Solvência de Longo. Proposta de Valor. Itaú Asset Management. Multi-Asset Portfolio. Thiago Palaia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Solvência de Longo. Proposta de Valor. Itaú Asset Management. Multi-Asset Portfolio. Thiago Palaia"

Transcrição

1 Solvência de Longo Prazo: Uma Proposta de Valor Itaú Asset Management Multi-Asset Portfolio Solution MAPS Thiago Palaia Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação

2 Agenda Previdência no Mundo e Paralelos com o Brasil Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Um Modelo de Alocação em direção a Solvência de Longo Prazo Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 2

3 Previdência no Mundo e Paralelos com o Brasil Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação

4 Temas Previdência no Mundo e Paralelos com o Brasil Desafios Demográficos Implicações e Situação da Previdência Pública (RPPS e RGPS) Necessidade e Potêncial do Crescimento da Previdência Complementar Tendências Atuais: Solução ou Transferência de Risco do Patrocinador para o Poupador? Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 4

5 Desafios Demográficos Riscos de Longevidade estão crescendo Ainda somos uma população jovem......mas o Percentual da população acima de 65 anos triplicará em 2050! Além disso a expectativa de vida do brasileira está aumentando e convergindo para a dos países desenvolvidos Envelhecimento da População (% 65 anos e acima sobre População Total) Expectativa de Vida 35% 30% 25% 20% 15% 13% 20% 17% 19% 29% 25% 23% 21% 22% 19% O Gap de expectativa de vida entre o Brasil e economias desenvolvidas vem diminuindo rapidamente % 5% 7% 6% 9% 8% % US German France Brasil Mexico Chile China US-Brasil Brazil Fonte: World Bank, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 5

6 Apesar do Envelhecimento A Boa Notícia: O Dividendo Demográfico Nos beneficiaremos do dividendo demográfico pelos próximos 10 anos Isso acontece pois ainda temos uma Razão de Dependência baixa e decrescente até 2025 Isso não diminui i i a responsabilidade d de pensarmos em SOLUÇÕES de previdência i de longo prazo Evolução da Pirâmide Etária Brasil to Envelhecimento Expectativa da Evolução da Razão de Dependência Dividendo Demográfico ,0% -4,0% -2,0% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% Homens Mulheres US Brasil Mexico Chile Fonte: IMF - The Challenge of Public Pension Reform in Advanced Emerging Economies, Itaú Asset Management NY analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 6

7 Previdência Pública (RPPS e RGPS) Gastamos muito mesmo sendo jovens e com baixa razão de dependência. Porquê? Brasil: Um dos Maiores Gastos Públicos em Previdência do mundo 9% PIB Razão de Dependência (dependency ratio) e Alta Taxa de Substituição de Renda (replacement ratio) foram as maiores contribuições para o aumento do gasto público nos últimos 20 anos Despesa em Previdência Pública (% PIB) ,1 8,0 9,1 10,3 O Gasto Público em Previdência no Brasil pode ultrapssar facilmente os 10% do PIB até 2030 US Germany Brazil Mexico Chile (exp) Contribuição no Crescimento do Gasto Público Previdenciário to ,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0-1,0-2,0 20-3,0-4,0-5,0-6,0 2,1 Old-Age Dependency Ratio + = 2,4 Replacement Rate 4,0 TOTAL US Germany Brazil Mexico Chile Fonte: IMF - The Challenge of Public Pension Reform in Advanced Emerging Economies, World Bank, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 7

8 Porque Gastamos Tanto com Seguridade Social? Alta Generosidade: a Necessidade da continuidade da Reforma da Previdência A generosidade da Seguridade Social do Brasil é uma das maiores do mundo Ativos Previdência Complementar Fechada (%PIB) vs. Razão Substituição Seguridade Social zão de Sub bstituição da Seguridad de Social Ra Mexico Brazil OECD USA Chile Ativos Previdência Complementar Fechada (%PIB) Fonte: OECD Pension at a Glance 2013, Previc Estatistica Trimestral Junho 2013, ABRAP Consolidado Estatístico Junho 2013, World Bank Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 8

9 Previdência Complementar O Desafio de Crescer A Indústria de Previdência Complementar Fechada no Brasil como proporção do PIB ainda é pequena Reduzir generosidade e aumentar renda per capita são fatores necessários para o crescimento da previdência complementar Ativos Previdência Complementar Fechada (%PIB) United States Brazil Mexico Chile OECD Fonte: IMF - The Challenge of Public Pension Reform in Advanced Emerging Economies, World Bank, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 9

10 Previdência Complementar O desafio estrutural do crescimento da Renda per Capita A Renda Per Capita no Brasil, como Proporção dos Países desenvolvidos, está estagnada há 40 anos O Exemplo dos Tigres Asiáticos: Um Modelo Econômico baseado em educação e investimento de longo prazo GDP Per Capita (em % da Média Países OECD) GDP Per Capita (em % da Média doa Países da OECD) 200% 180% 160% 140% 120% 100% 80% PIB per Capita brasileiro como 60% proporção dos países desenvolvidos estagnado há 20 40% anos em 20% 20% 0% US Alemanha France Brazil Mexico Chile China 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Modelo de crescimento dos Tigres Asiaticos na Década de 90 permitiu aumento de renda per capita Brazil Chile Mexico China Tigres Asiaticos Fonte: IMF - The Challenge of Public Pension Reform in Advanced Emerging Economies, World Bank, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 10

11 Previdência Complementar A responsabilidade de se Preparar para seu crescimento Previdência Complementar Fechada: (EFPC): Migração de planos BD para CD e Híbrido. Solução ou Transferência de risco do Patrocinador para o Poupador? Crescimento da Previdência Complementar Aberta (EAPC). Solução ou Tranferência de Risco? Previdência Complementar Fechada (EFPC) Planos por Modalidade: Evolução da Previdência Complementar Aberta (PGBL+VGBL) % 32% 70% 3% % 60% 82% BD CD Misto 31% R$ bilhões % % 37% 30% % BD CD Misto 75 10% % PGBL VGBL Investimento Fonte: OECD Pension at a Glance 2013, Previc Estatistica Trimestral Junho 2013, ABRAP Consolidado Estatisco Junho 2013, Ministerio da Previdencia; Fenaprevi Dados Estatiscos 2013 Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 11

12 Desafios Para os Fundos de Pensão Brasileiros Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação

13 Temas Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Superávit Contábil e Desempenho o Fim do Almoço Grátis Desafios Estruturais do Brasil Atualização Taxas Atuariais, Tábuas de Mortalidade e Supervisão Baseada em Risco (SBR) Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 13

14 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros O Almoço Grátis acabou: Hora de Discutirmos Sustentabilidade de Longo Prazo RISCO PAÍS Convergência do Risco Brasil para Níveis Internacionais Desafios estruturais do Brasil = Mais risco Brasil? JUROS Convergência Juros de Curto e Longo Prazo Alta de Juros EUA = Juros mais Altos? AÇÕES Convergência do Equity Risk Premium ROE Brasil caindo = Bolsa de Lado? 1995 (Convergência do BETA Brasil) 2013 (Necessidade de Repensar Modelo de Alocação) 2020 Desempenho das EFPC Retorno Nominal vs. Taxa Máxima Atuarial O Efeito da "Convergência do Beta Brasil" no Desempenho das EPFCs to % 2000% 1500% 1000% 500% 0% Superavit Acumulado EFPC TMA Superávit Acumulado de 87% desde % 100% 80% 60% 40% 20% 0% Reto orno Nominal ao ano 20% 15% 10% 5% 0% 17,4% 16,6% 13,1% 1% EFPC 1 67% IMA + 33% BOVESPA TMA Fonte: ABRAP Consolidado Estatístico - Junho 2013, Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 14

15 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Fizemos muito nos últimos 10 anos, é hora de pensar em Solvência de Longo Prazo O que foi feito Superávit Contábil evidenciou pouco os riscos atuariais Foco em Governança, Supervisão e Regulação Foco em Retorno de Curto Prazo Pendências Intensificação da Supervisão Baseada em Risco (SBR) Foco na construção de SOLUÇÕES de PREVIDÊNCIA que ofereçam solvência de longo prazo Evolução do Superávit das EFPC ($ bilhões) 80 74,8 Superavit/Ativo Total 18% 66,1 70 Superavit 16% % 51,5 48,2 12% ,8 10% 40 16,37% 8% 30 12,83% 6% 20 8,31% 9,23% 8,07% 8,23% 4% 10 5,60% 2% 0 0% Fonte: ABRAP Consolidado Estatístico - Junho 2013, Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 15

16 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Como se preparar para o ajuste atuarial? Regulamentação migrando para taxas atuariais mais baixas Impacto de 28% na Reserva Matemática Regulamentação: Resolução 9 CGPC Redução da Taxa de Juros Atuarial Variação da Provisão Matemática Sensibilidade à Taxa Atuarial e Tábua Mortalidade 50% 6% 5,75% 6% 5,50% 5,25% 40% 5% 5,00% 4,75% 30% 5% 4,50% 20% 4% 4% 10% 3% % 6,00% 5,50% 5,00% 4,50% 4,00% % Provisão - AT-83 % Provisão - AT-2000 Fonte: Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 16

17 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros O Ajuste ainda mal começou 61% do mercado já migrou para premissas atuariais mais conservadoras Mercado migrando lentamente para taxas atuariais mais baixas Tábua de Mortalidade Migração Para AT-200 (mais conservadora) Distribuição Metas Atuariais Utilizadas pelas EFPCs Migração Para Metas Atuariais mais Baixas 70% 60% 50% 53,0% 61,0% % 30% 29% 24% 40% 38,0% 30% 31,0% 20% 10% % 11% 23% 5% 0% % 20% 40% 60% 80% 100% AT (82.2 Anos) AT-83 (78.7 anos) 6% 5%-6% 5% <5% Fonte: ABRAP Consolidado Estatístico - Junho 2013, Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 17

18 A Indústria de Previdência nos EUA Procura por Growth e Alfas mais Eficientes e Soluções de ALM e Anuidade A Mudança de Regulamentaçao nos EUA marcação a mercado do passivo atuarial (privado) Necesidade de Growth e Alfa mais eficientes: Substituição de Ações por Mercados Alternativos Aumento de alocação em Soluções de ALM e Anuidades Asset-Weigh hted Actual Ass set Allocations (%) Nova regulamentação em 2006 para os fundos de pensão corporativos nos EUA (marcação a mercado da meta atuarial) Redução da Alocação em renda variável Alocação para estratégias ALM e Anuidades % % Diviersificação de renda variável para hedge funds e mercados alternativos at % % Targets at 2011 Funded 84% 90% 92% 93% 101% 108% 79% 82% 85% 79% Year-End Equity Debt Other Real Estate Fonte: Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis, Goldman Sachs Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 18

19 A Indústria de Previdência nos EUA Redução da Expectativa de Retorno: Procura por Growth e Alfa mais eficientes Fundos de Pensão nos EUA reduzindo suas expectativas de retorno do ativo Aumento da demanda por Soluções de Growth e Alpha mais efetivas e sofisticadas Expectativa de Retorno Médio do Ativo de Fundos Pensão americanos 9,0% 9% Crescimento da Alocação Institucional em Hedge Funds 1.800M 1600M 1.600M 1.400M High new worth individuals e Family Offices 60% 85% 8,5% 8,0% 7,5% 8,50% 8,30% 8,30% 8,20% 8,10% 8,10% 8% M 43% 1.000M 800M 600M 500M 200M 0 25% Investidores Institucionais incluindo Endowments, Fundos de Pensão, Seguradoras & SWFs Fonte: Bloomberg, Itaú Asset Management Analysis, Goldman Sachs, Citi Prime Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 19

20 Um Modelo de Asset Allocation baseado em Risco e Separação Alfa / Beta Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação

21 Framework de Alocação: Solvência e Controle Risco Foco no Controle e Gestão por Fator de Risco SITUAÇÃO ATUAL Foco No Curto Prazo Foco na governança regulatória e de supervisão Lanche Grátis : menos necessidade de sofisticação e diversificação global NECESSIDADE FUTURA Foco em Fatores de Risco Necessidade de Fatores de Risco Growth mais eficientes e globalmente diversificados Necessidade de Alocação de Risco em Alfas eficientes Alocação em ALM e Anuidade efetivos que controlem o risco transferido ao poupador GROWTH PORTFÓLIO Renda Variável ALPHA PORTFÓLIO ALM PORTFÓLIO Renda Fixa INSURANCE PORTFOLIO Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 21

22 Framework de Alocação: Solvência e Controle Risco Foco no Controle e Gestão por Fator de Risco REGULAÇÃO 1 & DEFINIR RESTRIÇÕES PASSIVO ESTRUTURAIS (Passivo e Regulamentação) INVESTMENT BELIEFS APETITE A RISCO GOVERNANÇA & TOMADA DECISÃO DEFINIR RESTRIÇÕES FINANCEIRAS & GOVERNANÇA DEFINIR ORÇAMENTO RISCO (Risco FUNDING LEVEL) PATROCINADOR: TOLERÂNCIA A RISCO DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO DE RISCO PARA O FUND RATIO EX.: 4% 2 Construção dos 3 Portfólios (Growth, ALM e Insurance) de acordo com seus objetivos e fatores de risco predominantes GROWTH PORTFÓLIO EX.: 5% ALM PORTFÓLIO EX.: 2% ALPHA PORTFÓLIO EX.: 1% INSURANCE PORTFOLIO EX.: 0.30% Fatores de Risco Fatores de Risco Fatores de Risco Opcionalidade - Crescimento - Taxa Juros Real - Alpha - Liquidez - Duration / Convex 3 Separação de Alfa e Beta visando minimizar custo e maximizar information ratio BETAGrowth SMART BETA BETA ESCASSO BETA Juros Crédito Hedge Fund ATUARIAL (Anuidade) GROWTH TAIL HEDGE Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 22

23 Framework de Alocação: Solvência e Controle Risco Alocação entre Portfólios GROWTH e ALM REGULAMENTAÇÃO INVESTMENT BELIEFS APETITE A RISCO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO 12% 10% 8% 6% ALOCAÇÃO DE RISCO NO PORTFOLIO GROWTH Fatores Necessários para a Construção do GlidePath Target End-Game e Horizonte de Tempo Crescimento Esperado do Passivo Atuarial latilidade do Superávit Vo 4% 2% 0% ALOCAÇÃO DE RISCO NO PORTFOLIO ALM Saúde Financeira do Patrocinador Tamanho dos Planos de Pensão vs. Market Cap Patrocinadores Funding Ratio Atual 70% 75% 80% 85% 90% 100% 110% 120% 130% Funded Ratio Fonte: ING, Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 23

24 Estudo de Caso: Construção Portfólio ALM + Insurance Decomposição do passivo Balancear a Exposição de Equacionar os Hedges de Inflação / em fatores de risco Crédito de baixo risco Indexação e Longevidade (duration, convexidade, (High Grade) inflação, longevidade etc...) Risco Inflação e Indexação 650 Balanceamento do Crédito de Baixo Risco no ALM 550 Como equacionar o 450 Risco de Duration, Inflação, Indexação e Longevidade Menos Diversificação de Crédito e mais aderência do ALM AAA AA A Mais Diversificação de Crédito menos aderência do ALM INPC IPCA Salario Minimo BBB Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 24

25 Estudo de Caso: Construção Portfólio Growth 1 Selecionar e Entender os Definir e Quantificar os Otimizar o Portfolio Growth conforme 2 3 Fatores de Risco respectivos definições de Retorno, Risco, Liquidez e GROWTH Prêmios de Risco Drawdown esperado (análise de não normalidade dos ativos) Renda Variável Private Equity Crédito + Δ Growth + Δ REITs Growth Commodity Agrícola Commodity Energia Commodity Metais Industriais - Δ Inflação + Δ Inflação - Δ Growth - Δ Growth Juros Nominal - Δ Inflação + Δ Inflação Juros Real Ouro Metais Preciosos Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 25

26 Estudo de Caso: Construção Portfólio Alpha Entender os Fatores de Analisar Estrutura de Otimizar conforme direcionalidade, Risco: Direcionalidade e Correlação das Estratégias liquidez e correlação Liquidez em cada de Alpha Estratégia Alpha ALTA DIRECTIONAL - Long Bias - Event Driven - Distressed Direcionalid dade MACRO STRATEGIES -CTAs - Macro Hedge Fund - Volatility MARKET NEUTRAL BAIXA - Long & Short - Arbitrage - Relative Value aue ALTA BAIXA Liquidez Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 26

27 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Cuidados Necessários: Alta taxa de Mortalidade entre os Hedge Funds A necessidade do Gestor da Solução A Alocação no Portfolio Alpha exige uma análise profunda da origem de seus retornos por FATOR de RISCO Estudo realizado com 46 fundos no período de 2005 a 2013: Para o restante da análise (93%), o resultado do investidor foi significativamente inferior ao fundo: 40% desapareceram ou ficaram com PL pouco relevante Alfa médio (12 meses) investidor: 0,63% Alfa médio (12 meses) fundos: 2,60% Fonte: Itaú Asset Management Analysis Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 27

28 Desafios para os Fundos de Pensão Brasileiros Cuidados Necessários: Consistência na Gestão Itaú Hedge CDI CDI + 28% desde abertura 123,8% de rentabilidade d nominal Dec-06 Dec-07 Dec-08 Dec-09 Dec-10 Dec-11 Dec-12 Custo para cliente por Performance passada: R$ /dez/06 Itaú Hedge CDI Fonte: Itaú Asset Management, 31 de Outubro de 2013 R$ R$ * R$ * *Valores brutos de IR (base: 31/10/2013) Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 28

29 Disclaimers e Advertências Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou Fundo Garantidor de Crédito FGC. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. O fundo está autorizado a realizar aplicações em ativos financeiros no exterior. A rentabilidade do fundo será impactada em virtude dos custos e despesas do fundo, inclusive taxa de administração. Não há garantia de que este fundo terá o tratamento tributário para fundos de longo prazo Este fundo utiliza estratégias com derivativos como parte integrante da sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas,,podem resultar em significativas perdas patrimoniais para seus cotistas,,podendo inclusive acarretar perdas superiores ao capital aplicado e a consequente obrigação do cotista de aportar recursos adicionais para cobrir o prejuízo do fundo. Este fundo pode estar exposto a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes Este fundo está sujeito a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo Dúvidas, reclamações e sugestões, fale com o seu gerente institucional ou com a área de atendimento (11) Se necessário, utilize o SAC Itaú , todos os dias, 24h, ou o fale conosco (www.itau.com.br). Se desejar a reavaliação da solução apresentada após utilizar esses canais, recorra à ouvidoria corporativa Itaú , dias úteis, das 9 às 18h, caixa postal nº , CEP Deficientes auditivos ou de fala, 24h por dia, 7 dias por semana, Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Pág. 29

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador

Contextualizando os Investimentos em 2012. O Olhar do órgão Fiscalizador Contextualizando os Investimentos em 2012 O Olhar do órgão Fiscalizador Brasília Maio/2012 1 Agenda A PREVIC e Dados do setor Impacto de Mudanças nas Taxas de Juros Alteração Res. CGPC 18 Guia PREVIC de

Leia mais

CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE

CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE CSHG Verde AM Horizonte FIC FIM IE MODELO DE GESTÃO Não está autorizada a distribuição deste material sob nenhuma hipótese. Este material foi preparado pela Verde Asset Management S.A., bem como suas sociedades

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: FUSESC 2- CÓDIGO: 00552 3- RAZÃO SOCIAL: FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 3 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.020.006-38 - PLANO DE BENEFÍCIOS MULTIFUTURO I 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS.

Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. O Instituto IDEAS apresenta o Curso Preparatório para Certificação dos Profissionais de Fundos de Pensão no ICSS. Este curso

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho

SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC. João Marcelo Carvalho SOLVÊNCIA DE PLANOS DE BENEFÍCIOS, COMPARTILHAMENTO DE RISCOS E SEUS EFEITOS NA GESTÃO DAS EFPC João Marcelo Carvalho Agenda COMPARTILHAMENTO DE RISCOS SOLVÊNCIA CONCLUSÕES 2 Agenda COMPARTILHAMENTO DE

Leia mais

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO

DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO DESAFIOS PARA OS FUNDOS DE PENSÃO Marcelo Rabbat e Tais Campos Importante: Este documento não constitui uma opinião ou recomendação, legal ou de qualquer outra natureza, por parte da Vinci Partners, e

Leia mais

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I

Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Relatório anual do Plano de Benefícios Multifuturo I Pareceres PARECER ATUARIAL DA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 31/12/2009 Considerações iniciais O presente parecer tem por objetivo apresentar nossas considerações

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [83.564.443/0001-32] FUNDACAO CODESC DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0046-92] MULTIFUTURO II ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário Responsável

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [01.182.491/0001-00] OABPREV-RS - FUNDO DE PENSAO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECCIONAL DO RIO GRANDE DO SUL [2006.0013-29]

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LONGO PRAZO HEDGE X 11.089.560/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LONGO PRAZO HEDGE X 11.089.560/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LP EQUITY HEDGE 09.241.809/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI MM LP EQUITY HEDGE 09.241.809/0001-80 Informações referentes a Fevereiro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO EQUITY H. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e

Leia mais

Fundos de Investimentos Multimercado

Fundos de Investimentos Multimercado Fundos de Investimentos Multimercado Fundos de Investimento Definição condomínio que reúne recursos de um conjunto de investidores destinado à aplicação em títulos e valores mobiliários, em como quaisquer

Leia mais

Hedge Funds no Brasil: os novos tomadores de risco?

Hedge Funds no Brasil: os novos tomadores de risco? Hedge Funds no Brasil: os novos tomadores de risco? Luiz Fernando Figueiredo História da Indústria no Brasil No Brasil, os precursores deste mercado foram a Hedging Griffo e a Investidor Profissional.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827.

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: 00.827. Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a setembro de 2015. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social. Plano de Origem - BD. Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Origem - BD Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários do

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO

SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA. EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO SISTEMA INTEGRADO DE ORÇAMENTO PARA EFPC (Entidade Fechada de Previdência Complementar) SIOEFPC UM RESUMO DO SEU FUNCIONAMENTO FUNDO DE PENSAO EFPC O Sistema de Orçamento está estruturado em linha com

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Kinea Renda Imobiliária

Kinea Renda Imobiliária Introdução O é um fundo que busca aplicar recursos em empreendimentos corporativos e centros de distribuição de excelente padrão construtivo, de forma diversificada e preferencialmente prontos. Uma oportunidade

Leia mais

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson

Política e Alternativas de Investimentos. Alessandra Cardoso Towers Watson Política e Alternativas de Investimentos Alessandra Cardoso Towers Watson Processo de gestão de recursos Governança Definir Definição dos objetivos Alocação dos recursos Estrutura de investimento Executar

Leia mais

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD

PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado FEAAC Curso de Ciências Atuariais PARECER ATUARIAL Plano RJPREV-CD de encerramento do exercício

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

Desafios Macroeconômicos de Longo Prazo no Brasil

Desafios Macroeconômicos de Longo Prazo no Brasil Desafios Macroeconômicos de Longo Prazo no Brasil Novembro, 2014 Rodrigo Noel Informação Confidencial Política Corporativa de Segurança da Informação Agenda Onde Estamos e Para Onde Vamos? Onde Investir?

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal

Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal Plano de Previdência Complementar para o Servidor Público Federal SINDITAMARATY 29/07/2014 Sumário A Funpresp Governança Participante Ativo Normal Participante Ativo Alternativo Procedimentos de Adesão

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Relatório AWM Investimentos no atual cenário de juros

Relatório AWM Investimentos no atual cenário de juros Mudança nas características dos investimentos no Brasil A mudança estrutural que o Brasil está vivenciando diante da forte queda de juros, afetou diretamente os investimentos da população. Conforme abordado

Leia mais

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015 Agenda Principais números da Fundação Estrutura organizacional Resultados Medidas implantadas a partir de março/2015 2 PRINCIPAIS NÚMEROS DA FUNDAÇÃO Maior entidade de previdência fechada multipatrocinada

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto

Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto Investimentos para Investidores Institucionais Fernando Lovisotto Importante: Este documento não constitui uma opinião ou recomendação, legal ou de qualquer outra natureza, por parte da Vinci Partners,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI MM SMART NOVA GERACAO 13.896.109/0001-09 Informações referentes a Março de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI MM SMART NOVA GERACAO 13.896.109/0001-09 Informações referentes a Março de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO SMART. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:10:46 Número do protocolo: 005262 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

Propel Axis FIM Crédito Privado

Propel Axis FIM Crédito Privado Melhora expressiva na economia dos EUA; Brasil: inflação no teto da meta, atividade econômica e situação fiscal mais frágil; A principal posição do portfólio continua sendo a exposição ao dólar. 1. Cenário

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos CENÁRIOS ECONÔMICOS JUROS JUROS x INFLAÇÃO x META ATUARIAL Meta Atuarial = 6,00% + IPCA (FOCUS

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Fevereiro de 2015 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Potencializar futuros, subtraindo riscos

Potencializar futuros, subtraindo riscos Potencializar futuros, subtraindo riscos QUEM SOMOS O Risk Office é uma consultoria cujo objetivo é a prestação de serviços em gestão de riscos financeiros e operacionais. Criado em 1999, na cidade de

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio Investimentos Alternativos 10 de Junho de 2.010 2ª. Conferência de Investimentos

Leia mais

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger

Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar Luis Stuhlberger Maio 2011 Este material foi preparado para a apresentação Brasil: A cultura do CDI ainda vai durar, maio de 2011. Não pode ser copiado, reproduzido

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1985.0012-92] PB USIBA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

O ETF como instrumento na gestão de recursos:

O ETF como instrumento na gestão de recursos: O ETF como instrumento na gestão de recursos: Agosto de 2013 Tendências e Oportunidades no Brasil e no mundo. Informação Pública Política Corporativa de Segurança da Informação Conteúdo Utilização de ETFs

Leia mais

BRASIL PLURAL PREV FIC FIM

BRASIL PLURAL PREV FIC FIM BRASIL PLURAL PREV FIC FIM Agosto / 2013 Todos os direitos reservados para Icatu Seguros S/A - 2013. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida de nenhuma forma ou por

Leia mais

Mercado de Annuities

Mercado de Annuities 1 ALFREDO LALIA Mercado de Annuities 2 FORMATO DE Previdência ao redor do Mundo Fonte: Insights for better outcomes in the global pension and retirement maket by E&Y 3 SOLUÇÕES Coletivas e Individuais

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [02.884.385/0001-22] FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: OUTROS 30/04/2015 Atuário Responsável DANIEL PEREIRA DA SILVA MIBA: 1146 MTE: 1146 DA transmitida à Previc em 29/05/2015

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS LUIZ FIGUEIREDO HEAD - INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS The asset manager for a changing world 1.

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

A importância do asset allocation na otimização dos resultados

A importância do asset allocation na otimização dos resultados A importância do asset allocation na otimização dos resultados Joaquim Levy Diretor Superintendente da BRAM Cristiano Picollo Corrêa Portfolio Specialist da BRAM Agenda Introdução Estudo de Casos Caso

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência

ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA. Visão geral de previdência ALTERNATIVAS PARA A APOSENTADORIA Visão geral de previdência Agenda 4Conceitos assistência, previdência, seguro 4Regimes e grandes números 4Sustentabilidade 4Previdência privada 4Saúde-Previdência 2 CONCEITOS

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: ELETRA DA transmitida à Previc em 27/03/2013 às 11:08:58 Número do protocolo: 005549 INFORMAÇÕES CADASTRAIS ENTIDADE Código: 0134-5 CNPJ: 02.884.385/0001-22 Sigla: ELETRA Razão Social: ELETRA FUNDACAO CELG DE

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [05.054.648/0001-64] CX DE PREV E ASSIS AOS FUNC DO B EST DO PARA SA CAFBEP PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2002.0009-56] PREV-RENDA ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 1998 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos Diante do atual cenário doméstico e internacional, os especialistas da HSBC Global Asset Management acreditam

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Fundos de Pensão e Investimentos Socialmente Responsáveis em Mercados Emergentes Wagner Pinheiro de Oliveira Presidente da Petros Novembro de 2004 São Paulo Estrutura da Apresentação Importância Macroeconômica

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

EXCLUSIVO E CONFIDENCIAL

EXCLUSIVO E CONFIDENCIAL EXCLUSIVO E CONFIDENCIAL Por que GTI? Alinhamento Partnership Modelo de negócio participativo, meritocrático e com total alinhamento de interesse entre sócios e investidores Equipe experiente oriunda de

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização

Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização Risco de Mercado: Desafios para o Segmento de Capitalização (4o Encontro Nacional de Atuários) 16/09/2015 A resolução sobre Capital para Risco de Mercado foi publicada no final de 2014 (e revogada pela

Leia mais

Prestação de Contas Libertas - 2014

Prestação de Contas Libertas - 2014 Prestação de Contas Libertas - 2014 participantes aposentados pensionistas patrocinadoras Na Libertas, é assim. Sumário - Prestação de Contas 2014 Relatório Anual de Informações - RAI 2014 Documentação

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Mercado Financeiro Prof. Dr. Alexandre Di Miceli da Silveira aula 1A 1 Conceitos Fundamentais de Aula 1 Parte A Ao final desta aula você : - Identificará a importância da governança corporativa de acordo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC ACOES DIVIDENDOS 02.138.442/0001-24 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais