A INCLUSÃO DIGITAL E A PRODUÇÃO DE IMAGENS EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES ATRAVÉS DAS NOVAS TECNOLOGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INCLUSÃO DIGITAL E A PRODUÇÃO DE IMAGENS EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES ATRAVÉS DAS NOVAS TECNOLOGIAS"

Transcrição

1 A INCLUSÃO DIGITAL E A PRODUÇÃO DE IMAGENS EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES ATRAVÉS DAS NOVAS TECNOLOGIAS RESUMO Sandrine Allain O presente artigo volta-se para as novas tecnologias de produção de imagens digitais no ambiente escolar e seu papel enquanto inclusão total. Através de uma revisão de literatura, indagar-se-á sobre a inclusão digital e seus possíveis desdobramentos nos processos de ensino e de aprendizagem. Promover-se-á uma reflexão sobre as novas tecnologias e como elas podem ressaltar o protagonismo dos alunos, observando a quais alunos elas estão de fato acessíveis. Voltar-se-á para a formação contínua e crítica dos professores para que as novas tecnologias não sejam pensadas como um fim em si. Verificou-se que é preciso aplicar uma pesquisa em campo de modo a obter dados assertivos sobre o uso de câmeras fotográficas e aparelhos celulares nas escolas de Florianópolis e a partir deles, pensar a inclusão digital como promotora de mudanças metodológicas e sociais profundas. Palavras-chave: Educação; Tecnologia; Inclusão digital; Imagens digitais. RESUMÉ Cet article se tourne vers les nouvelles technologies de production d images numériques dans le milieu scolaire et leur rôle en tant qu élément d inclusion dite totale. Une réflexion se posera, au travers d une revue de littérature, sur l inclusion numérique et ses possibles dédoublements dans les processus d enseignement et d apprentissage. La cible de cet article est le mode par lequel les nouvelles technologies mettent en évidence le protagonisme des étudiants, en observant à quels étudiants elles sont en effet accessibles, l article se tournera notamment sur la formation continue et critique des enseignants de façon à ce que les nouvelles technologies ne soient pas pensées comme une fin en soi. Il s est avéré nécessaire d appliquer une recherche sur le terrain de manière à obtenir des données assertives sur l utilisation d appareils photos et de téléphones mobiles dans les écoles de Florianópolis, pour, au travers de ces données, penser l inclusion numérique comme promoteur de changements méthodologiques et sociaux profonds. Mots-clé: Educação; Tecnologia; Inclusão digital; Imagens digitais 19

2 O presente artigo aborda a questão do uso das novas tecnologias no ambiente escolar, mais especificamente o uso de aparelhos de produção de imagens digitais - entendidos aqui como aqueles que permitem a captura de imagens digitais - como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares com câmera embutida. Ele visa uma reflexão sobre se e como as novas tecnologias podem ser vistas como fatores de inclusão social e digital, reflexão para a qual se faz necessário a definição de tais conceitos. 1. A inclusão total Encontra-se na temática Artes Visuais e tecnologia uma produção considerável que foca na análise e discussão da Arte e Tecnologia. Encontra-se poucos trabalhos, contudo, em relação à Arte, Tecnologia e Inclusão (NUNES, 2009, p. 99), sendo necessário voltar-se mais para a inclusão digital na Educação Básica. Segundo a autora referida, o conhecimento sobre inclusão desenvolvido por pesquisadores universitários poderia fazer-se mais presente na inclusão escolar levando a inclusão a espaços educacionais. Pensando, portanto, a inclusão em espaços de ensino, alguns questionamentos direcionaram o presente artigo. Afinal, a produção de imagens digitais no ambiente escolar está acessível a quem? Todos os alunos têm acesso às mesmas tecnologias dentro do ambiente escolar? Como se caracterizam essas semelhanças e diferenças? Ao se indagar sobre o acesso à tecnologia, questiona-se sobre que tipo de relações se tecem à partir da posse ou do uso da tecnologia de produção de imagens digitais no contexto escolar. Desse modo, volta-se para a questão da inclusão. Dentre os vários autores e vertentes que se debruçam sobre o tema, escolheu-se a definição de inclusão total como a 20

3 mais apropriada, por abranger todos os indivíduos presentes no contexto escolar. A perspectiva de inclusão total compreende a inclusão como uma ação ou política que visa a inserção dos sujeitos excluídos, preparando as futuras gerações para o convívio com a diversidade, compreendendo a realidade de todos (MANTOAN, 2003). O referido conceito de inclusão total abre um leque de interpretações sobre inclusão, não somente para a inclusão de Pessoas com Necessidades Educativas Especiais PNEE, mas entendendo-se que toda pessoa tem necessidades educacionais especiais (ANJOS et al., 2009, p.119). A inclusão total, deste modo, abrange alunos e alunas oriundos de diferentes esferas da população, que encontram no espaço da escola a intersecção de culturas, identidades e diversidade, que devem ser respeitadas e para além disso, compreendidas. Para que possamos ir além da integração 1 e ver a inclusão acontecendo, de fato, nas escolas, é preciso não deixar ninguém de fora. Desse modo, as escolas devem considerar as necessidades de todos os alunos e serem estruturadas em função dessas necessidades (MANTOAN, 2003, p. 19). Quando fala-se em estrutura, a primeira ideia que surge é a questão física de acesso a cadeirantes, pessoas de baixa visão, cegos e surdos. Tal acesso é imprescindível para a inclusão escolar. Afinal como incluir as crianças se elas não conseguem chegar à escola? Mas pensando-se a inclusão total, a de todos os alunos em sua grande diversidade, é preciso estar atento a diferenças mais silenciosas. A inclusão total analisa o quê e como a escola ensina, de modo que os alunos não sejam penalizados pela repetência, evasão, 11 Mantoan diferencia o conceito de integração de inclusão ao afirmar que a primeira é parcial, pois não é a escola que muda como um todo, mas sim os alunos que se adaptam à escola (MANTOAN, 2003, p ). 21

4 discriminação, exclusão (MANTOAN, 2003, p. 21). Na inclusão total toma-se como parâmetro a diferença de modo a desconstruir o conceito de igualdade de oportunidades e ilusão de homogeneidade. Partindo do princípio de inclusão total, indaga-se sobre a questão de acesso a bens de consumo, principalmente à tecnologia. Muitos estudos abordam a questão da inclusão digital, no entanto poucas voltam-se à questão de aparelhos digitais portáteis mais recentemente presentes no ambiente escolar, como as máquinas digitais e os celulares com câmera embutidas, foco do presente artigo. 2. A inclusão e a exclusão digital. Quem tem lugar na escola, que lugar tem? Que tipo de relação vivencia? Padilha (2003). Tomando-se a diferença como parâmetro, é preciso estar atento às diversas manifestações de exclusão vigentes na escola. Para Padilha, o Brasil está atrasado no cumprimentos dos direitos humanos. Os deficientes, sobretudo os pobres, não têm acesso aos bens culturais, sendo que a ciência e a tecnologia se desenvolvem sem, contudo, servir a todos (PADILHA, 2003, p. 1). Nas escolas percebe-se a presença de celulares e câmeras de uso pessoal dos alunos. Apesar destas tecnologias ainda serem clandestinas nas instituições de ensino, como ressalta Martins (2008), é cada vez maior sua legitimação no ambiente escolar, não somente como integrante da visualidade da escola, mas como ferramentas metodológicas. O acesso e a utilização da tecnologia são preconizados pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, nos quais a Arte foi ampliada para as Artes Visuais com produção e uso de novas tecnologias. 22

5 Os PCNs [...] assinalam uma mudança considerável no ensino da Arte. Propõe quatro modalidades artísticas para todo o ensino fundamental: Artes Visuais (não mais apenas voltado para as Artes Plásticas, mas também para as demandas da cultura visual em geral: publicidade, cinema, Televisão, Histórias em Quadrinhos, fotografia, artes gráficas, produções com novas tecnologias); Música; Teatro e Dança. Esta mudança traz novas demandas em relação à formação de professores nas diversas linguagens citadas (FRANZ; KUGLER, 2005, p. 3). Mas como o acesso à tecnologia se dá na escola? Como questiona Padilha quem aprende igual à escola? Não seriam aqueles que já nasceram em um grupo social/econômico privilegiado? Aqueles que ganham [...] computadores nas festas de aniversário? E os diferentes... são diferentes por quê? Em quê? (PADILHA, 2003, p.6-7) Essas perguntas alertam sobre um modo de pensar o ensino apenas para os alunos que já estão familiarizados com a tecnologia, tornando-a um fator de exclusão para aqueles que ainda não possuem tal saber. A autora referida ainda nos lembra a importância da leitura e do letramento para o processo de formação cultural, político e ético dos alunos, sendo o letramento um conjunto de práticas sociais constitutivas das relações de identidade e poder (PADILHA, 2003, p.9). A inclusão digital, também chamada de tecnoletramento, trata das possibilidade de acesso e usufruto das tecnologias digitais, como computadores, internet e outros, mas de uma forma mais ampla. Deste modo o tecnoletramento supera o mero ensino da informática [...] e passa a ser entendido como a capacidade de interagir com a máquina [...] de propiciar aprendizagens significativas que ocorrem num processo permanente, autônomo e personalizado (BOEHME, 2003, p. 8). O tecnoletramento e a inclusão digital implicam, portanto, em melhorar as condições de vida de uma comunidade particular de modo a que possa utilizar a tecnologia em benefício próprio e coletivo, ultrapassando assim a idéia de simples 23

6 acesso. A questão da inclusão digital vai além da própria posse ou acesso às novas tecnologias, mas trata de objetivos, tais como o combate à exclusão de classes sociais e ao combate à própria pobreza. Em 2003, a Fundação Getúlio Vargas publicou o Mapa de Exclusão Digital, com objetivo de mapear as ações voltadas para a inclusão digital no Brasil. Segundo o documento, o analfabetismo digital afeta a capacidade de aprendizado, a conectividade e a disseminação de informações, afligindo o indidvíduo em diversos campos. O mapa apontava, em 2003, que apenas 16,20% da população de Santa Catarina tinha acesso a um computador e 10,08% tinha acesso à internet. Não foram encontrados dados oficiais sobre o acesso a outros tipos de bens tecnológicos como máquinas fotográficas digitais e celulares com câmera digital, no que diz respeito ao seu uso em contexto escolar. Refletindo sobre a suposta igualdade referida anteriormente por Mantoan no que tange ao acesso às tecnologias, é preciso tomar cuidado para que essas integrem-se a experiências de sentido para os alunos, mas, principalmente, que não se tornem fator de exclusão escolar. Existem em algumas escolas equipamentos computacionais dos mais simples aos mais recentes e em outras, não existem computadores nem preparo para lidar com eles. Pode-se afirmar, portanto, que a inclusão digital está presente na escola? No que concerne aos projetos de inserção de aparelhos de produção de imagens digitais na educação, como se dá a questão do uso e acesso a esses equipamentos? Todos deveriam, segundo o artigo 205 da Constituição, ter acesso irrestrito a um ambiente que reflita a sociedade como ela é, preparando a pessoa para a cidadania (MANTOAN, 2003, p. 29). O ensino reflete a sociedade tecnológica em constante renovação ao qual 24

7 o aluno irá deparar-se, quando adentrar o mercado de trabalho ou que ele divide todos os dias ao simplesmente conversar com seus amigos de escola? As tecnologias, inerentes a certos bens de consumo, tornaram-se instrumento de relações de poder? De acordo com Santaella a atual revolução é que milhões de pessoas com renda média possam se tornar produtores de suas próprias imagens, de suas próprias mensagens (SANTAELLA, 2005, p. 59). Tal revolução permite, sem dúvida, ter acesso a novas esferas de conhecimento e informação antes inimagináveis. Segundo Martins as novas tecnologias e a rede mundial de computadores mostram caminhos para uma aproximação com as diversas possibilidades das experiências artísticas e estética contemporâneas, cuja mediação é a máquina (MARTINS, 2007, p. 632). Aproximar as experiências dentro das escolas daquelas vividas fora dela ou, por outro lado, dar acesso a novas experiências sociais, estéticas e de aprendizagem são algumas das possibilidades do uso das novas tecnologias. O uso das tecnologias nem sempre é bem visto, no entanto, pelo currículo formal, normativo. Comportamentos, valores e atitudes presentes na aprendizagem formam o currículo formal assim como o currículo oculto, advindo das relações sociais da escola. O currículo pode ocultar ideologias, assim como pode negar práticas recorrentes no ambiente escolar e, desta forma, a instituição escolar lida, continuamente, com transgressões empreendidas pelos jovens em formação (MARTINS, 2008, p. 846). Transgressões essas que usam equipamentos não autorizados para a produção de imagens, como celulares com câmera e câmeras digitais considerados prejudiciais pela instituição, pois dispersam os alunos e não são usados para os conteúdos curriculares oficiais, sendo vistos como concorrentes do conhecimento 25

8 formal ou imcompatíveis a ele. Contudo, esses equipamentos continuam a serem usados para a produção de imagens, pois elas são usadas como forma de afirmação dando vasão as suas percepções e elaboraçoes subjetivas no mundo, adentra uma esfera gigantesca de compartilhamentos, atarvés de práticas como o intercâmbio de textos, fotos, vídeos, freqüentes no contexto virtual, a partir de espaços como e- mails, blogs, fotologs, orkut, youtube, etc (MARTINS, 2008, p. 847). Pergunta-se, portanto, sobre aqueles que não possuem acesso a tais tecnologias mas convivem numa esfera escolar em que essas novas tecnologias são usadas como forma de diálogo e relacionamento entre seus integrantes. Como tornar essas tecnologias acessíveis a todos? Banindo-as da escola ou, pelo contrário, inserindo-as como ferramentas legítimas de ensino e aprendizagem? Pode-se, assim, criar meios de inclusão escolar e digital através das novas tecnologias? Afinal, não tem sido o grande propósito das tecnologias na cultura? Permitir a reprodutibilidade e a massificação dos bens de consumo? De acordo com Sancho a tecnologia serve para a resolução de problemas, ainda que por vezes inexistentes ou criados por outras tecnologias, sendo seu interesse maior o de monopolizar um mercado de resultados de venda imediatos. Como o escola não abandona um modelo centrado no professor e no livro didático, as tecnologias digitais tornam-se injustificadas e de alto custo (MENDES et al. 2009, p.4-5, tradução nossa). Isso faz com que as convenções que se revelam carentes de justificação precisam ser substituídas por outras que resistam ao exame crítico-argumentativo (GOERGEN, 2005, p. 41). Pelas duas falas, entende-se porque as velhas práticas perdurem e as tecnologias digitais 26

9 tenham dificuldade em adentrar o ambiente escolar de forma eficiente, não apenas como ferramentas alternativas para as velhas metodologias - como acontece com o uso de projetores e laboratórios de informática. Os livros didáticos, que surgiram na concepção da pedagogia tecnicista, organizavam as atividades e os momentos, sendo por demais confundidos com uma proposta curricular, um programa de ensino (ROSA, 2009, p. 38). Essa confusão também não pode ser feita com as tecnologias como o computador, máquinas fotográficas e celulares, que não são o fim educacional em si, mas sim uma ferramenta para atingir suas metas. Assim também deve-se ficar atento a não introduzir tais tecnologias no ambiente escolar apenas obedecendo a premissas do mercado tecnológico. Os meios de massa denotam sistemas industriais de comunicação tomado pela proliferação de imagens, como a fotografia (e sua máquina) e outros meios que gravam, editam, replicam e disseminam imagens e informações (SANTAELLA, 2005, p. 6). A autora referida defende a indissociação entre as comunicações e as artes, pois ambas convergem, sem no entanto iguarlar-se. Os meios de massa adentram inúmeras práticas cotidianas além de conhecimentos diversos que não podem, contudo, ser ignorados pela escola. Mas, ao esboçar como o acesso às novas tecnologias de produção de imagens digitais ocorre dentro da escola, deve-se questionar, notadamente, de que forma essas tecnologias devem ser empregadas, com que intuito educativo? Segundo Mantoan os projetos desvinculados das experiências e interesse dos alunos só servem para demonstrar a pseudoadesão do professor às inovações. (MANTOAN, 2003, p. 51) Isso questiona, portanto, o uso indiscriminado da tecnologia na sala de aula. As inovações tecnológicas devem ser pensadas antes de inseridas no 27

10 ambiente educativo. Que propósito elas objetivam? Quais experiências podem proporcionar? São elas bemvindas e úteis para os alunos daquele contexto e região? É preciso estar atento a não generalizar o uso da tecnologia como solução para a motivação dos educandos. O quê está-se ensinando? Os velhos conhecimentos através de novos procedimentos ou ferramentas? Com o advento da mídia eletrônica, a técnica não diz mais respeito à habilidade de manipular materiais, mas sim à habilidade de manipular tecnologia (SANTAELLA, 2005, p.61). Mas a manipulação ou presença de ferramentas tecnológicas na escola basta? Em relação a isso, Sancho alerta que as práticas escolares não se modificam pois o cerne das políticas educativas focam o poder da ferramenta tecnológica, sua mera presença na escola, sem articular com os demais componentes do ensino além de esquecer sua manutenção (MENDES et al. 2009, p. 6). Deste modo, é preciso estar atento à não transformar as novas tecnologias em um tecnicismo pedagógico, como o da década de Mello vai ao encontro das afirmações de Sancho, afirmando que a tecnologia educacional representa a racionalização do ensino visando sua eficácia e adequando seu produto às necessidades do modelo de desenvolvimento em vigor e, portanto absorvendo a ideologia empresarial (1986, p. 30, apud ROSA, 2005, p. 38). As tecnologias podem tornar-se palco de discussões e reflexões sobre o valor e usos da tecnologia, assim como seu possível caráter promotor de inclusão digital e social. Refletir sobre o mundo além das aparências é, uma das aprendizagens do ensino através de novas tecnologias, como a fotografia digital, que denuncia as representações. A fotografia acabou com o mito de que nosso olhar é algo natural ou inocente. O paradigma pós- 28

11 fotográfico, que refere-se às imagens numéricas oriundas da transformação de uma matriz de números em pontos elementres (pixels) visualizados sobre uma tela de vídeo ou uma impressora (SANTAELLA, 2005, pp. 22-7) permite expandir o acesso a muitos novos conhecimentos, produções, procedimentos e reflexões. 3. Formação docente quanto às novas tecnologias O tema da inserção de tecnologias em sala de aula engloba ações discentes como docentes. As novas tecnologias estão presentes na sociedade, ainda que de forma difusa e seletiva, elas permeiam a realidade direta ou indireta de muitos alunos e educadores. A origem etimológica da palavra aluno, vem do verbo latim alére 2 que significa "desenvolver, alimentar, criar. Quando se trata do uso e da manipulação de tecnologias digitais e aparelhos de produção de imagens digitais, indaga-se sobre quem alimenta ou ensina quem nesse processo. Será o professor guiado pela familiaridade do aluno com as novas tecnologias? Quer o professor tenha familiaridade com as novas tecnologias ou não, é cada vez mais consensual entre os pesquisadores da área que ele deve ser preparado para essas mudanças no cotidiano escolar (MENDES et al. 2009, p. 3). Seja para questioná-las, aproximar-se das práticas de seus alunos, rever suas práticas metodológicas e entrever novas possibilidades de ensino e aprendizagem, o professor pode fazer uso a seu favor, enquanto estiver aberto a novos posicionamentos e desafios. Mendes et al. entrevistaram a professora e pesquisadora espanhola Juana Maria Sancho, segundo a qual a filosofia da tecnologia 2 Dicionário Houaiss (2001) 29

12 digital ainda não entrou, de fato, na escola, pois para isso é preciso que o professor desista de vez de sua posição de protagonista do ensino, além de vislumbrar mudanças formativas e sociais profundas (MENDES et al, 2009, p. 4, tradução nossa). De acordo com a pesquisa O uso do computador e da internet na escola pública realizada pela Fundação Victor Civita 3, de 400 escolas no Brasil, 98% dispõe de computador enquanto 72 % dos professores se dizem não preparados para fazer uso do equipamento. Para Porto (2009), os professores ainda estão reticentes, seja por falta de familiaridade ou preparo para lidar com tais tecnologias. A escola pública, mesmo se entendendo em processo de modernização com inclusão massiva de TIC, na maioria das situações, conta com professores ainda reticentes para integrálas aos processos educativos e comunicacionais, apesar de as perceberem como recursos, ferramentas e/ou meios que auxiliam na vida profissional e pessoal do docente, valorizando as pela sua utilidade e não pelo campo de conhecimento no qual estão inseridas (PORTO, 2009, p. 34). Além de saber fazer uso da tecnologia destaca-se o fundamento e objetivo metodológico do professor ao fazer uso dela. Mendes et al. enfatizam que na análise do Projeto UCA (Um Computador por Aluno) no Brasil, a maior dificuldade enfrentada não está no uso das tecnologias mas em novas metodologias de ensino, como a por projetos, cuja bases de ensino e aprendizagem é a pesquisa, o que remete, notadamente, a um maior protagonismo dos alunos (MENDES et al., 2009, p.8). O professor também deve ser protagonista de sua ação docente, cuja curiosidade e determinação são essenciais nas possibilidade de mudanças metodológicas. Para Padilha os professores ficam à mercê dos 3 Este estudo não foi aplicado no Estado de Santa Catarina. Para acesso, ver referências. 30

13 manuais, inertes em sua dependência, sem a coragem de se unirem para formular novos propostas e reflexões acerca de suas práticas (PADILHA, 2003, p. 20). Como ressalta Sancho, o uso da tecnologia depende das crenças sobre o que significa ensinar e aprender para quem decide no que vão consistir as experiências de aprendizagem dos alunos (MENDES et al, 2009, p. 14). O professor necessita, assim, ter uma visão abrangente de sua ação docente, pensar a funçao social da escola e sua função enquanto educador, refletindo o seu presente e projetando o futuro. A inclusão é inerente e imprescindíveis a essas reflexões. O professor precisa conceber a inclusão como um processo, no qual ele tem possibilidades de interferência e não como um produto, quando os saberes sobre inclusão aparecem nos discursos como já instituídos, e portanto sem maiores projeções de construção (ANJOS et al. 2009, p. 120). Para isso, é necessária, antes de tudo, que ele mesmo tenha acesso às novas tecnologias e se sinta incluído nessa realidade. Para auxiliar e enriquecer a prática docente, o professor necessita ter acessos a bens culturais. Investigações da Unesco indicam um crescimento do contingente de professores excluídos de certos bens culturais básicos, como jornais, obras literárias e eventos artísticos. A formação continuada e as políticas governamentais não podem faltar de estratégias que possibilitem o acesso do professor a estes bens. As próprias instuitções formadoras podem, notadamente, se tornar espaços de produção e difusão cultural (UNESCO, 2009, p. 233). Percebe-se, assim, que vários fatores influenciam as possibilidades de inclusão digital na escola, sendo primordial que os professores sejam capacitados de modo a pensar o uso de tecnologias no ambiente escolar de modo amplo e inclusivo, não apenas como cumprimento a leis ou tendências culturais e mercadológicas. 31

14 4. Considerações O presente artigo visou esboçar a questão da inclusão digital no ambiente escolar e as problemáticas que emergem do uso das novas tecnologias. Considera-se que abordar questões referentes ao espaço escolar e as suas manifestações no tocante ao acesso e à produção através das novas tecnologias é fundamental para uma maior reflexão sobre as funções e possíveis benefícios de tais tecnologias no processo de ensino e aprendizagem. Muitos dados devem ser pesquisados com mais detalhamento e até em campo para um posicionamento mais assertivo. Pode-se, contudo, perceber uma necessidade de oferta maior de formação docente, seja curricular ou continuada, sobre inclusão digital e sobre como trabalhar as novas tecnologias de modo pertinente e crítico. Pensar a inclusão digital na escola é primordial para que as novas tecnologias não se tornem um fator de exclusão social e possam ser acessíveis a todos os alunos, oriundos das mais diversas origens, sejam étnicas e, notadamente, de classes. A inclusão digital só passa a ter sentido quando pensada numa luta maior de combate aos problemas sociais vigentes e de promotora de mudanças sociais, inclusive no seio do ambiente escolar. A inclusão total ressalta que todos os alunos têm necessidades educacionais especiais e precisamos estar atentos a exclusões silenciosas, como a digital, muitas vezes ancorada em lógicas de mercado que adentram o meio escolar. As novas tecnologias podem tornar-se ferramentas poderosas de ensino e de inclusão, quando pensadas de forma abrangente e instigantes tanto para os alunos quanto para os professores. O uso de câmeras fotográficas digitais e celulares ainda é contestado, pois recente, na escola, ainda sem dados oficiais, razão pela qual a pesquisa em curso voltará-se mais para essa 32

15 questão. Enquanto novas tecnologias, esses equipamentos devem passar por um exame crítico para se tornarem parte de processos de ensino e aprendizagem construtivos e em sintonia com as metas educativas vigentes. Referências ANJOS, Hildete Pereira dos; ANDRADE, Emmanuele Pereira de; PEREIRA, Mirian Rosa. A inclusão escolar do ponto de vista dos professores: o processo de constituição de um discurso. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas/SP. V.14, n. 40 jan./abr BOEME, Maria Suelli Pamplona. A contribuição da escola no processo de tecnoletramento do aluno : uma avaliação da implantação de recursos informatizados nas escolas públicas de Rio do Sul f. Dissertação (Mestrado em Educação e Cultura) Universidade do Estado de Santa Catarina & UNIDAVI, Rio do Sul Disponível em: <http://www.tede.udesc.br/ tde_busca/arquivo.php?codarquivo=108>. Acesso em 02 de fev BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: arte / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC /SEF, p. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/arte.pdf>. Acesso em 05 de jun.2010 FRANZ, Teresinha Sueli; KUGLER, Lila Emmanuele. Educação para uma compreensão crítica da arte no ensino fundamental: finalidades e tendências. UDESC: DAPesquisa: revista de investigação em artes. Agosto 2004-Julho Volume 1. N 2. Disponível em: <http://www.ceart.udesc.br/ revista_dapesquisa/volume1/numero2/visuais.htm>. Acesso em 20 set FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Mapa da Exclusão Digital/ Coordenação Marcelo Côrtes Neri. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, CPS, [143] p. FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA; IBOPE INTELIGÊNCIA; LSI-TEC. O uso do computador e da internet na escola pública Disponível em: <http:// Acesso em 23out2010. GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá (coord.). A formação continuada em questão. In: Professores do Brasil: impasses e desafios. Cap Brasília: UNESCO, p. 33

16 GOERGEN, Pedro. Pós-modernidade, ética e educação 2. Ed. Revista Campinas. SP: Autores Associados, (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo; 79) HOUAISS A.; VILLAR M. de S.; FRANCO FM de. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; p Linguagens, códigos e suas tecnologias. PCN + Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais / Secretaria de educação Média e Tecnológica Brasília: MEC; SEMTEC, p. MARTINS, Alice Fátima. Novas tecnologias e o ensino de artes visuais: algumas considerações. 16 Encontro Nacional da ANPAP: UDESC. Florianópolis: 2007, p Imagens digitais: fluxos clandestinos em instituições escolares anacrônicas. 17 Encontro Nacional da ANPAP: UDESC. Florianópolis: 2008, p MENDES, Geovana Mendonça Lunardi; CORREA, Juan Casanova, BORGES, Martha Kaschny. Tecnologias digitais, formação de professores e contextos escolares: novos desafios, velhos problemas. In: Linhas, Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação: UDESC. Florianópolis, v. 10, n. 02, p , jul. / dez MANTOAN, Maria Teresa Égler. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, NUNES, Ana Luiza Ruschel. Panorama da pesquisa em artes visuais em inter-relação com a inclusão. In.: FONSECA DA SILVA, M.C.R. e MENDES, G.M.L. Educação, arte e inclusão: trajetórias de pesquisa. Florianópolis: Editora da UDESC, PADILHA, Anna Maria Lunardi. A diferença na escola: muitas perguntas, algumas respostas. In: Linhas, Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação: UDESC. Florianópolis, v. 4, n PORTO, Tania Maria Esperon. Inserções De Tecnologias E Meios De Comunicação Em Escolas Públicas Do Ensino Fundamental: Uma Realidade Em Estudo. In: Linhas, Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação: UDESC. Florianópolis, v. 10, n. 02, p , jul. / dez ROSA, Maria Cristina da. A formação de professores de Arte, diversidade e complexidade pedagógica. Florianópolis: Insular, p. SANTAELLA, Lucia. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? - São Paulo: Paulus, (Coleção Questões fundamentais da comunicação; 5/ coordenação Valdir José de Castro). 34

17 Sandrine Allain Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Universidade do Estado de Santa Catarina, na linha de Ensino. Possui graduação em Design - Habilitação em Design Gráfico pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Design Gráfico. A área de pesquisa em foco são as novas tecnologias no ensino e seus desdobramentos nos processos de ensino e de aprendizagem. 35

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração

Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Aprendizagem da Matemática: um estudo sobre Representações Sociais no curso de Administração Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital SALERNO, Daniela Prado 1 VIEIRA, Vania Maria de Oliveira

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP

Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP Novas tecnologias no contexto educacional da pós-graduação: resumos de dissertações e teses apresentadas na UMESP 182 NOVAS TECNOLOGIAS NO CONTEXTO EDUCACIONAL RESUMOS DE DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL

BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL BREVE DISCUSSÃO SOBRE INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS: ALGUNS CAMINHOS TRAÇADOS EM BUSCA DA EQUIDADE SOCIAL RESUMO Francisco Roberto Diniz Araújo Universidade Estadual do Rio Grande do Norte E-mail: Antonio

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15

08/10/14 sala 2. 13h30. 13h45. 14h00. 14h15 08/10/14 sala 2 FORMAÇÃO INICIAL E O PROCESSO DA ESCRITA EM FRANCÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE LEITURA COMO ASPECTOS CONSTITUTIVOS DA BASE DE CONHECIMENTOS DO PROFESSOR CRENÇAS DE

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA *

PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA * PRODUÇÃO TEXTUAL ONLINE E OFFLINE NO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA * Luciana Patricia Schumacher Eidelwein - UFSM RESUMO: Este trabalho apresenta uma proposta de utilização do uso das Tecnologias Digitais

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS?

BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? BIDOCÊNCIA: INCLUSÃO OU EXCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS? Resumo CUNHA, Cinara Marli da FURB cinarte@hotmail.com SIEBERT, Emanuele Cristina FURB artemanuele@ibest.com.br Área Temática: Diversidade

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática

ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática ENSINO MÉDIO INTEGRADO: analisando o currículo de matemática Fernanda Pereira Santos 1 Profª. Drª. Célia Maria Fernandes Nunes 2 Profª. Drª. Marger Ventura Viana 3 Resumo Com esta pesquisa pretende-se

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA UM ESPAÇO DE ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Aline Alcalá; Amanda Fernandes Dayrell; Danielle Martins Rezende; Gabriela Camacho; Renata Carmo-Oliveira O processo de inclusão de pessoas com necessidades

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR POR PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES AUTORES: Silvia Sales de Oliveira; Maria da Piedade Resende da Costa; Nadja

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais