ASPIRAÇÃO DE CORPO ESTRANHO ATRAVÉS DE TRAQUEOTOMIA: FOREIGN BODY ASPIRATION THROUGH TRACHEOTOMY: A CASE RELATE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPIRAÇÃO DE CORPO ESTRANHO ATRAVÉS DE TRAQUEOTOMIA: FOREIGN BODY ASPIRATION THROUGH TRACHEOTOMY: A CASE RELATE"

Transcrição

1 ASPIRAÇÃO DE CORPO ESTRANHO ATRAVÉS DE TRAQUEOTOMIA: DESCRIÇÃO DE UM CASO FOREIGN BODY ASPIRATION THROUGH TRACHEOTOMY: A CASE RELATE Ricardo R. Figueiredo, médico otorrinolaringologista do Hospital Municipal Souza Aguiar, Rio de Janeiro Walter S. Machado, chefe do serviço de Otorrinolaringologia e Endoscopia Per-oral do Hospital Municipal Souza Aguiar, Rio de Janeiro. Trabalho realizado no Hospital Municipal Souza Aguiar, Rio de Janeiro Autor responsável: Ricardo R. Figueiredo, Rua 60, n 1680, ap 202, bairro Sessenta, Volta Redonda-RJ, CEP , fax ,

2 RESUMO Paciente de 70 anos, sexo masculino, traqueotomizado há cerca de 7 anos devido a tumoração laríngea. Durante o procedimento de limpeza da cânula aspirou, acidentalmente, um fragmento da escova de limpeza. Radiografia de tórax em PA evidenciou corpo estranho metálico em topografia de brônquio inferior direito. Realizada broncoscopia rígida sob anestesia geral, com passagem do tubo pelo espaço glótico, sem resistências, procedeuse a remoção do corpo estranho, sem complicações. O paciente evoluiu assintomático, sendo encaminhado ao serviço de ORL em que fazia acompanhamento para reavaliação do caso. SUMMARY A 70 years-old man, with a 7 years tracheotomy because of a laryngeal tumor, had an accident during the daily canula cleansing procedure, aspirating a piece of the cleaning brush. The torax radiograph showed a metallic foreign body at the right inferior bronchus. Rigid bronchoscopy was done under general anesthesia, with no resistance in passing the tube through the glotis. The foreign body was easily removed, the pacient having no complications. After leaving the hospital, the pacient was sent to the ENT service where he used to be acompanished. PALAVRAS-CHAVE: brônquio, corpo estranho, broncoscopia, traqueotomia KEY WORDS:, bronchus,foreign bodies, bronchoscopy, tracheotomy

3 INTRODUÇÃO Corpos estranhos de árvore traqueo-brônquica correspondem a cerca de 0,073 % dos casos atendidos no Serviço de Otorrinolaringologia e Endoscopia Per-oral do Hospital Souza Aguiar, Rio de Janeiro. Entretanto, são os que oferecem maior risco, devido à maior incidência de complicações, incluindo o óbito, particularmente naqueles casos em que há retardo na intervenção. A aspiração de corpos estranhos por orifícios de traqueotomia é ocorrência incomum, havendo poucas referências na literatura. Maiores dificuldades ocorrem quando é impossível a passagem do broncoscópio pelo espaço glótico, podendo ser necessária a broncoscopia flexível,raramente efetiva para remoção de corpos estranhos, e, até mesmo, a remoção cirúrgica por toracotomia. APRESENTAÇÃO DE CASO: E.G.S., sexo masculino,70 anos, deu entrada em nosso hospital em 09/01/2003, com história de aspiração, via cânula de traqueotomia, de fragmento de escova de limpeza algumas horas antes. A escova era composta por uma haste metálica envolvida por cerdas de material plástico. O paciente encontrava-se traqueotomizado há cerca de 7 anos, devido a uma tumoração laríngea. Na laringoscopia indireta com fibra óptica foi evidenciado edema moderado de pregas vocais, sem sinais de tumoração. O paciente encontrava-se eupnéico, com tosse e secreção mucóide, em pequena quantidade. A radiografia de tórax em PA (fig 1) mostrava imagem de objeto metálico a nível de brônquio inferior direito, sem sinais de atelectasia ou hiper-insuflação associados. Optou-se pela imediata broncoscopia rígida sob anestesia geral. A passagem do tubo pelo espaço glótico ocorreu sem

4 dificuldades, sendo então retirada a cânula de traqueotomia. O corpo estranho foi localizado em brônquio inferior direito e removido sem dificuldades (fig. 2). O broncoscópio foi então retirado, sendo feita a intubação oro-traqueal pelo anestesiologista e, então, recolocada a cânula. A evolução pós-operatória foi excelente, com alta hospitalar no dia seguinte e prescrição de cefalexina, além de orientação para procurar o serviço de ORL no qual fazia tratamento para reavaliação da necessidade de traqueotomia. INSERIR FOTOS DISCUSSÃO: Corpos estranhos da árvore traqueo-brônquica são ocorrências raras, sendo mais comuns em Emergências pediátricas. No Hospital Souza Aguiar representam cerca de 0,073 % dos atendimentos do Serviço de Otorrinolaringologia e Endoscopia Per-oral. A razão para esse percentual relativamente pequeno ( cerca de 0,60 % dos corpos estranhos) deve-se à proteção das vias aéreas pela epiglote, aritenóides e reflexo tussígeno. Os principais locais de impactação são, pela ordem, brônquio fonte direito, brônquio fonte esquerdo e traquéia 1,2,3. De acordo com a literatura 1,2,3,4,5, a maioria dos casos ocorrem em crianças de até 3 anos de idade, com leve predominância para o sexo masculino. Os objetos mais freqüentemente aspirados são sementes, incluindo, dentre outras, grãos de feijão, arroz e amendoim, e pequenos objetos de metal e plásticos, como fragmentos ou partes de brinquedos. Deve-se procurar sempre pela história sugestiva de aspiração de corpo estranho, como por exemplo, indagar se a criança estava comendo ou brincando com algum pequeno objeto, se houve tosse intensa ou cianose. No caso de adultos, a história geralmente é mais

5 evidente, os acidentes geralmente ocorrendo durante refeições, quando espinhas de peixes, grãos ou ossos de aves podem ser aspirados. Em nosso serviço tivemos casos insólitos, como o de um paciente que aspirou um projétil de arma de fogo, ao ser abraçado pela sua filha durante a limpeza da arma, o que fazia segurando um projetil na boca. Entretanto, nem sempre essa história é clara, e na dúvida diagnóstica, deve-se proceder sempre a broncoscopia exploradora 1,2,3,4. O quadro clínico geralmente é caracterizado por tosse, sibilos, roncos, dispnéia e cornagem,este último no caso de corpos estranhos traqueais. O paciente pode evoluir com febre e expectoração muco-purulenta,no caso de pneumonia associada, e dispnéia progressiva, podendo chegar à insuficiência respiratória. A ausculta pulmonar pode revelar sibilos, roncos e redução do murmúrio vesicular na área acometida. Chamam muito a atenção sibilos e roncos em pacientes sem história prévia de asma brônquica. Tiragem supra- esternal pode estar presente em casos de insuficiência respiratória, bem como cianose nos casos mais extremos 1,3,4. O principal exame complementar é a radiografia simples de tórax em PA, em que são 3 os principais achados possíveis: - a imagem do próprio corpo estranho, se este for radiopaco - imagens sugestivas de atelectasia, tais como os desvios de mediastino e diafragma - imagens sugestivas de enfisema por mecanismo valvular, como a hiperinsuflação Uma vez havendo a suspeita diagnóstica, deve-se proceder imediatamente a broncoscopia rígida sob anestesia geral. A literatura é unânime em afirmar que as complicações ocorrem, na maioria das vezes, quando há retardo na intervenção, geralmente por insegurança diagnóstica 1,3,4,5. Como complicações podemos citar as pneumonias,

6 pneumo-mediastino, pneumotórax, mediastinite, insuficiência respiratória e morte 1,9. A broncoscopia é, na maioria dos casos, um procedimento relativamente simples, devendo-se enfatizar a necessidade de treinamento intenso em serviço habilitado e com material adequado ( broncoscópios rígidos de vários calibres e pinças para corpos estranhos brônquicos) 6,8. Os corpos estranhos de árvore traqueo-brônquica aspirados via traqueotomia são bastante raros, havendo pouquíssimos relatos na literatura, alguns associados a doenças psiquiátricas, com repetidas introduções de objetos variados pelo traqueostoma 10.Nosso paciente apresentou condições de passagem do broncoscópio por via glótica, talvez por não estar mais necessitando traqueotomia. Tal fato facilitou muito o procedimento. Em pacientes laringectomizados 6,11 e em todos aqueles em que não haja condições de passagem do broncoscópio por via laríngea, poderá ser necessário procedimento cirúrgico 7, uma vez que é muito difícil a passagem do broncoscópio rígido pelo orifício da traqueotomia, inclusive com risco de sangramento traqueal intenso, pelo atrito. O broncoscópio flexível raramente é eficiente para remover corpos estranhos, mas acreditamos que deva sempre ser feita uma tentativa antes do procedimento cirúrgico. CONCLUSÃO: Corpos estranhos de árvore traqueo-brônquica são ocorrências raras em Emergências, sendo mais freqüentes em crianças. O diagnóstico é clínico e radiológico, não devendo haver retardo na intervenção, no caso a broncoscopia rígida. A maioria dos casos de complicações, inclusive o óbito, ocorrem em situações em que há demora em realizar-se o procedimento. Aspiração de corpos estranhos por traqueostomas constitui evento

7 extremamente raro, podendo ser necessária intervenção cirúrgica para remoção do corpo estranho. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS: 1- MU,L ;HE,P; SUN,D. Inhalation of foreign bodies in Chinese children : a review of 400 cases. Laryngoscope,101(6):657-60, SOBOCZYNSKI, A;SKURATOWICZ,A;GRZEGOROWSKI,M.; CWRIROT- GLYDA,I. The problem of lower respiratory tract foreign bodies in children. Acta Otorhinolaryngology Belgica,47 (4): 443-7, WOLACH,B; RAZ,A.; WEINBERG,J; MIKULSKI,Y; BEN ARI, J; SADAN,N Aspirated foreign bodies in the respiratory tract of children: 11 years experience with 127 patients. Internal Journal of Pediatric Otorhinolaryngology, 30(1) :1-10, YAMAMOTO, S; SUZUKI,K; ITAYA,T; YAMAMOTO,F; BABA,S. Foreign bodies in the airway: A 18 year retrospective study. Acta Otolaryngology Suppl.( Stockholm), 525: 6-8, PAPSIN,BC; FRIEDBERG,J. Aerodigestive-tract foreign bodies in children:pitfalls in management. Journal of Laryngology and Otology,23(2): 102-8, MARZO,SJ; HOTALING, AJ. Trade-off between airway resitance and optical resolution in pediatric rigis bronchoscopy. Annals of Otology Rhinology Laryngology, 104 (4): 282-7, MARKS, SC; MARSH, BR; DUDGEON, DL. Indications for opén surgical removal of airway foreign bodies. Annals of Otology Rhinology Laryngology, 102 (9): 690-4,1993.

8 8- HUGHES,CA; BAROODY,FM; MARSH, BR. Pediatric tracheobronchial foreign bodies: a historical review from the John Hopkins Hospital, Annals of Otology Rhinology Laryngology,105 (7):555-61, INGLIS,AF;WAGNER,DV. Lower complication rates associated with bronchial foreign bodies over the last 20 years, Annals of Otology Rhinology Laryngology, 101(1):61-6, BARNES, PR; LOMAS, DA. Repeated insertion of foreign bodies into the tracheobronchial tree via tracheostomy. Journal of Laryngology and Otology, 107 (4): , GRIJALBA-UCHE,M; SAIZ-CALLEJA,MA; MEDINA-SOLA,JJ. Cuerpo extraño traqueo-bronquial em paciente laringuectomizado:caso insólito.acta Otorrinoalringologica Española, 46 (5): 384-6,1995.

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor.

Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Broncofibroscopia no auxílio à intubação. Paulo Rogério Scordamaglio Médico assistente do Serviço de Endoscopia Respiratória HCFMUSP / InCor. Outubro 2005 2 Introdução: O implemento da tecnologia e o avanço

Leia mais

Via aérea definiva no trauma

Via aérea definiva no trauma Via aérea definiva no trauma Mauricio Vidal de Carvalho Israel Figueiredo júnior A sistematização do atendimento inicial a vítimas de traumas trouxe importantes avanços na condução destes pacientes. Diante

Leia mais

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso

RAIOS-X. preto. cinza. branco. AR Gordura Osso RAIOS-X AR Gordura Osso preto cinza branco Radiotransparente Radiopaco Imagens formadas pelas diferentes DENSIDADES radiográficas GÁS GORDURA TECIDOS MOLES/ ÁGUA OSSO Radiologia torácica Primeira opção

Leia mais

Corpos Estranhos no Nariz e Ouvidos de Crianças: Devem ser Abordados no Setor de Acidentes e Emergência?

Corpos Estranhos no Nariz e Ouvidos de Crianças: Devem ser Abordados no Setor de Acidentes e Emergência? Corpos Estranhos no Nariz e Ouvidos de Crianças: Devem ser Abordados no Setor de Acidentes e Emergência? Tara Mackle e Bernard Conlon Introdução As crianças com corpos estranhos nasais e otológicos são

Leia mais

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Aula: Corpos Estranhos no Organismo Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc I- Corpos Estranhos nos Olhos Grande número dos acidentes oculares ocorre na faixa do 5 a 15 anos de idade. 75% das vítimas são

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TRAQUEOSTOMIA PERCUTâNEA. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas

TRAQUEOSTOMIA PERCUTâNEA. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas TRAQUEOSTOMIA PERCUTâNEA Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas 1 CURSO INTERNACIONAL DE MEDICINA INTENSIVA 1 CURSO DE CUIDADO CRITICO DE PACIENTE EM ALTURA HUANCAYO PERÚ 2006 TRAQUEOSTOMIA PERCUTÂNEA TRAQUE0STOMIA

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY

OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY OPEN ACCESS ATLAS OF OTOLARYNGOLOGY, HEAD & NECK OPERATIVE SURGERY SUPRAGLOTOPLASTIA POR LARINGOMALÁCIA Nico Jonas, Graeme vd Meer A laringomalácia caracteriza-se pelo colapso dos tecidos supraglóticos

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

Atuação da Equipe Multiprofissional no Combate ao incêndio no Centro Cirúrgico

Atuação da Equipe Multiprofissional no Combate ao incêndio no Centro Cirúrgico Atuação da Equipe Multiprofissional no Combate ao incêndio no Centro Cirúrgico Dr. Diego Marcelo May TSA SBA MBA Gestão de Saúde Gerente Médico Anestesiologia - HIAE Origem do Fogo Origem do Fogo Comburente

Leia mais

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br

Intubação Traqueal. Israel Figueiredo Junior. israel@ vm.uff.br Israel Figueiredo Junior israel@ vm.uff.br Comparação anatômica com adulto Cabeça : larga em proporção ao resto do corpo. Tendência a adquirir uma posição de flexão. Quando o tonus cervical encontra-se

Leia mais

ENDOSCOPIA RESPIRATÓRIA

ENDOSCOPIA RESPIRATÓRIA ENDOSCOPIA RESPIRATÓRIA 01. Se compararmos a broncoscopia flexível com a rígida, esta última é superior no manejo, pois: a) facilita o alcance de lobos distais. b) melhora controle do sangramento traqueobrônquico.

Leia mais

TRAQUEOSTOMIAS. 1- Introdução. 2 Indicações

TRAQUEOSTOMIAS. 1- Introdução. 2 Indicações TRAQUEOSTOMIAS 1- Introdução A traqueostomia é a realização de um estoma ao nível da região cervical anterior, criando assim uma via aérea cirúrgica na porção cervical da traquéia, sendo que o estoma criado

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

CORPOS ESTRANHOS DE FOSSAS NASAIS: DESCRIÇÃO NASAL FOREIGN BODIES: A DESCRIPTION OF TYPES AND

CORPOS ESTRANHOS DE FOSSAS NASAIS: DESCRIÇÃO NASAL FOREIGN BODIES: A DESCRIPTION OF TYPES AND 1 CORPOS ESTRANHOS DE FOSSAS NASAIS: DESCRIÇÃO DE TIPOS E COMPLICAÇÕES EM 420 CASOS. NASAL FOREIGN BODIES: A DESCRIPTION OF TYPES AND COMPLICATIONS IN 420 CASES. 2 RESUMO Introdução: Corpos estranhos de

Leia mais

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Questão 80 Um escolar de 7 anos chega ao ambulatório, pois precisa

Leia mais

Laringites Agudas na Infância

Laringites Agudas na Infância Laringites Agudas na Infância Hany Simon Junior Crupe Viral - definição O termo síndrome do crupe caracteriza um grupo de doenças que variam em envolvimento anatômico e etiologia, e se manifestam clinicamente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA

CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA CORPO ESTRANHO NA VIA DIGETIVA EM CRIANÇAS JULIANA ALVES DE SOUSA CAIXETA 80% < 3 anos Meninos > meninas Internação Mortalidade 10% Centers for Disease Control and Prevention (CDC)2006;55:1296 300. Moeda

Leia mais

Qual o papel das próteses em estenoses traqueais?

Qual o papel das próteses em estenoses traqueais? Qual o papel das próteses em estenoses traqueais? Luiz Felippe Júdice Professor Titular de Cirurgia Torácica do HUAP-UFF Introdução: O manuseio de pacientes com comprometimento respiratório secundário

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO O MANEJO DA VIA AÉREA DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Um dos maiores desafios das situaçoes de emergência é a aquisição dadas vias respiratórias. No algoritmo para qualquer situação de emergência, a manutenção

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Laringomálacia Abordagem e Conduta Clínico-Cirúrgica

Laringomálacia Abordagem e Conduta Clínico-Cirúrgica Laringomálacia Abordagem e Conduta Clínico-Cirúrgica Juan Camilo Ospina A laringomalácia é a anomalia congênita da laringe mais freqüente, afetando entre 65 e 75% da população pediátrica com estridor congênito

Leia mais

Uma Abordagem Completa na Avaliação da Laringe Pediátrica

Uma Abordagem Completa na Avaliação da Laringe Pediátrica Uma Abordagem Completa na Avaliação da Laringe Pediátrica Ellen M. Friedman e Tulio A. Valdez Introdução A avaliação da laringe pediátrica inclui um esforço para diagnosticar e tratar questões complexas

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

Exame Clínico do Sistema Respiratório

Exame Clínico do Sistema Respiratório Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia - SBPT Pneumologia na Graduação Porto Alegre 11-12/ 06 / 2010 Exame Clínico do Sistema Respiratório Sérgio Saldanha Menna Barreto Faculdade de Medicina

Leia mais

Orientações à pessoa traqueostomizada

Orientações à pessoa traqueostomizada Orientações à pessoa traqueostomizada Prezado paciente, Esta cartilha tem como principal objetivo orientá-lo a respeito da traqueostomia e os efeitos que ela terá na sua vida. Esperamos ajudar a esclarecer

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

Hilton Marcos Alves Ricz, Francisco Veríssimo de Mello Filho, Luiz Carlos Conti de Freitas, Rui Celso Martins Mamede

Hilton Marcos Alves Ricz, Francisco Veríssimo de Mello Filho, Luiz Carlos Conti de Freitas, Rui Celso Martins Mamede Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo VII Tracheostomy Hilton Marcos Alves Ricz, Francisco Veríssimo de Mello Filho, Luiz Carlos Conti de Freitas, Rui Celso Martins Mamede RESUMO

Leia mais

REMOÇÃO DE CORPO ESTRANHO POR ENDOSCOPIA EM Helicops carinicaudus

REMOÇÃO DE CORPO ESTRANHO POR ENDOSCOPIA EM Helicops carinicaudus 1 REMOÇÃO DE CORPO ESTRANHO POR ENDOSCOPIA EM Helicops carinicaudus ANDREISE COSTA PRZYDZIMIRSKI ¹, KEVILY TASHI PEDROSO SABINO¹, TATIANE BRESSAN MOREIRA¹, GIOVANA PALADINO¹, PETERSON TRICHES DORNBUSH²

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

TRAUMA TORÁCICO. Leonardo Oliveira Moura

TRAUMA TORÁCICO. Leonardo Oliveira Moura TRAUMA TORÁCICO Leonardo Oliveira Moura INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES O politraumatismo é atualmente a maior causa de óbitos em pacientes até a quarta década de vida. Estima-se que nos Estados Unidos 25% das

Leia mais

CAPÍTULO 15 TRAUMA DE TÓRAX

CAPÍTULO 15 TRAUMA DE TÓRAX Trauma de Tórax CAPÍTULO 15 TRAUMA DE TÓRAX 1. Introdução O traumatismo torácico nos dias atuais assume grande importância devido, em parte, à sua incidência e, por outro lado, pelo aumento da gravidade

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

FIBROSE PULMONAR. O que é a fibrose pulmonar?

FIBROSE PULMONAR. O que é a fibrose pulmonar? O que é a fibrose pulmonar? FIBROSE PULMONAR Fibrose pulmonar envolve a cicatrização do pulmão. Gradualmente, os sacos de ar (alvéolos) dos pulmões tornam-se substituídos por fibrose. Quando a cicatriz

Leia mais

Fenda Laríngea: Avaliação e Tratamento

Fenda Laríngea: Avaliação e Tratamento Fenda Laríngea: Avaliação e Tratamento Heather Nardone e Reza Rahbar A fenda laríngea é uma anomalia congênita incomum, com uma incidência de aproximadamente uma em 10.000 a 20.000 crianças nascidas-vivas.

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Abordagem dos Distúrbios da Deglutição em Crianças

Abordagem dos Distúrbios da Deglutição em Crianças Abordagem dos Distúrbios da Deglutição em Crianças Dayse Manrique A disfagia ou dificuldade na deglutição pode afetar gravemente o crescimento e desenvolvimento da criança ou a qualidade de vida. Esta

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CIRURGIA TORÁCICA. 02. Sobre derrame pleural, marque a alternativa correta.

CIRURGIA TORÁCICA. 02. Sobre derrame pleural, marque a alternativa correta. CIRURGIA TORÁCICA 01. Paciente masculino, 35 anos, previamente hígido e com diagnóstico de broncopneumonia comunitária diagnosticado há cerca de 3 dias e em uso de azitromicina desde então. Comparece ao

Leia mais

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA. Sistema Respiratório. Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI ANATOMIA HUMANA Sistema Respiratório Órgãos da Respiração PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Organização e Funções

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE)

FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS (FTE) XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA V CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE PNEUMOLOGIA FÍSTULAS TRAQUEOESOFÁGICAS E BRONCOPLEURAIS - DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO - JORGE ROLDÃO VIEIRA BRASILIA NOVEMBRO

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Doença do Refluxo Gastroesofágico. O Que é Doença do Refluxo? Nas pessoas normais, o conteúdo do estômago (comida ou acido clorídrico)

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Introdução Hipertrofia de adenóides e amígdalas como principal

Leia mais

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura

TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências. Leonardo Oliveira Moura TÓRAX Diagnóstico por Imagem nas Urgências Leonardo Oliveira Moura Infecções pulmonares A radiografia simples é habitualmente o exame de imagem mais empregado, pelo seu menor custo e alta disponibilidade,

Leia mais

Aspiração de corpo estranho na árvore traqueobrônquica em crianças: avaliação de seqüelas através de exame cintilográfico *

Aspiração de corpo estranho na árvore traqueobrônquica em crianças: avaliação de seqüelas através de exame cintilográfico * ARTIGO ORIGINAL Lima JAB, Fischer GB, Felicetti JC, Flores JA, Penna CN, Ludwig E Aspiração de corpo estranho na árvore traqueobrônquica em crianças: avaliação de seqüelas através de exame cintilográfico

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Nódulo pulmonar de novo?

Nódulo pulmonar de novo? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -D.B., 79 anos, sexo masculino, caucasiano. -Natural

Leia mais

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX

Como analisar um Rx RADIOGRAFIA. Como olhar um Rx. Técnica. Técnica. Análise TÓRAX Como analisar um Rx RADIOGRAFIA TÓRAX VISÃO PANORÂMICA VISÃO DETALHADA DA PERIFERIA PARA O CENTRO SEGUIR UMA SEQÜÊNCIA OBJETIVO Posicionamento Técnica Análise Como olhar um Rx Técnica Posicionamento -

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

Artigo de Revisão Revision Article

Artigo de Revisão Revision Article Artigo de Revisão Revision Article Diva Ferreira 1 José Almeida 2 Bárbara Parente 3 João Moura e Sá 4 Ressecção completa de hamartomas endobrônquicos por técnicas broncoscópicas, electrocirurgia por argon

Leia mais

Considerações Gerais

Considerações Gerais Oxigenoterapia e sua relação com os atendimentos de fisioterapeutas cardiorrespiratórios Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Considerações Gerais O oxigênio é um velho conhecido

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva

Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva 81 Atuação da Fisioterapia na Reversão das Atelectasias: Um relato de caso na Unidade de Terapia Intensiva The Performance of the Physiotherapy in the Reversion of the Atelectasis: A report of a case in

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Determinantes Históricos Associados ao Advento e Desenvolvimento da Otorrinolaringologia Pediátrica

Determinantes Históricos Associados ao Advento e Desenvolvimento da Otorrinolaringologia Pediátrica Determinantes Históricos Associados ao Advento e Desenvolvimento da Otorrinolaringologia Pediátrica Ricardo N. Godinho, Roland D. Eavey e Tania Sih Introdução Mudanças significativas têm sido observadas

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão

Cirurgia Torácica Videoassistida. Cancro do Pulmão Cirurgia Torácica Videoassistida Cancro do Pulmão Jorge Cruz Cirurgia Cardio-Torácica Cirurgia II Cirurgia Torácica Graham realiza em 1933 a 1ª pneumectomia Passados 70 anos a cirurgia torácica mudou.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CIRURGIÃO TORÁCICO QUESTÃO 21 Paciente portador de miatenia gravis e timoma, submetido a tratamento cirúrgico. Durante o ato operatório, constatou-se que o

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002)

Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) Classificação dos Sítios Anatômicos (Revisão AJC-UICC 2002) 1. Supraglote a. Epiglote suprahióidea (inclui ponta da epiglote, superfícies lingual e laríngea) b. Prega ariepiglótica, face laríngea c. Aritenóide

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

MASSA MEDIASTINAL ANTERIOR EM ANESTESIA PEDIÁTRICA

MASSA MEDIASTINAL ANTERIOR EM ANESTESIA PEDIÁTRICA ANESTESIA PEDIATRICA Tutorial 30 MASSA MEDIASTINAL ANTERIOR EM ANESTESIA PEDIÁTRICA Dr. Barnaby Scrace Anaesthetics Registrar, Royal Cornwall Hospital NHS Trust, UK Dr. Kylie McGregor Anaesthetic Consultant,

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Câncer de laringe Laringectomizados

Câncer de laringe Laringectomizados Câncer de laringe Laringectomizados M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência

Leia mais