Programa de Adaptação às Mudanças Climáticas. Para Africa. Em São Tomé e Príncipe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Adaptação às Mudanças Climáticas. Para Africa. Em São Tomé e Príncipe"

Transcrição

1 Programa de Adaptação às Mudanças Climáticas Para Africa Em São Tomé e Príncipe Integração das Mudanças Climáticas e Gestão dos Riscos de Catástrofes na Estratégia Nacional de Redução da Pobreza - Enverdecimento - Dezembro de 2012 Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

2 Índice Título Página Siglas e Abreviaturas 3 Parte I - Documento de Segunda Estratégia Nacional de Redução da 5 Pobreza I. 1 - Introdução 5 I. 2 - Segunda Estratégia Nacional de Redução da Pobreza 6 I Contexto e objectivos da estratégia 6 I Eixos Estratégicos da ENRP 6 I Visão 7 I Alinhamento com Outros Programas 8 Parte II - Vulnerabilidade do País face às Mudanças Climáticas e aos 10 Riscos de Catástrofes II.1 - Introdução 10 II.2 - Principais Vulnerabilidades 10 II Vulnerabilidade Económica 10 II Vulnerabilidade Social 10 II Vulnerabilidade Natural/Ambiental 11 II.3 - Análise das Capacidades 13 III Parte - Integração das Mudanças Climáticas e Gestão de Riscos de 15 Catástrofes Naturais na Estratégia de Redução da Pobreza III. 1 - Introdução 15 III.2 - Implementação das Seis Etapas do Processo 16 III Equipa de Implementação 16 III.3 - Duração e Orçamento do projecto 17 III.4 - Integração das Mudanças Climáticas e Gestão de Riscos de 17 Catástrofes Naturais na Estratégia de Redução da Pobreza - Enverdecimento III Etapas de Implementação 18 Etapa 1: Criar um Perfil Climático do País 18 Etapa 2: Elaborar um Mapa Institucional 18 Etapa 3: Envolver as Partes Interessadas e seleccionar o Documento 20 para a Avaliação dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas Etapa 4: Metodologias de Avaliação dos Riscos e Oportunidades das 20 Mudanças Climáticas 1. Identificação dos Riscos das Mudanças Climáticas para Programas e 21 Projectos 2. Identificação dos Riscos que podem resultar em má-adaptação Identificação de Oportunidades de Adaptação Avaliação e integração de potenciais medidas de adaptação 21 Etapa 5: Desenvolver Capacidades das Partes Interessadas 22 Etapa 6: Integrar as Mudanças Climáticas no Documento Tevisto 23 Referências 25 Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

3 Siglas e Abreviaturas AAP AND CH4 CO CO 2 CONPREC ENRP EUA GEE GRC IDH IOF INE MC MDL NAPA N2O NLTPS NMVOC ODM ONG ONU Programa de Adaptação para Africa Autoridade nacional Designada Gás Metano Monóxido de Carbono Dióxido de Carbono Conselho Nacional de Preparação e Resposta a Catástrofes Estratégia Nacional para Redução da Pobreza Estados Unidos de América Gases com Efeito de Estufa Gestão de Riscos de Catástrofes Indice de Desenvolvimento Humano Inquérito ao Orçamento Familiar Instituto Nacional de Estatística Mudanças Climáticas Mecanismo de Desenvovlimento Limpo Plano de Acção Nacional para Adaptação Oxido Nitroso Estudo Nacional de Perspectivas a Longo Prazo Compostos Voláteis não-metano Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Organização Não Governamental Organização das Nações Unidas PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento SCN Segunda Comunicação Nacional sobre as Mudanças Climáticas Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

4 SIDA STP UNDAF UNFCCC USD Síndroma de imunodeficiência adquirida São Tomé e Príncipe Quadro de Assistência das Nações Unidas ao Desenvolvimento Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas Dólares americanos Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

5 PARTE I DOCUMENTO DE SEGUNDA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDUÇÃO DA POBREZA I.1 - INTRODUÇÃO São Tomé e Príncipe elaborou, à semelhança de muitos países em vias de desenvolvimento, o seu primeiro documento de Estratégia Nacional de Redução da Pobreza - ENRP em O referido documento foi submetido à apreciação da Mesa Redonda de Bruxelas de 2005 e tinha como principal objectivo, o estabelecimento de uma parceria para a boa governação e redução da pobreza, numa óptica de cumprimento dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM). No quadro da implementação da primeira ENRP, São Tomé e Príncipe realizou alguns progressos significativos, em termos de melhoria dos indicadores de desenvolvimento económico e social. Mas, devido aos constrangimentos e dificuldades ligados a disponibilidade de financiamento, estes resultados ficaram muito aquém dos objectivos inicialmente fixados, tal como demonstraram os relatórios de seguimento e de avaliação dos impactos das medidas e programas implementados. De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano (PNUD, 2011) São Tomé e Principe ocupa o 144º lugar entre 187 países, com o IDH de 0,509. Um dos factores que contribui para o baixo IDH de São Tomé e Príncipe é a pobreza generalizada, com muito baixo rendimento monetário. O estudo sobre o perfil da pobreza realizado em 2001, indica que 54% da população vivia abaixo do limiar da pobreza e 15% são classificados em situação de pobreza extrema. A pobreza é no entanto um fenómeno predominantemente rural, com 65% da população rural vivendo abaixo da linha da pobreza e 22% na pobreza extrema. No âmbito do segundo inquérito sobre os Orçamentos/despesas das famílias (IOF) realizado em 2010, 66,2% da população total de S. Tomé e Príncipe são pobres, ou seja, cerca de 2/3 da população vivem com menos de 30 mil dobras por dia per capita e o rácio da pobreza baixou, passando de 53,8% em 2000 para 49,6% em Comparando os resultados do perfil da pobreza de 2000 e 2010, constata-se que houve um progresso no sentido da redução da pobreza, apesar de ficar muito aquém da meta estabelecida na primeira ENRP para Neste contexto, e face aos atuais desafios de desenvolvimento, S. Tomé e Príncipe assumiu a iniciativa de elaborar a segunda ENRP com o objetivo de redirecionar as intervenções em matéria de luta contra a pobreza para o período Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

6 Entretanto, uma das fraquezas da presente Estratégia é a falta de uma visão de sustentabilidade das acções previstas face ao desafio do desenvolvimento, onde as políticas relativas a mudanças climáticas e gestão dos riscos de catástrofes não estão devidamente equacionadas. Assim, com base nas lições apreendidas desta experiência, a elaboração da 3ª Estratégia Nacional de Redução da Pobreza deverá tomar em consideração a integração da questão ambiental, com particular incidência sobre as mudanças climáticase a gestão dos riscos de catástrofes naturais. I.2 - SEGUNDA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDUÇÃO DA POBREZA I.2.1 Contexto e Objectivos da Estratégia O principal objectivo da actual ENRP é redirecionar as intervenções em matéria de luta contra a pobreza para o período , criando mais oportunidades de rendimento, de emprego e melhorando o acesso aos serviços públicos básicos de qualidade. Ela articula com diferentes instrumentos de política e planificação precedentes, pretendendo criar um novo quadro estratégico que procura incorporar um conjunto de mudanças ocorridas quer a nível nacional, quer internacional, bem como novas orientações de política e preocupações manifestadas tanto pelos parceiros de cooperação, como pelos beneficiários. I EIXOS ESTRATÉGICOS DA ENRP Estratégia Nacional de Redução da Pobreza articula-se em torno de quatro eixos: Eixo I - Reforma das instituições públicas e reforço da política de boa governação: Este primeiro eixo refere-se à necessidade de criação de condições que permitam o regular funcionamento das instituições, a garantia da estabilidade política e o sucesso das políticas económicas e sociais num ambiente de transparência e prestação de contas. Eixo II Promoção de um crescimento económico integrado e sustentável: Este segundo eixo consiste na promoção do crescimento económico sustentável, para gerar emprego e rendimento com vista à redução da pobreza absoluta que afeta 66% da população santomense. Eixo III: Desenvolvimento de capital humano e melhoria dos serviços sociais básicos: Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

7 Este eixo é considerado como um dos principais pré-requisitos para a realização dos objetivos preconizados de crescimento da economia, integração no mercado globalizado e mitigação da pobreza. Este terceiro eixo estratégico dedica-se ao fortalecimento nos domínios da educação, formação e saúde, entre outros, tendo em vista recursos humanos melhor preparados para enfrentar os desafios do futuro e contribuir no desenvolvimento do país. Eixo IV - Reforço da coesão e proteção social: Este eixo visa melhorar as condições de vida da população através de programas de apoio à integração social, particularmente dos grupos mais vulneráveis, apoiar as vítimas de desastres e catástrofes naturais e prestar assistência aos idosos carenciados e garantir a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. I VISÃO A visão a médio prazo, circunscrito ao período inspira-se também no cenário otimista tlábá só cá dá tê do Estudo Nacional de Perspectivas de Longo Prazo (NLTPS), segundo o qual S. Tomé e Príncipe dispõe de oportunidades de sucesso para um desenvolvimento económico e social harmonioso. Contudo, devido à falta de entendimento da classe política, associada à descontinuidade e à ineficiência da governação, os sucessivos governos não têm sabido rentabilizar os recursos de que o país dispõe nem tão pouco aproveitar as oportunidades que lhes são oferecidas pela Comunidade Internacional. Ajuntam-se a esses fatores a fraca participação da sociedade civil e a ausência de um espírito empreendedor. O futuro desejado dos santomenses daqui a 2016, pode ser resumido de seguinte forma: (i) (ii) (iii) (iv) Um país bem governado com instituições fortes e credíveis; Um país com um ambiente favorável ao crescimento económico sustentável e integrado e à (re) distribuição de rendimentos; Um país com recursos humanos bem formados e adequados aos desafios de desenvolvimento; e, Um país que valorize o património cultural e garanta a igualdade e oportunidade entre os géneros. Assim, tendo em conta a visão de médio prazo com base no cenário inspirado no Estudo Nacional das Perspetivas de Longo Prazo, são objectivos estratégicos gerais de S. Tomé e Príncipe para os seguintes: Alcançar uma taxa de crescimento de pelo menos 6%, (criando condições para uma diversificação consistente da economia); Reduzir em 10% a percentagem da população santomense que vive na situação de pobreza, (promovendo iniciativas geradoras de rendimento, melhorando, por conseguinte, a sua capacidade produtiva); Conseguir que toda a população tenha acesso (facilitado e melhorado) aos serviços sociais básicos. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

8 I Alinhamento com outros Programas A Estratégia Nacional de Redução da Pobreza articula-se com outros planos, programas e projectos e particularmente com os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. Objectivos do Desenvolvimento do Milénio Objectivos do Desenvolvimento do Milénio 1. Reduzir a pobreza extrema e a fome; 2. Assegurar a educação de base para todos; 3. Promover a igualdade dos sexos e a autonomia das mulheres; 4. Reduzir a mortalidade das crianças de menos de 5 anos; 5. Melhorar a saúde materna; 6. Combater o VIH/SIDA, o paludismo e outras doenças; 7. Assegurar um ambiente durável; 8. Implementar uma parceria mundial para o desenvolvimento As probabilidades de realizar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) relativos a extrema pobreza, a igualdade dos sexos e a instauração de parcerias para o desenvolvimento são ainda muito pequenas. A pobreza ainda atinge 66,2% da população segundo as estimativas do inquérito sobre as condições de vida das famílias de 2010, apesar dos esforços que o Governo de São Tomé e Príncipe tem envidado para que nas suas políticas de desenvolvimento económico e social estejam refletidas acções que concorram para o alcance das metas estabelecidas na declaração do milénio. Algumas destas metas do milénio concorrem para a redução do risco dos desastres que frequentemente assolam STP, nomeadamente: Em termos de realização dos ODM Reduzir para metade até 2015, a percentagem da população sem acesso sustentável à água potável e ao saneamento básico; Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas, programas e planos do País e inverter a actual tendência de perdas de recursos ambientais; Inverter, até 2015, a tendência actual de incidência da malária e de outras doenças graves no seio da população. Esta Estratégia está em linha com outros documentos e legislações relevantes em matéria de desenvolvimento e ambiente, designadamente: Plano Nacional do Ambiente para o Desenvolvimento Durável; Lei de Bases do Ambiente (Lei N.º 10 / 1999); Estratégia Nacional de Redução das Catástrofes Naturais; Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

9 Lei de conservação da Fauna, Flora e das Áreas (Lei N.º 11/99); Decreto sobre a Extracção de Inertes (Lei Nº35/1999); Decreto sobre Resíduos (Lei Nº36/1999); Decreto sobre Avaliação do Impacto Ambiental (Lei Nº37/1999); Lei das Florestas (Lei nº 5 / 2001); Plano Estratégico Nacional de Luta contra a SIDA; Plano Nacional de Luta Contra Paludismo. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

10 PARTEII VULNERABILIDADE DO PAÍS FACE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AOS RISCOS DE CATÁSTROFES II.1 - INTRODUÇÃO Formado por ilhas de pequena dimensão, o arquipélago de São Tomé e Príncipe, devido a sua condição de pequeno e também devido à sua fragilidade económica e social é um país relativamente vulnerável a situações que resultam dos impactos das mudanças climáticas e das catástrofes naturais que se verificam no presente e no futuro, tanto do ponto de vista ambiental, como do ponto de vista económico e social. Do ponto de vista climático, o país possui um clima predominantemente tropical, mas nalgumas situações, o clima possui características francamente equatoriais, devido ao relevo bastante pronunciado, principalmente nos quadrantes sul e sudoeste das ilhas, tanto de São Tomé como do Príncipe. II. 2 - Principais Vulnerabilidades II Vulnerabilidade Económica Do ponto de vista económico, com um produto interno bruto per-capita de dólares E.U. em 2009 (INE 2011), a República Democrática de São Tomé e Príncipe é um país pobre, com um crescimento fraco e uma economia pouco diversificada, marcada ainda pela predominância do cacau. S. Tomé e Príncipe é um país essencialmente agrícola, com mais de um terço da população a exercer a atividade na agricultura, pecuária e pescas, cujo rendimento não se revela suficiente para fazer face as necessidades básicas. A contribuição do sector agrícola no PIB é da ordem dos 17,2% e cerca de 26,2% da população ativa depende diretamente do sector (ENRP, 2011). A diversificação económica anunciada depois da independência como principal prioridade, não deu os resultados esperados, sendo afinal o aumento do sector de serviços, principalmente o sector público e mais recentemente o comércio, a característica mais importante da evolução da economia nas duas últimas décadas. II.2.2 Vulnerabilidade Social Do ponto de vista social o inquérito sobre os Orçamentos/despesas das famílias (IOF) realizado em 2010indica que 66,2% da população total de S. Tomé e Príncipe são pobres, ou seja, cerca de 2/3 da população vivem com menos de 30 mil dobras por dia per capita. Segundo o IOF, a pobreza afecta mais as mulheres (71,3%) do que os homens (63,4%). A pauperização das populações parece estar muito ligada a sua Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

11 situação no emprego, afetando menos as pessoas empregadas do que os inativos ou os desempregados. Relativamente ao emprego, as pessoas activas mais expostas a pobreza são os trabalhadores independentes do sector privado agrícola (68,4%) e do sector privado não agrícola (67,7%), enquanto que os outros ativos registam níveis de pobreza inferiores a 60%. Apesar dos esforços com vista à melhoria do sistema de recolha e remoção de lixos, abastecimento de água potável, eliminação dos focos de proliferação do vector do paludismo, o mosquito anófeles, o nível do saneamento público é muito baixo, sendo que São Tomé e Príncipe apresenta a taxa de defecação ao ar livre mais elevada da África Central (Plano Director Agua e Saneamento, 2011). Tudo isto associado à situação de pobreza a que está sujeita a maioria da população de São Tomé e Príncipe faz com que, para além das doenças sexualmente transmissíveis, particularmente a SIDA, o paludismo e a tuberculose constituem as principais causas da morbilidade no País. A vulnerabilidade do sector da saúde às mudanças climáticas devido a factores naturais como eventos extremos de chuva ou seca, poderão, por um lado, comprometer os esforços do saneamento do meio e a luta contra as principais doenças endémicas, caso medidas preventivas não sejam tidas em conta, uma vez que esses eventos extremos poderão provocar inundações ou escassez de água para abastecimento das populações. O País conheceu várias epidemias e pandemias que têm assolado o território de maneira cíclica nos últimos anos, com um destaque para a cólera, a malária, as diarreias, o sarampo e a conjuntivite. A malária não é a principal causa de morbilidade e mortalidade no país. As doenças respiratórias agudas, as doenças diarreicas agudas, as doenças cardiovasculares continuam sendo as principais causas de morbilidade e mortalidade, dominando assim o perfil epidemiológico do país com um conjunto de patologias preveníveis transmissíveis ou ligadas ao meio ambiente e aos hábitos e comportamentos das populações (Plano Estratégico do Controlo do Paludismo, 2010). No que diz respeito à educação constata-se que ela é tida como o principal factor determinante da pobreza em São Tomé e Príncipe, também a principal porta de saída da pobreza. Os indicadores de pobreza revelam uma forte correlação entre o nível de instrução e a pobreza. A probabilidade de se ser pobre aumenta grandemente em relação inversa ao nível de instrução. (Documento Carta Educativa de STP, 2008). II Vulnerabilidade Natural/ambiental Do ponto de vista ambiental, o país não apresenta indicadores alarmantes em termos de degradação ambiental se comparado com outros países da subregião. De origem vulcânica relativamente recente, as ilhas de São Tomé e Príncipe nunca estiveram em contacto com o continente africano, pelo que se gerou no seu interior um grande endemismo e diversidade de fauna e flora. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

12 A grande pluviometria, que varia entre os 1000 mm nas zonas semiáridas e 6000mm nas zonas super húmidas (AAP, 2011), associada ao marcado relevo das ilhas promove a existência de vários rios e pântanos e propicia a existência de múltiplos habitats ricos em endemismos, com especial destaque para anfíbios (100%), moluscos (77%) e aves e morcegos (>50%). Os ecossistemas marinhos e costeiros incluem praias, costas rochosas e recifes coralinos que albergam espécies como tartarugas, golfinhos, baleias e inúmeras espécies de peixes. De acordo com os dados da Segunda Comunicação Nacional sobre as Mudanças Climáticas, S.Tomé e Príncipe não é um país emissor de gases com efeito de estufa (GEE), mas sim sumidouro de carbono, isto é, os níveis de absorção são superiores aos de emissão graças a existência de cobertura vegetal e inexistência de um sector industrial. O inventário das emissões de gases com efeito de estufa realizado no âmbito da Segunda Comunicação Nacional (SCN), indica que os sectores da energia e das florestas são responsáveis pela quase totalidade das emissões de CO2, com um total de 163,49 Gg. As florestas absorvem, em retorno, 727,57Gg. de CO2. Os outros gazes emitidos pelo País são o CH4 (1,12 Gg.), o N2O (0,041 Gg.), o NOx (0,77 Gg.), o CO (17,17 Gg.) e o NMVOC (2,99 Gg.). O país dispõe de floresta abundante com particular realce para as florestas de montanhas, onde existe uma reserva florestal ainda considerável. Contudo, a difícil situação económica das populações, entre outras, tem levado ao abate indiscriminado de árvores para a produção de carvão, da lenha e de madeiras para construção. Existe ainda, por outro lado, uma nítida redução dos recursos florestais, com particular realce para a destruição dos habitats das espécies, muitas delas endémicas, e ameaçadas de extinção. Por essa razão, o país adoptou em 1999 um pacote legislativo importante para a protecção dos recursos naturais, com particular realce para a Lei de Bases do Ambiente, a Lei da Flora, Fauna e das Áreas Protegidas, a Lei das Pescas e Recursos Haliêuticos, a Lei de criação dos Parques Naturais Obô de São Tomé e do Príncipe e a Lei de Extracção de Inertes. Por outro lado, o país aderiu e ratificou alguns acordos internacionais de relevo nomeadamente, a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas e o respectivo Protocolo de Quioto, a Convenção sobre a Diversidade Biológica e os Protocolos de Cartagena sobre a Biossegurança e de Nagoya sobre a Partilha Justa e Equitativa dos Benefícios dos Recursos, a Convenção de Luta contra a Desertificação e Degradação dos Solos, a Convenção de Estocolmo sobre os Poluentes Orgânicos Persistentes e a Convenção de Viena sobre as Substâncias que Empobrecem a Camada de Ozono. O país está exposto a ameaças de origem natural tais como, a ocorrência de inundações, erosão costeira, seca, deslizamentos de terra, ventos fortes, erosões e as de origem antrópica como as queimadas, incêndios, maré negra, etc., bem como a ocorrência de doenças como a cólera, a malária, diarreias, conjuntivite. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

13 A diminuição das chuvas e períodos de seca prolongados com a consequente diminuição dos caudais dos rios põem em causa a produção agrícola com efeitos negativos sobre as condições de vida das populações vulneráveis. Como país de origem vulcânica, São Tomé e Príncipe é bastante propenso às derrocadas devido a chuvas torrenciais e à prática da agricultura intensiva em zonas de grande declive, nomeadamente nas encostas das montanhas, uma vez que grande parte do território nacional localiza-se em zonas montanhosas. Devido ao fenómeno de ventos fortes, causados pelas linhas de borrasca que muitas vezes provocam ondas gigantes, muitos pescadores perdem as suas embarcações nos ancoradouros, muitas famílias de pescadores perdem as suas habitações localizadas à beira mar. A título de exemplo, as comunidades de Malanza, Ribeira Afonso e Santa Catarina estão localizadas na região costeira da Ilha de São Tomé, em áreas baixas, na foz de curso d água, áreas inundáveis, cujo risco tem sido ampliado principalmente com cheias dos rios conjugados com a retenção pela maré em épocas de tempestades. A ocorrência desses eventos deixa a população local sem acesso aos serviços básicos como, saúde, educação, água potável, alimentação e outros. Adicionalmente podem causar a destruição de equipamentos, habitações, problemas de saúde pública por causa das condições sanitárias adversas e/ou deslocamento temporário da população para áreas em que se achem mais seguras. II.3 - Análise das Capacidades Apesar da situação preocupante acima descrita sobre o nível de vulnerabilidade do país face a desastres, algumas acções podem ser consideradas positivas e condicionantes para superar a situação, designadamente: A execução do Projecto de Adaptação em Africa - STP, que cobre os sectores de agricultura, floresta, água e energia renováveis para o Distrito de Lobata, ; A execução do Projecto de Adaptação às Zonas Costeiras, cujo objectivo fundamental consiste em travar a erosão costeira e proteger as comunidades residentes no litoral do país, ; A criação da Comissão Nacional das Mudanças Climáticas e da Autoridade Nacional Designada (AND) para Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), através do Decreto nº13/2012; Criação do Conselho Nacional de Preparação e Resposta as Catástrofes (CONPREC), responsável pela coordenação das acções de Gestão de Risco de Desastres e assegurar uma resposta rápida e eficaz às emergências, O país dispõe ainda de um pacote de documentos e legislações que sustentam a política de sustentabilidade ambiental e como membro de diversas convenções internacionais sobre o ambiente elaborou documentos de análise da situação ambiental, nomeadamente: Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

14 Plano Nacional do Ambiente para o Desenvolvimento Durável 1999; Estratégia Nacional e Plano de Acção sobre a Diversidade Biológica 2005; Elaboração do Plano Nacional de Acção para a Adaptação (NAPA) ; Inventário de Gases com Efeito de Estufa 2010; Estratégia Nacional para a Gestão de Risco de Desastres Estudo de vulnerabilidade e adaptação às Mudanças Climáticas 2011; Primeira e Segunda Comunicações Nacionais sobre as Mudanças Climáticas 2003 e 2011, respectivamente; Contudo, o país necessita reforçar a capacidade de seus quadros técnicos a nível dos diferentes sectores diretamente implicados e capazes de proceder à integração das Mudanças Climáticas e Gestão de Riscos de Catástrofes no Documento de Estratégia de Redução da Pobreza. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

15 III PARTE INTEGRAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTÃO DE RISCOS DE CATSTROFES NATURAIS NA ESTRATEGIA DE REDUÇÃO DA POBREZA III. 1 - Introdução As mudanças climáticas representam um sério desafio para a prossecução dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio. Dadas as suas características geoclimáticas, São Tomé e Príncipe está exposto às consequências das mudanças climáticas, conhecendo fenómenos climáticos extremos, nomeadamente tempestades e chuvas fortes que geram cheias e desabamentos de terras. Esses fenómenos extremos atingem com maior frequência os sectores mais vulneráveis ao clima, nomeadamente a agricultura, florestas, pecuária, pescas, recursos hídricos, infraestruturas, saúde e segurança alimentar. A exposição aos fenómenos climáticos extremos/condições meteorológicas extremas (aumentos graduais da temperatura e as reduções das precipitações), poderá comprometer a realização de alguns objectivos de Desenvolvimento do Milénio, como a redução da pobreza extrema e a fome. Torna-se, assim, necessário e urgente que o Governo tome iniciativas, tais como medidas para a redução dos riscos ao longo prazo, como a integração das mudanças climáticas e gestão de riscos de catástrofes na Estratégia de Redução da Pobreza e nas políticas e estratégias de desenvolvimento. A integração das mudanças climáticas como tema transversal nos planos de desenvolvimento irá tornar o desenvolvimento mais resiliente através da redução dos impactos das mudanças climáticas, bem como da identificação de oportunidades de desenvolvimento que, de outra forma, poderiam não ter sido consideradas. O objectivo deste capítulo é de descrever, de forma prática o processo de integração das mudanças climáticas na Estratégia Nacional de Redução da Pobreza, enquanto documento de desenvolvimento seleccionado e que se revelou mais adequado para a realização de uma avaliação dos riscos e oportunidades das mudanças climáticas. Serão também apresentadas as boas práticas capazes de apoiar os técnicos nacionais não especializados nesta temática na promoção e prossecução de actividades de integração das mudanças climáticas nas políticas e estratégias de desenvolvimento. De acordo com o Guia do PNUD para a Integração das Mudanças Climáticas nos Processos de Desenvolvimento Nacional e na Programação Nacional das Nações Unidas (2011), a integração das mudanças climáticas nas políticas, planos e projectos de desenvolvimento nacionais contribui para: Reduzir a vulnerabilidade dos impactos e a variabilidade do clima; Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

16 Aumentar a capacidade de adaptação das comunidades e actividades nacionais relativas aos impactos climáticos; Garantir um desenvolvimento sustentável e evitar decisões que poderão originar a má-adaptação; Reduzir as emissões de GEE; Implementar projectos de desenvolvimento mais eficazes, mais seguros e mais sustentáveis. O Guia do PNUD propõe que o processo de integração das mudanças climáticas nas políticas, planos e projectos de desenvolvimento nacionais (PNUD, 2011), neste caso específico na Estratégia Nacional de Redução da Pobreza, deve compreender seis etapas fundamentais, a saber: Etapa 1: Criar um Perfil Climático do país; Etapa 2: Elaborar um Mapa Institucional; Etapa 3: Envolver as partes interessadas e seleccionar o documento a avaliar quanto aos riscos e oportunidades das mudanças climáticas; Etapa 4: Avaliar os riscos e oportunidades das mudanças climáticas; Etapa 5: Desenvolver capacidades das partes interessadas; Etapa 6: Integrar as mudanças climáticas no documento revisto. III.2 Implementação das Seis Etapas do Processo III Equipa de Implementação Com vista a garantir a implementação do processo de integração das mudanças climáticas na Estratégia Nacional de Redução da Pobreza aconselha-se que seja criada, no quadro ou sob forma de um projecto, uma Equipa de Implementação que seja formada por: Um Ponto Focal Nacional do PNUD; Um Coordenador Nacional para as Mudanças Climáticas; Um Ponto Focal da Convenção QNUMC; Um Especialista em Riscos de Mudanças Climáticas; e, Um representante da Direcção de Planeamento. Esta equipa de cinco pessoas tem a responsabilidade de garantir que a avaliação do clima e o exercício de integração sejam devidamente apoiados nas vertentes técnicas e administrativas. A qualidade da Equipa de Implementação determinará a qualidade do resultado. O Coordenador Nacional para as Mudanças Climáticas deverá ter alguma experiência anterior no domínio de mudanças climáticas. O mesmo deve ter um forte histórico de implementação de projectos, organização de workshops, e ser um indivíduo auto-suficiente e motivado. Um modelo de "Termos de Referência" para a contratação de tal especialista será elaborado. O Especialista em Risco de Mudanças Climáticas deve ter uma vasta experiência na avaliação dos riscos das mudanças climáticas. Deve compreender a ciência das mudanças climáticas, ter excelentes capacidades analíticas e de escrita, ser capaz de tomar em consideração as incertezas das Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

17 projecções climáticas, e integrar o conhecimento da relação entre a sociedade, o ambiente, a economia, a política, e outras disciplinas. A experiência anterior no país é uma mais-valia. Será elaborado o modelo de Termos de Referência para este especialista. Tanto o Coordenador Nacional como o especialista devem estar em posição de permitir a interacção comum a ampla gama de intervenientes - desde o pessoal técnico a autoridades governamentais de chefia e representantes da ONU tanto numa base individual em reuniões, como formador/comunicador em workshop. Se essas pessoas não estiverem disponíveis, poderão ser contratados consultores nacionais e internacionais. Uma pequena lista de especialistas experientes deverá ser elaborada pela Direcção Geral do Ambiente. III.3 - Duração e orçamento do Projecto O tempo necessário para implementar as seis etapas acima descritas dependerá de uma variedade de factores. Estes incluem: identificação e acordo sobre o documento(s), projecto(s) e/ou programa(s) a serem avaliados (incluindo o âmbito de cada avaliação); quantidade de documentos a serem analisados; percepção prévia e interesse manifesto de autoridades nacionais; disponibilidade de fontes relevantes de informação; celeridade dos procedimentos de contratação dos consultores; disponibilidade de outras partes interessadas. A experiência do Projecto de Integração dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas nos Processos de Desenvolvimento Nacional implementado em cinco países, nomeadamente: Cabo Verde, Colômbia, El Salvador, Malawi, e Nicarágua indica que deve ser dedicado pelo menos um ano para a execução do Projecto. Em termos financeiros, foi atribuído a cada país beneficiário um montante de USD, o que foi suficiente para avaliar dois ou três documentos de desenvolvimento, organizando dois a três workshops, e para a contratação de um Coordenador Nacional para as Mudanças Climáticas e um Especialista em Riscos de Mudanças Climáticas. Recursos adicionais estavam disponíveis para disseminação do conhecimento a nível mundial, organização de eventos, partilha de lições, colaboração sul-sul, despesas de transporte e para um Coordenador de Projecto Global que ofereceu garantia de qualidade total para os cinco países. III.4 - Integração das Mudanças Climáticas e Gestão de Riscos de Catástrofes Naturais na Estratégia de Redução da Pobreza - Enverdecimento Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

18 As mudanças climáticas representa um dos maiores desafios que o mundo deverá fazer face neste século e seu impacto poderá afectar consideralmente os progressos realizados no domínio de desenvolvimento humano, particularmente as comunidades mais pobres e vulneráveis. Por conseguinte, os processos de planificação do desenvolvimento devem tomar em consideração os efeitos nefastos das mudanças climáticas. Tomando isto em consideração, o Projecto não será implementado só para integrar as mudanças climáticas nos processos de desenvolvimento do governo, mas também irá desenvolver e reforçar capacidade nacional para o fazer. III Etapas de Implementação Como se viu anteriormente, o processo de integração das mudanças climáticas na Estratégia Nacional de Redução da Pobreza, deve compreender seis etapas fundamentais, a saber: Etapa 1: Criar um Perfil Climático do país; Etapa 2: Elaborar um Mapa Institucional; Etapa 3: Envolver as partes interessadas e seleccionar o documento a avaliar quanto aos riscos e oportunidades das mudanças climáticas; Etapa 4: Avaliar os riscos e oportunidades das mudanças climáticas; Etapa 5: Desenvolver capacidades das partes interessadas; e, Etapa 6: Integrar as mudanças climáticas no documento revisto. Etapa 1: Criar um Perfil Climático do País Um Perfil Climático do País é um documento sucinto, de fácil compreensão que descreve as informações mais relevantes em contextos climáticos históricos, actuais e projectados, bem como os potenciais impactos das mudanças climáticas e da variabilidade climática. A preparação do Perfil Climático do País envolve a identificação e a compilação da informação existente, sintetizando-a num documento legível que pode servir de guia de referência inicial para aqueles que não sejam especialistas em assuntos climáticos. O Perfil Climático deve, todavia, ser técnico e consistente. Por conseguinte, deve ser elaborado por um especialista da área de mudanças climáticas. A identificação e a obtenção de documentação nacional ou acesso a bases de dados podem levar algum tempo, o que torna crucial o apoio de um Coordenador Nacional para as Mudanças Climáticas na navegação pelos canais de informação muitas vezes complexos. O Perfil Climático pode ser resumido num folheto que pode ser usado na discussão com o governo e restantes intervenientes nacionais. Esse folheto é um documento útil para destacar (num formato fácil leitura, com marcadores) as informações climáticas mais marcantes, como: Os impactos das mudanças climáticas previstos, Os impactos socioeconómicos previstos, Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

19 Os riscos históricos de desastres, Principais populações e sectores vulneráveis, As potenciais medidas de adaptação. Etapa 2: Elaborar um Mapa Institucional Um Mapa Institucional fornece uma visão geral das instituições e outras partes interessadas envolvidas em actividades nacionais sobre mudanças climáticas. É um recurso valioso para informar a equipa do processo de integração, bem como para um público mais vasto a nível nacional (representantes do governo, funcionários de outras organizações internacionais e parceiros nacionais). O documento deve ser sucinto e assumir que o leitor já está familiarizado com as instituições e actores envolvidos. Mais do que simplesmente identificar ou descrever as principais estruturas institucionais envolvidas nas mudanças climáticas, o Mapa Institucional deve fornecer uma avaliação crítica de como as questões climáticas são coordenadas entre os órgãos governamentais e com outras partes interessadas. O mesmo deve analisar todos os actores relevantes no país, nomeadamente o governo, doadores bilaterais e multilaterais, ONGs e o sector privado. Porque este tipo divisão nacional é difícil de encontrar, uma ilustração ou "mapa" que demonstre as ligações e relacionamentos entre as instituições é extremamente útil. O documento deve incluir uma breve descrição dos quadros de regulação e institucionais para as mudanças climáticas, bem como apresentar a cobertura, escala e coordenação das intervenções no quadro das mudanças climáticas. Isto fornecerá uma indicação da prioridade atribuída às mudanças climáticas no país. A identificação dos técnicos, lacunas institucionais, ou organizacionais deve, idealmente, ser seguida por recomendações concretas e pragmáticas para melhorias. Links para sites ou outras fontes de informação também são úteis. Um Mapa Institucional pode ser elaborado com base numa análise documental de documentos de política nacional, estratégias e relatórios de pesquisa sobre as mudanças climáticas. Relatórios específicos, tais como o Programa de Acção Nacional para a Adaptação (NAPA) e a Comunicação Nacional à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (UNFCCC), são bons pontos de partida. A análise pode ser complementada através de entrevistas com actores que são capazes de confirmar, complementar e/ou corrigir a análise documental. Etapa 3: Envolver as Partes Interessadas e seleccionar o Documento para a Avaliação dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas Em consonância com a própria política do PNUD sobre a integração das mudanças climáticas na ajuda ao desenvolvimento, estratégias, tais como o Quadro de Assistência das Nações Unidas ao Desenvolvimento (UNDAF), Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

20 Programa Único (One UN), e Avaliações Nacionais Comuns são metas óbvias numa avaliação de riscos climáticos que podem afectar uma trajetória de desenvolvimento nacional. Da mesma forma, há um número equivalente de estratégias e planos nacionais de desenvolvimento que podem ser avaliados a nível governamental. O exercício também pode concentrar-se em processos, políticas, estruturas, projectos, orçamentos e quaisquer outros documentos de programação. A identificação de um assunto adequado para a avaliação dos riscos e oportunidades das mudanças climáticas desempenha um papel relevante no sucesso da avaliação e do exercício de integração como um todo. Um processo de consulta com os decisores e técnicos de diferentes entidades governamentais e agências da ONU deve orientar o processo de selecção, tendo em conta uma lista de factores (apresentada à direita desta página). Um factor crucial para a selecção deve ser a vida ou ciclo do(s) documento(s). As partes interessadas devem considerar desde o início como e quando os resultados da avaliação de riscos climáticos poderão ser tidos em conta numa versão revista. O mesmo se aplica para o ciclo do "proprietário" do documento, seja ele uma instituição específica ou um grupo de organizações. A quantidade de documentos seleccionados para uma avaliação de riscos climáticos terá um impacto sobre a profundeza dessas avaliações (pressupondo o mesmo orçamento e cronograma). A escolha de muitos documentos de desenvolvimento fornece uma visão geral dos riscos e oportunidades em relação a cada documento, ao invés da avaliação detalhada, sobre um ou dois documentos específicos selecionados. Etapa 4: Metodologias de Avaliação dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas Existem diversas metodologias e ferramentas para avaliar os riscos das mudanças climáticas nos processos de desenvolvimento. A maioria é específica de agências e especializada em termos de audiência, alcance e objectivo. A variedade de metodologias disponíveis deve ser aproveitada para a obtenção do melhor método para o documento seleccionado e o objectivo preconizado. No Projecto de Integração dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas nos Processos de Desenvolvimento Nacional implementado em cinco países acima mencionados, o PNUD aplicou a sua proposta de directrizes genéricas Quality Standards for the Integration of Adaptation to Climate Changeinto Development Programming (2009) (doravante denominadas Padrões dequalidade do PNUD ). A ferramenta fornece uma abordagem analítica abrangente que pode ser aplicada a documentos de estratégia, programas, planos e políticas ou projectos, quer estes já existam ou estejam em progresso. Além disso, é aplicável às escalas nacional, regional ou Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

21 local e pode ser utilizada por pessoal da ONU e do PNUD, por autoridades nacionais, ou outros parceiros de desenvolvimento. Utilizando uma lista de questões, os Padrões de Qualidade do PNUD ajudam o utilizador a identificar os riscos climáticos, riscos de má adaptação, as oportunidades de adaptação, e medidas de para a integração adequada das considerações sobre as mudanças climáticas. A metodologia é baseada em quatro princípios ou padrões de qualidade: 1. Identificação dos Riscos das Mudanças Climáticas para Programas e Projectos As componentes dos programas e dos projectos são avaliados para determinar se a sua viabilidade ou a sua sustentabilidade a longo prazo está ameaçada pelas mudanças climáticas. Isto envolve a identificação das componentes que são sensíveis ou vulneráveis às manifestações emergentes ou previstas das mudanças climáticas (por exemplo, mudanças nos eventos extremos, ou mudanças de longo prazo, das condições climáticas ou ambientais regulares) 2. Identificação dos Riscos que Podem Resultar em Máadaptação Aumentos indesejados e imprevistos da vulnerabilidade podem surgir de actividades de projectos que não consideram mudanças das condições climáticas. As componentes dos programas e projectos são avaliados pelo seu potencial de aumento, a longo prazo, da vulnerabilidade ambiental ou social para as mudanças climáticas. Isso pode exigir uma avaliação transversal entre os sectores, porque as acções podem ser contraditórias entre si. 3. Identificação de Oportunidades de Adaptação As oportunidades de adaptação podem incluir pontos de entrada para: (i) (ii) (iii) (iv) facilitar a adaptação através de sinergias com as iniciativas existentes ou previstas, combinar a mitigação (redução das emissões de gases de efeito de estufa) e a adaptação, proporcionar benefícios adicionais de desenvolvimento, e/ou explorar alterações potencialmente benéficas das condições climáticas ou ambientais. 4. Avaliação e Integração de Potenciais Medidas de Adaptação Os criadores e gestores dos programas e projectos traduzem as oportunidades de adaptação identificadas em mudanças que podem ser transformadas em programa ou projecto. Estas medidas podem incluir a reavaliação dos objectivos e resultados esperados do programa ou do projecto, as alterações aos produtos e actividades, ou recomendações de política. As medidas de adaptação são avaliadas e priorizadas com base na viabilidade, eficácia e aceitabilidade, e, em seguida, integradas no programa ou projecto. Os resultados da avaliação dos riscos climáticos são apresentados num relatório que destaca, ideias e recomendações viáveis e concretas de medidas para aumentar a adaptação e evitar a má adaptação. Quanto mais práticas as Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

22 recomendações(incluindo, se possível, uma indicação dos custos implícitos), o mais provável será que as mesmas sejam claramente percebidas e integradas efectivamente. Uma atenção especial deve ser dada à análise sobre má adaptação. A avaliação dos riscos climáticos pode realmente identificar as actividades ou os objectivos que poderiam ser incompatíveis com a adaptação ou parecer inviáveis em futuros cenários climáticos. Por exemplo, os objectivos de aumentar significativamente empreendimentos turísticos num local que requer captação de águas subterrâneas podem ser incompatíveis com outros objectivos da política de promoção da irrigação para atingir auto-suficiência agrícola num cenário climático futuro que indica menos chuvas, menos humidade e temperaturas médias mais quentes. Além disso, a Equipa de Implementação e os interessados devem estar cientes de que as acções ou políticas que reduzem a vulnerabilidade ou aumentam a capacidade de adaptação às mudanças climáticas não podem ser alinhadas com os objectivos políticos ou estratégicos subjacentes. Pode haver implicações políticas para as medidas de adaptação/acções identificadas, para as recomendações fornecidas, e qualquer priorização de algumas medidas ou acções. Por exemplo, uma recomendação pode aconselhar a redução ou termo de uma actividade económica, que pode contrastar com uma política ou objectivo específico do governo. Embora a médio e longo prazo os benefícios sejam esperados, estes podem ser incompatíveis com a necessidade dos ciclos políticos de retorno imediato. Etapa 5: Desenvolver Capacidades das Partes Interessadas Capacitação é parte essencial do processo de integração. No Projecto dos Riscos Climáticos, o processo de capacitação incluía workshops em cada um dos países participantes, consultas individuais e apoio mais contextualizado à integração sempre que solicitado. Esta secção aborda, sobretudo a organização de workshops. Consultas individuais constituíram parte integrante de cada etapa do processo e consequentemente são referidas ao longo deste capítulo. Apoio dedicado à integração das mudanças climáticas é descrito na Etapa 6. O workshop é um importante evento do Projecto, pois proporciona a oportunidade de informar os intervenientes envolvidos na preparação, implementação e monitorização do plano ou estratégia de desenvolvimento seleccionado sobre a questão das mudanças climáticas, seus impactos e as oportunidades de adaptação, recebendo, ao mesmo tempo, feedback dos participantes. Entretanto, também reforça a cooperação inter-institucional, que é essencial para a efectiva tomada de decisão sobre as mudanças climáticas. O evento pode cumprir os seguintes objectivos: Melhorar a percepção dos participantes sobre os conceitos demudanças climáticas e sobre os cenários específicos do país. Apresentar o resumo dos resultados do Perfil Climático do País. Apresentar a metodologia de avaliação dos riscos climáticos. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

23 Partilhar e validar as propostas de resultados da avaliação dos riscos climáticos. Melhorar a capacidade dos participantes de identificar os riscos e oportunidades das mudanças climáticas, assim como as medidas de adaptação. Sensibilizar as autoridades nacionais sobre a importância de integração das mudanças climáticas nos processos de desenvolvimento. Estimular a cooperação inter-institucional através da troca de ferramentas, dados e experiência. Identificar outros documentos, projectos e programas que são alvo de avaliação de risco climático e priorizá-los. A agenda específica deve ser criada em colaboração com os principais intervenientes, para reflectir o contexto nacional, bem como os objectivos acordados, de modo que possa ser um catalisador para a definição de prioridades nacionais e da integração das mudanças climáticas. A agenda também deve ter em conta a duração do evento e o nível de participação (maior e generalizada, ou mais focalizada e técnica). As sessões que incidem especificamente sobre exercícios práticos são sempre mais populares nos workshops. Nestas sessões, os participantes discutem em grupos os principais conceitos de mudanças climáticas e passam para um estudo de caso para avaliar os eventos previsíveis da alteração climática, os riscos para a subsistência, e as medidas de adaptação numa determinada comunidade. Tais exercícios permitem uma integração real do material apresentado, bem como que os participantes troquem e reflictam sobre as suas próprias experiências. Etapa 6: Integrar as Mudanças Climáticas no Documento Revisto Com base nas recomendações feitas na avaliação dos riscos e oportunidades das mudanças climáticas, a etapa seguinte consiste em integrar estas considerações no(s) documento(s) escolhido(s), projecto(s) ou programa(s). Se tal integração for possível (e, em caso afirmativo, como isso pode ser feito) é necessariamente uma situação sensível. Vários factores são importantes A considerar, incluindo: as características do(s) documento(s) seleccionado(s), as instituições envolvidas, o tempo, o grau de envolvimento, interesse e priorização pelos decisores, e a eficácia e viabilidade das recomendações a serem integradas. O sucesso do esforço da integração climática pode ser melhorado, tendo as seguintes lições em consideração: O processo, incluindo a Etapa 5, deve ser o mais participativo possível, envolvendo os intervenientes directos nos comentários, para além dos donos institucionais mais directos do documento e a Equipa de Implementação. Tanto os intervenientes como a Equipa de Implementação envolvida no esforço de integração devem ter um mandato claro e sentido de prioridade por parte dos altos funcionários governamentais. Deve haver uma indicação do tempo e recursos disponíveis para realizar o trabalho. A Equipa de Implementação deve estar disponível para apoiar os intervenientes durante todo o processo. Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

24 Se for identificado como um requisito, ou especificamente solicitado, a Equipa de Implementação pode precisar considerar a capacitação/formação concentrada dos actores envolvidos no processo de integração. Isso permitiria aos actores oferecer tudo, desde apoio geral a respostas de questões detalhadas. Referências Guide Méthodologique pour l Introduction de l Environnement et UNDP, GTZ et MEPN de la République du Benin, 2007 Enverdecimento da Estratégia de Redução da Pobreza Novembro

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PAÍS. Características Geográficas

APRESENTAÇÃO DO PAÍS. Características Geográficas APRESENTAÇÃO DO PAÍS Características Geográficas A República Democrática de São Tomé e Príncipe, situada no Golfo da Guiné, e atravessada pela linha do Equador, é um Estado constituído por duas pequenas

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África

Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Contribuição de Hidroeléctricas e Barragens para o Desenvolvimento Sustentável em África Madalena Dray Consultora Socio-Ambiental Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002

CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002 CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002 A CIMEIRA Joanesburgo, África do Sul 26 de Agosto a 4 de Setembro de 2002 21 340 participantes 191 Governos Organizações

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Roteiro Passo a Passo

Roteiro Passo a Passo Roteiro Passo a Passo As secções abaixo providenciam um roteiro passo a passo para o ciclo de projecto ABC. O roteiro está organizado em torno dos estágios simplificados do ciclo do projecto análise, desenho

Leia mais

Integração das Mudanças Climáticas em Cabo Verde

Integração das Mudanças Climáticas em Cabo Verde Integração das Mudanças Climáticas em Cabo Verde Avaliação de Riscos e Oportunidades Climáticas Projecto: 'Integração dos Riscos e Oportunidades das Mudanças Climáticas nos Processos de Desenvolvimento

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DA AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Segunda Conferência Internacional sobre a nutrição Roma, 19-21 de Novembro

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Relatório dos seminários de definição das prioridades do GEF 5 para Moçambique 1. INTRODUÇÃO Moçambique beneficiou- se dos fundos

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Sociais e do Ambiente 26.2.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre "Cumprir os ODM: respostas inovadoras aos desafios sociais e económicos" Co-relatores:

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP)

REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EM IST, VIH E SIDA (RIDES IST - SIDA CPLP) 1 REDE DE INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EM SAÚDE DA COMUNIDADE DE

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental Estudo sobre o Papel das Convenções Internacionais sobre meio ambiente no Alívio a Pobreza em

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência Consultoria Nacional Guiné-Bissau Identificação da Consultoria Contratação de consultoria

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU. 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau

RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU. 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau RAPPORT WORKSHOP SUR STATISTIQUE ENVIRONMENTAL GUINE-BISSAU 1. Situação da Estatística Ambiental na Guiné-Bissau Introdução A conciliação entre Ambiente e Desenvolvimento é cada vez mais imperiosa, por

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente

Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente Respostas para artigo de Saúde Ambiental Jornal Água & Ambiente 1. É notório um significativo impacto na saúde humana decorrente de factores de risco ambientais tanto ao nível da morbilidade como da mortalidade

Leia mais

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA

INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA INVESTIR NA SAÚDE PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÓMICO DA ÁFRICA FUNDAMENTO A Directora-Geral da OMS estabeleceu em 2000 uma Comissão sobre a Macroeconomia e a Saúde (CMS), composta por economistas de

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL Relatório sobre a divulgação do Decreto de REDD+ a nível dos Governos Provinciais Introdução

Leia mais