Relatório Relatório de da Caritas África - Página 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório 2011-2015. Relatório de 2011-2015 da Caritas África - Página 1"

Transcrição

1 Relatório Relatório de da Caritas África - Página 1

2 Índice analítico Page Introdução... 3 De uma Conferência Regional para a próxima.. 4 O Quadro Estratégico e Plano de Acção da Caritas África 5 Reforçar a identidade da Caritas.. 6 Prontidão e resposta à emergências.. 9 Erradicar a pobreza extrema. 12 Transformar sistemas inadequados.. 16 Relatórios Financeiros 19 Conclusão.. 24 Apêndice I: Questionário: Membros Informação - Ano Apêndice II: Relatórios do Auditor Externo. 29 Hadj al-derib, uma aldeia na região do Sahel do Chade. Durante muitos meses, durante grave seca do ano 2012, os habitantes tiveram de se alimentar com plantas silvestres. Todas as 120 mulheres da aldeia são membros de um comité, que cuida do cultivo de várias culturas, bem como do celeiro e do moinho. Cada comissão tem um presidente, um vice-presidente e um secretário. No Chade, a Caritas está focalizando nas necessidades alimentares das populações vulneráveis através da distribuição de alimentos, bem como actividades para criar a sustentabilidade da agricultura, através do fornecimento de sementes, insumos veterinários e apoio técnico na produção agrícola. (Crédito da foto: Lisa Krebs / Caritas Suíça 2012.) Relatório de da Caritas África - Página 2

3 Introdução Os delegados presentes na sétima Conferência Regional da Caritas África, de 19 a 21 de maio de 2011 em Roma, disseram na sua mensagem final: "Fomos capazes de nos concentrar no Quadro Estratégico da Caritas Internationalis e na Proposição n 17 do Sínodo dos Bispos para a África, assim como sobre a experiência e os desafios expressos pelas nossas organizações membros. Isso nos permitiu formular diretrizes e recomendações para o desenvolvimento de um plano de acção para contribuir à enfrentar os desafios da erradicação da pobreza, em cooperação com a nossa Confederação que é chamada a actuar como uma única família, consciente da sua identidade e missão como um instrumento sócio-pastoral ". A Comissão Regional da Caritas África, eleita no decurso da Conferência Regional em Maio de 2011, recebeu o mandato de elaborar o Quadro Estra-tégico do Plano Operacional da Caritas África baseado nos guiões e recomendações acima mencionados. Delegates attending the seventh Caritas Africa Regional Conference - Rome, May Os objectivos estratégicos foram identificados a fim de promover uma abordagem coordenada que vai ajudar a promover a reconciliação, a justiça, a paz e prosperidade, abordando a questão da pobreza extrema em África e a criar melhores condições humanas para todos. Estes objectivos estratégicos reflectem a necessidade urgente de reforçar a identidade da Caritas para construir estruturas sócio-pastorais mais eficazes, colaborativas e sustentáveis e serviços dentro da Igreja. Este relatório dá um relato da implimentação pela Comissão Regional da Caritas África do Quadro Estratégico e do Plano Operacional O relatório abrange não só as realizações e os progressos realizados durante o período, mas também refere-se a dificuldades encontradas, os constrangimentos enfrentados e as possíveis formas de melhorar os ganhos e os resultados no futuro. O relatório termina com os resultados financeiros do período de execução dos 4 anos. Caritas África é uma das sete regiões da Caritas Internationalis. Ela reúne 46 membros Nacionais da Caritas de países ao sul do Sahara e as ilhas do continente Africano no Atlântico e Índico. Seis zonas ACEAC ACERAC AMECEA CEDOI-M IMBISA RECOWA-CERAO Jacques Dinan Secretário Executivo Caritas África Relatório de da Caritas África - Página 3

4 De uma Conferência Regional para a próxima... Para implementar de forma sistemática o Quadro Estratégico e Plano Operacional da Caritas África e acompanhar o progresso da implementação, a Comissão Regional da Caritas África elaborou em todos os anos um roteiro de actividades prioritárias, bem como o orçamento necessário. No final de cada ano, o Secretário Executivo apresentou um relatório aos membros da Comissão Regional que avaliaram os progressos realizados na implementação de cada actividade. Na elaboração dos roteiros, houve o cuidado de ser o mais concreto e objetivo possível. A Comissão Regional focalizou nas actividades fáceis de realizar e que ajudarão a alcançar os vários objectivos estabelecidos. Os roteiros provaram ser ferramentas muito úteis e contribuiram largamente para a execução satisfatória do Quadro Estratégico e do Plano Operacional da Caritas África. No início do ano 2015, foi enviado um questionário à todos os membros da região da Cáritas África (ver anexo 1) para colectar informações relevantes, que foram amplamente utilizadas para a elaboração deste relatório. 7 Conferência Regional da Caritas Africa As orientações e recomendações para o desenvolvimento do plano de acção Comissão Regional da Caritas África Quadro Estratégico e Plano de Acção da Caritas África Desenvolvimento de Quadro Estratégico e Plano de Acção Fim-de-ano Avaliação 2012 Roteiro e orçamento 2013 Fim-de-ano Avaliação 2013 Roteiro e orçamento Implementação de Quadro Estratégico e Plano de Acção de Roteiro e orçamento 2014 Fim-de-ano Avaliação 8 Conferência Regional da Caritas Africa Maio 2011 Set. Out Fev Dez. Fev Dez Fev Dez Maio 2015 Relatório de da Caritas África - Página 4

5 O Quadro Estratégico e Plano de Acção da Caritas África Este foi elaborado pela Comissão Regional da Caritas África com base nas orientações e recomendações dos delegados que participaram da sétima Conferência Regional da Caritas África em Maio Objetivo geral: A Caritas em África, uma parte integrante da Igreja, promovendo a reconciliação, justiça, paz e prosperidade Objetivo Estratégico 1 Fortalecer a identidade da Caritas para construir estruturas socio pastorais dentro da Igreja mais eficazes, colaborativas e sustentáveis Visão A visão da Caritas África é ter a vida em abundância (João 10:10). Objetivo Estratégico 4 Objetivo Estratégico 2 Transformar os sistemas e estruturas inadequadas e injustas Reduzir o risco e o impacto das crises humanitárias em África, em solidariedade e compaixão com as comunidades afectadas Objetivo Estratégico 3 Missão A missão da Caritas África é dar testemunho do Amor de Deus (Atos 1: 8), trabalhando para o desenvolvimento integral do ser humano, tendo atenção prioritária para os pobres e os mais necessitados. Erradicar a pobreza extrema e apoiar os serviços sociais Relatório de da Caritas África - Página 5

6 Reforçar a identidade da Caritas Oprimeiro objectivo estratégico era "Reforçar a identidade da Caritas para construir estruturas soócio pastorais mais eficazes, colaborativas e sustentáveis no seio da Igreja em África." Quatro resultados foram identificados e alcançados, em parte, pelo menos com algum sucesso, durante o período dos quatro anos. Resultado esperado 1: Aumentada a sensibilidade e apoio de líderes da Igreja, dos funcionários da Caritas, parceiros e comunidades locais sobre a espiritualidade / teologia da Caritas e da Doutrina Social Católica A reunião dos Bispos em Kinshasa, de três dias, em Novembro de 2012, sobre o tema "Identidade e missão da Caritas à luz da encíclica Deus Caritas Est", contribuiu muito para aprofundar com os Bispos sobre o ensino actual da Igreja no exercício da caridade. Na sua mensagem final, hoje conhecida como a "Declaração de Kinshasa", eles expressaram claramente o seu compromisso nos seguintes termos: "Estamos mais do que nunca conscientes de que a prática da caridade é uma dimensão constitutiva da evangelização e da necessidade de nos convertermos e de converter toda a comunidade eclesial a estarem ao serviço dos pobres." Eles também recomendaram a formação dos sacerdotes, seminaristas e funcionários da Caritas. Com a finalidade de avaliar os progressos realizados na sequência da reunião de Kinshasa, um questionário sobre a implementação da Declaração de Kinshasa foi enviado aos membros da Cáritas da região África, bem como ao parceiros da Caritas que trabalham em África. Daqui em diante é um resumo das suas respostas. Relatório de da Caritas África - Página 6

7 Reforçar a identidade da Caritas (Contínuo) ) Resultado esperado 2: A Caritas África é plenamente reconhecida pelo SECAM e pelas Conferências Episcopais e está desempenhando um papel na formulação e implementação das políticas e orientações de advocacia do SECAM e das Conferências Episcopais Ao participar a 16ª Assembleia Plenária do SECAM em Kinshasa em Julho de 2013, o Presidente da Caritas África, o Bispo Dom Francisco João Silota, falou sobre a necessidade de uma colaboração mais estreita entre a Caritas África e o SECAM. Os Bishops delegados responderam muito positivamente e a Plenária recomendou formalmente a avaliação da integração da Caritas África dentro SECAM. Dando seguimento ás recomendações acima, a Caritas África foi solicitada a submeter, em Fevereiro de 2014, um Memorando ao Comité Permanente do SECAM sobre a posição da Caritas África e sua possível integração no SECAM. O Memorando insistiu no facto de que tal integração serveria para corrigir uma anomalia. O memorando diazia: Os Estatutos da CI referem-se e definem a natureza das Regiões, das quais a Caritas África é uma das sete que actualmente compõem a Confederação Caritas Internationalis, cujos membros, nomeadamente, as Caritas nacionais, são autônomas. Uma das condições necessárias para estabelecer uma região é a aprovação pelas Conferências em causa, que para este caso significa SECAM. Portanto, o procedimento que estamos empreendendo é destinado a trazer-nos na linha e corrigir a anomalia o pue quer dizer que até agora a Caritas África operou e, foi gerida sem qualquer ligação orgânica ao SECAM. O Memorando foi muito bem recebido pela Comissão Permanente do SECAM e a Caritas África foi incombida a tarefa de alterar os seus estatutos em conformidade. As alterações dos estatutos da Caritas África foram apresentadas ao Comité Permanente da SECAM em outubro de 2014 e foram aprovadas por unanimidade. Uma vez aprovados pela 8ª Conferência Regional da Caritas África, estes novos estatutos confirmam a integração da Caritas África dentro das estruturas do SECAM e irá abrir uma nova era para a Caritas África, que será capaz de desempenhar um papel mais activo na definição e implementação das políticas de defesa e orientações do SECAM e Conferências Episcopais em matéria de caridade. Espera-se que as Comissões Caritas e Justiça & Paz também serão capazes de trabalhar muito mais juntas e, assim, implementarem um forte desejo expresso pelos Bispos em Maio de 2010 na sua Declaração de Mumemo: inspirados pela oração de Jesus pela unidade (Jo 17, 31), a Igreja e seus diversos instrumentos pastorais, assim como as Comissões da Caritas e Justiça e Paz, devem fazer o melhor uso possível dos recursos humanos, materiais, financeiros e espirituais de que dispõe. Estes departamentos devem trabalhar de forma colaborativa e não competitiva, como é a natureza da Igreja de ser una. ARTIGO 1 Estatutos (Trechos) Nome, Propósito e Estado Legal 1.1 De acordo com o Artigo 8 dos Estatutos da Caritas Internacionalis (CI) e o Artigo 7.8 e 9 do seu Regulamento Interno, a Região África é constituída sob o nome de Caritas África. 1.2 A Caritas África é regida pelos Estatutos e Regulamentos da Caritas Internacionalis. Em acréscimo, tem os seus próprios estatutos e regulamento interno ratificados pelo Simpósio das Conferencias Episcopais da África e Madagáscar (SECAM) e aprovado pela Caritas Internacionalis e Cor Unum. 1.3 Caritas África é uma das Regiões da Caritas Internacionalis cujo papel é de promover a cooperação e harmonizar o trabalho dos membros da Caritas da Região, em conformidade com as prioridades traçadas pela Assembleia Geral da Caritas Internacionalis. 1.4 Como uma organização regional da Igreja, a Caritas África opera como parte integral do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagáscar (SECAM). 1.5 O Propósito da Caritas África é de assistir a Igreja em África a levar a cabo o seu ministério da pastoral-social de servir, acompanhar e defender os pobres e os marginalizados de acordo com o Evangelho e a doutrina da Igreja Católica. Relatório de da Caritas África - Página 7

8 Reforçar a identidade da Caritas (Contínuo) Resultado esperado 3: Organizações Nacionais da Cáritas, Comissões Justiça e Paz e Instituições Católicas trabalham em estreita colaboração e em sinergia A colaboração entre a Cáritas e a Comissão Justiça e Paz é eficaz em 13 países da África sub-saariana. As áreas de colaboração variam de um país para outro. Dizem respeito, entre outros, os refugiados, paz e reconciliação, a formação em Doutrina Social da Igreja, a defesa, a articulação parlamentar, relações com grupos inter-religiosos, indústrias extractivas e questões de governanção. Em dois países, tanto Caritas assim como a Comissões Justiça e Paz trabalham como uma entidade, mesmo que cada um tenha a sua própria identidade. Quanto à colaboração e sinergia com outras instituições Católicas, esta realiza-se essencialmente em situações de emergência e, muitas vezes, ao nível paroquial. Resultado esperado 4: Aumentada a partilha das boas práticas e apoio mútuo entre as organizações Cáritas na África Embora tenha havido alguns exemplos da tal partilha de boas práticas e apoio mútuo, com resultados positivos, deve-se ressaltar que essa colaboração é ainda muito limitada. As razões são múltiplas: a ausência de um mecanismo para facilitar essas trocas, recursos humanos limitados, a falta de confiança nas suas próprias capacidades, a escassez de fundos para viajar de um país para o outro. No entanto, existe uma nota positiva: muitos e mais membros estão dispostos a compartilhar as suas boas práticas através da revista e-magazine da Caritas África. Assim, muitos artigos podem inspirar outros membros da Cáritas na região e nos outros lugares. Caritas e outras redes da Igreja são o combate Ebola na África (Caritas África e-magazine - setembro 2014 Número 19 - Page 5.) Olhando para o futuro A rede Caritas é generalizada na África sub-saariana e nas ilhas vizinhas, com mais de paróquias e comunidades da Caritas em 46 países. Isto é de facto muito positivo. Infelizmente, muitos grupos da Cáritas aos níveis nacional, diocesano, paroquial e comunitário não obtêm o apoio que realmente merecem das comunidades locais, dos fiéis em particular. Como resultado, os grupos da Cáritas são muitas vezes dependentes do apoio externo. Há uma necessidade urgente de construir-se ainda mais a posse da Caritas pelas comunidades locais a todos os níveis. A mudança de paradigma deve ocorrer para reforçar a mentalidade da Caritas. Relatório de da Caritas África - Página 8

9 Prontidão e resposta à emergências Osegundo objetivo estratégico era de "Reduzir o risco e o impacto das crises humanitárias em África, em solidariedade e compaixão com as comunidades afectadas." Havia três resultados esperados. Os resultados são animadores, mesmo que ainda haja muito por ser feito para atender plenamente o objectivo. Resultado esperado 1: Aumentados os membros da Cáritas trabalhando em África estão a trabalhar coletivamente e em conjunto para a prontidão e resposta às emergências A Equipe de Ajuda Humanitária da Caritas África tem, ao longo dos últimos anos, vindo a promover a criação de fóruns nacionais. Foram desenvolvidas em Maio de 2012 Orientações para ajudarem as organizações Nacionais da Cáritas a criarem Forum Nacional da Caritas nos seus respectivos países. O documento explica que O Fórum Nacional da Caritas é um espaço onde todos os membros da Caritas e outras agências da Igreja, conforme o caso, que trabalham com um determinado país reúnem-se regularmente no país para coordenarem juntos e em conjunto planear o seu trabalho de desenvolvimento e humanitário, e se prepararem para emergências previsíveis, com base na análise partilhada dentro do contexto e das necessidades. A Caritas nacional anima e coordena o Fórum Nacional, com o apoio de um dos membros do fórum, se necessário. O objectivo global de um Fórum Nacional é de aumentar a eficácia e o impacto da Caritas para as pessoas e comunidades mais pobres e marginalizadas através de uma maior coordenação e colaboração, planeamento e implementação conjunta de desenvolvimento, defesa e programas humanitários, e melhor prontidão às emergências. Existem atualmente Foruns Nacionais da Caritas, em 22 países da região da África. A frequência destas reuniões varia muito de um país para outro. Eles são mantidos em intervalos mensais em alguns países, muitas vezes, a cada trimestre, por vezes, a cada seis meses e, em um caso, uma vez por ano. É claro que ainda há muito espaço para melhorias. As reuniões devem, idealmente, ter lugar pelo menos uma vez a cada trimestre para permitir uma maior coordenação e colaboração, planeamento e implementação do desenvolvimento, advocacia e programas humanitários e melhor preparação para emergências entre a Caritas local e seus parceiros, aumentando assim a eficácia e o impacto das Caritas para as pessoas e comunidades mais pobres e marginalizados. As reuniões regulares aumentam a confiança, a abertura, a igualdade e a reciprocidade entre os membros, facilita o mapeamento de activos, capacidade, actividades e financiamento, permite a partilha de procedimentos, ferramentas, pessoal, logística e outros recursos, assegura o compromisso para a responsabilização e transparência para as pessoas que servimos, aos doadores e à Confederação em geral. Forum Nacional da Caritas Propósito A Caritas National trabalha num determinado país para contribuir para o ministério sócio-pastoral da Igreja sob as orientações dadas pela Conferência Episcopal e transformados através de um processo de planeamento estratégico num plano operacional. Este plano é implementado pela Caritas nacional, juntamente com os escritórios diocesa-nos da Caritas, com o apoio das Cáritas membros de outros países, quer de forma presencial ou a partir de fora. Outros membros da Cáritas, presentes ou não, geralmente têm suas próprias orientações e planos de acção, de acordo com o seu respectivo mandato. O Forum Nacional da Caritas é um espaço onde todos os membros da Caritas e outras agências da Igreja, conforme o caso, que trabalham num determinado país reúnem-se regularmente no país para coordenar de perto e em conjunto planificar o seu trabalho de desenvolvimento e humanitário, e se prepararem para emergências previsíveis, com base na análise partilhada do contexto e das necessidades. A Caritas nacional anima e coordena o Fórum Nacional, com o apoio de um dos membros do fórum, se necessário. Nesta base, o Fórum Nacional pode preparar a resposta às emergências previsíveis, com base na análise partilhada do contexto e necessidades. Durante os tempos de emergência, o Fórum Nacional vai, inclusive, coordenar a resposta da Confederação no país. Relatório de da Caritas África - Página 9

10 Prontidão e resposta à emergências (Contínuo) Resultado esperado 2: A Caritas África está a facilitar a resposta rápida a situações de emergências em África Os Membros da Cáritas da região África enfrentaram muitas e variadas situações de emergência durante os últimos quatro anos. Muitos países têm enfrentado desastres naturais como inundações, secas, ciclones, erupções vulcânicas e epidemias, bem como situações de emergência provocadas pelo homem devido à conflitos sociais e políticos, conflitos transfronteiriços, armados e ataques terroristas, entre outros. A Caritas África não têm os meios para intervir directamente e facilitar as resposta rápida a situações de emergência em África. O foco da acção da Caritas África é de ajudar a construir a capacidade dos seus membros para que eles estejam numa posição melhor para intervir rapidamente sempre que necessário. Assim, os membros da Cáritas da região do Sahel trabalham em estreita colaboração para antecipar e responder às condições climáticas difíceis prevalecentes no Sahel e agravados pelas mudanças climáticas que estão a afectar o nosso planeta. Por exemplo, esses membros da Cáritas desenvolveram estratégias para pôr um sistemas de alerta rápida que lhes ajudará a antecipar as condições climáticas adversas e, portanto, poderão tomar medidas correctivas sempre que possível. Eles também desenvolveram técnicas para criar a resiliência das populações afectadas. As doenças, em particular a malária, HIV / SIDA, o vírus do Ébola e outros, são causas graves de preocupação em África. Elas resultam em situações de emergência de longa duração bem como de curta duração e até mesmo em situações de emergência quase despercebidas e esquecidas para aqueles que não estão diretamente envolvidos. Mais uma vez, o princípio adotado é o de reforçar a capacidade local. Essa capacitação é um processo muito longo e exige uma grande quantidade de recursos. Os Oficiais Anglófonos e Francófonos responsáveis da Caritas África foram muito activos no apoio aos membros da Cáritas que enfrentaram várias situações de emergência. A experiência mostra que a maneira mais eficaz de fortalecer a capacidade das organizações membros é de acompanhá-las durante períodos relativamente longos. Um apoio típico consiste em ajudar os membros a prepararem os documentos a serem submetidos a CI, a fim de requererem aos Apelos de Emergência ou para relatar sobre a aplicação desses recursos. A Equipe de Apoio Humanitária da Caritas África publicou em Junho de 2014 um livrinho, intitulado "Estratégia de Intervenção Humanitária", que foi distribuído à todos os seus membros. A apresetação deste documento afirma que: "Caritas África tem a intenção de melhorar a sua resposta de emergência, concentrando-se em três momentos importantes, a saber: antes, durante e depois da crise, e vai se esforçar para envolver todos os níveis de trabalho em sinergia e apoiando-se abertamente um ao outro: de forma local, paróquial, diocesano, nacional, zonal, regional e internacional. "Os membros são encorajados a se referirem a este documento, para estudá-lo com cuidado e para garantir a divulgação e compreensão do seu conteúdo à todos os níveis da Caritas dentro de cada país. Pessoas Focais da Resposta à Emergência 30 organizações Nacionais da Cáritas em África nomearam uma Pessoa Focal para a Resposta à Emergência. Devido à escassez de recursos humanos, muitas destas Pessoas Focais de resposta à emergências têm de acumular duas ou mais posições. Planos de Prontidão e Resposta para Emergências 9 organizações Nacionais da Cáritas em África desenvolveram uma Plano de Prontidão e Resposta às Emergências e enquanto sete outros ainda estão em processo de elaboração do plano. Relatório de da Caritas África - Página 10

11 Prontidão e resposta à emergências (Contínuo) Resultado esperado 3: O Fundo de Solidariedade da Caritas África está recebendo contribuições dos membros e está sendo eficaz para ajudar os membros que enfrentam situações de emergência Respondendo à situação de emergência na África Oriental e no Corno de África, no final de 2011, a Caritas África desponibilizou um montante de Euros a partir dos seus próprios fundos para as vítimas da seca e lançou o Fundo de Solidariedade da Caritas África. Ele convidou os membros da Cáritas da região para contribuirem para o Fundo de Solidariedade. Duas doações, totalizando , foram dadas a dois membros da Cáritas na região para ajudá-los a enfrentar as consequências da seca e trazer alívio para as vítimas. A Caritas África publicou e distribuíu um documento de reflexão explicando que o Fundo de Solidariedade foi criado para assegurar o pré-posicionamento de financiamento de respostas rápidas à emergências em África. Esta decisão foi motivada pela necessidade urgente de responder eficazmente à muitas situações de emergência que prevalecem no continente e pela Proposição 17 dos Padres Sinodais, na mensagem final entregue no final da 2ª Assembleia Especial para a África no Sínodo dos Bispos, em Novembro de 2009, que afirma: No que diz respeito a situações de emergência (desastres catastróficos), é imperativo desenvolver relações de solidariedade entre as diferentes dioceses e dentro das próprias Conferências Episcopais. Por este motivo, há uma necessidade urgente de estabelecer um fundo de solidariedade a nível continental através da rede Caritas. A resposta dos membros tem sido bastante lenta: o valor total recebido de foi de Euros, dos quais foram recebidos Euros a partir de um parceiro da Caritas de outra região. O valor total concedido aos membros da Caritas durante o mesmo período, chegou a Euros. Por conseguinte, o fundo está actualmente quase esgotado com apenas Euros disponíveis. Uma dúzia de membros em África têm contribuído para o fundo, muitos deles contribuem a Euros. Muito poucos membros contribuíram por mais de uma vez e até mesmo tem contribuído para emergências específicas, mesmo para outras regiões da Cáritas. Este é um sinal de que a Solidariedade da Caritas África se estende para além da região de África! A principal dificuldade é convencer os membros a contribuir, em antecipação dos desastres e emergências para que a Caritas África possa responder rapidamente. Quando os fundos estão disponíveis, a Caritas África pode rapidamente conceder Euros a um membro logo no início da emergência. A experiência tem mostrado que uma quantidade tão pequena como de Euros pode ser de grande ajuda para um membro durante a primeira semana após um desastre! Olhando para o futuro A região África é propensa a muitas emergências: naturais e humanas. Não será oportuno criar uma Equipa de Intervenção à Emergências da Caritas África que poderia rapidamente viajar para qualquer país da região que precisasse de apoio urgente para salvar vidas e trazer alívio para as vítimas? O Fundo de Solidariedade da Caritas África Contribuições recebidas Subvenções distribuídas Relatório de da Caritas África - Página 11

12 Erradicar a pobreza extrema Oterceiro Objectivo Estratégico era "Erradicar a pobreza extrema e apoiar os serviços sociais." Havia cinco resultados esperados. Estes provaram ser muito desafiadores e, certamente, muito difíceis de os alcançar. Os involvidos têm feito o seu melhor, mas ainda há muito mais a ser realizado. Resultado esperado 1: Aumentado o número de membros das Cáritas Nacionais participando activamente com as autoridades no desenvolvimento e implementação de estratégias de combate à pobreza As actividades da Caritas, ao nível nacional, na maioria dos países da região são bastante conhecidas e contribuem positivamente para a imagem da Caritas, bem como da Igreja no que diz respeito à sua contribuição para a luta contra a pobreza. A principal área de colaboração entre a Caritas e as autoridades governamentais Nacional e Local na região África é da prontidão e resposta a emergências. Quando há um desastre natural ou um conflito resultante da acção humana, provocando a rápida degradação da situação social num país, a Caritas à todos os níveis, obviamente, participa do esforço nacional para trazer alívio para os membros mais vulneráveis da sociedade. Cerca de 30 membros da Cáritas em África trabalham em estreita colaboração com os governos no que diz respeito à protidão e resposta aos desastres. No entanto, apenas 16 organizações Nacionais da Cáritas da região África do relatam estar a trabalhar em estreita relação com os governos em outras áreas que não sejam de emergências, a fim de desenvolver estratégias de combate à pobreza. A contribuição da Caritas no desenvolvimento de estratégias pró-pobres varia de um país para outro. As áreas de colaboração incluem educação, saúde, emprego, salários mínimos, criação de resiliência, segurança alimentar, desenvolvimento de políticas nacionais a favor dos pobres, o alívio para deslocados internos e refugiados, o apoio aos pequenos agricultores, a criação de quadros legais que se preocupam com o mais vulneráveis, bem como, acompanhamento da execução orçamental e responsabilidade social, formação de jovens, programas de habitação para os pobres, entre outros. Caritas Africa e-magazine - Dezembro 2014 Número 20 - Página funcionários e voluntários trabalham para os membros da Caritas África. Eles atigem mais de 45 milhões de beneficiários. RD Congo: Cáritas Congo Asbl supervisiona a construção de 64 escolas para melhorar a qualidade da educação. (e-magazine de Caritas África - Dezembro Número 20 - Página 32) Relatório de da Caritas África - Página 12

13 Erradicar a pobreza extrema (Contínuo) Resultado esperado 2: Aumentados os membros da Cáritas que desenvolveram habilidades na mobilização de recurso Esta é certamente uma área onde o progresso tem sido muito lento. Menos de metade dos membros da região África são capazes de garantir os recursos financeiros adequados a nível local e internacional. Localmente, estes membros da Cáritas desenvolveram imagens muito fortes, que os ajudaram a criar a confiança e confidência. Eles são reconhecidos como actores chave em trazer alívio para os pobres e aos mais vulneráveis. Como resultado, eles se beneficiam do apoio de muitas partes interessadas, incluindo fiéis, autoridades locais e nacionais, setor privado, organizações não governamentais, parceiros da Caritas de outras regiões e instituições internacionais. Estes membros da Cáritas são auto-sustentáveis e contribuem de forma muito eficaz para o trabalho socio-pastoral da Igreja nos seus respectivos países. Infelizmente, os outros membros da Cáritas da região tendem a confiar demais em financiamento externo e esse tipo de financiamento é cada vez mais difícil de garantir. Tendo insuficiência de recursos financeiros, estas Caritas têm muitas difículdades em empregar pessoal adequado. Além disso, apenas um número limitado de membros da Cáritas conseguem ter a colaboração de voluntários. Eles acabam sendo insustentáveis! Luta contra a malária: distribuição de redes mosquiteiras tratadas com insecticida pela Caritas Burundi. As estratégias desenvolvidas por esses membros que se tornaram auto-sustentáveis devem ser estudadas, a fim de ser replicadas. As lições aprendidas podem ser partilhadas com outros membros da Cáritas e convidados a desenvolver uma estratégia que irá ajudá-los a mobilizar os recursos que estão disponíveis, primeiro localmente, mas também a nível internacional. A Caritas África provavelmente teria de acompanhar o processo, a longo prazo uma vez que é tão necessária para garantir a sustentabilidade dos membros da Cáritas da região África. Resultado esperado 3: Aumento dos membros da Cáritas que têm desenvolvido programas de qualidade para tratar doenças pandêmicas e endémicas Atividades de saúde, incluindo a luta contra o HIV / AIDS, malária, tuberculose e, mais recentemente, a epidemia do vírus do Ebola, são responsáveis por cerca de 17% de todas as actividades dos membros da Cáritas da região África. Vários membros estão agora a trabalhar em estreita colaboração com as instituições internacionais para sensibilizar as populações, organizar programas de sensibilização e de formação, distribuir medicamentos adequados e redes mosquiteiras tratadas com insecticida. Estes membros da Cáritas têm desenvolvido uma série de conhecimentos no sector da saúde e estão na vanguarda da luta contra muitas doenças pandêmicas e endêmicas em África. Caritas Sierra Leoa protegendo-se contra o vírus do Ebola. Relatório de da Caritas África - Página 13

14 Erradicar a pobreza extrema (Contínuo) Resultado esperado 4: Membros da Cáritas em África estão melhor equipados no que diz respeito às questões relativas à segurança alimentar e mudanças climáticas e desenvolveram programas correspondentes A segurança alimentar é uma questão importante para muitas organizações da Cáritas em África. Na sequência de um inquérito realizado no final de 2014, estabeleceu-se que as actividades relacionadas com a segurança alimentar / Agricultura / Nutrição e Meio Ambiente e mudança Climática são responsàveis para mais de 21% de todas as actividades das organizações da Cáritas da região África. Na verdade, isto é em resposta a uma necessidade real, dada a repetição de secas e inundações e outras condições climáticas adversas que afectam as práticas agrícolas em muitas partes de África. Vários membros da Cáritas têm desenvolvido programas para antecipar as condições meteorológicas relacionadas com as alterações climáticas. Sistemas de alerta precoce, portanto, têm sido introduzidos para ajudar os agricultores a maximizar a sua produção, apesar da variação climática. Outros membros da Cáritas introduziram equipamentos modernos, incluindo sistemas de irrigação, bem como novas práticas agrícolas, tais como a agricultura de conservação. Eles treinaram os agricultores na utilização destes novos equipamentos, técnicas e práticas. Os resultados têm sido muito positivos, com aumento de rendimentos resultantes, assim, em mais geração de renda e melhores condições de vida para os agricultores. Líderes de agricultores acssegurando os seus certificados, depois de ter recebido da Caritas Lesotho formação em agricultura de conservação. Muitos membros da Cáritas também têm apoiado os agricultores, proporcionando-lhes instalações para armazenar seus produtos, como arroz, milho e cereais diversos e também a treinando-os em práticas de negócios. Assim, a produção de alimentos aumentou para o benefício de todos e eles podem ganhar a vida. Junto com suas famílias, eles podem viver de uma forma mais digna. Importância relativa das várias áreas de intervenção Segurança alimentar / Agricultura / Nutrição HIV AIDS / Saúde Mulheres Desenvolvimento / Rural Projetos de micro / Actividades Geradoras de Rendimento Redução do Risco de Desastres e Emergências Melhoria Modos de Vida Educação / Alfabetização Orphan Socorros / Proteção à Criança e Direitos / Crianças de Rua Segurança Água / Saneamento Advocacia Ambiente e Alterações climáticas Apoio para os Refugiados / Migração / Tráfico de Seres Humanos Formação Profissional Governança e Democracia A segurança alimentar / Agricultura / Nutrição conta com cerca de 18% e Meio Ambiente e Mudanças climáticas com cerca de 3% das actividades dos membros da Cáritas da região África. Trabalhando com comunidades rurais no combate à insegurança alimentar. (Caritas Africa e-magazine - Julho Número 10 - Página 13.) Relatório de da Caritas África - Página 14

15 Erradicar a pobreza extrema (Contínuo) Resultado esperado 5: Membros da Cáritas em África estão envolvidos em programas que abordam as causas e os efeitos da rápida urbanização, como o desemprego entre os jovens, as crianças nas ruas, idosos, etc. O desemprego juvenil é uma causa crescente de pobreza nas cidades com o rápido ingresso de jovens, homens e mulheres que acreditam que a vida urbana é muito melhor do que a vida rural. Cerca de 10 organizações das Cáritas Africanas estão a abordar este grave problema. Antes de tudo, num esforço para diminuir o fluxo de entrada de jovens para as cidades, a Caritas está a apoiar os jovens agricultores por meio de formações, fornecimento de sementes, disponibilidade de equipamentos modernos, ferramentas de negócios, meios de transporte, entre outros. Manter os jovens em áreas rurais é certamente um desafio muito grande, dada a atração aparente de áreas urbanas. Isto é muitas vezes porque aqueles que se mudaram para à cidade tentam levar os seus amigos e parentes para se juntarem a eles e muitas vezes não lhes dizem a verdade sobre suas dificuldades em encontrar emprego na cidade. Portanto, a Caritas também apoia a juventude urbana, que muitas vezes vive em condições deploráveis. Muitos desses homens e mulheres jovens não concluíram os seus estudos do ensino primário, vivem nas ruas e tornam-se muito vulneráveis. A Caritas, em alguns países, oferece formação profissional para estes jovens urbanos não qualificados, com o objetivo de desenvolver a sua possibilidade de encontrar emprego. A Caritas se preocupa em criar um ambiente favorável e de aprendizagem, bem como a educação para a vida para a juventude e outros membros da família, a fim de melhorar o status social e econômico de homens e mulheres jovens marginalizados em zonas rurais como nas áreas urbanas. Olhando para o futuro O trabalho realizado pela Caritas em Africa para erradicar a pobreza e apoiar os serviços sociais é bastante variado e extenso. No entanto, é difícil ter uma visão de conjunto completa do trabalho da Caritas. É imperativo documentar os esforços feitos pela Caritas em cada país e compartilhar as informações, não só internamente, mas também com as partes interessadas, incluindo a hierarquia da Igreja, os fiéis, autoridades governamentais, gestores do sector privado, instituições locais e internacionais, organismos e público em geral. Esse documento será um instrumento útil de advocacia e também será mais inspirador para outras organizações da Cáritas em África e em outros lugares. A maior dificuldade será, evidentemente, a escassez de recursos humanos para implementar tal atividade. Caritas Abomey - Benin: a inserção profissional de homens e mulheres jovens (e-magazine - Caritas África - Setembro 201 Número 19 - Página 25) Relatório de da Caritas África - Página 15

16 Transformar sistemas inadequados... Oquarto e último objectivo estratégico era "transformar os sistemas e estruturas inadequadas e injustas." Havia cinco resultados esperados. Estes resultados foram alcançados parcialmente: alguns com muito sucesso, enquanto outros encontraram algumas dificuldades e vai exigir tempo e esforço adicional. Resultado esperado 1: Os Membros da Cáritas em África participam activamente e contribuem para a campanha global coordenada pela CI contra a pobreza a nível nacional e regional. Vinte e cinco membros da Cáritas da região África participaram na Campanha Global "Uma Família Humana: Alimento para Todos" da Caritas Internationalis. As actividades organizadas em 2013 e 2014 pelos diferentes membros da Caritas foram bastante variados. Eles incluíram a participação na onda mundial de oração para lançar a campanha, recolha de alimentos, projeto contra a fome, plantação de árvores, orações, defesa dos direitos humanos, organização de um fórum sobre a segurança alimentar, captação de recursos, produção de tangas com o logotipo da campanha, promoção de campanhas de segurança alimentar, visitas às farmas, publicação de cartas pastorais sobre o tema dos programas de rádio e televisão da campanha sobre a segurança alimentar, sessões de formação de obreiros apostólicos, o plantio de árvore milagrosa Moringa, com o apoio da FAO e do Ministério do Desenvolvimento Rural, e de formação de famílias em técnicas de pequenas cozinha para o jardim e na educação nutricional. Outras actividades foram as seguintes: sensibilização das comunidades sobre os perigos da desnutrição, criação de comités na aldeia para promover boas práticas de saúde, investigação sobre o comportamento, atitude e prática nas comunidades no que diz respeito à desnutrição, publicação de um boletim informativo sobre o tema A Segurança alimentar, sensibilização dos sacerdotes e dos fiéis sobre a segurança alimentar, campanha de mobilização contra Organismos Geneticamente Modificados que param com sucesso a legislação nacional proposta, o direito à campanha de alimentos, apresentando os esforços da Cáritas na promoção da segurança alimentar, sensibilização das comunidades para incentivar acções de solidariedade, como compartilhar alimentos com o próximo que não tem comida, doação de sementes de hortícolas, pás, baldes de água, partilha de informação em jornais e manchetes, programas de formação sobre gestão de riscos e sobre as boas práticas de segurança alimentar, sessões de formação em jardinagem cozinha, coleta de garrafa de plástico contra a distribuição de pacotes de comida. Outros membros optaram pela criação de financiamento de lojas paroquiais de comida para os pobres e desfavorecidos, a sensibilização sobre a segurança alimentar utilizando várias ferramentas de comunicação, incluindo a Internet, calendários e cartões, partilha da mensagem do Papa sobre a segurança alimentar, envio de mensagens dos paroquianos sobre a fome e a necessidade de compartilhar com os necessitados, distribuição de alimentos e alívio para as Pessoas Deslocadas Internamente, a participação de todas as dioceses todas focalizando no tema de um determinado dia, a organização de refeições para pobres e necessitados, sensibilização sobre a importância de partilha, concurso de desenho sobre a segurança alimentar para as crianças, fornecer informações sobre o conceito corrente do valor do agronegócio como uma abordagem para desenvolvimento pró-pobres, promover programas de agricultura sustentável para erradicar a pobreza extrema e a fome para os agricultores apreciavam a agricultura como uma profissão e adquirirem competências práticas e teóricas que lhes permitam gerir a sua terra sustentavelmente e proveitosamente. Lançamento da Campanha Global contra a Pobreza da CI pela Caritas Mauritius em 10 de Dezembro de Relatório de da Caritas África - Página 16

17 Transformar sistemas inadequados (Contínuo) Resultado esperado 2: Aumentados os membros das Cáritas Nacional participando activamente no desenvolvimento, implementação e monitorização da boa governação, programas de combate à corrupção e de sistemas de controle. A má governação constitui um sério obstáculo para a luta contra a pobreza e pelo menos 10 organizações Nacionais da Cáritas em África desenvolveram programas para ajudar a desenvolver, implementar e monitorar a boa governação. Muitas vezes, estes programas são organizados conjuntamente pela Comissões Caritas e Justiça e Paz e abrangem vários domínios, incluindo meios de vida sustentáveis, erradicação da pobreza, mineração, indústrias extractivas, segurança alimentar, agricultura, desenvolvimento econômico, saúde, saneamento, educação, emergências, migração, construção da paz, novas tecnologias, direitos humanos, democracia, sensibilização e educação cívica, monitorização de eleições, entre outros. Os programas geralmente advogam pelos serviços de qualidade e intervenções em matéria de transparência, assegurando a responsabilidade para com as populações interessadas e promovendo a participação dos cidadãos nos esforços de governança. Estes programas de boa governação indiretamente abarcam problemas de corrupção, mas parece que os membros da Caritas têm dificuldade para desenvolver programas que abordam diretamente a corrupção. Esta é certamente uma área delicada de abordar e os membros irão precisar de mais orientação para serem capazes de desenvolver programas de combate à corrupção. Muito poucos membros foram capazes de colocar com sucesso sistemas de controle no lugar. Maior número de membros têm sido bem sucedidos na criação de sistemas de controle para monitorar as eleições. Este trabalho exige um alto grau de confiança nas Caritas e apela à dedicação de equipes bem organizadas. Caritas Zâmbia, como membro do Grupo da coligação das Igrejas Cristãs de Monitoramento (CCMG), participou activamente na monitorização das eleições presidenciais de 2015 na Zâmbia. Resultado esperado 3: Caritas África contribui activamente para o desenvolvimento e implementação de posições políticas do SECAM e líderes da Igreja sobre questões importantes. No rescaldo da reunião dos Bispos da Caritas em Kinshasa e da sua Declaração Final, em Novembro de 2012, o papel da Caritas foi muito reforçado no seio da Igreja e, em poucos países, que certamente contribuiu para o desenvolvimento e implementação de poucas posições políticas dos líderes da Igreja mais particularmente sobre as questões relacionadas com as crises humanitárias, bem como sobre questões sócio-económicas que afectam a subsistência de grupos vulneráveis. Como já foi explicado, a integração da Caritas África na estrutura do SECAM, será concluída no decurso da oitava Conferência Regional da Caritas África em Maio de Isso permitirá a Caritas África a contribuir activamente na região para o desenvolvimento e implementação das políticas do SECAM e das posições dos Líderes da Igreja sobre questões importantes. Relatório de da Caritas África - Página 17

18 Transformar sistemas inadequados (Contínuo) Resultado esperado 4: Caritas África activamente envolvida no departamento de Desenvolvimento e justiça social do SECAM. Este resultado não foi ainda alcançado. Deve ser possível, ao longo do próximo mandato com a integração da Caritas África dentro da estrutura do SECAM. Resultado esperado 5: Presença da Caritas África reintegrada na União Africano. SECAM foi muito recentemente concedido o estatuto de observador junto da União Africana e nomeou um Oficial de Programa em Addis Abeba para assegurar a ligação com a UA. Espera-se que, após a integração da Caritas África dentro da estrutura do SECAM, a Caritas vai ter uma presença na UA, através do Gabinete de Ligação SECAM-UA em Adis Abeba. Olhando para o futuro A integração da Caritas África dentro da estrutura do SECAM em breve será eficaz e irá corrigir uma anomalia, garantindo que a Caritas África seja consedida a possibilidade de fazer plenamente o seu papel no seio da Igreja em África. Obviamente, isso não deve ser visto como uma conquista, mas muito mais como uma responsabilidade acrescida e um desafio a nível regional, nacional, diocesano, paroquial e comunitário. Sistemas e estruturas inadequados e injustas existem a todos os níveis e deve ser transformado. A Caritas tem uma tarefa enorme pela frente. No entanto, Caritas e a Igreja devem, antes de tudo olhar para os seus próprios sistemas e estruturas para se certificar se é que eles são adequados e justos. As Normas de Gestão e Códigos de Ética e Conduta, que estão actualmente a seemr implementadas pela Caritas Internationalis são ferramentas muito úteis e devem orientar as organizações da Cáritas e grupos a todos os níveis. A Igreja e a Caritas devem garantir que elas são totalmente confiáveis e inspirar confiança para serem capazes de transformar com sucesso os sistemas e estruturas inadequadas e injustas. Relatório de da Caritas África - Página 18

19 Relatórios Financeiros Relatório Financeiro da Caritas África para o ano de 2011 A implementação do Quadro Estratégico e Plano de Acção da Caritas África foi feita em parcelas anuais, com a elaboração de roteiros anuais de actividades prioritárias. Houve três desses roteiros anuais: 2012, 2013 e Aqui estão os relatórios financeiros para os anos 2011, 2012, 2013 e As contas foram auditadas anualmente. O parecer emitido pelo auditor a cada ano é reproduzido no Apêndice II. Relatório de da Caritas África - Página 19

20 Relatório de da Caritas África - Página 20

21 (Contínuo) Relatório de da Caritas África - Página 21

22 Relatório Financeiro da Caritas África para o ano de 2013 Relatório de da Caritas África - Página 22

23 O apoio dos parceiros ao Secretariado da Caritas África Desde Maio de 2012, o Oficial Francôfono foi destacado pela Caritas Congo Asbl para servir à Caritas África. Há mais de 2½ anos, a Caritas Congo financiou na totalidade os seus serviços que cobrem todas as despesas relacionadas com remuneração incluindo, seguro de saúde e outros encargos. Os seguintes parceiros de outras regiões também deram muito apoio: CAFOD, Caritas Austrália, Caritas Italiana, Caritas Japão, Caritas Noruega, Serviços de Apoio Católico (CRS), Desenvolvimento e Paz, Secours Catholique Caritas France e Trocaire. A Caritas África exprime os seus sinceros agrade-cimentos a todos esses parceiros da Cáritas pelo seu apoio inabalável. Orçamento Anual de todos os membros da Cáritas na África De acordo com informações fornecidas por 40 membros da Caritas África, o seu orçamento global anual de 2014 ascendeu para além de 290 milhões de euros, dos quais cerca de 21 milhões de Euros foram angariados localmente. Este orçamento inclui fundos recebidos de vários parceiros: irmãos membros da Cáritas de outras regiões, instituições públicas, organizações do sistema das Nações Unidas, entre outros. A Caritas África exprime os seus sinceros agradecimentos à todos esses parceiros. Deve-se salientar que estes irmãos membros da Cáritas, além disso, têm o seu próprio orçamento no valor que varia em centenas de milhões de euros para programas de emergência e de desenvolvimento no continente Africano. Relatório de da Caritas África - Página 23

24 Conclusão Omandato de quatro anos, de 2011 a 2015, foi de facto um dos muito activo para Caritas África. Tendo tomado o desafioquatro em Maio de 2011 de desenvolver e implementar um Plano de Acção e Quadro Estratégico para os próximos anos com base nas diretrizes e recomendações da VII Conferência Regional da Caritas África, a Comissão Regional fez o seu melhor para cumprir com os objectivos estratégicos identificados e alcançar os resultados esperados. A fim de implementar o Plano de Acção, elaborou no início de cada ano um roteiro anual de actividades prioritárias e avaliou a sua execução no final do período. Mesmo que não tenha sido possível implementar Quadro Estratégico e Plano de Acção a100%, é reconfortante notar que muito foi feito de acordo com o plano e que a maioria dos resultados esperados foram alcançados. A região da Caritas África continuou a consolidar a sua posição no âmbito da rede Caritas Internationalis, bem como no seio da Igreja em África. A reunião dos Bispos em Kinshasa foi um ponto de viragem para a Caritas em África e a Declaração de Kinshasa tornou-se um documento-chave que é muitas vezes referido, não só pelos membros da Cáritas em África, mas também pelos parceiros da Caritas de outras regiões. As relações com o SECAM, o Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagascar, foram consideravelmente harmonizadas e a integração da Caritas África dentro da estrutura do SECAM será formalizada no decorrer da Oitava Conferência Regional da Caritas África em Maio A comunicação com as organizações membros da Cáritas em África melhorou consideravelmente. As mensagens por são mais regularmente trocadas e pode-se dizer que há uma maior capacidade de resposta por parte das organizações membros. A comunicação está gradualmente a se tornar um processo eficaz de duas vias na região. O e-magazine da Caritas África tem sido regularmente publicado quatro vezes por ano e é amplamente distribuído em toda a rede Caritas. O e-magazine tem provado ser uma ferramenta de comunicação muito útil. É muito inspirador e fornece uma visão geral das atividades dos membros da Cáritas da região África. Ao nível da Comissão, ouve um excelente espírito de equipa entre todos os membros e isso resultou em relacionamentos muito saudáveis facilitando o papel fundamental desempenhado por cada um dos membros da Comissão. O Secretário Executivo está muito agradecido ao Presidente da Caritas África, Sua Excelência o Bispo Francisco João Silota, Bispo de Chimoio, Moçambique, pela sua confiança e colaboração que facilitou bastante o trabalho e ajudou a criar a atmosfera adequada para assegurar o progresso ao longo de todo este tempo. Ele estende a sua gratidão à todos os membros da Comissão Regional pela sua disponibilidade em cooperar e fazer com que a Comissão Regional se mova para frente. Relatório de da Caritas África - Página 24

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA

A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A PROMOÇÃO DA SAÚDE A CARTA DE OTTAWA A primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa em 21 de Novembro de 1986, aprovou a presente Carta, que contém as orientações para

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Reunião dos Bispos da região da África Caritas sobre a identidade e missão da Caritas

Reunião dos Bispos da região da África Caritas sobre a identidade e missão da Caritas Adresse Postale : 8395 Lomé TOGO Tél. (228) 22.21.29.37 Fax : (228) 22.22.00.26 Email : secaf@caritas-africa.org omptes bancaires: BTCI 9030 63094 01 71 UTB 31 004224 1 004 0 00 ECOBANK 7010181400066601

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO DE MERCADO PARA IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE POSSÍVEIS ACTIVIDADES GERADORAS DE RENDIMENTO NOS MUNICIPIOS DE KUITO E ANDULO, PROVINCIA DE BIÉ, ANGOLA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração e

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens

Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens Experiência dos Centros Salesianos na formação dos adolescentes e Jovens 1-Presença Salesiana em Angola Os salesianos estão em Angola desde 1981 e hoje se fazem presentes em Dondo, Benguela, Luena, Kalulo,

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação

REPÚBLICA DE ANGOLA. Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação REPÚBLICA DE ANGOLA Cimeira Mundial Sobre a Sociedade da Informação Intervenção de Sua Excelência Licínio Tavares Ribeiro, Ministro dos Correios e Telecomunicações ANGOLA (Genebra, 12 de Dezembro de 2003)

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA RECRUTAMENTO DE UM CONSULTOR INDIVIDUAL A CARGO DE REALIZAÇÃO DO PERFIL DE GÉNERO EM AGRICULTURA DAS ZONAS DE INTERVENÇÃO DO PRIASA I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO O Projeto

Leia mais

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE RELATÓRIO NACIONAL O Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) é a organização

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DE PROGRAMA ABRANGENTE DE DESENVOLVIMENTO DE AGRICULTURA EM ÁFRICA (CAADP) NO.VA/NPCA/14/16 A União Africana (UA), estabelecida como um

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África

O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África CONFINTEA VI Conferência Preparatória da África Nairóbi, Kênia, 5 7 Novembro de 2008 O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África 1. Nós, representantes

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais