COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL"

Transcrição

1 COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL APRESENTACAO ORAL-Comércio Internacional GERALDO MOREIRA BITTENCOURT; ROSA MARIA OLIVERA FONTES. UFV, VIÇOSA - MG - BRASIL. COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ETANOL Grupo de Pesquisa: Comércio Internacional Resumo Nos últimos anos, observa-se uma crescente preocupação internacional com a diminuição da emissão de gases poluentes e um maior interesse de diversos países por fontes renováveis de energia, inclusive o etanol. Neste contexto, o presente trabalho tem como objetivo investigar o mercado exportador de etanol no Brasil, avaliando, por meio de vários indicadores de competitividade, a participação brasileira e de seus concorrentes no mercado mundial de etanol. Os indicadores de competitividade utilizados são: indicador de posicao relativa, índice de vantagem comparativa revelada de Balassa, índice de vantagem comparativa revelada de Lafay, taxa de cobertura e indicador de desempenho das exportações. Os resultados mostraram um comportamento negativo das exportações brasileiras, no período de 1994 a 1997, de acordo com todos os indicadores analisados, evidenciando que a valorização cambial após a adoção do Plano Real resultou na redução das exportações e aumento das importações de etanol do país. Após 1999, as exportações de etanol dos EUA tornaram-se inexpressivas, comprovadas pela taxa de cobertura menor e pela falta de vantagem comparativa revelada no setor. Por outro lado, as exportações brasileiras de etanol obtiveram resultados positivos, de acordo com os dois índices mencionados, neste mesmo período. Ou seja, os EUA tem-se caracterizado como potencial consumidor de etanol, com seu mercado podendo ser atendido, principalmente, por países com uma alta taxa de cobertura das exportações de etanol, como é o caso do Brasil. Os resultados brasileiros mais marcantes surgiram a partir de 2002, quando todos os indicadores propostos apresentaram-se crescentes e consequentemente favoráveis à competitividade do Brasil no mercado internacional de etanol. Vale destacar a maior competitividade brasileira, a partir de 2002, em comparação com os EUA, França e China. Constata-se assim que os paises competidores do Brasil no mercado exportador de etanol não possuem a vantagem comparativa brasileira, estando focados no atendimento à crescente demanda doméstica de etanol. Palavras-chaves: Competitividade, Exportações, Etanol, Brasil 1

2 Abstract In recent years, it is observed a growing international concern over the reduction of gas emissions and an increased interest from several countries in renewable energy, ethanol included. In this context, this paper wants to investigate the ethanol export market in Brazil, evaluating thorough different competitiveness indicators the Brazilian participation and its competitor s shares in the ethanol market. The competitiveness indicators used here were: relative position indicator, Balassa s revealed comparative advantage index, Lafay s revealed comparative advantage index, coverage rate and exports performance indicator. The results had shown a negative behavior of the Brazilian exports in the period, according to all indicators, suggesting that the appreciation after the Real Plan had resulted in ethanol exports reduction and imports increase. After 1999, the American ethanol exports became insignificant, according to the coverage rate and the lack of revealed comparative advantage in this sector. On the other hand, the Brazilian ethanol exports had shown positive results, according to these indicators, during the same period. The US has been characterized as a potential ethanol consumer, being a major market for countries with high export coverage rate, as Brazil. The most significant Brazilian results happened after 2002, when all the indicators showed increased behavior, suggesting a high competitiveness in the international ethanol market. It is worthwhile mentioning the higher Brazilian competitiveness, after 2002, in comparison to US, France and China. The Brazilian competing countries in the ethanol market do not have the Brazilian export comparative advantage, being more focused on supplying their domestic ethanol demand. Key Words: Competitiveness, Exports, Ethanol, Brazil 1. INTRODUÇÃO Após o primeiro choque do petróleo em 1973, o abastecimento de combustíveis derivados do óleo cru se tornou um problema para a maioria dos países, que começaram a investir no desenvolvimento de alternativas energéticas. Porém, somente na última década do último século é que surgiram duas preocupações que hoje norteiam governos e sociedades: a deterioração do meio ambiente e as mudanças climáticas da biosfera do planeta. Esta preocupação ambiental e climática estimulou as pesquisas relacionadas ao desenvolvimento das chamadas tecnologias limpas e colaborou para o estabelecimento de acordos internacionais visando a redução das emissões dos gases de efeito estufa (Cavaliero, Godoy e Silva, 2006). Nesse cenário, o protocolo de Kyoto, tratado internacional com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que agravam o efeito estufa, entrou em vigor em fevereiro de 2005, com vários países adequando suas legislações para estimular o uso de combustíveis renováveis. 2

3 Tal tratado foi uma importante contribuição para o expressivo crescimento da demanda mundial de etanol. Este biocombustível, representante de uma das principais alternativas energéticas renováveis tanto para a diminuição da dependência do petróleo quanto para a amenização dos problemas ambientais e climáticos, motivou países como EUA, Japão, China, Índia, Tailândia, além da União Européia, a ter como objetivo a mistura desse produto com a gasolina. Com a consolidação dessa mistura nos mencionados países, a demanda mundial por etanol tendeu a aumentar. Na União Européia, em maio de 2003, o Parlamento Europeu aprovou a diretiva 2003/30/EC, que permite a adoção, por parte dos países membros, de leis que garantam um consumo mínimo de 2% de biocombustíveis para transportes até 31 de dezembro de 2005, o que geraria uma demanda potencial aproximada de 4 bilhões de litros por ano. Para dezembro de 2010 está previsto um percentual de 5,75%, e para 2020 o percentual deve chegar a 20% (PETROBRÁS, 2005; Revista Agroanalysis, 2005). A Índia, grande produtora de cana-de-açúcar para produção de açúcar e importador de cerca de 70% de suas necessidades de petróleo, começou a implantar em 2003 um ambicioso programa de adição de etanol à gasolina. Dividido em quatro fases, na primeira fase estão sendo adicionados 5% (em volume) de etanol à gasolina em 9 estados e 4 territórios. Ao final da quarta fase, sem data prevista, deverão estar sendo adicionados 10% de etanol à gasolina em toda a Índia. Na China, o governo é favorável ao acréscimo de etanol anidro na gasolina como parte de seu programa de despoluição atmosférica. O governo chinês pretende reduzir a poluição nos grandes centros e já autorizou testes, desde 2001, com a adição de 10% de etanol à gasolina em várias províncias do país (Piacente, 2006). Recentemente, o parlamento japonês aprovou legislação permitindo a adição de até 3% de etanol à gasolina. O Ministério do Meio Ambiente do país pretende introduzir mistura com 3% de etanol em curto espaço de tempo, e tornar padrão a adição de 10% por volta de Nos EUA, a legislação atual permite a adição de 10% de álcool na gasolina, mas, recentemente, os defensores do etanol demandaram um aumento do limite de 10 para 15%. No entanto, as autoridades que regulamentam esse setor adiaram a decisão para o ano de 2010 (EPA Environmental Protection Agency, 2009). E no Brasil, atualmente, é obrigatória a mistura de 20 a 25% de álcool anidro na gasolina, além da possibilidade de uso do E100 (100% Etanol) nos veículos que operam com álcool puro ou pelos veículos flex fuel. Esta é uma mistura utilizada somente no Brasil (ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2009). Porem, destes países que tem interesse ou já tem ações concretas visando o aumento do consumo do etanol em mistura com a gasolina, somente alguns tem condições de serem superavitários na produção do álcool em média ou larga escala, ainda que a 3

4 custos elevados. Exemplos de países nessa circunstância são Brasil, China, e alguns países membros da União Européia. Já outros, como EUA, Índia, Japão e Coréia do Sul, por sua vez, serão países importadores. Ou seja, há necessidade da presença de exportadores grandes e produtivos no setor, para que não haja incerteza quanto ao fornecimento seguro e regular do etanol para os países importadores. No gráfico a seguir, composto pelo resíduo entre a produção e o consumo de etanol dos principais produtores deste biocombustível, observa-se que o Brasil se apresenta como o único superavitário de destaque e com grande potencial para o atendimento da crescente demanda mundial pelo produto. Gráfico 1. Produção e Consumo de Etanol por Diferentes Países, 2002 a (Produção de Etanol - Consumo) 2002 a Quantidade kt BRASIL USA CHINA EU - 27 India Ano Fonte: OECD-FAO Agricultural Outlook (2009). Um fator impulsionador da demanda pelo etanol em alguns países foi o desenvolvimento dos novos modelos de automóvel flex fuel, movidos tanto a álcool quanto à gasolina. EUA, Brasil e Suécia são os mercados líderes no uso desses veículos de combustível flexível. A tecnologia conhecida como flex fuel nasceu de pesquisas realizadas nos Estados Unidos, Europa e Japão no final da década de Ela se baseia no reconhecimento, por meio de sensores, do teor de álcool em mistura com a gasolina e no ajuste automático da operação do motor para as condições mais favoráveis de uso da mistura em questão. Em 1992, a General Motors introduziu a tecnologia flex-fuel no mercado norte-americano, principalmente para frotas cativas. Estima-se que existam atualmente mais de 8 milhões de 4

5 veículos flex fuel E85 (tipo de etanol utilizado no veículo flex, 85 % de etanol) neste mercado (Pereira, 2004). No Brasil, os estudos para a aplicação dessa tecnologia iniciaram-se na Bosch, em 1994, que vislumbrou a possibilidade dos veículos flex fuel substituírem os veículos exclusivamente a álcool, que na ocasião apresentavam declínio nas vendas. Finalmente esta tecnologia foi lançada para o mercado brasileiro em março de 2003, com grande aceitação e atualmente o país apresenta uma frota de carros flex que alcança 90% dos veículos novos e 37% da frota total, fato determinante para o aumento do consumo brasileiro de etanol nos últimos anos (SCA Etanol do Brasil, 2009). Já a Suécia possui a maior frota de veículos flex E85 da Europa, conquistada com um rápido crescimento, onde passou de 717 veículos flex em 2001 para em julho de 2008 (BAFF - Bioalcohol Fuel Foundation, 2009). O acelerado crescimento da frota sueca de veículos flexifuel, como são popularmente conhecidos na Europa, é o resultado da Lei de Política Nacional de Cooperação sobre o Clima Global aprovada em 2005, ratificando o Protocolo de Kyoto. Adicionalmente, esse crescimento é também devido ao compromisso do governo sueco de eliminar a importação de petróleo antes de 2020, dada a diretiva sobre biocombustíveis da União Européia de 2003, que estabelece metas específicas sobre o uso de combustíveis renováveis (Kroh, 2009). Adicionalmente é preciso destacar que o mercado internacional de etanol é bastante volátil, pois é fortemente influenciado pelos preços do petróleo e pelas barreiras tarifárias nos mercados importadores. Logo, este cenário de perspectiva de aumento da demanda mundial de etanol pode tanto sofrer um maior impulso, caso o preço do petróleo aumente consideravelmente e/ou alguns países, como EUA e membros da União Européia, reduzam suas barreiras ao etanol, ou sofrer uma desaquecida, caso aconteça o contrário. Um recente exemplo da influência do preço do petróleo no mercado do etanol foi a reação do setor de etanol brasileiro no ano de 2008, onde o aumento do barril do petróleo para além dos US$100 durante parte do ano foi determinante para a forte expansão nas exportações brasileiras de etanol em Segundo dados da União da Indústria de Canade-açúcar (UNICA, 2009), o total exportado cresceu 45% e passou de 3,5 bilhões de litros em 2007 para 5,1 bilhões em 2008, gerando uma receita também recorde de US$2,39 bilhões, 62% superior à de 2007, de US$ 1,48 bilhão. Diante desse cenário do setor de etanol, caracterizado pelo aumento da demanda mundial do produto, pela incerteza de um fornecimento regular e seguro, e pelo crescente interesse na diminuição da emissão de gases poluentes, torna-se importante avaliar a competitividade do produto brasileiro. Lírio et al (2006) e Venâncio (2008), utilizando diferentes indicadores de competitividade, quais sejam, coeficiente de exportação, market share doméstico e relação produção/demanda nacional, no período de 1992 a 2004, concluíram que o setor sucroalcooleiro do Brasil teve sua competitividade negativamente afetada no período do 5

6 Plano Real. Essas dificuldades foram superadas posteriormente, com o setor alcooleiro demonstrando ganhos de competitividade e dinamismo das exportações no mercado internacional. Esse trabalho se propõe a verificar a evolução dos volumes e valores exportados de álcool brasileiro, no período de 1994 a 2008, visando fornecer subsídios para que a atividade possa manter-se competitiva no mercado internacional e ampliar sua participação no mesmo. Portanto, o objetivo geral deste estudo é avaliar, por meio de vários indicadores de desempenho, a competitividade das exportações brasileiras de etanol no mercado internacional, diante dos principais concorrentes. Afora essa introdução, o trabalho possui 4 seções. O próximo tópico faz uma revisão de literatura sobre o tema. A seção 3 mostra os procedimentos analíticos adotados e as fontes de dados. A parte 4 apresenta os principais resultados e os discute. A última seção conclui. 2. REVISÃO DE LITERATURA Durante longo período de tempo, o termo competitividade esteve ligado às teorias do comércio internacional, iniciando-se com a Teoria da Vantagem Absoluta de Adam Smith, em No livro A Riqueza das Nações: Investigação sobre sua Natureza e suas Causas, Smith argumentou a favor do livre comércio, defendendo que cada país deveria se especializar na produção daquele produto em que possuísse vantagem absoluta sobre os demais. Um país possui vantagem absoluta na produção de um bem quando ele pode produzir uma unidade de um bem com menos trabalho que outro país. Neste cenário, em 1817, David Ricardo publicou a obra Os Princípios da Economia, Política e Tributação e, aprimorando o modelo de Adam Smith, propôs a Teoria da Vantagem Comparativa. Ela preconizou que um país teria vantagem comparativa na produção de um bem quando tivesse menor custo de oportunidade na sua produção. Assim, um país pode ter vantagem absoluta na produção de todos os bens, no senso do menor custo do trabalho, mas não pode ter vantagem comparativa em todos os bens, no senso do menor custo de oportunidade (Krugman e Obstfeld, 2001). Posteriormente, com o objetivo de estabelecer alguns princípios que permitissem instituir o padrão de comércio entre os países, Heckscher e Ohlin desenvolveram a teoria da dotação relativa de fatores, segundo a qual os países possuem tecnologias idênticas, mas diferem entre si na disponibilidade dos fatores de produção. Desta forma, um país teria vantagem comparativa na produção do bem que utilizasse intensamente o fator de produção de maior abundância no país (Krugman e Obstfeld, 2001). Apesar da enorme importância dessas teorias no campo do comércio internacional, cabe ressaltar que existem algumas lacunas no estudo da competitividade não contempladas por elas. Elas não atribuem papéis às estratégias das empresas, ao 6

7 desenvolvimento de novos produtos e processos de produção, à diferenciação de produtos, aos incentivos governamentais e à globalização da economia que permite às firmas participarem de cadeias produtivas em um cenário de competição internacional. O conceito de competitividade é multifacetado. Várias são as variáveis e objetos de estudo envolvidos. Existem estudos de competitividade entre empresas e marcas de produtos, análises de competitividade de diferentes setores produtivos, dentro de um país ou entre vários países, estudos de curto e de longo prazo, ex-post ou ex-ante, variáveis relacionadas à demanda ou oferta do produto etc. Haguenauer (1989) organiza os vários conceitos de competitividade em duas abordagens: Competitividade como desempenho nessa abordagem, a competitividade é de alguma forma expressa na participação em determinado mercado (market share) alcançada por uma firma em um momento do tempo. A participação das exportações da firma ou conjunto de firmas (indústria) no comércio internacional total da mercadoria apareceria como seu indicador mais imediato, em particular no caso da competitividade internacional. Competitividade como eficiência nessa versão, busca-se captar a competitividade através da relação insumo-produto praticada pela firma. A competitividade é associada à capacidade de uma firma/indústria de produzir bens com maior eficácia que os concorrentes, no que se refere a preços, qualidade, relação preço-qualidade, tecnologia, salários e produtividade. Está relacionada às condições gerais ou específicas em que se realiza a produção da firma/indústria vis a vis a concorrência. Na primeira visão, é a demanda no mercado que estará definindo a posição competitiva das empresas, ao arbitrar quais produtos de quais empresas serão adquiridos. Na segunda visão, é o produtor que estará definindo a sua competitividade, ao escolher as técnicas utilizadas, submetido às restrições impostas pela sua capacidade tecnológica, gerencial, financeira e comercial. Outras duas visões tradicionais que conceituam diferentemente a competitividade de uma economia/empresa são: A abordagem ex-post que associa a competitividade de um país ou empresa à sua atual posição no mercado internacional, enfocando o conceito desempenho. A abordagem ex-ante que aborda o conceito eficiência, associando a competitividade de uma economia/empresa às suas características estruturais, ou seja, à capacidade de um país ou empresa de ser mais eficiente que seus competidores. Fajnzylber (1988) faz uma análise da competitividade atribuindo-lhe os qualificativos de autêntica, quando está diretamente relacionada ao aumento da 7

8 produtividade a partir da utilização de avanços tecnológicos ou espúria, quando se relaciona a fatores como baixos salários, manipulação cambial, subsídios às exportações e altas taxas de rentabilidade no mercado interno, que podem propiciar melhorias no desempenho externo, mas com sérios efeitos econômicos e sociais a médio e longo prazo. Chudnovsky (1990) propõe a utilização de enfoques microeconômicos e macroeconômicos ao conceito de competitividade. No enfoque micro, alinham-se as definições de competitividade centradas sobre a firma, definições que têm sempre na empresa o sujeito, ou seja, a competitividade é centrada no estudo das práticas organizacionais da empresa e fazendo comparações com as firmas concorrentes. Já na abordagem macro, a preocupação é direcionada para o desempenho econômico das economias nacionais, em alguns casos puramente relacionados com o comércio internacional, em outros, mais amplos, com a elevação de nível de vida e o bem-estar social. Para Alves (2002), a inovação tecnológica é um fator fundamental na determinação do fluxo e crescimento do comércio internacional. Assim, a inovação tecnológica e a adoção de novas tecnologias podem ser instrumentos que assegurem a competitividade internacional de um país ou de uma indústria específica. Deve-se destacar que a geração de tecnologia por si não constitui razão de aumento da competitividade de maneira automática. Somente com a alteração do paradigma tecnológico do setor, que possibilita uma vantagem comparativa e um sobre lucro durante certo período, ou com redução de custos ou aumento da qualidade dos produtos é que pode haver aumento da competitividade, seja em termos da empresa ou de um grupo de países Oliveira (2003). Outros autores, como Silva (2006) e BNDES (1991), destacam a importância de políticas macroeconômicas como determinantes da competitividade de uma nação. As políticas macroeconômicas contribuiriam para a conquista de vantagens e aumento de eficiência criada inicialmente em nível microeconômico. Sob essa ótica, as decisões de política econômica, como taxa de câmbio, subsídios e incentivos a exportação, e política salarial são os parâmetros relevantes. Esse enfoque enfatiza, portanto, a desvalorização cambial como elemento fundamental do ganho de competitividade. Apesar das diferenças existentes quanto ao termo competitividade, há consenso geral, na literatura, de que a competitividade tem caráter sistêmico, ou seja, ela é afetada por uma gama de fatores inter-relacionados: tecnologia disponível e a forma como esta é aplicada, preços domésticos dos insumos produtivos, taxa de câmbio, taxa de paridade entre os parceiros comerciais do país, custos de transporte, estrutura de incentivos, barreiras tarifárias e não-tarifárias no país importador, qualidade e imagem do produto, dentre outros (BNDES, 1991). 3. PROCEDIMENTO ANALÍTICO 8

9 3.1. Indicador de Posição Relativa (POS) É um índice de desempenho desenvolvido pelo Centro de Estudos Prospectivos de Informações Internacionais (CEPII) da França. É de caráter absoluto e consiste na participação do saldo comercial de certo país no mercado mundial do setor de exportação de certo produto. Segundo Lafay (1999), o indicador pode ser calculado para um produto ou setor, e a evolução deste indica se as exportações/importações líquidas do país estão crescendo a taxas superiores ou inferiores as do comércio mundial do produto. Este índice é calculado pela equação: n n ( X ij M ij ) n POSij = 100 n Wi POS = posição do país (j) no mercado mundial de certo produto (i), no período n; n ij X = valor das exportações de certo produto (i) do país em foco (j), no período n; n ij M = valor das importações do mesmo produto (i) do país em foco (j), no período n; n ij n W i = valor do comércio mundial do produto (i) no período n; note-se que refere ao valor total das exportações mais as importações mundiais do produto i. n W i se Quanto mais alto o seu valor, maior a intensidade de participação do país no comércio internacional do produto, seja como exportador ou como importador. Se o indicador for positivo, o país é um exportador líquido; do contrário, é um importador liquido Índice de Vantagem Comparativa Revelada de Balassa O conceito de vantagem comparativa, de maneira simplificada, procura demonstrar que o comércio internacional é vantajoso quando os países se dedicam a produzir apenas aqueles bens em que são comparativamente mais eficientes do que os outros. Ele busca mensurar os produtos em que o país apresenta vantagem comparativa com base nos fluxos de comércio passado, pressupondo que a eficiência produtiva relativa de um país pode ser identificada por meio de seu desempenho no comércio internacional. Uma maneira simples e objetiva de se mensurar a vantagem comparativa de uma região ou país foi definida pelo índice de Vantagem Comparativa Revelada VCR, de Balassa (1989), em que os resultados que apresentam valores acima de 01 (um) estariam indicando uma vantagem comparativa do país no setor estudado. Tradicionalmente, a Vantagem Comparativa Revelada é calculada em relação ao mundo, podendo ser definida matematicamente por: 9

10 VCR = X X X país K país T mundo K mundo T em que: país mundo X = exportações do bem k do país; X = exportações totais do país; X = país K mundo exportações mundiais do bem k; e X = exportações totais do mundo. T T X K 3.3. Índice de Vantagem Comparativa Revelada de Lafay (VCR) Após Balassa ter desenvolvido seu índice de Vantagem Comparativa Revelada, algumas versões alternativas foram desenvolvidas, como o indicador de VCR de Lafay (1999), que também é muito utilizado com a finalidade de confirmar ou negar os resultados obtidos com o indicador de Balassa. Tal indicador avalia a competitividade entre produtos ou setores em um determinado espaço econômico, seja qual for o saldo global que afete o seu conjunto de bens e serviços, permitindo que se aprofunde a análise sob a perspectiva de tendência à especialização de um país, dissociando-a da conjuntura macroeconômica. Dessa forma, para um produto k de um país i primeiramente calcula-se o seu saldo em relação ao Produto Interno Bruto (Yi), ou seja, em relação ao tamanho do mercado nacional: X ik M ik Yik = 1000 * Yi sendo: X = exportações do produto k do país i; M = importações do produto k do país i; e ik Y = Produto Interno Bruto do país i. i ik A seguir, define-se a contribuição do produto k ao saldo em relação ao PIB, de acordo como o demonstrado abaixo: VCR = f = Y g * Y Sendo: g X + M ik ik ik ik = e X i + M i ik Y i ik = 1000 * i i M em que: Xi e Mi são respectivamente as exportações e as importações totais do país i. Além disso, faz-se necessário eliminar a influência das alterações de vantagem comparativa que não sejam específicas da região analisada, mas que resultem da própria X Y i i 10

11 evolução da participação do produto no mercado mundial. Para isso, toma-se por base um ano r como referência e, utilizando-se do fator de ponderação a seguir, são corrigidos cada um dos fluxos X e M para os diversos tempos n. em que: n W e k = W W = exportações mais importações mundiais do produto k, no ano de referência r; r k r W = exportações mais importações mundiais totais, no ano de referência r; W = exportações mais importações mundiais do produto k, no ano n; n k n W = exportações mais importações mundiais totais, no ano n. r k r Para calcular o indicador de Vantagem Comparativa Revelada f em relação aos pesos mundiais do ano de referência r, tem-se que: o ano de referência coincide com f, enquanto os outros anos (n) diferenciam-se quanto mais o comércio mundial do produto k tender a se desviar da tendência média registrada para o conjunto de bens. Por último, o índice de Vantagem Comparativa Revelada de Lafay é um indicador que, quando tem sinal positivo, significa que o país analisado possui vantagem comparativa, e que, quando o mesmo apresenta o seu sinal negativo, este não possui vantagem comparativa Taxa de Cobertura (TC) A taxa de cobertura - TC é utilizada para relacionar as exportações com as importações do produto i. É também um indicador usado para obtenção de informações que auxiliam no estudo da competitividade. A taxa de cobertura do produto i é definida como sendo o quociente entre as exportações e as importações do produto i, ou grupo de produtos de um país ou região, e é representada da seguinte maneira: onde: W W n k n TCij = Xi / Mi Xi = Exportações do produto i da região ou país j; Mi = Importações do produto i da região ou país j. Este indicador mostra o quanto as exportações são maiores/menores que as importações do produto i. Quando TCij > 1, diz-se que houve uma vantagem comparativa em termos de cobertura das importações, ou seja, as exportações do produto i são maiores que suas importações. Os produtos que ao mesmo tempo apresentam VCR positiva e TC maior que a unidade constituem os pontos fortes de uma economia. Acontecendo o oposto, isto é, produtos que apresentem simultaneamente desvantagens comparativas reveladas e 11

12 taxa de cobertura inferior à unidade são tidos como pontos fracos de uma economia. Comparando-se os pontos fortes de um país com os fracos dos parceiros comerciais, identificam-se os produtos com maior potencial em termos de comércio (Hidalgo, 2000) Indicador de Desempenho das Exportações (DES) O indicador de desempenho das exportações mostra o desvio entre as exportações do produto i de uma região ou país j, efetivamente realizadas em direção a outra região ou país k, no decorrer do ano t, e o que estas exportações teriam sido se a região ou país tivesse mantido a mesma participação no mercado, registrada no ano t 0 (Silva, 2001). Ele analisa o comportamento do comércio de um produto entre dois países/regiões e pode ser calculado como: it it ito t to DES = X X * M M jk jk ( ) em que: DES = indicador de desempenho da exportações do produto i do país/região j para o it jk país/região k no ano t; X = valor das exportações do produto i no ano t do país/região j para o país/região k; it jk X = valor das exportações do produto i no ano t 0 do país/região j para o país/região k; ito jk M = valor das importações totais do produto i no ano t realizado pelo país região k; t jk M = valor das importações totais do produto i no ano t 0 realizado pelo país região k. to jk O cálculo do indicador de desempenho permite avaliar se o país j perdeu ou ganhou espaço no mercado do parceiro k e contribui para fazer uma análise sobre a evolução no comércio mundial para o produto i. Se o resultado do indicador for positivo, significa que o país/região aumentou sua participação no mercado do país importador em relação ao período inicial no que diz respeito ao produto em análise. Portanto, se houve perda de espaço no mercado DES < 0 e se houve ganho DES > Fonte de Dados Para a análise do desempenho das exportações brasileiras de etanol foram selecionados alguns dos principais produtores/exportadores de etanol de acordo com os dados das Nações Unidas (http://comtrade.un.org) pela classificação 2207 (Álcool Etílico Não-Desnaturado e Álcool Desnaturado) do SH (sistema harmonizado). Mais especificamente, coletou-se dados do Brasil, EUA, China e França. As informações necessárias para determinação dos indicadores utilizados neste trabalho foram de origem secundária e referente ao período de Foram utilizadas as seguintes fontes: World Trade Organization (WTO), United Nations Commodity Trade Statistics Database (UNCOMTRADE) e International Monetary Fund (IMF). Do banco de dados das Nações Unidas (UNCOMTRADE) foram retiradas as séries anuais de exportação/importação de etanol dos países selecionados e as jk jk jk 12

13 exportações/importações mundiais totais de etanol. As séries anuais sobre o comércio mundial total e o comércio total de cada país foram obtidas do World Trade Organization (WTO) e, através do Fundo Monetário Internacional (FMI), foram coletadas séries anuais sobre o Produto Interno Bruto (PIB) dos países envolvidos. Os dados utilizados estão expressos em (US$), da mesma forma que os valores FOB (Free on Board) das exportações e importações. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1 Indicador de Posição Relativa no Mercado (POS) Analisando o caso brasileiro na Tabela 1, nota-se que o indicador de posição foi negativo para os anos de 1994 a 1997, revelando uma participação deficitária no comércio internacional de etanol. Porém, a partir de 1998 o Brasil torna-se um exportador líquido de etanol, com grande destaque após 2004, quando atinge valores superiores a 14% para o índice de posição e se consolida como o maior exportador mundial de etanol. A participação deficitária do Brasil nos primeiros anos da análise, revelada pelos valores negativos do indicador, esteve relacionada principalmente com a abertura comercial do país ocorrida em 1990 e com a implantação do Plano Real em Apesar dos inúmeros resultados positivos deste plano e do câmbio especial para certos setores produtivos nacionais importadores de máquinas e equipamentos, o referido plano também contribuiu para a apreciação do Real até o início de 1999, transformando a balança comercial em deficitária, com as importações muito estimuladas e as exportações desestimuladas. Já os expressivos valores positivos do índice, nos últimos anos da análise, são confirmados pelo grande aumento das exportações brasileiras de etanol a partir de 2004, que chegaram a atingir o patamar de 5 bilhões de litros em 2008, atribuindo ao país uma posição de destaque no comércio mundial do produto. Tabela 1. Índice de Posição Relativa no Mercado Exportador de Etanol, 1994 a

14 Ano Brasil EUA China França ,23 4,02 2,51 5, ,42 6,07 0,50 5, ,91 3,54 0,75 3, ,95 6,51 2,53 4, ,54 1,32 2,09 6, ,57-2,67 0,87 5, ,19-1,79 2,17 5, ,06-1,04 3,23 4, ,02-3,64 1,43 5, ,91-2,81 3,27 5, ,82-5,43 0,90 4, ,70-4,79 1,12 2, ,66-18,57 5,21 1, ,03-7,34 0,66 2, ,23-7,65 0,52 3,76 Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa. Os EUA, no período de 1994 a 1998, apresentaram-se como exportador líquido de etanol. Porem exibiu valores negativos no restante do período, chegando a -18,57% em Essa participação deficitária pode ser explicada pelo crescimento da demanda além da oferta doméstica norte americana do biocombustível, principalmente nos últimos anos, devido às preocupações ambientais e visando a diminuição da dependência do petróleo. Já China e França tiveram valores positivos durante todo o período analisado, estando a China num patamar inferior, com valores, em média, menores que os da França em termos de participação superavitária no mercado mundial de etanol. O valor médio das exportações anuais francesas foi três vezes maior que o da China (US$ ,07 da França contra US$ ,59 da China) e o valor médio das importações da França foi R$ ,47, enquanto o da China foi R$ , Índice de Vantagem Comparativa Revelada de Balassa O indicador de vantagem comparativa revelada (VCR) é uma medida revelada, uma vez que seu cálculo é realizado através de dados observados do comércio. Este índice demonstra se o país, neste caso Brasil, possui vantagem comparativa na exportação de etanol, confrontando sua participação na pauta exportadora do agronegócio nacional e mundial. Quando este indicador é maior do que um, o país é competitivo na exportação do produto ou possui vantagem comparativa em função de apresentar um desempenho superior à média mundial. Quando o resultado obtido é menor do que um, diz-se que o país possui desvantagem comparativa na exportação do produto ou não é competitivo. Os dados da Tabela 2 mostram o grande destaque do Brasil na exportação de etanol, onde os índices em todo o período analisado foram maiores que a unidade e bem expressivos. Isso demonstra que o país possui vantagens comparativas reveladas na produção de etanol, permanente inserção no comércio internacional deste produto e maior 14

15 competitividade relativa na estrutura de produção. Entre 1994 e 2001, o índice apresentou uma média de 6,85, valor superior ao máximo atingido por qualquer dos outros países analisados. No restante do período estudado, , o indicador passou a ter grandes aumentos, atingindo o valor máximo de 34,11 em 2006, confirmando a grande vantagem comparativa do Brasil na exportação de etanol. Observa-se que os índices de VCR de Balassa da França, a exemplo do Brasil, foram maiores que a unidade em todos os anos da análise, porém em menor magnitude que os brasileiros. Com o indicador francês variando entre 2 e 3,5, observa-se certa constância da vantagem comparativa e da participação francesa no mercado internacional do biocombustível, considerando o ano de 2006 uma exceção, onde a França apresentou maior queda na sua competitividade e o indicador atingiu o valor de 1,5. Já EUA e China possuem índices tanto com valores menores que um quanto valores maiores que um, sugerindo uma desvantagem comparativa na exportação do etanol nos anos em que o índice atinge valores abaixo da unidade. Apesar de serem dois grandes produtores mundiais de etanol, estes países tem dado prioridade ao atendimento do crescente mercado interno em detrimento do mercado exportador. Tabela 2. Índice de VCR de Balassa no mercado exportador de etanol, Ano Brasil EUA China França ,34 2,08 2,05 3, ,49 2,56 0,48 3, ,06 1,51 0,56 2, ,32 1,93 1,63 2, ,77 1,34 1,28 2, ,95 1,03 0,62 3, ,51 1,31 1,22 3, ,41 1,25 1,56 2, ,95 0,97 0,63 3, ,54 1,14 1,17 2, ,95 0,81 0,31 2, ,93 0,67 0,36 2, ,11 0,31 1,37 1, ,95 1,11 0,17 2, ,47 0,80 0,12 2,67 Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa. 4.3 Índice de Vantagem Comparativa Revelada de Lafay (VCR) Ao analisar os resultados obtidos para o indicador de Vantagem Comparativa Revelada, de Lafay, verifica-se que alguns deles foram muito semelhantes àqueles 15

16 observados através do indicador de Balassa. Contudo, outros foram bem diferentes, como no caso do Brasil, que, através do indicador de Lafay, apresentou resultados negativos para os anos de 1994 a 1997, caracterizando um período de desvantagem comparativa no setor e, desta forma, em oposição aos resultados obtidos, para esse período, pelo indicador de Balassa. Porém, o indicador exibiu valores positivos e crescentes de 1998 a 2008, assemelhando-se com os resultados do indicador de Balassa. A China, apesar de possuir desvantagem comparativa na exportação de etanol em alguns anos pelo índice de Balassa, não obteve valores negativos pelo indicador de Lafay, mostrando uma vantagem comparativa durante todo o período analisado. Contudo, estes valores foram bastante baixos, sugerindo uma tímida competitividade nas exportações chinesas em anos como 2001, 2003 e Tabela 3. Índice de VCR de Lafay no mercado exportador de etanol, Ano Brasil EUA China França ,60 0,02 0,10 0, ,43 0,03 0,02 0, ,21 0,02 0,02 0, ,15 0,03 0,07 0, ,06 0,01 0,05 0, ,20 0,00 0,02 0, ,07 0,01 0,06 0, ,13 0,01 0,08 0, ,45 0,00 0,03 0, ,36 0,00 0,08 0, ,92-0,01 0,02 0, ,81-0,01 0,03 0, ,93-0,06 0,12 0, ,81-0,02 0,01 0, ,03-0,03 0,01 0,13 Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa. No caso francês, há uma grande similaridade na análise dos resultados pelo índice de Balassa e Lafay, onde pelo indicador de Lafay a França apresentou resultados positivos durante todo o período analisado e revelou também uma pequena variação no índice entre os anos da amostra, o que confirma a constância da competitividade e da participação francesa, embora em um patamar bem inferior ao brasileiro no mercado mundial de etanol. 16

17 Os EUA, de acordo com a Tabela 3, tiveram nos quatro primeiros anos da análise uma tímida vantagem comparativa no setor. Já no restante, este país praticamente não teve vantagem comparativa ou acabou apresentando desvantagem, como nos anos de 2004 a 2008, onde o indicador exibiu valores negativos. E, como no caso da França, os resultados dos indicadores de Balassa e Lafay para os EUA demonstraram certa similaridade. 4.4 Taxa de Cobertura (TC) Observando os resultados para China e França, nota-se que estes países tiveram, em todo o período analisado, vantagem comparativa em termos de cobertura. Isso significa que as exportações superaram as importações. Os dois países também tiveram o VCR de Lafay positivo em todos os anos, podendo-se inferir que estas economias apresentam-se como potenciais centros produtores e exportadores de etanol. Tabela 4. Índice da Taxa de Cobertura dos principais componentes do mercado exportador de etanol, Ano Brasil EUA China França ,22 1,57 51,03 2, ,22 1,94 6,35 3, ,28 1,68 22,68 2, ,29 2,29 45,92 2, ,80 1,19 34,26 3, ,54 0,68 10,02 2, ,92 0,81 55,20 4, ,16 0,87 121,39 3, ,99 0,57 19,37 3, ,84 0,66 41,34 3, ,38 0,39 11,29 3, ,30 0,38 7,32 2, ,30 0,06 79,61 1, ,45 0,37 24,09 2, ,65 0,30 39,51 3,64 Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa. Já Brasil e EUA tiveram resultados opostos ao longo dos anos da análise, tanto para a taxa de cobertura quanto para o índice de VCR de Lafay. Enquanto a exportação brasileira de etanol foi insignificante nos anos , devido ao VCR negativo e a TC<1, para os EUA ocorreu o contrário e nestes anos o setor de etanol mostrou-se como 17

18 ponto forte na economia norte americana. Já no restante do período analisado, de 1999 a 2008, as exportações dos EUA tornaram-se inexpressivas, devido a TC<1 e a falta de vantagem comparativa revelada no setor, enquanto as exportações brasileiras foram significantes, com resultados positivos para os dois índices neste mesmo período. Ou seja, os EUA tem-se caracterizado como potencial consumidor de etanol, podendo ser atendido, principalmente, por países com uma alta taxa de cobertura das exportações de etanol, como é o caso do Brasil. 5. Indicador de Desempenho das Exportações (DES) O indicador de desempenho, conforme descrito anteriormente, expressa a diferença entre as exportações em valor de um produto i, de um país/região j, em direção à um país/região k, no ano t, e o que elas teriam sido se o país tivesse mantido a parte de mercado que possuía no ano de referência. Neste trabalho, o ano de 1994 foi utilizado como referência para os demais, sendo calculados os indicadores dos principais países exportadores de etanol, nos anos seguintes a este até 2008, como mostrado na tabela a seguir. Tabela 5. Índice de Desempenho no mercado exportador de etanol, Ano Brasil EUA China França , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,27 Fonte: Elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa. Conforme mostra a Tabela 5, a evolução do desempenho das exportações de etanol do Brasil entre 1995 e 2000, com exceção de 1999, foi negativa quanto ao mercado mundial, relativamente a Já nos anos entre 2001 e 2008, o país ganhou participação expressiva nas exportações. Tal fato pode ser explicado pelo grande aumento da demanda mundial por etanol, nos últimos anos, que foi impulsionada, principalmente, pelos recentes tratados ambientais e visando a diminuição da dependência do petróleo, sendo o Brasil um 18

19 dos únicos produtores superavitários de etanol capaz de atender essa demanda. Daí a explicação para a explosão nas exportações brasileiras de etanol, principalmente, após EUA, China e França mantiveram um desempenho negativo em termos das exportações mundiais em quase todos os anos do período, o que sugere não estarem voltados à exportação de etanol, mas sim a atender o crescente mercado interno, impulsionados, principalmente, pela validação das metas do Protocolo de Quioto, a partir de Os resultados obtidos confirmam a dificuldade do setor sucroalcooleiro do Brasil com a concorrência internacional no período do Plano Real e a superação do setor alcooleiro através do posterior ganho de competitividade e do dinamismo das exportações brasileiras de etanol no mercado internacional, retratados por Lírio et al( 2006) e Venâncio (2008). O investimento do Brasil em tecnologias para obtenção de etanol a partir da cana de açúcar, além das condições de mão de obra barata e abundante, clima, solo, entre outros fatores, proporcionam um baixo custo de produção e garantem uma alta competitividade para o produto no mercado internacional. 5. CONCLUSÕES Nos últimos anos, a crescente preocupação internacional com a diminuição da emissão de gases poluentes tem elevado o interesse de diversos países por fontes renováveis de energia, como o etanol. Neste contexto, esse trabalho investiga a participação do Brasil e de seus concorrentes no mercado exportador de etanol. De modo geral, observa-se um comportamento negativo das exportações brasileiras, no período de 1994 a 1997, de acordo com todos os indicadores analisados, evidenciando que a valorização cambial após a implementação do Plano Real resultou na redução das exportações e aumento das importações de etanol do país. Ou seja, com a valorização da sua moeda, o Brasil passou a ter desvantagens comparativas às dos demais exportadores de etanol, por ofertar etanol no mercado internacional a um maior preço relativo. Os resultados também mostraram que após 1999 as exportações de etanol dos EUA tornam-se inexpresssivas, comprovadas pela taxa de cobertura menor e pela falta de vantagem comparativa revelada no setor. Por outro lado, as exportações brasileiras de etanol obtiveram resultados positivos, de acordo com os dois índices mencionados, neste mesmo período. Ou seja, os EUA tem-se caracterizado como potencial consumidor de etanol, com seu mercado podendo ser atendido, principalmente, por países com uma alta taxa de cobertura das exportações de etanol, como é o caso do Brasil. 19

20 Os números brasileiros mais expressivos surgem a partir de 2002, quando todos os indicadores propostos apresentam-se crescentes e consequentemente favoráveis à competitividade do Brasil no mercado internacional de etanol. Vale destacar a superioridade dos valores, a partir de 2002, dos índices brasileiros, quando comparados com os dos EUA, França e China. Os paises competidores do Brasil no mercado exportador de etanol não possuem a vantagem comparativa brasileira, estando focados no atendimento a crescente demanda doméstica de etanol. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, J.M. ; Competitividade e tendência da produção de manga para a exportação do nordeste do Brasil. 147 f. Tese Doutorado em Economia Aplicada Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP, ANP, Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Informação disponível em: <www.anp.gov.br> Acesso em Dezembro/2009. BAFF, Bioalcohol Fuel Foundation. Texto: Bought ethanol cars. Informação disponível em: <www.baff.info/english Acesso em Nov/2009>. BALASSA, B.; Comparative advantage, trade policy and ecomomic development. New York: New York University, BNDES, Banco Nacional De Desenvolvimento Econômico E Social. Departamento de Estratégias de Desenvolvimento. Competitividade: conceituação e fatores determinantes. Rio de Janeiro 1991, 26p. CAVALIERO, C.K.N.; GODOY, G.A.R.; SILVA, E.P.; Artigo: Geração de Excedente de Etanol para Exportação a Partir do Processo de Reforma para Produção de Hidrogênio para Uso Automotivo. Campinas, SP, CHUDNOVSKY, D.; La Competitividad Internacional: Principales Questiones Conceptuales y Metodologicas; CEIPOS/Montevideo; mimeo, EPA, Environmental Protection Agency of United States. Informação disponível em: <www.epa.gov> Acesso em: Dezembro/2009. FAJNBYLBER, L.; Competitividad Internacional: Evolucion y Lecciones; Revista de La Cepal; n36; Santiago, HAGUENAUER, L.; Competitividade: conceitos e medidas; TD IEI/UFRJ; n211; RJ,

21 HIDALGO, A. B.; Exportações do Nordeste do Brasil: crescimento e mudança na estrutura. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 31, n. especial, p , nov KROH, E.; Artigo: FFVs Flourish in Sweden. Disponível em: Acesso em Nov/2009 KRUGMAN, P.R.; OBSTFELD, M.; Economia Internacional: Teoria e Política. São Paulo: Markvor Books, LAFAY, G. et. al.; Nations et mondialisation. Paris: Economica, p LIRIO, V.S.; VENÂNCIO, M.M.; FELIPE, E.A.; Evolução da Participação Brasileira no Mercado Sucroalcooleiro Internacional. In: SOBER, 2006, Fortaleza. OLIVEIRA, R.C.; Artigo: Competitividade definição e problemas de mensuração; Economia Net (www.economiabr.net), PEREIRA, H. O veículo flexível e os novos mercados para o setor sucroalcooleiro. In: Seminário - Os desafios do álcool combustível. São Paulo: Jornal Valor Econômico, Disponível em: PETROBRAS.; Oportunidades de Negócio para a PETROBRAS no Mercado Externo de Álcool. In: Draft version of a report developed by Petróleo Brasileiro SA. Rio de Janeiro, PIACENTE, E.A.; Perspectivas do Brasil no mercado internacional de etanol. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Mecânica. Campinas, SP: [s.n.], REVISTA AGROANALYSIS.; Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Maio de SCA ETANOL do BRASIL.; Artigo: Etanol - benefícios, riscos e desafios. Disponível em: <www.scalcool.com.br/portugues/noticias.asp> Acesso em 06/11/2009. SILVA, L.A.G.; Dissertação (mestrado) A competitividade do açúcar brasileiro no mercado mundial no período de Viçosa: UFV, SILVA, V. et al.; Indicadores de competitividade internacional dos produtos agrícolas e agroindustriais brasileiros Agricultura em São Paulo, UNICA, União da Indústria de Cana-de-Açúcar. Disponível em: <http://www.portalunica.com.br/portalunica>. Acesso em

22 VENÂNCIO, M.M.; Análise da dinâmica e do desempenho da indústria sucroalcooleira nacional. Dissertação de Mestrado em Economia Aplicada UFV Viçosa, MG,

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities

Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Correlação entre Termos de Troca e Preços Internacionais de Commodities Os termos de troca no comércio exterior são definidos pela relação entre os preços das exportações de um país e os das suas importações.

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Econômicas Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 14/maio/2015 n. 445 EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Dando continuidade á análise dos dados de exportação de abril, disponibilizados

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Pontos Principais Teorias e políticas de crescimento tradicionais enfatizaram o

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS CLASSIFICAÇÃO JEL: F12 Fernanda De Negri RESUMO Este artigo analisa a relação entre os padrões tecnológicos e o desempenho externo das

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 São Paulo, 24/02/2010 Mudanças Climáticas: redução de emissões de GEE pelo setor sucro-alcooleiro Isaias C. Macedo NIPE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar

INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar INFOSUCRO Perspectivas do Mercado de Etanol e Açúcar Marcello Cuoco Rio de Janeiro, 28/11/11 AGENDA Overview dos mercados de Energia e Açúcar Perspectivas do mercado de Etanol ETH AGENDA Overview dos mercados

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

(Ver Visão do Desenvolvimento

(Ver Visão do Desenvolvimento Visão do Desenvolvimento nº 86 20 set 2010 Atuação dos bancos públicos faz Nordeste liderar aumento do crédito no Brasil Por Adriana Inhudes, Gilberto Borça Jr. e Pedro Quaresma Economistas da APE Ciclo

Leia mais

PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL

PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL PROJETO ESTRATÉGICO DO GÁS NATURAL POTENCIAL ECONÔMICO DO GÁS NATURAL NO BRASIL COM BASE NA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL Outubro de 2012 Objetivos O estudo da FIPE analisou os impactos sobre a economia brasileira

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO

MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO MELHORIA DA QUALIDADE DO AUTOMÓVEL BRASILEIRO JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional,

Leia mais

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade

Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Fusões e Aquisições no Setor Sucroalcooleiro e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde J. de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 A indústria sucroalcooleira brasileira passa por um intenso processo de fusões

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima

Estrutura Produtiva BOLETIM. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi Rafael Lima O presente boletim trata da evolução da estrutura produtiva de regiões selecionadas, entre 2002 e 2014, a partir dos dados de empregos formais da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais