OS DESAFIOS DA CONSTRUÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DESAFIOS DA CONSTRUÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL"

Transcrição

1 OS DESAFIOS DA CONSTRUÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Janilse Fernandes Vasconcelos 1 - Centro Universitário Franciscano/UNIFRA Maria Antonia Ramos de Azevedo 2 - Centro Universitário Franciscano/UNIFRA Marilene Gabriel Dalla Corte 3 - Centro Universitário Franciscano/UNIFRA Gracilliani Rosa da Cunha 4 - Centro Universitário Franciscano/UNIFRA Resumo: A elaboração, implementação e avaliação do Projeto Político Pedagógico no contexto da educação infantil é emergente no contexto educacional. É pertinente o estabelecimento de relações do Projeto e o Regimento Escolar por meio de análises e reflexões pautadas num estudo teórico. A idéia é fortalecer o papel da equipe de gestão junto aos professores e comunidade para a construção, elaboração e intervenção de um projeto que abarque na ação crítica e criteriosa da equipe gestora que contemple de fato as necessidades do contexto escolar e da realidade da comunidade. Palavras-chave: projeto político-pedagógico; profissionais da educação infantil; equipe gestora. 1 INTRODUÇÃO É consenso entre os estudiosos e profissionais da educação o valor inestimável do Projeto Político-Pedagógico de uma instituição de ensino. Dele emanam as concepções, finalidades e prioridades que norteiam as ações da comunidade escolar. Ele congrega o passado, o presente e o futuro, ou seja, representa o mais importante: a identidade da escola. O interesse em abordar o tema os desafios da construção, implementação e avaliação do projeto político pedagógico na educação infantil, surgiu a partir dos desafios contemporâneos que colocam as unidades escolares em confronto com as mais diversas situações de conflito e fragmentação no campo educacional, onde impera a necessidade de instaurar-se, sobretudo nas escolas, uma mudança na maneira de pensar e agir em educação. Para tanto, consideramos que a LDB 9394/96 ao instituir em seu Art. 12 a incumbência aos estabelecimentos de ensino de elaborar sua proposta pedagógica [...] Articular-se com as famílias e a comunidade criando processos de integração da sociedade com a escola, torna diretamente possível às escolas a mobilização social intermediada pelo 1 Mestranda em Educação/UNISINOS. Professora do Centro Universitário Franciscano/UNIFRA. 2 Doutoranda em Educação/USP. 3 Doutoranda em Educação/PUCRS. Professora do Centro Universitário Franciscano/UNIFRA. Profª da Rede Municipal de Ensino Santa Maria/RS. 4 Acadêmica do curso de Pedagogia do Centro Universitário Franciscano/UNIFRA.

2 2 PPP que se constitui peça chave no processo de ensino e aprendizagem. Tendo em vista a organização metodológica e a necessidade de expressão formal, com procedimentos de pesquisa que obedecem a uma abordagem qualitativa e ao desenvolvimento crítico-reflexivo das pesquisadoras, esse trabalho objetivou realizar um estudo para destacar a importância do Projeto Político-Pedagógico à escola de Educação Infantil; definir alguns aspectos relevantes da abrangência do PPP em seus princípios e estrutura. Também, buscouse estabelecer conexões entre os sujeitos envolvidos no processo de construção, implementação e avaliação do PPP, caracterizando a equipe gestora como elo de ligação nesse processo. Foi realizada uma pesquisa de cunho bibliográfico mediante a consulta de referenciais teóricos pertinentes ao assunto escolhido, onde, primeiramente, priorizou-se a identificação das fontes capazes de fornecer subsídios adequados à solução das problemáticas levantadas; também, buscou-se a leitura exploratória e seletiva do material pertinente à pesquisa; após empreendeu-se esforços na leitura analítica que teve o objetivo de organizar informações das fontes de consulta, as quais possibilitassem a obtenção de respostas ao problema investigado. Enfim, estabeleceu-se conexões entre os referencias estudados, conferindo, então, significado aos objetivos da pesquisa, onde a pesquisadora tratou de trazer contribuições próprias de seu posicionamento sobre os estudos bibliográficos. 2 A EDUCAÇÃO INFANTIL EM SEUS PRESSUPOSTOS E DESAFIOS As instituições escolares vêm construindo a sua trajetória histórica desde o Brasil colônia. Com o decorrer dos anos o sistema educacional vem passando por algumas transformações e, dessa forma, revendo algumas teorias e práticas. Sabe-se que na sociedade feudal, o processo educacional concretizava-se de modo mais espontâneo, onde o aprendizado efetivava-se por meio da prática, da participação em um grupo social e, muitas vezes, de um ambiente de promiscuidade e exploração. Assim, a criança exercia um papel secundário, consolidando seu aprendizado em meio aos adultos e desempenhando funções produtivas. Já na sociedade burguesa a criança começa a ser preparada para a vida adulta, aquela privilegiada socialmente será protegida e mais valorizada; muitas vezes aprende a ler com os irmãos mais velhos ou com a mãe que, em alguns casos, possui a formação primária. A partir desse momento a criança passa a ocupar um lugar especial na sociedade. Ela passa da condição inferior para a condição valorativa, onde suas necessidades serão atendidas

3 3 parcialmente; tudo isso devido as grandes transformações na organização e estrutura das famílias e da conscientização da sociedade quanto a importância das experiências na primeira infância. Partindo do pressuposto de que hoje, a educação é um direito de toda criança e as exigências em torno do trabalho pedagógico desenvolvido na escola são cada vez maiores, é que buscaremos abordar de maneira sistematizada o processo de elaboração do projeto político pedagógico. Nessa perspectiva, acreditamos que existam princípios fundamentais a serem contemplados pela escola, pelo grupo de profissionais que atuam na mesma e pela comunidade educativa. Considerando-se a importância da educação infantil para a formação integral da criança, no Brasil, a partir da Constituição de 1988, a Educação Infantil passa a ter relevância nas políticas públicas com um enfoque mais educacional e não somente assistencialista ou compensatório. A partir desse marco na história da educação do Brasil a educação infantil passa a ser concebida como direito da criança. Tem se, então, uma perspectiva pedagógica acerca do desenvolvimento infantil, em que a criança é vista como um ser em desenvolvimento, histórico e cultural. A partir das conquistas da Constituição Federal de 1988, surge a Lei nº 8.069/90 (ECA) em que foram reafirmados os direitos da criança e do adolescente, pressupondo mecanismos de implantação de programas para Educação Infantil. Na lei nº 8.069/90, em seu artigo 3º, destaca-se a grande preocupação com a proteção à criança e ao adolescente. A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade. (p.11-12). Além disso, o ECA pressupõe no Art. 4º os direitos das crianças e dos adolescentes quanto à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer. Então, tanto as crianças quanto os adolescentes necessitam de proteção e cuidados fundamentais para o seu desenvolvimento e para a sua vida. O Art. 58 do Estatuto da Criança do Adolescente, que dispõe especificamente sobre educação, coloca que devem ser respeitados os valores culturais, artísticos e históricos do contexto social da criança e do adolescente, ou seja, é preciso considerar os conhecimentos prévios que eles possuem e o ambiente social e cultural onde eles vivem.

4 4 A LDB 9394/96, Título V, capítulo II, art. 29 pressupõe que: A educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, completando a ação da família e da sociedade. Porém, alguns aspectos a este respeito foram revistos pela Lei /2006, em seu Art. 3º, que altera a redação do Art. 32 da LDB: O ensino fundamental obrigatório, com duração de 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão [...]. Sendo assim, podemos verificar que, de acordo com as políticas educacionais vigentes, a Educação Infantil passa a atender crianças na faixa etária de 0 a 5 anos de idade, mas isso não faz que com os seus objetivos e suas finalidades sejam alterados, isto é, a Educação Infantil tem um compromisso muito grande com o desenvolvimento integral das crianças, ou seja, a criança não pode ser separada em partes e não podemos nos preocupar só com o seu desenvolvimento físico e deixar os demais aspectos, entre eles, cognitivos e psicossociais, esquecidos. A escola precisará estabelecer e ampliar, cada vez mais, as relações sociais, fazendo com que a criança, aos poucos, tenha capacidade de articular seus interesses, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes que contribuam para sua formação integral. Projeta-se, portanto, a educação como etapa fundamental presente no nosso cotidiano, tendo como princípios o desenvolvimento integral da criança, valorizando suas capacidades individuais, a criatividade, a reflexão, a construção cognitiva e a exploração do meio sociocultural ao qual esta pertence, sem discriminação. Percebe-se, também, a necessidade de proporcionar a criança um ambiente aconchegante, que transmita segurança e confiança visando facilitar a adaptação e a interação com o meio. Para tanto, as instituições escolares devem proporcionar momentos que favoreçam o desenvolvimento da autonomia, a criticidade e a construção da identidade da criança, onde essas sejam valorizadas em sua cultura e em seu contexto bio-psico-social. Os Parâmetros de Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil (2006, p.31-34), apresentam reflexões sobre propostas pedagógicas de escolas, as quais são fundamentais para pontuar aspectos básicos no trabalho com a infância: 1. As propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil devem contemplar princípios éticos, políticos e estéticos. 2. As propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil promovem as práticas de cuidado e educação na perspectiva da integração dos aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivo/lingüísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível.

5 5 3. As propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil consideram que o trabalho ali desenvolvido é complementar à ação da família, e a interação entre as duas instâncias é essencial para um trabalho de qualidade. 4. As propostas pedagógicas explicitam o reconhecimento da importância da identidade pessoal dos alunos, suas famílias, professores e outros profissionais e a identidade de cada unidade educacional nos vários contextos em que se situem. 5. As propostas pedagógicas das instituições de Educação Infantil consideram a inclusão como direito das crianças com necessidades educacionais especiais. 6. As propostas pedagógicas são desenvolvidas com autonomia pelas instituições de Educação Infantil a partir das orientações legais. Dessa forma, torna-se imprescindível contextualizar, observando teoricamente, até que ponto o profissional da educação está capacitado para planejar, organizar, elaborar e implementar um projeto político-pedagógico que contemple realmente a formação integral da criança. Na escola, entre os principais objetivos a serem alcançados enfatizamos a adaptação, a socialização, satisfação da criança e dos pais, o bom relacionamento entre a equipe gestora, professores, funcionários e a comunidade. Essa escola deve estar preocupada, também, em enfatizar o aprendizado com base na liberdade de expressão, na criatividade, ludicidade, inclusão social, integração no grupo, construção reflexiva, crítica e autônoma. Afinal, a escola também é responsável pela definição da identidade do eu perante o mundo, sendo este eu construído pela ação de vários fatores que contribuem na busca de novos conhecimentos e saberes, na motivação e na valorização do fazer pedagógico. Segundo Freire (1996, p. 140): Uma das tarefas essenciais da escola como centro de produção sistemática do conhecimento, é trabalhar criticamente a inteligibilidade das coisas e dos fatos e a sua comunicabilidade. É imprescindível, portanto que a escola instigue constantemente a curiosidade do educando em vez de amaciá-la ou domesticá-la. Quanto ao grupo que atua diretamente no processo educativo, é fundamental este estar sempre buscando novas formas de superar as dificuldades e suprir as necessidades básicas do educando, obtendo apoio nas reuniões pedagógicas, observando qual é a melhor forma para enfrentar e concretizar com dedicação o processo de construção de conhecimentos. Desse modo, os profissionais devem atuar em sintonia com a escola, pois assim estarão colaborando diretamente para a implantação de um ensino de qualidade, que busca a mudança e a flexibilidade, estando atento aos quadros físico, psíquico, motor, social e cognitivo em que se encontram os sujeitos envolvidos.

6 6 Destacamos a importância de instigar os indivíduos que participam do processo educativo a serem profissionais pesquisadores, pois assim estarão em constante formação e reflexão referentes às suas próprias práticas. Logo, manter-se-ão ligados aos aspectos que contribuem para a construção pessoal e profissional dos aprendizes. 3 PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: IMPORTÂNCIA E ABRANGÊNCIA A elaboração do Projeto Político-Pedagógico da escola é o principal ponto de referência para a construção da identidade escolar e dos profissionais que nela atuam. Este é, também, a base para a formação de futuros cidadãos críticos e reflexivos, assim como o desenvolvimento de profissionais éticos e qualificados. Diante dessas exigências, parece fundamental esclarecer as dúvidas e as relações existentes entre Projeto Político-Pedagógico (PPP) e o Regimento Escolar (RE). Essas são algumas questões que buscaremos responder por meio de análises e reflexões pautadas na teoria, buscando contribuir tanto para o conhecimento, quanto para a elaboração e a execução de um projeto curricular que defenda teorias críticas e de uma gestão escolar democráticaparticipativa. Dessa forma, o currículo escolar deverá estar direcionado aos interesses da escola, considerando todo um contexto histórico, a realidade local e global, e as reais necessidades vivenciadas no cotidiano pelos envolvidos no processo educativo. As teorias críticas adotadas pela instituição devem estar expostas claramente no PPP da escola. Ressaltamos, ainda, que é importante explicitar neste documento o estilo de gestão que a equipe gestora utiliza para desenvolver as práticas pedagógicas. Um Projeto Político-Pedagógico tem a função de ajudar na conquista e consolidação da autonomia da escola. Nesse enfoque, necessita ser organizado e subsidiado por teorias e concepções de conhecimentos, promovendo o desenvolvimento integral dos indivíduos, atualizando-se e transformando-se de acordo com os avanços e as mudanças da comunidade escolar. O interessante, neste contexto, é que a escola tem autonomia para decidir que caminho seguir, que identidade deseja ter, que concepções teórico-práticas deseja desenvolver. Mas para que todo esse processo resulte em uma prática pedagógica construtiva, reflexiva, democrática, participativa, crítica que questione e transformadora da realidade atual, é necessário que antes o professor tenha conhecimento sobre o que é um projeto político-pedagógico.

7 7 Segundo Veiga (1995, p. 13): O projeto busca um rumo, uma direção. É uma ação intencional, com um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente. Por isso, todo projeto pedagógico da escola é, também, um projeto político por estar intimamente articulado ao compromisso sóciopolítico com os interesses reais e coletivos, da população majoritária. É político no sentido de compromisso com a formação do cidadão um tipo de sociedade. Tomando como base o projeto político-pedagógico, podemos compreender todo o funcionamento, a estrutura organizacional, a metodologia e os aspectos teórico-práticos presentes na práxis pedagógica, enfim, tudo o que pode e deve ser esclarecedor e transparente para o bom entendimento quanto à estrutura e o funcionamento da escola, tanto por parte da comunidade e especialmente pelos professores. Marques (1995, p.95-96) reflete acerca das terminologias projeto, político e pedagógico : Projeto porque intencionalidade em que articulam as perspectivas da atuação solidária dos instituintes da escola, perspectivas que necessitam das definições, sob pena de predominarem interesses alheios aos da comunidade dos a que serve a escola e dos que a fazem em seu dia-a-dia [...] Projeto político, porque se trata de opções fundamentalmente éticas no sentido das aprendizagens que a cidadania responsável e competente na sociedade contemporânea plural e diferençada, em amplo debate, julgue exigidas [...] Projeto pedagógico, porque nele se devem articular o entendimento compartilhado pelos integrantes do universo escolar sobre o que fazer, como e no interesse de quem, com a organização e condução das práticas nos limites do possível, mas sobretudo, no pleno aproveitamento das potencialidades todas abertas à capacidade da imaginação criadora e às audácias da vontade coletiva. As definições precisas, a que o autor se refere, constituem-se como eixos norteadores que servem de alicerce as intenções e ações político-pedagógicas da escola. Projetar, pensar, definir e agir com consciência e responsabilidade pressupõe clareza do que se quer, do porquê se quer, como se vai fazer, com quem e quando. Portanto, um projeto político-pedagógico é condição indispensável à comunidade escolar, pois deve ser resultante de criação sóciohistórica e torna-se condição básica para nortear as práticas educativas. A construção de um projeto político pedagógico requer continuidade, reestruturação, reavaliação, participação e democratização, partindo da problemática abordada pela comunidade escolar, sendo necessário primeiramente delinear os princípios norteadores em termos diretrizes, planejamentos e ação, definindo o rumo e as concepções sobre a prática pedagógica. Para que, se possa realizar uma prática pedagógica comprometida com a realidade

8 8 escolar, é indispensável que, além do conhecimento desta realidade, promova-se um processo de problematização crítica. Este deve sensibilizar a comunidade escolar para a elaboração do projeto político-pedagógico buscando soluções práticas para os problemas detectados, observando que este é um processo em constante construção/reconstrução, estando sempre aberto a novas análises, argumentações e questionamentos quanto às necessidades no decorrer de sua organização. Enfatiza-se que a própria construção e implementação do PPP nas escolas exige um parecer avaliativo que procure nortear os princípios reflexivos que exercitam o processo educacional. Atualmente a escola prima pela qualidade no ensino, visando especialmente a interdisciplinaridade, a socialização, a contextualização e a autonomia, expressando a necessidade de uma educação mais justa e solidária, mas esquece que, antes de tudo, é fundamental que o professor tenha conhecimento, habilidades específicas e especialmente, consiga desenvolver suas competências para desse modo, melhor compreender o sentido e a importância do saber; buscando a estruturação da aprendizagem a partir da estrutura econômica, social política e cultural do ambiente ao qual a escola e o educando pertencem. Para Morin (apud PETRAGLIA, 1995, p.71): O desenvolvimento das competências inatas a par do desenvolvimento das aptidões para adquirir, memorizar e tratar o conhecimento. É, pois, esse movimento espiral que nos permite compreender a possibilidade de aprender. Aprender não é apenas reconhecer, o que, de maneira virtual, já é conhecido. Não é apenas transformar o desconhecido em conhecimento. É a conjunção do reconhecimento e da descoberta. Aprender comporta a união do conhecido e do desconhecido. Com isso, percebemos que os educandos e educadores são considerados sujeitos centrais deste processo. Dessa forma, todos os sujeitos aprendizes devem estar em constante participação nos processos escolares. Entre esses processos encontra-se a construção e implementação do PPP. Destacamos que a participação de outros setores da comunidade devem se envolver neste processo de busca por uma melhor estruturação da equipe escolar em relação à construção e implementação do projeto político pedagógico da escola. Haja visto, inclusive, que infelizmente os PPPs existentes nas escolas estão desatualizados, desintegrados e desconstituídos de significado real, bem como a falta de sintonia entre o documento e o contexto escolar. As principais características de um projeto político-pedagógico são a necessidade de envolvimento da comunidade educativa, visando um processo de ação-reflexão-ação, que se

9 9 efetiva por meio da prática reflexiva, onde juntamente com o grupo se estabelece um ponto de referência que passará a ser o gerador de questionamentos, dúvidas, sonhos e do que realmente nossa escola necessita. Veiga (1995, p. 33) coloca que: É preciso entender o projeto político-pedagógico da escola como uma reflexão de seu cotidiano. Para tanto, ela precisa de um tempo razoável de reflexão e ação, para se ter um mínimo necessário à consolidação de sua proposta. Então, a partir desse processo de ação-reflexão-ação a comunidade educativa terá referenciais concretos para a elaboração de pareceres avaliativos referente a instituição e a realidade escolar, sendo possível analisar o processo em toda sua extensão, seja nos valores agregados à escola, metas a serem seguidas ou na recriação das regras para a construção crítica e autônoma da nova ordem pedagógica. Outra questão muito importante para a renovação do processo educativo é a participação efetiva da comunidade escolar (equipe gestora, professores, funcionários, alunos e pais) na construção do projeto político-pedagógico. Enfatizamos a presença e colaboração dos educandos, pois é fundamental que estes sejam atendidos em suas necessidades básicas educacionais, para assim, melhor compreender o significado e a real importância da construção do conhecimento, observando que a aprendizagem é um processo contínuo e em constante de transformação, de surgimento de hipóteses e da descoberta de novas potencialidades e saberes. Dentro dessa nova ordem pedagógica, onde a escola, juntamente com toda a equipe educacional busca promover transformações e implementá-las, é fundamental estabelecer novas abordagens com princípios norteadores para a construção e estruturação do Projeto Político-Pedagógico. 4 PRINCÍPIOS, ESTRATÉGIAS E ETAPAS FUNDAMENTAIS PARA A CONSTRUÇÃO DO PPP Para Padilha (apud GADOTTI, 2003), a concepção em relação à construção do PPP da escola necessita da definição dos princípios norteadores e estratégias concretas para sua operacionalização, tais como: Necessidade de um tempo maior para a consolidação da implementação do PPP (médio e longo prazo); Permanente parecer avaliativo e redimensionamento das propostas; Ter clareza quanto as reais necessidades e expectativas apontadas na avaliação;

10 10 Buscar qualificar o trabalho dos profissionais da escola nos setores administrativos, pedagógico e financeiro; Ter clareza de que o PPP não é documento fechado, pois deve ser suscetível às mudanças necessárias durante sua concretização; Tomando como base às colocações de Padilha, podemos restringir a cinco as etapas básicas para a construção do PPP: estabelecimento de um marco referencial; conhecimento da realidade escolar; objetivos a serem alcançados; ações a serem tomadas para alcançar os objetivos; avaliação do trabalho desenvolvido. Deve ficar explícito e evidente, ao se determinar a proposta político-pedagógica da escola, quais as concepções de ser humano, sociedade e educação que a mesma assume, que teoria educacional irá guiar o processo ensino-aprendizagem e como se manifestará a prática pedagógica cotidiana. Neste contexto, é preciso estabelecer conexão direta com o Regimento Escolar, uma vez que este dá sustentação legal aos pressupostos do PPP. O regimento escolar normatiza e rege as leis da escola, permitindo novos ajustes ao currículo, tendo importância fundamental para a sua execução, visando estender a educação a todos e assegurar a continuidade das ações e a organização das tomadas de decisões. Na perspectiva de Veiga (1995, p.13) diz que O projeto político-pedagógico ao se constituir em processo democrático de decisões, preocupa-se em instaurar uma forma de organização do trabalho pedagógico que supere os conflitos, buscando eliminar as relações competitivas, corporativas e autoritárias, rompendo com a rotina do mando impessoal e racionalizado da burocracia que permeia as relações no interior da escola, diminuindo, os efeitos fragmentários da divisão do trabalho que reforça as diferenças e hierarquiza os poderes de decisão. Portanto, o processo de construção do projeto político-pedagógico busca a organização da prática pedagógica da escola, colocando em evidência os exercícios das ações educativas que visem a globalização da comunidade escolar, a partir do seu próprio contexto. Essa globalização deve concretizar-se por meio de atividades reflexivas que envolvam todos os sujeitos participantes do processo educativo. Assim como, é fundamental acontecer de acordo com as necessidades dos indivíduos e do cotidiano. Mas para que essa construção adquira dimensões expressivas acerca do que a escola pretende atingir é necessário que esta seja relativamente autônoma, sendo capaz de delinear sua própria identidade, observando a importância da participação coletiva na elaboração do projeto, conscientizando-se que a escola é espaço público, local de discussões, construção, aprendizagem, experiências e reflexões coletivas.

11 11 Para Alarcão (2003, p. 36) [...] as escolas ainda não compreenderam, que também elas tem de se repensar. Permanecem na atitude negativa de se sentirem defasadas, mal compreendidas e mal amadas, ultrapassadas, talvez inúteis. Quedam-se à espera que alguém as venha transformar a si próprias. Por dentro. Com as pessoas que as constituem: professores, alunos, funcionários. Em interação com a comunidade circundante. O primeiro passo a ser definido trata-se do diagnóstico, da contextualização e da caracterização da realidade escolar para a qual o PPP será elaborado. Nesta construção deve ser claro o histórico escolar, a filosofia, as diretrizes, as metas e os objetivos da escola, as abordagens teóricas, o estilo de gestão, as concepções curriculares e outros aspectos adotados pela instituição. É preciso que a equipe gestora assegure a concepção de gestão democrática da escola e forneça subsídios teórico-práticos, horários, tempo para reuniões para que o PPP e a prática educativa surjam e cresçam de acordo com a verdadeira importância e sentido que estes têm para com a educação. Atingir essa etapa requer união e especialmente organização e planejamento das idéias propostas, pois, só se houver o compromisso de todos em assumi-la como um complexo teórico-prático, é que a escola estará alicerçada em uma teoria pedagógica construtiva, crítica e viável, onde o projeto curricular irá nortear os passos do processo educativo. Com esta base fornecida pelo currículo, os profissionais, principalmente os professores, poderão desenvolver as suas práticas pedagógicas de maneira reflexiva, buscando formar cidadãos autônomos e participativos. Essa teoria pedagógica crítica é tomada como referencial fundamental para a determinação da escola que busca partir do contexto social e da realidade escolar, oportunizar um espaço para análise e reflexão sobre as concepções da escola. Dessa forma será proporcionado um processo de ensino-aprendizagem qualitativo e significativo, onde consequentemente acontecerá a efetivação do PPP e das demais propostas que obviamente estarão presentes neste documento. 5 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO E A EQUIPE GESTORA NA ESCOLA A elaboração do projeto político-pedagógico implica na própria construção da identidade escolar. Nesse sentido a escola necessita definir que rumo tomar visando formar cidadãos críticos, autônomos e participativos. Assim como a participação da comunidade

12 12 educativa nas ações propostas pela escola e por ela própria. Segundo Souza & Carnielli (2003, p.142): O projeto político-pedagógico, portanto, apresenta-se como um instrumento de clara natureza democrática, ao possibilitar a apropriação coletiva pelos sujeitos da comunidade escolar, da competência de planejar o trabalho pedagógico que será realizado na escola e de lhe conferir a sua dimensão política. Pode-se dizer, então, que o projeto político-pedagógico é um instrumento de grande valia e que media as concepções da escola e as necessidades da comunidade escolar de um modo geral. Este colabora para a efetivação de uma prática reflexiva e a implementação de novas idéias, implicando na busca de saberes concretos, onde a teoria e a prática estejam inter-relacionadas, refletindo uma visão de mundo, de sociedade, de cidadania, na escola. A atmosfera escolar deve ser reflexiva e os pilares que sustentam essa escola devem estar fortemente embasados na descentralização e na democratização em busca de sua autonomia e qualidade. Veiga (1995, p.16) coloca que [...] qualidade não pode ser privilégio de minorias econômicas e sociais. O desafio que se coloca ao projeto político-pedagógico da escola é o de proporcionar uma qualidade para todos. A escola precisa oferecer condições de acesso a todos, sendo este direito previsto na LDB 9394/96: oferecer ensino de qualidade, evitar a repetência e a evasão, garantindo o desenvolvimento de habilidades e competências a todos os educandos. Para que esses princípios sejam alcançados é necessário que haja uma gestão democrático-participativa, onde as dimensões pedagógica, administrativa e financeira estejam interagindo de maneira que se rompa essa estrutura hierárquica histórica de que o aprendiz deve estar subordinado ao mestre. Conforme Libâneo (2001, p.100): As concepções de gestão escolar refletem, portanto, posições políticas e concepções de homem e sociedade. Para tanto, a gestão escolar ancorada num enfoque democrático-participativo precisa romper os paradigmas tradicionais e implementar os emergentes, ressaltando a necessidade da participação de todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, buscando a relação entre o pensar e o fazer entre a teoria e a prática, enfatizando que o projeto político-pedagógico propõe relações de trabalho alicerçadas na solidariedade, na reciprocidade, na participação coletiva e na coresponsabilidade da comunidade escolar. Libâneo (2001, p.105) pressupõe que

13 13 A gestão democrático-participativa valoriza a participação da comunidade escolar no processo de tomada de decisão, concebe a docência como trabalho interativo, aposta na construção coletiva dos objetivos e do funcionamento da escola, por meio da dinâmica intersubjetiva, do diálogo, do consenso. Não podemos pensar na construção e implementação de um PPP de qualidade sem nos darmos conta da importância da equipe gestora, que no caso, é o órgão que arquiteta, intervém, media e projeta os objetivos concretos, dando rumo à ação educativa; Para o autor [...] o trabalho escolar implica uma direção (p.115); percebemos aí que os gestores serão os sujeitos que oportunizarão a real concretização de projetos, propostas, planejamentos e, principalmente, de uma concepção de gestão democrático-participativa. Consideramos, portanto, que a organização e a gestão na escola passam pela ação competente e emancipatória da equipe. Infelizmente é notório que muitas equipes gestoras existentes nas escolas, não se configuram equipes de fato, pois os profissionais que as compõem não conseguem estabelecer conexões entre o eixo administrativo e pedagógico. Em função desse quadro, salientamos que é imprescindível que a equipe diretiva delimite seus espaços quanto a atuação e competências necessárias, assim como trabalhe de forma conjunta visando atingir objetivos comuns referentes a realidade escolar. Acreditamos que para haver uma prática pedagógica qualitativa é necessário que todos os sujeitos se envolvam no processo educativo, sendo que a equipe gestora irá mediar ações, propostas e fará parte das relações interpessoais existentes nos contexto e cotidiano escolar. Freire (1996) coloca a necessidade de rompermos com os padrões formais da educação, buscando uma prática crítico-educativa, onde acima de tudo esteja presente a ética profissional e o comprometimento dos educadores e educandos em estarem abertos as transformações. Essa desacomodação na estrutura organizacional da escola requer um novo processo de ação-reflexão-ação, com atitudes críticas e transformadoras por parte dos envolvidos na gestão democrático-participativa. CONSIDERAÇÕES FINAIS Destacamos a importância das instituições de ensino, entre elas as que se dedicam à educação infantil, elaborarem o seu Projeto Político-Pedagógico em consonância com o contexto sociocultural em que estão inseridas, não perdendo de vista que esta construção requer tempo, estudo, pesquisa, comprometimento e participação efetiva de todos os

14 14 envolvidos na comunidade escolar. Além de ser construído, o PPP requer implementação efetiva e responsável, bem como constante avaliação e [re]construção que potencialize a [re]significação dos ideais e necessidades cotidianas. Também, enfatizamos que sem uma equipe gestora profissional, qualificada e comprometida fica difícil a implementação de uma cultura organizacional administrativopedagógica que prime pela gestão democrática, participativa e aprendente. Portanto, frente ao estudo teórico proveniente de uma pesquisa bibliográfica realizada, fazemos as seguintes considerações sobre o tema: A construção e a implementação do PPP são instâncias diferentes, mas que estão correlacionadas, exigindo dos profissionais de ensino da escola uma ação reflexiva sobre o mesmo; O PPP construído e implementado pela comunidade escolar retrata uma gestão democrática e o real papel da escola; Projeto Político-Pedagógico é processo permanente de reflexão e transformação da realidade escolar. A escola deve ser um espaço comprometido com os interesses sóciopolíticos dos cidadãos; O PPP não pode ser "construído" na sala do diretor(a) com a coordenação pedagógica e o orientador(a) educacional e simplesmente apresentado a comunidade educacional; A equipe gestora tem papel fundamental na construção do Projeto Político- Pedagógico da escola. Concluímos, a partir desse estudo, que há momentos e tempos fundamentais a serem vivenciados pela comunidade escolar para que esse documento seja criado, re-alimentado e concretizado no dia-a-dia das práticas escolares. A construção e implementação do PPP deve constituir-se coletivamente; não deve ocorrer apenas pelas mãos da equipe gestora, mas por um processo colaborativo, ou seja, a equipe gestora tem o dever e o desafio de promover a construção e implementação do PPP, mas, sobretudo, é na coletividade e co-reponsabilidade dos integrantes da comunidade escolar que será possível a concretização de seus pressupostos e prioridades. Para finalizar, é fundamental que o Projeto Político-Pedagógico seja construído, implementado verdadeiramente e avaliado permanentemente.

15 15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo, Cortez, (Coleção Questões da Nossa Época ). BRASIL. Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Lei Nº 8.069/1990. Dispões sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Santa Maria: Ed. Palotti, Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº República Federativa do Brasil. Ministério da Educação e Cultura. Aprovada em 20 de dezembro de Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade para Educação Infantil. Brasília DF, Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/educinf/eduinfparqualvol1.pdf > Acesso em 22 de maio de Constituição, FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, GADOTTI, Moacir. Dimensão Política do Projeto Pedagógico da Escola. Revista Abc Educativo, maio de 2003, ano 4, nº 24. LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, MARQUES, Mario Osorio. A aprendizagem na mediação social do aprendido e da docência. Ijuí: UNIJUÍ, PETRAGLIA, Isabel Cristina. Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. Petrópolis, RJ: Vozes, 3ªed SOUZA, Rinaldo Alves & CARNIELLI, Beatrice Laura. Os Efeitos do Projeto Político Pedagógico na Gestão Escolar, segundo a concepção dos Alunos. Estudos em Avaliação Educacional, 2003, nº 28, jul-dez. VEIGA, Ilma Passos A. (org.). Projeto político-pedagógico da escola: Uma construção possível. Campinas: Papirus, (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO E O PAPEL DA EQUIPE GESTORA: DILEMAS E POSSIBILIDADES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO E O PAPEL DA EQUIPE GESTORA: DILEMAS E POSSIBILIDADES INTERACÇÕES NO. 21, PP. 204-218 (2012) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO E O PAPEL DA EQUIPE GESTORA: DILEMAS E POSSIBILIDADES Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP Rio Claro, Brasil razevedo@rc.unesp.br Maria

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Helena Beatriz de Moura Belle *

Helena Beatriz de Moura Belle * 196 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. 2 ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002 (Guia da Escola Cidadã, v. 7). Helena Beatriz

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 BATISTA, Keila Cristina (UNIOESTE) ZANARDINI, Isaura Monica Souza (Orientadora/UNIOESTE) Pelas leituras realizadas para a elaboração

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS 1 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás Juliana Guimarães

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A construção do Projeto Político Pedagógico contribuindo com a realidade da Escola. Viviane Kalil Fadel Plombon * PUCPR Resumo Para que ocorra um trabalho de qualidade em uma

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE PEDAGOGIA/2006: AVANÇOS OU RETROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS PROJETOS POLÍTICO PEDAGÓGICO Resumo: BALDINI, Márcia Aparecida - FAG marcia.baldini@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais