INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL PARA O FUTURO DA EaD NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL PARA O FUTURO DA EaD NO BRASIL"

Transcrição

1 1 INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL PARA O FUTURO DA EaD NO BRASIL 1. INTRODUÇÃO Roque Magno de Oliveira O debate em torno da desigualdade de acesso aos serviços de comunicação, de forma geral, teve início na década de 70, com as discussões sobre a Nova Ordem Econômica Mundial (NOEI), as quais levaram à elaboração das bases da Nova Ordem Mundial da Informação e da Comunicação (NOMIC). Num contexto mais específico, dentro da UNESCO, o ápice desse debate se deu com o Relatório MacBride, nos anos de 1980, o qual enfatizava a necessidade de eliminar os desequilíbrios e disparidades no âmbito das comunicações, bem como no das informações. 1 Já no Brasil, além do posicionamento adotado ante a Cúpula do Milênio (ONU), em 2000, tem-se dado atenção especial aos programas e políticas de inclusão digital por parte do governo federal. PORCARO (2006, p. 10) afirma que No tratamento dessa questão um dos focos centrais do estudo, foi realizado um mapeamento dos principais programas ministeriais em implementação, para os quais se apresentou uma breve apreciação. Foram, também, analisadas outras propostas governamentais, consubstanciadas em ações e estratégias de articulação das políticas de inclusão digital. Por fim, tratou-se de aspectos relacionados à avaliação de tais políticas. Também esse eixo foi estruturado em três segmentos: objetivos e metas do milênio no Brasil programas de inclusão digital do governo federal; e avaliação dos resultados das políticas de inclusão digital. Estudos demográficos mostram as disparidades existentes no Brasil no que concerne à exclusão social, em especial, a exclusão digital de várias camadas da população. Segundo pesquisa do IBGE de 2001, apenas 7,55% dos brasileiros têm acesso à Internet dentro de suas próprias residências. Os dados da PNAD de JOSGRILBERG, Fabio. Inclusão digital, educação e desenvolvimento econômico: alguns marcos do debate. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 33, ago. 2007, p. 90.

2 2 mostram que, enquanto a classe A1 (mais rica) possui em torno de 89% de acesso doméstico a computador, a classe E (mais pobre) possui apenas 2,5%, o que demonstra uma grande brecha digital entre as classes. Esse quadro se repete quando da análise do acesso à internet. Torna-se nítido, portanto, a gravidade da situação vivida no território brasileiro, bem como a necessidade de maiores discussões a respeito das implicações desse quadro em relação à situação econômica do país e aos potenciais prognósticos. 2. DA EVIDÊNCIA EMPÍRICA 2.1 A inclusão digital e o contexto de desigualdade no Brasil A história de qualquer sociedade até aos nossos dias não foi mais do que a história das lutas de classes e da organização da sociedade em classes distintas, com suas hierarquias particulares - homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo: numa palavra, opressores e oprimidos - em oposição constante e ininterrupta, aberta ou dissimulada, até a produzir uma transformação revolucionária. A sociedade burguesa não aboliu os antagonismos de classes: apenas os substituiu por novas classes, novas condições de opressão, novas formas de luta (MARX & ENGELS, 2000, p.75). O que se vê, hoje, são sociedades, nações divididas em classes econômicas, situando os mais ricos na escala mais alta classe A e os mais pobres no degrau mais baixo classe E. Enquanto os primeiros possuem acesso a todos os serviços disponíveis sem maiores dificuldades, os segundos ficam à margem da sociedade, à mercê do poder exercido por aqueles, vivendo, muitas vezes, em condições subhumanas. SANTOS (2006) afirma que apesar do crescimento econômico em algumas regiões do planeta nos últimos anos e da melhoria das condições de vida de seus habitantes, o mundo está mais desigual do que há 10 anos, segundo relatório da ONU/DESA (2005). No Brasil, segundo dados recolhidos pela ONU, 2 em 2003, 7,4% da população viviam com menos de US$1 (um dólar) por dia; 21,5% da população total estavam abaixo da linha da pobreza, sendo que na população urbana, esse percentual era de 17,5%, enquanto, na rural, passava a ser 41,0%; e o quintil mais pobre correspondia a 2,6% da renda ou do consumo nacional. 2 Dados disponíveis em:

3 3 Nas palavras de JAMBEIRO e SILVA (2004, p. 4): [...] exclusão social, [é] um fenômeno que se traduziria como a ausência de uma determinada predisposição moral que estrutura o sistema social, aqui denominada cidadania. A exclusão se daria, então, na ausência de condições efetivas para determinados indivíduos viverem em sistemas sociais, nos quais possam ter qualidade de vida, e não na pura ausência de acesso a bens e serviços. Com o advento das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs), observou-se uma nova forma de desigualdade social: a exclusão digital. Esta se manifesta, principalmente, na impossibilidade ou dificuldade de acesso, por parte das camadas mais baixas da população, a telefones, computadores, internet e conhecimentos na área de informática. (SANTOS, 2006, p. 22). Observando a fonte de dados supracitada, nota-se que, em 2004, dentro de uma população estimada em habitantes, possuíam acesso à telefonia fixa e móvel; eram usuários de internet; e possuíam computadores pessoais. Significa dizer que 59,47% eram usuários de linhas telefônicas; 12,12% eram usuários de internet e 10,66% possuíam computadores pessoais. Ainda, segundo pesquisa de 2005 do IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 3, 37,2% da população brasileira com mais de 10 anos não tem acesso a microcomputadores e 20,5% dessa amostra não sabe como utilizar a internet. É justamente devido a índices como esses indicados anteriormente, que o governo passou a tomar medidas no sentido de promover a inclusão digital da população brasileira. Essa é definida por OLIVEIRA (2004, p. 85) como [...] o resultado de uma revolução nos avanços tecnológicos que não trará apenas conforto e qualidade de vida. Ela também modificará a capacidade cognitiva do ser humano, suas habilidades para aprender, ensinar, raciocinar e exercer a criatividade. Essa inclusão melhora a auto-estima e integra o indivíduo num mundo perante o qual está ele hoje à margem e, ao incluí-lo, o Estado trará benefícios significativos na sua formação como homem. SEABRA (2001) argumenta que essa inclusão possui papel de relevo também no que tange à educação, pois a internet propicia um aumento do acervo cultural 3 IBGE. Disponível em: < Acesso em: mar

4 4 acessível pelos alunos, além de mantê-los conectados ao que acontece em todo o mundo, e aumentar imensamente o campo de pesquisa disponível. Dessa forma, obriga os profissionais da área educacional a manterem-se atualizados e a par dos avanços tecnológicos, uma vez que serão eles os responsáveis pela preparação e motivação dos jovens a respeito desses novos instrumentos. PORCARO (2006, p.42) chama atenção para o Relatório Nacional de Acompanhamento: Objetivos de Desenvolvimento do Milênio divulgado em 2004 pelo governo brasileiro, o qual enfatiza as prioridades estabelecidas na Cúpula do Milênio das Nações Unidas 4, e, especialmente, trata da inclusão digital. O relato da autora afirma que A questão da inclusão digital é abordada na seção Brasil constrói parcerias na busca do desenvolvimento, referente ao Objetivo 8. É considerada uma prioridade para o governo brasileiro, por sua possibilidade de ajudar na promoção da inclusão social e por desempenhar papel fundamental no combate à pobreza ao permitir ao cidadão acesso à informação e ao conhecimento. Portanto, para reduzir as discrepâncias entre as camadas da sociedade, investe-se na inclusão social, a qual, segundo JAMBEIRO e SILVA (2004, p. 150), deve abranger muito mais do que o provimento do acesso a recursos e benefícios sociais. Ela deve, na verdade, ter uma proposta de intervenção na cultura política da sociedade. A inclusão é feita por meio de diversos programas e políticas governamentais e de iniciativa privada normalmente, por meio das organizações não governamentais nas áreas onde o nível de exclusão são mais gritantes. Esses têm como objetivo, levar o acesso à infra-estrutura básica, à serviços essenciais à sobrevivência e a uma vida de qualidade às camadas necessitadas da sociedade. 5 Dessa forma, em meio à nova realidade da sociedade informatizada, da globalização e da necessidade de compartilhamento de informações, ocorreram alterações nos hábitos, nos modos de vida e na comunicação das pessoas. Isso faz com que a incapacidade e/ou ausência de possibilidade de manusear e de lidar com as novas tecnologias impliquem na marginalização, estagnação econômica e educacional e, conseqüentemente, miséria dessa camada populacional. É à 4 A Cúpula do Milênio foi realizada em setembro de Os programas governamentais estão disponíveis nos sítios na internet dos Ministérios e demais órgãos da Administração Pública, bem como os demais programas possuem sítios independentes na Internet. A análise desses sites mostra o objetivo comum de levar o acesso aos diversos serviços às comunidades carentes.

5 5 inserção no mundo digital, ou seja, a formulação e aplicação de políticas públicas de desenvolvimento tecnológico e, por outro [lado], uma política pública de inserção individual universal que se dá a denominação de inclusão digital. (SANTOS, 2006, p. 114). E esta, por sua vez, [...] se realiza na convergência de 3 I s : Infra-estrutura tecnológica, Informação e Intermediação. O acesso à Infraestrutura tecnológica abre portas para acesso à Informação Relevante; a ação conversão da informação em conhecimento exige, porém, uma Intermediação Eficaz. 6 Assim, a inclusão universal do povo se tornou prioridade nos governos mais recentes, principalmente no atual, e o motivo maior, como afirma SANTOS (2006, p. 119), é o de que 2.2 O desenvolvimento econômico os conhecimentos técnicos básicos constituem elemento indispensável para a realização do acesso ao computador. A falta de conhecimento é uma das expressões mais dramáticas da desigualdade digital. O computador não se presta ao aprendizado auto-didata, respeitadas as exceções. O conhecimento básico viabiliza o uso do computador (off-line). Conhecimentos adicionais aprofundam a capacidade do usuário para explorar com proficiência e objetividade os recursos. Diferente de outros objetos técnicos de uso imediato e específico, o computador permite múltiplos fins: acesso à informação, estudos, entretenimento, produção artística, produção com objetivos econômicos e é, ainda, uma ferramenta intermediária para uso e controle de outras máquinas. Nas palavras do art. 3º da Constituição Federal de 1988: Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; II - garantir o desenvolvimento nacional; III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; 6 LIMA, Jussara B.; SILVA, Helena Pereira da. Inclusão Digital: uma convergência de outros Is. In: JAMBEIRO, Othon; STRAUBHAAR, Joseph (orgs). Informação e Comunicação: o local e o global em Austin e Salvador. Salvador: EDUFBA, 2004.

6 6 IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Apesar do dever/poder estabelecido constitucionalmente ao Estado, a realidade que se vê é bem diferente. O Brasil lidera o ranking de desigualdade social na América Latina, visto que a renda per capita dos 10% mais ricos da nossa população é 32 vezes maior do que a renda per capita dos 40% mais pobres. Dessa forma, se faz necessário entender o que tratam, realmente, os incisos II e III da Constituição Federal. Segundo BRESSER-PEREIRA (2006, p.5), O desenvolvimento econômico é assim um fenômeno histórico, de um lado relacionado com o surgimento das nações e a formação dos estados nacionais ou estados nação, e, de outro, com a acumulação de capital e a incorporação de progresso técnico ao trabalho e ao próprio capital, que ocorrem sob a coordenação das instituições e principalmente de mercados relativamente competitivos. O desenvolvimento é, portanto, um fenômeno relacionado com o surgimento das duas instituições fundamentais do novo sistema capitalista: o estado e os mercados. Pode-se afirmar, na mesma linha que OLIVEIRA (2002, p. 38), que, independente da ótica utilizada para se analisar o desenvolvimento, este deve resultar do crescimento econômico, acompanhado de melhoria na qualidade de vida, devendo incluir as alterações da composição do produto e a alocação de recursos pelos diferentes setores da economia, de forma a melhorar os indicadores de bem-estar econômico e social (pobreza, desemprego, desigualdade, condições de saúde, alimentação, educação e moradia). 7 O debate teórico a cerca do desenvolvimento econômico data desde a época de Adam Smith. Todavia, foi Shumpeter quem estabeleceu, de forma pioneira, a diferenciação entre crescimento e desenvolvimento econômicos. O primeiro diz respeito à produzir mais do mesmo bem ou serviço utilizando as mesmas técnicas, enquanto o segundo abrange a inovação no método, na produção, nas mercadorias ou na organização industrial ( revolução produtiva ). Com tal distinção em mente, surgiram diversos paradigmas que buscavam determinar a maneira mais eficaz e eficiente de se alcançar o desenvolvimento, bem 7 Apud VASCONCELOS, Marco Antonio; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de economia. São Paulo: Saraiva, 1998.

7 7 como explicar a razão do atraso de determinados países e regiões do globo terrestre (Brasil inclusive) quando comparados a países como Inglaterra e Estados Unidos. Alguns economistas contemporâneos afirmam que No longo prazo, o desenvolvimento econômico dificilmente regride, porque a acumulação de capital e o progresso técnico em uma economia tecnologicamente dinâmica e competitiva, como é a capitalista, passam a ser uma condição de sobrevivência das empresas, mas as taxas de crescimento econômico são tão díspares que a sorte econômica dos Estados-nação está longe de estar assegurada, e a decadência relativa, como aquela que ocorreu em todo o século vinte na Argentina, ou que vem acontecendo no Brasil desde 1980, é sempre uma possibilidade. (BRESSER-PEREIRA, 2007, p. 2). HUNT (1989[1998]) aborda diversos paradigmas de desenvolvimento, entre eles o estruturalista (defendido pelos economistas Cepalinos, merecendo destaque Celso Furtado e Raul Prebisch), que afirma que o desenvolvimento consiste em, além do aumento da renda per capita, na transformação estrutural, de forma que os países subdesenvolvidos se tornem capazes de iniciar e sustentar o crescimento econômico. Outros paradigmas tratados pela autora são o Neo-marxista, o Maoísta, o Neoclássico e o Basic Needs. Esse último passou por diversas críticas e reformulações, entretanto, sua essência sempre foi a defesa de que o desenvolvimento se dá com o crescimento econômico acompanhado da satisfação das necessidades básicas dos seres humanos, para que a população possa ter os requisitos mínimos essenciais a uma vida digna. Segundo seguidores do paradigma do Basic Needs, o propósito do desenvolvimento é prover a todos a oportunidade de uma vida completa, e satisfazer as necessidades básicas da população é um pré-requisito essencial para tanto. (HUNT, 1988[1998], p. 267). Embora o estabelecimento dos indicadores tenha sido um ponto de grande controvérsia, é sabido que as necessidades básicas a serem atendidas são, dentre outras, educação, saúde, alimentação, moradia, água tratada e serviços sanitários. Não é, portanto, mera coincidência que os estudos demográficos se preocupem com a obtenção de dados a cerca desses itens. Nota-se, portanto, que a questão do desenvolvimento econômico está intimamente ligada com a estrutura produtiva do país, bem como com as condições

8 8 às quais sua população está submetida. A escala de valores adotados numa sociedade determina o caminho a ser seguido por ela, e isto pode ser visto ao se observar o caso de cada país, independente do nível de desenvolvimento alcançado por ele. Entretanto, chegamos a um ponto em que a humanidade e suas necessidades não podem ser mais ignoradas. Maior prova disso é a Declaração Universal dos Direitos Humanos 8 que foi assinada em 1948 no âmbito das Nações Unidas. Tal regra foi absorvida por diversos países, como é o próprio caso do Brasil, ou mesmo da Polônia, Argentina, entre outros. Dessa forma, o caminho escolhido para o crescimento e sucesso econômico deve ter em vista a dignidade humana. 9 O fato de vivermos na era da informação influencia significativamente o modo vida das pessoas e altera a escala de valores a serem observados (como pôde ser visto anteriormente). O acesso às tecnologias que surgem é de suma importância, pois influenciam as diversas necessidades da população, principalmente a área da saúde e educação. O Japão serve como exemplo de que investimento em educação gera frutos positivos e impulsionam o crescimento e o desenvolvimento do país, pois, segundo dados da OCDE, sua taxa de alfabetização é de 99%, e o PIB per capita era de US$30,842. em Dessa forma, os programas e políticas que visam sanar as desigualdades sociais, como os de inclusão digital, corroboram, no médio e longo, principalmente, com o desenvolvimento econômico do país, tanto no âmbito social, devido à melhoria das condições de vida da população, como no âmbito produtivo, pois promove a capacitação de grande contingente de mão-de-obra, além de estimular o desenvolvimento de tecnologias dentro do próprio território nacional. 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Desenvolvimento econômico e o empresário. Revista de Administração de Empresas, vol. 32, n. 2, jul P BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Estratégia nacional e desenvolvimento. Revista de Economia Política, vol. 26, nº 2 (102), abr-jun p Versão em português disponível em: <http://www.unhchr.ch/udhr/lang/por.htm>. 9 Como pode ser observado no art. 3º da Constituição Federal transcrita na primeira parte desse trabalho. 10 Dados disponíveis em: <http://stats.oecd.org/wbos/viewhtml.aspx?queryname=321&querytype=view&lang=en>.

9 9 BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O conceito histórico de desenvolvimento econômico. São Paulo: FGV/EESP; Texto para Discussão, n. 157, BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O processo histórico do desenvolvimento econômico. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/papers/2007/07.21.processohistoricododesenvolv Economico-Agosto23.pdf>. Acesso em: mar GOMES, Elisabeth. Exclusão digital: um problema tecnológico ou social? Rio de Janeiro: Trabalho e Sociedade, ano 2, nº especial, dez HUNT, Diana. Economic theories of development An analysis of competing paradigms. Londres: Harvester Wheatsheaf, IBGE. Disponível em: <http://www.ibge.org.br>. Acesso em: 05 nov JAMBEIRO, Othon; Silva, Helena Pereira da. Políticas de informação: digitalizando a inclusão social. Estudos de Sociologia, Araraquara, n. 17, 2004, p JOSGRILBERG, Fabio. Inclusão digital, educação e desenvolvimento econômico: alguns marcos do debate. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 33, ago. 2007, p LIMA, Jussara B.; SILVA, Helena Pereira da. Inclusão Digital: uma convergência de outros Is. In: JAMBEIRO, Othon; STRAUBHAAR, Joseph (orgs). Informação e Comunicação: o local e o global em Austin e Salvador. Salvador: EDUFBA, MAGALHÃES, João Paulo de Almeida. Nova estratégia de desenvolvimento para o Brasil: um enfoque de longo prazo. Revista de Economia Política, vol. 26, nº 2 (102), abr-jun p MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Global, MATTOS, Fernando Augusto M. Inclusão digital e desenvolvimento econômico na construção da sociedade da informação no Brasil. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, n. 3, v. 7, jun OLIVEIRA, Genilson Socorro Gomes de. O fundo de universalização dos serviços de telecomunicações FUST e a inclusão digital no Brasil. Revista da Faculdade de Direito de Sete Lagoas, Sete Lagoas, v.3, n.1, jan./jun. 2004, p OLIVEIRA, Gilson Batista de. Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista FAE, Curitiba, v. 5, n. 2, mai/ago, 2002, p PIMENTA, Marcelo Andrade. Telecomunicações: alternativas locais para a universalização do acesso. Revista ip Informática Pública, Belo Horizonte, ano 5, n. 1, jun Disponível em: <http://www.ip.pbh.gov.br/ano5_n1_pdf/ip0501pimenta.pdf>. Acesso em: 10 de out PORCARO, Rosa Maria. Tecnologia da comunicação e informação e desenvolvimento: políticas e estratégias de inclusão digital no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA; Texto para Discussão, n. 1147, 2006.

10 10 RAY, Debraj. Development Economics. Nova York. Preparado para o New Palgrave Dictionary of Economics, mar SANTOS, Edvalter Souza. Desigualdade social e inclusão digital no Brasil. Rio de Janeiro: Tese apresentada ao Curso de Doutorado da UFRJ SEABRA, Carlos. Inclusão digital: desafios maiores que as simples boas intenções. Revista Soluções,n. 17, out

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO

DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO DIA DA INCLUSÃO DIGITAL UMA PARCERIA QUE DEU CERTO Formación y superación de la exclusión Silene Fernandes Bicudo Núcleo de Novas Tecnologias UNIVAP silene@univap.br Ana Maria Soares Comitê para Democratização

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONEXÃO: DESAFIOS DO SÉCULO XXI Claudionei Lucimar Gengnagel UPF Fernanda Nicolodi UPF Resumo: A pesquisa que se apresenta irá discutir a importância e a necessidade de políticas

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil 5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil A fome de instrução não é menos deprimente que a fome de alimentos. Um analfabeto é um espírito subalimentado. Saber ler e escrever, adquirir uma formação

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Histórico Educação para Todos (Dakar, Senegal, Abril de 2000) Seis objetivos de EPT: Expandir e melhorar a educação e os cuidados na primeira infância Universalizar

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS.

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. Cícero Gonçalves dos Santos Faculdade Sete de Setembro (FASETE), cycero_hsc@hotmail.com Denise Xavier Fortes Faculdade

Leia mais

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet

ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet ABRANET Associação Brasileira de Provedores Internet APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO e INFORMÁTICA Audiência Pública sobre Conteúdo Audiovisual

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS TRABALHO DE GESTÃO DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2010 PROFESSOR JOSÉ CARLOS VAZ São Paulo,

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS

INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS INCLUSÃO DIGITAL: O AVANÇO TECNOLÓGICO À LUZ DOS DIREITOS HUMANOS Josefina Elvira Trindade Ramos Rios 1 RESUMO Este artigo é o resultado de um esforço para contextualizar em linhas gerais a sociedade do

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO 1 DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO Francisco Albertino Ribeiro dos Santos 1 Antônio Wilton Cajado de Sousa 2 Everton José Amaral Pereira 3 Rafael Rebelo Lopes 4

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Econômico

Crescimento e Desenvolvimento Econômico FURG ICEAC UAB Especialização em Gestão Pública Municipal Disciplina Indicadores Socioeconômicos na gestão pública Crescimento e Desenvolvimento Econômico Prof. Tiarajú A. de Freitas Bem-vindo! É com grande

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) INCLUSÃO DIGITAL PROMOVENDO OPORTUNIDADES DE TRABALHO E CIDADANIA Área Temática: Trabalho Fabio Favarim 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Fabio Favarim Beatriz Terezinha Borsoi 2 Palavras-chave: inclusão

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5

AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL MÓDULO 5 Índice 1. A globalização: variáveis relacionadas ao sucesso e ao fracasso do modelo...3 1.1 Obstáculos à globalização... 3 2 1. A GLOBALIZAÇÃO: VARIÁVEIS RELACIONADAS

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

2A educação é o principal catalisador para

2A educação é o principal catalisador para objetivo 2. atingir o ensino básico universal O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 o desenvolvimento humano e para a construção de uma sociedade mais justa (Unesco,

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS INCLUSÃO DIGITAL PARA PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Área Temática: Educação Natalina Francisca Mezzari Lopes 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Natalina Francisca Mezzari Lopes Andressa

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Durante a reunião da Cúpula do Milênio, realizada em Nova Iorque, em 2000, líderes de 191 nações oficializaram um pacto para tornar o mundo mais

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Pobreza e responsabilidade social na era da globalização

Pobreza e responsabilidade social na era da globalização ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SOCIOLOGIA Dinâmicas Actuais da Pobreza e da Exclusão Social. Conceptualizações, politicas e intervenções Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian 25 de Novembro de 2010 Pobreza e

Leia mais

DIREITOS HUMANOS INCLUSÃO DIGITAL Ernivan Fernandes BALIEIRO 1. Palavras Chave: Direitos Humanos; inclusão social; politicas públicas.

DIREITOS HUMANOS INCLUSÃO DIGITAL Ernivan Fernandes BALIEIRO 1. Palavras Chave: Direitos Humanos; inclusão social; politicas públicas. DIREITOS HUMANOS INCLUSÃO DIGITAL Ernivan Fernandes BALIEIRO 1 Resumo Os Direitos Humanos fundamentais compreende uma vicissitude de aspectos das necessidades humanas, e a inclusão digital, como um direito,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Direito a não Viver na Pobreza

Direito a não Viver na Pobreza Direito a não Viver na Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente,

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

Portas de saída, inclusão produtiva e erradicação da extrema pobreza no Brasil. ChAMADA PARA DEBATE

Portas de saída, inclusão produtiva e erradicação da extrema pobreza no Brasil. ChAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Portas de saída, inclusão produtiva e erradicação da extrema pobreza no Brasil ChAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Agosto, 2011 Portas

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

O que é um Telecentro e para que serve?

O que é um Telecentro e para que serve? O que é um Telecentro e para que serve? Telecentros são espaços com computadores conectados à Internet banda larga. Cada unidade possui normalmente entre 10 e 20 micros. O uso livre dos equipamentos, cursos

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico

Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Aumenta a desigualdade mundial, apesar do crescimento econômico Análise Segurança / Economia e Comércio / Desenvolvimento Bárbara Gomes Lamas 22 de setembro de 2005 Aumenta a desigualdade mundial, apesar

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais