Programa de Formação da FETEMS e CNTE. Eixo I Concepção Sindical: Um novo conceito de atuação sindical. Fascículo II Teoria Política

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Formação da FETEMS e CNTE. Eixo I Concepção Sindical: Um novo conceito de atuação sindical. Fascículo II Teoria Política"

Transcrição

1 Programa de Formação da FETEMS e CNTE Eixo I Concepção Sindical: Um novo conceito de atuação sindical Fascículo II Teoria Política Data: 28 e 29 de maio de 2012 Local: FETEMS RELATÓRIO

2 Programa de Formação da FETEMS e CNTE Eixo I Concepção Sindical: Um novo conceito de atuação sindical Fascículo III ECONOMIA POLÍTICA PERCURSO FORMATIVO Dia 28/05/12 HORARIO CONTEUDO OBJETIVO EDUCADOR 09h00min I Momento: Abertura e dinâmica Abertura do Curso com a FETEMS inicial de apresentação dos participação de Dirigentes da Coordenação participantes. FETEMS e convidados. do Programa: Apresentação do Percurso do Apresentar o Percurso do Curso, Joaquim Curso. formar comissões de apoio, Donizete e Comissões de Apoio. combinar algumas regras de Sueli Veiga. Combinados. convivência para o bom aproveitamento do Curso. 10h30min II Momento: Economia Fazer uma reflexão teórica sobre Emilio Política. Conteúdos: o tema Economia Política e Gennari Origem da riqueza; trabalhar relacionando a teoria Valor e preço das com a realidade, ora com algum Cientista mercadorias; trabalho em grupos, ora com Social, Escritor, Valor e preço da força de exposições, ora com as Pesquisador, trabalho; dinâmicas possíveis, levando Educador A relação entre o desemprego em consideração os limites do Popular da e a contenção dos salários; tempo e o tamanho do público Escola 13 de Como se dá a exploração que costuma comparecer. Maio SP. (Mais-Valia); A crise econômica mundial à luz da teoria marxista; Sintomas e causas da crise; Saídas da crise; A pressão internacional pela redução dos custos do trabalho como caminho para acelerar a acumulação e afirmar a competitividade da produção de cada país; Bolsa de valores como termômetro da crise. O papel do Estado. 17:30 Encerramento

3 Dia 29/05/12 HORARIO CONTEUDO OBJETIVO EDUCADOR 08h30min Dinâmica de abertura. Iniciar o dia de forma dinâmica. Definir 08h15min Continuidade... Emilio Gennari 10h15min 11h30min 12h00min Intervalo III Momento: Avaliação e encaminhamentos para o próximo curso. Almoço Dia 29/05/12 - Vespertino Atividade com o DIEESE Encaminhamentos para levantamento da história do movimento sindical no Estado de MS e Avaliar a atividade. FETEMS Joaquim e Sueli. HORARIO CONTEUDO OBJETIVO EDUCADOR 14h00min DIEESE 1ª. Jornada de Aproveitar o Curso de formação e a DIEESE Debates com o Setor Público, Assembleia de constituição do com o Tema: Finanças DIEESE para fazer um debate sobre Públicas Desafios para a os desafios para as negociações no Negociação no Serviço setor público. Público. 16h30min 17h30min Assembleia de constituição do Escritório do DIEESE em Mato Grosso do Sul. Encerramento O Roberto, presidente da FETEMS fez a abertura oficial. Criar o Escritório do DIEESE em MS. Em seguida foram escolhidas as pessoas para ajudarem na organização: Relatório: Masé e Maria Auxiliadora Dinâmica: Sueli e Vânia Despertador: Fátima e Irene Nos combinados ficou definido o almoço entre as 12 e 14 horas. DIEESE Em seguida, foi feita uma dinâmica de apresentação pessoal, onde, em uma tarjeta, cada pessoa deveria escrever o nome e, pensar uma qualidade que começasse com a inicial do nome. Assim, cada um/a se apresentou e falou sua qualidade. Em seguida colocou a tarjeta com nome na frente da cadeira. II Momento: Economia Política. Emilio Gennari O Emílio iniciou falando que o tempo é curto, mas o objetivo é aprender a montar o quebracabeças da economia política. O tempo todo será feita a ponte entre a teoria e a prática. 1. Origem da riqueza.

4 Não existe $$$ - fábrica de camisas e sapatos. Oferta pequena preço maior. Oferta grande preço menor. A relação entre preço e valor estimula a economia. Camisa: material usado na fabricação: Necessidade o mercado cria necessidades Conhecimento, Tempo de produção, Durabilidade, Volume produzido. Valor quanto de trabalho medido pelo tempo (hora/homem). Ultimamente vem se acelerando a competitividade e reduzindo o tempo. O mundo depois da crise se acelerou. Lei da oferta e da procura. O jogo de forças na economia é que domina. Fabrica de camisas x fabrica de sapatos. Para fabricar a camisa são necessárias 30 jornadas. Para fabricar o par de sapatos são necessárias 15 jornadas. Então para cada camisa serão 2 pares de sapatos. Competitividade mundial Suíça 1º. EUA 5º. China 26º. Brasil 53º. Condições para competitividade Grau de tecnologia Salários maiores ou menores. Tempo para produzir. Infraestrutura O problema do Brasil é que ele ainda está na pré-história da tecnologia. 2. Valor e preço das mercadorias. Para o sistema a durabilidade é um problema. Exemplo do celular. Se quebrar e você levar para o conserto, ele fica mais caro que comprar o celular novo. Para definir o preço existem outras variáveis: concorrência e oferta e procura.

5 Quando você vai trocar suas camisas, se estas são poucas, valem mais. Se no outro dia, todos levam sapatos em grande quantidade, eles caem de preço. Na origem preço e valor coincidem. Mas ao chegar para vender: a procura por camisas é grande e a quantidade é pequena. Os preços sobrem. Se todos fabricam camisas, no outro dia, o preço cai. Como o preço caiu, as fabricas deixam de fabricar camisas, os preços sobrem novamente. Mas, faltam sapatos e ai todos vão produzir sapatos, os preços caem. E assim, por diante. A lei da oferta e da procura que vai influenciar o preço. Escassez o preço sobre. Abundancia o preço cai. Brasil hoje. Situações a se refletir: Crise atual... de sobra.b Como preparar pessoas para um futuro que ainda não sabe o que será. A nossa elite não é empreendedora. Ela é rentista. Ela não quer produzir. Ela quer ganhar renda. O papel da moda e dos modismos para o mercado. A moda muda muito. A moda gera necessidades. Exemplo da calça rasgada vendida no shopping... A moda gera uma grande procura. Enquanto a gente permanece no valor monetário... A relação na economia política (a economia é sempre política) é uma relação de forças. O mercado só vai ceder se perceber que se resistir vai perder mais que ganhar. Vale do Rio Doce... leva 1 ano de meio para fabricar apenas um tatu que permite extrair minérios com mais rapidez. Se a Vale decidir aumentar a produção vai levar 1 ano e meio. Enquanto isso, ela vai pressionar o governo. Meios de comunicação forma a sociedade do consumo x lei da oferta e da procura. Sociedade: ser alguém pelos seus valores x ser alguém pelo que possui. Consumo sensação de prazer. Propaganda... de onde se tira o valor da propaganda? Exemplo da fabrica de sapatos. Quanto vale? 100,00. Um grande comprador, faz a proposta de comprar o lote fechado por 90,00. O fabricante vai ter de decidir se vai vender por 90,00 ou se vai dizer que vai comprar do concorrente. A propaganda custa caro e ela é tirada do valor do produto. Tempo na TV Globo 15 segundos ,00. De onde vem? Do valor do que foi produzido. Valor e preço da força de trabalho. Nós somos mercadoria força de trabalho. Cálculo quantidade de mercadorias necessárias para produção/reprodução.

6 No capitalismo o aumento de salários só importante nos cargos que interessa. Porque não se compra o trabalhador a vista por 4 milhões? O valor da força de trabalho é o necessário para o trabalhador fazer a produção e a sua reprodução. Quanto vale a força de trabalho hoje? Para o DIEESE o valor de um salário mínimo para uma família de 4 pessoas, R$2.329,35. Quanto vale a força de trabalho de professor : trabalho + comida + livros + estudos + transporte + tempo... Quanto é o PSPN? R$1.541,00. É insuficiente. A lógica da força de trabalho é a mesma da mercadoria... onde existem muita gente/profissionais os salários são mais baixos. A inflação repõe com atraso o que já foi corroído. O sistema não dá ponto sem nó. Quais as consequências da nossa força de trabalho ter valor e preço: peão sobrando força de trabalho baixa; falta de trabalhador força de trabalho mais alta. O mercado cria uma situação de sobra para fazer a força de trabalho cair. Exemplo: pedreiro/construção civil. Qual a relação que a força de trabalho tem com o desemprego? Na nossa sociedade não teremos pleno emprego. Porque não interessa ao sistema. Porque pleno emprego teria que se pagar o valor justo da força de trabalho. Para o mercado interessa pessoas de sobra para abaixar o valor da força de trabalho. O desemprego não pode ser tão alto que gere saques... mas deve servir para dosar o mercado. Para medir o desemprego é preciso criar regras. DIEESE x IBGE... O IBGE usa critérios diferentes. Exemplos: nos últimos 30 dias você procurou emprego? Nos últimos 30 dias você não trabalhou em nada que te gerou uns trocados? A pessoa já não é considerada desempregada. Precisamos saber como as estatísticas são feitas. Brasil país de classe média. Foi ler os relatórios do Banco Central e os relatórios da Presidência da República, para saber o que estava acontecendo. Classe C 52% com renda entre 1 mil e 4 mil reais. Censo de 2010 mais de 40 milhões de brasileiros, ganhavam mais de 400,00 (famílias de 4 pessoas). Não é padrão de classe média. Classe média acima de 7 mil de renda familiar. Ainda não somos de classe média. Somos menos pobres que nos governos passados. Mas, ainda pobres.

7 Do ponto de vista empresarial, os pobres são muitos, se reproduzem com facilidade, não estão em extinção... ai então vai se dilapidar a força de trabalho (reduzir o valor). Para o mercado: matéria prima abundante, leis frouxas, lucros fáceis... Pleno emprego... não existe Margareth Thatcher: quebrar a resistência dos trabalhadores britânicos para que as empresas tenham mais lucros e vai se espalhando pelos países. Qual a base deste processo? Valor e preço da força de trabalho. Grécia uma greve geral por semana. Moeda: boi, prata, ouro... Para definir o valor: PIB e Ouro. A moeda apenas representa PIB e o ouro. Década de 90 - A moeda brasileira se desvalorizou porque foi emitida em grande quantidade sem lastro (PIB e ouro) o que gerou grande inflação. Quando a oferta não é acompanhada da demanda sobre o preço. Exemplo da década de 80/90... nota maior 5 mil, depois 10 mil; depois 50 mil e depois 100 mil. As moedas eram emitidas sem lastro. Na nossa sociedade jamais teremos pleno emprego. O dinheiro é para facilitar as trocas: Valor da moeda PIB Ouro (alicerce da moeda). Para a sociedade olhar e medir a quantidade. Valor = quantidade de trabalho/horas/homem/tempo. Preço mercado, enfrentando a oferta e a procura. Salário etiqueta nosso preço. Em economia política não existe medida sem efeito colateral. Período Vespertino Retomada da discussão da manhã... sobre preço e valor. Papel do governo para regular a economia: aumenta a taxa de juros ou aumenta da importação. Se os produtos são mais baratos ela prejudica a indústria nacional. Não existe medida sem efeito colateral. O que está acontecendo agora com o real em relação ao dólar. Para se sustentar o real criou-se uma muleta: a ancora cambial.

8 Ancora cambial: no inicio 1 dólar = 1 real. O que sustenta nossa moeda: PIB Ouro Dólares em caixa. Exemplo da caixa d água... todo dia tem dinheiro entrando e dinheiro saindo. O ideal é quando o que entra e o que sai está equilibrado. Quando entra dinheiro em excesso o BC tem de comprar. Como ele faz isso? Ele pega emprestado dos bancos privados com juro e compra os dólares. Se o país precisa de dólares, o papel do Governo é chamar dólares. Para isso: 1. Estimular o turismo e o turismo de negócios (que entra recursos no Brasil e significa construir mais centros de convenções e hotéis que hospitais); 2. Investimento estrangeiro direito (chamar empresários para vierem para o Brasil investir, para isso, os empresários querem incentivos fiscais e o governo concede). Exemplo: montadora em Betim. Investimento direto em dólares: 66 bilhões; 3. Empréstimos junto aos Bancos Internacionais/estrangeiros: Banco Mundial, BIRD, etc; 4. Vender (exportar) mais do que importa (superávit); 5. Dinheiro especulativo dólar volátil (aproveita a taxa de juros altos do Brasil, se beneficia e sai rapidamente). Hoje mais ou menos 1/3 do dinheiro da caixa d água é dinheiro especulativo... todo dia entra e todo dia sai... Vc não pode contar com ele. Relação DÍVIDA X PIB O problema é regular a caixa d água. Quando entra mais dinheiro que está saindo, o BC, pega os dólares em excesso e leva para o que se chama de reservas cambiais. São reservas que serão utilizadas. Em 30/04/2102, este montante era de 374 bilhões de dólares na caixa... Mas o problema é: de onde vem o dinheiro para comprar dólares: emitir moedas, impostos, empréstimos... Mas o grosso vem da divida interna: o governo pega dinheiro a 9% nos Bancos privados e usa a 2%... Se ele precisar mais dinheiro vai cortar investimentos básicos em saúde, educação, transporte, etc. Porque o dólar subir de 1,75 para 2,05 é porque saíram mais do que entraram 2 bilhões e xyz, porque os investidores, não querem ficar com real no bolso, querem ficar com dólar. Então o Governo precisa injetar dólares no mercado. o Governo fez isso, para ficar em 2,05 porque para o próprio governo é melhor ficar alto para melhorar os preços dos produtos brasileiros. Porque a divida interna cresceu tanto nos últimos anos: compra de dólares, dividas dos municípios... O mundo está desacelerando... menos produtos e os preços estão caindo. Papel do Estado dar suporte ao capital. Então, quem manda? O capital. Então o povo vai perder sempre? Vai. O que garante que os mercados vão continuar emprestando dinheiro? Se eles veem que vc tem condição de pagar.

9 Dados do Brasil de 2011: Arrecadação 17% e endividamento 6%. A divida externa brasileira não foi paga. O Guido Mantega disse que a divida estava tecnicamente paga. Isto quer dizer que vc deve menos e que pode pagar o que deve. O que mostra que estamos no caminho certo é que a diferença entre o PIB e a divida externa. Em 2011, a diferença fechou em 37% arrecadação cresceu 17,2%, divida aumentou em 11% (287 bilhões) reservas 374 bilhões Dívida = arrecadação geral gastos totais = valor antes de pagar os juros. Superávit primário 128 bilhões de reais 236 bilhões de reais - juros 108 vira dívida. Isto mostra que tem dinheiro para continuar pagando os juros. A China hoje tem 3 trilhões, grande parte, em títulos da divida dos EUA. A China não coloca no mercado porque os títulos perderiam o valor e o mundo iria abaixo. Em tempos de crise quem tem dinheiro compra ouro. O ouro teve uma evolução enorme pela procura. E, quem tem não vende porque se vender o preço cai. No momento ainda a moeda que representa a maior estabilidade do planeta é o dólar. O equilíbrio da economia mundial é sempre momentâneo. Japão após o terremoto a economia está patinando porque destruiu grandes partes de suas fontes e reservas energéticas. Quem está ameaçando a supremacia dos EUA nos próximos 20 anos é a China, que vem investindo pesado em pesquisa. Superávit primário é que está sobrando... o que? O que o Governo arrecada. O governo arrecada 1 trilhão e mais... de reias. Menos tudo os gastos totais que o Governo faz (saúde, educação, etc., etc., etc.) antes de pagar os juros da divida. É superávit porque está sobrando dinheiro na conta. Mas porque é primário? Porque ainda falta pagar os juros. Superávit em 2011 foi de 128 bilhões de reais. Juros da dívida 236,67 bilhões. A diferença vira mais dívida. A dívida vai aumentando porque a diferença entre o superávit e o pagamento da dívida é sempre grande... Grécia x Euro. Quem manda no Euro é a Alemanha. Que diz, a Grécia que tem problemas, eles que resolvam... A França tem a saída? Não. Mas, está falando: o que a Alemanha vai fazer para ajudar a sair da crise.

10 A tendência do assalariamento não é de crescimento... é de arrocho. A tendência dos empregadores do Brasil não é elevar os salários. É a abaixar ainda mais, frente a crise mundial. O aumento do salário mínimo abriu uma comporta para o consumo... a tendência é fechar a comporta. Família abaixo do nível da pobreza... que ganha menos de 4 salários ou seja que ganha menos de 2.400,00. A família pobre compra o básico. Empregados Fábrica de sapatos produzir por dia 10 pares de sapato Um empresário está contratando empregados: salário de 3 mil + 40 horas + Convênios + Salário família + plano saúde. O salário sai da força de trabalho vivo. Cada par custa R$100,00. Se cada um produz 10 pares, ao final do dia, produziu 1.000,00. Parte que é investimento: prédio, energia, água, maquinas... 40% do valor final (é o previsto). Assim, de 10 pares, 4 paga este investimento. Portanto, 6 pares 600,00 é valor novo produzido pela força de trabalho. 60% do valor final. Para pagar o salário ,00 mês dá 100,00 por dia. Então, 100,00 paga o salário. E sobram 500,00. No marxismo isto é a mais valia. A parte do trabalho que não foi pago. O dono da empresa tem 100 funcionários. Com trabalho de 30 trabalhadores ele paga todos. Sobre para ele o equivalente a 70 funcionários x 500,00 = ,00 por dia. O imposto: INSS, FGTS, PIS, 13º., férias, etc. sobre o lucro liquido equivale a A sociedade ainda paga o estrago que a empresa faz na saúde do trabalhador. Braskem o que equivale a salário dos trabalhadores corresponde a 3,1%. O que sobre é o que garante o enriquecimento e o excedente que gera a crise. O que integra salário: é parte da reposição da força de trabalho... A batalha é ideológica. Previdência na lógica dos empresários e nossa... para nós ela é superavitária e para os empresários é deficitária. Óleo 37% de impostos. O plantador e exportador de soja (produto primário) não paga imposto. Energia usada pela indústria custa menos que a gasta em casa. Até 2 salários mínimos o que sai em tributos é 48% e acima de 30 salários mínimos o que sai em tributos /e 26,3%.

11 Conta de lucros do Bradesco... em um trimestre lucrou 5 bilhões de reais, que significa 22%. Quem ganha isto? Se o empresário ganha menos de 9% (taxa de juros) ele diz que está no vermelho. A economia não admite que não analisemos os dados porque cada um vai puxar para seu lado. PLR x condições de trabalho. Os trabalhadores trabalham doentes, acidentados para não perder a PLR (porque lá está escrito que se faltar perde a PLR). A crise O que vem a nossa cabeça quando se fala em crise: Arrocho salarial. Custo de vida aumenta. Fechamento de comércios. Redução do emprego. Demissões. Falências. Redução de investimentos. Falta de dinheiro. Liquidações. Redução de salários. Excesso de produção. Aumento do custo de vida. Qual o melhor cenário para o empresário? O sonho do empresário é (e o seu pesadelo é o contrário): Meio de produção (subsídio de energia, equipamentos, matérias primas, etc.) Salários baixos (trabalhador com reajuste abaixo da produtividade, massa desempregada); Mais valia alta; Preços altos na hora da venda... Meio de Juros Salários Mais valia Preço produção Baixo Baixo + baixo que a produtividade Aumenta Aumenta A crise nunca é crise de falta é sempre uma crise de sobra. Sobram mercadorias e capitais. Mercadoria é o que se vê: parques de montadoras cheios... Capitais não entra dinheiro porque não vende... A mercadoria nova desvaloriza a que está em estoque. Crise sobra de mercadorias (pátios cheios, liquidações...). Capital pode produzir mais mas a sobra só aumenta.

12 A sobra emperra todo o funcionamento da economia. Crise gera transformação. A crise estourou com a bolha imobiliária nos EUA. O que significa bolha imobiliária? Voltar em 2001, o Presidente do BC Americano disse: só tem um jeito de sair da crise de maneira rápida: mantendo a taxa de juro abaixo de 1%. Assim, as pessoas pegavam dinheiro barato para aplicar em alguma coisa... as pessoas iam pegar dinheiro emprestado no mercado. A taxa na época se chamava PRIME... compra quem pode. PRIME primeira linha juros 1% - inflação de 20%. Resumo: Banco Empresta dinheiro para empreiteira. Fica com a promissória. Divida pessoal de quem financiou a casa. O trabalhador comum não pode comprar com taxa PRIME. Para este público o Governo Americano criou a taxa SUB PRIME para aqueles que não tinham como provar sua renda. Prevendo que este público (10%) dariam um calote, portanto era preciso se precaver. Então o SUB PRIME emprestaria a 5% (para não perder com os possíveis não pagadores). 1º. Dinheiro no Banco. Promissórias no Banco e a dívida quem fez o financiamento. Nos EUA muitos bancos empenharam 30 vezes o capital disponível. Uma época faltou dinheiro para construir e foram pegar dinheiro no exterior (exemplo o Credic Suiço). O Banco Suíço emprestava e pegava as promissórias. E o mercado explode de consumo... As família passaram a se endividar 120% da sua renda... janeiro de 2008, milhares de famílias percebendo o endividamento, devolvem as chaves das casas... e os preços caem. Os Bancos emprestaram 60 e as casas, agora, valem 40. Estes são os sintomas. Quais são as causas da crise? Resumo: Produção coletiva e apropriação privada. O que dirige a produção não é organizada. Ela é orientada pelo lucro... vai de acordo com aquilo que garante um lucro maior (não de acordo com a necessidade). Redução do retorno sobre o patrimônio (chega mais rápido no vermelho). O sistema capitalista ao gerar lucros (anárquico) pelo lucro e não pela necessidade, sem controle ele dá um tiro no próprio pé. A chance do lucro é o que alimenta a economia.

13 Dia 29/05/2012 O Professor Emilio Genari, dá continuidade ao Curso de Formação Sindical- Módulo Economia Política. A crise econômica Mundial Alta do custo de produção Queda da mais valia Sobra da produção Desemprego Salário arrochado Crise de Sobra: sobra mercadorias e capitais. Os capitalistas vão ter dinheiro, porém sem ter onde e como investir. Na crise alguém ganha e alguém perde. (enquanto alguém chora a outra pessoa vende lenços de papel) A queda do preço leva o empresário a não poder/querer produzir. É uma alerta para os empresários como um todo, é um sintoma de que o sistema está entrando em crise. Sintomas e causas da crise: -queda da taxa de juro; -cai o lucro; -queda dos preços. Causa da Crise: -produção coletiva da riqueza, mas a concentração é privada; -anarquia da produção; -automação (reduzindo o valor novo de cada mercadoria) Quando a crise é apenas em um setor, não posso falar em crise econômica, para configurar tem que atingir mais de um setor. Onde o sistema brecou na última crise? Mercadoria: meio de produção força de trabalho Só se sustenta esse sistema porque existe:

14 -A existência da propriedade privada dos meios de produção (tudo que for produzido pelo operário será apropriado pelo patrão); -trabalho assalariado (quanto menos salário ele tiver mais ameaçada será essa posição); -produziu tem que vender (qdo a mercadoria está no estoque precisa ser vendida para produzir o valor novo, liquidação). O processo estanca na produção, quando os bancos não têm mais dinheiro para financiar, em virtude de os negócios de produção terem dado errado. Em 2007, 23% do PIB dos Estados Unidos investido construção civil ficou sobrando (interrompeu o processo que movimentava um terço da economia). Quando os Estados Unidos afundam afunda todo mundo. Eles representam 25% do PIB mundial. Hoje representa, aproximadamente, 23%. Ele atinge os outros países, pois, se ele para de comprar da China a China para de comprar do Brasil e reflete na economia mundial. No passado, tínhamos na economia mundial o efeito gangorra, quando os Estados Unidos estava em baixa a economia europeia estava em alta, um compensava o outro, porém se os dois fracassam afetam todo mundo. Houve a queda do efeito gangorra. A britis representava 13% da economia mundial, desse modo não compensa a queda dos gigantes Estados Unidos e União Europeia. O momento da crise destrói as perdas das pessoas (capital). Alguém que comprou uma ação por 110 e ela cai para 90, essa está nas mãos de quem teve lucro até chegar às mãos de quem perdeu. O capitalismo quer vender pouco para pouca gente e obter muito lucro. O sistema capitalista não é beneficente. Saída da CRISE -Se a abundância é a crise, termina-se a crise destruindo-se a abundância; -fechar empresas (segurar a produção, desativar. Ex: tem muito café, arranca-se os pés, para-se de produzir os carros); -aumentar o desemprego (salário diminui); -arrochar salários; -preços de máquinas e matéria-prima vai cair (meios de produção); -intervenção do Estado (por que os estados têm um déficit público tão grande? A Irlanda não tem déficit, tem superávit. Na crise os bancos da Irlanda pegam dinheiro injetado pelo Estado. Só um banco precisou de 29 bilhões de euro para sair da crise) Como adequar às contas públicas? -demitir funcionário público; -reduzir salário; -corta aposentadorias; -reduzir investimentos (estradas, aeroportos etc...); -reduzir gastos públicos (qto gastar em saúde, educação, é a máquina do estado); -balança comercial

15 Na Grécia, a aplicação dessas medidas está fazendo o país se enterrar. Em 2011 a economia Grega caiu 6,9 e este ano está previsto cair mais ainda. Quando a sua moeda pertence a mais de 16 países, você não manda na moeda. Isso mexe no custo do trabalho. Em 2008, quando a crise começa e a Grécia começa a aplicar medidas restritivas como as descritas, a produtividade do trabalhador grego comparado como da Alemanha faz com que o grego produza mercadorias com baixa produtividade, já o alemão, embora ganhe mais, a produtividade é maior. Na Grécia está acontecendo muitas greves e isso inviabiliza os investimentos de fora lá. A China está começando a ter problema. O salário da China é de 1,36 dólares a hora, em média. o salário do chinês aumentou 20% abaixo da produtividade do trabalhador. O salário é de 70% do salário do trabalhador dos Estados Unidos. Produzir no México é 2% mais barato do que produzir na china. Em 2011 o México aumentou suas vendas para o Estados Unidos. No processo de custo mundial do trabalho, o Brasil precisa investir no mínimo 26% do PIB na renovação do capital, porém isso não está acontecendo. Até 2016 temos um freio para evitar a crise que são: pré-sal, olimpíadas (serão criadas vagas de trabalho com salários menores). Agora é preciso investir em máquinas senão a economia não decola. A presidente quer acelerar a economia para em 2013 ter condições de pagar as dívidas externas do país. A situação do México que parece não nos atingir pode ter reflexo na classe trabalhadora do Brasil. O pensamento que predomina hoje é o pensamento neoliberal. Zona do euro é formada por 16 países e a União Européia engloba 27 países. Existe um atrito que se acelera na hora da crise. No Brasil houve crise, embora menor que na União Européia e Estados Unidos. Essa economia teve déficit de emprego. A classe trabalhadora brasileira não entrou nessa briga. A paz social é a peça chave para a acumulação. O efeito da crise faz a produtividade subir. O retorno sobre o patrimônio aumenta. A economia capitalista funciona mais ou menos como uma montanha russa, quando se está subindo a economia está crescendo, aumenta emprego e produção. Esse auge da economia é a crise, é o momento em que a produção superou a demanda e para de crescer. Nesse momento para sair da crise é preciso reduzir salário, reduzir investimento, cortar gastos e, novamente, ocorrer a intervenção do Estado. E o carrinho da montanha russa começa a subir. Quanto mais forem plicadas as regras para sair da crise, menos chance de entrar nela nós teremos. Bolsa de Valores: negocia mercadorias e ações. Existe uma mistura de feira livre e cassino. Ela negocia e vende coisas, inclusive, que ainda serão produzidas. A soja, por exemplo. Ela venda a produção de soja, através de contrato de risco futuro,

16 para vender a soja dos próximos doze meses. E só poderemos saber quem vai ganhar ou perder só saberemos no ato da entrega do produto. Se a produção da soja aumentar o preço cai. Para quem trabalha com óleo de soja vai ter um maior retorno do investimento, porém, caso ela seja eliminada para aumentar o preço, o produtor do óleo também pode ter dificuldade com a matéria-prima. O que é uma ação? É um título de propriedade de uma empresa. Se eu comprar as ações me torno proprietário dela. As empresas emitem ações para poder, de forma mais rápida e menos burocrática, de obter dinheiro para investimento, tendo em vista que empréstimo junto aos bancos é mais complicado. O que dá valor às ações de uma empresa? -Uma parte do valor das ações pode ser medido pelos bens da empresa; -qual a perspectiva de lucro futuro (quanto vai voltar em cada real investido). Quem são as pessoas que encontro na bolsa de valores? -pessoas que querem ter lucro e investir; -os donos da empresa; -especuladores. Se uma pessoa muito influente e poderosa compra e investe, vai despertar o desejo de muita gente comprar as ações, ele começa a vender, o preço dessas ações caem. Quando o preço cai ele compra de novo (Realização de Lucro). No dia seguinte a bolsa começa a subir novamente. Fatores como catástrofes, terremotos também podem fazer a oscilação nas bolsa, pois existem produtos vendidos e que podem ser afetados, porém, em questão de horas a bolsa já constata. Quando se percebe que se está diante de uma crise na bolsa de valores? Quando a bolsa começa em alta e cai e sobe e cai e a média fica abaixo do período em que estava em alta e se mantém por um período longo. Esse comportamento indica incerteza e instabilidade. Hoje a economia globalizada transfere os insucessos econômicos aos outros países. O sistema tem freios e desacelerar a chegada da crise é possível: -quebrar o caráter obsoleto dos produtos; -aproveitamento dos produtos produzidos (reciclar); -fundir as empresas (aumentar a produção e torná-la mais rentável), organizar a produção mundial. A crise abre a porta para mudança mundial, porém é preciso que os trabalhadores tomem consciência de sua missão e comecem a efetivar essa mudança. Ou o trabalhador acaba com a exploração ou ela acaba com a gente. É preciso o time estar preparado para produzir a mudança. Em seguida, foi feita a Avaliação. Destaques: -abriu o universo do conhecimento; -aguçou a pesquisa;

17 -conhecimento da problemática das crises e como elas podem afetar o nosso país e as economias dos outros países, desejo de sanar dúvidas futuras e socialização do conhecimento; -agradecimento e também que o curso serviu para esclarecer suas dúvidas e a possibilidade de poder interferir melhor nas questões sindicalistas em prol da classe trabalhadora; (Denise) -interessante, não cai no tecnicismo da economia; (Deusmar) -enriqueceu seu conhecimento e também na vida pessoal; (Conceição) -a mudança (Maria Auxiliadora). Sueli finalizou com agradecimentos ao Professor Emílio e também falando sobre a perspectiva de continuar estudos e pesquisas. O Joaquim de Mattos finalizou com os encaminhamentos: 1. levantamento da história do movimento sindical no Estado de MS; 2. levar o fascículo sobre a História do Movimento Sindical e Popular e fazer a leitura; 3. trazer pratos juninos típicos; 4. trazer roupas juninas típicas. Lista de Presença PARTICIPANTE TELEFONE Ada Maria da C.R. Venturine Admir Candido da Silva Ana Clayre Rodrigues Martins Anderci da silva x x Aneci Castro Alves Artur de Arruda Calvacante Alaíde Riboli Aucelia Centurion Lopes Rocha Aurora Maria Alves Pinto Clotildes C. Echevernia de Alcântara Dalva de Suza Denise de Paula Medeiros Deusmar Jatobá Espindola Divino Xavier Damaceno Edevagno Pereira da Silva x x Edivaldo Vieira Edmar Martins Borges x x Edna Maria S. da Silva Eliane Rossue Gomes Lopes Elizangela Soares Martins Elza Raimundo de Oliveira Ernandes Joel Marques Fàtima Palmier Lemes dos Santos Francisco Tavares da Câmara Humberto Vilhalva Idalina da Silva Idelcides Gutierres Irene do Carmo

18 Joaquim Donizete de Matos José Aureliano da Silva José Félix Filho Josefa Oliveira de Queiroz Juliano Meneghetti Mazzini Leuslania Cruz de Matos Lídia Oliveira Albuquerque lidiasantos1312hotmail.com Luiz Carlos M. Valejo Maria Aparecida da Conceição Mauricio dos Santos Max Lima de Albuquerque / Mireille Rosi Lima Queiroz Nelfiitali. F de Asis Neuza Narciso Zanforlim Onesio da S. Medeiros Atestado x Paulo Pereira da Silva Rodney Custódio da Silva Ferreira Sergio Alencar Semensato Simone Moraes Julio Sueli R. Souza Militão Pereira Sueli Veiga Melo Thereza Cristina Ferreira Pedro Valdeir R. Mandallo Vânia Gonçalves de Souza Bernardes Vania Regina Schneider Vitor Hugo Costa Silva Mércia Ribeiro Arajo Maria Aparecida Santos Ramos Norma de Freitas Silva Evaldo Zschrmack Kelem Cristiane Bruna Carmimati Zedechias Cruciol Filho Maria José de S. Piazzalunga Guerbas Marize Rodrigues Maria Auxiliadora Franca Benevides Adriana Bento de Andrade Leandro Domingues Olga Tobias Mariano Almair Lima de Grandi Jorge Guedes Denise S. Oliveira Heraldo Mendes

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Amigos, amigos, negócios à parte!

Amigos, amigos, negócios à parte! Reforço escolar M ate mática Amigos, amigos, negócios à parte! Dinâmica 4 2º Série 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 2ª Numérico Aritmético Matemática Financeira Primeira

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI

ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO ROBERTO VERTAMATTI 16:30-18:00 ÉTICA NAS EMPRESAS EM UM MUNDO GLOBALIZADO PALESTRANTE: ROBERTO VERTAMATTI PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EXECUTIVOS DE FINANÇAS, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Use bem o seu dinheiro

Use bem o seu dinheiro 1016323-6 - abr/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Sergio Lamucci, de São Paulo Valor Econômico, 09/04/2009 O economista Yoshiaki Nakano acha improvável o Brasil escapar de uma contração do Produto Interno

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Cenário Econômico e Produtividade

Cenário Econômico e Produtividade Cenário Econômico e Produtividade junho/2015 Prof. José Pio Martins Economista Reitor da Universidade Positivo Introdução Missões do gestor Gerenciar o dia a dia Preparar a organização para o futuro Dar

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO...

PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO. FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... CADÊ O BRASIL RICO? FICA DO OUTRO LADO DESSE ESPELHO. DESTE LADO, POUCO DINHEIRO NO BOLSO... PARECE IGUAL... MAS, DO OUTRO LADO, É O BRASIL QUE DÁ CERTO.... E AQUI, DINHEIRO SOBRANDO NO FIM DO MÊS. DESTE

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

PROJETO INTERNACIONAL

PROJETO INTERNACIONAL PROJETO INTERNACIONAL EM 10 PASSOS Ubirajara Marques Direitos: Todos os direitos reservados para Center Group International Duração: 1 hora Apresentação: Linguagem simples, para micros e médios empresários

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015

Recupere a saúde financeira e. garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Recupere a saúde financeira e garanta um futuro tranquilo Reitoria da UNESP, 13/05/2015 Objetivo geral Disseminar conhecimento financeiro e previdenciário dentro e fora da SP-PREVCOM buscando contribuir

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. Denise Zandonadi dzandonadi@redegazeta.com.br O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. O presidente Luiz Inácio Lula da

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras BALANÇO PATRIMONIAL - BP Periodo ATIVO Empresa Empresa 2 Empresa Empresa 4 Empresa 5 Empresa 6 Empresa 7 Empresa 8 ATIVO.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88.295.440,88

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico

Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Boletim Econômico Edição nº 66 agosto de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor Econômico Considerações técnicas sobre a Conjuntura econômica e a Previdência Social 1 I - Governo se perde

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

A crise como oportunidade. Tânia Bacelar professora da pós-graduação em Geografia da UFPE. entrevista

A crise como oportunidade. Tânia Bacelar professora da pós-graduação em Geografia da UFPE. entrevista entrevista Foto Arquivo pessoal Em entrevista exclusiva para a Revista Gestão Pública PE, a economista e socióloga Tânia Bacelar de Araújo analisa a conjuntura econômica mundial. Ela explica as causas

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Capítulo Quatro O Guia Definitivo para enfrentar suas Dívidas Em algum nível, mesmo que rudimentar, todos sabemos que o endividamento é perigoso.

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL ANÁLISE ECONÔMICA DA CSN DE SETEMBRO DE 2011 Cenário Internacional 2011 foi marcado por um ambiente econômico de instabilidade, agravamento da crise européia.

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais