A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos"

Transcrição

1 A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos Jussara Maria Rosa Mendes 1 Regina Célia Tamaso Mioto 2 Vera Maria Ribeiro Nogueira 3 Eixo temático 1. Palavras-chave Sujeitos Políticos, representação de interesses, Serviço Social, Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social 1-INTRODUÇÃO Os cenários atuais estão marcados pelas profundas alterações nos aspectos econômicos, com desdobramentos nas inter-relações globais-locais, no mundo do trabalho e nos processos de exclusão social. A integração entre os países e entre os mercados e os processos produtivos vem ocupando as preocupações dos governantes, com a intensificação do trânsito, além das fronteiras 1 Mestre e Doutora em Serviço Social pela PUC_SP. Professora do Curso de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Atual Presidente da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social- ABEPSS. XVIIISeminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. La cuestión Social y la formación proifesional en Trabajo Social en el contexto de las nuevas relaciones de poder y la diversidad latinoamericana. San José, Costa Rica, Mestre em Educaçãol e Doutora em Saúde Mental pela UNICAMP- SP. Professora Adjunta do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina Coordenadora Nacional da Pós -graduação da ABEPSS. Florianópolis, Brasil, XVIIISeminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. La cuestión Social y la formación proifesional en Trabajo Social en el contexto de las nuevas relaciones de poder y la diversidad latinoamericana. San José, Costa Rica, Mestre em Serviço Social pela PUC-SP e Doutora em Enfermagem pela UFSC - Brasil Professora Adjunta do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina. Coordenadora Nacional da Graduação da ABEPSS Florianópolis, Brasil. XVIII Seminario Latinoamericano de Escuelas de Trabajo Social. La cuestión Social y la formación proifesional en Trabajo Social en el contexto de las nuevas relaciones de poder y la diversidad latinoamericana. San José, Costa Rica,

2 nacionais, dos trabalhadores e a população desempregada. Tais processos vêm exigindo, dos assistentes sociais, a produção de conhecimentos que favoreçam ações inovadoras e eficazes que propiciem respostas compatíveis com o ideal de democracia radical, justiça e igualdade social. Nessa perspectiva, é que as organizações políticas da categoria profissional têm um papel relevante no sentido de fortalecer a profissão na busca de tal ideal. A Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social ABEPSS, enquanto entidade nacional que congrega as Unidades de Ensino de Serviço Social, desde a década de 1980 tem encaminhado e orientado os debates sobre a inserção crítica e propositiva dos assistentes sociais, contrapondo-se à ótica mercantil e individualista que tem prevalecido nos projetos societários atuais. Através destes debates foi construído, coletivamente, com o Conselho Federal e Conselhos Regionais de Serviço Social e a Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social, um projeto ético-político que tem direcionado a produção de conhecimentos, a formação e a ação profissional. Tal projeto baliza a agenda da ABEPSS na busca de fortalecer seus objetivos institucionais, entre os quais se destacam a afirmação das diretrizes curriculares construídas com base no projeto ético-político profissional e a articulação de docentes e pesquisadores favorecendo o debate sistemático sobre o conhecimento produzido e o trabalho profissional. É sobre a trajetória e os desafios enfrentados por essa entidade que versa o presente artigo e com ele pretende-se contribuir para o debate sobre a organização política do Serviço Social no continente latino-americano. Nessa perspectiva é que se apresenta a ABEPSS, seus objetivos e sua estrutura, bem como sua trajetória e a construção do projeto ético-político que se expressa o âmbito da formação profissional através das diretrizes curriculares. Pauta-se também os desafios presentes para a efetivação do projeto ético-político. 2. ABEPSS: OBJETIVOS, ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO A Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) é uma entidade civil de natureza científica, de âmbito nacional, sem 2

3 fins lucrativos. É constituída por Unidades de Ensino de Serviço Social do setor público e privado, por sócios institucionais colaboradores e por sócios individuais. Tem como missão estimular e incentivar a pesquisa em Serviço Social, formular e implementar uma política de formação profissional que expresse a indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão, articulando a graduação e a pós-graduação. São finalidades da ABEPSS: I - propor e dinamizar uma política de formação em Serviço Social que expresse a indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão, articulando a graduação e pós-graduação; II - estimular o intercâmbio e a colaboração em nível nacional e internacional entre as Unidades de Ensino, grupos de pesquisa, pesquisadores e entidades representativas da categoria dos assistentes sociais; III - contribuir para aperfeiçoar a formação profissional do assistente social na perspectiva de atender as exigências regionais e o projeto ético-político profissional, em nível nacional regional e local; IV - representar e defender os interesses da área de Serviço Social, junto às agências de fomento no que se refere ao ensino, pesquisa e extensão; V - apoiar as iniciativas de criação de Programas de Pós-Graduação em Serviço Social no país; VI apoiar as iniciativas de criação de Programas de Pós-Graduação em Serviço Social no país; VII - acompanhar o processo de autorização e reconhecimento dos cursos de Graduação e Programas de Pós-Graduação; VIII - fomentar e estimular a formação e consolidação de grupos de pesquisa nas universidades e/ou outras instituições voltadas para pesquisa; IX - promover a publicação da produção acadêmica gerada no âmbito do Serviço Social; X - divulgar cadastro de pesquisadores e de pesquisas em Serviço Social, já produzidas ou em processo de produção no Brasil; XI promover eventos acadêmico-científicos de produção de conhecimento na área do Serviço Social. XII atuar no sentido de fortalecer a concepção de formação profissional com amplo processo que abrange formação acadêmica, pesquisa, capacitação continuada e prática organizativa e profissional; XIII manter atualizadas as subáreas de conhecimento e especialidades em Serviço Social junto aos órgãos de fomento, adequando-as aos eixos temáticos de pesquisa. 3

4 Conforme estatuto aprovado na Assembléia de dezembro de 1998, a ABEPSS é estruturada em uma diretoria executiva nacional e 6 diretorias regionais, conforme indica o mapa abaixo. As duas instâncias (nacional e regional) contam, além dos cargos tradicionais (presidente, vice-presidente, tesoureiro e secretário) com as Coordenações de Graduação e Pós-Graduação, Representação discente e de supervisores. O órgão máximo de deliberação é a Assembléia, que deve acontecer ordinariamente a cada 2 anos. Podem votar na Assembléia os delegados indicados pelas Unidades de Ensino e os sócios individuais. Sua estrutura pode ser visualizada no organograma abaixo 4

5 A estrutura da ABEPSS constitui o substrato para a existência de uma organização calcada em diferentes instâncias de debates e articulações que culminam em eventos de nível nacional assembléias - onde são tomadas e referendadas as decisões e encaminhamentos a serem efetuados pela entidade. A ABEPSS realiza também, anualmente, a sua OFICINA NACIONAL para discussão das questões relacionadas à formação profissional e ao encaminhamento político de suas decisões, dentro de uma agenda préestabelecida em oficinas anteriores ou na assembléia da entidade. Desta oficina participam todas as unidades de ensino (graduação e pós-graduação). Esta agenda antes de ser trabalhada na oficina nacional, é debatida nas OFICINAS LOCAIS e nas OFICINAS REGIONAIS, o que garante a ampla participação das unidades de ensino, de seus professores e de seus supervisores de campo. Esta dinâmica é que tem permitido, além da ampla participação, a legitimidade da conduta política da entidade. Além das oficinas a ABEPSS realiza a cada dois anos o Encontro Nacional de Pesquisadores, que é o evento mais importante de pesquisa na área do Serviço Social. Tem ainda o compromisso de efetuar publicações relacionadas à formação profissional e a temas pertinentes ao Serviço Social, 5

6 de manter estreitas relações com as unidades filiadas e com as demais entidades da categoria profissional. 3- A TRAJETÓRIA DA ABEPSS, A CONSTRUÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social ABEPSS surge na década de 1940, e oficialmente 1946, com a denominação de ABESS (Associação Brasileira de Escolas de Serviço Social). Foi formada por um grupo de assistentes sociais sob liderança da Escola de Serviço Social de São Paulo, visando o estabelecimento de uma política de formação profissional, através da qual se pretendia dar unidade ao ensino de Serviço Social no Brasil. Além disso, desde seu nascimento encaminhou-se no sentido da articulação com outros países da América Latina, através do Secretariado Latino Americano da União Católica Internacional de Serviço Social. (SILVA, 1994). Durante duas décadas, ou um pouco mais, a então ABESS, sustentou um projeto de formação profissional, vinculado aos princípios cristãos e marcado pelo tecnicismo advindo da influencia norte americana, na perspectiva do fortalecimento da profissão no âmbito da sociedade brasileira e latinoamericana. Porém, se por um lado, no final da década de 1960 se verificava a consolidação da profissão e a existência de um projeto de formação profissional implementado ao longo do tempo, por outro, foram crescentes as manifestações sobre a necessidade de uma profunda revisão desse projeto considerando o papel do assistente social no contexto de uma sociedade cada vez mais excludente e desigual. Assim, na década de 1970, apesar da repressão dos regimes ditatoriais presentes em praticamente toda América Latina, o Serviço Social vive um período de grande efervescência política e intelectual. Nesse contexto, a ABESS mais uma vez protagoniza o debate sobre a formação do assistente social no Brasil, vinculando-o ao debate da conjuntura da sociedade brasileira sob uma perspectiva crítica embasada na teoria social marxiana. Esse movimento deu origem a redefinição do currículo mínimo para os cursos de Serviço Social, que foi aprovado pelo Conselho 6

7 Federal de Educação em 1982, e a afirmação da centralidade da produção do conhecimento para o desenvolvimento do Serviço Social. Tal afirmação se consolida com a criação do Centro de Documentação e Pesquisa em Política Social e Serviço Social (CEDEPSS) na década de Esse processo mostra o rompimento com uma concepção de formação profissional pautada na preparação de profissionais para o emprego, e pressupõe uma formação científica e técnica de profissionais capazes de não só atender as demandas do mercado de trabalho, mas de criar novas alternativas nos diferentes espaços ocupacionais. Assim se inicia a articulação de uma outra direção social para a formação profissional. A ABESS passa a entender que um projeto de formação profissional supõe a discussão de um projeto profissional que configure uma proposta de intervenção capaz de responder as exigências históricas que vêm se colocando para o Serviço Social no Brasil a partir do que se denomina de classes populares. (SILVA, 1994: 8-9). Nessa direção a ABESS encaminhou juntamente com o Conselho Federal de Serviço Social (CFESS) e ENESSO (Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social) o aprofundamento do debate em torno do projeto profissional nas suas múltiplas dimensões. Nesta configuração passa-se a entender o projeto profissional 4 como uma estrutura dinâmica que se transforma a partir de modificações referentes ao quadro de necessidades sociais com as quais a profissão opera, das transformações sociais, econômicas, culturais que ocorrem nos diferentes momentos históricos e das alterações decorrentes do próprio processo de desenvolvimento da profissão. Isso significa dizer que a dimensão política lhe é inerente e está diretamente relacionado aos projetos societários presentes num determinado momento histórico. (NETTO,1999). Para Iamamoto (2001:20), o projeto profissional, implica na articulação entre a dimensão macro-societária que consiste no reconhecimento do terreno sócio-histórico sobre o qual a profissão se movimenta considerando seus limites e possibilidades e a 4 De acordo com Netto (1999: 95), o projeto profissional é construído coletivamente pela categoria profissional e representa a auto-imagem de uma profissão. Nesse projeto estão postos os objetivos, funções, os requisitos teóricos, práticos e institucionais para o exercício da profissão bem como a prescrição de normas para o comportamento dos profissionais e balizamentos para suas relações com as instituições, outras profissões, usuários. Tudo isso centrados em valores que legitimam socialmente a profissão. 7

8 dimensão profissional que compreende as respostas técnico-profissionais dos assistentes sociais que expressam como a realidade e as imposições macrosocietárias estão sendo apropriadas e redefinidas pela categoria profissional. Nesses termos a autora afirma que a configuração social da profissão depende decisivamente das respostas dos agentes profissionais nesse contexto, articuladas em torno do projeto profissional de caráter ético-político. O caráter ético político, segundo Ferreira (2000, p. 92), se constitui como um princípio básico do projeto profissional. Ele está ancorado na liberdade como valor central, que se expressa no compromisso com a autonomia, a emancipação e a expansão dos indivíduos sociais. Nesse sentido é clara a defesa da equidade e da justiça social que se realiza através da universalidade de acesso aos bens e serviços referentes às políticas sociais. Para a autora esses valores, no âmbito da prática profissional, se expressam na defesa da qualidade dos serviços, na competência profissional, na viabilização dos direitos sociais e da cidadania, na luta pela radicalização da democracia, no aprimoramento intelectual dos profissionais. Calcada nessa concepção de projeto profissional a ABESS direcionou mais uma vez o debate sobre a formação dos assistentes sociais no Brasil, através de uma discussão coletiva que envolveu todas as unidades de ensino filiadas. Tal discussão ocorreu no espaço de três anos ( ) com a realização de oficinas locais, regionais e nacionais. Nesses espaços foram construídas as diretrizes curriculares, em consonância com o Código de Ética profissional de 1993 e com a atual lei de regulamentação da profissão. Tais diretrizes, aprovadas em assembléia geral extraordinária da ABESS em novembro de 1996, foram posteriormente, parcialmente chanceladas pelo Conselho Nacional de Educação Ministério da Educação. Os pressupostos norteadores da concepção de formação profissional, que informa as diretrizes curriculares são os seguintes: O Serviço Social se particulariza nas relações sociais de produção e reprodução da vida social como uma profissão interventiva no âmbito da questão social, expressa pelas contradições do desenvolvimento do capitalismo monopolista. A relação do Serviço Social com a questão social - fundamento básico de sua existência - é mediatizada por um conjunto de processos sócio-históricos e teórico- 8

9 metodológicos constitutivos de seu processo de trabalho. O agravamento da questão social em face das particularidades do processo de reestruturação produtiva no Brasil, nos marcos da ideologia neoliberal, determina uma inflexão no campo profissional do Serviço Social. Esta inflexão é resultante de novas requisições postas pelo reordenamento do capital e do trabalho, pela reforma do Estado e pelo movimento de organização das classes trabalhadoras, com amplas repercussões no mercado profissional de trabalho. O processo de trabalho do Serviço Social é determinado pelas configurações estruturais e conjunturais da questão social e pelas formas históricas de seu enfrentamento, permeadas pela ação dos trabalhadores, do capital e do Estado, através das políticas e lutas sociais. Nesse sentido as diretrizes curriculares focalizam a formação profissional em três dimensões que são: teórico-metodológica, éticopolítica e técnico-operativas. Estas dimensões estão dialeticamente articuladas e através delas se pretende formar um assistente social capaz de: apreender criticamente os processos sociais numa perspectiva de totalidade; analisar o movimento da sociedade brasileira, apreendendo as particularidades do desenvolvimento capitalista no Brasil e a inserção do Serviço Social nessas relações sociais; compreender o significado histórico da profissão e o seu desenvolvimento sócio-histórico nos cenários internacional e nacional ; identificar as demandas presentes na sociedade e desvelar as possibilidades de ação contidas na realidade; formular respostas profissionais para o enfrentamento da questão social considerando as articulações entre o público e o privado; compreender o trabalho profissional como trabalho socialmente determinado, se reconhecendo como trabalhador assalariado. (ABESS/CEDEPS, 1995; FERREIRA, 2000). A adesão coletiva dos assistentes sociais, docentes e não docentes, a este projeto permitiu que se avançasse ainda mais nas estratégias de garantia da indissociabilidade entre produção de conhecimento, formação e exercício profissional. Uma estratégia fundamental nessa direção foi a fusão da então ABESS e do até então CEDEPSS, em dezembro de A partir das modificações estatutárias necessárias surgiu a ABEPSS que temos hoje. A trajetória descrita, sem sombra de dúvida, só foi possível graças ao compromisso dos assistentes sociais brasileiros com a 9

10 organização coletiva que permitiu a ABEPSS em conjunto com outras organizações da categoria profissional, particularmente CFESS e ENESSO, enfrentar os desafios que se colocaram ao longo do caminho e que ainda estão presentes. 4 - OS DESAFIOS DA CONTEMPORANEIDADE E A IMPORTÂNCIA DAS ASSOCIAÇÕES ORGANIZATIVAS I Iamamoto (2001) ao debater as competências e atribuições dos assistentes sociais, que dão a base para o instituto legal da profissão no Brasil, reafirma que estas não podem ser debatidas desvinculadas dos processos sócio-históricos. Elas devem ser consideradas a luz das novas demandas configurações da sociedade contemporânea caracterizada pela radicalização das desigualdades, pela diversidade de disparidades, pela primazia do capital financeiro, pela recessão da economia mundial, com transformações significativas das relações Estado/Sociedade. Dessa forma tanto as demandas profissionais como o reordenamento do espaço profissional, estão intrinsecamente atrelados aos processos de reestruturação produtiva que envolve a desregulamentação do trabalho e a organização dos trabalhadores e marcado pelas lutas políticas travadas entre projetos societários antagônicos. Na mesma direção, Neto (1996: 117) afirmou que, na segunda metade da década de 1990 o Serviço Social estaria marcado pela agudização da luta ideo-política entre diferentes projetos profissionais e dirigida pelas demandas profissionais imediatas pressionadas pelas demandas do mercado de trabalho. As tendências de mudanças do espaço profissional estariam condicionadas pela redução da demanda de atividades, pelo imbricamento entre novas e tradicionais demandas dentro de um universo muito mais complexo e heterogêneo dos usuários. Para o autor o enfrentamento dessas questões se faria através da construção de novas competências e não pela perspectiva corporativa e sem ignorar as demandas do mercado. Porém as respostas a essas demandas seriam diferentes considerando os projetos profissionais coexistentes. Assim, o neoconservadorismo tenderia a incorporar as demandas 10

11 do mercado como determinantes da formação profissional e a direção social estratégica, construída no início dos anos 1990, conectaria as sinalizações do mercado à análise macrosocial, aos valores e objetivos da profissão. O primeiro tenderia a priorizar a referência instrumental-operativa enquanto que o segundo estaria pautado no investimento na pesquisa e na apropriação da teoria social moderna, fazendo com que se buscassem alternativas e se elegessem prioridades. Indica, ainda, que tais possibilidades serão configuradas por tensões e conflitos na definição de papéis e atribuições com outras categorias sócio-profissionais. Dentre as projeções realizadas por Netto (1996:124) para a profissão, no quadro das transformações societárias típicas do capitalismo tardio, as demandas do mercado de trabalho e a cultura profissional, está a indicação da necessidade de elaborar respostas mais qualificadas (do ponto de vista operativo) e mais legitimadas (do ponto de vista sócio-político) para as questões que caem no seu âmbito de intervenção institucional. Com isso sinaliza que as possibilidades objetivas de ampliação e enriquecimento do espaço profissional [...] só serão convertidas em ganhos profissionais [...] se o Serviço Social puder antecipá-las. Marcos indicadores da importância que tais questões tomaram no final da década de 1990 se expressam no processo de reflexão nacional coordenado pelo Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), a partir de problemas enfrentados por agentes fiscais e pelas Comissões de Fiscalização (COFI s) para identificação das competências profissionais e na distinção de atribuições privativas do assistente social, bem como as Oficinas Nacionais de Formação Profissional, propostas pela Associação Brasileira de Ensino em Serviço Social/Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABESS/ABEPSS), visando a implementação das novas diretrizes curriculares. Isso demonstra o caráter vital da organização política das entidades profissionais para dar continuidade à oposição firme e sistemática ao trato que o Estado Brasileiro vem dando a educação, através de uma política mercantil, na qual a ótica do privado se sobrepõe ao público, e o mercado é o paradigma da formação profissional. Como afirma Behring (2000, p.102) a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação no Brasil, pode ter fortes repercussões 11

12 para a consolidação do projeto ético-político profissional. Esta lei, em perfeita harmonia com a opção política-econômica dos últimos governos, refuncionaliza a educação brasileira a partir da flexibilidade, no intuito de adequá-la a própria flexibilização do mercado de trabalho, privilegiando um ensino pasteurizado, fragmentado, parcializado. O longo trajeto de articulação entre as entidades organizativas da categoria vem mostrando, de forma inequívoca, a importância de ações políticas articuladas, onde cada uma das entidades se específica em seu campo de interesses e representação. No plano internacional, especialmente na América Latina, a atuação da ABEPSS tem sido marcada pela participação contínua e profícua no debate sobre as questões profissionais. No cenário atual essa presença se faz mais necessária no sentido de ampliar e sedimentar o debate sobre o tema, atendendo às atuais requisições derivadas dos processos de ajustes estruturais. Entende-se que os cenários, hoje, são identificados pelas profundas alterações nos aspectos econômicos, com desdobramentos nas inter-relações global-local, no mundo do trabalho e nos processos de exclusão. Estas preocupações integram a agenda da ABEPSS e de suas congêneres na América Latina e Caribe. Assim, uma das questões centrais e que justifica este Seminário será a reflexão sobre como vêm sendo respondidas as exigências colocadas às agências formadoras e organizativas da categoria profissional nessa nova configuração e em suas conseqüências na formação profissional. Outro aspecto que vem preocupando a ABEPSS é o próprio processo de sua inserção na ALAETS, sendo que na última assembléia, realizada em novembro de 2002, foi decidida a realização de um amplo debate entre as unidades de ensino sobre a os rumos das entidades acadêmicas na América Latina. Verificar o estado da arte sobre as dimensões acadêmicas e políticas que permeiam os processos de formação profissional do continente latino-americano pode contribuir para qualificar positivamente tanto a organização política quanto à formação profissional. Quais seriam os rumos éticos-políticos mais apropriados para a inserção das organizações políticas e acadêmicas do Serviço Social no debate maior que se aproxima, citando como paradigmática a proposição de Estandares globales de 12

13 cualificación para educación y capacitación em Travajo Social, em discussão sob a direção da Associação Internacional de Escolas de Serviço Social AIETS e a Federação Internacional de Trabalhadores Sociais FIT. Essa proposição, que se inicia em 2000 busca orientar e qualificar universalmente a educação para o Serviço Social a partir de temas chaves, dos papeis e os próprios objetivos do Serviço Social, favorecendo a construção de uma identidade profissional comum, que fosse reconhecida ainda que preservando particularidades regionais e nacionais. Tem-se como pressuposto que uma empreitada dessa natureza contempla uma dimensão ético-política, a qual deve ser debatida e construída a partir de posições relativamente consensuais sobre questões centrais que incidem sobre o exercício e a formação profissional. Nesse sentido, a participação da América Latina no processo de discussão mais global impõe uma Associação com densidade política forte, na qual as Unidades de Ensino se sintam representadas em seus anseios centrais, articulando e apoiando em seus espaços locais e regionais as mesmas proposições. Destaca-se, na busca do fortalecimento da participação da América Latina, uma associação que tenha competência para dar uma clara direção política, direção esta que exige ser construída a partir de fóruns públicos e democráticos, dado legitimidade e força política para a defesa dos ideais assumidos. 5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABESS/CEDEPSS. Relatório da Oficina Nacional para Implementação das Diretrizes Curriculares. Brasília: ABEPSS, 15 e 16 jul Diretrizes Gerais para o Curso de Serviço Social. Rio de Janeiro, Proposta básica para o projeto de formação profissional: novos subsídios para o debate. Recife, set BEHRING, E. R. Implicações da Reforma do Ensino Superior para o exercício profissional do Assistente Social: desafios para o CFESS. Revista Temporalis, Ano I, n 01. Brasília: Valci, pp

14 CARDOSO, F. G. As novas diretrizes curriculares para a formação profissional do assistente social: principais polêmicas e desafios. Revista Temporalis, ano I, nº 2. Brasília: ABEPSS, CFESS. Serviço Social a caminho do século XXI. Serviço Social e Sociedade, n. 50, São Paulo: Cortez, FERREIRA, I. B. Implicações da Reforma do Ensino Superior para a formação do Assistente Social: desafios para a ABEPSS. Revista Temporalis, Ano I, n 01. Brasília: Valci, pp IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade. São Paulo: Cortez, O trabalho do Assistente Social frente às mudanças do padrão de acumulação e de regulação social. Cadernos de Capacitação em Serviço Social e Política Social, Mod. 04. Brasília: UnB, Renovação e conservadorismo no Serviço Social. São Paulo: Cortez, NETTO, J. P. A construção do projeto ético-político do Serviço Social frente à crise contemporânea. Cadernos Capacitação em Serviço Social e política social, mod. 01. Brasília: CEAD, pp Transformações societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, abr n 50, ano XVII, pp NOGUEIRA, V. M. R. Reflexões sobre a Proposta de Formação Profissional da ABESS/CEDEPSS. Texto apresentado em Seminário sobre formação profissional. Montevidéu: Universidad de La República, SILVA, N. E. C.; SILVA, M.O.S. Configuração de um projeto profissional para o Serviço Social: o pensamento das entidades nacionais. CADERNOS DE PESQUISA CEDEPSS. São Paulo: Cortez, Ag. 1994, n

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil 1 Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil Os delegados, observadores e convidados reunidos entre os dias 6 e 9 de setembro de 2009, em

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

PROCESSO Nº 330/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15

PROCESSO Nº 330/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE MUNICÍPIO: CASCAVEL ASSUNTO: Pedido

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES TÍTULO II DOS ÓRGÃOS DIRETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES TÍTULO II DOS ÓRGÃOS DIRETIVOS REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Regimento Interno da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) é um regramento complementar

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Jussara Ayres Bourguignon Ponta Grossa, setembro de 2007 DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Amália Madureira Paschoal 1 Em defesa da Universidade gratuita, autônoma e de qualidade, em todos

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O centro colaborador em saúde do trabalhador: uma experiencia de cooperação técnico científica no contexto do Mercosul Eje temático:

O centro colaborador em saúde do trabalhador: uma experiencia de cooperação técnico científica no contexto do Mercosul Eje temático: O centro colaborador em saúde do trabalhador: uma experiencia de cooperação técnico científica no contexto do Mercosul Jussara Maria Rosa Mendes 1 mjussara@pucrs.br Eje temático: Modalidad de trabajo:

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) AUTOR: PODER EXECUTIVO RELATOR: DEPUTADO CARLOS ABICALIL Modifica as competências e a estrutura organizacional da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe Fórum de supervisores e formação profissional: relato de uma experiência político-acadêmica e pedagógica na Faculdade de Mauá - SP 1 Maria Liduína de Oliveira e Silva 2 liduoliveira@ig.com.br Rodrigo José

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais