MELHORANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DA INCLUSÃO DIGITAL. Palavras-chave: Educação; Inclusão Digital, Formação Docente, Escola Pública.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHORANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DA INCLUSÃO DIGITAL. Palavras-chave: Educação; Inclusão Digital, Formação Docente, Escola Pública."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL MODALIDADE A DISTÂNCIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MELHORANDO A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DA INCLUSÃO DIGITAL ROSSANE KEILE SALES DA FONSÊCA Especialista em Gestão Publica Municipal - UFPB MARTA MARIA GOMES VAN DER LINDER Coordenadora do Curso de Especialização em Gestão Pública Municipal- Sistema UAB RESUMO O presente trabalho pretende analisar a inclusão digital em uma Escola Pública localizada no município de Santana de Garrotes-PB sob a perspectiva dos professores que nela trabalham. Pretende ainda promover uma reflexão sobre os benefícios das tecnologias da informação e comunicação para melhoria da prática docente, bem como identificar como as TICs podem melhorar o processo de ensino e aprendizagem no que se refere à utilização dos recursos tecnológicos, para incrementação, dinamização das aulas e promoção de pesquisas escolares. Palavras-chave: Educação; Inclusão Digital, Formação Docente, Escola Pública. 1 INTRODUÇÃO As grandes transformações que vêm ocorrendo em consequência do processo de globalização, e inovações das tecnologias de comunicação, estão dando novos significados à percepção e ao comportamento humano bem como, modificando os padrões culturais. As tecnologias de informação e comunicação - TIC encontram-se inseridas no cotidiano de quase todas as pessoas. O tema inclusão digital aparece como assunto na agenda pública, tanto no que tange ao plano político e econômico, como no social. Desde os anos 90 a informática vem adquirindo uma importância cada vez maior no campo da educação. Em consequência do avanço tecnológico e o advento da chamada sociedade de informação, instituições de ensino procuram adequar seu modo de funcionamento para integrar essa tecnologia, refletindo no comportamento da sociedade. As pessoas precisam estar atentas em adquirir novos conhecimentos e desenvolver habilidade a

2 2 fim de atender a essa nova demanda. E para que isso ocorra é preciso pensar em uma instituição educacional que forme cidadãos capazes de lidar com os avanços tecnológicos, em especial com a Internet. Assim sendo é importante refletir sobre qual escola precisamos? Que tipo de formação docente deveu ter? Qual o papel da escola e professor? Essas perguntas geram inquietações sobre esse tema principalmente quando se tratam da formação docente em atendimento as demandas sociais por inclusão digital. O emprego de novas tecnologias na educação ainda é visto com reserva, seja por falta de conhecimentos tecnológicos, seja por falta de habilitação docente para seu uso no meio educacional. Muitas vezes, o computador é visto e introduzido como uma solução capaz de resolver todos os problemas da educação. Levy (1993, p. 54) diz que: é preciso deslocar a ênfase do objeto (o computador, o programa, ou módulo técnico) para o projeto (ambiente cognitivo, rede de relações humanas). A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB, 1996, preconiza a inclusão digital no processo educacional como uma necessidade da alfabetização digital em todos os níveis de ensino, do fundamental ao superior. Porém ainda existem muitas escolas sem acesso a Internet, muitos professores, que ainda não sabem sequer acessá-la ou que se recusam a utilizá-la em suas aulas, sendo detectada com isso, a exclusão e não inclusão digital. As políticas de inclusão digital devem permitem a inserção de todos na sociedade da informação. O PNE menciona o uso de tecnologias e conteúdos de multimídias na educação e ressalta o importante papel da escola como ambiente de inclusão digital, numa sociedade ancorada no trânsito da informação, por meio de tecnologias de comunicação e informação. Há ações que objetivam proporcionar laboratórios de informática a todas as escolas públicas dando acesso às novas tecnologias possibilitando a admissão nos movimentos de inclusão social, a fim de melhorar as condições de vida das pessoas. No entanto, o que se percebe é que esta política não é está surtindo os efeitos desejados, visto que é absolutamente insuficiente colocar laboratórios de informática nas escolas, sem uma política de qualificação para seu uso. É claramente diagnosticada a fragilidade das escolas, no que se refere ao manuseio e manutenção dos equipamentos de informática, bem como, dos professores que, em sua maioria são considerados analfabetos digitais. É preciso que profissionais, possam dar assistência a professores, alunos e fazer a manutenção dos equipamentos, quando surgirem problemas técnicos. Contudo, se faz necessário que novas iniciativas de capacitação profissional e formação continuada para os professores sejam efetivadas, como forma de preparar e motivar

3 3 os docentes a adotar novas maneiras de incrementar suas aulas, de atrair a atenção dos alunos e de promover, a partir do processo de inclusão digital, uma aprendizagem interativa e dinâmica. Para alcançar os objetivos, o trabalho propõe a partir de levantamento de dados (questionário e entrevista), traçar um perfil dos docentes para verificar o uso das TICs no planejamento de suas aulas, investigar se a inclusão digital está acontecendo na Escola pesquisada e instigar os docentes a melhorar sua prática de ensino com o auxilio das ferramentas tecnológicas. 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 A Era Digital Atualmente as tecnologias de informação e comunicação estão se expandindo de forma acentuada e não há como ficar despercebido a tais mudanças, pois estão se tornando cada vez mais presentes em nosso dia-a-dia, seja através da televisão, do rádio, da telefonia e principalmente da informática. É notório que a internet vem superando os outros meios de comunicação, principalmente pela velocidade que vem acontecendo, de forma a invadir as residências, escolas e toda a comunidade. Uma era diferente, interativa e conceituada como era digital, termo dado ao período que vem após a Era Industrial, particularmente, na década de 1970, com invenções tais como o microprocessador, a rede de computadores, a fibra óptica e o computador pessoal. ( 1 Informação extraída do site: acesso em 12/10/2011). Hoje o computador é responsável pela produção e difusão de muitos tipos de informação, as pessoas estão cada vez mais inseridas no processo de globalização e antenadas com o mundo. A proposta da lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em vigor desde 1996, já preconiza a necessidade da alfabetização digital, no entanto, o que se ver na realidade é que nem todas as escolas possuem laboratórios de informática, as que os possuem não os usam com frequência ou ainda sentem dificuldade em manusear os equipamentos. O fato é que não basta apenas enviar computadores para as escolas, é preciso que se criem condições adequadas de funcionamento desses laboratórios oferecendo suporte técnico. Apesar de todo esforço por parte do governo em informatizar as escolas criando a possibilidade de inclusão digital e mesmo com todas as dificuldades técnicas encontradas,

4 4 ainda se percebe grande resistência de alguns professores em utilizar esta poderosa ferramenta nas suas práticas docentes. GATTI (2003) apresenta algumas condições a esse respeito: Sempre que uma inovação surge no horizonte dos educadores, observa-se, em algumas, deslumbramento em função das possibilidades aventadas por essas inovações e, em outros, ceticismo crônico provocado que pela decepção que professores diretores e técnicos em Educação vêm acumulando com as políticas e pospostas educacionais mal implementadas ou descontinuadas pelos sucessivos governos, quer pela acomodação natural que temos a nossas funções e pelo incômodo que inovações podem provocar, na medida em que estas exigem alterações no comportamento e uso de espaço e tempo já bem cristalizados. Os alunos, principalmente os jovens, nasceram numa era em que a tecnologia é uma realidade presente no seu cotidiano. Eles lidam de forma natural com as ferramentas tecnológicas e se tornam quase que dependentes delas. O professor precisa estar atento a essa realidade. O aluno de hoje não se contenta apenas com aulas expositivas e dialogadas, que se mostram pouco atraentes e incapazes de promover um processo dinâmico de aprendizagem. Eles têm acesso a informações e conteúdos muito antes que os professores os ministrem em suas aulas. Há uma necessidade de se modernizar os métodos de ensino, de planejar as aulas com mais afinco e cuidado, pois o público-alvo vem mudando ao longo dos anos e é preciso, que os docentes se enquadrem nessa realidade, proporcionado uma nova metodologia com a ajuda dos recursos tecnológicos. De acordo com NEGROPONTE (1995): Cabe ao professor, responsável pelo planejamento, desenvolvimento e avaliação dos processos de aprendizagem sob responsabilidade da escola, orientar os alunos no uso da Internet de modo que os conduza ao processo de construção do conhecimento. 2.2 Inclusão Digital x Exclusão Escolar É impossível se falar em inclusão digital sem antes falar da exclusão. Sabe-se que uma sociedade inclusiva depende de uma boa formação escolar e de uma nova forma de ensinar. A nova realidade oferece oportunidades e riscos, cabendo-nos preparar a nós mesmos e preparar os nossos educandos para o desenvolvimento das habilidades necessárias para se inserirem na sociedade informação. Esse é um grande desafio. Sobre o preparo do aluno, Perrenoud (2000) nos propõe: Formar para novas tecnologias é formar o julgamento, o senso crítico, o pensamento hipotético dedutivo, as faculdades de observação e de pesquisa, a imaginação, a capacidade de memorizar e classificar, a leitura e a análise de textos de imagens, a representação de redes, de procedimentos e de estratégias de comunicação [...] preparar para as novas tecnologias é, para uma proporção

5 5 crescente de alunos, atingir mais plenamente os mais ambiciosos objetivos da escola. (PERRENOUD, 2000, p. 128). Diante da reflexão com base nos autores estudados, pode-se constatar que a inclusão digital no contexto escolar, em especial na educação básica, torna-se um grande desafio à medida que se pretende gerar igualdade de oportunidades na sociedade de informação. 2.3 As Ferramentas Tecnológicas e a Educação A Internet, cada vez mais ganha espaço frente à realidade do mundo e da sociedade sugerindo novas formas de se produzir conhecimentos e cultura. A relação entre sujeitosmáquinas-sujeitos vai se ampliando e modificando a forma do homem viver na sociedade. A Informática da Educação está cada vez mais presente na Escola Pública. A fim de propagar a inclusão digital estão surgindo centros de acesso público à Internet, cursos de alfabetização tecnológica e outras iniciativas que possam tornar mínimos a exclusão digital. Laboratórios de informática têm sido instalados nas escolas através de programas do Governo Federal e Estadual ou por iniciativa da própria Secretaria Municipal de Educação para suprir as carências existentes: analfabetismo, repetência e evasão. O poder público se preocupa com a aquisição de equipamentos e programas educativos, mas somente isso não pode garantir o sucesso da educação. Dever-se-ia repensar a informática na educação analisando sobre o seu uso, sua utilidade e sobre uma sólida formação docente, ou seja, alfabetização tecnológica do professor, para a humanidade não continue a correr o risco de ser excluída digitalmente. Sampaio e Leite (1999) dizem sobre isto que: O papel da educação deve voltar-se também para a democratização do acesso ao conhecimento, produção e interpretação das tecnologias, suas linguagens e consequências. Para isso, torna-se necessário preparar o professor para utilizar pedagogicamente as tecnologias na formação de cidadãos que deverão produzir e interpretar as novas linguagens do mundo atual e futuro. É este o sentido de defender a necessidade de alfabetização tecnológica para o professor, e para alcançála, é necessário esclarecer o significado pedagógico deste conceito. (SAMPAIO e LEITE, 1999, p.15). Há ainda no sistema educacional brasileiro uma distância entre o mundo da informática e da comunicação e o mundo da educação. O momento exige profunda transformação estrutural deste sistema, que passa pela articulação dos sistemas de informação e comunicação e formação de professores para que possam lidar com essas transformações. A

6 6 inclusão digital na educação e formação docente é uma necessidade que promove o acesso às TICs é visto hoje como condição para a efetiva inclusão social. 2.4 Inclusão Digital na Educação e a Formação Docente É bem verdade que a inclusão da tecnologia de informação e comunicação na educação é de fundamental relevância. Não se trata apenas de informatizar a escola ou ensinar os alunos a usar o computador. A integração do computador ao processo educacional depende principalmente da atuação do professor e do envolvimento e apoio de toda a comunidade. (ALMEIDA, 1998). O profissional docente requer novas habilidades e competências para o desenvolvimento de suas funções, que vão além de transmitir conhecimentos, contudo se faz necessário criar espaços para reflexão, participação e formação a fim de promover a adaptação às mudanças. Para Nóvoa, a formação do professor deve ser reflexiva e crítica sobre o fazer pedagógico. A formação não se constrói verdadeiramente, por acumulação de cursos, de conhecimentos e de técnicas, mas sim através de um trabalho reflexividade crítica sobre as práticas de (re) construção permanente de sua identidade pessoal. Por isso é tão importante investir na pessoa e dar um estatuto ao saber da experiência. (NÓVOA, 1997, p. 25) Em assim sendo, o atual momento exige uma ativa participação da escola e dos professores na perspectiva de desenvolvimento da capacidade crítico-reflexiva da prática docente, que atenda às necessidades da nossa sociedade e que de certa forma proponha ações que visem à formação de cidadãos capazes de intervir nos rumos da sociedade. Para essa mudança é preciso redimensionar o modo de pensar e fazer a educação. É preciso que haja uma interação ativa entre aluno e tecnologia, que devem ser mediados pelo professor, na construção dos conhecimentos e descobertas de habilidades, onde a tecnologia atue como suporte e não como elemento principal. É preciso ainda considerar o contexto pedagógico, social e as maneiras como as tecnologias são integradas aos alunos, pois elas podem ter um grande impacto na maneira como as pessoas pensam e aprendem, podendo inclusive interferir no processo de aprendizagem. Neste contexto, se faz necessário que os docentes estejam preparados para conduzir e acompanhar os alunos posibilitando, através do fazer pedagógico, uma compreensão melhor dos beneficios que podem ser extraídos das tecnologias em prol da aprendizagem.

7 7 3 - PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa em questão é do tipo qualitativa, a qual busca respostas para compreender a realidade à partir da descrição de significados, analisando qualitativamente os dados coletados em situação coletados em situação real. Tendo os dados coletados a partir de questionários que foram elaborados e respondidos por professores de uma escola pública, tem a intenção de detectar e compreender os reais motivos que levam os professores a resistirem à utilização das novas tecnologias como meio de melhorar seu desempenho docente e a aprendizagem dos alunos. Os instrumentos utilizados abordaram técnicas de coletas de dados a partir de questionários aplicados aos professores, entrevistas individuais e análise documental e ainda dados oficiais. Dessa forma pretendeu-se fazer uma interpretação dos dados coletados a partir da análise documental, com apoio na literatura sobre a temática. A pesquisa foi realizada com os professores do Ensino Médio, na modalidade Normal (Magistério), em uma Escola Pública. O número total de alunos, segundo o censo da escola é de 398 alunos. Distribuídos em 138 na modalidade fundamental I, 81 no fundamental II e 179 alunos no ensino médio (magistério). Para a realização da pesquisa foi focado apenas a modalidade do ensino médio. A escolha desta modalidade de ensino deu-se a partir de análise prévia, onde foi detectada a grande carência do uso das TICs na escola pelo corpo discente e docente. Os alunos do magistério precisam estar preparados para introduzir em seus planejamentos o uso das mídias tecnológicas e internet. A escola funciona nos três turnos com o ensino Fundamental I e II e Médio. Dos 11(onze) professores que lecionam no ensino médio na Escola, cinco responderam ao questionário e participaram da entrevista totalizando em 47% dos professores. Os instrumentos para coleta de dados pretende compreender como os professores estão se adequando a inclusão digital. A aplicação dos questionários que subsidiaram a coleta de dados e da entrevista foi feitas em dois momentos: A aplicação do questionário, abordando 23 questões foi feita na escola, com 47% dos docentes. A entrevista com nove questões aplicadas aos mesmos professores. Na aplicação dos questionários foram explicados os objetivos propostos nas atividades solicitadas mencionando a importância das mesmas para o bom andamento da pesquisa. Foi relatada ainda a grande contribuição que os professores estariam dando para a pesquisa em questão. Os mesmos se dirigiram a sala dos professores onde foram entregues os

8 8 questionários. Procurou-se deixá-los bem à vontade. Ao final da aplicação foi agendada a entrevista para o dia 11 de novembro de 2011 às 20:30 hs na referida escola. Os cinco (5) professores estavam presentes para a aplicação da entrevista que ocorreu na sala da secretaria da escola onde de forma individual foi procedida à mesma. Após a aplicação dos dois instrumentos, procedeu-se a análise dos dados. 4 ANÁLISES DOS RESULTADOS Foram realizadas análises descritivas dos dados da seguinte forma: participaram dos questionamentos cinco professores dos quais, dois eram do sexo masculino. As disciplinas lecionadas são: Matemática, Física, Artes, Química e Historia. Constatou-se durante a entrevista que: Na 1ª pergunta três dos professores entrevistados responderam que não utilizam as TICs como ferramenta tecnológica; Quanto à 2ª pergunta 100% dos entrevistados elencaram dificuldades como a falta de um profissional técnico e de mais empenho dos gestores em efetivar o uso laboratório e internet; Sobre utilizar as TICs em suas aulas, 60% responderam que já utilizaram a TV, DVD e Som. A 5º questão que indagou sobre os benefícios da inclusão digital, 100% destacaram como benefícios a interação, a acessibilidade e aquisição de conhecimentos. E responderam o item 6 assegurando que, mesmo em meio às dificuldades encontradas, se propõem a aderir ao uso das tecnologias de informação em suas práticas, acrescentando sua importância no processo de inclusão social. E para que isso aconteça na escola, 40% deles sugeriram (na questão 7) que a escola realizasse curso de formação para os professores, que organizasse o laboratório e que tivesse a presença de suporte técnico para ajudar os docentes e alunos Na questão 8, 80% dos entrevistados responderam que não participaram de nenhum treinamento ou capacitação para uso da internet, apenas 20% relatou ter feito o curso básico por conta própria. E 60% disseram (respondendo a questão 9) que já ouviram falar de programas de capacitação de professores, dando como exemplo o curso básico e intermediário do programa Mídias na Educação, disseram que iniciaram, mas desistiram devido às dificuldades de manuseio na plataforma do curso e falta de motivação. No espaço aberto ao entrevistado (na questão 10) 40 % sugeriu que houvesse um curso de formação em informática e Internet, pelo menos o básico e que o laboratório ficasse aos cuidados de profissional e que este, ficasse a disposição dos professores e alunos cuidando para que os computadores estivessem em pleno funcionamento para uso. Os outros 60% nada relataram sobre esta questão.

9 9 Desta forma percebe-se nas respostas que os professores demonstram que não possuem habilidade desejada para a inclusão digital na escola. A aplicação de softwares, como ferramenta de auxílio às práticas docentes, não se aplica a realidade local. A análise dos resultados obtidos com o questionário veio confirmar através das respostas dos itens 13 aos 23 a falta de preparo e de segurança dos professores em lidar com as TICs e ainda falta de conhecimentos de programas de inclusão digital na escola. Conforme mostra a tabela abaixo. Tabela 1- Questionário aplicado aos professores (respostas). QUESTÕES PROFESSOR A PROFESSOR B PROFESSOR C PROFESSOR D PROFESSOR E 1 Fem Fem Mas Mas Fem 2 Pedagogia Historia Química Matemática Pedagogia 3 Sim Sim Sim Sim Sim 4 Sim Sim Sim Sim Sim 5 Não Não Não Não Não 6 Sim Sim Sim Sim Sim 7 Não Não Não Não Sim 8 Não Não Não Não Sim 9 Não Não Não Não Não 10 Não Não Não Não Não 11 Não Não Não Não Não 12 Não Não Não Não Não 13 Não Não Não Não Não 14 Não Não Não Não Não 15 Não Não Não Não Não 16 Não Não Não Não Não 17 3 a 5 anos 1 a 3 anos 1 a 3 anos 1 a 3 anos 1 a 3 anos 18 Residência Residência Trabalho Residência Residência 19 1 vez 1 vez 1 Vez 1 Vez 1 Vez 20 Sim Sim Sim Sim Sim 21 Sim Sim Sim Sim Sim 22 Não Não Não Não Não 23 Falta de apoio Falta Domínio Falta de apoio Falta de apoio Falta de apoio A tabela acima vem confirmar o analfabetismo digital por parte dos docentes da escola pesquisada. Bem como a falta de preparo e motivação para introduzir em seus trabalhos docentes as tecnologias da informação e comunicação- TICs. Demonstrando que a inclusão digital e social está bem longe de acontecer. A aplicação da entrevista seguiu-se dois dias após o questionário com os mesmos (cinco) professores, os quais constaram de 10 (dez) perguntas (ver anexo). A análise da entrevista seguiu a mesma linha do questionário onde se obteve os seguintes resultados: Percebeu-se que a maioria dos entrevistados apresentaram dificuldades em lidar com as ferramentas tecnológicas, alegando que não foram preparados (com nenhum curso de

10 10 formação) os poucos conhecimentos que tem foram aprendidos em casa com os filhos, mas que não se atrevem a aplicá-los na escola, porque não se sentem seguros. Tive que fazer curso básico por conta própria, pois comprei um computador e não sabia manuseá-lo, mas ainda assim, ainda não me sinto muito segura em mexer. (Entrevistado A). Quanto à questão do planejamento das aulas alegaram que não sabem como lidar com os softwares. Disseram ainda que sentem a necessidade de utilizar tais ferramentas, mas o estado de conservação em que se encontra o laboratório da escola (quebrado, sem ninguém para dar suporte técnico) favorece o desinteresse dos mesmos em querer aprender. Não sei como usar o Power point, gostaria de ilustrar minhas aulas usando este recurso, mas não sei como prepará-las. Se tivesse uma pessoa responsável para ajudar ou pelo menos ensinar como fazer seria melhor (Entrevistado B). A falta de tempo para entrar num curso, por conta própria, também são fatores que levam a falta de motivação e interesse. Trabalho os três horários, tenho muita vontade de frequentar um curso de informática, mas não tenho tempo. Seria interessante se a escola oferecesse um curso ou um planejamento voltado à utilização das TICs na nossa pratica escolar. (Entrevistado C). Os professores se mostraram entusiasmados com a pesquisa, pois, tratou de um assunto importante e necessário para a escola. Esta pesquisa veio alertar a todos nós sobre esse tema que é muito atual para que possamos melhorar a nossa didática. Não podemos ficar parados esperando o tempo passar e agente ficar para trás. Temos que requerer e lutar pela inclusão digital e social, pois o interesse deve partir da gente. (Entrevistado E). A uma grande necessidade de introduzir os meios tecnológicos nas aulas do magistério como forma de enriquecer as micro aulas e ensinar novas técnicas de lecionar inserindo a tecnologia aos conteúdos e promovendo uma aprendizagem dinâmica. (Entrevistado D). 5 CONCLUSÕES A aplicação dos instrumentos demonstrou que mesmo tendo conhecimento das grandes contribuições que as TICs podem oferecer aos docentes e discentes existem ainda grandes dificuldades de acesso às mesmas. Dificuldades encontradas no que se refere a problemas técnicos no laboratório da escola, interesse dos gestores em preparar os professores

11 11 para o uso da Internet, oferecendo cursos e um suporte técnico para atender a professores e alunos e ainda a falta de comprometimento dos docentes em aderir às tecnologias da informação e comunicação. O que se percebe é que o desenvolvimento de habilidades que promovem a inclusão digital como mecanismo de socialização melhoria da prática docente e promoção da cidadania está longe de se concretizar. A falta de preparo dos professores e da efetiva utilização dos laboratórios de informática na escola impede que as Tecnologias de Informação e Comunicação possam ser utilizadas para o bem da comunidade escolar e dos alunos. A pesquisa detectou a inexistência de inclusão digital para a habilidade desejada. A aplicação de softwares, como ferramenta de auxílio às práticas docentes, não se aplica a realidade local. Vindo confirmar o despreparo e segurança dos professores em lidar com as TICs. Outro fator importante, elencados pelos entrevistados, os quais dificultam o acesso as TICs, foram à falta de tempo para se preparar frequentando um curso de informática básica. Fatores que levam ao desinteresse e falta de motivação. Espera-se que esta pesquisa possa instigar os professores e os gestores na busca de novas perspectivas e de mudanças em suas técnicas educacionais e em seus planos de aulas. Oferecendo oportunidades de inclusão digital e social a todos os individuos de forma a conduzir o acesso às informações e expansão da cidadania. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Maria Elizabete Biaconcini. Tecnologia na Escola: Criação da Rede de Conhecimentos. In: Boletim O Salto para o Futuro. Tecnologia na Escola. Brasília: (1998). GATTI, BERNARDETE A. As Pesquisas Sobre Formação de Professores. in Revista Educação Municipal. São Paulo: V. 01, no. 02, p , set LEVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, NEGROPONTE, Nicholas. A Vida Digital, São Paulo: Companhia das Letras, NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote/ Instituto de Inovação Educacional, OLIVEIRA, Maria Auxiliadora Monteiro e COSTA, José Wilson. Novas Linguagens e Novas Tecnologias: Educação e Sociabilidade. Petrópolis: Vozes, 2004.

12 12 PERRENOUD, Phillip. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas: Lisboa: Dom Quixote Petrópolis. RJ: Vozes, Revista Educação Municipal. São Paulo: V. 01, no. 02, p , set SAMPAIO, M. N. e LEITE, Lígia Silva. Alfabetização Tecnológica do Professor. VAN DER LINDER, Marta Maria Gomes, Joao Vianney, Patrícia Lupion. Introdução à Educação a Distancia. Joao Pessoa: Ed. Da UFPB, ZANELLA, Liane Carly Hermes. Metodologia de estudo e de pesquisa em administração Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração UFSC; Brasília: CAPES: UAB, 2009.

13 APÊNDICES 13

14 14 Roteiro Para a Entrevista Nome: Professor de: 1-Você utiliza as TICs como ferramenta metodológica no seu planejamento didático e nas suas aulas? De que maneira? 2- Quais as dificuldades que você destaca no acesso a Internet em sua escola? 3- Você já utilizou alguma ferramenta tecnológica para lhe auxiliar em suas aulas? Em caso positivo, quais? Descreva como fez. 4- Discorra sobre as facilidades ou dificuldades para introduzir o uso da Internet na sua escola, especificamente na sua sala de aula. 5- Destaque os benefícios que a inclusão digital pode trazer para sua escola e diretamente para a aprendizagem dos alunos? 6- Você se propõe a aderir às tecnologias da informação e comunicação e acha que é importante para melhorar sua pratica escolar? Por quê? 7- Que sugestão daria para melhorar as aulas em sua escola e promover a inclusão digital e social dos alunos? 8- Já participou de algum treinamento ou capacitação para uso da Internet na sala de aula? Em caso positivo, fale sobre o mesmo. Deu resultados? 9- Conhece algum programa de capacitação de professores para uso das mídias nas escolas públicas? Em caso positivo, fale sobre o mesmo. 10- Espaço aberto para o entrevistado se manifestar livremente sobre o Uso da Internet na Escola em que trabalha. Questionário Perfil dos respondentes 1- Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino 2- Professor da disciplina: 3- Graduação já concluída? ( ) Sim ( ) Não Se sim, favor informar o curso: Características da Escola

15 15 4- A sua escola tem um laboratório de informática? ( ) sim ( ) não 5- Há internet? ( ) sim ( ) não qual a velocidade da conexão? 6-Você tem dificuldade em acessar a internet? ( ) sim ( ) não 7 - Você utiliza os computadores? ( ) sim ( ) não 8 - Vocês tem dificuldade em usar o computador ( ) sim ( ) não 9-Já preparou alguma atividade usando algum software? ( ) sim ( ) não 10 - Você já redigiu provas ou textos na escola com uso do computador? ( ) sim ( ) não 11 - Os alunos tem acesso aos computadores na escola? ( ) sim ( ) não 12-Em caso positivo, qual a frequência com que utilizam? 1( ) Todos os dias 2( ) Uma vez por semana 3( ) Mais de uma vez por semana 4( ) Raramente 5( ) Nunca 13- Você prepara slides para exibir conteúdos escolares utilizando ferramentas de apresentação eletrônica (Power Point) ( ) sim ( ) não 14- Você tem conhecimento técnico dos computadores como: problemas na configuração, teclado, acesso a internet? ( ) sim ( ) não 15- Existe algum programa de inserção digital na escola que você conheça: ( ) sim ( ) não - Em caso positivo, qual? 16- Você já passou por alguma capacitação para utilizar a Internet em sua escola ( ) sim ( ) não Em caso positivo, quando. 17- Você possui curso de informática? Pelo menos o básico? ( ) sim ( ) não

16 Há quanto tempo você leciona nesta escola? ( ) Menos de um ano ( ) De 1 a 3 anos ( ) De 3 a 5 anos ( ) Mais de 5 anos 19-De quais locais vocês acessa a internet e computador? ( ) Residência ( ) Trabalho ( ) Escola ( ) Outros. Favor especificar: 20- Quantas vezes por semana acessa a Internet? ( ) Não utilizo a Internet ( ) 1 vez ( ) 1 a 3 vezes ( ) Mais de cinco vezes 2 1- Você acredita que usando as TICs pode melhorar o seu desempenho docente e consequentemente dos seus alunos? ( ) sim ( ) não 22- Você se sente seguro (a) em utilizar o computador? ( ) sim ( ) não 23- As dificuldades que impedem você de utilizar as ferramentas tecnológicas para preparação de suas aulas estão ligadas exatamente a: ( ) Falta de domínio da máquina ( ) Desinteresse ( ) Falta de apoio na escola ( ) Não acha muito relevante para os alunos. E trabalhoso para você.

17 ANEXOS 17

18 18 ESCOLA MUNICIPAL MARIA SINHARINHA DE AZEVEDO (Local da pesquisa) Santana dos Garrotes-PB (cidade onde foi realizada a pesquisa)

19 19 Minicurrículo ROSSANE KEILE SALES DA FONSECA Graduada em Pedagogia, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú, Pós - Graduada em Psicopedagogia pelas Faculdades Integradas de Patos-PB, cursando Ciências Biológicas pela UFPB Virtual, Funcionária Pública municipal, Tutora Presencial Pólo de Itaporanga-PB. Atualmente leciona as disciplinas técnicas do magistério em escola da rede pública municipal na cidade de Santana de Garrotes e a disciplina de Biologia na rede Estadual de ensino na cidade de Itaporanga-PB. E atua como tutora presencial do curso de Ciências Naturais em Itaporanga-PB. Contato:

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior

A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior A importância da Educação à Distância para o desenvolvimento Profissional no ensino superior Janaína Batista da Silva Larissa Horrara de Almeida Leonardo Lopes Liliana Oliveira Palhares da Silva Luciana

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA GONÇALVES, Claudia Cristine Souza Appel UFPR clauealex@yahoo.com.br BRITO, Glaucia da Silva UFPR glaucia@ufpr.br Eixo Temático:

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005.

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005. USO DE SITES VISANDO A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE FÍSICA NO CURSO SEMIPRESENCIAL DA EJA INTRODUÇÃO Francinaldo Florencio do Nascimento Governo do Estado da Paraíba fran.nice.fisica@gmail.com Vivemos

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ. Maria Izabel Almeida de Melo Araújo *

A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ. Maria Izabel Almeida de Melo Araújo * A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ Maria Izabel Almeida de Melo Araújo * Luis Paulo Leopoldo Mercado Resumo O presente trabalho consiste

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

O Papel da EAD na Educação Profissional

O Papel da EAD na Educação Profissional O Papel da EAD na Educação Profissional Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Foz do Iguaçu, 02 de setembro de 2010 Agenda Gestão do Conhecimento e Educação Profissional Perspectivas

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012

CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 informações: 1.º 2.º 3.º CALENDÁRIO - PED TECNOLOGIAS EM ENSINO A DISTÂNCIA Grupo 097 - Junho/2012 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

O USO PEDAGÓGICO DAS TICs EM UM CURSO SEMIPRESENCIAL DE LICENCATURA Taitiâny Kárita Bonzanini

O USO PEDAGÓGICO DAS TICs EM UM CURSO SEMIPRESENCIAL DE LICENCATURA Taitiâny Kárita Bonzanini O USO PEDAGÓGICO DAS TICs EM UM CURSO SEMIPRESENCIAL DE LICENCATURA Taitiâny Kárita Bonzanini Resumo: A necessidade de se incorporar as novas tecnologias ao fazer docente diário é cada dia mais frequente.

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

O PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs): UM PANORAMA DOS PROFISSIONAIS FRENTE ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS.

O PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs): UM PANORAMA DOS PROFISSIONAIS FRENTE ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS. O PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TICs): UM PANORAMA DOS PROFISSIONAIS FRENTE ÀS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS. Tonato Camarotti, A. 1 O PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

Assunto: TC - B5 INTRODUÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS 175-TC-B5 13/05/2005

Assunto: TC - B5 INTRODUÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS 175-TC-B5 13/05/2005 1 Assunto: TC - B5 INTRODUÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS 175-TC-B5 13/05/2005 AUTOR: Maria Serrate Tostes Leite SENAI Rio de Janeiro mleite@firjan.org.br DEMAIS

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE TUTORES PRESENCIAIS PARA OS POLOS DE APUCARANA E PARANAGUÁ - 64/2013 CIPEAD/PROGRAD/SEPT CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM MÍDIAS INTEGRADAS NA EDUCAÇÃO 2013 A Universidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar 1 GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar Maio/2008 Fabíola da Conceição Lima Universidade Estadual do Maranhão / Núcleo de Educação a Distância fabiolalima27@hotmail.com Categoria

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE

EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE EDITAL Nº 077/ 2014 EDITAL DE CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS EJA NA DIVERSIDADE A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do, da

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância 128-TC-B5 Maio/2005 Marcio Vieira de Souza, Dr. Universidade do Vale do Itajai-UNIVALI-SC e-mail: mvsouza@univali.br Fernando Spanhol,

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais