Unidade IV. 7 Ferramentas tecnológicas aplicadas à logística (Parte II)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade IV. 7 Ferramentas tecnológicas aplicadas à logística (Parte II)"

Transcrição

1 Unidade IV Unidade IV 7 Ferramentas tecnológicas aplicadas à logística (Parte II) Nesta unidade, vamos finalizar o assunto sobre as tecnologias existentes que auxiliam o planejamento e as operações logísticas, falando sobre tecnologias no processo de armazenagem e na última etapa das operações logísticas, que consiste no transporte e na distribuição. Abordaremos também o futuro da tecnologia aplicada à logística, as tendências, a sustentabilidade e a atuação do profissional da área de logística, assunto especialmente ligado a esta disciplina e à conclusão do tema. 7.1 WMS (Warehouse Management System) Sistema de Gerenciamento de Armazém Ferramenta utilizada para o gerenciamento do armazém com a finalidade de aproveitar melhor o espaço físico, a forma de armazenamento, o picking, a distribuição interna, o endereçamento de forma inteligente, entre outras funcionalidades. Essa ferramenta é indispensável para empresas que possuem armazéns, sejam internos ou externos, de qualquer segmento de negócio, seja comércio ou indústria, e também é fundamental para os PSLs (Prestadores de Serviços Logísticos), visto que nestes tipos de negócios o mix de produtos é bastante elevado. É possível imaginar uma empresa como a 3M, com mais de 30 mil SKUs (Stock Keeping Unit unidades mantidas em estoques), não utilizar uma ferramenta como esta ou que realize funções semelhantes? Só será possível se suas operações de movimentação e armazenagem forem terceirizadas por um PSLs (prestador de serviços logísticos). Uma pesquisa realizada pela revista Tecnologística mostra que, entre os PSL entrevistados em 2009, 88% deles utilizam a tecnologia WMS. 134 Lembrete O WMS pode ser integrado ao sistema de gestão (ERP) que a empresa possui e é mais bem-aproveitado com a utilização de outras tecnologias de apoio, como código de barras e RFID, que facilitam o recebimento, o inventário, o gerenciamento de pedidos, a expedição e as devoluções. O conceito dessa ferramenta de tecnologia é comercializado por diversas e diferentes empresas no mercado de softwares. Assim como o ERP que é um sistema de gestão empresarial comercializado por diferentes desenvolvedores no mercado, assim é o WMS.

2 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Antes da compra, é importante conhecer as integrações que o sistema faz com os demais sistemas da empresa, principalmente os ERPs. Caso contrário, ela não agregará benefícios na realização de suas operações, já que este é um dos principais desafios das empresas ao adquirem diferentes tecnologias no mercado que apoiam seu principal sistema de gestão. Vejamos a seguir com maiores detalhes as funcionalidades dessa ferramenta por Donath (2002). Funcionalidades Agendamento de recebimento Por meio de informações contidas no sistema, a ferramenta é capaz de realizar os cálculos de recursos e tempo para informar qual o melhor local e horário para que uma operação de recebimento possa ser feita. Ainda no recebimento, o sistema auxilia na conferência do material recebido, registrando possíveis divergências entre o sistema e o físico recebido, podendo ainda separar uma amostra para qualidade ou quarentena. Endereçamento Após a conferência, o sistema é capaz de calcular qual o melhor espaço físico disponível que esta mercadoria recebida pode ocupar no armazém, já emitindo as etiquetas com os devidos códigos de barras. Armazenagem Após o endereçamento, é hora de realizar a armazenagem. O papel do sistema é informar quais equipamentos serão necessários para realizar essa operação dentro do depósito até o seu armazenamento. Separação No picking, o sistema auxilia informando onde se encontra cada mercadoria para compor o pedido e ainda informa os equipamentos necessários para resgatar esses itens do seu local armazenado. A conferência é feita por meio da leitura do código de barras antes de ser movido para o local de expedição. Expedição Na tarefa de expedição, o WMS auxilia no gerenciamento da entrega. Após expedir a mercadoria, o sistema envia uma mensagem informando sobre a entrega, o que facilitará o seu follow up (acompanhamento). Na produção O sistema auxilia na programação da produção, calculando a quantidade necessária para a linha de produção, evitando rupturas e prejuízos. 135

3 Unidade IV Vantagens Com base nas informações anteriores, é fácil extrair as principais vantagens do uso desta tecnologia: facilidade das operações no armazém; aumento da produtividade; redução de tempo das operações; redução de custo operacional; rapidez no processo de movimentação e armazenagem; melhor aproveitamento do espaço físico; maior eficiência no processo; aumento do nível de serviço e satisfação ao cliente. 7.2 RFID (Radio Frequency Identification Data) Identificação por Radiofrequência Tecnologia usada para compartilhamento de informações em tempo real na qual há identificação por meio de sinais de rádio, recuperando e armazenando informações de forma remota por meio de um dispositivo (tags: etiqueta) e transmitindo a uma rede acessível, chamada de EPC Electronic Product Code, ou Código Eletrônico de Produto. Com origem em 1935, a partir de um dispositivo usado na identificação de aviões aliados e inimigos, o RFID teve uma evolução maior na década de O primeiro registro de patente dessa tecnologia foi feito em 1973 por Mário Cardullo e daí por diante começou se a difundir essa ferramenta nos EUA, que se tornou estratégica nas operações logística. Somente no início da década de 1990, a IBM requereu a patente do sistema de RFID UHF (Ultra High Frequency), com transferência de dados mais velozes e de maior alcance, cerca de 6 metros. Apesar de realizar um piloto com a rede de supermercados Walmart, não teve êxito nos resultados, vendendo então a patente para uma empresa provedora de sistemas de código de barras (Intermec) que, desde então, tem utilizado a tecnologia nas mais diferentes aplicações, porém com alto custo, tornando a inviável para algumas operações. Em 1999, foi criado o plano Auto ID Center pelas Universidades Massachusetts Institute of Techology, nos Estados Unidos, Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e Universidade de Adelaide, na Austrália, com a finalidade de criar uma tecnologia de RFID baseada em padrões abertos de única arquitetura. O objetivo também era o de criar etiquetas de RFID com baixo custo para uso em todos os produtos industriais a fim de rastreá los em toda cadeia logística global, entre empresas e países diferentes. 136

4 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Além do Auto ID, nas universidades citadas na pesquisa existem outros grupos de estudo dedicados ao desenvolvimento desta tecnologia. São eles: GTAG (Global TAG) e GCI (Global Commerce Innitiative Iniciativa de Comércio Global). A EAN Internacional participa desse processo desde A aplicação do RFID se dá em diversos setores desde a pecuária, genética de animais, esporte, pedágios, bibliotecas, hospitais, segurança, comércio, indústria e até humanos. Apesar da diversidade da utilização do RFID, vamos limitar o assunto à aplicação nas operações logísticas, da indústria ao comércio. RFID na cadeia de suprimentos Indústria A indústria utiliza o RFI colocando os chips nos produtos e usa leitores na produção, nos estoques e nos armazéns. Segundo Duarte (1999, p. 13), os custos são menores na indústria do que no varejo, tanto na readequação dos sistemas como nos dispositivos de leitura. Vantagens Agilidade na identificação dos itens no estoque/armazém. Redução de tarefas, já que não há necessidade de leitura item a item como o código de barras. Redução de serviços operacionais (a leitura com RFID pode ser feita com a mercadoria em movimento). Maior segurança no estoque, já que o RFID pode rastrear o movimento do produto ou carga de forma individual. Maior acuracidade dos estoques, com leitura precisa dos itens. Varejo A tecnologia de RFID tem trazido muitos benefícios aos varejistas, rastreando e gerenciando mercadorias em diversos pontos, como estoques dos CDs, lojas, gôndolas de supermercados, entre outros pontos de abastecimento. Vantagens Total rastreabilidade do produto, do PDV ao ponto de origem (fábrica). Gerenciamento da mercadoria quanto às suas características comerciais (validade, origem, segmento, qualidade e até margem de lucro). Atualização da posição do estoque em tempo real. Gerenciamento de perdas, roubos, furtos. 137

5 Unidade IV Baixa automática dos itens no estoque, por meio da operação de caixa. Gerenciamento das tendências e hábitos de consumo. Redução de itens faltantes. Agilidade no atendimento ao cliente, isentando o de fila para realização de pagamento, uma vez que os valores poderão ser debitados automaticamente se o cliente tiver um cartão do estabelecimento. Morita (2004, p. 59) faz um comparativo entre as etiquetas inteligentes do RFID e código de barras: Quadro 9 Etiqueta inteligente chip/rfid Alta capacidade de armazenamento de informações: lê e grava Realiza a leitura fora do campo visual do código Elimina intervenção humana no processo de recebimento, expedição e armazenagem Preço entre U$ 0,20 e U$ 0,50 (em 2004) Código de barras Realiza somente leitura, sem armazenar dados Leitura somente quando o leitor está no campo visual Há necessidade de pessoas para realizar todo o processo de leitura dos códigos de barras Impressão do código já saía na embalagem, isentando se desse custo Desafios Readequação dos processos para adaptar se a essa tecnologia. Investimento em equipamentos (etiquetas, leitores). Adaptação dos sistemas de gerenciamento. Integração com sistemas de gerenciamento já utilizados na organização. Desempenho da leitura, já que pode haver falhas por distância, posição e até distorção do sinal em alguns tipos de materiais como o metal. Dependência da ferramenta nas operações. Saiba mais Leia sobre o Metro Group, o supermercado do futuro: <http://www. techzine.com.br/arquivo/supermercado-do-futuro/>. Acesso em: 4 abr Conforme divulgação em seu portal, a empresa alemã Metro Group foi uma das primeiras varejistas em 2004 a utilizar a tecnologia RFID no processo logístico e na gestão dos seus armazéns. A empresa lançou um projeto piloto RFID Internacional em 2007, envolvendo seus principais fornecedores no uso da tecnologia. 138

6 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas O objetivo foi melhorar seus processos logísticos e a disponibilidade dos seus produtos nas lojas. Ela declara ainda que desde o uso da tecnologia vem tendo uma redução de custos de 8,5 milhões de euros anuais e pretende expandir o uso do RFID. A Metro utiliza RFID em seu mercado do futuro, criado em Rheinberg. É o supermercado mais moderno do mundo. Walmart Saiba mais Faça uma visita virtual ao Supermercado do Futuro no seguinte endereço: <http://www.future store.org>. Em 2006, a rede de supermercados Walmart iniciou nos EUA um projeto piloto em que 100 dos seus fornecedores tiveram de operar com RFID. Dessa forma, eles tinham que fazer a entrega das caixas e paletes com etiquetas inteligentes no CD da rede no Texas, onde seriam distribuídos para as sete lojas da bandeira. A gigantesca americana fundada em 1962 conta hoje com lojas em 15 países e emprega cerca de 2,1 milhões de pessoas, segundo fonte do seu portal Walmart.com. Segundo o vice presidente executivo e diretor de TI do Walmart, Rollin Ford, em 2007, a empresa já contava com 600 fornecedores operando com etiquetas inteligentes em mais de 1000 lojas. Ele diz que o objetivo da rede é reduzir estoque e excesso de inventário. A medida gera uma redução de 30% de itens de estoque faltantes, com significativa redução de estoques na cadeia de suprimentos e nos impactos no meio ambiente. Ford estima que o projeto contribua com a sustentabilidade, pois, segundo ele, a rede recebe em média 24 milhões de pessoas diariamente em suas lojas, se 100 mil viagens extras forem evitadas, isso reduzirá para os clientes 22,8 milhões de dólares com combustível e reduzirá efeitos com gases poluentes e efeito estufa de toneladas. O Walmart informa que o uso do EPC (Electronic Product Code Código Eletrônico de Produto) conseguiu: aumentar a acuracidade do estoque (melhor exatidão no inventário); proporcionar valor aos clientes, poupar dinheiro e ter uma vida melhor; melhorar disponibilidade dos itens nas gôndolas para o consumidor; gerenciar melhor as vendas com a melhor administração dos estoques. 139

7 Unidade IV Com o uso da tecnologia, ela deve elevar suas vendas em 287 milhões de dólares ao ano, segundo o executivo Ron Moser, que lidera a estratégia de RFID na companhia. Procter & Gamble A PG foi um dos 100 fornecedores a cumprir a exigência do varejista Walmart na utilização das etiquetas inteligentes (RFID) nos produtos. Larry Kellam, diretor de inovação da cadeia de suprimentos B2B na Procter & Gamble, disse que o uso da tecnologia tinha como propósito resolver dois problemas e aproveitar oportunidades. 1º problema: roubos (as perdas, globalmente, nas negociações B2B (empresa para empresa) chegavam a 53 bilhões de dólares ao ano). 2º problema: falsificação (a empresa perdia 500 bilhões de dólares ao ano). Segundo Kellam, a empresa tinha muitos itens nos estoques, tanto de produtos acabados como material produtivo, pois dependiam das previsões de seus fornecedores e como base os PDVs provenientes dos varejistas, com média de cinco dias após a venda. Ele diz ainda que deseja que o EPC seja um sinal da sua demanda em tempo real que desencadeia toda a demanda do seu processo. Agora, eles recebem resposta do PDV cerca de duas horas após o acontecimento da venda, com isso, podem tirar proveito das informações recebidas praticamente em tempo real, para gerenciar melhor os estoques. Com cerca de U$ 3 bilhões em estoques, Kellam espera reduzir para U$ 2 bilhões operando com RFID, podendo utilizar U$ 1 bilhão como capital de giro. Essa redução geraria um aumento na receita de U$ 150 milhões, já descontando os impostos. Quanto ao retorno de investimento (ROI Return On Investment), Kellam diz não haver um benefício único que pagará esta tecnologia. O aumento da receita e a redução de custos com estoques poderão obter retorno sobre o investimento. Segundo ele, há benefícios mais estratégicos além do ROI, como redução de trabalho, roubos e obsolescência. A seguir, os principais benefícios da P&G Global Operations, segundo porta voz da empresa Paul Fox, especialmente no tocante à parceria com o Walmart nas operações com RFID: 140 melhoria na exatidão nas entregas ao Walmart; agilidade nos processos, tornando os mais eficientes; acelerou a transferência de produtos entre CDs; rapidez na leitura das mercadorias com tag sem comparação com a leitura por código de barras (de 20 para 5 segundos); redução do custo das etiquetas para $ 0,10, tornando viável sua utilização (em 99, custava $ 2).

8 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Fox não informou o valor de investimento na tecnologia, só disse serem milhões de dólares, mas garante que a P&G já recuperou o investimento e que considera a parceria com o Walmart frutuosa. Saiba mais Beer Game ou Jogo da Cerveja brasileiro Nesta interatividade, você poderá praticar a gestão de estoques de acordo com a demanda por meio de jogos on line. Este é um jogo muito conhecido entre os profissionais de logística. Acesse o link: <http://www.ogg.com.br/bg/>. 7.3 Tecnologia para distribuição física Quais as principais tecnologias para essa etapa tão importante para o cumprimento do papel logístico, que é o de facilitar a disponibilidade do produto ao cliente no melhor tempo possível, nas melhores condições e ao menor custo? Os grandes estudiosos sobre o assunto não discordam nos aspectos dos custos de transportes, que representam 2/3 de todos os custos logísticos, a maior parcela desses custos. Por isso, o assunto é importante e requer cuidados e muita atenção para não comprometer todo o processo logístico, de forma a inviabilizá lo. O transporte está presente tanto no processo logístico convencional como no processo reverso, conhecido como logística reversa. Antes de falarmos das tecnologias de distribuição, é importante conhecermos alguns índices do setor. Conforme estudo da Coppead/UFRJ, proposto por Lima (2004), sobre o volume monetário para o ano de 2004, os custos logísticos brasileiros representam 12,63% do PIB nacional, dos quais 7,5% são com transportes, divididos nas modalidades apontadas no gráfico abaixo: 82% 9% 6% 2% 1% Rodoviário Marinho Ferroviário Dutoviário Aéreo Figura 38 Fatias dos modais 141

9 Unidade IV Tabela 8 Modalidades de transporte Custos em R$ (bilhões) Rodoviário 109,2 Aquaviário (marítimo) 12,6 Ferroviário 7,5 Dutoviário 2,1 Aéreo 2,0 Fonte: Tecnologística, Para fazermos uma comparação com os Estados Unidos, os custos logísticos neste país representam 8,19% de seu PIB. Desse total, 5% são custos com transportes e esse percentual representa um custo de R$ 133,3 bilhões ao ano. Projeção de custos Saiba mais Leia o artigo de Maurício Pimenta Lima, indicado a seguir: LIMA, M. P. Custos logísticos na economia brasileira. Revista Tecnologística, jan Disponível em: <http://www.guiadotrc.com.br/ custeio/art_custos_logisticos_economia_brasileira.pdf>. Acesso em: 2 abr Informações mais recentes, como a declaração do ministro dos portos Pedro Brito em julho de 2010, mostram que esses índices cresceram. Segundo ele, os custos logísticos representam até 16% do PIB brasileiro. Se aplicarmos a mesma proporção que os custos logísticos representaram nas estatísticas de 2004 realizadas pela Coppead/UFRJ, no qual o percentual foi de 12,6% sobre o PIB, em 2009, os custos logísticos seriam em média de R$ 396 bilhões. Se a divisão dos custos entre os modais seguissem a mesma proporção, de 7,5% para os custos de transportes, então teríamos um custo de transporte médio de R$ 235 bilhões. Já vimos que os custos do setor são relevantes e merecem o devido cuidado para não se perder em competitividade. 142

10 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Lembrete Vale lembrar que, desde as estatísticas da década de 1990, os fatores decisivos para compras sofreram muitas alterações. O fator preço caiu cerca de 8% nos últimos 14 anos (entre 1994 e 2008), enquanto o fator serviços de distribuição cresceu quase 5% no mesmo período. Veja o resumo dos resultados de 1994 e Tabela 9 Ano Produto Preço Serv. de distribuição ,8% 38,5% 14,4% ,9% 30,5% 19,2% Agora que já conhecemos os índices desse importante setor, vamos brevemente conhecer as tecnologias para distribuição, conhecidas como modais de transportes e suas características. Esse tema é bem difundido em várias outras disciplinas deste curso, portanto, não terá grande enfoque nesta disciplina. A abordagem sobre os modais a seguir se dará de forma abrangente, ou seja, na logística global Modais de Transportes Aquaviário/marítimo Este modal é o mais antigo e também o mais utilizado pelas trocas internacionais e tem uma grande importância na logística internacional pelo número expressivo de divisas transferidas para fora do país pelo pagamento de fretes contratados no exterior. Na utilização doméstica, ele é bem menos utilizado que o rodoviário. Em termos de custos fixos de transporte brasileiro, é o segundo colocado: em média, 10% entre os modais. Vantagens Maior capacidade de carga entre os modais. Tarifas de frete mais competitivas. Maior flexibilidade em tipos de cargas. Grande abrangência. 143

11 Unidade IV 144 Não está sujeito a más condições de tempo. Desvantagens É o meio de transporte mais lento entre os modais. Baixo alcance entre os pontos de origem e destino, gerando transbordos, maior manuseio e maior risco de danos e atrasos. Baixa regularidade, gerando maior custo de armazenagem. Frequentes congestionamentos nos portos, o que gera maiores gastos pela demora nas atracações e desatracações. Necessidade de embalagens especiais devido às operações de manuseio nos portos. Transporte aéreo O transporte aéreo é o modal mais desejado pela sua rapidez. Mas, além do alto custo para transportar mercadorias, ele tem algumas restrições para determinadas cargas, o que talvez explique o fato de ser o menos utilizado entre os modais. Esse tipo de transporte também é o que tem menor custo no total dos custos de transporte frente ao custo total gerado para a logística no país (não estamos abordando aqui o custo para o transporte de cargas individuais), pois representa um volume pequeno diante dos volumes transportados pelo modal rodoviário, por exemplo. Vantagens Velocidade, eficiência e seguro. Redução de custos com estoque, armazenagem pela rapidez de entrega e frequência de voo. Não exige embalagens reforçadas devido ao manuseio cuidadoso desse modal. Menor custo com seguro por ser um modal de extrema segurança. Maior abrangência e alcance no mercado nacional e internacional. Desvantagens Baixa capacidade, restrição com peso e volume. Restrição de carga a granel: é impossível o transporte de minérios, petróleo, grãos e químicos. Produtos com baixo custo unitário por não ter condições de absorver o alto valor das tarifas aéreas. Restrição de tipos de cargas, como artigos perigosos.

12 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Transporte rodoviário Nas operações logísticas nacionais, é o modal mais utilizado e representa a maior fatia nos custos de transportes. Sua principal característica é a simplicidade do funcionamento. A mercadoria é embarcada do exportador e desembarcada na porta do importador. O sistema é conhecido como porta a porta. Vantagens Modal versátil. Grande acessibilidade: podem ser feitas operações door to door (porta a porta). Podem se efetuar entregas programadas. Flexibilidade na entrega, podendo entregar em locais específicos determinados pela empresa (galpão, filial, cliente etc.). Flexibilidade de carga (pode se transportar qualquer tipo de mercadoria, com carga a granel, líquida ou sólida, desde que em veículos especializados). Desvantagens No caso de fretes internacionais, em países com fronteira com o Brasil, este modal tem baixa capacidade de carga e alguns países ainda restringem o limite de tamanho e peso dos caminhões. Nesse caso, os demais modais têm maiores vantagens. Regulamentação rodoviária e trânsito. Rodoviárias brasileiras ainda precárias, sem condições de uso, o que faz com que se elevem os custos deste modal. Transporte ferroviário Este transporte tem participação relativamente baixa entre os modais de transportes. Entre os países latino americanos, a utilização se torna difícil por conta da bitola das estradas de ferro não ser padronizada. Nos custos de transporte nacional, ele é o terceiro maior, ficando atrás apenas do rodoviário e do marítimo. São cargas ferroviárias as do seguimento de carga geral, como sacarias, e grãos agrícolas, como soja, milho e outros. Granéis líquidos embarcados em vagões especializados (química, petróleo e derivados). 145

13 Unidade IV 146 Vantagens Não há restrições de carga, é ideal para o transporte de sacarias e grãos agrícolas como soja, milho entre outros. Flexibilidade combinada, pois os vagões são transportados em balsas em caso de subsistema água ferrovia. Em comparação com o rodoviário, a velocidade deste modal tem vantagens superiores. Desvantagens Maior necessidade de complemento de serviços de transportes pela localização das estações ferroviárias e os pontos de origem e destino. Riscos de furto e roubo nas operações de transbordo entre os pontos de origem e destino. Ferramentas para gestão e operação de transportes ITS (Intelligent Transportation Systems) Sistemas Inteligentes de Transportes Sistemas inteligentes de transporte é a expressão utilizada para denominar as soluções de tecnologia da informação aplicadas ao transporte que têm a finalidade de qualquer outra tecnologia: oferecer maior produtividade, maior segurança, rapidez e mobilidade, com um diferencial das demais tecnologias de outra área, pois têm também como objetivo oferecer maior segurança para pessoas, com manutenção preventiva e corretiva, a fim de evitar acidentes e consequentemente mortes. Principais tecnologias empregadas São utilizadas basicamente três tecnologias: equipamentos eletrônicos, comunicação e tecnologia da informação. Pode-se citar como exemplos: GPS, sensores de telemetria para verificação do estado do motor, abertura de portas, comunicação e voz, vídeos, câmeras, transmissão de dados para o servidor, softwares para gerenciamento e controle da frota, entre outros. Principais aplicações Transporte urbano e usuários Para esse tipo de aplicação, não faremos abordagem dos recursos de equipamentos, hardwares e softwares por isso não fazer parte do objetivo deste trabalho. No entanto, confira a seguir um breve resumo desta tecnologia. Nos ônibus, essa tecnologia possibilita a cobrança automatizada da passagem, o controle de abertura de portas e o monitoramento do motor. Na empresa, geram-se maiores produtividade e eficiência da

14 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas frota, pontualidade, controle dos recursos, nível de serviço, agilidade e segurança nas tomadas de decisões. Os usuários de transporte podem receber informações por meio de soluções via internet ou celulares sobre itinerários, horários, tarifas, ponto de ônibus, roteiros, baldeações etc. Gestão da frota Os softwares para gestão da frota são compostos por: uma programação operacional, uma solução de monitoramento de frota em tempo real e por recursos de comunicação central de controle operacional com o motorista. Ferramentas e recursos dentro dos sistemas de gestão da frota oferecem os benefícios de que trataremos a seguir. Principais benefícios Maior controle na manutenção preventiva e corretiva. Redução e controle de custos operacionais. Maior segurança das informações. Maior segurança para os motoristas. Redução de riscos. Maior produtividade. Aumento do nível de serviço. Agora que já se sabe sobre os sistemas inteligentes de transporte, vamos conhecer algumas destas ferramentas, um resumo das principais nas operações logísticas de transporte e distribuição. Vejamos a seguir: GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global Criado na década de 1970 pelo Departamento de Defesa Americana e chamado de Navstar GPS (Navigation Satellite Timing And Ranging Global Positioning System), fornecia informações para a navegação de aeronaves civis sobre o oceano e demais áreas remotas espalhadas pelo globo terrestre. Formado por três elementos Espacial Consiste na constelação de 29 satélites (último lançado em janeiro de 2007) divididos em órbitas em volta da Terra, com altitude de milhas, ou km. 147

15 Unidade IV 148 Controle São as redes de estação terrestre de controle e monitoramento dos relógios de cada satélite. Há cinco dessas estações espalhadas pelo mundo. Usuário Consiste na antena e no receptor/processador que fica no interior da aeronave e fornece informações para o usuário. O sistema GPS tem uma precisão de 100 metros, com probabilidade de 95%, e de 300 metros, com probabilidade de 99,99%. Como se pode ver, o GPS foi criado exclusivamente para uso militar. Vinte anos depois, na década de 1990, foi considerado totalmente operacional. São geralmente categorizados em três tipos de uso, são os Geodésicos, Topográficos e os de Navegação, sendo este último o de interesse deste material de estudo. A principal diferença entre eles está na precisão alcançada. As categorias Geodésicos e Topográficos têm melhor precisão e são para uso técnico. Apesar de o GPS de categoria de navegação ter a menor precisão entre as três, ele tem maiores vantagens, como menor preço de aquisição e muitas aplicações de uso. Os Sistemas Integrados de Rastreamento de veículos (SIR) podem ser rastreadores e bloqueadores de veículos. Vamos ver algumas aplicações do GPS de navegação utilizadas atualmente em conjunto com outras tecnologias, como rádios e celulares, com a finalidade de realizar rastreamento e bloqueio de veículos e cargas. GPS + Celular A localização é feita através do GPS e o celular embarcado no veículo tem a finalidade de transmitir as informações de coordenadas e receber informações de bloqueio. GPS + Rádio Da mesma forma que a combinação anterior, o GPS realiza a localização e o rádio no interior do veículo transmite as informações, coordenadas e comando de bloqueio. GPS + Satélite Neste caso, o rastreamento é feito pelo GPS e a comunicação é feita via satélite, que tem baixo custo. Alguns possuem computador de bordo, pelo qual o motorista se comunica com a central para informações de paradas ou ocorrências. Atualmente, as empresas de transportes ou simplesmente os veículos das empresas podem contar com uma grande variedade para reduzir o risco do transporte de cargas, mas devemos observar que o

16 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas fato de se ter as tecnologias de rastreamento e bloqueio por si só não oferece grandes benefícios se não houver nas CM (centrais de monitoramento) softwares que possam analisar, medir, comparar e gerenciar os dados gerados pelos sistemas tecnológicos. Não se pode acreditar que os riscos nas estradas são somente roubos, outro fator preponderante são os acidentes nas rodovias brasileiras, que não são das melhores. Estudos mostram que os altos índices de acidentes se dão pelo fato de os motoristas dirigirem cansados (até 18 horas seguidas) em velocidades incompatíveis. Alguns dados publicados na Revista Entre-Vias em outubro de 2009: Quadro 10 Eventos Quantidade anual Prejuízo em R$ Observação Roubos 12 mil 800 milhões Indenizáveis Acidentes 90 mil 9,7 bilhões 8,5 mil mortes Ineficiência do transporte 13 bilhões Ref. 8% dos custos totais com transportes (cerca de 165 bilhões) Fonte: Revista Entre-Vias, Segundo pesquisa realizada pela revista Tecnologística com análise do Instituto Ilos, entre os prestadores de serviços logísticos, a maioria utiliza a tecnologia de rastreamento por satélite. Os resultados demonstram que o setor tem crescido de forma estruturada e com qualidade nos serviços logísticos. Tendo em vista o que já vimos até aqui, a tecnologia contribui significativamente para a qualidade e eficiência das operações. Ao analisar a tabela a seguir, considere a informação relevante: os últimos dois anos analisados (2008 e 2009) referem se ao rastreamento por celular, no período anterior, por rádio. Observe a tabela a seguir: Tabela 10 Ano Consultas pela Internet Rastreamento Satélite (frota terceiros) Rastreamento Satélite (frota própria) Rastreamento (frota terceiros)* Rastreamento (frota própria)* % 74% 72% 73% 75% % 68% 59% 68% 59% % 93% 71% 61% 69% % 76% 74% 67% 59% % 84% 77% 75% 70% % 71% 65% 57% 52% % 73% 66% 64% 55% % 61% 70% 54% 53% Fonte: Tecnologística,

17 Unidade IV Principais vantagens Alto poder de precisão Funcionamento em tempo integral (24h). Cobertura em todo o globo terrestre. Cronometra o tempo. Auxilia na condução de trajetos. Armazenam coordenadas de posições, facilitando a reconstituição quando necessário. Indica velocidade. Independe de condições atmosféricas. Baixo investimento. Desvantagem Esta tecnologia possui como desvantagem o fato de não ser possível rastrear em locais fechados em que o sinal não alcança. 7.4 TMS (Transportation Management Systems) Sistemas de Gerenciamento de Transportes Os softwares de gerenciamento de transportes auxiliam na gestão da área de transportes agindo na manutenção preventiva e corretiva, propondo melhoria na qualidade dos serviços e aumento da produtividade. Esta tecnologia tem como função principal: Mensurar os custos de manutenção. Controlar os gastos. Identificar os recursos materiais e humanos para operações. Obter informações para relatório de acompanhamento de entrega. Controlar entregas e devoluções. Emissão de relatórios. Administrar tabelas de preços. Controla frete de terceiros. Faturamento de frete. 150

18 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Expedição. Rastreamento. Principais vantagens desses softwares Redução de custo operacional. Melhor identificação dos custos. Maior controle dos gastos. Controle da qualidade dos serviços. Melhor manutenção preventiva. Aumento da disponibilidade da frota. Melhor aproveitamento dos recursos. Aumento da produtividade. Aumento do nível de serviços. Mais segurança e rapidez para tomadas de decisões. Muitos relatórios. Aplicação O uso de sistemas de gerenciamento de transportes pode ser de: empresas de transportes (transportadores e prestadores de serviços logísticos); empresas com frota própria; empresas que terceirizam sua frota. É possível encontrar no mercado vários softwares de gerenciamento de transporte, muitos deles são acoplados aos ERPs como mais um módulo do sistema de gestão empresarial, tornando se um diferencial competitivo para os fornecedores de ERPs a empresas do segmento. Muitos sistemas disponíveis no mercado oferecem uma integração com as tecnologias de rastreamento e roteirizadores, gerando informações em tempo real quanto à posição de entrega das mercadorias. Softwares de roteirização Com a velocidade em que cresce a frota de veículos nos estados brasileiros, especialmente nas grandes metrópoles, otimizar a rota de entrega da mercadoria é um diferencial competitivo com certeza. 151

19 Unidade IV 152 Como escolher a rota de entrega? Por bairro (CEP)? Por cliente? Por pedidos? Como tomar a melhor decisão? Os sistemas de roteirização fazem esse trabalho para a empresa. Eles são sistemas computacionais que realizam os cálculos de rota e programação de veículos por meio de algoritmos em uma base de dados específica. Na década de 1980, nesse tipo de sistema, praticamente não havia representação gráfica e os sistemas eram pouco flexíveis quanto aos parâmetros para os usuários. As principais evoluções nesse tipo de software ocorreram na década de 1990, quando a tecnologia contava com os Sistemas de Informação Geográfica (SIG), que além do visual, aumentaram a flexibilidade nas janelas do sistema, as múltiplas rotas, os retornos, os roteiros com pernoite, entre outros recursos (Golden &Bodin, 1986). Atualmente, os recursos não deixam a desejar, há inúmeras opções de tarefas, parâmetros e relatórios customizados com interfaces amigáveis e fáceis de operar. Funcionalidades Calcular rotas de forma estratégica. Rastreamento e monitoramento da entrega. Exclusão da rota de caminhos com trânsito, barreiras, obras e acidentes. Definição de parâmetros para cálculo da rota (vias, caminho curto, rápido etc.). Atribuição de paradas e sequência de paradas, levando em conta tempo, custo e capacidade do veículo. As funcionalidades listadas anteriormente variam de produto para produto. Alguns desenvolvedores possuem parte dos recursos, todos eles ou ainda recursos não mencionados aqui. Vantagens Podemos destacar aqui as principais vantagens dessa tecnologia no processo de distribuição. É evidente que se tem muito mais do que a relação a seguir. Flexibilidade em mudança de rota. Visualização da rota/mapa durante o trajeto. Rapidez no processo de expedição. Maior produtividade. Redução de custos operacionais. Menor risco nas operações.

20 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Aumento do nível de serviço. Maior satisfação do cliente. Rapidez na tomada de decisão. Cálculo da capacidade e produtividade do veículo. É muito comum encontrar esse tipo de sistema como parte dos ERPs e softwares de supply chain management, especialmente os que possuem módulo de gestão de transporte ou frota, o que possibilita à empresa oferecer ao cliente final o acompanhamento de seu produto por meio da internet, com detalhes da localização dos veículos e previsão do horário de entrega. A partir dos clientes a serem atendidos, os roteirizadores realizam o cálculo da rota levando em conta os seguintes parâmetros: distância média entre os pontos; velocidade média por trecho; taxa de descarga; rotas com pernoite; jornada de trabalho do motorista; custo de hora extra. Esses são, entre outros, os parâmetros que definirão o custo total de cada rota. Soluções Mobile (móveis) Todas as soluções que estudamos nesta disciplina podem e são desenvolvidas com aplicativos para operação e consulta por meio de soluções mobile (soluções móveis) tais como: internet, laptops, rádios, celulares, palms, smartphones entre outros. Lembrete Nesses aplicativos, as tecnologias normalmente são GPRS (General Package Radio System), que constam de um sistema para transmissão de dados por telefonia celular com tecnologia GSM (Global System Global Comunications), 3G e WiMax. As tecnologias móveis são utilizadas tanto por executivos em aprovações remotas como para os operadores, na coleta de dados nos pontos de vendas, nas entregas de encomendas, entre outras utilizações. 153

TECNOLOGIA PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÕES

TECNOLOGIA PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÕES Unidade IV TECNOLOGIA PARA PLANEJAMENTO E OPERAÇÕES LOGÍSTICA Profa. Marinalva Barboza Ferramenta s tecnológicas aplicadas à logística (Parte II) WMS (Warehouse Management System) Sistema de Gerenciamento

Leia mais

Maxxi Distribuição - bestsales

Maxxi Distribuição - bestsales Ricardo Piccoli 10/10/2008 1.0 1/7 Apresentação do Case Maxxi Distribuição - bestsales Documento Confidencial Ricardo Piccoli 10/10/2008 1.0 2/7 1 - Índice 1. Índice 2 2. Introdução 3 3. Perfil do Cliente

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Infor Supply Chain Execution Sistema de Gerenciamento de Armazéns. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor Supply Chain Execution Sistema de Gerenciamento de Armazéns. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor Supply Chain Execution Sistema de de Armazéns Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema Otimização de Serviços Comerciais em Apoio à Operação de Corte e Religação

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

CONTENTS. 2010 SkyWave Mobile Communications, Inc. www.skywave.com. www.skywave.com 2 V.012010

CONTENTS. 2010 SkyWave Mobile Communications, Inc. www.skywave.com. www.skywave.com 2 V.012010 CONTENTS Introdução... 3 O que é Monitoramento Remoto?... 4 Selecionando Equipamento de Monitoramento Remoto... 6 Selecionando Tecnologias de Comunicação... 6 Escolhendo uma Solução de Monitoramento...

Leia mais

Sistemas de abastecimento de pedidos

Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Sistemas de abastecimento de pedidos Intelligrated Densidade de separação A Intelligrated usa suas décadas de experiência e centenas de instalações para oferecer as

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM.

TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM. JUN, 2013 TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM.BR 1 PARA REFLEXÃO: Qual foi a maior potência Industrial

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Intelligent Transportation Systems

Intelligent Transportation Systems Intelligent Transportation Systems Mauricio Consulo Diretor America Latina Clever Devices - Overview Sede em Nova Iorque, EUA. Provedora de sistemas de informações digitais, Sistemas de Inteligentes de

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar.

Localização e Inteligência Móvel. Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. Localização e Inteligência Móvel Com a iguard todos os caminhos levam sua empresa onde ela precisa chegar. 1 2 Localização e Inteligência Móvel Todos os dias sua empresa enfrenta grandes desafios para

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA José Lourenço Apresentação TEIA Angola TEIA - Tecnologias de Informação de Angola, Lda (Desde 2008) Implementação e manutenção de soluções próprias

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

Logística. E-commerce

Logística. E-commerce Logística E-commerce Eduardo Ramos de Carvalho Gestor de e-commerce em Projetos, Comercial e Operações. Formado em Comunicação, se especializou em e-commerce na ESPM e cursa MBA (Gestão Estratégica e economica

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 13. Logística de transferência de petróleo PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 13 Logística de transferência de petróleo INTRODUÇÃO Logística Colocar-se o produto certo, no local correto, no momento adequado e ao menor preço possível, desde as fontes de

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

DQuest. Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless DQuest Localização Localização, controle e gerenciamento de frotas Determinação da posição e velocidade por Satélite (GPS) Localização e disponibilização de informações de veículos por tecnologia wireless

Leia mais

InformationWeek Brasil

InformationWeek Brasil Fotos: Ricardo Benichio EM TEMP Roberta Prescott 10 Casas Bahia inaugura loja virtual mais tarde que outros varejistas, mas seu CIO, Frederico Wanderley, quer ter na internet o mesmo sucesso da rede física

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE Considerações do mundo real Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE 2 Benefícios e oportunidades com RFID 3 Benefícios e oportunidades com RFID São os benefícios

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.6 Especificações do Sistema de Bilhetagem Eletrônica PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 2 CONCEPÇÃO DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA... 2 2.1 Processos

Leia mais

Sistema TMS Integrador para Embarcadores

Sistema TMS Integrador para Embarcadores Sistema TMS Integrador para Embarcadores APRESENTAÇÃO DA ACTIVE CORP HISTÓRICO A Active Corp atua a mais de 16 anos fornecendo sistemas completos para o segmento de transporte e logística. Uma das únicas

Leia mais

5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem

5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem 5. Aplicação na gestão do fluxo inbound e na armazenagem O presente capítulo tem como objetivo analisar o uso do sistema RFID no varejo com foco na gestão do fluxo inbound e na armazenagem de um centro

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio Prêmio ABRALOG de Logística Soluções Logísticas no Agronegócio Sumário 1. Informações Gerais...02 2. Política de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade...03 3. Projeto...05 4. Dificuldade Encontrada...08

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 4 NOVO ENFOQUE PARA O SUPPLY CHAIN

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 4 NOVO ENFOQUE PARA O SUPPLY CHAIN PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 4 NOVO ENFOQUE PARA O SUPPLY CHAIN Índice 1. Novo enfoque para o supply...3 1.1. Projeto 99... 4 1.2. Problemas x soluções... 4 1.3. Entregas padronizadas...

Leia mais

MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO.

MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO. MAIS QUE UMA FRANQUIA, UM NEGÓCIO DE FUTURO. Quem nunca sofreu um furto ou conheceu alguém que teve seu veículo furtado? Quem já passou por esse transtorno sabe como é importante investir na segurança

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR. Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD.

TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR. Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD. TECNOLOGIA A FAVOR DO SETOR Abrangência: Atacadistas e distribuidores associados da ABAD. Objetivo: Saber o nível de automação dos atacadistas e distribuidores bem como os padrões utilizados Empresário

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais