formas de contato com estas substâncias podem gerar um contágio. As principais formas detectadas até hoje são: transfusão de sangue, relações sexuais sem preservativo e compartilhamento de seringas ou objetos cortantes que possuam resíduos de sangue. A AIDS também pode ser transmitida da mãe para o filho durante a gestação ou amamentação, por isso a importância de um acompanhamento médico o conhecido Pré Natal, no período de gestação.

32 Formas de Prevenção A prevenção é feita quando se evita as formas de contágio citadas acima. Com relação à transmissão via contato sexual, a maneira mais indicada é a utilização correta de preservativos durante as relações sexuais. Outra maneira é a utilização de agulhas e seringas descartáveis em todos os procedimentos médicos. Instrumentos cortantes, que entram em contato com o sangue, devem ser esterilizados de forma correta antes do seu uso. Nas transfusões de sangue, deve haver um rigoroso sistema de testes para detectar a presença do HIV, para que este não passe de uma pessoa contaminada para uma saudável Principais Sintomas da AIDS Um portador do vírus HIV pode ficar até 10 anos sem desenvolver a doença e por conta disso, não apresentar seus principais sintomas. Isso acontece, pois o HIV fica "adormecido" e controlado pelo sistema imunológico do indivíduo. Quando o sistema imunológico começa ser atacado pelo vírus de forma mais intensa, começam a surgir os primeiros sintomas. Os principais são: febre alta, diarreia constante, perda de peso e erupções na pele. Quando a resistência começa a cair ainda mais, várias doenças oportunistas começam a aparecer: pneumonia, alguns tipos de câncer, problemas neurológicos, dificuldades de coordenação motora, etc. Caso essas doenças apareçam, o soropositivo deve tratá-las de forma rápida e correta, se isso não acontecer, elas podem levar o portador do HIV à morte rapidamente, pois por conta da AIDS eles não têm anticorpos suficientes para combater essas doenças Tratamento Infelizmente a medicina ainda não encontrou a cura para a AIDS. O que temos hoje são medicamentos os conhecidos coquetéis, que fazem o controle do vírus na pessoa com a doença. Estes medicamentos melhoram a qualidade de vida do paciente, aumentando a sobrevida deles. O medicamento mais utilizado atualmente é o AZT (zidovudina) que é um bloqueador de transcriptase reversa. A principal função do AZT é impedir a reprodução do vírus da AIDS ainda em sua fase inicial.

33 32 Outros medicamentos usados no tratamento da AIDS são: DDI (didanosina), DDC (zalcitabina), 3TC (lamividina) e D4T (estavudina). 4.5 FUNÇÕES DE LINGUAGEM Função Denotativa O emissor procura fornecer informações da realidade, sem a opinião pessoal, de forma objetiva e direta. A ênfase é dada ao conteúdo, ou seja, às informações. Geralmente, usa-se a 3ª pessoa do singular. Os textos que servem como exemplo dessa função de linguagem são os jornalísticos, os científicos e outros de cunho apenas informativo. A função referencial também é conhecida como cognitiva ou denotativa Função Conotativa Conotação é a associação subjetiva, cultural e/ou emocional, que está para além do significado estrito ou literal de uma palavra, frase ou conceito. O sentido referencial, literal, de cada palavra, remete a inúmeros outros sentidos, virtuais, conotativos, que são apenas sugeridos, evocando outras idéias associadas, de ordem abstrata, subjetiva Função Conativa A mensagem é centrada no receptor e organiza-se de forma a influenciá-lo, ou chamar sua atenção. Geralmente, usa-se a 2ª pessoa (tu/você; vós/vocês), vocativos e formas verbais ou expressões no imperativo. Como essa função é a mais persuasiva de todas, aparece comumente nos textos publicitários e discursos políticos. Como a mensagem centra-se no outro, ou seja, no interlocutor, há um uso explícito de argumentos que fazem parte do universo do mesmo.

34 33 5 METODOLOGIA A proposta desse trabalho é analisar de acordo com o passar das décadas 80, 90 e 2000, as campanhas feitas pelo ministério de saúde com foco no HIV/AIDS. A escolha desse tema foi feita após se notar uma diferença no enfoque e até mesmo no modo de como é falado para população dessa doença que apareceu na década de 80 no Brasil e no Mundo. O principal foco nesse trabalho é ver com a análise do discurso como a publicidade fala da doença, tendo como base o ano em que a campanha foi lançada, o texto que se apresentava na campanha e as imagens. Para estudar esse tema foram utilizados livros, artigos, e as campanhas com foco nos vídeos, para que se pudesse ver o que mudou, e como eles abordam o tema com a modernização dos tempos. A escolha a utilização da mídia TV, foi feita porque através dela dava pra ser feito um trabalho mais detalhado e uma melhor forma de análise do contexto da peça publicitária, utilizando o áudio e a imagem para esse fim. Os vídeos usados para essa análise foram veiculados durante três décadas nos respectivos anos: 1987, 1988, 1991, 1993, 1995, 1997, 1999, 2002, 2003, 2006, 2007, 2009, e Esse trabalho será uma monografia de tipo análise teórica. Entende-se por monografia o trabalho destinado a cumprir uma obrigação acadêmica e de caráter de iniciação científica. [...] Chama-se monografia porque o trabalho é, em essência, delimitado, estruturado e desenvolvido em torno de um único tema ou problema. (TACHIZAWA; MENDES, 2006, p. 16) Já Solomom (1972 apud MARCONE; LAKATOS, 2001, p. 151) define como o tratamento escrito de um tema específico que resulte de interpretação científica com escopo de apresentar uma contribuição relevante ou original e pessoal à ciência. Ela também é classificada, como uma pesquisa social, pois esse trabalho estuda um trabalho que colabora com uma melhor forma de vida para a sociedade. De acordo com Gil (1999, p. 42), a pesquisa social é o processo que, utilizando metodologia científica, permite a obtenção de novos conhecimentos no campo da realidade social.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Síndrome : Conjunto de sinais e sintomas que se desenvolvem conjuntamente e que indicam a existência de uma doença. A AIDS é definida como síndrome porque não tem

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo

HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS. Orientadora: Fernanda Bertoldo HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A AIDS: DÚVIDAS E CERTEZAS PROVISÓRIAS Orientadora: Fernanda Bertoldo Caxias do Sul 2008 2 HELOISA MARIA LESSA MARA REGINA PALANDI COMPREENDENDO A

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

Feminização traz desafios para prevenção da infecção

Feminização traz desafios para prevenção da infecção Feminização traz desafios para prevenção da infecção Por Carolina Cantarino e Paula Soyama A epidemia de Aids no Brasil, em seu início, na década de 1980, se caracterizava por afetar mais os homens. Acreditava-se

Leia mais

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL

A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL A IMAGEM DA PROPAGANDA NO BRASIL Terceira medição ano 2006 Pesquisa encomendada ao IBOPE pela ABP- Associação Brasileira de Propaganda Série histórica iniciada em 2002 Principais objetivos - Avaliar a

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu

Nome/Código arquivo: 2013_11_12 Mem.Reun.Saúde _ Escola do Evangelho Belo Monte Vitória do Xingu Assunto: Orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as Ações Preventivas na Área de Saúde Pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Èrica Silva Data: 12-11-2013 Duração: 14h30min

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento :::

::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: Virus adsense1 Vírus adsense2 Ser vivo microscópico e acelular (não é composto por células) formado por uma molécula de ácido nucléico (DNA ou RNA), envolta por uma cápsula protéica. Apresenta-se sob diferentes

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR

AIDS Preocupa Terceira Idade 1. Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR AIDS Preocupa Terceira Idade 1 Giovanna Menezes FARIA 2 Hendryo ANDRÉ 3 Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil, Curitiba, PR RESUMO Os primeiros casos de HIV, vírus da síndrome da imunodeficiência

Leia mais

Novas e velhas epidemias: os vírus

Novas e velhas epidemias: os vírus Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Novas e velhas epidemias: os vírus A UU L AL A - Maria, veja só o que eu descobri nesta revista velha que eu estava quase jogando fora! - Aí vem coisa. O que é, Alberto?

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Cuidando da Minha Criança com Aids

Cuidando da Minha Criança com Aids Cuidando da Minha Criança com Aids O que é aids/hiv? A aids atinge também as crianças? Como a criança se infecta com o vírus da aids? Que tipo de alimentação devo dar ao meu bebê? Devo amamentar meu bebê

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil).

36 mil pessoas já tenham morrido em decorrência da Aids, numa média de 20 mortes diárias (ver Saúde em Brasil). VÍRUS A raiva é uma doença contagiosa, causada por vírus. Essa doença ataca os mamíferos: cães, gatos, morcegos, macacos etc. O mamífero mais atacado pela raiva é o cão. Um animal com vírus da raiva pode

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C

PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE GRUPO C EE JUVENTINO NOGUEIRA RAMOS PROJETO: MATEMÁTICA NA SAÚDE TEMA : AIDS GRUPO C ADRIANO OSVALDO DA S. PORTO Nº 01 ANDERSON LUIZ DA S.PORTO Nº 05 CÍNTIA DIAS AVELINO Nº 11 CLAUDINEI MOREIRA L. JUNIOR Nº 12

Leia mais

Briefing O que é? Para que serve?

Briefing O que é? Para que serve? Faculdade de Tecnologia da Paraíba CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA A INTERNET DISCIPLINA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ESTÁTICAS PERÍODO: P2 Semestre: 20082 PROFESSOR Geraldo Rodrigues

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50 o CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1 o. de outubro de 2010 CD50/DIV/3 ORIGINAL:

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

DST/HIV PASSATEMPOS. Conhecer para prevenir. Bom pra cabeça. l CAÇA-PALAVRAS l DIRETOX l DOMINOX

DST/HIV PASSATEMPOS. Conhecer para prevenir. Bom pra cabeça. l CAÇA-PALAVRAS l DIRETOX l DOMINOX DST/HIV Conhecer para prevenir Bom pra cabeça PASSATEMPOS l CAÇA-PALAVRAS l DIRETOX l DOMINOX l código secreto E MUITO MAIS! 2 coquetel Uma das grandes preocupações do Ministério da Saúde é a prevenção

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

Acesso Público a Informação de Saúde

Acesso Público a Informação de Saúde Acesso Público a Informação de Saúde Módulo HIV/AIDS O que é HIV/AIDS? HIV (Human Immunodeficiency Virus Vírus da Imuno Deficiência Humana) AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome Síndrome da Imuno Deficiência

Leia mais

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De

MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De MEDICAMENTOS... 3 DOENÇAS OPORTUNISTAS... 5 ADESÃO... 6 DICAS PARA MELHOR ADESÃO AOS MEDICAMENTOS... 7 Inibidores Da Transcriptase Reversa Análogo De Nucleosídeos... 7 Inibidores Da Protease... 8 Inibidores

Leia mais

Integrantes: André Paes Lemes Caio Fernando Martins Jacqueline David Ferreira da Silva Nathália Peca Renan Alves Soares

Integrantes: André Paes Lemes Caio Fernando Martins Jacqueline David Ferreira da Silva Nathália Peca Renan Alves Soares Integrantes: André Paes Lemes Caio Fernando Martins Jacqueline David Ferreira da Silva Nathália Peca Renan Alves Soares 3 BRIEFING 4 Institucional 1953 Criado o 1º Departamento Nacional de Saúde, que desdobra

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Lucimara Rios

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês 09 dezembro de 2010 Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês Mais da metade das novas infecções pelo HIV/aids que ocorrem no Brasil atinge adolescentes e jovens com idade entre 15 e 24

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 30/12/2014 Jornal Diário do Amazonas - Brasil Pág. 15-30 de dezembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Radar de Notícias Pág. 32-30.12. 2014 Portal D24AM - Saúde 29

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais