RESPONSABILIDADE SOCIAL EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA ÁREA DE MEIO AMBIENTE: DEVER OU POSSIBILIDADE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADE SOCIAL EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA ÁREA DE MEIO AMBIENTE: DEVER OU POSSIBILIDADE?"

Transcrição

1 RESPONSABILIDADE SOCIAL EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA ÁREA DE MEIO AMBIENTE: DEVER OU POSSIBILIDADE? VITÓRIA RÉGIA FERNANDES GEHLEN Universidade Federal de São Paulo CRISTIANE LUCENA BARBOSA Universidade Federal de Pernambuco DIANA CAROLINA GÓMEZ BAUTISTA Universidade Federal de Pernambuco JACKELINE FERNANDA FERREIRA CAMBOIM Universidade Federal de Pernambuco LÍGIA DE OLIVEIRA BRAGA Universidade Federal de Sergipe

2 RESPONSABILIDADE SOCIAL EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA ÁREA DE MEIO AMBIENTE: DEVER OU POSSIBILIDADE? RESUMO A Extensão Universitária é uma das funções sociais das Universidades juntamente com as de ensino e pesquisa e é por meio dela que tais instituições podem realizar ações de Responsabilidade Social - RS. Entende-se que as Universidades devem estar comprometidas com saberes na área social, econômico e ambiental e na promoção destes junto à sociedade. Ao considerar que ocorre uma crise ambiental global, o foco desta pesquisa está voltado para o que se tem feito para combatê-la. Para atingir esse objetivo, entende-se que se deve experimentar maneiras de se produzir conhecimentos e realizar ações com finalidade da promoção da RS através, principalmente, de programas/projetos de extensão na área ambiental. Avaliando os programas/projetos classificados para terem apoio do Ministério da Educação do ano de 2014 na linha de Meio Ambiente e Recursos Naturais, percebeu-se que tais programas/projetos estão, em número, abaixo de várias outras temáticas. Os dados revelaram ainda que, no tocante a RS, uma necessidade de realizar atividades e incentivos junto às Universidades para que elas despertem para seu papel na sociedade no que diz respeito ao meio ambiente, visto que a problemática ambiental só terá mudança com a sociedade sensibilizada e informada de sua importância neste processo. Palavras chave: Responsabilidade Social; Extensão Universitária; Meio Ambiente. SOCIAL RESPONSIBILITY IN UNIVERSITY EXTENSION IN THE ENVIRONMENTAL AREA: DUTY OR POSSIBILITY? ABSTRACT The University Extension is one of the social functions of universities along with teaching and research and it is through such institutions can perform actions for Social Responsibility - RS. It is understood that universities should be committed to knowledge in the social, economic and environmental and promoting these to society. When considering a global environmental crisis occurs, the focus of this research is facing what has been done to combat it. To achieve this goal it is understood that one must experience ways to produce knowledge and perform actions with the purpose of promoting RS primarily through programs / outreach projects in the environmental area. Evaluating programs / projects rated to have the support of the Ministry of Education in the year 2014 of Environment and Natural Resources online, it was realized that such programs / projects are, in number, under various other topics. The data also revealed that, with respect to RS, a need to carry out activities together and incentives to universities so they awaken to their role in society with regard to the environment, since environmental problems will only change with the sensitized society and informed of their importance in this process. Key Words: Social Responsibility; University Extension; Environment. 1

3 INTRODUÇÃO Na realidade socioambiental vivenciada, percebe-se, cada vez mais, a necessidade de mudança de comportamento no tocante à relação das pessoas com o meio ambiente. A alteração de comportamento vem se apresentar com a mudança de conceitos que podem ser alcançados através da educação e da incorporação de novos saberes. Segundo Chiavenato (2010), nunca houve uma impressionante mudança no comportamento humano nas organizações e vários fatores estão associados a ela como os econômicos, os tecnológicos, os culturais, os sociais, os políticos, os demográficos e os ecológicos. Entretanto, a educação, em seu sentido mais amplo, enfrenta acentuados problemas de qualidade e não alcançou patamares desejáveis de democratização, pois, se a cidadania, em sua expressão mais clássica, ainda engatinha, a ecocidadania, por seu turno, continua revestida de um caráter utópico e distante (LOUREIRO, 2011). Ao entender que as pessoas são uma das ferramentas capazes de realizar mudanças e, relacionando estas mudanças com a necessidade da incorporação de novos saberes que tragam as questões ambientais em seus diversos olhares, surge assim, a importância da Extensão Universitária nesse contexto. Isso porque essa atividade se apresenta como um dos caminhos para a Universidade mudar uma realidade e dela praticar sua Responsabilidade Social ao proporcionar o diálogo dos acadêmicos com a sociedade (PAULA, 2011; CRUZ et al., 2010). Entende-se por extensão universitária, baseado no Plano Nacional de Extensão como: o processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e a Sociedade. Assim, pode-se perguntar: Em que instância se dá a prática da Responsabilidade Social nas Universidades através de seus programas e projetos de extensão? Como estão em relação à linha temática de Meio Ambiente e Recursos Naturais? Deste modo, esta pesquisa, teve como objetivo geral, avaliar os projetos de extensão universitária classificados no Edital do Programa de Extensão Universitária MEC/SESu 2014 divulgados no portal do Ministério da Educação no ano de 2014 das principais Universidades Federais da Região Nordeste. Compreende-se que, pesquisas como esta são de grande importância na conjuntura atual e podem embasar discussões da prática para a geração de novos saberes que buscam soluções para crise ambiental global. Espera-se contribuir para esta importante reflexão e a inserção, cada vez mais, da temática ambiental na prática de extensão das Universidades como o caminho para práticas de ações de Responsabilidade Social com foco em meio ambiente diante da necessidade complexa que é entender a crise ambiental global, como também, buscar o avanço tecnológico com a conservação e manutenção do meio ambiente para as gerações futuras. 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA ÁREA DE MEIO AMBIENTE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Existem visões do que seria Responsabilidade Social em diversos segmentos. No presente artigo, será discutida a noção de responsabilidade vinculada aos projetos e programas de extensão universitária e sua relação com a temática ambiental. Com a finalidade de se compreender as bases conceituais e, ao mesmo tempo, proporcionar perguntas em torno de sua prática, Ashley (2005, p.73) faz o seguinte 2

4 questionamento: o que se entende por Responsabilidade Social nos diversos segmentos empresariais, acadêmicos, governamentais e da sociedade civil organizada? Tal questão serve para descobrir o que está presente nos discursos com a finalidade de perceber as perspectivas e respostas a cerca das práticas que serão recomendadas e realizadas (ASHLEY, 2005). Assim, Ashley (2005 p.56) percebe o conceito de Responsabilidade Social: O conceito de responsabilidade social corporativa não pode ser reduzido a uma dimensão social da empresa, mas interpretado por meio de uma visão integrada, dimensões econômicas, ambientais e sociais que, reciprocamente, se relacionam e se definem. Por meio do conceito de Ashley (2005 p.56), percebe-se que a responsabilidade social não é apenas social, mas engloba vários aspectos que devem ser percebido no tratamento dessa questão. Nesse sentido, Dias (2012) ressalta as diversas terminologias utilizadas para essa prática: Responsabilidade Social Empresarial (RSE); Responsabilidade Social Corporativa (RSC), Responsabilidade Corporativa (RC), porém a mais comum e abrangente entre elas é a Responsabilidade Social (RS). Dias (2012) ainda compreende a Responsabilidade Social como prática que tenham como finalidade evitar prejuízos e trazer benefícios aos envolvidos no processo. Segundo a visão do Instituto Ethos, a Responsabilidade Social se define em: A forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade (ETHOS, 2003). São diversas as razões pelas quais as empresas se veem com necessidade do exercício da Responsabilidade Social. Logo, entendendo as Universidades Federais como empresas educacionais e enquanto organização, não se percebe as mesmas fora deste contexto. Mello & Froes (2005) apontam que um dos motivos está na obtenção dos recursos vindos da sociedade, para assim, fazer uma prestação de contas e promover essa restituição pela obtenção dos recursos, pode ser feita não apenas por meio de produtos, mas, sobretudo, por meio de ações que busquem soluções aos problemas sociais. Essa ação de devolução à sociedade também pode vir com o financiamento de projetos sociais como afirmam Mello & Froes: A empresa deve financiar projetos sociais porque é certo, justo e necessário assim proceder. É um mecanismo de compensação das perdas da sociedade em termos de concessão de recursos para serem utilizados pela empresa. E não uma ação caridosa, típica dos capitalistas do início do século, que utilizavam filantropia como forma de expiação dos seus sentimentos de culpa por obterem lucros fáceis à custa da exploração do trabalho das pessoas e dos recursos naturais abundantes (MELO; FROES, 2005, P ). Para tanto, nas empresas, a Responsabilidade Social tem por foco o público interno que faz referência aos empregados e seus dependentes e, também, o público externo, quando suas ações visam beneficiar as comunidades, ou seja, investir em projetos sociais da própria empresa, 3

5 doações e prestações de serviços (MELO; FROES, 2005). Entende-se por Responsabilidade Social externa: Ações de Responsabilidade Social externa têm como foco a comunidade, e visam minimizar as suas principais carências, bem como promover o desenvolvimento sustentável da sociedade por meio de ações de saúde, educação, arte, esportes, cidadania e ecologia, realizados muitas vezes com parcerias do terceiro setor (MONOBE et al., 2010, p.31). Dessa forma, nota-se a importância desta responsabilidade para promover benefícios importantes à sociedade. Apontando para este contexto, estão as Universidades e o seu papel junto à comunidade na prática da Responsabilidade Social através de seus projetos e programas de extensão na área de meio ambiente. A despeito da Responsabilidade Social nas Universidades, o Sistema Nacional de Educação Superior (SINAES) instituída pela Lei nº /2004 considerada especialmente no que se refere a sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, á defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural (Art. 3ª paragrafo III. Grifo nosso), o que reforça a importância das ações também na área ambiental. Nesse sentido, o Plano Nacional de Extensão Universitária conceitua extensão universitária como: o processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e a Sociedade. Segundo Bolan & Motta (2007), o Sistema Nacional de Ensino Superior não utiliza o termo Responsabilidade Social Universitária por percebê-la como finalidade institucional e acadêmica. Desse modo, percebe-se que a Responsabilidade Social na Universidade não se dá de forma tradicional, mas por meio de projetos de extensão como está determinada no Artigo 207 da Constituição Federal do Brasil de 1988 As universidades gozam de autonomia didáticocientífica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão (BRASIL, 1988, grifo nosso). Entretanto, para que alguma ação da Universidade seja instituída como extensão é necessário que se tenha uma política de extensão que traga conceitos, diretrizes, além das finalidades e funções abordadas em instâncias institucionais deliberativas e normatizadas por meio de Estatutos, Regimentos, Plano de Desenvolvimento Institucional, Resoluções, Portarias e Editais (PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO, 1999). Nessa perspectiva, a importância do ensino universitário para a Responsabilidade Social está no fato, segundo Bollan & Motta (2007 p. 208) de: A promoção de um ensino socialmente responsável abarcaria a formação de indivíduos qualificados para a inclusão no mercado profissional e igualmente a formação de indivíduos críticos, moralmente competente, capazes de tomada de decisões frente a questões éticas, não apenas considerando uma visão deontológica, mas também seus contextos pragmáticos, morais e sociológicos. A auto sustentabilidade, mas do que um conteúdo curricular compreenderia o foco sobre o qual as instituições desenvolveriam ações que fomentem o compromisso dos alunos com a vida e sua preservação. Envolve sua capacitação para ir além do reconhecimento dos problemas ambientais no sentido amplo da palavra. 4

6 Verifica-se que as questões ambientais podem e devem ser trabalhadas nas Universidades Federais como promoção de novos saberes que proporcionem para a sociedade um conhecimento, tornando a mesma aliada neste tempo de crise ambiental global. Trabalhar meio ambiente, recursos naturais e desenvolvimento sustentável pode favorecer para a manutenção e condições de sobrevivência para as gerações futuras. Nesse cenário, podem-se perceber algumas dimensões em torno do desenvolvimento sustentável com a Responsabilidade Social. O conceito de desenvolvimento sustentável é um conceito que gera polêmica pelas suas múltiplas interpretações, no entanto, o Relatório de Brundtland ressalta o conceito como um avanço na temática, independentemente do surgimento de diversas discussões, segundo Dias: Embora seja um conceito amplamente utilizado, como já mencionado, não existe uma única visão do que seja o desenvolvimento sustentável. Para alguns, alcançar o desenvolvimento sustentável é obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo mais racional dos recursos naturais e da utilização de tecnologias mais eficientes e menos poluentes. Para outros, o desenvolvimento sustentável é antes de tudo um projeto social e político destinado a erradicar a pobreza, elevar a qualidade de vida e satisfazer ás necessidades básicas da humanidade que oferece os princípios e orientações para o desenvolvimento harmônico da sociedade, considerando a apropriação e a transformação sustentável dos recursos ambientais (DIAS, 2010, p ). No contexto de Desenvolvimento Sustentável, pode-se incorporar a questão da extensão universitária como uma alternativa de promoção de projetos que visam satisfazer algumas necessidades da sociedade. Nesse sentido, a extensão pode ser compreendida como uma ação que busca promover uma associação entre Universidade e Sociedade, possibilitando a relação teoria/prática e, com isso, a promoção de saberes acadêmicos e populares (BRASIL, 2001). 2 MATERIAIS E MÉTODOS - METODOLOGIA Entendendo que Extensão é uma das funções sociais da Universidade, o presente estudo, de caráter exploratório-descritivo, teve como objetivo geral avaliar os programas e projetos de extensão universitária classificados das Universidades Federais da Região Nordeste no Edital do Programa de Extensão Universitária - MEC/SESu 2014 divulgados no portal do Ministério da Educação no ano de Para Gil (2010), as pesquisas exploratórias têm como principal finalidade desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias e o objetivo de proporcionar visão geral acerca de determinado fato e, através das pesquisas descritivas, pode-se realizar a descrição das características de determinada população ou fenômeno com a utilização de técnicas padronizadas de coleta de dados. Para tanto, foi feito o levantamento das Universidades Federais presentes nos estados da Região Nordeste através do portal do Ministério da Educação e considerando a definição de Universidade segundo a Lei nº de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (CASA CIVIL, 1996): 5

7 Art. 52. As universidades são instituições pluridisciplinares de formação dos quadros profissionais de nível superior, de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo do saber humano, que se caracterizam por: I - produção intelectual institucionalizada mediante o estudo s istemático dos temas e problemas mais relevantes, tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e nacional; II - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado; III - um terço do corpo docente em regime de tempo integral. Uma vez localizadas, para definição da amostra, foram consideradas as maiores Universidades, ou seja, para cada estado da Região Nordeste, foi identificada a maior Universidade, segundo o critério daquela que possuísse mais cursos de pós graduação, mediante consulta ao portal da Capes (CAPES, 2014). Seguem abaixo descritas (Tabela 1). Tabela 1. Listas das universidades públicas com maior número de cursos de pós-graduação dos Estados do Nordeste disponibilizada pela CAPES (2014). UF Instituição de Ensino Superior Sigla Totais de cursos de pós graduação BA Universidade Federal da Bahia UFBA 118 PB Universidade Federal da Paraíba UFPB 74 AL Universidade Federal de Alagoas UFAL 40 PE Universidade Federal de Pernambuco UFPR 123 SE Universidade Federal de Sergipe UFSE 52 MA Universidade Federal do Maranhão UFMA 32 PI Universidade Federal do Piauí UFPI 37 RN Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN 93 CE Universidade Federal do Ceará UFC 99 Fonte: autores, Total = 668 A partir daí, deu-se início a segunda etapa da pesquisa que consistiu em consultar o site do Ministério da Educação, na área do portal referente aos projetos de extensão que foram submetidos por estas Universidades no ano de 2014, fazendo assim, o levantamento destes projetos, registrando o título, área temática, subtema, nota de cada projeto e status de classificação. Esses aspectos possibilitam caracterizar a coleta dos dados dentro de um viés qualitativo para a sua identificação e quantitativo para a apresentação. Logo, para um bom entendimento, ocorreu a associação quali-quantitativa na análise dos dados coletados a fim de responder as questões: Em que instância se dá a prática da Responsabilidade Social nas Universidades Federais no Nordeste brasileiro através de seus programas e projetos de extensão? Como estão em relação à linha temática de Meio Ambiente e Recursos Naturais? 6

8 Para responder as perguntas propostas, fez-se necessário a análise dos dados coletados e seu diálogo com a fundamentação pesquisada. Pretende-se identificar as atividades relacionadas à prática da Responsabilidade Social que as Universidades Federais estão realizando através de seus projetos e programas de extensão, em especial a linha de Meio Ambiente e Recursos Naturais, entendendo que é de extrema importância o papel das Universidades na promoção do Desenvolvimento Sustentável e da Responsabilidade Social. Seguem abaixo as linhas temáticas (tabela 2). Tabela 2. Linhas temáticas disponíveis no Ministério da Educação (2014) para inscrição dos projetos e programas de extensão das universidades. Linhas Temáticas presentes no EDITAL PROEXT PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Linha 1: Educação Linha 2: Cultura e arte Linha 3: Pesca e aquicultura Linha 10: Direitos humanos Linha 11: Promoção da igualdade racial Linha 12: Mulheres e relações de gênero Linha 4: Promoção da saúde Linha 5: Desenvolvimento urbano Linha 6: Desenvolvimento rural Linha 6: Estágios Interdisciplinares de Vivência EIV Linha 7: Redução das desigualdades sociais e combate à extrema pobreza Linha 8: Geração de trabalho e renda por meio do Apoio e Fortalecimento de empreendimentos econômicos solidários Linha 9: Preservação do patrimônio cultural Brasileiro Linha 13: Esporte e lazer Linha 14: Comunicação Linha 15: Inclusão produtiva e desenvolvimento regional: Rotas de Integração Nacional Linha 16: Justiça e direito do indivíduo privado de liberdade Linha 17: Ciência, tecnologia e inovação para a inclusão social Linha 18: Meio Ambiente e Recursos Naturais Linha 19: Juventude Linha 20: Articulação e Participação Social Fonte: autores, APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A problemática ambiental é presente e bastante atual. Mesmo com a existência de legislação e normatização, torna-se ainda mister avançar neste contexto, buscando, cada vez mais, incorporar novos saberes e ter atitudes que venham fazer diferença para a preservação do meio ambiente. 7

9 Pode-se associar a geração de novos saberes às Universidades, sendo no presente estudo, as Universidades Federais da Região Nordeste e, em relação às mesmas, como se dá a prática da Responsabilidade Social (RS) através de seus projetos e programas de extensão na linha temática de Meio Ambiente e Recursos Naturais. Diante do exposto, inicia-se a análise dos dados coletados em consulta ao portal do Ministério da Educação (2014) que foram tabulados a fim de promover uma melhor compreensão. Observa-se que as linhas temáticas dos projetos de extensão universitária (Tabela 2) estão voltadas para os direitos sociais básicos, uma vez que se encontram em sintonia com o que está disposto do artigo sexto da Constituição Federal de 1988: Art.6º- São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. Assim, dessa forma, pode-se corroborar, mais uma vez, a questão de que os projetos de extensão universitária podem ser considerados como a execução de ações de Responsabilidade Social das Universidades para a sociedade. De acordo com DIAS (2012), a Responsabilidade Social varia de acordo com a empresa onde ela é realizada, contudo, há alguns pontos de convergência entre essas ações: Tabela 3. Pontos de Convergência de ações de Responsabilidade Social e sua relação com a atividade de extensão na universidade. Pontos de Convergência de Ações de Responsabilidade Social Pontos Atividades de extensão na Universidade Compromisso social da empresa Decisão voluntária Conduta ética Ações voltadas para fora das portas das Universidades Elaboração dos projetos pelos próprios docentes por decisão própria e opcional A transparência e prestação de contas que existe Benefícios para a sociedade Desempenho ambiental Projetos em consonância com as linhas temáticas voltadas para o social (rever Tabela 2) Linhas temáticas também voltadas para a área ambiental (rever Tabela 2) Adaptabilidade Os projetos que são dos mais diversos e que se adaptam de acordo com a especialidade da equipe que executa o projeto Fonte: Dias, Como referido anteriormente, os projetos de extensão cumprem sim requisitos de RS: compromisso social versus ações voltadas para fora das portas das Universidades, decisão voluntária versus elaboração dos projetos pelos próprios docentes por decisão própria e opcional, 8

10 conduta ética versus a transparência e prestação de contas que existem, benefícios para a sociedade versus projetos em consonância com as linhas temáticas voltadas para o social (rever Tabela 2), desempenho ambiental versus as linhas temáticas também voltadas para a área ambiental (rever Tabela 2), adaptabilidade versus os projetos que são dos mais diversos e que se adaptam de acordo com a especialidade da equipe que executa o projeto. Tabela 4. Lista de Projetos de Extensão Universitária contemplados por Instituição de Ensino Superior (IES) disponibilizada no Ministério da Educação (2014). Fonte: autores, Na Tabela 4, estão dispostos os projetos classificados de acordo com os critérios do Edital (total de 208 projetos classificados) e pode-se constatar certo equilíbrio de projetos por temas, os quais variam de 1 a 23 projetos por tema, mas tendo a variação percentual entre 0 a 11% de representatividade. Esse número era de se esperar, pois, um dos critérios de seleção do Edital do Programa de Extensão Universitária estipula o número máximo de projetos por IES por Linha Temática de 4 ao todo - sendo 2 projetos e 2 programas. Um resultado interessante é o número de projetos classificados pela Universidade Federal da Paraíba, onde 90% dos projetos submetidos foram classificados (Tabela 5), em contraponto à Universidade Federal de Alagoas, onde 56% de seus projetos foram desclassificados. Tabela 5. Apresentação da submissão dos projetos e programas pelas Universidades da Região Nordeste disponibilizadas no Ministério da Educação (2014). IES Submissão Classificados Classificação Relação Desclassificados ao total Relação ao total Universidade Federal da Bahia % 17 49% Universidade Federal da Paraíba % 7 10% Universidade Federal de Alagoas % 18 56% Universidade Federal de Pernambuco % 22 54% Universidade Federal de Sergipe % 9 53% Universidade Federal do Maranhão % 3 30% Universidade Federal do Piauí % 4 29% Universidade Federal do Rio Grande do Norte % 10 18% Universidade Federal do Ceará % 19 44% Fonte: autores, Total

11 Com a figura 1, observa-se a proporção de projetos classificados na linha de Meio ambiente e recursos naturais em relação aos demais temas, contudo o que se mostra importante é a não classificação de programas e projetos nessa linha temática em cinco das nove Universidades realizadas. Para que isso ocorra pode ter duas hipóteses: a real falta de incentivo e interesse em se realizar ações nessa linha temática, ou então, mas não menos grave, a má qualidade dos programas e projetos apresentados à seleção, o que ocasionou uma possível desclassificação dos mesmos. Ambas as situações são preocupantes, uma vez que se espera que o interesse por desenvolver ações na área ambiental vem se mostrando urgente, bem como, por se tratar das maiores Universidades da Região Nordeste, como também, entende-se que a qualidade dos profissionais de ensino seja de maior gabarito. Figura 1. Apresentação da relação dos programas e projetos na linha de Meio ambiente e recursos naturais disponibilizados no Ministério da Educação (2014). Ainda dentro da linha temática 18: Meio ambiente e recursos naturais, os subtemas relacionados estão listados na tabela 6, conforme segue abaixo: 10

12 Tabela 6. Subtemas da Linha Temática 18( Meio Ambiente e Recursos Naturais) apoiados no Edital do Programa de Extensão Universitária MEC/SESu Subtemas da Linha Temática 18: Meio Ambiente e Recursos Naturais Florestas Apoio às atividades de conservação, recuperação dos ecossistemas e melhoria dos processos de manejo, tendo como público alvo, preferencialmente, agricultores familiares, agricultores beneficiados de assentamentos da reforma agrária e comunidades tradicionais Agroecologia e Agroextrativismo: Capacitação e mobilização social mediante a oferta de oficinas, cursos e outros meios de formação inclusive para o cooperativismo e empreendedorismo, que envolvam, preferencialmente, famílias de baixa renda e comunidades tradicionais. Conservação e uso da biodiversidade: Apoio às atividades de conservação, recuperação dos ecossistemas e melhoria dos processos de manejo que envolvam, preferencialmente, famílias de baixa renda e comunidades tradicionais. Gestão de Águas - Apoio às atividades de uso e gestão de recursos hídricos, que envolvam preferencialmente agricultores, organizados por bacia hidrográfica, populações de baixa renda de zonas semiáridas, populações urbanas em situação de risco, prefeituras municipais. Qualidade Ambiental - Promoção da qualidade ambiental, em atividades que envolvam, preferencialmente, as administrações de municípios de pequeno porte na forma de consórcios públicos, cidades médias e catadores de resíduos sólidos organizados. Produção e Consumo Sustentáveis Apoio às atividades de produção e consumo sustentáveis, que envolvam, preferencialmente, arranjos produtivos locais, clusters e a cadeia da construção civil. Juventude e meio ambiente - Apoio às iniciativas que promovam o envolvimento de jovens, dentro e fora da Universidade no cuidado com meio ambiente e na gestão ambiental, por meio de atividades participativas. Os dez projetos classificados estão nas linhas temáticas supracitadas e distribuídas de acordo com a tabela 7 abaixo. 11

13 Tabela 7. Apresentação da relação dos programas e projetos na linha de meio Ambiente e Recursos Naturais disponibilizados no Ministério da Educação (2014). IES Programa/Projeto Linha 18: Meio Ambiente e Outras Relação Recursos Naturais Subtema Universidade Federal da Bahia % Produção e Consumo Sustentáveis Gestão de Águas Universidade Federal da Paraíba % Produção e Consumo Sustentáveis Conservação e uso da biodiversidade (2x)* Universidade Federal de Alagoas Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal do Maranhão Universidade Federal do Piauí Universidade Federal do Rio Grande do Norte % Universidade Federal do Ceará % Total= *Refere-se a que há dois programas/projetos classificados na mesma linha temática. Fonte: autores, Conservação e uso da biodiversidade Produção e Consumo Sustentáveis Produção e Consumo Sustentáveis Gestão de Águas Agroecologia e Agroextrativismo Figura 2. Apresentação da frequência dos programas e projetos na linha de meio Ambiente e Recursos Naturais disponibilizados no Ministério da Educação (2014). 12

14 A tabela 7 juntamente com a figura 2 demonstra que nem todos os subtemas foram contemplados, havendo uma maior concentração no de produção e consumo sustentável e nenhum nos de floresta e qualidade ambiental. Diante do exposto, percebe-se que extensão universitária e a relação da pesquisa/ensino com a sociedade pode ser uma ferramenta de extrema relevância para o exercício da Responsabilidade Social nas Universidades e a produção de novos saberes para todos envolvidos no processo. CONSIDERAÇÕES FINAIS O avanço da tecnologia e as novas descobertas que a ciência apresenta no cenário atual são evidentes. A importância das Universidades Federais no tocante a promoção de saberes que busquem caminhos para equacionar essa relação entre tal avanço e a preservação do Meio Ambiente é urgente e necessária. A Extensão Universitária pode ser este caminho através dos projetos e programas elaborados e desenvolvidos pelas Universidades para viabilizar atividades que resgatem o seu elo com a sociedade. Como visto no decorrer deste texto, estes podem ser submetidos ao Ministério da Educação e, caso aprovados, serem executados e transformados em excelente ferramenta para disseminar conhecimento e interação da academia com a comunidade. O Ministério da Educação apresenta várias linhas temáticas para a submissão destes projetos e programas, dentre elas, a de Meio Ambiente e Recursos Naturais. Assim, pode-se utilizar esta linha como um instrumento de possibilidade para se trabalhar as questões ambientais. Na análise dos dados, ficou evidente que a maneira de atuação das ações de Responsabilidade Social na área ambiental no âmbito da Região Nordeste terá uma atuação bastante limitada. Oportunidades de atuação de programa e projetos de extensão são possibilitadas pelo Ministério da Educação, no entanto não vem sendo aproveitados pela comunidade acadêmica, o que compromete também a sua atuação junto à sociedade. Dessa maneira, espera-se que as Universidades busquem, através de projetos e programas de Extensão Universitária, a prática de ações de Responsabilidade Social na temática ambiental, visto que, diante da crise ambiental global, seu papel torna-se imprescindível para corroborar com mudanças positivas junto à ciência e à sociedade tão ávida por conhecimento sobre Meio Ambiente e de como se pode melhorar esta relação de vivência e sobrevivência, garantindo a preservação do mesmo para as gerações futuras. Assim, pesquisas neste contexto contribuem para que seja dada continuidade em torno desse debate de extrema relevância para a sociedade. REFERÊNCIAS ASHLEY, Patrícia (Cord). Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. 2ª ED. São Paulo: Saraiva, CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Disponível em: 13

15 <http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/projetorelacaocursosservlet?acao=pesquisr RegiaoIes&codigoRegiao=2&descricaoRegiao=Nordeste>. Acesso em: 16/07/14. CASA CIVIL. Lei nº de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: Acesso em: 30/06/14. CHIAVENATO, Idelbrando. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3ª ED. Rio de Janeiro: Elsevier, BRASIL. Presidência da República Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 16/07/14. BRASIL. Lei /04. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Educação Superior-SINAES e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 27/07/14.. Avaliação Nacional de Extensão Universitária. Fórum de Pró-Reitores de extensão das Universidades públicas brasileiras, Brasília: MEC/SESU, Paraná (UFPR), Ilhéus (BA) UESC (coleção extensão universitária v.3) CRUZ, Breno, MELO, et,al. Extensão Universitária e Responsabilidade Social: 20 anos de Experiência de uma Instituição de Ensino Superior. In. XXXIV Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, DIAS, Reinaldo. Responsabilidade Social - Fundamentos e Gestão. 1ª ED. São Paulo: Atlas, DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e sustentabilidade. 1ª ED. São Paulo: Atlas, ETHOS, Instituto. Glossário dos Indicadores Ethos, Disponível em: <http://www3.ethos.org.br/wp-content/uploads/2013/09/gloss%c3%a1rio-indicadores-ethos- V pdf>. Acessado em 2 de agosto de GIL, Antônio. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ED. São Paulo: Atlas, LOUREIRO, Carlos; et. al. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 5ª ED. São Paulo: Cortez, MELO, Francisco; FROES, César. Responsabilidade Social e Cidadania Empresarial: a administração do terceiro setor. 2ª ED. Rio de Janeiro: Qualitymark,

16 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portal do Ministério da Educação. Disponível em: Acesso em: 16/07/2014. MONOBE, Maria; BENEDICTO, Gideon; SILVA, Lucas. Evolução histórica dos estudos sobre a ética. In. SILVA-FILHO, Cândito; BENEDICTO, Gideon; CALIL, José (Orgs). Ética, Responsabilidade Social e Governança Corporativa. 2ª ED. Campinas: Editora Alínea, PAULA, Sílvio Luiz de. Responsabilidade Social em instituições de ensino superior: a construção da impressão de organização socialmente responsável. 1ª ED. Recife: Editora Universitária,

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS - PROEXAE PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO - PIBEX EDITAL Nº 006/2015 PROEXAE/UEMA A Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis da Universidade

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015

1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 1ª Retificação do Edital Nº 024/2015 O Diretor Geral do Câmpus Juiz de Fora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), no uso de suas atribuições

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições

Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos em condições Programa Fundo Solidário Construído para garantir inclusão socioeconômica Capacitando, assessorando e financiando pequenos empreendimentos solidários a Obra Kolping experimenta um caminho entre empréstimos

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO. Edital nº 050/2014

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO. Edital nº 050/2014 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO Edital nº 050/2014 Patricia Alves de Souza, Pró-Reitora de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação da Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC, no uso

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS Conceito de extensão, institucionalização e financiamento UNB Brasília, 04 e 05 de novembro de 1987 DOCUMENTO FINAL Foi realizado

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE

A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE A FORMAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO SUPERIOR ATRAVÉS DA INSERÇÃO DOS ESTUDANTES EM PROGRAMAS INSTITUCIONAIS: UM ESTUDO DE CASO NA UFRPE Introdução Wagner José de Aguiar Universidade Federal Rural de Pernambuco

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E EMPRESAS RESUMO DIADOSK, A.; FERREIRA, A. H. Valendo-se da real mudança de valores, as empresas estão engajadas à ideia de desenvolvimento sustentável e à preservação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult

EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult EDITAL 2012 PARA APOIO À REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES ARTÍSTICO - CULTURAIS NA UFSCar - CCult JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º. define como finalidade

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta:

PROJETO DE LEI N º 1219/2003. Decreta: A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO PROJETO DE LEI N º 1219/2003 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. Autor: Vereador Rodrigo

Leia mais

As Categorias Comparadas

As Categorias Comparadas Capítulo 2 As Categorias Comparadas Ao aplicar e analisar as respostas aos instrumentos do Diagnóstico da Extensão Universitária Brasileira 2005, a CPAE concluiu pela viabilidade de realizar um estudo

Leia mais

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL.

INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. INTERFACES ENTRE RESERVAS PARTICULARES DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) E INCLUSÃO SOCIAL. Adriano Lopes de Melo, Paulo César Silva da Motta e Deise Moreira Paulo 1 A discussão sobre a importância e necessidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional de Extensão Universitária PROEXT Programa Mais Cultura nas Universidades

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional de Extensão Universitária PROEXT Programa Mais Cultura nas Universidades MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Programa Nacional de Extensão Universitária PROEXT Programa Mais Cultura nas Universidades Gramado, RS 21/05/2015 PROEXT Legislação Decreto n 6.495, de 30/06/08 Institui o PROEXT

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

LEI Nº 9.265 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Lei: O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº18/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIOS PARA INICIAÇÃO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO PIVIEX/IFRJ

EDITAL DE EXTENSÃO Nº18/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIOS PARA INICIAÇÃO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO PIVIEX/IFRJ EDITAL DE EXTENSÃO Nº18/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE VOLUNTÁRIOS PARA INICIAÇÃO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO PIVIEX/IFRJ A Pró-Reitora de Extensão, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

LEI Nº 9.265. Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. LEI Nº 9.265 Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Art.

Leia mais

CHAMADA INTERNA Nº 001/2015 - PROEXT/UNIPAMPA SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS. PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEC/SESu. EDITAL PROEXT MEC/SESu 2016

CHAMADA INTERNA Nº 001/2015 - PROEXT/UNIPAMPA SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS. PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEC/SESu. EDITAL PROEXT MEC/SESu 2016 CHAMADA INTERNA Nº 001/2015 - PROEXT/UNIPAMPA SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA MEC/SESu EDITAL PROEXT MEC/SESu 2016 1 Disposições gerais A Universidade Federal do Pampa,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR 1- PREÂMBULO O PROBEXT SERVIDOR é um instrumento que abrange Programas e Projetos de Extensão, com

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX EDITAL Nº 02/2015 PIBEX Chamada para seleção de propostas de Projetos

Leia mais

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO JUSTIFICATIVA As atividades de extensão têm assumido no cenário universitário recente um papel fundamental para construção de novas

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul, de acordo com as atribuições previstas no seu Estatuto e Regimento Geral e em consonância

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - PIBEX EDITAL Nº 04/2014 PIBEX Chamada para seleção de propostas de Projetos e Programas de Extensão Universitária A Universidade Federal do

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Prof.ª Dr.ª do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs) NO CONTEXTO DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) E O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM) AVINIO, Carina

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas Universidade Estadual de Campinas Extensão Universitária: parâmetros e indicadores para avaliação de desempenho da comunidade não-docente em atividades de Extensão Universitária Maria das Dores Pimentel

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

RESULTADO PROVISÓRIO EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS A SEREM SUBMETIDAS AO EDITAL PROEXT 2016

RESULTADO PROVISÓRIO EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS A SEREM SUBMETIDAS AO EDITAL PROEXT 2016 EDITAL Nº 009/2015 RESULTADO PROVISÓRIO EDITAL DE SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS A SEREM SUBMETIDAS AO EDITAL T 2016 A PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

PERÍODO: 23 a 26 de outubro de 2012 Campus I da UEPB ASSUNTO: CHAMADA DE TRABALHOS 1ª CIRCULAR

PERÍODO: 23 a 26 de outubro de 2012 Campus I da UEPB ASSUNTO: CHAMADA DE TRABALHOS 1ª CIRCULAR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS VII SEMANA DE EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA EXTENSÃO E SUSTENTABILIDADE REGIONAL NO SÉCULO XXI: TECENDO DIÁLOGOS E CONSTRUINDO NOVOS CENÁRIOS.

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais