Aperfeiçoamento Profissional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aperfeiçoamento Profissional"

Transcrição

1 Aperfeiçoamento Profissional Controle de Distribuição 1ª Edição

2 Formação Continuada Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica Rua Niterói, Centro São Caetano do Sul - SP Tel: (11) Fax: (11)

3 SENAI-SP, 2012 Trabalho elaborado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica do Departamento Regional do SENAI-SP Coordenação geral Marcos Cardozo Pereira Equipe responsável Coordenação editorial Diagramação Elaboração Digitação Revisão de texto Referências Bibliográficas Capa Cesar Augusto Mateus/Ricardo da Silva Pareschi Douglas Mazza Douglas Mazza Douglas Mazza Cesar Augusto Mateus Douglas Mazza Douglas Mazza Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo. A violação dos direitos autorais é punível como crime com pena de prisão e multa, e indenizações diversas (Código Penal Leis No e 6.895). SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Unidade de Gestão Corporativa SP Av. Paulista, 1313 Cerqueira César. São Paulo - SP CEP Telefone (0XX11) Telefax (0XX11) SENAI on-line Home page 3

4 Apresentação O objetivo deste trabalho é contribuir para o auxílio das aulas da disciplina Controle de Distribuição FIC bem como ser uma base de orientação para o público que busca uma introdução no referido campo. Não possui a intenção de ser um livro texto, visto que existem diversas literaturas consagradas de grandes mestres que atendem plenamente esse propósito. 4

5 Sumário Introdução 6 Um pouco da história 8 Fundamentos 10 Definição 11 Controle do Processo de Distribuição 12 Documentos do Processo 14 Planejamento 16 Movimentação de carga 19 Roteirização 24 Prestador de Serviços 26 Embalagem 28 Recebimento e entrega 32 Inventario 33 Ação corretiva e ação preventiva 34 Referências Bibliográficas 36 5

6 Introdução Fundamentos e definição da logística O ser humano sempre teve a necessidade de desenvolver formas de administrar os recursos necessários para garantir a movimentação, armazenagem e entrega dos produtos. Segundo citado por Bruno; Paoleschi; 2008, Logística é definida como ciência que trata do alojamento, equipamento e transporte de tropas, produção, distribuição, manutenção e transporte de material e de outras atividades não combatentes relacionadas. A missão da logística é dispor a mercadoria ou serviço certo, no lugar certo, no tempo certo e nas condições desejadas, ao mesmo tempo em que fornece a maior contribuição à organização, (Bruno; Paoleschi; 2008). Já há muito tempo que a logística faz parte integrante de nossas vidas, direcionando os recursos necessários para a garantia do atendimento as solicitações de nossos clientes internos ou externos. Toda manhã quando levantamos estamos aplicando a logística, por exemplo, ao definir o horário que o ônibus vai passar no ponto ou quando calculamos o abastecimento da dispensa da nossa casa. A logística é aplicada durante a nossa existência, em todas as etapas de nossas vidas, da hora que nascemos à hora que morremos. Como ou quando aplicar a logística deve ser definido conforme o ramo de atividade, o tipo de serviço e produto. Para obter um bom desempenho deve antes de qualquer coisa executar um planejamento das etapas da cadeia do processo logístico. 6

7 O profissional da área deve ficar sempre atento para com as mudanças do mercado e os novos processos de informação que estão aparecendo, bem como os níveis de automação. No âmbito da logística de transporte as melhorias nos veículos de movimentação estão fazendo diferença para o empenho das frotas. 7

8 Um pouco da história Após o término da Segunda Guerra Mundial, no ano de 1945, o mundo necessitava de todos os tipos de produtos possíveis para reiniciar seu crescimento. As indústrias produziam a todo vapor e o método de produção era o trimestral. Compravam-se os insumos por períodos de três meses e os lotes de produção seguiam a mesma periodicidade, (Bruno; Paoleschi; 2008). Quando mantemos um volume grande de produtos nos estoque, acabam gerando custos elevados. Para toda movimentação de estoques são adotados métodos para monitoramento e entrega das mercadorias para os clientes internos e externos. Sistemas, Controles e Tendências. As empresas começaram a perceber a necessidade por um controle melhor dos recursos de manufatura. Não limitando apenas aos processos internos, mas incorporando o monitoramento para a distribuição. No ano de 1965 surgiu o MRP II (Manufacturing Resouces Planning) ou Planejamento dos Recursos de Manufatura, sistema que atua na gestão dos recursos de manufatura, fornecendo a visibilidade necessária para tomada de decisões e melhoria continua da empresa, utilizado até hoje por diversas organizações. Com as empresas controlando melhor os recursos de manufatura gradativamente percebeu que era preciso estender o controle para a distribuição dos produtos. 8

9 Na década de 60 a Toyota apresentou uma nova filosofia de trabalho conhecida como Just in Time, incorporando inovações aos conceitos de distribuição de materiais. Neste mesmo período devido à necessidade do aumento na eficiência do controle dos processos de manufatura surgiram nas empresas o sistema ERP (Enterprise Resources Planning) ou Planejamento dos Recursos da Empresa. O sistema ERP pode: Fornecer rastreamento e visibilidade global das informações de qualquer parte da empresa e de sua cadeia de suprimento. Também chamado de Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, controlam e fornecem suporte aos processos operacionais, produtivos, administrativos e comerciais da organização. Todas as transações realizadas pela empresa devem ser registradas para que as consultas extraídas do sistema possam refletir o máximo possível a realidade. Alguns softwares ERP: Compiere/ERP5/MicrosoftDynamics/NewAge/Openbravo/OpenERP/Stoq/SAP ERP/Protheus/ WebERP / X-Money 9

10 AÇÕES Auxiliar de Operações em Logística Fundamentos Controle de Distribuição O controle de distribuição tem como fundamento principal o conjunto de princípios do sistema de logística, utilizando como base as quatro vértices da logística: - Planejamento/Recursos/Acompanhamento/Ações R E C U R S O S PLANEJAMENTO LLOGÍ ÍSTICA ACOMPANHAMENTO 10

11 Definição Controle de Distribuição Podemos definir como controle da distribuição o ato de planejar e acompanhar o processo de distribuição, da derrubada, separação, programação e entrega. Sempre que necessário o responsável pelo controle deve realizar o follow-up (acompanhamento). O controle pode ser realizado de forma fracionada com a adoção de diversas pessoas para cada etapa ou controlado por um só responsável da frota. Em alguns casos as pessoas do setor responsável pela distribuição podem ser contratadas como colaboradores, mantendo um vínculo trabalhista com a organização ou podemos adotar a terceirização do processo do controle de distribuição. Os responsáveis pelo processo de distribuição têm como objetivo principal garantir a correlação da logística: ENTRADA = SAÍDA. A matemática da logística deve ser realizada em toda a sua plenitude, garantindo o controle do processo do inicio ao fim. 11

12 Controle do processo de distribuição Tipos de Controle São inúmeros métodos para controlar o processo, devemos sempre escolher aquele que melhor se adapta as condições da organização. Controle do estoque Garantir a matemática da logística é essencial para a organização, tudo que entra no estoque deve proporcionalmente sair. O controle da armazenagem deve ser realizado com a adoção do melhor processo, levando em consideração o custo x beneficio. Podemos efetuar o controle manualmente, semi-manual ou automatizado. Não adianta pensar no controle da entrega como trajeto, melhor frete, menor tempo e não saber o que tem armazenado no estoque. É de extrema importância garantir o controle do processo de distribuição na sua origem, isto é, na derrubada da mercadoria do estoque. Para facilitar a visualização das mercadorias no estoque sugerimos controlar por tipo de itens, como: - Produtos manufaturados ou semi acabados; - Produtos finais ou acabados; - Embalagens; 12

13 - Componentes manufaturados; - Produtos de consumo; - Componentes comprados; - Produtos perigosos; Armazenagem informatizada (WMS) O Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS (Warehouse Management System) é uma parte importante da cadeia de suprimentos (ou supply chain). Garantindo um melhor monitoramento para o processo de armazenagem da organização. 13

14 Documentos do processo Cada organização deve adotar a melhor metodologia para controle, elaborando os documentos necessários para evidenciar o resultado esperado. Para garantir a eficiência do processo de distribuição é essencial adotar métodos de controle para cada tipo de atividade como: - Controle de entregas; - Controle de estoques; - Controle de produtos perigosos; - Controle de veículos transportadores; - Controle do custo operacional; - Controle da manutenção; - Controle da mão-de-obra operacional; - Controle dos veículos de movimentação. Tipos de documentos Vamos dividir em dos tipos de documentos: 14

15 - Documentos para o planejamento do processo de distribuição; - Documentos para o fechamento do processo de distribuição. Documentos para o planejamento do Processo de distribuição: - Ordens de entregas programadas mensal ou semanal; - Relatórios das ordens de entrega em aberto; - Relatórios de ordens de entregas diárias; - Relatórios de manutenção corretiva e preventiva; - Relatórios de custo operacional; - Relatório de eficiência da mão-de-obra; Documentos de Fechamento do Processo de distribuição: - Relatórios de ordens de entregas encerradas; - Relatórios do nível de atendimento; 15

16 Planejamento O planejamento do processo Para garantir o resultado esperado é essencial realizar o planejamento da distribuição, levando em consideração a estrutura disponível. Cada organização disponibiliza o tipo de estrutura necessária como: - Pessoas (mão-de-obra); - Arranjo físico; - Tecnologia da informação; - Equipamentos de movimentação interna; - Equipamentos de movimentação externa (frota). Quando e como fazer o planejamento da distribuição? A frequência do planejamento está diretamente ligada à necessidade de atendimento da demanda como volume e prazo de entrega. Antes de tomar qualquer ação é necessária conhecer qual a carteira comercial da sua organização, os critérios de atendimento de cada cliente, locais de entrega, limitações de acesso, entre outros. Vamos adotar 10 passos para garantir o sucesso do processo de distribuição com base nas quatro pilares da logística: planejamento, recursos, acompanhamento e ações. 16

17 Primeiro passo: Devemos mapear o processo de distribuição; Segundo passo: Vamos padronizar o processo e treinar os envolvidos; Terceiro passo: Relacionar os recursos disponíveis; Quarto passo: Confirmar o seu estoque, confrontando a demanda x estoque; Quinto passo: Confrontar a demanda aos recursos disponíveis; Sexto passo: Direcionar a distribuição; Sétimo passo: Eliminar os gargalos e se necessário voltar para o sexto passo; Oitavo passo: Definir indicadores de desempenho; Nono passo: Fazer o acompanhamento (follow-up) em todas as etapas; 17

18 Décimo passo: Adotar ações preventivas e corretivas para todas as etapas do processo. Não esquecendo que devemos destacar o fator mais importante para execução do planejamento da distribuição: - Demanda x Capacidade de atendimento 18

19 Movimentação de cargas Movimentação de cargas O desempenho da movimentação está ligado ao tipo de estrutura definido para o melhor atendimento. A organização pode utilizar recursos próprios ou de terceiros, com equipamentos atualizados e adequados a realidade da organização. Movimentação de carga externa Atualmente temos diversas opções de modais para movimentação de materiais, para garantir a melhor escolha deve ser levado em consideração os objetivos da organização, o tipo de mercadoria, o tipo de embalagem, o prazo de entrega, característica de segurança, localização, custo para transporte, entre outros. Os modais são: Modal Aéreo Modal Ferroviário Modal Hidroviário Modal Marítimo Modal Rodoviário Modal Dutoviário 19

20 Para movimentação de cargas dentro do modal rodoviário temos o sistema de Cross docking despacho rápido, muito utilizado para entregas de pequenos volumes ou redução no tempo de entrega. Temos ainda o sistema de Milk run ou corrida do leite, utilizado por diversos segmentos com o objetivo de aproveitar a totalidade do veículo transportador na ida e na volta. Monitoramento da eficiência do transporte A organização deve definir uma metodologia para monitorar a eficiência do transporte, para auxiliar nas tomadas de decisões encontramos no mercado o software TMS Sistema de Gerenciamento de Transporte (Transportation Management System). Pode auxiliar na gestão do transporte nos três níveis de decisões: Estratégico, Tático e Operacional. O software agiliza a troca de informações facilitando a tomada de decisão e a adoção de ações para todos os níveis. 20

21 Nível Estratégico: No nível estratégico são tomadas as decisões que envolvem o âmbito geral do processo de distribuição em longo prazo, como: - Posicionamento dos centros de distribuição; - Posicionamento dos estoques; - Tipos de modais ou multimodais; - Posicionamento da fabrica; - Definição da estrutura necessária, própria ou terceirizada; - Nível de qualificação da mão-de-obra; - Definição dos custos operacionais. Nível Tático: No nível tático são tomadas as decisões que envolvem o âmbito do planejamento a médio prazo, como: - Definição dos procedimentos operacionais; - Definição da metodologia para roteirização; - Definição dos procedimentos para homologação de prestadores de serviço logístico; - Adoção de métodos de distribuição e transporta como Sistema de Cross docking despacho rápido ou Milk run corrida do leite. 21

22 Nível Operacional: No nível operacional são tomadas as decisões que envolvem o dia-a-dia, antecipando o acontecimento ou não, como: - Elaborar a programação de entrega; - Definir os veículos e mão-de-obras necessárias para a entrega; - Definir o roteiro das entregas; - Emitir dos documentos necessários para o envio das mercadorias; - Realizar a derrubada das mercadorias e consolidação dos pedidos; - Orientar no processo de carregamento ou descarregamento; - Monitorar todas as etapas do processo; - Acompanhar o resultado as operações; - Manter os custos operacionais dentro do planejado. O software TMS tem como objetivo auxiliar na troca de informações durante todas as etapas do processo de distribuição logístico facilitando as tomadas de decisões. Com a melhor visualização do processo podemos minimizar os custos operacionais adotando ações para corrigir pontos falhos dos serviços executados ou encontrar novas oportunidades de melhorias. Devido a complexidade da implantação do software, envolvendo a adoção da infra estrutura necessária, padronização do processo de distribuição, ajuste dos equipamentos de movimentação, treinamentos operacionais e definição padrões de controle e indicadores, a escolha correta do software define o seu sucesso da sua implementação. 22

23 Movimentação de carga interna Todo processo produtivo necessita de movimentação de mercadorias, definir qual equipamento deve ser utilizado é de grande importância para desempenho das atividades de movimentação e manuseio de cargas. Temos hoje a disposição no mercado veículos manuais, motorizados, automáticos e semi automáticos. Encontramos carrinhos hidráulicos, paleteiras, empilhadeiras, pontes rolantes, esteiras, talhas, entre outros. A escolha do equipamento de movimentação depende do leiaute, do tipo de material, do sistema de armazenagem, do fluxo de movimentação e dos recursos financeiros disponíveis. O equipamento deve interagir com as técnicas de abastecimento e fluxo reverso adotado pela organização. Norma regulamentadora NR 11 No Brasil temos normas regulamentadoras - NR que padronizam o as atividades exercidas pelas organizações. Para movimentação de materiais encontramos a norma regulamentadora NR-11 que abrange os requisitos para manuseio, movimentação e transporte, tendo como objetivo a segurança dos produtos e pessoas envolvidas. A NR-11 é uma norma de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras. Outras normas podem também interagir com a movimentação e manuseio das cargas agregando informações para do processo de controle de distribuição. 23

24 Roteirização Definição A movimentação de materiais durante o fluxo operacional de entrada ou saída deve ser monitorado e definido o melhor trajeto interno ou externo. Quando adotamos um roteiro adequado contribuímos para melhorar o desempenho dos processos operacionais, diminuindo os custos de movimentação. Um dos pontos de maior impacto no custo da movimentação dos materiais é o tempo gasto para finalizar a operação, quando procuramos o melhor caminho devemos levar em consideração a distância e a condição da superfície percorrida. Trajetos mais curtos podem não ser a melhor opção, sempre deve ser verificado o melhor coeficiente entre os fatores abaixo: DISTÂNCIA PERCORRIDA X TEMPO GASTO X CUSTOS OPERACIONAIS = COEFICIENTE DE TRAJETO Roteiros mais curtos com grandes dificuldades de rodagem podem acarretar um coeficiente de trajeto muito elevado, aumentando os custos operacionais com manutenção do veículo, pedágio, mão-de-obra,etc. Para a movimentação interna pode ser adotados o uso de tecnologia, diminuindo os custos a médio e longo prazo, como por exemplo, o uso de transelevadores, esteiras, silus com abastecimento automático, entre outros. Recursos Para executar o planejamento dos trajetos de distribuição podemos adotar mecanismos operacionais manuais ou automatizados com a adoção de softwares para monitoramento e movimentação de cargas. 24

25 O uso de softwares pode auxiliar no monitoramento dos veículos ou da carga, definir rotas alternativas, como calcular a previsão do tempo necessário para finalizar o trajeto. Conhecido como GPS Sistema de Posicionamento Global é um sistema operacional realizado via satélite que indica em tempo real a posição do veículo transportador ou da carga, facilitando o monitoramento e troca de informações entre o veículo e o centro operacional. Para qualquer pessoa com um receptor GPS, o sistema irá fornecer local e hora. O GPS fornece a localização exata e informações para um número ilimitado de pessoas a todo o tempo, dia e noite, em qualquer lugar do mundo. Com o monitoramento temos como visualizar toda a cadeia de logística do recebimento a entrega ou distribuição, aumentando a eficiência na comunicação, atualizando a todo o momento as informações, facilitando as tomadas de decisões. O monitoramento da frota pode auxiliar na geração de informações para viabilizar as manutenções dos veículos. Podem ser emitidos relatórios de desempenho do veículo e dos motoristas. Através do GPS e um transmissor de sinais como um chip é possível localizar qualquer veículo ou mercadoria na superfície do globo terrestre. 25

26 Prestadores de Serviços Cada organização deve definir os critérios para seleção do prestador de serviço logístico, como qualidade no serviço, estrutura, preço, e outros. Escolher os fornecedores corretos facilita o fluxo operacional da cadeia logística, do recebimento a entrega. A elaboração de procedimento para o processo de compras é essencial para padronização das atividades como cotação, orçamento, contratos de parceria, tipos de serviços que será disponibilizado. O grau de envolvimento com o prestador deve ser acrescentado em contrato, salientando as responsabilidades e deveres. Multas contratuais por irregularidades no atendimento são muitos comuns. Analisar se o prestador logístico mantém uma apólice de seguro para as mercadorias transportadas, valor assegurado, validade da apólice e outras garantias, são essenciais para a escolha da empresa. Outro fator importante e a área de atuação dentro do mercado nacional e internacional. Organizações que exportam devem escolher prestadores que atendam as suas necessidades, de forma única, garantindo a entrega até a porta do cliente ou parcial direcionando a carga para outra empresa de distribuição. Conhecer outros clientes do prestador logístico ajuda na tomada da decisão, efetuando o contato ou visitas para verificar o nível de atendimento. Escolher um ou mais prestadores de serviços não é fácil, mas é de extrema importância encontrar o melhor resultado entre: Custo + Qualidade = atendimento das necessidades 26

27 O prestador logístico é a extensão da organização, para o cliente não importa qual a empresa que está levando a mercadoria, mas de qual empresa foi comprada. A responsabilidade pela garantia da entrega é ainda da organização que vendeu a mercadoria. O cliente só isenta o fornecedor da responsabilidade pela entrega quando, o prestador logístico foi contratado por ele. 27

28 Embalagem Embalagem As embalagens muitos importantes na movimentação e proteção dos materiais, podendo impactar no empenho do processo de distribuição. Tipo de embalagens Como definir qual modelo de embalagem deve ser escolhido está diretamente ligado ao tipo de aplicação, podemos dizer que as embalagens possuem duas aplicações básicas: Para aplicação do mercado industrial as embalagens tem como foco o custo, manuseio, reuso transporte e resistência a intempéries. São as embalagens com ênfase na logística ou também chamadas de embalagens secundárias. As embalagens secundárias influenciam diretamente no processo, leiaute e transporte a serem definidos, conforme as características físicas como peso, volume e resistência. Outra aplicação da embalagem é no mercado consumidor tendo como foco o custo, manuseio, visual e meio ambiente. Podemos verificar que são embalagens com ênfase em marketing com um apelo visual muito grande. Conforme as características da embalagem o operador logístico direcionará o tipo de manuseio e veículo de transporte. Evolução das embalagens As embalagens estão em constante evolução, ao longo da sua existência encontramos diversas mudanças que são ocasionadas por diversos fatores, os mais 28

29 comuns são: Evolução tecnológica Concorrência de mercado Adequação ao uso ou facilitar o manuseio Apelo comercial ou marketing Foco ecológico A disposição das embalagens pós-uso é um dos maiores problemas encontrado pela sociedade. Uma vez que terminou o ciclo de utilização da embalagem o que devemos fazer, qual a tratativa para este resíduo, que em muitas vezes vira um transtorno. Buscando uma solução para o descarte das embalagens pó usa as organizações tem adotado algumas soluções ecologicamente correta. Devemos sempre realizar estudo de viabilidade para definir o tipo de embalagem e a forma de descarta lá. Dos tipos de embalagens ecologicamente mais conhecidas são: Embalagens retornáveis Embalagens reutilizáveis Embalagens biodegradáveis Embalagens recicláveis Características das embalagens Outro fator importante para aplicabilidade das embalagens são as características relacionadas ao desempenho. O conhecimento das exigências de desempenho das embalagens são fatores determinantes para a sua escolha. Conforme o nível de atendimento esperado acarretara um impacto representativo no custo desta embalagem e consequentemente no produto. Características físicas Na maioria das vezes são embalagens com maior resistência mecânica sendo utilizadas como embalagens secundárias, tendo a sua aplicabilidade para o transporte. Exemplo: Rack metálico e Box aramado. 29

30 Características químicas Características químicas são encontradas em sua maioria nas embalagens primarias, proporcionando ao produto uma resistência a corrosão, gases, oxidação, entre outras. Exemplo: Tanque de combustível de automóvel. Características físicas e químicas Em alguns casos algumas embalagens precisam ter as duas características, como uma resistência física e química. Exemplo: Botijão de gás. Padronização para manuseio e movimentação de embalagens São varias metodologias aplicadas na padronização para manuseio e movimentação das embalagens, são adotadas para agilizar e facilitar o processo de distribuição, as mais utilizadas são: unitização, paletização e conteinerização. Unitização de cargas Técnica utilizada na movimentação de cargas no seguimento de transporte para facilitar o carregamento e descarregamento das mercadorias. As embalagens são agrupadas formando um brocado, mantendo-as juntas como se fosse uma única embalagem, muito utilizado no manuseio de pequenas embalagens como caixas plásticas ou caixas de papelão. Paletização Utilização de plataforma de madeira ou estrado destinado a suportar carga, fixada por cintas, permitindo sua movimentação mecânica com o uso de garfos de empilhadeira ou guindastes mecânicos específicos para esse fim, (PAOLESCHI, Bruno/2008). Tipos de Paletes Os paletes padrão PBR Palete Padrão Brasil surgiram na década de 80, muito utilizados em todos em todos os ramos de atividades, são eles: 30

31 Palete PBR1 dimensão 1200x1000x14,5 Palete PBR2 dimensão 1250x1050x14,5 Palete plástico Palete alumínio/ferro Palete Dollie Palete madeira descartável Conteinerização Processo pelo qual as mercadorias são colocadas em contêiner (cofre de carga), este tipo de embalagem tem excelente resistência, podendo ser acondicionada a mercadoria a granel ou em caixas menores. Os contêineres são muito usados em todo o território brasileiro, para a sua utilização são necessários equipamentos específicos para manuseio e movimentação. Segue alguns modelos de contêiner: Contêiner teto aberto Contêiner tanque Contêiner seco Contêiner térmico Os contêineres apresentam um elevado custo operacional, na maioria das vezes as empresas optam por alugar o cofre de carga pagando apenas pelo período de uso. Para movimentação de cargas utilizamos também: Mariner-slings ou cinta de elevação Big-bag ou saco grande 31

32 Recebimento e entrega Recebimento ou entrega de mercadorias Para garantir a execução das atividades, deve ser aplicado um procedimento documentado, pode ser necessária à elaboração de instruções de trabalhos operacionais. Em ambas as atividades de recebimento e entregas devem ser definidas monitoramento e controle das mercadorias estocadas. O modelo de procedimento e instrução de trabalho deve ser adaptado ao tipo de segmento e estrutura da organização. Separação de pedidos para entrega área de pick Deve ser antecipada a separação dos produtos para evitar possíveis erros, agrupar a mercadoria em uma área física fora do estoque facilita a conferencia de embarque. Carregamento da carga Caso for necessária a utilização de um equipamento de movimentação deve ser calculada antecipadamente a capacidade de carga do veículo, efetuando a cubagem da mercadoria e veículo. Para calcular a cubagem deve multiplicar a altura, largura e comprimento das mercadorias e do local onde serão acondicionadas as mercadorias. 32

33 Inventário Inventário Muito utilizado pelas organizações para o controle dos materiais. O inventário pode ser realizado no operador logístico Podemos dizer que é a conferência quantitativa, realizada fisicamente ou eletronicamente confrontando os resultados encontrados com os registros. (físico x registros). Para garantir um bom resultado na realização do inventário, deve ser elaborado um procedimento e definir o nível de acuracidade para ganho ou para perda em todas as divergências encontradas. Todos os desvios devem ser recontados e comunicados aos responsáveis. Todas as divergências ocorridas durante a realização do inventário devem ser ajustadas e ações corretivas devem ser adotadas. 33

34 Ação corretiva e ação preventiva Ações preventivas Para minimizar as divergências de estoques podem ser adotadas algumas ações preventivas como: - Treinamentos operacionais - Implantação de softwares (WMS/ERP) - Mudança no Lay-out (arranjo físico adequado) - Implantação de Kanban Ações corretivas Todas as não conformidades devem ser analisadas e aquelas que apresentarem maior impacto serão tratadas para eliminar a causa raiz. Cada organização define a metodologia que será aplicada para analise do problema. Indicadores de desempenho O uso de indicadores de desempenho ajuda na tomada de decisões, não só na gestão dos estoques, mas na administração de todas as áreas da organização. A adoção de um sistema de gestão da qualidade estruturado garante a satisfação dos clientes internos e externos. 34

35 Manutenção O uso correto dos equipamentos de movimentação no processo de distribuição garante um melhor resultado no atendimento. Manter os equipamentos em condições de uso deve ser umas das principais ações dos responsáveis pelo setor de distribuição. Todos sabem que as máquinas e equipamentos vão quebrar em algum momento, saber quando quebrar ou aumentar o período do uso pode diferenciar nos resultados. Manter uma política de manutenção preventiva ou preditiva para todos os equipamentos é essencial para a redução dos custos operacionais ou garantir o atendimento dos clientes internos ou externos. Cada organização estabelece a melhor política de manutenção para seus equipamentos levando em consideração o tipo de equipamento, a intensidade de uso, as condições de uso, o nível de capacitação dos usuários e a disponibilidades dos recursos financeiros. 35

36 Referências Bibliográficas Administração de materiais Autor: J. R. Arnold Editora: Atlas Logística Industrial Integrada Autor: Bruno Paoleschi Editora: Érica Logística Empresarial Armazenagem Controle e Distribuição Autor: Clóvis Pires Russo Editora: IBPEX Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Autor: H. Ronald Ballou Editora: Bookman 36

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18

Sumário. Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Sumário Capítulo l -Introdução 17 1.1. Um Pouco da Historiada Logística 17 1.2. Sistemas ERP 18 Capítulo 2 - A Integração do Marketing com a Logística 21 2.1. O Departamento de Vendas 21 2.2. Plano de

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br

Tecnologia aplicada à Logística. Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Tecnologia aplicada à Logística Prof. José Rovani Kurz rovani@highpluss.com.br Logística Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando ouve a palavra LOGÍSTICA? Logística De cada 10 pessoas, pelo menos

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações II Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações II 19º Encontro - 09/10/2011 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - TECNOLOGIA DE PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br APRESENTAÇÃO www.maissolucoeslogisticas.com.br Acreditamos que as pequenas e médias empresas de transporte, armazenagem, operadores logísticos e empresas de e-commerce podem ter processos eficientes, uma

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SUPPLY CHAIN, REESTRUTURANDO A ÁREA DE COMPRAS: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LUNAMED. FABIO RAPHAEL C. DE OLIVEIRA KARINA

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS Sistemas de Order Fulfillment Real Time Solutions Atualmente, a operação de order fulfillment desempenha um papel primordial na cadeia de abastecimento

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

Alta Tecnologia em. Injeção de Termoplásticos

Alta Tecnologia em. Injeção de Termoplásticos Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos História A Jaguar Embalagens é uma unidade de negócios da Jaguar Plásticos, empresa que tem uma história de inovação que prospera há mais de 30 anos. Iniciou

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

Custos Logísticos. Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos

Custos Logísticos. Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Demanda Planejamento Compras Remessas Transportes Recebimento Armazenagem Atendimento Aduaneira Visão holística da cadeia logística de: Suprimentos Transportes

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais